Currículo e Distribuição Social do Conhecimento: Investigando um Pré-Vestibular Social no RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Currículo e Distribuição Social do Conhecimento: Investigando um Pré-Vestibular Social no RJ"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Currículo e Distribuição Social do Conhecimento: Investigando um Pré-Vestibular Social no RJ Vidal Assis Ferreira Filho Orientadora: Profª Drª Marcia Serra Ferreira Rio de Janeiro 2014

2 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Currículo e Distribuição Social do Conhecimento: Investigando um Pré-Vestibular Social no RJ Vidal Assis Ferreira Filho Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Educação. Orientadora: Profª Drª Marcia Serra Ferreira Rio de Janeiro 2014

3 3

4 4 Agradeço... Ao Criador, que me guiou pelos caminhos que percorri para chegar a esse momento de superação tão importante para a minha vida profissional e pessoal. À minha mãe, que, mesmo em todos os momentos de dificuldade, não perdeu a fé na vida. Aos meus amigos e parceiros de arte, que, durante a escrita dessa dissertação, compreenderam minhas ausências. À Clara Mutti, pela paciência e carinho nesse momento tão atípico da minha vida. À professora e orientadora Marcia Serra, pessoa sem a qual eu não estaria no PPGE, pela inteligência, pela paciência, pela compreensão, pelo apoio, pelo carinho e amizade ao longo desses anos de convivência. Aos professores Maria Margarida Gomes e José Roberto da Rocha Bernardo, por aceitarem compor a banca para a defesa dessa dissertação. Às professoras Ludmila Thomé e Sônia Lopes, pelos ensinamentos e pela extrema paciência e compreensão em relação aos prazos acadêmicos. À toda equipe da Secretaria do PPGE, em especial, à Solange Rosa Araújo, tão atenciosa com os alunos. Aos meus colegas do NEC, que, a partir dos encontros do grupo de estudos, me ensinaram muito sobre as palavras e os sentidos que há por trás das palavras. Aos tutores, ex-alunos e coordenadores, que, com paciência e boa vontade, cederam-me seus depoimentos para a construção dessa dissertação.

5 5 Pra todos aqueles que me estenderam a mão, dividi meu coração. ( O Dono das Calçadas Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito)

6 6 RESUMO Esse trabalho tem por objetivo investigar a articulação entre currículo e distribuição social do conhecimento, tomando como referência o currículo de Biologia de Prévestibulares Sociais. Especificamente, busca compreender os processos de seleção, organização e distribuição dos conhecimentos escolares em Biologia produzidos por professores que atuam em um Pré-vestibular Social específico no estado do Rio de Janeiro: o Pré-Vestibular Social/Cederj da Fundação Cecierj. A partir da compreensão desses processos, procura refletir acerca das formas de luta que foram sendo construídas por essa comunidade disciplinar específica, e como essas formas de luta buscam enfrentar um histórico hiato existente entre o currículo de Biologia do Ensino Médio oferecido pelo Estado e o que vem sendo exigido nos programas de seleção para o ingresso no ensino superior em universidades públicas do país, de modo a responder as seguintes questões: (a) que conteúdos de Biologia os professores têm privilegiado no PVS/CEDERJ?; (b) como esses conteúdos têm sido selecionados e organizados?; (c) que critérios têm orientado a seleção e a organização curricular desses conteúdos de ensino?; e (d) como esses critérios dialogam com as tradições curriculares da área? Referenciando-se na Historiografia contemporânea e a História da Educação, utiliza como fontes de estudo documentos pertinentes ao conteúdo curricular da disciplina Biologia da Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro, do ENEM e do PVS/Cederj, assim como entrevistas com atores (ex-alunos, professores de Biologia e coordenador de Biologia) envolvidos no PVS/Cederj. Esse conjunto de análises evidencia que o ensino da disciplina Biologia lecionada no PVS/Cederj se insere nas lutas mais amplas por uma distribuição social do conhecimento na medida em que, curricularmente, os conteúdos de Biologia abordados pelo PVS/Cederj ocupam parcialmente o hiato existente entre o Currículo Mínimo de Biologia da SEEDUC e o programa de Biologia do ENEM, por abranger uma série parcial de conhecimentos que o Currículo Mínimo de Biologia da SEEDUC não aborda, e que são demandados pelo o programa de Biologia do ENEM. E, mais do que isso, os resultados deste estudo indicam que a comunidade disciplinar formada pelos tutores de Biologia do PVS/Cederj, ao contrário de uma comunidade disciplinar tradicional, não é caracterizada por uma formação específica, mas por um conjunto de interesses que incluem o aprimoramento didático e a preocupação com a formação do aluno. Palavras-chave: História do Currículo; Pré-Vestibulares Sociais; Comunidade Disciplinar; Ensino de Biologia.

7 7

8 8 Abstract This study aims to investigate the relationship between curriculum and social distribution of knowledge, with reference to the Biology curriculum in Pré- Vestibulares Sociais (PVS) (social preparatory courses for high schools graduates to overcome the selective process of university entrance examinations). Specifically, it seeks to understand selection, organization and distribution of Biology school knowledge produced by teachers on a social preparatory course in the state of Rio de Janeiro: the PVS / Cederj. By understanding these processes, it seeks to comprehend the struggles that were built for this specific disciplinary community, and how these struggles seek to confront a historic gap between the Biology curriculum of public secondary schools and what has been required in public university entrance examinations. Based on this discussion, it proposes to answer the following questions: (a) which contents in Biology, teachers have privileged in PVS / CEDERJ?; (b) how those contents have been selected and organized?; (c) which criteria have guided the selection and organization of these curricular contents?; (d) how these criteria dialogues with the traditions of curriculum study? Referencing in Contemporary Historiography and History of Education, this study sources are Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) ( Department of Education of the State of Rio de Janeiro), Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) (the National Examination on Senior High Schools), and PVS / Cederj documents about Biology curriculum, as well as interviews with actors involved in PVS / Cederj (students, biology teachers and coordinator). This set of analyzes demonstrates that teaching of Biology discipline PVS / Cederj fits into broader struggles for social distribution of knowledge, since the Biology contents addressed by PVS / Cederj partially occupy the gap between SEEDUC Biology Curriculum and the ENEM Biology program.. More than that, results of this study indicate that the disciplinary community of Biology tutors of PVS / Cederj, unlike a traditional disciplinary community, is not characterized by specific education, but by a set of interests that include teaching improvement and student education. Keywords: History of Curriculum; social preparatory courses for university entrance examinations; Disciplinary community; Biology Teaching.

9 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...página 10 CAPÍTULO I - Diálogos com a produção acadêmica brasileira...página 16 I. 1. Sobre os pré-vestibulares sociais...página 16 I. 2. Sobre a inserção desse estudo no NEC/UFRJ...página 26 I. 3. Sobre o ensino de Biologia...página 34 CAPÍTULO II - Referenciais teórico-metodológicos...página 41 II. 1. Diálogos com a História do Currículo...página 43 II. 2. Metodologia...página 50 CAPÍTULO III Análise das fontes...página 54 III.1. Disciplina escolar Biologia: o PVS/CEDERJ entre currículos oficiais...página 54 III.2. Sujeitos, tradições curriculares e comunidade disciplinar...página 62 CONSIDERAÇÕES FINAIS...página 72 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...página 77 ANEXOS...página 81 Anexo 1...página 81 Anexo 2...página 82

10 10 INTRODUÇÃO No presente trabalho, investigo a interface entre currículo e distribuição social do conhecimento, tomando como referência o currículo de Biologia de Pré-vestibulares Sociais. Especificamente, interessa-me compreender os processos de seleção, organização e distribuição dos conhecimentos escolares em Biologia produzidos por professores que atuam em um Pré-Vestibular Social específico no estado do Rio de Janeiro: o PVS/CEDERJ da Fundação CECIERJ. A partir da compreensão desses processos, busco contribuir para reflexões acerca das formas de luta que foram sendo construídas para enfrentar um histórico hiato existente entre o currículo de Biologia do ensino médio oferecido pelo Estado e o que vem sendo exigido nos programas de seleção para o ingresso no ensino superior em universidades públicas do país. O tema foi espaço-temporalmente delimitado a partir da análise da produção curricular e de entrevistas com professores de Biologia que atuaram no PVS/CEDERJ da Fundação CECIERJ em um ano letivo (2013), dos currículos vigentes para a área no Ensino Médio da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC) e do programa de seleção para o ingresso à universidade pública, representado pelo conteúdo programático contido no edital 2013 do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Meu interesse pela temática começou a ser desenvolvido desde o 4º período de minha graduação na Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, momento em que ingressei, como professor-bolsista de Biologia, em um Pré-vestibular social denominado Curso Pré Universitário de Nova Iguaçu. Tal curso pertencia à Pró-Reitoria de Extensão da universidade e era financiado pela Prefeitura do Município de Nova Iguaçu, e pude atuar nesse projeto entre 2006 e Além do Curso Pré Universitário de Nova Iguaçu, lecionei em outros pré-vestibulares de caráter social, dentre os quais destaco o Pré-vestibular Social da Fundação CECIERJ, no qual atuei como tutor de Biologia entre os anos de 2007 e Conforme referido anteriormente, o Pré Vestibular Social (PVS) analisado no presente trabalho é um projeto da Fundação CECIERJ (Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro) e da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Governo do Estado do Rio de Janeiro. A atuação social dessa fundação,

11 11 explicitada pela lei de sua criação 1, tem por objetivos: (a) oferecer educação superior gratuita e de qualidade, na modalidade à distância, para o conjunto da comunidade fluminense; (b) a divulgação científica para o conjunto da sociedade fluminense; e (c) a formação continuada de professores do ensino fundamental, médio e superior. A Fundação CECIERJ é composta, além do PVS, de projetos de extensão e de divulgação científica, dos CEJAS (Centros de Estudos de Jovens e Adultos) e do Consócio CEDERJ. Este último é, provavelmente, o seu projeto mais conhecido, tendo como objetivo levar educação superior, gratuita e de qualidade a todo o Estado do Rio de Janeiro, e sendo formado por sete instituições públicas de ensino superior: Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ), Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). De acordo com a página da instituição, o Consócio CEDERJ conta, atualmente, com cerca de vinte e seis mil alunos matriculados em doze cursos de graduação a distância, a saber: Administração, Administração Pública, Química, Letras, Matemática, História, Licenciatura em Física, Licenciatura em Ciências Biológicas, Geografia, Pedagogia, Licenciatura em Turismo, Tecnologia em Gestão de Turismo, Tecnologia em Segurança Pública e Tecnologia em Sistemas de Computação. 2 Especificamente em relação ao PVS/CEDERJ da Fundação CECIERJ, este é um curso preparatório gratuito para as provas de acesso às universidades, sendo oficialmente dirigido a interessados que já concluíram ou estão frequentando o último ano do Ensino Médio ou equivalente e que desejam realizar as provas de acesso às universidades, mas que não têm condições de arcar com os custos dos cursos preparatórios particulares. Para tanto, antes de ingressar no PVS, o aluno passa por uma triagem de análise socioeconômica, a qual avalia a sua demanda por estudar em um pré vestibular de caráter social. A abrangência geográfica do PVS/CEDERJ da Fundação CECIERJ é de trinta e nove municípios no estado do RJ e conta com cinquenta e seis polos de aulas, 1 Lei Estadual Complementar nº 103, de 18 de março de 2002, decretada pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro e sancionada pelo então governador Anthony Garotinho. 2 As informações pertinentes à composição, universidades consorciadas e cursos oferecidos pelo Consórcio Cederj foram retiradas da homepage oficial da instituição:

12 12 localizados nos municípios de Angra dos Reis, Barra do Piraí, Barra Mansa, Belford Roxo, Bom Jesus de Itabapoana, Campos dos Goytacazes, Cantagalo, Duque de Caxias, Itaboraí, Itaguaí, Itaocara, Itaperuna, Macaé, Magé, Mesquita, Miguel Pereira, Natividade, Nilópolis, Niterói, Nova Friburgo, Nova Iguaçu, Paracambi, Petrópolis, Piraí, Queimados, Resende, Rio Bonito, Rio das Flores, Santa Maria Madalena, São Fidélis, São Francisco de Itabapoana, São Gonçalo, São João de Meriti, São Pedro da Aldeia, Saquarema, Teresópolis, Três Rios e Volta Redonda, além dos polos situados no município do Rio de Janeiro (Bangu, Campo Grande, Centro, Complexo do Alemão, Jacarepaguá, Madureira, Penha, Rocinha, Santa Cruz e Tijuca), em que são oferecidas as disciplinas Biologia, Espanhol, Física, Geografia, História, Inglês, Matemática, Português, Química e Redação. É importante mencionar também que, na maioria dos polos, as aulas ocorrem aos sábados, das 8h às 17h, o que permite a conciliação entre a frequência no PVS e a rotina comum de trabalho diário, o que possibilita a estudantes de condições socioeconômicas desfavorecidas a chance de trabalhar e se preparar para as provas de ensino superior. 3 Ao longo da construção de minha experiência acadêmica e profissional nesses Pré-vestibulares Sociais, pude verificar, entre características comuns aos vários projetos, em especial, a significativa dificuldade de acesso à universidade pública por alunos de baixa renda em relação a estudantes pertencentes a classes sociais de maior poder aquisitivo. Também pude verificar tal fato a partir da análise dos perfis socioeconômicos dos estudantes das universidades públicas federais do estado do Rio de Janeiro, evidenciando flagrante distorção do percentual de estudantes universitários nas diferentes classes econômicas em relação à sociedade brasileira, com clara concentração de estudantes das classes A e B em detrimento das demais, conforme mostra a tabela abaixo: 3 As informações pertinentes à seleção de alunos, polos de atuação e dias e horários de funcionamento das aulas do Pré-Vestibular Social do CEDERJ foram retiradas da homepage oficial da instituição:

13 13 Sendo o acesso à educação de qualidade um dos principais veículos para a redução dos mais diversos tipos de desigualdade entre os cidadãos, e, consequentemente, para a produção de outras relações sociais (FREIRE, 2002, p. 41), é importante ressaltar a relevância social desse estudo, na medida em que o mesmo contribui para a tentativa de elucidação e de minimização de mecanismos de segregação social, aqui representados pela exclusão educacional. Esse trabalho busca tornar visível o modo como tais mecanismos são produzidos curricularmente, tentando promover um aumento da reflexão e, mais do que isso, das formas de subversão dessas desigualdades, mesmo em uma sociedade que tenta minimizar e/ou escamotear tais questões, tratando muitas vezes o sucesso escolar como um mérito individual. Com um especial interesse nas relações entre conhecimento e poder, o presente trabalho se insere em meio às pesquisas que vêm sendo realizadas no âmbito do Grupo de Estudos em História do Currículo, que compõe o Núcleo de Estudos de Currículo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (NEC/UFRJ), investigando a história de diferentes currículos e disciplinas científicas, acadêmicas e escolares. A partir das discussões desenvolvidas nesse grupo, no qual tenho sido orientado pela Prof a. Dr a. Marcia Serra Ferreira, pude refletir sobre as influências das disputas entre diferentes atores sociais em torno da construção dos currículos, o que implica em pensar sobre as relações de poder que permeiam a hegemonia de alguns conhecimentos presentes no currículo em detrimento de outros, que, ao longo do processo de construção curricular, perderam espaço (FERREIRA, 2005), o que têm me permitido desenvolver uma análise mais ampla do tema. Levando em conta a modesta produção científica sobre prévestibulares sociais no campo do Currículo, o que foi por mim atestado em levantamento bibliográfico de dissertações e teses sobre o temática, julgo ser importante analisar em quais contextos e condições se inserem os personagens que, ao concluírem a educação básica, aspiram ingressar no ensino superior. Penso que as teorizações no referido campo, ao focalizarem as relações entre conhecimento e poder, nos auxiliam a refletir acerca dos mecanismos de inclusão/exclusão dos vestibulandos de origem popular nas universidades públicas brasileiras. Todo esse debate pode nos auxiliar a enfrentar os desafios colocados na tarefa de democratizar o acesso a um ensino superior de qualidade por estudantes dos diversos extratos socioeconômicos, o que caracterizaria um estado democrático como o Brasil.

14 14 Minha opção por investigar, especificamente, o PVS/CEDERJ parte de fatores que tanto possibilitaram um maior acesso ao material humano e documental, quanto permitiram reflexões pertinentes à pesquisa. Destaco, em primeiro lugar, uma maior facilidade no acesso às fontes de estudo, uma vez que, atuando no PVS/CEDERJ, tenho maior acesso à coordenação que elabora o currículo de Biologia, aos professores que desenvolvem o mesmo com os alunos, e ao acervo documental que a instituição possui. Em segundo lugar, entendo que, diferentemente de outros Pré-vestibulares sociais, o PVS/CEDERJ é uma iniciativa oficial, produzida pelo Estado do Rio de Janeiro que, dessa maneira, reconhece que o seu sistema educacional possui lacunas, não dando ao estudante do Ensino Médio da SEEDUC a formação necessária para que este consiga acesso a uma universidade pública de qualidade. Por fim, em terceiro lugar, vejo vantagens em investigar uma iniciativa oficial cuja organização curricular é produzida coletivamente por uma coordenação, em mecanismos que se distinguem daqueles vividos em outros Pré-Vestibulares Sociais, nos quais a seleção e a organização curricular são, muitas vezes, definidas individualmente por cada professor envolvido. Assim, delimitados o tema e o problema específico a ser desenvolvido nesse trabalho, busco responder às seguintes questões: 1. Que conteúdos de Biologia os professores têm privilegiado no PVS/CEDERJ? 2. Como esses conteúdos têm sido selecionados e organizados? 3. Que critérios têm orientado a seleção e a organização curricular desses conteúdos de ensino? 4. Como esses critérios dialogam com as tradições curriculares da área? Tomando como referência as questões anteriormente apresentadas, pretendo articular a análise curricular com as possíveis condições sociais em que os personagens dessa discussão estão inseridos, procurando responder a uma questão mais ampla, assim formulada: Como essa seleção e organização dos conhecimentos escolares em Biologia participam das lutas mais amplas em torno da distribuição social do conhecimento? Para realizar essa tarefa, desenvolvi essa dissertação em três capítulos. No primeiro capítulo, analiso dissertações e teses que abordam os temas Pré-vestibular

15 15 Social, currículo e ensino de Biologia, procurando evidenciar as lacunas existentes na abordagem do tema e as contribuições do presente trabalho para avançar o conhecimento na área. No segundo capítulo, defino o campo teórico-metodológico de minha investigação, dialogando com o campo do Currículo e, em especial, com produções que problematizam os currículos de Ciências e Biologia, além de apresentar e problematizar as minhas fontes de estudo. No terceiro capítulo, trato do currículo da disciplina escolar Biologia do PVS/CEDERJ, analisando-a em meio ao hiato existente entre o que é oferecido pela Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro para o ensino médio e o ENEM. Na análise, busco considerar as relações entres esses currículos, assim como as possíveis forças que permeiam a construção e a relação entre esses currículos, o que, por sua vez, me permite refletir acerca de como a organização e a seleção dos conhecimentos escolares em Biologia participam das lutas mais amplas relativas à distribuição social do conhecimento em nosso estado.

16 16 CAPÍTULO I Diálogos com a produção acadêmica brasileira Antes de iniciar a apresentação da abordagem teórica deste trabalho, e buscando contribuições teórico-metodológicas em outros estudos que focalizam aspectos semelhantes aos do presente projeto, analiso trabalhos que abordam os temas Pré- Vestibular Social, Currículo e ensino de Biologia, buscando identificar: (a) a metodologia adotada; (b) os principais conceitos utilizados; (c) as principais referências bibliográficas, em especial aquelas que sinalizam diálogos com curriculistas; (d) a noção de currículo assumida pelos autores. Para tanto, divido o presente capítulo em três seções, as quais correspondem, em ordem de abordagem, aos seguintes levantamentos: um primeiro, voltado para as dissertações e teses produzidas entre 1999 e 2012 que possuem como foco os Pré-Vestibulares Sociais; um segundo, focado nas dissertações e teses que foram produzidas, entre 2008 e 2012, no grupo de pesquisa do CNPq do qual participo o Núcleo de Estudos de Currículo da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (NEC/UFRJ) ; um terceiro, no qual incluí, além de dissertações e teses produzidas entre 2004 e 2011, textos que abordam o ensino da disciplina escolar Biologia. Nesse empreendimento, busco mapear os estudos já existentes na área, evidenciando semelhanças e dissemelhanças entre eles e com a proposta que foi delineada nesse estudo. I. 1. Sobre os Pré-Vestibulares Sociais A fim de buscar trabalhos que abordem o tema Pré-Vestibular Social, consultei os bancos de teses e dissertações dos portais da Capes e da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), utilizando como critério de busca os termos prévestibulares sociais e pré-vestibulares comunitários. Como resultado dessa pesquisa, encontrei um total de dezoito teses e sessenta dissertações, das quais uma tese e cinco dissertações foram encontradas no portal da Capes, enquanto dezessete teses e cinquenta e cinco dissertações foram encontradas no portal da BDTD. Deste total de trabalhos, apenas dez apresentam maior proximidade temática com o presente estudo, uma vez que, diferentemente de outros trabalhos, se dedicam a refletir sobre os Pré-Vestibulares Sociais a partir do histórico dos seus atores, desde alunos e ex-alunos, até professores e coordenadores. Além disso, esses estudos também

17 17 se aproximam da temática de minha dissertação por conceberem os Pré-Vestibulares Sociais como espaços em que, através do ensino, tais atores participam de lutas mais amplas por condições sociais mais justas e igualitárias. São elas: nove dissertações de mestrado (NASCIMENTO, 1999; SANGER, 2003; VALERIANO, 2006; BARCELLOS, 2007; SANTOS, 2007; SAFFIOTTI, 2008; NASCIMENTO, 2009; CORRÊA, 2011; BARROUIN, 2012) e uma tese de doutorado (SILVA, 2006). Nascimento (1999) abordou a história, as concepções e as práticas políticopedagógicas dos Cursos Pré-Vestibulares Populares por meio da análise de documentos e depoimentos de lideranças do Movimento Pré-Vestibular para Negros e Carentes (PVNC). Com esse estudo, o autor analisa a relação entre movimentos sociais, cidadania e educação, além de verificar as possibilidades que os Cursos Pré-Vestibulares Populares têm de se constituírem como movimentos de construção de relações educacionais democráticas. Como resultado dessa análise, o estudo conclui que os Cursos Pré-Vestibulares Populares podem apresentar-se como movimentos sociais expressivos, capazes de combater a exclusão social, a discriminação e o racismo. Sanger (2003) se propôs a apresentar e discutir as iniciativas desenvolvidas em dois Cursos Pré-Vestibulares para Negros e Carentes de Porto Alegre, no que diz respeito ao ingresso de estudantes negros e pobres no ensino superior. Para isso, analisa documentos e formula entrevistas com coordenadores e alunos de ambos os cursos prévestibulares. Os resultados dessa pesquisa convergem para a reafirmação do reconhecimento do preconceito e da discriminação sofridos pelos negros e pobres na sociedade e, ao mesmo tempo, o reconhecimento de lideranças negras que vêm propondo ações para a superação desse quadro social. Valeriano (2006) procurou conhecer e analisar as motivações e aspirações dos alunos inseridos nos Cursos Pré-Vestibulares Populares para Negros e Carentes da ONG Educafro, assim como a inserção desses jovens no ensino superior e no mercado de trabalho, considerando os mecanismos de inclusão e exclusão da população negra no sistema educacional brasileiro. Ao longo dessa análise, o estudo trata de questões relacionadas aos mecanismos de impedimento dos negros ao ensino superior e os mecanismos capazes de reverter esse quadro. Para tanto, o trabalho realizou análise de documentos, entrevistas com professores e coordenadores, além de questionários com os alunos de Cursos Pré-Vestibulares Populares para Negros e Carentes da Ong Educafro. Como resultado dessa pesquisa, o estudo apontou que os alunos dos núcleos estudados buscam na ONG Educafro uma alternativa de inserção no ensino superior,

18 18 vislumbrando um melhor posicionamento no mercado de trabalho. Barcellos (2007) analisou a experiência de jovens oriundos de cursos prévestibulares comunitários e que, atualmente, são universitários da PUC-Rio, considerando, na trajetória desses estudantes, o papel do projeto Bolsa de Ação Social, que possibilita a formação gratuita para jovens impossibilitados de arcar com os custos relativos a um curso superior. O estudo considerou também o papel das propostas político-pedagógicas de alguns cursos pré-vestibulares comunitários, que se caracterizam por promover mudanças nas concepções dos alunos frente ao mundo. A estruturação metodológica desse estudo se baseou em entrevistas com os bolsistas da PUC-Rio e da observação-itinerante. O estudo concluiu que, em um espaço estruturado para um perfil discente específico, como é o caso da PUC-Rio, os alunos bolsistas se apropriam desse espaço na medida em que criam táticas para enfrentar impasses e diferenças, corroborando antigos paradigmas e, ao mesmo tempo, ressignificando-os. Santos (2007) abordou, como objeto de pesquisa, o projeto político do curso Pré- Vestibular Social criado pela ONG Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (CEASM), cuja proposta, além de aumentar o acesso dos estudantes moradores da Maré ao ensino superior, é formar cidadãos capazes de reverter as condições opressivas às quais estão submetidos. Exposto esse cenário, o estudo busca, por meio de entrevistas com universitários da PUC-Rio que foram alunos do CPV-Maré, verificar se as expectativas do curso Pré-Vestibular se realizaram. Os resultados constataram que os universitários entrevistados fizeram da universidade um espaço privilegiado de luta por reconhecimento, o que vai ao encontro das expectativas do CPV-Maré. Saffiotti (2008) objetivou identificar e discutir crises e transformações psicossociais pelas quais passaram estudantes de um curso Pré-Vestibular Popular de São Paulo, considerando que os cursos populares assumem a tentativa de favorecer o acesso de estudantes de camadas sociais desprivilegiadas à universidade pública. Para tanto, o estudo se baseou na memória dos atores envolvidos, de modo a promover, como metodologia, a reconstrução autobiográfica do autor e entrevistas com ex-alunos do curso Pré-Vestibular Popular analisado. Os resultados desse estudo mostraram que a postura dos professores e demais agentes do curso em questão foi fundamental para a mudança na relação dos alunos com o estudo e a cultura escrita, e que a experiência em comunidade fomentou, nesses ex-alunos, a consideração de uma possibilidade de superação, por meio do estudo, das experiências de humilhação social passadas. Nascimento (2009) buscou delinear fatores que levaram jovens de camadas

19 19 populares à aspiração por ingressar no ensino superior. Para tanto, aplicou questionários abertos a coordenadores, além de entrevistar e aplicar questionários fechados a alunos de pré-vestibulares sociais. A partir disso, concluiu que, apesar de as motivações estarem ligadas ao cotidiano e à biografia individual de cada jovem, um importante ponto comum a essas motivações é a percepção do ensino superior como uma estratégia para a melhoria de sua condição econômica. Corrêa (2011) procurou analisar a trajetória de ex-alunos de um curso Pré- Vestibular Popular de Campinas, São Paulo, buscando identificar pontos comuns a essas trajetórias que possam ter contribuído para a manutenção desses alunos na escola, além de possíveis contribuições da instituição na formação de uma visão crítica em relação ao sistema educacional do país. Para tanto, realizou entrevistas com ex-alunos do curso Pré-Vestibular analisado. O estudo concluiu que esse curso contribuiu significativamente para a formação do senso crítico e militância desses alunos, em detrimento do corpo docente do ensino médio, que praticamente não orientava os alunos em relação ao prosseguimento escolar. Além disso, a pesquisa aponta que as lutas relacionadas aos obstáculos e desafios presentes nas trajetórias desses ex-alunos continuam na universidade. Diante dessas conclusões, o estudo indica uma contradição no próprio curso Pré-Vestibular Popular analisado, na medida em que esse busca aumentar o acesso de estudantes de classe trabalhadoras ao ensino superior e, em contrapartida, estimula a formação de um pensamento crítico em relação ao sistema educacional brasileiro. Barrouin (2012) investigou formas particulares de articulação entre juventude e política, dentro do contexto contemporâneo brasileiro, tomando a educação popular como centro, por meio dos cursos pré-vestibulares comunitários. Ao longo do trabalho, o autor propôs uma reflexão sobre a construção da subjetivação política desses estudantes dentro do espaço dos cursos pré-vestibulares comunitários, e como essa construção se reflete nas práticas cotidianas desses alunos na universidade. Para tanto, a pesquisa utilizou a metodologia da cartografia e da imagem. Como produto resultante desse trabalho, foi realizado um documentário com os sujeitos da pesquisa, a fim de ampliar, para além da academia, as reflexões e os debates relativos ao tema de estudo. Silva (2006) procurou mensurar em que medida o ensino de Biologia contribui para as mudanças dos níveis de analfabetismo científico. Para isso, tomando por referência as matrizes de competências do ENEM, e tendo professores e alunos de cursos pré-vestibulares como sujeitos de pesquisa, foram realizados simulados com os

20 20 alunos de cursos pré-vestibulares comunitários, além de entrevistas com professores de Biologia desses cursos. A pesquisa aponta, como resultado, a necessidade de revisão crítica do ensino de Biologia nos cursos pré-vestibulares comunitários, no sentido de desenvolver medidas para o estímulo da criticidade e da participação político-social dos alunos, a fim de possibilitar a superação de práticas sociais excludentes. O quadro a seguir caracteriza, de modo geral, os trabalhos aqui analisados, definindo suas estratégias metodológicas, os principais conceitos utilizados e suas principais referências bibliográficas. Quadro 1 Trabalhos relativos a Pré-Vestibulares Sociais Estudo NASCIMENTO, A. Movimentos Sociais, Educação e Cidadania: um estudo sobre os cursos Pré- Vestibulares Populares. Dissertação de Mestrado. UERJ, SANGER, D. S. Para além do ingresso na universidade Radiografando os cursos prévestibulares para negros e Porto Alegre. Dissertação de Mestrado. UFRGS, VALERIANO, S. M. S. Um estudo de ideologia. Educação cidadã: uma análise sobre as motivações e aspirações dos alunos da ONG Educafro. Dissertação de Mestrado. Univ. Metodista de SP, BARCELLOS, L. Jovens de Pré-Vestibulares Comunitários na PUC-Rio: experiências e táticas no convívio com a alteridade. Dissertação de Mestrado. PUC-Rio, SANTOS, S. B. O Sentido Político do Pré-Vestibular Comunitário da Maré: adesões e resistências. Dissertação de Mestrado. UERJ, SAFFIOTTI, A. Crise e transformação: um estudo sobre a experiência de alunos de baixa renda num cursinho popular. Dissertação de Mestrado. USP, NASCIMENTO, E. Jovens e educação superior: as Metodologia Análise documental e entrevistas. Etnografia, análise documental e entrevistas. Análise documental, formulação de entrevistas e questionários. Entrevistas e observaçãoitinerante. Análise documental e entrevistas. Autobiografia e entrevistas. Questionários e entrevistas. Principais Conceitos Democracia, cidadania, autonomia, identidade e interculturalismo. Raça, racismo, preconceito e ação afirmativa. Cidadania, inclusão e ação afirmativa. Modos de subjetivação, contemporaneidad e e alteridade. Intelectual orgânico e política de reconhecimento. Memória, cultura de resistência, ação e comportamento. Juventude; condição juvenil; Principais referências bibliográficas Castoriadis (1987, 1992, 1997); Oliveira (1991, 1994, 1995); McLaren (1997); Amorim (1995); Benevides (1994); Ferreira (1995); Canivez & Frigotto (1995); Gentili (1995); Gohn (1992 e 1997); Gramsci (1995). Munanga (1996); Guimarães (2000). Freire (1996); Munanga (1986); Nascimento, (1999); Ribeiro (2000). Certeau (2004). Gramsci (1968); Taylor (1994, 1995). Benjamim (1993, 1994); Bosi (1994, 2003); Thompson (2002); Queiroz (1983, 1988). Abramo (1997); Touraine (1994);

EAD na Graduação-UFRJ

EAD na Graduação-UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro EAD na Graduação-UFRJ Belkis Valdman Pró Reitora de Graduação Caetano Moraes Coordenador UFRJ - UAB Dalva Kato Técnica de Assuntos Educacionais EAD 1 Cursos de Graduação

Leia mais

CONSÓRCIO DAS SEIS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E O GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ONDE TODA A COMPETÊNCIA ACADÊMICA EMANA DAS UNIVERSIDADES:

CONSÓRCIO DAS SEIS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E O GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ONDE TODA A COMPETÊNCIA ACADÊMICA EMANA DAS UNIVERSIDADES: LICENCIATURAS A DISTÂNCIA A EXPERIÊNCIA DO CEDERJ- Celso Costa -UFF 1 O que é o Consórcio CEDERJ? CONSÓRCIO DAS SEIS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E O GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ONDE TODA A COMPETÊNCIA

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

Cinthia Monteiro de Araújo. Formando sujeitos: as alianças entre o ensino de História e a Educação em Direitos Humanos. Dissertação de Mestrado

Cinthia Monteiro de Araújo. Formando sujeitos: as alianças entre o ensino de História e a Educação em Direitos Humanos. Dissertação de Mestrado Cinthia Monteiro de Araújo Formando sujeitos: as alianças entre o ensino de História e a Educação em Direitos Humanos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

SELEÇÃO DE BOLSISTAS TUTORES DA FUNDAÇÃO CECIERJ/CONSÓRCIO CEDERJ GRADUAÇÃO 2010/2

SELEÇÃO DE BOLSISTAS TUTORES DA FUNDAÇÃO CECIERJ/CONSÓRCIO CEDERJ GRADUAÇÃO 2010/2 Pág. 1 SELEÇÃO DE BOLSISTAS TUTORES DA FUNDAÇÃO CECIERJ/CONSÓRCIO CEDERJ GRADUAÇÃO 2010/2 O CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO CECIERJ/ Consórcio CEDERJ

Leia mais

Vestibular CEDERJ 2014/1. Manual do Candidato

Vestibular CEDERJ 2014/1. Manual do Candidato Vestibular CEDERJ 2014/1 Manual do Candidato INDICE Títulos Páginas Apresentação 3 Informações Gerais 4 Como se inscrever 5 Confirmação da inscrição 6 Quadro de vagas 6 Prova 25 Correção das provas 26

Leia mais

Vestibular CEDERJ 2016/1. Manual do Candidato

Vestibular CEDERJ 2016/1. Manual do Candidato Vestibular CEDERJ 2016/1 Manual do Candidato INDICE Títulos Páginas Apresentação 3 Informações Gerais 4 Como se inscrever 5 Confirmação da inscrição 6 Quadro de vagas 7 Prova 26 Correção da prova 27 Como

Leia mais

Ações do Governo do Estado do Rio de Janeiro com Educação a Distância. Carlos Bielschowsky Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj

Ações do Governo do Estado do Rio de Janeiro com Educação a Distância. Carlos Bielschowsky Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Ações do Governo do Estado do Rio de Janeiro com Educação a Distância Carlos Bielschowsky Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj 100 mil alunos EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 1. Graduação do

Leia mais

Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ. A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados

Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ. A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados Masako Oya Masuda Vice-Presidente de Educação a Distância O que é o Consórcio CEDERJ? Consórcio das

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA EDITAL

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/2014. Consulta para Identificação das Preferências da Comunidade Universitária para a escolha de Reitor e Vice-Reitor da UFF Quadriênio 204/208 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/204. A Comissão Especial instituída

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO Autor: Riselda Maria de França Oliveira Universidade Estadual do Rio de Janeiro - riseldaf@hotmail.com Co-autor: Marcelo Alex de Oliveira

Leia mais

7 Referências Bibliográficas

7 Referências Bibliográficas 7 Referências Bibliográficas ALMEIDA, M. A O. Políticas de Ação Afirmativa na Universidade Brasileira: A Experiência do Curso de Graduação em Serviço Social da PUC-Rio. Social em Questão. Rio de Janeiro:

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA EDITAL

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA EM DISCUSSÃO

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA EM DISCUSSÃO 1078 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA EM DISCUSSÃO Silvia Regina Viel Rodrigues 1 Resumo Neste trabalho, cujo objetivo é discutir a formação do professor de Matemática a distância, inicialmente

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA EDITAL

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo Este trabalho é parte de uma pesquisa de natureza qualitativa

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA EDITAL

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA

PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Targino de Araújo Filho Reitor Pedro

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Um Estudo sobre o papel da Monografia para Economistas no contexto do currículo de Economia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Um Estudo sobre o papel da Monografia para Economistas no contexto do currículo de Economia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Francisco Roberto Barbosa Nery Um Estudo sobre o papel da Monografia para Economistas no contexto do currículo de Economia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA EDITAL

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos 1/14 1a. DP 4a. DP 5a. DP 6a. DP 7a. DP 9a. DP 10a. DP 12a. DP 13a. DP Totais Praça Mauá Praça da República Mem de Sá Cidade Nova Santa Teresa Catete Botafogo Copacabana Ipanema Homicídio doloso (total)

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Introdução. I o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo;

Introdução. I o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; Apresentação A entrada das famílias populares nas escolas públicas brasileiras, sobretudo a partir da década 1970, representa um dos fenômenos mais importantes para a construção de uma sociedade democrática,

Leia mais

Educação a Distância, problemas e desafios. Carlos Bielschowsky. Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj

Educação a Distância, problemas e desafios. Carlos Bielschowsky. Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Educação a Distância, problemas e desafios Carlos Bielschowsky Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Educação Superior a Distância no Brasil No exterior vem sendo amplamente utilizada a décadas,

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO Gabriela Paulino do Nascimento 1 RESUMO: Este trabalho se propõe a investigar como

Leia mais

Pré-Vestibular Social UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

Pré-Vestibular Social UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF I) A UNIVERSIDADE A UFF foi criada em 1960 com a junção de 5 faculdades federais que já existiam em. Inicialmente se chamava UFERJ Universidade Federal do Estado do

Leia mais

E D I T A L 2016. 1. INSCRIÇÕES 1.1. Poderão inscrever-se aqueles que concluíram curso de Mestrado em Comunicação Social ou áreas afins.

E D I T A L 2016. 1. INSCRIÇÕES 1.1. Poderão inscrever-se aqueles que concluíram curso de Mestrado em Comunicação Social ou áreas afins. PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO E D I T A L 2016 O Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA EDITAL

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

Vestibular CEDERJ 2015/1. Manual do Candidato

Vestibular CEDERJ 2015/1. Manual do Candidato Vestibular CEDERJ 2015/1 Manual do Candidato INDICE Títulos Páginas Apresentação 3 Informações Gerais 4 Como se inscrever 5 Confirmação da inscrição 6 Quadro de vagas 6 Prova 25 Correção da prova 26 Como

Leia mais

carentes, seleciona alunos carentes alunos, os critérios raça e renda.

carentes, seleciona alunos carentes alunos, os critérios raça e renda. RADIOGRAFANDO DOIS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES PARA NEGROS E CARENTES EM PORTO ALEGRE-RS SANGER, Dircenara dos Santos - UFRGS e Centro Universitário Feevale GT: Afro-brasileiros e Educação / n.21 Agência Financiadora:

Leia mais

A Universidade Federal Fluminense no Censo do Ensino Superior

A Universidade Federal Fluminense no Censo do Ensino Superior A Universidade Federal Fluminense no Censo do Ensino Superior III Encontro Nacional do Censo do Ensino Superior Foz do Iguaçu 5 de novembro de 2013 Breve Histórico da Coleta de Dados da Educação Superior

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO ARCO OCUPACIONAL SAÚDE DO PROJOVEM TRABALHADOR

TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO ARCO OCUPACIONAL SAÚDE DO PROJOVEM TRABALHADOR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ 1 A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ Mayara de Freitas Orientadora Profa. Dra. Sandra Aparecida

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO POR MEIO DO SiSU NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Reitor da Universidade

Leia mais

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009 POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA Por Dentro da UFOP Ouro Preto 25 de abril de 2009 Debate sobre as ações afirmativas no ensino superior Democratização do acesso a este importante nível de ensino. Está diretamente

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 AS APRESENTAÇÕES ACONTECERÃO DIA 20/05 (QUARTA-FEIRA), NO PERÍODO DA MANHÃ E DA TARDE! Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 s: Práticas na leitura e escrita na

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA EDITAL

Leia mais

ANEXO I Endereço das Universidades

ANEXO I Endereço das Universidades SELEÇÃO PÚBLICA DE TUTORES A DISTÂNCIA VAGAS REMANESCENTES FUNDAÇÃO CECIERJ / CONSÓRCIO CEDERJ ANEXO I Endereço das Universidades CURSO / UNIVERSIDADE ENDEREÇO PARA ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO Horário (de

Leia mais

Sociologia no ensino médio. A categoria trabalho

Sociologia no ensino médio. A categoria trabalho 1 Sociologia no ensino médio. A categoria trabalho: Uma leitura a partir do conteúdo programático e dos procedimentos teórico-metodológicos nos colégios da rede pública estadual em Goiânia * Heloiza Souza

Leia mais

EDITAL DE TRANSFERÊNCIAS EXTERNA E INTERNA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UENF (Aprovado pela Câmara de Graduação em 15 de setembro de 2015)

EDITAL DE TRANSFERÊNCIAS EXTERNA E INTERNA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UENF (Aprovado pela Câmara de Graduação em 15 de setembro de 2015) EDITAL DE TRANSFERÊNCIAS EXTERNA E INTERNA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UENF (Aprovado pela Câmara de Graduação em 15 de setembro de 2015) A Pró-Reitoria de Graduação da torna público aos interessados que

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA Zoraia Aguiar Bittencourt Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Introdução: Como Professora do Colégio Pedro II (CPII), a mais de vinte anos,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS

Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS ANDREA BAYERL MONGIM 1 Introdução O recente processo de implantação de programas de reserva de vagas em instituições

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Palavras-chave: Integração. Interdisciplinaridade. Pesquisa. Ressignificação. Introdução

Palavras-chave: Integração. Interdisciplinaridade. Pesquisa. Ressignificação. Introdução 1 O DESAFIO DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NA MICRORREDE ENSINO-APRENDIZAGEM-FORMAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA COM O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID / UESB Manoela Matos Pereira - UESB

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

A DIDÁTICA ONLINE NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR: o curso de Pedagogia a distância -UFJF em destaque

A DIDÁTICA ONLINE NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR: o curso de Pedagogia a distância -UFJF em destaque A DIDÁTICA ONLINE NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR: o curso de Pedagogia a distância -UFJF em destaque Ana Carolina Guedes Mattos 1 Luciana de Almeida Cunha 2 Priscila Silva Schröder 3 Adriana Rocha Bruno (orientadora)

Leia mais

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência.

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA: TEMPO E ESPAÇO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Costa, Daiene de Cássia Souza Resumo Este artigo apresenta parte de discussão teórica de dissertação de mestrado

Leia mais

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. 1 CAPÍTULO XIV Dos Juízes de Direito nas Comarcas de Angra dos Reis, Araruama, Armação dos Búzios, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Cabo Frio,

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O SISTEMA DE COTAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL (2004-2008) Daisy Ribas Emerich UCDB O objetivo da pesquisa consistiu em analisar

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais