Aspecto e Negação no PB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspecto e Negação no PB"

Transcrição

1 Aspecto e Negação no PB Cláudio C. e C. Gonçalves Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Comunicação e Expressão Bloco A, Sala 213 Florianópolis SC Brasil Abstract. In this paper I look into some DRT algorithms to capture the order of events in discourse. I give evidence that such algorithms do not generalize over Romance as they were meant to and propose a modification. Keywords. Order of events in discourse; imperfectives; negation; discourse representation theory. Resumo. Neste artigo eu investigo um algoritmo na DRT que foi arquitetado para capturar a ordem dos eventos no discurso nas línguas românicas. Eu mostro que ele não consegue uma generalização sobre essas línguas e proponho uma modificação. Palavras-chave. Ordem dos eventos no discurso; imperfeito; imparfait; negação, teoria de representação do discurso. 1. Introdução Este trabalho trata de fenômenos do sistema aspectual do PB. Toma-se como ponto de partida o paper de de Swart & Molendijk (1999) S&M (1999) - para o sistema aspectual do francês na DRT (Discourse Representation Theory de Kamp & Reyle 1993). S&M têm que o Imparfait e o Passé Simple (PS) do francês são operadores de tempo (tense) aspectualmente sensitivos. A motivação empírica para isso é que tanto o Imparfait quanto o PS tem escopo sobre a negação e quantificação. O mesmo não é o caso com o past simple e o progressive do inglês. O PB, como o Francês, tem uma tempo imperfectivo, o Imperfeito. E, como o inglês, tem uma forma de cópula seguida de gerúndio (estar ndo), tipicamente chamada progressivo. A semântica do Imperfeito tem diferenças importantes quando comparada à sua contraparte no Francês. O mesmo vale para o Progressivo com respeito ao Inglês. No entanto, as semelhanças são óbvias e seria desejável ter um framework com nível de abstração adequado para: (a) generalizar sobre as três línguas; e (b) motivar suas diferenças a partir de fenômenos independentes. 2. O que é DRT? Para uma primeira aproximação, DRT é uma teoria de semântica dinâmica desenvolvida para explicar fenômenos da interface entre contexto e significado. Seu funcionamento básico é o de um algoritmo que lê pedaços das árvores sintáticas interpretando-as e Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 456 / 461 ]

2 introduzindo referentes de forma adequada. Cada referente introduzido traz consigo uma condição que também é representada na DRS (como ficará mais claro no exemplo abaixo). Os referentes são introduzidos numa DRS, abreviação de estrutura de representação do discurso em inglês. À medida que o discurso progride a DRS vai crescendo e acumulando referentes. As novas sentenças são interpretadas contra esse pano de fundo. Ou seja, a interpretação semântica se dá frase a frase, mas em relação às partes da DRS que já existem. Para concluir essa primeira aproximação, é importante dizer que a DRT é uma variação notacional do CPC (Cálculo de Predicados Clássico) e, como tal, mantém várias das limitações desse tipo de sistema formal como ferramenta para estudos das línguas naturais. 3. Imparfait, Passé Simple e Negação. Nesta seção vou resenhar a abordagem de de Swart & Molendijk (1999). Esses autores usam fenômenos do francês e do inglês para discutir alguns pontos da teoria exposta em K&R (1993) no que toca a representação de eventos e a função da negação no discurso. Presume-se que, cf. de Swart (1998) entre outros, que (1) é a estrutura gramatical para tempo e aspecto. (1) TEMPO [ASPECTO [DESCRIÇÃO DO EVENT O]] Presume-se também que a relação entre as sentenças de um discurso são restringidas por informação aspectual e que eventos tipicamente acontecem um depois do outro. A partir dessas duas últimas presunções teríamos que, num discurso onde temos (para n >1) n sentenças denotando eventos, obtemos a relação retórica narrativa entre elas. Nessa perspectiva, uma narrativa é uma maneira de seqüenciar eventos. A noção de relação retórica foi introduzida por Asher 1993, v. tb. Asher & Lascarides 1993, Há também uma outra presunção, a interpretação do tempo Imparfait do francês. S&M seguem mais uma vez o trabalho de Asher (1993) ao atribuir ao Imparfait a seguinte Regra de Interpretação no discurso, que não tolera a descontinuidade temporal. (2) If describes an eventuality e 1 and is taken as the temporal antecedent of a sentence in the Imparfait, which describes a state s 2 then *s 2 e 1 where means temporal discontinuity. Além disso, S&M fazem as seguintes perguntas sobre eventos no discurso: quais os referentes externos (i.e., no discurso) de frases negativas: intervalos de tempo ou eventos? O operador de negação é de natureza aspectual? A informação aspectual tem escopo sempre mais baixo que a negação? Para responder essas perguntas examina-se dados como os dos quatro grupos abaixo. O primeiro grupo diz respeito à representação da negação na DRS e a ordem dos eventos no discurso. O segundo grupo mostra os argumentos para tratar o Imparfait e o Passé Simple como um tempo verbal (tense) sensitivo ao aspecto. O terceiro mostra a representação dessas duas formas do francês na versão de S&M (1999), e ressalta o papel da coerção usada por esses autores. O quarto grupo mostra como a diferença entre PS e imparfait interage com a negação. Primeiro grupo de dados. Ordem dos eventos e a função da negação. Esses dados podem ser representados à lá K&R: nesse caso, as sentenças negadas denotam intervalos temporais, e não há alteração de ordem dos eventos quando se passa de um Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 457 / 461 ]

3 discurso com frases afirmativas para outro com frases negativas. Pode-se também interpretar o PS negado como um evento negado e o Imparfait como um estado negado como querem S&M. (Os parênteses depois das sentenças indicam a ordem dos eventos, cada um deles está indicado pela inicial do verbo que o denota, por exemplo, l abrevia leave. Lê-se < como precede; como overlap; como ou precede ou overlap. Lêse a < l o evento de chegada de Mary precedeu o de saída de Paul.) (3) a. Marie regarda Paul. Il lui sourit. (r < s) b. Marie regarda Paul. Il lui souriait. (r s) (4) a. Marie regarda Paul. Il ne lui sourit pas. (r < s) b. Marie regarda Paul. Il ne lui souriait pas. (r s) No entanto, o Imparfait negado não pode ser tratado como introduzindo uma variável de estado sob o escopo da negação. Para explicar como acontece que falte coesão ao discurso em (a) mas não ao discurso em (b). Em (b), temos uma seqüência de eventos onde o evento attraper não ocorre. (5) a. Depuis quelque temps, Jean courait après Pauline.?? Il l attrapait. b. Depuis quelque temps, Jean courait après Pauline. Il ne l attrapait pas. Segundo grupo de dados. Evidência para considerar o Imparfait e o PS como operadores temporais sensitivos a aspecto em comparação a, por exemplo, o be ing do inglês. Os dados vão mostrar que o escopo do Imparfait e do PS é mais largo que o do be ing, a verificação é mediante o comportamento deles com advérbios temporais quantificacionais always e toujours. O progressivo não tem escopo sobre o estado complexo que representa o advérbio always na DRS. (6) a. When Mary arrived, Paul was leaving. (a l) b. When Mary arrived, Paul was always leaving. (a l) (7) a. When Mary arrived, Paul left. ( a < l) b. When Mary arrived, Paul always left. (a < l) Em francês, a ordem dos eventos muda em contextos onde há advérbios de quantificação (toujours, always, sempre). O fato de os discursos com o PS e toujours apresentarem situações com características de aspecto terminativo enquanto aquelas com toujours e o Imparfait apresentarem situações com característica de aspecto durativo é o motivo para S&M (1999: 20) considerarem que têm escopo sobre o advérbio de quantificação. Assim são operadores de tempo sensitivos às características aspectuais da proposição. (8) a. Paul partit quand Marie rentra. (r < p) b. Paul partit toujours quand Marie rentra. (r p) (9) a. Paul partait quand Marie rentrait. (r < p) b. Paul partait toujours quand Marie rentrait. (r p) Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 458 / 461 ]

4 Terceiro grupo. A caracterização do Imparfait e do PS usando coerção. (10) a. Max partait toujours quand Marie rentrait. b. [n, s, t, x, y: t<n, Paul(x), Marie(y), s = t t, MAX (s) [[e: e s, e [Rentrer (y)]] [e : e < e, e [Partir (x)] ] ] ] Nessa DRS, temos que o Imparfait introduz um referente de estado s na DRS principal. A relação quantificacional do advérbio é representada por, que estabelece que todo evento de chegada de Marie teve um evento de partida de Paul. Note que o referente de estado da DRS principal é estabelecido pela relação entre as duas sub-drs com verbos no Imparfait. (11) a. Max partit toujours quand Marie rentra. b. [n, e, t, x, y: t < n, Paul (x), Marie (y), e t [ e [C se [s, t : MAX (s), s = t t [e : e s, e [ Rentrer (y)] [e : e e, e [e [Partir (x)] ] ] ] ] ] ] ] A DRS do PS é diferente da anterior primeiro porque o referente que esse tempo introduz na DRS principal é de evento e. Também, porque a relação de quantificação entre os eventos de chegar e partir é modificada pelo operador de coerção C se, que transforma um estado em evento. Para a regra de inserção do operador C, ver o apêndice do paper de S&M. Moral da estória: de acordo com (1) e common wisdom sobre operadores de tempo, o Imparfait e o PS introduzem referentes na DRS principal e têm escopo mais alto que a quantificação adverbial de advérbios como toujours. A relação que esse tipo de advérbio estabelece entre duas eventualidades é de estado, logo é do tipo adequado para o Imparfait. Mas não seria para o PS, em vista disso e da a aceitabilidade de discursos como (11), S&M estabelecem que a relação de quantificação em (10) ela sofre a coerção C se que a transforma em evento. Essa descrição explica o fato de as relações de ordem entre os eventos dos discursos (10) e (11) ficar subespecificada. O motivo para isso é que o PS e o Imparfait atribuem um valor temporal à quantificação como um todo, não para cada um dos eventos que a compõem. Quarto grupo. A diferença de Imparfait e PS com respeito à negação. Depois de discutir os três grupos de dados acima, S&M mostram que, para que as ordens de eventos no discurso sejam corretamente computadas: (12) a. PS: PRET [C se [NEG [ Descrição do evento]]] b. IMPF: PRET [NEG [ Descrição do evento]]] 4. Ordem de eventos em PB Relembrando, o objetivo deste paper é compreender fenômenos de negação e aspecto no discurso. Pelo menos parcialmente, esse foi também a motivação tanto de K&R (1993) quanto de S&M (1998) para desenvolverem algoritmos dentro da DRT. Veremos agora que, para dados de todo semelhantes aos de K&R e S&M, o PB apresenta alguns fenômenos de ordem do discurso que esses autores não consideraram. Logo teremos de mexer no algoritmo proposto. Mas para fazer isso temos de saber primeiro o que queremos que tipo de fenômeno queremos capturar. Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 459 / 461 ]

5 Vejamos primeiro que tipo de fenômenos ocorrem em PB e que não são mencionados em K&R (1993) e S&M (1998). Em (13) e (14) vemos que as ordem dos discursos em francês e correspondentes em PB não são as mesmas. (13) a. A Maria olhou pro João. Ele sorriu prá ela. (O < S) b. A Maria olhou pro João. Ele sorria prá ela. (?? O < S) / (S 1 Sn < O < S) / (?? O S) (14) a. A Maria olhou pro João. Ele não sorriu prá ela. (O < S) b. A Maria olhou pro João. Ele não sorria prá ela. (?? O < S) / (S 1 Sn < O < S) / (?? O S) Como vimos, S&M usam a co-ocorrência do Imparfait com a negação para tirar conclusões sobre o valor aspectual da negação. Eles presumem que o Imparfait denota estado e que é interpretado mediante a regra (2). E observam que a ordem dos eventos não se altera quando insere-se a negação em frases com o Imparfait, uma vez que ambos têm a mesma natureza, i.e., são estados. Os discursos (13) e (14) mostram que o mesmo vale para o PB com respeito ao Imperfeito e ao Pretérito Perfeito. No entanto, a ordem de eventos nos discursos com Imparfait era sobreposição e no caso do Imperfeito temos uma espécie de inversão dessa ordem: A leitura preferida para as sentenças (13 b) e (14 b) parece ser aquela que diz aproximadamente que Maria olhou para João por que, em outras ocasiões, João não tinha sorrido para ela. É isso que (S1 Sn < O < S) indica. Quanto às outras duas leituras, no meu dialeto, simplesmente não ocorrem. Mas como parece haver variação ainda não bem compreendida sobre isso, marquei essas leituras com?? ao invés de *. (Mas, note que o grau de aceitabilidade das leituras marcadas com?? não faz diferença para o problema que está sendo discutido. O que precisamos é obter a ordem de eventos indicada por (S1 Sn < O < S)). Isso é diferente do que S&M (1998: 8) presumem sobre o Imparfait e sobre estados e negações. Há mais diferenças. S&M presumem que estados incluam temporalmente o evento precedente. Isso não acontece nos discursos de (13 b) e (14 b). Para discursos onde há dois PS, S&M observam que a conexão retórica mais saliente entre as duas frases é a causalidade. Acabamos de ver que esse é o caso em (13 a) e (14 b) para os PP do PB: o motivo pelo qual Maria olhou para João em (13 a) foi que ele sorriu prá ela e em (14 a) foi que ele não sorriu prá ela. Mas, em contraste aos dados do francês, essa relação de causalidade não desaparece nos discursos onde há o presumidamente estativo - Imperfeito. Outra diferença entre PB e francês, como caracterizado por S&M, é que o argumento para considerar PS e Imparfait operadores de tempo sensíveis a aspecto não funciona no PB. Relembrando, S&M chegam a essa conclusão depois de observar que PS e Imparfait tem escopo sobre o advérbio toujours. Nos dados abaixo veremos que o Pretérito Perfeito e o Imperfeito não tem o efeito de deixar a ordem dos eventos mais vaga como no francês. (15) a. Quando a Maria chegava, o João saía. (c < s) b. Quando a Maria chegava, o João sempre saía. (c < s) (16) a. Quando a Maria chegou, o João saiu. (c < s) b. Quando a Maria chegou, o João sempre saiu. (c < s) Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 460 / 461 ]

6 A despeito dessas diferença empírica do PB ser um obstáculo à uma aplicação mais direta da teoria de S&M ao PB, ainda gostaríamos de obter uma generalização que valesse para as duas línguas. Isso é possível? Como? Sustento que isso é possível mediante a alteração de uma presunção da qual S&M partem com respeito à semântica do Imparfait. Como vimos na primeira seção, S&M seguem Asher & Lascarides (1993) ao atribuir ao Imparfait uma regra de interpretação no discurso que não aceita a descontinuidade temporal. A solução que eu vou propor é a exata inversão da regra. A interpretação default do Imperfeito no discurso envolve descontinuidade temporal. Assim a Regra de Interpretação temporal (2) é alterada para (17). (17) Se é uma eventuality e 1 e é considerada o antecedente temporal de uma sentença no Imperfeito, que descreve um estado s 2 então s 2 e 1. (onde indica descontinuidade temporal) Por causa dos limites de espaço, só posso oferecer um esboço de como essa alteração captura os fenômenos que o PB apresenta e como se pode obter a generalização sobre o PB e o francês com respeito aos fenômenos sob foco. Primeiro a ordem dos eventos: A Regra de Interpretação (17) captura ordem (S 1 Sn < O < S), uma vez que temos um intervalo 1 de eventos descontínuos temos espaço entre um outro para inserir o evento denotado pelo PP, no caso dos discursos (13), olhou. Também pode-se explicar o fato de as relações de ordem entre os eventos não ficar mais vaga em discursos com sempre, apesar de o Imperfeito tal qual o Imparfait - ter sobre esse tipo de advérbio. Relembrando, eventos relacionados por sempre são representados como uma condição na DRS (o símbolo era ). Com a regra (17), essa condição é tomada pelo operador descontínuo de Imperfeito e inserida num intervalo de tempo. Teríamos assim, um intervalo onde há vários subintervalos em que a condição (dois eventos relacionados por sempre) vale. De uma certa forma a regra (17) privilegia os fenômenos do PB. Mas isso pode ser visto como uma vantagem, a regra (2) além de privilegiar o Imparfait, é incompatível com o Imperfeito. Além disso, a regra (17) pode capturar a ordem dos eventos em francês. A leitura do Imparfait que ocasiona as ordens que vimos acima é basicamente a de um progressivo no passado. Em Gonçalves (a sair) é proposta uma teoria que analisa o progressivo como uma restrição da leitura habitual (i.e., que denota um intervalo descontínuo). Essa restrição é obtida quando a semântica do verbo interage com a semântica dos argumentos e com fatores pragmáticos: a leitura progressiva só ocorre se os argumentos denotarem Fases de Objetos (no sentido de Carlson 1977) que estejam pragmaticamente salientes. Proponho que um mecanismo semelhante possa capturar as ordens de eventos do francês. Referências: GONÇALVES, C (a sair) Estar ndo as a generic. Revista de Letras. Curitiba: Editora da UFPR SWART, H. de e A Molendijk. (1999). Negation and the temporal structure of narrative discourse. Journal of Semantics 16 (1): Estudos Lingüísticos XXXIV, p , [ 461 / 461 ]

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO

REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (1359-1367) REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO Solange Mendes OLIVEIRA (Universidade Federal de Santa

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

Aula 1: Traços morfossintáticos

Aula 1: Traços morfossintáticos Aula 1: Traços morfossintáticos Quando pensamos nos elementos formativos da sintaxe, ou seja, com que tipos de elementos a sintaxe trabalha, pensamos automaticamente em palavras. Entretanto, essa não parece

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

1.º CEB. Clara Amorim

1.º CEB. Clara Amorim 1.º CEB Metas Curriculares de Português Documento de referência para o ensino e a aprendizagem e para a avaliação interna e externa, de progressiva utilização obrigatória. Contém os conteúdos do programa

Leia mais

Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? *

Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? * Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? * 1.Nesta actividade, vamos estudar de que forma os verbos podem significar situações com durações diferentes. Quando consultamos o dicionário,

Leia mais

Aula 03 Passado do to be e past continuous

Aula 03 Passado do to be e past continuous Aula 03 Passado do to be e past continuous No passado, o to be se comporta de forma semelhante ao presente, ou seja, as afirmações, negações e questões são feitas da mesma forma. Examples: I was worried

Leia mais

uma representação sintética do texto que será resumido

uma representação sintética do texto que será resumido Resumo e Resenha Resumo Ao pesquisar sobre as práticas de linguagem nos gêneros escolares, Schneuwly e Dolz (1999: 14), voltando seus estudos para o nível fundamental de ensino, revelam que a cultura do

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. Informação Agrupamento de Escolas de Samora Correia Data: Maio 2012 Escola E. B. 2,3 Prof. João Fernandes Pratas Exame de Equivalência à Frequência de Inglês 2º Ciclo - 6.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET Professora: Sandra Franco Período Composto 1.Orações Subordinadas Adverbiais. 2. Apresentação das conjunções adverbiais mais comuns. 3. Orações Reduzidas. As orações subordinadas

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Administração de Redes TCP/IP Roteamento: Sistemas Autônomos e EGP Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org UNESP - IBILCE - São José do Rio Preto 2001 1. Introdução

Leia mais

O papel das restrições aspectuais nas relações retóricas: o caso das frases complexas com quando

O papel das restrições aspectuais nas relações retóricas: o caso das frases complexas com quando O papel das restrições aspectuais nas relações retóricas: o caso das frases complexas com quando Luís Filipe Cunha 1 e Purificação Silvano 2 Centro de Linguística da Universidade do Porto 3 Abstract In

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Nome do autor: principais atividades acadêmicas em no máximo 3 linhas, colocar e-mail. 1. Se estudante de direito colocar apenas: Acadêmico

Leia mais

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Abstract: The main goal of this research project is the characterization of the semantic values of the Portuguese prepositions a,

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica:

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica: Revisão sobre: - Orações complexas: coordenação e subordinação. - Análise morfológica e análise sintáctica. - Conjugação verbal: pronominal, reflexa, recíproca, perifrástica. - Relação entre palavras.

Leia mais

Quantificadores. Quantificador Universal. Quantificador Existencial. Seja um conjunto não vazio e ) uma propriedade associada aos elementos.

Quantificadores. Quantificador Universal. Quantificador Existencial. Seja um conjunto não vazio e ) uma propriedade associada aos elementos. Quantificadores Seja um conjunto não vazio e ) uma propriedade associada aos elementos. Quantificador Universal Se é verdade que todos os elementos de possuem tal propriedade, podemos afirmar que: Todo

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE

AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE Disciplina: Matemática Computacional Prof. Diana de Barros Teles AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE Quantificadores: são frases do tipo para todo, ou para cada, ou para algum, isso é, frases

Leia mais

3 Parsing Expression Grammars

3 Parsing Expression Grammars 3 Parsing Expression Grammars Parsing Expression Grammars (PEG) são um formalismo que descreve reconhecedores de linguagens (For04). PEGs são uma alternativa para gramáticas livres de contexto (CFGs) e

Leia mais

Matemática Discreta - 03

Matemática Discreta - 03 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS 2. ENTRADA DE DADOS Os dados digitados em uma célula são divididos em duas categorias principais: constantes ou fórmulas. Um valor constante é um dado digitado diretamente na célula e que não é alterado.

Leia mais

Construção de tabelas verdades

Construção de tabelas verdades Construção de tabelas verdades Compreender a Lógica como instrumento da ciência e como estrutura formal do pensamento, conhecendo e compreendendo as operações com os principais conceitos proposicionais

Leia mais

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias Competências.Adquirir conhecimentos sobre a cultura e civilização Anglo- Americana numa perspectiva intercultural. - Aprofundar o conhecimento da realidade Portuguesa através do confronto com aspectos

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA José Fernando Fernandes Pereira Universidade Cruzeiro do Sul jnandopereira@gmail.com Resumo: O presente texto

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 venho por meio deste pedir a anulação

Leia mais

3 A ASSIMÉTRICA CATEGORIA DO SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS

3 A ASSIMÉTRICA CATEGORIA DO SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS 41 3 A ASSIMÉTRICA CATEGORIA DO SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS Vários gramáticos e também lingüistas de correntes diversas se ocuparam e ainda têm se ocupado com a questão do subjuntivo em português; entretanto,

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Informação - Prova de Equivalência à Frequência Formação: Específica Inglês (cont.) 12º Ano Código 358 2015 1 - Introdução: O presente documento visa

Leia mais

1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente,

1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente, 1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente, é doutorando em Linguística da USP, com atuação na área de Sintaxe das Línguas Naturais.

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

Programação Funcional. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2015.

Programação Funcional. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2015. Programação Funcional Capítulo 1 Introdução José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2015.1 1/13 1 Paradigmas de programação 2 Programação funcional 3 A Crise

Leia mais

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Professor: Arthur Lima AULA 05: RESUMO Caro aluno, Para finalizar nosso curso, preparei um resumo de toda a teoria vista nas

Leia mais

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING A palavra estratégia, segundo o dicionário Informal 1, é a ação ou caminho mais adequado a ser executado para alcançar um objetivo ou meta. Para se traçar

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO Joaquim Cesar Cunha dos Santos ATIVIDADE 07 DISCIPLINA:

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Introdução. O que é o Registro do Windows

Introdução. O que é o Registro do Windows Introdução O objetivo deste tutorial é mostrar alguns conceitos básicos para a manipulação do Registro do Windows. Desde já o InfoWester deixa claro que é necessário cautela. Qualquer precipitação pode

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino.

O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino. O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino. Edson Domingos Fagundes O elemento motivador deste trabalho

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Odilei França Graduado em Letras pela Fafipar. Graduado em Teologia pela Faculdade Batista. Professor de Língua Portuguesa para concursos públicos há 22 anos. Sintaxe do período composto: parte II Período

Leia mais

MÉDIAS E O LICENCIAMENTO DE LEITURA GENÉRICA

MÉDIAS E O LICENCIAMENTO DE LEITURA GENÉRICA 3180 MÉDIAS E O LICENCIAMENTO DE LEITURA GENÉRICA Morgana Fabiola Cambrussi 1 (UFT) INTRODUÇÃO Dentre as dicotomias que se convencionou estabelecer em Linguística está o contraste médias versus ergativas.

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 19 por

Leia mais

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA META Apresentar questões problemáticas relativas à transitividade verbal pela gramática tradicional; propor novo modelo de transitividade verbal.

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Robson Nascimento Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados

Leia mais

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015 Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional Espanhol Prova 847 2015 11º ano de escolaridade continuação (CCH) Tipo de prova Escrita Duração 120 min + 30 min Nº de páginas 7 1 Introdução Temas transversais:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS Valeria Fernandes Nunes Mestranda em Linguística (UERJ) valeriafernandesrj@hotmail.com RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1 Conteúdo Página Operações Lógicas Binárias: AND, OR...2 Operações Lógicas Binárias: OR Exclusivo (XOR)...3 Contatos Normalmente Abertos e Normalmente Fechados. Sensores e Símbolos... 4 Exercício...5 Resultado

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2. Vieira Lima Junior. Everson Santos Araujo

FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2. Vieira Lima Junior. Everson Santos Araujo 1 FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2 Vieira Lima Junior Everson Santos Araujo ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO: estudo comparativo de diversos algoritmos

Leia mais

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela 1 1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela mesma instituição. Professora Adjunta IV na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

Técnicas de Caixa Preta de Teste de Software

Técnicas de Caixa Preta de Teste de Software Técnicas de Caixa Preta de Teste de Software Na maioria de projetos de teste, o tempo para a realização dos mesmos sempre é curto e os números de testes a serem realizados nas aplicações são inúmeros.

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

2 Fundamentação. 2.1 Manutenção e Evolução de Sistemas

2 Fundamentação. 2.1 Manutenção e Evolução de Sistemas 2 Fundamentação O objetivo deste trabalho é contribuir com pesquisas relacionadas à detecção de anomalias de modularidade em código orientado a objetos. Esses problemas normalmente trazem impactos negativos

Leia mais

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque.

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. Ex. Ele não precisa do microfone, para que todos o ouçam. I) Proporcional: funciona como adjunto adverbial

Leia mais

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas?

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? hoganjudgement.com www.hoganbrasil.com.br/hoganjudgement 2014 Hogan Assessment Systems

Leia mais

He is finally sleeping

He is finally sleeping He is finally sleeping Assunto do dia O que você está fazendo? Acompanhando as aulas do Telecurso 000? Muito bem, hoje vamos falar sobre o Present Continuous, o tempo verbal que descreve as ações que estão

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 2 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Exemplo Inicial Uma

Leia mais

Organização e tratamento d. e dados

Organização e tratamento d. e dados Organização e tratamento d e dados Proposta de cadeia de tarefas para o 7.º ano - 3.º ciclo Equações Setembro de 2009 Equações Página 1 Índice Introdução Proposta de planificação Tarefas 1A Balanças 1B

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho PROJETO DE PESQUISA INTRODUÇÃO (O QUE É O TEMA?) Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Desenvolver genericamente o tema Anunciar a idéia básica Delimitar o foco da pesquisa

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais