SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 8 Junho/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 8 Junho/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA"

Transcrição

1 SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 8 Junho/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Pneumonia em suínos Itamar Antônio Piffer 1 José Renaldi Feitosa Brito 1 As doenças respiratórias mais frequentemente diagnosticadas nos sistemas convencionais de produção de suínos são a rinite atrófica, pneumonia micoplástica e a pleuropneumonia. As perdas econômicas decorrentes dos problemas respiratórios são bastante sérias e recaem tanto sobre os produtores como sobre a indústria. Sobre os primeiros, em consequência dos gastos com medicamentos, redução do desenvolvimento corporal dos animais afetados e mortalidade; sobre a indústria, pela condenação de carcaças, especialmente no caso da pleuropneumonia. Estima-se que as pneumonias são responsáveis pela perda de 2,4 suínos com peso de 95 Kg, para cada 100 animais abatidos no Sul do Brasil. Objetiva-se, neste trabalho, divulgar informações básicas sobre pneumonias de suínos, para produtores e técnicos, para permitir a prevenção por meio de medidas mais adequadas, reduzindo o impacto econômico na produção. moniae, Salmonella choleraesuis, Haemophilus parasuis, Streptococcus suis tipo 2); parasitários (Ascaris suum e Metastrongilos); micoplasmas (Micoplasma hyopneumoniae, M. hyorhinis) e vírus como os da peste suína clássica, da doença de Aujeszky, da influenza, adenovírus, reovírus tipo 3 e o agente do síndrome reprodutivo e respiratório dos suínos (vírus de Lelystad; ainda não isolado no Brasil) estão envolvidos de forma isolada ou associada na etiologia das pneumonias suínas. Porém, os mais importantes nos quadros pneumônicos em criações intensivas são M. hyopneumoniae, P. multocida e A. pleuropneumoniae. Considerando-se a natureza distinta das etiologias envolvidas nas pneumonias (bactérias, vírus, micoplasmas e parasitos) o diagnóstico etiológico preciso é o passo inicial para que medidas adequadas possam ser adotadas. Sinais clínicos Agentes patogênicos envolvidos com as pneumonias Agentes bacterianos (Bordetella bronchiseptica, Pasteurella multocida, Actinobacillus pleuropneu- 1 Pesquisadores da EMBRAPA CNPSA Os animais afetados por pneumonias têm dificuldade respiratória, que pode ser acompanhada de tosse com catarro (tosse produtiva) ou sem catarro (tosse não produtiva, seca). Alguns animais tossem mesmo quando em repouso enquanto outros somente após serem movimentados. Estes animais podem ter febre. Em algumas doenças dos suínos, em que o sistema Suínos e Aves

2 respiratório é comprometido, estes sintomas são associados com manchas avermelhadas na pele e sintomas nervosos, caracterizados por movimentos ondulatórios, incoordenações e convulsões. Nestes casos e naqueles onde há morte de animais com sintomas respiratórios, ou quando se encontram animais mortos eliminando sangue pelo nariz a rápida identificação do agente causador é essencial para a orientação tanto das medidas terapêuticas quanto profiláticas, evitando-se grandes prejuízos econômicos e a disseminação da doença. Epidemiologia do ar, oferta de espaço mínimo para cada animal em cada fase da criação, facilidade com que as edificações permitem a disseminação dos agentes microbianos entre diferentes grupos etários e o status imunitário do rebanho. Foram identificados vários fatores de risco que estão relacionados com as características acima apontadas e que devem ser eliminados ou minimizados em qualquer programa de controle das pneumonias. Os fatores de risco são: Entre as doenças primárias do trato respiratório destacam-se a pneumonia micoplásmica dos suínos e a pleuropneumonia suína causadas respectivamente por M. hyopneumoniae e A. pleuropneumoniae. Em ambas, a transmissão dos agentes etiológicos é estabelecida através do contato com secreções do trato respiratório de suínos infectados e através de aerosóis. Nos dois casos existem portadores dos agentes que não apresentam doença clínica. Estes animais são os principais responsáveis pela trasmissão da doença entre rebanhos, principalmente a pleuropneumonia suína. O A. emphpleuropneumoniae não sobrevive muito tempo no meio ambiente, sua morte ocorre quando as secreções úmidas que o protegem secam. A alta incidência de infecção por M. hyopneumoniae em granjas SPF sugere a possibilidade de transmissão a longa distância pelo vento. Existem evidências de que uma distância mínima de 4 km seria necessária para que não houvesse transmissão do M. hyopneumoniae por via aerógena. Para a pneumonia micoplásmica e a pleuropneumonia a trasmissão através de botas, equipamentos e vestuários não deve ser desconsiderada. Esta transmissão indireta é muito mais importante para a pleuropneumonia suína na forma aguda onde todas as mucosas aéreas dos suínos doentes estão altamente contaminadas pelo agente causal. A gravidade das pneumonias, em um determinado rebanho, depende da qualidade do meio ambiente. A ocorrência e severidade das pneumonias, em um determinado rebanho, depende da qualidade 1. Repopulação de terminações com animais de várias origens e mistura de animais com várias idades. 2. Não adoção do sistema todos dentro-todos fora em todas as fases da criação (maternidade, creche, crescimento-terminação). 3. Terminações com lotação superior a 500 animais. 4. Mais do que duas fileiras de baias nas terminações. 5. Lotacão das baias superior a 1,00 animal/m 2 na terminação. 6. Volume de ar inferior a 3m 3 por animal na terminação. 7. Índices de amônia superior a 7 ppm nas terminações. 8. Mais do que 105 bactérias viáveis (UFC)/m 3 de ar nas terminações 9. Remoção de fezes na forma líquida. 10. Utilização do piso ripado. 11. Rebanhos com excesso de primíparas (mais do que 30% das reprodutoras). 12. Peso inferior a 1 kg ao nascer e idade de desmame inferior a 24 dias. 13. Flutuação de temperatura interna superior a 6 o C por dia. 2

3 Considerando-se os fatores citados pode-se dizer que a influência negativa das pneumonias estaria substancialmente reduzidas nos sistemas de produção que adotassem a prática de todos dentro-todos fora e cujas terminações possuíssem salas com espaço para até animais, com densidade de 1 m 2 /animal e volume de ar superior a 3 m 3 por terminado. Estas unidades teriam piso compacto, com duas fileiras de baias para 15 animais cada, provida de varanda, onde estaria o sistema de eliminação de dejetos. A ventilação seria natural e os animais terminados deveriam originar-se de uma única fonte que, no mínimo, adotasse o sistema todos dentro-todos fora. Associação entre pneumonia e produtividade Para determinar o impacto econômico das pneumonias na produção deve-se acompanhar do abate entre 30 e 100 animais do rebanho. Determina-se a seguir o percentual da área do pulmão afetado por pneumonia para cada animal e calcula-se a média do grupo. Feito isto, multiplica-se este resultado por 3,74 e aí obtém-se a perda em ganho diário (gramas/dia). A metodologia para se determinar a área de pulmão afetado por pneumonias encontra-se na série Documentos, n o 23 da EMBRAPA CNPSA Descrição de um modelo para avaliação e quantificação de lesões pulmonares de suínos e formulação de um índice para classificação de rebanhos, que pode ser adquirido através de solicitação ao CNPSA. Estima-se uma perda de 37,4 g/dia de ganho de peso para 10% de hepatização pulmonar. O exame dos animais ao abate, além de permitir a avaliação das perdas econômicas, pode ajudar na avaliação das medidas profiláticas, medicamentosas e de correções do manejo adotadas. Tratamento e controle das pneumonias Tratamento das pneumonias agudas e sub-agudas Os animais afetados por pneumonias agudas e sub-agudas apresentam, com intensidade diversa, alguns dos seguintes sintomas: dificuldade respiratória, tosse produtiva, prostração, dificuldade de movimentação ou atitude de cachorro sentado, manchas avermelhadas pelo corpo, extremidades azuladas (focinho, orelhas e patas), sangue ou catarro saindo pelas narinas, desinteresse pelo alimento e perda do brilho característico do animal sadio. Estes animais não se alimentam e, portanto, devem receber medicação injetável ou na água de beber. O antibiótico de escolha depende da causa da pneumonia. Na tabela 1 relacionam-se os agentes comumente associados com pneumonias agudas e sub-agudas e algumas das drogas recomendadas. O tratamento deve ser iniciado imediatamente com uma das drogas indicadas, para evitar a morte, e esta droga deve permanecer como arma terapêutica para o rebanho até a conclusão de exames bacteriológicos e antibiogramas para os agentes envolvidos. Em função desta nova informação o veterinário responsável irá mudar ou manter o mesmo antimicrobiano. O veterinário é importante para a realização do exame clínico dos animais, acompanhamento dos animais ao abate, determinação dos tipos de agentes etiológicos que o laboratório deve procurar, coleta do material adequado para estes exames e interpretação dos resultados finais que se transformarão em informações precisas para o produtor. Tratamento das pneumonias subclínicas As pneumonias subclínicas ocorrem sem sintomatologia definida. Suspeita-se desta condição quanto se observa tosse, geralmente seca, e desuniformidade de desenvolvimento corporal entre os animais. O diagnóstico desta condição é realizado através de achados de necropsia ou do acompanhamento dos animais ao abate, onde é possível quantificar as pneumonias e estimar os seus custos. Os custos com medicamentos não podem ultrapassar as perdas. Na Tabela 2 estão relacionadas as etiologias e algumas drogas que podem ser utilizadas nestas condições. Nos rebanhos, onde as pneumonias são importantes, esta afecção ocorre geralmente em todas as formas (aguda, sub-aguda e subclínica). Nesta situação deve-se instituir a medicação para as formas agudas e subagudas e estabelecer uma 3

4 estratégia medicamentosa para as pneumonias subclínicas. Medicação estratégica para o controle das pneumonias Para se estabelcer uma medicação estratégica é preciso determinar em que período do crescimento os sintomas respiratórios são mais intensos. Procura-se identificar causas de erro de manejo em período de duas a três semanas anteriores a esta idade. A correção destes fatores, associada a uma medicação adequada, reduzirá o impacto das doenças. Na tabela 2 estão relacionados alguns antimicrobianos para serem utilizados na ração ou na água. O processo de desmame submete os leitões a uma série de estresses; decorrentes do afastamento da mãe, mudança de regime alimentar, mistura com animais estranhos com concomitante briga para a formação da nova hierarquia social e disseminação de agentes patogênicos entre animais oriundos de diferentes leitegadas. Em estudos epidemiológicos observou-se que a medicação na ração após o desmame era associada a menores índices de pneumonias do que àqueles determinados para rebanhos não medicados. Outra maneira para estabelecer medidas terapêuticas, imunoprofiláticas ou correções de manejo, está na utilização de perfis sorológicos para as doenças que afetam determinados rebanhos. Para isto, processa-se o exame sorológico, para(s) doença(s) em questão, de 30 a 50 soros de quatro períodos etários, a começar pela idade de desmame e após com espaçamento de 30 dias. Na Figura 1 temos o perfil sorológico de um rebanho afetado pelo Actinobacillus pleuropneumoniae, agente da pleuropneumonia suína. Observa-se que os índices mais elevados de anticorpos foram detectados no 2 o e 4 o período. Medidas profiláticas e medicamentos foram tomadas no 1 o e 3 o estágio, que são anteriores ao pique de anticorpos. Os resultados das medidas refletiram-se no perfil obtido 4 meses após (Fig.2). Observa-se que as medidas tomadas foram adequadas uma vez que houve uma forte restrição da disseminação da infecção no rebanho com a consequente redução da doença. A EMBRAPA CNPSA tem condições de determinar anticorpos neutralizantes para as citolisinas de A. pleuropneumoniae para determinar perfis sorológicos. Reatores positivos (%) Período 1 (desmame) Período 2 Período 3 Período 4 Sorotipo 1 Sorotipo 3 Sorotipo 5 Sorotipo 7 Sorotipo 9 Figura 1: Perfil sorológico para Actinobacillus pleuropneumonia antes da medicação estratégica. Vacinações Na prevenção das pneumonias as vacinas ajudam a evitar as perdas econômicas. Em geral, as vacinas contra as doenças respiratórias (rinite atrófica, pleuropneumonia e pneumonia micoplásmica) não previnem a infecção e, portanto, não erradicam as doenças, porém, reduzem a incidência, evitam o desenvolvimento de lesões (rinite atrófica e pneumonia micoplásmica) e/ou mortalidade (pleuropneumonia). Estratégias globais para o controle das doenças respiratórias Depopulação Consiste na eliminação de todo o rebanho, seguida de desinfecção e vazio sanitário. O reestabelecimento do rebanho deve ser feito com animais livres da maioria dos agentes microbianos que causam doenças respiratórias. Esta opção necessita de fornecedores deste tipo de animal e devem ter definido o status sanitário de seus animais através de laudos de acompanhamentos sorológicos e de exames dos animais realizados no momento do abate. Os animais são considerados livres de determinadas infecções (SPF) apenas para aquelas etiologias que são pesquisadas. Na ausência de fornecedores de animais com estas características poder-se-ia obter os próprios animais SPF removendo os úteros das matrizes em final de gestação (histerectomias) e criando os leitões em local isolado com alimentação artificial. Este processo é custoso e requer muito trabalho 4

5 Reatores positivos (%) Período 1 (desmame) Período 2 Período 3 Período 4 Sorotipo 1 Sorotipo 3 Sorotipo 5 Sorotipo 7 Sorotipo 9 Figura 2: Perfil sorológico para Actinobacillus pleuropneumonia após medicação estratégica. e capacitação técnica. Somente algumas companhias que se dedicam o melhoramento genético ainda usam este procedimento. A reinfecção dos rebanhos por certos agentes patogênicos que se tenta eliminar, por este processo, principalmente M. hyopneumoniae, é bastante alta. Alternativas à depopulação, menos custosas e que não eliminam o rebanho básico, são as seguintes: Desmame precoce medicado As matrizes são vacinadas e medicadas com antimicrobianos, imediatamente antes do parto. Deve-se escolher matrizes a partir do 3 o parto. Os leitões são medicados com antimicrobianos desde o nascimento até o desmame que ocorre aos 5 dias de idade, são criados em creche isolada recebendo alimentação à base de leite de vaca. Tanto as fases de creche quanto as seguintes da criação, são conduzidas dentro do princípio todos dentro-todos fora, em locais isolados. Estes animais substituirão o rebanho original. Este método elimina rinite atrófica, pneumonia micoplásmica, pleuropneumonia suína, desinteria suína e sarna sarcóptica. leitões são mantidos no princípio de "todos dentrotodos fora". Com oito a dez semanas de idade, são transferidos para outro local, o terceiro sítio, onde permanecem até a idade de abate. Esta última unidade pode ser instalada mais próxima do abatedouro, facilitando e economizando os custos com transportes. Sistema Zimmernan É apropriado para rebanhos pequenos, de até 30 matrizes. Doenças como rinite atrófica, pleuropneumonia suína e pneumonia micoplásmica podem ser controladas, sem necessidade de eliminação total do rebanho. O sistema consiste na eliminação de todos os animais jovens, permanecendo na propriedade apenas o plantel de reprodutores por 14 dias, recebendo medicação e vacinação para as doenças que se deseja controlar. Os leitões nascidos são medicados, continuamente, do nascimento ao desmame. O esquema todos dentro-todos fora é estabelecido para todas as fases. Os sistemas descritos (desmame precoce medicado, produção em três sítios e o sistema Zimmerman) podem ser associados, adaptando-se aos sistemas de produção de suínos envolvidos. Revisores Técnicos Nelson Mores Sérgio Renan S. Alves Produção em três sítios É uma modificação do sistema desmame precoce medicado. As matrizes são vacinadas e/ou medicadas contra as doenças que se deseja combater. Os leitões são desmamados entre 10 e 21 dias de idade e transferidos para uma nova instalação, a uma distância de, pelo menos, três quilômetros da maternidade. Igual distância deve ser mantida de outros rebanhos, mas a distância deve ser mantida de outros rebanhos, mas a distância ideal não está ainda determinada para as nossas condições. Quanto maior melhor. Os 5

6 Tabela 1: Antimicrobianos utilizados no controle das pneumonias agudas e sub-agudas dos suínos, de acordo com o agente etiológico envolvido. Agente Droga Dosagem Via de Frequência Duração do administração (horas) tratamento Danofloxacin 1,25mg/kg IM Ceftiofur sódico 1 mg/kg IM 24 3 Flumequine 15-30mg/kg VO 12 5 A. pleuropneumoniae Oxitetraciclina 5-22mg/kg IM Penicilina G UI/kg IM 48 e 72 NA Sulfa-trimetropin 5 15mg/kg IM 24 5 Trimetropin (T) 10mgT + Sulfadiazina (S) +60mgS/kg IM, VO 24 5 Oxitetraciclina LA 20mg/kg IM 72 NA B. bronchiseptica Sulfatiazol 125mg/l VO Não exceder 7 dias Tilosina (base) 10mg/kg IM 3 5 Danoflaxacin 1,25mg/kg IM Espiramicina (adipato) 25 50mg/kg IM M. hyopenumoniae + Lincomicina 10 30mg/kg IM P. multocida Oxitetraciclina 5 22mg/kg IM Tiamulin 0,12 0,25g/l VO NA 5 10 Tiamulin 15mg/kg IM 3 IM = intramuscular, VO = via oral e NA = não se aplica Tabela 2: Antimicrobianos no controle das pneumonias subclínicas dos suínos, de acordo com o agente etiológico envolvido. Agente Droga Água (g/l) Ração (ppm) Período (dias) Período de remoção da droga antes do abate Oxitetraciclina 0,5 0, A. pleuropneumoniae Clotetraciclina 0, Enrofloxacin 150 Oxitetraciclina 0,5 0, B. bronchiseptica + Clotetraciclina 0, P. multocida Tilosina (fosfato) NA Tilosina (tartarato) 0,25 0,31 NA 5 14 Lincomicina 0,22 0, Oxitetraciclina 0,5 0, M. hyopneumoniae + Tiamulin 0,12 0, P. multocida Tilosina (fosfato) NA Tilosina (tartarato) 0,25 0,31 NA 5 0 Espiramicina (adipato) 0,5 1,0 NA 6 14 Espiramicina (embonato) NA IM = intramuscular, VO = via oral e NA = não se aplica 6

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Rinite atrófica dos suínos J. R. F. Brito I. A. Piffer M. A. V. P. Brito 1 A renite atrófica dos

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Utilização de vacinas em produção de suínos David Emílio S. N. de Barcellos 1 Jurij Sobestiansky

Leia mais

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999.

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE SUÍNOS Sistema de produção Produtividade Monitorias Sanitária Limpeza e desinfecção Manejo do leitão Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD PEDv Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Agroceres PIC Agradecimentos pelas informações Dr Albert Rovira,

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE é o estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos, por meio da diminuição de ocorrência de doenças em uma determinada população. PROGRAMAS

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

BIOSSEGURIDADE EM GRANJAS DE SUÍNOS

BIOSSEGURIDADE EM GRANJAS DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE EM GRANJAS DE SUÍNOS 1 - INTRODUÇÃO Adotar medidas de biosseguridade sem dúvida é a melhor estratégia para diminuir os riscos da presença de agentes causadores de doenças. Essas medidas

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase Raquel S. Juliano Fonte: IBGE / PPM (2008) MT 307.900 MS 357.675 60% Pantanal 84.588 Fonte: IBGE (2005) Eqüinos

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Diagnóstico do cio e manejo da cobertura: Tarefas importantes na criação Isabel R. Scheid 1 Ivo

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira Tortuga O.I.E. e O.M.C. Foram criados dois organismos internacionais,

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES DOENÇAS VIRAIS EM CÃES Cinomose Etiologia Doença que acomete vários sistemas do animal, sendo altamente contagiosa aos cães domésticos e muitos carnívoros selvagens (raposa, coiote, lobo, furão, etc, mas

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão

sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão matéria da capa sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão Texto: Sandra G. Coelho Marcelo Ribas Fernanda S. Machado Baltazar R. O. Júnior Fotos: Marcelo Ribas O avanço tecnológico

Leia mais

O gargalo do transporte

O gargalo do transporte TRANSPORTE O gargalo do transporte Apesar de toda a evolução experimentada pela suinocultura brasileira nas últimas décadas, o transporte de suínos continua a gerar danos ao bem-estar animal e prejuízos

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009 Nome do Produto: TRIMECLOR 75 Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: TRIMECLOR 75 Nome da empresa: FARMABASE SAÚDE ANIMAL LTDA. Av. Emílio Marconato, 1000 Galpão A3 Chácara

Leia mais

PROJETO DE LEI No, DE 2009

PROJETO DE LEI No, DE 2009 PROJETO DE LEI No, DE 2009 (DO SR. CAPITÃO ASSUMÇÃO) Dispõe sobre a imunização de mulheres com a vacina contra o papilomavírus humano (HPV), na rede pública do Sistema Único de Saúde de todos os estados

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira)

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira) Apoio: Escrito por: Faculdade de Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo Maio/2013 Sumário Resumo... 3 Introdução... 3 Etiologia... 3 Epidemiologia... 5 Sinais clínicos... 5 Diagnóstico...

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CLÍNICA DE CANINOS E FELINOS Prof. Roberto Baracat de Araújo AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CONSIDERAÇÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO: TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR:

Leia mais

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Nívea Maria Vicentini Pesquisadora Embrapa Gado de Leite 15 o Encontro Técnico do Leite Campo Grande, 15 de maio de 2012 O QUE É O PAS?

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 28, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 28, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 28 - Área de atuação em Infectologia Nome do Candidato Caderno de

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Hepatite C Grupo Vontade de Viver

Hepatite C Grupo Vontade de Viver Hepatite C Grupo Vontade de Viver De apoio aos Portadores de Hepatite C Apresentação Data de Fundação : 19 Maio de 2002 Formação do Grupo: Portadores e ex-portadores do vírus C Trasplantados de fígado

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Taktic 12,5% p/v, Concentrado emulsão de imersão para bovinos, ovinos e suínos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) OUTRAS DOENÇAS CAPÍTULO 2.10.1 Zoonoses Transmissíveis por Primatas não Humanos Artigo 2.10.1.1. Introdução Há cerca de 180 espécies diferentes de primatas não humanos pertencentes a duas subordens divididas

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA

MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA 35 Disciplina: HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu e-mail: domingues@fmvz.unesp.br MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA São

Leia mais

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais