Produção e compreensão de orações relativas em português europeu: dados do desenvolvimento típico, de PEDL e do agramatismo 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção e compreensão de orações relativas em português europeu: dados do desenvolvimento típico, de PEDL e do agramatismo 1"

Transcrição

1 Produção e compreensão de orações relativas em português europeu: dados do desenvolvimento típico, de PEDL e do agramatismo 1 João Costa, Maria Lobo, Carolina Silva e Elisa Ferreira Universidade Nova de Lisboa Abstract Relative clauses are a domain in which children and impaired populations exhibit difficulties. Extending research carried out for other languages, we apply production and comprehension tests to typically developing children acquiring European Portuguese, adult controls, agrammatic adults and children diagnosed with Specific Language Impairment, in order to assess whether there is a subject-object asymmetry both in production and in comprehension across populations. The main finding is that this asymmetry is robust, but a qualitative analysis of the pattern of deviance is needed in order to find out the source of the problems. The analysis reveals that children have troubles with crossing dependencies, which explains the subject-object asymmetry. Keywords: relative clauses, subject, object, acquisition, SLI, agrammatism Palavras-chave: orações relativas, sujeito, objecto, aquisição, PEDL, agramatismo 1. Introdução As orações relativas são uma estrutura utilizada quer como medida de avaliação do desenvolvimento da linguagem, quer como indicador de perturbações adquiridas ou congénitas da linguagem (Adams, 1990; Berman, 1997; Brown, 1972; Correa, 1982; 1995; de Villiers et al., 1994; De Vincenzi, 1991; Friedmann, Belletti, & Rizzi, 2009; Friedmann & Novogrodsky, 2004; Håkansson & Hansson, 2000; McKee et al., 1998; Roth, 1984; Sheldon, 1974; Tavakolian, 1981; Vasconcelos 1991). Sabe-se que estas estruturas são um indicador válido por se reconhecer que são uma área em que diferentes populações encontram dificuldades, não havendo contudo consenso relativamente à natureza da dificuldade. Alguns dos trabalhos referidos indicam haver uma assimetria entre tipos de relativas na aquisição destas estruturas, o que indicará que eventuais défices relacionados com as relativas não se prendem globalmente com o tipo de estrutura, mas apenas com alguns sub-aspectos. 1 A investigação para este trabalho insere-se no projecto Técnicas Experimentais na Compreensão da Aquisição do Português Europeu POCTI/LIN/57377/2004 e beneficiou da iniciativa europeia COST-A33. Agradecemos a cedência dos materiais para o teste de compreensão de Naama Friedmann, bem como as suas sugestões para a codificação dos dados no teste de produção. Textos Seleccionados. XXIV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2009, pp

2 XXIV ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA Neste artigo, procuraremos atingir os seguintes objectivos: Aferir se também se manifestam em português europeu assimetrias entre orações relativas de sujeito e de objecto encontradas para outras línguas em várias populações. Testar produção e compreensão e tentar encontrar qual a natureza do problema (estrutural acesso a CP, movimento ou transferência de papel temático), permitindo comparação com abordagens centradas em processamento (Vasconcelos, 1991). Verificar se populações diferentes têm problemas diferentes perante estruturas idênticas (Friedmann et al., 2006). O racional inerente ao trabalho a desenvolver, inspirado fortemente nos trabalhos de Naama Friedmann que referimos, é o seguinte: as relativas de sujeito e objecto são estruturas complexas que envolvem dependências A-barra (com movimento), distinguindo-se pelo facto de apenas as de objecto envolverem uma dependência em que há intervenção de um argumento/papel temático, isto é, em que o papel temático do objecto atravessa o papel temático do sujeito, como ilustrado em (1b): (1) a. Gostava de ser o rapaz que visitou o avô. b. Gostava de ser o rapaz que o avô visitou. Sendo esta a única diferença entre os dois tipos de relativas, espera-se que haja um comportamento diferenciado na produção e compreensão dos dois tipos de relativas em função de diferentes tipos de problemas. Se houver um problema de natureza estrutural, isto é, se não houver acesso ao nó CP, espera-se que haja problemas na produção e compreensão dos dois tipos de relativas. Se houver problemas com movimento A-barra, também não são previstos comportamentos diferenciados face aos dois tipos de relativas. Já se houver dificuldades com o estabelecimento de dependências em contextos em que há intervenção de um possível antecedente, como em (1b), espera-se que haja problemas apenas com as relativas de objecto. O artigo encontra-se organizado da seguinte forma. Na secção 2, apresentamos a metodologia utilizada para aceder à produção e compreensão das relativas de sujeito e objecto nas diferentes populações. Na secção 3, apresentamos os resultados. Na secção 4, apresentamos a discussão e as principais conclusões. 2. Metodologia 2.1. Tarefa de produção A tarefa de produção consistiu numa adaptação da tarefa de preferência desenvolvida para o hebraico em Novogrodsky & Friedmann (2004), adaptada de acordo com o projecto COST-A33. No âmbito deste projecto, que visa a obtenção de dados de crianças em idade pré-escolar falantes das várias línguas faladas na Europa, optou-se por induzir a produção de vinte orações relativas dez orações relativas em que o pronome desempenha a função sintáctica de sujeito e dez em que desempenha a função de complemento directo, equilibradas em termos de reversibilidade. A reversibilidade dos 212

3 PRODUÇÃO E COMPREENSÃO DE ORAÇÕES RELATIVAS EM PORTUGUÊS EUROPEU predicados é importante, uma vez que o facto de um determinado predicado não ser reversível pode enviesar os resultados, uma vez que uma única leitura para uma estrutura é forçada por factores pragmáticos. Na tarefa de preferência, a criança é convidada a participar numa entrevista em que se lhe apresentam duas situações, tendo ela que dizer ao experimentador qual prefere. A única regra a que as crianças tinham de aderir seria que todas as frases tinham de começar por Gostava de ser o/a menino/a. Em (2a) e (2b), apresentamos um exemplo de elicitação de relativa de sujeito e objecto, respectivamente: (2) a. Há dois meninos Um menino come chocolate, o outro menino come gelado. Que menino é que gostavas mais de ser? Começa com: Gostava de ser o menino b. Há dois meninos A mãe penteia um menino, o vizinho penteia o outro menino. Que menino é que gostavas mais de ser? Começa com: Gostava de ser o menino Todos os participantes foram testados individualmente numa sala calma. Não foi imposto qualquer limite temporal à execução da tarefa, nem foram dados qualquer estímulo ou correcção em função do tipo de resposta dada, apenas palavras de estímulo para a execução da tarefa. No caso das crianças, foi dada uma recompensa no final da tarefa. Os testes foram gravados em gravador digital e transcritos durante e depois do teste por dois dos investigadores Tarefa de compreensão A tarefa de compreensão consistiu numa tarefa de identificação de imagens, em que se pedia à criança que identificasse a imagem correspondente à frase ouvida. Para cada frase, era apresentado um par de imagens, num total de quarenta pares, que testaram vinte relativas de objecto e vinte relativas de sujeito. Dada a natureza do teste, apenas foram testadas situações com predicados reversíveis. As imagens e o teste são de Friedmann e Novogrodsky (2004) e foram gentilmente cedidos por Naama Friedmann. Em (3a) e (3b), apresentamos exemplos das frases que são utilizadas para testar a compreensão de orações relativas de sujeito e objecto, respectivamente, mediante a apresentação de um par de imagens como o que se encontra na Fig.1: (3) a. Mostra-me o menino que está a secar o hipopótamo. b. Mostra-me o menino que o hipopótamo está a secar. Fig. 1. Exemplo de imagem do teste de compreensão 213

4 XXIV ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA As condições de aplicação do teste foram as mesmas que no teste de produção. As respostas foram registadas por um dos investigadores durante o teste. Sempre que o participante mudava o sentido da sua resposta, registava-se apenas a última resposta dada Participantes Participaram neste estudo, nas tarefas de produção e compreensão, sessenta crianças (25 rapazes e 35 raparigas) falantes monolingues de português europeu sem qualquer perturbação de linguagem, auditiva ou cognitiva diagnosticada, provenientes de dois infantários da Grande Lisboa. Estas crianças tinham idades entre os 3;9 e 6;2 (média de idades 5;1). O grupo de controlo foi constituído por dez adultos com idades compreendidas entre os 23 anos e os 42 anos, todos com formação universitária. O facto de alguns dos participantes terem formação em linguística não condicionou as suas performances, uma vez que houve comportamentos semelhantes em adultos com e sem este tipo de formação. Participaram ainda do estudo sete crianças diagnosticadas com Perturbação Específica do Desenvolvimento Linguístico (PEDL), com idades compreendidas entre os 5;9 e os 11;3 (6 rapazes e 1 rapariga) e seis adultos agramáticos diagnosticados com afasia de Broca (4 do sexo masculino, 2 do sexo feminino), com idades compreendidas entre os 29 e os 60 anos. Para pormenores sobre os critérios de selecção e inclusão destes participantes, bem como detalhes sobre os seus historiais clínicos, consulte-se Ferreira (2008). 3. Resultados Apresentamos, nesta secção, os resultados dos testes aplicados. A apresentação dos resultados encontra-se organizada da seguinte forma. Em 3.1., são apresentados os resultados do teste de produção nas crianças com desenvolvimento típico e no grupo de controlo adulto, mostrando-se a necessidade de se proceder a uma comparação mais explícita entre as respostas dadas pelos dois grupos para se aferir a validade do teste. Em 3.2., apresentam-se os resultados do teste de compreensão para estes dois grupos. Em 3.3., são apresentados os resultados dos testes de produção e compreensão para as crianças com PEDL e, finalmente, em 3.4., apresentam-se os resultados dos dois testes para os adultos agramáticos Produção em crianças com desenvolvimento típico e adultos Na figura 1, apresenta-se o resultado global atingido pelas crianças na produção de relativas de sujeito e objecto. Como se pode observar, há uma clara assimetria entre as relativas de sujeito e de objecto, na medida em que as crianças produzem muito mais relativas de sujeito do que relativas de objecto de acordo com as respostas esperadas. 214

5 PRODUÇÃO E COMPREENSÃO DE ORAÇÕES RELATIVAS EM PORTUGUÊS EUROPEU Fig. 2. Resultados do teste de produção Crianças com desenvolvimento típico Na fig. 3, apresentamos os dados individuais das sessenta crianças, ordenados de acordo com a idade das crianças. Este gráfico permite fazer duas observações: por um lado, não há nenhuma criança em que a produção de relativas de objecto seja superior à de relativas de sujeito; por outro lado, é possível observar que não há uma correlação com idade, ou seja, embora haja alguma progressão, encontramos desempenhos bastante desiguais entre as crianças mais velhas e entre as crianças mais novas. Fig. 3. Produção por crianças com desenvolvimento típico: dados individuais Ao testarmos o grupo de controlo adulto, verificámos que, ao contrário das nossas expectativas, também nos adultos se verificava uma assimetria grande entre as relativas de sujeito e de objecto. Os resultados dos adultos são apresentados no gráfico seguinte: 215

6 XXIV ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA Fig. 4: Resultados dos adultos na produção de relativas de sujeito (1) e objecto (2) Como se pode ver no gráfico acima, há uma produção de 99% de relativas de sujeito, mas de apenas 48% de relativas de objecto. Perante estes resultados no grupo de controlo, colocámo-nos várias questões sobre a própria validade do teste e sobre a relevância das relativas de objecto enquanto medida de desenvolvimento. Se os próprios adultos não produzem estas estruturas, importará entender por que motivo não o fazem e se há, de facto, alguma diferença entre crianças e adultos. Para melhor entender o resultado do grupo de controlo, resolvemos olhar para os resultados individuais, que apresentamos na fig. 5: Fig. 5. Produção de relativas nos adultos: resultados individuais 216

7 PRODUÇÃO E COMPREENSÃO DE ORAÇÕES RELATIVAS EM PORTUGUÊS EUROPEU Como se pode observar no gráfico, o comportamento dos adultos é bastante diferenciado 2. Há adultos que não produzem uma única relativa de objecto, enquanto outros produzem relativas de objecto em todos os itens de teste. Perante este resultado, resolvemos investigar o que fazem os adultos que não produzem relativas de objecto. Crucialmente, estes adultos produzem estratégias alternativas legítimas: ou relativas de sujeito passivas (como em Gostava de ser o menino que foi penteado pela mãe.) ou passivas adjectivais (como em Gostava de ser o menino penteado pela mãe). Nenhum adulto produziu estruturas agramaticais no contexto de produção de estruturas relativas de objecto. No gráfico seguinte, mostram-se as estruturas alternativas produzidas pelos vários adultos: Fig. 6. Produção de relativas de objecto nos adultos: análise qualitativa Nas crianças, uma análise qualitativa das respostas dadas revela um padrão substancialmente diferente. É possível observar que há muito mais respostas agramaticais no contexto de relativas de objecto do que no contexto de relativas de sujeito, o que permite supor que aquele é muito mais difícil para as crianças do que este. Note-se que, nos adultos, não há respostas agramaticais em nenhum dos contextos. 2 Conforme sugerido por um avaliador do artigo, será interessante alargar esta amostra a um grupo maior de participantes para aferir se há uma maior homogeneidade de comportamento. 217

8 XXIV ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA Fig. 7. Respostas (a)gramaticais para relativas sujeito crianças com desenvolvimento típico Fig. 8. Respostas (a)gramaticais para relativas objecto crianças com desenvolvimento típico Nos tipos de respostas dados pelas crianças, encontrou-se imensa variação, tendo, contudo, sido possível encontrar alguns padrões mais comuns nas respostas agramaticais, que ilustramos em (4) (para uma resposta alvo Gostava de ser o menino que o avô visita): (4) a. Omissão do pronome relativo: Gostava de ser o menino o avô visita. b. Inversão de papéis temáticos: Gostava de ser o menino que visita o avô. c. Repetição do antecedente: Gostava de ser o menino que o avô visita o menino. d. Pronome clítico resumptivo: Gostava de ser o menino que o avô o visita. e. Relativa com um argumento nulo: Gostava de ser o menino que fotografa. f. Oração subordinada não relativa agramatical: Gostava de ser o menino o avô a procurar. g. Troca de antecedente: Gostava de ser o avô que 218

9 PRODUÇÃO E COMPREENSÃO DE ORAÇÕES RELATIVAS EM PORTUGUÊS EUROPEU Destas alternativas agramaticais, as respostas mais frequentes foram as que envolveram inversão de papel temático (10%) ou repetição do antecedente através de NP ou pronome (15%). As outras alternativas dividiram-se em respostas inferiores a 4%. A tendência para desvios deste tipo parece indicar que o principal problema das crianças se prende com a interpretação dos argumentos, sobretudo se tivermos em conta que estes erros não ocorrem na produção de relativas de sujeito. Belletti (2008) levanta a hipótese de, em línguas que têm inversão sujeito-verbo, não ser possível detectar a inversão de papéis temáticos, uma vez que esta se pode confundir com uma resposta-alvo em que o sujeito e o verbo se encontram invertidos. Embora nos pareça que a inversão sujeito-verbo em relativas é claramente despreferida na gramática alvo neste contexto, quisemos excluir esta hipótese e garantir que a interpretação dos resultados era segura. Para tal, acrescentámos três itens de teste com sujeitos no plural. Se as crianças produzissem ordens VS, o verbo deveria ocorrer no plural, se invertessem os papéis temáticos, o verbo deveria ocorrer no singular. Nos três itens, não houve qualquer resposta plural com ordem VS, tendo-se registado, contudo 15% de casos de ordem V-DP com o verbo no singular. Este resultado parece corroborar a ideia de que há bastante inversão de papéis temáticos na (tentativa de) produção de relativas de objecto. Perante esta análise comparativa das respostas das crianças e dos adultos, é possível concluir que há uma diferença substancial entre os dados dos dois grupos: alguns adultos não produzem relativas de objecto porque dispõem de estratégias alternativas gramaticais, enquanto as crianças não produzem relativas de objecto porque não dispõem dos recursos linguísticos necessários para o fazer, produzindo bastantes estruturas agramaticais no contexto de relativas de objecto Compreensão em crianças com desenvolvimento típico e adultos A assimetria entre relativas de sujeito e de objecto é confirmada nos resultados do teste de compreensão. Conforme se pode ver no gráfico da figura 9, há uma muito melhor compreensão (quase perfeita) das relativas de sujeito do que das relativas de objecto, não chegando a performance nestas aos 70% de sucesso. Compreensão de orações relativas 96% 100% 80% 68% 60% 40% 20% 0% Relativas sujeito Relativas objecto Fig. 9. Compreensão de relativas: crianças com desenvolvimento típico 219

10 XXIV ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA O grupo de controlo adulto teve uma performance de 100% nos dois tipos de relativas. O facto de os adultos não terem dificuldades na compreensão de relativas de nenhum tipo confirma a validade desta construção como medida de avaliação de desenvolvimento e permite supor que, ao contrário do que é proposto em Vasconcelos (1991), os problemas nas crianças não são apenas de processamento em sentido estrito, tratando-se de um verdadeiro problema de desenvolvimento sintáctico Produção e compreensão em crianças com PEDL Conforme descrito em Ferreira (2008), as crianças com PEDL testadas apresentaram uma performance comparável à das crianças com desenvolvimento típico na compreensão (apesar de serem bastante mais velhas) e uma performance bastante pior na produção. Os resultados alcançados podem ser descritos da seguinte forma: i) Compreensão de relativas sujeito A performance das crianças foi bastante boa, tendo a média de grupo atingido os 92,5% de respostas-alvo; ii) Compreensão de relativas objecto À semelhança do que aconteceu com as crianças com desenvolvimento típico, a compreensão de relativas de objecto foi significativamente pior do que a de relativas de sujeito, tendo a percentagem de respostas-alvo ficado pelos 69,6%. Os resultados em termos de produção foram bastante piores, tendo a taxa de resposta sido bastante baixa nos dois tipos de relativas. Não obstante, verificaram-se alguns factos bastante interessantes. Em primeiro lugar, a assimetria sujeito-objecto verificada na compreensão manifestou-se também na produção (34,3% de relativas de sujeito vs. 11,4% de relativas de objecto). Além disso, observou-se que o grupo de crianças se dividiu em dois grupos em função da tipologia de repostas desviantes. Na produção de relativas de sujeito, verificou-se um mau desempenho por parte das crianças mais novas, que tendem a omitir o complementador (45,6% de omissão do complementador) ou a reduzir a relativa eliminando o verbo ou alguns argumentos (44,1% de relativas reduzidas ao verbo ou ao objecto). Nas relativas de objecto, as dificuldades encontram-se generalizadas às crianças mais novas e mais velhas. Contudo, verificou-se que as crianças mais novas produzem mais desvios estruturais, caracterizados pela omissão do complementador (22,1% de omissão de complementador, 15,1% de inversão de papéis temáticos com omissão do complementador e 35% de orações reduzidas a um argumento, igualmente com omissão do complementador), enquanto as crianças mais velhas apresentam mais respostas com complementador, sendo maioritárias as respostas dadas em que há inversão de papéis temáticos. Apesar de a amostra ser bastante pequena, estes dados preliminares são interessantes, uma vez que permitem levantar duas hipóteses a aprofundar no futuro: de acordo com estes dados, as relativas de objecto, mais do que as de sujeito, são um marcador clínico válido para PEDL, isto é, podem ser tomadas como um sintoma de que uma criança pode apresentar esta patologia. Além disso, a PEDL pode ser vista como um atraso relativamente ao desenvolvimento típico, uma vez que o padrão de respostas encontrado não é qualitativamente diferente do que é encontrado nas crianças com desenvolvimento 220

11 PRODUÇÃO E COMPREENSÃO DE ORAÇÕES RELATIVAS EM PORTUGUÊS EUROPEU típico. Se fosse qualitativamente diferente, poder-se-ia pensar que a PEDL era um desvio ou um tipo de desenvolvimento diferente e não apenas um atraso. Obviamente, estas hipóteses carecem de validação através de testagem com mais crianças Compreensão e produção em adultos agramáticos A aplicação dos testes em adultos agramáticos levada a cabo em Ferreira (2008) confirmou os resultados de Cerdeira (2006), permitindo mostrar que as relativas são, no geral, uma área de dificuldade para esta população. Como se pode ver na fig. 10, na compreensão verificou-se uma assimetria entre relativas de sujeito e relativas de objecto, tal como nas restantes populações, mas ao contrário do que aconteceu com o grupo de controlo adulto. Fig. 10. Compreensão de relativas por adultos agramáticos Na tarefa de produção, não se verificou uma assimetria acentuada entre os dois tipos de relativas, tendo as relativas de sujeito sido produzidas com sucesso em 54,3% das elicitações e as de objecto em 34,3% dos casos. Na análise dos padrões de desvio na produção de relativas pelos doentes com agramatismo, Ferreira (2008) mostra que há omissão do complementador em cerca de 50% dos casos, o que permite supor que o problema no agramatismo é, essencialmente, de natureza estrutural e não temático (Friedmann e Grodzinsky, 1997), já que os problemas como inversão de papel temático ou omissão de argumentos se manifestaram em apenas 8% dos casos, ao contrário do que aconteceu nas outras populações estudadas. A hipótese de que o problema no agramatismo é essencialmente estrutural foi avançada na literatura por Friedmann e Grodzinsky (1997) e testada com sucesso para o português europeu em Cerdeira (2006). 221

12 XXIV ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA 4. Discussão e conclusões Os testes realizados permitiram confirmar, para o português europeu, a existência de uma assimetria entre as relativas de sujeito e de objecto em tarefas de compreensão e de produção, quer na aquisição, quer em populações com perturbação da linguagem. A observação de que existem assimetrias entre os dois tipos de relativas é um resultado interessante, uma vez que permite olhar para estas estruturas com pormenor e entender qual o pormenor que separa as relativas de sujeito das de objecto: à semelhança do que é proposto em Novogrodsky e Friedmann (2004), assumimos que a dificuldade das crianças nas orações relativas de objecto se deverá não ao facto de se tratar de estruturas complexas ou com movimento A-barra, mas ao facto de envolverem uma dependência referencial em que há intervenção do sujeito da oração subordinada. Do ponto de vista metodológico, foi possível observar que a assimetria sujeito- -objecto só foi validada na medida em que se procedeu a uma análise qualitativa das produções desviantes de cada grupo testado. Se a análise tivesse sido meramente quantitativa, teríamos ficado com a impressão errada de que as relativas de objecto não podiam ser usadas como medida de avaliação, tendo em conta o desempenho do grupo de controlo. Ainda no plano metodológico, revelou-se importante a comparação entre os dados da produção e da compreensão, para se aferir não só as diferenças entre as diferentes populações testadas, mas também para se confirmar até que ponto se pode considerar que as relativas podem constituir um problema de desenvolvimento linguístico e não apenas um problema de processamento, uma vez que, de acordo com Vasconcelos (1991, 1995), as dificuldades encontradas nas tarefas com algumas relativas se deveriam ao desenho experimental uma tarefa de act-out. Esta tarefa, segundo a autora, mostrou-se difícil quer em termos de memória de curto prazo, quer na sequencialização de duas situações, levando as crianças a processarem a frase complexa como duas frases autónomas. Em contraste, no teste de compreensão que usámos, em que era pedida uma selecção de imagens idêntica para relativas de sujeito e para relativas de objecto, não se pode atribuir ao método e, por extensão, a uma qualquer dificuldade de processamento inerente à metodologia usada a assimetria nos resultados. Finalmente, a avaliação comparada de populações distintas permitiu verificar que comportamentos superficiais idênticos perante estruturas linguísticas idênticas podem ter causas subjacentes distintas. Em particular, uma aparente dificuldade perante estruturas relativas pode ter como causas subjacentes problemas de acesso aos nós mais altos da estrutura, como no caso dos agramáticos ou das crianças com PEDL mais novas, ou problemas de interpretação de dependências referenciais, como no caso das crianças com desenvolvimento típico e das crianças com PEDL mais velhas. 222

13 PRODUÇÃO E COMPREENSÃO DE ORAÇÕES RELATIVAS EM PORTUGUÊS EUROPEU Referências Adams, C. (1990) Syntactic comprehension in children with expressive language impairment. British Journal of Disorders of Communication 25, pp Belletti, A. (2008) Relative clauses in Italian. Comunicação apresentada no encontro COST A33. Warsaw. Berman, R. (1997) Early acquisition of syntax and discourse in Hebrew. In Y. Shimron (ed.) Psycholinguistic Studies in Israel: Language Acquisition, Reading and Writing. Jerusalem: Magnes Press (in Hebrew), pp Brown, H. (1972) Children s comprehension of relativized English sentences. Child Development 42, pp Cerdeira, Ana Margarida (2006). Flexão verbal e categorias funcionais no agramatismo. Dissertação de Mestrado, Universidade Nova de Lisboa. Correa, L. M. (1982) Strategies in the acquisition of relative clauses. In J. Aitchison & N. Harvey (eds.) Working Papers of the London Psycholinguistic Research Group 4, pp Correa, L. M. S. (1995) An alternative assessment of children s comprehension of relative clauses. Journal of Psycholinguistic Research 24, pp Ferreira, Elisa (2008) Compreensão e produção de frases relativas por crianças com perturbação específica do desenvolvimento da linguagem e por adultos com agramatismo. Dissertação de Mestrado, Universidade Nova de Lisboa. Friedmann, N. & Y. Grodzinsky (1997) Tense and Agreement in agrammatic production: Pruning the syntactic tree. Brain & Language 56, pp Friedmann, N., A. Belletti & L. Rizzi (2009) Relativized relatives: Types of intervention in the acquisition of A-bar dependencies. Lingua 119, pp Friedmann, N., A. Gvion & R. Novogrodsky (2006) Syntactic movement in agrammatism and S-SLI: Two different impairments. Language Acquisition and Development. Cambridge, UK: Cambridge Scholars Press/CSP, pp Friedmann, N. & R. Novogrodsky (2004) The acquisition of relative clause comprehension in Hebrew: a study of SLI and normal development. Journal of Child Language 31, pp Håkansson, G. & K. Hansson (2000) Comprehension and production of relative clauses: a comparison between Swedish impaired and unimpaired children. Journal of Child Language 27, pp McKee, C., D. McDaniel & J. Snedeker (1998) Relative children say. Journal of Psycholinguistic Research 27, pp Roth, P.F. (1984). Accelerating language learning in young children. Journal of Child Language 11, pp Tavakolian, S.L. (1981) The conjoined-clause analysis of relative clauses. In S.L. Tavakolian (ed.) Language Acquisition and Linguistic Theory. Cambridge, MA: MIT Press, pp Sheldon, A. (1974) The role of parallel function in the acquisition of relative clauses in English. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior 13, pp

14 XXIV ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA Vasconcelos, Manuela (1991) Compreensão e produção de frases com orações relativas: um estudo experimental com crianças dos três anos e meio aos oito anos e meio. Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa. Vasconcelos, Manuela (1995) Relative Clauses Acquisition and Experimental Research: A Study with Portuguese Children. In I. H. Faria & M. J. Freitas (eds.) Studies on the Acquisition of Portuguese. Lisboa: APL/Colibri, pp de Villiers, J.G., P.A. de Villiers & E. Hoban (1994) The central problem of functional categories in the English syntax of oral deaf children. In H. Tager-Flusberg (ed.) Constraints on language acquisition: Studies of atypical children. Hillsdale, NJ: Erlbaum, pp de Vincenzi, M. (1991) Syntactic Parsing Strategies in Italian: The Minimal Chain Principle. Dordrecht, The Netherlands: Kluwer. 224

Universidade Nova de Lisboa

Universidade Nova de Lisboa Produção e compreensão de orações relativas em português europeu: dados do desenvolvimento típico, de PEDL e do agramatismo 1 João Costa, Maria Lobo, Carolina Silva e Elisa Ferreira Universidade Nova de

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

DÉFICIT ESPECÍFICO DA LINGUAGEM (DEL) E PROBLEMAS DE LINGUAGEM LIGADOS A DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: CUSTO DE PROCESSAMENTO E REMEDIAÇÃO 1

DÉFICIT ESPECÍFICO DA LINGUAGEM (DEL) E PROBLEMAS DE LINGUAGEM LIGADOS A DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: CUSTO DE PROCESSAMENTO E REMEDIAÇÃO 1 DÉFICIT ESPECÍFICO DA LINGUAGEM (DEL) E PROBLEMAS DE LINGUAGEM LIGADOS A DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: CUSTO DE PROCESSAMENTO E REMEDIAÇÃO 1 RELAÓRIO DE ATIVIDADES Alunas: Elisabeth Abreu (Letras) Helena

Leia mais

2.2. RESULTADOS. 2.2.1. Sujeitos

2.2. RESULTADOS. 2.2.1. Sujeitos 45 2.2. RESULTADOS 2.2.1. Sujeitos Relativamente à idade dos participantes, verifica-se no quadro VII que a idade média das crianças com PEDL-S e das crianças do grupo de controlo foi, respectivamente,

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

O que é coleta de dados?

O que é coleta de dados? O que é coleta de dados? Segundo Bandeira (2004) no projeto de pesquisa, o pesquisador deverá descrever detalhadamente o método que usará para coletar seus dados. Basicamente ele pode adotar como método

Leia mais

Departamento de Letras

Departamento de Letras AVALIAÇÃO DE HABILIDADES LINGÜÍSTICAS DE CRIANÇAS: QUESTÕES RELATIVAS À REFERÊNCIA NO DESENVOLVIMENTO LINGÜÍSTICO E IMPLICAÇÕES PARA PROBLEMAS DE LINGUAGEM (DEL e DAp) Alunas: Lucia Figueiredo Morabito

Leia mais

A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância

A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância INVESTIGAÇÃO A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância O trabalho agora apresentado faz parte da metodologia seguida na realização

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 367 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS- continuação 10.º e 11.º Anos (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Compreensão e produção da linguagem verbal

Leia mais

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas OBJECTVOS: Avaliar a capacidade do/a professor(a) de integrar esta abordagem nas actividades quotidianas. sso implicará igualmente uma descrição

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

iservices for the Elderly

iservices for the Elderly iservices for the Elderly Grupo 1: José Funenga 53883 Filipe Carvalho 56149 http://web.ist.utl.pt/~jose.funenga Kit de sondas Idosos Familiares Bloco de notas Cartões com perguntas Envelope Post-it s Bloco

Leia mais

Relatório PIBIC 2012

Relatório PIBIC 2012 Relatório PIBIC 2012 Projeto: Déficit Específico da Linguagem (del) e problemas de linguagem ligados a dificuldades de aprendizagem: um estudo exploratório com vistas à intervenção 1 Alunas: Luiza Frizzo

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Após a aplicação do instrumento de recolha de dados, torna-se necessário proceder à respectiva apresentação e análise dos mesmos, a fim de se poderem extrair

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. 10º ano nível VI - Inglês Planificação a Longo Prazo. Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico

ANO LETIVO 2013/2014. 10º ano nível VI - Inglês Planificação a Longo Prazo. Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico - Leitura de textos MÓDULO 1 - Um mundo de muitas línguas: contacto com outras línguas, experiências e culturas Línguas e culturas

Leia mais

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Compreender informação factual e explicações Compreender instruções e orientações

Leia mais

Interacções número 5. pp. 179-188. do Autor 2003 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS. Maria Manuela Pereira

Interacções número 5. pp. 179-188. do Autor 2003 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS. Maria Manuela Pereira Escola Superior de Altos Estudos 179 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS Maria Manuela Pereira Dissertação de Mestrado em Sociopsicologia da Saúde - Consumo de Álcool na Adolescência

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

Modelos de Desenho Curricular

Modelos de Desenho Curricular Modelos de Desenho Curricular Introdução Quando se planificam aulas, parte-se, frequentemente, de uma concepção restrita de currículo que tende a preocupar-se apenas em definir o programa, isto é, em decidir

Leia mais

Quem foi que? - Um Desafio à Estatística: Questões de Autoria em "Novas Cartas Portuguesas" MADALENA MALVA

Quem foi que? - Um Desafio à Estatística: Questões de Autoria em Novas Cartas Portuguesas MADALENA MALVA Quem foi que? - Um Desafio à Estatística: Questões de Autoria em "Novas Cartas Portuguesas" MADALENA MALVA Departamento de Matemática - Escola Superior de Tecnologia de Viseu O livro "Novas Cartas Portuguesas"

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

4 Avaliação Experimental

4 Avaliação Experimental 4 Avaliação Experimental Este capítulo apresenta uma avaliação experimental dos métodos e técnicas aplicados neste trabalho. Base para esta avaliação foi o protótipo descrito no capítulo anterior. Dentre

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

ESLC 2011 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS

ESLC 2011 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS 1 PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS 2 SUMÁRIO EXECUTIVO ESCL apresentação do estudo O primeiro Inquérito Europeu às Competências em Línguas (ESLC 1 ), iniciativa da Comissão Europeia,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Obrigatoriamente, os alunos devem realizar as duas componentes, sob pena de reprovação.

Obrigatoriamente, os alunos devem realizar as duas componentes, sob pena de reprovação. Informação 2015 Prova de Equivalência à Frequência de INGLÊS (formação específica) Código 358 Cursos Científico-Humanísticos 12.º Ano de Escolaridade Tipo de Prova Escrita e Oral Estrutura da prova A prova

Leia mais

COMO SE PREPARAR (E FAZER) UMA DEFESA DE SUCESSO

COMO SE PREPARAR (E FAZER) UMA DEFESA DE SUCESSO COMO SE PREPARAR (E FAZER) UMA DEFESA DE SUCESSO António V. Bento Centro de Investigação em Educação Antes da defesa Após ter submetido os vários exemplares da sua dissertação, relatório ou tese (normalmente,

Leia mais

Ano Letivo 2014/2015. Introdução INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS. 1ª e 2ª Fase. Prova 16 2015

Ano Letivo 2014/2015. Introdução INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS. 1ª e 2ª Fase. Prova 16 2015 Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 1ª e 2ª Fase Prova 16 2015 9ºAno/3.º Ciclo do Ensino Básico Prova Escrita/Oral Introdução O presente documento visa divulgar as

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

Aquisição de morfologia de plural em português europeu: sobre a produtividade das regras *

Aquisição de morfologia de plural em português europeu: sobre a produtividade das regras * Aquisição de morfologia de plural em português europeu: sobre a produtividade das regras * Ana Castro Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico

Leia mais

Pensando o Corpo. Objectivos. Considerações prévias. Estratégias metodológicas. Sugestões

Pensando o Corpo. Objectivos. Considerações prévias. Estratégias metodológicas. Sugestões Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas bactividade Objectivos Sugestões Identificar a importância do corpo e da sua aparência. Entender o corpo deficiente. Conhecer as visões de

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Survey de Satisfação de Clientes 2009

Survey de Satisfação de Clientes 2009 Survey de Satisfação de Clientes Fevereiro de 2010 Índice 1. Sumário Executivo 4 2. Metodologia 6 3. Estratificação da Amostra 7 4. Classificação das pontuações 8 5. Apresentação de Resultados das Urgências

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

ANÁLISE DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ALUNOS NA CANTINA DA UNIVERSIDADE DO MINHO

ANÁLISE DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ALUNOS NA CANTINA DA UNIVERSIDADE DO MINHO UNIVERSIDADE DO MINHO Escola de Economia e Gestão ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ANÁLISE DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ALUNOS NA CANTINA DA UNIVERSIDADE DO MINHO Braga, Janeiro de 2009 MÉTODOS QUANTITATIVOS

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida?

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Referências: Davidson, Donald, A nice derangement of epitaphs, in Martinich, A. P. (ed.), The Philosophy of Language, Oxford, Oxford University Press,

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

INGLÊS. Informação Prova de Equivalência à Frequência Prova 367 2012. 10º/11 anos de Escolaridade. 1. Introdução

INGLÊS. Informação Prova de Equivalência à Frequência Prova 367 2012. 10º/11 anos de Escolaridade. 1. Introdução nformação Prova de Equivalência à Frequência Prova 367 2012 Disciplina NGLÊS 10º/11 anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março 1. ntrodução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica:

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica: Revisão sobre: - Orações complexas: coordenação e subordinação. - Análise morfológica e análise sintáctica. - Conjugação verbal: pronominal, reflexa, recíproca, perifrástica. - Relação entre palavras.

Leia mais

Análise da mortalidade em Portugal.

Análise da mortalidade em Portugal. Análise da mortalidade em Portugal. Paulo Canas Rodrigues; João Tiago Mexia (E-mails: paulocanas@fct.unl.pt; jtm@fct.unl.pt) Resumo Neste trabalho apresentam-se tabelas de mortalidade para a população

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

PROJETO Manifestações de Março/2015

PROJETO Manifestações de Março/2015 PROJETO Manifestações de Março/2015 NOTA METODOLÓGICA Tipo de pesquisa: Quantitativa, realizada face a face, com aplicação de questionário estruturado, de cerca de 10 minutos de duração, composto por questões

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS DE REDONDO Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade

AGRUPAMENTO ESCOLAS DE REDONDO Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características do Prova de Equivalência à Frequência Escrita e Oral do Ensino Básico da disciplina de Inglês, a realizar em 2015. O presente documento

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies Psicologia: Teoria e Pesquisa Out-Dez 2010, Vol. 26 n. 4, pp. 729-737 Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1 Camila Graciella Santos Gomes André Augusto Borges Varella

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa 1

Universidade Nova de Lisboa 1 Movimento do verbo em português europeu: Consequências para diferenças entre línguas em contextos de aquisição e afasia Ana Cerdeira, João Costa, Vanessa Trindade Universidade Nova de Lisboa 1 1. Introdução.

Leia mais

Área - Relações Interpessoais

Área - Relações Interpessoais Área - Relações Interpessoais Eu e os Outros ACTIVIDADE 1 Dar e Receber um Não. Dar e Receber um Sim. Tempo Previsível 60 a 90 m COMO FAZER? 1. Propor ao grupo a realização de situações de role play, em

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos Marli Fátima Vick Vieira 1 ; Gicele Vieira Prebianca 2 ; Tháfila Krum de

Leia mais

A ATIVIDADE DE RESUMO PARA AVALIAR A COMPREENSÃO DE TEXTOS EM PROVAS DE PROFICIÊNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

A ATIVIDADE DE RESUMO PARA AVALIAR A COMPREENSÃO DE TEXTOS EM PROVAS DE PROFICIÊNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA A ATIVIDADE DE RESUMO PARA AVALIAR A COMPREENSÃO DE TEXTOS EM PROVAS DE PROFICIÊNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Marília Marques Lopes RESUMO Essa dissertação tratou da utilização de dois instrumentos de avaliação

Leia mais

1.º CEB. Clara Amorim

1.º CEB. Clara Amorim 1.º CEB Metas Curriculares de Português Documento de referência para o ensino e a aprendizagem e para a avaliação interna e externa, de progressiva utilização obrigatória. Contém os conteúdos do programa

Leia mais

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes Como fazes os teus trabalhos escritos? Há dois métodos para fazer trabalhos 1-Vais à Net copias a informação, colas num novo documento, imprimes e já está! 2-Pesquisas informação em fontes diversas, retiras

Leia mais