Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida?"

Transcrição

1 Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Referências: Davidson, Donald, A nice derangement of epitaphs, in Martinich, A. P. (ed.), The Philosophy of Language, Oxford, Oxford University Press, 2001, pp Pagin, Peter, What is communicative success? (http://people.su.se/~ppagin/ papers/whatcomfinal.pdf) Sàágua, João, Significado, verdade e comunicação (www.ifl.pt/ifl_old/saagua1.pdf) Modelo clássico Pensamento Pensamento Linguagem Expressão Linguagem Frege: A comunicação só é possível se houver um tesouro comum de pensamentos partilhados; pensamentos vistos como objectivos e distintos das imagens de natureza psicológica, que são pessoais e intransmissíveis. Modelo com raízes na tradição filosófica ocidental: p.ex., Aristóteles, Locke. 1

2 Com a Teoria Matemática da Comunicação, este modelo é formalizado e generalizado: (Cf. Shannon, Claude, The Mathematical Theory of Communication, 1948) O modelo clássico, na sua versão tradicional, pode ser reduzido a uma visão da comunicação como processo de transmissão de mensagens, através de codificação e descodificação. O destinatário deve reproduzir a mensagem codificada pelo comunicador (com alguma margem de erro). Após este processo, para a comunicação ser considerada bem sucedida, emissor e destinatário devem, no final deste processo, contar com mensagens idênticas (mais uma vez, com alguma margem de erro). É o modelo do código, ou da cópia. 2

3 Versão mais recente do modelo clássico (p.ex., Chomsky, Teoria da Relevância): a comunicação não é vista como um processo de cópia através da codificação/descodificação. Antes, é um processo de ajustamento mútuo entre comunicador e audiência, que na sua conclusão chegam a representações similares. O grau de similaridade é contextualmente determinado (a identidade de representações constitui, assim, um caso limite, se é que verdadeiramente alcançável). Mas como podemos saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Critério behaviorista (limitado ao comportamento observável) O critério para avaliar se a comunicação verbal é bem sucedida é a fluidez nas trocas verbais e na coordenação mútua dos comportamentos. Mas esse critério é claramente insuficiente. 3

4 Exemplo (baseado em Pagin): dois amigos, um português e um francês vão de comboio, dos seus respectivos países, para a Suíça (onde nunca estiveram antes), e combinam encontrar-se na estação de destino. O francês diz para se encontrarem na porta ouest ( oeste ). O português, que tem algumas dificuldades com a língua francesa, erroneamente traduz ouest por leste. Ao chegar à estação, vindo de Portugal, o português dirigese à porta oeste. Já o francês, quando chega, confunde as portas e, por engano, dirige-se também à porta oeste. Os dois acabam por se encontrar na hora marcada. Neste caso, houve coordenação mútua de comportamentos, e um observador externo não seria capaz de dar conta dos erros envolvidos. Mas não se pode dizer que foi um caso de comunicação verbal bem sucedida. Outro problema para o critério behaviorista : o critério de fluidez nas trocas verbais parece já pressupor o sucesso comunicativo que pretende explicar. 4

5 Problema: se os critérios externos (behavioristas) são insuficientes, e não nos podemos fiar em critérios puramente internos (estados mentais), como podemos saber se a comunicação verbal foi ou não bem sucedida? Note-se que o recurso ao esclarecimento verbal (isto é, à pergunta por parte do comunicador: você compreendeu o que eu disse ) envolve um regresso infinito: pois imaginese que o destinatário responde positivamente à pergunta. Agora a questão é: o par pergunta-resposta foi um exemplo de comunicação verbal bem sucedida? Para esclarecer esta questão, o comunicador teria então de perguntar: você compreendeu a minha pergunta anterior?, e assim sucessivamente. Para além desse problema, o recurso ao esclarecimento verbal tem outras óbvias desvantagens em particular, o facto de que as pessoas podem mentir, ou dar uma resposta positiva apenas por uma questão de conveniência. Parece haver assim um problema: não há critérios precisos, exaustivos e objectivos para definir se a comunicação verbal é ou não bem sucedida. 5

6 A resposta a este problema reside na questão dos ajustamentos referida anteriormente. Num contexto determinado contexto, comunicador e audiência vão ajustar os seus comportamentos e estados mentais de forma a que cada um possa considerar a comunicação como bem sucedida. Mas os mal-entendidos são sempre possíveis, e neste sentido a comunicação envolve uma componente de guesswork ( palpites ) que não pode ser eliminada. Exemplo (João Fonseca, baseado em Davidson): Um indivíduo chega a um café e pede: Um cão com manteiga, por favor. Num certo sentido, se o funcionário do café lhe trouxer um cão untado com manteiga, intuitivamente consideramos que ele não compreendeu o pedido. O que ele deveria ter feito, nos termos de Davidson, seria ajustar a sua teoria prévia sobre o falante (de acordo com a qual, para este a palavra cão significa CÃO) a uma teoria ocasional (de acordo com a qual, naquela ocasião de discurso, a palavra cão para o falante significa PÃO). 6

7 O ponto importante é que a constante passagem de teorias prévias a teorias ocasionais não é ela própria teorizável. É assim, totalmente dependente do contexto. Donde a questão: faz sentido falar em teorias? Conclusão: Os critérios para avaliar se uma situação de comunicação verbal foi bem sucedida são sempre sujeitos a incerteza e, portanto, a debate. Não o seriam se a comunicação se resumisse a um simples processo de transmissão de informação (um caso extremo do modelo do código ). Mas como a comunicação verbal envolve estados mentais nomeadamente intenções, crenças e desejos e a sua relação complexa com o comportamento observável, estamos condenados a viver na incerteza. 7

Ensino de línguas estrangeiras métodos e seus princípios

Ensino de línguas estrangeiras métodos e seus princípios Ensino de línguas estrangeiras métodos e seus princípios Silvana Pedreiro - silvana@ipog.edu.br Curso Vip de Administração Instituto de Pós Graduação IPOG RESUMO Neste estudo são expostos os métodos mais

Leia mais

Constituindo a verdade como um valor

Constituindo a verdade como um valor Michael Kober* Constituindo a verdade como um valor A Semântica filosófica é a parte da filosofia da linguagem que compreende o papel das expressões lingüísticas (por exemplo, nomes, conceitos, constantes

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

CONHECE-TE A TI MESMO: EXTERNALISMO E AUTOCONHE- CIMENTO DE ATITUDES PASSADAS KNOW THYSELF: EXTERNALISM AND SELF-KNOWLEDGE OF PAST ATITTUDES

CONHECE-TE A TI MESMO: EXTERNALISMO E AUTOCONHE- CIMENTO DE ATITUDES PASSADAS KNOW THYSELF: EXTERNALISM AND SELF-KNOWLEDGE OF PAST ATITTUDES CONHECE-TE A TI MESMO: EXTERNALISMO E AUTOCONHE- CIMENTO DE ATITUDES PASSADAS KNOW THYSELF: EXTERNALISM AND SELF-KNOWLEDGE OF PAST ATITTUDES Danilo Fraga Dantas Resumo: Existe uma tese que dá conta da

Leia mais

Agir com Palavras: A Teoria dos Actos de Linguagem de John Austin

Agir com Palavras: A Teoria dos Actos de Linguagem de John Austin Agir com Palavras: A Teoria dos Actos de Linguagem de John Austin Teresa Mendes Flores mflores@escs.ipl.pt Escola Superior de Comunicação Social Índice 1 Austin e a Filosofia Analítica 1 2 Performativos

Leia mais

O que é um Interesse, no Sentido que Geralmente Interessa aos Juristas?

O que é um Interesse, no Sentido que Geralmente Interessa aos Juristas? O que é um Interesse, no Sentido que Geralmente Interessa aos Juristas? Pedro Múrias 1 (para os Estudos em Memória do Prof. Saldanha Sanches) 1. Introdução Este estudo apresenta e avalia brevemente três

Leia mais

O QUE FAZ E O QUE SABE UM PROFESSOR? ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A DOÇÊNCIA 1. José Ferreira-Alves. Óscar F. Gonçalves

O QUE FAZ E O QUE SABE UM PROFESSOR? ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A DOÇÊNCIA 1. José Ferreira-Alves. Óscar F. Gonçalves O QUE FAZ E O QUE SABE UM PROFESSOR? ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A DOÇÊNCIA 1 José Ferreira-Alves Óscar F. Gonçalves Departamento de Psicologia-Universidade do Minho RESUMO O ponto de interrogação do título

Leia mais

O CONHECIMENTO OBJETIVO E O PROBLEMA COMO PRESSU- POSTOS DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO PARA KARL R. POPPER

O CONHECIMENTO OBJETIVO E O PROBLEMA COMO PRESSU- POSTOS DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO PARA KARL R. POPPER O CONHECIMENTO OBJETIVO E O PROBLEMA COMO PRESSU- POSTOS DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO PARA KARL R. POPPER Igor das Mercês Mairinque (PIIC- UFSJ) Orientadora: Profª Mariluze Ferreira de Andrade e Silva

Leia mais

REDES E EDUCAÇÃO: A SURPREENDENTE RIQUEZA DE UM CONCEITO

REDES E EDUCAÇÃO: A SURPREENDENTE RIQUEZA DE UM CONCEITO In Conselho Nacional de Educação (2002), Redes de Aprendizagem, Redes de Conhecimento, Conselho Nacional de Educação, Ministério da Educação, ISBN: 972-8360-15-0, Lisboa, Maio de 2002. REDES E EDUCAÇÃO:

Leia mais

A SEMÂNTICA, A PRAGMÁTICA E OS SEUS MISTÉRIOS

A SEMÂNTICA, A PRAGMÁTICA E OS SEUS MISTÉRIOS PIRES DE OLIVEIRA, Roberta; BASSO, Renato Miguel. A Semântica, a pragmática e os seus mistérios. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 5, n. 8, março de 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br].

Leia mais

O que entendemos exatamente por Conhecimento Tácito e Conhecimento Explícito

O que entendemos exatamente por Conhecimento Tácito e Conhecimento Explícito O que entendemos exatamente por Conhecimento Tácito e Conhecimento Explícito Informação, Conhecimento, e percepção. Filipe M. Cassapo, filipe.cassapo@fiepr.org.br Definir e qualificar o conhecimento: o

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL. INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Ser Professor Dissertação orientada por: Professora Doutora Maria Manuela

Leia mais

OS DÊITICOS E A ENUNCIAÇÃO

OS DÊITICOS E A ENUNCIAÇÃO KOELLING, Sandra Beatriz. Os dêiticos e a enunciação. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 1, n. 1, agosto de 2003. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. OS DÊITICOS E A ENUNCIAÇÃO Sandra Beatriz

Leia mais

Programas de Português do Ensino Básico

Programas de Português do Ensino Básico Programas de Português do Ensino Básico Carlos Reis (coord.) Ana Paula Dias Assunção Themudo Caldeira Cabral Encarnação Silva Filomena Viegas Glória Bastos Irene Mota Joaquim Segura Mariana Oliveira Pinto

Leia mais

10.1. Preparação para audiência/sessão de conciliação

10.1. Preparação para audiência/sessão de conciliação 10. TÉCNICAS DE CONCILIAÇÃO A técnica 2 de conciliação é um conjunto de procedimentos e estratégias que otimizam a realização da audiência/sessão de conciliação, no sentido de torná-la produtiva. Visa

Leia mais

Conjuntos. Lisboa, Março de 2004

Conjuntos. Lisboa, Março de 2004 Conjuntos Grupo de Matemática da Universidade Técnica de Lisboa: António St. Aubyn, Maria Carlos Figueiredo, Luís de Loura, Luísa Ribeiro, Francisco Viegas Lisboa, Março de 2004 O documento presente foi

Leia mais

Investigações Matemáticas na Sala de Aula: Um Projecto Colaborativo 1

Investigações Matemáticas na Sala de Aula: Um Projecto Colaborativo 1 Investigações Matemáticas na Sala de Aula: Um Projecto Colaborativo 1 Hélia Oliveira Irene Segurado João Pedro da Ponte Maria Helena Cunha Este artigo apresenta o trabalho levado a cabo por um grupo colaborativo

Leia mais

O CUIDADO COMO A BASE ÉTICA NA CONSTITUIÇÃO DO SER HUMANO. RESUMO: Ao falarmos do campo do cuidado e da ética nos

O CUIDADO COMO A BASE ÉTICA NA CONSTITUIÇÃO DO SER HUMANO. RESUMO: Ao falarmos do campo do cuidado e da ética nos O CUIDADO COMO A BASE ÉTICA NA CONSTITUIÇÃO DO SER HUMANO Vera Lucia C. Marinho de Carvalho 1 RESUMO: Ao falarmos do campo do cuidado e da ética nos referimos a uma atitude e a um tipo de olhar. Trata-se

Leia mais

Muito além do não. Como agir na negociação e, em especial, nas situações de conflito. Por William Ury

Muito além do não. Como agir na negociação e, em especial, nas situações de conflito. Por William Ury Muito além do não. Como agir na negociação e, em especial, nas situações de conflito. Por William Ury Falar menos e ouvir mais. Ou reconhecer os pontos de vista alheios como válidos e expressar os próprios

Leia mais

Sobre o melhor do Melhor dos Mundos Possíveis e o conceito de compossibilidade

Sobre o melhor do Melhor dos Mundos Possíveis e o conceito de compossibilidade 1 Sobre o melhor do Melhor dos Mundos Possíveis e o conceito de compossibilidade Raquel Anna Sapunaru Doutoranda PUC-Rio Sobre o melhor do Melhor dos Mundos Possíveis : Na famosa e polêmica expressão leibniziana

Leia mais

Cap. 3. A errar também se aprende

Cap. 3. A errar também se aprende Cap. 3. A errar também se aprende O erro cometido pelo aluno constitui um fenómeno familiar ao professor. Está presente no quotidiano da sala de aula e surge através de produções orais ou escritas dos

Leia mais

Ridendo Castigat Mores. Pensamento e Linguagem Lev Semenovich Vygotsky (1896-1934) Edição Ridendo Castigat Mores. Versão para ebook ebooksbrasil.

Ridendo Castigat Mores. Pensamento e Linguagem Lev Semenovich Vygotsky (1896-1934) Edição Ridendo Castigat Mores. Versão para ebook ebooksbrasil. Ridendo Castigat Mores Pensamento e Linguagem Lev Semenovich Vygotsky (1896-1934) Edição Ridendo Castigat Mores Versão para ebook ebooksbrasil.com Fonte Digital www.jahr.org Copyright: Autor: Lev S. Vygotsky

Leia mais

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis»

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» - Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» grega, não foi? - Sim, de facto, a origem mais longínqua

Leia mais

O jornalismo é uma forma de conhecimento?

O jornalismo é uma forma de conhecimento? O jornalismo é uma forma de conhecimento? Eduardo Meditsch Universidade Federal de Santa Catarina Setembro de 1997 Índice 1 Introdução 1 2 Abordagens do jornalismo como conhecimento 2 3 Pressupostos do

Leia mais

Homem: Objeto ou Sujeito para Skinner? 1

Homem: Objeto ou Sujeito para Skinner? 1 Homem: Objeto ou Sujeito para Skinner? 1 Nilza Micheletto Tereza Maria de Azevedo Pires Sério Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Uma antiga e bastante difundida crítica ao behaviorismo radical

Leia mais

Escrever Bem: o caminho do sucesso

Escrever Bem: o caminho do sucesso Escrever Bem: o caminho do sucesso Priscila Fernanda Furlanetto Introdução Redigir com clareza é atualmente uma exigência das empresas em relação à escolha de sua equipe. Estamos em pleno processo de globalização,

Leia mais

A Importância da Aplicação das Teorias de Motivação nos Recursos Humanos das Organizações

A Importância da Aplicação das Teorias de Motivação nos Recursos Humanos das Organizações A Importância da Aplicação das Teorias de Motivação nos Recursos Humanos das Organizações RESUMO Este artigo mostra que a única possibilidade de fazer com que uma organização alcance seus objetivos, plenamente,

Leia mais

Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar uma metodologia?

Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar uma metodologia? PROJETO? O QUE É? COMO SE FAZ? Fagundes, Léa da Cruz Co-Autoras Luciane Sayuri Sato/ Débora Laurino Maçada A CULTURA DO PROJETO Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar

Leia mais

DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADES DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA APLICADA - ESPECIALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR

Leia mais

Os Parâmetros Curriculares Nacionais, que começaram a ser publicados em 1997, apresentam uma visão mais moderna e mais flexível de currículo:

Os Parâmetros Curriculares Nacionais, que começaram a ser publicados em 1997, apresentam uma visão mais moderna e mais flexível de currículo: Competências e Habilidades: você sabe lidar com isso? Dra. Lenise Aparecida Martins Garcia Por muito tempo, os professores se acostumaram a chegar à escola e procurar pelo programa a ser ministrado. Este

Leia mais