COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0"

Transcrição

1 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 3.0 Brasília-DF Setembro/2014

2

3 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 3.0 Brasília-DF Setembro/2014

4 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto Coelho Fernandes Diretor Diretoria de Desenvolvimento Industrial Carlos Eduardo Abijaodi Diretor Diretoria de Relações Institucionais Mônica Messenberg Guimarães Diretora

5 METODOLOGIA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão 3.0 Brasília-DF Setembro/2014

6 2014. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. CNI Gerência de Pesquisa e Competitividade GPC Gerência de Política Econômica PEC FUNCEX - Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior CNI Serviço de Atendimento ao Cliente - SAC Confederação Nacional da Indústria Tels.: (61) / Setor Bancário Norte Quadra 1 Bloco C Edifício Roberto Simonsen Brasília DF Tel.: (61) Fax: (61)

7 Sumário 1 Introdução 9 2 Histórico 10 3 Metodologia da elaboração das séries utilizadas Classificação adotada Fonte dos dados Variáveis utilizadas para o cálculo dos coeficientes a preços correntes Variáveis utilizadas para o cálculo dos coeficientes a preços constantes Comparação entre os valores da CNAE a dois e três dígitos 21 4 Cálculo dos coeficientes Objetivo dos coeficientes Coeficiente de exportação Coeficiente de penetração de importações Coeficiente de insumos importados Coeficiente de exportações líquidas 23 5 Coeficientes a preços constantes e correntes 24 6 Período 25 7 Referências bibliográficas 26 Anexos Anexo A. Setores divulgados 28 Anexo B. Correspondência CNAE 2.0 x PIM-PF/IBGE 30 Anexo C. Correspondência CNAE 2.0 x Preços da indústria, com indicação de fonte 34 Anexo D. Correspondência CNAE 2.0 x Atividades N55 38

8

9 1 Introdução Medir a participação que os fluxos de comércio exterior têm na economia é um elemento fundamental para o acompanhamento e avaliação da política econômica do país, especialmente no que tange à posição competitiva da produção industrial brasileira em relação aos concorrentes externos. Para isso são utilizados os coeficientes de abertura comercial, dentre os quais podemos citar o coeficiente de exportação, o coeficiente de penetração de importações, coeficiente de insumos importados e o coeficiente de exportações líquidas. O presente estudo descreve a atualização na metodologia de cálculo dos coeficientes de abertura comercial, acima mencionados, realizada pela Funcex em conjunto com a CNI Confederação Nacional da Indústria. A fim de neutralizar efeitos de variações de preço, os quais podem influenciar o nível tanto do fluxo de comércio como da produção, são calculados coeficientes a preços constantes utilizando um ano base fixo para os preços. Os coeficientes de abertura comercial são calculados, portanto, de duas formas: a preços correntes e a preços constantes, exceção feita aos coeficientes de insumos importados, que são calculados apenas a preços correntes. 9

10 2 Histórico A Funcex calcula os coeficientes de abertura comercial ou de comércio exterior desde 1988, com a metodologia de cálculo divulgada através dos Textos de Discussão (TD) da Funcex nº 131 e 135. Desde então o cálculo vem apresentando algumas modificações; essas revisões foram detalhadas em três artigos publicados na Revista Brasileira de Comércio Exterior (RBCE), editada pela Funcex, nos nºs 81, 83 e 95 de 2004, 2005 e 2008, respectivamente. Em 2008 a principal alteração foi na classificação setorial utilizada. Os coeficientes passaram a ser gerados com base na versão 2.0 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) do IBGE, em substituição à versão 1.0. Em dezembro de 2011, a CNI em parceria com a Funcex elaborou e divulgou o primeiro exemplar do Boletim Coeficientes de Abertura Comercial. Nesta publicação, são apresentados os Coeficiente de Exportação e o Coeficiente de Penetração das Importações, ambos calculados para o período de 1996 à 2010 e uma estimativa para , todos a preços constantes de A partir do resultado de março de 2012, o Boletim passou por uma forte revisão. Foram incluídos dois novos coeficientes Coeficiente de Insumos Importados e Coeficiente de Exportações Líquidas e a referência de preço foi alterada para preços correntes. 1 Estimativa baseada nos valores acumulados em quatro trimestres até o terceiro trimestre de

11 3 Metodologia da elaboração das séries utilizadas 3.1 Classificação adotada Os coeficientes foram calculados para os seguintes níveis de desagregação da indústria: Indústria geral; Indústria extrativa; Indústria de transformação; Setores industriais: todas as divisões industriais (2 dígitos) CNAE versão 2.0, bem como alguns grupos CNAE (3 dígitos), que correspondem a desagregações das divisões (a relação completa das divisões e grupos setores encontra-se no Anexo 1). 3.2 Fonte dos dados O cálculo dos coeficientes utilizou quatro fontes básicas: I. Funcex: Valor das exportações e importações 2 e índices de preço e de quantum; II. IBGE : Produção industrial brasileira 3 - séries em reais e em quantidades; valor das importações consumidas pela indústria 4 e índices de preço ao produtor (IPP/IBGE); III. FGV : Índices de preços ao produtor amplo (IPA); IV. Banco Central do Brasil : Taxa de câmbio nominal. Todas as séries foram coletadas sem ajustes sazonais e são apresentadas a preços constantes ou a preços correntes. 3.3 Variáveis utilizadas para o cálculo dos coeficientes a preços correntes Valor da produção anual Foram utilizados os dados da Pesquisa Industrial Anual Empresa - Unidade Local PIA/ IBGE medidos em reais correntes, conforme a classificação CNAE Valor das exportações e importações em US$ FOB, segundo NCM-8 dígitos, disponibilizado pela Secex/MDIC. 3 Valores e índices obtidos respectivamente da Pesquisa Industrial Anual-PIA/IBGE e da Pesquisa Industrial Mensal-Produção Física/IBGE. 4 Valores obtidos a partir das matrizes de insumo-produto de 2000 e Tabela Dados gerais das unidades locais industriais, com 5 ou mais pessoas ocupadas por Unidade da Federação, segundo divisão e grupo de atividades, disponível no Sistema IBGE de Recuperação Automática SIDRA. 11

12 Visto que a divulgação do valor de produção - VP pela PIA segundo a CNAE 2.0 teve início em 2007, foi necessário transformar a série originalmente divulgada segundo a CNAE 1.0 de 1996 a 2006 para a CNAE 2.0. Essa conversão teve por base a Tabela de Correspondências CNAE 2.0 x CNAE 1.0, disponibilizada pela Comissão Nacional de Classificação CONCLA. No caso daqueles grupos da CNAE 1.0 (3 dígitos) que correspondem a mais de um grupo da CNAE 2.0 (3 dígitos), adotou-se o seguinte procedimento: a. O valor da produção do grupo da CNAE 1.0 (3 dígitos) em 2007 foi distribuído entre os grupos correspondentes da nova CNAE segundo percentuais provenientes da PIA-Produto 2007, calculados com base na tabela de correspondências, disponibilizada pela Comissão Nacional de Classificação Concla, na estrutura da PIA-Produto de b. Os valores assim obtidos para os grupos da CNAE 2.0 foram ajustados de modo a assegurar a igualdade entre os valores estimados para 2007 e os valores divulgados para esse ano (quando da divulgação da PIA-2008), segundo a nova classificação. c. Os coeficientes que relacionaram os valores relativos aos grupos da CNAE 1.0 e da CNAE 2.0 em 2007 foram aplicados ao valor da produção dos grupos da CNAE 1.0 nos anos de 1996 a 2006, de modo a obter os valores estimados dos grupos da CNAE 2.0 nesses anos. Como o IBGE divulga o resultado da PIA referente ao ano t com dois anos de defasagem, ou seja, em t+2, o valor da produção anual dos anos posteriores ao último ano divulgado foi obtido através de estimativas mensais do valor da produção. Cada mês foi calculado a partir da combinação das variações mensais do índice de produção física (PIM-PF/IBGE) e dos índices de preço ao produtor (IPP/IBGE) e índices de preço por atacado (IPA/FGV) obtidas pela comparação em relação às respectivas séries do ano anterior. Esse fator de correção mensal, então, foi aplicado ao valor da produção médio mensal do ano anterior, por divisões e grupos da CNAE. Para cada CNAE 2.0 a dois e três dígitos, foram identificados os índices de produção física 6 e de preços ao produtor 7 correspondentes. Essas tabelas estão disponibilizadas em anexo (Anexos 2 e 3). Portanto, o valor da produção do ano t, mês m e setor da CNAE 2.0 é dado por: VP m / t VP t ( PIM m / t IPP m / t PIM t - 1 IPP t - 1 ( 6 Foram utilizadas duas séries da PIM-PF, a saber, por seções e atividades industriais e por subsetores industriais, tabelas 2295 e 2291, respectivamente, ambas disponíveis no SIDRA. 7 Em razão do Índice de Preços ao Produtor - IPP/IBGE divulgar apenas os setores da indústria de transformação, foi utilizado o Índice de Preço Amplo (IPA-OG) da FGV como proxy para os preços das indústrias extrativas. Porém, como a FGV não divulga o índice de preço do setor de Extração de petróleo e gás natural, apenas para esse setor foi utilizado o índice de preço de exportação calculado pela Funcex. 12

13 m / t m / t onde: VP m / t VP t ( PIM m / t IPP m / t = valor da produção estimado para o mês m, ano t, setor ; PIM t - 1 IPP t - 1 VP m / t VP t ( PIM m / t IPP m / t = valor médio da produção do setor no ano t-1; PIM t - 1 IPP t - 1 VP m / t VP t PIM m / t = índice IPP m / de t produção física do setor, no mês m no ano t; VP m / t VP t - 1 PIM t - 1 IPP t ( PIM m / t IPP m / t PIM t - 1 = índice IPP t - 1 médio de produção física do setor no ano t-1; 12 PIM m / t IPP m / t = índice de preço do setor, no mês m no ano t; PIM t - 1 IPP t ( PIM m / t IPP m / t = índice de preço médio do setor no ano t-1; VP t - 1 VP t - 1 PIM t - 1 IPP t - 1 ( ( ( ( Valor anual das exportações e importações A Funcex elaborou um tradutor que relaciona cada NCM a oito dígitos a uma classe de atividade da CNAE a 5 dígitos, permitindo, a partir daí, a agregação a 2 e a 3 dígitos. Os valores mensais do fluxo de comércio, que são obtidos em dólares correntes, foram transformados em reais pela aplicação taxa de câmbio nominal média de cada mês - cotação de venda - disponibilizada pelo Banco Central do Brasil Valor anual para o cálculo dos insumos importados Os coeficientes de insumos importados foram obtidos a partir da estrutura de insumos retratada nas matrizes de insumo-produto (MIP/IBGE) calculadas para os anos de 2000 e Valores relativos aos anos 2000 e 2005 Para elaborar a estrutura dos insumos nesses anos foram utilizadas as tabelas 2, 3 e 4 da MIP/IBGE, onde foram obtidos, respectivamente, os valores da produção, os valores do consumo intermediário dos produtos nacionais e os valores de consumo intermediário dos produtos importados, todos obtidos em reais correntes. A classificação adotada pelas tabelas de recursos e usos da MIP é compatível com o Sistema de Contas Nacionais e é divulgada com desagregação de 110 produtos e 55 atividades. As atividades (colunas) foram agregadas segundo a compatibilização feita pela Funcex para a 13

14 CNAE 2.0 (disponibilizada no Anexo 4) e aplicada nas tabelas 3 e 4 da MIP. Os produtos N110 (linhas) não industriais das tabelas 3 e 4 foram descartados. A partir desses procedimentos, foram definidas três matrizes, utilizando a classificação da CNAE 2.0 ( colunas) x Produtos N110 (p linhas) em valores correntes, assim denominadas: N p, = Matriz de Consumo Intermediário dos Produtos Nacionais - CIPN; M p, = Matriz de Consumo Intermediário dos Produtos Importados - CIPI; I p, = N p, + M p, = Matriz de Consumo Intermediário Total. Definiu-se também o vetor P, composto pelo Valor da Produção - VP de cada um dos setores industriais da CNAE 2.0 (colunas). Em seguida, construiu-se a matriz A p, - participação de cada insumo no valor da produção de cada um dos produtos - dividindo-se os elementos das colunas da Matriz I p, pelo valor da produção correspondente do vetor P, isto é: p, i p, / P Dada a classificação adotada pela matriz de Insumo produto - MIP, os valores foram calculados apenas a dois dígitos. Alguns desses setores foram agregados, em relação às séries do VP e dos fluxos de comércio (ver Anexo 4). Valores relativos aos demais anos O vetor P e as Matrizes M p, e A p, foram obtidas para os anos de 2000 a 2005 com base nos dados das MIP 2000 e MIP Para os demais anos a partir de 1996, o vetor P e as matrizes M p, e I p, foram obtidas por encadeamento, observando-se os procedimentos descritos a seguir. O valor da produção relativo aos demais anos foi estimado aplicando-se a variação anual do valor de produção obtido pela PIA/IBGE (ver item 3.3.1) aos valores registrados nos vetores P relativos a 2000 a Assim, entre 1997 e 2002, o valor da produção do ano t e setor da CNAE 2.0 a dois dígitos foi dado por: 14

15 onde, = valor da produção doméstica estimada no ano t; = valor da produção doméstica em 2000 obtido a partir da MIP 2000 ; = valor da produção dado pela PIA/IBGE para os anos t e De forma análoga, a partir de 2003, o valor da produção do ano t e setor da CNAE 2.0 a dois dígitos foi dado por: O encadeamento dos anos para as matrizes I p, e M p, foi feito a partir de duas hipóteses: Hipótese 1: a relação é igual à calculada para o ano 2000, assim como a relação é igual à calculada para o ano Hipótese 2: a estrutura de distribuição do destino do produto p importado não se altera ao longo do tempo (isto é, a elasticidade-preço entre o produto doméstico e o produto importado é a mesma em todos os setores). Neste caso, a taxa de crescimento das importações do produto p é igual à taxa de crescimento do valor do insumo p utilizado no setor. Conhecido o VP para todo o período, a matriz I p,, que representa o total dos insumos, foi estimada entre os anos de 1997 a 2002, sendo seus elementos determinados pela fórmula: onde, é a participação do insumo p no valor da produção de do produto, que permanece constante de 1996 a 2002; e é o valor da produção de estimado conforme indicado acima. A partir de 2003, a matriz I p, foi calculada a partir da fórmula: 15

16 onde, é a participação do insumo p no valor da produção de do produto, que permanece constante de 2003 a Os valores dos insumos importados, matriz M p,, foram corrigidos utilizando como proxy a variação anual do valor de importação total brasileiro para cada produto N110 e o encadeamento foi feito da mesma forma que o VP. Para o levantamento do valor de importação segundo produto N110, a Funcex elaborou uma tabela de relação NCM-8 dígitos x Produto N110. Essa tabela foi feita a partir da nota metodológica nº 4 elaborada pelo IBGE, que divulga a relação do produto N110 com CNAE 1.0, e da tabela da Funcex que relaciona a NCM-8 dígitos com a CNAE 1.0 a cinco dígitos. Os valores de importação segundo produto N110 em dólares foram convertidos para real, pela cotação média anual do dólar. Conhecido o valor das importações para todo o período, a matriz M p,, referente aos insumos importados, foi estimada entre os anos de 1997 a 2002, sendo seus elementos determinados pela fórmula: onde, : valores estimado do insumo importado p utilizado pelo setor, no ano t; : valor do insumo p obtido utilizado pelo setor a partir da MIP 2000 ; e e são os valores das importações do produto p nos anos 2000 e t, respectivamente. Para o período 2003 a 2011, a matriz M p, foi determinada de maneira análoga. 16

17 3.3.4 Procedimento para a determinação dos valores trimestrais No caso do valor de produção - VP, a determinação de valores trimestrais é feita de duas formas distintas, dependendo da fonte utilizada. Quando se utilizam os dados anuais da PIA, primeiramente calculam-se os índices trimestrais de produção física da PIM-PF, aplicando a média aritmética simples nos índices mensais. Em seguida, os valores anuais são decompostos a partir das variações trimestrais dos índices da PIM-PF, ou seja, os índices trimestrais do ano foram comparados com o respectivo índice anual. O VP é dado pela formula abaixo: onde, = valor da produção estimada para o setor, no trimestre j do ano t; = valor da produção do setor no ano t; ano t; = índice de produção física do setor, calculado para o trimestre j do = índice de produção física do setor calculado para o ano t; e, = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. Quando são utilizados os dados estimados a partir da combinação de quantidade (PIM-PF) e preços (IPP ou IPA), o cálculo é automático, visto que as estimativas são feitas mensalmente. De forma análoga, são obtidos os valores de exportação e importação trimestrais. Os valores para os insumos importados trimestrais são obtidos utilizando variações trimestrais no lugar das variações anuais. Como os coeficientes trimestrais referem-se a valores acumulados em quatro trimestres, é necessário realizar um último passo no cálculo: efetua-se a soma dos valores da produção, das exportações e das importações dos quatro trimestres encerrados no trimestre de referência (por exemplo, o valor do terceiro trimestre de 2010 corresponde à soma dos valores do quarto trimestre de 2009 até o terceiro trimestre de 2010). 17

18 3.4 Variáveis utilizadas para o cálculo dos coeficientes a preços constantes Valor da produção anual Para o ano de 2007, são utilizados os dados da Pesquisa Industrial Anual Empresa PIA/ IBGE desse mesmo ano, medidos em reais correntes, conforme a classificação CNAE 2.0. Para os demais períodos, foi feita a correção dos valores da produção total e setorial com base nas variações da produção física da indústria e de cada setor. Tais variações são obtidas da Pesquisa Industrial Mensal PIM-PF, do IBGE, sendo aplicada a média aritmética para obter os índices anuais. Para cada CNAE 2.0, a dois e três dígitos, foram identificados os respectivos índices de produção física. 9 Essa tabela está disponibilizada no Anexo 2. Os dados de valor da produção a preços constantes de 2007 são obtidos pela aplicação, para os períodos anteriores e subsequentes, da variação da PIM-PF sobre o valor da produção da PIA em Os valores de produção a preços constantes de 2007 são dados por: onde, = valor da produção estimado do setor no ano t; = índice de produção física do setor no ano t; = índice de produção física do setor em 2007; = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos Valores anuais de exportações e importações São calculados índices de preços e de quantum anuais para cada um dos setores CNAE a 2 e 3 dígitos, com base na metodologia tradicional da Funcex e empregados nos valores de fluxo de comércio segundo CNAE 2.0 também obtidos na Funcex. 9 Foram utilizadas duas séries da PIM-PF, a saber, por seções e atividades industriais e por subsetores industriais, tabelas 2295 e 2291, respectivamente, ambas disponíveis no Sistema IBGE de Recuperação Automática SIDRA 18

19 Para o cálculo dos coeficientes a preços constantes, são aplicadas aos valores de exportação/ importação de 2007 as variações anuais e trimestrais dos índices de quantum de exportações/importações, para os períodos antecedentes e subsequentes a O valor das exportações/importações a preços constantes de 2007 é dado por: onde, = valor das exportações/importações estimadas para setor no ano t; = valor das exportações/importações do setor em 2007; = Índice de quantum das exportações/importações do setor no ano t; = Índice de quantum das exportações/importações do setor em 2007; e = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos Valor anual para o cálculo dos insumos importados Para a elaboração de valores dos insumos importados a preços constantes, ou seja, para converter os valores estimados para a matriz M p, (item 3.3.3) para valores constantes é necessário o emprego de Índices de quantum de importação segundo a classificação de produto N110. Porém, esses índices não são elaborados e, portanto não foi possível converter os valores dos insumos a preços de correntes para preços constantes, conforme já antecipado na Introdução Procedimento para a determinação dos valores trimestrais Em primeiro lugar, calculam-se os índices trimestrais de produção física da PIM-PF e os índices de quantum das exportações e das importações, para a indústria total e para cada um dos setores e subsetores considerados, para todos os trimestres (a partir de 2007). Nessa etapa, utiliza-se a média simples nos índices mensais da produção física e nos índices quantum mensais para a CNAE 2.0 a dois dígitos. Os índices de quantum a três dígitos já foram calculados na periodicidade trimestral. 19

20 Em seguida, são obtidas as taxas de variação dos índices de cada trimestre em relação ao índice anual de 2007 da PIM-PF. Os valores da produção de cada trimestre são obtidos pela aplicação destas taxas de variação ao valor da produção do ano de 2007, dividindo-se o resultado por quatro, para se chegar a um valor trimestral. O valor da produção trimestral a preços constantes de 2007 é dado por: onde, = valor da produção estimada para o setor, no trimestre j no ano t; = valor médio trimestral da produção do setor em 2007; = índice de produção física do setor, no trimestre j do ano t; = índice de produção física do setor em 2007; e, = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. O mesmo procedimento é feito para se obter os valores trimestrais de exportação e de importação a preços constantes. Calcula-se a variação dos índices de quantum de exportação ou de importação de cada trimestre em relação aos índices de quantum de exportação e de importação do ano de Em seguida, aplicam-se estas variações ao valor das exportações ou das importações em 2007 e dividem-se os valores obtidos por quatro, para se obter os valores trimestrais. O valor das exportações/importações trimestrais a preços constantes de 2007 é dado por: onde, = valor das exportações/importações estimada para o setor, no trimestre j do ano t; 20

21 = valor médio das exportações/importações do setor no ano de 2007; = Índice de quantum do setor, no trimestre j do ano t; = Índice de quantum do setor em 2007;e, = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. Como os coeficientes trimestrais referem-se a valores acumulados em quatro trimestres, é necessário realizar um último passo no cálculo destes coeficientes: efetua-se a soma dos valores da produção, das exportações e das importações dos quatro trimestres encerrados no trimestre de referência (por exemplo, o valor do terceiro trimestre de 2010 corresponde à soma dos valores do quarto trimestre de 2009 até o terceiro trimestre de 2010). 3.5 Comparação entre os valores da CNAE a dois e três dígitos Os procedimentos de estimação dos valores (produção, exportação ou importação), tanto no cálculo a preços constantes como correntes, acarretam que a soma dos valores estimados pelas CNAEs a três dígitos não corresponda ao valor respectivo na CNAE a dois dígitos. A comparação entre os valores discrepantes resultou no cálculo de um fator de correção, permitindo que a igualdade fosse restabelecida. 21

22 4 Cálculo dos coeficientes 4.1 Objetivo dos coeficientes Avaliar a importância que as exportações têm no faturamento total do setor industrial e avaliar o grau em que o setor industrial utiliza bens importados como insumos em seu processo produtivo. 4.2 Coeficiente de exportação O coeficiente de exportação C X é calculado da seguinte forma: onde, = Coeficiente de exportação do setor ; = valor das exportações do setor ; = valor da produção do setor ; e, = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. 4.3 Coeficiente de penetração de importações O coeficiente de penetração de importações C Pene é obtido da seguinte fórmula: onde, = coeficiente de penetração de importações no setor industrial ; = valor das importações do setor industrial ; 22

23 = valor das exportações do setor industrial ; = valor da produção Página: 19 do setor industrial ; Metodologia 2007 do Coeficientes de abertura comercial Metodologia Metodologia Coeficientes do Coeficientes de VX abertura de = valor comercial abertura das exportações/importações comercial do setor em 2007; = valor do consumo aparente do setor industrial ; e, Metodologia do Coeficientes de abertura comercial = setor da CNAE Página: 2.0 a 19 dois e três dígitos. Página: 19 Página: 19 Página 23: Página: VX Metodologia 19 = VX valor do das Coeficientes = exportações/importações de VX abertura = valor comercial das exportações/importações do setor em 2007; valor das exportações/importações do setor do em setor 2007; em 2007; 4.4 Coeficiente de insumos importados Metodologia do Coeficientes de abertura comercial 2007 O coeficiente de insumos importados 4.4 Coeficiente C II é obtido de insumos da seguinte importados Metodologia VX do Coeficientes = valor das de exportações/importações abertura comercial setor em 2007; fórmula. Metodologia Página: do Coeficientes 19 de abertura comercial Página Insumos 23: Página 23: Im portados Página 23: II V C 2007 VX I = valor das exportações/importações do setor em 2007; Página: 19 Página 23: Página: onde, Coeficiente de insumos importados Coeficiente 4.4 Coeficiente de insumos de importados VX insumos importados = valor das exportações/importações do setor em 2007; 2007 VX = coeficiente de insumos Insumos importados Im pelo setor industrial ; = valor Página das Insumos portados Insumos Im I = valor total dos insumos do setor industrial ; 4.4 Coeficiente II V 23: exportações/importações Im do setor II V em 2007; IIde insumos V importados C C C I I = valor I dos insumos importados pelo setor industrial ; Insumos Im portados Página 23: II V Página 23: C 4.4 Coeficiente I = de valor insumos total importados dos 4.5 Coeficiente insumos do de setor exportações industrial líquidas ; I I = valor total I = valor dos insumos total dos do insumos setor = valor total dos insumos do setor industrial ; Insumos Im portados O coeficiente industrial do setor de ; industrial exportações ; EL II V líquidas C é obtido a partir da seguinte fórmula: 4.4 Coeficiente de Cinsumos importados 4.4 Coeficiente de insumos Iimportados I Insumos Im portados = valor total dos insumos do setor industrial ; Insumos Im portados 4.5 Coeficiente de exportações líquidas EL X V II V C C4.5 Coeficiente C de exportações líquidas Insumos Im portados II V 4.5 Coeficiente 4.5 Coeficiente de exportações de exportações líquidas líquidas VP C I EL I = valor total dos insumos do O setor coeficiente industrial O O de coeficiente de exportações EL líquidas AL EL de ; exportações líquidas C é obtido a partir da seguinte fórmula: é EL 4.5 O Coeficiente coeficiente de de exportações exportações líquidas líquidas C = C Coeficiente é obtido C de a é partir exportações obtido da a seguinte partir líquidas fórmula: seguinte do setor fórmula: industrial ; Insumos Im portados Insumos Im portados Insumos Im portados EL I EL X V O coeficiente EL X de V = valor total dos insumos exportações do setor industrial EL X V líquidas ; CC é obtido a partir da seguinte fórmula: C CC C I = valor total 4.5 dos Coeficiente insumos Cde do VP exportações setor industrial líquidas ; VP VP onde, Insumos Im portados EL X V EL C EL C EL C O coeficiente EL = Coeficiente de C = Coeficiente VP = de exportações exportações líquidas C de exportações de líquidas = C Coeficiente de exportações líquidas do setor industrial ; do é líquidas setor obtido líquidas industrial a partir 4.5 Coeficiente de exportações líquidas do setor do ; da seguinte fórmula: industrial setor industrial ; ; 4.5 Coeficiente de exportações líquidas Insumos Im portados EL EL O coeficiente C de = exportações Coeficiente EL X V líquidas de C = exportações Coeficiente C é obtido líquidas de exportação a partir do setor da do seguinte industrial setor ; fórmula: ; C EL O coeficiente de exportações líquidas VP C é obtido a partir da seguinte fórmula: Insumos Im portados EL X V EL = valor dos insumos importados pelo setor industrial ; C C C Insumos Im portados EL X V = Coeficiente de exportações líquidas do setor industrial ; C VP C VP = valor da produção do setor industrial. EL C = Coeficiente de exportações líquidas do setor industrial ; EL C = Coeficiente de exportações líquidas do setor industrial ; 23

24 5 Coeficientes a preços constantes e correntes Os coeficientes foram calculados a preços correntes do ano e a preços constantes de Isso significa que, para 2007, foram considerados os valores nominais efetivamente observados de exportações, importações e da produção industrial. Para os demais anos e trimestres, foi considerada apenas a variação real das exportações (quantum), das importações (quantum) e da produção industrial (produção física). Com isso, eliminou-se o efeito dos preços sobre a evolução dos coeficientes, seja dos preços de exportação e importação, seja dos preços da produção doméstica, seja ainda da taxa de câmbio. 24

25 6 Período Foram calculados coeficientes com periodicidade anual, a partir de 1996, e com periodicidade trimestral, a partir de Para evitar problemas de sazonalidade, optou-se por calcular os coeficientes de cada trimestre como sendo um acumulado dos quatro trimestres anteriores. Sendo assim, o coeficiente de exportação é calculado como a divisão entre a soma dos valores de exportação acumulados nos quatro trimestres até o trimestre de referência e a soma do valor da produção acumulado nos quatro trimestres até o trimestre de referência. Analogamente, o coeficiente de penetração de importações é calculado pela divisão entre a soma dos valores de importação acumulados nos quatro trimestres até o trimestre de referência e a soma do valor do consumo aparente acumulado nos quatro trimestres até o trimestre de referência. Na prática, isso significa que os coeficientes trimestrais, na verdade, dizem respeito a períodos de um ano encerrados no trimestre. Isso, além de eliminar o problema da sazonalidade, permite que os coeficientes de um determinado trimestre sejam diretamente comparáveis com os coeficientes observados em quaisquer trimestres anteriores, bem como com os dados anuais anteriores. Por exemplo, podemos comparar diretamente os coeficientes do terceiro trimestre de 2011 com os coeficientes observados no ano de 2010, o que nos permite analisar a evolução tendencial dos coeficientes. 25

26 7 Referências bibliográficas GUIMARÃES, E. A; PINHEIRO A. C.; FALCÃO C.; POURCHET H.; MARKWALD R.A. Índices de preços e quantum das exportações brasileiras, Texto para discussão, nº 121, Rio de Janeiro: FUNCEX, HAGUENAUER, L., MARKWALD, R. e POURCHET, H., Estimativas do Valor da Produção Industrial e Elaboração de Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria Brasileira ( ). Texto para Discussão no 131. Rio de Janeiro: FUNCEX, FONSECA, R.; CARVALHO, M. C. e POURCHET, H., A Orientação Externa da Indústria de Transformação Brasileira após a Liberalização Comercial. Texto para Discussão nº 135. Rio de Janeiro: FUNCEX, POURCHET, H.; e RIBEIRO, F., Participação das exportações e importações na economia brasileira: Novas estimativas para os coeficientes de orientação externa da indústria. Revista Brasileira de Comércio Exterior nº 81, FUNCEX, outubro-dezembro de 2004 POURCHET, H.; e RIBEIRO, F., Coeficientes de Comércio Exterior da Indústria Brasileira. Revista Brasileira de Comércio Exterior nº 83, FUNCEX, abril-junho de RIBEIRO, F, PUGA F., LIMA R. e POURCHET, H. Coeficientes de Comércio Exterior da Indústria Brasileira Revista Brasileira de Comércio Exterior nº 95, FUNCEX, abril-junho de

27 Anexos

28 Anexo A - Setores divulgados Tabela A1 Setores da CNAE 2.0 com cálculo de coeficiente de comércio exterior CNAE 2.0 a dois e três dígitos Total da indústria Indústrias extrativas 5 Extração de carvão mineral 6 Extração de petróleo e gás natural 7 Extração de minerais metálicos 8 Extração de minerais não-metálicos Indústrias de transformação 10 Fabricação de produtos alimentícios 11 Fabricação de bebidas 12 Fabricação de produtos do fumo 13 Fabricação de produtos têxteis 14 Confecção de artigos do vestuário e acessórios 15 Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.2 Fabricação de artigos para viagem e de artefatos diversos de couro 15.3 Fabricação de calçados 16 Fabricação de produtos de madeira 17 Fabricação de celulose, papel e produtos de papel 17.1 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel 18 Impressão e reprodução de gravações 19 Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 19.2 Fabricação de produtos derivados do petróleo 19.3 Fabricação de biocombustíveis 20 Fabricação de produtos químicos 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 21 Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 21.2 Fabricação de produtos farmacêuticos 22 Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 22.1 Fabricação de produtos de borracha 22.2 Fabricação de produtos de material plástico 23 Fabricação de produtos de minerais não-metálicos 28

29 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Total da indústria 24 Metalurgia 25 Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos 26 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.1 Fabricação de componentes eletrônicos 26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos 26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação 26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio e vídeo 27 Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos 27.1 Fabricação de geradores, transformadores e motores elétricos 27.5 Fabricação de eletrodomésticos 28 Fabricação de máquinas e equipamentos 29 Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 29.4 Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores 30 Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 30.1 Construção de embarcações 30.4 Fabricação de aeronaves 31 Fabricação de móveis 32 Fabricação de produtos diversos 29

30 Anexo B - Correspondência CNAE 2.0 x PIM-PF/IBGE Tabela A2 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Cod / Descrição Pesquisa Descrição PIM-PF Indústrias extrativas Seção Indústria extrativa 5 Extração de carvão mineral Subsetores Extração de carvão mineral 6 Extração de petróleo e gás natural Subsetores Extração de petróleo e gás natural 7 Extração de minerais metálicos Ver na nota 1 8 Extração de minerais não-metálicos Subsetores Extração de minerais não-metálicos Indústrias de transformação Seção Indústria de transformação 10 Fabricação de produtos alimentícios Seção Alimentos 11 Fabricação de bebidas Seção Bebidas 12 Fabricação de produtos do fumo Seção Fumo 13 Fabricação de produtos têxteis Seção Têxtil 14 Confecção de artigos do vestuário e acessórios Seção Vestuário e acessórios 15 Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos Seção Calçados e artigos de couro para viagem e calçados 15.1 Curtimento e outras preparações de couro Subsetores Preparação de couro e fabricação de artefatos, exclusive calçados 15.2 Fabricação de artigos para viagem e de artefatos diversos de couro Subsetores Preparação de couro e fabricação de artefatos, exclusive calçados 15.3 Fabricação de calçados Subsetores Calçados 15.4 Fabricação de partes para calçados, de qualquer material Subsetores Calçados 16 Fabricação de produtos de madeira Seção Madeira 17 Fabricação de celulose, papel e produtos de papel Seção Celulose, papel e produtos de papel 17.1 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel Subsetores Celulose e pasta para fabricação de papel 17.2 Fabricação de papel, cartolina e papel-cartão Subsetores Papel, papelão liso e cartolina, exclusive material de embalagem 17.3 Fabricação de embalagens de papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado Subsetores Material de embalagem de papel, papelão e cartão 17.4 Fabricação de produtos diversos de papel, cartolina, papel-cartão e Seção Celulose, papel e produtos de papel papelão ondulado 18 Impressão e reprodução de gravações Seção Indústria de transformação 19 Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de Seção Refino de petróleo e álcool biocombustíveis 19.1 Coquerias Seção Refino de petróleo e álcool 19.2 Fabricação de produtos derivados do petróleo Subsetores Refino de petróleo 19.3 Fabricação de biocombustíveis Subsetores Álcool 20 Fabricação de produtos químicos Ver na nota Fabricação de produtos químicos inorgânicos Subsetores 20.2 Fabricação de produtos químicos orgânicos Subsetores Petroquímicos básicos e intermediários para resinas e fibras 30

31 CNAE 2.0 a dois e três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 20.3 Fabricação de resinas e elastômeros Subsetores Resinas, elastômeros, fibras, fios, cabos e filamentos artificiais e sintéticos 20.4 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas Subsetores Resinas, elastômeros, fibras, fios, cabos e filamentos artificiais e sintéticos 20.5 Fabricação de defensivos agrícolas e desinfestantes domissanitários Subsetores Defensivos agrícolas e para uso domissanitário 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, Seção cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 20.7 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, lacas e produtos afins Subsetores Tintas, vernizes, esmaltes, lacas, solventes e produtos afins 20.9 Fabricação de produtos e preparados químicos diversos Subsetores Produtos e preparados químicos diversos 21 Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos Seção Farmacêutica 21.1 Fabricação de produtos farmoquímicos Seção Outros produtos químicos 21.2 Fabricação de produtos farmacêuticos Seção Farmacêutica 22 Fabricação de produtos de borracha e de material plástico Seção Borracha e plástico 22.1 Fabricação de produtos de borracha Ver na nota Fabricação de produtos de material plástico Ver na nota 2 23 Fabricação de produtos de minerais não-metálicos Seção Minerais não metálicos 24 Metalurgia Seção Metalurgia básica 25 Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos Seção Produtos de metal - exclusive máquinas e equipamentos 26 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos Ver na nota 1 e ópticos 26.1 Fabricação de componentes eletrônicos Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação Seção Material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações 26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e Subsetores Eletrodomésticos da "linha marrom" amplificação de áudio e vídeo 26.5 Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle; cronômetros e relógios Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.6 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de irradiação Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.7 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.8 Fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 27 Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos Seção Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 27.1 Fabricação de geradores, transformadores e motores elétricos Subsetores Equipamentos para produção, distribuição e controle de energia elétrica 27.2 Fabricação de pilhas, baterias e acumuladores elétricos Subsetores Condutores e outros materiais elétricos, exclusive para veículos 31

32 CNAE 2.0 a dois e três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 27.3 Fabricação de equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica Subsetores Equipamentos para produção, distribuição e controle de energia elétrica 27.4 Fabricação de lâmpadas e outros equipamentos de iluminação Subsetores Condutores e outros materiais elétricos, exclusive para veículos 27.5 Fabricação de eletrodomésticos Ver na nota Fabricação de equipamentos e aparelhos elétricos não Seção Máquinas, aparelhos e materiais elétricos especificados anteriormente 28 Fabricação de máquinas e equipamentos Seção Máquinas e equipamentos 29 Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias Seção Veículos automotores 29.1 Fabricação de automóveis, camionetas e utilitários Subsetores Automóveis, camionetas e utilitários, inclusíve motores 29.2 Fabricação de caminhões e ônibus Subsetores Caminhões e ônibus, inclusive motores 29.3 Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para veículos Subsetores Carrocerias e reboques automotores 29.4 Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores Subsetores Peças e acessórios para veículos automotores 29.5 Recondicionamento e recuperação de motores para veículos Seção Veículos automotores automotores 30 Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos Seção Outros equipamentos de transporte automotores 30.1 Construção de embarcações Subsetores Construção de embarcações, inclusive reparação 30.3 Fabricação de veículos ferroviários Subsetores Construção e montagem de vagões ferroviários, inclusive reparação 30.4 Fabricação de aeronaves Subsetores Construção e montagem de aeronaves, inclusive reparação 30.5 Fabricação de veículos militares de combate Subsetores Outros veículos e equipamentos de transporte 30.9 Fabricação de equipamentos de transporte não especificados anteriormente Subsetores Outros veículos e equipamentos de transporte 31 Fabricação de móveis Seção Mobiliário 32 Fabricação de produtos diversos Seção Diversos 7 Extração de minerais metálicos CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 7.1 Extração de minério de ferro Subsetores Extração de minérios ferrosos 7.2 Extração de minerais metálicos não-ferrosos Subsetores Extração de minerais metálicos nãoferrosos 32

33 CNAE 2.0 três dígitos 20 Fabricação de produtos químicos Cod / Descrição Pesquisa Descrição PIM-PF 20.1 Fabricação de produtos químicos inorgânicos Subsetores Produtos químicos inorgânicos 20.1 Fabricação de produtos químicos inorgânicos Subsetores Adubos, fertilizantes e corretivos para o solo 20.2 Fabricação de produtos químicos orgânicos Subsetores Petroquímicos básicos e intermediários para resinas e fibras 20.3 Fabricação de resinas e elastômeros Subsetores Resinas, elastômeros, fibras, fios, cabos e filamentos artificiais e sintéticos 20.4 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas Subsetores Resinas, elastômeros, fibras, fios, cabos e filamentos artificiais e sintéticos 20.5 Fabricação de defensivos agrícolas e desinfestantes domissanitários Subsetores Defensivos agrícolas e para uso domissanitário 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal Subsetores Sabões, sabonetes, detergentes e produtos de limpeza 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal Subsetores Artefatos de perfumaria e cosméticos, exclusive sabonetes 20.7 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, lacas e produtos afins Subsetores Tintas, vernizes, esmaltes, lacas, solventes e produtos afins 20.9 Fabricação de produtos e preparados químicos diversos Subsetores Produtos e preparados químicos diversos 26 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 26.1 Fabricação de componentes eletrônicos Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação Seção Material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações 26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e Subsetores Eletrodomésticos da "linha marrom" amplificação de áudio e vídeo 26.5 Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle; cronômetros e relógios Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.6 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de irradiação Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.7 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.8 Fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática Nota: 1. Os índices de produção física das seguintes divisões da CNAE (dois dígitos) foram elaborados a partir da relação de índices da PIM-PF com as respectivos grupos da CNAE (três dígitos) e aplicação da média ponderada, onde os pesos anuais foram dados pela participação de cada grupo no total do valor da produção da divisão, obtido pela PIA/ Empresa. Em 2010 e 2011, foram mantidos os pesos de

34 CNAE 2.0 três dígitos 22.1 Fabricação de produtos de borracha Cod / Descrição Pesquisa Descrição PIM-PF 22.1 Fabricação de produtos de borracha Subsetores Fabricação e recondicionamento de pneumáticos, inclusive materiais para reparação 22.1 Fabricação de produtos de borracha Subsetores Artefatos diversos de borracha 22.2 Fabricação de produtos de material plástico CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 22.2 Fabricação de produtos de material plástico Subsetores Laminados de material plástico 22.2 Fabricação de produtos de material plástico Subsetores Embalagens de material plástico 22.2 Fabricação de produtos de material plástico Subsetores Artefatos diversos de material plástico 27.5 Fabricação de eletrodomésticos CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 27.5 Fabricação de eletrodomésticos Subsetores Eletrodomésticos da "linha branca", exclusive fornos de micro-ondas 27.5 Fabricação de eletrodomésticos Subsetores Outros eletrodomésticos, exclusive aparelhos das "linhas branca" e "marrom" Nota: 2. Os índices de produção física dos seguintes grupos da CNAE (três dígitos) foram elaborados a partir da relação de vários índices da PIM-PF e foram agregados pela aplicação de média simples. 34

35 Anexo C - Correspondência CNAE 2.0 x Preços da indústria, com indicação de fonte Tabela A3 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Cod / Descrição Fonte Descrição Índice de preço Indústrias extrativas IPA-OG FGV IPA- Origem - OG-DI - Produtos Industriais - Indústria Extrativa 5 Extração de carvão mineral IPA-OG FGV IPA- Origem - OG-DI - Produtos Industriais - Indústria Extrativa - Carvão Mineral 6 Extração de petróleo e gás natural FUNCEX CNAE Extração de pretróleo 7 Extração de minerais metálicos IPA-OG FGV IPA- Origem - OG-DI - Produtos Industriais - Indústria Extrativa - Minerais Metálicos 8 Extração de minerais não-metálicos IPA-OG FGV IPA- Origem - OG-DI - Produtos Industriais - Indústria Extrativa - Minerais não Metálicos Indústrias de transformação IPP-IBGE Indústria de transformação 10 Fabricação de produtos alimentícios IPP-IBGE Fabricação de produtos alimentícios 11 Fabricação de bebidas IPP-IBGE Fabricação de bebidas 12 Fabricação de produtos do fumo IPP-IBGE Fabricação de produtos do fumo 13 Fabricação de produtos têxteis IPP-IBGE Fabricação de produtos têxteis 14 Confecção de artigos do vestuário e acessórios IPP-IBGE Confecção de artigos do vestuário e acessórios 15 Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.1 Curtimento e outras preparações de couro IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.2 Fabricação de artigos para viagem e de artefatos diversos de couro IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.3 Fabricação de calçados IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.4 Fabricação de partes para calçados, de qualquer material IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 16 Fabricação de produtos de madeira IPP-IBGE Fabricação de produtos de madeira 17 Fabricação de celulose, papel e produtos de papel IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel 17.1 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel de papel 17.2 Fabricação de papel, cartolina e papel-cartão IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel 17.3 Fabricação de embalagens de papel, cartolina, papelcartão IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel e papelão ondulado 17.4 Fabricação de produtos diversos de papel, cartolina, IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel papel-cartão e papelão ondulado 18 Impressão e reprodução de gravações IPP-IBGE Impressão e reprodução de gravações 19 Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis IPP-IBGE Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 19.1 Coquerias IPP-IBGE Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 35

36 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Cod / Descrição Fonte Descrição Índice de preço 19.2 Fabricação de produtos derivados do petróleo IPP-IBGE Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 19.3 Fabricação de biocombustíveis IPP-IBGE Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 20 Fabricação de produtos químicos IPP-IBGE Obtido pela soma ponderada dos itens 201 e Fabricação de produtos químicos inorgânicos IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.2 Fabricação de produtos químicos orgânicos IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.3 Fabricação de resinas e elastômeros IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.4 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.5 Fabricação de defensivos agrícolas e desinfestantes domissanitários IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 20.7 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, lacas e produtos afins IPP-IBGE IPP-IBGE Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal Fabricação de outros produtos químicos 20.9 Fabricação de produtos e preparados químicos diversos IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 21 Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos IPP-IBGE Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 21.1 Fabricação de produtos farmoquímicos IPP-IBGE Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 21.2 Fabricação de produtos farmacêuticos IPP-IBGE Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 22 Fabricação de produtos de borracha e de material plástico IPP-IBGE Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 22.1 Fabricação de produtos de borracha IPP-IBGE Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 22.2 Fabricação de produtos de material plástico IPP-IBGE Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 23 Fabricação de produtos de minerais não-metálicos IPP-IBGE Fabricação de produtos de minerais não-metálicos 24 Metalurgia IPP-IBGE Metalurgia 25 Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos IPP-IBGE Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos 26 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.1 Fabricação de componentes eletrônicos IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio e vídeo IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.5 Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle; cronômetros e relógios IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.6 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de irradiação IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.7 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 36

NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão 1.0 - Brasília - Novembro/2011 NOTA METODOLÓGICA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão 2.0 - Brasília - Março/2012 METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais Padrão Mínimo Tipo de Impresso Emissão Operação Série Subsérie Nota Fiscal, modelo 1 Bloco Manual *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto Mecanizado *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2. ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.0 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA,

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Investimento em Controle Ambiental das Indústrias no Brasil 1997/2002 Rio de Janeiro

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CNS/FESESP RELATÓRIO - ANO 2004 São Paulo, 4 de setembro de 2007 EQUIPE Diretor

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence MPRA Munich Personal RePEc Archive Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence Umberto Antonio Sesso Filho and Joaquim José Martins Guilhoto and Antonio Carlos

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL Ano 4 Número 2 ISSN 2317-7330 Julho de 2014 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Insegurança jurídica é principal dificuldade enfrentada pelas empresas que terceirizam 70% das empresas industriais (transformação,

Leia mais

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 2011 Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) Diretoria de Inovação (DRIN) Departamento de Acompanhamento (DAC) PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 Janeiro/2011

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DESINDUSTRIALIZAÇÃO E OS DILEMAS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO RECENTE MAIO/2007 Conselho do IEDI Abraham Kasinski Sócio Emérito Amarílio Proença de Macêdo

Leia mais

Coeficientes de Abertura Comercial

Coeficientes de Abertura Comercial Coeficientes de Abertura Comercial 4º trimestre de 2011 PEC Unidade de Política Econômica PAD Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Brasília, 19 de março de 2012 2ªDivulgação dos coeficientes

Leia mais

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica (Atualizada em março de 2015) Foram construídas quarenta e três taxas de câmbio efetivas reais, sendo trinta e seis taxas de exportação e sete taxas de importação.

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010 Descrição CNAE Início da obrigatoriedade 0722701 EXTRACAO DE MINERIO DE ESTANHO 1/4/2010 0722702 BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO DE ESTANHO 1/4/2010 1011201 FRIGORIFICO - ABATE DE BOVINOS 1/4/2010 1011202 FRIGORÍFICO

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

No período considerado, cerca de 17% das unidades produtivas faziam uso de equipamentos de automação industrial no Estado de São Paulo.

No período considerado, cerca de 17% das unidades produtivas faziam uso de equipamentos de automação industrial no Estado de São Paulo. Automação Industrial A Pesquisa da Atividade Econômica Regional disponibiliza informações sobre a difusão de automação industrial nas indústrias paulistas que, em seu conjunto, expressa as dinâmicas comportamentais

Leia mais

POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE

POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE Marta Castilho Universidade Federal Fluminense Seminário Estado, Tributação e Seguridade Social Seminário Estado, Tributação

Leia mais

Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo

Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo de cana-de-açúcar 0115-6/00 Cultivo de soja 0724-3/01

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira 2 Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira Confederação Nacional dos Serviços - CNS Federação de Serviços

Leia mais

Câmbio, Competitividade e Investimento

Câmbio, Competitividade e Investimento Câmbio, Competitividade e Investimento Lucas Teixeira (BNDES) Laura Carvalho (EESP) Introdução Questão: a desvalorização cambial resolverá o problema de perda de competitividade e de compressão de margens

Leia mais

Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 Indicadores do Comércio Exterior

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011)

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011) NPF 041/2009 p. 1 de 10 NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011) SÚMULA Dispõe sobre a utilização de Nota Fiscal eletrônica NF-e por contribuintes

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

Encontro Nacional dos Trabalhadores do Setor de Fertilizantes e Defensivos Agrícolas 2015

Encontro Nacional dos Trabalhadores do Setor de Fertilizantes e Defensivos Agrícolas 2015 Encontro Nacional dos Trabalhadores do Setor de Fertilizantes e Defensivos Agrícolas 2015 Diagnóstico e Desempenho Setorial Encontro Nacional dos Trabalhadores do Setor de Fertilizantes e Defensivos Agrícolas

Leia mais

NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO

NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º.4, de 08 de junho de 978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º,

Leia mais

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades Tecnologia da Informação No, 72,34% das empresas industriais pesquisadas afirmaram utilizar computadores. As categorias fabricação e refino de petróleo e álcool, fabricação de máquinas, aparelhos e material

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

CNAE-Domiciliar e correspondência com a CNAE e PNAD. CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91

CNAE-Domiciliar e correspondência com a CNAE e PNAD. CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91 CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91 CÓDIGOS DENOMINAÇÕES CNAE CLASSIFICAÇÕES PNAD/CD91 01101 Cultivo de arroz *0111 013 01102 Cultivo de milho *0111 020 01103 Cultivo de outros cereais

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS 1

PREFEITURA DE PALMAS 1 PREFEITURA DE PALMAS 1 ANEXO UNICO 31/12/2005 Secretaria Municipal de Finanças Relação de Atividades CNAE para Informação das faixas para lançamento da TLF e controle DMS INDUSTRIA 1.01 011 PRODUCAO DE

Leia mais

Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a cidade de Salvador

Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a cidade de Salvador Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a Julia Trindade Alves de Carvalho (Mestre em Economia PPGE/UFBA); Gervasio F. Santos (Prof. Dr. Depto. de Economia, PPGE

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 29 número 12 Fevereiro 2015 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Dezembro de 2014 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Pesquisa Industrial Anual (PIA) - 2010 (Sinopse)

Pesquisa Industrial Anual (PIA) - 2010 (Sinopse) - 2010 (Sinopse) DIRETORIA FIEB Presidente José de Freitas Mascarenhas 1º Vice-Presidente Victor Fernando Ollero Ventin Vice-Presidentes Carlos Gilberto Cavalcante Farias Emmanuel Silva Maluf Reinaldo

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 3ª Edição Última atualização 07 de Março de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da Indústria

Leia mais

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O SETORES INTENSIVOS EM MÃO-DE-OBRA: Uma atualização do Modelo de Geração de Emprego do BNDES O Modelo de Geração

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 1 Número 2 outubro/dezembro de 2011 www.cni.org.br Indústria brasileira continua perdendo com a valorização cambial

Leia mais

Relação de (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) cujos contribuintes estão obrigados à Escrituração A partir desta competência, os contribuintes que iniciarem atividades ou que mudarem a atividade

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006

O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006 O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006 V Taller Regional sobre la Medición de la Sociedad de la Información en América Latina y el Caribe Roberto Neves Sant Anna IBGE Diretoria

Leia mais

série relatórios metodológicos volume i c ndicadores onjunturais i ndústria produção IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

série relatórios metodológicos volume i c ndicadores onjunturais i ndústria produção IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística série relatórios metodológicos volume 31 i c ndicadores onjunturais da i ndústria produção IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro

Leia mais

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura,

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, exceto morango 0122-9/00 Cultivo de flores e plantas

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson Barbosa INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Fernando

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º.4, de 08 de junho de 978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º,

Leia mais

Pesquisa Impactos da Escassez de Água. Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014

Pesquisa Impactos da Escassez de Água. Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014 Pesquisa Impactos da Escassez de Água Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014 Perfil Foram ouvidas 487 empresas localizadas no Estado do Rio de Janeiro A maioria é de pequeno porte (76,8%);

Leia mais

Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira

Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira David Kupfer GIC-IE/UFRJ e BNDES COSEC FIESP São Paulo 9 de março de 2015 Roteiro Desempenho Competitivo Taxa de Câmbio e Custos Estrutura Tarifária

Leia mais

Comentários. Em agosto/2015, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em. média, 0,97% quando comparados a julho/2015, número superior ao

Comentários. Em agosto/2015, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em. média, 0,97% quando comparados a julho/2015, número superior ao Comentários Em agosto/2015, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em média, 0,97% quando comparados a julho/2015, número superior ao observado na comparação entre julho/2015 e junho/15(0,72%) Tabela

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano?

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? SUMÁRIO EXECUTIVO O estudo está dividido em duas partes: 1. A primeira faz uma análise mais

Leia mais

PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. CONVÊNIO OU PROTOCOLO Conv. ICMS 045/99 Prot. ICMS 019/92 Conv. ICMS 037/94 DISPOSITIVO DO RICMS

PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. CONVÊNIO OU PROTOCOLO Conv. ICMS 045/99 Prot. ICMS 019/92 Conv. ICMS 037/94 DISPOSITIVO DO RICMS PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA MERCADORIA Venda porta-a-porta de quaisquer mercadorias destinadas a revendedores não inscritos Cigarros e outros produtos derivados do fumo Cimento Refrigerante,

Leia mais

Comentários. Em julho/15, os preços das Indústrias de Transformação variaram, em

Comentários. Em julho/15, os preços das Indústrias de Transformação variaram, em Comentários Em julho/15, os preços das Indústrias de Transformação variaram, em média, 0,68% quando comparados a junho/15, número superior ao observado na comparação entre junho/15 e maio/15 (0,34%). Tabela

Leia mais

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi São Paulo, 31 de agosto de 2015 JULHO DE 2015 Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi Entre janeiro e julho de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Coordenadoria da Administração Tributária - CAT janeiro-2014 APRESENTAÇÃO E NOTAS ANÁLISE DA RECEITA

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente anterior, na série livre de influências

Leia mais

2.2 Estrutura detalhada CNAE 2.0 - seções, divisões, grupos e classes *

2.2 Estrutura detalhada CNAE 2.0 - seções, divisões, grupos e classes * 2.2 Estrutura detalhada - seções, divisões, grupos e classes * código A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA 01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS 01.1 Produção de

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 6 Conta da Produção das Atividades (versão para informação e

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro

O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro Uma contribuição ao diálogo de políticas entre o governo do estado do Rio de Janeiro e o Banco Interamericano de Desenvolvimento Geciane Silveira

Leia mais

Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira

Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Gestão Estratégica UGE Participação das Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

Relatório da Receita Tributária

Relatório da Receita Tributária Relatório da Receita Tributária DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Janeiro de 2004 1 APRESENTAÇÃO E NOTAS 2 ANÁLISE DA RECEITA TRIBUTÁRIA TOTAL 4 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE

Leia mais

Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental

Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental Ano 5, Nº.2 - junho de 2007 Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental A indústria brasileira está, cada vez mais, empenhada em adotar práticas de gestão ambiental que reduzam os conflitos

Leia mais

Estrutura da apresentação

Estrutura da apresentação 05/12/201 3 Estrutura da apresentação Tópicos abordados Introdução Edições anteriores Aperfeiçoamentos na PINTEC 2011 Aspectos metodológicos Âmbito Amostra Coleta de dados Método e situações de coleta

Leia mais

Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões

Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões Ano 7 Número 05 dezembro de 2009 www.cni.org.br Mudança Climática Maioria das empresas já adota ou pretende adotar medidas que contribuem para o controle das emissões 97% das empresas industriais têm conhecimento

Leia mais

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Tabela 1 alança Tecnológica Sectorial de Portugal Período 1996-98 Fonte: anco de Portugal CAE Total Direitos de utilização e Propriedade Industrial Serv. assistência

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 2 Número 4 outubro/dezembro de 2012 www.cni.org.br Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Campinas 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais