PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009"

Transcrição

1 2011 Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) Diretoria de Inovação (DRIN) Departamento de Acompanhamento (DAC) PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 Janeiro/2011

2 FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP) UNIDADE RESPONSÁVEL Diretoria de Inovação / Departamento de Acompanhamento (DAC) Chefe de Departamento Mauricio Alves Syrio Analistas André Zenícola de Menezes Lucas Duarte Processi Vittoria Cerbino Estagiária Fernanda Stüssi Neves

3 Perfil das Empresas Apoiadas pelo Programa de Subvenção Econômica 2006 a 2009 Introdução Este relatório tem como objetivo traçar o perfil das empresas que compõem a carteira de Subvenção Econômica da FINEP, considerando um conjunto de indicadores. O programa de Subvenção Econômica iniciou-se com a Chamada Pública MCT/FINEP/Subvenção Econômica à Inovação 01/2006, lançada em setembro de Desde então houve Editais em todos os anos. Dessa forma, temos, incluindo as empresas aprovadas e contratadas do Edital de 2009, uma carteira de 500 empresas contratadas até outubro de 2010, responsáveis pela condução de 695 projetos/contratos. Estamos considerando nesses totais todas as empresas e respectivos projetos que estavam aptos e foram contratados dos Editais de 2006, 2007 e Quanto ao Edital de 2009 há ainda 40 projetos aprovados em contratação. Tão logo se encerre este processo de contratação, o Relatório será atualizado. É importante ressaltar que, entre outras atividades, o Departamento de Acompanhamento - DAC vem realizando a avaliação do impacto que a Subvenção Econômica vem tendo nas empresas apoiadas. Para este trabalho se consideram as que receberam integralmente os recursos contratados. O relatório completo do 1º Seminário de Avaliação, realizado em novembro de 2009, está disponível no link e forneceu subsídios para a formatação do Edital de Na semana de 22 a 26 de novembro de 2010 foi realizado o 2º Seminário de Avaliação e, o respectivo Relatório está em elaboração. O Perfil das empresas apoiadas e a avaliação dos impactos do Programa de Subvenção Econômica se complementam e visam subsidiar a Diretoria e as Áreas Operacionais da FINEP, seja na formatação dos novos Editais, na composição dos apoios utilizando o conjunto dos instrumentos operacionais disponíveis e ainda no acompanhamento das operações em andamento. As informações utilizadas para elaboração dos indicadores do Perfil foram coletadas no período de junho a outubro de 2010 junto às empresas apoiadas com contratos assinados. Para tanto foi utilizado questionário - ver Anexo I - via Web. O Sistema de Informações da FINEP também foi utilizado como fonte, bem como o contato com os analistas que analisaram e/ou acompanham os projetos e as empresas apoiadas pelo Programa

4 Os indicadores utilizados para observar o perfil desta carteira são os seguintes: 01 - Número de Empresas por Região Geográfica 02 - Número de Empresas por UF 03 - Número de Empresas por Idade, em Número de Empresas por Natureza Jurídica 05 - Número de Empresas por Setor da Economia (CNAE) 06 - Distribuição por Edital, Porte e Faturamento Médio 07 - Número de Empresas por Porte, em Número de Contratos por Ano do Edital e Porte 09 - Valor dos Contratos por Ano do Edital e Porte 10 - Distribuição de Projetos por Área de Concentração A seguir relatamos os principais resultados e destaques dos indicadores relacionados. Ressalte-se que todas as empresas foram contatadas por telefone, pela equipe do DAC, o que garantiu a resposta de todos os questionários, com exceção de uma única empresa. Perfil da Carteira Compõem a carteira do Programa de Subvenção Econômica empresas distribuídas nas cinco Regiões Geográficas e em 20 estados da Federação e mais o Distrito Federal. Os estados que não têm nenhuma empresa na carteira do Programa são: Acre, Amapá, Alagoas, Mato Grosso, Piauí e Tocantins. A Região Sudeste participa com 57% das empresas, a Região Sul com 25%, a região Nordeste com 12%, a região Centro-Oeste com 4% e a região Norte com 2% do total das empresas que compõem a carteira. Os cinco estados com maior número de empresas apoiadas são: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Santa Catarina. No que se refere à distribuição por idade, em 2009, 49% das empresas tinham menos de dez anos; seis, ou seja, pouco mais de 1% tinham mais de cinqüenta anos de idade. Quanto à natureza jurídica, 77% são sociedades empresariais limitadas. As sociedades anônimas fechadas representam 19% e as abertas, 2%. Registre-se ainda o apoio a uma empresa da Administração Pública. Quanto à classificação por Setor da Economia, utilizamos a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) versão 2.0 e para a classificação das empresas, o mesmo nível de detalhamento da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC), ambos do IBGE. Assim, as maiores ocorrências, considerando o nível de Divisão, são empresas com atividades dos serviços de TI, fabricação de produtos de informática, produtos eletrônicos e ópticos e pesquisa e desenvolvimento científico

5 A Distribuição das empresas apoiadas, por Edital, Porte e Faturamento Médio, pode ser vista nas tabelas do indicador 6. O objetivo é retratar, de forma conjunta, as características das empresas contratadas por Edital. Para construção das tabelas utilizamos como referência o Edital para o qual a empresa concorreu, independentemente de quando tenha sido contratado o projeto. Além disso, uma mesma empresa pode ter contratado mais de um projeto em mais de um Edital. Assim, em cada Edital, a empresa é considerada uma única vez, mas no que se refere aos projetos, são contados tantos quantos a empresa tenha tido contratados. Dessa forma, nestas tabelas teremos o total geral de 695 projetos. Quanto ao porte, utilizamos os parâmetros da RES-DIR-133/10, com exceção das empresas com faturamento inferior a R$100,00 (cem reais) que foram computadas separadamente na classe "Sem Faturamento". O indicador 7 mostra a distribuição por porte das 500 empresas que compõem a carteira da FINEP, considerando o faturamento obtido em Como se vê, 60% das empresas apoiadas faturaram entre R$ 240 mil e R$ 16 milhões, portanto empresas de pequeno porte e pequenas empresas; 7% não tiveram faturamento e 5% faturaram acima de R$ 300 milhões, sendo, pela classificação adotada, grandes empresas. Porte em 2009 Faturamento % Sem Faturamento Até R$ 100,00 7% Micro R$ 100,01 a R$ 240 mil 13% Pequeno Porte R$ 240 mil a R$2,4 milhões 33% Pequena R$ 2,4 milhões a R$ 16 milhões 27% Média R$ 16 milhões a R$ 90 milhões 11% Média-Grande R$ 90 milhões a R$ 300 milhões 4% Grande Acima de R$300 milhões 5% O indicador 8 mostra, por Edital, o número de projetos/contratos considerando o porte das empresas no ano do Edital; já o indicador seguinte, também por Edital mostra o valor total dos projetos/contratos, considerando cada classe de porte das empresas contratantes. No que se refere à distribuição de projetos por área de concentração, os projetos foram agrupados em oito temas. Os projetos do Tema Geral do Edital de 2006 foram agrupados com os de assunto/tema mais próximo. Restaram ainda seis projetos que classificamos como Outros, desde que eram específicos e sem aderência a qualquer das áreas de concentração utilizadas

6 Distribuição de Projetos por Área de Concentração 197 (28%) 13 (2%) 80 (12%) 137 (20%) 91 (13%) 98 (14%) 6 (1%) 23 (3%) 50 (7%) BENS DE CAPITAL DEFESA E SEGURANÇA PÚBLICA NANOTECNOLOGIA SAÚDE TICS BIOTECNOLOGIA ENERGIA OUTROS SOCIAL Há empresas cujas controladoras também são beneficiárias da Subvenção Econômica. Assim, quando estas preencheram os questionários incluíram os dados das controladas. Dessa forma, para elaboração dos indicadores trabalhamos com as informações das controladoras

7 Anexo I - Questionário

8 Pesquisas > Questionários > Responder pesquisa [Sair] Responder pesquisa Ver pesquisa Formulário PESQ_SBV_001 - Questionário Módulo Único Etapa Preenchimento do Questionário Seção Única Salva e finaliza pesquisa CNPJ Razão Social As informações para as três próximas perguntas podem ser obtidas diretamente na página da Receita Federal: Ano de Fundação (referente ao CNPJ acima) Código e descrição da Atividade Econômica Principal. Código e descrição da Natureza Jurídica Informe o faturamento anual da Empresa, em Reais (R$), conforme os anos listados abaixo Faturamento em 2006 Faturamento em 2007 Faturamento em 2008 Faturamento em 2009 Informe o número de empregados da Empresa conforme os anos listados abaixo Número de empregados em 2006 Número de empregados em 2007 Número de empregados em 2008 Número de empregados em 2009

9 As próximas Informações são referentes à pessoa que preencheu o questionário. Estes dados serão utilizados, pela FINEP, apenas para contato em caso de dúvidas nas informações fornecidas. Nome Cargo que ocupa na empresa Telefone de contato com DDD para contato Declaração de Veracidade Declaro serem verdadeiras as informações aqui contidas. Havendo necessidade, assumo o compromisso de apresentar documentos comprobatórios Salva respostas Finalizar pesquisa Avaliação da Subvenção Econômica

10 Anexo II - Indicadores

11 01 - Número de Empresas por Região Geográfica Região Geográfica Qtd CENTRO-OESTE 17 NORDESTE 61 NORTE 10 SUDESTE 288 SUL Número de Empresas por UF UF Qtd AM 6 BA 8 CE 20 DF 10 ES 2 GO 5 MA 1 MG 60 MS 2 PA 2 PB 4 PE 23 PR 32 RJ 46 RN 3 RO 1 RR 1 RS 55 SC 37 SE 2 SP

12 03 - Número de Empresas por Idade em 2009 Idade Qtd 01 - Até 10 anos De 11 a 20 anos De 21 a 30 anos De 31 a 40 anos De 41 a 50 anos Maior que 50 anos Número de Empresas por Natureza Jurídica Natureza Jurídica Qtd Empresa Pública 1 Empresário (Individual) 5 Sociedade Anônima Aberta 12 Sociedade Anônima Fechada 97 Sociedade Empresária Limitada 384 Sociedade Simples Limitada 1-2 -

13 05 - Número de Empresas por Setor da Economia (CNAE) Divisão Qtd AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS 1 PESCA E AQÜICULTURA 2 INDÚSTRIAS EXTRATIVAS EXTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL 1 EXTRAÇÃO DE MINERAIS NÃO-METÁLICOS 2 INDÚSTRIAS DE TRANSFORMAÇÃO FABRICAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 5 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS TÊXTEIS 4 PREPARAÇÃO DE COUROS E FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE COURO, ARTIGOS PARA VIAGEM E CALÇADOS 1 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE MADEIRA 2 FABRICAÇÃO DE CELULOSE, PAPEL E PRODUTOS DE PAPEL 1 IMPRESSÃO E REPRODUÇÃO DE GRAVAÇÕES 2 FABRICAÇÃO DE COQUE, DE PRODUTOS DERIVADOS DO PETRÓLEO E DE BIOCOMBUSTÍVEIS 2 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS 23 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS FARMOQUÍMICOS E FARMACÊUTICOS 19 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE BORRACHA E DE MATERIAL PLÁSTICO 5 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE MINERAIS NÃO-METÁLICOS 6 METALURGIA 2 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE METAL, EXCETO MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 4 FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA, PRODUTOS ELETRÔNICOS E ÓPTICOS 98 FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS 19 FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

14 Divisão Qtd FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS 2 FABRICAÇÃO DE OUTROS EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE, EXCETO VEÍCULOS AUTOMOTORES 8 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DIVERSOS 24 MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 1 ELETRICIDADE E GÁS ELETRICIDADE, GÁS E OUTRAS UTILIDADES 1 ÁGUA, ESGOTO, ATIVIDADES DE GESTÃO DE RESÍDUOS E DESCONTAMINAÇÃO ESGOTO E ATIVIDADES RELACIONADAS 1 COLETA, TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS; RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS 1 CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 2 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO 3 COMÉRCIO; REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS COMÉRCIO POR ATACADO, EXCETO VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 12 COMÉRCIO VAREJISTA 20 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E CORREIO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES 1 INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ATIVIDADES CINEMATOGRÁFICAS, PRODUÇÃO DE VÍDEOS E DE PROGRAMAS DE TELEVISÃO; GRAVAÇÃO DE SOM E EDIÇÃO DE MÚSICA 2 TELECOMUNICAÇÕES 2 ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 112 ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO 8 ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS ATIVIDADES DE SERVIÇOS FINANCEIROS 1-4 -

15 Divisão Qtd ATIVIDADES PROFISSIONAIS, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL 1 SERVIÇOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA; TESTES E ANÁLISES TÉCNICAS 21 PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO 32 OUTRAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS 2 ATIVIDADES VETERINÁRIAS 2 ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES SERVIÇOS DE ESCRITÓRIO, DE APOIO ADMINISTRATIVO E OUTROS SERVIÇOS PRESTADOS ÀS EMPRESAS 10 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DEFESA E SEGURIDADE SOCIAL ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DEFESA E SEGURIDADE SOCIAL 1 EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO 3 SAÚDE HUMANA E SERVIÇOS SOCIAIS ATIVIDADES DE ATENÇÃO À SAÚDE HUMANA 8 OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS REPARAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA E COMUNICAÇÃO E DE OBJETOS PESSOAIS E DOMÉSTICOS 1-5 -

16 06 Distribuição por Edital, Porte e Faturamento Médio Edital 2006 Porte em 2006 Empresas Projetos Fat Médio 2006 Fat Médio 2007 Fat Médio 2008 Fat Médio Sem Faturamento 4 4 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,84 R$ , Micro R$ ,91 R$ ,24 R$ ,26 R$ , Pequeno Porte R$ ,21 R$ ,56 R$ ,90 R$ , Pequena R$ ,20 R$ ,38 R$ ,69 R$ , Média R$ ,75 R$ ,01 R$ ,84 R$ , Média-Grande 3 4 R$ ,62 R$ ,01 R$ ,16 R$ , Grande 9 17 R$ ,44 R$ ,00 R$ ,44 R$ ,22 Edital 2007 Porte em 2007 Empresas Projetos Fat Médio 2007 Fat Médio 2008 Fat Médio Sem Faturamento 5 5 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0, Micro R$ ,95 R$ ,01 R$ , Pequeno Porte R$ ,43 R$ ,58 R$ , Pequena R$ ,98 R$ ,05 R$ , Média R$ ,96 R$ ,49 R$ , Média-Grande 7 7 R$ ,71 R$ ,28 R$ , Grande R$ ,84 R$ ,01 R$ ,54-6 -

17 Edital 2008 Porte em 2008 Empresas Projetos Fat Médio 2008 Fat Médio Sem Faturamento R$ 0,00 R$ , Micro R$ ,49 R$ , Pequeno Porte R$ ,77 R$ , Pequena R$ ,45 R$ , Média R$ ,46 R$ , Média-Grande R$ ,68 R$ , Grande 5 7 R$ ,18 R$ ,08 Edital 2009 Porte em 2009 Empresas Projetos Fat Médio Sem Faturamento R$ 0, Micro R$ , Pequeno Porte R$ , Pequena R$ , Média R$ , Média-Grande 2 2 R$ , Grande 5 9 R$ ,28-7 -

18 07 - Número de Empresas por Porte em 2009 Porte em 2009 Qtd 00 - Sem Faturamento Micro Pequeno Porte Pequena Média Média-Grande Grande Número de Contratos por Ano do Edital e Porte Porte Edital 2006 Edital 2007 Edital 2008 Edital Sem Faturamento Micro Pequeno Porte Pequena Média Média-Grande Grande Valor dos Contratos por Ano do Edital e Porte Porte Edital 2006 Edital 2007 Edital 2008 Edital Sem Faturamento R$ R$ R$ R$ Micro R$ R$ R$ R$ Pequeno Porte R$ R$ R$ R$ Pequena R$ R$ R$ R$ Média R$ R$ R$ R$ Média-Grande R$ R$ R$ R$ Grande R$ R$ R$ R$

19 10 - Distribuição de Projetos por Área de Concentração Área de Concentração Qtd BENS DE CAPITAL 13 BIOTECNOLOGIA 80 DEFESA E SEGURANÇA PÚBLICA 137 ENERGIA 50 NANOTECNOLOGIA 23 SAÚDE 98 SOCIAL 91 TICS 197 OUTROS 6-9 -

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

Análise dos resultados Panorama geral

Análise dos resultados Panorama geral Análise dos resultados Panorama geral Durante o período de 2005 a 2008, o Produto Interno Bruto - PIB brasileiro passou de cerca de R$ 2,2 trilhões para R$ 3,0 trilhões, a valores correntes, com uma taxa

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 3ª Edição Última atualização 07 de Março de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da Indústria

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Coordenação Geral de Inovação Tecnológica INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

Oficina de Trabalho do Plano Brasil Maior no Paraná. Laura Gandolfo Analista de Comércio Exterior. Curitiba, 9 de abril de 2014

Oficina de Trabalho do Plano Brasil Maior no Paraná. Laura Gandolfo Analista de Comércio Exterior. Curitiba, 9 de abril de 2014 Oficina de Trabalho do Plano Brasil Maior no Paraná Laura Gandolfo Analista de Comércio Exterior Curitiba, 9 de abril de 2014 O que é a RENAI? Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Coordenação:

Leia mais

Censo 2012 de Capitais. Estrangeiros no País. Perguntas mais frequentes

Censo 2012 de Capitais. Estrangeiros no País. Perguntas mais frequentes Censo 2012 de Capitais Estrangeiros no País Perguntas mais frequentes 2 3 Índice 1 Quem deve declarar?... 6 1.1 A Circular nº 3.602 de 25 de junho de 2012, em seu artigo 2º, define quem está obrigado a

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada.

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada. SENAI Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Historia Criado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Relatório de 2014Economia Bancária e Crédito

Relatório de 2014Economia Bancária e Crédito Relatório de 2014 Relatório de 2014 Relatório de Publicação anual do Banco Central do Brasil (BCB) Os textos e os correspondentes quadros estatísti cos são de responsabilidade dos seguintes componentes:

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação AS INDÚSTRIAS NECESSITAM IN O VAR PARA SEREM MAIS COMPETITIVAS + Educação Tecnologia + Inovação = Competitividade INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

TOTAL DE CANDIDATOS POR IES/CURSO

TOTAL DE CANDIDATOS POR IES/CURSO TOTAL DE CANDIDATOS POR IES/CURSO UF da IES Nome da IES Nome do Curso Qtd. Inscritos SP FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Ciência e Tecnologia ** 16.253 BA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

Departamento de Financiamentos APEI FINEP. julho de 2009

Departamento de Financiamentos APEI FINEP. julho de 2009 Departamento de Financiamentos APEI FINEP julho de 2009 Objetivo Apresentar a FINEP e seus mecanismos de fomento; Orientar as empresas sobre aplicabilidade desses mecanismos; Apresentação Institucional

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Campinas 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010 II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Base 2010 Coordenação de Contas Nacionais (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? Atualização de pesos não faz

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Termômetro da Consultoria Organizacional e Pesquisa Rápida de Honorários. 9ª edição

Termômetro da Consultoria Organizacional e Pesquisa Rápida de Honorários. 9ª edição Termômetro da Consultoria Organizacional e Pesquisa Rápida de Honorários 9ª edição Av Paulista, 6 Conj 77 Bela Vista CEP -9 São Paulo SP Fone/Fax: 89-5/6 897 ibco@ibcoorgbr - wwwibcoorgbr Agosto de 8 Índice

Leia mais

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2. ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.0 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA,

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades Tecnologia da Informação No, 72,34% das empresas industriais pesquisadas afirmaram utilizar computadores. As categorias fabricação e refino de petróleo e álcool, fabricação de máquinas, aparelhos e material

Leia mais

Pesquisa Impactos da Escassez de Água. Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014

Pesquisa Impactos da Escassez de Água. Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014 Pesquisa Impactos da Escassez de Água Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014 Perfil Foram ouvidas 487 empresas localizadas no Estado do Rio de Janeiro A maioria é de pequeno porte (76,8%);

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados Apresentação Este relatório apresenta os resultados da 14ª Avaliação de Perdas realizada com os principais supermercados do Brasil. As edições

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Ações MEI Políticas de caráter horizontal (incentivos fiscais, crédito, melhoria de marcos regulatórios); Políticas para setores estratégicos;

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 5ª Edição Última atualização 17 de Dezembro de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA Relatório Estatístico Preliminar de Resultados da Lei de Informática 8.248/91 e suas Alterações Dados dos Relatórios Demonstrativos

Leia mais

Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Ministério da Integração Nacional

Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Ministério da Integração Nacional Fundo de & Incentivos Fiscais Finalidade Assegurar recursos para investimentos na área de atuação da SUDENE, em infra-estrutura e serviços públicos e em empreendimentos produtivos com grande capacidade

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação São Paulo 05.11.2010 Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica Receita Federal do Brasil Ricardo Rezende Barbosa nfe@sefaz.pi.gov.br 06 de dezembro de 2007 Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica Luiz Antonio Baptista

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São Paulo 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Rio de Janeiro, em 06 de outubro

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Resultados da atuação do Bradesco em APL s

Resultados da atuação do Bradesco em APL s Resultados da atuação do Bradesco em APL s Atuação do Bradesco em APL s Por Região NORDESTE 97 APL`S NORTE 48 APL`S CENTRO-OESTE 41 APL`S SUDESTE 102 APL`S SUL 40 APL`S Posição Setembro/2013 Atuação com

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira

Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Gestão Estratégica UGE Participação das Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000

Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000 Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000 VALOR 1000 é uma publicação anual do jornal Valor Econômico Copyright 2004 Prosperare SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO PANORAMA

Leia mais

RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero. Inovação tecnológica

RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero. Inovação tecnológica RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero Inovação tecnológica Uma das faces do desenvolvimento econômico pode ser vista

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO Em ação conjunta para o melhor conhecimento das capacidades do mercado brasileiro da construção em aço, o CBCA Centro

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 39/2012-BNDES Rio de Janeiro, 05 de junho de 2012. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Energia Ambiente Mobilidade Saúde Segurança Comunicações O SENAI E SUA CAPACIDADE ATUAL DE ATENDIMENTO O SENAI é a maior rede privada

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Investimento em Controle Ambiental das Indústrias no Brasil 1997/2002 Rio de Janeiro

Leia mais

Sobrevivência das Empresas no Brasil

Sobrevivência das Empresas no Brasil Coleção Estudos e Pesquisas Julho/13 Sobrevivência das Empresas no Brasil 1 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada

Leia mais

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Sondagem Especial da Confederação Nacional da Indústria CNI O N D A G E M Especial Ano 5, Nº.3 - setembro de 2007 Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Mais

Leia mais