METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL"

Transcrição

1 METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão Brasília - Março/2012

2

3 METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

4 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto Coelho Fernandes Diretor Diretoria de Desenvolvimento Industrial Carlos Eduardo Abijaodi Diretor Diretoria de Relações Institucionais Mônica Messenberg Guimarães Diretora

5 Confederação Nacional da Indústria METODOLOGIA DOS COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão Brasília - Março/2012

6 2012. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. CNI Gerência de Pesquisa e Competitividade GPC Gerência de Política Econômica PEC FUNCEX - Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior CNI Serviço de Atendimento ao Cliente - SAC Confederação Nacional da Indústria Tels.: (61) / Setor Bancário Norte Quadra 1 Bloco C Edifício Roberto Simonsen Brasília DF Tel.: (61) Fax: (61)

7 Sumário 1 Introdução 9 2 Histórico 10 3 Metodologia da elaboração das séries utilizadas Classificação adotada Fonte dos dados Variáveis utilizadas para o cálculo dos coeficientes a preços correntes Variáveis utilizadas para o cálculo dos coeficientes a preços constantes Comparação entre os valores da CNAE a dois e três dígitos 21 4 Cálculo dos coeficientes Objetivo dos coeficientes Coeficiente de exportação Coeficiente de penetração de importações Coeficiente de insumos importados Coeficiente de abertura líquida 23 5 Coeficientes a preços constantes e correntes 24 6 Período 25 7 Referências bibliográficas 26 Anexos Anexo A. Setores divulgados 28 Anexo B. Correspondência CNAE 2.0 x PIM-PF/IBGE 30 Anexo C. Correspondência CNAE 2.0 x Preços da indústria, com indicação de fonte 34 Anexo D. Correspondência CNAE 2.0 x Atividades N55 38

8

9 1 Introdução Medir a participação que os fluxos de comércio exterior têm na economia é um elemento fundamental para o acompanhamento e avaliação da política econômica do país, especialmente no que tange à posição competitiva da produção industrial brasileira em relação aos concorrentes externos. Para isso são utilizados os coeficientes de abertura comercial, dentre os quais podemos citar o coeficiente de exportação, o coeficiente de penetração de importações, coeficiente de insumos importados e o coeficiente de abertura líquida. O presente estudo descreve a atualização na metodologia de cálculo dos coeficientes de abertura comercial, acima mencionados, realizada pela Funcex em conjunto com a CNI Confederação Nacional da Indústria. A fim de neutralizar efeitos de variações de preço, os quais podem influenciar o nível tanto do fluxo de comércio como da produção, são calculados coeficientes a preços constantes utilizando um ano base fixo para os preços. Os coeficientes de abertura comercial são calculados, portanto, de duas formas: a preços correntes e a preços constantes, exceção feita aos coeficientes de insumos importados, que são calculados apenas a preços correntes. 9

10 2 Histórico A Funcex calcula os coeficientes de abertura comercial ou de comércio exterior desde 1988, com a metodologia de cálculo divulgada através dos Textos de Discussão (TD) da Funcex nº 131 e 135. Desde então o cálculo vem apresentando algumas modificações; essas revisões foram detalhadas em três artigos publicados na Revista de Brasileira de Comércio Exterior (RBCE), editada pela Funcex, nos nºs 81, 83 e 95 de 2004, 2005 e 2008, respectivamente. EM 2008 a principal alteração foi na classificação setorial utilizada. Os coeficientes passaram a ser gerados com base na versão 2.0 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) do IBGE, em substituição à versão 1.0. Em dezembro de 2011, a Confederação Nacional da Indústria - CNI em parceria com a Funcex elaborou e divulgou o primeiro exemplar do Boletim Coeficientes de Abertura Comercial. Nesta publicação são apresentados os Coeficiente de Exportação e o Coeficiente de Penetração de Importados, ambos calculados para o período de 1996 à 2010 e uma estimativa para , todos a preços constantes de A partir do resultado de março de 2012, o Boletim passou por uma forte revisão. Foram incluídos dois novos coeficientes Coeficiente de Insumos Importados e Coeficiente de Abertura Líquida e a referência de preço foi alterada para preços correntes. Todos os resultados preços correntes e constantes estarão disponíveis na web no arquivo de séries históricas. 1 Estimativa baseada na variação acumulado em quatro trimestres até o terceiro trimestre de

11 3 Metodologia da elaboração das séries utilizadas 3.1 Classificação adotada Os coeficientes foram calculados para os seguintes níveis de desagregação da indústria: Indústria total; Indústria extrativa mineral; Indústria de transformação; Setores industriais: todos as divisões industriais (2 dígitos) CNAE versão 2.0, bem como alguns grupos CNAE (3 dígitos), que correspondem a desagregações das divisões (a relação completa das divisões e grupos setores encontra-se no Anexo 1). 3.2 Fonte dos dados O cálculo dos coeficientes utilizou quatro fontes básicas: I. Funcex: Valor das exportações e importações 2 e índices de preço e de quantum; II. IBGE : Produção industrial brasileira 3 - séries em reais e em quantidades; valor das importações consumidas pela indústria 4 e índices de preço ao produtor (IPP/IBGE); III. FGV : Índices de preços ao produtor amplo (IPA); IV. Banco Central do Brasil : Taxa de câmbio nominal. Todas as séries são foram coletadas sem ajustes sazonais e são apresentadas a preços constantes ou a preços correntes. 3.3 Variáveis utilizadas para o cálculo dos coeficientes a preços correntes Valor da produção anual Foram utilizados os dados da Pesquisa Industrial Anual Empresa - Unidade Local PIA/ IBGE medidos em reais correntes, conforme a classificação CNAE Valor das exportações e importações em US$ FOB segundo NCM-8 dígitos disponibilizadas pela Secex/MDIC. 3 Valores e índices obtidos respectivamente da Pesquisa Industrial Anual-PIA/IBGE e da Pesquisa Industrial Mensal-Produção Física/IBGE. 4 Valores obtidos a partir das matrizes de insumo-produto de 2000 e Tabela Dados gerais das unidades locais industriais, com 5 ou mais pessoas ocupadas por Unidade da Federação, segundo divisão e grupo de atividades, disponível no Sistema IBGE de Recuperação Automática SIDRA. 11

12 Visto que a divulgação do valor de produção - VP pela PIA segundo a CNAE 2.0 teve inicio em 2007, foi necessário transformar a série originalmente divulgada segundo a CNAE 1.0 de 1996 a 2006 para a CNAE 2.0. Essa conversão teve por base a Tabela de Correspondências CNAE 2.0 x CNAE 1.0, disponibilizada pela Comissão Nacional de Classificação CONCLA. No caso daqueles grupos da CNAE 1.0 (3 dígitos) que correspondem a mais de um grupo da CNAE 2.0 (3 dígitos), adotou-se o seguinte procedimento: a. O valor da produção do grupo da CNAE 1.0 (3 dígitos) em 2007 foi distribuído entre os grupos correspondentes da nova CNAE segundo percentuais provenientes da PIA- -Produto 2007, calculados com base na tabela de correspondências, disponibilizada pela Comissão Nacional de Classificação Concla, na estrutura da PIA-Produto de b. Os valores assim obtidos para os grupos da CNAE 2.0 foram ajustados de modo a assegurar a igualdade entre os valores estimados para 2007 e os valores divulgados para esse ano (quando da divulgação da PIA-2008), segundo a nova classificação. c. Os coeficientes que relacionaram os valores relativos aos grupos da CNAE 1.0 e da CNAE 2.0 em 2007 foram aplicados ao valor da produção dos grupos da CNAE 1.0 nos anos de 1996 a 2006 de modo obter os valores estimados dos grupos da CNAE 2.0 nesses anos. Como o IBGE divulga o resultado da PIA referente ao ano t com dois anos de defasagem, ou seja, em t+2, o valor da produção anual dos anos posteriores ao último ano divulgado foi obtido através de estimativas mensais do valor da produção. Cada mês foi calculado a partir da combinação das variações mensais do índice de produção física (PIM-PF/IBGE) e dos índices de preço ao produtor (IPP/IBGE) e índices de preço por atacado (IPA/FGV) obtidas pela comparação em relação às respectivas séries do ano anterior. Esse fator de correção mensal, então, foi aplicado ao valor da produção médio mensal do ano anterior, por divisões e grupos da CNAE. Para cada CNAE 2.0 a dois e três dígitos, foram identificados os índices de produção física 6 e de preços ao produtor 7 correspondentes. Essas tabelas estão disponibilizadas em anexo (Anexos 2 e 3). Portanto, o valor da produção do ano t, mês m e setor k da CNAE 2.0 é dado por: VP m / t VP t - 1 k k 12 ( PIM m / t k IPP m / t k PIM t - 1 k IPP t - 1 k ( 6 Foram utilizadas duas séries da PIM-PF, a saber, por seções e atividades industriais e por subsetores industriais, tabelas 2295 e 2291, respectivamente, ambas disponíveis no SIDRA. 7 Em razão do Índice de Preços ao Produto -IPP/IBGE divulgar apenas os setores da indústria de transformação, foi utilizado o Índice de Preço Amplo (IPA-OG) da FGV como proxy para os preços da indústrias extrativas. Porém, como a FGV não divulga o índice de preço do setor de Extração de petróleo e gás natural, apenas para esse setor foi utilizado o índice de preço de exportação calculado pela Funcex. 12

13 onde: VP m / t k = valor da produção estimado para o mês m, ano t, setor k; VP t - 1 k 12 PIM m / t k = valor médio da produção do setor k no ano t-1; = índice de produção física do setor k, no mês m no ano t; PIM t - 1 k = índice médio de produção física do setor k no ano t-1; IPP m / t k = índice de preço do setor k, no mês m no ano t; IPP t - 1 k = índice de preço médio do setor k no ano t-1; Valor anual das exportações e importações A Funcex elaborou um tradutor que relaciona cada NCM a oito dígitos a uma classe de atividade da CNAE a 5 dígitos, permitindo, a partir daí, a agregação a 2 e a 3 dígitos. Os valores mensais do fluxo de comércio, que são obtidos em dólares correntes, foram transformados em reais pela aplicação taxa de câmbio nominal média de cada mês - cotação de venda - disponibilizada pelo Banco Central do Brasil Valor anual para o cálculo dos insumos importados Os coeficientes de insumos importados foram obtidos a partir da estrutura de insumos retratada nas matrizes de insumo-produto (MIP/IBGE) calculadas para os anos de 2000 e Valores relativos aos anos 2000 e 2005 Para elaborar a estrutura dos insumos nesses anos foram utilizadas as tabelas 2, 3 e 4 da MIP/IBGE, onde foram obtidos, respectivamente, os valores da produção, os valores do consumo intermediário dos produtos nacionais e os valores de consumo intermediário dos produtos importados, todos obtidos em reais correntes. A classificação adotada pelas tabelas de recursos e usos da MIP é compatível com o Sistema de Contas Nacionais e é divulgada com desagregação de 110 produtos e 55 atividades. As atividades (colunas) foram agregadas segundo a compatibilização feita pela Funcex para a 13

14 CNAE 2.0 (disponibilizada no Anexo 4) e aplicada nas tabelas 3 e 4 da MIP. Os produtos N110 (linhas) não industriais das tabelas 3 e 4 foram descartados. A partir desses procedimentos, foram definidas três matrizes, utilizando a classificação da CNAE 2.0 (k colunas) x Produtos N110 (p linhas) em valores correntes, assim denominadas: N p,k = Matriz de Consumo Intermediário dos Produtos Nacionais - CIPN; M p,k = Matriz de Consumo Intermediário dos Produtos Importados - CIPI; I p,k = N p,k + M p,k = Matriz de Consumo Intermediário Total. Definiu-se também o vetor P, composto pelo Valor da Produção - VP de cada um dos k setores industriais da CNAE 2.0 (colunas). Em seguida, construiu-se a matriz A p,k - participação de cada insumo no valor da produção de cada um dos produtos - dividindo-se os elementos das colunas da Matriz I p,k pelo valor da produção correspondente do vetor P, isto é: p,k i p,k / P k Dada a classificação adotada pela matriz de Insumo produto - MIP, os valores foram calculados apenas a dois dígitos. Alguns desses setores foram agregados, em relação às séries do VP e dos fluxos de comércio (ver Anexo 4). Valores relativos aos demais anos O vetor P e as Matrizes M p,k e A p,k foram obtidas para os anos de 2000 a 2005 com base nos dados das MIP 2000 e MIP Para os demais anos a partir de 1996, o vetor P e as matrizes M p,k e I p,k foram obtidas por encadeamento, observando-se os procedimentos descritos a seguir. O valor da produção relativo aos demais anos foi estimado aplicando-se a variação anual do valor de produção obtido pela PIA/IBGE (ver item 3.3.1) aos valores registrados nos vetores P relativos a 2000 a Assim, entre 1997 e 2002, o valor da produção do ano t e setor k da CNAE 2.0 a dois dígitos foi dado por: 14

15 onde, = valor da produção doméstica estimada no ano t; = valor da produção doméstica em 2000 obtido a partir da MIP 2000 ; = valor da produção dado pela PIA/IBGE para os anos t e De forma análoga, a partir de 2003, o valor da produção do ano t e setor k da CNAE 2.0 a dois dígitos foi dado por: O encadeamento dos anos para as matrizes I p,k e M p,k foi feito a partir de duas hipóteses: Hipótese 1: a relação é igual à calculada para o ano 2000, assim como a relação é igual à calculada para o ano Hipótese 2: a estrutura de distribuição do destino do produto p importado não se altera ao longo do tempo (isto é, a elasticidade-preço entre o produto doméstico e o produto importado é a mesma em todos os setores). Neste caso, a taxa de crescimento das importações do produto p é igual à taxa de crescimento do valor do insumo p utilizado no setor k. Conhecido o VP para todo o período, a matriz I p,k, que representa o total dos insumos, foi estimada entre os anos de 1997 a 2002, sendo seus elementos determinados pela fórmula: onde, é a participação do insumo p no valor da produção de do produto k, que permanece constante de 1996 a 2002; e é o valor da produção de k estimado conforme indicado acima. A partir de 2003, a matriz I p,k foi calculada a partir da fórmula: 15

16 onde, é a participação do insumo p no valor da produção de do produto k, que permanece constante de 2003 a Os valores dos insumos importados, matriz M p,k, foram corrigidos utilizando como proxy a variação anual do valor de importação total brasileiro para cada produto N110 e o encadeamento foi feito da mesma forma que o VP. Para o levantamento do valor de importação segundo produto N110, a Funcex elaborou uma tabela de relação NCM-8 dígitos x Produto N110. Essa tabela foi feita a partir da nota metodológica nº 4 elaborada pelo IBGE 8, que divulga a relação do produto N110 com CNAE 1.0, e da tabela da Funcex que relaciona a NCM-8 dígitos com a CNAE 1.0 a cinco dígitos. Os valores de importação segundo produto N110 em dólares foram convertidos para real, pela cotação média anual do dólar. Conhecido o valor das importações para todo o período, a matriz M p,k, referente aos insumos importados, foi estimada entre os anos de 1997 a 2002, sendo seus elementos determinados pela fórmula: onde, : valores estimado do insumo importado p utilizado pelo setor k, no ano t; : valor do insumo p obtido utilizado pelo setor k a partir da MIP 2000 ; e e são os valores das importações do produto p nos anos 2000 e t, respectivamente. Para o período 2003 a 2011, a matriz M p,k foi determinada de maneira análoga. 8 Pode ser encontrada pelo atalho 16

17 3.3.4 Procedimento para a determinação dos valores trimestrais No caso do valor de produção - VP, a determinação de valores trimestrais é feita de duas formas distintas, dependendo da fonte utilizada. Quando se utilizam os dados anuais da PIA, primeiramente calculam-se os índices trimestrais de produção física da PIM-PF aplicando a média aritmética simples nos índices mensais e em seguida os valores anuais são decompostos a partir das variações trimestrais dos índices da PIM-PF, ou seja, os índices trimestrais do ano foram comparados com o respectivo índice anual. O VP é dado pela formula abaixo: onde, = valor da produção estimada para o setor k, no trimestre j do ano t; = valor da produção do setor k no ano t; ano t; = índice de produção física do setor k, calculado para o trimestre j do = índice de produção física do setor k calculado para o ano t; e, k = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. Quando são utilizados os dados estimados a partir da combinação de quantidade (PIM-PF) e preços (IPP ou IPA), o cálculo é automático, visto que as estimativas são feitas mensalmente. Da forma análoga são obtidos os valores de exportação e importação trimestrais. Os valores para os insumos importados trimestrais são obtidos utilizando variações trimestrais no lugar das variações anuais. Como os coeficientes trimestrais referem-se a valores acumulados em quatro trimestres, é necessário realizar um último passo no cálculo: efetua-se a soma dos valores da produção, das exportações e das importações dos quatro trimestres encerrados no trimestre de referência (por exemplo, o valor do terceiro trimestre de 2010 corresponde à soma dos valores do quarto trimestre de 2009 até o terceiro trimestre de 2010). 17

18 3.4 Variáveis utilizadas para o cálculo dos coeficientes a preços constantes Valor da produção anual Para o ano de 2007, são utilizados os dados da Pesquisa Industrial Anual Empresa PIA/ IBGE desse mesmo ano, medidos em reais correntes, conforme a classificação CNAE 2.0. Para os demais períodos, foi feita a correção dos valores da produção total e setorial com base nas variações da produção física da indústria e de cada setor. Tais variações são obtidas da Pesquisa Industrial Mensal PIM-PF, do IBGE, sendo aplicada a média aritmética para obter os índices anuais. Para cada CNAE 2.0, a dois e três dígitos, foram identificados os respectivos índices de produção física. 9 Essa tabela está disponibilizada no Anexo 2. Os dados de valor da produção a preços constantes de 2007 são obtidos pela aplicação, para os períodos anteriores e subsequentes, da variação da PIM-PF sobre o valor da produção da PIA em Os valores de produção a preços constantes de 2007 são dados por: onde, = valor da produção estimado do setor k no ano t; = índice de produção física do setor k no ano t; = índice de produção física do setor k em 2007; k = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos Valores anuais de exportações e importações São calculados índices de preços e de quantum anuais para cada um dos setores CNAE a 2 e 3 dígitos, com base na metodologia tradicional da Funcex e empregados nos valores de fluxo de comércio segundo CNAE 2.0 também obtidos na Funcex 9 Foram utilizadas duas séries da PIM-PF, a saber, por seções e atividades industriais e por subsetores industriais, tabelas 2295 e 2291, respectivamente, ambas disponíveis no Sistema IBGE de Recuperação Automática SIDRA 18

19 Para o cálculo dos coeficientes a preços constantes, são aplicadas aos valores de exportação/ importação de 2007 as variações anuais e trimestrais dos índices de quantum de exportações/importações, para os períodos antecedentes e subsequentes a O valor das exportações/importações a preços constantes de 2007 é dado por: onde, = valor das exportações/importações estimadas para setor k no ano t; = Índice de quantum das exportações/importações do setor k no ano t; = Índice de quantum das exportações/importações do setor k em 2007; e k = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos Valor anual para o calculo dos insumos importados Para a elaboração de valores dos insumos importados a preços constantes, ou seja, para converter os valores estimados para a matriz M p,k (item 3.3.3) para valores constantes é necessário o emprego de Índices de quantum de importação segundo a classificação de produto N110. Porém, esses índices não são elaborados e, portanto não foi possível converter os valores dos insumos a preços de correntes para preços constantes, conforme já antecipado na Introdução Procedimento para a determinação dos valores trimestrais Em primeiro lugar, calculam-se os índices trimestrais de produção física da PIM-PF e os índices de quantum das exportações e das importações, para a indústria total e para cada um dos setores e subsetores considerados, para todos os trimestres (a partir de 2007). Nessa etapa utiliza-se a média simples nos índices mensais da produção física e nos índices quantum mensais para a CNAE 2.0 a dois dígitos. Os índices de quantum a três dígitos já foram calculados na periodicidade trimestral. Em seguida, são obtidas as taxas de variação dos índices de cada trimestre em relação ao índice anual de 2007 da PIM-PF. Os valores da produção de cada trimestre são obtidos pela 19

20 aplicação destas taxas de variação ao valor da produção do ano de 2007, dividindo-se o resultado por quatro, para se chegar a um valor trimestral. O valor da produção trimestral a preços constantes de 2007 é dado por: onde, = valor da produção estimada para o setor k, no trimestre j no ano t; = valor médio trimestral da produção do setor k em 2007; = índice de produção física do setor k, no trimestre j do ano t; = índice de produção física do setor k em 2007; e, k = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. O mesmo procedimento é feito para se obter os valores trimestrais de exportação e de importação a preços constantes. Calcula-se a variação dos índices de quantum de exportação ou de importação de cada trimestre em relação aos índices de quantum de exportação e de importação do ano de Em seguida, aplicam-se estas variações ao valor das exportações ou das importações em 2007 e dividem-se os valores obtidos por quatro, para se obter os valores trimestrais. O valor das exportações/importações trimestrais a preços constantes de 2007 é dado por: onde, = valor das exportações/importações estimada para o setor k, no trimestre j do ano t; = valor médio das exportações/importações do setor k no ano de 2007; 20

21 = Índice de quantum do setor k, no trimestre j do ano t; = Índice de quantum do setor k em 2007;e, k = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. Como os coeficientes trimestrais referem-se a valores acumulados em quatro trimestres, é necessário realizar um último passo no cálculo destes coeficientes: efetua-se a soma dos valores da produção, das exportações e das importações dos quatro trimestres encerrados no trimestre de referência (por exemplo, o valor do terceiro trimestre de 2010 corresponde à soma dos valores do quarto trimestre de 2009 até o terceiro trimestre de 2010). 3.5 Comparação entre os valores da CNAE a dois e três dígitos Os procedimentos de estimação dos valores (produção, exportação ou importação), tanto no cálculo a preços constantes ou correntes, acarretam que a soma dos valores estimados pelas CNAE s a três dígitos não corresponda ao valor correspondente à respectiva CNAE a dois dígitos. A comparação entre os valores discrepantes resultou no cálculo de um fator de correção, permitindo que a igualdade fosse restabelecida. 21

22 4 Cálculo dos coeficientes 4.1 Objetivo dos coeficientes Avaliar a importância que as exportações têm no faturamento total do setor industrial e avaliar o grau em que o setor industrial utiliza bens importados como insumos em seu processo produtivo. 4.2 Coeficiente de exportação O coeficiente de exportação C X é calculado da seguinte forma: onde, = Coeficiente de exportação do setor k; = valor das exportações do setor k; = valor da produção do setor k; e, k = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. 4.3 Coeficiente de penetração de importações O coeficiente de penetração de importações C Pene é obtido da seguinte fórmula: onde, = coeficiente de penetração de importações no setor industrial k; = valor das importações do setor industrial k; 22

23 = valor das exportações do setor industrial k; = valor da produção do setor industrial k; = valor do consumo aparente setor industrial k; e, k = setor da CNAE 2.0 a dois e três dígitos. 4.4 Coeficiente de insumos importados O coeficiente de insumos importados C II é obtido da seguinte fórmula. onde, = coeficiente de insumos importados pelo setor industrial k; = valor dos insumos importados pelo setor industrial k; = valor da produção do setor industrial k; 4.5 Coeficiente de abertura líquida O coeficiente de abertura líquida C AL é obtido a partir da seguinte fórmula: onde, = Coeficiente de abertura líquida do setor industrial k; = Coeficiente de exportação do setor k; = coeficiente de insumo importado pelo setor industrial k; 23

24 5 Coeficientes a preços constantes e correntes Os coeficientes foram calculados a preços correntes do ano e a preços constantes de Isso significa que, para este ano, foram considerados os valores nominais efetivamente observados de exportações, importações e da produção industrial. Para os demais anos e trimestres, foi considerada apenas a variação real das exportações (quantum), das importações (quantum) e da produção industrial (produção física). Com isso, eliminou-se o efeito dos preços sobre a evolução dos coeficientes, seja dos preços de exportação e importação, seja dos preços da produção doméstica, seja ainda da taxa de câmbio. 24

25 6 Período Foram calculados coeficientes com periodicidade anual, a partir de 1996, e com periodicidade trimestral, a partir de Para evitar problemas de sazonalidade, optou-se por calcular os coeficientes de cada trimestre como sendo um acumulado dos quatro trimestres anteriores. Sendo assim, o coeficiente de exportação é calculado como a divisão entre a soma dos valores de exportação acumulados nos quatro trimestres até o trimestre de referência e a soma do valor da produção acumulado nos quatro trimestres até o trimestre de referência. Analogamente, o coeficiente de penetração de importações é calculado pela divisão entre a soma dos valores de importação acumulados nos quatro trimestres até o trimestre de referência e a soma do valor do consumo aparente acumulado nos quatro trimestres até o trimestre de referência. Na prática, isso significa que os coeficientes trimestrais, na verdade, dizem respeito a períodos de um ano encerrados no trimestre. Isso, além de eliminar o problema da sazonalidade, permite que os coeficientes de um determinado trimestre sejam diretamente comparáveis com os coeficientes observados em quaisquer trimestres anteriores, bem como com os dados anuais anteriores. Por exemplo, podemos comparar diretamente os coeficientes do terceiro trimestre de 2011 com os coeficientes observados no ano de 2010, o que nos permite analisar a evolução tendencial dos coeficientes. 25

26 7 Referências bibliográficas GUIMARÃES, E. A; PINHEIRO A. C.; FALCÃO C.; POURCHET H.; MARKWALD R.A. Índices de preços e quantum das exportações brasileiras, Texto para discussão, nº 121, Rio de Janeiro: FUNCEX, HAGUENAUER, L., MARKWALD, R. e POURCHET, H., Estimativas do Valor da Produção Industrial e Elaboração de Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria Brasileira ( ). Texto para Discussão no 131. Rio de Janeiro: FUNCEX, FONSECA, R.; CARVALHO, M. C. e POURCHET, H., A Orientação Externa da Indústria de Transformação Brasileira após a Liberalização Comercial. Texto para Discussão nº 135. Rio de Janeiro: FUNCEX, POURCHET, H.; e RIBEIRO, F., Participação das exportações e importações na economia brasileira: Novas estimativas para os coeficientes de orientação externa da indústria. Revista Brasileira de Comércio Exterior nº 81, FUNCEX, outubro-dezembro de 2004 POURCHET, H.; e RIBEIRO, F., Coeficientes de Comércio Exterior da Indústria Brasileira. Revista Brasileira de Comércio Exterior nº 83, FUNCEX, abril-junho de RIBEIRO, F, PUGA F., LIMA R. e POURCHET, H. Coeficientes de Comércio Exterior da Indústria Brasileira Revista Brasileira de Comércio Exterior nº 95, FUNCEX, abril-junho de

27 Anexos

28 Anexo A - Setores divulgados Tabela A1 Setores da CNAE 2.0 com calculo de coeficiente de comércio exterior CNAE 2.0 a dois e três dígitos Total da indústria Indústrias extrativas 5 Extração de carvão mineral 6 Extração de petróleo e gás natural 7 Extração de minerais metálicos 8 Extração de minerais não-metálicos Indústrias de transformação 10 Fabricação de produtos alimentícios 11 Fabricação de bebidas 12 Fabricação de produtos do fumo 13 Fabricação de produtos têxteis 14 Confecção de artigos do vestuário e acessórios 15 Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.2 Fabricação de artigos para viagem e de artefatos diversos de couro 15.3 Fabricação de calçados 16 Fabricação de produtos de madeira 17 Fabricação de celulose, papel e produtos de papel 17.1 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel 18 Impressão e reprodução de gravações 19 Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 19.2 Fabricação de produtos derivados do petróleo 19.3 Fabricação de biocombustíveis 20 Fabricação de produtos químicos 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 21 Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 21.2 Fabricação de produtos farmacêuticos 22 Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 22.1 Fabricação de produtos de borracha 22.2 Fabricação de produtos de material plástico 23 Fabricação de produtos de minerais não-metálicos 28

29 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Total da indústria 24 Metalurgia 25 Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos 26 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.1 Fabricação de componentes eletrônicos 26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos 26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação 26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio e vídeo 27 Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos 27.1 Fabricação de geradores, transformadores e motores elétricos 27.5 Fabricação de eletrodomésticos 28 Fabricação de máquinas e equipamentos 29 Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 29.4 Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores 30 Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 30.1 Construção de embarcações 30.4 Fabricação de aeronaves 31 Fabricação de móveis 32 Fabricação de produtos diversos 29

30 Anexo B - Correspondência CNAE 2.0 x PIM-PF/IBGE Tabela A2 CNAE 2.0 a dois e três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição Indústrias extrativas Seção Indústria extrativa 5 Extração de carvão mineral Subsetores Extração de carvão mineral 6 Extração de petróleo e gás natural Subsetores Extração de petróleo e gás natural 7 Extração de minerais metálicos Ver na nota 1 8 Extração de minerais não-metálicos Subsetores Extração de minerais não-metálicos Indústrias de transformação Seção Indústria de transformação 10 Fabricação de produtos alimentícios Seção Alimentos 11 Fabricação de bebidas Seção Bebidas 12 Fabricação de produtos do fumo Seção Fumo 13 Fabricação de produtos têxteis Seção Têxtil 14 Confecção de artigos do vestuário e acessórios Seção Vestuário e acessórios 15 Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos Seção Calçados e artigos de couro para viagem e calçados 15.1 Curtimento e outras preparações de couro Subsetores Preparação de couro e fabricação de artefatos, exclusive calçados 15.2 Fabricação de artigos para viagem e de artefatos diversos de couro Subsetores Preparação de couro e fabricação de artefatos, exclusive calçados 15.3 Fabricação de calçados Subsetores Calçados 15.4 Fabricação de partes para calçados, de qualquer material Subsetores Calçados 16 Fabricação de produtos de madeira Seção Madeira 17 Fabricação de celulose, papel e produtos de papel Seção Celulose, papel e produtos de papel 17.1 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel Subsetores Celulose e pasta para fabricação de papel 17.2 Fabricação de papel, cartolina e papel-cartão Subsetores Papel, papelão liso e cartolina, exclusive material de embalagem 17.3 Fabricação de embalagens de papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado Subsetores Material de embalagem de papel, papelão e cartão 17.4 Fabricação de produtos diversos de papel, cartolina, papel-cartão e Seção Celulose, papel e produtos de papel papelão ondulado 18 Impressão e reprodução de gravações Seção Indústria de transformação 19 Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de Seção Refino de petróleo e álcool biocombustíveis 19.1 Coquerias Seção Refino de petróleo e álcool 19.2 Fabricação de produtos derivados do petróleo Subsetores Refino de petróleo 19.3 Fabricação de biocombustíveis Subsetores Álcool 20 Fabricação de produtos químicos Ver na nota Fabricação de produtos químicos inorgânicos Subsetores 20.2 Fabricação de produtos químicos orgânicos Subsetores Petroquímicos básicos e intermediários para resinas e fibras 30

31 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Cod / Descrição Pesquisa Descrição PIM-PF 20.3 Fabricação de resinas e elastômeros Subsetores Resinas, elastômeros, fibras, fios, cabos e filamentos artificiais e sintéticos 20.4 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas Subsetores Resinas, elastômeros, fibras, fios, cabos e filamentos artificiais e sintéticos 20.5 Fabricação de defensivos agrícolas e desinfestantes domissanitários Subsetores Defensivos agrícolas e para uso domissanitário 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, Seção cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 20.7 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, lacas e produtos afins Subsetores Tintas, vernizes, esmaltes, lacas, solventes e produtos afins 20.9 Fabricação de produtos e preparados químicos diversos Subsetores Produtos e preparados químicos diversos 21 Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos Seção Farmacêutica 21.1 Fabricação de produtos farmoquímicos Seção Outros produtos químicos 21.2 Fabricação de produtos farmacêuticos Seção Farmacêutica 22 Fabricação de produtos de borracha e de material plástico Seção Borracha e plástico 22.1 Fabricação de produtos de borracha Ver na nota Fabricação de produtos de material plástico Ver na nota 2 23 Fabricação de produtos de minerais não-metálicos Seção Minerais não metálicos 24 Metalurgia Seção Metalurgia básica 25 Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos Seção Produtos de metal - exclusive máquinas e equipamentos 26 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos Ver na nota 1 e ópticos 26.1 Fabricação de componentes eletrônicos Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação Seção Material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações 26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e Subsetores Eletrodomésticos da "linha marrom" amplificação de áudio e vídeo 26.5 Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle; cronômetros e relógios Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.6 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de irradiação Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.7 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.8 Fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 27 Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos Seção Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 27.1 Fabricação de geradores, transformadores e motores elétricos Subsetores Equipamentos para produção, distribuição e controle de energia elétrica 27.2 Fabricação de pilhas, baterias e acumuladores elétricos Subsetores Condutores e outros materiais elétricos, exclusive para veículos 31

32 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Cod / Descrição Pesquisa Descrição PIM-PF 27.3 Fabricação de equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica Subsetores Equipamentos para produção, distribuição e controle de energia elétrica 27.4 Fabricação de lâmpadas e outros equipamentos de iluminação Subsetores Condutores e outros materiais elétricos, exclusive para veículos 27.5 Fabricação de eletrodomésticos Ver na nota Fabricação de equipamentos e aparelhos elétricos não Seção Máquinas, aparelhos e materiais elétricos especificados anteriormente 28 Fabricação de máquinas e equipamentos Seção Máquinas e equipamentos 29 Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias Seção Veículos automotores 29.1 Fabricação de automóveis, camionetas e utilitários Subsetores Automóveis, camionetas e utilitários, inclusíve motores 29.2 Fabricação de caminhões e ônibus Subsetores Caminhões e ônibus, inclusive motores 29.3 Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para veículos Subsetores Carrocerias e reboques automotores 29.4 Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores Subsetores Peças e acessórios para veículos automotores 29.5 Recondicionamento e recuperação de motores para veículos Seção Veículos automotores automotores 30 Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos Seção Outros equipamentos de transporte automotores 30.1 Construção de embarcações Subsetores Construção de embarcações, inclusive reparação 30.3 Fabricação de veículos ferroviários Subsetores Construção e montagem de vagões ferroviários, inclusive reparação 30.4 Fabricação de aeronaves Subsetores Construção e montagem de aeronaves, inclusive reparação 30.5 Fabricação de veículos militares de combate Subsetores Outros veículos e equipamentos de transporte 30.9 Fabricação de equipamentos de transporte não especificados anteriormente Subsetores Outros veículos e equipamentos de transporte 31 Fabricação de móveis Seção Mobiliário 32 Fabricação de produtos diversos Seção Diversos 7 Extração de minerais metálicos CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 7.1 Extração de minério de ferro Subsetores Extração de minérios ferrosos 7.2 Extração de minerais metálicos não-ferrosos Subsetores Extração de minerais metálicos nãoferrosos 32

33 20 Fabricação de produtos químicos CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 20.1 Fabricação de produtos químicos inorgânicos Subsetores Produtos químicos inorgânicos 20.1 Fabricação de produtos químicos inorgânicos Subsetores Adubos, fertilizantes e corretivos para o solo 20.2 Fabricação de produtos químicos orgânicos Subsetores Petroquímicos básicos e intermediários para resinas e fibras 20.3 Fabricação de resinas e elastômeros Subsetores Resinas, elastômeros, fibras, fios, cabos e filamentos artificiais e sintéticos 20.4 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas Subsetores Resinas, elastômeros, fibras, fios, cabos e filamentos artificiais e sintéticos 20.5 Fabricação de defensivos agrícolas e desinfestantes domissanitários Subsetores Defensivos agrícolas e para uso domissanitário 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal Subsetores Sabões, sabonetes, detergentes e produtos de limpeza 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal Subsetores Artefatos de perfumaria e cosméticos, exclusive sabonetes 20.7 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, lacas e produtos afins Subsetores Tintas, vernizes, esmaltes, lacas, solventes e produtos afins 20.9 Fabricação de produtos e preparados químicos diversos Subsetores Produtos e preparados químicos diversos 26 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 26.1 Fabricação de componentes eletrônicos Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática 26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação Seção Material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações 26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e Subsetores Eletrodomésticos da "linha marrom" amplificação de áudio e vídeo 26.5 Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle; cronômetros e relógios Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.6 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de irradiação Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.7 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos Seção Equipamentos de instrumentação médicohospitalar, ópticos e outros 26.8 Fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas Seção Máquinas para escritório e equipamentos de informática Nota: 1. Os índices de produção física das seguintes divisões da CNAE (dois dígitos) foram elaborados a partir da relação de índices da PIM-PF com as respectivos grupos da CNAE (três dígitos) e aplicação da média ponderada, onde os pesos anuais foram dados pela participação de cada grupo no total do valor da produção da divisão, obtido pela PIA/ Empresa. Em 2010 e 2011, foram mantidos os pesos de

34 CNAE 2.0 três dígitos 22.1 Fabricação de produtos de borracha Cod / Descrição Pesquisa Descrição PIM-PF 22.1 Fabricação de produtos de borracha Subsetores Fabricação e recondicionamento de pneumáticos, inclusive materiais para reparação 22.1 Fabricação de produtos de borracha Subsetores Artefatos diversos de borracha 22.2 Fabricação de produtos de material plástico CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 22.2 Fabricação de produtos de material plástico Subsetores Laminados de material plástico 22.2 Fabricação de produtos de material plástico Subsetores Embalagens de material plástico 22.2 Fabricação de produtos de material plástico Subsetores Artefatos diversos de material plástico 27.5 Fabricação de eletrodomésticos CNAE 2.0 três dígitos PIM-PF Cod / Descrição Pesquisa Descrição 27.5 Fabricação de eletrodomésticos Subsetores Eletrodomésticos da "linha branca", exclusive fornos de micro-ondas 27.5 Fabricação de eletrodomésticos Subsetores Outros eletrodomésticos, exclusive aparelhos das "linhas branca" e "marrom" Nota: 2. Os índices de produção física dos seguintes grupos da CNAE (três dígitos) foram elaborados a partir da relação de vários índices da PIM-PF e foram agregados pela aplicação de média simples. 34

35 Anexo C - Correspondência CNAE 2.0 x Preços da indústria, com indicação de fonte Tabela A3 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Cod / Descrição Fonte Descrição Índice de preço Indústrias extrativas IPA-OG FGV IPA- Origem - OG-DI - Produtos Industriais - Indústria Extrativa 5 Extração de carvão mineral IPA-OG FGV IPA- Origem - OG-DI - Produtos Industriais - Indústria Extrativa - Carvão Mineral 6 Extração de petróleo e gás natural FUNCEX CNAE Extração de pretróleo 7 Extração de minerais metálicos IPA-OG FGV IPA- Origem - OG-DI - Produtos Industriais - Indústria Extrativa - Minerais Metálicos 8 Extração de minerais não-metálicos IPA-OG FGV IPA- Origem - OG-DI - Produtos Industriais - Indústria Extrativa - Minerais não Metálicos Indústrias de transformação IPP-IBGE Indústria de transformação 10 Fabricação de produtos alimentícios IPP-IBGE Fabricação de produtos alimentícios 11 Fabricação de bebidas IPP-IBGE Fabricação de bebidas 12 Fabricação de produtos do fumo IPP-IBGE Fabricação de produtos do fumo 13 Fabricação de produtos têxteis IPP-IBGE Fabricação de produtos têxteis 14 Confecção de artigos do vestuário e acessórios IPP-IBGE Confecção de artigos do vestuário e acessórios 15 Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.1 Curtimento e outras preparações de couro IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.2 Fabricação de artigos para viagem e de artefatos diversos de couro IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.3 Fabricação de calçados IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 15.4 Fabricação de partes para calçados, de qualquer material IPP-IBGE Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 16 Fabricação de produtos de madeira IPP-IBGE Fabricação de produtos de madeira 17 Fabricação de celulose, papel e produtos de papel IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel 17.1 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel de papel 17.2 Fabricação de papel, cartolina e papel-cartão IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel 17.3 Fabricação de embalagens de papel, cartolina, papelcartão IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel e papelão ondulado 17.4 Fabricação de produtos diversos de papel, cartolina, IPP-IBGE Fabricação de celulose, papel e produtos de papel papel-cartão e papelão ondulado 18 Impressão e reprodução de gravações IPP-IBGE Impressão e reprodução de gravações 19 Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis IPP-IBGE Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 19.1 Coquerias IPP-IBGE Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 35

36 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Cod / Descrição Fonte Descrição Índice de preço 19.2 Fabricação de produtos derivados do petróleo IPP-IBGE Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 19.3 Fabricação de biocombustíveis IPP-IBGE Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis 20 Fabricação de produtos químicos IPP-IBGE Obtido pela soma ponderada dos itens 201 e Fabricação de produtos químicos inorgânicos IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.2 Fabricação de produtos químicos orgânicos IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.3 Fabricação de resinas e elastômeros IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.4 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.5 Fabricação de defensivos agrícolas e desinfestantes domissanitários IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 20.7 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, lacas e produtos afins IPP-IBGE IPP-IBGE Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal Fabricação de outros produtos químicos 20.9 Fabricação de produtos e preparados químicos diversos IPP-IBGE Fabricação de outros produtos químicos 21 Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos IPP-IBGE Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 21.1 Fabricação de produtos farmoquímicos IPP-IBGE Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 21.2 Fabricação de produtos farmacêuticos IPP-IBGE Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 22 Fabricação de produtos de borracha e de material plástico IPP-IBGE Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 22.1 Fabricação de produtos de borracha IPP-IBGE Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 22.2 Fabricação de produtos de material plástico IPP-IBGE Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 23 Fabricação de produtos de minerais não-metálicos IPP-IBGE Fabricação de produtos de minerais não-metálicos 24 Metalurgia IPP-IBGE Metalurgia 25 Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos IPP-IBGE Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos 26 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.1 Fabricação de componentes eletrônicos IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio e vídeo IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.5 Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle; cronômetros e relógios IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.6 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de irradiação IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 26.7 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 36

37 CNAE 2.0 a dois e três dígitos Cod / Descrição Fonte Descrição Índice de preço 26.8 Fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas IPP-IBGE Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 27 Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos IPP-IBGE Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos 27.1 Fabricação de geradores, transformadores e motores IPP-IBGE Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos elétricos 27.2 Fabricação de pilhas, baterias e acumuladores elétricos IPP-IBGE Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos 27.3 Fabricação de equipamentos para distribuição e controle IPP-IBGE Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos de energia elétrica 27.4 Fabricação de lâmpadas e outros equipamentos de IPP-IBGE Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos iluminação 27.5 Fabricação de eletrodomésticos IPP-IBGE Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos 27.9 Fabricação de equipamentos e aparelhos elétricos não IPP-IBGE Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos especificados anteriormente 28 Fabricação de máquinas e equipamentos IPP-IBGE Fabricação de máquinas e equipamentos 29 Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias IPP-IBGE Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 29.1 Fabricação de automóveis, camionetas e utilitários IPP-IBGE Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 29.2 Fabricação de caminhões e ônibus IPP-IBGE Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 29.3 Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para veículos automotores IPP-IBGE Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 29.4 Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores IPP-IBGE Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 29.5 Recondicionamento e recuperação de motores para veículos automotores IPP-IBGE Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 30 Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores IPP-IBGE Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 30.1 Construção de embarcações IPP-IBGE Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 30.3 Fabricação de veículos ferroviários IPP-IBGE Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 30.4 Fabricação de aeronaves IPP-IBGE Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 30.5 Fabricação de veículos militares de combate IPP-IBGE Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 30.9 Fabricação de equipamentos de transporte não especificados anteriormente IPP-IBGE Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 31 Fabricação de móveis IPP-IBGE Fabricação de móveis 32 Fabricação de produtos diversos IPP-IBGE Indústria de transformação Notas 1. O índice de preço da divisão da CNAE (dois dígitos) 2.0 Fabricação de produtos químicos foi elaborado a partir da relação dos IPPs Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal e Fabricação de outros produtos químicos. Cada IPP foi relacionado com um grupo ou agregados de grupos da CNAE (três dígitos) e aplicação da média ponderada, onde os pesos anuais foram dados pela participação de cada grupo no total do valor da produção da divisão, obtido pela PIA/Empresa. Em 2010 e 2011, foram mantidos os pesos de Em razão do Índice de Preços ao Produtor (IPP) do IBGE divulgar apenas os setores da indústria de transformação, foi utilizado o Índice de Preço Amplo (IPA-OG) da FGV como proxy para os preços da indústrias extrativas, porém como a FGV não divulga o índice para o setor Extração de petróleo e gás natural, apenas para esse setor foi utilizado o índice de preço de exportação calculado pela Funcex. 37

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 4.0 Brasília-DF Julho/2016 METODOLOGIA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 4,2 0,0 3,8-3,8-3,4 12,2-19,1 1,3-1,6 0,7-1,3 1,4-0,5 Abate de reses, exceto suínos 10,8 12,7 7,0-4,0 1,0 27,7-10,5 10,2 6,6 10,1 7,2 8,7 6,3 Abate de suínos, aves

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 1 Número 2 outubro/dezembro de 2011 www.cni.org.br Indústria brasileira continua perdendo com a valorização cambial

Leia mais

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 2 Número 4 outubro/dezembro de 2012 www.cni.org.br Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Leia mais

Nova Metodologia do PIB. DEPECON 28/Março/2007

Nova Metodologia do PIB. DEPECON 28/Março/2007 Nova Metodologia do PIB DEPECON 28/Março/2007 1 1 Sumário 1. Modificações Metodológicas 2. Mudanças na Estrutura de Oferta e demanda 3. Novas Taxas de Crescimento 4. Setores da Indústria 2 2 Mudança na

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI DE ABERTURA COMERCIAL Com recuperação da demanda doméstica, o desafio é elevar a competitividade da indústria brasileira A reversão da tendência de depreciação do real e o início da recuperação

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Fevereiro de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Fevereiro de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de ereiro de 2017 Data: 04/04/2017 Resumo ereiro/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos ereiro 2017/eiro

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de o de 2017 Data: 04/07/2017 Resumo o/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos o 2017/il 2017* o 2017/o 2016

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados de 2011 Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior -

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Maio/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Maio/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Maio/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

ano XIX n 3 Março de 2015

ano XIX n 3 Março de 2015 ano XIX n 3 EM FOCO O Índice de preços das exportações totais apresentou acentuada queda de 17,6% em fevereiro, na comparação com fevereiro de 2014, em função das variações negativas registradas em todas

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 3º Trimestre/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Janeiro/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Janeiro/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Janeiro/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 2º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 2º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 2º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Abertura Comercial

Coeficientes de Abertura Comercial Coeficientes de Abertura Comercial 4º trimestre de 2012 PEC Gerência-Executiva de Política Econômica GPC Gerência-Executiva de Pesquisa e Competitividade Brasília, 04 de março de 2013 Coeficientes de Abertura

Leia mais

ICEI - ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO INDUSTRIAL METODOLOGIA. Versão 2.0

ICEI - ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO INDUSTRIAL METODOLOGIA. Versão 2.0 ICEI - ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO INDUSTRIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 3.3 Brasília-DF Janeiro/2015 METODOLOGIA ICEI - ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO INDUSTRIAL Versão

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 3º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 2º Trimestre/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 2º Trimestre/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 2º Trimestre/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Fevereiro/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Fevereiro/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Fevereiro/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Maio/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Maio/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Maio/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Outubro/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Julho/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Julho/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Julho/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 1º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 1º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 1º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 4º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 4º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 4º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2012

Resultados do 1º trimestre de 2012 Resultados do 1º trimestre de 2012 São Paulo, 14 de maio de 2012 Contextualização Após a forte contração de 1,6% da produção industrial no último trimestre de 2011 frente ao período imediatamente anterior

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Agosto/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Agosto/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Julho de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 1º Trimestre/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 1º Trimestre/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 1º Trimestre/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Amazonas é destaque positivo de produção industrial pela segunda vez em 2017

Amazonas é destaque positivo de produção industrial pela segunda vez em 2017 Amazonas é destaque positivo de produção industrial pela segunda vez em 2017 Em de 2017, a Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) separado por regiões indicou que dos 14 estados pesquisados,

Leia mais

ano XIX n 2, Fevereiro de 2015

ano XIX n 2, Fevereiro de 2015 ano XIX n 2, EM FOCO O Índice de preços de exportação apresentou redução acentuada de 16,8% no mês de janeiro de 2015 comparado ao mesmo mês do ano anterior (Tabela 1). O declínio nos preços das exportações

Leia mais

ano XVII, n 10, outubro de 2013

ano XVII, n 10, outubro de 2013 ano XVII, n 10, outubro de 2013 EM FOCO O índice de preços das exportações registrou alta de 2,3% em setembro na comparação com o mês de agosto. A elevação dos preços mostra-se discreta, mas generalizada,

Leia mais

ano II, n 15, junho de 2012

ano II, n 15, junho de 2012 ,, junho de 2012 BALANÇO DE PAGAMENTOS O balanço de pagamentos brasileiro registrou superávit de US$ 1,1 bilhão em maio, com o saldo positivo da conta capital e financeira de US$ 4,1 bilhões compensando

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Janeiro de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Janeiro de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Janeiro de 2017 Data: 14/03/2017 RESUMO (Janeiro/2017) Variação (%) Locais Acumulado nos Janeiro 2017/Dezembro 2016* Janeiro

Leia mais

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12 Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de 2013 Luiz Dias Bahia Nº 12 Brasília, julho de 2013 ASPECTOS DO COMPORTAMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE

Leia mais

Fique atento ao Bloco K

Fique atento ao Bloco K Fique atento ao Bloco K Em 2016 foi publicado o Ajuste Sinief 25/2016, o qual definiu um cronograma de obrigatoriedade de entrega do Bloco K conforme tabela abaixo e depois desse Ajuste Sinief não foram

Leia mais

Resultados do 2º trimestre de 2012

Resultados do 2º trimestre de 2012 4º T 2007 1º T 2008 2º T 2008 3º T 2008 4º T 2008 1º T 2009 2º T 2009 3º T 2009 4º T 2009 1º T 2010 2º T 2010 3º T 2010 4º T 2010 1º T 2011 2º T 2011 3º T 2011 4º T 2011 1º T 2012 2º T 2012 4º Tri/2007=100

Leia mais

A INDÚSTRIA DE EMBALAGEM EM 2017

A INDÚSTRIA DE EMBALAGEM EM 2017 Ao reproduzir este conteúdo, citar a fonte: Estudo Macroeconômico da Embalagem ABRE/FGV: desempenho da indústria de embalagem em 2017 e perspectivas para 2018. Paulo Picchetti Economista FGV IBRE A INDÚSTRIA

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Março/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jan19/Dez18 (%) dessaz. Jan19/Jan18 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até Janeiro

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Janeiro/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Nov18/Out18 (%) dessaz. Nov18/Nov17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Novembro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Set18/Ago18 (%) dessaz. Set18/Set17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Resultados do 3º trimestre de 2012

Resultados do 3º trimestre de 2012 4º T 07 1º T 08 2º T 08 3º T 08 4º T 08 1º T 09 2º T 09 3º T 09 4º T 09 1º T 10 2º T 10 3º T 10 4º T 10 1º T 11 2º T 11 3º T 11 4º T 11 1º T 12 2º T 12 3º T 12 São Paulo, 12 de novembro de 2012 Resultados

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Setembro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jul18/Jun18 (%) dessaz. Jul18/Jul17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Julho/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Mai18/Abr18 (%) dessaz. Mai18/Mai17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até maio

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez18/Nov18 (%) dessaz. Dez18/Dez17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Abril/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Fev19/Jan19 (%) dessaz. Fev19/Fev18 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até Fevereiro

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI NOVA METODOLOGIA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Reação das quantidades exportadas ao real depreciado se intensifica Os coeficientes de abertura comercial mostram reação significativa

Leia mais

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013.

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Informativo trimestral 4º trimestre de 2013 Para mais informações www.fiesp.com.br São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Coeficiente

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Agosto/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jun18/Mai18 (%) dessaz. Jun18/Jun17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até junho

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Outubro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Ago18/Jul18 (%) dessaz. Ago18/Ago17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Pressão Inflacionária. DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005

Pressão Inflacionária. DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005 1 Pressão Inflacionária DEPECON / FIESP Fevereiro de 2005 PIB Potencial e Hiato do Produto 2 Conceitos: PIB Potencial: é a quantidade máxima de bens e serviços que uma economia é capaz de produzir considerando

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr18/Mar18 (%) dessaz. Abr18/Abr17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Novembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Set16/Ago16 (%) dessaz. Set16/Set15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Vale do Aço. Fevereiro/2016

Vale do Aço. Fevereiro/2016 Fevereiro/2016 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Julho/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Mai16/Abr16 (%) dessaz. Mai16/Mai15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até maio

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Setembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jul16/Jun16 (%) dessaz. Jul16/Jul15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez16/Nov16 (%) dessaz. Dez16/Dez15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Março/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jan18/Dez17 (%) dessaz. Jan18/Jan17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até janeiro

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out17/Set17 (%) dessaz. Out17/Out16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

ano XIX n 1, Janeiro de 2015

ano XIX n 1, Janeiro de 2015 ano XIX n 1, EM FOCO Em dezembro de 2014, o Índice de preços das exportações totais apresentou expressiva queda (-12,2%), na comparação com o mesmo mês de 2013, em virtude de variações negativas significativas

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Setembro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jul17/Jun17 (%) dessaz. Jul17/Jul16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr17/Mar17 (%) dessaz. Abr17/Abr16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Julho de 2017

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Julho de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Julho de 2017 Resumo - Julho/2017 Variação (%) Locais Acumulado nos Julho 2017/Junho 2017* Julho 2017/Julho 2016 Acumulado

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Agosto de 2017

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Agosto de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Agosto de 2017 Resumo - Agosto/2017 Variação (%) Locais Acumulado nos Agosto 2017/Julho 2017* Agosto 2017/Agosto 2016 Acumulado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2011 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/10 Part(%) jan/11 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.127 27,7% 3.328 21,9% 6,4% 201

Leia mais

ano XVII, n 7, julho de 2013

ano XVII, n 7, julho de 2013 ano XVII, n 7, julho de 2013 EM FOCO O índice de preços das exportações teve redução de 2,4% em junho frente a maio, resultado das quedas observadas em todas as classes de produtos: básicos (-2,9%), manufaturados

Leia mais

Ano VII, n 77, setembro de 2017

Ano VII, n 77, setembro de 2017 ,, setembro de 2017 EM FOCO No acumulado do ano até agosto, o índice de rentabilidade das exportações brasileiras registrou decréscimo de 2,1% na comparação com igual período do ano anterior. O desempenho

Leia mais

ano XV, n 10, outubro de 2011

ano XV, n 10, outubro de 2011 ,, EM FOCO Em setembro, o aumento das exportações baseou-se novamente na variação positiva dos preços, que tiveram alta de 21,2% em relação a setembro de 2010, acumulando no ano variação de 26,2%. O quantum

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Mercado externo fica mais importante para a indústria O mercado externo torna-se mais importante para a indústria brasileira, sobretudo para os setores

Leia mais

O DESEMPENHO da INDÚSTRIA QUÍMICA BRASILEIRA em

O DESEMPENHO da INDÚSTRIA QUÍMICA BRASILEIRA em O DESEMPENHO da INDÚSTRIA QUÍMICA BRASILEIRA em 2016 02 Índice O Desempenho da Indústria Química Brasileira em 2016 Âmbito da Indústria Química Brasileira A Indústria Química Brasileira Faturamento Líquido

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

ano XV, n 9, setembro de 2011

ano XV, n 9, setembro de 2011 ,, EM FOCO O crescimento das exportações no mês de agosto foi, mais uma vez, determinado pelos ganhos de preços, com variação de 24,2%. O quantum teve aumento de 9,4% no período. O crescimento do quantum

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações A queda das exportações para a Argentina (43%) foi determinante para esse

Leia mais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Destaques do Emprego Consolidado Ano Variação mensal Variação Variação interanual (Abr-17/Mar-17) acumulada

Leia mais

Estabelecimentos na indústria química - Brasil, AM

Estabelecimentos na indústria química - Brasil, AM CNAE 2.0 Estabelecimentos na indústria química - Brasil, 2015 11 - RO 12 - AC 13 - AM 14 - RR 15 - PA 16 - AP 17 - TO 21 - MA 22 - PI Açúcar Bruto e Refinado 0 1 0 0 0 0 1 2 2 Álcool e Biocombustíveis

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL #8 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE Regional Centro-Oeste Divinópolis INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS D A RE GIÃO LESTE FIEMG INDEX.

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2012 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/11 Part(%) jan/12 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.328 21,9% 3.672 22,7% 10,3% 344

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO A decisão do Banco Central em interromper a redução da taxa de juros básica em janeiro funcionou como balde de água-fria na expectativa dos

Leia mais

O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA QUÍMICA EM 2017

O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA QUÍMICA EM 2017 O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA QUÍMICA EM 2017 1 ÍNDICE 05 06 06 07 07 08 08 09 09 09 10 10 11 11 12 12 13 13 14 14 14 15 15 16 16 17 17 Âmbito da Indústria Química Brasileira A Indústria Química Brasileira

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 3.0 Brasília-DF Setembro/2014 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão

Leia mais

B Indústrias extrativas Fabricação de produtos alimentícios

B Indústrias extrativas Fabricação de produtos alimentícios Tabela A.3.4.4. Número de doutores titulados no Brasil no período 1996-2006, empregados em 2008, por seção e divisão da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) dos estabelecimentos empregadores

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA QUÍMICA BRASILEIRA EM 2018

O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA QUÍMICA BRASILEIRA EM 2018 1 O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA QUÍMICA BRASILEIRA EM 2018 ÍNDICE 05 Âmbito da Indústria Química Brasileira 06 A Indústria Química Brasileira 06 Faturamento Líquido da Indústria Química Brasileira por Segmento

Leia mais

ano IV, n 34, Fevereiro de 2014

ano IV, n 34, Fevereiro de 2014 ,, Fevereiro de 2014 EM FOCO O índice de Rentabilidade das Exportações registrou alta de 6,8% em janeiro de 2014 na comparação com janeiro de 2013 (Tabela 1). O aumento do índice resultou da significativa

Leia mais

www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/industria/pimes/notas_metodologicas.shtm Notas Metodológicas A partir de dezembro de 2001, o IBGE passou a divulgar indicadores sobre o mercado de trabalho

Leia mais

Comércio Internacional: Impactos no Emprego. Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1

Comércio Internacional: Impactos no Emprego. Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1 Comércio Internacional: Impactos no Emprego Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1 Ganhos do Comércio Internacional: Fonte geradora de empregos no Brasil. 1. Possibilita aumento da produção nacional,

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

ano V, n 49 Maio de 2015

ano V, n 49 Maio de 2015 ano V, n 49 Maio de 2015 SÍNTESE ABRIL DE 2015 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Abril 15.156 14.665 491 Variação em relação a abril de 2014-23,2% 23,7% -15 Acumulado no ano 57.932 62.997-5.066

Leia mais

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #2 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Fev.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL exportações líquidas da indústria de transformação cai para -1% O coeficiente de exportação da indústria geral se mantém estável em 20. Já os coeficientes de penetração

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS

BALANÇO DE PAGAMENTOS ,, janeiro de 2012 BALANÇO DE PAGAMENTOS O balanço de pagamentos brasileiro registrou superávit de R$ 794 milhões em dezembro, com saldo positivo da conta capital e financeira de R$ 6,8 bilhões, compensando

Leia mais