ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO DE MADEIRA DE EUCALIPTO EM MUNICÍPIOS DO SUL DO ESPÍRITO SANTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO DE MADEIRA DE EUCALIPTO EM MUNICÍPIOS DO SUL DO ESPÍRITO SANTO"

Transcrição

1 ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO DE MADEIRA DE EUCALIPTO EM MUNICÍPIOS DO SUL DO ESPÍRITO SANTO Lélio Caiado Abreu França, Wendel Sandro de Paula Andrade, Magda Aparecida Nogueira, Clóvis Eduardo Nunes Hegedus Universidade Federal do Espírito Santo UFES / Departamento de Ciências Florestais e da Madeira - DCFM, Av. Governador Lindemberg, 316, Jerônimo Monteiro, ES, CEP: Resumo- No Estado do Espírito Santo, a madeira do gênero Eucalyptus tem sido designada em grande parte à produção de celulose e papel, mesmo sendo reconhecido o seu potencial para diversas outras aplicações industriais que possibilitam agregar valor e gerar renda em nível regional. Em razão dessa constatação a presente pesquisa levantou, por meio de pesquisas locais junto a órgãos públicos, como prefeituras e entidades de classe, secretarias e sindicatos, as atividades de beneficiamento e processamento de madeira nos municípios de Apiacá, Atílio Vivácqua, Cachoeiro de Itapemirim, Mimoso do Sul e Muqui. Buscou-se ainda, caracterizar as atividades de beneficiamento e processamento de madeira dos municípios supracitados, quanto ao tipo de produto final oriundo das atividades de beneficiamento e processamento de madeira. Foram identificadas dez empresas que se enquadraram no perfil desejado distribuído entre os municípios pesquisados. De acordo com as entrevistas aplicadas às empresas concluise que nos municípios em questão há uma grande demanda de madeira, porém, precisam de maior investimento em capacitação técnica e incentivo de politicas públicas para o desenvolvimento do setor. Palavras-chave: Eucalyptus, Demanda de madeira, Processamento de madeira, Beneficiamento de madeira. Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Introdução A importância do setor florestal para a sociedade brasileira em termos econômicos, sociais e ambientais pode ser mensurada pela avaliação de seus principais indicadores: a área de florestas plantadas, o valor bruto da produção, a geração de impostos, o valor das exportações e os empregos gerados pelo setor. Como atividade industrial é apontada como a grande geradora de emprego e renda na economia contemporânea. Com a tendência de industrialização que o governo brasileiro segue desde a década de 1930, promoveu-se o desenvolvimento de um parque industrial capaz de atender à demanda interna, e de exportar produtos de qualidade e com alto valor agregado (GREMAUD; VASCONCELOS; TONETO JÚNIOR, 2002). Em se tratando da indústria de beneficiamento de produtos de origem florestal, esta possui relevante papel ao transformar uma matéria-prima de baixo valor em manufaturas. De acordo com Novaes (2001) a matéria-prima é onerada pelos custos de transporte, ao passo que a industrialização permite sua transformação em produtos capazes de integrar outras cadeias produtivas, como o carvão, a celulose e o papel, ou mesmo de se constituírem em produtos finais, como os móveis e madeira serrada, para atender às mais diversas finalidades. Segundo a Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas ABRAF (2012), o Espírito Santo possui ha de plantios do gênero Eucalyptus, sendo que mais de 70% é consumido pela indústria de papel e celulose, contudo, houve uma redução do crescimento da área plantada de 3,6% no Estado entre 2010 e Nos últimos anos a utilização de eucalipto pela indústria madeireira tem crescido, sendo responsável por mais de 20% do consumo de madeira em tora, de floresta plantada, destinada ao uso industrial (ABRAF, 2012). Essa pesquisa teve como objetivo levantar, por meio de pesquisas locais, as atividades de beneficiamento e processamento de madeira na Microrregião Centro Sul do Estado do Espírito Santo, e ainda, diagnosticar a demanda de eucalipto na Região para possibilitar o refinamento das políticas públicas voltadas ao melhor desenvolvimento regional. 1

2 Metodologia O estudo contempla a Microrregião Centro Sul no Estado do Espírito Santo, composta por cinco municípios, a saber: Apiacá, Atílio Vivácqua, Cachoeiro de Itapemirim, Mimoso do Sul e Muqui. Para efetuar a coleta de dados da primeira fase da pesquisa, onde se tinha o intuito de identificar os locais que processam a madeira do gênero Eucalyptus nos municípios supracitados, foi desenvolvido um formulário contendo questões básicas para obter a localização das empresas que beneficiam a madeira de eucalipto e para obter conhecimento dos produtos fabricados. A segunda fase da pesquisa teve como objetivo entrevistar os responsáveis pelas empresas identificadas na primeira fase. Para isso, foi confeccionado um roteiro de entrevista com base nos dados coletados com o formulário. A partir da entrevista aplicada, foi possível obter informações quantitativas e qualitativas acerca de suas demandas de madeira de eucalipto como matéria prima. Durante a pesquisa foram entrevistadas dez empresas que beneficiam e processam madeira de eucalipto e para preservar a identidade das empresas, estas foram identificadas por letras: A, B, C, D, E, F, G, H, I e J. Resultados A caracterização das atividades de beneficiamento de madeira foi feita quanto à quantidade de madeira demandada em volume de madeira (m³/mês), quanto à especificidade da matéria prima e quanto ao tipo de produto final. Foram classificadas todas as empresas de processamento e beneficiamento de madeiras entrevistadas, incluindo serrarias de diferentes portes, marcenarias, fábricas de móveis, fábricas de embalagens de madeira e outros. A quantidade de madeira demandada foi estimada por meio dos dados obtidos nas entrevistas. A classificação do porte das empresas de processamento e beneficiamento de madeira foi feita de acordo com o modelo proposto pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo IDAF, que considera o porte das empresas com base no Volume Mensal de Madeira Processada VMMP (m³/mês), sendo classificadas da seguinte forma: Pequena: 150 < VMMP 250, Média: 250 < VMMP e Grande: VMMP > (IDAF, 2008). Quanto à quantidade de madeira demandada, os resultados obtidos estão sintetizados na Figura 1. Figura 1 Relação entre madeira de eucalipto comprada e processada. A classificação de acordo com o porte das empresas pode ser observada na Figura 2. Figura 2 Classificação de acordo com o porte das empresas. Pode-se observar que metade das empresas é de porte pequeno e que os 20% de empresas de porte grande são responsáveis pela maior parte da demanda de madeira de eucalipto, sendo que estas estão concentradas no município de Cachoeiro de Itapemirim. Grande parte dessa demanda se justifica pelo potencial exportador da indústria de rochas ornamentais do município, que utilizam paletes, cavaletes e caixas de madeira de eucalipto para exportação de seus produtos. Apiacá No município de Apiacá foram identificadas duas empresas formais que trabalham com madeira de eucalipto, aqui denominadas A e B. A primeira trata-se de uma pequena marcenaria que utiliza madeira de eucalipto para fabricação de pequenos móveis por encomenda e a segunda é uma empresa de maior porte que fabrica mesas de bilhar e utilizam madeira de eucalipto para compor uma parte de seus produtos. 2

3 A Empresa A atua no ramo de fabricação de móveis de madeira, sendo que a origem da madeira de eucalipto que é utilizada no processo de produção vem de revendedoras da grande Vitória na forma de madeira serrada (réguas, pranchas). Apenas a menor parte da madeira consumida pela empresa, é de eucalipto. As demais matérias primas são painéis de madeira, como MDF e compensados, além de madeiras nativas. Os produtos derivados da madeira de eucalipto fabricados pela empresa são pequenos móveis como: estofamentos, mesas, cadeiras, entre outros. A Empresa B fabrica mesas de bilhar, utilizando madeira de eucalipto na parte interna das mesas. Nesta empresa o volume de madeira comprada é muito variável, sendo considerada uma média de 50 m³/mês. Toda madeira de eucalipto utilizada para beneficiamento de produtos, são provenientes da região da capital, o que confirma a demanda, não correspondida pela oferta da cidade, uma vez que não há serrarias. Atílio Vivácqua Em Atílio Vivácqua foi identificada e entrevistada apenas uma empresa de processamento e beneficiamento de madeira (Empresa C) que trabalha com produtos para fabricação de vassouras em geral, tábuas, caibros, ripas, escoramentos e serragens de madeiras. A Empresa C utiliza toras de pequenos diâmetros e desdobra em serraria equipada com serra de fita e carro porta tora. A empresa possui afiação própria com travamento e também realiza a secagem das tábuas ao ar visando à produção de peças para fábricas de vassouras. A madeira comprada tem origem de plantio de terceiros, localizados na região de Fruteiras, distrito de Vargem Alta - ES. Segundo o proprietário são adquiridos 20 estéreos por semana ou dois caminhões, o que é equivalente a 70m³/mês, ou 840m³/ano, sendo que cerca de 3/4 da madeira consumida pela empresa, vem em forma de toras ou toretes e 1/4 em madeira serrada. Cachoeiro de Itapemirim Em Cachoeiro de Itapemirim foram identificadas diversas empresas que atuam no ramo madeireiro e trabalham com madeira, a exemplo das empresas de revenda de madeira serrada que fornecem matéria prima para os diversos setores da indústria como o da construção civil e indústria de móveis. O perfil geral das serrarias mostrou que o consumo da madeira de eucalipto vem sendo suprido cada vez mais por árvores jovens, ou seja, a madeira é produzida em ciclos curtos e o corte acontece cada vez mais cedo, provendo toras de diâmetros pequenos, que por sua vez proporcionam cortes sem maior valor agregado para madeira. De modo geral, a origem da madeira de eucalipto utilizada nos processos de produção do município é da região de Vargem Alta, onde se concentram os maiores plantios de eucalipto. As empresas entrevistadas atuam, principalmente, na fabricação de cavaletes e caixas em geral. A Empresa D possui demanda mensal de 435 m³ e aproximadamente m 3 /ano produzindo mil peças por mês. A Empresa E tem um porte um pouco inferior à empresa D, com demanda de 348m³/mês. Seu perfil é bastante similar, processando madeira de mesmas origens e produzindo mesmos tipos de produtos. A Empresa F tem demanda de 80m³/mês e trabalha exclusivamente com madeira de eucalipto pré-cortada para paletes, ou seja, praticamente não há processamento da madeira, uma vez que basta efetuar a montagem nos paletes com grampos e pregos acionados por pressão. A Empresa G é uma serraria que serra exclusivamente madeira de eucalipto visando à produção de paletes e cavaletes que atendem a demanda das empresas de mármore e granito no transporte de suas mercadorias como chapas e ladrilhos para exportação. O volume mensal de madeira serrada é de mais de m³/mês, sendo esta a empresa de maior porte do município. A Empresa H trata-se de uma usina de tratamento químico em madeira de eucalipto, com volume mensal de madeira tratada de 500 m³, que utiliza o processo de impregnação por pressão com autoclave, sendo esta uma importante atividade industrial. Os principais produtos da empresa são estacas, mourões, postes e esteios de eucalipto tratado. Como matéria prima a empresa tem preferência pelas espécies de E. citriodora e E. cloeziana, por serem mais adequadas e resistentes, mas também utilizam o híbrido de E. grandis x E. urophylla. Mimoso do Sul No munícipio de Mimoso do Sul praticamente não há demanda por madeira de eucalipto, pois não conta com nenhuma serraria de desdobro, porém foram encontradas e entrevistadas as duas empresas que trabalham com madeiras no município. A primeira atua basicamente apenas no comércio de madeira serrada para construção civil trabalhando com 3

4 madeira de origem nativa, do norte do País, e a segunda conta com uma antiga serra de quadro (serra pica pau) desativada. Alguns engenhos de serraria da região extinguiram-se com a escassez de madeira de grande porte nativas da região de mata atlântica. Muqui No município de Muqui foram identificadas e entrevistadas duas empresas. A Empresa I é uma serraria que desdobra eucalipto, possui plantio próprio e também conta com madeira de terceiros. Trabalha, principalmente, com produtos sólidos, estruturas de telhados para construção civil, atendendo tanto municípios vizinhos, como Alegre, Jerônimo Monteiro e Cachoeiro de Itapemirim quanto o próprio município, em menor parte. As espécies utilizadas são, principalmente, E. citriodora e também E. camaldulensis provenientes do próprio município e de Mimoso do Sul, sendo requerida exclusivamente em toras. Cerca de 90% da madeira utilizada é de eucalipto, enquanto os outros 10% ainda são de madeiras nativas. A produção é puxada, isto é, o desdobro ocorre mediante aos pedidos e é variável quanto aos tipos de produtos. A empresa é considerada de porte pequeno e possui demanda variável de madeira de eucalipto, sendo estimado aproximadamente 150m³/mês. A Empresa J atua no comércio e indústria de madeiras, fabricação de pequenos móveis e esquadrias em geral. Trabalha com madeira serrada, e possui uma demanda bem menor em relação à empresa I, aproximadamente 10m³/mês. Utilizam as espécies E. grandis e E. citriodora. Em ambas empresas os resíduos são doados e comercializados, o resíduo fino é destinado para criadores de suínos, a sepilha para criadores de cavalos e a lenha é destinada para secadores de café e padarias. Na Tabela 1 é possível observar uma síntese da distribuição das empresas quanto ao tipo do produto final. Tabela 1 Principais produtos oriundos das empresas nos municípios pesquisados. MUNICÍPIOS Empresas que utilizam madeira de eucalipto Esquadrias (portas, janelas, etc.) Vigas, ripas, caibro, forros, tábuas e pranchas Paletes, caixas e cavaletes Apiacá Atílio Vivácqua Cachoeiro de Itapemirim Mimoso do Sul Muqui Total Discussão A atividade florestal está presente em 28 mil propriedades rurais, gerando cerca de 80 mil empregos, e fomentando a diversificação do mercado madeireiro no Estado, que movimenta cerca de R$ 5 bilhões por ano e corresponde a 25% do Produto Interno Bruto (PIB) capixaba (CEDAGRO, 2011). Um problema percebido da carência de utilização da madeira de eucalipto é a falta de uma oferta de madeira serrada e seca consistente e duradoura, e em padrões de qualidade requeridos para abastecer uma indústria madeireira no Sul do Espírito Santo. Com isso a madeira de eucalipto perde espaço para outras madeiras de espécies nativas e até mesmo para outros tipos de materiais como estruturas de aço galvanizado e esquadrias de alumínio. Outro fator importante para o desenvolvimento da utilização da madeira com maior valor agregado é a indicação correta das melhores espécies que se adaptam a serrarias e beneficiamento, pois foi possível perceber que se utiliza muita madeira de espécies destinadas ao uso para polpa de celulose, que por sua vez não apresentam características desejadas para produtos sólidos. Levando em consideração todas as atividades de beneficiamento e processamento da madeira de eucalipto para todos os municípios estimou-se uma demanda anual total de m³. Outros Conclusões Com base nos resultados obtidos na pesquisa pode-se concluir que: 4

5 Várias espécies do gênero Eucalyptus são utilizadas nos processos de produção locais, sendo os mais utilizados: E.grandis, E. urograndis e E. citriodora. Foi possível perceber que, em geral, os empresários e a sociedade local demostraram um desconhecimento e um preconceito da qualidade da madeira como material. Verificou-se uma falta de conhecimento técnico a respeito da madeira de eucalipto, e também de toda a cadeia florestal. A ampliação da área florestal é uma opção a se considerar devido ao aquecimento do mercado, para assim diversificar a economia, tornar o Estado mais competitivo no setor e estimular uma atividade inovadora que gere renda e empregos. Agradecimentos Gostaríamos de expressar nossos agradecimentos ao órgão financiador desta pesquisa, a saber, a Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia do Espírito Santo FAPES. Referências - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF 2012: ano base Brasília, DF: ABRAF, CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DO AGRONEGÓCIO CEDAGRO. Relatório Final: Dimensionamento do Mercado Capixaba de Produtos Florestais Madeiráveis. Vitória, ES: CEDAGRO, GREMAUD, A. P.; VASCONCELOS, M. A. S.; TONETO JÚNIOR, R. Economia brasileira contemporânea. São Paulo: Atlas, INSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA E FLORESTAL DO ESPÍRITO SANTO IDAF. Instrução Normativa 01, de 11 de junho de Vitória, Disponível em: <http://www.idaf.es.gov.br/>. Acesso em: 2 mar NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: Estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro: Campus,

DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS FLORESTAIS MADEIRÁVEIS

DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS FLORESTAIS MADEIRÁVEIS Documento Síntese DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS FLORESTAIS MADEIRÁVEIS REFLORESTAMENTO Sistema Silvipastoril Vitória ES Novembro/2011 1 COORDENAÇÃO EXECUÇÃO APOIO INSTITUCIONAL 2 DIMENSIONAMENTO

Leia mais

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA Perguntas e Respostas 1 - O que é a Reposição Florestal? A Reposição Florestal caracteriza-se pelo plantio obrigatório de árvores de espécies adequadas ou compatíveis, exigido de pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br ESTRUTURA ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ATUAÇÃO GLOBAL REINO UNIDO CANADÁ ESTADOS UNIDOS HONDURAS PANAMÁ COLÔMBIA EQUADOR PERÚ BOLÍVIA CHILE EL SALVADOR CONGO ARGENTINA URUGUAI PARAGUAI BRASIL GUIANA

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES

LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES Vinicius Peixoto Tinti, Rômulo Maziero 2, Wendel Pianca Demuner

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Reunião da Câmara Técnica T da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Análise do Ambiente Externo Demanda crises econômicas sucessivas; Legislação ambiental necessidade do CV ser proveniente de floresta

Leia mais

Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente -

Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente - Por: Flavio C. Geraldo ABPM Presidente Madeira 2014 Instituto BESC de Humanidades e Economia Outubro de 2014 Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente - ÁRVORE - A

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

ROCHAS ORNAMENTAIS ESPÍRITO SANTO

ROCHAS ORNAMENTAIS ESPÍRITO SANTO ROCHAS ORNAMENTAIS NO ESPÍRITO SANTO ROCHAS ORNAMENTAIS NO ESPÍRITO SANTO O Estado do Espírito Santo ocupa o primeiro lugar no Brasil quando se trata de extrações e beneficiamento de rochas ornamentais

Leia mais

Case Fibria: Sustentabilidade em projetos sociais Programa Colmeias

Case Fibria: Sustentabilidade em projetos sociais Programa Colmeias Case Fibria: Sustentabilidade em projetos sociais Programa Colmeias QUEM Somos uma empresa brasileira com forte presença no mercado global de produtos florestais. SOMOS Empresa líder mundial na produção

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo.

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. MISSÃO SEBRAE/ES Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. UNIDADE DE PROJETOS INDUSTRIAIS Promover

Leia mais

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Ibá Inédita união de quatro associações de empresas de produtos de base florestal plantada, com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

Aracruz Celulose principais dados

Aracruz Celulose principais dados ARACRUZ CELULOSE Aracruz Celulose principais dados Fundada em 1972, e iniciou a produção em 1978 400.000 t/ano Hoje produz 3.000.000 t/ano. Responde por 33% do mercado mundial de celulose de eucalipto.

Leia mais

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015 MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS Seminário PDFS/MT 2015 É referência em questões e atividades que interferem na cadeia de florestas plantadas, sugerindo e opinando em políticas públicas de pesquisa,

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O DOF

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O DOF RESPOSTAS RÁPIDAS DOF Recuperação de Senha do DOF INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O DOF A recuperação de senha para categorias e atividades relacionadas ao Documento de Origem Florestal DOF somente pode ser feita

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO ALMEIDA, Diego Henrique de Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP MOLINA, Julio Cesar Escola

Leia mais

Federação das Associações de Recuperação Florestal do Estado de São Paulo

Federação das Associações de Recuperação Florestal do Estado de São Paulo Federação das Associações de Recuperação Florestal do Estado de São Paulo Reposição Florestal Modelo FARESP / São Paulo / Brasil Cenário Florestal Brasileiro: Biomas AMAZÔNIA 419,6 milhões ha. = 49,30%

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-021 - ESTAÇÃO BOTA-FORA Evandro Alceu Braga Engenheiro Mecânico pela Universidade

Leia mais

ANALISIS DE LA INFORMACION SOBRE PRODUCTOS FORESTALES MADEREROS EN LOS PAISES DE AMERICA LATINA

ANALISIS DE LA INFORMACION SOBRE PRODUCTOS FORESTALES MADEREROS EN LOS PAISES DE AMERICA LATINA PROYECTO INFORMACION Y ANALISIS PARA EL MANEJO FORESTAL SOSTENIBLE: INTEGRANDO ESFUERZOS NACIONALES E INTERNACIONALES EN 13 PAISES TROPICALES EN AMERICA LATINA (GCP/RLA/133/EC) ANALISIS DE LA INFORMACION

Leia mais

Consumo responsável. de madeira. Um guia completo para o uso do produto certificado

Consumo responsável. de madeira. Um guia completo para o uso do produto certificado de madeira Consumo responsável Um guia completo para o uso do produto certificado Garantia de origem Matéria-prima rastreada desde a produção florestal até o consumo Construção civil Como e por que consumir

Leia mais

Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento

Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Florestal Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento Naisy Silva Soares Orientador:

Leia mais

Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo

Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo Número 155 Novembro de 2014 Realização: Apoio: Elaboração Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA-

Leia mais

Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG. Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2

Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG. Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2 1 Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2 A partir da década de 90, alguns segmentos da indústria brasileira

Leia mais

7. Atividades realizadas pelo projeto no contexto da cooperação com o Funbio. 7.1. Palestras e oficina

7. Atividades realizadas pelo projeto no contexto da cooperação com o Funbio. 7.1. Palestras e oficina 7. Atividades realizadas pelo projeto no contexto da cooperação com o Funbio As atividades do projeto abaixo indicadas são financiadas exclusivamente pelo TFCA/Funbio, sendo que aquelas referentes ao planejamento

Leia mais

FUPEF 2. COLETA DE DADOS

FUPEF 2. COLETA DE DADOS 1 LAUDO TÉCNICO PARA CARACTERIZAÇÃO DE MADEIRAS DO GÊNERO Eucalyptus Solicitante: Mademape Indústria Madeireira Ltda. Endereço: Avenida Ricieri Bernardi, nº 635 Campo do Fundo Campina Grande do Sul - Paraná

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 214 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 214 CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ACR 2. BASE FLORESTAL PLANTADA 3. MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS

Leia mais

Otimização dos tempos e movimentos em uma fábrica de móveis

Otimização dos tempos e movimentos em uma fábrica de móveis Otimização dos tempos e movimentos em uma fábrica de móveis Rayane C. M. REZENDE 1 ; Marislaine C. COSTA 1 ; Poliane C. dos S. LOPES 1 ; Fernando S. JORGE 1, Yahayra do V. B. SILVA 1, Rodrigo H. da SILVA

Leia mais

Adriana Maria Nolasco, Mariana Cerca, Lis Rodrigues Uliana

Adriana Maria Nolasco, Mariana Cerca, Lis Rodrigues Uliana Diagnóstico do Panorama da Gestão de Resíduos nas Indústrias de pisos de madeira no Brasil Adriana Maria Nolasco, Mariana Cerca, Lis Rodrigues Uliana Objetivo Elaborar um panorama da situação das empresas

Leia mais

QUESTÕES ACERCA DAS ALTERAÇÕES NOS PROCEDIMENTOS REFERENTES A MADEIREIRAS

QUESTÕES ACERCA DAS ALTERAÇÕES NOS PROCEDIMENTOS REFERENTES A MADEIREIRAS MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ASSUNTO ABAIXO NA SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO FLORESTAL/SEMA. TEL.: (065) 3613-7200. QUESTÕES ACERCA DAS ALTERAÇÕES NOS PROCEDIMENTOS REFERENTES A MADEIREIRAS Explicação quanto

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

ESPECIAL EMPRESAS FLORESTAIS RECORREM ÀS CONSULTORIAS PARA NÃO ERRAR, PRINCIPALMENTE EM ÉPOCA DE CRISE NO ALVO. www.referenciaflorestal.com.

ESPECIAL EMPRESAS FLORESTAIS RECORREM ÀS CONSULTORIAS PARA NÃO ERRAR, PRINCIPALMENTE EM ÉPOCA DE CRISE NO ALVO. www.referenciaflorestal.com. ESPECIAL EMPRESAS FLORESTAIS RECORREM ÀS CONSULTORIAS PARA NÃO ERRAR, PRINCIPALMENTE EM ÉPOCA DE CRISE NO ALVO 58 www.referenciaflorestal.com.br MADEIRA SERRADA DE TECA Foto: arquivo N ão há espaço para

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP.

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. Dioceli Gabriela de Carvalho¹; Francisco Claudio Tavares² Estudante do

Leia mais

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 CENÁRIO MUNDIAL SETOR FLORESTAL PRESSÃO PARA PRESERVAÇÃO DAS FLORESTAS PRESSÃO PARA ABERTURA DE NOVAS FRONTEIRAS FLORESTA RISCO DE ESCASSEZ VALORIZAÇÃO 2 O BRASIL FLORESTAL

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA

PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SILVICULTURA E EXTRAÇÃO VEGETAL PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CONCEITOS

Leia mais

reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro

reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro Central de Cases MADEHOUSE: reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro www.espm.br/centraldecases Central de Cases MADEHOUSE: reflexos da oscilação cambial para o exportador brasileiro

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ATIVIDADES DE BENEFICIAMENTO E PROCESSAMENTO DE MADEIRA NOS MUNICÍPIOS DE MUQUI E JERÔNIMO MONTEIRO

LEVANTAMENTO DAS ATIVIDADES DE BENEFICIAMENTO E PROCESSAMENTO DE MADEIRA NOS MUNICÍPIOS DE MUQUI E JERÔNIMO MONTEIRO LEVANTAMENTO DAS ATIVIDADES DE BENEFICIAMENTO E PROCESSAMENTO DE MADEIRA NOS MUNICÍPIOS DE MUQUI E JERÔNIMO MONTEIRO Walter Torezani Neto Boschetti 1, Tiago Leione Ravani 2, Clovis Eduardo Nunes Hegedus

Leia mais

Fábrica de. Imperatriz

Fábrica de. Imperatriz Fábrica de Industrial Por que Maranhão? Logística Florestal Fábrica de Por que Maranhão? COMPETITIVIDADE FLORESTAL Nova Fronteira para produção de celulose PA MA PI TO BA FLORESTAL 25 anos de pesquisa

Leia mais

C ELULOS E & P A P E L

C ELULOS E & P A P E L ELULOSE C & P A P E L C ELULOSE & P A P E L APRESENTAÇÃO A Revista CELULOSE & PAPEL surge no segmento para oferecer aos seus leitores uma nova oportunidade na busca da melhor informação do mercado e novos

Leia mais

O SETOR MADEIREIRO / MOVELEIRO DE MANAUS

O SETOR MADEIREIRO / MOVELEIRO DE MANAUS O SETOR MADEIREIRO / MOVELEIRO DE MANAUS Caracterização dos atores e das cadeias Documento de trabalho 2 Manaus - Junho de 2006 Este documento de trabalho apresenta uma caracterização do setor madeireiro

Leia mais

Sistemas de gestão da informação em Planos de Manejo e Indústrias Madeireiras de Mato Grosso. Júlio Bachega Consultor-ICV Cuiabá, 27/03/2014

Sistemas de gestão da informação em Planos de Manejo e Indústrias Madeireiras de Mato Grosso. Júlio Bachega Consultor-ICV Cuiabá, 27/03/2014 Sistemas de gestão da informação em Planos de Manejo e Indústrias Madeireiras de Mato Grosso Júlio Bachega Consultor-ICV Cuiabá, 27/03/2014 Contexto Necessidade de rastreabilidade estabelecida pela resolução

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios Julio César Bachega Consultor em Gestão Florestal j_bachega@hotmail.com Estrutura da apresentação Resgate

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Resultados do 4T13. 20 de Fevereiro de 2014

Resultados do 4T13. 20 de Fevereiro de 2014 Resultados do 4T13 20 de Fevereiro de 2014 Grupo Eucatex 2 Destaques Gerais do 4T13 Receita Líquida R$ 293,1 milhões, crescimento de 10,7% EBITDA Recorrente R$ 56,7 milhões, aumento de 10,7% Margem EBITDA

Leia mais

MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL II WORKSHOP FLORESTAL

MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL II WORKSHOP FLORESTAL MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL Rubens Garlipp* II WORKSHOP FLORESTAL Paranavaí - PR 20 de outubro de 2005 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade Brasileira de Silvicultura SOCIEDADE

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA

NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA Aracruz Celulose e a Estrada de Ferro Vitória Minas Esse estudo tem como objeto de análise uma região caracterizada pela influência de dois sistemas de infra-estrutura:

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

ARRANJOS INSTITUCIONAIS DA CADEIA FLORESTAL MINEIRA Estratégias e Mecanismos de Abastecimento da Indústria de Base Florestal

ARRANJOS INSTITUCIONAIS DA CADEIA FLORESTAL MINEIRA Estratégias e Mecanismos de Abastecimento da Indústria de Base Florestal ARRANJOS INSTITUCIONAIS DA CADEIA FLORESTAL MINEIRA Estratégias e Mecanismos de Abastecimento da Indústria de Base Florestal III CONGRESSO BRASILEIRO DE EUCALIPTO VITÓRIA - ES 02 DE SETEMBRO DE 2015 Motivação

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal Richard Respondovesk ESALQ - 20/08/2014 Tópicos A Empresa Áreas de atuação Cadeia produtiva florestal Planejamento e mercado Uso de tecnologias

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente Divisão de Florestas - DIFLO

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente Divisão de Florestas - DIFLO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSARIOS AO CADASTRAMENTO DE PESSOAS JURIDICAS CONSUMIDORAS DE PRODUTOS E SUBPRODUTOS FLORESTAIS 1. Requerimento Atividade Florestal RAF ( anexo); 2. Formulário de cadastro pessoa

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 39-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Cooperativismo e Desenvolvimento de Agronegócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 411, DE 06 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre procedimentos para inspeção de

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 411, DE 06 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre procedimentos para inspeção de MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 411, DE 06 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre procedimentos para inspeção de indústrias consumidoras ou transformadoras de produtos

Leia mais

CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Matheus Albergaria de Magalhães Fevereiro de 2011 Objetivos Traçar breve panorama conjuntural da economia do estado do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO

OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Eny Duboc Embrapa Cerrados, BR 020, Km 18, Caixa Postal 08223, 73010-970 Planaltina, DF. E-mail: enyduboc@cpac.embrapa.br RESUMO Com 477 milhões de hectares,

Leia mais

A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ARTIGO A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eliseu de Souza Baena Engenheiro e Economista Florestal Pesquisador Científico I do Instituto Florestal

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água.

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água. ESTUDO DO FATOR ÁGUA/CIMENTO PARA A CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS DE SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESÍDUOS GERADOS NO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS Natália de Oliveira SANTIAGO 1, Djane de Fátima

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet A Ação Madeira Legal está vigorando, desde 02 de Janeiro de 2009. O procedimento implantado pela CAIXA é simples e consiste na apresentação do

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Pensamento estratégico Percepções/Visão

Pensamento estratégico Percepções/Visão UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL - LAPEM 36.570-000 VIÇOSA MG - BRASIL (Texto oferecido ao CGEE em 20/5/2014 pela profa. Angélica de Cássia

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA

EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA Adriane Siqueira (UCS) adriane@rfa.adv.br Alex Eckert (UCS) alex.eckert@bol.com.br MARLEI

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

DECRETO Nº 35.096, DE 25 DE JANEIRO DE 1994.

DECRETO Nº 35.096, DE 25 DE JANEIRO DE 1994. REVOGADO PELO DECRETO N 41.420/2002 DECRETO Nº 35.096, DE 25 DE JANEIRO DE 1994. Regulamenta o Sistema de Controle para o Transporte de Produto Florestal, através de licenciamento obrigatório, no território

Leia mais

PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ

PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ FACULDADE PRUDENTE DE MORAES PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ MAURICIO CESAR BOCHINI Itu 2009 Faculdade Prudente de Moraes MBA Executivo PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ MAURICIO

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME. ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo

Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME. ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo Roteiro da Apresentação Histórico do TUME - as primeiras demandas Objetivos do TUME

Leia mais

Seminário Internacional sobre. Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais

Seminário Internacional sobre. Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais Tatiana Mahalem do Amaral 21 a 25 de setembro de 2009 RJ MISSÃO Conciliar uso e conservação das florestas, valorizando-as

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação:

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação: INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. ) Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação a construção de uma Unidade de Ensino Descentralizada do CEFETES na Região Noroeste do Estado do Espírito Santo.

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

Informativo CEPEA Setor Florestal Mercado de Madeiras Nativas tem alta de preços nas regiões de Bauru e Marília

Informativo CEPEA Setor Florestal Mercado de Madeiras Nativas tem alta de preços nas regiões de Bauru e Marília Informativo CEPEA Setor Florestal Mercado de Madeiras Nativas tem alta de preços nas regiões de Bauru e Marília Número 157 Janeiro de 2015 Realização: Apoio: Elaboração Centro de Estudos Avançados em Economia

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas

Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas Uma das características

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais