OBJETIVOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETIVOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA"

Transcrição

1 22 OBJETIVOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA O PCN de Geografia mostra que o Ensino Fundamental de crianças e de adolescentes, desde as primeiras etapas da escolaridade, deve ter como objetivo mostrar ao aluno que cidadania é também o sentimento de pertencer a uma realidade em que as relações sociedade e natureza formam um todo integrado do qual ele é membro participante, afetivamente ligado, responsável e comprometido historicamente com os valores humanísticos. A maioria dos alunos de EJA é um cidadão com direitos civis, sociais, políticos garantidos por lei. Deve ter possibilidade de refletir sobre a realidade, repensá-la coletivamente, repudiar as injustiças e exigir a reavaliação desses direitos. Ao estabelecer as bases do conhecimento geográfico em EJA, devem ser discutidas as ações sociais, culturais e ambientais em diferentes espaços, considerar os espaços de vivência desse aluno, buscando uma reflexão sobre o cumprimento de alguns direitos garantidos por lei e a conquista de outros. O ato de repensar e refletir sobre os direitos possibilita que ações individuais ou coletivas estejam comprometidas com direito do uso de recursos da natureza, garantindo a conservação e a preservação dos essenciais, o direito de preservar costumes importantes que identificam um grupo social e o direito de se reunir em diversos espaços para tomar decisões coletivas, o direito de garantir a vida e outros. O objetivo de reflexão sobre como garantir a cidadania ou conquistá-la, em alguns casos, deve permear diversas atividades e estar integrado aos diferentes temas, subitens e serem registrados como objetivos de atividades cotidianas da sala de aula em diversos momentos. Espera-se que os alunos de EJA construam um conjunto de conhecimentos referentes a conceitos, procedimentos e atitudes relacionados à Geografia, que lhes permita conhecer o mundo atual em sua diversidade, favorecendo a compreensão de como as paisagens, os lugares e os territórios se constroem. Sabe-se que o estudo da paisagem, do lugar e de um território mostra a realidade de um espaço construído em um determinado momento do processo histórico, quando se considera a forma como vivem ou viviam as pessoas ou diferentes povos nesse lugar, as diferentes relações que acontecem ou aconteceram entre eles e a natureza, as relações entre pessoas os lugares em diferentes escalas espaciais, os processos naturais que interferiram e atuam no ambiente e na constituição das paisagens.

2 23 Os alunos de EJA refletem e são testemunhos dessa diversidade, possuindo diferentes origens, hábitos, costumes, experiências de vida, construindo conhecimentos sobre esses lugares, sobre as paisagens, e atualmente se encontram e se relacionam no mesmo espaço (na escola, na cidade ou no campo). Ao elaborar um projeto de ensino de Geografia, é importante buscar o significado da trajetória dos movimentos sociais, políticos e culturais que interferiram em suas vidas que aconteceram e acontecem em espaços próximos e distantes, no Brasil e no mundo. A paisagem, o lugar e o território trazem as marcas desses processos, o movimento das diferentes culturas e as influências naturais e sociais que modificaram os diversos espaços geográficos. Os alunos de EJA são personagens da vida social da localidade onde moram. Legalmente cada um deles é um cidadão. Ao identificar e avaliar as ações dos homens em sociedade e suas conseqüências, em diferentes espaços e tempos, os alunos devem construir referenciais que possibilitem uma participação propositiva e reativa nas questões socioambientais que acontecem na localidade e em espaços mais distantes. Ao identificar as ações humanas para avaliá-las e criticá-las, devem levar em consideração a paisagem, os movimentos sociais e culturais que lhe deram origem, as intervenções humanas (meios técnicos) e naturais que podem acelerar ou tornar mais lento os ritmos e ações do homem no espaço geográfico em determinado tempo histórico. Analisando e refletindo sobre as ações humanas e as questões socioambientais que interferem nos lugares onde são geradas, ou no planeta como um todo, é possível, enquanto cidadão, participar de forma consciente da vida social, de sua dinâmica, podendo interferir nas diversas relações sociais e entre sociedade-natureza. Ao buscar conhecer o funcionamento da natureza em suas múltiplas relações de modo a compreender o papel das sociedades na construção do território, da paisagem e do lugar, o aluno de EJA, um cidadão, um ser ativo da vida social e cultural, deve refletir sobre as formas de intervenção e controle individual ou coletiva nos fenômenos naturais. Ao compreender a espacialidade e a temporalidade dos fenômenos geográficos estudados em suas dinâmicas e interações, é necessário entender a formação e a organização espacial atual de espaços geográficos próximos ou distantes. Para o aluno de EJA, esse eixo pode se tornar significativo, visto que, em sua história de vida, pode ter estabelecido interações com diferentes espaços e grupos sociais. A dimensão histórica na

3 24 análise geográfica possibilita a percepção das forças que atuaram e continuam atuando na construção desses espaços, conduzindo ao entendimento do significado de cada lugar e de suas relações com outros lugares, possibilitando compreender a espacialidade como resultados de processos sociais, políticos, culturais e naturais. Cabe à escola fazer compreender que as melhorias das condições de vida, os direitos políticos, os avanços tecnológicos e as transformações socioculturais são conquistas ainda não usufruídas por todos os seres humanos e, dentro de suas possibilidades, empenhar-se em democratizá-las. Muitos alunos de EJA são excluídos de vários benefícios sociais, culturais, econômicos e políticos. O conhecimento dos direitos e deveres do cidadão de ordem estatal e civil é um poderoso instrumento para a construção e consolidação da cidadania. Os pressupostos metodológicos para conhecer e saber utilizar procedimentos de pesquisa da Geografia, compreender a paisagem, o território e o lugar, seus processos de construção, identificando suas relações, problemas e contradições merecem destaque na elaboração de um projeto de ensino para EJA. O aluno tem suas próprias concepções a respeito da paisagem, do território e do lugar. Para que se elabore um discurso que supere o senso comum, é necessária a organização de uma reflexão sobre a paisagem, o território e o lugar de vivência, de forma que os alunos possam comparar e relacionar conceitos que trazem do cotidiano com os conceitos científicos, reformulando e redimensionando os conceitos originários do senso comum. No processo de construção do conhecimento da ciência geográfica que ocorre no cotidiano escolar, devem ser desenvolvidas diferentes habilidades que permitam olhar o espaço usando de procedimentos de pesquisa em Geografia. Para entender melhor o espaço geográfico, é preciso orientar os alunos de EJA a compreender a importância das diferentes linguagens na leitura da paisagem, desde as imagens, música e literatura de dados e de documentos de diferentes fontes de informação, de modo que interpretem, analisem e relacionem informações sobre o espaço. Para analisar e refletir sobre diferentes paisagens, não basta o uso de textos que a descrevam. É necessário o domínio de diferentes linguagens para estabelecer as etapas de desenvolvimento dessas habilidades no processo ensino-aprendizagem. Ao operar esses recursos usados em pesquisa no cotidiano da sala, o aluno de EJA pode decodificar os

4 25 diferentes espaços geográficos, operar a construção de conhecimentos de Geografia, usando vários recursos: leitura de imagens fotográficas, ver vídeos, observar objetos utilizados como adornos, instrumentos de trabalho; fazendo estudo do meio para observar diferentes construções humanas (prédios, praças, monumentos etc.) que marcam esses espaços e representam situações vividas; lendo jornais e revistas, textos literários, ouvindo músicas, elaborando entrevistas para obter informações sobre o espaço local atualmente e em outros tempos históricos, pesquisando documentos diversificados que dão pistas importantes sobre as paisagens, o território e os lugares, e que auxiliam a compreender e a desvendar a dinâmica da natureza; analisando as relações que se estabeleceram entre diferentes grupos socioculturais que ocuparam esses espaços, transformando-os. Ao longo da construção de conhecimento num processo sistemático e gradativo, os alunos de EJA devem saber utilizar a linguagem gráfica para obter informações e representar a espacialidade dos fenômenos geográficos. Orientar-se pela representação gráfica dos espaços ou reconhecer os lugares, usando gráficos, tabelas e esquemas para observar, analisar e interpretar os fenômenos naturais, sociais e culturais. Isso permite que se trabalhe com dados da realidade mais próxima ou distante. A representação cartográfica do espaço geográfico, o uso de gráficos, tabelas e esquemas são instrumentos que permitem refletir sobre a realidade vivida. É fundamental preparar o aluno de EJA para valorizar o patrimônio sociocultural e respeitar a sociodiversidade, reconhecendo-os como direitos dos povos e indivíduos e elementos de fortalecimento da democracia. Ao refletir sobre a pluralidade cultural e social, sobre a diversidade ambiental, sobre as dinâmicas e os processos existentes na natureza, sobre a interferência das ações humanas nas diferentes paisagens, respeitando e reconhecendo os direitos e deveres dos diversos povos e indivíduos na construção e reconstrução da democracia, o aluno estará se comprometendo com o destino das futuras gerações.

5 26 CONTEÚDOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA Uma proposta de ensino de Geografia ao buscar desenvolver a autonomia dos alunos, tem que instrumentá-los a refletirem, serem criativos e pesquisarem informações sobre o mundo e também exige tomada de decisões. O aluno tem que se tornar capaz de recriar o que foi aprendido tornando-se capaz de construir um discurso que conduza a ações de intervenção na sociedade, no campo das relações humanas, sociais políticas, econômicas, culturais, do direito ao trabalho, à terra, à educação etc. Tem que se tornar um ser ético, um ser que está no mundo com os outros, um ser de opção, um ser de decisão. O PCN indica a construção e reconstrução de um o saber em Geografia, englobando conhecimentos geográficos, competências técnicas para se fazer uma leitura geográfica do mundo, as habilidades e as atitudes de modo que o aluno aprenda a ser, fazer e a conviver. As informações que circulam sobre os diferentes espaços geográficos do mundo são muitas, desse modo é necessário selecionar, fazer recortes desses conteúdos e organizá-los. A grande questão que se coloca para os professores é como estabelecer a escolha de modo que os conteúdos selecionados conduzam a uma análise e uma reflexão sobre como é, como se organiza e como os processos naturais e as ações produzidas historicamente por diferentes grupos sociais e culturais, vem transformando o espaço geográfico. Ao questionar a realidade, ao estabelecer relações e desvendar os acordos econômicos, políticos, culturais que interessam a grupos locais, nacionais e mundiais, ao desvendar a interface natural de um lugar, deve-se buscar referências da ciência geográfica e do conhecimento por ela produzido. O espaço geográfico ao se tornar um objeto de estudo coloca em discussão a dimensão natural que interfere nas paisagens, lugares, territórios e as práticas sociais de diferentes grupos humanos que vivem ou viveram ali. Ao interagir com esses espaços esses grupos os transformam: construindo, destruindo e reconstruindo os lugares, que resultam de relações, acordos e de inúmeros conflitos sociais. Essas ações sociais, políticas, culturais acontecem de forma continua e descontínua no espaço e no tempo, e estão relacionadas com grupos que possuem idéias contraditórias e conflitantes.

6 27 Cabe ao professor problematizar o espaço geográfico vivenciado pelos alunos de EJA em algumas etapas do processo de construção do conhecimento, ou problematizar conhecimentos sistematizados elaboradas por diferentes sujeitos em diferentes lugares, por meio de experiências vivenciadas por diversos grupos sociais com cultura próprias. Problematizar significa levantar uma série de questões que permita levantar os porquês, para que e para quem, indo além da descrição do onde. É indispensável no entendimento do processo o quando e o como. Para que a problematização se torne significativa, é necessário verificar os diferentes interesses existentes, o que o aluno pensa, o que ele sabe, com que valores eles se identificam, o que marca o lugar e o tempo que ele vive. Pode-se partir de questões sobre o agora na realidade local ou agora em outros lugares, recuperando as transformações acontecidas nas diferentes escalas espaciais, estudando as ações dos grupos sociais que nelas atuam ou atuaram. Depois de selecionar os conteúdos a serem estudados durante um ciclo, é possível escolher os caminhos metodológicos possíveis para desenvolver as habilidades necessárias para uma leitura geográfica do mundo, considerando as dificuldades e os elementos facilitadores para a construção de conhecimentos em EJA. A realidade cotidiana das diferentes escalas espaciais deve ser problematizada no inicio da proposta de trabalho e fazer parte da organização dos conteúdos, mas é essencial que, na sistematização, os conteúdos apresentados possibilitem relações diretas ou indiretas entre o espaço local próximo (vivenciado) com diferentes lugares e paisagens (conhecidas ou percebidas), para que os alunos estabeleçam as diferenças e/ou semelhanças, verifiquem as relações simultâneas ou descontínuas entres as pessoas e os lugares. Ao levantar hipóteses, interpretar, ordenar os dados e informações, os conteúdos selecionados devem ser organizados de modo a construir conhecimentos com significados para o aluno, estruturando as categorias que identificam os diferentes espaços. Cada localidade tem características próprias. Essas características são resultados de movimentos socioculturais, de fluxos de informações, pessoas ou mercadorias, de um jogo entre forças que vêm de fora e forças existentes no local. Apesar do mundo hoje estar subordinado a regras da globalização e de uma padronização de um jeito de ser e de viver, as ações econômicas, políticas, os aspectos culturais e morais de pessoas que vivem num lugar podem ser diferentes de outros lugares.

7 28 A problematização que dá significado à organização e à seleção de conteúdos e que auxilia a desvendar a realidade local, os condicionantes naturais, sociais, culturais e temporais que influem na vida cotidiana do aluno deve fazer parte do projeto a ser elaborado pelo professor; assim como a sistematização desses conhecimentos deve encaminhar para que se construam diferentes discursos sobre possíveis transformações que podem acontecer em diversos espaços geográficos. Analisando a pesquisa elaborada para os professores de EJA, verifica-se que muitos ainda desconsideram a influência recíproca existente entre as ações naturais, sociais e culturais vivenciadas em diferentes escalas espaciais. Os conteúdos são organizados e selecionados a partir de livros didáticos transpostos de cursos regulares ou de apostilas oficias, sem estabelecer relação com a realidade, exceto em alguns casos, no momento inicial da proposta. É fundamental na organização e seleção dos conteúdos considerar as diferentes realidades vivenciadas, conhecidas e concebidas pelos alunos; estabelecer uma seqüência em função de temas e subtemas que sejam significativos para esses alunos; incluir no projeto noções e conceitos de localização, orientação, representação gráfica; categorias de paisagem, lugar, região, território; apresentar conhecimentos sobre a experiência cotidiana de diferentes grupos sociais e culturais, sobre as dinâmicas naturais que se processam em diferentes espaços. Se após a problematização inicial a proposta de trabalho apresentar uma listagem tradicional de conteúdos, estar fragmentada, sem correlação entre si e a realidade, esses conteúdos pouco irão contribuir para a construção do conhecimento e para o questionamento da realidade. O que se propõe é a memorização de informações estabelecidas pela Geografia tradicional, na qual não há lugar para o pensar, refletir e elaborar um discurso sobre o espaço geográfico. O PCN de Geografia para Ensino Fundamental faz uma sugestão de conteúdos como um conjunto de eixos temáticos. O critério para seleção fundamenta-se na importância social e formação intelectual. Eles não representam um programa de curso e tampouco uma proposta curricular a ser seguida de forma dogmática e linear. Devem constituir subsídios teóricos que podem ser entendidos como ponto de partida, e não de chegada, para o professor trabalhar os conteúdos da Geografia no Ensino Fundamental.

8 29 A seleção de conteúdos em diferentes realidades Durante a elaboração do plano de curso e ao buscar definir um projeto de trabalho que permita subsidiar a análise e a reflexão sobre a realidade social existente diante da diversidade de situações e necessidades presentes em nosso país, devemos considerar as várias possibilidades existentes de proceder a seleção e escolha dos eixos temáticos e subtemas, de forma que se evite a fragmentação do conhecimento. Tomando como exemplo alguns questionários enviados pelas Secretarias Municipais e Estaduais de Ensino, podemos perceber que essa preocupação esteve presente durante a elaboração do plano de curso pelo professor em diferentes Estados e Municípios do país.

9 30 Na elaboração do plano de curso, verifica-se que o professor valoriza os diversos conhecimentos que os alunos trazem relacionados aos elementos naturais e humanos do ambiente onde vivem e dos conhecimentos veiculados pelos meios de comunicação,

10 31 valorizando também a dimensão cultural e os conhecimentos produzidos sobre as diversas partes do país. Podemos perceber que o eixo central de seu planejamento é realizado a partir de um tema transversal (ética), a partir do qual se estruturam temáticas que analisam o papel da Geografia, do lugar, das questões socioambientais, o trabalho e a apropriação da natureza na construção do território, as mudanças nas relações de trabalho, o campo e a cidade como espaços complementares, das novas tecnologias e das territorialidades em rede, dos meios de comunicação e de transportes, da globalização e seus efeitos locais e regionais, a cartografia como possibilidade de leitura e de compreensão do mundo. Percebem-se as decisões quanto aos recortes realizados e com relação à graduação e ampliação dos temas ao longo de um ciclo e entre os ciclos iniciais e finais. Nesse plano de curso, o professor tem como ponto de partida a realidade socioeconômica própria dos alunos e da comunidade da qual os alunos fazem parte. O eixo central de seu planejamento gira em torno do papel da Geografia enquanto ciência, a partir do qual se estruturam temáticas que analisam a paisagem, a natureza, as ações sociais e a

11 32 dimensão cultural na paisagem, as diferentes escalas espaciais (mundial, regional e local), os blocos econômicos e regionais, indicadores econômicos e sociais do mundo desenvolvido e subdesenvolvido, os países da América do Sul no contexto da nova ordem mundial, desenvolvimento sustentável. Convém destacar que o trabalho com diferentes escalas espaciais seja contemplado em todas as séries dos diferentes ciclos, não devendo ficar restrito apenas à 6ª série do 3º ciclo ou às séries finais. Na elaboração do plano de curso, verifica-se que o professor problematiza a realidade local e busca valorizar os diversos conhecimentos que os alunos trazem, relacionados aos elementos naturais e humanos do ambiente onde vivem e da organização e produção do espaço. Aparece a preocupação de analisar e compreender a questão da moradia, áreas de ocupação favoráveis e desfavoráveis, o problema da ressaca ou das marés e as inundações locais, as políticas públicas e o papel do Estado em relação à moradia e as formas de ocupação do território.

12 33 Apesar de não aparecer em destaque um eixo central comum, a partir do qual se estruturam as diferentes temáticas, percebe-se uma tentativa inicial de selecionar e organizar conteúdos, buscando analisar o papel da Geografia enquanto ciência, alguns elementos relacionados à alfabetização cartográfica, ainda que descontextualizado e fragmentado, o trabalho e a apropriação da natureza na construção do território, o campo e a cidade como espaços complementares, a paisagem, as ações sociais e a dimensão cultural na paisagem, as diferentes escalas espaciais (mundial, regional e local), os blocos econômicos e regionais, indicadores econômicos e sociais do mundo desenvolvido e subdesenvolvido, a reorganização econômica e política dos países após a Segunda Guerra Mundial e no contexto da nova ordem mundial. As diferentes escalas espaciais não estão plenamente inter-relacionadas na listagem de conteúdos, os diferentes territórios do espaço mundial ainda são analisados separadamente como se não houvesse relações, trocas e influências entre eles. Não fica bem definido se o estudo das regiões na 6ª série do 3º ciclo será de forma integrada ou compartimentada, tendo como único modelo a divisão regional estabelecida pelo IBGE. Selecionando e organizando conteúdos Em EJA, verificam-se diferentes ritmos e descontinuidade de processos de escolarização: há alunos que seguem em seqüência linear as diferentes séries; porém, há também aqueles que retornam nas séries dos ciclos finais. Nesse sentido, o professor tem que estar sempre retomando, dimensionando e replanejando no coletivo da área a verticalidade, a horizontalidade e a transversalidade do projeto definido pela equipe escolar. Os eixos temáticos foram estruturados para possibilitar melhor compreensão da realidade, para trabalhar a diversidade do mundo atual para mostrar como as paisagens, os lugares foram produzidos para que os alunos ao se apropriarem dos conhecimentos geográficos, compreendam e expliquem suas vidas e as diversas relações e interações presentes em seu cotidiano. Os temas podem expressar conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais, serem temas da 5ª série e serem subtemas e conteúdo de natureza conceitual a ser trabalhado em qualquer outra série. Cabe ao professor selecionar e planejar outros, de

13 34 acordo com o seu programa de curso, sua realidade local, possibilidades de trabalho, enfim, estabelecer os conteúdos pertinentes à sua região. Portanto, é o professor, as áreas afins ou a equipe escolar que devem considerar a importância e as contribuições dos mesmos para a construção do conhecimento daquele período letivo e as interações com outras áreas de conhecimento. Para isso, devem selecionar conteúdos, repensar o projeto, os procedimentos e estabelecer uma ação contínua de reflexão e planejamento. Na escolha e seleção de eixos temáticos, subtemas e conteúdos conceituais, deverão estar contemplados os temas transversais mais significativos para interagir com esses conteúdos, estabelecendo elos entre a organização de conteúdos ou na sistematização de conhecimentos.os temas transversais não são estudos que devem ser trabalhados separados da proposta de trabalho a ser construída, individualmente pelo professor, coletivamente com as áreas afins: o ideal é que façam parte do projeto da escola e possam estabelecer elos num projeto interdisciplinar a ser construído pela equipe escolar. Ao estabelecer o conjunto de conhecimentos a serem construídos, devem ser considerados os conceitos importantes para a socialização, permitindo o desenvolvimento do papel de cada um na construção de uma identidade com o lugar onde vive e, em sentido mais abrangente, com a nação brasileira e mesmo com o mundo, valorizando os aspectos socioambientais que caracterizam seu patrimônio cultural e ambiental. Ao partir da observação e descrição no sentido estabelecer comparações com outra paisagem, território, lugar e região, desvendado as marcas que os identificam, pode-se estabelecer o caminho para conhecer o território nacional, o território mundial constituídos por múltiplas e variadas culturas, povos e etnias, distintos em suas percepções e relações. Essas comparações não podem ser simplistas e levar a afirmações valorativas sem explicações que tragam conhecimentos que estão sendo construídos no processo de ensinoaprendizagem de Geografia. Devem ser elaboradas atividades que possibilitem ouvir os alunos de EJA. De início, muitos ficam quietos quando questionados sobre o espaço, alguns podem dizer o espaço mudou, ficou melhor, antes era bom agora é ruim ou a vida no campo é boa. Os adjetivos valorativos, que aparecem nas frases, não concretizam a realidade em que vivem. Oralmente, retomando as discussões sobre o assunto, através de um replanejamento usando diferentes recursos, pode-se analisar e refletir sobre esses mesmos espaços, de modo a aprofundar a reflexão geográfica.

14 35 Ao se estabelecer os pressupostos teóricos e metodológicos necessários para selecionar e organizar os conteúdos de Geografia, não se afirmou que os livros didáticos não podem ser usados. Eles fazem parte do planejamento de seus autores. Na maioria das vezes, os autores desconsideram a realidade em que vivem. Não dá para fazer um livro para cada lugar e como fazendo parte do projeto de trabalho de cada equipe escolar. O que pode ser feito é complementar o livro com outros textos de diferentes linguagens, atividades como estudo do meio, pesquisas mais pertinentes, de acordo com os objetivos conceituais, procedimentais e atitudinais; não planejar seguindo a mesma organização de conteúdos do livro didático; utilizar o texto do livro e mudar as atividades. O professor não pode esquecer que a observação, a análise e a reflexão sobre a realidade vivenciada pelos alunos devem fazer parte do início do trabalho escolar, mas podem estar presentes na organização e na sistematização do conhecimento. É fundamental repensar sobre entorno, para que se construam, coletivamente, ações de intervenção no lugar. Alguns livros didáticos não têm como objetivo estabelecer essa volta para o espaço próximo e, quando tentam, é dentro dos objetivos e lógicas dos autores. Cabe ao professor, no processo de ensino-aprendizagem, estabelecer as relações do entorno com vários lugares, territórios e, se necessário, selecionar e organizar outros conteúdos ampliando o livro didático. Apesar de o ensino de Geografia, de forma geral, ser realizado mediante leitura dos textos de livros didáticos, é possível trabalhar com esse campo do conhecimento de modo mais dinâmico e instigante para os alunos, por meio de situações que problematizem os diferentes espaços geográficos materializados em paisagens, lugares, regiões e territórios; que disparem relações entre o presente e o passado, o específico e o geral, as ações individuais e as coletivas; e que promovam o domínio de procedimentos que permitam aos alunos ler e explicar as paisagens e os lugares. Diferentes possibilidades de se trabalhar com Projetos em Geografia No ensino de EJA, a heterogeneidade em relação ao lugar de origem dos alunos, experiências de vida, diferenças de idade, de valores, de hábitos, de origens sociais e culturais e de processos de escolarização, ao mesmo tempo em que se constitui um fator enriquecedor para o desenvolvimento do processo de ensino- aprendizagem em Geografia, é também desafiador e, ao mesmo tempo, bastante complexo para o professor. É possível

15 36 avançar nesse processo, mas para que isso se efetive de forma prática, é necessário superar a preocupação exclusiva na quantidade de acertos e erros dos alunos, em relação aos conhecimentos geográficos trabalhados em sala de aula. Deve-se refletir constantemente no sentido de desenvolver um espírito investigativo, buscando compreender que conjunto de relações os alunos estabelecem entre os conhecimentos que possuíam com os novos conhecimentos que estão sendo construídos em aula, auxiliando o professor a compreender a heterogeneidade, as diferentes concepções e noções (conhecimentos espontâneos ou prévios) que os alunos possuem sobre determinado tema, conceito ou categoria próprios da Geografia. Saber o que os alunos conhecem (suas experiências, conhecimentos anteriores, habilidades, processos de estudo) é indispensável para o desenvolvimento de conhecimentos novos e para o êxito da ação que se planeja. Essa multiplicidade de situações, em alguns momentos, exigirá do professor uma atitude de mediador nas interações educativas com seus alunos. Outras vezes, poderá estar, com eles, criando desafios perante noções, conceitos, categorias e conteúdos apresentados, que, por sua vez, poderão estar revelando a realidade do mundo e a concepção que os alunos têm sobre determinado tema. A sala de aula é um universo bastante complexo. Muitos são os fatores que estão interagindo no seu interior, desde a afetividade entre os alunos e deles com a escola e o professor, o nível de maturidade e individualidade de cada um dos alunos, assim como o nível de conhecimentos prévios que cada um carrega. Os alunos constroem e reconstroem o conhecimento geográfico na escola e também fora dela, estruturando suas idéias e elaborando uma forma particular de explicar o espaço e as relações nele presentes, constituindo as chamadas representações sociais. Observar as representações dos alunos de EJA, investigar como explicitam alguns temas, conceitos ou categorias próprios da ciência geográfica, que significados possuem para eles, como se originaram, quais caminhos foram percorridos para sua elaboração e que contradições ou ambigüidade traduzem -- são fundamentais para construir e ampliar novos conhecimentos.

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

MELHEN ADAS. SERGIO ADAsExpedições Geográficas Editora mmoderna Projeto ARARIBÁ, editora Moderna.

MELHEN ADAS. SERGIO ADAsExpedições Geográficas Editora mmoderna Projeto ARARIBÁ, editora Moderna. PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professor (a) Osmarina Disciplina :GEOGRAFIA Ano:8 ANOB Período:2014 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES CONTEÚDO BÁSICO CONTEÚDOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Composição dos PCN 1ª a 4ª

Composição dos PCN 1ª a 4ª Composição dos PCN 1ª a 4ª Compõem os Parâmetros os seguintes módulos: Volume 1 - Introdução - A elaboração dos Parâmetros curriculares Nacionais constituem o primeiro nível de concretização curricular.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro.

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. E.E. Prof. José Pereira Éboli Sala 12 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Meire Regina de Almeida Siqueira Maria Regina Nunes de Campos Realização:

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Kelli Carvalho Melo Mestre em Geografia - PPGG/UNIR. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Modos de Vidas e Culturas

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO DO CURSO NORMAL SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO DO CURSO NORMAL SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO DO CURSO NORMAL SUPERIOR Maio de 2000 2 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DA EDUCAÇÃO Paulo Renato Souza SECRETÁRIO EXECUTIVO Luciano

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA Tais Pires de Oliveira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Geografia tais_piresoliveira@hotmail.com

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

informações em documentos.

informações em documentos. C O L É G I O L A S A L L E EducaçãoInfantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000- Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL:

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE INTRODUÇÃO José Izael Fernandes da Paz UEPB joseizaelpb@hotmail.com Esse trabalho tem um propósito particular pertinente de abrir

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil Heliana de Moraes Alves Graduanda em Geografia Bacharelado da Universidade Federal

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO

PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Alunos Apresentadores:Aline Inhoato; Rafhaela Bueno de Lourenço; João Vitor Barcelos Professor Orientador: Mario Ubaldo Ortiz Barcelos -Email: muobubaldo@gmail.com

Leia mais

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Andréa Pereira de Souza Gestora da Formação Permanente na Secretaria Municipal de Educação do município de Mogi das Cruzes. Cintia

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 Nome: Nº 6º ano Data: / /2015 Professor: Nota: (valor: 2.0) A - Introdução Neste ano, sua pontuação foi inferior a 60,0 pontos e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

O saber geográfico, elaborado em diferentes épocas e em diferentes contextos

O saber geográfico, elaborado em diferentes épocas e em diferentes contextos Geografia Geografia na Educação de Jovens e Adultos O saber geográfico, elaborado em diferentes épocas e em diferentes contextos (sociais, culturais, ideológicos, políticos, religiosos), é marcado pelas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec. Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Fundamentos e Métodos do Ensino de História: algumas reflexões sobre a prática

Fundamentos e Métodos do Ensino de História: algumas reflexões sobre a prática Fundamentos e Métodos do Ensino de História: algumas reflexões sobre a prática Resumo: A atuação como professor- pesquisador formador envolve a constante reflexão sobre o perfil do aluno, os objetivos

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA GUARUJÁ 2013 PROJETO INTERDISCIPLINAR/PEDAGOGIA 1 OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS Levando-se em consideração que: 1. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (n

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais