REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS DE REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS DE REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL"

Transcrição

1 REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS DE REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL Jean Roger Bombonatto Danelon Universidade Federal de Uberlândia Aline de Freitas Roldão Universidade Federal de Uberlândia Pedro Henrique Flausino Damaceno Universidade Federal de Uberlândia Resumo As politicas públicas ligadas a Reforma Agrária em nosso país proporcionam intensos debates ligados a questionamentos quanto ao modo que são aplicadas e geridas pelo governo. É nesse contexto que o presente trabalho objetiva analisar de maneira breve a formação e aplicação das politicas de Reforma Agrária no Brasil. Para isso será desenvolvido no mesmo um apanhado histórico dos PNRA s (Planos Nacionais de Reforma Agrária) para que possa ser debatida sua real aplicação, e também expor como o grande latifúndio interfere na aplicação dos mesmos. Será realizada uma interface das ações de politicas públicas de Reforma Agrária nos governos de Fernando Henrique Cardoso e Lula, analisando suas dinâmicas. Para o desenvolvimento do trabalho, foram utilizados como metodologia, dados disponibilizados em sites referentes ao assunto tratado, como: o INCRA; o MDA e a UDR. Palavras-chave: Reforma Agrária. Políticas Públicas. Plano Nacional de Reforma Agrária. Introdução No Brasil, o principal órgão que trata da Reforma Agrária é o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Este é uma autarquia federal criada pelo Decreto nº 1.110, de 9 de julho de 1970, tendo como missão prioritária a realização da Reforma Agrária, mantendo o cadastro nacional de imóveis rurais e administrando as terras públicas da União. O INCRA define Reforma Agrária como sendo um conjunto de medidas para promover a melhor distribuição da terra, através da modificação no regime de posse e uso, no intuito de atender aos princípios da justiça social, desenvolvimento rural sustentável e aumento de produção. Segundo Caio Prado Júnior (1979), nos últimos tempos a questão da Reforma Agrária vem ganhando considerável impulso seja por pressões vindas de baixo (movimentos sociais) ou de iniciativas oficiais, que direta ou indiretamente são estimuladas por 1

2 aquelas pressões, fato este que propõe de maneira insistente um debate ligado a questão da Reforma Agrária. Assim ocorrem-se dia a dia repetidos conflitos sociais de gravidade crescente, que giram em torno do problema da terra. Desta forma, para o autor, percebe-se uma radicalização do homem do campo que se mostra cada vez mais decidido a lutar por melhores condições de vida e assim as esferas oficiais se mobilizam. De acordo com Leal (2002) as disputas em torno da reforma agrária vêm sendo uma das mais importantes lutas populares na última década. Entretanto, setores do governo federal, parcelas dos parlamentares, setores da grande imprensa e representantes da burguesia agrária têm se mostrado contra os movimentos em que os trabalhadores rurais sem-terra se organizam para lutar por transformações fundiárias e políticas. A luta pela reforma agrária, no Brasil, tem sido historicamente não apenas uma tentativa de resolução satisfatória da ainda não resolvida questão agrária, mas também uma ponte para discussões em torno da distribuição de poder no país. Esta característica foi introduzida pelas Ligas Camponesas, na década de 50, e desde a década de 80, tem sido levada adiante especialmente pelo Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). (Leal, G.F,2002). Zander Navarro ao dar uma entrevista ao Instituto Humanitas Unisinos (IHU- On line) no dia 21/04/2009, coloca que o tema da Reforma Agrária causa muita controvérsia e que isso ocorre particularmente no Brasil e que o mesmo é o único país do mundo que ainda não tem o tema Reforma Agrária como algo falado e que faz parte da agenda política, que cria ações de protesto, ações governamentais, etc. Esse fato se dá, de acordo com Zander Navarro por vários motivos, entre os quais pode-se destacar: Em 50 anos de desenvolvimento do mundo, no geral, ocorreram duas mudanças importantes que afetam a Reforma Agrária. A primeira delas é que a Reforma Agrária foi típica das décadas de 1950 e 1960, especialmente porque uma grande parte dos países tinha produção essencialmente agrícola e a maior parte da população vivia e dependia de atividades rurais. O que se modificou, com o passar do tempo, é que hoje temos um mundo especialmente urbano e grande parte das economias se tornaram mais diversificadas, com a presença de setores de serviços e indústrias. Isso fez com que a temática agrária e agrícola fosse para um segundo plano, ou seja, temos, essencialmente, processos de urbanização que tiram a Reforma Agrária da agenda. Esse é o primeiro grande processo que também ocorre no Brasil, embora o debate continue sendo muito marcado pelo passado. (Navarro, 2009). Sobre as Políticas de Reforma Agrária no Brasil, Zander Navarro, expõe que o que se faz sentido hoje são Políticas de Reforma Agrária Regional e não as de cunho nacional. Isso se explica pelo fato de a mesma fazer sentido de forma justificada em regiões mais 2

3 localizadas, onde os recursos humanos financeiros, logísticos do governo federal fossem aplicados de uma maneira regional, localizada. O presente trabalho objetiva analisar as Políticas Nacionais de Reforma Agrária, entendendo suas formações e atuações no Brasil. Ainda nesse sentido, objetiva-se o reconhecimento da força das grandes propriedades e de empresários rurais influenciando nessas políticas, principalmente no que se refere a bancada ruralista presente no Congresso Nacional e dos demais setores do governo responsáveis pelas políticas relacionadas a Reforma Agrária. As principais fontes para realização deste trabalho foram sites de órgãos referentes ao assunto tratado, no caso Politicas Nacionais de Reforma Agrária, tais como o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), o MDA (Ministério de Desenvolvimento Agrário) e ainda o site da UDR (União Democrática Ruralista). Utilizamos também como referência o PNRA (Plano Nacional de Reforma Agrária) e ainda livros, artigos e entrevistas relacionados ao tema estudado. As políticas, histórico e contexto atual O I e II Plano Nacional de Reforma Agrária (PNRA) O II Plano Nacional de Reforma Agrária (PNRA) foi elabora no ano de 2003 onde foi apresentado na Conferencia da Terra em Brasília. No entanto o mesmo como sua própria titulação já informa é o segundo plano já criando que versa sobre o tema de políticas para reforma agrária. Dessa maneira cabe relatar que o primeiro plano foi elaborado no ano de 1985, no governo de José Sarney, reflexo da criação do Estatuto da Terra que havia sido criado anos antes. No entanto o plano não teve grandes ações executadas e acabou por perder expressão com o passar dos anos. A elaboração do II Plano Nacional de Reforma Agrária procurou ser realizada de maneira conjunta com a sociedade, onde as etapas de criação do plano tramitaram pelas mais variadas estancias políticas e da sociedade, uma vez que esta é a qual será diretamente afetada pelos reflexos causados pelo plano. O II Plano tinha como metas a geração de mais de 1 milhão de novas famílias assentadas até o ano de 2006, o que viria a gerar mais de 2 milhões de novos postos de trabalho. No entanto estes dados devem ser analisados a fundo, pois a chance de que 3

4 estes não sejam cumpridos é um fato que não devemos deixar de lado, uma vez que o primeiro plano demostrou poucas mudanças significativas. A real aplicação dos PNRA Existem vários fatos que podem confirmar à preocupação com que não sejam cumpridas as metas contidas no II PNRA, já que o Primeiro Plano Nacional de Reforma Agrária tinha como objetivo beneficiar cerca de um milhão de famílias, principalmente na região centro sul do país, entretanto, durante o governo de Sarney ( ) tinha-se como meta assentar cerca de 1,4 milhões de famílias, porém conseguiram ser assentadas apenas 90 mil, cerca de 5% do total. Durante o governo Collor ( ), tinha se como meta assentar cerca de 500 mil famílias, porém, somente 23 mil famílias conseguiram receber o benefício e isso só ocorreu devido às terras deixadas pelo ultimo governo. Itamar Franco ( ) havia prometido terras a 20 mil famílias em 93 e 60 mil em 1994, porem durante seu mandato de 92 a 94 beneficiou somente famílias. Durante o governo FHC ( ), tinha-se como meta de campanha distribuir cerca de 400 mil propriedades, porém após sua candidatura essa meta foi reduzida a 260 mil famílias durante seu mandato. Em 1995 foram assentadas famílias, em famílias e em 1997 apenas 21 mil famílias. Pode-se notar que a reforma agrária não é uma prioridade para os governantes do Brasil, uma vez que suas metas quase sempre não são cumpridas e constantemente recebem modificações diminuindo abruptamente o número de ações a serem realizadas. Dessa maneira analisando os dados apresentados anteriormente sobre os números que eram previstos e os que realmente foram atingidos em três governos distintos podemos assim notar o quanto é verdadeira a nossa desconfiança no que se refere ao interesse e empenho de nossos governantes no que diz respeito a assuntos ligados a Reforma Agrária em nosso país. 4

5 Gráfico 1 Assentamentos Rurais Número de Famílias em Áreas Obtidas Efetuando uma análise dos dados fornecidos pelo NERA (Núcleo de Estudos, Pesquisa e Projetos de Reforma Agrária) podemos constatar que o número de 1 milhão de famílias assentadas até o ano de 2006 de forma que no período que compreende os anos de 2003 á 2006 seriam assentadas 400 mil novas famílias, não foi atingido novamente. Segundo a pesquisa do NERA no período de foram assentadas mil famílias (Gráfico 1), número inferior à metade do que havia sido previsto pelo II PNRA, mostrando que seguidamente cada governo estipula uma meta para reforma agrária que não chega nem perto de ser atingida, o que nos leva a pensar que essas metas funcionam apenas como um chamariz para votos, uma vez que elas não são postas apenas para a questão da reforma agrária, mas também para a educação, saúde entre outros fatores que se encontram em total abando dos governantes de nosso país. No II Plano estão registrados vários dos pressupostos que norteiam a reforma agrária, entre os quais vários também são encontrados no Estatuto da Terra (1964) a exemplo do acesso democrático a terra, que aparece no Estatuto da Terra da seguinte forma: Art. 1-2 É dever do Poder Público: a) promover e criar as condições de acesso do trabalhador rural à propriedade da terra economicamente útil, de preferência nas regiões onde habita, ou, quando as circunstâncias regionais, o aconselhem em zonas previamente ajustadas na forma do disposto na regulamentação desta Lei; Este fato faz como que o II Plano possa ser visto como um documento de grande relevância para o desenvolvimento agrário no Brasil, uma vez que este seja executado de maneira correta, seguindo suas diretrizes de criação. 5

6 Ainda podemos notar no Plano algumas partes que foram acrescentadas ao mesmo a fim de melhorar pontos que haviam tidos com falhos no I Plano elaborado em 1985, podemos citar como exemplo o trecho do novo plano que versa da seguinte forma: o II PNRA vai além da garantia do acesso à terra. Prevê ações para que estes homens e mulheres possam produzir, gerar renda e ter acesso aos demais direitos fundamentais, como Saúde e Educação, Energia e Saneamento. Este trecho transcrito acima deixa claro que o fato de ser realizada a distribuição de terras e o assentamento das famílias nas mesmas não garante que, estas famílias venham a conseguir tornar essas áreas produtivas podendo assim retirar das mesmas o seu sustento de forma digna, logo é cabível essa reformulação do II PNRA onde o governo visa fornecer aporte para que estas famílias possa prover seu sustento a partir do trabalho no rural. Essas modificações realizadas quando aplicadas corretamente podem evitar acontecimentos como os ocorridos durando do governo FHC, onde, grande parte das ações de reforma agrária ocorreram em áreas de conflitos e tensões locais onde as famílias correm um grande risco devido a falta de segurança nesses locais. Durante o governo FHC, das famílias assentadas em 1996, famílias se encontravam em áreas de conflitos, eram posseiros e acampados e viviam em condições precárias. Desse montante de famílias envolvidas em ações ligadas a reforma agrária em 1996 apenas vivia em áreas sem incidência de conflitos, onde podiam desenvolver suas atividades em condições mais favoráveis conforme previsto em no Art. 1-2 presente no Estatuto da Terra de 1964, já citado anteriormente. Outro fato que descumpre as normativas indicadas pelo Estatuto da Terra e Pelo I e II PNRA diz respeito a localidade onde são assentadas as famílias ligadas a reforma agrária, uma vez que segundo as normativas dos mencionados documentos as família devem ser assentadas nas regiões onde habitam. Logo existem outros fatores de cunho econômico que por vezes ignoram essas normativas de tal forma que a reforma agrária atinge todos os estados do país, porém as ações de reforma agrária nas regiões sudeste e sul foram pouco expressivas na política agrária, provavelmente devido o elevado valor agregado a essa região. E a incipiente implantação da reforma agrária que ocorreu no país se deu mais expressivamente nas regiões Nordeste e Centro Oeste, provavelmente devido o menor valor agregado as propriedades e também a necessidade de se povoar o 6

7 oeste do país, essa implantação das famílias nestas regiões principalmente no Centro Oeste ocorreu simultaneamente com a política de instalação de agricultores. De acordo com os cálculos do governo o local mais caro para se assentar uma família e na região centro-sul do país com um custo médio de R$ 40 mil, já em algumas regiões paga-se apenas no lote cerca de R$ 20 mil. Porém existem outros custos como alimentação, crédito de fomento, implantação e moradia. E logo após os assentados devem se inscrever no Programa de Credito Especial para Reforma Agrária o Procera, que lhes permitem acesso a três linhas de financiamento como o crédito de custeio, investimento e crédito cooperativo. Metade desses recursos é dada pelo governo a fundo perdido - a família não terá que pagar. A outra metade deverá ser devolvida num prazo de sete anos, com dois anos de carência. Metade do crédito de custeio de R$ 1.000,00 teria que ser reembolsada pela família em um ano. Na prática, porém, nem sempre é paga. Mesmo assim, se pagar, o assentado terá direito a receber um novo crédito de mais R$1.000,00, nas mesmas condições. Para assentar cada família o governo tem um gasto de aproximadamente R$ ,00. Atualmente com os recursos gastos na reforma dos estádios para a copa do mundo que é de mais de R$5 bilhões, seria possível assentar mais de 100 mil famílias, porém sabemos que a reforma agrária nunca foi priorizada no Brasil. Pois com o volume de terras devolutas que o país possui não seria preciso nem desapropriar as fazendas improdutivas para realizar a reforma agrária. Os gestores governamentais para a Reforma Agrária As diretrizes e medidas apresentada no II PNRA precisam e devem ser aplicadas da maneira apropriada e no período de tempo previsto no plano, e para que isto seja feito existem órgãos governamentais responsáveis por gerir e fiscalizar estas ações. O primeiro dos órgãos governamentais envolvidos em gerir e fiscalizar as politicas públicas de reforma agrária no Brasil é o Ministério do Desenvolvimento Agrário que tem como objetivo desenvolver a reforma agrária assim como o reordenamento agrário no território brasileiro, entre outras funções como regularização fundiária na Amazônia Legal, promoção do desenvolvimento sustentável da agricultura familiar entre outras que não serão apresentadas no presente momento uma vez que o intuito do presente trabalho é versar sobre as políticas nacionais de reforma agrária. 7

8 O MDA, no entanto não é o único responsável por se enveredar nos assuntos ligados a reforma agrária, existem também secretarias e unidades dentro do próprio MDA que tem objetivos específicos de tratar de assuntos relativos à reforma agrária. Um exemplo disso é a Secretaria de Reordenamento Agrário (SRA) que tem o intuito de atuar na aplicação de políticas públicas nacionais destinadas ao meio rural através de ações complementares que auxiliem na reforma agrária. O SRA procura atuar com meios que possibilitem o real acesso a terra, através do Crédito Fundiário, por exemplo, pois, conforme já foi mencionado anteriormente não basta apenas se fornecida a terra é preciso também existirem condições para que essa terra venha se tornar produtiva tendo uma verdadeira valia no processo de reforma agrária, e o crédito fundiário aparece com esse papel. Logo devemos ser críticos e analisar a atual conjuntura em que se encontra a reforma agrária em nosso país, onde apenas observando esse cenário podemos aferir que as linhas de crédito fornecidas pelo governo com fins para a reforma agrária talvez sejam insuficientes para sanar a demanda existente, fato que não tira o caráter positivo do Crédito Fundiário e sim apenas aponta que o mesmo deve ser melhorado visando atender o maior número de assentados possível. Outro órgão governamental que é envolvido com a reforma agrária é Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) que é uma autarquia alocada como uma unidade dentro do MDA. O INCRA assim como SRA possui o papel de implementar a política de reforma agrária e o reordenamento agrário assim como o desenvolvimento rural sustentável. O INCRA talvez seja o órgão governamental ligado a assuntos de reforma agrária que mais seja conhecido pela população uma vez que o mesmo possui uma maior presença na mídia nacional, sendo o centro dos debates ligados à reforma agrária no âmbito nacional. A Bancada Ruralista e a Reforma Agrária Historicamente a reforma agrária sempre foi debatida de forma que dividia opiniões onde havia quem se posiciona-se a favor e quem se posiciona-se de forma contrária. Logo devemos contextualizar os motivos pelo quais se configurava essa divisão de opiniões. De um lado se encontravam os pensadores e os possíveis beneficiados pela reforma agrária, estes compreendiam que a reforma agrária no Brasil seria uma ação 8

9 positiva, que possibilitaria uma maior divisão de renda devido o acesso democrático a propriedade que possibilitaria com que muitas famílias ligadas ao rural desenvolvessem suas atividades de forma positiva. Porém como já foi mencionado existe uma divisão de opiniões quanto a esse tema, logo se existem os que apoiam a ideia da reforma agrária, existem também os que são contra essa atitude, entre estes podemos mencionar principalmente os grandes proprietários de terras que fazem parte da atualmente denominada como Bancada Ruralista. A Bancada Ruralista se trata de uma frente parlamentar composta por deputados e senadores que declaram-se defensores do latifúndio. A maioria de seus componentes são membros de partidos de direita conservadores, que defendem a não violação da propriedade privada, abominando os planos e projetos ligados a reforma agrária. A presença de representantes dos grandes latifundiários no meio político brasileiro não é um privilégio dos dias atuais uma vez que desde o início da república brasileira nossos governantes eram em sua esmagadora maioria representantes de uma burguesia, que em nossa realidade subdesenvolvida compreendia uma burguesia agrícola que com o passar dos tempos se tornou agroindustrial. Dessa maneira os interesses dos latifundiários sempre foram presentes no cenário politico brasileiro. Em 1985 quando foi discutido o I PNRA que procurava fazer cumprir os postulados presentes do Estatuto da Terra de 1964, ouve uma grande repulsa dos representantes das elites rurais da época que eram encabeçados pelo então ex-ministro da Justiça Armando Falcão e pelo ex-deputado Sergio Cardoso de Almeida onde o segundo não só representante ativo dos interesses do latifúndio como também grande proprietário de terras na região de Ribeirão Preto - SP e na Amazônia. Na época essa frente parlamentar chegou a afirmar que a criação do I PNRA seria um plano arquitetado pela CIA (Agencia Central de Inteligência) e da KGB (Comitê de Segurança de Estado) para impedir que o Brasil viesse a se tornar uma potência mundial a partir de sua produção agrícola (GRAZIANO DA SILVA, 1985). A Reforma Agrária de Lula e FHC A postura política por vezes foi argumento para identificar os que eram pró e os que eram contra os projetos de reforma agrária, de modo que nas discussões realizadas sobre o tema no congresso nacional podia-se notar os partidos ditos de esquerda (denominação pouco aplicável à política brasileira que devido ao seu alto grau de 9

10 esfacelamento pela corrupção perdeu o caráter ideológico dos partidos) a favor aos projetos de reforma agrária, e os integrantes dos partidos de direita se colocavam contra a estes projetos, muitas vez a fim de atender os interesses das elites rurais como já foi tratado anteriormente. É nesse contexto posicionamento político à direita ou à esquerda, que são discutidas as ações para a reforma agrária desenvolvidas pelos governos de FHC ( ) e Lula ( ). Muito se coloca quanto ao maior número de ações para reforma agrária presentes no governo de Lula, exaltando o caráter inovador de sua reforma agrária que visa mais a compra de terras do que a desapropriação. No entanto apesar dos números mostrarem que realmente existe uma vantagem do governo Lula sobre o governo FHC, é preciso desenvolver uma leitura critica dessa situação analisando mais a fundo esses dados. Foi no governo de FHC às terras destinadas a fins de reforma agrária passaram a ser compradas e não desapropriadas como de costume. Como mais uma das por muitas vezes criticadas (muitas destas com razão) medidas neoliberais desempenhadas pelo governo FHC, foi pensada a chama Reforma agrária amiga do mercado ou Reforma agrária de mercado onde através de empréstimos conseguidos pelo Estado Brasileiro junto a BIRD (Banco Interamericano de Desenvolvimento), as terras para reforma agrária passaram a ser adquiridas pelo Estado através da compra. No governo de Lula essa mesma estratégia de politica agrária foi utilizada, porém com outra roupagem, uma vez que o dinheiro para a compra das terras era proveniente da mesma fonte do governo FHC, ou seja, o BIRD. Porém no governo Lula essa política obteve mais êxito por uma série de fatores como, por exemplo, o amadurecimento do plano de reforma agrária de mercado, que passou por correções que o tornaram mais eficaz, a condição econômica do país que vinha em um acrescente entre outros fatores inclusive um possível maior empenho do governo Lula (TRAJANO, 2010). O trecho anterior versando sobre as atitudes ligadas aos planos de reforma agrária no governo FHC e Lula, não visa exaltar nenhum dos dois governantes e sim deixar claro que não existe uma diferença tão gritante entre o interesse dos mesmos e de seus partidos sobre o tema reforma agrária, pois, como já foi dito anteriormente no Brasil raros são os partido que possuem um caráter que realmente defenda os interesse sociais, no caso da presente discussão a reforma agrária, uma vez que independente do partido que esteja no poder, este procurará manter os benefícios que mantem as elites brasileiras 10

11 em uma posição confortável, fato que uma possível reforma agrária feita em moldes adequados atrapalharia de forma significativa. Conclusões Contudo o presente trabalho procurou tratar de forma esclarecedora os assuntos ligados às Políticas Nacionais de Reforma Agrária, abordando temas como os Planos Nacionais de Reforma Agrária, os principais órgãos governamentais envolvidos nesse debate e também com qual prioridade o governo trabalha essa questão, como o jogo de interesse dos grandes latifundiários interferem na politicas de reforma agrária e por fim foi realizada uma análise de ações de reforma agrária realizadas nos governos de FHC e Lula. Dessa maneira pode-se dizer que o trabalho procurou abordar os temas mais relevantes ligados as Políticas de Reforma Agrária no Brasil, apresentando-se de forma relevante para esclarecer alguns pontos desse tema e colocar em debate outros pontos importantes sobre o assunto. Nota O presente artigo é proveniente do Trabalho Final proposto na disciplina optativa de Gestão do Espaço Rural, oferecida pelo curso de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia no ano de Referências BRASIL. II Plano Nacional de Reforma Agrária BRASIL. Relatório de Avaliação do Plano Pluri-Anual Ministério do Desenvolvimento Agrário, Exercício 2009/ Ano Base Brasília, DAVID, M. B. de A; WANIEZ, P; BRUSTLEIN, V. Atlas dos Beneficiários da Reforma Agrária. Estudos Avançados (11) 31, Disponível em: Acessado em: Novembro de GRAZIANO DA SILVA, J. F. Para entender o Plano Nacional de Reforma Agrária. Editora Brasiliense. São Paulo, 1985 INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/portal/>. Acessado em: Novembro de INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/portal/>. Acessado em: Novembro de

12 JUNIOR, C.P. A questão Agrária. Editora Brasiliense. São Paulo, LEAL, G.F. Políticas de reforma agrária contra os movimentos sociais de luta pela terra: uma análise dos anos 90. Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais no Brasil. Foz do Iguaçu PR, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA. Disponível em: <http://www.mda.gov.br/portal/>. Acessado em: Novembro de Reforma Agrária Compromisso de Todos Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/publi_04/colecao/refagr5.htm> Acesso em novembro de 2011 TRAJANO, J. A Reforma Agrária nos governos FHC e Lula. Vol.6, 2010, Curitiba. II Seminário Nacional de Sociologia e Política. Anais. Curitiba, p

ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano

ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano Reforma Agrária A proposta é uma coisa, o plano do governo é outra ENTREVISTA ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano de Carvalho Filho, professor da Faculdade de Economia

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis Hanen Sarkis Kanaan 1 Resumo: Este trabalho discute a implantação e a situação das famílias assentadas pelo programa de assentamento do Banco

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 41 Discurso na cerimónia de celebração

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas 21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas O Brasil está realizando a maior reforma agrária do mundo. A pesada herança de séculos de um Brasil latifundiário passou a mudar, em 1995, a

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1 CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina FACULDADE MARECHAL RONDON/ UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 2 ESTADO DE MINAS 3 ESTADO DE MINAS http://www.em.com.br PSD de Kassab mira 'órfãos' do PMDB quercista O PSD obteve registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na terça-feira e corre

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 Contexto Retomada dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural no país em 2003;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 Dispõe sobre o financiamento e desenvolvimento de programas habitacionais sociais, destinados à população de baixa renda e dá outras

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011 Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar 9 de agosto de 2011 Agricultura familiar é a forma de produção em que predominam: interação entre gestão, trabalho e direção do processo produtivo;

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária e o Licenciamento Ambiental.

O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária e o Licenciamento Ambiental. Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Incra O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DA TERRA E A EXPERIÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DO MUNICÍPIO DE CANDÓI-PR.

Mostra de Projetos 2011 A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DA TERRA E A EXPERIÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DO MUNICÍPIO DE CANDÓI-PR. Mostra de Projetos 2011 "A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DA TERRA E A EXPERIÊNCIA DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DO MUNICÍPIO DE CANDÓI-PR." Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos em implantação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

Ariovaldo Umbelino: sem enfrentamento, não haverá reforma agrária Escrito por Valéria Nader 02-Mai-2007

Ariovaldo Umbelino: sem enfrentamento, não haverá reforma agrária Escrito por Valéria Nader 02-Mai-2007 Reforma Agrária no Brasil Fonte:Correio da Cidadania Ariovaldo Umbelino: sem enfrentamento, não haverá reforma agrária Escrito por Valéria Nader 02-Mai-2007 O mês de abril, em que tradicionalmente se intensificam

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras Programa 2066 - Reforma Agrária e Ordenamento da Estrutura Fundiária Número de Ações 34 Tipo: Operações Especiais 0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos -

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4 Introdução Conforme deliberado na 13 o reunião do Comitê Gestor do Programa Municípios Verdes COGES/PMV,

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar Programa 0139 Gestão da Política de Desenvolvimento Agrário Objetivo Coordenar o planejamento e a formulação de políticas setoriais e a avaliação e controle dos programas na área de desenvolvimento agrário

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 1.193/2015 AUTOR: MESA DIRETORA SÚMULA: CRIA O CONSELHO E O FUNDO MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ, ESTADO DE MATO GROSSO, E

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras Programa 2066 - Reforma Agrária e Ordenamento da Estrutura Fundiária Número de Ações 11 Tipo: Operações Especiais 0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos -

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.3 INVESTIMENTO NA TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS Enquadramento Regulamentar

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) CONS GEO 02-09

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) CONS GEO 02-09 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) CONS GEO 02-09 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar ações nos

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Pauta do Grito da Terra Brasil GTB Estadual 2014 APRESENTAÇÃO

Pauta do Grito da Terra Brasil GTB Estadual 2014 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O ano de 2014 foi eleito oficialmente pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) como o Ano Internacional da Agricultura familiar. Tendo como objetivo aumentar

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS Kilder José Barbosa Engenheiro Agrimensor Analista/INCRA Kilder Barbosa - Engenheiro Agrimensor Analista em Reforma e Desenvolvimento

Leia mais

REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA: A ESPERANÇA

REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA: A ESPERANÇA REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA: A ESPERANÇA Bernardo Mançano Fernandes Geógrafo, professor e pesquisador do Departamento de Geografia Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Estadual Paulista

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento 1. Do Conceito de Tecnologia Social 1.1 Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

A reforma agrária brasileira: evolução do número de famílias assentadas no período pós-redemocratização do país

A reforma agrária brasileira: evolução do número de famílias assentadas no período pós-redemocratização do país Lauro Francisco Mattei1 A reforma agrária brasileira: evolução do número de famílias assentadas no período pós-redemocratização do país Introdução A questão agrária brasileira está intimamente ligada ao

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Agrário MISSÃO Promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, a democratização do acesso à terra, a gestão territorial da estrutura fundiária, a inclusão produtiva

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br À SECRETARIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS Ministro Paulo de Tarso Vannuchi E-mail: paulo.vannuchi@sedh.gov.br e valeria.silva@sedh.gov.br AO MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro Márcio Fortes de Almeida E-mail:

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO)

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) Realização: Ibase, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) Objetivos da Pesquisa: Os Diálogos sobre

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DO QUARAÍ Departamento das Relações Comunitárias e Orçamento Participativo Palácio João Baptista Lusardo

PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DO QUARAÍ Departamento das Relações Comunitárias e Orçamento Participativo Palácio João Baptista Lusardo RELATÓRIO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE 2006 TRÊS COISAS... De tudo, ficam três coisas: A certeza de que estamos sempre começando... A certeza de que precisamos continuar... A certeza de que seremos interrompidos

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

Reforma Política. Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil

Reforma Política. Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Reforma Política Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Introdução 2 Objetivos Abrangência Geográfica Método de coleta Datas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Congresso Estadual da Agropecuária Umuarama-PR, 27 de agosto de 2015 Contexto Geral Retomada em 2003, por parte do Governo

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 6.254, DE 2009 (Apenso: PL 6.975/2010) Dispõe sobre as condições de liquidação das dívidas dos beneficiários

Leia mais