Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares"

Transcrição

1 CA C Doc 2b CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO/CONSELHO OPERAÇÕES POSTAIS Comissão mista 2 (Desenvolvimento e cooperação) Criação de um fundo de ajuda de urgência da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares Berna, 5 de Novembro de 2010 (de 9h30 às 12h30), Sala Heinrich von Stephan Nota da Secretaria Internacional (Item 2b da pauta) 1. Assunto Informar a Comissão mista 2 sobre as atividades de ajuda de urgência da UPU aos países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares. Propor a criação de um fundo de urgência e de solidariedade da UPU. Referências/Parágrafos 1 a a Decisão esperada Tomar nota das informações contidas no presente documento e formular qualquer comentário considerado pertinente sobre a criação de um fundo de urgência e de solidariedade da UPU. Adotar a referida proposta. 28 Anexo 1 I. Introdução 1. O Conselho de Administração (CA) adotou, em sua sessão de Outubro de 2005, os princípios e procedimentos que regulam a assistência da UPU aos países em questão na seqüência de catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares (CA 2005 Doc 9). 2. Os casos que podem ser considerados situações particulares foram claramente definidos, ou seja: as catástrofes naturais de grande envergadura de todo o tipo (inundações, tremores de terra, furacões, incêndios, etc.); os conflitos armados e outros; as greves de grande envergadura (gerais ou do setor postal). 3. Guiada por estes princípios e procedimentos adotados pelo CA, a Secretaria Internacional examinou qualquer pedido de assistência de urgência apresentado por um País-membro da União de forma coordenada, proativa e com prontidão. Em casos excepcionais, a Secretaria Internacional tomou as medidas necessárias sem esperar o pedido de assistência formal do país em questão. DCDEV.PECS 28/10/2010

2 2 II. Ajuda de urgência do sistema da ONU Tendências em matéria de catástrofes e de riscos de catástrofe 1 4. Entre Junho de 2008 e Junho de 2009, tivemos um total de 343 catástrofes, que atingiram mais de 42 milhões de pessoas e custou a vida de mais de pessoas. Estas catástrofes provocaram danos avaliados em cerca de 60 bilhões de dólares (USD). 5. As catástrofes ligadas aos perigos hidro-meteorológicos, como as inundações, as tempestades e as secas, ocasionaram mais de 80% dos danos provocados por todos os tipos perigos naturais. A Ásia foi a mais atingida pelas chuvas, que causaram graves inundações e atingiram mais de meio milhão de pessoas na Índia, no Nepal e no Paquistão. A seca atingiu 14,5 milhões de pessoas em 9 países da África subsaariana. A estação dos furacões no Atlântico foi muito ativa em 2008, com 16 tempestades tropicais, 5 qualificadas como furacões de alta intensidade. Cuba foi atingida por 4 ciclones tropicais sucessivos, o que provocou danos ou a destruição de casas. No Haiti, mais de pessoas foram atingidas e as perdas foram estimadas em 900 milhões de USD, ou 15% do produto interno bruto. O furacão Ike provocou cerca de 30 bilhões de USD de perdas econômicas na América (Estados Unidos). Mecanismos de ajuda de urgência de outras organizações do sistema das Nações Unidas Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento 6. O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) criou em 2001 um Escritório da prevenção das crises e da reconstrução (BCPR) que visa ajudar as vitimas de catástrofes naturais ou de conflitos violentos a encontrar uma boa qualidade de vida. O BCPR se apóia em cerca de cinqüenta escritórios de países do PNUD e é uma ponte entre as agências humanitárias que se ocupam das necessidades imediatas e a fase de desenvolvimento a longo prazo que segue a reconstrução, com o objetivo de tornar-se um centro mundial de prevenção das crises e a reconstrução. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura 7. Para aumentar a capacidade de enfrentar rapidamente as situações de urgência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), foi criado um Fundo especial para as atividades de urgência e de reabilitação (SFERA) em Abril de Ele dá à FAO a flexibilidade e os meios financeiros para reagir rapidamente às crises humanitárias antes mesmo que os financiamentos dos doadores sejam garantidos. Tirando alguns créditos do Programa de cooperação técnica da FAO, os fundos destinados em caso de catástrofes vêm de recursos extra-orçamentários fornecidos pelos doadores. União Internacional das Telecomunicações 8. A União Internacional das Telecomunicações (UIT) implantou uma «Estrutura da UIT para uma cooperação em situação de urgência (IFCE)» durante o Fórum mundial sobre o uso eficiente das telecomunicações/tecnologia da informação e da comunicação na gestão das catástrofes naturais, realizado em Genebra em Dezembro de A IFCE visa disponibilizar os recursos das telecomunicações/ tecnologias da informação e da comunicação aos países para que as entidades responsáveis pelas telecomunicações/ tecnologias da informação e da comunicação e os organismos públicos encarregados da gestão das catástrofes, o pessoal humanitário e as vítimas possam ser beneficiados o mais rápido possível, assim que acontece uma catástrofe, graças ao uso de sistemas transportáveis, fáceis de desenvolver e confiáveis. 9. Com seus três módulos tecnológico, financeiro e logístico, a IFCE é um mecanismo essencial para o desenvolvimento eficiente dos recursos de telecomunicação em prol de países que necessitam de uma assistência nos momentos imediatamente após uma catástrofe, de organizações humanitárias e de comunidades locais. 1 Fonte: Extrato do relatório do Secretário Geral da ONU à Assembléia geral 2009.

3 3 10. Um Fundo de reserva para as telecomunicações de urgência no âmbito do módulo financeiro da IFCE e denominado «Fundo para as telecomunicações de urgência» (EFT) foi constituído. Serve para financiar iniciativas e atividades ligadas à intervenção em caso de catástrofe, como o desenvolvimento de equipamentos e o financiamento do tempo de transmissão. A contribuição de Estados Membros em forma de fundo de atribuição especial, bem como a contribuição de grupos econômicos regionais, de bancos de desenvolvimento e do setor privado também são fontes de financiamento possíveis. 11. A Organização Meteorológica Mundial (OMM) é a instituição especializada das Nações Unidas responsável por tudo que se refere ao estado e ao comportamento da atmosfera terrestre, sua interação com os oceanos, o clima resultante e a repartição dos recursos em água resultantes. Em sua próxima reunião da Comissão mista 2 do CA/COP em Novembro de 2010, a OMM apresentará a situação ligada às mudanças climáticas durante a última década e os riscos de aumento de catástrofes naturais. Esta apresentação estará disponível no Website da UPU, link cooperação técnica no endereço: III. Ações de ajuda de urgência da UPU 12. Vários casos foram tratados pela UPU desde O quadro abaixo recapitula as ações de ajuda de urgência da UPU que receberam contribuições externas. Países atingidos Eventos Projetos Doações Contribuintes formulados recebidas Libéria Guerra civil (2003) 1 projeto UPU EUR Alemanha e França Indonésia Maldivas Sri Lanka Tsunami de Ásia do Sul (2004) Paquistão Terremoto (2005) Indonésia Terremoto (2006) 1 projeto FMQS CHF USD (FAQS) Myanmar Ciclone Nargis (2008) Serra Leoa Guerra civil (2010) Haiti Terremoto (2010) 1 projeto UPU CHF Barbados, Bélgica, Japão, Cazaquistão, Lituânia, Malásia, Nepal, Panamá (Rep.), Romênia e Ruanda 3 projetos FMQS USD China (Rep. Pop.) e Coréia (Rep.) 1 projeto UPU CHF Alemanha, Azerbaijão, Barbados, Japão, Países Baixos e Eslováquia 1 projeto FMQS USD China (Rep. Pop.) (FAQS) 1 projeto UPU USD Japão 1 projeto UPU EUR Itália 1 projeto UPU com várias fontes Japão e Cazaquistão Coréia (Rep.) CHF América (Estados Unidos), Argentina, Bélgica, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, França, Grã Bretanha, Grécia, Itália, Japão, Nigéria, Portugal, Eslovênia, União Postal do Caribe (UPC) e União Postal das Américas, da Espanha e de Portugal (UPAEP) 1 projeto FMQS USD Coréia (Rep.) USD Irã (Rep. Islâmica) USD Ruanda 13. Em 2010, duas recentes situações, ou seja, o terremoto no Haiti e as inundações no Paquistão, exigiram a assistência urgente da UPU. A ação da Secretaria Internacional nos dois casos em questão está descrita a seguir.

4 4 Haiti (Terremoto de Janeiro de 2010) 14. A Secretaria Internacional constituiu uma equipe especial composta de representantes de países e de Uniões Restritas que mantém relações estreitas com Haiti (Canadá, República Dominicana, Espanha, França, América (Estados Unidos), União Postal das Américas, da Espanha e de Portugal (UPAEP) e União Postal do Caribe (UPC)). Esta equipe especial participou ativamente da coordenação das atividades para dar assistência ao Haiti e fez com que uma estratégia conjunta fosse adotada no terreno, em colaboração com as autoridades haitianas. 15. Após as missões no terreno e as análises realizadas pelos especialistas da Secretaria Internacional, um plano de ação mostrando uma estratégia de intervenção muito precisa para o serviço postal no Haiti foi elaborado pela Secretaria Internacional e adotado pela equipe especial. Este plano se compunha de três partes principais: Implementação escalonada das ações no terreno, graças a uma equipe internacional de especialistas postais. Construção de uma estrutura provisória para o centro de tratamento do correio. Aquisição de equipamento e de material para a reconstrução integral do Correio haitiano. 16. A UPU solicitou a todos seus Países-membros que dessem uma contribuição financeira ou material e criou para tal um fundo especial «Cooperação Haiti». O montante das contribuições eleva-se a CHF (contribuições voluntárias dos Países-membros/Uniões Restritas e orçamento da UPU). Três Paísesmembros anunciaram uma doação dos fundos de suas contas FMQS de um total de USD. 17. Uma das três contribuições a título do FMQS acima mencionadas resultou na elaboração de um projeto que está sendo executado. As duas outras contribuições resultarão em um segundo projeto FMQS que ainda não foi elaborado. 18. Estas contribuições, assim como a contribuição da UPU no âmbito da cooperação para os países em desenvolvimento, possibilitaram a implantação de um projeto internacional que permitiu a retomada das trocas postais em um prazo de 5 meses após o terremoto. Paquistão (Inundações de Julho de 2010) 19. A Secretaria Internacional da UPU entrou em contato com as autoridades do Paquistão para obter as informações sobre os estragos sofridos e as necessidades de ajuda prioritárias. 20. Pela circular N 177 de 30 de Agosto de 2010, a Secretaria Internacional comunicou aos Paísesmembros da União as informações sobre a situação do Correio no Paquistão e lançou um apelo à contribuição financeira à comunidade postal internacional. Na data de redação deste documento, a Secretaria Internacional recebeu um anúncio de contribuição de euros do Correio da França. 21. Aguardando outras eventuais contribuições voluntárias dos Países-membros, a Secretaria Internacional atribuiu CHF de seu orçamento da cooperação ao desenvolvimento e um projeto de urgência para o Paquistão. O projeto prevê particularmente a compra dos veículos permitindo estabelecer estações de correio móveis nas zonas sinistradas para assegurar a coleta e a distribuição dos objetos postais. 22. As duas situações acima já justificam a proposta de criar, no âmbito da UPU, um mecanismo de intervenção de urgência. IV. Criação de um fundo de urgência e de solidariedade da UPU 23. Uma reação rápida e eficiente face aos pedidos de ajuda de urgência dos países atingidos por uma catástrofe natural ou por um conflito armado está condicionada pelos meios de ação que a UPU dispõe em termos de recursos humanos e de recursos financeiros. A experiência vivida pela Secretaria Internacional em suas recentes ações, especialmente no Haiti, mostra que o pessoal da UPU, assim como o das Uniões Restritas, dos Países-membros e dos parceiros, pode ser mobilizado e engajado rapidamente às ações de

5 5 ajuda de urgência. Em contrapartida, como a UPU não dispõe de um orçamento reservado à ajuda de urgência, é necessário organizar coletas de fundos junto aos Países-membros e aos parceiros para completar os fundos disponíveis para a cooperação ao desenvolvimento. 24. O procedimento atual de coleta de fundos após uma catástrofe (apelo às contribuições, faturamento, pagamento, etc.) não favorece uma reatividade satisfatória que permite a formulação imediata de projetos e uma realização rápida das ações. Convém ressaltar também que em certos casos, o apelo à contribuição lançada pela UPU não conseguiu os resultados esperados. Neste contexto e face às múltiplas catástrofes que o mundo conhece atualmente, é necessário que a UPU disponha de um fundo da UPU, que possa ser utilizado em situação de urgência. 25. Em complemento dos fundos já existentes (Fundo especial, Fundo voluntário, FMQS, etc.) cujo uso visa alcançar objetivos precisos, o fundo de urgência e de solidariedade da UPU, já mencionado em 2005 por alguns membros do CA, dotará a UPU de um meio adicional visando particularmente a realização de ações imediatas em caso de catástrofes naturais e/ou de situações particulares. O fundo a ser criado seria alimentado por contribuições voluntários dos doadores (governos, reguladores, operadores designados, Uniões Restritas, outros parceiros, etc.). 26. Os fundos coletados seriam reservados unicamente às ações de ajuda de urgência aos países que se encontram nos casos definidos no 2 deste documento. O objetivo deste fundo é aumentar as capacidades de ação e melhorar a reação da UPU face a estas situações de urgência. / 27. A Secretaria Internacional submete este documento e um projeto de resolução intitulado «Criação de um fundo de urgência e de solidariedade da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares» (anexo 1) à Comissão mista 2 do CA/COP para exame. Em caso de reação positiva, as modalidades de gestão deste fundo seriam apresentadas ao CA de IV. Conclusão 28. A Comissão mista 2 está convidada a tomar nota das informações contidas neste documento, a formular qualquer comentário considerado pertinente sobre a criação de um fundo de urgência e de solidariedade da UPU e a adotar a proposta referente figurando no anexo 1. Berna, 7 de Outubro de 2010

6 CA C Doc 2b.Annexe 1 Projeto de resolução CA xx/2010 Criação de um fundo de urgência e de solidariedade da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares O Conselho de Administração, tendo em vista a multiplicação e amplitude das catástrofes naturais e/ou das situações particulares às quais devem enfrentar cada vez mais Países-membros, em todas as regiões do mundo, tendo em vista igualmente os princípios gerais e procedimentos que regulam a assistência da UPU aos países em questão na seqüência de catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares adotados pelo Conselho de Administração em 2005 (CA 2005 Doc 9), tendo tomado nota das informações recentes fornecidas pela Secretaria Internacional sobre as ações de ajuda de urgência da UPU (CA C Doc 2b), consciente da importância e da necessidade de uma reação imediata e apropriada da UPU face às necessidades urgentes dos Países-membros atingidos por catástrofes naturais /ou que se encontrem em situações particulares, conhecendo a impossibilidade, nas circunstâncias atuais, de poder dispor de forma imediata de fundos suficientes para fins de ajuda de urgência, constatando as restrições do processo atual de coleta dos fundos, que não permitem realizar ações imediatas em resposta às necessidades urgentes dos países atingidos por catástrofes naturais ou por outros eventos, considerando o caráter imprevisível destes eventos, estima que a instauração de um mecanismo permanente para coletar os fundos necessários permitirá à UPU dispor dos fundos necessários em tempo hábil e aumentar suas capacidades em reagir rapidamente às necessidades urgentes, decide a criação de um fundo de urgência e de solidariedade da UPU para os países atingidos por catástrofes naturais e/ou que se encontrem em situações particulares, convida as autoridades dos Países-membros da União (governos, reguladores, operadores designados), as Uniões Restritas e qualquer outro parceiro do setor postal a alimentar o fundo de urgência e de solidariedade da UPU por contribuições voluntárias em numerário,

7 2 encarrega a Secretaria Internacional de: preparar as modificações ao Regulamento financeiro da UPU para nele introduzir as disposições relativas ao fundo de urgência e de solidariedade (FUS) da UPU; elaborar o Regulamento sobre a gestão administrativa e financeira do fundo de urgência e de solidariedade da UPU, incluindo suas modalidades de alimentação e de gestão e submetê-lo ao CA 2011 para aprovação; levar em conta as decisões que serão tomadas durante a elaboração das propostas a submeter eventualmente ao próximo Congresso.

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL PO UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP 2013.2 Doc 4b CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Questões de interesse da Comissão 2 (Desenvolvimento dos mercados) Plano de trabalho do Grupo «Desenvolvimento das atividades

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2014.1 Doc 12 CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Físicos) Grupo «Avaliação e Melhoria da Qualidade do Serviço de Encomendas Postais» Relatório do Presidente

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana Comissão da União Africana 1. Solicitar à CUA para que organize, enquanto aguardar-se pela implementação plena das decisões pertinentes sobre a operacionalização dos Comités Técnicos Especializados (CTE),

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan CEP C 1 2010.1 Doc 6a CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 1 (Correspondências) Grupo «Melhoria da qualidade» Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O GOVERNO DO BRASIL E A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A AGRICULTURA E A ALIMENTAÇÃO (FAO)

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O GOVERNO DO BRASIL E A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A AGRICULTURA E A ALIMENTAÇÃO (FAO) MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O GOVERNO DO BRASIL E A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A AGRICULTURA E A ALIMENTAÇÃO (FAO) CONSIDERANDO que o Governo do Brasil, através do Ministério da Educação do

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 2 GDAMPME 2014.1 Doc 4d CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 2 (Desenvolvimento dos mercados) Grupo «Desenvolvimento das atividades para as micro, pequenas e médias empresas»

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes 1 CONVENÇÃO N. 159 Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes I Aprovada na 69ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1983), entrou em vigor no plano internacional em

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 DOCUMENTO DE BUENOS AIRES SOBRE O MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO Na sequência dos trabalhos desenvolvidos pelo Fórum para a Cooperação, implementado em 2008, e reconhecendo o papel que

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CA 2008.3 Doc 5 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ESTRUTURA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COMPOSIÇÃO DOS SEUS DIVERSOS ÓRGÃOS (Ponto 4 da ordem de trabalhos) Nota do Secretário Geral 1.

Leia mais

AJUDA HUMANITÁRIA BASE JURÍDICA QUADRO REGULAMENTAR E POLÍTICO

AJUDA HUMANITÁRIA BASE JURÍDICA QUADRO REGULAMENTAR E POLÍTICO AJUDA HUMANITÁRIA A UE é o maior doador de ajuda humanitária à escala mundial. Conjuntamente, a Comissão Europeia e os Estados-Membros fornecem a maior percentagem do financiamento global das operações

Leia mais

Ajuda Humanitária Internacional

Ajuda Humanitária Internacional Ajuda Humanitária Internacional A finalidade da ajuda humanitária é prestar assistência a cidadãos de países terceiros, vítimas de catástrofes naturais (terremotos, inundações, secas, tempestades), de

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

Regulamentos e Critérios para Subsídios de Assistência Internacional

Regulamentos e Critérios para Subsídios de Assistência Internacional Regulamentos e Critérios para Subsídios de Assistência Internacional Os Subsídios de Assistência Internacional de LCIF oferecem financiamento para projetos de ajuda humanitária que são esforços de cooperação

Leia mais

Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento Resultados da pesquisa

Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento Resultados da pesquisa UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2011.1 Doc 3b (COP C 3 2011.1 Doc 3b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Financeiros Postais) Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento

Leia mais

DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968.

DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968. DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Promulga o Acôrdo Básico de Cooperação Técnica e Cientifica, com a França havendo o Congresso Nacional aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 2 2010.1 Doc 12a.Rev 1 Original: inglês CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 2 (Encomendas) Propostas referentes às quotas-partes territoriais de chegada para 2011 Propostas

Leia mais

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas) CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) Comissão 2 (Encomendas) Propostas formuladas por grupos da Comissão 2 sobre o Regulamento das Encomendas Postais Propostas relativas ao desenvolvimento do

Leia mais

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014 Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 21 a Outubro de 214 O Brasil é signatário dos principais tratados internacionais de direitos humanos e é parte da Convenção das Nações Unidas de 1951

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

Nicole Guedj Ex-ministra Presidente da Fundação Capacetes Vermelhos

Nicole Guedj Ex-ministra Presidente da Fundação Capacetes Vermelhos 1 A GÊNESE A tradição humanitária francesa nos quatro cantos do mundo é motivo de orgulho para o nosso país. Com o passar dos anos, ela tem evoluído, principalmente graças ao engajamento das Organizações

Leia mais

ACORDO SOBRE O PROJETO FOMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL E DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS

ACORDO SOBRE O PROJETO FOMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL E DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 09/04 ACORDO SOBRE O PROJETO FOMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL E DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL Luís Carvalho Promotor Nacional da UNISDR Cidades Resilientes Making Cities Resilient Campaign Advocate ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Curso de Economia Aplicada Para Profissionais de Comunicação

Curso de Economia Aplicada Para Profissionais de Comunicação Curso de Economia Aplicada Para Profissionais de Comunicação Tema: A Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional (Cobradi) João Brígido Bezerra Lima Pesquisador do Ipea Coordenador do estudo

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Estatutos da RIICOTEC

Estatutos da RIICOTEC ESTATUTO DA REDE INTERGOVERNAMENTAL IBEROAMERICANA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS INTEGRAIS PARA AS PESSOAS IDOSAS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (RIICOTEC) 1 (Com as modificações

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

Cat Risk 2010 no Brasil e no Mundo. 5ª Conseguro Rolf Steiner Regional Head Brazil & Southern Cone Swiss Re Brasilia, 8.6.2011

Cat Risk 2010 no Brasil e no Mundo. 5ª Conseguro Rolf Steiner Regional Head Brazil & Southern Cone Swiss Re Brasilia, 8.6.2011 Cat Risk 2010 no Brasil e no Mundo 5ª Conseguro Rolf Steiner Regional Head Brazil & Southern Cone Swiss Re Brasilia, 8.6.2011 Rolf Steiner 3 April 2011 Agenda Panorâma das catástrofes mundiais em 2010

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação de Consultoria RH/2012/061

UNICEF BRASIL Edital de Licitação de Consultoria RH/2012/061 UNICEF BRASIL Edital de Licitação de Consultoria RH/2012/061 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida

Leia mais

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO 15 de Junho de 2006 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: FRANCÊS Quinquagésima-sexta sessão Addis Abeba, Etiópia, 28 de Agosto - 1 de Setembro de 2006 REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório

Leia mais

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o tema de cooperação brasileira para o desenvolvimento.

Leia mais

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas) CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) Comissão 2 (Encomendas) Propostas relativas ao Regulamento das Encomendas Postais Propostas dos Países-membros (Item 7b da pauta) 1. Assunto Propostas de modificação

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Programa STIC AmSud/CAPES

Programa STIC AmSud/CAPES Programa STIC AmSud/CAPES PROGRAMA DE COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO FRANÇA - AMÉRICA DO SUL Edital CGCI n. 002/2008 1. Do programa 1.1 O Programa é uma iniciativa da

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

PAÍS / FUNDO MÊS AÇÃO VALOR

PAÍS / FUNDO MÊS AÇÃO VALOR CGFOME. ASSISTÊNCIA HUMANITÁRIA. RELATÓRIO ORÇAMENTÁRIO. JANEIRO A AGOSTO DE 2010. OBS: Valor alocado para 2010 (Lei Orçamentária Anual) à Ação 2D28 Operações de Assistência Especial no Exterior = R$ 50

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO CULTURAL NOS PAÍSES

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO CULTURAL NOS PAÍSES CENTRO CULTURAL DO BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO CULTURAL NOS PAÍSES I. Características e Objetivos: Este programa está destinado a apoiar pequenos projetos que promovam

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

Proposta Grupo de Trabalho. Estatísticas da Agropecuaria

Proposta Grupo de Trabalho. Estatísticas da Agropecuaria Proposta Grupo de Trabalho, Estatísticas da Agropecuaria Sexta reunião Conferencia Estatística das Américas da CEPAL Republica Dominicana, Novembro, 2011 Estado da China 17.09.2010 Antecedentes A Estratégia

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para seleção de projetos que contribuam para o empoderamento das mulheres

Leia mais

ICC 109 13. 12 outubro 2012 Original: inglês. Plano de Promoção e Desenvolvimento de Mercado

ICC 109 13. 12 outubro 2012 Original: inglês. Plano de Promoção e Desenvolvimento de Mercado ICC 109 13 12 outubro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109. a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Plano de Promoção e Desenvolvimento de Mercado Antecedentes Este documento

Leia mais

Metodologia de Atuação da Rede de Mentores

Metodologia de Atuação da Rede de Mentores Metodologia de Atuação da Rede de Mentores (Projeto Mentor - Rede de Apoio ao Empreendedorismo) 1. Processo de Constituição da Rede de Mentores O Conselho Empresarial do Centro CEC/CCIC e a AIMinho, na

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

Pauta do Grito da Terra Brasil GTB Estadual 2014 APRESENTAÇÃO

Pauta do Grito da Terra Brasil GTB Estadual 2014 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O ano de 2014 foi eleito oficialmente pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) como o Ano Internacional da Agricultura familiar. Tendo como objetivo aumentar

Leia mais

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Geociências Departamento

Leia mais

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011 FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011 1. Introdução O Fundo NEPAD/Espanha para Capacitação das Mulheres (NSF) tem a honra

Leia mais

ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014

ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014 EMBARGADO PARA TRANSMISSÃO E PUBLICAÇÃO ATÉ ÀS 06:30 (HORÁRIO DE BRASÍLIA), TERÇA-FEIRA, 14 DE JULHO DE 2015 FICHA INFORMATIVA ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014 15 de pessoas com acesso a terapia antirretroviral

Leia mais

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013 BRIEF INSTITUCIONAL 2013 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil:

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: FUNDO POSITHiVO Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: Resposta Brasileira à epidemia de AIDS: Conjunção de esforços- Resposta Governamental & Sociedade Brasileira. Êxito

Leia mais

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 03/02 ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Documento Conceitual Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Genebra, 9-10 de dezembro de 2009 I. Introdução O terceiro

Leia mais

REGULAMENTO. Selo de Reconhecimento de Práticas e Atos pelo Desperdício Alimentar Zero

REGULAMENTO. Selo de Reconhecimento de Práticas e Atos pelo Desperdício Alimentar Zero REGULAMENTO Selo de Reconhecimento de Práticas e Atos pelo Desperdício Alimentar Zero A Secretaria de Estado da Alimentação e Investigação Agroalimentar, no seguimento do Compromisso Prevenir Desperdício

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso

Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso Fundo Nacional do Idoso- Regulamentação e operacionalização 27º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE DA FEBRABAN PROMOTOR

Leia mais