CAMPANHA NACIONAL HOSPITAIS SEGUROS FRENTE AOS DESASTRES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAMPANHA NACIONAL HOSPITAIS SEGUROS FRENTE AOS DESASTRES"

Transcrição

1 CAMPANHA NACIONAL HOSPITAIS SEGUROS FRENTE AOS DESASTRES Realização: Ministério da Integração Nacional

2

3

4 Logo após um desastre, os governos e as comunidades que atuam em emergências, e também os meios de comunicação se concentram imediatamente no socorro às vítimas. Mas, se desejamos que esta atenção aos vitimados realmente tenha sentido, devemos compreender e apoiar os serviços médicos como prioridade.

5 Feridos necessitam atenção médica urgente, mas também os que saem ilesos de um desastre não podem desconsiderar a necessidade de contar com serviços médicos e de saúde pública a longo prazo.

6 Quando os serviços de saúde e os hospitais sofrem danos devido a um desastre, pessoas morrem e sofrem sem necessidade, tanto durante a situação de emergência, como também muito tempo depois. Os danos e prejuízos no setor de saúde podem ocasionar devastadores desastres secundários.

7 Por isso, todos devem ter em mente a importância deste tema e comprometer-se a zelar para que os estabelecimentos de saúde sejam resistentes frente as ameaças e perigos naturais dos desastres e emergências.

8 Nas palavras de Sálvano Briceño, Diretor da Estratégia Internacional para a Redução de Desastres (EIRD) da Organização das Nações Unidas (ONU): A diferença em termos de custo entre um hospital seguro e um que não o é pode ser insignificante, mas este investimento mínimo pode representar a diferença entre vida e morte, ou entre o empobrecimento de uma comunidade e seu desenvolvimento sustentável.

9 Em 2007, a cidade de Pisco, no Peru, perdeu boa parte dos seus leitos hospitalares num terremoto. Entretanto, uma ala do hospital que havia sido reforçada, permaneceu de pé, confirmando a estratégia que recomenda que hospitais devem ser capazes de comportar-se de tal forma a sofrer danos mínimos e continuar operativos frente a fenômenos destrutivos de grande intensidade. Ala reforçada do hospital São João de Deus, no Peru.

10 Em abril de 2003, o hospital infantil Dr. Orlando Alassia, de Santa Fé, Argentina, sofreu a perda de equipamentos valiosos durante uma inundação. Ainda que se tenha realizado um estudo de impacto ambiental antes de sua construção, este projeto não levou em conta a vulnerabilidade do hospital em relação as cheias do rio Salado.

11 Atualmente, a maioria de nossos hospitais atendem diariamente mais de 700 pessoas. O custo médio de um hospital de 100 leitos é de US$ 15 milhões de dólares. Os governos destinam até 70% dos orçamentos de saúde ao funcionamento destes estabelecimentos.

12 Hospitais, especialmente em países em desenvolvimento, oferecem mais que atenção médica para os doentes, sua função em medicina preventiva é fundamental. Hospitais concentram recursos de ordem econômica em equipamentos de diagnóstico e tratamento, laboratórios de alta tecnologia, bancos de sangue e desenvolvimento de investigações para a proteção da saúde.

13 Por tudo isso, os hospitais têm um grande valor social, econômico e político. Além dos aspectos econômicos, a complexidade de um hospital se reflete no seu funcionamento diário. Na América Latina um hospital público de terceiro nível funciona 24 horas por dia, tem várias especialidades e um centro de leitos que habitualmente supera os 90% de ocupação.

14 Entre pacientes, visitantes, pessoal de saúde e administrativo, um hospital poderia abrigar mais de pessoas por dia, com toda a logística que isso representa. O funcionamento deste hospital depende também de serviços básicos como água, saneamento, eletricidade e comunicações.

15 Por outro lado, para oferecer serviços especiais, dentro da edificação existem materiais radiológicos, nucleares, químicos e combustíveis. Toda essa estrutura complexa pode ser afetada por eventos imprevistos, um deles é um desastre de origem natural.

16 Segundo estudos realizados pela Organização Pan- Americana de Saúde (OPS), mais de hospitais (50% dos existentes na América Latina e Caribe) estão localizados em zonas de alto risco. De acordo com a Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), nos últimos 25 anos, a perda direta por danos em estabelecimentos de saúde, por desastres de origem natural, foi de milhões de dólares.

17 Quando acorre um desastre, a perda de um hospital afeta gravemente as comunidades, especialmente em países em desenvolvimento. O impacto na população hospitalizada e naqueles que não conseguiram atenção médica causam um sentimento de frustração e insegurança na comunidade. Esses sentimentos transcendem o desastre e podem se converter em revolta, quando a população exige de seus líderes políticos atenção médica e recursos econômicos.

18 Durante a segunda Conferência Mundial sobre Redução de Desastres (WCDR II), realizada 2005, na cidade de Kobe, no Japão, os Estados membros das Nações Unidas acordaram o início de um programa dedicado a redução de desastres baseado no tema Hospitais Seguros Frente aos Desastres.

19 Mas o que é um hospital seguro? Entende-se por hospital seguro, um estabelecimento de saúde cujos serviços permanecem acessíveis e funcionando na sua capacidade máxima instalada e com sua própria infra-estrutura, imediatamente após a ocorrência de desastre natural de grande intensidade.

20 Como alcançar essa meta? Através de um engajamento e da vontade política para estabelecer critérios e normas relacionados tanto aos novos investimentos na área de saúde, como também, na redução das vulnerabilidades dos estabelecimentos de saúde já existentes.

21 DÚVIDAS OU PERGUNTAS...

22

23

Hospitais Seguros. na Região e no Mundo. Organización Panamericana de la Salud

Hospitais Seguros. na Região e no Mundo. Organización Panamericana de la Salud Hospitais Seguros na Região e no Mundo Desafios da redução do risco Virtualmente a sociedade inteira é vulnerável Diferente da maioria dos assuntos, a redução de risco não pode ser paga por uma profissão.

Leia mais

Prioridades regionais em Saúde e DESASTRES

Prioridades regionais em Saúde e DESASTRES Reducão do impacto das emergências e desastres na saúde Prioridades regionais em Saúde e DESASTRES Área de Preparativos para Situaciones de Emergencia y Socorro en Casos de Desastre ÁREA DE PREPARATIVOS

Leia mais

Hospital seguro frente aos desastres no Brasil

Hospital seguro frente aos desastres no Brasil ANAIS ELETRÔNICOS ARTIGOS Hospital seguro frente aos desastres no Brasil Resumo Modestino J. P. Salles 1 Luciana Tricai Cavalini 2 Os autores abordam o Hospital Seguro Frente aos Desastres dentro da meta

Leia mais

Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS. Introdução à estratégia

Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS. Introdução à estratégia Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS Introdução à estratégia O que é um Hospital Seguro? Hospitales seguros frente a los desastres Estabelecimento de saúde (grande, pequeno, rural,

Leia mais

CAPÍTULO 1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 1 GENERALIDADES Campanha Nacional Hospitais Seguros Frente aos Desastres Reduzir riscos, Proteger instalações de saúde, Salvar vidas Campanha Mundial 2008-2009 para a Redução de Desastres Marcos de Oliveira CEPED UFSC

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais

A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais Carlos Alberto de Araújo Gomes Júnior Santa Catarina O QUE É DESASTRE? O BÁSICO: REFERÊNCIAS MULTILATERAIS ESTRATÉGIA INTERNACIONAL DE REDUÇÃO

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação. Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial

Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação. Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial Anexo 7 Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial Realizado pelo Gerente de Instalação Terrestre ou Marítima (OIM) Esclarecer

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. Conferência Internacional da Rede WATERLAT

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. Conferência Internacional da Rede WATERLAT CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Conferência Internacional da Rede WATERLAT Tensão entre justiça ambiental e justiça social na América Latina: o caso da gestão da água PRIMEIRA CIRCULAR (MARÇO DE

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Secretaria de Estado da Defesa Civil

Secretaria de Estado da Defesa Civil HISTÓRICO DOS DESASTRES EM SANTA CATARINA E AÇÕES DA SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Aldo Baptista Neto Major Bombeiro Militar Diretor de Resposta a Desastres Histórico dos Desastres no Estado 1974

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL Luís Carvalho Promotor Nacional da UNISDR Cidades Resilientes Making Cities Resilient Campaign Advocate ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

DESASTRES E EPIDEMIOLOGIA. Oswaldo Cabanillas Angulo MV MPH DPH Epidemiologista Peru

DESASTRES E EPIDEMIOLOGIA. Oswaldo Cabanillas Angulo MV MPH DPH Epidemiologista Peru DESASTRES E EPIDEMIOLOGIA Oswaldo Cabanillas Angulo MV MPH DPH Epidemiologista Peru Desastres e Epidemiologia Desastres e Emergências Sanitárias Desastre: Alterações intensas nas pessoas, na economia,

Leia mais

Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres. Praia, 10 de Dezembro de 2014

Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres. Praia, 10 de Dezembro de 2014 Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres Praia, 10 de Dezembro de 2014 Sr. Ministro do Ambiente, da Habitação e de Ordenamento

Leia mais

I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO

I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO ATUAÇÃO DO SETOR SAÚDE EM EVENTOS DE INUNDAÇÃO I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE

Leia mais

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania R e s g a t e M i r i m Comunitário Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania 1 B E L O H O R I Z O N T E, S A N T A L U Z I A

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos

OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos Jorge Jacob OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos 13.1 1. ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) (4) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL

Leia mais

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ Formação e Capacitação de Recursos Humanos p/exploração de Recursos Energéticos e Geração de Energia Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04)

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Urbanização na região Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Contexto Regional A concentração da população da América Latina e do Caribe em áreas

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

HOSPITAIS FILANTRÓPICOS: A UM PASSO DO CAOS; REFLEXOS EM DOURADOS (MS)

HOSPITAIS FILANTRÓPICOS: A UM PASSO DO CAOS; REFLEXOS EM DOURADOS (MS) Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/08/2014. HOSPITAIS FILANTRÓPICOS: A UM PASSO DO CAOS; REFLEXOS EM DOURADOS (MS) Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL

FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL SUBSÍDIOS DE RECUPERAÇÃO APÓS CATÁSTROFES - PROGRAMA PILOTO para as Áreas Jurisdicionais I, III e V NOvAS OPçõeS De FINANCIAmeNTO, CrITérIOS e requisitos PArA SOLICITAçãO

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Gestão do risco / Rentabilidade das explorações

Gestão do risco / Rentabilidade das explorações Gestão do risco / Rentabilidade das explorações Biossegurança / Boas práticas na exploração pecuária CAP, 14 de Abril de 2010 Lisboa Objectivo Rentabilidade da exploração pecuária Alimentos seguros www.rd.com

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos

Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos IDENTIFICAÇÃO DO LOCAL: ANEXO 31 Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos Você está em contato

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 1-5 de outubro de 2007 Tema 4.7 da agenda

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br Infraestrutura Física dos Serviços de Saúde no Conceito Hospitais Seguros INICIATIVAS DA ANVISA e OPAS/OMS PARA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA SEGURANÇA DO PACIENTE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PAÍS Coordenação

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

Termos usados em Segurança Empresarial:

Termos usados em Segurança Empresarial: Termos usados em Segurança Empresarial: Ameaça: É qualquer indicação, circunstância ou evento com potencial de causar dano ou perda. Ativo: É qualquer equipamento, infraestrutura, material, informação,

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

Objetivos do Pacto Global da ONU

Objetivos do Pacto Global da ONU nossa missão global Objetivos do Pacto Global da ONU A maior iniciativa voluntária do mundo para a responsabilidade corporativa está presente em 145 países com mais de 8 mil participantes corporativos.

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 04/08/2014 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA Elsa Giugliani elsa.giugliani@saude.gov.br POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA 3º FÓRUM DEBATE BRASIL POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA: QUEBRANDO A CADEIA DA VIOLÊNCIA 28-29 Novembro 2007 Área

Leia mais

A SECA NO BRASIL E AS DIFERENTES ABORDAGENS E POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O SEU ENFRENTAMENTO

A SECA NO BRASIL E AS DIFERENTES ABORDAGENS E POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O SEU ENFRENTAMENTO A SECA NO BRASIL E AS DIFERENTES ABORDAGENS E POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O SEU ENFRENTAMENTO Carlos Freitas, Aurea Pitta, Taís Alpino, Aderita Sena, André Monteiro, Marcel Pedroso, Christovam Barcellos, Carlos

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

Revisão Geral. Geografia Claudio Hansen 07.01.2015. Aula ao Vivo

Revisão Geral. Geografia Claudio Hansen 07.01.2015. Aula ao Vivo Revisão Geral 1. Nos três primeiros meses de 2013, entraram no território brasileiro cerca de três mil pessoas vindas do Haiti. O aumento substancial no fluxo de entrada de haitianos no país se deu principalmente

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

Políticas e programas de mitigação e preparativos para Desastres nas Américas

Políticas e programas de mitigação e preparativos para Desastres nas Américas Políticas e programas de mitigação e preparativos para Desastres nas Américas Dr. Ciro Ugarte Programa de Preparativos para Emergências e Socorro em caso de Desastres OPAS/OMS A Região Os países e territórios

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Atuação em Situações de Crise

Atuação em Situações de Crise 1 Atuação em Situações de Crise Enf. José Magalhães INEM Delegação Regional do Porto Porto, 11 de Abril de 2014 2 INEM O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) é o organismo do Ministério da Saúde

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011

PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011 2 PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011 RISCO Pico Abril e Maio Desafios identificados na assistência Superlotação nas emergências dos hospitais (municípios estão concentrando o

Leia mais

Mais do que reformar casas, juntos. construímos esperanças

Mais do que reformar casas, juntos. construímos esperanças Mais do que reformar casas, juntos construímos esperanças Ajudando Vamos fazer pessoas a viver melhor S a mudança junto à Habitat É incrível o que se consegue quando se somam vontades! eguindo nossa visão

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu GENERAL ELECTRIC A General Electric Company é uma empresa diversificada, atuando em vários segmentos, sempre com o compromisso declarado de alcançar liderança mundial em cada um de seus negócios. Atualmente,

Leia mais

Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1. Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO

Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1. Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1 Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO Maio de 2010 1. A ABIMO Associação Brasileira da Indústria de Artigos

Leia mais

Sistemas de Alimentação de Emergência

Sistemas de Alimentação de Emergência SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Grupo Técnico de Edificações Sistemas de Alimentação de Emergência Recebimento, Operação e Manutenção Eng. Marco Silva Balthazar Normas Aplicáveis RDC 50 NBR 5410 Instalações

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa?

Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa? Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa? J. Pedro Corrêa Especialista em Programas de Trânsito São Paulo, 23 Setembro 2013 Você considera seguro o comportamento dos motoristas que usam

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes.

Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até o dia 10 de setembro de 2014 www.100resilientcities.org/challenge Perguntas Frequentes Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Qual é a

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento

Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento Importância Berenice I. F. Goelzer E-mail:berenice@goelzer.net As doenças ocupacionais, que constituem uma das grandes epidemias silenciosas,

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Araraquara (São Paulo), Brazil

Araraquara (São Paulo), Brazil Araraquara (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Marcelo Fortes Barbieri Nome do ponto focal:

Leia mais

Milton Alves Diretoria de Apoio Hospital Infantil Sabará

Milton Alves Diretoria de Apoio Hospital Infantil Sabará Milton Alves Diretoria de Apoio Hospital Infantil Sabará SINDHOSP Desafios e rumos da Saúde Suplementar Hospital Infantil Sabará Saúde Sem Papel (evolução) RESOLUÇÃO CFM 1821/2007 20/02 22:45 RESOLUÇÃO

Leia mais

Gestão da manutenção hospitalar

Gestão da manutenção hospitalar Gestão da manutenção hospitalar Rômulo Lessa Aragão (HGF) romulolessa@gmail.com João Luis Pianco de Oliveira (UFC) jotaehli@gmail.com Resumo O artigo trata de um plano de melhorias desenvolvido no Hospital

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura Programa Russo de Ajuda à Educação para o Desenvolvimento (READ) República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura Moscovo, Rússia 30 de Setembro 2 de Outubro de 2009 Primeira Conferência Global

Leia mais

Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras

Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras Fundação Nacional de Saúde IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras Dr. Neison Cabral Freire Fundação Joaquim Nabuco, Recife/PE Belo

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Resolução Imagens de satélite No seu quarto relatório (2007), o IPCC

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

PhD Samuel Joseph, especialista da Guyana em mobilidade segura visita a Fema

PhD Samuel Joseph, especialista da Guyana em mobilidade segura visita a Fema PhD Samuel Joseph, especialista da Guyana em mobilidade segura visita a Fema Visitou a Fundação Educacional do Município de Assis Fema o especialista em mobilidade segura PhD Prof. Samuel Joseph. O Professor

Leia mais

ÇÃO O DA VULNERABILIDADE EM ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

ÇÃO O DA VULNERABILIDADE EM ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE REDUÇÃ ÇÃO O DA VULNERABILIDADE EM ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE Curso Operacional em Defesa Civil Paulo R. E. Mota Engenheiro NEAAS/CEVS Tornados, furacões, inundaçõ ções, deslizamentos - quando acontece

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Desafios de uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Interage Consultoria em Gerontologia 1978... 1988... Psicanálise e velhice: resistência

Leia mais

Saúde, Desastres e Desenvolvimento e Atores na Gestão de Risco

Saúde, Desastres e Desenvolvimento e Atores na Gestão de Risco Saúde, Desastres e Desenvolvimento e Atores na Gestão de Risco Dr. Ciro Ugarte Assessor Regional Preparativos para Emergência e Socorro em Casos de Desastre EVENTO ADVERSO Alterações nas pessoas, economia,

Leia mais

A Década da Ação para Segurânça no Trânsito. Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil

A Década da Ação para Segurânça no Trânsito. Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil A Década da Ação para Segurânça no Trânsito Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil Por que uma Década da Ação? O problema está crescendo. Diagnóstico da Situação: Informe Mundial sobre a situação de Segurança

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

A organização do Sistema Único de Saúde para atuação em desastres

A organização do Sistema Único de Saúde para atuação em desastres VIII REUNIÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTAÇÃO A organização do Sistema Único de Saúde para atuação em desastres Goiânia - GO Agosto de 2012 Marco legal A Constituição Federal (CF) de 1988 estabelece

Leia mais

CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO

CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO Evento Tá na Mesa Federasul Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul Ministro João Augusto Ribeiro Nardes Presidente do TCU

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal: José Peres dos Santos Organização:

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

HOSPITAIS E CLÍNICAS INDÚSTRIA DE SEGMENTO M ÉDICO, HOSPITALAR E DA SAÚDE UNIVERSIDADE E INSTITUTOS DE PESQUISA EM PRESAS DE VERIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE DE PRODUTOS PARA A ÁREA M ÉDICA E DE

Leia mais

Ajuda Humanitária Internacional

Ajuda Humanitária Internacional Ajuda Humanitária Internacional A finalidade da ajuda humanitária é prestar assistência a cidadãos de países terceiros, vítimas de catástrofes naturais (terremotos, inundações, secas, tempestades), de

Leia mais