São Paulo, março de 2014 n o 25. A presença feminina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São Paulo, março de 2014 n o 25. A presença feminina"

Transcrição

1 São Paulo, março de 2014 n o 25 A presença feminina NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013 NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Diminui presença feminina no mercado de trabalho Metade das mulheres passam a ter carteira de trabalho assinada Desemprego diminui e é a menor taxa dos últimos 20 anos Diminui diferença de rendimentos entre mulheres e homens

2 Governador do Estado Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme Afif Domingos Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Regional Julio Semeghini Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Diretora Executiva Maria Helena Guimarães de Castro Diretora Adjunta Administrativa e Financeira Silvia Anette Kneip Diretor Adjunto de Análise e Disseminação de Informações Haroldo da Gama Torres Diretora Adjunta de Metodologia e Produção de Dados Margareth Izumi Watanabe Chefia de Gabinete Sergio da Hora Rodrigues Conselho de Curadores Carlos Antonio Luque (Presidente) Antonio de Pádua Prado Junior Cassiana Montesião de Sousa Geraldo Biasoto Junior Hubert Alquéres José Carlos de Souza Braga José Paulo Zeetano Chahad Rogério Luiz Buccelli Márcia Furquim de Almeida Sérgio Besserman Vianna Conselho Fiscal Mirella Micioni Nelson Ferreira Simões Shigueru Kuzuhara Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Daadi Sarah Maria Monteiro dos Santos (gerente de Análise Socioeconômica) Alexandre Jorge Loloian (coordenador) Leila Luiza Gonzaga, Marcia Halben Guerra Diretoria Adjunta de Metodologia e Produção de Dados Dampd Maria Paula Ferreira (gerente de Metodologia e Estatística) Edna Yukiko Taira, Neuci Arizono e Susana Maria Frias Pereira (equipe técnica) Coordenadoria de Comunicação Coord Patrícia Queiroz Gerência de Editoração e Arte Icléia Alves Cury Programação Visual: Cristiane de Rosa Meira, Elisabeth Erharter, Tânia Pinaffi Rodrigues Preparação de Texto: Vania Regina Fontanesi Revisão de Texto: Maria Aparecida Andrade Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Seade Avenida Cásper Líbero 464 CEP São Paulo SP Fone (11) Fax (11) Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Rua Aurora, o andar República CEP São Paulo SP Fone (11) /

3 SUMáRIO A Presença feminina no Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de São Paulo Após crescimento, taxa de participação feminina volta a diminuir 6 Taxa de desemprego diminui mais entre as mulheres 7 Nível de ocupação permanece relativamente estável entre as mulheres e formalização continua em expansão 8 Rendimento das mulheres pouco cresce, enquanto o dos homens diminui 13 3

4

5 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2013 A presença das mulheres no mercado de trabalho decresceu em 2013, após aumento no ano anterior. A taxa de participação feminina diminuiu de 56,1%, em 2012, para os atuais 55,1%. Para os homens, esse indicador também retraiu- -se, ao passar de 71,5% para 70,6%. Depois da estabilidade registrada em 2012, a taxa de desemprego total feminina voltou a diminuir em 2013 e passou de 12,5% para 11,7%, nesse período, retomando a trajetória de redução iniciada em É a menor taxa de desemprego total registrada na década de Já entre os homens a taxa passou de 9,4% para 9,2%. Para as mulheres, a retração da taxa de desemprego é decorrente da relativa estabilidade do nível de ocupação concomitante à diminuição da sua presença no mercado de trabalho. O comportamento do nível de ocupação deveu-se ao desempenho positivo do Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas, praticamente anulado pela redução na Indústria, Construção e Serviços. A formalização das relações de trabalho assalariado segue ampliando- -se para ambos os sexos, porém de forma mais intensa entre as mulheres, exclusivamente nas ocupações com carteira de trabalho assinada no setor privado, uma vez que reduziu-se no setor público. Houve pequeno aumento do rendimento médio real por hora das mulheres (0,8%), enquanto o dos homens diminuiu (-1,3%). Esse desempenho alterou a diferença entre os dois segmentos: em 2012, os valores médios auferidos pelas mulheres correspondiam a 75,5% dos obtidos pelos homens e, em 2013, essa proporção passou para 77,1%. 5

6 MERCADO DE TRABALHO Após crescimento, taxa de participação feminina volta a diminuir A proporção de mulheres com dez anos de idade ou mais inseridas no mercado de trabalho, na situação de ocupadas ou de desempregadas taxa de participação feminina, diminuiu de 56,1% para 55,1%, entre 2012 e 2013 (Gráfico 1). Tal comportamento, após aumento em 2012, retoma o decréscimo registrado nos três anos anteriores (2009, 2010 e 2011), que interrompeu a trajetória de expansão observada ao longo da série histórica. Com esse movimento, a atual taxa de participação feminina é a mesma observada para os anos de 2003 e 2007, que apresentam os menores patamares da década de A taxa de participação masculina (70,6%, em 2013) também diminuiu, retomando uma longa trajetória de declínio, após relativa estabilidade desde O decréscimo da taxa de participação de mulheres e homens foi generalizado, segundo atributos pessoais. Foram observadas retrações em praticamente todas faixas etárias, com exceção daquela de 60 anos e mais, em que houve estabilidade entre as mulheres e aumento entre os homens. O mesmo comportamento de redução foi verificado paras todas as posições na família e, também, entre negros e não negros. Comparada à de outros países, a participação das mulheres na RMSP situava-se entre as mais elevadas: Holanda: 58,3% Suécia: 59,4% Alemanha: 53,0% França: 51,1% Itália: 37,9% Espanha: 51,6% Portugal: 56,5% Fonte: Gender Inequality Index, estudo do Programa de Desenvolvimento da ONU, que analisou dados de 195 países, entre os quais a participação das mulheres na força de trabalho. Disponível em:< org/dataset/table-4-gender-inequality-index/pq34-nwq7>. Acesso em 17/02/13. Os dados são de

7 Gráfico 1 Taxas de participação, por sexo Região Metropolitana de São Paulo Em % Mulheres Em % Homens 55,1 55,5 55,5 55,4 55,1 56,4 55,9 56,2 55,4 56,1 55,1 73,0 73,0 72,4 71,3 71,4 72,0 71,5 71,6 71,3 71,5 70, Taxa de desemprego diminui mais entre as mulheres Entre 2012 e 2013, a taxa de desemprego total decresceu mais para as mulheres (de 12,5% para 11,7%) do que para os homens (de 9,4% para 9,2%). No caso das mulheres esta é a menor taxa de desemprego total da última década (Gráfico 2). Os homens estão mais presentes no mercado de trabalho, como atesta sua maior taxa de participação. Entretanto, são as mulheres que respondem pela maior parcela de desempregados: em 2013, elas representavam 52,7% desse contingente. Gráfico 2 Taxas de desemprego total, por sexo Região Metropolitana de São Paulo Em % 23,1 17,2 21,5 16,3 19,7 14,4 18,6 13,4 17,8 12,3 16,5 16,2 10,7 11,6 14,7 9,5 Mulheres Homens 12,5 12,5 11,7 8,6 9,4 9,

8 Por posição na família, vale destacar aumento registrado na taxa de desemprego entre as mulheres chefes de família. Essas mulheres geralmente vivem apenas com seus filhos e, na maioria das vezes, são as únicas responsáveis pela sobrevivência familiar. Além disso, tendem a apresentar inserção produtiva de menor qualidade no mundo do trabalho e com baixos rendimentos como o emprego doméstico e o trabalho autônomo, corroborando a associação desse tipo de arranjo familiar à maior vulnerabilidade e ao empobrecimento. 1 O declínio da taxa de desemprego total, na última década, foi resultado do crescimento econômico e do aumento do nível de ocupação. No caso específico das mulheres, que apresentaram maior redução desse indicador no período, reflete ainda as transformações nas relações familiares, em que o modelo de família baseado no chefe masculino provedor vem se alterando e criando novas dinâmicas nas relações dos membros da família com o mercado de trabalho. É na família que as possibilidades de cada um inserir-se no mundo do trabalho são decididas. Essas decisões são pautadas não apenas pela conjuntura econômica, mas também pelas relações de gênero e de idade, posição na família e atribuições domésticas segundo a composição familiar. 2 Além disso, têm-se o aumento da capacitação das mulheres para melhor se inserirem no mundo do trabalho e o crescimento da sua escolaridade, que é maior em comparação ao dos homens. 3 Apesar do decréscimo maior da taxa de desemprego feminina, o tempo médio de procura por um novo trabalho cresceu em duas semanas para as mulheres (passando para 29 semanas) e diminuiu em uma para os homens (25 semanas). Nível de ocupação permanece relativamente estável entre as mulheres e formalização continua em expansão Entre 2012 e 2013, houve relativa estabilidade do nível de ocupação para as mulheres (2 mil novas ocupações, ou 0,1%) e pequeno decréscimo para os homens (-21 mil postos de trabalho, ou -0,4%) (Tabela 1 e Gráfico 3). 1. Ver: Arranjo familiar e inserção feminina no mercado de trabalho da RMSP na década de 90. Boletim Mulher & Trabalho, n. 10, dezembro 2002 e A inserção de chefes e cônjuges no mercado de trabalho, Estudo Especial, março Disponível em < 2. Idem. 3. O que não resulta, necessariamente, em rendimentos semelhantes. Ver: Inserção das mulheres com escolaridade superior no mercado de trabalho. Boletim Mulher & Trabalho, março de Disponível em: < 8

9 Tabela 1 Variação do nível de ocupação, por sexo, segundo setores de atividade econômica Região Metropolitana de São Paulo Em porcentagem Setores de atividade Mulheres Homens TOTAL 0,1-0,4 Indústria de Transformação (1) -2,3-4,6 Construção (2) -13,9 1,2 Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (3) 8,3 0,7 Serviços (4) -1,2 0,5 Transporte, armazenagem e correio (5) 12,6 5,7 Informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais, científicas e técnicas (6) 4,2-1,3 Atividades administrativas e serviços complementares (7) 3,5 2,2 Administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (8) -1,4 2,1 Alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação (9) -5,3-4,9 Serviços domésticos (10) -4,7-18,8 Outros (11) -0,6 4,9 (1) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (2) Seção F da CNAE 2.0 domiciliar. (3) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (4) Incluem Atividades Imobiliárias (Seção L da CNAE 2.0 domiciliar). (5) Seção H da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Seções J, K, M da CNAE 2.0 domiciliar. (7) Seção N da CNAE 2.0 domiciliar. (8) Seções O, P, Q da CNAE 2.0 domiciliar. (9) Seções I, S, R da CNAE 2.0 domiciliar. (10) Seção T da CNAE 2.0 domiciliar. (11) Inclui Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aquicultura (Seção A); Indústrias Extrativas (Seção B); Eletricidade e Gás (Seção D); Água, Esgoto, Atividades de Gestão de Resíduos e Descontaminação (Seção E); Organismos Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais (Seção U); Atividades Mal Definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. Nota: A captação da CNAE 2.0 domiciliar na PED iniciou-se em novembro de Vide nota técnica n o 12. Gráfico 3 Índices do nível de ocupação, por sexo Região Metropolitana de São Paulo Mulheres Homens Base: média de 2003 = ,3 119,7 124,4 126,9 129,2 129,2 100,0 104,1 102,7 108,5 105,1 111,3 106,3 113,0 109,5 113,6 113,1 117,7 118,9 119,7 119,

10 4. A partir de janeiro de 2011, a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED passou a utilizar, na captação das informações referentes aos setores de atividade, a Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE domiciliar 2.0, interrompendo, assim, as séries históricas que utilizavam a classificação anterior. Apesar desse movimento, a proporção de mulheres no total de ocupados pouco se alterou, passando de 45,8%, em 2012, para 45,9%, em Segundo setor de atividade, em 2013, a relativa estabilidade do nível de ocupação das mulheres deveu-se ao desempenho positivo do Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (8,3%), praticamente contrabalançado pela redução na Indústria (-2,3%), Construção (-13,9%) e Serviços (-1,2%). No setor de Serviços, que emprega 68,9% do total das mulheres ocupadas, alguns ramos analisados apresentaram expansão, mais especificamente os serviços de transporte, armazenagem e correio (12,6%), informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e relacionados; atividades profissionais, científicas e técnicas (4,2%) e atividades administrativas e serviços complementares (3,5%). Note-se que ainda é reduzida a presença feminina nesses ramos de atividade, se comparados aos de saúde, educação e serviços sociais, que apresentaram retração (Tabela 2). Entre os homens, os pequenos aumentos na Construção (1,2%), no Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (0,7%) e nos Serviços (0,5%) foram atenuados pela retração verificada na Indústria de Transformação (-4,6%), setor que emprega parcela importante da mão de obra masculina. Reduziram-se os níveis de ocupação para ambos os sexos na Indústria de Transformação e nos serviços domésticos. O decréscimo na Indústria de Transformação para as mulheres (-2,3%) foi menos intenso do que para os homens (-4,6%). Os serviços domésticos também registraram retração para ambos os sexos e, embora de forma mais intensa para homens (-18,8%) do que para as mulheres (-4,7%), é mais importante para essas últimas, uma vez que a presença masculina nesse segmento é ínfima, conforme mostra a Tabela 2. O ritmo mais intenso de crescimento do nível de ocupação no Comércio fez com que o setor abrigasse, em 2013, 17,2% das mulheres ocupadas. Setor que emprega mais mulheres (68,9%) do que homens (45,5%), os Serviços agregam ramos cuja inserção feminina é importante e está relacionada aos papéis que lhe são atribuídos na sociedade, tais como cuidar e ensinar, e apresentaram retração entre 2012 e 2013: administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (-1,4%) e o ramo de alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação (-5,3%). 4 10

11 Setores de atividade Tabela 2 Distribuição dos ocupados, por sexo, segundo setores de atividade econômica Região Metropolitana de São Paulo Mulheres Em porcentagem Homens TOTAL 100,0 100,0 100,0 100,0 Indústria de Transformação (1) 12,9 12,6 21,4 20,5 Construção (2) 0,8 0,7 12,9 13,1 Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (3) 15,9 17,2 19,0 19,2 Serviços (4) 69,8 68,9 45,1 45,5 Transporte, armazenagem e correio (5) 2,3 2,6 10,0 10,6 Informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais, científicas e técnicas (6) 9,5 9,9 10,0 9,9 Atividades administrativas e serviços complementares (7) 8,4 8,7 7,7 7,9 Administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (8) 20,9 20,6 7,3 7,5 Alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação (9) 13,2 12,5 8,8 8,4 Serviços domésticos (10) 14,7 14,0 0,6 0,5 Outros (11) 0,6 0,6 1,5 1,7 (1) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (2) Seção F da CNAE 2.0 domiciliar. (3) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (4) Incluem Atividades Imobiliárias (Seção L da CNAE 2.0 domiciliar). (5) Seção H da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Seções J, K, M da CNAE 2.0 domiciliar. (7) Seção N da CNAE 2.0 domiciliar. (8) Seções O, P, Q da CNAE 2.0 domiciliar. (9) Seções I, S, R da CNAE 2.0 domiciliar. (10) Seção T da CNAE 2.0 domiciliar. (11) Inclui Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aquicultura (Seção A); Indústrias Extrativas (Seção B); Eletricidade e Gás (Seção D); Água, Esgoto, Atividades de Gestão de Resíduos e Descontaminação (Seção E); Organismos Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais (Seção U); Atividades Mal Definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. Nota: A captação da CNAE 2.0 domiciliar na PED iniciou-se em novembro de Vide nota técnica n o 12. As mulheres ocupadas estão inseridas, principalmente, nos Serviços, com destaque para as áreas de saúde, educação, serviços sociais, serviços domésticos, etc. O Comércio vem em seguida, acompanhado pela Indústria e, por último, a Construção. Quanto à forma de inserção no mercado de trabalho, merece destaque o aumento do número de ocupações mais protegidas pela legislação trabalhista em especial o assalariamento com carteira assinada no setor privado, uma vez que o setor público apresentou retração (Tabela 3). O número de empregadas domésticas voltou a diminuir, após aumento em 2012, exclusivamente devido às mensalistas, pois entre as diaristas verificou-se ligeira ampliação. 11

12 Tabela 3 Variação do nível de ocupação, por sexo, segundo posição na ocupação Região Metropolitana de São Paulo Em porcentagem Posição na ocupação Mulheres Homens TOTAL 0,1-0,4 Total de assalariados (1) 2,2 0,1 Setor privado 3,3 0,2 Com carteira assinada 5,5 0,8 Sem carteira assinada -10,6-4,2 Setor público (2) -2,8-0,3 Autônomos -4,7-0,4 Empregados domésticos -4,7-18,8 Mensalistas -9,3 0,0 Diaristas 2,2 - Demais posições (3) -1,5-3,8 (1) Exclui os empregados domésticos e incluem aqueles que não informaram o segmento em que trabalham. (2) Inclui os estatutários e celetistas que trabalham em instituições públicas (Governos Municipal, Estadual, Federal, empresa de economia mista, autarquia, fundação, etc.). (3) Incluem empregadores, profissionais universitários autônomos, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração e outras posições ocupacionais. Entre os homens, o aumento do assalariamento no setor privado com carteira de trabalho assinada foi menor e, diferente do que se observa entre as mulheres, permaneceu praticamente estável no setor público. Como consequência desse desempenho, elevou-se a proporção de assalariadas no setor privado com carteira de trabalho assinada (de 47,7%, em 2012, para 50,3%, em 2013) e pouco se alterou a parcela de empregadas do setor público (de 10,5% para 10,2%, no período) (Tabela 4). Destaque-se que a proporção das empregadas domésticas no total das ocupações femininas diminuiu de 14,7% para 14,0%, entre 2012 e 2013, sendo a menor da série da pesquisa. Em momen- tos de maior e mais diversificada oferta de trabalho, como é o caso da última década, as mulheres tendem a se ocupar em atividades de maior prestígio e em setores mais estruturados, permanecendo nos serviços domésticos, principalmente, aquelas nas faixas etárias mais elevadas e com menor escolaridade. Em 2013, pela primeira vez, pouco mais da metade das mulheres (50,3%) passou a ter carteira de trabalho assinada pelo empregador, embora a proporção ainda seja inferior à dos homens na mesma situação (57,0%). 12

13 Tabela 4 Distribuição dos ocupados, por sexo, segundo posição na ocupação Região Metropolitana de São Paulo Em porcentagem Posição na ocupação Mulheres Homens TOTAL 100,0 100,0 100,0 100,0 Total de assalariados (1) 66,7 68,1 72,2 72,6 Setor privado 56,1 57,9 66,7 67,1 Com carteira assinada 47,7 50,3 56,3 57,0 Sem carteira assinada 8,5 7,6 10,4 10,0 Setor público (2) 10,5 10,2 5,5 5,5 Autônomos 12,5 11,9 18,7 18,7 Empregados domésticos 14,7 14,0 0,6 0,5 Mensalistas 9,6 8,7 0,5 0,5 Diaristas 5,2 5,3 - (4) - (4) Demais posições (3) 6,2 6,0 8,6 8,2 (1) Exclui os empregados domésticos e incluem aqueles que não informaram o segmento em que trabalham. (2) Inclui os estatutários e celetistas que trabalham em instituições públicas (Governos Municipal, Estadual, Federal, empresa de economia mista, autarquia, fundação, etc.). (3) Incluem empregadores, profissionais universitários autônomos, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração e outras posições ocupacionais. (4) A amostra não comporta desagregação para esta categoria. Mulheres e homens, de forma geral, permaneceram mais tempo em seus trabalhos atuais. O tempo médio de permanência dos assalariados no posto de trabalho atual cresceu em dois meses para ambos os sexos, entre 2012 e 2013, passando para 57 meses entre as mulheres e 62 para os homens. Rendimento das mulheres pouco cresce, enquanto o dos homens diminui Em 2013, o rendimento médio real 5 das mulheres ocupadas na Região Metropolitana de São Paulo equivalia a R$ 1.457, enquanto o dos homens correspondia a 5. Os dados de rendimentos de 2013 referem-se ao período de dezembro de 2012 a novembro de R$ Entretanto, como a jornada semanal média de trabalho dos homens (43 horas) é maior do que a das mulheres (39 horas), o rendimento médio real por hora torna-se a medida mais apropriada para comparar esses segmentos. Para as mulheres, o valor por hora era de R$ 8,73, em 2013, 0,8% superior ao registrado no ano anterior, e para os homens passou a equivaler a R$ 11,32, menor (-1,3%) do que em Essa variação diferenciada dos rendimentos do trabalho resultou na aproximação entre os rendimentos feminino e masculino: em 2012, o rendimento médio por hora das mulheres correspondia a 75,5% do recebido pelos homens, proporção que passou para 77,1%, em 2013 (Gráfico 4). 13

14 Gráfico 4 Relação entre o rendimento médio real por hora de mulheres e homens ocupados (1) Região Metropolitana de São Paulo ,8 78,6 77,9 77,6 77,9 75,7 76,4 75,3 76,7 75,5 77, (1) Inflator utilizado: ICV do Dieese. O aumento do rendimento médio por hora das mulheres, entre 2012 e 2013, refletiu a expansão observada no setor de Serviços, ocorrida principalmente nos ramos de atividades administrativas e serviços complementares, alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação e nos serviços domésticos (Tabela 5). Entre os homens, a diminuição do rendimento médio por hora decorreu de reduções na Indústria e nos Serviços, uma vez que os demais setores registraram acréscimos. Devido aos ritmos distintos na evolução dos rendimentos médios por hora obtidos nos setores de atividade para mulheres e homens, a relação entre os dois também foi diferenciada. Na Indústria de Transformação, o rendimento médio por hora das mulheres, que em 2012 correspondia a 67,9% do rendimento masculino, passou a equivaler a 71,3%, em No Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas essa relação diminuiu de 76,4% para 72,9% e, nos Serviços, aumentou de 72,4% para 75,6%, no mesmo período. É nos Serviços que se encontra a menor diferença de rendimento médio por hora entre mulheres e homens, seguido pelo Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas e, por último, na Indústria de Transformação. 14

15 Tabela 5 Rendimento médio real (1) dos ocupados (2) no trabalho principal, por sexo, segundo setores de atividade Região Metropolitana de São Paulo Setores de atividade Rendimento médio real por hora (2) Mulheres Homens Variação 2013/2012 (%) Rendimento das mulheres em relação ao dos homens (%) Mulheres Homens Total de ocupados (3) 8,66 8,73 11,46 11,32 0,8-1,2 75,5 77,1 Indústria de Transformação (4) 8,30 8,26 12,23 11,58-0,5-5,3 67,9 71,3 Metal-mecânica (5) 10,36 9,92 13,42 13,08-4,3-2,6 77,2 75,8 Construção (6) - (15) - (15) 9,00 9,70-7,7 - - Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (7) 6,67 6,62 8,72 9,07-0,7 4,0 76,5 73,0 Serviços (8) 9,25 9,52 12,76 12,58 2,9-1,4 72,5 75,7 Transporte, armazenagem e correio (9) - (15) - (15) 9,64 9,75-1,2 - - Informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais, científicas e técnicas (10) 15,35 14,93 21,91 21,79-2,7-0,5 70,0 68,5 Atividades administrativas e serviços complementares (11) 6,23 6,45 7,61 7,62 3,5 0,3 82,0 84,6 Administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (12) 12,56 12,60 18,80 17,82 0,3-5,2 66,8 70,7 Alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação (13) 6,44 6,51 8,30 8,19 1,1-1,3 77,6 79,5 Serviços domésticos (14) 5,58 6,10 - (15) - (15) 9, (1) Inflator utilizado: ICV do Dieese. Em reais de novembro de (2) Exclusive os assalariados e os empregados domésticos mensalistas que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os empregados que receberam exclusivamente em espécie ou benefício. Exclusive os que não trabalharam na semana. (3) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. (4) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (5) Divisões 24, 25, 26, 27, 28, 29 da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Seção F da CNAE 2.0 domiciliar. (7) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (8) Inclui atividades imobiliárias (Seção L da CNAE 2.0 domiciliar). (9) Seção H da CNAE 2.0 domiciliar. (10) Seções J, K, M da CNAE 2.0 domiciliar. (11) Seção N da CNAE 2.0 domiciliar. (12) Seções O, P, Q da CNAE 2.0 domiciliar. (13) Seções I, S, R da CNAE 2.0 domiciliar. (14) Seção T da CNAE 2.0 domiciliar. (15) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Nota: A captação da CNAE 2.0 domiciliar na PED iniciou-se em novembro de Vide nota técnica n o 12.

16 Nos Serviços, a menor diferença de rendimento médio por hora entre mulheres e homens se encontra nas atividades administrativas e serviços complementares, onde é maior a proporção de ocupações de baixa complexidade. Já a maior distância ocorre em informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais, científicas e técnicas, em que é maior a presença daqueles com superior completo. Por posição na ocupação (Tabela 6), o rendimento médio real por hora das mulheres aumentou para as empregadas domésticas (tanto mensalistas como diaristas), autônomas que trabalhavam para o público e assalariadas do setor público. As maiores retrações foram observadas entre as assalariadas sem carteira de trabalho assinada do setor privado e as autônomas que trabalhavam para empresas. Entre os homens, o salário médio por hora reduziu-se, principalmente, entre os assalariados sem carteira de trabalho assinada, assalariados do setor público e empregadores, e aumentou para os assalariados com carteira assinada do setor privado e autônomos. Posição na ocupação 16 Tabela 6 Rendimento médio real por hora (1) dos ocupados (2) no trabalho principal e variação, por sexo, segundo posição na ocupação Região Metropolitana de São Paulo Rendimento médio real por hora Mulheres Homens Variação 2013/2012 (%) Rendimento das mulheres em relação ao dos homens (%) Mulheres Homens TOTAL 8,66 8,73 11,46 11,32 0,8-1,2 75,5 77,1 Total de assalariados (3) 9,36 9,29 10,79 10,66-0,7-1,2 86,7 87,1 Setor privado 8,34 8,24 10,12 10,17-1,2 0,5 82,4 81,0 Com carteira assinada 8,53 8,56 10,41 10,39 0,3-0,2 82,0 82,4 Sem carteira assinada 7,08 6,52 8,36 7,62-7,9-8,8 84,7 85,6 Setor público 15,47 15,75 20,21 18,69 1,8-7,5 76,5 84,3 Autônomos 6,54 6,48 9,64 9,88-0,9 2,5 67,8 65,6 Trabalham para o público 5,55 5,96 8,66 8,78 7,5 1,4 64,1 67,9 Trabalham para empresa 8,02 7,43 11,20 11,60-7,3 3,6 71,5 64,0 Empregadores -(5) -(5) 25,23 24,00-4,9 - - Empregados domésticos 5,58 6,10 -(5) -(5) 9,3 - - Mensalistas 5,17 5,62 -(5) -(5) 8,7 - - Diaristas 6,83 7,55 -(5) -(5) 10,5 - - Demais posições (4) -(5) -(5) 16,28 15,26-6,2 - - (1) Inflator utilizado: ICV-DIEESE/SP. Em reais de novembro de (2) Exclui os assalariados e os empregados domésticos mensalistas que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os empregados que receberam exclusivamente em espécie ou benefício. Exclusive os que não trabalharam na semana. (3) Inclui aqueles que não informaram o segmento em que trabalham. (4) Incluem profissionais universitários autônomos, donos de negócio familiar, etc. (5) A amostra não comporta desagregação para a categoria.

17 Boletim 1 Mercado de Trabalho Feminino no Estado de São Paulo 1994/1998 Boletim 2 Mercado de Trabalho da Mulher no Interior Paulista Boletim 3 A Busca da Equidade Social Boletim 4 Inserção das Mulheres Negras no Mercado de Trabalho da Região Metropolitana de São Paulo Boletim 5 O Desemprego Feminino na Região Metropolitana de São Paulo Boletim 6 O Trabalho das Mulheres Residentes Rurais do Estado de São Paulo Boletim 7 O Mercado de Trabalho Feminino na Região Metropolitana de São Paulo Boletim 8 Ocupação Feminina e Flexibilização das Relações de Trabalho na Região Metropolitana de São Paulo Boletim 9 O Emprego Feminino no Estado de São Paulo Boletim 10 Arranjo Familiar e Inserção Feminina no Mercado de Trabalho da RMSP na Década de 90 Boletim 11 O Mercado de Trabalho Feminino na Região Metropolitana de São Paulo em 2002 Boletim 12 O Mercado de Trabalho Feminino na Região Metropolitana de São Paulo em 2003 Boletim 13 Inserção da Mulher no Mercado Formal de Trabalho no Estado de São Paulo, entre 2000 e 2002: uma abordagem regional Boletim 14 O Mercado de Trabalho Feminino na Região Metropolitana de São Paulo em 2004 Boletim 15 Aposentadas e Mulheres de 40 Anos e Mais no Estado de São Paulo Boletim 16 O Mercado de Trabalho Feminino na Região Metropolitana de São Paulo em 2005 Boletim 17 O Mercado de Trabalho Feminino na Região Metropolitana de São Paulo em 2006 Boletim 18 O Mercado de Trabalho Feminino na Região Metropolitana de São Paulo em 2007 Boletim 19 A Mulher no Mercado de Trabalho em 2008 na Região Metropolitana de São Paulo Boletim 20 O Trabalho Doméstico na Região Metropolitana de São Paulo Boletim 21 Trabalho e Desigualdades de Gênero na Região Metropolitana de São Paulo Boletim 22 Inserção das Mulheres com Escolaridade Superior no Mercado de Trabalho Boletim 23 A Mulher no Mercado de Trabalho em 2011 na Região Metropolitana de São Paulo Boletim 24 O Trabalho das mulheres mudanças e permanências Região Metropolitana de São Paulo Acesse:

18 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Av. Cásper Líbero 478 CEP Caixa Postal 2658 CEP São Paulo SP Fone (11) Fax (11) / Rua Aurora, o andar República CEP São Paulo SP Fone (11) / Apoio: Ministério do Trabalho e Emprego MTE. Fundo de Amparo ao Trabalhador FAT. Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho Sert. 18

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Taxa de desemprego se eleva

Taxa de desemprego se eleva MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 Taxa de desemprego se eleva 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego - PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, em parceria com o Consórcio

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0.

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0. Sistema PED Maio 2012 Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Governador do

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões NOVEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego permaneceu relativamente estável

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade

AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade Nível de ocupação aumenta na Indústria de Transformação, mantém-se relativamente estável

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO

TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Resultados de outubro² 1 de 2014 TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 01 Resultados de janeiro de 2015 PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Desemprego cresceu no conjunto das regiões

Desemprego cresceu no conjunto das regiões Desemprego cresceu no conjunto das regiões SETEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego aumentou nas cinco regiões pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ano 19 Nº 13 - O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em A partir da aprovação da Emenda Constitucional n 72,

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013 EMPREGO DOMÉSTICO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ABRIL 2014 Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em Em, diminuiu o número de empregadas domésticas na

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 MARÇO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº03 CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 277 266 DEZEMBRO DE 2007 Taxa de desemprego total diminui para 13,5% Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

Leia mais

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Dezembro 2011 Nº 6 Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Durante a década de 1990, com o enfraquecimento das instituições reguladoras da economia e da sociedade

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO DE 2009 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO N o 292 N o 266 Desemprego cresce, mas indústria e serviços param de demitir Demissões no Comércio

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

Trabalho e Desigualdades de Gênero na Região Metropolitana de São Paulo

Trabalho e Desigualdades de Gênero na Região Metropolitana de São Paulo São Paulo março de 2010 nº 21 Trabalho e Desigualdades de Gênero na Região Metropolitana de São Paulo Balanço do mercado de trabalho feminino em 2009 Emprego doméstico no período 2000-2009 SUMáRIO apresentação

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São Paulo 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Campinas 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO - 2012 MARÇO - 2012 MARÇO 2013 O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

ESTUDO TEMÁTICO SOBRE O PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA CAPACITAÇÃO OCUPACIONAL NO MUNICÍPIO DE OSASCO

ESTUDO TEMÁTICO SOBRE O PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA CAPACITAÇÃO OCUPACIONAL NO MUNICÍPIO DE OSASCO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nº 5 Fevereiro 2011 O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL O desenvolvimento capitalista no Brasil alcançou um impulso formidável no século passado, dotando, em curto espaço de tempo, uma economia

Leia mais

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Resultados de 2013 Divulgação: Novembro de 2014 A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

Estado de São Paulo mantém tendência de queda da Mortalidade Infantil

Estado de São Paulo mantém tendência de queda da Mortalidade Infantil Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 13 n o 3 Agosto 2013 Estado de São Paulo mantém tendência de queda da Mortalidade Infantil A taxa de mortalidade infantil em 2012, 11,48 óbitos

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 2 Maio 2012 Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo As estatísticas de mortalidade produzidas pela Fundação Seade,

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

A mulher no mercado de trabalho em 2016

A mulher no mercado de trabalho em 2016 São Paulo, março de 2017 n o 28 A mulher no mercado de trabalho em 2016 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Presença de mulheres no mercado de trabalho, medida pela taxa de participação, permanece praticamente

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

PED ABC. Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC. Estudo Especial JULHO DE 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC *

PED ABC. Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC. Estudo Especial JULHO DE 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC * PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC * JULHO DE 2013 Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC Estudo Especial * Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 BOLETIM MENSAL Março/2010 DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) apresenta

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 Região Metropolitana de São Paulo Março 2010 O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 No ano em que a Organização Internacional do Trabalho OIT inclui o trabalho doméstico como tema de sua 99ª Conferência

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL

DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL Novembro de 2013 Taxas de participação e desemprego total, segundo cor e sexo Regiões Metropolitanas

Leia mais

Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres no mercado de trabalho da RMS, em 2014

Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres no mercado de trabalho da RMS, em 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Março de 2015 Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015 SÍNTESE / BOLETIM DA PED / FEVEREIRO 2015 RESULTADOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS A Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, em sua metodologia, cobre as regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre,

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

As informações da Pesquisa de Emprego

As informações da Pesquisa de Emprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC NOVEMBRO DE 2014 Mercado de trabalho e mobilidade do trabalhador As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED na Região do ABC, rea lizada pela

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 Qual a importância da discussão de gênero no mercado de trabalho? O campo de atuação profissional

Leia mais

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 4 Maio 2011 Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo O número de mortes por acidentes de motocicleta manteve-se

Leia mais

Pesquisa Anual de Serviços

Pesquisa Anual de Serviços 1 Pesquisa Anual de Serviços Perguntas e Respostas Qual o destaque da pesquisa? O setor movimentou R$ 1,1 trilhão em receita operacional líquida i, respondeu por 11 993 942 mil pessoas ocupadas e pagou

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em alusão ao Dia da

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência 20 Maioria dos brasileiros apoia mudanças na previdência Sete em cada dez brasileiros reconhecem que o sistema previdenciário brasileiro apresenta

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Mais casamentos e maior diversidade de casais no Estado de São Paulo

Mais casamentos e maior diversidade de casais no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 15 n o 2 Abril 2015 Mais casamentos e maior diversidade de casais no Estado de São Paulo Rosa Maria Vieira de Freitas Mestre em Saúde Pública e

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

BOLETIM MENSAL Julho/2011

BOLETIM MENSAL Julho/2011 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego

Leia mais

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE {dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE A taxa de desocupação ficou praticamente estável, pois suas variações em relação a março (9,0%) de 2009 e também a abril de 2008 (8,5%)

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 Em 2015, a taxa de participação

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais