BOLETIM MENSAL Julho/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOLETIM MENSAL Julho/2011"

Transcrição

1 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010

2 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) apresenta uma análise do mercado de trabalho paulista referente ao mês de Julho/2011, utilizando dados do CAGED atualizados até este mês e também os dados da RAIS. Objetivos e metodologia do Boletim Antes de apresentar os resultados vamos explicar os objetivos do Boletim e oferecer alguns comentários sobre os indicadores utilizados e sobre a metodologia do trabalho. Com o Boletim e o Observatório do Emprego e do Trabalho, a SERT-SP oferece aos formuladores de políticas públicas um conjunto de ferramentas inovadoras para aprimorar as possibilidades de análise e de compreensão da evolução do mercado de trabalho. O Boletim inova a análise do mercado de trabalho em dois aspectos importantes. Primeiro, porque utiliza um conjunto de indicadores novos, especialmente criados pelos pesquisadores da FIPE, os quais juntamente com indicadores mais conhecidos e tradicionais permitirão um acompanhamento mais detalhado do que ocorre no mercado de trabalho. Segundo, porque estes indicadores podem ser utilizados tanto para analisar o mercado como um todo, quanto para analisar aspectos desagregados do mercado como, por exemplo, uma ocupação ou um município. São indicadores poderosos, que oferecem uma visão de curto prazo e também podem formar uma série histórica. O conjunto de indicadores pode ser usado para acompanhar tanto as flutuações decorrentes das alterações conjunturais de curto prazo quanto as evoluções estruturais de longo prazo. O Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho apresenta uma análise mensal da evolução do mercado de trabalho no Estado de São Paulo. Os indicadores que o Boletim utiliza avaliam o desempenho do mercado de trabalho no Estado de São Paulo como um todo e em cada uma de suas 15 Regiões Administrativas. Os mesmos indicadores podem ser acessados e consultados na internet para analisar as Regiões de Governo e também cada um dos municípios paulistas. Estas informações desagregadas podem ser acessadas por qualquer interessado no endereço Esta é a página do Observatório do Emprego e do Trabalho da SERT-SP, que além do Boletim Mensal e dos indicadores desagregados oferece muitas outras informações. O Boletim utiliza os dados mensais do CAGED, um registro administrativo coletado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com periodicidade mensal. O CAGED registra os desligamentos e as admissões ocorridas no mês de referência, informando para cada desligamento e/ou admissão o perfil dos indivíduos envolvidos. O MTE disponibiliza os dados do CAGED aproximadamente na terceira semana do mês seguinte aos registros, o que dá a essa fonte de dados uma agilidade que nenhum outro acompanhamento do mercado de trabalho pode oferecer. O Boletim se beneficia dessa qualidade do CAGED e utiliza 2

3 seus dados para calcular os indicadores desenvolvidos e oferecer uma análise cuidadosa e detalhada do mercado de trabalho, oferecendo ângulos originais, criativos e, esperamos, muito úteis aos formuladores de políticas públicas e estudiosos em geral. O CAGED tem uma vantagem em relação a outros levantamentos, pois cobre o universo dos empregos formais, enquanto os outros são pesquisas amostrais. A desvantagem é que, por se tratar de um registro administrativo, o CAGED não inclui o trabalho informal, limitando-se ao segmento formal do mercado de trabalho. Para não deixar à parte o segmento informal, o Boletim apresenta em algumas de suas edições uma seção especial que avalia o tamanho do empreendedorismo e nesta análise incluímos tanto os empreendedores formais quanto os informais. Esta seção especial foi publicada na primeira edição do Boletim. A seguir, apresentamos as informações reunidas para esta edição. O período coberto é o mês de maio de 2011 e o trimestre terminado neste mesmo mês. O Boletim está dividido em oito seções, que abordam os seguintes temas: (1) Variação no emprego segundo a Região Administrativa; (2) Variação no emprego segundo o Setor Econômico; (3) Salário médio dos admitidos; (4) Pressão salarial; (5) Rotatividade da mão de obra; (6) Análise ocupacional do emprego; (7) Perfil da Variação do Emprego e (8) Municípios em destaque. 3

4 No mês de julho/2011, o CAGED registrou a criação de novos postos formais de trabalho no Estado de São Paulo, número 19% menor que o registrado no mês anterior (61.208). Em julho/2011, a Região Metropolitana de São Paulo foi a que criou o maior número de vagas ( ), seguida pelas Regiões Administrativas de Campinas ( ) e Sorocaba (+5.631). Comparando o mês de julho/2011 com o mesmo mês de 2010, verificamos que diminuiu a criação de empregos. Este ano, no mês de julho, foram criados aproximadamente 21% menos de postos trabalho ( contra ) (Tabela 1). Durante o período de 12 meses encerrado em julho/2011 houve, no Estado de São Paulo, um crescimento líquido de postos de trabalho. Desse total, 57% ou vagas foram criadas na Região Metropolitana de São Paulo. A Região Administrativa de Registro foi a que teve o menor crescimento (+1.777) (Tabela 1). Considerando o trimestre terminado em julho de 2011, o crescimento no emprego foi de postos de trabalho formais. Um ano antes, no trimestre correspondente ao período maio/2010 a julho/2010, tinham sido criadas vagas. Portanto, o crescimento do emprego no trimestre atual foi 15% menor em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (Tabela 1). O Gráfico 1 compara o nível e a variação do emprego no Estado de São Paulo com o restante do País no mês de julho/2011. Nosso Estado representa 29% do total de empregos formais do País e foi responsável pela criação de 35% dos novos postos de trabalho em julho. Já o Gráfico 2 apresenta a evolução de longo prazo dos registros do CAGED para o Estado de São Paulo e revela o comportamento sazonal, com perdas líquidas em dezembro de todos os anos e recuperação a partir de janeiro. Este padrão foi claramente rompido em 2009, com a recuperação do emprego formal no Estado ocorrendo somente a partir de fevereiro. A Figura 1 ilustra a distribuição geográfica da variação do emprego e permite visualizar o desempenho de cada um dos municípios paulistas. 4

5 Gráfico 1: Participação de São Paulo no nível e na variação do emprego 5

6 Gráfico 2: Variação no emprego (Estado de São Paulo) 6

7 Tabela 1: Variação no emprego por Região Administrativa Variação Variação dos últimos 3 meses Região Administrativa Jul/11 - Jun/11 Jul/11 - Jul/10 Acum. no ano Jul/10 - Jun/10 Do ano atual [1] Do ano anterior [2] Diferença ([1] - [2]) Região Metropolitana de SP Araçatuba Barretos Bauru Campinas Central Franca Marília Presidente Prudente Registro Ribeirão Preto Santos São José do Rio Preto São José dos Campos Sorocaba Total do Estado Fonte: CAGED/MTE 7

8 Figura 1: Variação no emprego por município (julho/2010) (Estado de São Paulo) 8

9 Em julho de 2011 houve crescimento de emprego em 17 dos 21 ramos de atividades, com destaque para Comércio; Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas ( ), Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aqüicultura (+6.300) e Construção (+5.461). Estas três atividades criaram em conjunto novas vagas, o que corresponde a aproximadamente 50% dos novos postos de trabalho. As Atividades Econômicas com perda de vagas foram Educação (-584), Administração Pública, Defesa e Seguridade Social (-166), Água, Esgoto, Atividades de Gestão de Resíduos E Descontaminação (-54) e Serviços Domésticos (-8). No mesmo mês do ano anterior o Estado de São Paulo tinha gerado vagas, sendo que os principais ramos de atividade responsáveis por esse número tinham sido Indústrias de Transformação ( ), Comércio; Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas ( ), Atividades Administrativas e Serviços Complementares (+6.379) e Construção (+6.138) (Tabela 2). Observando agora o trimestre terminado em julho de 2011, verificamos que foram criadas vagas, com crescimento em praticamente todos os ramos de atividades, com destaque para: Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aqüicultura ( ), Comércio; Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas ( ) e Indústrias de Transformação ( ). Os ramos de atividade com perdas de vagas foi Educação (-2.730) e Organismos Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais (-1). Neste mesmo trimestre, mas no ano de 2010, houve criação de postos de trabalho. No ano anterior, as atividades que mais contribuíram para criação do emprego durante esse período de três meses tinham sido Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aqüicultura ( ) e Indústrias de Transformação ( ) (Tabela 2). 9

10 Tabela 2: Variação no emprego por Setor Econômico (CNAE) (Estado de São Paulo) Variação Variação dos últimos 3 meses Ramo de Atividade Jul/11 - Jun/11 Jul/11 - Jul/10 Acum. no ano Jul/10 - Jun/10 Do ano atual [1] Do ano anterior [2] Diferença ([1] - [2]) Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aqüicultura Indústrias Extrativas Indústrias de Transformação Eletricidade e Gás Água, Esgoto, Atividades de Gestão de Resíduos E Descontaminação Construção Comércio; Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas Transporte, Armazenagem e Correio Alojamento e Alimentação Informação e Comunicação Atividades Financeiras, de Seguros e Serviços Relacionados Atividades Imobiliárias Atividades Profissionais, Científicas e Técnicas Atividades Administrativas e Serviços Complementares Administração Pública, Defesa e Seguridade Social Educação Saúde Humana e Serviços Sociais Artes, Cultura, Esporte e Recreação Outras Atividades de Serviços Serviços Domésticos Organismos Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais Não Informado Ignorado Total do Estado Fonte: CAGED/MTE 10

11 No mês de julho/2011 o salário médio dos admitidos no Estado de São Paulo foi R$ O maior valor foi observado na Região Metropolitana de São Paulo (R$ 1.181) e o menor na Região de Barretos (R$ 767). Na comparação com o mês anterior, o salário médio dos trabalhadores admitidos aumentou em 1,3% no Estado de São Paulo. Das 15 Regiões, 10 apresentaram aumento real no salário médio dos admitidos com destaque para Barretos (+13,7%). Das regiões que apresentaram redução real no salário médio destacam-se: Araçatuba (-5,5%), Registro (-4,6%) e Santos (-4,0%) (Tabela 3). No comparativo anual com julho/2010, o salário médio dos admitidos no Estado aumentou em 1,7% em termos reais. Os maiores aumentos foram observados nas Regiões Administrativas de Registro (+10,2%), São José do Rio Preto (+6,4%) e São José dos Campos (+4,6%) (Tabela 3). O Gráfico 3 oferece uma perspectiva de longo prazo para o comportamento do salário real médio dos admitidos. No período mais recente, a tendência de crescimento do salário dos admitidos a partir de abril/2009 foi mantida e permanece até o final do período, com oscilações sazonais. NOTA: O índice utilizado para correção e comparação dos valores foi o IPCA (IBGE). 11

12 Tabela 3: Salário médio real* dos admitidos (R$) Salário médio Variação real em relação a Região Administrativa no mês atual Jun/11 Jul/10 Dez/10 Região Metropolitana de SP ,3% 1,0% 4,6% Araçatuba 820-5,5% -1,7% -5,9% Barretos ,7% 2,8% -6,7% Bauru 856 3,2% 1,7% -0,4% Campinas 999 0,7% 3,0% 1,6% Central 812 8,0% 4,3% -9,2% Franca 865 1,5% 1,6% 0,7% Marília 835 1,2% 1,0% -0,7% Presidente Prudente 860 1,4% 1,5% 0,6% Registro 981-4,6% 10,2% 7,0% Ribeirão Preto 961 3,6% 2,9% -0,1% Santos 964-4,0% 2,2% 8,2% São José do Rio Preto 932 3,7% 6,4% 6,5% São José dos Campos 998 2,2% 4,6% 6,2% Sorocaba 878-1,9% -1,0% -0,2% Total do Estado ,3% 1,7% 2,7% Fonte: CAGED/MTE; Elaboração: FIPE * De acordo com o IPCA (IBGE) 12

13 Gráfico 3: Salário médio real dos admitidos (R$) (Estado de São Paulo) 13

14 Em julho de 2011 a pressão salarial média no Estado de São Paulo como um todo foi de 0,94, maior que a observada no mês anterior. Os maiores níveis de pressão foram observados nas Regiões Administrativas de Registro (1,07), São José do Rio Preto (0,97) e Franca (0,96). A menor pressão salarial ocorreu na Região Administrativa de Bauru (0,91). Em julho de 2010, a pressão salarial era igual que a deste ano (0,94). A pressão salarial em julho/2011 indica um dinamismo igual do mercado de trabalho ao observado há um ano. (Tabela 4). O Gráfico 4 oferece uma perspectiva de longo prazo para a pressão salarial. Percebe-se que apenas em dezembro/2007 a pressão salarial foi maior do que 1 em São Paulo, indicando que o salário médio dos admitidos naquele mês era maior do que o salário médio dos desligados. De janeiro/2009 até julho/2010 o indicador de pressão salarial passou por duas fases bem distintas. Até julho/2009 a pressão salarial no Estado de São Paulo se encontrava abaixo da média de toda a série (0,88). Desde então, até o presente momento, o indicador tem se situado acima desse patamar, atingindo valor próximo a 1 em janeiro/2010, e queda no mês seguinte com leve recuperação oscilatória nos meses seqüentes até atingir novamente 1 em janeiro de Pressão Salarial = Salário médio dos admitidos Salário médio dos desligados 14

15 Tabela 4: Pressão Salarial Região Administrativa Jul/11 Jun/11 Jul/10 Região Metropolitana de SP 0,95 0,94 0,94 Araçatuba 0,96 0,98 1,00 Barretos 0,92 0,78 0,90 Bauru 0,91 0,91 0,94 Campinas 0,93 0,93 0,93 Central 0,93 0,84 0,89 Franca 0,96 0,94 0,99 Marília 0,92 0,89 0,96 Presidente Prudente 0,93 0,92 0,96 Registro 1,07 1,04 1,04 Ribeirão Preto 0,95 0,92 0,91 Santos 0,93 0,95 0,91 São José do Rio Preto 0,97 0,94 0,87 São José dos Campos 0,93 0,91 0,93 Sorocaba 0,93 0,94 0,93 Total do Estado 0,94 0,92 0,94 Fonte: CAGED/MTE; Elaboração: FIPE 15

16 Gráfico 4: Pressão Salarial (Estado de São Paulo) 16

17 A taxa de rotatividade da mão-de-obra no Estado de São Paulo em julho/2011 foi de 3,70%, considerando todas as atividades e todas as regiões. No mês anterior (junho/2011), a mesma taxa tinha atingido o valor de 3,85%. Um ano antes, em julho/2010, a taxa de rotatividade da mão de obra era de 3,55% (Tabela 5). Em julho/2011 as Regiões Administrativas com as maiores taxas de rotatividade de mão-de-obra foram Franca (4,59%), Araçatuba e Central (ambas com 4,29%) e Sorocaba (4,09). As menores taxas foram observadas nas Regiões Administrativas de Registro (2,71%) e Santos (3,06%) (Tabela 5). O Gráfico 5 oferece uma perspectiva de longo prazo para a rotatividade da mão de obra, cobrindo o período desde janeiro/2004 até julho/2011. Mostra também a taxa média de rotatividade desde 1996, que é de 2,8%. Percebe-se claramente que, desde o início da série, a taxa de rotatividade da mão obra no Estado de São Paulo vem aumentando ao longo do tempo, embora em caráter cíclico, oscilando entre períodos de queda e expansão. O aumento desse indicador ao longo dos anos significa um maior dinamismo do mercado de trabalho paulista. No período mais recente da série, de janeiro/2009 até julho/2010, a taxa de rotatividade da mão de obra vem se situando acima da sua média histórica, exceto no mês dezembro/2009 quando caiu para o seu valor médio histórico. No começo de 2010 atingiu patamares inéditos até então. Desde março/2010 o comportamento do indicador vem sendo oscilatório. Taxa de Rotatividade = Número de substituições Número total de postos de trabalho 17

18 Tabela 5: Taxa de rotatividade (%) Região Administrativa Jul/11 Jun/11 Jul/10 Região Metropolitana de SP 3,50 3,72 3,33 Araçatuba 4,29 3,92 3,68 Barretos 4,06 3,71 3,96 Bauru 4,01 4,05 4,10 Campinas 4,08 4,29 3,99 Central 4,29 4,13 4,27 Franca 4,59 4,63 4,56 Marília 3,43 3,45 3,21 Presidente Prudente 3,14 3,18 3,39 Registro 2,71 3,13 3,05 Ribeirão Preto 4,01 3,96 3,74 Santos 3,06 3,21 3,14 São José do Rio Preto 3,68 3,90 3,60 São José dos Campos 3,75 3,89 3,59 Sorocaba 4,09 4,20 3,81 Total do Estado 3,70 3,85 3,55 Fonte: CAGED/MTE; Elaboração: FIPE 18

19 Gráfico 5: Taxa de rotatividade (%) (Estado de São Paulo) 19

20 As 100 ocupações mais freqüentes no Estado de São Paulo corresponderam, em julho de 2011, a aproximadamente 82% dos trabalhadores formais que aparecem nos registros do CAGED/RAIS. Para este grupo de ocupações apresentamos a seguir os mesmos indicadores utilizados nas seções anteriores. Os resultados são os seguintes: (a) Variação no emprego. No mês de julho/2011 os maiores crescimentos ocorreram nas seguintes ocupações: Agentes, assistentes e auxiliares administrativos ( vagas); Trabalhadores agrícolas na fruticultura ( vagas), Alimentadores de linhas de produção ( vagas) e Ajudantes de obras civis (+4.106). Estas ocupações responderam por 41% de todo o crescimento do emprego formal em julho/2011. As maiores reduções foram observadas para as ocupações: Trabalhadores agrícolas na cultura de gramíneas ( vagas), Supervisores administrativos (-445 vagas) e Trabalhadores agrícolas nas culturas de plantas estimulantes (- 426 vagas) (Tabela 6). (b) Salário médio dos admitidos. Os maiores salários médios de admissão em julho/2011 no Estado de São Paulo foram os dos Gerentes de comercialização, marketing e comunicação (R$ 4.240), Gerentes administrativos, financeiros, de riscos e afins (R$ 3.914) e Médicos (R$ 3.861). No grupo das dez ocupações com os maiores salários de admissão, destaca-se a ocupação de Compradores pela variação do salário médio real entre junho/2011 e julho/2011 (+2,6%) e Analistas de tecnologia da informação com variação negativa do salário médio real (-7,3%). Já os menores salários médios neste mesmo mês foram dos Trabalhadores agrícolas na fruticultura (R$ 546), Operadores de telemarketing (R$ 620), Trabalhadores agropecuários em geral (R$ 632) e Contínuos (R$ 650) (Tabela 7). (c) Pressão salarial. As ocupações com maior pressão salarial em julho/2011 foram: Professores na área de formação pedagógica do ensino superior (1,35), Professores do ensino médio (1,14) e Montadores de máquinas, aparelhos e acessórios em linhas de montagem (1.10). As ocupações com menor pressão salarial foram Trabalhadores em serviços de promoção e apoio à saúde (0,65) e Instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefônicos (0,79) (Tabela 8). (d) Rotatividade da mão de obra. As ocupações com maiores taxas de rotatividade foram as de Trabalhadores de montagem de estruturas de madeira, metal e compósitos (12,05%), Trabalhadores de estruturas de alvenaria (8,01%), Cobradores e afins (7,68%) e Operadores de telemarketing (7,50%). As ocupações com menores taxas de rotatividade foram Professores de nível médio no ensino fundamental (0,07%), Professores de nível superior na educação infantil (0,22), Policiais, guardas-civis municipais e agentes de trânsito (0,27%), Serventuários da justiça e afins (0,34%) e Professores na área de formação pedagógica do ensino superior (0,35%) (Tabela 9). 20

21 Tabela 6: Variação no emprego nas 100 ocupações mais frequentes (81,7% do total de trabalhadores) Variação Variação dos últimos 3 meses Dez maiores crescimentos Jul/11 - Jun/11 Jul/11 - Jul/10 Acum. no ano Jul/10 - Jun/10 Do ano atual [1] Do ano anterior [2] Diferença ([1] - [2]) Posição Ocupação 1 Agentes, assistentes e auxiliares administrativos Trabalhadores agrícolas na fruticultura Alimentadores de linhas de produção Ajudantes de obras civis Operadores do comércio em lojas e mercados Trabalhadores nos serviços de manutenção de edificações Trabalhadores de cargas e descargas de mercadorias Garçons, barmen, copeiros e sommeliers Trabalhadores de embalagem e de etiquetagem Vigilantes e guardas de segurança Dez maiores reduções Posição Ocupação 21 Trabalhadores agrícolas na cultura de gramíneas Supervisores administrativos Trabalhadores agrícolas nas culturas de plantas estimulantes Trabalhadores de caldeiraria e serralheria Professores na área de formação pedagógica do ensino superior Trabalhadores de soldagem e corte de ligas metálicas Operadores de telemarketing Trabalhadores de montagem de estruturas de madeira, metal e co Operadores de máquinas a vapor e utilidades Operadores de equipamentos de movimentação de cargas Total do Estado (Todas as ocupações) Fonte: CAGED/MTE 21

22 Tabela 7: Salário médio real dos admitidos nas 100 ocupações mais frequentes (81,7% do total de trabalhadores) Salário médio Variação real em relação a Dez maiores salários no mês atual Jun/11 Jul/10 Dez/10 Posição Ocupação 39 Gerentes de comercialização, marketing e comunicação ,7% -0,4% -4,1% 35 Gerentes administrativos, financeiros, de riscos e afins ,3% -5,2% -11,2% 31 Médicos ,1% -0,8% -4,5% 65 Contadores e afins ,1% -2,0% -2,5% 69 Administradores ,5% 4,8% 15,1% 63 Profissionais de relações públicas, publicidade, mercado e neg ,4% 4,6% 11,1% 96 Compradores ,6% 4,7% -0,4% 26 Analistas de tecnologia da informação ,3% -8,0% 2,7% 62 Enfermeiros e afins ,8% -0,6% -1,3% 30 Supervisores administrativos ,0% 0,1% 0,4% Dez menores salários Posição Ocupação 6 Trabalhadores agrícolas na fruticultura 546-2,2% -0,3% 15,7% 7 Operadores de telemarketing 620-1,8% 0,5% 1,1% 27 Trabalhadores agropecuários em geral 632 2,0% 2,9% -1,2% 53 Contínuos 650-1,9% -1,4% 3,5% 60 Trabalhadores agrícolas nas culturas de plantas estimulantes 666-4,2% 18,5% -3,1% 3 Trabalhadores nos serviços de manutenção de edificações 672 0,5% 5,3% 9,2% 21 Trabalhadores agrícolas na cultura de gramíneas 676 3,2% 2,4% 3,4% 20 Trabalhadores de embalagem e de etiquetagem 676-0,5% -1,7% 1,5% 68 Trabalhadores dos serviços domésticos em geral 687-3,3% 0,1% 2,1% 9 Garçons, barmen, copeiros e sommeliers 689-0,1% 3,6% 1,9% Total do Estado (Todas as ocupações) ,3% 1,7% 2,7% Fonte: CAGED/MTE; Elaboração: FIPE 22

23 Tabela 8: Pressão salarial nas 100 ocupações mais frequentes (81,7% do total de trabalhadores) Dez maiores pressões Jul/11 Jun/11 Jul/10 Posição Ocupação 77 Professores na área de formação pedagógica do ensino superior 1,35 1,05 1,06 79 Professores do ensino médio 1,14 0,77 1,03 98 Montadores de máquinas, aparelhos e acessórios em linhas de mo... 1,10 0,92 1,00 91 Professores de nível superior no ensino fundamental de quinta... 1,07 0,82 0,99 56 Técnicos em eletrônica 1,04 0,96 0,98 41 Professores de nível superior na educação infantil 1,03 0,92 0,94 50 Serventuários da justiça e afins 1,02 0,73 0,84 18 Cozinheiros 1,02 0,99 0,96 63 Profissionais de relações públicas, publicidade, mercado e neg... 1,02 1,09 0,95 89 Programadores, avaliadores e orientadores de ensino 1,00 1,01 1,09 Dez menores pressões Posição Ocupação 71 Trabalhadores em serviços de promoção e apoio à saúde 0,65 0,99 0,98 78 Instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefô... 0,79 0,89 0,83 42 Mecânicos de manutenção de máquinas industriais 0,79 1,01 0,81 5 Professores de nível médio no ensino fundamental 0,79 0,82 0,95 94 Policiais, guardas-civis municipais e agentes de trânsito 0,80 0,98 0,95 25 Escriturários de serviços bancários 0,84 0,84 0,90 35 Gerentes administrativos, financeiros, de riscos e afins 0,84 0,92 0,98 59 Técnicos de planejamento e controle de produção 0,86 0,95 0,89 29 Gerentes de operações comerciais e de assistência técnica 0,87 0,82 0,83 22 Preparadores e operadores de máquinas-ferramenta convencionais 0,88 0,90 0,87 Total do Estado (Todas as ocupações) 0,94 0,92 0,94 Fonte: CAGED/MTE; Elaboração: FIPE 23

24 Tabela 9: Taxa de rotatividade (%) nas 100 ocupações mais frequentes (81,7% do total de trabalhadores) Dez maiores taxas Jul/11 Jun/11 Jul/10 Posição Ocupação 82 Trabalhadores de montagem de estruturas de madeira, metal e co... 12,05 12,40 12,13 28 Trabalhadores de estruturas de alvenaria 8,01 8,03 7,63 76 Cobradores e afins 7,68 6,79 6,87 7 Operadores de telemarketing 7,50 7,01 6,11 11 Ajudantes de obras civis 7,16 7,43 8,25 88 Pintores de obras e revestidores de interiores (revestimentos... 6,68 7,21 5,46 54 Magarefes e afins 5,82 6,43 6,03 70 Trabalhadores de instalações elétricas 5,71 6,16 5,74 57 Trabalhadores de soldagem e corte de ligas metálicas 5,65 5,90 6,11 9 Garçons, barmen, copeiros e sommeliers 5,58 5,55 5,32 Dez menores taxas Posição Ocupação 5 Professores de nível médio no ensino fundamental 0,07 0,09 0,10 41 Professores de nível superior na educação infantil 0,22 0,41 0,14 94 Policiais, guardas-civis municipais e agentes de trânsito 0,27 0,35 0,37 50 Serventuários da justiça e afins 0,34 0,36 0,30 77 Professores na área de formação pedagógica do ensino superior 0,35 0,37 0,40 47 Professores de nível superior do ensino fundamental (primeira... 0,45 0,86 0,48 44 Inspetores de alunos e afins 0,65 0,75 0,54 91 Professores de nível superior no ensino fundamental de quinta... 0,65 1,20 0,58 31 Médicos 0,73 0,78 0,84 79 Professores do ensino médio 0,90 0,80 1,14 Total do Estado (Todas as ocupações) 3,70 3,85 3,55 Fonte: CAGED/MTE; Elaboração: FIPE 24

25 Para analisar o perfil da variação do emprego utilizamos três variáveis: faixa etária, gênero e escolaridade. No tocante à faixa etária, observamos que 94,3% das novas vagas foram ocupadas por trabalhadores com até 29 anos de idade. Essa proporção é maior que a observada no mês anterior (76,7%). Destaca-se também que há um ano, em julho/2010, das novas vagas geradas no Estado, 84,5% tinham sido ocupadas por trabalhadores também com idade até 29 anos (Tabela 10). Na variável gênero, os homens ocuparam 52,5% das novas vagas criadas em julho/2011, percentual inferior ao observado no mês anterior (55,9%) e inferior ao observado no mesmo mês do ano anterior (56,5%) (Tabela 10). Finalmente, na variável escolaridade, os trabalhadores com 2 grau Completo ocuparam quase 2/3 da criação das novas vagas (66,4%), proporção maior que à observada no mês anterior (44,8%). Destaca-se também o fato da participação dos trabalhadores com ensino superior completo ter aumentado na geração de emprego. Em julho/2011 tal participação foi 9,9%, enquanto em junho/2011 tinha sido 2,8% (Tabela 10). 25

26 Escolaridade Sexo Faixa etária Tabela 10: Perfil da variação do emprego (Estado de São Paulo) Jul/11 Jun/11 Jul/10 # Part. % # Part. % # Part. % Até 17 anos de idade ,0% ,3% ,4% 18 a 24 anos de idade ,4% ,5% ,8% 25 a 29 anos de idade ,9% ,0% ,3% 30 a 39 anos de idade ,6% ,1% ,9% 40 a 49 anos de idade ,0% ,4% ,2% 50 a 64 anos de idade ,8% ,4% ,7% 65 ou mais anos de idade ,1% ,7% ,9% Ignorado 0 0,0% 0 0,0% 0 0,0% Masculino ,5% ,9% ,5% Feminino ,5% ,1% ,5% Analfabeto 209 0,4% ,8% 73 0,1% 4ª série incompleta 884 1,8% ,1% 672 1,1% 4ª série completa ,3% ,0% ,8% 8ª série completa 581 1,2% ,4% 731 1,2% 8ª série completa ,1% ,1% ,2% 2º grau incompleto ,0% ,5% ,3% 2º grau completo ,4% ,8% ,2% Superior incompleto ,4% ,4% ,0% Superior completo ,9% ,8% ,7% Mestrado 0 0,0% 0 0,0% 0 0,0% Doutorado 0 0,0% 0 0,0% 0 0,0% Ignorado 0 0,0% 0 0,0% 0 0,0% Total ,0% ,0% ,0% Fonte: CAGED/MTE; Elaboração: FIPE 26

27 Neste mês destacam-se os municípios de Sorocaba e Sertãozinho. O primeiro se destaca positivamente pela criação de postos de trabalho, sendo o ramo da Indústrias de Transformação (+545), o de maior destaque desse resultado. Esta variação é superior à que tinha sido observada no mesmo período do ano anterior. Em julho de 2010 tinham sido gerados no município de Sorocaba postos de trabalho (Tabela 11). Já o município de Sertãozinho se destaca negativamente pela perda de 460 postos de trabalho em julho/2011. O principal ramo responsável por esta perda foi Indústrias de Transformação (-289). No ano passado, observou-se situação semelhante: em julho/2010 haviam sido perdidos 224 postos de trabalho. (Tabela 12). 27

28 Tabela 11: Variação no emprego por Setor Econômico (CNAE) (Município de Sorocaba) Variação Variação dos últimos 3 meses Ramo de Atividade Jul/11 - Jun/11 Jul/11 - Jul/10 Acum. no ano Jul/10 - Jun/10 Do ano atual [1] Do ano anterior [2] Diferença ([1] - [2]) Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aqüicultura Indústrias Extrativas Indústrias de Transformação Eletricidade e Gás Água, Esgoto, Atividades de Gestão de Resíduos E Descontaminação Construção Comércio; Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas Transporte, Armazenagem e Correio Alojamento e Alimentação Informação e Comunicação Atividades Financeiras, de Seguros e Serviços Relacionados Atividades Imobiliárias Atividades Profissionais, Científicas e Técnicas Atividades Administrativas e Serviços Complementares Administração Pública, Defesa e Seguridade Social Educação Saúde Humana e Serviços Sociais Artes, Cultura, Esporte e Recreação Outras Atividades de Serviços Serviços Domésticos Organismos Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais Não Informado Ignorado Total do Estado Fonte: CAGED/MTE 28

29 Tabela 12: Variação no emprego por Setor Econômico (CNAE) (Município de Sertãozinho) Variação Variação dos últimos 3 meses Ramo de Atividade Jul/11 - Jun/11 Jul/11 - Jul/10 Acum. no ano Jul/10 - Jun/10 Do ano atual [1] Do ano anterior [2] Diferença ([1] - [2]) Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aqüicultura Indústrias Extrativas Indústrias de Transformação Eletricidade e Gás Água, Esgoto, Atividades de Gestão de Resíduos E Descontaminação Construção Comércio; Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas Transporte, Armazenagem e Correio Alojamento e Alimentação Informação e Comunicação Atividades Financeiras, de Seguros e Serviços Relacionados Atividades Imobiliárias Atividades Profissionais, Científicas e Técnicas Atividades Administrativas e Serviços Complementares Administração Pública, Defesa e Seguridade Social Educação Saúde Humana e Serviços Sociais Artes, Cultura, Esporte e Recreação Outras Atividades de Serviços Serviços Domésticos Organismos Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais Não Informado Ignorado Total do Estado Fonte: CAGED/MTE 29

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 BOLETIM MENSAL Março/2010 DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) apresenta

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e EMPREGO FORMAL Sorocaba 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL 3 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo, no

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Franca 4 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo, no

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO. SECRETÁRIO DE ESTADO Rafael de Góes Brito. SECRETÁRIO ADJUNTO Lailson Ferreira Gomes

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO. SECRETÁRIO DE ESTADO Rafael de Góes Brito. SECRETÁRIO ADJUNTO Lailson Ferreira Gomes ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DO TRABALHO E EMPREGO Rua: Dr. Silvério Jorge, 368 Jaraguá - Maceió - AL - CEP 57022-110 Fone: (82) 3315-1872 - CNPJ: 03.589.899/0001-18 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO SECRETÁRIO

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte 4 o trimestre de 2013 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São Paulo 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Campinas 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Registro 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

BAURU. Ensino Fundamental Ensino Fundamental Outros 1 Eletricista de instalações C.L.T. Barra Bonita Curso Técnico 3

BAURU. Ensino Fundamental Ensino Fundamental Outros 1 Eletricista de instalações C.L.T. Barra Bonita Curso Técnico 3 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Agropecuária, Extrativa Vegetal, Regime de Contratação Local de Trabalho 2 Alimentador de linha de produção Bariri Comércio 1 Atendente de lanchonete Bariri Escolaridade

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

APRESENTAÇÃO DESTAQUES. 1. Índice de crescimento do emprego formal em Campinas é maior que na RMC (pág. 4)

APRESENTAÇÃO DESTAQUES. 1. Índice de crescimento do emprego formal em Campinas é maior que na RMC (pág. 4) Secretaria Municipal de Trabalho e Renda NOVEMBRO DE 2011 Boletim Informativo do Mercado de Trabalho em Campinas Dezembro de 2011 APRESENTAÇÃO A geração de postos de trabalho tem mostrado sinais de desaceleração

Leia mais

Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 EXPEDIENTE

Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 EXPEDIENTE Boletim Informativo Emprego em Guarulhos Mês de referência: junho/2015 Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 DIRETORIA PRESIDENTE Aarão Ruben de Oliveira VICE-PRESIDENTE Jorge Alberto Taiar SECRETÁRIO

Leia mais

Desemprego cresceu no conjunto das regiões

Desemprego cresceu no conjunto das regiões Desemprego cresceu no conjunto das regiões SETEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego aumentou nas cinco regiões pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

RIBEIRÃO PRETO. Regime de Contratação Serviços 1 Faxineiro C.L.T. Barrinha Alfabetizado 0

RIBEIRÃO PRETO. Regime de Contratação Serviços 1 Faxineiro C.L.T. Barrinha Alfabetizado 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Serviços 1 Faxineiro Barrinha Alfabetizado Comércio 1 Repositor de mercadorias Cravinhos Alfabetizado Comércio

Leia mais

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Outros 3 Gerente administrativo Regime de Contratação Prestador de Serviços Local de Trabalho Escolaridade Experiência (Em Meses) Bady Bassitt Ensino Médio 0 Comércio

Leia mais

RIBEIRÃO PRETO. Experiência (Em Meses) 1 Técnico de garantia da qualidade C.L.T. Cravinhos Curso Técnico 2. Regime de Contratação

RIBEIRÃO PRETO. Experiência (Em Meses) 1 Técnico de garantia da qualidade C.L.T. Cravinhos Curso Técnico 2. Regime de Contratação Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Experiência (Em Meses) 1 Técnico de garantia da qualidade C.L.T. Cravinhos Curso Técnico 2 1 Operador de forno

Leia mais

MAPA DE OPORTUNIDADES DE EMPREGO EM CURITIBA

MAPA DE OPORTUNIDADES DE EMPREGO EM CURITIBA Mapa das Oportunidades de Emprego em Curitiba Abril de 2009 MAPA DE OPORTUNIDADES DE EMPREGO EM CURITIBA O Observatório do Trabalho de Curitiba, resultado do convênio entre a SMTE Secretaria Municipal

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

TRIBUNA IMPRESSA (ARARAQUA E REGIÃO)

TRIBUNA IMPRESSA (ARARAQUA E REGIÃO) TRIBUNA IMPRESSA (ARARAQUA E REGIÃO) Agosto / 2014 Mês: Setembro/2014 Edição Especial: 35ª Ano: 4 +55 (16) 3397.0226 +55 (11) 3280.0226 +55 (21) 3942.0226 METODOLOGIA Para garantir a confidencialidade

Leia mais

CONTRATO Nº 068/2009 RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - MARÇO DE 2011 -

CONTRATO Nº 068/2009 RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - MARÇO DE 2011 - PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Qtd Ocupação Contratação Local de Trabalho Escolaridade

Qtd Ocupação Contratação Local de Trabalho Escolaridade Qtd Ocupação Contratação Local de Trabalho Escolaridade 3 Professor prático no ensino profissionalizante Freelancer Americana Curso Técnico 2 Agente de segurança C.L.T. Americana Ensino Médio 4 Trabalhador

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Maio de 2012 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 - Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE) Secretaria

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Regime de Contratação Serviços 1 Garçom Temporário Aparecida Alfabetizado 3

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Regime de Contratação Serviços 1 Garçom Temporário Aparecida Alfabetizado 3 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Garçom Temporário Aparecida Alfabetizado Comércio 1 Serralheiro Aparecida Alfabetizado Comércio

Leia mais

ARAÇATUBA. Regime de Contratação Pessoa física 1 Copeiro C.L.T. Andradina Ensino Médio 6

ARAÇATUBA. Regime de Contratação Pessoa física 1 Copeiro C.L.T. Andradina Ensino Médio 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Pessoa física 1 Copeiro C.L.T. Andradina Ensino Médio 6 Pessoa física 1 Cozinheiro geral C.L.T. Andradina Ensino

Leia mais

MARÍLIA. Regime de Contratação Serviços 1 Trabalhador da manutenção de edificações C.L.T. Assis Alfabetizado 3

MARÍLIA. Regime de Contratação Serviços 1 Trabalhador da manutenção de edificações C.L.T. Assis Alfabetizado 3 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade 1 Trabalhador da manutenção de edificações Assis Alfabetizado Pessoa física 1 Empregado doméstico diarista Assis

Leia mais

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 MARÇO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº03 CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

CAMPINAS. Regime de Contratação Serviços 1 Borracheiro C.L.T. Aguaí Ensino Fundamental 6

CAMPINAS. Regime de Contratação Serviços 1 Borracheiro C.L.T. Aguaí Ensino Fundamental 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade 1 Borracheiro C.L.T. Aguaí Ensino Fundamental 6 1 Eletricista de instalações (veículos automotores e máquinas

Leia mais

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação 1 4 Mecânico de manutenção de aparelhos de levantamento Mecânico de veículos automotores a diesel (exceto tratores) Regime de Contratação Local de Trabalho Bady Bassitt

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

CAMPINAS. Regime de Contratação Serviços 9 Vigilante C.L.T. Aguaí Ensino Médio 6. Pessoa física 1 Marceneiro C.L.T. Aguaí Ensino Médio 6

CAMPINAS. Regime de Contratação Serviços 9 Vigilante C.L.T. Aguaí Ensino Médio 6. Pessoa física 1 Marceneiro C.L.T. Aguaí Ensino Médio 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade 9 Vigilante Aguaí Médio Pessoa física 1 Marceneiro Aguaí Médio Pessoa física Garçom Aguaí Médio Outros 1 Outros

Leia mais

TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO

TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Resultados de outubro² 1 de 2014 TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela

Leia mais

ARAÇATUBA. Regime de Contratação Serviços 44 Alimentador de linha de produção C.L.T. Andradina Alfabetizado 6

ARAÇATUBA. Regime de Contratação Serviços 44 Alimentador de linha de produção C.L.T. Andradina Alfabetizado 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Serviços 44 Alimentador de linha de produção C.L.T. Andradina Alfabetizado Construção Civil 1 Vendedor de comércio

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação Comércio 1 Gerente de restaurante C.L.T. Aparecida Ensino Médio 1

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação Comércio 1 Gerente de restaurante C.L.T. Aparecida Ensino Médio 1 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Gerente de restaurante Aparecida Médio 1 Comércio 2 Supervisor de produção da indústria alimentícia Aparecida

Leia mais

Especial. Fev / 2014 28 PESQUISA SALARIAL TRIBUNA IMPRESSA

Especial. Fev / 2014 28 PESQUISA SALARIAL TRIBUNA IMPRESSA Fev / 2014 28 4 Especial PESQUISA SALARIAL TRIBUNA IMPRESSA (ARARAQUA E REGIÃO) Janeiro / 2013 METODOLOGIA Para garantir a confidencialidade e sigilo das informações fornecidas pelas empresas participantes

Leia mais

CAMPINAS. Regime de Contratação Construção Civil 2 Operador de escavadeira C.L.T. Aguaí Alfabetizado 3 Indústria de Transformação

CAMPINAS. Regime de Contratação Construção Civil 2 Operador de escavadeira C.L.T. Aguaí Alfabetizado 3 Indústria de Transformação Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Construção Civil 2 Operador de escavadeira Aguaí Alfabetizado Experiência (Em Meses) 1 Técnico químico Estagiário

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Fevereiro de 2013 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 - Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE) Secretaria

Leia mais

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Boletim Trimestral Outubro - Dezembro/2010 Dados: CAGED (MTE) IPEA O objetivo deste Boletim é acompanhar a cada três meses a variação do emprego formal nas atividades

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 5ª Edição Última atualização 17 de Dezembro de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação Outros 1 Analista de desenvolvimento de sistemas C.L.T. Aparecida Graduação

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação Outros 1 Analista de desenvolvimento de sistemas C.L.T. Aparecida Graduação Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Outros 1 Analista de desenvolvimento de sistemas Aparecida Graduação Pessoa física 1 Agenciador de propaganda

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2016. PME Retrospectiva 2003-2015 13 anos Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento 1 (IBGE / DPE / COREN) 1 Rio de Janeiro,

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE

SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SISTEMA NACIONAL

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL Um estudo de perfil sócio-econômico para subsidiar ações estratégicas na categoria MARÇO DE 2010 ALOISIO LEÃO DA COSTA

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense apresentou pequena recuperação em fevereiro de 2015 com a abertura de 350 vagas. No acumulado

Leia mais

CAMPINAS. Regime de Contratação Serviços 9 Vigilante C.L.T. Aguaí Ensino Médio 6. Serviços 2 Faxineiro C.L.T. Águas de Lindóia Ensino Fundamental 0

CAMPINAS. Regime de Contratação Serviços 9 Vigilante C.L.T. Aguaí Ensino Médio 6. Serviços 2 Faxineiro C.L.T. Águas de Lindóia Ensino Fundamental 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade 9 Vigilante C.L.T. Aguaí Ensino Médio 6 2 Faxineiro C.L.T. Águas de Lindóia Ensino Fundamental 0 Comércio 1 Confeiteiro

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás A 6ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio da parceria

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em março, o conjunto

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação. Escolaridade Ensino Fundamental Serviços 2 Técnico de obras civis Aparecida Curso Técnico 0

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação. Escolaridade Ensino Fundamental Serviços 2 Técnico de obras civis Aparecida Curso Técnico 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Outros 1 Mecânico de manutenção de motores diesel (exceto de veículos automotores) Regime de Contratação Local de Tralho Aparecida Escolaridade 2 Técnico de obras

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil Dieese. Subseção Força Sindical Elaboração: 21/07/2015 De acordo com os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

FINAME PSI Página 10 1. Para quem se destina o Finame PSI? 2. Qual a diferença entre o FINAME PSI MPME e o FINAME PSI BK?

FINAME PSI Página 10 1. Para quem se destina o Finame PSI? 2. Qual a diferença entre o FINAME PSI MPME e o FINAME PSI BK? 1 FINAME Agrícola PSI Página 3 1. Para quem se destina o Finame Agrícola PSI? 2. Existe algum limite de receita agropecuária para o cliente se enquadrar nesta linha? 3. Neste produto é cobrado flat e fundo

Leia mais

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO Abril de 2015 1 Sumário Executivo O trabalho utiliza a mesma base de dados e metodologia que o elaborado pela CUT/DIEESE, ou seja, agregações de setores terceirizados e contratantes

Leia mais

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0 Outros 2 Camareiro de hotel C.L.T. Bertioga Ensino

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0.

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0. Sistema PED Maio 2012 Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Governador do

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Estudo Temático: Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Relatório Especial RAIS 2011 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 Secretaria Municipal de Trabalho

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA Relatório Especial sobre a Mulher no Mercado de Trabalho de Curitiba-PR Contrato de Prestação de Serviços Nº. 17731/2007 - PMC / DIEESE MARÇO DE 2010 EXPEDIENTE DA

Leia mais

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Setembro-2015

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Setembro-2015 Análise Emprego Formal Macaé AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Setembro-2015 Os números do mês de agosto - Macaé De acordo com os dados do CAGED em setembro de 2015, foram suprimidos

Leia mais

BAIXADA SANTISTA Regime de Contratação

BAIXADA SANTISTA Regime de Contratação Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação BAIXADA SANTISTA Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Experiência (Em Meses) Construção Civil 1 Vendedor pracista C.L.T. Bertioga Médio 0 2 Lavador

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

PAINEL DAS OCUPAÇÕES TÉCNICAS DE NÍVEL MÉDIO UNIEPRO - DN

PAINEL DAS OCUPAÇÕES TÉCNICAS DE NÍVEL MÉDIO UNIEPRO - DN PAINEL DAS OCUPAÇÕES TÉCNICAS DE NÍVEL MÉDIO UNIEPRO - DN METODOLOGIA Metodologia - Análise dos salários de admissão e salários estimados com 10 anos de experiência das ocupações técnicas de nível médio

Leia mais

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões NOVEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego permaneceu relativamente estável

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 1º Trimestre de 2015 Coordenação de Contas Nacionais 29 de maio de 2015 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 5 n. 1 jan.-mar. 2014 ISSN 2178-8367 Atividade econômica baiana cresce 2,0% no primeiro trimestre de 2014 O recente dado do Produto Interno Bruto a preços de mercado (PIBpm)

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - JULHO A SETEMBRO DE 2010 -

RELATÓRIO TRIMESTRAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - JULHO A SETEMBRO DE 2010 - PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL CENTRO-OESTE E TOCANTINS. Relações de trabalho, movimento sindical e questão agrária

DESENVOLVIMENTO REGIONAL CENTRO-OESTE E TOCANTINS. Relações de trabalho, movimento sindical e questão agrária DESENVOLVIMENTO REGIONAL CENTRO-OESTE E TOCANTINS Relações de trabalho, movimento sindical e questão agrária Agosto/2014 1 APRESENTAÇÃO Este estudo a apresenta informações socioeconômicas e trabalhistas

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015 Análise Emprego Formal Macaé AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015 Os números do mês de agosto - Macaé De acordo com os dados do CAGED em agosto de 2015, foram suprimidos

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

Costureira de máquinas industriais Cozinheiro de restaurante. Cuidador de idoso. Empregada doméstica

Costureira de máquinas industriais Cozinheiro de restaurante. Cuidador de idoso. Empregada doméstica FORTALEZA Centro: (85) 3101.2775 Aldeota: (85) 3101.1660 Barra do Ceará: (85) 3101.2743 Parangaba: (85) 3101.3034 Messejana: (85) 3101.2138 Ajudante de cozinha Assistente de tráfego Atendente de balcão

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação Outros 4 Operador de câmera de televisão C.L.T. Aparecida Curso Técnico 6. Prestador de Serviços

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação Outros 4 Operador de câmera de televisão C.L.T. Aparecida Curso Técnico 6. Prestador de Serviços Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Outros 4 Operador de câmera de televisão Aparecida Curso Técnico Pessoa física 1 Cuidador de idosos Experiência

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO E DINÂMICA DAS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS. Principais características na região Centro-Oeste e Tocantins

MERCADO DE TRABALHO E DINÂMICA DAS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS. Principais características na região Centro-Oeste e Tocantins MERCADO DE TRABALHO E DINÂMICA DAS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS Principais características na região Centro-Oeste e Tocantins Agosto/2014 1 SUMÁRIO 1. Introdução 2 2. Mercado de Trabalho Geral 2 2.1 Mercado de

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

Boletim Informativo Emprego em Guarulhos nos primeiros 7 meses de 2014

Boletim Informativo Emprego em Guarulhos nos primeiros 7 meses de 2014 Boletim Informativo Emprego em Guarulhos nos primeiros 7 meses de 2014 2 Boletim Informativo - Emprego Janeiro a Julho de 2014 Análise e Redação Dr. Devanido Damião Suporte Técnico Priscila Aguiar, Valdir

Leia mais

sociais (7,6%a.a.); já os segmentos que empregaram maiores contingentes foram o comércio de mercadorias, prestação de serviços e serviços sociais.

sociais (7,6%a.a.); já os segmentos que empregaram maiores contingentes foram o comércio de mercadorias, prestação de serviços e serviços sociais. CONCLUSÃO O Amapá tem uma das menores densidades populacionais, de cerca de 2,6 habitantes por km 2. Em 1996, apenas três de seus 15 municípios possuíam população superior a 20 mil habitantes e totalizavam

Leia mais

Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE)

Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 206009 TEMA:

Leia mais