Escola Secundária Maria Lamas 2011/2012. André Delgado Bernardo Pinho Bernardo Theriaga Diogo Vieira Frederico Vieira Henrique Quitério

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Secundária Maria Lamas 2011/2012. André Delgado Bernardo Pinho Bernardo Theriaga Diogo Vieira Frederico Vieira Henrique Quitério"

Transcrição

1 Escola Secundária Maria Lamas 2011/2012 André Delgado Bernardo Pinho Bernardo Theriaga Diogo Vieira Frederico Vieira Henrique Quitério

2 Introdução O crescimento económico, populacional, e sobretudo a revolução industrial, resultaram na urbanização e da sociedade que observamos hoje como ainda em estado de acelerada evolução. O crescimento do número de negócios noturnos e da área das zonas urbanas e industriais, trouxe a necessidade de substituir árvores de espaços verdes e habitats naturais por candeeiros de passeios e estradas. Pouco a pouco foi então aumentando o número de luminosidade que se diz ser necessária nas ruas. Numa escala global, era uma questão de tempo até que alguém reparasse que a instalação da luz nas ruas não estava a decorrer de forma correta e alertasse a população, ou pelo menos entidades competentes, para o que começou a constituir um problema a vários níveis. A discussão em volta da poluição luminosa gerou-se entre grupos de astrónomos amadores e mesmo profissionais que, já em plenos anos 80, começavam a notar que entre a atmosfera e o sítio de onde a queriam observar formava-se como uma camada de luz, uma claridade, que não permitia que a observação das estrelas, astros, etc., fosse tão limpa e natural como era em lugares afastados da iluminação dos centros urbanos. Começou, assim, o estudo do mais recente tipo de poluição, a poluição luminosa.

3 Definição/Causas A poluição luminosa é o efeito produzido pela luz exterior excessiva e/ou mal direcionada, que é dirigida para cima, ou para os lados, em vez de iluminar somente as áreas pretendidas. É verificada principalmente nas grandes cidades. Esta forma de poluição ocorre na sua maioria devido a candeeiros e projetores que, por conceção inadequada ou instalação incorreta, emitem luz muito para além do seu alvo ou zona de influência, sem qualquer efeito útil. Esta é a causa principal, que por sua vez está na origem da poluição de vário objetos de iluminação: Pública (fig.1); Viária; Aérea e marítima; Publicitária (fig.2). Fig.1 Fig.2

4 Consequências Este problema que parece inofensivo pode afetar a nossa vida em diversas situações tais como: SAÚDE O excesso de luz exterior invade as janelas das casas perturbando o sono, impedindo um o sono normal podendo causar stress, doenças do sono, cansaço, prejuízos e ineficiência no trabalho. Para além disso a iluminação atrai alguns insetos que podem ser portadores de doenças ou bactérias prejudiciais ao ser humano. SEGURANÇA Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, muita luz não significa boa iluminação. As luminárias mal direcionadas não iluminam de forma adequada as áreas que deveriam e jogam luz para longe do objetivo, na horizontal e até na vertical, em direção ao céu. Essa luz se dissipa e ilumina a atmosfera. Os aviões certamente que dispensam este excesso de iluminação. Quando a luz dos postes não é corretamente direcionada e atinge o olho, ocorre o ofuscamento. Este impede-nos de ver objetos ou pessoas que estiverem nas áreas escuras. Devemos ver o objeto iluminado e não a fonte de luz. Isso diminui a nossa segurança. Podemos sofrer acidentes, tanto andando pela calçada como conduzindo na estrada. Podemos chocar contra um obstáculo, um outro veículo, cair num buraco, atropelar alguém, ser assaltados ou agredidos. Nessas áreas escuras a sombra fica mais densa e é mais fácil que, por exemplo, alguém mal-intencionado se possa esconder. MEIO AMBIENTE O excesso de luz noturna pode causar perturbações em animais, como as aves migratórias, peixes ou as tartarugas, e em plantas noturnas. A reação de certos peixes à luz artificial causa uma alteração do seu comportamento natural e pode mesmo ter influência no fluxo migratório de algumas espécies marinhas. Por exemplo, incidência de luz artificial em praias, prejudica as tartarugas e as suas crias. As fémeas perdem a qualidade e condições ideais para desovar, as crias ficam desorientados com as luzes artificiais, que as atraem em vez de se dirigir para a luz natural do horizonte.

5 Fazendo-as caminhar para o continente invés do mar, onde fatalmente são atropeladas ou morrem por desidratação. A reação de alguns animais à iluminação artificial pode ser usada em virtude de pesca desportiva, industrial, e pior pesca ilegal! Outro impacto deste tipo de poluição nos ecossistemas é também a nível de espécies aviárias. O excesso de luminosidade lançada para o céu contitui um foco de desorientação de algumas aves migratórias. À semelhança dos peixes este facto pode ser também usado para atividades de caça. OBSERVAÇÃO DOS CÉUS Em tempos passados quando a iluminação das ruas era mínima, em vários lugares do globo conseguia obter-se uma espantosa e inigualável imagem, a olho nu, da nossa galáxia. Hoje em dia a maior parte da população vive sem nunca ter tido esse contacto com o universo, a oportunidade de apreciar a beleza do céu noturno. O excesso de iluminação desperdiçado por focos luminosos na horizontal e na vertical em direção ao céu, ofusca o olho humano e faz com que essa imagem perca qualidade, ficando visíveis apenas as estrelas mais cintilantes. Este não é um problema restrito a quem gostaria de observar o céu apenas com a visão ocular, mas constitui também um problema de longa data para os astrónomos amadores que são obrigados a dirigir-se para zonas menos iluminadas e mais altas, afastadas dos centros urbanos, e mesmo para os profissionais que se veem obrigados a construir observatórios nas zonas rurais. ECONOMIA A este nível o essencial é referir que só a luz emitida para o céu por iluminação das ruas pode causar um desperdício de milhões de euros anualmente. E como é óbvio, essa despesa é, como todas as despesas públicas, pagas com o dinheiro dos contribuintes. O desperdício das luzes que não iluminam apenas o que é suposto, traduz-se num desperdício de energia, o que faz com que haja maior produção de energia elétrica do que era suposto, por exemplo, em centrais termoelétricas, isto tudo resulta logicamente num prejuízo financeiro para o país, e também em larga escala se relaciona portanto com o aumento de outras formas de poluição e diminuição de recursos não renováveis.

6 Soluções Uma boa iluminação deve evidenciar e incidir num objeto no solo onde a lâmpada esteja colocada, sem ofuscar quem olhe na sua direção. E claro que não deve ter uma intensidade excessiva. Deve portanto fazer-se a substituição de candeeiros que iluminam áreas em que a luz é desperdiçada (fig.2). A recolocação de candeeiros na estrada, ou seja em que os postes estejam a uma distância onde não exista sobreposição de luz (fig.3). Já existem modeles de iluminação urbana que minimizam a poluição luminosa, há que fazer um esforço e um investimento a longo prazo para substituir o que se fez de errado no passado. Também a diminuição de candeeiros em locais onde existem habitats para não provocar perturbações nas suas necessidades e condições para procriar e viver (exemplo dado anteriormente das tartarugas). Propõe-se a alteração da altura de certos postes de luz, para não provocar a criação de zonas escuras, por efeito de a luz ser bloqueada por árvores, por exemplo. À semelhança do que se começa a fazer no interior das nossas casas, as lâmpadas de iluminação exterior devem também elas ser substituídas por lâmpadas mais eficientes. Devem ser implementadas leis contra as iluminações publicitárias, que de pouco ou nada servem iluminadas durante determinadas horas da madrugada. É conveniente que se melhorem e revejam mais frequentemente os sensores de alguns candeeiros públicos, que por vezes são demasiado sensíveis à luz, ou melhor, à falta dela, e acabam por desperdiçar iluminação quando esta ainda não é necessária. Fig.3 Fig.4

7 Conclusão Com este trabalho constatamos que a poluição luminosa é algo que está a crescer com o desenvolvimento das cidades. Esse tipo de poluição é desvalorizado pela sociedade daí ser importante a realização de medidas de sensibilização, divulgação, e trabalhos para informar a população deste problema, que embora recente, tem tendência a agravar-se. Por isso é importante pedir aos leitores deste trabalho e de outros no mesmo âmbito que se for possível tentar substituir os candeeiros exteriores da sua casa por uns em que não exista desperdício de luz, esse será um enorme contributo e um primeiro passo para tentar mudar e remediar este problema.

8 Bibliografia ida.pdf pt.wikipedia.org/wiki/poluição_luminosa

Escola Secundária Maria Lamas. Poluição Luminosa. Trabalho elaborado por: Ana Cabrita, nº 26687 Catarina Silva, nº26704 Diana Lopes, nº 26711 11º CTA

Escola Secundária Maria Lamas. Poluição Luminosa. Trabalho elaborado por: Ana Cabrita, nº 26687 Catarina Silva, nº26704 Diana Lopes, nº 26711 11º CTA Poluição Luminosa Trabalho elaborado por: Ana Cabrita, nº 26687 Catarina Silva, nº26704 Diana Lopes, nº 26711 11º CTA O que é a poluição luminosa? A poluição luminosa é provocada pela luz exterior mal

Leia mais

Escola Secundária Maria Lamas. Poluição Luminosa. Trabalho elaborado por: Ana Cabrita, nº 26687 Catarina Silva, nº26704 Diana Lopes, nº 26711 11º CTA

Escola Secundária Maria Lamas. Poluição Luminosa. Trabalho elaborado por: Ana Cabrita, nº 26687 Catarina Silva, nº26704 Diana Lopes, nº 26711 11º CTA Poluição Luminosa Trabalho elaborado por: Ana Cabrita, nº 26687 Catarina Silva, nº26704 Diana Lopes, nº 26711 11º CTA O que é a poluição luminosa? A poluição luminosa é provocada pela luz exterior mal

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012. Escola Secundária Maria Lamas. Físico-Química A. Prof. Margarida Nunes. Projeto Apagar as Luzes e Acender as Estrelas

Ano Letivo 2011/2012. Escola Secundária Maria Lamas. Físico-Química A. Prof. Margarida Nunes. Projeto Apagar as Luzes e Acender as Estrelas Ano Letivo 2011/2012 Escola Secundária Maria Lamas Físico-Química A Prof. Margarida Nunes Projeto Apagar as Luzes e Acender as Estrelas Poluição Luminosa Auditoria da Iluminação Pública em Casal João Dias,

Leia mais

Poluição Luminosa. Projeto Apagar as luzes e acender as estrelas. Alexandre Faria

Poluição Luminosa. Projeto Apagar as luzes e acender as estrelas. Alexandre Faria Poluição Luminosa Projeto Apagar as luzes e acender as estrelas Alexandre Faria Projeto Apagar as luzes e acender as estrelas O projeto Apagar as luzes e acender as estrelas tem os seguintes objetivos:

Leia mais

Ver ou não ver, eis a questão

Ver ou não ver, eis a questão Ver ou não ver, eis a questão Poluição Luminosa Projeto DSR Apagar as Luzes para Acender as Estrelas Resumo: Esta demonstração interativa mostra os feitos da iluminação na visão do céu noturno. A utilização

Leia mais

o desperdício inútil de recursos energéticos

o desperdício inútil de recursos energéticos Poluição luminosa: o desperdício inútil de recursos energéticos Guilherme de Almeida g.almeida@vizzavi.pt Fala-se muito em poluição, nos mais variados sentidos, da poluição química à poluição sonora, da

Leia mais

EFEITOS DA POLUIÇÃO LUMINOSA NO ESPECTÁCULO DO CÉU NOCTURNO

EFEITOS DA POLUIÇÃO LUMINOSA NO ESPECTÁCULO DO CÉU NOCTURNO EFEITOS DA POLUIÇÃO LUMINOSA NO ESPECTÁCULO DO CÉU NOCTURNO GUILHERME DE ALMEIDA g.almeida@vizzavi.pt 1. A poluição luminosa e os seus efeitos na imponência do céu nocturno A poluição luminosa é o maior

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas

Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas Poluição Luminosa Projeto DSR Apagar as Luzes para Acender as Estrelas Resumo: Cada aluno irá construir um Leitor de Magnitude que será utilizado para determinar

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

o desperdício inútil de recursos energéticos

o desperdício inútil de recursos energéticos Poluição luminosa: o desperdício inútil de recursos energéticos Fala-se muito em poluição, nos mais variados sentidos, da poluição química à poluição sonora, da poluição visual do ambiente à diminuição

Leia mais

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL 1 COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL Celso Silva 2 Sobre o autor Celso Silva é nascido no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 1950. Aos 17 anos ingressou

Leia mais

A Terra em Realidade Aumentada

A Terra em Realidade Aumentada A Terra em Realidade Aumentada www.constellatius.com Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório A Terra em Realidade Aumentada Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório Livro com aplicação

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS. GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org.

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS. GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org.br VICTOR SALVINO BORGES victor.borges@lactec.org.br EDEMIR LUIZ

Leia mais

Poluição Luminosa Laurindo Sobrinho Astronomia no Verão 15 de setembro de 2014

Poluição Luminosa Laurindo Sobrinho Astronomia no Verão 15 de setembro de 2014 Poluição Luminosa Laurindo Sobrinho Astronomia no Verão 15 de setembro de 2014 1 Luminosidade e brilho aparente Luminosidade (L) - quantidade energia emitida pela estrela por unidade de tempo. Brilho aparente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CAMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar) Dispõe sobre a adoção de medidas que assegurem a circulação segura de animais silvestres no território nacional, com a redução de acidentes

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Astronomia à luz do dia

Astronomia à luz do dia Astronomia à luz do dia (Expresso: 16-05-1998) O Sol revela-nos as suas manchas e a Lua mostra-nos as suas crateras. Vénus e Júpiter estão ao nosso alcance. QUEM nunca observou o Sol através de um telescópio

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

VER ESTRELAS NO ALQUEVA É UMA FESTA

VER ESTRELAS NO ALQUEVA É UMA FESTA Jornal Expresso Quarta, 15 de Julho de 2015 TURISMO VER ESTRELAS NO ALQUEVA É UMA FESTA TEXTO CONCEIÇÃO ANTUNES ESPETÁCULO NO CÉU A festa de verão Dark Sky Party Alqueva atrai a Monsaraz os amantes da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 2012 O presente material é uma coletânea

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

ENERGIA SOLAR NÃO É UM CUSTO. É UM BOM INVESTIMENTO.

ENERGIA SOLAR NÃO É UM CUSTO. É UM BOM INVESTIMENTO. ILUMINAÇÃO 15 ENERGIA SOLAR NÃO É UM CUSTO. É UM BOM INVESTIMENTO. LOJA ONLINE DISPONÍVEL NA PÁGINA WEB WWW.SINUTA4SUN.PT PRODUTOS CHAVE NA MÃO POSSIBILIDADE :VARIEDADE DE DE PRODUTOS: COMPRA COM UMA INSTALAÇÃO

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais

GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE

GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE Uma vez que o golfe é um jogo auto regulado, todos os golfistas devem ter um bom entendimento do fundamental das Regras, tal como consta neste Guia. Contudo, este Guia não

Leia mais

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM 2012 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM 2012 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM 2012 Colégio Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs desafio nota: Texto para as questões de 1 a 5. QUESTÃO 1 Considere as afirmações I. Na

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS Thiago de Carvalho Sousa (UVV) thiagocs01@hotmail.com Lucca de Carvalho De Biase

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO A REN - Rede Eléctrica Nacional, S.A. é a concessionária

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

Exposição Exploratorium (piso 1)

Exposição Exploratorium (piso 1) Exposição Exploratorium (piso 1) Departamento Educativo - PNE Vivemos numa floresta de sons, cores, tonalidades, reflexos e texturas de uma realidade que nos chega pelos sentidos e molda a imagem perceptiva

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos Página 1 de 5 3 - estética e a técnica na ambientação 3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos iluminação de três pontos é composta por três refletores, cada qual com função

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

IV. Da luz visível à luz invisível

IV. Da luz visível à luz invisível IV. Da luz visível à luz invisível 1. o que é a luz A luz é o princípio de toda a ciência, porque é a luz que nos permite ver o mundo. Sem luz não existiria a relação íntima entre sujeito observador e

Leia mais

Sistema Solar. Sistema de Ensino CNEC. 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome:

Sistema Solar. Sistema de Ensino CNEC. 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: Sistema Solar 1 o Mercúrio 5 o Júpiter 2 o Vênus 6 o Saturno 3 o Terra 7 o Urano 4 o Marte 8 o Netuno Com certeza você já deve ter ouvido

Leia mais

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL 8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL O prognóstico ambiental elaborado para a Atividade de Pesquisa Sísmica Marítima 3D na Bacia Sedimentar do Ceará -, contempla as possíveis alterações dos fatores ambientais analisados

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Instalação. Tradução do artigo Retro revisited publicado in Electrical Times, Setembro de 2009.

Instalação. Tradução do artigo Retro revisited publicado in Electrical Times, Setembro de 2009. Tradução do artigo Retro revisited publicado in Electrical Times, Setembro de 2009. Em Novembro de 2007, a Electrical Times publicou um artigo sobre um adaptador que iria permitir instalar lâmpadas fluorescentes

Leia mais

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas Os combustíveis fósseis e as energias alternativas O que são combustíveis fósseis: Os combustíveis fósseis são compostos por hidrocarbonetos e são usados por exemplo como combustível. São alguns exemplos

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

A Importância da reciclagem

A Importância da reciclagem Texto 1 A Importância da reciclagem Vanessa Minuzzi Bidinoto Reciclar é economizar energia, poupar recursos naturais e trazer de volta ao ciclo produtivo o que jogamos fora. Para compreendermos a reciclagem

Leia mais

Poluição do rio Tietê

Poluição do rio Tietê Poluição do rio Tietê Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e Universo Tema Água e vida; uso dos recursos naturais / a ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental / desenvolvimento

Leia mais

Sinalização de Segurança e Saúde

Sinalização de Segurança e Saúde 1) Introdução No mundo do trabalho, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os trabalhadores dos vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindoos a atitudes preventivas

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Importância do ar para os seres vivos

Importância do ar para os seres vivos Importância do ar para os seres vivos A ATMOSFERA A atmosfera éconstituída por várias camadas. Cada camada tem características próprias: TROPOSFERA: Éa camada mais próxima da terra. Éconstituída por uma

Leia mais

Manual de instalação e configuração da Magic Key

Manual de instalação e configuração da Magic Key Manual de instalação e configuração da Magic Key Índice 1. Instalação física dos componentes... 1 1.1. Instalação da câmara... 1 1.2. Instalação dos infravermelhos... 2 1.3. Posicionamento do utilizador...

Leia mais

Sistemas e Tecnologia

Sistemas e Tecnologia Sistemas e Tecnologia 1 - Coloque todos os computadores a trabalhar em rede para facilitar o acesso A partilha de ficheiros, impressoras e a gestão de um sistema de network significa que apenas terá que

Leia mais

LATITUDE, LONGITUDE E GPS

LATITUDE, LONGITUDE E GPS LATITUDE, LONGITUDE E GPS Anselmo Lazaro Branco* ENTENDA O QUE É LATITUDE, LONGITUDE, E COMO FUNCIONA UM APARELHO DE GPS. GPS O GPS é um aparelho digital de localização, que determinada a posição exata

Leia mais

Você sabe o que é a Poluição Luminosa?

Você sabe o que é a Poluição Luminosa? Você sabe o que é a Poluição Luminosa? Ainda que o termo não lhe seja familiar, você certamente sente alguns dos efeitos deste tipo de poluição: * Já percebeu o brilho alaranjado sobre as cidades? * Já

Leia mais

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção Segurança do Trabalho Papel do Gestor Frente a Prevenção Papel do gestor frente a prevenção O gestor é responsavel pela segurança de suas equipes: Integração de novos funcionários Conhecer através da CIPA

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

ESPELHOS PLANOS. Calcule a distância percorrida por esse raio.

ESPELHOS PLANOS. Calcule a distância percorrida por esse raio. ESPELHOS PLANOS 1. (Fuvest - ADAPTADO) Madalena é física. Isso se deve a influência de sua mãe que foi professora emérita na faculdade onde lecionou. A figura adiante representa um dos experimentos de

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Nota inicial Genericamente, os principais problemas que encontrámos foram a proliferação de obstáculos à normal fluidez da circulação das bicicletas.

Leia mais

Alternativas falhadas ao CED

Alternativas falhadas ao CED Alternativas falhadas ao CED Uma das principais razões para se advogar a prática do Capturar-Esterilizar-Devolver é que nada mais resulta! Quer pretendamos uma redução na população felina ou a diminuição

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL ISSN 2177-9139 UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL Daniellen Thaianne de Oliveira Severo - daniii_severo@hotmail.com

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO

DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população, garante

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Caparica EB1/JI Costa Caparica Agenda 21 da Criança - 2015

Agrupamento de Escolas da Caparica EB1/JI Costa Caparica Agenda 21 da Criança - 2015 - Bom dia, chamo-me João Pinto e tenho 10 anos. - Bom dia, eu sou o Stefanny Silva e tenho 10 anos. Somos alunos do 4.º ano da escola EB1/JI da Costa da Caparica e, com, a nossa professora Conceição Gamboa,

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

Extensivo noite - Aulas 01 e 02

Extensivo noite - Aulas 01 e 02 1. (Unesp 2011) A figura 1 mostra um quadro de Georges Seurat, grande expressão do pontilhismo. De forma grosseira podemos dizer que a pintura consiste de uma enorme quantidade de pontos de cores puras,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para determinado iluminamento: Pela carga mínima exigida por normas (aproximação de referência); Método dos Lúmens; Método

Leia mais

ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I

ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I O princípio da astrofotografia O mundo da astrofotografia é muito divulgado e você provavelmente já fez parte dele. Se você já registrou

Leia mais

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9)

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) Introdução 1. Elementos intervenientes 1. 1. Um delegado 1. 2. Um árbitro 1. 3. Dois Jogadores (Conforme a competição), equipados de acordo com o estipulado pelo Bilhar Clube

Leia mais

ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 JARDIM DE CERNACHE DO BONJARDIM... 10

ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 JARDIM DE CERNACHE DO BONJARDIM... 10 1 BoPS Sertã ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 Governança... 5 Pacto de Autarcas... 5 Referências de Excelência... 6 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 Investimento... 8 Indicadores... 9 JARDIM DE CERNACHE

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental.

Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental. Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental. Atualmente o meio mais imediato e eficaz, desde que bem configurado e com acompanhamento constante, são as campanhas

Leia mais

in Revista Visão Júnior, nº78, novembro de 2010 (adaptação gráfica)

in Revista Visão Júnior, nº78, novembro de 2010 (adaptação gráfica) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTO ANTÓNIO Língua Portuguesa Esta Visão Júnior é dedicada ao ambiente. ( ) vais descobrir muitas formas diferentes de contribuir para preservar a Terra. O estado do planeta

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

REDUÇÃO DE DESPERDÍCIO DE RECURSOS NATURAIS

REDUÇÃO DE DESPERDÍCIO DE RECURSOS NATURAIS CONSUMO CONSCIENTE REDUÇÃO DE DESPERDÍCIO DE RECURSOS NATURAIS ÁGUA ENERGIA INSUMOS Desenvolvimento Sustentável A ÁGUA NOSSO BEM MAIS PRECIOSO Distribuição de toda água doce 1,8 % 0,96 % 0,02 % 0,001 %

Leia mais

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental?

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental? 1. Quais são as dimensões do Desenvolvimento Sustentável? 2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? a) Económica b) Social c) Ambiental d) Todas as anteriores a) Melhorar a nossa qualidade de vida

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA ESTUFA SUSTENTÁVEL E AUTO-SUFICIENTE COM ENERGIA PROVENIENTE DE LUZ SOLAR

CONSTRUÇÃO DE UMA ESTUFA SUSTENTÁVEL E AUTO-SUFICIENTE COM ENERGIA PROVENIENTE DE LUZ SOLAR EXTERNATO INFANTE D.HENRIQUE ANO LETIVO: 2014/2015 DISCIPLINA: Biologia TURMA: 12ºB ELEMENTOS: Bruna Cunha; Duarte Ribeiro; Joana Gandarela; Luís Faria; CONSTRUÇÃO DE UMA ESTUFA SUSTENTÁVEL E AUTO-SUFICIENTE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE COIMBRA

ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE COIMBRA COMUNICADO As razões que nos trazem hoje aqui entristecem-nos. Contudo, no seguimento de uma série de eventos que têm ocorrido, esta tornou-se na única resposta possível aquilo que sentimos como uma afronta

Leia mais

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 Antigo Testamento_vale.indd 8 I. HISTÓRIA DAS ORIGENS 1 Criação do mundo 1 No princípio, quando Deus criou os céus e a terra, 2 a terra era informe e vazia, as trevas

Leia mais

3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014

3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014 3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014 Doutrinas Filosóficas Propõe-se a responder às questões transcendentais: Quem somos? De onde

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Ver e ser visto no trânsito

Ver e ser visto no trânsito matéria de capa Ver e ser visto no trânsito CESVI realizou estudo para apontar as condições em que pedestres, motos e carros são mais bem visualizados à noite Por José Antonio Oka Segurança Viária Ver

Leia mais

10 Sinais de Perigo no Marketing de Rede

10 Sinais de Perigo no Marketing de Rede 10 Sinais de Perigo no Marketing de Rede Este é um artigo que a maioria das empresa de Marketing Multinível NÃO QUER que você leia, porque a maioria das empresas (e gurus do MMN) só quer ganhar dinheiro,

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

O LIXO NAS RUAS. É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade.

O LIXO NAS RUAS. É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade. O LIXO NAS RUAS É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade. Por Maria Alice Luna Sampaio Hoje em dia, não podemos dar um passo fora de

Leia mais

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modernidade trouxe vantagens e prejuízos Poluição causada pelas organizações afeta diretamente a natureza Criação de Leis para minimizar

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D)

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Escadas Simples? Escadotes? Escadas Duplas e Triplas Escadas Telescópicas? Torres Multiusos Indice 1. Introdução 2. Informação para o Utilização

Leia mais

1.1 Brasil e a Energia Fotovoltaica

1.1 Brasil e a Energia Fotovoltaica 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, o atual modelo energético mundial vem sendo questionado, devido ao acelerado crescimento populacional e consequente aumento do consumo de energia. O termo Desenvolvimento

Leia mais

TRANSITO CUIDADO. Eliana Cristofolo MOTORISTA TENHA MUITA ATENÇÃO, AO DIRIGIR O SEU CARRÃO. PARE SEMPRE NA ESQUINA PARA VER SE VEM CARRO NÃO.

TRANSITO CUIDADO. Eliana Cristofolo MOTORISTA TENHA MUITA ATENÇÃO, AO DIRIGIR O SEU CARRÃO. PARE SEMPRE NA ESQUINA PARA VER SE VEM CARRO NÃO. CUIDADO NO TRANSITO MOTORISTA TENHA MUITA ATENÇÃO, AO DIRIGIR O SEU CARRÃO. PARE SEMPRE NA ESQUINA PARA VER SE VEM CARRO NÃO. AS CRIANÇAS DEVEM RESPEITAR PARA OS LADOS DEVEM OLHAR. SE NÃO VIER NENHUM AUTOMÓVEL

Leia mais

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.:

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 5º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== De acordo com as dicas, responda: 01- Foi

Leia mais