AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DOS BEBEDOUROS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DOS BEBEDOUROS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS."

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DOS BEBEDOUROS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS. QUALITY ASSESSMENT OF PHYSICAL-CHEMICAL AND MICROBIOLOGICAL CONDITION OF DRINKING WATER FROM TROUGHS OF A HIGHER EDUCATION INSTITUTION IN JUIZ DE FORA CITY, MINAS GERAIS. ARIANNE DE SOUZA CASTRO Graduanda em Biomedicina pela Universidade Presidente Antônio Carlos - UNIPAC/JF/MG. BRUNO MENDONÇA DA SILVA Graduando em Farmácia pela Universidade Presidente Antônio Carlos - UNIPAC/JF/MG. RODRIGO LUIZ FABRI* Doutor em Ciências Biológicas/UFJF e docente dos cursos de Biomedicina e Farmácia - Universidade Presidente Antônio Carlos - UNIPAC/JF/MG. *autor correspondente: Faculdade de Ciências da Saúde, Farmácia, UNIPAC, , Juiz de Fora, MG, Brasil. 984

2 RESUMO Água potável corresponde a toda água disponível na natureza destinada ao consumo e possui características que não oferecem riscos para os seres vivos que a consomem. A melhoria dos serviços de abastecimento de água traz uma rápida e sensível melhoria na saúde e nas condições de vida de uma comunidade por meio do controle e prevenção de doenças. O objetivo do estudo foi verificar as condições físico-químicas e microbiológicas da água potável dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora, Minas Gerais. Para realização dos ensaios foram coletadas duas amostras das águas dos bebedouros, sendo uma destinada para os ensaios físico-químicos e outra para os ensaios microbiológicos. As análises físico-químicas realizadas foram cloro residual livre, sólidos totais dissolvidos, cloretos, ph e dureza e os microbiológicos foram contagem de bactérias heterotróficas, coliformes totais e Escherichia coli. Os resultados obtidos mostraram-se em conformidade com as especificações estabelecidas pela Portaria MS Nº 2914, 12 de dezembro de 2011 do Ministério da Saúde, que estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Palavras-chave: Água potável; análise físico-química; análise microbiológica; qualidade de água. ABSTRACT Drinking water is the entire water available for consumption in nature and has characteristics that do not pose risks to living beings who consume it. The improvement of water supply services brings a quick and noticeable improvement in health and living conditions of a community through the prevention and control of diseases. The objective of the study was to assess the physical-chemical and microbiological conditions of drinking water from troughs of a higher education institution in Juiz de Fora, Minas Gerais. For the tests were collected two samples of water from troughs, one appointed to the physicochemical test and the other to the microbiological test. The physicochemical analyzes conducted were free residual chlorine, total dissolved solids, chlorides, ph and hardness, and the microbiological were count of heterotrophic bacteria, total coliforms and Escherichia coli. The results obtained were in accordance with the specifications established by the ordinance MS nº 2914, of 12 december 2011 of the Ministry of Health, which establishes the procedures and responsibilities for the control and surveillance of water quality for human consumption and its potability standards. Keywords: Drinking water; physicochemical analysis; microbiological analysis; water quality. 985

3 INTRODUÇÃO O provimento adequado de água, em quantidade e qualidade, é essencial para o desenvolvimento socioeconômico, com reflexos diretos sobre as condições de saúde e de bem-estar da população. Em termos quantitativos, o volume total de água existente na Terra é constante e apenas 2,5% deste são de água doce. Contudo, da parcela de água doce, somente 0,3% constitui a porção superficial de água presente em rios e lagos, as quais estão passíveis de exploração e uso pelo homem (RAZZOLINI et. al, 2008). Dentre os principais usos da água, o abastecimento público é o uso mais nobre e exigente, devendo esta ser considerada potável, e atender aos parâmetros microbiológicos, físicos, químicos e radioativos definidos pela legislação vigente, de modo a não oferecer riscos à saúde do consumidor já que esta pode servir de veículo para vários agentes biológicos e químicos. Por isso, o homem deve atentar aos fatores que podem interferir negativamente na qualidade da água de consumo e no seu destino final (SPERLING, 1996; BARBOSA et al., 2009). O tratamento necessário para considerar-se uma água potável compreende um conjunto de métodos físicos e químicos a fim de remover a turbidez causada pelos sólidos em suspensão e a desinfecção para exterminar os micro-organismos patogênicos. As companhias de abastecimento de água também recomendam que, a cada seis meses, os reservatórios particulares sejam lavados e desinfetados, a fim de assegurar água de qualidade e adequada para o consumo humano (GUEDES et al., 2004). Visando assegurar a qualidade da água, o Ministério da Saúde estabeleceu os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade através da Portaria MS Nº 2914 de 12 de dezembro de 2011 (BRASIL, 2011). Diante disso, o objetivo do presente trabalho foi avaliar a qualidade físico-química e microbiológica da água disponível para consumo em bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora MG, uma vez que a instituição recebe diariamente cerca de 2500 pessoas, entre alunos e funcionários. 986

4 METODOLOGIA Coleta das amostras Trata-se de uma pesquisa analítica que buscou avaliar laboratorialmente a qualidade físico-química e microbiológica da água dos bebedouros localizados em uma instituição de ensino superior no município de Juiz de Fora, Minas Gerais. Os ensaios físico-químicos e microbiológicos foram realizados após autorização do responsável pela administração da instituição e para tanto foram coletados 1L de amostra em frasco de vidro âmbar e 400 ml em frasco de plástico estéril, respectivamente. Os locais de coleta na instituição foram: Bebedouro 1 Andar, Bebedouro 2 Andar, Bebedouro 3 Andar, Bebedouro 4 Andar e Bebedouro Subsolo. Antecedendo a coleta do material para análise, foi realizada a desinfecção das torneiras de água com álcool 70 GL, e permitiu-se que permanecem abertas por aproximadamente dois minutos. Além disso, os analistas utilizaram paramentação adequada (luvas, gorro e máscara), a fim de evitar qualquer risco de contaminação cruzada. Após o procedimento de coleta, os frascos foram acondicionados em caixas de material isotérmico e transportados imediatamente aos laboratórios físico-químico e microbiológico da instituição. As análises foram realizadas conforme descrito por Macedo (2005). Análises físico-químicas Cloro Residual livre Foram utilizados 100 ml de cada amostra para o teste de cloro residual. Às amostras foram adicionados 5 ml de ácido clorídrico 1:3, 5 ml de iodeto de potássio 10% p/v e 5 gotas de amido 1%, passando a adquirir coloração azulada. Após foram tituladas com tiossulfato de sódio 0,01 M até que se atingisse o ponto de viragem da amostra que é de azul para incolor. Para o cálculo do teor de cloro residual livre utilizou-se a seguinte fórmula: Teor de Cloro Residual Livre = VG x FC x 3,545; onde: VG= Volume gasto de titulante; FC= Fator de correção do titulante = 1,0009; Constante da fórmula=3,

5 Cloretos Para o teste de cloretos foram utilizados 100 ml de cada amostra, sendo que o mesmo procedimento foi utilizado para titulação de uma prova em branco usando água purificada. Foi adicionado às amostras e ao branco 1 ml de cromato de potássio com nitrato de prata 5% p/v passando a adquirir coloração amarela. Posteriormente estes foram titulados com nitrato de prata 0,1 N até que se atingisse o ponto de viragem da amostra e do branco que é de amarelo para vermelho-tijolo. Para o cálculo do teor de cloretos utilizou-se a seguinte fórmula: Teor de Cloretos = [(A-B) x FC x NT x 1000]/VA, onde: (A-B) = Volume de titulante gasto na titulação da amostra menos o volume de titulante gasto na titulação do branco; FC = Fator de correção do titulante = 0,9999; NT = Normalidade do titulante = 0,01; VA = volume de amostra utilizado na análise = 100 ml. Dureza Utilizou-se 100 ml de amostra cada, às quais foram adicionados respectivamente 2 ml de solução tampão cloreto de amônio ph 10 e 2 gotas de indicador negro de eriocromo T, que foram titulados com EDTA 0,01M até que se atingisse o ponto de viragem da amostra que é de rosa para azul. Para o cálculo da dureza da amostra utilizou-se a seguinte fórmula: Dureza = (VG x FC x 1,0009 x 1000)/VA, onde: VG = volume de titulante gasto na titulação; FC = Fator de correção do titulante = 1,0001; VA = volume de amostra utilizado na análise = 100 ml. Sólidos totais dissolvidos Realizou-se a pesagem de um béquer vazio, depois de o mesmo permanecer uma hora na estufa de secagem a uma temperatura de 105 C e resfriado por 15 minutos no dessecador. Adicionou-se 10 ml de amostra no béquer, sendo este colocado na chapa aquecedora até total evaporação da amostra. Pesou-se o béquer novamente, após uma hora na estufa de secagem a uma temperatura de 105 C e resfriado por 15 minutos no dessecador, anotando-se o segundo peso e foram realizados os cálculos pertinentes. 988

6 Para o cálculo do teor de Sólidos totais dissolvidos na água utilizou-se a seguinte fórmula: Sólidos totais dissolvidos = [(Peso 2 - Peso 1) x 1000]/VA, onde: Peso 1 = Peso do béquer vazio; Peso 2 = Peso após secagem total da amostra; VA = volume de amostra utilizado na análise = 10 ml. ph Utilizou-se aproximadamente 50 ml de cada amostra em um béquer e mergulhou-se uma fita de teste para medição de ph na faixa de Análises microbiológicas Coliformes totais e Escherichia coli Para a quantificação dos indicadores microbiológicos foi utilizado o sistema Colilert (sistema patenteado por IDEXX Laboratories) que é utilizado para detecções simultâneas, identificações específicas e confirmativas de coliformes totais e E. coli em água continental natural ou tratada. O Colilert utiliza nutrientes (açúcares ligados a radicais orgânicos cromogênicos) que fazem com que os microrganismos de interesse presentes na amostra produzam uma mudança de cor (ou fluorescência) no sistema inoculado. Cada amostra de água com 100 ml recebeu o meio Colilert e foram posteriormente seladas e incubadas a uma temperatura de 35 C por um período de 24 horas. Após o tempo especificado, as amostras foram retiradas da incubadora e observado se houve mudança de coloração e da turbidez. Caso a água não apresente mudança de tonalidade o resultado é descrito como ausente. Se apresentar turbidez é descrito como positivo para coliformes totais e apresentando turbidez e coloração fluorescente, na presença de luz ultravioleta a 365 nm, o resultado é descrito como positivo para coliformes totais e Escherichia coli. Contagem de bactérias heterotróficas Foi utilizado 1 ml de cada amostra e de 3 diluições seriadas (10-1, 10-2 e 10-3 ) que foram inoculadas em placas de petri estéreis e imediatamente foi adicionado o meio de cultura Reasoner s 2A ágar (R2A) em temperatura em torno de 40 C. Homogeneizou-se o ágar com a amostra, movimentando-se a placa em forma de 8 em uma superfície plana e lisa. 989

7 Aguardou-se o ágar solidificar e em seguida as placas foram incubadas em estufa bacteriológica a uma temperatura de 35 C por um período de 48 horas. Após o tempo especificado, retiraram-se as amostras da estufa e observou-se se houve o crescimento de colônias e procedeu-se a contagem das colônias. RESULTADOS E DISCUSSÃO Cloro Residual livre A Portaria n 2914/2011 do Ministério da Saúde, estabelece o padrão de potabilidade da água para consumo humano, e define que a quantidade de cloro residual livre encontrada na amostra deve possuir até 5 mg/l (BRASIL, 2011). De acordo com a tabela 1 foi possível verificar que todas as amostras de água analisadas apresentaram valores dentro do limite aceitável para consumo. Tabela 1 Teor de Cloro Residual Livre nas amostras dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora, Minas Gerais. Cloro residual livre Bebedouro Volume gasto na titulação (ml) Resultado final (mg/l) 1 Andar 0,25 0,88 2 Andar 0,2 0,7 3 Andar 0,2 0,7 4 Andar 0,25 0,88 Subsolo 0,2 0,7 Fonte: dados da pesquisa O cloro é utilizado comumente na desinfecção da água, por se tratar de um produto de baixo custo e por causar inativação em curto tempo dos microrganismos, principalmente coliformes totais e termotolerantes, além de evidenciar ausência de detecção da Salmonella sp., quando os níveis de cloro livre apresentam-se superiores a 0,1 mg/l. Os principais produtos utilizados são: hipoclorito de cálcio, hipoclorito de sódio, cal clorada e cloro gasoso (FUNASA, 2004). 990

8 Freitas et al. (2001) ao analisar a água de rede e de caixa d'água do Parque Fluminense/RJ, mostrou que 5,04% das amostras testadas apresentaram concentrações de cloro residual iguais a zero. Os mesmos autores relacionaram a ausência de cloro residual com o aumento de coliformes fecais em águas de rede e caixa d água. Cloretos A tabela 2 apresenta os valores de cloretos das amostras de águas dos bebedouros avaliados. Todas apresentaram de acordo com os parâmetros do Ministério da Saúde referente à quantidade de cloretos que não deve exceder 250,0 mg/l (BRASIL, 2011). Tabela 2 Teor de Cloretos nas amostras dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora, Minas Gerais. Cloretos Bebedouro Volume gasto na titulação (ml) Resultado final (mg/l) 1 Andar 2,5 6,02 2 Andar 2,3 5,31 3 Andar 2,4 5,67 4 Andar 2,9 7,44 Subsolo 2,9 7,44 Fonte: dados da pesquisa Nas águas tratadas, a adição de cloro puro ou em solução leva a uma elevação do nível de cloreto, resultante das reações de dissociação do cloro na água. O cloreto não apresenta toxicidade ao ser humano, exceto no caso da deficiência no metabolismo de cloreto de sódio, por exemplo, na insuficiência cardíaca congestiva. A concentração de cloreto em águas de abastecimento público constitui um padrão de aceitação, já que provoca sabor salgado na água. (FUNASA, 2004). Bomfim et al. (2007) verificou em seu trabalho que todas as amostras analisadas de água de abastecimento do Laboratório de Bromatologia da UERJ/RJ, estavam em conformidade com os padrões estabelecidos pela Portaria n 518 (BRASIL, 2005) e pela legislação americana, a qual utiliza os mesmos padrões da Portaria n. 518/2004 em relação a cloretos. Dureza 991

9 A Portaria n 2914/2011 (BRASIL, 2011) estabelece o padrão de potabilidade da água para consumo humano, e define que a quantidade de Dureza encontrada não deve exceder 500,0 mg/l. Todas as amostras avaliadas apresentam resultados de acordo com a legislação vigente (Tabela 3). Tabela 3 Teor de Dureza nas amostras dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora, Minas Gerais. Dureza Bebedouro Volume gasto na titulação (ml) Resultado final (mg/l) 1 Andar 3,2 32,03 2 Andar 3,2 32,03 3 Andar 3,2 32,03 4 Andar 3,4 34,03 Subsolo 3,6 36,03 Fonte: dados da pesquisa A dureza de uma água é proporcional à presença de sais de cálcio e magnésio, podendo ser temporária quando devida à presença de bicarbonatos de cálcio e magnésio ou permanente, quando originada por cloretos, sulfatos e nitratos de cálcio e magnésio. Estes sais, em ordem decrescente de abundância na água, são bicarbonatos, sulfatos, cloretos e nitratos. A dureza temporária resiste à ação dos detergentes e provoca incrustações, sendo indesejável por causar danos à saúde como efeitos laxativos e prejuízos nas indústrias (FUNASA, 2004). A utilização de água dura pode estar relacionada com a incidência de algumas doenças como eczema atópico (PENA, 2007) e que a presença de alguns metais como ferro, alumínio, zinco e manganês podem contribuir para o aparecimento da dureza da água, podendo ser tóxicos em altas concentrações (LAGGER 2000). Sólidos totais dissolvidos A Portaria n 2914/2011 (BRASIL, 2011) define que a quantidade de sólido totais dissolvidos encontrada na água potável não deve exceder 1000,0 mg/l. A tabela 4 mostra os resultados do teste para sólidos totais, sendo que todas as amostras encontravam-se dentro do permitido para consumo. 992

10 Tabela 4 Teor de sólidos totais dissolvidos nas amostras dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora, Minas Gerais. Sólidos totais dissolvidos Bebedouro Peso 1 (mg) Peso 2 (mg) Resultado final (mg/l) 1 Andar 51628, ,0 Ausente 2 Andar 59068, , Andar 49357, , Andar 51576, ,5 400 Subsolo 51576, ,5 Ausente Fonte: dados da pesquisa Sólidos nas águas correspondem a toda matéria que permanece como resíduo, após evaporação, secagem ou calcinação da amostra a uma temperatura pré-estabelecida durante um tempo fixado. As determinações dos níveis de concentração resultam em um quadro geral da distribuição das partículas com relação ao tamanho (sólidos em suspensão e dissolvidos) e com relação à natureza (fixos ou minerais e voláteis ou orgânicos). Este quadro não é definitivo para se entender o comportamento da água em questão, mas constitui-se em uma informação preliminar importante, uma vez que o excesso de sólidos dissolvidos na água podem causar alterações de gosto e problemas de corrosão (SARDINHA, 2008). ph A tabela 5 mostra os resultados do teste para ph, sendo que todas as amostras estão dentro do permitido para consumo, uma vez que o ph ideal deve ser de 6,0 a 9,0 (BRASIL, 2011). Tabela 5 ph nas amostras dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora, Minas Gerais. ph (estimativa) Bebedouro Resultado 1 Andar Entre 7 e 8 2 Andar Entre 7 e 8 3 Andar Entre 7 e 8 4 Andar Entre 7 e 8 Subsolo Entre 7 e 8 Fonte: dados da pesquisa 993

11 O termo ph representa a concentração de íons hidrogênio em uma solução. Esse parâmetro não traz riscos sanitários, mas deve ser acompanhado para melhorar os processos de tratamento, preservar as tubulações contra corrosões ou entupimentos e também por auxiliar no controle da desinfecção (FUNASA, 2004). Grigoletto et al. (2012) demonstrou que no processo de tratamento da água é comum o uso de sais de hipoclorito para desinfecção, resultando numa água com ph abaixo de 7. O aumento da acidez da água pode promover, por exemplo, a solubilização do PbO 2, um produto comum de corrosão de encanamentos à base de chumbo. Sendo assim os autores concluíram que no caso da contaminação da água por chumbo presente em encanamentos ser um caso de saúde pública, as autoridades locais podem avaliar a viabilidade de elevar o ph da água no seu tratamento, a fim de minimizar seus efeitos. Coliformes totais e Escherichia coli A água potável não deve conter micro-organismos patogênicos e deve estar livre de bactérias indicadoras de contaminação fecal. Os indicadores de contaminação fecal, tradicionalmente aceitos, pertencem a um grupo de bactérias denominadas coliformes. O principal representante desse grupo é a espécie Escherichia coli (FUNASA, 2004). A Portaria n 2914/2011 do Ministério da Sáude relata que amostras destinadas ao consumo humano não podem apresentar coliformes totais e E. coli (BRASIL, 2011). No presente estudo, todas as amostras analisadas estão de acordo com a legislação vigente, pois não foi detecto a presença de coliformes totais nem de E. coli (Tabela 6). Tabela 6 Resultado quanto à presença de coliformes totais e Escherichia coli nas amostras dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora, Minas Gerais. Coliformes totais e Escherichia coli Bebedouro Coliformes Totais Escherichia coli 1 Andar Ausente Ausente 2 Andar Ausente Ausente 3 Andar Ausente Ausente 4 Andar Ausente Ausente Subsolo Ausente Ausente Fonte: dados da pesquisa 994

12 Neste estudo foi possível observar que 100% das amostras obtiveram resultados satisfatórios para cloro residual livre e ausência para contagem de coliformes totais, indicando que os níveis de cloro encontrados foram suficientes para evitar o crescimento de microorganismos. Estes resultados são importantes, porque corrobora com estudos realizados anteriormente, como descrito por Freitas et al. (2001). Alves et a.l (2002) verificou que 5,5% das amostras de água de abastecimento da cidade de Marília/SP estavam contaminadas por coliformes totais. Além disso, os autores relacionaram a presença desses micro-organismos contaminantes, principalmente E. coli, com infecções de vias urinárias, sendo estes responsáveis por cerca de 90% das primeiras infecções urinárias em mulheres jovens. Contagem de bactérias heterotróficas A contagem de bactérias heterotróficas encontrada em amostras de água potável deve ser < 500 UFC/mL (BRASIL, 2011). Como observado na tabela 7, todas as amostras testadas apresentaram valores baixos de bactérias heterotróficas sendo, portanto próprias para o consumo. Tabela 7 Contagem de bactérias heterotróficas nas amostras dos bebedouros de uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora, Minas Gerais. Bebedouro Contagem de bactérias Heterotróficas Resultado 1 Andar < 1,0 x 10 UFC/mL 2 Andar < 1,0 x 10 UFC/mL 3 Andar < 1,0 x 10 UFC/mL 4 Andar < 1,0 x 10 UFC/mL Subsolo < 1,0 x 10 UFC/mL Fonte: dados da pesquisa A presença de bactérias heterotróficas em quantidades elevadas pode impedir a detecção de coliformes, seja devido à produção de fatores de inibição, seja por um desenvolvimento mais intenso (MACEDO, 2005). Carvalho et al. (2009), ao avaliar amostras de água de bebedouros obtidas de um Campus Universitário de Ipatinga/MG, observou que todas amostras deram resultado 995

13 insatisfatório para bactérias heterotróficas, ou seja, estavam impróprias para o consumo humano. Diferente deste estudo, o presente trabalho apresentou 100% de resultados satisfatórios para este parâmetro. CONCLUSÃO Os resultados obtidos possibilitam inferir que as amostras de água coletadas nos bebedouros da instituição de ensino superior pesquisada podem ser consideradas próprias para consumo humano, segundo os critérios avaliados neste estudo. Embora, a instituição receba água tratada, foi importante a realização dessa pesquisa, para a comparação dos parâmetros estabelecidos pela portaria n 2914 de 12 de dezembro de 2011, adotada pela empresa distribuidora de água da região e a água consumida na instituição, após passar pela tubulação, caixas d`água e torneiras, uma vez que essa pesquisa jamais tinha sido realizada. Os resultados das avaliações físico-químicas e microbiológicas fizeram-se necessários, pois desta forma pode-se assegurar que em relação à potabilidade da água disponível para consumo, tanto os funcionários quanto aos alunos ou quaisquer pessoas que dela usufruir, poderão estar seguros em relação à problemática oriunda a falta de controle de tratamento. Este estudo fornece uma pequena representação da qualidade da água consumida nestes bebedouros no período analisado, e para obtenção de valores mais confiáveis, faz-se necessário um estudo mais aprofundado, com coletas mensais de várias amostras, por um período de tempo maior. REFERÊNCIAS ALVES, N. C.; ODORIZZI, A. C.; GOULART, F. C. Análise microbiológica de águas minerais e de água potável de abastecimento, Marília, SP. Revista Saúde Pública, São Paulo; v. 6, n. 36, p , jul

14 BARBOSA, D. A.; LAGE, M. M.; BADARÓ, A. C. L. Qualidade microbiológica da água de bebedouros de um campus universitário de Ipatinga, Minas Gerais. Revista Digital de Nutrição, Ipatinga, v. 3, n. 5, p , ago./dez BOMFIM, M. V. J.; SOEIRO, G. O.; MADEIRA, M.; BARROS, H. D. Avaliação físicoquímica e microbiológica da água de abastecimento do laboratório de bromatologia da UERJ. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v. 21, n. 152, p , jun BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2914 de 12 de dezembro de Dispõe sobre os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial (da) República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Disponível em: <http://www.comitepcj.sp.gov.br/download/portaria_ms_ pdf> Acesso em: 21 de fevereiro de CARVALHO, D.C.; FORTUNATO, J.N.;VILELA, A.F.; BADARÓ, A.C. ; Avaliação da qualidade físico-química e microbiológica da água de um campus universitário de Ipatinga- MG. Revista Digital de Nutrição, Ipatinga, v. 3, n. 5, p , ago./dez Disponível em:<http://www.unilestemg.br/nutrirgerais/downloads/artigos/5_edicao/artigo_avaliaca O_DA_QUALIDADE_FISICO-QUIMICA.pdf > Acesso em: 03 de março de FREITAS, M. B.; BRILHANTE, O. M.; ALMEIDA, L. M. Importância da análise de água para a saúde pública em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e alumínio. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 3, n. 17, p , mai./jun FUNASA, Fundação Nacional de Saúde. Manual prático de análise de água, Brasília, Disponível em: <http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/eng_analagua.pdf > Acesso em: 13 de abril de 2012 GRIGOLETTO, T. L. B.; FUZARI BRUNO H. C.; ANDRADE, A. R; CAMPOS, M. L. A. M.; GERLACH, R. F.; SANTOS, J. E. T. Fatores químicos e físicos que afetam a contaminação por chumbo e cobre em água potável: uma abordagem para o estudo de caso em química analítica. Revista Química Nova, São Paulo, v. 35, n. 10, p , set GUEDES, Z. B. L.; ORIÁ, H. F.; BRITTO, N. P. B.; NETO, J. W. S.; LOPES, A. E. C. Controle sanitário da água consumida nas unidades de saúde do município de Fortaleza, CE. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v. 18, n. 125, p , out

15 LAGGER, J. R.; MATA, H. T.; PECHIN, G. H; LARREA, A. T.; OTRISKY, R. N.; CESAN, R. O.; CAIMIER, A. G.; MEGLIA, G. E. La importancia de calidad del agua en producción lechera. Veterinaria Argentina Faculdad de Ciencias Veterinaria, UNL Pam, La Pampa, v. 17, n. 165, p , Disponível em: < Acesso em: 25 de fevereiro de MACEDO, J. A. B. Métodos laboratoriais de análises físico-químicas e microbiológicas 3ª ed. Juiz de Fora: Jorge Macêdo (Venda direta do autor), RAZZOLINI, M. T. P.; GUNTHER, W. M. R. Impactos na saúde das deficiências de acesso a água. Saúde e Sociedade. São Paulo, v.17, n.1, p , jan./mar PENA, A. A.; BLASCO, J. B.; BARBERA, J. P.; CIVERA, A. A.; CRUAÑES, J. B. C.; SA, M. R. P.; VÁZQUEZ, J. L.V.; DAUDER, C. F. Dureza del agua de consumo doméstico y prevalência de eczema atópico em escolares de Castellón, España. Salud Pública de México, Cuernavaca, v. 49, n. 4, jul./ago Disponível em: < pt&nrm=iso&tlng=es> Acessado em: 25 de fevereiro de SARDINHA, D. S.; CONCEIÇÃO, F. T.; SOUZA, A. D. G.; SILVEIR, A.; JULIO, M. D.; GONÇALVES J. C. S. I. Avaliação da qualidade da água e autodepuração do ribeirão do meio, Leme (SP). Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p jul./set SPERLING, M. V. Noções de qualidade das águas. In:. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 2. ed. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental - UFMG, v. 1. cap. 1, p

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE IPATINGA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE IPATINGA - MG AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE IPATINGA - MG REVIEW OF PHYSICAL-CHEMICAL AND MICROBIOLOGICAL QUALITY OF THE WATER OF AT CAMPUS UNIVERSITY IN

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA USADA PARA CONSUMO HUMANO DE DUAS NASCENTES LOCALIZADAS DO MUNICÍPIO DE TUCURUÍ UMA QUESTÃO AMBIENTAL

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA USADA PARA CONSUMO HUMANO DE DUAS NASCENTES LOCALIZADAS DO MUNICÍPIO DE TUCURUÍ UMA QUESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA USADA PARA CONSUMO HUMANO DE DUAS NASCENTES LOCALIZADAS DO MUNICÍPIO DE TUCURUÍ UMA QUESTÃO AMBIENTAL Grazielle T. de Souza grazielle_tigre@hotmail.com Universidade Federal

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Lucas Blanger Bagnara*, Renata Baldessarini,

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Análise microbiológica e bromatológica da água em bebedouros de escolas públicas em Belém do Brejo do Cruz-PB

Análise microbiológica e bromatológica da água em bebedouros de escolas públicas em Belém do Brejo do Cruz-PB Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rvads ARTIGO CIENTÍFICO DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v10i2.3555 Análise microbiológica e bromatológica

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO Adriana Moreira de Carvalho Biológa, mestra em Saneamento e Meio Ambiente e aluna especial em doutorado área Águas Subterrâneas pela

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

Atividade 03 - AVALIAÇÃO AMBIENTAL DAS ÁGUAS PRÓXIMAS A ATIVIDADES MINERADORAS DE CALCÁRIO

Atividade 03 - AVALIAÇÃO AMBIENTAL DAS ÁGUAS PRÓXIMAS A ATIVIDADES MINERADORAS DE CALCÁRIO Atividade 03 - AVALIAÇÃO AMBIENTAL DAS ÁGUAS PRÓXIMAS A ATIVIDADES MINERADORAS DE CALCÁRIO Prof. Dr. Anelise Marlene Schmidt Técnico Químico Guilherme Pacheco Casa Nova André Luiz Cordeiro Ferreira, CSTM

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI Agnos Lopes do Nascimento (Bolsista PIBIC/CNPQ), Carlos Ernado da Silva

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES):

Leia mais

NASCIMENTO, Karla Alvarenga 1 ; FERREIRA, Marcos Roberto Alves 2 ; BORGES, Guilherme Assis 3 ; MOREIRA, Cecília Nunes 4

NASCIMENTO, Karla Alvarenga 1 ; FERREIRA, Marcos Roberto Alves 2 ; BORGES, Guilherme Assis 3 ; MOREIRA, Cecília Nunes 4 Análise e orientações sobre a qualidade microbiológica da água não tratada utilizada para o consumo humano em propriedades na zona rural e periurbana e em escolas rurais de Jataí e entorno. NASCIMENTO,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação Juliana Chaves Maristela Pessolano

Leia mais

A água destinada ao consumo humano deve ser isenta de agentes biológicos como vírus, bactérias, protozoários e helmintos (BRANCO,

A água destinada ao consumo humano deve ser isenta de agentes biológicos como vírus, bactérias, protozoários e helmintos (BRANCO, DESCONTAMINAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA ÁGUA ATRAVÉS DE UM PASTEURIZADOR SOLAR Silva, T.C.D. (1) ; Calazans, G. M. T. (1) : Carielo, G. (1) ; Tiba, C. (1) teresa.tecatk@gmail.com (1) Universidade Federal de

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA Priscilla Dantas Rocha 1 ; Márcia Isabel Cirne França 2 ; Rodrigo Vieira Alves

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Juliano de Oliveira Nunes 1,2 Leonardo Galetto 1,2 Resumo O tratamento de água, é de

Leia mais

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG - campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós-graduação Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS

PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS 61 PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS RESUMO Francisco Cleber Silva Ferreira Maria Raquel Pinto Moreira

Leia mais

A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA

A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA TABELA DE S ANÁLISE DE ÁGUAS DESTINADAS A CONSUMO HUMANO ANÁLISE FÍSICA-QUÍMICA SUMÁRIA ANÁLISES POR GRUPO DE ENSAIO Q1 Condutividade, oxidabilidade, turvação, cor, ph, alcalinidade, dureza total, nitratos,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO EM CRUZEIRO DO SUL - ACRE

ANÁLISE DA QUALIDADE E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO EM CRUZEIRO DO SUL - ACRE ANÁLISE DA QUALIDADE E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO EM CRUZEIRO DO SUL - ACRE Maria Ivanilsa Silva dos Santos¹, Leonardo Paula de Souza², Rafael Coll Delgado 3, Maria da Glória de

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional QUALIDADE DAS ÁGUAS Box 1 O conselho nacional do meio ambiente, CONAMA, baixou a Resolução n 20, de 5 de junho de 1986, que classifica as águas doces, salobras e salinas do Brasil, Tabela 1, estabelecendo

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP.

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP. AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP. (MICROBIOLOGICAL PARAMETERS EVALUATION OF THREE BOTTLED WATER LABELS COMMERCIALIZED IN BEBEDOURO

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS

QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1, José Antunes da Silva Neto 2, Wêydjane de Moura

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA. ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS,

Leia mais

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15%

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15% OS IMPACTOS DAS FOSSAS SÉPTICAS NO AMBIENTE E NO DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL DOS ALUNOS DA ESCOLA MARIA IRANY RODRIGUES DA SILVA NO BAIRRO NOVA CANAÃ, NOVA IPIXUNA-PARÁ. Jordana Neta Vicente (1); Douglas

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA QUALIDADE DE ÁGUA NOS BEBEDOUROS DA ESCOLA E CONSCIETIZAÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE SEU CONSUMO

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA QUALIDADE DE ÁGUA NOS BEBEDOUROS DA ESCOLA E CONSCIETIZAÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE SEU CONSUMO ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA QUALIDADE DE ÁGUA NOS BEBEDOUROS DA ESCOLA E CONSCIETIZAÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE SEU CONSUMO José Tatiano da Silva; Bruno Braz dos Santos Silva; André Antônio da Silva; Geisa

Leia mais

Recomendação ERSAR n.º 03/2010

Recomendação ERSAR n.º 03/2010 Recomendação ERSAR n.º 03/2010 PROCEDIMENTO PARA A COLHEITA DE AMOSTRAS DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO (Substitui a Recomendação IRAR n.º 08/2005) Considerando que: O procedimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DA MORINGA OLEÍFERA NO TRATAMENTO DE ÁGUA

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DA MORINGA OLEÍFERA NO TRATAMENTO DE ÁGUA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DA MORINGA OLEÍFERA NO TRATAMENTO DE ÁGUA NUNES, Natália Andrade¹; NAGEL, Gustavo Willy¹; SILVA, Betina Suziellen Gomes da¹; COSTA, Mayla Talitta Vieira¹;

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DOS BEBEDOUROS DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE IPATINGA, MINAS GERAIS

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DOS BEBEDOUROS DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE IPATINGA, MINAS GERAIS QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DOS BEBEDOUROS DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE IPATINGA, MINAS GERAIS MICROBIOLOGICAL QUALITY OF WATER DRINKING FOUNTAINS OF A UNIVERSITY CAMPUS IN IPATINGA, MINAS GERAIS

Leia mais

QUALITY CONTROL SYSTEM IN PRODUCTION OF PURIFIED WATER OBTAINED BY REVERSE OSMOSIS IN PHARMACEUTICAL INDUSTRY

QUALITY CONTROL SYSTEM IN PRODUCTION OF PURIFIED WATER OBTAINED BY REVERSE OSMOSIS IN PHARMACEUTICAL INDUSTRY SaBios: Rev. Saúde e Biol., v.6, n.1, p.36-42, jan./abr., 2011 ISSN:1980-0002 CONTROLE DE QUALIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE ÁGUA PURIFICADA OBTIDA POR OSMOSE REVERSA EM INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Fabiely

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR

ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR VENANCIO, M. M 1.; FIORI, B. C 1.; DA SILVA, C. V 2. 1 Acadêmicas do Curso de Ciências Biológicas da Faculdade

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA DE ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE (MS), SEGUNDO A PORTARIA N 518

PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA DE ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE (MS), SEGUNDO A PORTARIA N 518 41 PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA DE ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE (MS), SEGUNDO A PORTARIA N 518 MICROBIOLOGICAL PARAMETERS OF WATER OF SCHOOLS OF THE RIO BRILHANTE CITY (MS), ACORDING TO

Leia mais

II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS

II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS Reginaldo Ramos (1) Químico pelo Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ/UFRJ).

Leia mais

RECURSOS OFERECIDOS POR FONTE 50% Ribeirão Pureza Ribeirão Pai João Córrego das Três Fontes Outros

RECURSOS OFERECIDOS POR FONTE 50% Ribeirão Pureza Ribeirão Pai João Córrego das Três Fontes Outros A água distribuída pelo SAAE de Itabira vem: Mananciais de superfície: Ribeirão da Pureza (ETA - Pureza) 55 % da cidade; Ribeirão Pai João (ETA Gatos) 25 % da cidade; Córrego das Três fontes (ETA Pará)

Leia mais

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO Soluções Concentradas para Hemodiálise ENQUADRAMENTO O INFARMED, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DE ILHA SOLTEIRA (SP)

QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DE ILHA SOLTEIRA (SP) QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DE ILHA SOLTEIRA (SP) RESUMO Sousa, R. L. (1) ; Petroni, T.F. (2) ; Zuque, M.A.S. (2) (1) Discente de Biomedicina, AEMS/Três Lagoas-MS; (2)

Leia mais

Avaliação da potencialidade do uso de ácido peracético e peróxido de hidrogênio na desinfecção de esgoto sanitário

Avaliação da potencialidade do uso de ácido peracético e peróxido de hidrogênio na desinfecção de esgoto sanitário Avaliação da potencialidade do uso de ácido peracético e peróxido de hidrogênio na desinfecção de esgoto sanitário Diani Fernanda da Silva, Unioeste, Email: diani.engambiental@gmail.com Carlos Magno de

Leia mais

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Curso de Líderes 2008 A importância da

Leia mais

ASSESSMENT SIMPLIFIED TREATMENT OF WATER TANK: SOLAR DISINFECTION (SODIS) FOR HUMAN CONSUMPTION

ASSESSMENT SIMPLIFIED TREATMENT OF WATER TANK: SOLAR DISINFECTION (SODIS) FOR HUMAN CONSUMPTION AVALIAÇÃO DE TRATAMENTO SIMPLIFICADO DA ÁGUA DE CISTERNA: DESINFECÇÃO SOLAR (SODIS) PARA CONSUMO HUMANO Lucio Alberto Pereira 1, Poliana Ferreira Vieira 2, Luiza Teixeira de Lima Brito 1, Carlos A.Tuão

Leia mais

Aulas práticas de Química Ambiental: Alguns Experimentos para a Determinação da Qualidade de Águas Superficiais

Aulas práticas de Química Ambiental: Alguns Experimentos para a Determinação da Qualidade de Águas Superficiais 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Aulas práticas de Química Ambiental: Alguns Experimentos para a Determinação da Qualidade de Águas Superficiais

Leia mais

SAÚDE E QUALIDADE DA ÁGUA: Análises Microbiológicas e Físico-Químicas em Águas Subterrâneas

SAÚDE E QUALIDADE DA ÁGUA: Análises Microbiológicas e Físico-Químicas em Águas Subterrâneas & SAÚDE E QUALIDADE DA ÁGUA: Análises Microbiológicas e Físico-Químicas em Águas Subterrâneas A r t i g o Renata de Souza Santos 1 Tainara Mohr 2 Resumo Este trabalho apresenta resultados obtidos a partir

Leia mais

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E DES. SUSTENTÁVEL CET-0303 QUÍMICA APLICADA PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

Qualidade da Água e Tratamento da Água

Qualidade da Água e Tratamento da Água Notas do Professor Qualidade da Água e Tratamento da Água Pergunta em foco Quais são os principais processos para o tratamento de água poluída? Ferramentas e materiais Seis garrafas de plástico transparentes

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO DE UM HOSPITAL DO INTERIOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO DE UM HOSPITAL DO INTERIOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL 59 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO DE UM HOSPITAL DO INTERIOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL MICROBIOLOGICAL ANALYSIS OF WATER SUPPLY FOR A HOSPITAL OF THE INTERIOR OF THE STATE OF MATO

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este MET tem como objetivo determinar os procedimentos para o ensaio Determinação do resíduo mineral fixo em amostras de leite e derivados lácteos. É aplicável para

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana

Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana Joice Andrade de Araújo joiceandrade_rj@hotmail.com ANA CLAUDIA SILVA DE ALMEIDA ana.almeida@foa.org.br BRUNO CHABOLI GAMBARATO bruno.gambarato@foa.org.br

Leia mais

Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável

Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável Renan Lopes Gomes, Ana Carolina Ferreira, Priscilla C. Zucco dos Santos 3, Otávio Augusto Martins,3, Renato C. F. Neves 2* Departamento

Leia mais

ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL.

ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL. ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL. Camilla Santos Almeida(*), Luana Gila Andrade, Nayara Gomes Cruz, Rafaella Santana Santos,

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA UTILIZADA PARA IRRIGAÇÃO, NO RIACHO DO CASCÃO, SALVADOR BA.

AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA UTILIZADA PARA IRRIGAÇÃO, NO RIACHO DO CASCÃO, SALVADOR BA. ISSN 1809-0362 AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA UTILIZADA PARA IRRIGAÇÃO, NO RIACHO DO CASCÃO, SALVADOR BA. Thiago Mariano de Almeida* Ricardo de Oliveira Barros* David

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS 7 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS Alice Monteiro de Carvalho (alicemonteiroc@gmail.com) 1 Jaqueline Silvana Moreira (jaquelinesmoreira@yahoo.com.br)

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS E ANÁLISE DA ÁGUA DE POÇOS DO ASSENTAMENTO GUARANY/ SANDOVALINA (SP).

RESÍDUOS SÓLIDOS E ANÁLISE DA ÁGUA DE POÇOS DO ASSENTAMENTO GUARANY/ SANDOVALINA (SP). Jean Farhat de Araújo da Silva João Furtado Barreto Gomyde, Matheus Guimarães Lima Graduandos em Geografia- FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente - SP Jeanshark87@hotmail.com gomydex@hotmail.com mgl.geopp@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DAS ÁGUAS ARMAZENADAS EM CISTERNAS NO SEMIÁRIDO CEARENSE: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR

ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DAS ÁGUAS ARMAZENADAS EM CISTERNAS NO SEMIÁRIDO CEARENSE: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DAS ÁGUAS ARMAZENADAS EM CISTERNAS NO SEMIÁRIDO CEARENSE: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR FRANCISCO BRUNO MONTE GOMES 1 JUREMA DE SOUZA COSTA 2 ANNA KELLY MOREIRA DA SILVA

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO 250 Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO Adriana Karla Tavares Batista Nunes Leal¹; Ronaldo Faustino da Silva²; Eduardo

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

BENEFICOS E MALEFICIOS NO TRATAMENTO DE ÁGUA DE REUSO NA UTILIZAÇÃO DO ABASTECIMENTO DE CALDEIRA E TORRES DE RESFRIAMENTO

BENEFICOS E MALEFICIOS NO TRATAMENTO DE ÁGUA DE REUSO NA UTILIZAÇÃO DO ABASTECIMENTO DE CALDEIRA E TORRES DE RESFRIAMENTO BENEFICOS E MALEFICIOS NO TRATAMENTO DE ÁGUA DE REUSO NA UTILIZAÇÃO DO ABASTECIMENTO DE CALDEIRA E TORRES DE RESFRIAMENTO Diego K. Kollet Orientador: Mariano Rodrigues RESUMO Muito se fala hoje no mundo

Leia mais

PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004

PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004 PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004 Estabelece as responsabilidades por parte de quem produz a água, a quem cabe o exercício do controle de qualidade da água e das autoridades sanitárias, a

Leia mais

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail. A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.com (1) Faculdade de Castanhal FCAT, Castanhal PA, Brasil. RESUMO A

Leia mais

Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis

Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis Gestão da Qualidade Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis Cláudia Silva Ferreira n.º 3294 - LEAL Objectivos Assegurar a qualidade da água para consumo humano

Leia mais

ANÁLISE DA PRESENCA DE ÍONS CAUSADORES DA DUREZA TOTAL DA ÁGUA DE UMA CIDADE LOCALIZADA NO ESTADO DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA VOLUMETRIA DE COMPLEXAÇÃO

ANÁLISE DA PRESENCA DE ÍONS CAUSADORES DA DUREZA TOTAL DA ÁGUA DE UMA CIDADE LOCALIZADA NO ESTADO DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA VOLUMETRIA DE COMPLEXAÇÃO ANÁLISE DA PRESENCA DE ÍONS CAUSADORES DA DUREZA TOTAL DA ÁGUA DE UMA CIDADE LOCALIZADA NO ESTADO DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA VOLUMETRIA DE COMPLEXAÇÃO João Lopes da SILVA NETO 1, Thayana Santiago Mendes

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. . AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. Miriam Cleide Cavalcante de Amorim, Eng. Química. Mestre em Eng. Química pela Universidade Federal

Leia mais