A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA"

Transcrição

1 TABELA DE S ANÁLISE DE ÁGUAS DESTINADAS A CONSUMO HUMANO ANÁLISE FÍSICA-QUÍMICA SUMÁRIA ANÁLISES POR GRUPO DE ENSAIO Q1 Condutividade, oxidabilidade, turvação, cor, ph, alcalinidade, dureza total, nitratos, nitritos, amónio, ferro, cloretos, sulfatos. 60 ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA Q2 Condutividade, oxidabilidade, ph, nitratos, nitritos, amónio, ferro, cloretos, sulfatos, fósforo total. 60 ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA CONTROLO R2 Q3 Condutividade, oxidabilidade, turvação, cor, ph, nitratos, nitritos, amónio, ferro, manganês 70 ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA CONTROLO R2 + ALUMÍNIO Q4 Condutividade, oxidabilidade, turvação, cor, ph, nitratos, nitritos, amónio, ferro, manganês, alumínio. 90 ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA CONTROLO DE INSPECÇÃO Q5 Boro, cádmio, cálcio, chumbo, cobre, crómio, dureza total, fluoretos, magnésio, níquel, cloretos, sódio, sulfatos. 137 ANÁLISE DO GRUPO P1 Q6 ph, condutividade, bactérias coliformes, Escherichia coli, Enterococos intestinais. 38 ANÁLISE DO GRUPO P2 Q7 Grupo P1 + n.º de colónias a 22ºC, nº de colónias a 37ºC, Clostridium perfringens, turvação, amónio, nitratos, nitritos, oxidabilidade, ferro, manganês. 100 ANÁLISE DO GRUPO P3 Q8 Grupo P1 + P2 + cádmio, crómio, cobre, chumbo, níquel, sódio e potássio. 330 ANÁLISE DE PARQUES AQUÁTICOS/PISCINAS TERAPÊUTICAS/PISCINAS DE HÓTEIS T1 Turvação, condutividade, oxidabilidade (água que abastece o tanque), oxidabilidade (tanque), microrganismos viáveis a 37ºC, coliformes totais, Escherichia coli, Enterococos fecais, Pseudomona aeruginosa, Estafilococos produtores de coagulase, nº total de Estafilococos. 70 Para análises de conjuntos de tanques abastecidos pela mesma rede, o custo será de 70 para o 1º tanque e 60 para os restantes. Pág. 1/5

2 ANÁLISES POR GRUPO DE ENSAIO ANÁLISE DE ÁGUAS DESTINADAS A CONSUMO HUMANO ANÁLISE BACTERIOLÓGICA B1 N.º de colónias a 22ºC, nº de colónias a 37ºC, bactérias coliformes, Escherichia coli, Enterococos intestinais, Clostridium perfringens. 31 ANÁLISE BACTERIOLÓGICA B2 Bactérias coliformes, Escherichia coli, Enterococos intestinais, Clostridium perfringens. 26 ANÁLISE BACTERIOLÓGICA - CONTROLO R1 B3 Bactérias coliformes, Escherichia coli. 15 ANÁLISE BACTERIOLÓGICA - CONTROLO R2 B4 N.º de colónias a 22ºC, nº de colónias a 37ºC, Clostridium perfringens. 19 ANÁLISE BACTERIOLÓGICA - CONTROLO R1 E R2 B5 N.º de colónias a 22ºC, nº de colónias a 37ºC, Bactérias coliformes, Escherichia coli, Clostridium perfringens. 25 ANÁLISE BACTERIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL NATURAL, DE NASCENTE OU DE ABASTECIMENTO ACONDICIONADA B6 Quantificação de microrganismos cultiváveis a 22ºC e a 37ºC, Escherichia coli e outras bactérias coliformes, Enterococos intestinais, Clostridios sulfito-redutores e Pseudomonas aeruginosa. 37 ANÁLISE BACTERIOLÓGICA DE ZONAS BALNEARES B7 Bactérias coliformes, coliformes fecais e/ou Escherichia coli e Enterococos intestinais. 38 B8 Escherichia coli, Enterococos intestinais (mét. miniaturizado-nmp) 3 25 ANÁLISE BACTERIOLÓGICA PARA PISCINA RECREATIVA B9 Quantificação de microrganismos cultiváveis a 37ºC, Escherichia coli ou coliformes fecais, coliformes totais, Enterococos intestinais, Estafilococos produtores e não produtores de coagulase e Pseudomonas aeruginosa. 38 ANÁLISE BACTERIOLÓGICA PARA HEMODIÁLISE B10 Quantificação de microrganismos cultiváveis a 22ºC e a 37ºC, pesquisa dirigida para microrganismos patogénicos. 40 Pág. 2/5

3 F1 ph, turvação, oxidabilidade, nitratos, nitritos, amónio, observação qualitativa de fitoplancton (obs em MO), clorofila a e feopigmentos (doseamento espectrofotométrico). 58 F2 F1 + fósforo 70 F3 F2 + alumínio 100 Pág. 3/5

4 FISICO-QUÍMICOS Alcalinidade (NP 421) 1, 2, 3* 7 Amónio ou Azoto Amoniacal (ISO ) 1*,2*,3* 10 Alumínio (SMEWW 3113-B) 3* 25 Boro (MI nº5) 3 20 Cádmio (SMEWW 3113-B) 3* 25 Cálcio (NP 506) 1,2,3 7 Chumbo (SMEWW 3113-B) 3* 25 Cloretos (NP 423) 2, 3* 7 Cloretos (SMEWW 4140 A, B) 1* 7 Cobre (SMEWW 3113-B) 3* 25 Condutividade (NP EN 27888) 1*, 2*, 3* 5 Cor (ISO 7887) 2, 3* 5 Crómio (SMEWW 3113-B) 3* 25 Dureza ou Dureza total (NP 424) 1*, 2*, 3* 7 Ferro ou Ferro total (NP 2202) 1*, 2*, 3* 10 Fluoretos (SMEWW 4140 A,B) 1* 20 Fluoretos (Rodier ) 3 20 Fósforo total (MI nº4) 3* 23 Magnésio (método de cálculo-inclui dureza e cálcio por método volumétrico) 1,2,3 15 Manganês (SMEWW 3113-B) 3* 25 Níquel (SMEWW 3113-B) 3* 25 Nitratos (NP 508) 2, 3 7 Nitratos (SMEWW NO3 B) 2*,3* 7 Nitratos (SMEWW 4140 A, B) 1* 7 Nitritos (NP EN 26777) 1*, 2*, 3* 10 Oxidabilidade (NP 731) 1*, 2*, 3* 15 ph (SMEWW H+) 1*, 2*, 3* 5 Potássio (SMEWW K, B) 1*, 2* 15 Sódio (SMEWW Na, B) 1*, 2* 15 Sólidos dissolvidos totais (SMEWW C) 2 16 Sólidos dissolvidos totais (LAE 3.4.1) 3 16 Sulfatos (SMEWW 4140 A, B) 1* 7 Sulfatos (Rodier 9.8.2) 2, 3* 7 Turvação (NP EN 27027) 1 3 Turvação (ISO 7027) 2*,3* 3 Pág. 4/5

5 BACTERIOLÓGICOS Quantificação de microrganismos cultiváveis a 22ºC e 36ºC (ISO 6222) 1,2,3 10 Clostridios sulfito-redutores (EN ) 1,2,3 13 Clostridium perfringens (HPA W5) 1,2 16 Clostridium perfringens (MI n.º3) 3 16 Coliformes totais e fecais ou Escherichia coli (MI n.º2) 1 15 Bactérias coliformes, coliformes fecais e/ou Escherichia coli (PT-E-M-002 (ISO )) 2 15 Bactérias coliformes, coliformes fecais e/ou Escherichia coli (MI n.º2) 3 15 Escherichia coli (método miniaturizado NMP) 3 16 Enterococos intestinais (ISO ) 1,2,3 13 Enterococos intestinais (método miniaturizado NMP) 3 16 Pseudomonas aeruginosa (HPA W6) 1 15 Pseudomonas aeruginosa (PT-E-M-005 (ISO 16266)) 2 15 Pseudomonas aeruginosa (MI nº6) 3 15 Estafilococos (NP 4343) 1,2,3 15 Pesquisa dirigida de microrganismos patogénicos (hemodiálise) 2,3 30 FITOPLÂNCTON E TOXICIDADE Observação qualitativa de fitoplancton (obs em MO) 1, 2, 3 15 Clorofila a e feopigmentos (doseamento espectrofotométrico) 1, 2, 3 15 Quantificação das microcistinas (Método de ELISA) Para os clientes externos em que existe uma proposta/contrato anual, com valor superior a 1000, o cliente beneficiará de um desconto de 10% NOTAS: 1) Método executado no LSP de Beja * Parâmetro acreditado 2) Método executado no LSP de Évora 3) Método executado no LSP de Portalegre Évora, 20 de Maio de 2009 O Conselho Directivo Pág. 5/5

mhtml:file://d:\documents%20and%20settings\jbrandao.insa\ambiente%20de%20...

mhtml:file://d:\documents%20and%20settings\jbrandao.insa\ambiente%20de%20... Página Web 1 de 7 Código 2.1 - ANÁLISE QUÍMICA 2.1.1 Análises por parâmetros Análises de Águas Designação Preço (Euros) Preparação e tratamento da amostra: 60001 - Filtração 5,00 60002 - Destilação 9,00

Leia mais

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados 1 Águas de consumo e Determinação de ph Potenciometria PTL/0036 (2009-04-24) 0 2 Determinação de Condutividade Conductimetria PTL/0037 (2009-04-24) 0 3 Determinação de Alcalinidade Volumetria com deteção

Leia mais

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO 1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO Nos quadros seguintes apresenta-se um resumo global dos resultados s para a água

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS - NORTE Os resultados das análises definidas para o

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO O controlo analítico da qualidade das Águas de Abastecimento, no Município de Arraiolos durante o período de Outubro a Dezembro de 2006, foi realizado pelos laboratórios

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS, BRETANHA E REMÉDIOS Os resultados das análises definidas

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0362-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0362-1 Accreditation Annex nr. Tel +351.212 948 21 Fax +351.212 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L362-1 A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 1725:25 Endereço Address

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0302-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0302-1 Accreditation Annex nº Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L32- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 20 Fax +35.22 948 202 Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0335-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0335-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L335- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0398-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0398-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L398- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0385-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0385-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L385- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Relatório de Ensaios Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo

Relatório de Ensaios Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo Relatório de s Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Bactérias coliformes (coliformes totais) 0 ufc/0ml 0 Método Interno (PTM 4) (2015-08-27) Escherichia coli 0 ufc/0ml 0 Método Interno (PTM 4) (2015-08-27)

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0284-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0284-1 Accreditation Annex nº Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L284- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Lista de ensaios sob acreditação flexível

Lista de ensaios sob acreditação flexível Nº Produto Parâmetro e Técnica Norma / Procedimento 1 Dispositivos médicos 2 Dispositivos médicos 3 Dispositivos médicos 4 5 6 7 8 Zaragatoas em superfícies associadas a zonas de risco Zaragatoas em superfícies

Leia mais

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados Acreditação Nº L Data:

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados Acreditação Nº L Data: Acreditação Nº L216-1 Data: 4-2-216 Águas 1 Águas naturais doces (superficiais, subterrâneas) de consumo e de processo Determinação da dureza. Complexometria NP 424:1966 2 e residuais Determinação da turvação.

Leia mais

1 Av. Rainha D. Amélia, Guarda, Tel / /

1 Av. Rainha D. Amélia, Guarda, Tel / / Preços das Análises do Laboratório de Saúde Pública da ULS da Guarda, EPE. - 2017 Parâmetros Microbiológicos - Águas - Quantificação de Microrganismos Cultiváveis a 22º C 5 - Quantificação de Microrganismos

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo Relatório de s Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Escherichia coli 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011) Bactérias coliformes (coliformes totais) 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011)

Leia mais

PG001A6 LISTA DE ENSAIOS SOB ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL INTERMÉDIA

PG001A6 LISTA DE ENSAIOS SOB ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL INTERMÉDIA Data de edição: Nº de páginas: 1/8 1 2 3 acrilamida e epicloridrina alcalinidade, dureza total, turvação, oxidabilidade, cor, condutividade elétrica, cloretos, ph, nitratos, fluoretos, sulfatos alumínio

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Folha: 01/05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IBRA INTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES QUIMICAS, FÍSICAS E BIOLÓGICAS LTDA AGRICULTURA E PECUÁRIA TECIDO VEGETAL Determinação do Boro pelo método Colorimétrico

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L (Ed.20 Data: )

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L (Ed.20 Data: ) Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L216-1 (Ed.2 Data: 3-11-216) Data: 19-12-216 Águas 1 Águas de consumo metais: alumínio, antimónio, arsénio, bário, berílio, boro, cádmio, cálcio, chumbo, cobalto,

Leia mais

PROCESSO E-07/202154/2001 QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA - 13/06/2014

PROCESSO E-07/202154/2001 QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA - 13/06/2014 Boletim de Serviço Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Isaura Maria Ferreira Frega Vice-Presidente

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L 2 16-1 (Ed. 19 Data: 3-6- 2 1 6) Data: 3-6-216 Águas 1 2 3 4 5 Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo metais: alumínio,

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

SISTEMA DA CONCEICAO

SISTEMA DA CONCEICAO PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2016 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: SISTEMA DA CONCEICAO Os resultados das análises definidas para

Leia mais

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 2015/04/23 Em cumprimento do disposto no Decreto-Lei 306/07, alterado pelo Decreto-Lei n.º 92/2010 de 26 de Julho, serve o presente edital para

Leia mais

PREÇOS A COBRAR POR SERVIÇOS PRESTADOS

PREÇOS A COBRAR POR SERVIÇOS PRESTADOS PREÇOS A COBRAR POR SERVIÇOS PRESTADOS DESCRIÇÃO Valor em Euros CAPÍTULO I - SERVIÇOS DIVERSOS 1 - Chamadas telefónicas - por impulso 0,13 2 - Fornecimento de Livro de Obra 11,47 3 - Fornecimento de Aviso

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL % N.º de Cumprimento superiores ao VP Valor mínimo Valor máximo do VP Agendadas Realizadas Escherichia coli - UFC/100 ml 0 0 0 0 100 6 6 100 Coliformes

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO ARSAE MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços não tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO

SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO Os resultados das análises definidas

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L32- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

SISTEMA DE SANTO ANTONIO

SISTEMA DE SANTO ANTONIO PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2015 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: SISTEMA DE SANTO ANTONIO Os resultados das análises definidas

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0271-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0271-1 Accreditation Annex nº A entidade a seguir indicada está acreditada como de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 1725:25 Endereço Address R. Coronel Júlio Veiga Simão - Loreto 32-53 Coimbra Contacto Contact Telefone Fax E-mail

Leia mais

TABELA DE CONSERVAÇÃO

TABELA DE CONSERVAÇÃO TBEL DE CONSERVÇÃO Página 1 de 8 Ensaio Matriz Frasco/Preservante Refrigeração líquota Prazo de Validade METIS METIS Metais (exceto Mercúrio e Boro),S - Plástico, vidro com HNO 3 S - Vidro, plástico sem

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Origem nº 1 Aspecto - limp. c/sed. Cheiro terroso terroso Cor - 85 Turvação 50 60 Sólidos suspensos totais 80 85 Condutividade 4 5 Oxidabilidade 8,5 10,0 Sulfatos 5,,5 Ferro 10 12 Manganésio 0,2 0,1 Coliformes

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015. Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

Avaliação da Qualidade da Água e do Ar de Piscinas

Avaliação da Qualidade da Água e do Ar de Piscinas ENCONTRO TÉCNICO A QUALIDADE DA ÁGUA EM PISCINAS E EQUIPAMENTOS AFINS EFEITOS NA SAÚDE Avaliação da Qualidade da Água e do Ar de Piscinas Componente laboratorial MARIA HELENA REBELO IPQ - 6 Maio de 2015

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO 2016 INFORMAÇÃO

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO 2016 INFORMAÇÃO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO 2016 INFORMAÇÃO 10 2016 Os parâmetros analisados no dia 03 e 17 de outubro, Controlo de Rotina 1, Controlo de Rotina 2 Controlo de Inspeção e Controlo

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo RECEBIDA NO LABORATÓRIO: Alumínio Absorção Molecular - ME-17 rev.08 de 200 29/02/2016 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 < 60 (LQ) µg/l Al 3,0x10^2 mg/l Cl- Colheita de amostras para análise de parâmetros

Leia mais

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo RECEBIDA NO LABORATÓRIO: Alumínio Absorção Molecular - ME-17 rev.07 de 200 17/11/2014 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 < 60 (LQ) µg/l Al 114 mg/l Cl- Colheita de amostras para análise de parâmetros

Leia mais

CIRCULAR nº 8/2009. 1. Política de acreditação para actividades de amostragem. Assunto: Acreditação de actividades de amostragem

CIRCULAR nº 8/2009. 1. Política de acreditação para actividades de amostragem. Assunto: Acreditação de actividades de amostragem PORTUGUESE ACCREDITATION INSTITUTE Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 20 Fax +35.22 948 202 acredita@ipac.pt www.ipac.pt CIRCULAR nº 8/2009 Assunto: Acreditação de actividades

Leia mais

Agroleico Açores. Boletim Definitivo 09:20 DO RÓTULO: Parâmetro Método de Análise Limite Lei a)

Agroleico Açores. Boletim Definitivo 09:20 DO RÓTULO: Parâmetro Método de Análise Limite Lei a) RECEBIDA NO LABORATÓRIO: DATA COLHEITA: Nitritos Absorção Molecular - NP 624:1972 0,5 < 0,02 (LQ) mg/l NO2 Ferro Absorção Molecular - NP 2202:1996 200 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 Alumínio Absorção

Leia mais

Missão da Unidade de Água e Solo (UAS)

Missão da Unidade de Água e Solo (UAS) Avaliação microbiológica da qualidade da Água IV Congresso Análises Clínicas e de Saúde Pública 2, 3 e 4 de Março de 2012 Cristina Pizarro / Carla Coelho Laboratório de Microbiologia Unidade de Água e

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO

MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO 2007 1) ZONAS DE ABASTECIMENTO a) ZONA DE ABASTECIMENTO DA VIGIA 2) CARACTERIZAÇÃO DAS ZONAS DE ABASTECIMENTO ZONA de Origem

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0297-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0297-1 Accreditation Annex nº PORTUGUESE ACCREDITATION INSTITUTE Rua António Gião, 2-5º 2829-513 CAPARICA Portugal Tel +351.212 948 201 Fax +351.212 948 202 acredita@ipac.pt www.ipac.pt Anexo Técnico de Acreditação Nº L0297-1 Accreditation

Leia mais

SERVIÇOS LABORATORIAIS. Artigo 102º - Análise microbiológica (individualizadas) 1. Bactérias totais 30,00. 2. Coliformes totais 70,00

SERVIÇOS LABORATORIAIS. Artigo 102º - Análise microbiológica (individualizadas) 1. Bactérias totais 30,00. 2. Coliformes totais 70,00 SERVIÇOS LABORATORIAIS Artigo 102º - Análise microbiológica (individualizadas) 1. Bactérias totais 30,00 2. Coliformes totais 70,00 3. Coliformes fecais 70,00 4. Pesquisa de E. Coli 180,00 5. Estreptococos

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nº A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 17025:2005 Endereço Address Contacto Contact Telefone Fax E-mail Internet Estação de Tratamento de

Leia mais

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Geóg. Rosângela Pacini Modesto Companhia Ambiental do Estado de Paulo (CETESB/SMA) Jul 2014 USOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Leia mais

http:// www.insa.pt _ consumo de água de nascentes naturais Um problema de saúde pública. _DSA Departamento de Saúde Ambiental 2010 _Nascentes Naturais 01 _Introdução A convicção, ainda hoje frequente

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO Antes de imprimir este documento, pense na sua responsabilidade e compromisso com o AMBIENTE. 1 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Art. 2º As empresas têm o prazo de 01 (um) ano a contar da data da publicação deste Regulamento para adequarem seus produtos.

Art. 2º As empresas têm o prazo de 01 (um) ano a contar da data da publicação deste Regulamento para adequarem seus produtos. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 274, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Folha: 1 de 12 Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento ALIMENTOS LÁCTEOS ENSAIO QUÍMICO Determinação de Ceftiofur e seus metabólitos expressos como Desfuroilceftiofur

Leia mais

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani Environmental Protection

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação de Cor Aparente - Espectrometria UV / VIS LQ: 2,5 PtCo/L Determinação de Aspecto - APPPEARANCE LQ: não se aplica Determinação de Turbidez por Turbidimetria LQ: 0,4 NTU Determinação

Leia mais

Serviço de Abastecimento de Água

Serviço de Abastecimento de Água Tarifas dos Serviços de AA, AR e RU Serviço de Abastecimento de Água Tarifas variáveis CONSUMOS DOMÉSTICOS: /m3 /30 dias 1º Escalão ( até 5 m 3 /mês)... 0,5130 2º Escalão ( > 5 a 15 m 3 /mês)... 1,1983

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L385- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 1º trimestre de 2010 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

Pretende o presente relatório dar a conhecer as actividades desenvolvidas pelo Laboratório Saúde Pública Pólo de Portalegre no ano de 2009.

Pretende o presente relatório dar a conhecer as actividades desenvolvidas pelo Laboratório Saúde Pública Pólo de Portalegre no ano de 2009. Relatório das actividades de 2009 Introdução Pretende o presente relatório dar a conhecer as actividades desenvolvidas pelo Laboratório Saúde Pública Pólo de Portalegre no ano de 2009. Na vertente analítica

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 67 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SFDK LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE S LTDA. MEIO AMBIENTE

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 4º trimestre de 2012 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

2012 CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA CONSUMO HUMANO

2012 CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA CONSUMO HUMANO 2012 CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA CONSUMO HUMANO SMAS GUARDA GGICQ / FEVEREIRO 2013 Mª Fátima Duarte No presente Relatório são apresentados os resultados do Plano de Controlo de Qualidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA. ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS,

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L385- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente,

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, DE Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marcus de Almeida Lima Diretor de Biodiversidade,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO QUALITEX ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA ÁGUA TRATADA, RESIDUAL, E ÁGUA Determinação

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATT01 202073/13-14-A Versão 03 Alumínio dissolvido 0,02 mg Al/L Espectrofotométrico / 20/08/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Condutividade 95,3 µs/cm Condutimétrico / SMEWW - 20/08/13

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO

PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO 2006 1) ZONAS DE ABASTECIMENTO a) ZONA DE ABASTECIMENTO DA VIGIA b) ZONA DE ABASTECIMENTO DA CADIEIRA 2) CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

第 107/2007 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示

第 107/2007 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示 1702 48 2007 11 26 科 目 種 類 學 分 1 " 1 " 1 " 1 " 1 " 1 " 1 " 1 " 1 Disciplinas Tipo Unidades de crédito Introdução ao Cantonês (II) Optativa 1 Língua Portuguesa (I)» 1 Língua Portuguesa (II)» 1 Língua Portuguesa

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece os preços dos serviços complementares a serem cobrados pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE,

Leia mais

DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece os preços dos serviços complementares a serem cobrados pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS ANO 2012

ORIENTAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS ANO 2012 ORIENTAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS ANO 2012 NOVEMBRO DE 2011 Piscina uma parte ou um conjunto de construções e instalações que inclua um ou mais tanques artificiais

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 71 MEIO AMBIENTE ENSAIOS BIOLÓGICOS ÁGUA BRUTA, ÁGUA TRATADA, ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO Determinação do Número Mais Provável (NMP) de Coliformes Totais, Coliformes Termotolerantes (Fecais) e

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Demanda Química de Oxigênio pelo método colorimétrico com refluxo fechado

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Demanda Química de Oxigênio pelo método colorimétrico com refluxo fechado ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BASF S.A. Laboratorio Central de Controle de Qualidade

Leia mais

Vigilância Sanitária em Piscinas

Vigilância Sanitária em Piscinas Vigilância Sanitária em Piscinas António Matos, Engº Sanitarista Departamento de Saúde Pública Administração Regional de Saúde Pública de Lisboa e Vale do Tejo, IP TEL 969071516 amatos@arslvt.min-saude.pt

Leia mais

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG - campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós-graduação Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 11 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ORTOFARMA LABORATÓRIO DE CONTROLE DA QUALIDADE ACREDITAÇÃO

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 8 SAÚDE HUMANA E ANIMAL ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de Metais Totais e Dissolvidos por espectrometria de emissão atômica em plasma de argônio indutivamente acoplado - ICP OES - geração de

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATU 44033/13-14-A Versão 02 Alumínio dissolvido 0,03 mg Al/L Espectrofotométrico / 03/07/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Clorofórmio 7,59 µg/l GC-MS/Headspace / EPA - 09/08/13

Leia mais

PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Eliane Rodríguez de Almeida Florio* Sabesp. Administradora de Empresas

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais