Narina B.A.Vasconcellos e Fausto W.Lima Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares-CNEN/SP Caixa Postal 11049(Pinheiros) São Paulo, SP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Narina B.A.Vasconcellos e Fausto W.Lima Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares-CNEN/SP Caixa Postal 11049(Pinheiros) 05499 - São Paulo, SP."

Transcrição

1 Narina B.A.Vasconcellos e Fausto W.Lima Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares-CNEN/SP Caixa Postal 11049(Pinheiros) São Paulo, SP. Em 1937 um conhecido perito europeu em arte, anunciou a descoberta de uma belíssima tela atribuída ao pintor holandês do século XVII, Jan Vermeer ( ). Essa tela tinha o tttulo de "Cristo e seus Discípulos em Emmaus" e ne cessitou restauração antes de sua apresentação oficial no Museu Bovamn, na H landa. 0 pintor Kan Van Meegeren ( ), não célebre, alias, e que teria descoberto a tela em questão, ganhou 280 mil dólares quando da venda do qua dro de Vermeer. Um químico belga, Paul G.Coresmands^, teimou em dizer que o quadro era falso, mas sendo apenas um químico sua opinião não foi levada em consideração. Van Meegeren continuou descobrindo telas de Vermeer e chegou a acumular, com isso, uma fortuna estimada em três milhões de dólares. Em 1945, logo após a guerra, Van Meegeren foi preso e processado como col borador fascista e, durante o processo, declarou, publicamente, que tinha sido o forjador de seis telas de Vermeer e que assim acumulara a fortuna que pojí suía. Um excelente e surpreso grupo de peritos em arte declarou ser Meegeren um mentiroso e que as telas, em particular o "Cristo e seus Discípulos em Emmaus eram legítimas obras de Vermeer. Em 1968 um radioquímico do Instituto Mellon, B.Keisdr ', examinou, confojr me será descrito logo abaixo, a tela controvertida e mostrou que ela não fora pintada na época de Vermeer, mas sim em tempos recentes. ",

2 Técnicas RadioquTmicas e Análise por Ativação... M.B.A.Vasconceilos, F.W.Lima. 0 trabalho de Keisch foi feito examinando o pigmento constituído pelo bran co de chumbo usado nas telas de Vermeer e o usado ras telas controvertidas e das quais Van Meegeren pretendia assumir a autoria. Ocorre que os minérios de chumbo, na natureza, contém pequenas quantidades de urânio. Esse urinio,/por desintegração radioativa, forma, entre outros isõ topos, o radio-226 e o chumbo-210 e as proporções desses dois radioisotopos são as correspondentes ãs quantidades encontradas quando do chamado equilíbrio secular. Tal equilíbrio, e as quantidades correspondentes, ocorre no chumbo do minério (ou no urânio que o acompanha) antes do minério ser tratado para produção industrial do chumbo. Ao se fazer o tratamento do minério, extraiji do-se o chumbo, a proporção ridio-226-chumbo-210, correspondente ao equilíbrio secular, é alterada e no correr dos anos a proporção vai continuamente se ai te rando até atingir, novamente, a existente quando o minério estava na crosta da terra. Dessa maneira um chumbo "novo", recém-tirado da natureza, apresenta uma proporção rãdio-226-chumbo-210 diferente da de um chumbo "velho", tal seja o produzido na época de Vermeer. Estudando tais proporções, em telas reais de Vermeer e nas telas controve tidas, Keisch mostrou que o branco de chumbo das telas controvertidas corres pondia a um chumbo recentemente obtido, ao passo que o branco de chumbo das telas reais de Vermeer correspondia ao de um chumbo antigo, cerca de 300 anos mais velho que o chumbo das telas que Van Meegeren dizia ser autor. 0 pobre Van Meegeren morreu em 1947 sem receber crédito, embora tivesse re cebido o dinheiro, por ter sido o pintor de "Cristo e Seus Discípulos em Emmaus". Nem todas as aplicações das técnicas nucleares ao estudo dos problemas de arte, em particular aos estudos correlacionados com falsificação de obras de arte, são tão espetaculares como o narrado. Entretanto, contribuições interes_ santíssimas têm sido prestadas pelos cientistas e pelas técnicas nucleares, em particular pela análise por ativação, a problemas de diversas natureza e não apenas aos relativos ã constatação de falsificação de obras de arte.

3 Técnicas Radioquímicas e Análise por Ativação... M.B.A.Vasconcellos, F.U.Lima Sendo o branco de chumbo (produto qutmico constituído por uma mistura de carbonato e hidróxido de chumbo) o principal componente de quase todos os pigmentos, a maioria dos trabalhos de análise por ativação aplicados a probu mas de arte centralizam-se ao redor do estudo da composição dos elementos-tra ços do branco de chumbo das telas em exame. Os denominados elementos-traços, isto i, elementos em pequenas proporções que acompanham o branco de chumbo, diferem segundo a procedincia e a época em que este branco de chumbo foi produzido e utilizado. Por exemplo, o branco de chumbo existente no mercado numa determinada época cronológica e numa determi nada zona geográfica de limites não muito amplos, poderá ter elementos-traços característicos daquela época e daquela zona geográfica, tais sejam, zinco ao nível de algumas partes por milhão, crômio, cobre, manganês etc. As quantida des desses elementos-traços, conforme dito, são ínfimas e não alteram as ca_ racterísticas de cor do branco de chumbo, mas constituem, quer as quantidades como a natureza dos elementos presentes, uma peculiaridade daquela partida de chumbo, peculiaridade essa que dependerá do minério de onde ele foi extraído e produzido. Numa outra época, 100 ou 150 anos mais tarde, o branco de chum bo utilizado como pigmento virá deoutra jazida de chumbo, com seus elementostraços sempre peculiares ã nova jazida e ao processo de fabricação do bra^ co de chumbo. A composição dos elementos-traços de dois pigmentos produzidos em épocas diferindo em cerca de 100 anos, determinada por meio da análise por ativação dos elementos-traços, será pronunciadamente diferente. Em havendo dis ponibilidade de alguma quantidade de pigmento cuja época e cuja origem sejam conhecidas, será mesmo possível dizer se o pigmento de uma tela em estudo foi ou não produzido na mesma época que o pigmento de origem e idade conhecidas. A importância da análise por ativação para tais trabalhos e que se trata de efetuar análises de quantidades ínfimas de elementos químicos, ao níve', de partes por mil hão,conforme dito. Além disso as peças que devem ser examinadas (um quadro valioso, uma estatua de grande valor), não podem ser mutiladas para obtenção de amostras para análises. Ou se terá que levar a análise a cabo por um método não destrutivo, usando e preservando a peça inteira, sem mutilá-la, ou remover apenas uma ínfima quantidade de material, de partes não importantes ou não visíveis, da peça.para isso pode-se raspar um pouco do pigmento em um

4 Técnicas RadioquTmicas e Analise por Ativação... 4 M.B.A.Vasconcellos, F.W.Lima canto de uma pintura, ou remover um pequeno fragmento de cerca de 2 por 2 milímetros da sola do pé de uma estátua, por exemplo, deixando a peça virtua^ mente inalterada. Os casos citados, isto é, análise de pequeníssimas quantida_ des removidas da peça, ou análise não destrutiva de partes da peça, sem remo ção das partes a serem analisadas, constituem técnicas possíveis de serem de senvoividas, em geral, com o método de análise por ativação. Exemplos mostra rão melhor o que se efctã explicando. Um estudo sobre o branco de chumbo de telas de pintores holandeses e fia mengos, estudo dirigido ã determinação dos elementos-traços por meio de anãij^ se por ativação, revelou os seguintes fatos : em meados do século XVII houve um decréscimo notável no conteúdo de crõmio nos pigmentos e em meados do sécu Io XIX um decréscimo semelhante foi constatado relativamente aos elementos prata, mercúrio e cobre. 0 branco de chumbo das décadas mais recentes do sécu Io XX, por outro lado, contém quantidades relativamente altas (sempre ao nível de partes por milhão) de zinco e de antimõnio. Com base nesses fatos foi mesmo estabelecida uma tabela cronológica, por Houtman e Turkstra* ' do "Reactor Instituut" de Delft, na Holanda, que pode ser utilizada como auxiliar no estudo de falsificações de obras dos velhos mestres de pintura. Os trabalhos mencionados relativos ã alteração dos elementos-traços no brani co de chumbo do século XVII, XIX e XX foram feitos por remoção de pequenas quantidades de pigmento do canto de quadros das épocas mencionadas e submeteji do-se esses pigmentos a irradiação, com neutrons, em um reator nuclear. Os el mentos-traços mencionados, a saber, crõmio, prata, mercúrio, cobre, zinco e antimõnio, entre outros, tornam-se radioativos epodem ser estudados por meio de suas emissões radioativas com equipamento de contagem adequado, o qual indj_ cará a natureza e a quantidade dos elementos-traços presentes nos pigmentos. Em outra investigação interessante, conduzida por Lux e colaboradores^ ' re lativamente ã idade e ã origem de quadros de pintores holandeses e flamengos dos séculos XVI e XVII (Rubens, termer, Hemessen, Janssens, Roymerswaele) e venezianos do século XVI (Ticiano, Tintoreto), foi empregada a análise por at vação com neutrons, como método analítico. Várias conclusões puderam ser tira das a partir do estudo da distribuição de elementos-traços no branco de chum bo. Em primeiro lugar, verificou-se que o conteúdo de manganês, prata e antj_ mõnio estava relacionado com a região geográfica em que um determinado quadro

5 Tenicas RadioquTmicas e Anilise por Ativação.., M.B.A.Vasconce11os, F.U.Lima. tinha sido pintado. Essa diferença na concentração das componentes-traços en contrados no branco de chumbo entre regiões ao sul dos Alpes e ao norte dos Alpes apareceu até en pinturas diferentes de um mesno artista. Assim, a análj^ se por ativação pode auxiliar a resolver a questão relativa a se um quadro foi pintado na Itália ou ao norte dos Alpes, o que i um problema várias vezes levantado na história da arte européia. Occonteúdo de prata e antimõnio, por outro lado, permitiu classificar o branco de chumbo em diversos tipos. Dessa forma, conseguiu-se pela primeira*vez, atribuir a distribuição de elementostraços num material de pintura como uma característica de um determinado pin tor. Assim i que, durante muito tempo, as pinturas de Fischer foram errônea mente atribuídas a Candicr '. Entretanto, no caso dos quadros de Candid, foi sempre encontrado branco de chumbo de um tipo apenas e o qual não foi encontra do em nenhum dos quadros de Fischer. 0 fato de que as pinturas de Fischer eram atribuídas a Candid já era conhecido pelos historiadores de arte e veio a ser confirmado pela análise por ativação. Uma outra técnica que tem alguma semelhança com a técnica de radiografia e que oferece possibilidades mu4to mais amplas, nesse campo,é a denominada aj; toradiografia por ativação com neutrons a qual é aplicada ao estudo estrutu ral de telas. Para se obter uma autoradiografia o objeto a ser examinado i irradiado com neutrons e em seguida põe-se o objeto em questão em contato com um filme foto gráfico ou chapas de filme para raios-x. As radiações emitidas pelos radioisõtopos formados impressionam o filme. Após o filme ter estado em contato com o material é então revelado de maneira usual. 0 aspecto da autoradiogra fia, isto é, do "desenho" registrado no filme, depende do tempo que decorre entre a irradiação e o instante em que o filme é exposto, pois os vários ele_ mentos radioativos formados têm meias-vidas diferentes e a radioatividade correspondente a alguns deles pode ter desaparecido antes do contato da peça com o filme, se o tempo que medeia entre o fim da irradiação e o contato fi'2 me-peça é muito grande. Como o cientista nuclear conhece as características nucleares dos vários radioisõtopos formados, isto é, as meias-vidas, a nature za das irradiações emitidas, o poder de penetração dessas radiações etc, podje rã tirar conclusões extremamente Interessantes quanto ã composição dos ele

6 Técnicas RadioquTmicas e Analise por Ativação... M.B.A.Vasconcellos, F.W.Lima. aentos-traços que acompanham o branco de chumbo e outros pigmentos da tela. AUTORAOIOGRAFIA A radiografia clássica, com raios-x, revela apenas a distribuição dos pi mentos, como o próprio branco de chumbo, enquanto que a autoradiografia de ir radiação con neutrons pode mostrar a distribuição de uma série de outros pi mentos. Embora as duas técnicas sejam muito semelhantes elas se complementam em vez de fornecer dados idênticos e devem por isso ser utilizadas juntas. As informações que se obtém sobre a distribuição dos pigmentos, a técnica de aplicação desses pigmentos e até seu estado físico (fluidez), são verdadeira mente surpreendentes, estimulando novos estudos sobre o assunto. Um dos estudos mais interessantes publicados a respeito foi o de Cotter e colaboradores* ', apresentado na Segunda Conferência Internacional sobre AplJ_ cações da Anãjise por Ativação ãs Ciências Forenses, realizada em setembro de 1972, em Glasgow. Nesse trabalho foram examinados vários quadros do pintor americano Ralph A. Blakeiock, cuja produção data do inicio do século XX. Após o desequilíbrio me tal, que o deixou inválido para o resto de sua vida, os quadros de Blakeiock começaram a ser muito valorizados, tendo sido um deles vendido, em leilão, por dólares. Surgiu, ao mesmo tempo, um grande número de falsificações, ao ponto de Blakelock passar a ser considerado como o pintor americano cujos qua_ dros foram mais falsificados. Sua filha, Marian Blakelock, que pintava em um estilo muito semelhante ao do pai, teve várias de suas assinaturas inescrupu_ losamente substituídas pela dele, por comerciantes desonestos de arte. Os quadros de Blakelock foram examinados por meio de auto-radiografia com neutrons, por Cotter e colaboradores, sendo as autoradiografias obtidas após diferentes tempos entre o instante da irradiação e o contato da tela irradiada com o filme fotográfico, isto é, em diferentes tempos de decaimento radioativo.

7 Técnicas RadioquTnicas e Análise por Ativação... N.B.A.Vasconceilos F.U.Lima. Os quadros de Blakelock, dos quais cinco eram autenticados por vários peri tos e dois eram de autenticidade duvidosa, foram assim estudados obtendo-se, de cada um deles» diversas autoradiografias, com vários tempos de decaimento, apôs o bombardeamento com neutrons. Foram submetidos ao mesmo processo de exa me obras de pintores contemporâneos de Ralph Blakelock, a saber, George Innes e Albert Ruder e um quadro reconhecido como de Marian Blakelock. A interpretação dos resultados obtidos foi feita em termos da cuidadosa ob senração visual de todos os detalhes das autoradiografias e da análise das ra diações gama emitidas pelos radioisõtopos formados a partir dos elementos pre sentes em cada quadro, analise essa que permite a identificação desses e1e_ mentos. Os dados necessários para essa análise foram colhidos por meio de de tectores de germinio-lttio, de alta resolução. Verificou-se então o aparecimento, nas autoradiografias, de uma serie de ca ractensticas connjns aos quadros de Blakelock e que não foram encontrados nos de outros pintores. Ecsas acaracterísticas referem-se ao modo como os pigmen tos foram espalhados sobre a tela, podendo-se imaginar até os instrumentos utj_ lizados para a obtenção de determinados efeitos. Por exemplo, nas autoradiogra fias de todos os quadros de Blakelock pode-se observar regiões de alta densj_ dade de tinta, que parecem estar divididas por listras claras que as através sam. Essas listras podem ter sido provocadas por um objeto pequeno e duro, tal como a ponta de madeira de um pincel. Em muitos casos, puderam ser correiacio^ nados com zonas luminosas dentro das árvores, isto ê, regiões em que o artista retratava quebras na continuidade da folhagem. Com raras exceções, as formas características que apareceram nas autoradit) grafias dos quadres de Blakelock não foram observadas nas autoradiografias dos quadros utilizados como comparação. Obviamente, nem todas essas caractertstj_ cas são observadas em todos os quadros de Blakelock, mas a observação de algu_ mas delas nas autoradiografias de um quadro supostamente atribuído a Blakelock daria maior crédito a esse fato. E claro que esse tipo de consideração a res_ peito de técnicas de pintura foi feita por peritos em arte, que trabalhavam em colaboração com os cientistas.

8 Técnicas Radioquuricas e Análise por Ativação... 8 M.B.A.Vasconcellos. F.W.LÍM A anilise por ativação dos elementos qutnicos contidos nos pigmentos não foi mito útil para esclarecimento do assunto, pois os quadros de Innes e Ryder apresentaram um grupo de elementos semelhantes ao dos quadros de Blakelock. A diferenciação foi então feita com base somente nas autoradiografias. 0 caso mais interessante foi o do quadro "Woman in Red", pintado num ^ Io semelhante ao de Blakelock e com a assinatura R.A.Blakelock no canto infe rior direito. A maioria dos dados autoradiogrâficos dessa pintura foram dife rentes dos obtidos para os cinco Blakelock examinados. A descoberta mais sur preendente, ainda, foi a de uma assinatura parcialmente raspada, no canto infe rior esquerdo e a qual se tornou visível por meio da técnica autoradiografica. Essa assinatura é composta de duas palavras relativamente longas, a primeira das quais começa com M e termina com n. A segunda palavra é ilegível. Suspei^ ta-se que seja a assinatura de Marian Blakelock. A autoradiografia de um otj tro quadro, autenticado como de Marian, mostrou que o M e o n eram muito seme lhantes aos que apareciam em "Woman in Red". Há poucos motivos para duvidar que "Woman in Red" seja uma pintura de Marian Blakelock, da qual sua assina^ tura foi raspada e substituída pela de seu pai, fato evidenciado pela técnica radioautogrãfica. A.JL9.!L -Q.LÍL(LL A. Uma das fases mais importantes, embora a menos romântica, de uma investiga^ ção arqueológica é a classificação dos artefatos colhidos nos sítios de esca_ vação. Essa classificação pode ser baseada nos materiais com que foram fabrj_ cados os objetos,na técnica de manufatura ou ainda na forma e uso que se atri_ bui a esses objetos. As subdivisões gerais de grupos de artefatos arqueológicos são usualmente feitas em termos dos materiais (por exemplo, argila, pedra, ossos, metal, ma_ deira). Com o auxílio de várias técnicas analíticas (químicas, petrológicas, etc.}* essas classificações gerais se aproximam mais da objetividade, o mesmo ocorrendo, em menor extensão, com as classificações baseadas na técnica origj_

9 Técnicas Radioquímicas e Análise por Ativação... 9 M.B.A.Vasconce11os, F.U.Liaa nal de manufatura. E nessas categorias que o arqueólogo depende mais dos tistas da natureza e de seus processos de análise. cien Com o propósito de tecer interpretações culturais relativas a um dado grupo de objetos, as classificações baseadas na forma e uso atribuído aos artefatos são mais interessantes, embora sejam usualmente mais subjetivas. A análise por ativação de fragmentos de cerâmica, encontradas em sítios de escavações arqueológicas mostrou, através da determinação da concentração de elementos-traços, a existincia de vários grupos relacionados composicionalmente, o que permitiu interpretações, na maioria das vezes, em termos de origens comuns dos objetos, evidenciando em alguns casos o comércio entre lugares dis tantes. Os "cacos" de cerâmica encontrados em escavações arqueológicas em dete minados sítios servem para vários propósitos. Auxiliam na datação dos sítios, refletem níveis culturais e econômicos nas áreas em que foram usados, elucidam a manufatura, comércio e distribuição. Um exemplo disto foi verificado com a descoberta, em 1935, de dois tipos diferentes, mas não identificados, de cera mica nas escavações em Jamestown, Virginia, nos Estados Unidos' '. 0 primeiro era um objeto feito de um material amarelo muito elaborado e o segundo uma cha_ leira grosseira, feita de uma pasta vermelha, bastante temperada com uma esp cie de cascalho. Por muito tempo não se descobriu nenhuma relação entre eles, mas, posteriormente, interpretando dados fornecidos pela análise por ativação dos elementos químicos constituintes, mostrou-se que eles tinham a mesma or[ gem e indicavam as atividades 1e um centro de fabricação de cerâmica do séciu Io XVII, na Inglaterra, de magr> tude não imaginada anteriormente. Os elementos químicos determinados nessa análise foram : escindio.lantânio, európio, cério, tório, crõmio, ferro e cobalto. Os fragmentos de cerâmica f ram analisados não destrutivãmente, por análise por ativação com neutrons e espectrometria de ralos-gama, utilizando detectores de estado solido de germâ nio-lítio. Estudaram-se paralelamente espécimes encontrados na América e na Inglaterra e, por meio de uma análise estatística de todos os dados obtidos,

10 Técnicas Radioquiaicas e Analise por Ativaçlo H.8.A.Vasconcellcs, F.M.Liaa. ostrou-se que os espécimes americanos era» de origem inglesa. Dos artefatos arqueológicos que têm sido objeto de estudo por meio de análise por ativação, as moedas antigas tin merecido grande atenção. Uma infi^ nidade de moedas gregas, romanas, gauiesas, japonesas, têm sido analisadas quanto ao seu conteúdo em prata, ouro e cobre, principalmente. A vantagem prin cipal da análise por ativação í, nesse caso, a não destruição das amostras, devido ao seu valor histórico. Outra vantagem da análise por ativação i a possibilidade de análise supejr fieiai do material bem como em profundidade. No caso de artefatos arqueologia cos ê geralmente mais interessante o estudo do interior do objeto, que tem maior probabilidade de permanecer inalterado, com o decorrer do tempo, do que o exterior do objeto. No entanto, em alguns casos, o interesse reside especifi^ camente em um produto de alteração superficial ou em uma cobertura aplicada ã superfície. Gibbons e Lawson* ' realizaram um interessante estudo em que analisaram moe_ das de prata romanas cunhadas entre os penodos de 27 A.C. (Augusto) a 275 A. D.(Aureliano). Como o sistema monetário romano era supostamente baseado na prata como padrão, as análises do conteúdo de prata na liga que constitui as moedas permitiriam acompanhar a desvalorização dessas moedas e avaliar o curso da inflação. Um outro trabalho interessante foi a análise por ativação do Mousford Gold Tore/ * ' um ornamento pré-histórico inglis, de ouro. Verificou-se ser a proporção de cobre presente bastante alta (cerca de 14%) o que leva a crer na adição proposital do metal, como liga. Seria esse então um dos casos mais ant^ gos de fabricação de uma liga metálica.

11 Técnicas RadioquTaicas e Análise por Ativação H.B:A.Vasconcellos, F.U.Liaa. Poderia parecer, em particular no que diz respeito ao estudo de objetos de arte, senão no caso de objetos de interesse arqueológico, ser inusitada a as_ soeiação da arte a U M técnica de análise. No entanto, e há bastante tempo, os laboratórios relacionados coa a conservação de obras artísticas já aplica* técnicas clássicas coao a radiografia, análises Microscópicas e outras, para estudar a estrutura interna de quadros, ben como os tipos de pigmentos utiliza dos pelos pintores. Ao redor de 1960 começaram a ser publicados os primeiros trabalhos, alguns dos quais examinados no presente artigo, em que a análise por ativação foi o instrumento primordial que permitiu, por meio dos exames das tintas utilizadas em pinturas antigas e modernas, obter-se conclusões in teressanttssimas sobre a origem, época e, em alguns casos, até sobre a autoria de quadros famosos. Conforme vimos a análise estrutural por ativação de qua dros inteiros, por meio da técnica de auto-radiografia,tornou exeqüível exames que revelaram a distribuição dos diversos pigmentos no quadro, permitindo-se estudar detalhes da técnica e do estilo de um determinado pintor. E óbvio que estudos dessa natureza, quer os de aplicação em arte como os de aplicação em arqueologia, só podem ser feitos com a colaboração intima entre o cientista nuclear e o perito de arte ou o arqueólogo. Por outro lado, sendo assunto de desenvolvimento relativamente novo, as técnicas analíticas não se encontram to das devidamente padronizadas e cada caso em particular, seja ele um problema de arqueologia ou um problema de arte, se constituirá em um trabalho de pesqui sa em si mesmo e não um trabalho rotineiro com resultados alcançáveis em meia dúzia de dias t oportuno lembrar que o Prêmio "George Von Hevesy" de 1983, concedido ai nualmente pelo "Journal of Radioanalytical and Nuclear Chemistry" a autores de trabalhos de pesquisa de alto valor no campo da Química Radioana1itica,foi concedido a Edward V.Sayre e Garman Harbottle' '. Sayre pertence ao i; staff" do "Museum of Fine Arts" de Boston e Harbottle ao Departamento de Química do "Brookhaven National Laboratory" de New York. O prêmio foi concedido pelo trabalho pioneiro dos dois cientistas no estu do de materiais arqueológicos e de obras de arte de grande valor, pelas técnj[ cas radioanalíticas.

12 Técnicas RadioquTaicas e Anil 1 se por Ativação... H.B.A.Vasconce11os» F.M.Liat. (1). P.6.Coresaands, Van Heegeren's Faked Veraeers and De Hooghs, Mewlenshoff, Aasterdaa, (2). B.Keisch, Dating Works of Art Through Their Natural Radioactivity, Science 160, (1968). (3). J.P.H.Houtman and J.Turkstra, Neutron Activation Analysis and its Possible Application for Age Determination of Paintings, Radiochenical Methods of Analysis, Proceedings, International Atomic Energy Agency, Vienna, (4). F.Lux, F.Brawnstein and R.Strauss, Investigation of the Age and Place of Origin of Painting, By Neutron Activation Analysis, Proceedings, Modern Trends in Activation Analysis. Gaithersburg, Maryland, U.S.A. 1968, p.216. (5). M.J.Cotter, P.Meyers, L.van Zeist and E.V.Sayre, Authentication of Paintings b> Ralph A.BIakeiock Through Neutron Activation Autoradiography, 2nd International Conference on Forensic Activation Analysis, Glasgow, 1972, paper n9 25. (6). D.Gibbons and D.Lawson, An Investigation of the Silver Content of Roman Coinage by Neutron Activation Analysis, MTAA, Gaithersburg, Maryland, U.S.A. 1968, p.226. (7). E.T.Hal 1 and G.Roberts, Analysis of the Mouisford Tore, Archaeometry 5, (1962). As iniciais MTAA serio usadas nas demais referências para indicar os "Proceedings" das Conferências "Modern Trends in Activation Analysis".

13 Técnicas RadioquTmicas e Análise por Ativação. M.B.A.Vasconcellos, F.W.Lima. Referências (8). C.F.C.Hawkes, Archaeological Significance of the Moulsford Tore Analysis, Archaeometry Ji, (1962). (9). J.S.Olin and E.V.Sayre, The Analysis of English and American Pottery of the American Colonial Period, MTAA, Gaithersburg, Maryland, U.S.A. 1968, p.246. (10). W.S.Lyon, "1983 Hevesy Medal Awarded tc Edward V.Sayre and Garman riarbottle", J.Radioanal.Nucl.Chem., Articles, 88/2, (1985).

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I 01. (Cftmg) O filme Homem de Ferro 2 retrata a jornada de Tony Stark para substituir o metal paládio, que faz parte do reator de seu peito, por

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Idade dos Metais. Mariana Antunes Vieira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons.

Idade dos Metais. Mariana Antunes Vieira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. Mariana Antunes Vieira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/ A Idade

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

Uma breve história da Química

Uma breve história da Química INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Uma breve história da Química Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 História da Química A história da química tem início há aproximadamente

Leia mais

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada ISSN 2178-4507 LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada Volume 09, Número 03 Agosto de 2005-1ª Edição Londrina - Paraná LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física

Leia mais

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01 2011 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2011 Belo Horizonte,MG, Brazil, October 24-28, 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-04-5 MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS

Leia mais

Espectro Eletromagnético (Parte III)

Espectro Eletromagnético (Parte III) Espectro Eletromagnético (Parte III) Nesta aula estudaremos os raios ultravioleta que são raios muito utilizados em câmaras de bronzeamento artificial, dos raios X que são essenciais para os diagnósticos

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

eoria Celular Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de:

eoria Celular Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de: 4 A Teor eoria Celular 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de: Mencionar os principais cientistas

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

GRAVURA. www.galeriadegravura.com.br. Compartilhe:

GRAVURA. www.galeriadegravura.com.br. Compartilhe: GRAVURA ÍNDICE 1 - Sobre Gravura 2 Xilogravura 3 Gravura em metal 4 Litogravura 5 Serigrafia 6 Fine Art / Giclée 7-8 Tiragem da gravura 9 História do Papel 10 Papéis de Gravura 11 Estúdio de Gravura GRAVURA

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

Breve história da Tabela Periódica

Breve história da Tabela Periódica Breve história da Tabela Periódica Apesar dos parcos conhecimentos de Química que cada um possa ter, com certeza que já ouviu falar da Tabela Periódica, uma disposição sistemática dos elementos químicos

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO http://www.administradores.com.br/artigos/ A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS),

Leia mais

UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO

UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA NÍVEL MESTRADO PROFISSIONAL RAMON MARQUES DE CARVALHO UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO PICOS

Leia mais

Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento?

Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento? Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento? Observação: o presente trabalho não revela a identidade do

Leia mais

Exames periciais de documentos e escrita manual

Exames periciais de documentos e escrita manual Rua do Campo Alegre, 817 4169-007 PORTO PORTUGAL Tel. 220402766/826/764 Fax 220402709 E-mail: lab.escritas@fc.up.pt - O Laboratório de Exame de Documentos e Escrita Manual (LEDEM) encontra-se integrado

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita.

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. A PRÉ-HISTÓRIA Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. PERÍODO PALEOLÍTICO OU IDADE DA PEDRA LASCADA No começo de sua trajetória, o homem usou sobretudo a pedra (além do

Leia mais

trata de um problema com a cor. Se você examinar cuidadosamente as 24 peças, verá que as quatro reconstruídas têm outro tipo de madeira.

trata de um problema com a cor. Se você examinar cuidadosamente as 24 peças, verá que as quatro reconstruídas têm outro tipo de madeira. js Isso aconteceu quando comecei a sentir necessidade de introduzir o espaço real. O Muro blanco, de 1952-53, por exemplo [17], que ainda é uma construção serial, pode ser associado a Rotación, de 1952.

Leia mais

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO)

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) Fichas de Prospecções No. 01 Ambiente: fachada do anexo Andar: térreo Data: Fevereiro de 2007 Elemento:

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO.

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO. APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO. TURMA 701 3º Bimestre Aula 13 Frottage ou Frottagem. A palavra Frottage vem do francês frotter, que significa esfregar. A técnica é bem simples, consiste em colocar

Leia mais

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito MODELOS ATÔMICOS 478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito - A matéria após sofrer várias subdivisões, chegaria a uma partícula indivisível a que chamaram de átomo. - ÁTOMO a = sem tomos = divisão - Esta

Leia mais

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN REVISTA DIGITAL Peter Behrens UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN Conheça a história de Peter Behrens e a sua importância na criação do conceito design 1 2 Trabalho feito pelos alunos de

Leia mais

PRINCIPAIS INFRAESTRUTURAS A VISITAR:

PRINCIPAIS INFRAESTRUTURAS A VISITAR: O Campus Tecnológico e Nuclear (CTN), em colaboração com a Ciência Viva, disponibilizará as suas infraestruturas para informação e divulgação da atividade de investigação científica e desenvolvimento tecnológico

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Observe as tabelas e responda à questão. CARVÃO ano Grã-Bretanha alemanha estados unidos 1871 117 29 42 1880 147 47 65 1890

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos.

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos. Impressionismo Questão 01 - Como os artistas realistas, que com a ciência haviam aprendido a utilizar determinados conhecimentos, os impressionistas se viram na necessidade de interpretar com maior vivacidade

Leia mais

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo:

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo: Quem é quem? Um investigador deve ter um conhecimento sólido não apenas das obras, mas também dos artistas. Lê as frases e identifica o pintor a quem se referem. 1. Foi ordenado cavaleiro da Ordem de Santiago.

Leia mais

CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR Empresas Nucleares Brasileiras SA UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DO RADIOCARBONO PARA DATAÇÃO ARQUEOLÓGICA Yvon Chausson NUCLEBRÃS/CDTN-546 CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR CAIXA POSTAL, 1941-30.000

Leia mais

A SANTA TÚNICA DE ARGENTEUIL ANALISADA POR UM CIENTISTA

A SANTA TÚNICA DE ARGENTEUIL ANALISADA POR UM CIENTISTA A SANTA TÚNICA DE ARGENTEUIL ANALISADA POR UM CIENTISTA Numa igreja de Argenteuil, cidade hoje absorvida pela grande Paris, venera-se uma túnica que, segundo tradição milenar da Igreja, foi tecida por

Leia mais

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Concurso Público para a Empreitada de Forte da Graça Obras de 1ª Intervenção Câmara Municipal de Elvas Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Não

Leia mais

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II 1 HISTÓRIA 6º ANO ENS. FUNDAMENTAL II PROFESSOR (A): SEBASTIÃO ABICEU NOME: Nº QUESTÃO 01: O que a História estuda? Responda com suas palavras. QUESTÃO 02: O que são fontes históricas? QUESTÃO 03: Dê exemplos

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Tempos Antigos. Barroco e o Rococó

Tempos Antigos. Barroco e o Rococó Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

Alexander Parkes. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Alexander Parkes. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode O

Leia mais

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com Vendas e Serviços Este artigo mostra porque a competição será vencida com vendas e serviços. Tradução: Odier Araujo por James Womack A indústria

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 6 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 6 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 6 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Existem vários modos de explicar as origens da humanidade. As imagens a seguir mostram duas formas bem distintas e conhecidas.

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais

Cores, para que te quero?

Cores, para que te quero? Cores, para que te quero? Maria Helena da Silva LEAL Resumo O trabalho foi desenvolvido na Escola Estadual Marilene T. Longhim, com 36 crianças da 2ª série do ensino fundamental, com idades entre 7 e 9

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

Simulado OBM Nível 2

Simulado OBM Nível 2 Simulado OBM Nível 2 Gabarito Comentado Questão 1. Quantos são os números inteiros x que satisfazem à inequação? a) 13 b) 26 c) 38 d) 39 e) 40 Entre 9 e 49 temos 39 números inteiros. Questão 2. Hoje é

Leia mais

Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos. Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC. Introdução

Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos. Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC. Introdução Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC Introdução Esta comunicação tem por objetivo relatar as diversas experiências na limpeza

Leia mais

ESTUDO DA TRANSMUTAÇÃO DE ALGUNS REJEITOS RADIOATIVOS UTILIZANDO AS EQUAÇÕES DE BATEMAN

ESTUDO DA TRANSMUTAÇÃO DE ALGUNS REJEITOS RADIOATIVOS UTILIZANDO AS EQUAÇÕES DE BATEMAN 9 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 9 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September7 to October, 9 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-994-3-8 ESTUDO DA TRANSMUTAÇÃO DE ALGUNS

Leia mais

Quem Foi Pablo Picasso?

Quem Foi Pablo Picasso? FICHA Nº3 Pablo PICASSO Quem Foi Pablo Picasso? Você está para conhecer como surgiram os desenhos, pinturas e esculturas de Picasso. Quem foi esse homem? Picasso era um homem baixinho, gordo e muito inteligente.

Leia mais

A Curva Normal Luiz Pasquali

A Curva Normal Luiz Pasquali Capítulo 3 A Curva Normal Luiz Pasquali 1 A História da Curva Normal A curva normal, também conhecida como a curva em forma de sino, tem uma história bastante longa e está ligada à história da descoberta

Leia mais

Um aparelho de observação de estrelas que lembra. A reconquista dos tesouros científicos. política c&t ACERVOS y

Um aparelho de observação de estrelas que lembra. A reconquista dos tesouros científicos. política c&t ACERVOS y política c&t ACERVOS y A reconquista dos tesouros científicos Equipes pequenas lutam contra o descaso das instituições para proteger objetos científicos antigos 1 Texto Carlos Fioravanti Fotos Eduardo

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES JOGO EURO RUN www.novas-notas-de-euro.eu A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES A Ana e o Alex são da mesma turma e amigos inseparáveis. Estão sempre a viver aventuras incríveis e hoje não é exceção.

Leia mais

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES JOGO EURO RUN www.novas-notas-de-euro.eu A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES - 2 - A Ana e o Alex são da mesma turma e amigos inseparáveis. Estão sempre a viver aventuras incríveis e hoje não é exceção.

Leia mais

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil Já imaginou como seria a vida sem usar o dinheiro? Estranho, não? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia, mas, como

Leia mais

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1 Rosa de Hiroshima Ney Matogrosso Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS EXERCÍCIOS Questão 01) O correto uso da tabela periódica permite determinar os elementos químicos a partir de algumas de suas características. Recorra a tabela periódica

Leia mais

Casa Realista. Como criar uma casa realista usando kits nacionais de ferromodelismo

Casa Realista. Como criar uma casa realista usando kits nacionais de ferromodelismo Como criar uma casa realista usando kits nacionais de ferromodelismo Modelismo é uma arte. Ferromodelismo é a expressão desta arte no fascínio dos trens. Henrique Cardella Desde meus primeiros momentos

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga Geraldo Ávila Qual é o mais distante: o Sol ou a Lua? Quais os tamanhos da Terra, Sol e Lua? A busca das respostas à essas perguntas intrigantes

Leia mais

Concurso Arte na Capa 2011

Concurso Arte na Capa 2011 Concurso Arte na Capa 2011 Roteiro de participação O Concurso Arte na Capa 2011 terá como atividade principal o exercício de releitura dos grandes movimentos artísticos, tendo como tema paisagens naturais

Leia mais

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica 13 2 Mercado Futuro Este capítulo tem como objetivo fazer um breve resumo sobre o Mercado Futuro, mostrando sua origem e evolução, importância e seus principais contratos. 2.1 Conceituação Básica Um contrato

Leia mais

Tudo começou em África

Tudo começou em África Tudo começou em África (Expresso: 25-04-1998) Análises do D A confirmam a origem africana da espécie humana, uma ideia já defendida no século passado por Charles Darwin e Thomas Henry. A nossa árvore genealógica

Leia mais

IBAPE XII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE /MG.

IBAPE XII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE /MG. IBAPE XII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE /MG. CASO DO MEIO FIO - COBERTURA DE SEGURO NEGADA Gilberto Arruda Mouren Engenheiro mecânico CREA-RJ 21.111-D

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que é um Banco Central?

Cadernos BC Série Educativa. O que é um Banco Central? Cadernos BC Série Educativa O que é um Banco Central? Cadernos BC Série Educativa O que é um Banco Central? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Se você olhar com atenção as cédulas que

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

R e g r a s b á s i c a s, d i c a s e t r u q u e s

R e g r a s b á s i c a s, d i c a s e t r u q u e s A espessura da parede Na impressão em 3D, a espessura da parede refere-se à distância entre uma superfície do modelo e a superfície oposta. A espessura da parede pode ser uma superfície sólida forte, ou

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador Pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 6º ano. TURMA 603 NOME: nº ARTE DA PRÉ-HISTÓRIA As primeiras manifestações artísticas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE REATORES

DEPARTAMENTO DE REATORES COMISSÃO NACIONAL OE ENERGIA NUCLEAR DEPARTAMENTO DE REATORES PRIMEIRA RECARGA DO COMBUSTÍVEL DE ANGRA I PLANO DE INSPEÇÕES/AUDITORIAS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO NOTA TÉCNICA DR-2 N2 01/85 PREPARADO POR:

Leia mais

II Congresso de Física Médica da UNICAMP

II Congresso de Física Médica da UNICAMP II Congresso de Física Médica da UNICAMP Atuação do físico médico em empresas de grande porte Ana Celia Sobreira Campinas, agosto de 2010 Becquerel Marie Curie Hevesy NOSSA EMPRESA REM Indústria e Comércio

Leia mais

LUZ E SOMBRA NA ARTE

LUZ E SOMBRA NA ARTE LUZ E SOMBRA NA ARTE A luz e a sombra são elementos fundamentais da linguagem visual. Com elas podemos criar no desenho, na pintura e escultura belíssimos efeitos como o de dilatação do espaço, o de profundidade

Leia mais

VERDADEIROS FALSOS CORRETA

VERDADEIROS FALSOS CORRETA Arte Pré-Histórica Questão 01 A religiosidade é um item de bastante relevância no estudo da arte na pré-história. Que alternativa abaixo marca CORRETAMENTE fatos que atestam esta realidade? a) ( ) As pinturas

Leia mais

Arte grega e romana. Principais características, sua importância hoje e vivência através da cerâmica.

Arte grega e romana. Principais características, sua importância hoje e vivência através da cerâmica. Relato de experiência educativa Arte grega e romana. Principais características, sua importância hoje e vivência através da cerâmica. Mariana Reis Renata Ribeiro Thaís Apolinário EEEFM Belmiro Teixeira

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana

Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana 1 LARANA Laboratório de Radioatividade Natural do Rio Grande do Norte da UFRN. Coordenador: Pr. Dr. Thomas Ferreira da Costa Campus* Contatos: www.larana.geologia.ufrn.br

Leia mais

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS Carta de Florença 1982 Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Dezembro de 2006 Pág. 2 de7 PREÂMBULO O ICOMOS-IFLA

Leia mais

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP 1 Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP Pré-requisitos Ter estudado e compeendido o conteúdo das páginas 5 até 23 do e-book Radiologia Industrial

Leia mais

Oficina: Trabalhando com o Material concreto: Escala Cuisenaire

Oficina: Trabalhando com o Material concreto: Escala Cuisenaire Oficina: Trabalhando com o Material concreto: Escala Cuisenaire Um bom ensino da Matemática, forma melhores hábitos de pensamento e habilita o indivíduo a usar melhor a sua inteligência (Irene de Albuquerque)

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

Priscilla Moulin.. Projeto Integrador II Profª. Silvia Schnaider

Priscilla Moulin.. Projeto Integrador II Profª. Silvia Schnaider Priscilla Moulin. Projeto Integrador II Profª. Silvia Schnaider Introdução Todo projeto tem início em pesquisa. Toda pesquisa tem sua metodologia. Ao longo do curso, foram estudados métodos de pesquisa

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais