ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN"

Transcrição

1 CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada a internação de pacientes graves que necessitam de cuidados contínuos, assistência de profissionais especializados, recursos e tecnologias específicas adequadas para um diagnóstico e terapia assistencial, visando a sobrevida com qualidade desses indivíduos (BRASIL, 1998). A UTI é caracterizada como sendo um ambiente de elevada tensão o que gera sobrecarga física e mental aos membros da equipe de enfermagem, por prestarem atendimento a pacientes sujeitos a alterações hemodinâmicas bruscas e risco eminente de morte que necessitam de tomada de decisões imediata. Essas ações exigem dos profissionais de enfermagem elevada carga de trabalho, remetendo assim para a necessidade de um gerenciamento de enfermagem que aborde essas especificidades no planejamento da assistência, bem como a gravidade do paciente, para dessa forma poder adequar o quadro de funcionários (VERSA, 2008). A necessidade de caracterizar a demanda de trabalho de enfermagem em UTI considerando o quantitativo de pessoal que assegure qualidade na assistência e adequada relação custo-benefício da assistência, tem sido uma das preocupações constantes dos gestores. Uma vez que, a necessidade crescente de diminuir custos e aumentar a oferta de serviços, na área de saúde, coloca em questão o quadro de pessoal de enfermagem, que representa o maior quantitativo e maior custo na unidade (QUEIJO, 2008; FUGULIN; 2002). A utilização de uma metodologia de dimensionamento é um importante instrumento gerencial, pois com a análise dos dados sobre as condições dos pacientes pode-se tomar decisões mais acertadas sobre a distribuição dos recursos humanos, considerando que um correto dimensionamento traduz numa maior satisfação dos profissionais de enfermagem que 1 Aluna do 5º ano do Curso de Enfermagem da Unioeste, Campus de Cascavel. Rua: Chavantes, 1643 Santa Cruz. Fone: (45) E-mal:

2 refletirá na qualidade da assistência, produtividade e processo orçamentário (NICOLA; ANSELMI, 2005). Diante disso, o Conselho Federal de Enfermagem (COFEN, 2004), órgão que regulamenta o exercício dos profissionais de enfermagem, estabeleceu por meio da Resolução 293/2004 critérios para dimensionar o quantitativo mínimo de profissionais de enfermagem para a cobertura assistencial nas instituições de saúde. E para isso recomenda a utilização de um instrumento que classifique o tempo de assistência conforme as necessidades do paciente. O instrumento utilizado para o desenvolvimento deste estudo foi o Therapeutic Intervention Scoring System-28 (TISS- 28), proposto inicialmente por Cullen e seus colaboradores em 1974, a princípio com duplo objetivo, de mensurar a gravidade dos pacientes e calcular a correspondente carga de trabalho de enfermagem na UTI, com base no tipo e quantidade de intervenções terapêuticas recebidas. Este instrumento apresenta 28 intervenções que recebem pontuações de um a oito, podendo obter um somatório total variando de 1 a 78 pontos, que permite determinar a carga de trabalho de enfermagem da seguinte forma: a cada ponto do TISS-28 equivale a 10,6 minutos do tempo de trabalho de um profissional de enfermagem em um turno de trabalho na unidade (QUEIJO; PADILHA, 2009). Este estudo mostra a caracterização dos pacientes da UTI geral adulto do Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), situado na cidade de Cascavel- PR, bem como a carga de trabalho dos profissionais de enfermagem medida pelo instrumento TISS-28. Os resultados apresentados a partir da análise dos dados oferecem informações necessárias para o dimensionamento dos recursos humanos de enfermagem a fim de atender as necessidades assistenciais dos pacientes da unidade, bem como, a distribuição adequada dos profissionais evitando assim sobrecarga de trabalho e desperdício de recursos. OBJETIVO: Identificar a carga de trabalho dos profissionais da equipe de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Geral Adulto de acordo com os parâmetros presentes no TISS-28 e de acordo com sexo, faixa etária e diagnóstico dos pacientes. METODOLOGIA: Para o alcance do objetivo proposto, foi realizado um estudo descritivo e documental de natureza quantitativa. O local eleito para a coleta de dados foi a UTI-Geral Adulto do HUOP. A UTI Geral, conta com nove leitos destinados a atender pacientes adultos. A equipe de enfermagem, no período da coleta de dados, era constituída por seis enfermeiros, 21 técnicos de enfermagem e 18 auxiliares de enfermagem distribuídos nos três turnos diários de trabalho com seis horas no período matutino e vespertino e doze horas no período noturno. A população alvo deste estudo foram pacientes internados na unidade que apresentavam o

3 instrumento TISS-28 preenchido e completo, no período de julho a dezembro de 2008, com idade igual a superior a 14 anos. Os pacientes foram classificados de acordo com três diagnósticos: trauma, clínico e cirúrgico; e conforme a faixa etária: adolescentes, com idade de 14 a 19 anos; adulto jovem, com faixa etária 20 a 40 anos; adulto, com 41 a 59 anos e por fim, idoso, com idade superior a 60 anos. A amostra deste estudo foi composta por 132 prontuários. Os dados foram coletados do livro de registro da unidade UTI-Geral, o qual continha informações como: dia de internamento, desfecho, número de prontuário, data de admissão e da alta. No segundo momento foram utilizados os prontuários dos pacientes, localizados no SAME (Serviço de Atendimento Médico e Estatística) para completar as informações referentes ao desfecho, idade e diagnóstico. Para identificar a carga de trabalho, os dados foram coletados do instrumento TISS-28 que era preenchido diariamente pelo enfermeiro da unidade. RESULTADOS: A respeito da caracterização dos pacientes conforme diagnósticos, do total de 132 pacientes, 50 (38%) destes tiveram como diagnóstico trauma, 45 (34%) indivíduos com diagnóstico cirúrgico e por fim 28%, isto é 37 pacientes foram admitido na unidade devido ao diagnóstico clínico. Em relação ao sexo 67% eram do sexo masculino. Os pacientes que compuseram a amostra apresentaram uma média de idade de 43 anos, com uma variação entre 15 a 86 anos. Verificou-se que a maioria dos pacientes hospitalizados na UTI-Geral estão classificados como adulto jovem, isto é, com idade de 20 a 40 anos com 35%, seguido por pacientes adultos 28%, com a faixa etária de 41 a 59 anos; 24% dos pacientes classificados como idosos com idade acima de 60 anos e por fim em menor número os adolescentes de 14 a 19 anos que obtiveram um percentual de 13%. Sobre o desfecho desses indivíduos, 77% (102) dos pacientes que foram admitidos na UTI-Geral receberam alta. Já 23% (30) dos pacientes admitidos na unidade foram a óbito, destes 70% (21) eram do sexo masculino. Sendo a taxa de mortalidade maior no diagnóstico clínico. Sobre a carga de trabalho dos indivíduos que ingressaram na UTI Geral, com base no instrumento TISS-28, o diagnóstico de trauma apresentou o TISS Inicial, que é a quantidade de intervenções terapêuticas realizadas no internamento do paciente na unidade foi de 51 pontos para o grupo etário adulto do sexo feminino e com diagnóstico clínico, enquanto que no diagnóstico cirúrgico o grupo etário adolescente do sexo masculino obteve um escorre de 38, e por fim para o diagnóstico cirúrgico o grupo etário adolescente do sexo feminino com 44 pontos, sendo todos esses grupos classificado em classe III pacientes graves e instáveis hemodinamicamente (ELIAS, et al., 2006); e de acordo com a Resolução do COFEN

4 293/2004 esses grupos etários requer assistência intermediária, pois a pontuação ficou em média de 6,0 horas diária. Sobre a pontuação do TISS Médio, pontuação aproximada que estes indivíduos apresentaram em relação às intervenções e cuidados requeridos durante a internação, levando em consideração o desvio padrão (DP), o diagnóstico trauma variou de 25,82 (DP=4,4) do grupo etário adulto jovem feminino a 34,47 (DP=1,69) idoso do sexo feminino; já para o diagnóstico cirúrgico, o grupo etário que foi admitido na unidade com maior escorre foi adulto masculino com o escorre 27,46 (DP=4,88), seguido de adolescente masculino 26,38 (DP=9,04), adulto jovem feminino de 26,11 (DP=6,5) e masculino com 25,84 (DP=6,4); por fim do diagnóstico cirúrgico o grupo etário adolescente feminino apresentou pontuação de 35,6, adulto masculino 33,11 (DP=9,31) e idoso do mesmo sexo 33,11 (DP=7,61). Finalmente sobre o TISS Final, que é o último escorre apresentado pelo paciente, na circunstância tanto de alta da unidade quanto a óbito, sobre o diagnóstico trauma, o maior e o menor escorre apresentado pelos indivíduos alvo deste estudo foi 30 (DP=10,82) para o idoso do sexo masculino e 20 (DP=5,3) para adulto do sexo masculino e 20 (DP=4,53) adulto jovem do sexo feminino. Para o diagnóstico cirúrgico, os três maiores escorres foram do grupo etário adulto masculino com 25 (DP=7,31), adulto jovem feminino 21,4 (DP=7,7) e idoso feminino apresentando pontuação de 21 (DP=7,48). E por fim, do diagnóstico clínico, adulto do sexo masculino 30,12 (DP=9,86) e idoso do sexo masculino 30,12 (DP=9,09), estes dois grupos apresentaram um escorre final iguais, no entanto com desvio padrão diferentes, ainda, masculino foi de 23 (DP=1,41); idoso do sexo feminino 21,4 (DP=9,09). CONSIDERAÇÕES FINAIS: O desenvolvimento avançado dos recursos terapêuticos e a necessidade de pessoal especializado para o cuidado ao paciente crítico têm gerado alto consumo dos recursos hospitalares, trazendo como conseqüência, a necessidade cada vez maior de avaliar o desempenho das UTIs. É nesse contexto que os instrumentos de medida de gravidade e de demanda de trabalho de enfermagem surgem como recursos assistenciais e gerenciais voltados à classificação de pacientes e auxílio na adequação dos recursos no âmbito da assistência intensiva na UTI. No entanto, apesar das contribuições que podem proporcionar, apenas o uso adequado dos resultados obtidos é que confirmarão sua real importância. Para isso, devem ser analisados à importância da qualidade da assistência que se tem como meta e dos preceitos éticos inerentes ao cuidado ao paciente grave internado na UTI. Diante ao exposto, a aplicação do TISS-28 ajustado às recomendações da Resolução COFEN n. 293/2004 pode contribuir para o dimensionamento adequado de trabalhadores de

5 enfermagem na UTI e favorecer as condições de trabalho para o alcance de uma assistência de enfermagem de qualidade e segurança. Este estudo buscou caracterizar os indivíduos admitidos na UTI-Geral do referido hospital, a fim de verificar qual a carga de trabalho dos profissionais de enfermagem de acordo com as intervenções terapêuticas realizadas e os cuidados que estas demandam, de acordo com o diagnóstico trauma, clínico e cirúrgico, conforme a idade, classificadas em adolescente, adulto jovem, adulto e idosos. Em relação a carga de trabalho, pela pontuação média do TISS- 28, a faixa etária adulto masculino com diagnóstico clínico apresentou a maior pontuação 33,11 o que representa 5,8 horas de enfermagem, segundo a Resolução COFEN 293/2004. Já para o sexo feminino encontramos o grupo etário adolescente com pontuação média do TISS-28 com 35,6, o que equivale a 6,3 horas de enfermagem, segundo a referida resolução, logo enquadrando-se na assistência intermediária. Esses dados apresentam alterações significativas quando consideramos o TISS inicial ou o final e consequentemente as horas de assistência de enfermagem também acompanha essas alterações. Para finalizar, consideramos que os dados apresentados neste estudo, podem subsidiar os enfermeiros da unidade para desencadear o processo de dimensionamento dos profissionais de enfermagem necessários para prover a assistência que garantam a segurança dos pacientes e dos trabalhadores de enfermagem. PALAVRA-CHAVES: Unidade de Terapia Intensiva; carga de trabalho; dimensionamento de pessoal; recursos humanos; cuidados de enfermagem. REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 466, 4 de junho de Regulamento técnico para funcionamento dos serviços de tratamento intensivo. Brasília, DF,1998. COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 293/2004. Fixa e estabelece parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nas unidades assistenciais das instituições de saúde e assemelhados. Disponível em: Acesso em: jul ELIAS, A.C.G.P. et al. Aplicação do sistema de pontuação de intervenções terapêuticas (TISS 28) em unidade de terapia intensiva para avaliação da gravidade do paciente. Rev Latino-am Enfermagem. v. 14, n. 3, p , FUGULIN, F.M.T. Dimensionamento de pessoal de enfermagem: avaliação do quadro de pessoal das unidades de internação de um hospital de ensino. [tese doutorado]. [online]. São Paulo: Escola de Enfermagem da USP; 2002.

6 NICOLA, A.L.; ANSELMI, M.L. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital universitário. Rev Bras Enferm. v.58, n. 2, p QUEIJO, AF. Estudo comparativo da carga de trabalho de enfermagem em unidade de Terapia Intensiva Geral e Especializada, segundo o Nursing Activities Score (NAS) Doutorado (tese). São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo. QUEIJO, A. F.; PADILHA, K. G. Nursing Activities Score (NAS): adaptação transcultural e validação para a língua portuguesa. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2009, vol.43, n.spe, pp VERSA, G.L.S. Dimensionamento de pessoal de enfermagem para assistir o paciente com traumatismo crânio-encefálico na unidade de terapia intensiva Monografia (Especialização). Cascavel-PR, UNIOESTE.

Análise da demanda de assistência de enfermagem aos pacientes internados em uma unidade de Clinica Médica

Análise da demanda de assistência de enfermagem aos pacientes internados em uma unidade de Clinica Médica Análise da demanda de assistência de enfermagem aos pacientes internados em uma unidade de Clinica Médica Aluana Moraes 1 Halana Batistel Barbosa 1 Terezinha Campos 1 Anair Lazzari Nicola 2 Resumo: Objetivo:

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA Paulo César Gottardo 1, Ana Quézia Peixinho Maia¹, Igor Mendonça do Nascimento

Leia mais

Dimensionamento de pessoal de enfermagem de uma unidade neonatal: utilização do Nursing Activities Score

Dimensionamento de pessoal de enfermagem de uma unidade neonatal: utilização do Nursing Activities Score Rev. Latino-Am. Enfermagem 21(1):[08 telas] jan.-fev. 2013 Artigo Original Dimensionamento de pessoal de enfermagem de uma unidade neonatal: utilização do Nursing Activities Score Bruna Kosar Nunes 1 Edi

Leia mais

NURSING ACTIVIES SCORE (NAS) X ESCORE DE BRADEN EM PACIENTES COM ULCERA POR PRESSÃO

NURSING ACTIVIES SCORE (NAS) X ESCORE DE BRADEN EM PACIENTES COM ULCERA POR PRESSÃO NURSING ACTIVIES SCORE (NAS) X ESCORE DE BRADEN EM PACIENTES COM ULCERA POR PRESSÃO Daniela de Oliveira Cardozo Carmen Maria Lazzari Carolina Duarte da Silva Carolina Maltz Claudia Severgnini Eugenio Daiana

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 1. CONCEITO O Sistema de Classificação de Pacientes segundo a Escala de FUGULIN consiste no agrupamento de pacientes de acordo com o grau de dependência da equipe de enfermagem, observando o perfil de

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM

DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM Profª Drª Ana Maria Laus analaus@eerp.usp.br DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM É a etapa inicial do provimento de pessoal, que tem por finalidade a previsão

Leia mais

ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. Gestão de Processos e Equipes de Trabalho Aula 1. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. Gestão de Processos e Equipes de Trabalho Aula 1. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM Gestão de Processos e Equipes de Trabalho Aula 1 Profª. Tatiane da Silva Campos RESOLUÇÃO COFEN Nº 0527/2016 Gestão de Processos e Equipes de Trabalho Atualiza e

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN Nº 0527/2016. Anexo I. Conceitos e metodologia de cálculo de pessoal de enfermagem

RESOLUÇÃO COFEN Nº 0527/2016. Anexo I. Conceitos e metodologia de cálculo de pessoal de enfermagem RESOLUÇÃO COFEN Nº 0527/2016 Anexo I Conceitos e metodologia de cálculo de pessoal de enfermagem I UNIDADE DE INTERNAÇÃO 1 Unidade de internação (UI): local com infraestrutura adequada para a permanência

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN N 0543/2017. Anexo I. Conceitos e metodologia de cálculo de pessoal de enfermagem

RESOLUÇÃO COFEN N 0543/2017. Anexo I. Conceitos e metodologia de cálculo de pessoal de enfermagem RESOLUÇÃO COFEN N 0543/2017 Anexo I Conceitos e metodologia de cálculo de pessoal de enfermagem I UNIDADE DE INTERNAÇÃO 1 Unidade de internação (UI): local com infraestrutura adequada para a permanência

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 12 de dezembro 2018 Rosemeire Keiko Hangai INDICADORES ASSISTENCIAIS e GERENCIAIS DE

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 13 de dezembro 2017 Rosemeire Keiko Hangai INDICADORES ASSISTENCIAIS e GERENCIAIS DE

Leia mais

O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO 1 O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Aluana Moraes 1 Ana Cristina Casarolli Geis 2 Thaís Eberhardt 3 Daisy Cristina Rodrigues 4 Lili Marlene Hofstatter

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 Fixa e Estabelece Parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde Legislação Rápida O Conselho Federal

Leia mais

A PRÁTICA DO DIMENSIONAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL PÚBLICO FEDERAL DE ENSINO, EM CUIABÁ MT 1

A PRÁTICA DO DIMENSIONAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL PÚBLICO FEDERAL DE ENSINO, EM CUIABÁ MT 1 A PRÁTICA DO DIMENSIONAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL PÚBLICO FEDERAL DE ENSINO, EM CUIABÁ MT 1 Túlio César Monteiro de Mattos 2 Antônio César Ribeiro 3 O trabalho da enfermagem

Leia mais

Projeto Acolhimento ao Cuidador do Paciente Dependente em Unidade de Internação

Projeto Acolhimento ao Cuidador do Paciente Dependente em Unidade de Internação Projeto Acolhimento ao Cuidador do Paciente Dependente em Unidade de Internação Projeto - Acolhimento ao Cuidador do Paciente Dependente Proposta do acolhimento... Humanização Qualificação dos serviços

Leia mais

Palavras-chave: Enfermagem; Segurança do Paciente; Enfermagem em Emergência.

Palavras-chave: Enfermagem; Segurança do Paciente; Enfermagem em Emergência. APRENDIZADO ORGANIZACIONAL: MELHORIA CONTÍNUA NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE RESUMO 1 Ketelin Machado 2 Laísa Schuh 1 Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Cachoeira do Sul, RS, Brasil E-mail: rosaketelin@gmail.com

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS COLABORADORES DE ENFERMAGEM E LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE

CARACTERIZAÇÃO DOS COLABORADORES DE ENFERMAGEM E LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 000-00-00000-00-0 CARACTERIZAÇÃO DOS COLABORADORES DE ENFERMAGEM E LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE Mariana de Ângelo Almeida 1 ; Laís da Silva Luca

Leia mais

A DIMENSÃO QUALITATIVA E O DIMENSIONAMENTO QUANTITATIVO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE DO CUIDADO/CONFORTO DA UTI.

A DIMENSÃO QUALITATIVA E O DIMENSIONAMENTO QUANTITATIVO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE DO CUIDADO/CONFORTO DA UTI. 7660 Trabalho 2717-1/5 A DIMENSÃO QUALITATIVA E O DIMENSIONAMENTO QUANTITATIVO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE DO CUIDADO/CONFORTO DA UTI. OLIVEIRA, FABRÍCIO 1 ; RÊGO, MARGARETHE MARIA SANTIAGO 2 Introdução.

Leia mais

Sistema de Classificação de Pacientes: identificação da complexidade assistencial de pacientes em diferentes clínicas de internação

Sistema de Classificação de Pacientes: identificação da complexidade assistencial de pacientes em diferentes clínicas de internação - 1 - Ministério da Educação Brasil Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Minas Gerais Brasil Revista Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas Reg.: 120.2.095 2011 UFVJM ISSN: 2238-6424

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO

CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO Daniela de Oliveira Cardozo* Carmen Maria Lazzari ** *Estomaterapeuta-Unisinos; Especialista em Enfermagem

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DAS QUEDAS EM CRIANÇAS INTERNADAS EM HOSPITAL PEDIÁTRICO

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DAS QUEDAS EM CRIANÇAS INTERNADAS EM HOSPITAL PEDIÁTRICO TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DAS QUEDAS EM CRIANÇAS INTERNADAS EM HOSPITAL PEDIÁTRICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

Leia mais

HABILITAÇÃO ACADÊMICA DO ENFERMEIRO ASSOCIADA À AUTONOMIA PROFISSIONAL

HABILITAÇÃO ACADÊMICA DO ENFERMEIRO ASSOCIADA À AUTONOMIA PROFISSIONAL 1 HABILITAÇÃO ACADÊMICA DO ENFERMEIRO ASSOCIADA À AUTONOMIA PROFISSIONAL Mariclen da Silva Pereira Acadêmica do curso de Enfermagem, ULBRA Cachoeira do Sul, RS mariclenpereira@hotmail.com Laísa Schuh Orientadora,

Leia mais

Introdução RESUMO: 118 N º. 3, Dezembro/2012

Introdução RESUMO: 118 N º. 3, Dezembro/2012 Nursing Activities Score (NAS): proposta de implantação no centro de terapia intensiva Thamiris Ricci de Araújo 1, Silvia da Silva Cainelli 1, Renzo Eduardo C.Bianchi 1, Andréia Ribeiro Chula 1, Renata

Leia mais

QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO EM TERAPIA INTENSIVA: ANÁLISE DAS NECESSIDADES DE ENFERMAGEM DA UTI PEDIÁTRICA HU-UFGD/EBSERH

QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO EM TERAPIA INTENSIVA: ANÁLISE DAS NECESSIDADES DE ENFERMAGEM DA UTI PEDIÁTRICA HU-UFGD/EBSERH QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO EM TERAPIA INTENSIVA: ANÁLISE DAS NECESSIDADES DE ENFERMAGEM DA UTI PEDIÁTRICA HU-UFGD/EBSERH INTRODUÇÃO Francisco Rodrigues Martins 1 Mirelle Salgueiro Morini 2 Antonia Gomes

Leia mais

Halana Batistel Barbosa 1 Lara Adrianne Garcia Paiano 2 Anair Lazzari Nicola 3 Luciana Magnani Fernandes 4. Doi: 10.

Halana Batistel Barbosa 1 Lara Adrianne Garcia Paiano 2 Anair Lazzari Nicola 3 Luciana Magnani Fernandes 4. Doi: 10. ARTIGO ORIGINAL NÍVEL DE COMPLEXIDADE ASSISTENCIAL DE PACIENTES E O QUANTITATIVO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM COMPLEXITY LEVEL OF PATIENT ASSESSMENT AND THE AMOUNT OF PROFESSIONAL NURSING NIVEL DE COMPLEJIDAD

Leia mais

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva VI Simpósio Internacional de Enfermagem (SIEN) Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Daniela Benevides Ortega Enfermeira da UTI

Leia mais

PERFIL DE INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA (ICSAP) EM MENORES DE UM ANO

PERFIL DE INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA (ICSAP) EM MENORES DE UM ANO PERFIL DE INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA (ICSAP) EM MENORES DE UM ANO Caroline Winck Sotti 1 Scaleti Vanessa Brisch Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Introdução:

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: COMPETENCIAS GERENCIAIS DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Dimensionamento de pessoal de enfermagem

Dimensionamento de pessoal de enfermagem Dimensionamento de pessoal de enfermagem Referências bibliográficas 1. Kurcgant P. Administração em enfermagem.são Paulo: EPU; 1991 2. Kurcgant P. Gerenciamento em enfermagem.rio de Janeiro: Guanabara

Leia mais

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento Recrutamento Seleção Avaliação de Desempenho Treinamento e Desenvolvimento Dimensionamento do pessoal de enfermagem

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS NOV/2013

PRESTAÇÃO DE CONTAS NOV/2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS NOV/2013 30/11/2013 COMPLEXO ESTADUAL DE SAÚDE V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual de Saúde - CES, no Estado do Rio de Janeiro, pela entidade de direito

Leia mais

MANUAL DE INDICADORES ENFERMAGEM NAGEH ENFERMAGEM PESSOAS (2017)

MANUAL DE INDICADORES ENFERMAGEM NAGEH ENFERMAGEM PESSOAS (2017) Compromisso com a Qualidade Hospitalar MANUAL DE INDICADORES ENFERMAGEM NAGEH ENFERMAGEM PESSOAS (2017) Compromisso com a Qualidade Hospitalar 2 INDICADOR: Horas Dimensionadas de Assistência de Enfermagem

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ AVALIAÇÃO DA ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Amanda de Paula

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ANO ACADÊMICO º SEMESTRE PROGRAMA DA DISCIPLINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ANO ACADÊMICO º SEMESTRE PROGRAMA DA DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ANO ACADÊMICO 2016 2º SEMESTRE PROGRAMA DA DISCIPLINA CÓDIGO: EN590 NOME: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

Perfil de complexidade dos clientes hospitalizados na unidade de tratamento de doenças infecciosas, segundo a Escala de Fugulin

Perfil de complexidade dos clientes hospitalizados na unidade de tratamento de doenças infecciosas, segundo a Escala de Fugulin Perfil de complexidade dos clientes hospitalizados na unidade de tratamento de doenças infecciosas, segundo a Escala de Fugulin Vania Sueli Perani Soares, Selma Marques Xavier Enfermagem UETDI RESUMO Na

Leia mais

ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL

ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL Autores: Liliane Parussolo Nogueira Fernandes Ana Cristina Rossetti Eliete J. Bernardo dos Santos Introdução A

Leia mais

ESTUDO EPIDEMILOGICO DO ÍNDICE DE PACIENTES IDOSOS COM TRAUMATISMO CRANIO-ENCEFÁLICO INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO OESTE DO PARANÁ NO ANO DE 2009

ESTUDO EPIDEMILOGICO DO ÍNDICE DE PACIENTES IDOSOS COM TRAUMATISMO CRANIO-ENCEFÁLICO INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO OESTE DO PARANÁ NO ANO DE 2009 ESTUDO EPIDEMILOGICO DO ÍNDICE DE PACIENTES IDOSOS COM TRAUMATISMO CRANIO-ENCEFÁLICO INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO OESTE DO PARANÁ NO ANO DE 2009 INTRODUÇÃO RODRIGO DANIEL GENSKE MÁRIO JOSÉ DE REZENDE JULIANA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS SERVIÇO DE PEDIATRIA OPERAÇÃO INVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS SERVIÇO DE PEDIATRIA OPERAÇÃO INVERNO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS SERVIÇO DE PEDIATRIA OPERAÇÃO INVERNO HMIPV O HMIPV é um hospital próprio municipal 100% SUS,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM ENFERMAGEM. EDITAL Nº 024/2016 COREMU

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM ENFERMAGEM. EDITAL Nº 024/2016 COREMU UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM ENFERMAGEM. EDITAL Nº 024/2016 COREMU CONVOCAÇÃO DOS CANDIDATOS PARA A MATRÍCULA NO PROGRAMA DE

Leia mais

TEMA 2 internação Mayara Ligia Rasini PROFª Letícia Peres

TEMA 2 internação Mayara Ligia Rasini PROFª Letícia Peres TEMA 2 internação Mayara Ligia Rasini PROFª Letícia Peres 1) o que é e como é conhecido (seus nomes e siglas mais comuns) o que é e como é conhecido Internação ou Internamento é o local de permanência

Leia mais

Impacto financeiro da ação de uma equipe multidisciplinar no gerenciamento dos custos de materiais e medicamentos em uma Unidade de Terapia Intensiva

Impacto financeiro da ação de uma equipe multidisciplinar no gerenciamento dos custos de materiais e medicamentos em uma Unidade de Terapia Intensiva Impacto financeiro da ação de uma equipe multidisciplinar no gerenciamento dos custos de materiais e medicamentos em uma Unidade de Terapia Intensiva Fundado em 11 de maio de 1913 como Hospital de Caridade,

Leia mais

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência Profº. Enfº Diógenes Trevizan Introdução O transporte e remoção de clientes em atenção às urgências e emergências se destaca

Leia mais

Juliana de Oliveira Barros

Juliana de Oliveira Barros CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde GERENCIAMENTO DE RISCOS ERGONÔMICOS: PROPOSTA PARA A EQUIPE DE ENFERMAGEM DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

Leia mais

Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela Campos Emídio 2 Rogério Raulino Bernardino Introdução

Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela Campos Emídio 2 Rogério Raulino Bernardino Introdução Comparação entre a média de permanência padronizada pelo Ministério da Saúde e a calculada em tempo real de um Hospital de Ensino da cidade de Manaus - AM. 1. Introdução Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE NAGEH - Enfermagem Benchmarking em Saúde 22 de fevereiro de 2017 Coordenação: Rosemeire K. Hangai Indicadores Assistenciais de Enfermagem 2015-2016 Incidência de Queda de Paciente

Leia mais

PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE

PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE Autora: Kézia Naiana de Oliveira Gomes (1); Co-autora e Orientadora: Gerlane Ângela da Costa Moreira Vieira (2). Universidade

Leia mais

Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento

Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento O Serviço de Terapia Intensiva Adulto, possui 10 leitos que incluem 2 leitos de isolamento distribuídos em uma área aproximada de 130m2. Encontra-se

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS

SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS Allana Almeida de Souza 1 ; Antônia Imaculada Santos Serafim 1 ; Francisca Averlânia Dutra de Sousa 1 ; Gerema

Leia mais

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir?

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Paula Souto Nogueira Renata Carolina Acri Miranda Monique Bueno Alves Introdução 15.000.0000

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 % 2 1,9 1,56 2,1 1,6 1,84 1,17 1,25 1 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 1,5 1,45 % 1,92,64,76,5

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS DOS PARTICIPANTES DE UM CURSO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: USO DE QUESTIONÁRIO PRÉ E PÓS-TESTE

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS DOS PARTICIPANTES DE UM CURSO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: USO DE QUESTIONÁRIO PRÉ E PÓS-TESTE AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS DOS PARTICIPANTES DE UM CURSO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: USO DE QUESTIONÁRIO PRÉ E PÓS-TESTE Sabrina de Souza Gurgel (1); Mayara Kelly Moura Ferreira

Leia mais

Grau de dependência de idosos hospitalizados conforme o sistema de classificação de pacientes

Grau de dependência de idosos hospitalizados conforme o sistema de classificação de pacientes pesquisa Grau de dependência de idosos hospitalizados conforme o sistema de classificação de pacientes Degree of dependence of hospitalized elderly according to the patients classification system Grado

Leia mais

SERVIÇOS DE ATENDIMENTO DE SAÚDE

SERVIÇOS DE ATENDIMENTO DE SAÚDE SERVIÇOS DE ATENDIMENTO DE SAÚDE No contexto atual, uma pessoa procura assistência no campo da saúde por diversos motivos: Atendimento pré-natal Consulta pediátrica Imunizações Controle de doenças crônicas

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 15 de agosto de Incidência de Queda de Paciente Incidência de Queda de Paciente 3,0

Leia mais

TÍTULO: O ACOLHIMENTO DO ENFERMEIRO DO SERVIÇO DE PROCURA DE ÓRGÃOS E TECIDOS AOS FAMILIARES DO POTENCIAL DOADOR DE ÓRGÃOS E TECIDOS.

TÍTULO: O ACOLHIMENTO DO ENFERMEIRO DO SERVIÇO DE PROCURA DE ÓRGÃOS E TECIDOS AOS FAMILIARES DO POTENCIAL DOADOR DE ÓRGÃOS E TECIDOS. TÍTULO: O ACOLHIMENTO DO ENFERMEIRO DO SERVIÇO DE PROCURA DE ÓRGÃOS E TECIDOS AOS FAMILIARES DO POTENCIAL DOADOR DE ÓRGÃOS E TECIDOS. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Relatório Gerencial Do Perfil Epidemiológico Da Unidade Concórdia do Complexo Hospitalar São Francisco

Relatório Gerencial Do Perfil Epidemiológico Da Unidade Concórdia do Complexo Hospitalar São Francisco Fundação Hospitalar São Francisco de Assis Relatório Gerencial Do Perfil Epidemiológico Da Unidade Concórdia do Complexo Hospitalar São Francisco Data de entrega do relatório: 15/07 / 2016 Elaborado pelo

Leia mais

TxOH = Total de pacientesdia em determinado período x 100 / Total de leitos-dia no mesmo período.

TxOH = Total de pacientesdia em determinado período x 100 / Total de leitos-dia no mesmo período. INDICADORES QUALITATIVOS 206 - CONTRATO nº 23/205 JAN. Nº DESCRIÇÃO FONTE MÉTODO DE AFERIÇÃO PONTUAÇÃO METAS Ap.02/7 INDICADORES ASSISTENCIAIS GERAIS PONTUAÇÃO TAXA DE OCUPAÇÃO DOS LEITOS SIH TxOH = Total

Leia mais

INDICADORES QUALITATIVOS CONTRATO nº 123/2015

INDICADORES QUALITATIVOS CONTRATO nº 123/2015 INDICADORES QUALITATIVOS 2016 - CONTRATO nº 123/2015 Nº DESCRIÇÃO FONTE MÉTODO DE AFERIÇÃO PONTUAÇÃO METAS INDICADORES ASSISTENCIAIS GERAIS 1 TAXA DE OCUPAÇÃO DOS LEITOS SIH TxOH = Total de pacientesdia

Leia mais

Hotelaria. Reunião

Hotelaria. Reunião Hotelaria Reunião 29.04.16 Envio dos indicadores; PAUTA Adesão ao programa; Participação dos hospitais; Avaliação do indicador de Taxa de Evasão do Enxoval Índice do Quilo de Roupa Lavada Por Paciente-dia

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NO INTERNAMENTO DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA-PR

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NO INTERNAMENTO DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA-PR A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NO INTERNAMENTO DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA-PR TOMAL, Taynara de Almeida 1 SCHEMBERGER, Benildes Kaiut 2 WERNER, Rosiléa Clara 3 RESUMO O objetivo deste texto é

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá- UEM Universidade Estadual de Maringá-UEM

Universidade Estadual de Maringá- UEM  Universidade Estadual de Maringá-UEM CARACTERIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE PACIENTES IDOSOS QUE SOFRERAM QUEDA ATENDIDOS NO PRONTO ATENDIMENTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PÚBLICO NO NOROESTE DO PARANÁ Autor Josy Anne Silva; Co-autor Edivaldo

Leia mais

Jamille Guedes Monteiro Evangelista

Jamille Guedes Monteiro Evangelista CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES NO HOSPITAL REGIONAL DO CARIRI EM JUAZEIRO DO NORTE-CE. Jamille

Leia mais

ATOS E FATOS: Programa de Assistência Domiciliária

ATOS E FATOS: Programa de Assistência Domiciliária ATOS E FATOS: Programa de Assistência Domiciliária Elizabeth Braz* Márcia Regina Alvarenga** INTRODUÇÃO: A captação e interpretação da realidade objetiva, partes integrantes do Método de Intervenção da

Leia mais

PORTARIA Nº 2.352/GM Em 26 de outubro de 2004.

PORTARIA Nº 2.352/GM Em 26 de outubro de 2004. PORTARIA Nº 2.352/GM Em 26 de outubro de 2004. Regulamenta a alocação dos recursos financeiros destinados ao processo de contratualização constante do Programa de Reestruturação dos Hospitais de Ensino

Leia mais

CULTURA DE SEGURANÇA: PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL DE ENSINO

CULTURA DE SEGURANÇA: PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL DE ENSINO Área temática: Linha Gerencial 02 Políticas públicas e gestão dos serviços de saúde. Sublinha de pesquisa: Gestão e organização do processo de trabalho em saúde e enfermagem. Modalidade de apresentação:

Leia mais

Uso da informática para a prática da Sistematização da Assistência de Enfermagem

Uso da informática para a prática da Sistematização da Assistência de Enfermagem Uso da informática para a prática da Sistematização da Assistência de Enfermagem Rosane Barreto Cardoso 1, Henrique Tomaz do Amaral Silva 2 1. Mestre em Ensino em Ciências da Saúde, Universidade Federal

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/ /02/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/ /02/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2015 28/02/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer

Leia mais

Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é um serviço de internação para

Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é um serviço de internação para Avaliação das Unidades de Terapia Intensiva do Estado de São Paulo Auditores do Estado e Municípios de São Paulo Coordenação: Benedicto Accacio Borges Neto 1 Introdução Unidade de Terapia Intensiva (UTI)

Leia mais

CASE HOSPITAL CARLOS FERNANDO MALZONI Matão FEHOSP Fórum Técnico Gestão de Informações

CASE HOSPITAL CARLOS FERNANDO MALZONI Matão FEHOSP Fórum Técnico Gestão de Informações CASE HOSPITAL CARLOS FERNANDO MALZONI Matão FEHOSP Fórum Técnico Gestão de Informações Impacto financeiro da ação de uma equipe multidisciplinar no gerenciamento dos custos de materiais e medicamentos

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 2,2 2,2 2,2 % 2 1 1,28 1,47 1,79 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 % 1,5 1,21 1,28 1,96,96,96,5

Leia mais

PERFIL DE USUÁRIOS DE PSICOFÁRMACOS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FARMÁCIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO DO SUL DO BRASIL

PERFIL DE USUÁRIOS DE PSICOFÁRMACOS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FARMÁCIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO DO SUL DO BRASIL PERFIL DE USUÁRIOS DE PSICOFÁRMACOS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FARMÁCIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO DO SUL DO BRASIL ROSSATO, P. T. 1, JARDIM, F. C. 2, MEDEIROS, O. M. 3, MAGLIONE, R. L. 4, ZAGO, A.

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO Profa. Dra. Marcia Cristina Zago Novaretti Diretora Mestrado Profissional Gestão em Sistemas de Saúde Universidade Nove de Julho Epidemiologia: Eventos Adversos # 1/3

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS HOSPITALIZADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS HOSPITALIZADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS HOSPITALIZADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Elizabeth Rose Nogueira de Albuquerque1 bel_albuquerque00@hotmail.com Bruna Mayara Tavares de Gusmão1 brunanutricao2010@hotmail.com

Leia mais

Dimensionamento de pessoal de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva para adultos*

Dimensionamento de pessoal de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva para adultos* Artigo Original Dimensionamento de pessoal de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva para adultos* Sizing the nursing staff in an Intensive Care Unit for Adults Dimensionamiento del personal de enfermería

Leia mais

##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002.

##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002. 1 de 5 15/5/2009 15:24 ##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002. Estabelece diretrizes e normas para a assistência hospitalar em psiquiatria, reclassifica os hospitais psiquiátricos, define e

Leia mais

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM CLINICA MÉDICA E MEDICINA INTESIVA ADULTO PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO INSTRUMENTO NAS (NURSING ACTIVES SCORE) NA ÁREA AMARELA DO PRONTO ATENDIMENTO MÉDICO DO HOSPITAL REGIONAL DE MATO GROSSO DO SUL

IMPLANTAÇÃO DO INSTRUMENTO NAS (NURSING ACTIVES SCORE) NA ÁREA AMARELA DO PRONTO ATENDIMENTO MÉDICO DO HOSPITAL REGIONAL DE MATO GROSSO DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DENIA GOMES DA SILVA FELIX IMPLANTAÇÃO DO INSTRUMENTO NAS (NURSING ACTIVES SCORE) NA ÁREA AMARELA DO PRONTO ATENDIMENTO MÉDICO DO HOSPITAL REGIONAL DE MATO GROSSO

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Palavras-chave: Dimensionamento de Enfermagem; Classificação de Pacientes; Qualidade assistencial.

ARTIGO ORIGINAL. Palavras-chave: Dimensionamento de Enfermagem; Classificação de Pacientes; Qualidade assistencial. MELO NS, MEDEIROS VA, PROCÓPIO JM... DIMENSIONAMENTO DE ENFERMAGEM... ARTIGO ORIGINAL DIMENSIONAMENTO DE ENFERMAGEM: AVALIANDO O QUADRO DE PROFISSIONAIS DAS UNIDADES DE CUIDADOS CARDIOLÓGICOS E NEUROLÓGICOS

Leia mais

Fundação 28 de setembro de Total de Médicos 459. Clientes Mais de 56 mil. Colaboradores Diretos Mais de mil

Fundação 28 de setembro de Total de Médicos 459. Clientes Mais de 56 mil. Colaboradores Diretos Mais de mil Fundação 28 de setembro de 1989 Total de Médicos 459 Clientes Mais de 56 mil Colaboradores Diretos Mais de mil Eleita pela 6ª vez uma das 150 Melhores Empresas para se Trabalhar Hospital Unimed Volta Redonda

Leia mais

REBEn. Revista Brasileira de Enfermagem. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital de ensino PESQUISA

REBEn. Revista Brasileira de Enfermagem. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital de ensino PESQUISA Revista Brasileira de Enfermagem REBEn Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital de ensino Nursing personnel downsizing in a teaching hospital Dimensionamiento de personal de enfermería en

Leia mais

Política Nacional de Atenção às Urgências. Enfª Senir Amorim

Política Nacional de Atenção às Urgências. Enfª Senir Amorim Política Nacional de Atenção às Urgências Enfª Senir Amorim Como está a atenção às urgências no cenário da sua região? A Atenção às Urgências Deve fluir em todos os níveis do SUS; Organizando a assistência

Leia mais

ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. Gestão de Processos e Equipes de Trabalho Aula 2. Profª. Tatianeda Silva Campos

ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. Gestão de Processos e Equipes de Trabalho Aula 2. Profª. Tatianeda Silva Campos ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM Gestão de Processos e Equipes de Trabalho Aula 2 Profª. Tatianeda Silva Campos RESOLUÇÃO COFEN Nº 0527/2016 Gestão de Processos e Equipes de Trabalho Art. 4º Assistência

Leia mais

UPA 24h. Unidade de Pronto Atendimento. São objetivos da UPA:

UPA 24h. Unidade de Pronto Atendimento. São objetivos da UPA: UPA 24h Unidade de Pronto Atendimento As Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) são fundamentais por serem constituídas de um componente pré-hospitalar fixo, atendendo as regiões desprovidas da modalidade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO

RELATÓRIO ANUAL HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO RELATÓRIO ANUAL HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO ANO DE REFERÊNCIA: 21 MENSAGEM DO DIRETOR O Hospital Metropolitano Doutor Célio de Castro foi inaugurado em 12 de dezembro de 215, com 1% de

Leia mais

11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA RELATO DE

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO - Contrato 001/2015 de 28/12/2015

INDICADORES DE DESEMPENHO - Contrato 001/2015 de 28/12/2015 INDICADORES DE DESEMPENHO - Contrato 001/2015 de 28/12/2015 Metas Qualitativas Indicador Data limite para a implantação Resultado no 4º Trimestre Atingimento das metas Estabelecer os Fluxos de Acesso Baseado

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 31/07/2014 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS Nº DT 02/2016

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS Nº DT 02/2016 TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM MEDICINA INTENSIVA PEDIÁTRICA PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS

Leia mais

4. RESULTADOS Características da amostra

4. RESULTADOS Características da amostra 4. RESULTADOS 4.1. Características da amostra O gráfico 1 apresenta a porcentagem de questionários aplicados em cada Unidade, sendo que a maior índice de participação foi proveniente do Edifício Paços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DO TRABALHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DO TRABALHO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DO TRABALHO RELAÇÃO ENTRE CARGA MENTAL DE TRABALHO E INFECÇÃO HOSPITALAR Ravenna Leite

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO CURRICULAR COM DISCENTES DE UM CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: relato de experiência RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO CURRICULAR COM DISCENTES DE UM CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: relato de experiência RESUMO 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO CURRICULAR COM DISCENTES DE UM CURSO TÉCNICO EM

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON NA VIDA SENIL PANORAMA DAS TAXAS DE MORBIMORTALIDADE E INCIDÊNCIA ENTRE AS REGIÕES BRASILEIRAS

DOENÇA DE PARKINSON NA VIDA SENIL PANORAMA DAS TAXAS DE MORBIMORTALIDADE E INCIDÊNCIA ENTRE AS REGIÕES BRASILEIRAS DOENÇA DE PARKINSON NA VIDA SENIL PANORAMA DAS TAXAS DE MORBIMORTALIDADE E INCIDÊNCIA ENTRE AS REGIÕES BRASILEIRAS Maykon Wanderley Leite Alves da Silva 1, José Victor de Mendonça Silva 2, Nycolas Emanuel

Leia mais

DRG:CASES MARCELO T. CARNIELO

DRG:CASES MARCELO T. CARNIELO DRG:CASES MARCELO T. CARNIELO AGENDA DRG: O que é? Percentil? DRG: experiências no Brasil e no Mundo DRG: redução do custo assistencial DRG: gestão do leito DRG: desempenho por médico e por especialidades

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM CICLO DAS NECESSIDADES DO CUIDADO EM SAÚDE 1 SEMESTRE EIXO CUIDADO COM A SAÚDE DA CRIANÇA MÓDULOS

CURSO DE ENFERMAGEM CICLO DAS NECESSIDADES DO CUIDADO EM SAÚDE 1 SEMESTRE EIXO CUIDADO COM A SAÚDE DA CRIANÇA MÓDULOS CURSO DE ENFERMAGEM CICLO DAS NECESSIDADES DO CUIDADO EM SAÚDE 1 SEMESTRE EIXO CUIDADO COM A SAÚDE DA CRIANÇA Antropológicos na Formação do Enfermeiro I Bases Biológicas do Ser Humano I Crescimento e Desenvolvimento

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2014 31/01/2014 HOSPITAL ESTADUAL ALBERTO TORRES V. Relatório referente a execução do Contrato de Gestão 31/2012 sobre as ações executadas sobre o apoio ao gerenciamento e execução

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS OUTUBRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS OUTUBRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS OUTUBRO/214 31/1/214 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

O hospital é uma criação da cristandade da Idade Média. Hôtel-Dieu em Paris, 651

O hospital é uma criação da cristandade da Idade Média. Hôtel-Dieu em Paris, 651 Carlos Justo Galeno (131-201 AD) O hospital é uma criação da cristandade da Idade Média. Hôtel-Dieu em Paris, 651 ESCOLA DE SALERNO A Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro, fundada pelo Padre Anchieta,

Leia mais

PÓS-OPERATÓRIO DOMICILIAR: A FAMILIA COMO CUIDADOR 1

PÓS-OPERATÓRIO DOMICILIAR: A FAMILIA COMO CUIDADOR 1 PÓS-OPERATÓRIO DOMICILIAR: A FAMILIA COMO CUIDADOR 1 Silvana Machiavelli SCHMITZ 2 Marister PICCOLI 3 Solânia DURMAN 3 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 4 Franciele FOSCHIERA 5 INTRODUÇÃO: Sabemos que os

Leia mais