O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA CARTA GEOTÉCNICA DE APTIDÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA CARTA GEOTÉCNICA DE APTIDÃO"

Transcrição

1 III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana IPT, São Paulo, Brasil 10 a 13 de Maio de 2016 Desenvolvimento e Riscos no Contexto Latinoamericano O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA CARTA GEOTÉCNICA DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO E SUA APLICAÇÃO AO PLANEJAMENTO E GESTÃO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO, SP APRESENTAÇÃO: RICARDO DE SOUSA MORETTI Kátia Canil 1, Fernando Rocha Nogueira 1, Ricardo de Sousa Moretti 3, Marina Midori Fukumoto 4, Paula Ciminelli Ramalho 5, Paula Bittencourt Pollini 6, Tássia de Menezes Regino 7, Aramis H. Gomes 8

2 CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO NO ÂMBITO DA LEI /12 Lei n /2012: Política, Sistema e Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil Diretriz: integração às políticas de ordenamento territorial Principais objetivos: incorporar a redução do risco de desastre e as ações de proteção e defesa civil entre os elementos da gestão territorial e do planejamento das políticas setoriais. Art 22 prevê que os municípios deverão elaborar carta geotécnica de aptidão à urbanização, estabelecendo diretrizes urbanísticas voltadas para a segurança dos novos parcelamentos do solo.

3 A interação com os técnicos municipais -FUNDAMENTAL! Primeira Questão: qual a área a ser cartografada? CG não é lei. Porém pode induzir pressão para autorizar parcelamento em áreas que não deveriam ser urbanizadas

4 Nesse sentido, a inquietação que surgiu ao longo do processo de elaboração da carta foi: Como compatibilizar as conclusões sobre a aptidão à urbanização dadas pelos condicionantes físicos às restrições ambientais e à dinâmica de ocupação do território?

5 Entender a dinâmica local de ocupação territorial SBC 408 km mil hab (IBGE,2010) Mais da metade do território está sob proteção ambiental: Parque Estadual da Serra do Mar (14%) Área de Proteção e Recuperação de Manancial Billings Grande pressão por terrenos urbanizáveis

6

7 Organização da equipe executora (I) grupo de suporte em geoprocessamento (II) grupo de investigação de formas, processos e materiais/ investigações geotécnicas e ensaios laboratoriais ( III) grupo de investigação de áreas úmidas e inundações (IV) grupo de estudo de cenários de uso e ocupação.

8 METODOLOGIA

9 Áreas de urbanização restrita por outros condicionantes- critérios de delimitação- SBC Remanescentes de vegetação Densidade de APPs Lei dos Mananciais (estadual) Diretrizes municipais

10

11

12

13

14

15

16 Objetivo Objetivo Construção de metodologia de elaboração de Carta Geotécnica de Aptidão à Urbanização que combina parâmetros dos meios físico, biótico, antrópico e na legislação vigente em processo de elaboração participativo no âmbito institucional. Desafio: trabalho integrado das equipes de docentes e alunos de graduação e pós-graduação da UFABC e dos gestores e técnicos das diversas secretarias (Habitação, Planejamento Urbano, Serviços Urbanos e Gestão Ambiental) do município de São Bernardo do Campo, para o qual a Carta em referência foi elaborada.

17 Algumas atividades conjuntas Oficinas e atividade de campo para definição da área de estudo; Atividade de campo para confirmação das unidades e respectivas recomendações; Validação das Cartas junto à equipe de técnicos da Prefeitura e do Ministério das Cidades; Apresentação dos resultados para os Secretários Municipais; Entrega da Cartas Geotécnica de Aptidão à Urbanização em seminário realizado na sede do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC; Elaboração de Guia Prático da Carta Geotécnica de Aptidão à Urbanização, com diretrizes e recomendações para o parcelamento, uso e ocupação do solo com realização de Oficia de Trabalho; Apresentação da carta para o Conselho Municipal de Planejamento (prevista)

18 CARTA GEOTÉCNICA DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO = Definição de unidades geotécnicas + Limitações e potenciais para uso + Diretrizes Para Uso e Ocupação do Solo planejamento das intervenções em áreas de risco diretrizes para os projetos de urbanização de assentamentos precários avaliação de novos projetos de parcelamento urbano definição de restrições para ocupação de determinadas áreas

19 Carta geotécnica de aptidão à urbanização

20

21

22 Carta geotécnica de aptidão à urbanização - Síntese

23 CARTA SÍNTESE - LEGENDA

24 Destaques finais Definição da área de estudo- não é simples, parece não existir um conjunto único de critérios. Áreas de alta prioridade para conservação- a decisão sobre mapear ou não mapear e sobre como apresentar os resultados dos estudos depende muito do contexto de planejamento do município Orientações para as áreas de baixa aptidão- quando convém manter a propriedade e o acesso público- competência do município Interação com técnicos da prefeitura é fundamental!

CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO: INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA PREVENÇÃO DE DESASTRES E PARA A GESTÃO DO USO DO SOLO

CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO: INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA PREVENÇÃO DE DESASTRES E PARA A GESTÃO DO USO DO SOLO CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO: INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA PREVENÇÃO DE DESASTRES E PARA A GESTÃO DO USO DO SOLO Fernando Rocha NOGUEIRA, UFABC, fernando.nogueira@ufabc.edu.br Kátia

Leia mais

Cartas de suscetibilidade: conexões com outras cartas geotécnicas e utilização no planejamento territorial.

Cartas de suscetibilidade: conexões com outras cartas geotécnicas e utilização no planejamento territorial. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174804 Cartas de suscetibilidade: conexões com outras cartas geotécnicas e utilização no planejamento territorial Omar Yazbek Bitar Palestra apresentada no Wokshop do Comitê Brasileiro

Leia mais

Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis

Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis Semasa Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis 00 TEMA: Definição

Leia mais

ANÁLISE DE CENÁRIOS FUTUROS E INDUTORES À OCUPAÇÃO APLICADA NA PREVISÃO E PREVENÇÃO DE RISCOS

ANÁLISE DE CENÁRIOS FUTUROS E INDUTORES À OCUPAÇÃO APLICADA NA PREVISÃO E PREVENÇÃO DE RISCOS ANÁLISE DE CENÁRIOS FUTUROS E INDUTORES À OCUPAÇÃO APLICADA NA PREVISÃO E PREVENÇÃO DE RISCOS Marília de Azevedo Baptista Leite 1 ; Fábio de Santis Campos 2 ; Fernando Cerri Costa 3 ; Ricardo de Sousa

Leia mais

Aluno(a): Bruna Chyoshi RA: Título: ANÁLISE DAERODIBILIDADE POR MEIO DO DESENVOLVIMENTO DO APARELHO DE INDERBITZEN

Aluno(a): Bruna Chyoshi RA: Título: ANÁLISE DAERODIBILIDADE POR MEIO DO DESENVOLVIMENTO DO APARELHO DE INDERBITZEN Aluno(a): ANA CAROLINA FRAGAL RA: 11132709 Orientação: professora doutora Cláudia Francisca Escobar de Paiva Título: OBRAS DE CONTENÇÃO DE ÁREAS DE RISCO NO ÂMBITO DO PAC PARA A REGIÃO DO GRANDE ABC: SOLO

Leia mais

Plano de Metas Planos Diretores. Sugestão preliminar para estudo de Conteúdo Mínimo na elaboração de Planos

Plano de Metas Planos Diretores. Sugestão preliminar para estudo de Conteúdo Mínimo na elaboração de Planos Plano de Metas 2015 Planos Diretores Sugestão preliminar para estudo de Conteúdo Mínimo na elaboração de Planos PLANO DE METAS 2015 META 14.2. Desenvolver Plano diretor Urbano e Plano Diretor Ambiental

Leia mais

Diretrizes para mapeamento de inundações no Estado do Rio de Janeiro PATRICIA R.M.NAPOLEÃO CARLOS EDUARDO G. FERRIERA

Diretrizes para mapeamento de inundações no Estado do Rio de Janeiro PATRICIA R.M.NAPOLEÃO CARLOS EDUARDO G. FERRIERA Diretrizes para mapeamento de inundações no Estado do Rio de Janeiro PATRICIA R.M.NAPOLEÃO CARLOS EDUARDO G. FERRIERA Outubro, 2016 Política Nacional de Proteção e Defesa Civil - Lei Federal 12.608/2012

Leia mais

OBRAS SÃO SUFICIENTES PARA TRATAR SITUAÇÕES DE RISCO EM FAVELAS? Fernando C. Costa1, Rodolfo B. Moura2, Rafael C. Silva3, Eric Caravaggio2 (ST1 1.

OBRAS SÃO SUFICIENTES PARA TRATAR SITUAÇÕES DE RISCO EM FAVELAS? Fernando C. Costa1, Rodolfo B. Moura2, Rafael C. Silva3, Eric Caravaggio2 (ST1 1. Fernando C. Costa1, Rodolfo B. Moura2, Rafael C. Silva3, Eric Caravaggio2 (ST1 1.2) 1 Mestrando em Ciência e Tecnologia Ambiental; 2 Mestrandos em Planejamento e Gestão do Território; 3 Bacharelando Planejamento

Leia mais

Tipos de cartas geotécnicas requeridas pela Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC)

Tipos de cartas geotécnicas requeridas pela Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC) COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174603 Tipos de cartas geotécnicas requeridas pela Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC) Omar Yazbek Bitar Palestra apresentada no 17.Encontro Nacional da Associação

Leia mais

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ PRÉ-ENCOB, Rio de Janeiro (FIRJAN), 30 de agosto de 2011: A Importância do Uso Racional das Águas e o Fator Água nas Regiões Metropolitanas O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um

Leia mais

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA CONTEÚDO 1. A REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

OFICINA TEMÁTICA SISTEMA DE GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL

OFICINA TEMÁTICA SISTEMA DE GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL OFICINA TEMÁTICA SISTEMA DE GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL 24 de Agosto de 2018 ROTEIRO 1. Gestão democrática no Estatuto da Cidade. 2. Sistema de planejamento e gestão democrática

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

Foi base para a estruturação da Lei Nº /2014 Estatuto da Metrópole. Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006

Foi base para a estruturação da Lei Nº /2014 Estatuto da Metrópole. Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006 1 SBC 09/06/2016 1 2 Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006 Cidade Pólo: Belo Horizonte Foi base para a estruturação da Lei Nº 13.089 /2014 Estatuto da Metrópole Área: 9.472,4 Km 2 (1,6%

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental DISCUSSÃO METODOLÓGICA PARA ELABORAÇÃO DE CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DE MATA ATLÂNTICA

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE TAPIRAÍ / SP! Etapa nº1 Plano de Trabalho fevereiro de 2016! Plano Diretor Tapiraí

REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE TAPIRAÍ / SP! Etapa nº1 Plano de Trabalho fevereiro de 2016! Plano Diretor Tapiraí REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE TAPIRAÍ / SP! Etapa nº1 Plano de Trabalho fevereiro de 2016! Estatuto das Cidades - Lei nº 10.257 /2001 Fonte: Guia para elaboração de Planos Diretores - Ministério das Cidades

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo - IPT Centro de Convenções Sul América - Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2018

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo - IPT Centro de Convenções Sul América - Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2018 PANORAMA DAS ÁREAS SUSCETÍVEIS A MOVIMENTOS GRAVITACIONAIS DE MASSA E INUNDAÇÕES NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE SÃO PAULO E DA BAIXADA SANTISTA E LITORAL NORTE DO ESP Bitar, O.Y.; Campos, S.J.A.M.; Monteiro,

Leia mais

SL-09. Desafios conceituais e metodológicos e para o planejamento e a gestão de risco: as inundações urbanas e a elaboração das cartas geotécnicas de

SL-09. Desafios conceituais e metodológicos e para o planejamento e a gestão de risco: as inundações urbanas e a elaboração das cartas geotécnicas de SL-09. Desafios conceituais e metodológicos e para o planejamento e a gestão de risco: as inundações urbanas e a elaboração das cartas geotécnicas de aptidão à urbanização Coordenadora: Luciana Travassos

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

POXIM :Os impactos ambientais decorrentes do uso desordenado desta bacia hidrográfica

POXIM :Os impactos ambientais decorrentes do uso desordenado desta bacia hidrográfica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS NÚCLEO DE ENGENHARIA FLORESTAL NEF POXIM :Os impactos ambientais decorrentes do uso desordenado desta bacia hidrográfica

Leia mais

PROCESSO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE ESTRANGEIRO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

PROCESSO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE ESTRANGEIRO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROCESSO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE ESTRANGEIRO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROVA DE PLANEJAMENTO E PROJETO URBANOS Realizada em 30/11/2016 QUESTÕES PAISAGÍSTICAS E AMBIENTAIS Esta é uma prova de

Leia mais

Oficina 1 construção do Projeto de Cidade

Oficina 1 construção do Projeto de Cidade Oficina 1 construção do Projeto de Cidade Objetivo: Apresentação e discussão dos Conteúdos Técnicos que subsidiarão à elaboração do PDDU e das legislações urbanísticas que dele derivam (LUOS, Código de

Leia mais

III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana SRA-LA 10 a 13 de maio de 2016 São Paulo- SP

III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana SRA-LA 10 a 13 de maio de 2016 São Paulo- SP III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana SRA-LA 10 a 13 de maio de 2016 São Paulo- SP Mesa Redonda 4 Riscos Naturais e Gestão das Cidades Uso das cartas de geotécnicas e de risco

Leia mais

Oficina 1 construção do projeto de Cidade

Oficina 1 construção do projeto de Cidade Oficina 1 construção do projeto de Cidade Objetivo: Apresentação e discussão dos Conteúdos Técnicos que subsidiarão à elaboração do PDDU e das legislações urbanísticas que dele derivam (LUOS, Código de

Leia mais

7 de abril de 2015 Conselho da SEF

7 de abril de 2015 Conselho da SEF 7 de abril de 2015 Conselho da SEF Expediente: 1. PUERHE - Programa Permanente de Uso Eficiente dos Recursos Hídricos e Energéticos da USP 2. Interação com as PUSPs. 3. Comunicação com a comunidade USP.

Leia mais

SÍNTESE DOS APRIMORAMENTOS DA MINUTA III MAPAS

SÍNTESE DOS APRIMORAMENTOS DA MINUTA III MAPAS 1 SÍNTESE DOS APRIMORAMENTOS DA MINUTA III MAPAS Maio de 2017 DISTRIBUIÇÃO DE MACROÁREAS x VERSÃO PLANO DIRETOR 2 34% 30% 29% 26% 20% 21% 23% 56% 70% 71% 74% 50% 50% 33% 14% 60% PLANO 1985/97 PLANO 482/14

Leia mais

Quadro político e legislativo relativo ao ordenamento do território. Planeamento Urbano 2011/12 JOÃO CABRAL FA/UTL

Quadro político e legislativo relativo ao ordenamento do território. Planeamento Urbano 2011/12 JOÃO CABRAL FA/UTL Quadro político e legislativo relativo ao ordenamento do território Planeamento Urbano 2011/12 JOÃO CABRAL FA/UTL LEI CONSTITUCIONAL nº 1/2005 Artigo 9.º Tarefas fundamentais do Estado São tarefas fundamentais

Leia mais

PLHIS RIO PROCESSO PARTICIPATIVO DO PLHIS

PLHIS RIO PROCESSO PARTICIPATIVO DO PLHIS Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS RIO PROCESSO PARTICIPATIVO DO PLHIS Processo Participativo O Plano Local de Habitação de Interesse Social deverá ser construído com a participação da

Leia mais

Proposta de Criação da APA da Serra de Santo Amaro e do Corredor Ecológico do Guarujá. projetos

Proposta de Criação da APA da Serra de Santo Amaro e do Corredor Ecológico do Guarujá. projetos Proposta de Criação da APA da Serra de Santo Amaro e do Corredor Ecológico do Guarujá projetos Histórico do Instituto de Segurança Socioambiental Criado no ano de 2010 para atribuir personalidade jurídica

Leia mais

SISTEMA CORPORATIVO DE INFORMAÇÕES GEORREFERENCIADAS DA CPTM

SISTEMA CORPORATIVO DE INFORMAÇÕES GEORREFERENCIADAS DA CPTM SISTEMA CORPORATIVO DE INFORMAÇÕES GEORREFERENCIADAS DA CPTM Ronaldo Margini Marques GPA/CPTM 23ª Semana de Tecnologia Metroferroviária A GPA e a visão estratégica do território ferroviário Gestão de Patrimônio

Leia mais

FAUUSP. Funcionamento básico da Bacia do Alto Tietê e princípios de gestão integrada. Ricardo Toledo Silva Março de 2003

FAUUSP. Funcionamento básico da Bacia do Alto Tietê e princípios de gestão integrada. Ricardo Toledo Silva Março de 2003 FAUUSP Funcionamento básico da Bacia do Alto Tietê e princípios de gestão integrada Ricardo Toledo Silva Março de 2003 Problemática da Bacia do Alto Tietê (PBAT, FUSP 2002) Escassez de água Comprometimento

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE DE PAREDES. Maio 2015

PROGRAMA DE EXECUÇÃO REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE DE PAREDES. Maio 2015 REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE DE PAREDES PROGRAMA DE EXECUÇÃO I Câmara Municipal de Paredes Parque José Guilherme Telef. 255788800 Fax 255782155 Maio 2015 Programa de Execução Introdução O

Leia mais

CEFET CAMPOS - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE CAMPOS SINDICATO DOS ARQUITETOS E URBANISTAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

CEFET CAMPOS - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE CAMPOS SINDICATO DOS ARQUITETOS E URBANISTAS NO ESTADO DE SÃO PAULO CEFET CAMPOS - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE CAMPOS SINDICATO DOS ARQUITETOS E URBANISTAS NO ESTADO DE SÃO PAULO CURSO DE CAPACITAÇÃO PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO JUSTIFICATIVA A partir dos

Leia mais

Rozely Ferreira dos Santos

Rozely Ferreira dos Santos Fig 2.1 Exemplo de estruturação geral das fases do planejamento. Espera-se de cada fase determinado produto. Por exemplo, o banco de dados um importante produto da fase INVENTÁRIO, permite a visualização

Leia mais

AUP 652 PLANEJAMENTO DA PAISAGEM PLANO DE PAISAGEM E DO SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES

AUP 652 PLANEJAMENTO DA PAISAGEM PLANO DE PAISAGEM E DO SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES AUP 652 PLANEJAMENTO DA PAISAGEM PLANO DE PAISAGEM E DO SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES A região é uma periferia da capital paulistana, situada entre a serra da Cantareira e o Parque Estadual do Jaraguá. Tem

Leia mais

GESTÃO DA DENSIFICAÇÃO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO FRENTE AOS RISCOS GEOLÓGICOS: UM ESTUDO DE CASO NA AMAZÔNIA ORIENTAL

GESTÃO DA DENSIFICAÇÃO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO FRENTE AOS RISCOS GEOLÓGICOS: UM ESTUDO DE CASO NA AMAZÔNIA ORIENTAL GESTÃO DA DENSIFICAÇÃO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO FRENTE AOS RISCOS GEOLÓGICOS: UM ESTUDO DE CASO NA AMAZÔNIA ORIENTAL SOUZA, G. C.¹; BORGES, G. C.¹; PASSOS DE OLIVEIRA, A. C. S. N¹. 1 Universidade Federal

Leia mais

Grupo de Trabalho Sistema de Áreas Verdes e Áreas Protegidas

Grupo de Trabalho Sistema de Áreas Verdes e Áreas Protegidas Grupo de Trabalho Sistema de Áreas Verdes e Áreas Protegidas Estatuto da Metrópole Lei Federal 13.089/ 2015 Diretrizes gerais para o planejamento, a gestão e a execução das Funções Públicas de Interesse

Leia mais

PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Introdução 2. Oportunidade da elaboração do Plano 3. Enquadramento do plano nos instrumentos de gestão territorial 4.

Leia mais

Aula 15 REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA (CONT.) DIREITO DE LAJE

Aula 15 REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA (CONT.) DIREITO DE LAJE Curso/Disciplina: Direito Urbanístico Aula: Direito Urbanístico - 15 Professor(a): Luiz Jungstedt Monitor(a): José Alisson Sousa dos Santos Aula 15 REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA (CONT.) DIREITO DE LAJE

Leia mais

Complexo Cantinho do Céu

Complexo Cantinho do Céu Complexo Cantinho do Céu Diretrizes Para Urbanização e Recuperação Ambiental Características Gerais Complexo Cantinho do Céu Características Gerais Localização Represa Billings; Subprefeitura: Capela do

Leia mais

Gestão Ambiental nas Bacias PCJ - Instrumentos e estratégias para integração

Gestão Ambiental nas Bacias PCJ - Instrumentos e estratégias para integração Gestão Ambiental nas Bacias PCJ - Instrumentos e estratégias para integração Marina Peres Barbosa Gestora - Área Ambiental - Agência das Bacias PCJ Porque investir em infra-estrutura natural em comparação

Leia mais

Comissão de Atividades Imobiliárias. Representante: Luciana N. Ferrara (titular) Instituto de Arquitetos do Brasil.

Comissão de Atividades Imobiliárias. Representante: Luciana N. Ferrara (titular) Instituto de Arquitetos do Brasil. Contribuição para Deliberação Consema que estabelece critérios para identificação de ações ou atividades consideradas de baixo impacto ambiental para intervenção em área urbana consolidada, na qual tenha

Leia mais

SELEÇÃO DE ÁREAS PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERROS

SELEÇÃO DE ÁREAS PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERROS UNIDADE C Prezados (as) alunos (as). Nesta semana discutiremos o processo de seleção de área para aterro sanitário, os parâmetros e procedimentos necessários para o cálculo das dimensões da área a ser

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO SÃO CARLOS, 03 de Julho de 2013 O Plano Diretor de Desenvolvimento Físico e Ambiental, como peça constituinte do

Leia mais

Sistema Estadual de REDD+ de Mato Grosso

Sistema Estadual de REDD+ de Mato Grosso Sistema Estadual de REDD+ de Mato Grosso Minuta do Anteprojeto de Lei Diálogos Setoriais OAB, 19 de abril de 2011 Grupo de Trabalho de REDD do Fórum Estadual de Mudanças Climáticas de MT Laurent Micol

Leia mais

Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação de Área dentro da Bacia do Córrego Floresta (zona norte de Belo Horizonte)

Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação de Área dentro da Bacia do Córrego Floresta (zona norte de Belo Horizonte) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Curso de Engenharia Civil Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação de Área dentro da Bacia do Córrego Floresta (zona

Leia mais

Estratégias Locais de. Habitação

Estratégias Locais de. Habitação Estratégias Locais de Habitação 1. Estratégias Locais de Habitação Qual o enquadramento das ELH? As Estratégias Locais de Habitação são instrumentais na concretização dos princípios orientadores da Nova

Leia mais

MANUAL DE PROJETOS DE SANEAMENTO MPS MÓDULO 12.6 DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO

MANUAL DE PROJETOS DE SANEAMENTO MPS MÓDULO 12.6 DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO MÓDULO DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO VERSÃO 2018 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO... 4 2.1 LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na

Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na forma da Lei n.º 11.977/09 Gustavo Burgos de Oliveira, Assessor Jurídico do MP/RS. Porto Alegre, 14 de dezembro de 2010. Regularização Fundiária:

Leia mais

CIDADE SISTEMA AMPLIAÇÃO/ OU IMPLANTAÇÃO

CIDADE SISTEMA AMPLIAÇÃO/ OU IMPLANTAÇÃO MODELO RAP CIDADE SISTEMA AMPLIAÇÃO/ OU IMPLANTAÇÃO MÊS/ANO 1 de 5 PRESENTAÇÃO O Relatório Ambiental Prévio apresenta a ampliação ou implantação rede coletora, coletores, interceptores, elevatórias e estações

Leia mais

Planejamento Territorial e Saneamento Integrado

Planejamento Territorial e Saneamento Integrado Novos Consórcios Públicos: Alternativas para a Gestão do Saneamento Ambiental Gestão das Águas Planejamento Territorial e Saneamento Integrado Ricardo de Sousa Moretti ricardo.moretti@ufabc.edu.br Desafios

Leia mais

ORDENAMENTO TERRITORIAL E GESTÃO DE RISCOS NA REGIÃO DO LITORAL NORTE DE SÃO PAULO - BRASIL

ORDENAMENTO TERRITORIAL E GESTÃO DE RISCOS NA REGIÃO DO LITORAL NORTE DE SÃO PAULO - BRASIL ORDENAMENTO TERRITORIAL E GESTÃO DE RISCOS NA REGIÃO DO LITORAL NORTE DE SÃO PAULO - BRASIL Humberto Gallo Junior Instituto Florestal SMA/SP, Brasil hgallojr@ig.com.br Débora Olivato Secretaria Estadual

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

Ordenamento do Território Nível Municipal Ano lectivo 2013/2014

Ordenamento do Território Nível Municipal Ano lectivo 2013/2014 Ordenamento do Território Nível Municipal Ano lectivo 2013/2014 7ª Aula Prática Continuação do trabalho à escala 1:10000 8ª Aula Prática Apresentações dos trabalhos desenvolvidos à escala 1:10000. 9ª Aula

Leia mais

Tópicos da apresentação

Tópicos da apresentação Tópicos da apresentação Metodologia utilizada; Resultados de Vulnerabilidade e Potencialidade; Classificação final das Zonas; Classificação das bacias do perímetro urbano de Campo Grande; Carta de gestão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA Marcelo Belinati Martins Prefeito Gestão 2017-2020 Roberta Silveira Queiroz Assessora de Políticas Sustentáveis e Integração Metropolitana Londrina e as SBNs no contexto

Leia mais

SANEAMENTO INTEGRADO EM ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS

SANEAMENTO INTEGRADO EM ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS LATINOSAN 2010 CONFERÊNCIA LATINOAMERICANA DE SANEAMENTO Universalização e Sustentabilidade dos Serviços de Saneamento Foz do Iguaçu, 16 de Março de 2010 SANEAMENTO INTEGRADO EM ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS

Leia mais

O PERIURBANO E O RURAL METROPOLITANOS: DESAFIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR REGIONAL DO GRANDE ABC. Resumo

O PERIURBANO E O RURAL METROPOLITANOS: DESAFIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR REGIONAL DO GRANDE ABC. Resumo O PERIURBANO E O RURAL METROPOLITANOS: DESAFIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR REGIONAL DO GRANDE ABC Tema 1: Mudanças Demográficas e culturais LUCIANA TRAVASSOS Docente da Universidade Federal do

Leia mais

Experiencia Brasileña en ordenamiento territorial e instrumentos para el desarrollo urbano: donde partimos donde estamos - donde vamos

Experiencia Brasileña en ordenamiento territorial e instrumentos para el desarrollo urbano: donde partimos donde estamos - donde vamos Experiencia Brasileña en ordenamiento territorial e instrumentos para el desarrollo urbano: donde partimos donde estamos - donde vamos Tomás Moreira Profesor del Instituto de Arquitectura y Urbanismo Universidad

Leia mais

TIM-1. Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação da Área da Bacia do Córrego Navio

TIM-1. Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação da Área da Bacia do Córrego Navio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Curso de Engenharia Civil TIM-1 Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação da Área da Bacia do Córrego Navio 1º SEMESTRE

Leia mais

Cartografia para suporte ao Mapeamento de Risco

Cartografia para suporte ao Mapeamento de Risco Cartografia para suporte ao Mapeamento de Risco Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais - lançado em 08/08/2012; - abrange 821 municípios que concentram o maior número de ocorrências

Leia mais

Municípios Sustentáveis

Municípios Sustentáveis Municípios Sustentáveis ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO AMBIENTE URBANO Lisboa 11 de fevereiro de 2014 ÍNDICE Descrição do Indicador Ordenamento do Território e Ambiente Urbano Metodologia: Sub indicadores A.

Leia mais

Principais diplomas com relevo para o Ordenamento do Território e o urbanismo:

Principais diplomas com relevo para o Ordenamento do Território e o urbanismo: Os problemas da ocupação do território; A necessidade do seu enquadramento jurí-dico/legislativo; O direito do urbanismo e o direito do ordenamento do território necessitam de um quadro jurídico tendencialmente

Leia mais

16º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

16º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental CARTA GEOTÉCNICA DO MUNICÍPIO DE SANTANA DE PARNAÍBA, SP: UM OLHAR PARA A PERSPECTIVA DO USUÁRIO Kátia Canil 1, Ricardo de Sousa Moretti 2, Rodolfo Baêsso Moura 3, Renato Ishihara Furtado 4 Resumo A Carta

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo Fone: (31) 3409-8840 Fax: (31) 3409-8818 E-mail: colgrad@arq.ufmg.br CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA:

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL JUNHO 2016

REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL JUNHO 2016 Relatório de avaliação de conflitos entre áreas de solo urbano e povoamentos florestais percorridos por incêndios nos últimos 10 anos e perigosidade de incêndio florestal nas classes alta e muito alta

Leia mais

Procedimentos para Tomada de Decisão em Programas de Urbanização de Favelas

Procedimentos para Tomada de Decisão em Programas de Urbanização de Favelas Procedimentos para Tomada de Decisão em Programas de Urbanização de Favelas Procedimentos para Tomada de Decisão em Programas de Urbanização de Favelas Renata de Faria Rocha, Celso Santos Carvalho, Ricardo

Leia mais

Geotecnologias aplicadas ao planejamento e à gestão da infraestrutura nacional de transportes: os fatores de restrição às rodovias federais planejadas

Geotecnologias aplicadas ao planejamento e à gestão da infraestrutura nacional de transportes: os fatores de restrição às rodovias federais planejadas Geotecnologias aplicadas ao planejamento e à gestão da infraestrutura nacional de transportes: os fatores de restrição às rodovias federais planejadas Latin America Geospatial Forum 2012 15 a 17 de Agosto,

Leia mais

PLANOS LOCAIS DE GESTÃO

PLANOS LOCAIS DE GESTÃO PLANOS LOCAIS DE GESTÃO PARTE I RELATÓRIO DOS PLANOS LOCAIS O que é o Plano Local? É o detalhamento dos objetivos, diretrizes e normas definidos na lei do Plano Diretor e no Estatuto da Cidade, para cada

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PUBLICADA NO DOE DE 10/03/2017 SEÇÃO I PÁG. 51/52 RESOLUÇÃO SMA Nº 21, DE 08 DE MARÇO DE 2017. Disciplina o licenciamento ambiental dos Programas de Recuperação de Interesse Social - PRIS e das Habitações

Leia mais

DIAGNÓSTICO HABITACIONAL REGIONAL DO GRANDE ABC. Relatório Final

DIAGNÓSTICO HABITACIONAL REGIONAL DO GRANDE ABC. Relatório Final DIAGNÓSTICO HABITACIONAL REGIONAL DO GRANDE ABC Relatório Final Setembro de 216 CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL GRANDE ABC UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Subprojeto 3: DIAGNÓSTICO HABITACIONAL REGIONAL DIAGNÓSTICO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DEPARTAMENTO DE TRABALHO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DEPARTAMENTO DE TRABALHO SOCIAL DEPARTAMENTO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DEPARTAMENTO DE TRABALHO SOCIAL NOVEMBRO DE 2015 Dez anos da Política Habitacional: Avanços, Potencialidades e a Continuação de uma Política Principais Urbanizações

Leia mais

Mapeamento de logradouros e gestão territorial em favelas no Rio de Janeiro

Mapeamento de logradouros e gestão territorial em favelas no Rio de Janeiro Mapeamento de logradouros e gestão territorial em favelas no Rio de Janeiro Street mapping and management in informal settlements in Rio de Janeiro Leandro Gomes Souza Geógrafo Gerência de Geoprocessamento

Leia mais

Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT

Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol A Agenda 21 Local é um processo participativo de consulta sobre os problemas ambientais,

Leia mais

SEMINÁRIO INDUSTRIA EXTRATIVA: ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E LICENCIAMENTO E PEDREIRAS

SEMINÁRIO INDUSTRIA EXTRATIVA: ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E LICENCIAMENTO E PEDREIRAS SEMINÁRIO INDUSTRIA EXTRATIVA: ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E LICENCIAMENTO E PEDREIRAS 1 CONTEXTO 326 ha 55 parcelas 26% brita 91% calçada 98% rustico 5 unid. lavra 4 unid. compl. Parque Tecnológico e Ambiental

Leia mais

SAAPS. Sistema de apoio à avaliacão ambiental preliminar de sítios

SAAPS. Sistema de apoio à avaliacão ambiental preliminar de sítios SAAPS Sistema de apoio à avaliacão ambiental preliminar de sítios Sobre o IPT O IPT desenvolve pesquisa aplicada e oferece serviços tecnológicos especializados nas áreas de recursos hídricos superficiais

Leia mais

PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA. São Paulo, 23 de março de 2009

PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA. São Paulo, 23 de março de 2009 GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA PAINEL 2 USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA São Paulo, 23 de março de 2009 1200 DISPONIBILIDADE E DEMANDA DE ÁGUA - 2007 Vazão (m 3 /s) 1000 SUBTERRÂNEA 800 600 400 SUPERFICIAL SUBTERRÂNEA

Leia mais

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL*

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Ricardo Henriques Seminário Internacional: Determinantes sociais da saúde, intersetorialidade e equidade social na América Latina

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROGRAMAS DE URBANIZAÇÃO DE FAVELAS

PROCEDIMENTOS PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROGRAMAS DE URBANIZAÇÃO DE FAVELAS PROCEDIMENTOS PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROGRAMAS DE URBANIZAÇÃO DE FAVELAS Renata de Faria Rocha (1) Celso dos Santos Carvalho (2) Ricardo de Sousa Moretti (3) Patricia Rodrigues Samora (4) (1) Instituto

Leia mais

ESTATUTO DA METRÓPOLE e REGIÕES METROPOLITANAS. no Estado do Paraná

ESTATUTO DA METRÓPOLE e REGIÕES METROPOLITANAS. no Estado do Paraná ESTATUTO DA METRÓPOLE e REGIÕES METROPOLITANAS no Estado do Paraná Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à Prática Curitiba, 13 de julho de 2015 geóg. Carlos Augusto STORER Analista de Desenvolvimento

Leia mais

Área de intervenção: sesimbra

Área de intervenção: sesimbra Projecto base de documento estratégico Área de intervenção: sesimbra Área de Intervenção - Sesimbra ÍNDICE INTRODUÇÃO ANÁLISE PDM Limite da área estudada e área de intervenção Edifícios classificados Componente

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DOS RISCOS NO PLANEAMENTO MUNICIPAL - O CASO DA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SETÚBAL

A INTEGRAÇÃO DOS RISCOS NO PLANEAMENTO MUNICIPAL - O CASO DA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SETÚBAL INTEGRATING RISKS IN MUNICIPAL PLANNING - THE CASE OF SETÚBAL S MASTER PLAN REVISION ESTRUTURA 1. Introdução 2. Planeamento Municipal e Riscos 3. Concelho de Setúbal Da Diversidade à Suscetibilidade Territorial

Leia mais

P L A N O S DIRETORES

P L A N O S DIRETORES CURSOS DE CAPACITAÇÃO PARA PLANOS ESTRUTURA GERAL DE CONTEÚDOS 1. Justificativa A partir dos anos 70 assistimos a rápida e abrupta urbanização da população brasileira. Segundo dados do IBGE, hoje 81% da

Leia mais

HABITAÇÃO E POLÍTICA FUNDIÁRIA

HABITAÇÃO E POLÍTICA FUNDIÁRIA HABITAÇÃO E POLÍTICA FUNDIÁRIA Profª Drª Luciana de Oliveira Royer AUP 278-2017 FAUUSP Resultados da Aplicação do Instrumento Diadema 1973: Plano Diretor do município - 70% da área urbanizável à implantação

Leia mais

Aula 9 Zoneamento ambiental e impactos cumulativos

Aula 9 Zoneamento ambiental e impactos cumulativos Aula 9 Zoneamento ambiental e impactos cumulativos Da aula passada... Cenários ambientais na bacia do rio Atibaia (Demanboro et al. 2013) foram selecionados 33 indicadores ambientais que permitiram as

Leia mais

Sete cidades integradas na gestão e prevenção dos riscos Experiências do GT Defesa Civil do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC

Sete cidades integradas na gestão e prevenção dos riscos Experiências do GT Defesa Civil do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC Sete cidades integradas na gestão e prevenção dos riscos Experiências do GT Defesa Civil do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC Quem somos e onde estamos 2 A Região do Grande ABC Formada pelos municípios:

Leia mais

GRUPO TEMÁTICO MORADIA E MOBILIDADE. Abril de 2013

GRUPO TEMÁTICO MORADIA E MOBILIDADE. Abril de 2013 GRUPO TEMÁTICO MORADIA E MOBILIDADE Abril de 2013 2 PRECARIEDADE HABITACIONAL Déficit por novas moradias Municípios N. unidades Peruíbe 1868 Itanhaém 6048 Mongaguá 1228 Praia Grande 6637 Santos 16876 São

Leia mais

Geotecnologias em um Novo Paradigma de Desenvolvimento

Geotecnologias em um Novo Paradigma de Desenvolvimento Geotecnologias em um Novo Paradigma de Desenvolvimento Gilberto Câmara Antônio Miguel Monteiro Divisão de Processamento de Imagens INPE Seminário sobre Indicadores de Sustentabilidade NEPO/UNICAMP, Abril

Leia mais

P R O P O S T A N.º 284/2018. Planeamento, Urbanismo, Património e Obras Municipais

P R O P O S T A N.º 284/2018. Planeamento, Urbanismo, Património e Obras Municipais - P R O P O S T A N.º 284/2018 Assunto: Aprovar o início do procedimento de delimitação da Unidade de Execução de Entrecampos e a abertura de um período de discussão pública. Pelouros: Planeamento, Urbanismo,

Leia mais

Universo de Atuação. Assentamentos Precários. Área de BH 331 Km² População *

Universo de Atuação. Assentamentos Precários. Área de BH 331 Km² População * Universo de Atuação Assentamentos Precários Área de BH 331 Km² População 2.412.937 * Nº de Assentamentos Precários 208 ** População em Assent. Precários 471.344 Hab. ** (19,5% da pop. do Município) Domicílios

Leia mais

O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL

O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL Modelo FPSEEA/OMS Forcas Motrizes Marco conceitual FPSEEA Efeito Pressão Situação Exposição Ambiente Saude Ações preventivas Ações curativas

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº Atuação do IPT em pesquisa e serviços tecnológicos para recursos hídricos Maria Cristina Jacinto de Almeida

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº Atuação do IPT em pesquisa e serviços tecnológicos para recursos hídricos Maria Cristina Jacinto de Almeida COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174639 Atuação do IPT em pesquisa e serviços tecnológicos para recursos hídricos Maria Cristina Jacinto de Almeida Palestra apresentada no Comitê de Bacia Hidrográfica da Serra da

Leia mais

ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011

ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011 ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011 1ª Parte: Pauta Conteúdos centrais da revisão do plano diretor (Prefeitura) 2ª Parte: Propostas do Segmento Macrozoneamento MACROZONAS Urbana

Leia mais

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Brasília, 07 de maio de 2015 Roteiro 1. A Política Nacional de Desenvolvimento Urbano 2. Avanços institucionais

Leia mais

Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares

Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares Kazuo Nakano Curitiba - 2014 Sumário Trajetória histórica do planejamento urbano no Município de São Paulo ao longo da segunda metade

Leia mais

Departamento Municipal de Limpeza Urbana Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Departamento Municipal de Limpeza Urbana Prefeitura Municipal de Porto Alegre As interfaces dos planos de saneamento, planos setoriais e planos de bacia hidrográfica Departamento Municipal de Limpeza Eng. Eduardo Fleck As interfaces dos Planos de Saneamento, Planos Setoriais DMLU/PMPA

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

SISTEMA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL OFICINA REGIONAL DE DEFESA CIVIL VALE DO PARANHANA,REGIÃO DAS HORTÊNSIAS E ALTO SINOS CURSO DE INICIAÇÃO DE PROFISSIONAIS, VOLUNTÁRIOS,AGENTES PÚBLICOS E POLÍTICOS EM DEFESA CIVIL 2ª Edição SISTEMA NACIONAL

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRA MORRINHOS III

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRA MORRINHOS III REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRA MORRINHOS III Regularização fundiária e urbanística de assentamentos urbanos REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRA O município de Guarujá possui uma extensão territorial de 143,577 km² (IBGE),

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NA LEI ESTADUAL DE PARCELAMENTO DO SOLO. Lei nº , de 22 de janeiro de 2018, revogou a Lei Estadual n 6.

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NA LEI ESTADUAL DE PARCELAMENTO DO SOLO. Lei nº , de 22 de janeiro de 2018, revogou a Lei Estadual n 6. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NA LEI ESTADUAL DE PARCELAMENTO DO SOLO Lei nº 17.492, de 22 de janeiro de 2018, revogou a Lei Estadual n 6.063/82 Lei n 6.063/82 - Dispõe sobre o parcelamento do Solo Urbano e dá

Leia mais

TIM-1. Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação da Área de Montante da Bacia do Córrego Leitão

TIM-1. Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação da Área de Montante da Bacia do Córrego Leitão UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Curso de Engenharia Civil TIM-1 Proposta de Diretrizes de Engenharia para o Planejamento da Ocupação da Área de Montante da Bacia do Córrego Leitão

Leia mais