ANEXOS FETAIS. Profª: Karin

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXOS FETAIS. Profª: Karin"

Transcrição

1 ANEXOS FETAIS Profª: Karin

2 É um órgão formado por tecido materno e fetal, realiza a troca gasosa de O2 e CO2 e nutrientes entre mãe e feto, implantada no fundo do corpo do útero. A face materna é de cor vinhosa, está aderida ao útero e a face fetal é cinza, azulada e lisa, nela está inserido o cordão umbilical. PLACENTA

3 A placenta secreta progesterona. A formação da placenta se desenvolve ao mesmo tempo que o embrião. Antes do 4º mês a placenta é + pesada que o embrião. 4º mês o peso é igual. Final da gravidez o peso da placenta é 1/6 do peso do feto.

4 CORDÃO UMBILICAL Formado por 2 aterias e um veia, é revestida pela geléia de Warton que lhe da aspecto esbranquiçado e gelatinoso, retorcido. Artéria umbilical-sangue venoso, retira os detritos metabólicos do feto. Veia carrega sangue arterial oxigenado e substâncias nutritivas da placenta e O2 vão para o feto. Mede cerca de 50 a 60 cm.

5

6 MEMBRANAS FETAIS O Cório e Âmnio formam a bolsa d água que reveste o feto.o Cório é mais próximo da parede do útero( externa ao feto). A membrana Amniótica é interna em relação ao feto, é mais fina e delicada. Rompe-se espontaneamente ou de modo artificial no parto.

7

8 LÍQUIDO AMNIÓTICO É um líquido derivado da mãe, no início da gravidez é um transudato de plasma materno. No 4 º mês de vida até o nascimento o feto engole líquido e elimina urina hipotônica. O líquido amniótico é substituído cerca de 1 vez a cada 3 horas. É formado de 98% de água, 1 a 2% de sólidos orgânicos e inorgânicos. O aumento do líquido amniótico chama-se polidrâmnios e a diminuição oligoidrâmnio. Função: proteger o feto (amortecer trauma).

9 GRAVIDEZ MÚLTIPLA É aquela na qual o útero contem 2 ou + embriões, gêmeos. A gravidez de gêmeos resulta na fertilização de : - 2 óvulos separados - de um único óvulo. A fertilização de 2 óvulos origina um ovo duplo, dizigótico; 1óvulo resulta em um ovo único, monozigoto (gêmeos idênticos).

10 No caso de gêmeos dizigóticos, os óvulos podem vir do mesmo ovário ou de ovários diferentes, implanta-se individualmente no útero, há 2 placentas. Os gêmeos monozigóticos são gêmeos verdadeiros, origina- se da união de 1 óvulo e 1 espermatozóide, a separação das células do zigoto resulta em 2 embriões. Orientações a família e parto (aspecto social, econômico e psicológico).

11 ATENDIMENTO PRÉ-NATAL Objetivos: -Preparo físico e psicológico da gestante; -Prevenir, identificar e tratar patologias; -Controle obstétrico; -Educação sanitária; No pré natal é feito o acompanhamento da mãe e do feto por atendimento periódicos e exames. A gravidez e o puerpério formam o ciclo gravídico.

12 EXAMES Exames clínicos e obstétrico: Laboratoriais: - Urina - Parasitológico de fezes Sorológico: - VDRL ( sífilis); - Toxoplasmose; - HIV - Hemograma completo - Glicemia - ABO e fator Rh

13 Exame ginecológico: exame das mamas, preventivo ( papanicolau) USG pélvica. É possível ouvir o BCF a partir da 17º a 18º semana de gravidez É muito importante iniciar o pré- natal CEDO.

14 Exame de sangue: Hemograma: anemia Glicemia: DM Tipagem: prevenir complicações Sorologia para sífilis (lues) é uma doença grave, mas com tratamento eficaz. A sífilis na gestante pode provocar abortamento tardio, morte do feto, passa por via transplacentária. Sendo tratada até a 18º semana de gravidez a criança não terá sífilis.

15 Exame de urina: ITU Ocorre Pressão alta, edema nos últimos 3 meses, pode ser pré-eclâmpsia, o exame de urina confirma o DX através da presença de proteína.

16 VACINAÇÃO A vacina DT deve ser feita durante a gravidez, para o tétano umbilical na criança. A vacinação é feita em 3 doses, a partir do 5º ou 6 º mês, com intervalos de 1 a 2 meses. A 1º dose é dada no 5º mês, a 2º no 7º mês e a 3º 6 meses após a 1º dose. As gestantes vacinadas há mais de 5 anos e menos de 10 anos devem tomar apenas 1 dose de reforço.

17 Exame físico da gestante: Consiste em: Avaliar o estado geral (pele, mucosas, hidratação, edemas) Verificar SSVV Averiguar os diversos sistemas (digestivo, respiratório) Verificar peso

18 Exame Obstétrico: Consiste em: Inspecionar, Palpar e Mensurar; Auscultar, Tocar Exame especular.

19 Inspeção obstétrica Observar: Lanugem do couro cabeludo( sinal de Halban) Cloasma gravídico em face Mamas: aumento da vascularização rede de Haller; auréola secundaria, Tubérculos de Montegomery Abdômen: linha Alba, aumento do volume, estrias MMII: Varizes e edema. Genitais: hiperpigmentação, edema, coloração violácea ( sinal de Jacquemeir)

20

21 Manobra de Leopold

22 2) Palpação e Mensuração Sentir pelo toque o conteúdo do útero, perceber as partes fetais e no final da gestação a posição fetal. Mensuração: avalia-se o crescimento do útero. 4 cm por mês. 3) Ausculta Ouvir os BCF durante 1 minuto através de : -estetoscópio de Pinard - Sonar Doppler Os BCF são audíveis no dorso fetal. F: 120 a 160 bpm Com o sonar os BCF é audível na 10º a 12º, 2meses. Pinard na 20 a 22º semana,5 meses.

23 4) Toque Deve ser feito na 1ª consulta e ao final da gestação. Avaliar as condições do canal de parto, presença de tumores ou massas anormais. 5) Exame especular Observar presença de lesões cervicais ou vaginais. Colhe-se papanicolau.

24

ATENDIMENTO PRÉ-NATAL PROF.ª LETICIA PEDROSO

ATENDIMENTO PRÉ-NATAL PROF.ª LETICIA PEDROSO ATENDIMENTO PRÉ-NATAL PROF.ª LETICIA PEDROSO Objetivos 1.Preparo físico e psicológico da gestante; 2.Prevenir, identificar e tratar patologias que possam ocorrer durante a gestação; 3.Controle obstétrico;

Leia mais

Anexos fetais PROFª LETICIA PEDROSO

Anexos fetais PROFª LETICIA PEDROSO Anexos fetais PROFª LETICIA PEDROSO Placenta É um órgão formado por tecido materno e fetal. Responsável pela trocas de O2 e CO2 entre a mãe e o feto e de substâncias nutritivas necessárias ao crescimento

Leia mais

GRAVIDEZ. Profª: Karin

GRAVIDEZ. Profª: Karin GRAVIDEZ Profª: Karin Diagnóstico da gravidez: Toque Exame de urina - Colhido após o repouso noturno, com atraso menstrual de 3 a 14 semanas. Teste (farmácia)- resultado positivo maior com 3 semanas

Leia mais

Gravidez. Prof.ª Leticia Pedroso

Gravidez. Prof.ª Leticia Pedroso Gravidez Prof.ª Leticia Pedroso Qual a sensação ao descobrir que você está grávida?? 23/03/20 18 DIAGNÓSTICO DE GESTAÇÃO Vem se tornando cada vez mais preciso e precoce, podendo ser feito pelo emprego

Leia mais

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Ciclo Menstrual Menstruação - fluxo de sangue e restos de mucosa uterina periodicamente eliminados pela vagina. Ciclo Menstrual Menstruação

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE EMBRIOLOGIA 8º ANO BIOLOGIA LUCIANA ARAUJO 4º Bimestre

NOÇÕES BÁSICAS DE EMBRIOLOGIA 8º ANO BIOLOGIA LUCIANA ARAUJO 4º Bimestre NOÇÕES BÁSICAS DE EMBRIOLOGIA 8º ANO BIOLOGIA LUCIANA ARAUJO 4º Bimestre VÍDEOS Os vídeos aqui indicados são curtos e bem didático, vale a pena assistir. Siga a ordem apresentada. Links: Vídeo 1 Fecundação

Leia mais

Escola: Nome: Turma: N.º: Data: / / FICHA DE TRABALHO 1. adolescência 9 e os 15 anos nascimento. 8 e os 12 anos secundários primários

Escola: Nome: Turma: N.º: Data: / / FICHA DE TRABALHO 1. adolescência 9 e os 15 anos nascimento. 8 e os 12 anos secundários primários Conteúdo: Carateres Sexuais FICHA DE TRABALHO 1 adolescência 9 e os 15 anos nascimento 8 e os 12 anos secundários primários comportamento psicológicas puberdade Os caracteres sexuais estão presentes desde

Leia mais

Ciências Naturais, 6º Ano. Ciências Naturais, 6º Ano FICHA DE TRABALHO 1. Escola: Nome: Turma: N.º:

Ciências Naturais, 6º Ano. Ciências Naturais, 6º Ano FICHA DE TRABALHO 1. Escola: Nome: Turma: N.º: Conteúdo: Carateres Sexuais FICHA DE TRABALHO 1 adolescência 9 e os 15 anos nascimento Conteúdo: Carateres Sexuais FICHA DE TRABALHO 1 adolescência 9 e os 15 anos nascimento 8 e os 12 anos secundários

Leia mais

FECUNDAÇÃO SEGMENTAÇÃO

FECUNDAÇÃO SEGMENTAÇÃO GRAVIDEZ e PARTO FECUNDAÇÃO SEGMENTAÇÃO GASTRULAÇÃO NIDAÇÃO NEURULAÇÃO ORGANOGÊNESE!2 GRAVIDEZ HUMANA 40 semanas. Segmentação (1ª semana). Nidação (final da 1ª semana e 2ª semana). Gastrulação (final da

Leia mais

Questão 01 Diagnóstico da gestação

Questão 01 Diagnóstico da gestação Saúde Da Mulher: Diagnóstico Da Gestação, Modificações Gravídicas e Pré Natal. Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias Questão 01 Diagnóstico da gestação Segundo o Ministério da Saúde (MS, 2000), o diagnóstico

Leia mais

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 10. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 10. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 10 Profª. Lívia Bahia Enfermagem no acompanhamento do Pré Natal de baixo risco na Atenção Básica Apesar da redução importante da mortalidade infantil

Leia mais

Dr. Fábio Cabar ASSISTÊNCIA PRÉ NATAL REDE CEGONHA DR. FÁBIO R. CABAR

Dr. Fábio Cabar ASSISTÊNCIA PRÉ NATAL REDE CEGONHA DR. FÁBIO R. CABAR Dr. Fábio Cabar Médico formado pela Faculdade de Medicina da USP. Residência Médica em Obstetrícia e Ginecologia no Hospital das Clínicas da USP. Foi médico preceptor do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

SAÚDE DA MULHER NA ATENÇÃO BÁSICA Pré-natal

SAÚDE DA MULHER NA ATENÇÃO BÁSICA Pré-natal SAÚDE DA MULHER NA ATENÇÃO BÁSICA Pré-natal Profa. Dra. Carla Marins AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL Consultas Pré-Natais: Durante o pré-natal deverá ser realizado no mínimo 6 consultas, preferencialmente 1

Leia mais

Saúde da Mulher Prof. Hygor Elias

Saúde da Mulher Prof. Hygor Elias Saúde da Mulher Prof. Hygor Elias Ano: 2016 Banca: CESPE Órgão: TCE PA Prova: Auditor de Controle Externo Área Administrativa Enfermagem Comrelaçãoàassistênciadeenfermagemnaatençãobásicaàgestantenoprénatal

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS Como pode cair no enem? (PUC) O desenvolvimento embrionário nos vertebrados leva à formação, em determinado estágio, de certas estruturas que não

Leia mais

OBSTETRÍCIA AVALIAÇÃO DA GRAVIDEZ PARTE 1 DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ E MODIFICAÇÕES MATERNAS

OBSTETRÍCIA AVALIAÇÃO DA GRAVIDEZ PARTE 1 DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ E MODIFICAÇÕES MATERNAS AVALIAÇÃO DA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA PARTE 1 DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ E MODIFICAÇÕES MATERNAS DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ CLÍNICO LABORATORIAL ULTRASSONOGRÁFICO CLÍNICO: SINTOMAS INICIAIS SINAIS DE PRESUNÇÃO SINAIS

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. FSH, LH e. dos hormônios prolactina/posterior. ovarianos ocitocina) Regulação ciclo reprodutor e

ANATOMIA E FISIOLOGIA. FSH, LH e. dos hormônios prolactina/posterior. ovarianos ocitocina) Regulação ciclo reprodutor e 16/5/2011 ANATOMIA E FISIOLOGIA A regulação hormonal é controlada por três estruturas MATERNO INFANTIL Hipotálamo Estimula a hipófise pelas gonadotrofinas Hipófise (anteriorcontrolam a secreção FSH, LH

Leia mais

Enfermagem Materno Infantil

Enfermagem Materno Infantil FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES Escola Técnica Dr. Gualter Nunes Curso de Habilitação Profissional detécnicoem Enfermagem MÓDULO III Enfermagem Materno Infantil Tatuí-SP 2018 INDICE PARTE I OBSTETRÍCIA

Leia mais

Enfermagem Materno Infantil

Enfermagem Materno Infantil FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES Escola Técnica Dr. Gualter Nunes Curso de Habilitação Profissional detécnicoem Enfermagem MÓDULO III Enfermagem Materno Infantil Tatuí-SP INDICE PARTE I OBSTETRÍCIA 1.

Leia mais

31/08/2015. Obstetrícia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Diagnóstico. Beta- hch. hormônio gonadotrófico coriônico

31/08/2015. Obstetrícia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Diagnóstico. Beta- hch. hormônio gonadotrófico coriônico Fisioterapia na Saúde da Mulher Obstetrícia Profa Elaine C. S. Ovalle Beta- hch Diagnóstico hormônio gonadotrófico coriônico 1 Conceitos - Embrião: até a 8ª semana - Feto: 9ª semana até o nascimento -

Leia mais

Cap. 12 Reprodução Humana. Prof. Tatiana Novembro / 2018

Cap. 12 Reprodução Humana. Prof. Tatiana Novembro / 2018 Cap. 12 Reprodução Humana Prof. Tatiana Novembro / 2018 Adolescência e Puberdade Adolescência: transição entre a infância e a vida adulta. Puberdade: período inicial da adolescência, o qual ocorrem mudanças

Leia mais

Prof.ª Leticia pedroso

Prof.ª Leticia pedroso Prof.ª Leticia pedroso Alterações fisiológicas da gravidez São alterações que ocorrem no organismo da mulher durante a gestação e que desparecem após o parto. São inevitáveis, temporárias e que estão presentes

Leia mais

PARTE II - Enfermagem no Processo de Saúde e Doença da Mulher OBSTETRÍCIA Prof. Ma. Ludmila Balancieri.

PARTE II - Enfermagem no Processo de Saúde e Doença da Mulher OBSTETRÍCIA Prof. Ma. Ludmila Balancieri. PARTE II - Enfermagem no Processo de Saúde e Doença da Mulher OBSTETRÍCIA Prof. Ma. Ludmila Balancieri. FECUNDAÇÃO 1. Inseminação Deposição do seme na vagina, são denominados espermatozoides. A espermatogênese

Leia mais

60 horas Prof.ª Leticia Pedroso

60 horas Prof.ª Leticia Pedroso 60 horas Prof.ª Leticia Pedroso Trabalhos patologias obstétricas Grupo 1 Gravidez ectópica Grupo 2 - Mola Hidatiforme Grupo 3 Aborto Grupo 4 Hiperêmese Gravídico Grupo 5 Placenta Prévia Grupo 6 Descolamento

Leia mais

ORGANIZADOR. Página 1 de 7

ORGANIZADOR. Página 1 de 7 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 ULTRASSONOGRAFIA (R) / 0 PROVA DISCURSIVA Página de 7 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 ULTRASSONOGRAFIA (R) / 0 PROVA DISCURSIVA ULTRASSONOGRAFIA ) Mulher de 9 anos, DUM em 8//5, realizou

Leia mais

1- Aproximadamente qual percentagem de abortamentos espontâneos de primeiro trimestre apresenta anomalias cromossômicas?

1- Aproximadamente qual percentagem de abortamentos espontâneos de primeiro trimestre apresenta anomalias cromossômicas? Prova de obstetricia-20-5-18-1- Aproximadamente qual percentagem de abortamentos espontâneos de primeiro trimestre apresenta anomalias cromossômicas? a)1% b)10% c)25% d-50% 2- Uma paciente dá entrada no

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. Nome. Endereço. Município. Bairro. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. ANS- nº

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. Nome. Endereço. Município. Bairro. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. ANS- nº CARTÃO DA GESTANTE Nome ANS- nº 0004 Endereço Município Bairro Telefone Nome da Operadora Registro ANS AGENDAMENTO Hora Nome do profissional Sala ANS- nº 0004 1 Idade Estado Civil Peso anterior Altura (cm)

Leia mais

Vigilância no prénatal, puerpério 2017

Vigilância no prénatal, puerpério 2017 Vigilância no prénatal, parto e puerpério 2017 Doenças de transmissão vertical Outras: HTLV Tuberculose Malária Chagas Dengue Zika Chikungunya Principais Doenças de Transmissão Vertical no Brasil Sífilis

Leia mais

Marco B I O L O G I A EMBRIOLOGIA HUMANA CLIVAGEM

Marco B I O L O G I A EMBRIOLOGIA HUMANA CLIVAGEM VEST Marco @vestmapamental B I O L O G I A EMBRIOLOGIA HUMANA CLIVAGEM Na espécie humana, aproximadamente 30 horas após a fecundação, o zigoto inicia a primeira divisão, dando origem a dois blastômeros.

Leia mais

AULA Rede de atenção que garanta acesso, acolhimento e resolutividade

AULA Rede de atenção que garanta acesso, acolhimento e resolutividade AULA 10 A Rede Cegonha Implementada em 2011, a Rede Cegonha é uma Rede de cuidados que assegura às MULHERES o direito ao planejamento reprodutivo, à atenção humanizada à gravidez, parto e puerpério, e

Leia mais

Vigilância no prénatal, puerpério 2017

Vigilância no prénatal, puerpério 2017 Vigilância no prénatal, parto e puerpério 2017 Doenças de transmissão vertical Outras: HTLV Tuberculose Malária Chagas Dengue Zika Chikungunya Principais Doenças de Transmissão Vertical no Brasil Sífilis

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. (11) Opção 2 - Opção 2. Nome do Profissional. Data. Ligue!

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. (11) Opção 2 - Opção 2. Nome do Profissional. Data. Ligue! cegonha@trasmontano.com.br CARTÃO DA GESTANTE Nome: Endereço: Bairro: Município: UF: Telefone: Celular: AGENDAMENTO Hora Nome do Profissional Sala Ligue! (11) 3293 1515 Opção 2 - Opção 2 P R O G R A M

Leia mais

Embriologia. Móds. 31 e 32 Biologia B Prof. Rafa

Embriologia. Móds. 31 e 32 Biologia B Prof. Rafa Embriologia Móds. 31 e 32 Biologia B Prof. Rafa Embriologia: estuda o desenvolvimento do embrião, da formação do zigoto Embriologia: estuda o desenvolvimento do embrião, da formação do zigoto Embriologia:

Leia mais

Tipos de ovos: Oligolécito - Pouco vitelo distribuição homogênea. Alécito Não possuem vitelo Mamíferos

Tipos de ovos: Oligolécito - Pouco vitelo distribuição homogênea. Alécito Não possuem vitelo Mamíferos EMBRIOLOGIA Tipos de ovos: Oligolécito - Pouco vitelo distribuição homogênea Anfioxo Alécito Não possuem vitelo Mamíferos Heterolécito - Mais vitelo distribuição heterogênea Anelídeos e Anfíbios Telolécito

Leia mais

Marco B I O L O G I A EMBRIOLOGIA HUMANA ORGANOGÊNESE. Ao final da Organogênese, a ectoderme dá origem às seguintes estruturas:

Marco B I O L O G I A EMBRIOLOGIA HUMANA ORGANOGÊNESE. Ao final da Organogênese, a ectoderme dá origem às seguintes estruturas: VEST Marco @vestmapamental B I O L O G I A EMBRIOLOGIA HUMANA ORGANOGÊNESE Ao final da Organogênese, a ectoderme dá origem às seguintes estruturas: Durante a organogênese também ocorrem modificações na

Leia mais

Bibliografia Obstetrícia Fundamental Rezende 12ª ed. Zugaib Obstetrícia 2008 Ginecologia e Obstetrícia SOGIMIG 3ª edição Embriologia Clínica Moore

Bibliografia Obstetrícia Fundamental Rezende 12ª ed. Zugaib Obstetrícia 2008 Ginecologia e Obstetrícia SOGIMIG 3ª edição Embriologia Clínica Moore Profª. Keyla Ruzi Bibliografia Obstetrícia Fundamental Rezende 12ª ed. Zugaib Obstetrícia 2008 Ginecologia e Obstetrícia SOGIMIG 3ª edição Embriologia Clínica Moore Programa de Atualização em Ginecologia

Leia mais

O RECÉM-NASCIDO NORMAL A TERMO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM PROFª LETICIA PEDRSO

O RECÉM-NASCIDO NORMAL A TERMO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM PROFª LETICIA PEDRSO O RECÉM-NASCIDO NORMAL A TERMO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM PROFª LETICIA PEDRSO Cuidados com RN Recém-nato a termo é a criança nos 28 primeiros dias de vida, nascida de uma gestação de 38 a 42 semanas. Características

Leia mais

Copyright Viseu. Thiago Regina Lucas Martinez Renato Souza Junior Tiago Shima. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Copyright Viseu. Thiago Regina Lucas Martinez Renato Souza Junior Tiago Shima. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Copyright Viseu Editor Capa Revisão Projeto Gráfico Thiago Regina Lucas Martinez Renato Souza Junior Tiago Shima Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) de Góes Soligo, Adriana Manual da

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Consulta odontológica

Consulta odontológica Consulta odontológica 18 17 16 15 14 13 12 11 21 22 23 24 25 26 27 28 48 47 46 45 44 43 42 41 31 32 33 34 35 36 37 38 Legenda *- Mancha branca ativa Ca - Lesão cavitada ativa PF - Prótese fi xa O - Mancha

Leia mais

GESTANTE CARTÃO DA. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

GESTANTE CARTÃO DA. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PARTO PROF.ª. LETICIA PEDROSO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PARTO PROF.ª. LETICIA PEDROSO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PARTO PROF.ª. LETICIA PEDROSO Tempo de gestação Gestação normal 40 semanas Prematuro inferior a 38 semanas A termo 38 a 41 semanas Pós-termo acima de 41 semanas Sinais de parto

Leia mais

http://www.boggiostudios.com/galleries/gallery/pregnancy 1 1- Espermatozoide atravessa a corona radiata. 2- Cabeça do espermatozoide adere à zona pelúcida 3- Reação acrossômica: o conteúdo do acrossomo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIO DE EMBRIOLOGIA

LISTA DE EXERCÍCIO DE EMBRIOLOGIA BIOLOGIA Prof. Fred Guilherme LISTA DE EXERCÍCIO DE EMBRIOLOGIA 1. (PUC-SP) A figura abaixo representa um corte transversal de anfioxo, em que estão indicadas quatro estruturas: 5. (UFJF) Independentemente

Leia mais

GESTANTE CARTÃO DA AGENDAMENTO NOME ENDEREÇO BAIRRO MUNICÍPIO UF TELEFONE NOME DA OPERADORA POSTAL SAÚDE. REGISTRO ANS nº

GESTANTE CARTÃO DA AGENDAMENTO NOME ENDEREÇO BAIRRO MUNICÍPIO UF TELEFONE NOME DA OPERADORA POSTAL SAÚDE. REGISTRO ANS nº CARTÃO DA GESTANTE NOME ENDEREÇO BAIRRO MUNICÍPIO UF TELEFONE NOME DA OPERADORA POSTAL SAÚDE REGISTRO ANS nº 41913-3 AGENDAMENTO Data Hora Nome do Profissional Sala Carta de Informação à Gestante O parto

Leia mais

Catálogo Laboratório de Simulação

Catálogo Laboratório de Simulação Catálogo Laboratório de Simulação Cirurgia Clínica Médica Emergência Emergência Pediatria Ginecologia e Obstetrícia Odontologia Oftalmologia Ortopedia Otorrino Pediatria Urologia Assessoria de Comunicação

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 PRÉ-REQUISITO (R4) PROVA ESCRITA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 PRÉ-REQUISITO (R4) PROVA ESCRITA 1 OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA / ULTRASSONOGRAFIA 1) Secundípara com 26 anos deu à luz por parto vaginal a recém-nascido (RN) a termo que pesou 3.450g. Ambos assintomáticos receberam alta no terceiro dia.

Leia mais

Atividades de Embriologia

Atividades de Embriologia DISCIPLINA: Biologia I DATA: 13/09/2017 Atividades de Embriologia 01 - (Cefet MG 2015) Analise a representação da sequência de eventos que ocorrem no aparelho reprodutor feminino humano. 03 - (Mackenzie

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE CARTÃO DA GESTANTE. Central de agendamento: Dúvidas sobre sua gestação: Nome.

CARTÃO DA GESTANTE CARTÃO DA GESTANTE. Central de agendamento: Dúvidas sobre sua gestação: Nome. CARTÃO DA GESTANTE CARTÃO DA GESTANTE Central de agendamento: 2463-6000 Dúvidas sobre sua gestação: 2463-6052 Nome Endereço Bairro Município UF www.nextsaude.com.br Telefone Anotações: Agendamento: Hora

Leia mais

Tema Sífilis Congênita

Tema Sífilis Congênita Tema Sífilis Congênita Palestrante Maria Ignez Estades Bertelli médica pediatra e diretora da Divisão de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde de Caxias do Sul Importância A transmissão

Leia mais

PLACENTA E ANEXOS EMBRIONÁRIOS

PLACENTA E ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIONÁRIOS Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Prof. Adjunto da Disciplina de Embriologia Início da implantação embrioblasto trofoblasto 1 -Após a adesão, o trofoblasto se diferencia em: Citotrofoblasto

Leia mais

Sistemas Humanos. Sistema Genital Compreende o conjunto de órgãos com função reprodutora, sendo diferente entre homens e mulheres.

Sistemas Humanos. Sistema Genital Compreende o conjunto de órgãos com função reprodutora, sendo diferente entre homens e mulheres. Sistemas Humanos Prof. Leonardo F. Stahnke Sistema Compreende o conjunto de órgãos com função reprodutora, sendo diferente entre homens e mulheres. Hipófise 1 Além da produção de testosterona e androgênio

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação 8º Ano ( ) - Ciências - Valor: Profª: Nize G. Chagas Pavinato

COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação 8º Ano ( ) - Ciências - Valor: Profª: Nize G. Chagas Pavinato COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação 8º Ano ( ) - Ciências - Valor: Profª: Nize G. Chagas Pavinato Aluno(a): Data: / / 1. Cite a função das plaquetas, componente do sangue. Quando há uma baixa quantidade

Leia mais

Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto 1 a Semana de Desenvolvimento embrionário Massa Celular Interna Blastocisto Blastocele Trofoblasto 2 a Semana de Desenvolvimento:início

Leia mais

MEDICINA LEGAL. Sexologia. Parte 3. Profª. Leilane Verga

MEDICINA LEGAL. Sexologia. Parte 3. Profª. Leilane Verga MEDICINA LEGAL Parte 3 Profª. Leilane Verga Gravidez Perícia do parto Puerpério GRAVIDEZ Estado fisiológico da mulher durante o qual ela traz dentro de si o produto da concepção. Sinais de gravidez: Presunção

Leia mais

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017 Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017 Principais Doenças de Transmissão Vertical no Brasil Sífilis congênita HIV-AIDS Hepatites B e C Rubéola congênita Toxoplasmose congênita

Leia mais

O00-O99 CAPÍTULO XV : Gravidez, parto e puerpério O00-O08 Gravidez que termina em aborto O10-O16 Edema, proteinúria e transtornos hipertensivos na gravidez, no parto e no puerpério O20-O29 Outros transtornos

Leia mais

Vigilância nutricional da criança e da mulher durante o pré-natal e. Profa Milena Bueno

Vigilância nutricional da criança e da mulher durante o pré-natal e. Profa Milena Bueno Vigilância nutricional da criança e da mulher durante o pré-natal e puerpério. Gestação e Puerpério Atenção Pré natal e no puerpério: garantia do bem estar materno e neo natal. Primeira consulta: ate 120

Leia mais

Patologias Obstétricas

Patologias Obstétricas Patologias Obstétricas Do 1º Trimestre: HIPERÊMESE GRAVÍDICA É um quadro patológico constituído por vômitos intensos. Ocorre: nos primeiros 3 meses. Incidência: É mais comum em primigestas. Causas: Físicas

Leia mais

Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças. Prof. Ricardo Mattos UNIG,

Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças. Prof. Ricardo Mattos UNIG, Saúde Integral da Mulher Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças Obstétricas Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Neoplasia Trofoblástica Gestacional Mola Hidatiforme A freqüência é de 1 caso para cada

Leia mais

Gametogênese Ovogênese. Prof a. Marta G. Amaral, Dra. Embriologia molecular

Gametogênese Ovogênese. Prof a. Marta G. Amaral, Dra. Embriologia molecular Gametogênese Ovogênese Prof a. Marta G. Amaral, Dra. Embriologia molecular Cél germinativa primordial (CGP) CGP Oogônias Inicia antes do nascimento Depois entra em repouso Na puberdade termina a diferenciação

Leia mais

Dr. Fábio Cabar FISIOLOGIA DA GESTAÇÃO. Dr. Fábio Cabar

Dr. Fábio Cabar FISIOLOGIA DA GESTAÇÃO. Dr. Fábio Cabar Dr. Fábio Cabar Médico formado pela Faculdade de Medicina da USP. Residência Médica em Obstetrícia e Ginecologia no Hospital das Clínicas da USP. Foi médico preceptor do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia

Leia mais

A ASSISTÊNCIA IMEDIATA AO RECÉM- NASCIDO. Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018

A ASSISTÊNCIA IMEDIATA AO RECÉM- NASCIDO. Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018 A ASSISTÊNCIA IMEDIATA AO RECÉM- NASCIDO Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018 ASSISTÊNCIA IMEDIATA AO RECÉM-NASCIDO Ao nascimento, a maioria dos RN apresenta boa vitalidade e não necessita de manobras de

Leia mais

Fisiologia do Parto: Contratilidade Uterina e Períodos Clínicos do Parto. Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018

Fisiologia do Parto: Contratilidade Uterina e Períodos Clínicos do Parto. Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018 Fisiologia do Parto: Contratilidade Uterina e Períodos Clínicos do Parto Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018 CONTRATILIDADE UTERINA A presença da contração uterina é uma constante em todo o ciclo gravídico-puerperal

Leia mais

Vigilância no pré-natal, parto e puerpério 2018

Vigilância no pré-natal, parto e puerpério 2018 Vigilância no pré-natal, parto e puerpério 2018 Doenças de transmissão vertical Principais patógenos e formas de transmissão Outras: HTLV Tuberculose Malária Chagas Dengue Chikungunya ZIKA Gilbert, 2004

Leia mais

TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL

TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL Texto da responsabilidade do Centro de Diagnóstico Prénatal da Maternidade Dr. Alfredo da Costa. Última revisão: Janeiro 2003 AMNIOCENTESE E CORDOCENTESE

Leia mais

Teste de avaliação Reprodução Humana

Teste de avaliação Reprodução Humana Teste de avaliação Reprodução Humana Antes de começares a responder, lê todas as questões com muita atenção! 1. Para que surja um novo ser, no caso da reprodução sexuada, são necessárias duas células reprodutoras:

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

Cartão da Gestante. Cartão da Gestante. REAL GRANDEZA - Fundação de Previdência e Assistência Social Agendamento. Data Hora Profissional Sala

Cartão da Gestante. Cartão da Gestante. REAL GRANDEZA - Fundação de Previdência e Assistência Social Agendamento. Data Hora Profissional Sala Operadora REAL GRANDEZA - Fundação de Previdência e Assistência Social Registro ANS 33131-7 Agendamento Data Hora Profissional Sala Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial, que

Leia mais

Disciplina: Específica

Disciplina: Específica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos Edital nº 293/2016 Resultado do julgamento dos recursos interpostos contra as questões

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 7 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 11. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 11. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 11 Profª. Lívia Bahia Enfermagem no acompanhamento do Pré Natal de baixo risco na Atenção Básica Avaliação e Classificação do Risco Gestacional Devido

Leia mais

DICIONÁRIO DE DADOS_GESTANTES. Campo alfabético

DICIONÁRIO DE DADOS_GESTANTES. Campo alfabético LAYOUT DE ARQUIVO A EXPORTAR PELOS PEPS RELAÇÃO DE GESTANTES ATIVAS E QUE ENCERRARAM O PRÉ-NATAL NO ANO EM (DADOS ACUMULADOS MENSALMENTE) PERIODICIDADE: MENSAL TIPO DE ARQUIVO: CSV SEPARADO POR PONTO E

Leia mais

Prof. Leonardo F. Stahnke 29/06/2018. APP: Human Body (Male) Sistemas Humanos

Prof. Leonardo F. Stahnke 29/06/2018. APP: Human Body (Male) Sistemas Humanos APP: Human Body (Male) Sistemas Humanos Prof. Leonardo F. Stahnke Sistema Glandular Compreende as glândulas endócrinas (que produzem hormônios, que são liberados na corrente sanguínea, agindo sobre célulasalvo)

Leia mais

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido...

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido... Sumário Parte I Papéis e relacionamentos 1. Visão geral da enfermagem materna...23 O processo de enfermagem...25 Planejamento familiar...26 Gestação na infância ou na adolescência...26 Gestação após os

Leia mais

PLACENTA E MEMBRANAS FETAIS

PLACENTA E MEMBRANAS FETAIS Início da implantação embrioblasto trofoblasto Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Disciplina de Embriologia -Após a adesão, o trofoblasto se diferencia em: Citotrofoblasto Sinciciotrofoblasto sinciciotrofoblasto

Leia mais

Seleção Residência Médica HUSM/ UFSM Candidato: Prova Escrita MEDICINA FETAL ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

Seleção Residência Médica HUSM/ UFSM Candidato: Prova Escrita MEDICINA FETAL ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA 1 Candidato: Prova Escrita MEDICINA FETAL ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA 2 QUESTÃO 01 Em relação ao climatério e uso de terapia hormonal (TH), relacione as colunas e após marque a alternativa

Leia mais

Lisa Ferreira Vicente Divisão de Saúde Sexual Reprodutiva Infantil e Juvenil Direção Geral da Saúde

Lisa Ferreira Vicente Divisão de Saúde Sexual Reprodutiva Infantil e Juvenil Direção Geral da Saúde Evolução da Taxa de Cesarianas em Portugal implicação da distócia e sofrimento fetal.. Lisa Ferreira Vicente Divisão de Saúde Sexual Reprodutiva Infantil e Juvenil Direção Geral da Saúde Direção de Serviços

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º Dia Data Hora Professor/GAD Sala Conteúdo Módulo Michele - GAD Anatomia e

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º Dia Data Hora Professor/GAD Sala Conteúdo Módulo Michele - GAD Anatomia e Página 1 PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA MÉDICA IV 1º 2018 Dia Data Hora Professor/GAD Sala Conteúdo Módulo Aula inaugural: Apresentação da UC, Plano de Ensino e Critérios de Avaliação Principais

Leia mais

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º Dia Data Hora Professor/GAD Sala Conteúdo Módulo Michele - GAD Anatomia e

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º Dia Data Hora Professor/GAD Sala Conteúdo Módulo Michele - GAD Anatomia e Página 1 PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA MÉDICA IV 1º 2018 Dia Data Hora Professor/GAD Sala Conteúdo Módulo Aula inaugural: Apresentação da UC, Plano de Ensino e Critérios de Avaliação Principais

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GESTAÇÃO

DIAGNÓSTICO DA GESTAÇÃO DIAGNÓSTICO DA GESTAÇÃO Exame no 1º Trimestre - Embrião Normal 24 horas após a fecundação: início da clivagem 3/4 dias: mórula penetração no útero Nidação na fase de blastocisto: 2 camadas Camada externa:

Leia mais

Diplofase. Haplofase

Diplofase. Haplofase Prof. Bruno Uchôa Diplofase Haplofase O sexo de um indivíduo é determinado, geneticamente, de acordo com os cromossomas sexuais que se encontram no ovo. As estruturas masculinas e femininas desenvolvem-se

Leia mais

26/08/2016. Questões UFG. Doenças Transmissíveis

26/08/2016. Questões UFG. Doenças Transmissíveis Enfermagem para Concursos Públicos em exercícios Questões UFG Doenças Transmissíveis (UFG Universidade Federal de Goiás GO Enfermeiro 2015) Todas as pessoas com suspeita de dengue devem receber o primeiro

Leia mais

Ovócito II com espermatozóide (zigoto) Fecundação ou Fertilização - Mórula Nidação (3 dias) - Gástrula

Ovócito II com espermatozóide (zigoto) Fecundação ou Fertilização - Mórula Nidação (3 dias) - Gástrula DISCIPLINA DE MEDICINA FORENSE CURSO DE DIREITO UEL Prof.Dr. Alcindo Cerci Neto OBSTETRÍCIA FORENSE Concepção e Fecundação Fecundação Ovócito II com espermatozóide (zigoto) Fecundação ou Fertilização -

Leia mais

LIÇÕES DE PEDIATRIA VOL. I GUIOMAR OLIVEIRA JORGE SARAIVA. Versão integral disponível em digitalis.uc.pt COORDENAÇÃO

LIÇÕES DE PEDIATRIA VOL. I GUIOMAR OLIVEIRA JORGE SARAIVA. Versão integral disponível em digitalis.uc.pt COORDENAÇÃO IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA COIMBRA UNIVERSITY PRESS VOL. I LIÇÕES DE PEDIATRIA GUIOMAR OLIVEIRA JORGE SARAIVA COORDENAÇÃO Capítulo 9. Neonatologia 9 José Carlos Peixoto e Carla Pinto DOI: https://doi.org/10.14195/978-989-26-1300-0_9

Leia mais

Tema 1 Conhecendo o processo da gravidez 5

Tema 1 Conhecendo o processo da gravidez 5 Tema 1 Conhecendo o processo da gravidez Objetivo geral do tema Evidenciar a importância do pré-natal para a saúde da mãe e do bebê. Objetivos específicos voltados para o conteúdo Ao final do estudo deste

Leia mais

SINAIS DE PERIGO NA GRAVIDEZ. Profª Leticia Pedroso

SINAIS DE PERIGO NA GRAVIDEZ. Profª Leticia Pedroso SINAIS DE PERIGO NA GRAVIDEZ Profª Leticia Pedroso SINAIS DE PERIGO NA GRAVIDEZ Algumas mulheres podem ter problemas durante a gravidez, e reconhecer os sinais que indicam perigo na gravidez para procurar

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Dra. Cássia Elena Soares Fluxograma de Pré-Natal Mulher com suspeita de gravidez Atraso menstrual Náusea Suspensão ou irregularidade do uso do contraceptivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE NOTA TÉCNICA Nº 60-SEI/2017-CGAA/DAB/SAS/MS

MINISTÉRIO DA SAÚDE NOTA TÉCNICA Nº 60-SEI/2017-CGAA/DAB/SAS/MS MINISTÉRIO DA SAÚDE NOTA TÉCNICA Nº 60-SEI/2017-CGAA/DAB/SAS/MS 1. ASSUNTO Esclarecimento sobre a utilização dos sistemas e-sus AB e Sisprenatal Web no âmbito da Atenção Básica. 2. ANÁLISE O Departamento

Leia mais

As alterações são grandes para que haja sustentação das necessidades maternas e para o desenvolvimento do feto

As alterações são grandes para que haja sustentação das necessidades maternas e para o desenvolvimento do feto ALTERAÇÕES CARDIORRESPIRATÓRIAS NA GESTAÇÃO Gestação e Exercício dois fatores que alteram o sistema cardiorrespiratório Gestacionais devido aos hormônios do feto e da placenta Exercício devido ao estresse

Leia mais

Microcefalia na atenção básica

Microcefalia na atenção básica Microcefalia na atenção básica Enfoque da Medicina Fetal Dra. Jamile Simas Abi Saab MICROCEFALIA NA ATENÇÃO BÁSICA Microcefalia: malformação congênita em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada.

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO OVÁRIO E ÚTERO Ovariosalpingohisterectomia Cesariana Ovariosalpingohisterectomia Indicações Inibição do ciclo estral Distúrbios

Leia mais

Fabiana Santos Troian. Declaração de conflito de interesse

Fabiana Santos Troian. Declaração de conflito de interesse Fabiana Santos Troian Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

* Depende do protocolo da Unidade Coordenadora Funcional

* Depende do protocolo da Unidade Coordenadora Funcional PROTOCOLO DE VIGILÂNCIA MATERNO-FETAL Consulta Pré-concepção Médico de Familia GRAVIDEZ S/RISCO Médico de Família GRAVIDEZ DE RISCO Médico de Medicina Materno-Fetal Consulta de Referência HAP ou HAPD Consulta

Leia mais

UNISALESIANO. Profª Tatiani

UNISALESIANO. Profª Tatiani UNISALESIANO Profª Tatiani CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS DO SANGUE O sangue constitui o líquido corporal que se encontra dentro dos vasos sanguíneos e que através do sistema circulatório participa da

Leia mais