PROPOSTA. Conhecer para agir

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA. Conhecer para agir"

Transcrição

1 PLANO DE TRABALHO 2013 CLASB PROPOSTA Conhecer para agir O Presidente do CLASB (Manuel Durão, Dr.)

2 Introdução O Plano de Ação anual dos Conselhos Locais de Ação Social, por definição, é um documento que identifica os projetos e as intervenções previstas para um ano, que surgem devidamente enquadradas nas estratégias definidas no Plano de Desenvolvimento Social (PDS) da Rede Social concelhias, que emerge, por sua vez, do Diagnostico Social (DS). Em suma, os Planos de Ação anuais, consistem na própria operacionalização dos PDS. Como no âmbito da Rede Social Concelhia, o documento de PDS se encontra desatualizado, optou-se nos Planos de Ação de 2010 e 2011 por seguir as orientações e estratégias que resultaram da atualização do Diagnóstico Social de 2008, onde foram definidos 3 eixos de intervenção Prioritária. Recordando, as indicações para o quadro de prioridades dos Planos de Ação de 2010 e de 2011 foram organizadas em torno de 3 eixos de intervenção Prioritária (Eixo 1- Rede de Equipamentos e Serviços de Apoio a Grupos específicos, à Família e Comunidade /Eixo 2. Emprego, Educação, Formação e Qualificação/ Eixo 3. Articulação, cooperação e sistema de informação para o Desenvolvimento Social) Foram integradas nesses Planos de Ação de 2010 e 2011 algumas atividades desenvolvidas pelas instituições que o constituem. Essas atividades, programas, projetos e iniciativas foram apresentadas apenas a título ilustrativo do dinamismo social que o Concelho pretendeu ter durante estes anos em prol dos princípios e objetivos essenciais da Rede Social e sabemos que muitas outras atividades foram igualmente desenvolvidas prosseguindo os mesmos fins. No entanto, a metodologia para a elaboração do Plano de Ação de 2012 foi alterada, fruto essencialmente da discussão participada das reuniões de Núcleo Executivo (sugestões que posteriormente foram apreciadas e aprovadas em reunião de Plenário). Assim, em 2012 optou-se por uma outra metodologia na construção do Plano de Ação, sendo aceite que o Plano de Ação do CLASB não se deveria reduzir ao somatório das atividades/ações/projetos/iniciativas definidas nos Planos de atividades das próprias Instituições pertencentes ao CLASB que se enquadrassem nos objetivos da Rede Social. Núcleo Executivo do CLASB Rua Comandante Agatão Lança nº Campelo Telf /Fax

3 Sem qualquer intenção de desvalorizar todas as atividades aí inscritas, em bom rigor as mesmas não tiveram como suporte na sua planificação/definição os eixos de intervenção (válidos e atualizados) definidos nos documentos de orientação estratégica (PDS), uma vez que não estava em vigência qualquer PDS válido. Neste contexto, no Plano de Ação de 2012, e à semelhança do Plano de Ação da Plataforma Territorial Supraconcelhia do Tâmega para o mesmo ano, optou-se por reter algumas orientações mais objetivas e funcionais, decorrentes das próprias competências e obrigações dos Conselhos Locais de Ação Social, sem incorrermos na necessidade de definir eixos de intervenção sem suporte estratégico valido e atualizado. Por decisão do Núcleo Executivo em Janeiro de 2013, ainda houve lugar à abertura para recolha sugestões junto de todas as parcerias do CLASB para a definição de propostas de atividades que sugerissem Dinâmicas em Rede, tendo sido enviada uma Grelha todos os parceiros, para ser preenchida e remetida ao CLASB. Após a receção das respostas, concluiu-se que apesar das entidades demostrarem total disponibilidade para os fins da Rede Social, constata-se de fato a enorme dificuldade em definir e propor atividades sem aquele suporte de planeamento estratégico. Assim, o Núcleo Executivo, nas reuniões realizadas durante mês de Janeiro e Fevereiro de 2013, decidiu que os objetivos do Plano de Ação de 2012 deveriam continuar a figurar no Plano de Ação de 2013, porque se tratam de objetivos operacionais que se prendem com as próprias competências e obrigações deste Órgão de Parceria. Foi já unanimemente assumido na última reunião do Plenário do CLASB que a missão primordial do Plano de Ação de 2013 continua a ser a atualização do DS e do PDS. Experiências anteriores resultantes da avaliação de Redes Sociais a nível nacional (Projeto Rede em Pratica) e a consulta de diversos diagnósticos sociais concelhios permitem identificar várias linhas de aprofundamento e alargamento do seu conteúdo que passam, entre outros aspetos, por novas formas de os orientar e estruturar e, ainda, por uma maior diversidade metodológica. Núcleo Executivo do CLASB Rua Comandante Agatão Lança nº Campelo Telf /Fax

4 À abordagem essencialmente quantitativa e descritiva que a maioria dos diagnósticos proporciona, devemos procurar contrapor um diagnóstico cuja preocupação metodológica assenta no cruzamento de múltiplos instrumentos/técnicas, interligando as virtualidades que cada um apresenta, valorizando, todavia, aqueles que permitem uma análise mais indutiva e qualitativa e que contribuem para a problematização da informação e não apenas a um exercício de compilação de dados quantitativos e uma ausência de análise crítica dos mesmos. Neste sentido, estava já identificada a necessidade de constituir os Grupos de Trabalho Territorializados, envolvendo um conjunto de entidades privilegiadas de intervenção local. As dinâmicas e as opções metodológicas de trabalho com vista à elaboração dos documentos estratégicos de planeamento (elaboração atualizada do Diagnostico Social e a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social) terão de ser discutidas e definidas em função deste objetivo essencial. Partindo do reconhecimento da multidimensionalidade e da crescente complexidade dos fenómenos de exclusão social e da pobreza, a missão que temos pela frente não é simples nem rápida, exigirá uma atenção especial não apenas à dimensão de investigação propriamente dita mas também à sensibilização, à participação e ao envolvimento tanto das entidades ligadas à promoção da inclusão social e da cidadania como dos próprios destinatários da sua intervenção. È neste contexto de necessidades que se enquadra a presente proposta de Plano de Ação do CLASB para O Presidente do CLASB Manuel de Gouveia Durão, Dr. Núcleo Executivo do CLASB Rua Comandante Agatão Lança nº Campelo Telf /Fax

5 PLANO DE AÇÃO DO CLASB DE 2013 Linha orientadora Atividades /Objetivos Operacionais Indicador Responsáveis Calendarização 1.1. Elaborar e Monitorizar Plano de Ação de Promover a atualização do Diagnostico Social Constituição de Grupos de trabalho territorializados 1 para elaboração conjunta e participada dos novos documentos orientadores da Rede Social 1 Documento Produzido Relatórios de Monitorização 1 Documento Orientador produzido Representantes das Entidades que integram Grupos de trabalho Núcleo Executivo 1 Janeiro a Março 2013 (proposta em anexo I ) e Promover a Reflexão e o Debate sobre a definição e identificação dos territórios de implementação de novos equipamentos e respostas - Documentos produzidos Grupos Operativos 2- Fevereiro a Maio sociais concelhios considerados prioritários e sobre a identificação de necessidades/prioridades quer institucionais, quer do seu território de abrangência, com vista à elaboração do Plano de Desenvolvimento Social Nº grupos de trabalho constituídos Nº reuniões de trabalho realizadas Núcleo Executivo e Parceiros a definir de acordo com as temáticas e área de intervenção 3- Março a Junho 2013 Concertação, cooperação e planeamento 1.3. Promover a elaboração participada do Plano de Desenvolvimento Social 1.4. Emitir pareceres sobre pertinência de candidaturas a programas nacionais ou comunitários, sempre que solicitados. Contributos dos grupos de trabalho Nº de encontros promovidas Nº de participantes Nº pedidos de parecer Nº pedidos de parecer emitidos Núcleo Executivo Grupos de Trabalho constituídos Núcleo Executivo CLASB 4- Julho 2013 Sempre que necessário 1.5. Acompanhamento do Plano de Acão do CLDS (PRO) Receção dos Relatórios Monitorização Semestrais / Relatório de Execução Anual Nº Reuniões agendadas, visitas efetuadas Núcleo Executivo De Janeiro a Maio de A Proposta de constituição de Grupos de Trabalho foi aprovada em reunião Plenária de dia 23 de Março de O Anexo respeitante à composição dos Grupos de Trabalho, ajustado às deliberações resultantes desta reunião, faz parte integrante deste Plano de Ação do CLASB de 2013, sendo que a composição dos Grupos de Trabalho irá ser, naturalmente, uma realidade dinâmica de acordo com as necessidades de trabalho identificadas.

6 Linha orientadora Atividades /Objetivos Operacionais Indicador Responsáveis Calendarização 2 Parceria Estratégica 2.1. Integrar novos membros estratégicos no CLASB (Agrupamentos escolares, Associação de Pais, Associações Desportivas, Culturais, recreativas.) Atualizar todas as Fichas de Adesão do CLASB e Núcleo Executivo Nº de novos membros convidados CLASB Março 2013 Nº de novos membros/parcerias aderentes Nº Fichas actualizadas Núcleo Executivo Março Assegurar a divulgação de linhas de financiamento, programas e iniciativas nacionais e comunitárias por todas as entidades que integram o CLASB Periodicidade da informação Nº de informações remetidas Núcleo Executivo Janeiro a Dez Informação e Conhecimento 3.2. Promover a circulação de informação sobre as Iniciativas do CLASB, através de publicações mensais na Newsletter da Plataforma e entre esta e os parceiros do CLASB 3.3. Atualizar e alimentar o Link da Rede Social na página da Web da Câmara Municipal, com publicação de todos os documentos produzidos no âmbito da Rede Social (quer seja do CLASB, quer da Plataforma Supra concelhia, e ainda da Agenda Empregabilidade) Nº de Iniciativas enviadas Nº Iniciativas divulgadas Nº de documentos actualizados Nº de informações introduzidas Núcleo Executivo Câmara Municipal Plataforma Supra concelhia do Tâmega Núcleo Executivo Parceira Câmara Municipal Janeiro a Dezembro 2013 Sempre que necessário 3.4. Preencher a Base de Dados Nacional, distribuindo as tarefas necessárias pelos parceiros Nº de campos preenchidos na Base de Dados existente Núcleo Executivo e parceiros a definir Abril a Dezembro 2013 Núcleo Executivo do CLASB Rua Comandante Agatão Lança nº Campelo Telf /Fax

7 PLANO DE AÇÃO DO CLASB DE 2013 Linha Orientadora Atividades /Objetivos operacionais Indicador Responsáveis Calendarização 4 Cooperação e planeamento supra concelhio 4.1. Participação nas reuniões agendadas e colaboração nos trabalhos da Plataforma Supra concelhia do Tâmega 4.2. Participação e colaboração nos trabalhos da Agenda Regional para a Empregabilidade do Tâmega e Sousa (colaboração na elaboração do Diagnostico Economico e Social do Tâmega e Sousa e no Plano de Participação nas reuniões de trabalho agendadas Nº reuniões existentes Nº reuniões participadas Nº documentos produzidos C D Porto-ISS, IP CIM- Sousa e Tâmega CALSB Sempre necessário que Desenvolvimento Económico e Social do Tâmega e Sousa) Núcleo Executivo do CLASB Rua Comandante Agatão Lança nº Campelo Telf /Fax

8 PLANO DE AÇÃO DO CLASB DE 2013 Constituição dos Grupos de trabalho ANEXO Competirá ao Núcleo Executivo, a participação, o apoio e o acompanhamento destes grupos (podendo haver necessidade de recorrer a membros de outras parcerias do CLASB, sem assento no Núcleo Executivo); 1ºGrupo de Trabalho: Vale de Ovil 2ºGrupo de Trabalho: Sudeste do Concelho 3ºGrupo de Trabalho: Eiriz Junta de Freguesia de Campelo Junta de Freguesia de Ovil Junta de Freguesia de Loivos do Monte Junta de Freguesia da Teixeira Junta de Freguesia de Teixeiró Junta de Freguesia de Viariz Junta de Freguesia de Gestaçô Santa Casa da Misericórdia de OBER Grupo Apoio Desenvolvimento Teixeira Conferencias S. Vicente Paulo Câmara Municipal CPCJ + Ass. Desportiva e Cultural eleita Entre Pares + Agrupamento escola + Ass. Pais Junta de Freguesia de santa Marinha do Zêzere Junta de Freguesia Frende Junta de Freguesia Loivos da Ribeira Junta de Freguesia de Tresouras Junta de Freguesia de Valadares Junta de Freguesia de Covelas Junta de Freguesia de santa Cruz do Douro Centro Social de santa Cruz do Douro Centro Social e Paroquial de Santa marinha do Zêzere Conferencias S. Vicente Paulo Santa Casa da Misericórdia de OBER Câmara Municipal CPCJ + Ass. Desportiva e Cultural eleita Entre Pares + Agrupamento escolas + Ass. Pais Junta de Freguesia de Ancede Junta de Freguesia Gôve Junta de Freguesia de Santa Leocádia Junta de Freguesia do Grilo Junta de Freguesia de Ribadouro Junta de Freguesia de Mesquinhata CECAJUVI ADEGRIL Conferencias S. Vicente Paulo Câmara Municipal CPCJ + Ass. Desportiva e Cultural eleita Entre Pares + Agrupamento escolas + Ass. Pais Núcleo Executivo do CLASB Rua Comandante Agatão Lança nº Campelo Telf /Fax

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo Regulamento do Programa Local de Responsabilidade Social de Preâmbulo O projeto Ferreira Solidária, financiado pelo Programa dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social, prevê, no eixo 1, a implementação

Leia mais

Metodologia Relativamente ao Modelo de Intervenção referir quais as técnicas e os métodos que vai utilizar;

Metodologia Relativamente ao Modelo de Intervenção referir quais as técnicas e os métodos que vai utilizar; REGULAMENTO ATRIBUIÇÃO DE PARECERES TÉCNICOS (Enquadramento) A Rede Social, conforme consubstanciado na Resolução do Conselho de Ministros de 18 de Novbro de 1997 e actualizada pelo DecretoLei nº 115 de

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

15 de Dezembro de 2011_FF/DASAJ

15 de Dezembro de 2011_FF/DASAJ !"#!$! %&' ( 1 O Conselho Local de Ação Social de Évora, adiante designado por CLASE, é um órgão local de concertação e congregação de esforços, que emana da REDE SOCIAL e preconiza no seu objeto, assegurar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR Aprovado em Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar de 16 de março de 2015, em Reunião de Câmara de 01

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social da Rede Social do Seixal PREÂMBULO A Rede Social, criada pela Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 197/97, de 18 de novembro e, posteriormente,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA

03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA GRUPOS DE MISSÃO 03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013-20152015 Contextualização O PDS é um instrumento de planeamento da Rede Social que formaliza o conjunto de opções

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO -----------------------------

---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO ----------------------------- Rede Social de Pombal Município de Pombal Largo do Cardal 3-44 Pombal ---------------------------- ACTA NÚMERO CINCO ----------------------------- -----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO Sendo hoje consensual que os fenómenos da pobreza e exclusão social são consequência de vários factores e que, tocam

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 3926-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 116 17 de junho de 2015 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 179-B/2015 de 17 de junho O Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro e implementada ao abrigo do Programa

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE À IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP. Manual de suporte à implementação da metodologia

MANUAL DE SUPORTE À IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP. Manual de suporte à implementação da metodologia SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP Manual de suporte à implementação da metodologia 1 SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP Manual de suporte à implementação da metodologia FICHA TÉCNICA Identificação do Projeto: Social Hub Fundação

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO -

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - Iniciativa de: Com o apoio de: 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo Ao 3º Milénio, ao século XXI, cabe o desafio de uma Sociedade mais Solidária! Impõese a cada um de nós, como dever, consolidar e afirmar novas políticas sociais activas. Desenvolver

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Rede Social do Concelho de Lamego Regulamento Interno do CLAS de Lamego

Rede Social do Concelho de Lamego Regulamento Interno do CLAS de Lamego REGULAMENTO INTERNO Conselho Local de Acção Social de Lamego (CLASL) Rede Social do Concelho de Lamego Preâmbulo As alterações inerentes à evolução da sociedade actual evidenciam problemas e necessidades

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

FICHA TÉCNICA NÚCLEO EXECUTIVO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE AMARANTE (CLAS)

FICHA TÉCNICA NÚCLEO EXECUTIVO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE AMARANTE (CLAS) FICHA TÉCNICA NÚCLEO EXECUTIVO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE AMARANTE (CLAS) Instituto da Segurança Social, I.P. Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso Associação Humanitária de Santiago

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 Elaborado por: Rede Social de 0 Índice Sumário Executivo... 2 Capítulo I - Avaliação do Plano de Ação/2014... 4 Capítulo II - Plano de Ação de 2015... 10

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínio Temático CI Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 11.2 Aprovado

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS 11 Agosto 2015 Centro Cultural de Cascais Candidatura CLDS 3G Enquadramento Legal - CLDS Os Contratos Locais de Desenvolvimento Social de 3ª Geração (CLDS3G), atentos

Leia mais

Plano de Ação 2014 PROPOSTA

Plano de Ação 2014 PROPOSTA Plano de Ação 2014 PROPOSTA 0 Ficha Técnica: Titulo: Plano Ação 2014 Documento Elaborado Por: Núcleo Executivo do CLAS Coordenação: Cristina Farinha Presidente do Conselho Local de Ação Social Equipa Técnica:

Leia mais

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento da Núcleo de Voluntariado de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento do Núcleo de Voluntariado de Ourique,

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Social Agenda Estratégica Para apresentação na 14ª Sessão Plenária do CLAS-Lx

Proposta de Plano de Desenvolvimento Social Agenda Estratégica Para apresentação na 14ª Sessão Plenária do CLAS-Lx Proposta de Plano de Desenvolvimento Social Agenda Estratégica Para apresentação na 14ª Sessão Plenária do CLAS-Lx VALIDADO a 30 de abril de 2012 em reunião da Comissão Tripartida (Câmara Municipal de

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer Programa 1 Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Preâmbulo Os rápidos processos de modernização que Portugal tem conhecido nas últimas décadas, se por um lado trouxeram consigo uma melhoria

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

1 Newsletter. Março-Maio 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU

1 Newsletter. Março-Maio 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU 1 Newsletter 1. Quem Somos 2. Objetivos 3. Os Parceiros 4. Inauguração do Gabinete de Apoio - BEIRA AMIGA 5. Visita ao Gabinete de Inserção Profissional (da UGT) 6. Participação no Brainstorming Setorial

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! ENQUADRAMENTO Nos termos da alínea b) do n.º 4 do art.º 64º da Lei das Autarquias Locais, aprovado pela Lei 169/99, em 18 de Setembro e alterado pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto Regulamento Conselho Municipal de Desporto 30.abril.2015 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO Preâmbulo Considerando que as autarquias, pela sua proximidade com a população, são

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Considerando que: 1. A experiência do Conselho Local de Educação em Palmela procurou fomentar a valorização da educação como motor de desenvolvimento do local,

Leia mais

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL 0 Plano de Ação I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO GERAL: Dotar as Instituições do Município de competências na área da qualidade para melhorar a resposta

Leia mais

II Reunião Ordinária da Rede dos Institutos Nacionais de Saúde Pública da CPLP (RINSP/CPLP) Ata da Reunião

II Reunião Ordinária da Rede dos Institutos Nacionais de Saúde Pública da CPLP (RINSP/CPLP) Ata da Reunião COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA II Reunião Ordinária da Rede dos Institutos Nacionais de Saúde Pública da CPLP (RINSP/CPLP) Ata da Reunião Ao abrigo da Declaração de Bissau relativa à Criação

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

3 Newsletter. S e tembro-o u tu b r o 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU

3 Newsletter. S e tembro-o u tu b r o 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU 3 Newsletter 1. Beira Amiga na Plataforma Supraconcelhia do Douro 2. Sessão Plenária do CLAS 3. Início do Plano de Inclusão para a Formação Financeira em Viseu 4. Beira Amiga no Rotary Club de Viseu 5.

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

Território e Coesão Social

Território e Coesão Social Território e Coesão Social Implementação da Rede Social em Portugal continental 2007 a 2008 (4) 2003 a 2006 (161) 2000 a 2002 (113) Fonte: ISS, I.P./DDSP/UIS Setor da Rede Social Desafios relevantes no

Leia mais

União Europeia Fundo Social Europeu

União Europeia Fundo Social Europeu Conselho Local de Acção Social de Arouca PLANO DE TRABALHO Período: Outubro, Novembro e Dezembro 2005 Janeiro/Dezembro 2006 União Europeia Fundo Social Europeu INTRODUÇÃO No seguimento das actividades

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector,

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra Capítulo I (Disposições gerais) Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2015 1 INTRODUÇÃO A natureza dos problemas sociais complexos (wicked problems), difíceis de definir com rigor e evidenciando interdependências e multicausalidades, desafia

Leia mais

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt EPALE ELECTRONIC PLATFORM FOR ADULT LEARNING IN EUROPE fevereiro e março de 2015 O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt Qual a

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade. Tema: Uso Sustentável da Água. Regulamento do Concurso de Ideias

II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade. Tema: Uso Sustentável da Água. Regulamento do Concurso de Ideias II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade Tema: Uso Sustentável da Água Regulamento do Concurso de Ideias (Aberto a todos os cidadãos) 1. O que é? O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de setembro, visou estabelecer um quadro de transferências de atribuições e competências da Administração

Leia mais

------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------

------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------ ------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------ ------- Aos vinte e seis dias do mês de Junho de dois mil e três, pelas quinze horas, reuniram-se no Centro Cultural de Pombal,

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

REDE EMPRESAS VENDAS NOVAS JUNTOS FAZEMOS MELHOR

REDE EMPRESAS VENDAS NOVAS JUNTOS FAZEMOS MELHOR REDE EMPRESAS VENDAS NOVAS JUNTOS FAZEMOS MELHOR Vendas Novas, 2014 ANIMAÇÃO E PROMOÇÃO DAS REDES DE EMPRESAS DO ALENTEJO CENTRAL PROMONEGÓCIOS 1 I. Apresentação do Modelo de Gestão II. III. Debate Inquérito

Leia mais

Mandato Autárquico 2013-2017

Mandato Autárquico 2013-2017 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PENICHE (Regimento) Mandato Autárquico 2013-2017 PREÂMBULO A democraticidade de um sistema ou de um modelo organizacional traduz-se pelo nível/grau de participação que

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

CONCELHO DE BRAGA. Regulamento Interno. Conselho Local de Acção Social (CLAS)

CONCELHO DE BRAGA. Regulamento Interno. Conselho Local de Acção Social (CLAS) CONCELHO DE BRAGA Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social (CLAS) PREÂMBULO As alterações inerentes à evolução da sociedade actual, evidenciaram problemas e necessidades que exigem uma mudança

Leia mais