ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR"

Transcrição

1 PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1

2 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei Quadro da Educação Pré-Escolar (Lei nº 5/97) preconiza três funções para a Educação de Infância: educativa, social e preventiva. Reforça assim a sua função educativa, ao considerar este nível de educação como a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida, e reconhece a sua função social, ao estabelecer que as instituições de educação pré-escolar proporcionem actividades educativas e de apoio à família. Igualmente, ao determinar como uma das finalidades da educação pré-escolar, contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola e para o sucesso das aprendizagens, salienta a função preventiva. Tendo em conta o atrás referido, e como todo o tempo de permanência das crianças no Jardim de Infância (JI) tem de ser educativo, há que distinguir as actividades educativas de carácter curricular das actividades de animação e apoio à família. Para isso, concentremo-nos no porquê e para quê de cada um destes momentos. Por um lado, o tempo curricular implica uma educação estruturada; por outro, o tempo de animação e apoio à família, será marcado por um processo educativo informal, já que a criança tem inteira liberdade de escolha quanto ao que deseja fazer. Embora o contexto e as actividades escolhidas pelas crianças devam proporcionar aprendizagens, não há a mesma preocupação com a sua necessidade e pertinência, ao contrário do que acontece no tempo curricular. As actividades de animação e apoio à família têm como objectivo primordial a brincadeira espontânea da criança, o prazer de estar e conviver, assim como a sua segurança, bem-estar e, também, a necessidade de quebrar a rotina das actividades curriculares. Para tal deverá existir uma sala própria com materiais e equipamentos específicos. Dever-se-á facilitar visitas ao meio envolvente, incentivando o contacto com diferentes saberes e a cooperação com a comunidade local. A mudança do espaço físico e dos materiais é extremamente importante e necessária, pois permite aos profissionais e às crianças estarem mais aptos a recriar uma dinâmica diferente. Possibilita-se deste modo o desenvolvimento de experiências não contempladas no currículo, mas igualmente estimulantes, experiências essas sem carácter de obrigatoriedade, mas que permitem à criança envolver-se em actividades livremente escolhidas e de maior satisfação imediata: brincadeiras autónomas na sala e/ou recreio, 2

3 construções, jogos, leituras, conversa com os amigos ou apenas um tempo para estar consigo própria. O recurso a outros equipamentos e materiais, assim como a mudança do espaço físico, permitem aos profissionais e às crianças recriar, com maior facilidade, uma dinâmica algo diferente. Ao espaço da sala própria associa-se o do recreio que, com triciclos, bolas e outros materiais, se torna um espaço privilegiado do tempo das actividades de animação. De acordo com as orientações e calendarização definidas pelo Departamento e de acordo com os princípios enunciados, as actividades devem concretizar-se em: Projectos simples tais como: preparar uma sessão de cinema, receber um convidado especial, preparar um lanche, organizar um Karaoke, fazer a leitura de um conto. Actividades de culinária, jardinagem, dança/cantares, dramatizações, jogos em pequeno ou grande grupo, actividades livres nas áreas dentro da sala, actividades livres de recreio. Actividades noutros espaços da comunidade local como, visitas ao meio local, actividades nos centros culturais, associações recreativas e culturais do concelho. Rotinas: As actividades de animação e apoio à família destinam-se às crianças inscritas nos Jardins de Infância e integram todos os períodos para além das 25 horas lectivas/curriculares, ou seja, a entrada das crianças antes do horário lectivo, o período de almoço, os tempos após as actividades curriculares e os períodos das interrupções lectivas. Das 8h20 às 9h: As crianças permanecem com as Assistentes Operacionais dos Jardins-de-infância em actividades livres: acolhimento, conversas informais e jogos. No período de almoço: As crianças permanecem com as Assistentes Operacionais do prolongamento e das salas dos Jardins-de-infância, na cantina e, de seguida, no recreio, em actividades livres. 3

4 Durante os períodos lectivos: As actividades de animação e apoio à família funcionam das 15h30m às 19h. As crianças permanecem nas salas, sob a responsabilidade das Assistentes Operacionais do Prolongamento, lancham e brincam em actividades livres ou jogos/actividades propostos. O lanche é fornecido pelo Prolongamento. No mês de Setembro, antes do início do ano lectivo, nas interrupções lectivas (Natal, Carnaval e Páscoa) e no mês de Julho, as actividades de animação e apoio à família funcionam das 8h30m às 19h. As crianças, nestes períodos, permanecem nas salas sob a responsabilidade das Assistentes Operacionais do Prolongamento e das salas dos Jardins-de-infância, de acordo com uma distribuição de serviço específica. Nestes períodos, as actividades são desenvolvidas segundo uma planificação própria actividades nas salas e recreio das escolas, visitas a locais da freguesia e/ou outros. Supervisão Pedagógica: As actividades de animação e apoio à família vertente prolongamento de horário estão organizadas numa co-responsabilização e cooperação entre a Direcção do Agrupamento, a autarquia e as famílias. Estas actividades são dinamizadas por Assistentes Operacionais da Câmara Municipal, tendo em cada pólo uma Assistente responsável pelas crianças inscritas e por todo o seu funcionamento. Assim, as decisões relativas à componente de apoio à família, implicam todos os educadores, a autarquia e o Agrupamento, não dizendo apenas respeito a cada educador e/ou ao seu grupo. É função de todos os educadores de infância a supervisão das actividades de animação e apoio à família, no que diz respeito à articulação entre o Jardim e o prolongamento, e ao desenvolvimento e bem-estar das crianças. Em cada Jardim existe um educador responsável que deverá ouvir e ter em conta as opiniões dos outros educadores e do pessoal auxiliar que trabalha no prolongamento. Em articulação com a Direcção, cabe-lhe decidir sobre as formas de organização do grupo, sobre os espaços a utilizar, propor a aquisição dos materiais necessários e, ainda, dar orientações e sugestões sobre as actividades a realizar. A supervisão 4

5 pedagógica efectua-se do seguinte modo: mensalmente, nas horas de supervisão (30m), o corpo docente do Jardim reúne com a Assistente Operacional responsável pelo prolongamento. Estas reuniões, numa perspectiva de enriquecimento mútuo, propõemse adequar as actividades às características específicas das crianças e famílias a que se destinam e incentivar o aperfeiçoamento da integração entre as actividades de animação e as actividades curriculares. Serão ainda elaboradas, uma planificação mensal de actividades e uma avaliação das dinâmicas implementadas (definição de espaços, rotinas, aquisição de materiais, etc ). Periodicamente, a educadora responsável e a Assistente Operacional responsável do Prolongamento avaliam informalmente, a implementação das decisões tomadas pelo grupo de educadoras de cada Jardim, em sintonia com as orientações do Departamento Curricular da Educação Pré-escolar. No Agrupamento existem quatro Pólos de Prolongamento: JI de Susão: Responsável Educadora Helena Guedes Assistente Operacional responsável Elsa JI do Calvário: Responsável Educadora Erminda Magalhães Assistente Operacional responsável Lúcia JI da Ilha: Responsável : Educadora Fátima Oliveira - Assistente Operacional responsável- Sónia JI Nova de Valongo: Responsável Educadora Maria dos Anjos - Assistente Operacional responsável - Sidónia Monitorização: No processo de monitorização das actividades de animação e apoio à família são fixados, para este ano lectivo, vários momentos com objectivos diversos: 1º Periodo: Definição, no Departamento Curricular, das orientações gerais e envio ao Conselho Pedagógico; Divulgação das orientações gerais aos Pais/Encarregados de Educação. 5

6 Mensalmente deverá ser feita a aferição, por parte das educadoras e da Assistente Operacional responsável, da implementação das orientações e desenvolvimento das actividades. No final de cada período lectivo, far-se-á: - Um registo escrito, avaliativo da dinâmica desenvolvida em cada pólo de prolongamento, que estará a cargo da Educadora responsável em articulação com a Assistente operacional respectiva. Também é importante haver uma partilha desses registos avaliativos, periódicos, no Departamento Curricular. Em Maio Em cada Pólo será distribuído, um questionário aos pais, elaborado no Departamento Curricular, de modo a aferir opiniões quanto à qualidade do serviço prestado. Em Julho A avaliação das actividades de animação e apoio à família, no Departamento Curricular e um relatório de síntese anual. Nota: A autarquia, de acordo com as suas responsabilidades, monitoriza, também, as actividades de animação e apoio à família, em momentos que considere oportunos, comunicando as visitas, antecipadamente, à Direcção do Agrupamento, devendo o responsável de cada Jardim ser informado. O Departamento Curricular da Educação Pré-Escolar 6

PROJETO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA

PROJETO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE GUEIFÃES JI DE GUEIFÃES JI DEAZENHA NOVA CENTRO ESCOLAR GUEIFÃES / VERMOIM PROJETO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA ANO LETIVO 2011/2012 1. Introdução A escola enquanto

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular que permitirá distinguir e recriar

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES. Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES. Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular que permitirá

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2011/2012

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2011/2012 Plano Anual de Actividades Jardins de Infância Organização do Ambiente Educativo e espaços comuns. (de 4 a 09-09-2011) Cada educadora prepara a sua sala Organizar o Ambiente Educativo educadoras. Observação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PROJETO DA CAF ANIMADORA SOCIAL: Liliana Baladares Ano letivo 2015/2016 Página 1 Ano letivo 2015/2016 Página 2 A EQUIPA Animadora Sociocultural Liliana Baladares AAe da sala

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTIJO ANO LECTIVO 2014/2015 ESCOLA BÁSICA LIBERDADE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTIJO ANO LECTIVO 2014/2015 ESCOLA BÁSICA LIBERDADE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTIJO ANO LECTIVO 2014/2015 ESCOLA BÁSICA LIBERDADE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Sector da Escola: Pré-Escolar / 1º Ciclo Actividades (em articulação com as prioridades do Projecto

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito -

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito - Visitas às Eco-Escolas Auditorias de Qualidade do Programa - Guião de preenchimento do inquérito - NOTAS PRÉVIAS O presente documento serve de guião à aplicação da ficha de visita às Eco-Escolas fornecendo

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Calendário Escolar. Jardim de Infância. Períodos Início Termo. Prof. António José Ganhão. Interrupções. Agrupamento de Escolas de Samora Correia

Calendário Escolar. Jardim de Infância. Períodos Início Termo. Prof. António José Ganhão. Interrupções. Agrupamento de Escolas de Samora Correia Calendário Escolar Períodos Início Termo 1º 14/09/2012 18/12/2012 Agrupamento de Escolas de Samora Correia Jardim de Infância Prof. António José Ganhão Avaliações: dias 19, 20 e 21 de Dezembro 2º 02/01/2013

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Criar ambientes de partilha; Proporcionar momentos de incentivo à leitura e ao relevo das ilustrações; Facilitar e promover a criatividade e imaginação;

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998

Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998 Educação Pré-Escolar - Perguntas e Respostas Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998 ARGUMENTÁRIO O

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Anabela Martins Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Sumário Nota prévia Objetivos da Saúde Escolar Literacia em saúde Eixo estratégicos Exemplos de Boas

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR SUMÁRIO

DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR SUMÁRIO SUMÁRIO 1. FUNDAMENTAÇÃO...2 2. OBJETIVOS...2 3. COMPETÊNCIAS DA AUTARQUIA...2 4. HORÁRIO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA...3 5. RECURSOS HUMANOS...3 5.1. Funcionários... 3 5.2. Departamento

Leia mais

Componente de Apoio à Família

Componente de Apoio à Família Capítulo 056 Componente de Apoio à Família MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 11 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e organização... 3 3. Funcionamento... 4 3.1. Períodos da CAF... 4 3.2. Horários

Leia mais

2010/2013 REGULAMENTO INTERNO

2010/2013 REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE JARDINS DE INFÂNCIA E ESCOLAS PROFESSOR GALOPIM DE CARVALHO 2010/2013 REGULAMENTO INTERNO Indice INTRODUÇÃO... 29 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 29 Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação

Leia mais

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Instrumento de avaliação A. Projecto da escola A.1. Apresentação do Projecto da escola Caros colegas da Comissão, No âmbito do processo de monitorização,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa Foram ouvidas as entidades interessadas, nos termos do artigo 117.º do Código do Procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO Artigo 1 (Objecto) 1 - Pelo presente Regulamento é constituída e regulado o funcionamento da Escola de Música Municipal de Mondim de Basto. 2 - A Escola

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Ano letivo O Plano Anual de Actividades constitui-se como um documento orientador das actividades desenvolvidas 2015/2016 ao longo do ano lectivo. Desta forma, nas páginas que

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal

abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal I Enquadramento Institucional A Associação de Beneficência Luso-Alemã é uma IPSS com sede no Junqueiro Carcavelos. Estabelecemos parceria com o Agrupamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES

COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES Artigo 69.º Definição 1. A informação relativa às atividades educativas promovidas a partir dos docentes, das estruturas de coordenação

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

ENTREVISTA À COORDENADORA PEDAGÓGICA

ENTREVISTA À COORDENADORA PEDAGÓGICA ENTREVISTA À COORDENADORA PEDAGÓGICA I Caracterização da coordenadora Nome: Ana Luísa Constantino da Silva Idade: 31 Formação Académica: Licenciatura curso Prof. E.B.-1ºciclo; Pós-Graduação Teoria e Desenvolvimento

Leia mais

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés.

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés. O estudo do desenvolvimento musical da criança é um campo de trabalho privilegiado pela CMT, tendo em conta o perfil curricular de alguns dos seus elementos, com ligações ao meio universitário. Um pouco

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007 ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS PLANO DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2006 / 2007 Escola EB 2,3/S Dr. Isidoro de Sousa BE/CRE Pl de Actividades Ano Lectivo

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Projecto Pedagógico 2007/2008 Sala 9- Sala Aventura Estão habituadas à convivência com outras crianças e adultos não pertencentes à família. Aprenderam

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica Normas DE FuNcioNamENto Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica O presente documento apresenta-se como um

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Nota Justificativa. Regulamento Municipal para os Serviços de Apoio à Família Prolongamento de Horário 1

Nota Justificativa. Regulamento Municipal para os Serviços de Apoio à Família Prolongamento de Horário 1 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA AS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMÍLIA PROLONGAMENTO DE HORÁRIO NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE OEIRAS Nota Justificativa

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS

DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS Divisão da Educação Pré-Escolar e Ensino Básico Ficha Técnica Título:

Leia mais

R E G I M E N T 0 R N E.B. 1/J.I. DE POMARES ESCOLA E.B. 1/J.I. DE POMARES REGIMENTO INTERNO 2013/2014

R E G I M E N T 0 R N E.B. 1/J.I. DE POMARES ESCOLA E.B. 1/J.I. DE POMARES REGIMENTO INTERNO 2013/2014 R E G I M E N T 0 I N T A E A R N O Cod. 152602 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO E.B. 1/J.I. DE POMARES 1 INDICE ARTIGO 1...4 Identificação do Estabelecimento de

Leia mais

Regimento do Grupo de Educação Musical Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato

Regimento do Grupo de Educação Musical Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato Regimento do Grupo de Educação Musical Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato 2015-2016 Índice Artigo 1.º Âmbito de Aplicação... 3 Artigo 2.º Competências... 3 Artigo 3.º Composição... 4 Artigo 4.º

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES 2013/2014

PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES 2013/2014 Pág.1 INTRODUÇÃO O Plano Anual de Atividades das s Escolares do Agrupamento de Escolas n.º 1 de Grândola atende à especificidade das bibliotecas

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS

CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS ANO LETIVO DE 2012/2013 CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS SUMÁRIO A PRINCÍPIOS GERAIS B - CRITÉRIOS

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO Relatório 2009-2010 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Portugiesisch A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Informação para os pais Objectivos e linhas gerais A escola obrigatória oficial, no Cantão de Zurique, é obrigada a respeitar os valores fundamentais

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e A r a d a s A n o s l e c t i v o s 2 0 0 7 / 2 0 0 8 2 0 0 8 / 2 0 0

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

O Livro Vai ao Jardim de Infância

O Livro Vai ao Jardim de Infância O Livro Vai ao Jardim de Infância Título: A BE-A vai ao Jardim de Infância Subtítulo: A Biblioteca que conta histórias Equipa da BE-A/ Coordenadora dos JI Natércia Rasteiro Lúcia Clemente Margarida Matos

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

Anexo A. Organização do edifício de Creche

Anexo A. Organização do edifício de Creche Anexo A. Organização do edifício de Creche Rés-do-chão: Berçário Copa do leite Sala de atividades Refeitório para crianças Casa de banho para crianças Casa de banho para adultos Refeitório para adultos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA DE A PREVIDÊNCIA PORTUGUESA

JARDIM DE INFÂNCIA DE A PREVIDÊNCIA PORTUGUESA JARDIM DE INFÂNCIA DE A Projecto Educativo Triénio 2013/2016 Índice 1. Introdução 3 2. Enquadramento 3 3. Caracterização do 3.1 História 4 3.2 Enquadramento geográfico 4 3.3 Recursos físicos 4 3.4 Recursos

Leia mais

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual)

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém Código: 135513 NIFPC: 600075907 Escola Secundária Padre António Macedo Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) 2007/2014 Luísa Maria

Leia mais