EDUCAÇÃO FINANCEIRA E ENDIVIDAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO FINANCEIRA E ENDIVIDAMENTO"

Transcrição

1 1 EDUCAÇÃO FINANCEIRA E ENDIVIDAMENTO Aluno: Carlos Augusto Rodrigues de Barros Orientador: Prof. Heitor Bonatto RESUMO Este artigo tem por objetivo investigar a relação entre planejamento e organização financeira versus o nível de endividamento individual, uma vez que a literatura menciona que o endividamento pessoal está ligado à forma como as receitas e despesas são gerenciadas e não com o nível de renda dos indivíduos. A fundamentação teórica deste artigo está organizada da seguinte forma: Primeiramente revisão literária acerca do assunto com o objetivo de verificar o que tem sido discutido sobre o tema finanças pessoal e endividamento. Em seguida, a construção e aplicação de um questionário a uma amostra de 145 estudantes da Escola Superior de Administração, Direito e Economia ESADE da cidade de Porto Alegre, distribuídos em turmas de primeiro, quarto e oitavo semestre, para verificar as diferentes percepções à medida que o acadêmico aprofunda os seus conhecimentos no decorrer do seu curso de graduação. E, posteriormente, a análise dos resultados obtidos, com o intuito de analisar a veracidade da premissa e assim, verificar a necessidade da criação de um curso específico referente ao tema destinado à população alvo do estudo. O estudo constatou que o endividamento financeiro pessoal está diretamente relacionado à falta de fundamentos financeiros, isto é, educação financeira. A partir desta constatação, podemos ter indivíduos com diferentes níveis de renda e da mesma forma estarem endividados, não tendo sido verificado relação entre o semestre do curso e a forma de administração financeira. PALAVRAS-CHAVE: Educação Financeira, Finanças Pessoais, Endividamento Pessoal. 1 INTRODUÇÃO Embora o tema finanças e endividamento pessoal estejam tão presente no cotidiano da população e dado a importância do assunto ao se elaborar um plano orçamentário familiar, abrangendo itens que vão desde a elaboração e manutenção de um sistema de controle de receitas e despesas (podendo este ser um simples caderno de anotações ou até uma planilha eletrônica se valendo de todos os recursos dessa ferramenta), do planejamento das compras,

2 2 até a escolha das formas de pagamento (à vista ou a prazo) e quando da opção pelo parcelamento a fonte responsável por esse financiamento além dos seus custos e prazos envolvidos. Estas são medidas inicialmente básicas e simples, mas quando adotadas à risca são responsáveis por proporcionar um melhor entendimento das finanças domésticas, e assim possibilitar que ocorra à organização dos membros do grupo familiar com o objetivo de reunirem esforços para a manutenção das contas domésticas no campo positivo, longe do endividamento excessivo e ainda com capacidade de geração de poupança. Com base nessas informações o estudo tem como problema de pesquisa a seguinte indagação: existe alguma relação entre educação financeira e endividamento? Para responder a pergunta, a fundamentação teórica inicia-se pela revisão da literatura sobre o tema com o intuito de verificar o que tem sido abordado sobre o assunto, após passase à aplicação de um questionário a uma amostra de 145 alunos de graduação da Escola Superior de Administração, Direito e Economia ESADE de Porto Alegre, com o objetivo geral de investigar a relação entre planejamento e organização financeira versus o grau de endividamento individual do corpo discente da ESADE. Em termos de objetivos específicos o artigo apresenta os seguintes: Analisar o nível de conhecimento dos acadêmicos da ESADE sobre finanças pessoais; Analisar o grau de endividamento dos acadêmicos da ESADE; Verificar a influência do semestre em relação ao nível de conhecimento sobre finanças pessoais e o grau de endividamento dos acadêmicos da ESADE; O artigo justifica-se pela inserção do tema no meio acadêmico, tendo em vista a constatação da literatura dos frágeis fundamentos sobre o tema da população em geral, reforçada pelos dados obtidos com a presente pesquisa. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Finanças é o estudo de como as pessoas alocam recursos escassos ao longo do tempo (BODIE; MERTON, 2002, p. 32). E uma das razões que torna esse assunto tão relevante, diz respeito aos ensinamentos que serão responsáveis por nortear a administração dos recursos pessoais. O conhecimento do assunto proporcionará subsídios suficientes para que seja feita uma melhor avaliação sobre os diversos tipos de investimentos disponíveis no mercado. Além de ampliar horizontes para o mundo dos negócios, mesmo para aqueles que não pretendam mergulhar a fundo nesse universo, pois o prévio conhecimento de termos,

3 3 expressões e produtos financeiros o colocará em igualdade de condições quando tiver que lidar com tais assuntos e especialistas de mercado. 2.1 EDUCAÇÃO FINANCEIRA O endividamento pessoal não está diretamente ligado a renda do indivíduo, e sim a forma como ele administra as suas receitas e despesas (CERBASI, 2003). Sendo assim, para Kiyosaki e Lechter (2000), fundamentos financeiros deveriam ser ensinados desde os primeiros anos escolares. Uma vez que este será um assunto que acompanhará qualquer indivíduo ao longo da sua vida. E será um dos fatores preponderantes para aqueles que pretendem gozar de uma saúde financeira equilibrada e tranquila. A estabilização da economia brasileira a partir de 1994 proporcionada pelo Plano Real possibilitou aos brasileiros novos hábitos em relação à forma de consumir, como por exemplo, o planejamento de médio e longo prazo para a aquisição de bens de consumo duráveis, sem ter que se preocupar com a inflação que corroia diariamente os rendimentos da classe trabalhadora (JÚNIOR, 1998). Esta seria uma conquista fabulosa não fosse à inabilidade e a falta de costume do brasileiro em lidar com o próprio planejamento orçamentário (CERBASI, 2004). Como efeito colateral do bom cenário econômico proporcionado pelo Plano Real, o endividamento em excesso e a contração de novos empréstimos para rolar dívidas antigas, acaba por se tornar em uma grande armadilha ao cidadão, o colocando em uma verdadeira bola de neve. Esse fenômeno é facilmente observado ao se verificar os cadastros de órgãos de proteção ao crédito como, por exemplo, Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e SERASA conforme pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontando que 21,57% dos consumidores brasileiros estavam inadimplentes há mais de um ano (INFOMONEY, 2010). A reboque da estabilização econômica expandiu as formas como o crédito chega até o grande público, o quadro 1 elenca alguns dos principais e mais populares linhas de crédito disponíveis hoje no mercado. Produto Cheque Especial Crédito Direto ao Consumidor Descrição Limite de crédito atrelado a conta corrente de movimentação. Financiamento concedido para aquisição de bens e serviços, sua maior utilização é para aquisição de veículos e eletrodomésticos.

4 4 Penhor Exclusivo da Caixa Econômica Federal tendo como garantia jóias de ouro, prata, platina, diamante ou outro objeto de valor. Microcrédito Destinado à população de baixa renda e aos microempreendedores. Empréstimo em Consignação Com desconto das prestações diretamente na folha de pagamento do tomador. Cartão de Crédito Utilizado para aquisição de bens e serviços nos estabelecimentos credenciados. A forma de pagamento pode ser à vista, a prazo ou parcelado. Quadro 1: Produtos Financeiros Adaptado de Fortuna (2008) Uma das consequências da maior oferta de crédito está diretamente ligada aos prazos de financiamentos que se dilatam cada vez mais, alcançando prazos de 60 meses e em alguns casos 72 meses, principalmente na modalidade de CDC (FORTUNA, 2008) e deixando de atender quase que exclusivamente a bens como veículos e eletrodomésticos e passando a abranger itens que até então não eram contemplados, como por exemplo, pacotes de viagens, material de construção e tratamentos de saúde e beleza (MAIS DINHEIRO, 2009). Em meio a esse novo cenário econômico está o público em geral, que em sua grande maioria está desprovido de preparo para lidar com orçamentos, e por consequência lidar com suas próprias finanças de forma salutar e longe de dívidas onerosas, responsáveis por tirar dos trilhos qualquer plano orçamentário. Além de ser tentado a todo instante por inúmeras ofertas e facilidades de crédito por parte das instituições financeiras, que vendem a falsa ilusão de que o mais importante para a contratação de um empréstimo é possuir parcelas que cabem no bolso ao invés de ser uma forma saudável e consciente de capitalização, além de esconder por trás dessa artimanha juros elevadíssimos que acabam por comprometer boa parte da renda do trabalhador com o pagamento desses juros (KIYOSAKI; LECHTER, 2000). A organização das finanças pessoais está diretamente ligada a características individuais de organização, persistência e dedicação individual. Para muitos esse se torna um dos pontos mais difíceis do planejamento juntamente com a necessidade de precisar lidar com o monitoramento constate das receitas e despesas, o que inevitavelmente leva a construção de uma planilha eletrônica ou um caderno de anotações, e para muitos é justamente neste ponto que surge um dos maiores obstáculos, e a explicação deste fenômeno decorre da dificuldade individual em lidar com números, tabelas e conceitos básicos de matemática, tendo sua origem nos bancos escolares que ainda não tem por tradição o ensino da educação financeira. (CERBASI, 2004).

5 5 2.2 ENDIVIDAMENTO Segundo pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) sobre Endividamento e Inadimplência das Famílias Gaúchas no mês de Abril de 2010, mostra que 66% dos entrevistados consideram-se endividados, quando perguntados sobre dívidas ou contas em atraso o percentual passa para 36% e os que não terão condições de pagar é de 7%. Entre os entrevistados, 69,6% afirmam que possuem dívidas que representam uma parcela entre 11% a 50% da renda familiar. De acordo com os dados da pesquisa é possível verificar que 2/3 dos inquiridos possuem dívidas que vão de um décimo a metade da renda do seu grupo familiar e que pouco mais de um 1/3 possuem obrigações em atraso. Essa informação demonstra o despreparo da população em geral em lidar com suas finanças, representando um passivo que acaba por consumir uma grande parcela de seus rendimentos. Para Bodie e Merton, (2002) passivo é um termo equivalente a débito. Esse tipo de composição das dívidas faz com que os recursos disponíveis para outros compromissos como alimentação, educação, lazer e poupança sejam cada vez menor ou em alguns casos até nulo. Desta maneira serão necessários cada vez mais cortes e apertos em outras contas para que se possa fechar o orçamento do mês, que segundo Frezatti (2008, p. 46) [...] é o plano financeiro, [...] é mais do que uma simples estimativa, pois deve estar baseado no compromisso [...] em termos de metas a serem alcançadas e desta forma manter o melhor equilíbrio possível entre gastos e receitas, mantendo-se assim, longe das listas de maus pagadores. Em geral, o consumidor não se vê endividado até o dia em que não pagou a primeira dívida (INFOMONEY, 2010), até que se atinja este nível ocorre o empilhamento de dívidas, e de novas dívidas para pagar outras mais antigas. Como mostra a pesquisa da CNC, que o número de famílias usando o cheque especial para o pagamento de outras dívidas é de 30,1% da amostragem. Sendo o cheque especial uma das fontes de financiamento mais caras do mercado, com juros a níveis de 135,53% ao ano como mostrou um estudo realizado em Abril de 2010 pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (ANEFAC, 2010). Dívida é o resultado de um empréstimo, e ao final do prazo estipulado deve ser devolvido o principal acrescido de juros, normalmente são realizados pagamentos periódicos ao longo do período de vigência do mesmo. (ROSS; WESTERFIELD; JORDAN, 2009). Enquanto que o endividamento é considerado o somatório do passivo (BOVESPA, 2010). Nos estudos de análise financeira empresarial, lança-se mão de indicadores estatísticos extraídos a partir do seu balanço patrimonial, com a intenção de verificar a saúde das suas finanças. Entre estes indicadores encontram-se os de endividamento, que possibilita avaliar o

6 6 montante de suas dívidas. Essa comparação é feita relacionando o montante de dívidas existente, captadas a partir de recursos de terceiros em relação aos seus ativos totais (BODIE; MERTON, 2002). Em finanças empresariais, o índice de liquidez corrente é medido ao relacionar-se o total do ativo circulante com o total do passivo circulante, o primeiro é responsável por demonstrar todas as contas que estão em constante giro e que serão convertidas em dinheiro no máximo dentro do próximo exercício social da empresa, enquanto o segundo representa as obrigações que da mesma forma serão liquidadas dentro do próximo exercício social da empresa (ROSS; WESTERFIELD; JORDAN, 2009). Na prática, uma pessoa física não possui balanço patrimonial, então para que se possa analisar o seu grau de endividamento e liquidez é preciso adaptar alguns conceitos para se chegar a tal resultado, como por exemplo, o endividamento poderá ser calculado ao se obter a relação do montante de dívidas frente à receita líquida de cada indivíduo ou do seu grupo familiar, da mesma forma é possível adaptar indicadores para verificar o seu nível de liquidez, para tal é preciso relacionar o total dos seus ativos com o total dos seus passivos. Essa relação permitirá que seja feito no campo individual/pessoal o mesmo que é realizado no meio empresarial. Em linhas gerais, não existe uma regra que defina o nível ideal de dívidas de uma empresa ou de um indivíduo, mas o que pode ser adotado como sendo uma postura de bom senso, diz respeito à manutenção de um equilíbrio entre o capital de terceiros e o patrimônio líquido. Um sinal de alerta seria o crescimento do patrimônio líquido em menor velocidade quando comparado ao capital de terceiros, a ocorrência dessa situação por sucessivos períodos, certamente enfraquecerá a empresa do ponto de vista econômico, podendo inclusive culminar na sua insolvência (FLEURIET; KEHDY; BLANC, 2003). 2.3 BOAS PRÁTICAS DE FINANÇAS PESSOAIS De acordo com Kiyosaki e Lechter (2000, p. 13). [...] a falta de instrução financeira nas escolas que nossos filhos frequentam. Muitos dos jovens de hoje tem cartão de crédito antes de concluir o segundo grau e, todavia, nunca tiveram aulas sobre dinheiro e a maneira de investi-lo, para não falar da compreensão do impacto dos juros compostos sobre os cartões de crédito. Simplesmente, são analfabetos financeiros e, sem o conhecimento de como o dinheiro funciona, eles não estão preparados para enfrentar o mundo que os espera, um mundo que dá mais ênfase à despesa do que à poupança. A não abordagem sobre o tema finanças pessoais nos bancos escolares é apontado pela literatura como sendo um fator fundamental por formar adultos incapazes em lidar com suas próprias finanças. Não fornecendo o preparo necessário para tratar do assunto que estará tão presente na vida de qualquer indivíduo economicamente ativo. Nesta lacuna está localizada

7 7 uma grande armadilha, isso decorre do fato do não recebimento de orientação financeira quando crianças e jovens, resultando em adultos sem tais habilidades. Para que as receitas e despesas possam ser mensuradas de forma precisa se faz necessário a elaboração de um sistema de monitoramento com tal finalidade. Esse pode ser um simples caderno de anotações ou uma planilha eletrônica, isso depende da disponibilidade, conhecimento e habilidade individual (CERBASI, 2003). A construção da planilha orçamentária deve início pelas receitas. Nesse item devem ser relacionadas todas as entradas de recursos, como por exemplo, salário, férias, décimo terceiro salário, horas extras, aluguéis, pensão e tantos outros quanto existirem. Logo abaixo, devem estar relacionados todas as despesas, essas devem estar divididas em dois grandes grupos, fixas e variáveis. Fixas são todas aquelas despesas que existem independentemente do mês, como por exemplo, aluguel ou prestação da casa própria, mensalidade escolar ou faculdade. Variáveis são as despesas que ocorrem todos os meses, assim como as fixas, porém podem oscilar mês a mês, sendo passíveis de um plano de ação com o intuito de reduzi-las. Exemplo, luz, água telefone, combustível, entre outros. Ainda para Cerbasi (2003) é preciso manter olhar vigilante e atento sobre os pequenos valores, arredondamentos e o descaso pela negociação, pois são nestes itens que se esconde um dos maiores ralos, por onde escorre grande parte dos rendimentos familiar. Trate suas dívidas como trataria uma arma carregada. [...] é importante saber a diferença entre dívida boa e dívida ruim porque a dívida tinha o poder de nos deixar ricos ou pobres. Da mesma forma que uma arma carregada pode nos proteger ou nos matar (KIYOSAKI; LECHTER, 2001, p. 197). De acordo com o pensamento dos autores a composição das dívidas tem peso fundamental no sucesso das finanças pessoais. Uma vez que a postura frente elas mostra o quão preparado está o indivíduo a lidar com o seu viés. E de acordo com (FLEURIET; KEHDY; BLANC, 2003) uma dívida quando usada para adquirir bens que incorrerão em juros maiores dos que recebidos em aplicações financeiras, serão responsáveis por pesar no orçamento. Agora, quando a situação é inversa, e os juros recebidos em aplicações financeiras são maiores do que os pagos em financiamentos, ou quando os recursos adquiridos são usados para gerar mais recursos dos que serão desembolsados com o seu custo, a dívida assumida passa a se tornar saudável e inclusive capaz de gerar renda para o seu tomador. Para Kiyosaki e Lechter (2000) a diferença entre pessoas financeiramente bem sucedidas e as não tão bem assim, é que as primeiras passam a vida comprando ativos, enquanto que o segundo grupo passa a vida a adquirir passivos.

8 8 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa caracteriza-se por ser bibliográfica, pois buscou embasamento teórico em obras já publicadas. E descritiva, por ter como finalidade a análise e busca de relação com fatos e fenômenos sem que ocorra a sua respectiva manipulação (CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007). A amostra da pesquisa é predominantemente composta por alunos dos cursos de graduação da Escola Superior de Administração, Direito e Economia ESADE da cidade de Porto Alegre da sede General Vitorino composta por 145 graduandos. Sendo 45 acadêmicos matriculados no primeiro semestre, 54 no quarto semestre e 46 no oitavo semestre. A segregação por semestre tem o objetivo de averiguar as diferentes percepções sobre o tema, à medida que o aluno aprofunda os seus conhecimentos acadêmicos ao longo da graduação, e se esse fator o influência na administração do seu orçamento. A coleta dos dados correu no mês de junho de 2010, por intermédio de um questionário anônimo composto por 25 perguntas. Das quais 10 são dicotômicas, uma tricotômica e 14 questões fechadas de múltipla escolha, para essas não há um número fixo de alternativas, sendo aceito apenas uma resposta para cada questão, no caso de haver duas ou mais respostas em uma mesma pergunta essa passa a ser considerada nula, sem que haja a invalidação do questionário (MARCONI, 2003). Os questionários foram impressos e entregues diretamente pelo pesquisador aos respondentes, que dispuseram de um espaço de tempo no decorrer das suas respectivas aulas para efetuarem o preenchimento, e desta forma poder efetuar a devolução dos mesmos diretamente para o entrevistador à medida que o finalizavam. Desta maneira obteve-se um retorno de 100% dos questionários. 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS A seguir, inicia-se a análise dos resultados coletados a partir da aplicação dos questionários a amostra investigada, composta integralmente pelo corpo discente da ESADE. O mesmo está dividido em três grandes grupos, sendo: grupo I perfil dos respondentes, grupo II educação financeira e grupo III endividamento. 4.1 CARACTERIZAÇÃO DOS RESPONDETES A análise dos respondentes quanto ao grupo I busca mostrar as diferenças de perfil de acordo com o semestre que estão cursando.

9 9 Do total de 145 respondentes, os jovens entre 18 e 23 anos e 24 a 29 representam mais de 3/4 dos respondentes nos três segmentos da amostra investigada, que é composta por alunos do primeiro, quarto e oitavo semestres, como mostra o gráfico 1. Faixa Etária 18 a a a a a 47 Gráfico 1: Faixa Etária Quanto ao sexo é possível identificar um leve equilíbrio entre homens e mulheres nos semestres de início e final dos cursos, diferentemente do quarto semestre onde a superioridade feminina é praticamente de dois para um em relação aos homens, conforme o gráfico 2. Sexo Feminino Masculino Gráfico 2: Sexo Quando é analisado o estado civil da amostra é possível ver que a grande maioria dos acadêmicos se declarou solteiros ou casados/união estável, correspondendo a praticamente 90% das respostas nos três grupos investigados, isso pode ser explicado ao se constatar o perfil jovem dos alunos que na sua grande maioria possuem idade entre 18 e 29 anos, conforme o gráfico 3.

10 10 Estado Civil Solteiro Casado/União Estável Separado/Divorciado Viúvo Gráfico 3: Estado Civil Quando inquiridos sobre o número de moradores na residência as respostas foram às seguintes, e mais uma vez pode-se notar a influência da faixa etária ao perceber a forte concentração de respostas apontando para dois, três e quatro pessoas, esse fato pode ser decorrente da presença dos pais e irmãos de acordo com o grande número de solteiros, ou do cônjuge no casso de residirem com mais uma pessoa, conforme o gráfico 4. Quantidade de Moradores na Residência Mais de 5 Não Resp. Gráfico 4: Quantidade de Moradores na Residência A ampla maioria dos estudantes está inserida no mercado de trabalho, tendo os percentuais se comportado de maneira muito semelhante nos três segmentos da amostra, esse fato pode estar diretamente relacionado ao fato de cursarem uma universidade particular, e terem que custear integralmente ou parte das despesas do curso, de acordo com o gráfico 5.

11 11 Exerce Atividade Remunerada Sim Não Gráfico 5: Exerce Atividade Remunerada Quanto à remuneração mensal líquida dos entrevistados é possível perceber a tendência no aumento dos ganhos ao passar dos semestres, enquanto que no primeiro o maior volume de respostas está concentrado na faixa entre R$ 501,00 e R$ 1.000,00 correspondendo a 37,78% do total, no quarto semestre nota-se um forte aumento dos declarantes para a faixa de R$ 1.001,00 a R$ 1.500,00 quando comparados aos do primeiro semestre, enquanto que no oitavo percebe-se um equilíbrio entre todas as faixas de respostas, mas com uma leve vantagem para a faixa de R$ 1.501,00 a R$ 2.000,00 a exceção da menor faixa de zero a R$ 500,00 que apresentou o percentual de 4,35% das respostas, conforme o gráfico 6. Renda Mensal Líquida De R$ 0,00 a R$ 500,00 De R$ 501,00 a R$ 1.000,00 De R$ 1.001,00 a R$ 1.500,00 De R$ 1.501,00 a R$ 2.000,00 Acima de R$ 2.001,00 Não Resp. Gráfico 6: Renda Mensal Líquida Os próximos itens a serem analisados são referentes ao grupo II destinado a verificar o nível de educação financeira. Quando indagados sobre os motivos que os levam a efetuar uma compra ocorre praticamente uma unanimidade de respostas entre os três diferentes públicos respondentes, apontando a satisfação de uma necessidade como fator que os levam às compras, como mostra o gráfico 7.

12 12 Quando compra pensa em? Aproveitar oportunidade Satisfazer necessidade Influência do Marketing Status Outros Gráfico 7: Quando compra pensa em? Ao analisar o que leva os respondentes as compras, a diferença de semestres mostrou quase nenhuma influência nos percentuais de respostas ao ter a grande maioria afirmado que a necessidade é o fator responsável por elas irem às compras. O planejamento foi o segundo ponto mais apontado, mostrando que estratégias comerciais como, promoções, liquidações e crédito pré-aprovado mostrou pouca efetividade no grupo pertencente à amostra, conforme o gráfico 8 abaixo. Por que você compra? Planejou Necessidade Promoção Liquidação Crédito pré-aprovado Outros Não Resp Gráfico 8: Por que você compra? O parcelamento de compras é uma prática comum ao se olhar para os percentuais de respostas segmentadas por semestres, correspondendo por praticamente três quartos das opiniões coletadas nos três grupos, de acordo com o gráfico 9 a seguir.

13 13 Você possui compras parceladas? Gráfico 9: Você possui compras parceladas? Sim Não Novamente os respondentes demonstraram comportamento semelhante ao afirmarem que as suas receitas são compostas somente pelos seus ganhos, não se valendo de artifícios como o limite do cheque especial, cartão de crédito ou outras linhas de crédito como forma de aumentar o seu poder compra, de acordo com o gráfico 10. Você usa cheque especial, cartão de crédito ou outras linhas de crédito como forma de aumentar a sua renda mensal? Sim Não Não Resp. Gráfico 10: Você usa cheque especial, cartão de crédito ou outras linhas de crédito como forma de aumentar a sua renda mensal? Mais de três quartos dos respondentes afirmaram positivamente para a realização de controle sobre os seus gastos mensais, não havendo alterações significativas ao comparar os semestres investigados, como mostra o gráfico 11. Você costuma manter controle sobre os seus gastos mensais? Sim Não Não Resp.

14 14 Gráfico 11: Você costuma manter controle sobre os seus gastos mensais? Ao se buscar respostas para entender os métodos utilizados para a manutenção do controle orçamentário verificou-se que praticamente um mínimo de 50% dos respondentes nos três segmentos investigados utiliza uma planilha eletrônica ou um caderno de anotações. Porém, uma parcela significante próxima a 17% não realiza controle algum e os demais usam métodos não muito eficazes, como, extrato bancário, fatura do cartão de crédito, comprovante do cartão de débito ou outros, como mostra o gráfico 12. Como você realiza o acompanhamento dos seus gastos mensais? Não realizo Caderno de Anotações Planilha Eletrônica Extrato Bancário Fatura Cartão de Crédito Comprovante Cartão de Débito Outros Não Resp. Gráfico 12: Como você realiza o acompanhamento dos seus gastos mensais? Quanto à realização de investimentos os respondentes apresentaram comportamentos levemente distintos entre o primeiro e quarto semestre, tendo imperado no grande grupo a não realização de investimentos, em parte pode ser explicado pelo nível de rendimentos pessoais auferido por esses dois grupos. Diferentemente do oitavo semestre que concentra a maior faixa de renda e investimentos de toda a amostra, como mostrado pelo gráfico 13. Você faz investimentos? Sim Não Não Resp. Gráfico 13: Você faz investimentos?

15 15 Ao serem perguntados sobre a destinação da renda extra obtida por intermédio de férias, 13º salário, P.L.R. (Participação nos Lucros e Resultados) ou outros tipos de bonificação as respostas tendem a demonstrar um leve padrão de comportamento ao passar dos semestres, o que pode ser um indicativo da bagagem adquirida antes do ingresso na universidade, tendo como exceção à utilização no período de férias que mostra um crescente muito forte ao passar dos semestres, podendo ser interpretado devido ao fato do ingresso no mercado de trabalho ocorrer muito próximo ao início do curso superior, coincidindo o período de gozo de férias com o quarto semestre acadêmico. Outro item relevante desse grupo de respostas corresponde ao elevado percentual de inquiridos que afirma utilizar tais recursos extras para a quitação de compromissos em atraso e a falta de tendência clara para a diminuição desses níveis com o avanço do curso e a consequente evolução da renda, de acordo com o gráfico 14. Qual a finalidade você costuma dar para o seu 13º salário, férias, P.L.R. ou outro tipo de bonificação? Investe Quita prestações/obrigações em atraso Antecipa o pagamento de prestações/obrigações Utiliza no período de férias Outros Não Resp. Gráfico 14: Qual a finalidade você costuma dar para o seu 13º salário, férias, P.L.R. ou outros tipo de bonificação trabalhista? Ao terem que responder sobre o tamanho dos seus investimentos, utilizando o salário mínimo nacional de R$ 510,00 como referência, obteve-se um ponto de divergência ao ter a alternativa nenhum como a mais respondida nos três segmentos inquiridos, mantendo-se acima de um terço, uma vez que igual parcela afirmou realizar investimentos. A faixa de respostas de investimentos entre 1 e 3 salários mínimos foi a que recebeu o segundo maior volume de respostas. As demais apresentaram percentuais pouco expressivos, como é mostrado pelo gráfico 15.

16 16 Atualmente seus investimentos representam quantos salários mínimos nacional de R$ 510,00? Nenhum. 1 a 3 salários. 4 a 6 salários 7 a 9 salários. 10 a 12 salários 13 ou mais salários. Não Resp. Gráfico 15: Atualmente seus investimentos representam quantos salários mínimos nacional de R$ 510,00? Ao terem que responder por quanto tempo as suas atuais economias é capaz de financiar o atual padrão de vida, verifica-se um percentual de apenas 2,22% dos respondentes do primeiro semestre afirmando não possuir economias suficientes para se autofinanciar. Isso pode decorrer de ser o semestre com maior concentração de jovens na faixa de 18 a 23 anos de idade, que em geral ainda não assumiram todas as despesas de morarem sozinhos, fazendo com que eles possam constituir poupança em maior velocidade quando comparados aos demais, como é possível verificar que mais de 81% desse mesmo grupo possui economias que durariam de 1 a 9 meses. À medida que evoluem os semestres da amostra, o percentual de questionados incapazes de financiar o atual padrão de vida com as suas economias fica superior a um quarto do total. O ponto a ser observado com maior atenção é referente ao número de respondentes que conseguiriam se manter por mais de um ano utilizando apenas as próprias economias que representa 12,96% e 15,22% para o quarto e oitavo semestre, respectivamente, de acordo com o gráfico 16. No caso de perda total da sua fonte de rendimentos, por quantos meses você conseguiria manter o atual padrão de vida utilizando apenas as suas economias? Nenhum. De 1 a 3 meses. De 4 a 6 meses. De 7 a 9 meses. De 10 a 12 meses. Mais de 12 meses. Não Resp. Gráfico 16: No caso de perda total da sua fonte de rendimentos, por quantos meses você conseguiria manter o atual padrão de vida utilizando apenas as suas economias?

17 17 A partir deste ponto são apresentadas as questões e suas respectivas respostas para o grupo III de perguntas, relacionadas ao endividamento. De acordo com o respondido anteriormente no grupo II sobre a realização de compras parceladas em que dois terços dos respondentes acenaram positivamente para a questão, é possível ver que o cartão de crédito é a ferramenta mais usada para tal finalidade em todos os três grupos de respostas, ficando sempre acima de 65% do total. Neste ponto é preciso reforçar o nível de atenção, decorrente do fato do cartão de crédito ser uma das fontes de financiamento menos burocráticas do mercado, e consequentemente a que possui uma das mais elevadas taxas de juros do mercado, podendo vir a se tornar uma enorme fonte de desequilíbrio financeiro na eventual perda de controle, como mostra o gráfico 17. Como você realiza suas compras a prazo? Só compro à vista Cheque pré-datado Cartão de crédito Crediário CDC Outros Empréstimo Consignado Não Resp Gráfico 17: Como você realiza suas compras a prazo? O cartão de crédito surgiu como preferência para a realização de compras de bens de consumo duráveis, o que reforça o alerta com a constatação da questão anterior devido as elevadas taxas de juros dessa modalidade de empréstimo, e o fato de que compras dessa natureza possuem maior valor monetário, consequentemente apresentam maior custo quando da incidência de juros. O contraponto desta questão fica por conta da parcela significativa que tende a realizar esse tipo de compra de forma à vista, corroborando a questão do grupo II onde em média um quarto dos respondentes diz ir às compras após a elaboração de um prévio planejamento, que do ponto de vista orçamentário é o mais econômico devido ao poder de barganha por parte do comprador e na impossibilidade de geração de dívida, como segue o gráfico 18.

18 18 Qual a forma mais utilizada por você para aquisição de bens de consumo duráveis? À vista Financiamento Bancário Consórcio Leasing Empréstimo Consignado Cartão de Crédito Outros Não Resp. duráveis? Gráfico 18: Qual a forma mais utilizada por você para a aquisição de bens de consumo Quando indagados sobre o percentual de comprometimento da renda líquida mensal, fica evidente a grande parcela concentrada nos níveis entre de 31% até 100% correspondendo por mais de 60% do total de respostas nos três segmentos investigados, de acordo com o gráfico 19. Qual o percentual da sua renda líquida mensal está comprometida com prestações/obrigações mensais? De 1% a 30% De 31% a 60% De 61% a 90% De 91% a 100% Gráfico 19: Qual o percentual da sua renda líquida mensal está comprometida com prestações/obrigações mensais? Ao terem que se declarar endividados ou não, a relação das respostas está representadas pelo gráfico 20.

19 19 Você se considera endividado? Sim Não Gráfico 20: Você se considera endividado? Os três grupos pertencentes da amostra informaram na sua grande maioria, acima de 70%, não se considerarem endividados. Mesmo com a expressiva parcela dos entrevistados afirmando que o tamanho máximo da sua poupança possui capacidade de autofinanciamento de um ano e o seu tamanho máximo ser equivalente a três salários mínimos nacional. Ao se buscar uma resposta para os hábitos de pagamentos de prestações/obrigações, grande parte dos respondentes em média 80% dos três grupos disse pagar em dia os seus compromissos, não havendo distorções significativas entre os diferentes grupos da amostras, de acordo com o gráfico 21. Em geral você constuma pagar as suas prestações/obrigações? Adiantado. Em dia. Atrasado. Não Resp. Gráfico 21: Em geral você costuma pagar as suas prestações/obrigações? O gráfico 22 mostra o percentual de respostas para a questão sobre existência de prestações/obrigações em atraso.

20 20 Você possui prestações/obrigações em atraso? Gráfico 22: Você possui prestações/obrigações em atraso? Sim Não Em contraponto a questão anterior, em média 28% dos inquiridos afirmou possuir compromissos financeiros em atraso, o que acaba por contradizer o afirmado anteriormente onde, praticamente 80% afirmou realizar os seus pagamentos em dia. A seguinte questão mostra um leve crescimento no decorrer dos semestres da quantidade de pessoas que utilizam o cartão de crédito, cheque especial ou outras linhas de crédito para o pagamento de prestações e obrigações. Neste ponto pode estar localizado uma grande armadilha caso não se tenha um controle rigoroso entre entradas e saídas, devido ao fato de muitas vezes os empréstimos instantâneos, como, cheque especial e cartão de crédito proporcionar a falsa ilusão de aumento da renda. A explicação para esse fato pode estar no aumento da receita, constatado anteriormente à medida que os estudantes evoluem no curso de graduação, e desta forma se tornando mais fácil o acesso a essas linhas de crédito e também com limites maiores, de acordo com o gráfico 23. Você utiliza empréstimos como cheque especial, cartão de crédito ou outras linhas de crédito para o pagamento de prestações/obrigações? Sim Não Gráfico 23: Você utiliza empréstimos como cheque especial, cartão de crédito ou outras linhas de crédito para o pagamento de prestações/obrigações?

21 21 Quando a questão é referente sobre o fato de já ter renegociado prestações/obrigações observa-se que a amostra do quarto semestre possui o maior percentual de pessoas que nunca renegociou uma dívida, correspondendo por 68,52% do total. Enquanto, que a amostra do primeiro e oitavo semestre que já repactuaram dívidas correspondem a 53,33% e 47,83% respectivamente, numa análise mais superficial esse fato poderia ser atribuído ao crescimento da renda e da idade, que consequentemente traz mais responsabilidades e obrigações, inclusive as de ordem econômico/financeiras, porém os dados do gráfico abaixo evidência o endividamento oneroso e excessivo ocorrido em algum momento no decorrer da vida dos respondentes. Não cabendo aqui analisar os motivos individuais responsáveis por culminar nesse ponto, como indica o gráfico 24. Alguma vez você já repactuou prestações/obrigações? 0,00% 1,85% 0,00% Sim Não Não Resp. Gráfico 24: Alguma vez você já repactuou prestações/obrigações? 4.2 CRUZAMENTO DOS DADOS Ao analisar os percentuais de respostas a grande maioria da amostra, em torno de 2/3 do total de respondentes diz comprar para atender ou satisfazer uma necessidade. E essa mesma proporção de respostas é mantida ao verificar a utilização do cartão de crédito como forma de alcançar o suprimento de tais necessidades e que inevitavelmente leva em média 77,93% da amostra investigada a possuírem compras realizadas de forma parcelada. Ao terem que se declarar endividados ou não, a ampla maioria afirmou não ter essa percepção sobre as suas finanças, correspondendo a 73,10% das respostas, e em geral 80% afirmou efetuar o pagamento de prestações/obrigações em dia, tendo apenas 27,59% dos que responderam a pesquisa ter declarado que possuem compromissos financeiros em atraso. Porém, em média 60,69% das pessoas que responderam a pesquisa possuem comprometimento da sua renda líquida mensal com prestações/obrigações mensais entre 31% e 100%. Neste momento é possível verificar um contra ponto ao analisar a quantidade de

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014 PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL Janeiro 2014 PESQUISA DO SPC BRASIL REVELA QUE 81% DOS BRASILEIROS SABEM POUCO OU NADA SOBRE SUAS FINANÇAS PESSOAIS Os brasileiros ainda estão muito distantes

Leia mais

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar.

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Guia do uso consciente do crédito O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Afinal, o que é crédito? O crédito é o meio que permite a compra de mercadorias, serviços

Leia mais

Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012

Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012 Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012 METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Consumidores de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa Perfil Adimplente

Leia mais

A Mulher como Consumidora

A Mulher como Consumidora A Mulher como Consumidora Março 2013 Apresentação A Pesquisa A Mulher como Consumidora traça o quadro e o perfil financeiro feminino em Belo Horizonte. Além disso, esta pesquisa engloba informações que

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

O melhor crédito para você

O melhor crédito para você 1016324-4 - abr/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Orientação Financeira

Orientação Financeira Orientação Financeira AGENDA Objetivo Finanças do brasileiro Planejamento Financeiro Consumo Consciente O que os bancos oferecem Leituras e Sites Sugeridos 3 4 10 20 24 36 3 OBJETIVO Orientar e Estimular

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas.

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. SUPERENDIVIDAMENTO Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. Nos últimos anos, houve um crescimento significativo de endividados no Brasil. A expansão da oferta de crédito e a falta de controle do orçamento

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Pesquisa de Orçamento Doméstico

Pesquisa de Orçamento Doméstico Fonte: Sistema Fecomércio MG EE A Pesquisa de Orçamento Doméstico de Belo Horizonte é um balizador do comportamento das famílias, relativo aos seus compromissos correntes e financeiros. A falta de planejamento,

Leia mais

Questionário sobre Finanças Pessoais - Projeto de Pesquisa II

Questionário sobre Finanças Pessoais - Projeto de Pesquisa II Questionário sobre Finanças Pessoais - Projeto de Pesquisa II Editar este formulário Esta é uma pesquisa sobre Finanças Pessoais e parte integrante da disciplina de Projeto de Pesquisa II do curso de Administração

Leia mais

Pesquisa de Opinião do Consumidor Orçamento Doméstico. Abril 2013

Pesquisa de Opinião do Consumidor Orçamento Doméstico. Abril 2013 Pesquisa de Opinião do Consumidor Abril Belo Horizonte MG Abril de Apresentação Acompanhar o consumidor através da organização de seu orçamento doméstico é uma ferramenta valiosa para auxiliar a tomada

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Tecnologia Núcleo de Engenharia de Produção

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Tecnologia Núcleo de Engenharia de Produção UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Tecnologia Núcleo de Engenharia de Produção DIAGNÓSTICO DO PERFIL FINANCEIRO DOS MÉDICOS DE BRASÍLIA: Os principais motivos de seu endividamento. Bárbara barbara.magaldi@gmail.com

Leia mais

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração (ANEFAC) realizou durante o mês de outubro de a 15ª edição da Pesquisa de Utilização do 13º salário.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Uso do Crédito (consumidores) Setembro 2012

Uso do Crédito (consumidores) Setembro 2012 Uso do Crédito (consumidores) Setembro 2012 METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Consumidores de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa: 623 casos, gerando um erro máximo de 3,9%

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

ORÇAMENTO FAMILIAR: UMA FERRAMENTA PARA GERIR OS RECURSOS FINANCEIROS DA ESFERA DOMÉSTICA

ORÇAMENTO FAMILIAR: UMA FERRAMENTA PARA GERIR OS RECURSOS FINANCEIROS DA ESFERA DOMÉSTICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ORÇAMENTO FAMILIAR: UMA FERRAMENTA PARA GERIR OS RECURSOS FINANCEIROS DA ESFERA DOMÉSTICA Viviane da Silva Vieira Pereira 1 RESUMO: Este trabalho abordou

Leia mais

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Mais de um terço dos brasileiros desconhecem o valor das contas que vencem no próximo mês. Falta

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Matemática e suas Tecnologias Matemática

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Matemática e suas Tecnologias Matemática Atividade extra Exercício 1 Um microondas custa R$ 300,00 e possui um desconto de 15% no pagamento à vista. Qual o valor do microondas à vista? (a) R$ 285,00 (b) R$ 255,00 (c) R$ 270,00 (d) R$ 215,00 Exercício

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO 2013 GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO CARTÕES DE CRÉDITO Definição Cartão de crédito é modalidade de pagamento à vista, objeto de um contrato de adesão entre o consumidor e uma administradora de cartões,

Leia mais

cartilha educação financeira

cartilha educação financeira cartilha educação financeira cartilha educação financeira A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA A educação financeira é decisiva para o bem-estar presente e futuro das famílias, contudo, ela nem sempre

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Planejamento financeiro é um processo Existe disponibilidade de recursos para isto? racional de administrar sua renda, seus investimentos, De onde virão os recursos para o crescimento

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Administração Financeira Projeto de Pesquisa do Trabalho de Conclusão de Curso Finanças Pessoais no Brasil

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Administração Financeira Projeto de Pesquisa do Trabalho de Conclusão de Curso Finanças Pessoais no Brasil Pró-Reitoria de Graduação Curso de Administração Financeira Projeto de Pesquisa do Trabalho de Conclusão de Curso Finanças Pessoais no Brasil Autor: Uelintânia dos Santos Lopes Orientador: Prof Dr. Alberto

Leia mais

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Objetivo geral Disseminar conhecimento financeiro e previdenciário dentro e fora da SP-PREVCOM buscando contribuir

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS NATAL 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS NATAL 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS NATAL 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 15/12/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS NATAL 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores Responsáveis:

Leia mais

Análise de Endividamento do Consumidor

Análise de Endividamento do Consumidor Belo Horizonte - 2015 A Análise Mensal do Endividamento do Consumidor traça o quadro de endividamento e inadimplência dos consumidores da capital. Essas informações são importantes porque englobam dados

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

FINANÇAS PESSOAIS: VOCÊ SABE ADMINISTRÁ-LAS?

FINANÇAS PESSOAIS: VOCÊ SABE ADMINISTRÁ-LAS? PESQUISA COMPORTAMENTAL FINANÇAS PESSOAIS: VOCÊ SABE ADMINISTRÁ-LAS? PROCON GOIÁS GERÊNCIA DE PESQUISA E CÁLCULO JULHO/2009 OBJETIVO Mesmo através de orientações, fornecidas aos consumidores pela Superintendência

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014

INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014 1 INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Natal 2014 Rua Venâncio Borges do Nascimento, 377 Jardim Tv Morena Campo Grande - MS, 79050-700 Fone:

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família Núcleo de Pesquisas Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina Os dados levantados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 1 MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014 Rua Venâncio Borges do

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

ANAIS PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL DOS ALUNOS DE CURSOS DE GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO SUL

ANAIS PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL DOS ALUNOS DE CURSOS DE GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO SUL PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL DOS ALUNOS DE CURSOS DE GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO SUL GABRIEL MACHADO BRAIDO ( gabrielb@univates.br, gbraido@gmail.com ) UNIVATES - CENTRO

Leia mais

Use bem o seu dinheiro

Use bem o seu dinheiro 1016323-6 - abr/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice Objetivo, metodologia e amostra... 03 Perfil dos Respondentes... 04 Principais constatações sobre os hábitos de consumo

Leia mais

Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito

Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito Especialistas dão dicas para sair do vermelho. É fundamental planejar gastos e usar bem o crédito. Por Anay Cury e Gabriela Gasparin Do G1, em

Leia mais

ETAPA DA MUDANÇA DE HÁBITOS

ETAPA DA MUDANÇA DE HÁBITOS 1 Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Curso de Administração DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROF. ELISSON DE ANDRADE TEXTO 4 ETAPA DA MUDANÇA DE HÁBITOS (PARTE 1) Estrutura do texto

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

METODOLOGIA. Questões: 1 a 4 (sexo/faixa etária/escolaridade e renda mensal) Objetivo: traçar o perfil do usuário reclamante de cartão de crédito.

METODOLOGIA. Questões: 1 a 4 (sexo/faixa etária/escolaridade e renda mensal) Objetivo: traçar o perfil do usuário reclamante de cartão de crédito. INTRODUÇÃO O cartão de crédito é uma forma de pagamento muito utilizada no comércio convencional e, mais moderadamente, em compras eletrônicas. A praticidade, a ampla aceitação do mercado, a possibilidade

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante

Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante Como nos relacionamos com o dinheiro? O que é dinheiro? Como nos relacionamos com o dinheiro? O que o dinheiro significa para você? Sonhos Sonhos não se

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: INCLUSÃO FINANCEIRA JUNHO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

FACULDADES ALVES FARIA - ALFA

FACULDADES ALVES FARIA - ALFA FACULDADES ALVES FARIA - ALFA CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA PESQUISA : ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR GOIANIENSE 2013-1 GOIÂNIA 2013 1. INTRODUÇÃO. Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

Pesquisa de Endividamento do Consumidor (PEC) de Belo Horizonte

Pesquisa de Endividamento do Consumidor (PEC) de Belo Horizonte Pesquisa de Endividamento do Consumidor (PEC) de Belo Horizonte Setembro 2013 Apresentação A Pesquisa de Endividamento do Consumidor (PEC) traça o quadro de endividamento e inadimplência dos consumidores.

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 Novembro 2014 1 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo dos Pequenos Negócios no Brasil, quanto à questão do seu

Leia mais

GUIA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO

GUIA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO GUIA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO VOCÊ TEM MAIS DINHEIRO DO QUE IMAGINA PLANEJAMENTO FINANCEIRO; COMO ORGANIZAR SEU ORÇAMENTO; A IMPORTÂNCIA DE TER AS CONTAS EM DIA; DESCUBRA COMO FAZER PARA QUE SOBRE UM

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel #103 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel Consórcio ou financiamento? Poupança com ganho real Investimento volta a superar a inflação

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA Diretoria Acadêmica e de Administração fev-2010 Anexo I - PORTARIA Nº 08/2010-DIR Considerando que o melhoramento constante da infra-estrutura física ofertada e a busca

Leia mais

Informações básicas sobre crédito

Informações básicas sobre crédito Coleção Educação Financeira Informações básicas sobre crédito O crédito é um instrumento poderoso para viabilizar sonhos e projetos, sejam eles pessoais ou empresariais. É útil também nas horas de aperto,

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Educação Financeira PASSATEMPOS. O Paraná Banco traz o assunto de forma divertida para você BOM PRA CABEÇA. Diretox Dominox caça-palavra

Educação Financeira PASSATEMPOS. O Paraná Banco traz o assunto de forma divertida para você BOM PRA CABEÇA. Diretox Dominox caça-palavra Educação Financeira O Paraná Banco traz o assunto de forma divertida para você BOM PRA CABEÇA PASSATEMPOS Diretox Dominox caça-palavra 2 O Paraná Banco propõe um desafio consciente a você! O Paraná Banco,

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DOS GASTOS E ENDIVIDAMENTO DOS ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNEC DE SANTA FÉ DO SUL/SP.

TÍTULO: ESTUDO DOS GASTOS E ENDIVIDAMENTO DOS ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNEC DE SANTA FÉ DO SUL/SP. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO DOS GASTOS E ENDIVIDAMENTO DOS ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNEC DE SANTA FÉ DO SUL/SP.

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011

CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011 CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011 GOIÂNIA 2011 1. INTRODUÇÃO. Este trabalho apresenta os resultados da pesquisa social aplicada,

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Famílias endividadas e com contas em atraso (%)

Famílias endividadas e com contas em atraso (%) Núcleo de Pesquisas Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores de Chapecó A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor é um importante indicador da saúde financeira das famílias,

Leia mais

POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO?

POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO? ORGANIZE SUA VIDA POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO? - Para planejar melhor como gastar os nossos recursos financeiros QUAIS OS BENEFÍCIOS DE TER UM PLANEJAMENTO FINANCEIRO? - Para que possamos

Leia mais

Palavras chave: FINANCIAMENTOS, DIFICULDADE FINANCEIRA, ORÇAMENTO FINANCEIRO

Palavras chave: FINANCIAMENTOS, DIFICULDADE FINANCEIRA, ORÇAMENTO FINANCEIRO 1 A UTILIZAÇÃO DO ORÇAMENTO FINANCEIRO NA TOMADA DE DECISÃO PARA UTILIZAÇÃO DE FINANCIAMENTO ATRAVÉS DE RECURSOS DE TERCEIROS - FINANCIAMENTO BANCARIO Aluno: Gisele Gonçalves Almeida Orientador: Prof.

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Guia do uso consciente do crédito. Dicas e informações para você usar o crédito sem perder o sono.

Guia do uso consciente do crédito. Dicas e informações para você usar o crédito sem perder o sono. Guia do uso consciente do crédito Dicas e informações para você usar o crédito sem perder o sono. Afinal, o que é crédito? O crédito é o meio que permite a compra de mercadorias, serviços ou obtenção e

Leia mais

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos...

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos... Relatórios Financeiro... 3 Detalhes financeiros da classe... 3 Detalhes financeiros do plano... 4 Detalhes financeiros dos alunos... 5 Vencimento diferenciado... 6 Não emitir boleto... 7 Diferenças entre

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros Janeiro 2015 1. INTRODUÇÃO Quatro em cada dez consumidores consideram-se desorganizados financeiramente, mas sete em cada dez

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Planejamento Financeiro Pessoal

Planejamento Financeiro Pessoal Planejamento Financeiro Pessoal 1 Porque pensar no assunto? Você é uma pessoa livre? Tem certeza? De acordo com o dicionário, a palavra liberdade significa: Possibilidade que tem o indivíduo de exprimir-se

Leia mais

Pesquisa Fecomércio SC Resultado de Vendas Volta às Aulas 2012

Pesquisa Fecomércio SC Resultado de Vendas Volta às Aulas 2012 Pesquisa Fecomércio SC Resultado de Vendas Volta às Aulas 2012 A FECOMÉRCIO SC realizou, entre os dias 29 de fevereiro e 02 de março, uma pesquisa para avaliar o resultado de vendas do período referente

Leia mais

BANRIDICAS FINANCEIRAS. A sua cartilha sobre Educação Financeira

BANRIDICAS FINANCEIRAS. A sua cartilha sobre Educação Financeira BANRIDICAS FINANCEIRAS A sua cartilha sobre Educação Financeira Planejando seu orçamento Traçar planos e colocar tudo na ponta do lápis - não é tarefa fácil, mas também não é impossível. O planejamento

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Possui a renda comprometida com algum tipo de financiamento/ empréstimo?

Possui a renda comprometida com algum tipo de financiamento/ empréstimo? Belo-horizontinos com a renda comprometida com financiamentos ou empréstimos Pesquisa da CDL/BH também apontou que a maioria dos consumidores da capital mineira não faz nenhum tipo de aplicação financeira

Leia mais

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos USO DO CARTÃO DE CRÉDITO Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos Mais da metade dos brasileiros (53%) faz uso do cartão

Leia mais