Projeto de Rede de Cabeamento Estruturado da. Prefeitura Municipal de Venâncio Aires

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Rede de Cabeamento Estruturado da. Prefeitura Municipal de Venâncio Aires"

Transcrição

1 Projeto de Rede de Cabeamento Estruturado da Prefeitura Municipal de Venâncio Aires Orientação Ténica 1

2 Índice 1.0 Objetivo Responsabilidades do Contratado Normas e Documentos de Referência Escopo Geral do Fornecimento Produtos Serviços Conectorização racks e pontos terminais Execução de tubulações, passagem de cabos de lógica UTP e conectorização racks e pontos terminais de lógica pavilhão industrial Passagem de cabos e conectorizações das interligações de fibra ótica e cabos UTP entre prédios anexos e pavilhão industrial Passagem e interligações de cabos telefônicos tronco principal concessionária Projeto Sistema de Cabeamento Estruturado Descrição Básica Rede de Cabeamento Rede Lógica Terminologia Especificações Técnicas Considerações Gerais: Sistema de Identificação: Sistema de Cabeamento Secundário: Sistema de Cabeamento Primário (Backbone): Documentação e Considerações Responsabilidade Técnica Documentação Legal Aprovação da Instalação/Equipamento e/ou Entrega da Obra Local Guarda de Ferramenta e Vestuário Transporte e Movimentação Meio Ambiente, Organização e Limpeza Prazos de Execução Apresentação da Proposta Dúvidas Técnicas/Comerciais Considerações Finais ANEXOS

3 1.0 Objetivo A presente especificação técnica tem por objetivo estabelecer os requisitos técnicos mínimos que deverão ser obedecidos para o fornecimento dos materiais e para a execução dos serviços necessários para a realização da infra-estrutura e Sistema de Cabeamento Estruturado para o prédio descrito como Centro Clinico, localizado na rua General Osório, na cidade de Venâncio Aires. 2.0 Responsabilidades do Contratado Todos os serviços mencionados neste memorial e no projeto deverão ser objeto de um contrato global ou parcial com a PROPONENTE, podendo as partes em comum acordo definir o pagamento de adicionais para os serviços constante no escopo. Com base no projeto, memorial e visitas no local da obra, a PROPONENTE deverá fazer levantamentos completos e minuciosos de todos os serviços, materiais, equipamentos, ferramentas, mão-de-obra, supervisão e coordenação dos serviços necessários a perfeita execução do escopo. Após a assinatura do contrato a PROPONENTE não poderá alegar desconhecimento de qualquer item do projeto e do memorial para obter pagamentos adicionais de serviços extras. Todas as modificações, desvios e interferências, deverão ser verificadas antes da execução. Não serão aceitos serviços adicionais devido a interferências. A PROPONENTE na sua proposta deverá apresentar todos os itens com preços unitários, os quais deverão servir como base para serviços complementares, acarretados por eventuais modificações introduzidas na obra. Caberá a PROPONENTE manter atualizados os projetos com as modificações introduzidas na obra através de anotações, as quais deverão ficar arquivadas sempre em coordenação com a fiscalização da obra da Prefeitura Municipal. Estas anotações deverão ser apresentadas à fiscalização na época de medição dos serviços, cuja aprovação será liberada para fins de pagamentos. 3

4 Portanto a PROPONENTE de serviços deverá considerar como parte integrante do escopo de serviços, a atualização de projetos de tal maneira que se tenha no final da obra um projeto totalmente atualizado e passar via CAD todas as respectivas alterações, o qual deverá ser entregue ao proprietário sob a forma de As Built, de modo que se tenha condições, no futuro, de executar a manutenção de qualquer instalação objeto do atual projeto Normas e Documentos de Referência Todo o fornecimento de equipamentos e serviços executados pelo Proponente deverá obedecer às determinações dessa especificação e atender as normas da ABNT e as internacionais recomendadas, prevalecendo, quando em dúvida, a mais restritiva entre elas. A edição válida de cada norma será a vigente na data de apresentação da proposta pelo Proponente, não desprezando revisões futuras. Normas da TIA/EIA (Telecommunications Industry Association/Electronic Industries Association), a seguir: ANSI/EIA/TIA-568B: Commercial Building Telecommunications Cabling Standard; EIA/TIA-569B: Commercial Building Standard for Telecommunications Pathways and Spaces; ANSI/EIA/TIA-606A: The Administration Standard for the Telecommunications Infrastructure of Commercial Buildings; TIA-942: Telecommunications Infrastructure Standard for Data Center. NBR procedimento Básico para Elaboração de projeto de Cabeamento de Telecomunicações para Rede interna Estruturada Institutos Internacionais: EIA - "Electrical Industries Association"; ANSI - "American National Standards Institute"; IEC - "International Electro-Technical Commission"; DIN - "Deutsches Institut Fuer Normung"; IEEE - "Institute of Electrical and Electronic Engineer" ISO - International Standardization Organization; U/L - Underwriters Laboratories; ISA - Instrument Society of America; 4

5 Onde essas normas forem omissas ou quando não houver menções específicas, poderão ser utilizadas outras normas nacionais ou estrangeiras, desde que haja aquiescência da fiscalização Alliance One Brasil Escopo Geral do Fornecimento 4.1- Produtos Os seguintes produtos devem ser incluídos no fornecimento para realização da infra-estrutura prevista neste projeto de Rede de Cabeamento Estruturado: Todo os materiais, equipamentos e dispositivos necessários à implantação da infra-estrutura de telecomunicação descritas nos projetos especificados neste documento (Anexo A) Serviços Os seguintes serviços devem ser incluídos no fornecimento para realização da infra-estrutura prevista neste projeto de Sistema de Cabeamento Estruturado: Instalação das diversas infra-estruturas e dos sistemas, complementação necessária às instalações já projetadas, para a adaptação às peculiaridades de seu sistema, testes em campo e as-built das execução dos projetos Conectorização racks e pontos terminais No prédio descrito abaixo do complexo os cabos de UTP estarão instalados entre o ponto terminal e o rack: Centro Clínico Neste prédio os serviços de passagem dos cabos fazem parte do escopo e deverão seguir as seguintes especificações solicitadas: Rack: Folga de 200 cm após a saída na caixa embutida na parede. Ponto Terminal: Folga de 20 cm após a saída na caixa embutida na parede. Identificação: De maneira simples identificar com fita adesiva através de numeral as duas extremidades de cada cabo UTP. 5

6 21-A proponente será responsável pela instalação no ponto terminal de lógica da placa para os módulos, dos módulos RJ 45, dos módulos cegos e a Porta Equipamentos de sobrepor em eletrocalha de aluminio. Após será realizada a conexão do cabo UTP aos módulos RJ45, e da identificação no ponto no Porta Equipamento como já detalhado anteriormente Execução de tubulações, passagem de cabos de lógica UTP e conectorização racks e pontos terminais de lógica. Deverão ser realizadas todas as instalações de eletrocalhas, canaletas e perfis conforme planta (parte desse descritivo). O escopo da proponente é o fornecimento de todos os materiais e execução das tubulações entre a infraestrutura principal (eletrocalhas) e o ponto terminal de lógica, a passagem dos cabos UTP entre os rack s e o referido ponto terminal e suas conectorizações em acordo com as especificações técnicas deste memorial. Em cada ponto terminal, independente do numero de pontos, deverá ser instalado um porta equipamento para três módulos para a rede de lógico e outro para a elétrica. Os módulos não utilizados deverão receber um modulo cego Passagem de cabos e conectorizações das interligações de fibra ótica. Tubulação subterrânea na entrada do prédio está pronta. A empresa proponente deverá responsabilizar-se pelo encaminhamento da fibra por estruturas de eletrodutos à realizar e por postes da concessionária de energia (conforme projeto de implantação em anexo). A proponente deverá fornecer todo o material e executar as interligações de cabos de fibra ótica entre a Sala de Servidores da Prefeitura e o respectivo Rack do prédio Centro Clinico Passagem e interligações de cabos telefônicos tronco principal concessionária. 6

7 Lançamento de cabo primário CTPAPL iniciando na central telefônica da Sede da prefeitura Municipal de Venâncio Aires localizado à Osvaldo Aranha 634 e terminando dentro do rack no prédio do centro clínico no patch painel cat Projeto Sistema de Cabeamento Estruturado Descrição Básica A Rede de Cabeamento Estruturado do Centro Clinico consiste em uma rede do tipo UTP Cat. 6 composta de 70 pontos para distribuição de sinais de Voz e Dados e a interligação Rede de Cabeamento A Rede de Cabeamento irá distribuir os sinais de Voz e Dados, permitindo a completa distribuição destes serviços em todos os setores. A distribuição do sistema de cabeamento lógico nas areas de trabalho será feita através da instalação de eletrocalhas e eletrodutos, ou através da utilização de canaletas metálicas, em pontos marcados em planta* Rede Lógica A interconexão logica da Rede da Alliance será formada por um conjunto de switchs instalados em cada rack switch de core instalado junto ao rack de cabeamento situado na sala dos Servidores. Cada equipamento deverá possuir portas padrão Ethernet do tipo 10/100/1000 Mbits interligados ao switch de core via sistema de cabeamento óptico. A rede de cabeamento óptica terá capacidade de suportar tecnologias do tipo Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernete e 10Gigabit Ethertnet Terminologia Backbone: Estrutura de cabeamento principal (ou cabeamento primário) de um sistema de cabeamento de telecomunicações. Sala de Equipamentos Principal (SEP): ou Sala Principal de Telecomunicações, de onde partem todos os cabos da rede e onde serão instalados os equipamentos centrais de telecomunicações e os Servidores. 7

8 Sala de Telecomunicações (SET): ou rack de telecomunicação, é o local destinado a atender aos setores em seu envolto. Segundo nível do cabeamento, recebe o link principal via fibra ótica e realiza a distribuição via cabo UTP. Patch Panel : Painel de Conexões, onde são terminados o cabos em um sistema de cabeamento estruturado. Switch Core: Equipamento Comutador de Dados central, onde são interligados todos os outros equipamentos concentradores da rede de dados. Switch Departamental: Equipamento Comutador de Dados de ponta, que interliga os equipamentos de dados distribuídos na rede ao Backbone de telecomunicações Especificações Técnicas 1- Cabo: Tipo Par Trançado, Cabo de 4 pares trançados de fios sólidos. Capa em PVC não propagante à chama na cor azul. Possui marcação seqüencial para controle e de semana/ ano de fabricação para rastreamento do lote. Características técnicas superam os requisitos da norma ANSI/TIA/EIA 568B. Aprovado para Gigabit Ethernet pela ETL/SEMKO (Zero Bit Error). Estabilidade elétrica até 600MHz. Temperatura de operação de -20C a + 60C. Apresentar cópias das características técnicas do produto, certificação ISO 9000 e certificação da UL. 2- Patch Panel: Padrão 19 para montagem em rack, configurado em módulos de seis portas removíveis individualmente. Todas as portas tem a mesma performance elétrica devido a existência de circuitos individuais para cada porta.os circuitos impressos são protegidos por módulos em policarbonato não propagante à chama com a liviadores de tensão e limitadores de curvatura incorporados. Partes plásticas são em termoplástico de alto impacto não propagante à chama (UL 94V-0). O painel frontal é em aço* de 1,5mm de espessura e bordas de reforço para evitar empenamentos, com pintura preta resistente a riscos. A durabilidade para os Jacks RJ-45 é de 750 ciclos graças a terminais de Cobre Berílio com uma camada de 1,27 micrômetros de ouro na área de contato sobre 3,81 micrômetros de níquel. Para os contatos 110 IDC, a durabilidade é de 200 ciclos aceitando condutores de 22 a 26AWG e isolação de até 1,27mm. Pinagem Universal, isto é, aceita na mesma peça a pinagem T568A e T568B. Características técnicas superam os requisitos da norma ANSI/TIA/EIA568B. Atende os requisitos da FCC part 68.5 (EMI - Indução Eletromagnética). Aprovado para Gigabit Ethernet pela ETL/SEMKO (Zero Bit Error). 8

9 3- Conector Modular Jack RJ-45: Partes plásticas são em termoplástico de alto impacto não propagante à chama (UL94V-0). A durabilidade para os Jacks RJ-45 deverá ser de no m inimo 750 ciclos a terminais de Cobre Berílio com uma camada de 1,27micrômetros de ouro na área de contato sobre 3,81 micrômetros de níquel. Para os contatos 110 IDC, a durabilidade é de 200ciclos aceitando condutores de 22 a 26AWG e isolação de até 1,27mm. Os conectores deverão ter uma proteção extra nos contatos 110 IDC com a colocação dos aliviadores de tensão e limitadores de curvatura (já inclusos). Pinagem Universal, isto é, aceita na mesma peça a pinagem T568A e T568B. Características técnicas superam os requisitos da norma ANSI/TIA/EIA 568B.Aprovado para Gigabit Ethernet pela ETL / SEMKO (Zero Bit Error). 4- Patch Cords RJ 45/RJ 45: Estes modelos de adapter cable fabricado pela AMP excede os requerimentos de performance propostos pela TIA/EIA-568B.2-1 e IEC para componentes categoria 6 / casse E. O sistema categoria 6 da AMP Netconnect é compatível com todos os requerimentos de performance para aplicações atuais e propostas, como Gigabit Ethernet (1000BASE-TX), 10 e 100BASE0TX, token ring, 155 Mbps ATM, 1000 Mbps TP-PMD, ISDM vídeo analógico e digital, e voz analógica e digital (VoIP). Os adapter cables categoria 6 AMP Netconnect são do tipo riser e construído com boots coloridos, a prova de nós, flexíveis e em pares iguais. Os adapter cables categoria 6 são construídos com plugs modulares banhados com 50 micro polegadas de ouro, obedecendo a pinagem T568A. Utilizam cabo colorido e boots a prova de nó de mesma cor do cabo. O cabo atende aos requerimentos de performance da TIA para categoria 6 e possuem 25 anos de garantia. Estão disponíveis na cor azul. 5- Distribuidor Interno Óptico (DIO) SEP: caixa metálica para fixação em rack padrão 19, altura de 1U s, confeccionado em aço na cor preta, com capacidade para acomodação de até 24 fibras, deve possuir bandejas de acomodação para as fibras ópticas, deve constar do fornecimento todos os módulos internos para acomodação das fibras ópticas e conectores do tipo LC além de pig tails constituídos de 1 fibra tipo multímodo 50/125um, atenuação máxima 3 db/km na janela de 850nm e 1 db/km na janela de 1300nm, largura de banda passante de 2000 Mhz/Km na janela de 850nm e 500Mhz/Km na janela de 1300nm, conectorizado em uma das extremidades com conector tipo LC. Anexar cópia do catálogo com características técnicas para análise, certificação UL e Certificação ISO 9000 do fabricante. 6- Distribuidor Interno Óptico (DIO) SET: caixa metálica, com entrada prevista para o cabeamento óptico na parte posterior, possui bandeja para acomodação de até 9

10 6 fibras, podendo ser realizadas emendas por fusão ou conectorização. No painel frontal serão instalados os acopladores ópticos tipo LC (até 6) além de pig tails constituídos de 1 fibra tipo multímodo 50/125um, atenuação máxima 3 db/km na janela de 850nm e 1 db/km na janela de 1300nm, largura de banda passante de 2000 Mhz/Km na janela de 850nm e 500Mhz/Km na janela de 1300nm, conectorizado em uma das extremidades com conector tipo LC. Anexar cópia do catálogo com características técnicas para análise, certificação UL e Certificação ISO 9000 do fabricante. 7- Cabo Otico: O cabo deve suportar todas as aplicações de transmissão de dados em alta velocidade, incluindo: IEEE FOILR 10 Mbps IEEE BASE-F 1000 Mbps IEEE BASE SX/FX 1 Gb/s FDDI 100 Mbps ATM 155/622 Mbps 1,2/2,4 Gb/s Fibre Channel FC-PH 266 1,062Gb/s O CABO UTILIZADO DEVE ATENDER AS NORMAS E CERTIFICADOS: ABNT NBR Cabo optico dieletrico auto-sustentado ITU-T Recomendacion G.652.D: Characteristics of a single-mode optical fibre and cable Internacional ISSO/IEC Europeias EM Americana ANSI/TIA/EIA-568-B Bellcore GR-409 Certificados de Homologacao ANATEL / Cordões de Manobra (Patch Cord Otico): caixa metálica, com entrada prevista para o cabeamento óptico na parte posterior, possui bandeja para acomodação de até 6 fibras, podendo ser realizadas emendas por fusão ou conectorização. No 9- Rack Telecom da Sala de Equipamentos Principal: Será fornecido pela contratante 10- Rack da Sala de Telecomunicação dos Setores: Linha Mini Racks Standard da Q&T Equipamentos, Estrutura com planos frontais móveis, suportes traseiros e laterais montados; Construídas em chapa de aço com 1,2mm de espessura, pintura eletrostática pó cinza RAL Base com pés plásticos; 10

11 - Teto com furação para 2 mini ventiladores com flanges, - Porta de aço/acrílico com fecho com chave. - Planos frontais móveis, suportes traseiros e laterais. Recomendamos Rack s da Marca Q&T Equipamentos Considerações Gerais: Toda a infra estrutura de cabeamento deverá seguir a norma EIA/TIA 569A. Todos os componentes do Sistema de Cabeamento deverão ser do mesmo fabricante, garantindo assim a uniformidade de desempenho de todo o sistema. As instalações deverão estar de acôrdo com as normas técnicas da ABNT e normas internacionais tais como EIA/TIA 568B, EIA/TIA 569A e EIA/TIA 606, ABNT 14565, NBR Nas propostas as proponentes deverão indicar as marcas e todas as características dos materiais ofertados e apresentar catálogos com especificações técnicas para análise, conforme especificações técnicas. Será de suma importância a qualidade do produto especificado, pois esta será exigida quando das instalações e vistoria no final da obra. Para todo o material lógico a ser utilizado será exigida a certificação ISO 9000 do fabricante e certificação de laboratórios internacionais independentes tais como: UL, CSA, OFTAL, que comprove a homologação destes produtos. A empresa proponente deverá apresentar Carta do fabricante dos materiais de Sistema de Cabeamento Estruturado proposto de que é Instalador Autorizado. Toda a instalação do Cabeamento Estruturado (estrutura passiva do sistema) deverá ser garantida por um prazo mínimo de 20 (vinte) anos a partir de sua implementação, devendo o licitante apresentar declaração expressa do fabricante dos materiais de cabeamento. Na data da Licitação deverá ser apresentada junto a proposta declaração expressa de que a empresa possui equipamento para certificação do cabeamento mencionando modelo e marca, acompanhado do respectivo Certificado de Calibragem emitido por laboratório reconhecido pelo fabricante do aparelho. A proponente vencedora da Licitação, ao término da obra deverá proceder nos testes de performance de todo o cabeamento (certificação), comprovando a sua conformidade com a norma EIA/TIA 568B, no que tange a: continuidade, polaridade, identificação, Atenuação, NEXT, FEXT, ELFEXT e 11

12 Perda de Retorno, para tanto deverá ser utilizado equipamento de homologação bidirecional, garantindo assim o pleno funcionamento do sistema de cabeamento a 250 Mhz. Os relatórios dos pontos, gerados pelo equipamento, deverão ser datados e rubricados pelo responsável pela obra. Ao final dos trabalhos de instalação da rede, deverá ser fornecida em via magnética e impressa em duas vias, planta (com a distribuição dos pontos lógicos e dos pontos elétricos) em padrão Autocad, com a identificação de todos os pontos lógicos instalados, a passagem dos cabos, acompanhados dos respectivos testes de homologação de cada ponto, além da relação de todos os materiais utilizados. A proponente vencedora deverá ao final dos trabalhos o projeto devidamente registrado com ART (emitido pelo CREA) Sistema de Identificação: Sistema de Cabeamento Secundário: Os Patch Panels a serem instalados deverão ser identificados por dois algarismos de forma sequencial. Na parte frontal das tomadas deverão ser identificados os pontos conforme a seguir: PT XX YY PT: Ponto de Telecomunicações XX: Número de ordem do Patch Panel YY: Número sequencial do ponto lógico Todos os pontos deverão ser identificados em suas conforme item acima.. Os cabos de interligação entre o rack e as áreas de trabalho deverão ser identificados em suas extremidades conforme a seguir: CSU XX YY CSU: Cabo Secundário UTP XX: Indica o patch panel de origem do cabo da tomada YY: Número sequencial do ponto A identificação deverá ser feita através do uso de etiquetas adesivas com cobertura plásticas específicas de identificação diretamente nos cabos e na parte de cada tomada lógica, a impressão das informações será feita através de impressora matricial ou impressora de transferência térmica. 12

13 7.2 - Sistema de Cabeamento Primário (Backbone): Os DIO S a serem instalados na SEP deverão ser identificados por dois algarismos de forma sequencial. Na parte frontal dos DIO s deverão ser identificados os pontos conforme a seguir: LP XX YY LP: Link Principal XX: Número do prédio de destino YY: Número sequencial da fibra LR: XX: YY: LR XX YY Link Redundante Número do prédio de destino Número sequencial da fibra Todos os pontos deverão ser identificados em suas conforme item acima. Os cabos de interligação entre os rack s da SEP e os da SET deverão ser identificados em suas extremidades, e em pontos regulares em seu encaminhamento conforme a seguir: CPFO XXFO YY-ZZ CPFO: Cabo Primário de Fibra Ótica XXFO: Indica a quantidade de fibras do cabo YY: Indica o prédio de Origem ZZ: Indica o Prédio de Destino CPU XX YY-ZZ CPU: Cabo Primário UTP (Metálico) XX: Indica a quantidade de pares do cabo YY: Indica o prédio de Origem ZZ: Indica o Prédio de Destino CRFO XXFO YY-ZZ CRFO: Cabo Redundante de Fibra Ótica XXFO: Indica a quantidade de fibras do cabo 13

14 YY: Indica o prédio de Origem ZZ: Indica o Prédio de Destino CRU XX YY-ZZ CRU: Cabo Redundante UTP (Metálico) XX: Indica a quantidade de pares do cabo YY: Indica o prédio de Origem ZZ: Indica o Prédio de Destino A identificação deverá ser feita através do uso de etiquetas adesivas com cobertura plásticas específicas de identificação diretamente nos cabos e na parte de cada tomada lógica, a impressão das informações será feita através de impressora matricial ou impressora de transferência térmica Documentação e Considerações Responsabilidade Técnica A proponente, quando contratada, deverá recolher, imediatamente após a assinatura do Contrato, a ART (ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA) da obra ou serviço, devidamente preenchida e quitada, conforme lei federal nº 6496 de 07/12/1977. A ART obrigatoriamente constará: 1. Descrição resumida da obra 2. Indicar o número do contrato 3. Indicar local da obra (no campo 20 da ART) 4. O valor a recolher deverá ser baseado no contrato assinado É obrigatória a entrega da cópia autenticada da ART ou original para a Alliance One Brasil Exportadora de Tabacos Ltda. Caberá à proponente vencedora providenciar e instalar se necessário a competente placa de responsabilidade técnica, de acordo com as prescrições do CREA e em local a ser definido pela Alliance One Brasil Exportadora de Tabacos Ltda. 14

15 8.2 - Documentação Legal A proponente deverá apresentar toda a documentação legal de seus funcionários exigida pela Alliance One Brasil Exportadora de Tabacos Ltda., conforme a IT-SST Norma Interna de Segurança para Empresas Prestadoras de Serviços, IT-SST Uso de Escadas, Andaimes e Plataformas de Trabalho Aéreo, Responsabilidades da Contratada por mais de 30 dias, Responsabilidades da Contratada por menos de 30 dias, bem como cumprir na integra as recomendações da mesma e demais normas regulamentadoras NR aplicáveis. 8.3 Aprovação da Instalação/Equipamento e/ou Entrega da Obra A instalação completa do sistema somente será considerada aprovada, entregue e aceita após a verificação e testes de todos os sistemas, bem como a entrega da documentação exigida. (ART e as built ) 8.4 Local Guarda de Ferramenta e Vestuário Deverá ser considerado nesta proposta comercial o fornecimento de container metálico para guarda de equipamentos, ferramentas e outros acessórios necessários para o bom andamento da obra. Além do local previsto para guarda de equipamentos a proponente deverá considerar local de vivência para refeições e vestiários dos funcionários, conforme modelo em anexo a este processo. 8.5 Transporte e Movimentação O transporte e movimentação de todo equipamento e materiais no local da obra serão de responsabilidade da proponente, sendo que as avarias que porventura vierem a ocorrer será de inteira responsabilidade da mesma. 15

16 8.6 Meio Ambiente, Organização e Limpeza A proponente deve se responsabilizar pela organização e limpeza do local de trabalho, bem como pelo gerenciamento, coleta, transporte e a correta destinação final de todos os resíduos gerados nas etapas dos serviços executados. O recolhimento dos resíduos deverá acontecer periodicamente, evitando assim o acumulo no local. Nota: Conforme LEI Nº , de 19 de janeiro de 2010 do Estado de Santa Catarina, fica proibido o despejo de resíduos sólidos reaproveitáveis e recicláveis em lixões e aterros sanitários. Portanto, a Contratada fica proibida de despejar resíduos sólidos reaproveitáveis e recicláveis em lixões a céu aberto e aterros sanitários no Estado de Santa Catarina uma vez que a fiscalização ambiental e sanitária será exercida distintamente pelo órgão ambiental estadual, vigilância sanitária estadual e municipal, nas suas esferas de competência e órgãos municipais de meio ambiente, alem de possíveis inspeções por parte da Alliance One Brasil Exportadora de Tabacos Ltda. 8.7 Prazos de Execução 8.8 Apresentação da Proposta A proponente deverá apresentar proposta comercial de acordo Cronograma de Atividades, considerando-se que poderão ser acrescentados itens, porém nenhum dos itens apresentados poderão ser suprimidos. Todos os custos devem ser apreciados para evitar duvidas posteriores, alertamos para a devida atenção as exigências contidas nos itens 8.1 á 8.7 deste memorial. A proponente arcara com todos os custos decorrentes da elaboração e apresentação de suas propostas, independente do resultado ou transcurso deste licitatório, não sendo a Alliance One Brasil Exportadora de Tabacos Ltda. em nenhuma hipótese responsável por tais valores. A proponente deverá dispor de pessoal técnico qualificado e em número suficiente para a execução do trabalho, bem como equipamentos necessários e em número suficiente para execução do objeto desse memorial. 16

17 A proposta deverá conter o preço unitário de cada serviço/material, o prazo de validade da proposta comercial, o prazo de execução, a forma de pagamento. 8.9 Dúvidas Técnicas/Comerciais Considerações Finais Todas as instalações deverão atender os requisitos mínimos aqui listados ou pertinentes a Normas locais e/ou Internacionais reconhecidas e utilizadas localmente, prevalecendo o de maior rigor. 17

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO III PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO PARA REDE LOCAL DE MICROCOMPUTADORES 1.Objetivo Este projeto tem por objetivo descrever a instalação de cabeamento de rede lógica no edifício-sede da

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 1 REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES Introdução O sistema de Telecomunicações constará alimentação dos pontos de comunicação

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E DE TELEFONIA DA SALA TÉCNICA (D) E NOVA SALA DO CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Leia mais

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos ESPECIFICAÇÔES TÉCNICAS 1 CABEAMENTO HORIZONTAL Instalação da rede para padrão T568B constituída de 466 (quatrocentos e sessenta e seis) pontos, devidamente identificados, conforme localização definida

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de e Permanente (Equipamentos e Suprimentos de Informática), para 001 081266-9 CABO UTP CAT5E FLEXíVEL, CAIXA COM 300MT Lote 1- Destino: Uinfor CX 30 002 113294-5

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL

REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL SISTEMA DE RACK FECHADO 44U E ACESSÓRIOS Rack Fechado 44 U Padrão 19 Rack modelo gabinete com altura máxima de 44U; Estrutura básica em perfis de alumínio estrudado;

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

"TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS "TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS I - OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada em serviços de Infraestrutura com manutenção corretiva, manutenção preventiva, instalações, desinstalações,

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Compras e Licitações - DCL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88.040-900 CNPJ/MF n 83.899.526/0001-82 Telefone

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38 Página Patch Panel Patch Panel cat. 6 32 P. Modular 48 portas em 1UR cat.6 32 Patch Panel Modular descar. 24 portas 33 Voice Panel 1UR 50 Portas 34 Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS NECESSÁRIOS À READEQUAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E METÁLICO DE VOZ DO AEROPORTO DE BAGÉ TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO REESTRUTURAÇÃO E CABEAMENTO ESTRUTURADO E ELÉTRICO 1. APRESENTAÇÃO O presente memorial descritivo refere-se ao projeto de reforma das instalações de Telecomunicações, Cabeamento Estruturado

Leia mais

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO RUA JOÃO POLITI, 1589 ITAJUBÁ MG BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA Responsável Técnico: Airton Leandro Seidel 1 INDICE GERAL DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO DO PROJETO 03 2. ESCOPO

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES OBRA: Reforma Sala do Núcleo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 - Porto Alegre (RS) PROPRIETÁRIO: EPHAC TENSÃO PRIMÁRIA DE ABASTECIMENTO:

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa especializada para realizar a atualização tecnológica do backbone óptico da rede lógica para o padrão 10 Gigabit Ethernet, integrante do SISTEMA ELETRÔNICO/TELEMÁTICA

Leia mais

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE São Paulo, 29 de julho de 2010 PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE 1. Informações e recomendações importantes O projeto foi solicitado pela Unidade para a implantação de rede local para o prédio GETS, sendo

Leia mais

MULTILAN CAT. 5E UTP 24 AWG 4PARES - CM

MULTILAN CAT. 5E UTP 24 AWG 4PARES - CM MULTILAN CAT. 5E UTP 24 AWG 4PARES - CM Características Gerais Descritivo: - Modelo TK 1002B - Condutor de cobre nu, coberto por polietileno. - Os condutores são trançados em pares, 04 pares 24 AWG. -

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE 1 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

ANSI/TIA/EIA 568 B...

ANSI/TIA/EIA 568 B... Memorial Descritivo Projeto elétrico e Cabeamento Estruturado CAT 5e TRE TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL Campo Grande Mato Grosso do Sul 1 ÍNDICE 1 Objetivo... 3 2 Dados Gerais... 3 3 Infra-estrutura... 4

Leia mais

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS CABLING CABOS 04 CONECTORES 05 PATCH PANEL 19 06 ACESSÓRIOS 07 02 CABLING CABLAGENS DE COBRE O EIA/TIA 568, de 1991, foi o primeiro padrão americano para os sistemas de cableamento estruturado. Em 1995,

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: 1.1. Este roteiro serve como base às obras de Contratação de empresa especializada para o fornecimento de material e mão de obra para execução de rede

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade. DG Distribuidor Geral (Quadro de Entrada da Empresa de Telecom);

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade. DG Distribuidor Geral (Quadro de Entrada da Empresa de Telecom); ABREVIATURAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas; ANSI American National Standards Institute; CSA Canadian Standards Association; ISO - International Standard Organization; ITU International

Leia mais

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, em conformidade com os requisitos estabelecidos na Norma ANSI/TIA/EIA-568B.2

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO DE REDE LÓGICA

MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO DE REDE LÓGICA MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO DE REDE LÓGICA 1. ESCOPO DO DOCUMENTO Este documento apresenta o memorial descritivo relativo ao projeto de Cabeamento lógico no Centro Municipal de Saúde

Leia mais

TEKA ELECTRONICS 81 UTP

TEKA ELECTRONICS 81 UTP 81 UTP CABO U/UTP CAT 5e Cabo com performances até os 100MHz (ANSI/TIA/EIA-568-C2), frequentemente utilizado para redes de voz e dados (100Mbit/s e Gigabit Ethernet). Pares em CCA sólido: 0,51mm (24AWG)

Leia mais

NOTA DE ALTERAÇÃO/PRORROGAÇÃO

NOTA DE ALTERAÇÃO/PRORROGAÇÃO NOTA DE ALTERAÇÃO/PRORROGAÇÃO O MUNICÍPIO DE MARINGÁ informa aos interessados em participar do procedimento licitatório denominado PROCESSO nº. 2310/14-PMM, cujo objeto é o REGISTRO DE PREÇOS para futuras

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04 PLANO DE ENSINO Curso: REDES DE COMPUTADORES Disciplina: PRÁTICAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ Período: NOTURNO Carga Horária: 80h Ano Letivo: 2008 Período: 1º semestre

Leia mais

Cabeamento Estruturado e Projeto de Redes. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 52p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Cabeamento Estruturado e Projeto de Redes. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 52p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Thálisson de Oliveira Lopes Graduação em Tecnologia em Processamento de Dados (2007), Especialista em Gestão de Tecnologia da Informação (2008 e 2010) e Mestre em Gestão do Conhecimento e Tecnologia

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO (VOZ/DADOS)

ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO (VOZ/DADOS) ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO (VOZ/DADOS) ESPECIFICAÇÃO PARA INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1 1 - INTRODUÇÃO Estas ESPECIFICAÇÕES são as instruções

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES

A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES 01 A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES A interferência eletromagnética (EMI) é um dos maiores causadores de falhas em redes de computadores, principalmente quando são utilizadas tubulações

Leia mais

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto TeraLan Descrição Cordão Óptico é o cabo óptico monofibra ou duplex com conector óptico nas duas extremidades Aplicação

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

4. Página 20 item 2.8-c. Conforme indicado, a única norma ABNT a ser seguida é a ABNT-NBR-5410:1997?

4. Página 20 item 2.8-c. Conforme indicado, a única norma ABNT a ser seguida é a ABNT-NBR-5410:1997? MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP COORDENAÇÃO-GERAL DE LICITAÇÕES, CONTRATOS E CONVÊNIOS. Esplanada dos Ministérios Bloco L Anexo I 4º

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B

MEMORIAL DESCRITIVO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B Goiânia, 30 de Setembro de 2014. OBRA: IFRS- POA- Porto Alegre Laboratório Bloco B LOCAL: Rua Coronel Vicente, 281, Bairro Centro, Porto

Leia mais

158516.182014.137447.4474.277995780.540

158516.182014.137447.4474.277995780.540 158516.182014.137447.4474.277995780.540 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão Eletrônico

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Projeto Elétrico Descritivo CRESS

MEMORIAL DESCRITIVO Projeto Elétrico Descritivo CRESS MEMORIAL DESCRITIVO Projeto Elétrico Descritivo CRESS Curitiba PR Março de 2014 Sumário 1. Introdução... 3 1.1 Local da Obra... 3 1.2 Referências Normativas... 3 2. Objeto... 4 2.1 Hall... 4 2.2 Recepção...

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado 01 - Visão geral das Redes Ethernet 02 - Conceitos de cabeamento estruturado 03 - O cabling e as normas EIA/TIA 04 - Infraestrutura para o cabeamento 05 -

Leia mais

UNSINCROTEL (9274) ELETRÔNICA E TELECOMUNICAÇÕES LTDA 0 261,1800 1

UNSINCROTEL (9274) ELETRÔNICA E TELECOMUNICAÇÕES LTDA 0 261,1800 1 Objeto da Compra: de Preços: PREÇOS 40/2015 Nº: 40/2015 Página: 1/8 1Pacote propagante de vinculação níquel de 100 elétrica de chama, ouro, Conectores com para possuir as veias RJ45 proteção vias Especificação

Leia mais

Especificação técnica. Conector rj45 macho e fêmea para rede de dados e voz

Especificação técnica. Conector rj45 macho e fêmea para rede de dados e voz DO - DIRETORIA DE OPERAÇÃO GRP - GERÊNCIA REGIONAL DE PAULO AFONSO SPTL- SERVIÇO DE TELECOMUNICAÇÕES DE PAULO AFONSO Especificação técnica Conector rj45 macho e fêmea para rede de dados e voz ET-SPTL-006-novembro/2013

Leia mais

INSTALAÇÕES DE CABEAMENTO ESTRUTURADO

INSTALAÇÕES DE CABEAMENTO ESTRUTURADO FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE CABEAMENTO ESTRUTURADO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE CABEAMENTO ESTRUTURADO MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva

Leia mais

EDITAL Nº 1939 CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 003/2015 - OBRA PROCESSO ADM. Nº P404068/2014 FL. 251

EDITAL Nº 1939 CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 003/2015 - OBRA PROCESSO ADM. Nº P404068/2014 FL. 251 FL. 251 Montados em fábrica, em condições de processo controlado, com cabos ópticos do tipo tight (Zip-Cord ou Cordão Monofibra) e com os principais tipos de conectores ópticos. Fornecido nas cores laranja

Leia mais

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado Redes de computadores Cabeamento Estruturado Cabeamento Não-estruturado Dutos super-lotados Cabos dobrados Dificuldade de Manutenção Foto: Rodrigo Cabelo CABEAMENTO NÃO-ESTRUTURADO Mais exemplos... Outros

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Cabo Par Trançado Conector-RJ 45 A norma EIA/TIA padronizou o conector RJ-45 para a conectorização de cabos UTP. Para a conectorização do cabo UTP,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5)

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5) Os patch cords, line cords ou cordões têm como função a interligação entre o equipamento do usuário

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

Rev. Modificação Data Elaborado Verificado Aprovado. Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA / UF. Coord. Adjunto Contrato. Sítio.

Rev. Modificação Data Elaborado Verificado Aprovado. Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA / UF. Coord. Adjunto Contrato. Sítio. 01 Conforme ATA de Reunião do dia 24/02/11 - EGNR 10/03/2011 ANTONIO P. ANTONIO ALVES JOSÉ LAGHI 00 Emissão inicial 31/08/2010 ANTONIO P. ANTONIO ALVES JOSÉ LAGHI Rev. Modificação Data Elaborado Verificado

Leia mais

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabeamento Estruturado Cabos Montados Conectores DIO Racks FTTx Acessórios Conteúdo Geral A família

Leia mais

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE São Paulo, 21 de maio de 2010 PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE 1 Informações e recomendações importantes O projeto foi solicitado pela Unidade para a implantação de rede local para o prédio MAC- IBIRAPUERA

Leia mais

Catalogo de Produtos

Catalogo de Produtos Catalogo de Produtos Triunfo Metalúrgica Triunfo Metalúrgica Ltda, empresa genuinamente brasileira, sediada em Curitiba/PR. Instalada em uma área de 10.000m²,atua no mercado desde 1998,desenvolvendo e

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES ANEXO II CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA O FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES INTEGRADOS COM ALTA DISPONIBILIDADE, BACKBONES ÓPTICOS E ELÉTRICA PARA TI, VISANDO ATENDER AS UNIDADES DE

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir.

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir. INTRODUÇÃO Cabeamento para Voz e Dados Os novos cabeamentos para telecomunicações oferecem muito mais qualidade, flexibilidade, valor e função para as necessidades presentes e futuras. Hoje, a sobrevivência

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EDIFICIO DA AMPLIAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÕES CAMPUS SAMAMBAIA - GOIÂNIA-GO

MEMORIAL DESCRITIVO EDIFICIO DA AMPLIAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÕES CAMPUS SAMAMBAIA - GOIÂNIA-GO MEMORIAL DESCRITIVO EDIFICIO DA AMPLIAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÕES CAMPUS SAMAMBAIA - GOIÂNIA-GO Í N D I C E 1 MEMORIAL DESCRITIVO 2 EXIGÊNCIAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÃO 3 RELAÇÃO DE MATERIAIS 1 - MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

Catálogo de Produtos. Marca de primeira categoria para cabeamento metálico e óptico

Catálogo de Produtos. Marca de primeira categoria para cabeamento metálico e óptico Catálogo de Produtos Marca de primeira categoria para cabeamento metálico e óptico NOSSA HISTÓRIA O GRUPO PREFORMED Tudo começou em 1947, quando a PLP - PREFORMED LINE PRODUCTS foi fundada em Cleveland,

Leia mais

1. OBJETO 2. JUSTIFICATIVA

1. OBJETO 2. JUSTIFICATIVA PROJETO BÁSICO SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO LÓGICO, SENDO CONFECÇÃO DE 100 PONTOS, REMANEJAMENTO DE 100 PONTOS E SERVIÇOS DE RECOMPOSIÇÃO CIVIL. 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE

SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE Pioneirismo e Liderança no Mercado Brasileiro A Furukawa faz parte de um sólido grupo empresarial japonês formado pela Furukawa Electric Co. e

Leia mais

DECA 10. Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14

DECA 10. Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14 Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14 Ferramenta de Inserção sem Impacto 15 Conector Categoria 6A 16 Patch Panel Descarregado 24 portas Deca10 17 Cabo 4 pares trançados F/FTP 17

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

a) Deve possuir certificado de performance elétrica (VERIFIED) pela UL ou ETL, conforme especificações da norma ANSI/TIA-568-C.2 CATEGORIA 6.

a) Deve possuir certificado de performance elétrica (VERIFIED) pela UL ou ETL, conforme especificações da norma ANSI/TIA-568-C.2 CATEGORIA 6. 1 - Cabo UTP - Categoria 6 LSZH a) Deve possuir certificado de performance elétrica (VERIFIED) pela UL ou ETL, conforme especificações da norma ANSI/TIA-568-C.2 CATEGORIA 6.; b) O cabo utilizado deverá

Leia mais

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado - Norma EIA/TIA 568A e 568B Padrões T 568A e T 568B -568B.1 Requisitos gerais - EIA/TIA 568B (julho/2001) -568B.2 Cabeamento de par trançado de 100 ohms -568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica

Leia mais

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS 04 05 0 07 08 09 02 FIBRA ÓTICA TECNOLOGIA ÓTICA Com

Leia mais

INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS LINHA DE RACKS ABERTOS LINHA DE BRACKETS LINHA DE ACESSÓRIOS

INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS LINHA DE RACKS ABERTOS LINHA DE BRACKETS LINHA DE ACESSÓRIOS INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS Triunfo Standard Triunfo Server Triunfo Left Triunfo Left Server Triunfo Industrial 05 06 07 08 09 LINHA DE RACKS ABERTOS Triunfo Plus Triunfo HD 10 11 LINHA DE BRACKETS

Leia mais