BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA"

Transcrição

1 MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO RUA JOÃO POLITI, 1589 ITAJUBÁ MG BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA Responsável Técnico: Airton Leandro Seidel 1

2 INDICE GERAL DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO DO PROJETO ESCOPO DO SERVIÇO DISTRIBUIDO NORMAS VIGENTES TUBULAÇÃO SUBTERRÂNEA E CAIXAS DE PASSAGEM ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAS ANEXOS PLANILHA DE CUSTOS E INDICAÇÃO DE FORNECEDORES 07 2

3 1. OBJETIVO O objetivo deste projeto é descrever todos os dados necessários para implantação do Back Bone de Fibra Óptica do condomínio residencial Itajuba, contendo todo o detalhamento de planta, materiais, procedimentos e o escopo do projeto conforme segue. 2. ESCOPO DA ESTRUTURA IMPLANTADA A presente estrutura limita-se ao Back Bone Óptico do condomínio, não contemplando o cabeamento estruturado que atenderá cada área, seja este óptico, metálico ou wireless. A estrutura presente contempla a entrada de fibra até o Bloco central, chamado pela engenharia civil de Bloco E. Contempla também a linkagem deste ponto central até o armário de distribuição de cada bloco. A entrada Principal de Serviço contempla Rack contendo o DIO de Fibra Optica, devidamente conectorizado. Da mesma forma cada armário de distribuição em cada bloco conterá um Rack coma chegada do Cabo de Fibra e o respectivo DIO. A fibra de entrada é composta por apenas 1 CABO OPTICO CFOA-X-ARD-W com 2 fibras. Este par de fibras chega na sala de equipamentos e o link é convertido com um Conversor de Midia Cisco MGBLH1 Gigabit LH Mini-GBIC SFP e ligado a um Switch 24p D-Link 3226 Gerenciável. Deste switch saem 4 cabos UTP para 4 conversores de mídia que, por sua vez, levam o sinal, cada um, para cada par de fibras que segue para cada bloco. Observe-se que as fibras que distribuem sinal para os blocos contém 4 fibras. Duas delas não serão usadas neste primeiro momento, ficando como reserva para futuras ampliações. 3. NORMAS VIGENTES 3.1 NORMAS NACIONAIS ABNT NBR (Cabeamento estruturado): define as premissas básicas para Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais. ABNT NBR13897 e NBR Fixa condições exigíveis para duto espiralado corrugado flexível, em polietileno de alta densidade (PEAD), suas conexões e terminais (acessórios), para instalação de cabos ópticos e elétricos em redes subterrâneas, ao longo da faixa metroferroviária, utilizados em sistemas de telecomunicações, controle, sinalização e energia. 3.2 NORMAS INTERNACIONAIS Este projeto de telecomunicações segue também as seguintes normas: 3

4 Norma EIA/TIA 569 (Comercial Building Standard for Telecommunications PathWays and Spaces) define os aspectos de projeto das ala de equipamentos e armários de telecomunicações. Padrão IEEE define materiais utilizados no cabeamento tais como cabos de fibra óptica e seus conectores. 4. TUBULAÇÃO SUBTERRÂNEA E CAIXAS DE PASSAGEM 4.1 Tipo de Duto e Características Técnicas A tubulação utilizada para a implantação do BackBone de Fibra Óptica deste condomínio faz uso de duto PEAD (Polietileno de Alta Densidade) de 3 (diâmetro interno), na cor preta, de seção circular, com corrugação Helicoidal, que pode ser usado para proteção de cabos subterrâneos de telecomunicações como também de energia elétrica, conforme NBR13987 e NBR Estes dutos dispensam envelopamento de concreto. Observe-se também que estes dutos já trazem, embutido, guia de arame de fábrica. 4.2 Distribuição Geral Observe os anexos II e III. A estrutura é composta por 13 lances de dutos e 11 caixas de passagem. Os dutos acompanham os cabos de fibra amarelos e azuis. Os pontos brancos são as caixas de passagem e os pontos azuis são os armários de distribuição que ficam dentro de cada sala de equipamentos em seus respectivos blocos. Os rolos de dutos adquiridos são de 50 metros, visto que nenhum lance entre caixas de passagem ultrapassa esta distância. Os lances de dutos NÃO podem conter emendas em nenhuma hipótese. Como o condomínio está em vias de construção, os dutos serão enterrados, assim como toda a estrutura elétrica e de cabeamento vertical também será. A tubulação entre os blocos C, D e E percorre o subsolo à direita do passeio, proporcionando fácil acesso às caixas de passagem e não se submetendo ao peso dos veículos que trafegam diariamente as vias. Nas ramificações que se direcionam aos blocos A e B existe travessia pela via devendo-se ter atenção especial para que a vala onde o duto passará seja devidamente aterrado para que o terreno não ceda, amassando ou quebrando o duto futuramente. Aconselha-se nestes dois pontos envelopar os dutos com concreto, garantindo a longevidade da estrutura. 4.3 Disposição de Dutos e Caixas A estrutura possui 13 caixas de passagem, conforme anexos II e III. Segue a localização das caixas de passagem e sua respectivas figuras no anexo XX. Conforme projeto de engenharia o passeio terá 1,5 metros de largura, partindo da via de trânsito interno do condomínio. As caixas de passagem bem como os dutos deverão ter seu centro a 30 cm àdentro do passeio. 4

5 Os dutos irão, no ponto final em cada prédio, da caixa de passagem até o Armário de Distribuição com dutos embutidos na parede, fazendo uso do mesmo tipo de duto corrugado. A entrada da Fibra Óptica pode ser visualizada na figura 1 do anexo XI, começando através de duto metálico galvanizado de 4, representado pelo círculo vermelho vindo de poste da via e seguindo diretamente até a primeira caixa de passagem. A linha amarela que segue nesta e nas próximas figuras são os lances de duto entre caixas. O segundo lance de duto segue até o bloco D. A figura 2 (anexo XI) mostra a localização das caixas 3 a 7,bem como os lances de dutos respectivos. Seguindo o lance a partir da caixa 7, no bloco A, seguindo até o bloco B, vemos, na figura 3, as caixas de passagem 7, 8 e 9. Na sequencia, figura 4, vemos os dois lances de dutos indo até o bloco C, atravessando as caixas 10 e 11. Abaixo seguem os comprimentos aproximados de cada lance. Lance 1 (entrada à caixa 1): Lance 2 (caixa 1 à caixa 2): Lance 3 (caixa 2 à caixa 3): Lance 4 (caixa 3 à caixa 4): Lance 5 (caixa 4 à caixa 5): Lance 6 (caixa 5 à caixa 6): Lance 7 (caixa 3 à caixa 7): Lance 8 (caixa 7 à caixa 8): Lance 9 (caixa 8 à caixa 9): Lance 10 (caixa 5 à caixa 10): Lance 11 (caixa 10 à caixa 11): A Anexo VI mostra os lances de dutos e suas medidas correspondentes 4.4 Distribuição de Fibras Lances e Medidas Todas os cabos de Fibras são do tipo CABO OPTICO CFOA-X-ARD-W. O menor lance é de 48 metros e o maior deles é de 120 metros. Observe-se que em todos os prédios há uma subida de 5 metros, sendo que deste subida, são 2 metros efetivamente para a subida e o restante serve para entrada e arrumação no Armário de Distribuição. A figura 1 mostra o Lance de Fibra Principal (entrada) que vem do Poste e vai até o Armário de Equipamentos (Armário Principal da Estrutura). Possui 110m, sendo 93 de lance, 12 de subida no poste e mais 5m de entrada no prédio. Lances de Fibra AE (Armário de Equipamentos) até Bloco D 87metros, sendo 77m de lance, mais 5m de subida em cada prédio. Lances de Fibra AE (Armário de Equipamentos) até Bloco A 48metros, sendo 38m de lance, mais 5 metros de subida em cada prédio. Lances de Fibra Bloco A até Piscina do Bloco B 63metros, sendo 53m de lance, mais 5 metros de subida em cada prédio. 5

6 Lances de Fibra Bloco A até Prédio do Bloco B 54metros, sendo 44m de lance, mais 5 metros de subida em cada prédio. Lances de Fibra AE até o Prédio do Bloco C 120metros, sendo 110m de lance, mais 5 metros de subida em cada prédio. 5. ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS A tubulação utilizada para a implantação do BackBone de Fibra Óptica deste condomínio faz uso de duto PEAD (Polietileno de Alta Densidade) de 3 (diâmetro interno), na cor preta, de seção circular, com corrugação Helicoidal, que pode ser usado para proteção de cabos subterrâneos de telecomunicações como também de energia elétrica, conforme NBR13987 e NBR A Fibra utilizada neste projeto é do tipo XXXXX em toda a estrutura. As caixas de passagem são de PVC do tipo Cilíndricas de 500 x 500mm, com tampa. Os Armários de Equipamentos e de Distribuição são Mini Racks Standard 12Us, fixados diretamente na parede, com a base a 1,5 metros do chão. Cada Armário é equipado com duas bandejas, uma para abrigar o DIO e outra para uso geral. DIO Gerenciável 24P LC Duplex, da Furukawa Para sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568B.3, uso interno e instalação em racks ou brackets, para cabeamento vertical ou primário, em salas ou armários de distribuição principal, na função de administração e gerenciamento de backbones ópticos. Capacidade para até 48 fibras e 24 conectores ópticos LC Duplex. 6. ANEXOS Anexo I - Delimitação Física dos Blocos do Condomínio Anexo II - Visão Geral do Back Bone Entrada, Caixas e Armários sobre projeto arquitetônico Anexo III - Visão Geral do Back Bone Entrada, Caixas e Armários sobre imagem aérea do terreno Anexo IV - Lances de Dutos Apontamentos de Medidas Anexo V - Lances de Fibra Tronco Principal de Entrada 110 metros Anexo VI - Lances de Fibra AE (Armário de Equipamentos) até Bloco D 77metros Anexo VII - Lances de Fibra AE (Armário de Equipamentos) até Bloco A 48metros Anexo VIII - Lances de Fibra Bloco A até Piscina do Bloco B 63metros Anexo IX - Lances de Fibra AE até o Prédio do Bloco B 55metros 6

7 Anexo X - Lances de Fibra AE até o Prédio do Bloco C 120metros 7. PLANILHA DE CUSTOS E INDICAÇÃO DE FORNECEDORES Qtidade unidade produto Valor unit Valor total Fornecedor sugerido 110 m CABO OPTICO CFOA-X-ARD-W com 2 fibras (Link Principal de Entrada) 390 m CABO OPTICO CFOA-X-ARD-W com 4 fibras (Ramificações para os Blocos) 13 Uni Caixa de Passagem PVC 23, ,00 Delta Cable Fone(41) 29, ,00 Delta Cable Fone(41) 78, ,00 Zeus do Brasil Fone: (47) mm x 500mm cilíndrica. 6 Uni Rack 178, ,00 Delta Cable Fone(41) 350 Rolo c/ 50 metros Duto PEAD (Polietileno de Alta Densidade) corrugado 8, ,00 TECNOGEO DISTRIBUIDORA LTDA R. Heriberto Hulse, Serraria São José - SC Fone: (48) Fax: (48) Uni DIO DISTRIBUIDOR INTERNO 114,00 684,00 Delta Cable Fone(41) ÓPTICO B48 5 uni Conversor de Midia Cisco 1.209, ,00 PowerComp fone: MGBLH1 Gigabit LH Mini-GBIC SFP 1 uni Switch 24p D-Link 3226 Gerenciável 1.550, ,00 Delta Cable Fone(41) 15 uni Patch Cords 22,00 330,00 Delta Cable Fone(41) 160 hora Mão-de-obra 60, ,00 Equipe técnica (4 pessoas) 1 uni Elaboração do projeto 20 % do valor do projeto 5487, ,20 Responsável técnico total ,00 7

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE São Paulo, 29 de julho de 2010 PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE 1. Informações e recomendações importantes O projeto foi solicitado pela Unidade para a implantação de rede local para o prédio GETS, sendo

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

Documentação Técnica Empresa SA. PR049_10

Documentação Técnica Empresa SA. PR049_10 AS BUILT Documentação Técnica Documentação Técnica serviço de cabeamento lógico, realizado na Empresa SA. Serviço realizado após aprovação da proposta PR049_10, sendo todo projeto acompanhado pelo Sr.

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE 1 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

Padronização. Rua Lourenço Pinto, 299 - Curitiba Paraná Brasil CEP 80010-160

Padronização. Rua Lourenço Pinto, 299 - Curitiba Paraná Brasil CEP 80010-160 Padronização O presente documento tem o intuito de definir a padronização utilizada para a infra-estrutura de rede de dados e voz, em sites da GVT. Deverá ser usado como base para execução dos projetos

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Redes de Computadores II. Redes de Computadores

Redes de Computadores II. Redes de Computadores Redes de Computadores II Redes de Computadores 1 1 Padrão EIA/TIA 569A Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais 2 2 Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais ANSI/TIA/EIA 569-A

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2014 Política de Qualidade Atender as expectativas dos nossos clientes e requisitos regulamentares com a participação de todos os funcionários, buscando a melhoria contínua em

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD 2 Manual de Instalação DIO HDMOD Manual de Instalação DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

30/10/2014 JL NG. Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio: LOTE 4 - PÁTIO DE AERONAVES SISTEMAS ELETRÔNICOS - STVV SISTEMAS

30/10/2014 JL NG. Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio: LOTE 4 - PÁTIO DE AERONAVES SISTEMAS ELETRÔNICOS - STVV SISTEMAS 0 EMISSÃO INICIAL JL NG Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Sítio: AEROPORTO INTERNACIONAL PINTO MARTINS Área do sítio: LOTE 4 - PÁTIO DE AERONAVES Escala: S/E Data: Desenhista: Especialidade/

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade. DG Distribuidor Geral (Quadro de Entrada da Empresa de Telecom);

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade. DG Distribuidor Geral (Quadro de Entrada da Empresa de Telecom); ABREVIATURAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas; ANSI American National Standards Institute; CSA Canadian Standards Association; ISO - International Standard Organization; ITU International

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

COMUNICADO PREGÃO Nº 027/2007

COMUNICADO PREGÃO Nº 027/2007 COMUNICADO PREGÃO Nº 027/2007 OBJETO: Fornecimento, instalação, testes, certificação e assistência técnica, durante o período de garantia, de infra-estruturas físicas internas de ótico e metálico, para

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática / Redes APOSTILA 02 Componentes de um Sistema de Cabeamento Estruturado Professor Marco Antônio Chaves Câmara

Tópicos Especiais em Informática / Redes APOSTILA 02 Componentes de um Sistema de Cabeamento Estruturado Professor Marco Antônio Chaves Câmara Tópicos Especiais em Informática / Redes APOSTILA 02 1. Objetivo : Nesta apostila, iniciaremos o estudo prático dos projetos de redes de computadores. Com base no conhecimento adquirido na apostila anterior

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO III PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO PARA REDE LOCAL DE MICROCOMPUTADORES 1.Objetivo Este projeto tem por objetivo descrever a instalação de cabeamento de rede lógica no edifício-sede da

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B

MEMORIAL DESCRITIVO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B Goiânia, 30 de Setembro de 2014. OBRA: IFRS- POA- Porto Alegre Laboratório Bloco B LOCAL: Rua Coronel Vicente, 281, Bairro Centro, Porto

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS LINHA DE RACKS ABERTOS LINHA DE BRACKETS LINHA DE ACESSÓRIOS

INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS LINHA DE RACKS ABERTOS LINHA DE BRACKETS LINHA DE ACESSÓRIOS INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS Triunfo Standard Triunfo Server Triunfo Left Triunfo Left Server Triunfo Industrial 05 06 07 08 09 LINHA DE RACKS ABERTOS Triunfo Plus Triunfo HD 10 11 LINHA DE BRACKETS

Leia mais

Cabeamento Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo

Cabeamento Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo Para debater... O que vimos na aula anterior? Montar uma rede doméstica é diferente de montar uma rede local de uns 100 PCs? Na aula anterior trabalhamos com a combinação

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

158516.182014.137447.4474.277995780.540

158516.182014.137447.4474.277995780.540 158516.182014.137447.4474.277995780.540 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão Eletrônico

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04 PLANO DE ENSINO Curso: REDES DE COMPUTADORES Disciplina: PRÁTICAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ Período: NOTURNO Carga Horária: 80h Ano Letivo: 2008 Período: 1º semestre

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6. PERGUNTA 1: Os itens 15 e 16 do termo de referência, referentes aos treinamentos, trazem as seguintes determinações:

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6. PERGUNTA 1: Os itens 15 e 16 do termo de referência, referentes aos treinamentos, trazem as seguintes determinações: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

"TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS "TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS I - OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada em serviços de Infraestrutura com manutenção corretiva, manutenção preventiva, instalações, desinstalações,

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Ofício nº 138/2003/CPL/SAA/SE/MEC Brasília, 04 de dezembro de 2003. REFERÊNCIA: Tomada de Preços nº 01/2003

Leia mais

Cabeamento Estruturado e Projeto de Redes. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 52p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Cabeamento Estruturado e Projeto de Redes. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 52p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Thálisson de Oliveira Lopes Graduação em Tecnologia em Processamento de Dados (2007), Especialista em Gestão de Tecnologia da Informação (2008 e 2010) e Mestre em Gestão do Conhecimento e Tecnologia

Leia mais

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS 04 05 0 07 08 09 02 FIBRA ÓTICA TECNOLOGIA ÓTICA Com

Leia mais

LOTE 01 VALOR UNITÁRIO VALOR TOTAL ITEM DESCRIÇÃO RESUMIDA UNIDADE QUANTIDADE

LOTE 01 VALOR UNITÁRIO VALOR TOTAL ITEM DESCRIÇÃO RESUMIDA UNIDADE QUANTIDADE LOTE 01 ITEM DESCRIÇÃO RESUMIDA UNIDADE QUANTIDADE 1.1 Ponto de rede CAT.5E utilizando ponto de consolidação. Os equipamentos e materiais incluem, cabo UTP 4 pares, tomada RJ45 fêmea (obedecendo padrões

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Especificação Técnica ETD -00.063 Materiais de telecomunicação ópticos Versão:

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 Apresentação A PONTO DA REDE iniciou suas atividades em setembro de 1997, com sede em Salvador-Bahia, onde dispomos de um grande estoque para pronta entrega. Atuamos nos mercados

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 8

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 8 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 8 Índice 1. Cabeamento estruturado...3 2 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Montar uma rede doméstica é bem diferente de montar uma rede local de 100 pontos em uma

Leia mais

LISTA DE PRODUTOS ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008

LISTA DE PRODUTOS ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008 LISTA DE PRODUTOS DE PRODUTOS LISTA ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008 Ativos / Wireless ADSL Modem; Conversores de Mídia; Firewall; Hub s; KVM (2 / 4 / 8 e 16 Portas); Modem Externo; Placas de Rede

Leia mais

Cidades Digitais. Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão. José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br

Cidades Digitais. Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão. José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br Cidades Digitais Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br Sociedade Conectada A todo instante - Em qualquer lugar Sociedade Conectada A todo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA:

MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA: MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: Projeto de três trechos de Rede Aérea de Fibra Óptica para a Prefeitura Municipal de São Lourenço do Oeste. DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Nome do Responsável Técnico:

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO

ATA DE REGISTRO DE PREÇO ATA DE REGISTRO DE PREÇO Loteamento Bosque dos Kioskes, Quadra A, Lote 27- CEP 42.700-000 - Lauro de Freitas / BA Tel: (71) 2202-2838 - Fax: (71) 22022811 Página 1 ATA DE REGISTRO DE PREÇO P R E F E I

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Prof.: Roberto Franciscatto CRIMPANDO CABOS DE REDE Crimpagem de cabos de rede Valor aproximado R$ 50,00 CRIMPANDO CABOS

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº 001/2015. De posso do edital de Licitação Concorrência 001/2015, a Companhia da Obra, vem questionar o disposto no edital.

CONCORRÊNCIA Nº 001/2015. De posso do edital de Licitação Concorrência 001/2015, a Companhia da Obra, vem questionar o disposto no edital. 1 Questionamento empresa Companhia da Obra Prezados, De posso do edital de Licitação Concorrência 001/2015, a Companhia da Obra, vem questionar o disposto no edital. No item Relação dos documentos que

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER

ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER DATA CENTER A Furukawa apresenta a solução ITMAX para Data Center, com produtos especialmente desenvolvidos para atender este mercado que requer componentes de alta performance.

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 6 NORMA ANSI EIA/TIA 606

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 6 NORMA ANSI EIA/TIA 606 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 6 NORMA ANSI EIA/TIA 606 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Administration Standard

Leia mais

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 1 REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES Introdução O sistema de Telecomunicações constará alimentação dos pontos de comunicação

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 44 Roteiro Cabeamento Planejamento para o Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal Cabeamento

Leia mais

NOTA DE ALTERAÇÃO/PRORROGAÇÃO

NOTA DE ALTERAÇÃO/PRORROGAÇÃO NOTA DE ALTERAÇÃO/PRORROGAÇÃO O MUNICÍPIO DE MARINGÁ informa aos interessados em participar do procedimento licitatório denominado PROCESSO nº. 2310/14-PMM, cujo objeto é o REGISTRO DE PREÇOS para futuras

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 FIBRA ÓPTICA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO PADRÃO DE EQUIPAMENTOS APLICADOS NA PROTEÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Automação ELABORADO POR: COLABORADORES:

Leia mais

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos.

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. REDES DE COMPUTADORES CABO COAXIAL É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. Topologias de rede A topologia de uma rede é um diagrama que descreve como

Leia mais

MODELO DE DOCUMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PROJETO

MODELO DE DOCUMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PROJETO DISCIPLINA: PROJETO FÍSICO DE REDE PROJETO: CABEAMENTO ESTRUTURADO DE REDES LOCAIS MODELO DE DOCUMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PROJETO OBS: O MODELO PODERÁ SER ALTERADO DE ACORDO COM A NECESSIDADE DE CADA

Leia mais

Comando Militar do Nordeste SRP nº 09/2013

Comando Militar do Nordeste SRP nº 09/2013 2013 Comando Militar do Nordeste SRP nº 09/2013 B2IT Serviços de Multimídia e Telecom LTDA 18/10/2013 Aos Órgãos da Administração Pública Ref.: Ata de Registro de Preços conforme preceitua o Decreto Nº

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Tema: Elaboração Projeto Para Rede de Dados Gigabit Ethernet Local: Prédio Central PIRACICABA-SP MAIO/2009 Sumário APRESENTAÇÃO... 4 INTRODUÇÃO... 5 1. PREMISSAS

Leia mais

Catalogo de Produtos

Catalogo de Produtos Catalogo de Produtos Triunfo Metalúrgica Triunfo Metalúrgica Ltda, empresa genuinamente brasileira, sediada em Curitiba/PR. Instalada em uma área de 10.000m²,atua no mercado desde 1998,desenvolvendo e

Leia mais

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabeamento Estruturado Cabos Montados Conectores DIO Racks FTTx Acessórios Conteúdo Geral A família

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 - Porto Alegre (RS) PROPRIETÁRIO: EPHAC TENSÃO PRIMÁRIA DE ABASTECIMENTO:

Leia mais

Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG

Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG Diretoria de Suporte à Informática Local: Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão NUTEG Endereço: Av. BPS, 1303

Leia mais

Estimativa. Unioeste 42617/2014 Cod. Fornecedor Classificação Vlr.Un. Total. Setor Processo Item edital

Estimativa. Unioeste 42617/2014 Cod. Fornecedor Classificação Vlr.Un. Total. Setor Processo Item edital Filtrado por ( : = '' ) E ( Validade: >= 03/06/2015 ) E (Imprimir quantidades por setor de consumo = Não) Página 1 de 1 Fornecedor Classificação Vlr.Un. -------Em haver------- 440 8400 Abraçadeira p/ Eletroduto

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: 1.1. Este roteiro serve como base às obras de Contratação de empresa especializada para o fornecimento de material e mão de obra para execução de rede

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA 1 REDE DE COMPUTADORES IV 1. Introdução FIBRA ÓPTICA É um filamento de vidro ou de materiais poliméricos com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS Conectividade 6A Linha de Bandejas Ópticas HDX Linha de Racks ITMAX Linha de Racks Fechados Acessórios de Organização Produtos de alta densidade FTP UTP Descarregado Azul/Branco/Bege

Leia mais

Guia Básico de Infraestrutura para Redes VOZ e DADOS Versão: 05

Guia Básico de Infraestrutura para Redes VOZ e DADOS Versão: 05 Guia Básico de Infraestrutura para Redes VOZ e DADOS Versão: 05 Introdução Buscando uma padronização e orientação à futuras instalações que necessitem do lançamento de cabos ópticos ou metálicos voltados

Leia mais