ARTIGO INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARTIGO INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS"

Transcrição

1 ARTIGO INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS Rodrigo Eduardo Schneider* Newton Sanches Milani** Resumo Torna-se cada vez maior o número de pessoas com idade superior a 55 anos, aumentando com isso o número de idosos no planeta. Esse fato faz emergir uma preocupação com a qualidade de vida desses cidadãos, que têm o sedentarismo como uma característica freqüente em seus estilos de vida. A força é um importante fator para as capacidades funcionais, e sua redução com o avanço da idade pode comprometer a realização de atividades comuns à vida diária. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi realizar revisão de literatura sobre o treinamento de força na terceira idade, enfocando as adaptações fisiológicas e suas implicações na qualidade de vida do indivíduo. Tornase relevante tal estudo, uma vez que necessitamos discutir sobre a realidade do idoso no que se refere à atividade física, além de um maior comprometimento dos profissionais da área de saúde com o estudo sobre a terceira idade. As diretrizes que nortearam este estudo foram conseguidas através da reunião de inúmeras pesquisas a respeito do treinamento de força em idades avançadas, que constataram, entre outros benefícios à saúde do idoso, ganhos significativos de força em até mesmo indivíduos com idades superiores a 90 anos, buscando proporcionar melhor qualidade de vida e longevidade aos idosos. Palavras-chave: terceira idade, força, qualidade de vida. Introdução No mundo globalizado, a evolução tecnológica, as melhores condições de trabalho e o lazer têm trazido benefícios à população em geral, refletindo numa maior expectativa de vida e aumentando com isso o número de idosos no planeta. *Professor de Educação Física. ** Departamento de Educação Física - UFV. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p ,

2 Estima-se que, por volta do ano 2020, cerca de 20% da população americana terá mais de 65 anos de idade e aproximadamente 1,3 milhão de pessoas terão 100 anos ou mais por volta do ano Esse processo de envelhecimento da população faz emergir uma preocupação com a qualidade de vida desses cidadãos, visto que o sedentarismo é uma característica freqüente em seus estilos de vida. A adoção de um estilo de vida ativo, expresso pela prática regular de exercícios físicos, poderia reduzir significativamente o número de mortes causadas por doenças oriundas da insuficiência de atividade física, como cardiopatia, câncer de cólon e diabetes, além das mortes causadas por quedas, comuns entre idosos (McARDLE, 1998). A força é um fator importante para as capacidades funcionais, e sua redução com o avanço da idade pode comprometer a realização de atividades comuns à vida diária, como as tarefas domésticas, levantar de uma cadeira, varrer o chão, ou até mesmo amarrar o cadarço do tênis, o que refletiria também, de forma negativa, nas relações sociais do indivíduo, podendo culminar até mesmo em isolamentos em asilos. Recentes averiguações acerca dos possíveis benefícios de um programa de treinamento de força aos idosos têm gerado atenção da comunidade científica. FIATARONE et al. (1990) e KATCH e McARDLE (1996) demonstraram que indivíduos com idade acima de 90 anos podem conseguir ganhos de força através de treinamento de força, como também em inúmeros aspectos relacionados à capacidade funcional (por exemplo, aumento da mobilidade geral), podendo melhorar a qualidade de vida até mesmo de indivíduos com idades muito avançadas. Torna-se, portanto, importante minimizar as perdas de força conforme envelhecemos, porque ela é vital à saúde, à capacidade funcional e à vida independente. Objetivo O objetivo deste estudo foi de realizar revisão de literatura sobre o treinamento de força na terceira idade, atentando para os processos de perda de força e massa muscular relacionados ao avanço da idade, aos efeitos e às adaptações fisiológicas advindos desse tipo de treinamento, bem como às implicações refletidas na qualidade de vida dessa importante parcela da população. 38 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p , 2002

3 Justificativa Numa sociedade caracterizada pela desvalorização e discriminação do idoso, releva-se a realização deste estudo, pela urgente necessidade de discussão sobre a realidade do idoso no que se refere à atividade física, no Brasil. Outro fato notório é o reduzido número de publicações e pesquisas a esse respeito no contexto da Educação Física, o que demonstra pequeno comprometimento dos profissionais engajados nessa área com estudos a respeito da terceira-idade. Revisão de literatura No mundo de Parmênides, ou de ser, encontram-se os velhos, os que vivem em estado de velhice. No de Heráclito, ou de vir-a-ser, tudo está em movimento, onde envelhecer nada mais é do que um simples processo que expressa marcha, progresso, sucessão e desenvolvimento (Heráclito de Efésio, 504 a.c., citado por GHORAYB e BARROS, 1999). Força e musculação Conforme BITTENCOURT (1986) e SANTARÉM (1999), a força e a resistência muscular têm, na musculação, seu principal desenvolvimento. Esse fato deve-se, principalmente, à proliferação das miofibrilas e ao aprimoramento de unidades motoras para contração simultânea. HÄKKINEM e KOMI (1985) ainda demonstraram que o treinamento de força cria desenvolvimentos específicos na ativação muscular e nas proporções do desenvolvimento de força, o que torna esse tipo de treinamento o mais indicado para a melhoria da capacidade contrátil. Características gerais da idade avançada relacionadas à força Estudos transversais demonstraram que a partir da sexta década de vida ocorre diminuição drástica nos níveis de força muscular, tanto em homens (H) quanto em mulheres (M). Segundo BASSEY e R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p ,

4 HARRIES (1993), indivíduos idosos apresentam perda de 2% da força do aperto de mão a cada ano, percentual que é elevado para 3% em H e 5% em M quando observado durante um período de quatro anos. SHARKEY (1998) afirmou que os níveis de força tendem a se reduzir lentamente até aproximadamente os 50 anos de idade e que a partir desta idade o declínio começa a aumentar mais rapidamente. KATCH e McARDLE (1996) destacaram a redução da massa muscular, que ocorre com a perda das proteínas e do número de fibras contráteis, como o principal responsável pela diminuição da força, associada à idade avançada. Conforme GHORAYB e BARROS (1999), limitações fisiológicas, agravadas com o sedentarismo prolongado, levam a reduções acentuadas e progressivas da massa muscular, da força, da flexibilidade e do equilíbrio, de maneira que as pessoas nas faixas etárias mais elevadas evoluam rapidamente para a inaptidão total. Declínios nas funções fisiológicas desses indivíduos geram grande preocupação com o estado de saúde do idoso, bem como sua autonomia em relação à prática de atividades comuns ao cotidiano. Segundo WOLINSKY e FITZGERALD (1994), um grande problema de saúde pública são as lesões causadas por quedas de idosos, que são agravadas pelo sedentarismo. BASSEY et al. (1992) observaram significativa correlação entre as potências dos extensores de perna e a velocidade de se levantar da cadeira, subir escadas e caminhar, o que, conforme FLECK e KRAEMER (1999), indica que o aumento na potência muscular parece ser um objetivo principal do treinamento em pessoas mais velhas. Segundo o American College of Sports Medicine - ACSM (1995), entre os 55 e 80 anos de idade ocorre grande perda de massa óssea e muscular, atingindo redução óssea de 10 a 20% nos homens e de 20 a 30% nas mulheres, o que, conforme McARDLE et al. (1998), representa o resultado de processos neuromotores progressivos e de queda no nível diário de sobrecarga muscular. Outra característica dos indivíduos com idade avançada são as alterações ocorridas nas cartilagens articulares, que causam aumento progressivo na incidência de osteoartrite, além dos processos de desmineralização óssea, que torna a pessoa vulnerável a fraturas de ossos longos, pélvis e quadris. De acordo com o ACSM (1995), um estudo constatou, por meio de radiografias da coluna vertebral, que dos 50 aos 60 anos de idade os indivíduos apresentaram lesões 40 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p , 2002

5 características em 70 a 80% dos casos analisados. Pesquisas como essas, cujos resultados quantificaram, principalmente, os processos de perda óssea e muscular em indivíduos com idades avançadas, geram grande preocupação no que se refere às possibilidades de retardarmos o declínio nas funções fisiológicas do indivíduo através de hábitos saudáveis, como o treinamento de força. Efeitos e adaptações fisiológicos do treinamento de força na terceira idade Inúmeros estudos relacionados ao treinamento de força têm examinado adaptações de curto prazo no idoso, apontando a preservação da capacidade de aumentar os níveis de força. Conforme SHARKEY (1998), o treinamento com pesos em qualquer idade mantém ou melhora a força muscular. MORITANI e DEVRIES (1980), com base em um programa de treinamento de alta intensidade, em homens mais velhos, concluíram que a capacidade dos idosos de aumentar a força está preservada, fato corroborado por FIATARONE et al. (1990) num estudo com homens com idades entre 87 e 96 anos. Um outro estudo envolvendo idosos submeteu um grupo de homens sadios, com idades entre 60 e 72 anos, a um programa de treinamento de força durante 12 semanas. Verificou-se que a cada sessão de treinamento a força muscular aumentara progressivamente em cerca de 5%, resposta semelhante a que se obtinha em adultos jovens. Além dos aumentos significativos de força, foi constatado também aumento no volume muscular (hipertrofia) (KATCH e McARDLE, 1996). FRONTERA et al. (1988) também constataram ganhos de força de até 200% em uma repetição máxima (1 RM), tanto em homens quanto em mulheres mais velhos (idades entre 60 e 72 anos), submetidos a treinamento de força de alta intensidade (3 séries, 8 repetições, 80% de (1 RM), 3 dias por semana, durante 12 semanas). Tais estudos procuraram direcionar suas pesquisas às alterações nos níveis de força em curto espaço de treinamento. Em contrapartida, poucas pesquisas estudaram essas alterações durante longos períodos de tempo. MORIGANTI et al. (1995) examinaram um programa de treinamento progressivo de força com mulheres saudáveis, com média de 59 anos de idade, constituído de exercícios para a parte superior do R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p ,

6 corpo, executados em 3 séries de 8 repetições, a 80% de (1 RM), duas vezes por semana, durante 12 meses. Esse estudo demonstrou que a força continuou a aumentar, sem nenhuma evidência de estabilização durante os 12 meses. McARDLE et al. (1998) reportaram, por meio de análise realizada em um grupo de indivíduos com 70 anos de idade, submetidos a treinamento de força desde os 50 anos, que a área transversal e a força muscular eram semelhantes a um grupo de estudantes de 28 anos. FLECK e KRAEMER (1999), norteados por uma extensa revisão bibliográfica, afirmaram que o aumento dos músculos em indivíduos treinados em força tem sido atribuído à hipertrofia das fibras musculares já existentes. Grimby & Saltin (1983), citados por POLLOCK e WILMORE (1993), também concluíram, através de revisão, que as fibras musculares dos tipos I e II podem continuar a aumentar seu volume através do treinamento de força em homens com idades entre 60 e 70 anos. Panton et al. (1988), também citados por POLLOCK e WILMORE (1993), ainda ressaltaram que até mesmo indivíduos com idades entre 70 e 80 anos apresentam hipertrofia muscular, fato corroborado pelo aumento significativo na circunferência do bíceps em (H) e (M) compreendidos nesta faixa etária, submetidos ao treinamento de força. NELSON et al. (1994), utilizando amostra de (M) semelhante à de MORIGANTI et al. (1995), evidenciaram a influência significativa desse tipo de treinamento na saúde do osso, por meio de aumento de densidade femural e coluna lombar, após um ano de treinamento, além do aperfeiçoamento do equilíbrio, do nível total de atividade física, bem como da massa muscular. Indivíduos treinados em força chegam a apresentar densidade óssea cerca de 40% maior de que controles sedentários de mesma faixa etária. KATCH e McARDLE (1996), com base em experimentos, afirmaram que tanto homens quanto mulheres podem manter a saúde dos ossos por toda a vida através da prática regular de exercícios físicos. Pôde-se constatar, portanto, em diferentes averiguações no decorrer do desenvolvimento científico, a significativa influência do treinamento de força em estruturas fisiológicas, como o sistema muscular e ósseo de idosos. Na tabela a seguir encontram-se algumas adaptações do treinamento de força em indivíduos mais velhos, relatadas por FLECK e KRAEMER (1999), após realizarem extensa revisão bibliográfica. 42 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p , 2002

7 Tabela 1 - Adaptações de treinamento de exercícios básicos de força para adultos mais velhos (60 anos ou mais) Variável experimental Força muscular Tamanho da fibra muscular Pico de torque isocinético (60º ou mais) Tamanho da seção da área transversal do músculo da coxa Densidade mineral localizada do osso Percentual de gordura Execução das tarefas diárias Força das costas Pico de consumo de oxigênio Fatores psicológicos Fonte: modificado de FLECK e KRAEMER, 1999 Resposta Aumentada Aumentado Aumentado Aumentado Aumentada Reduzido Melhorada Aumentada Aumentado Efeitos positivos Treinamento de força e qualidade de vida na terceira idade Tendo em vista que o treinamento de força estimula o aumento da densidade óssea e muscular, bem como a proliferação do tecido conjuntivo elástico nos músculos, tendões, ligamentos e cápsula articular, pode-se esperar que o resultado prático das alterações ocorridas através da prática do treinamento de força na terceira idade seja um complexo mioesquelético mais forte e mais resistente a lesões, o que melhoraria os esforços comuns à vida diária, refletindo numa qualidade de vida mais saudável e, conseqüentemente, no prolongamento da vida do indivíduo. Estudos longitudinais constataram aumento na expectativa de vida, de pelo menos dois anos, entre aqueles indivíduos que mantinham uma atividade física habitual (KATCH e McARDLE, 1996; SHARKEY, 1998). Pesquisadores da Califórnia (Estados Unidos) compararam os benefícios de diversos tipos de atividades físicas, como caminhada, natação, esportes vigorosos, jardinagem etc., na saúde do idoso, demonstrando que a melhor saúde foi associada aos esportes vigorosos, o que sugere a inclusão do treinamento de força entre tais atividades (SHARKEY, 1998). Dentre os inúmeros benefícios à saúde, o treinamento de força é uma boa forma de evitar a osteoporose (SANTARÉM, 1999; SHARKEY, 1998), além de ser uma atividade segura: 1. Os pesos em aparelhos podem ser adequados sem dificuldades aos níveis de força das pessoas e podem induzir esforço menor do que suportar o peso do próprio corpo ao caminhar. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p ,

8 2. A amplitude dos movimentos pode ser facilmente adequada às limitações articulares apresentadas. 3. Os movimentos são lentos e cadenciados, sem mudanças de velocidade ou direção, sem risco de quedas ou de traumas diretos. 4. A intensidade elevada é dada pelo aumento da resistência aos movimentos e não pelo aumento da velocidade, o que evita vários fatores de lesão. 5. Os pesos ou outras formas de resistência aos movimentos constituem sobrecargas de treinamento com ampla margem de segurança, apenas apresentando efeitos lesivos quando excessivos e impeditivos dos movimentos biomecanicamente corretos, o que seria facilmente identificado em treinamento. Além de serem seguros, de fácil acesso e proporcionar inúmeras adaptações fisiológicas que auxiliem na melhoria na qualidade de vida dos idosos, os exercícios devem ser agradáveis, sem desconforto articular ou respiratório, devendo ser propiciada também a interação interpessoal, o que, conforme FLECK e KRAEMER (1999), são requisitos atendidos pelo treinamento de força, tornando-o um elemento de motivação externa, perfeitamente funcional e adequado às necessidades individuais. Torna-se importante ressaltar que tanto em jovens quanto em adultos mais velhos o treinamento de força deve fazer parte de um estilo de vida que desenvolva o condicionamento físico em caráter permanente. Conclusão A relevância do treinamento de força para indivíduos com idades avançadas pôde ser corroborada através de inúmeras pesquisas que, nos últimos anos, contribuíram para que muitos questionamentos a respeito desse assunto fossem esclarecidos. Assim, o treinamento de força pode ser um importante fator na melhoria da qualidade de vida dos idosos, desde que os princípios científicos e de bom senso sejam considerados durante todo o processo de treinamento. Aos 60 anos de idade, portanto, é possível ter a saúde e capacidades de desempenho de uma pessoa média de 30 anos de idade. Esse fato tem considerável relevância, pois indivíduos que optam 44 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p , 2002

9 por não envelhecer rapidamente podem reduzir a morbidez e estender os anos vigorosos, vivendo uma vida ativa e saudável (SHARKEY, 1998). Deve-se atentar, contudo, para o fato de que a importância da prática de qualquer atividade física deveria seguir uma freqüência longitudinal no cotidiano do indivíduo, sendo realizada ao longo de todo o seu desenvolvimento, desde a juventude, para que a gama de benefícios advindos de sua prática seja ainda mais otimizada, o que refletiria em uma vida muito mais saudável, independente e duradoura. ABSTRACT INFLUENCE OF STRENGTH TRAINING ON IMPROVEMENT OF OLD PEOPLE S LIFE QUALITY The number of people aged over 55 years has been increasing in the last few years. As a consequense, this fact shows a concern about those citizens life quality where sedentarism is the most familiar characteristic. Strength is an important factor to functional capacities, its reduction with aging advances could compromise the accomplishment of the common activities in daily life. The objective of this study was to accomplish a literature revision on training of strength in the third age, focusing the physiologic adaptations and their implications on life quality. This study is very important, since there is a need for discussing the old people s reality due to physical activity, in addition to a greater compromise of the health-area professionals to the third age. The guidelines of this study were obtained by gathering countless researches on strength even in individuals who are already above ninety years old age besides other benefits to the old people s health, searching for a better life quality and longevity to the old people. Key words: third age, strength, life quality. Referências Bibliográficas AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. ACSM s guidelines for exercise testing and prescription 5. ed. Baltimore: Willians and Wilkins, p R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p ,

10 BASSEY, E. J. et al. Leg extensor power and functional performance in very old men and women. Clinical Science, v. 82, p , BASSEY, E. J.; HARRIES, V. J. Normal values for handgrip strength in 920 men and women aged over 65 years, and longitudinal changes over 4 years in 620 survivors. Clinical Science, v. 84, p , BITTENCOURT, N. G. Musculação: uma abordagem metodológica. Rio de Janeiro: Sprint, p DEVRIES, H. A. Physiology of exercise: for physical education and athletics. 3. ed. Dubuque: Brown Company Publishers, p FIATARONE, M. A. et al. High-intensity strength training in nonagerians. Effectson skeletal muscle. Journal the American Medical Association, v. 263, p , FLECK, S. J. ; KRAEMER, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 2. ed. Porto Alegre: Artmed,1999. p FRONTERA, W. R. et al. Strength conditioning in old men: skeletal muscle hypertrophy and improved function. Journal of Applied Physiology, v. 64, p , GHORAYB, N.; BARROS, T. O exercício - preparação fisiológica, avaliação médica - aspectos especiais e preventivos São Paulo: Atheneu, p , p , p HÄKKINEN, K.; KOMI, P. V. Effect of different combined concentric and eccentric muscle work on maximal strength development. Journal of Human Movement Studies, v. 7, p , The effect of explosive type strength training on electromyographic and force prodution characteristics of leg extensor muscle during concentric and various stretch - shortening cicle exercises. Scandinavian Journal of Sports Science, v. 7, p , R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p , 2002

11 KATCH, F. I.; MCARDLE, W. D. Nutrição, exercício e saúde. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora MEDSI, p LOHMAM, T. G.; ROCHE, A.S.; MARTORELL, R. Antropometric standardization reference manual, Champain: Humam Kinects Books, MCARDLE, W. D.; KATCH, F. I.; KATCH, V. L. Fisiologia do exercício - energia, nutrição e desempenho humano. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p MORGANTI, C. M. et al. Strength improvements with 1 year of progressive resistance training in older woman. Medicine and Science in Sports and Exercise, v. 27, p , MORITANI, T.; DeVRIES, H. A. Potencial forgross hypertrophy in older men. Journal of Gerontology, v. 35, p , NELSON, M. E. Effects of highintensity, strength training on multiple risk factors for osteoporotic fractures. Journal of the American Medical Association, v. 272, p , POLLOCK, M. L.; WILMORE, J. H. Exercícios na saúde e na doença: avaliação e reabilitação. 2. ed. Rio de Janeiro: Medsi, p POWERS, S. K.; HOWLEY, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desenvolvimento. 3. ed. São Paulo: Manole, p SANTARÉM, J. M. Promoção da saúde do idoso. Jornal da Musculação, ano V, n. 25, fev/mar, p , abr/mai, p , jun/jul, p , ago/set, p SHARKEY, B. J. Condicionamento físico e saúde. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, p / WEINECK, J. Biologia do esporte. São Paulo: Manole, p R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p ,

12 Treinamento ideal. São Paulo: Manole p , WOLINSKY, F. D.; FITZGERALD, J. F. Subsequent hip fracture among older adults. American Journal of Public Health, p , R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 2, p , 2002

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

TREINAMENTO RESISTIDO PARA IDOSOS SAUDÁVEIS RESISTED TRAINING FOR OLDERS HEALTH. Mayra Ternes 1, Alexandre Figueiredo Zabot 2

TREINAMENTO RESISTIDO PARA IDOSOS SAUDÁVEIS RESISTED TRAINING FOR OLDERS HEALTH. Mayra Ternes 1, Alexandre Figueiredo Zabot 2 TREINAMENTO RESISTIDO PARA IDOSOS SAUDÁVEIS RESISTED TRAINING FOR OLDERS HEALTH Mayra Ternes 1, Alexandre Figueiredo Zabot 2 1 Acadêmica do Curso de Fisioterapia da Universidade do Sul de Santa Catarina

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA Título: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA-QUEDISTA Categoria/Assunto: ASSUNTO PROFISSIONAL DE INTERESSE MILITAR Autor: CAPITÃO DE

Leia mais

A Interferência da Musculação no Combate à Perda de Força em Idosos RESUMO. Este estudo tem como objetivo demonstrar a interferência da musculação no

A Interferência da Musculação no Combate à Perda de Força em Idosos RESUMO. Este estudo tem como objetivo demonstrar a interferência da musculação no FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA A Interferência da Musculação no Combate à Perda de Força em Idosos Fábio de Aguiar Guedes e Marcelo de Sant Anna Maximo Rio de Janeiro - 2003 Artigo Monográfico apresentado

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

Artigo de Revisão Pós-graduação Latu-Sensu em Fisiologia do Exercício e Avaliação-Morfofuncional Universidade Gama Filho

Artigo de Revisão Pós-graduação Latu-Sensu em Fisiologia do Exercício e Avaliação-Morfofuncional Universidade Gama Filho A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO COM PESO EM MULHERES COMO PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA EFFECTS OF WEIGHT TRAINNING IN WOMEN AS OSTEOPOROSIS PREVENTION A BIBLIOGRAPHIC REVIEW MARISA MELLO

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: EDUCAÇÃO

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Promoção para a Saúde

Promoção para a Saúde COLÉGIO RAINHA SANTA ISABEL ANO LETIVO 2013/2014 PROJETO Promoção para a Saúde - Estilos de Vida Saudável Organização: Departamento de Educação Física INTRODUÇÃO As Orientações da União Europeia para a

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA TERCEIRA IDADE DO CDS/UFSC: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA RESISTÊNCIA MUSCULAR

PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA TERCEIRA IDADE DO CDS/UFSC: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA RESISTÊNCIA MUSCULAR PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA TERCEIRA IDADE DO CDS/UFSC: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA RESISTÊNCIA MUSCULAR Ana Paula Kuhnen, Anne Lima de Oliveira, Fabiana Ferneda, Fernanda Sebastini, Ilana Carla

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA Resumo Desde o nascer da sociedade, pessoas caminham para realizar tarefas cotidianas com o objetivo de sobreviver e, para se caminhar, é preciso energia, energia

Leia mais

TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO

TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO FORÇA E ENVELHECIMENTO MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS COMPORTAMENTO FORÇA MUSCULAR Força Muscular 12 a 15% por década. Gobbi et al. (2005) Sarcopenia é um termo genérico

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS 27 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS ANSWER TO THE EXERCISE WITH WEIGHTS FOR GROUPS OF DIFFERENT AGE RANGE IN HUMANS

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga.

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. ANÁLISE DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS E MOTIVOS DA DESISTÊNCIA EM PRATICANTES

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

Decréscimo da função muscular decorrente do envelhecimento e a influência na qualidade de vida do idoso: uma revisão de literatura

Decréscimo da função muscular decorrente do envelhecimento e a influência na qualidade de vida do idoso: uma revisão de literatura Decréscimo da função muscular decorrente do envelhecimento e a influência na qualidade de vida do idoso: uma revisão de literatura Aging Related to decrease of muscle function and the influence in old-aged

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS EXERCÍCIOS RESISTIDOS EM ADOLESCENTES E IDOSOS

A IMPORTÂNCIA DOS EXERCÍCIOS RESISTIDOS EM ADOLESCENTES E IDOSOS ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA A IMPORTÂNCIA DOS EXERCÍCIOS RESISTIDOS EM ADOLESCENTES E IDOSOS Emerson da Silva Greco Itapeva São Paulo

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS 1INTRODUÇÃO A partir dos 40 anos, a estatura começa a se reduzir em torno de um centímetro por década¹.a capacidade de manter o equilíbrio corporal é um prérequisito

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 GOYAZ, M. - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez 2003

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum

Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum 1. Introdução O envelhecimento é um fenómeno universal, irreversível e inevitável em todos os seres vivos. Psicológico Social

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR

EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR VINHAIS FEVEREIRO 2006 Berta Nunes SEDENTARISMO UM PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA O Sedentarismo e a obesidade são os principais factores de risco para várias doenças

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA Nome: YURI MENDES ROSA Professor: ANDERSON FONSECA GARCIA, ESPECIALISTA, EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Forma de Apresentação: Painel Escola: INTERATIVA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES

Leia mais

Qualidade de Vida na Velhice Frente ao Avanço Tecnológico

Qualidade de Vida na Velhice Frente ao Avanço Tecnológico Capítulo 10 Qualidade de Vida na Velhice Frente ao Avanço Tecnológico ALESSANDRA DE SOUZA CERRI MESTRE EM EDUCAÇÃO FÍSICA PESQUISADORA DO GRUPO ESCOLA PROMOTORA DA QUALIDADE DE VIDA E SAÚDE, FEF, UNICAMP

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Quem é o Idoso? ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS)

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP JAROSKEVICZ, L.; MARIN, T. Resumo: A fase da adolescência e adulta é o momento de maior impacto na vida do indivíduo

Leia mais

TREINAMENTO EM IDOSOS, ATRAVÉS DA MUSCULAÇÃO, PARA GANHO DE FORÇA NOS MEMBROS INFERIORES

TREINAMENTO EM IDOSOS, ATRAVÉS DA MUSCULAÇÃO, PARA GANHO DE FORÇA NOS MEMBROS INFERIORES TREINAMENTO EM IDOSOS, ATRAVÉS DA MUSCULAÇÃO, PARA GANHO DE FORÇA NOS MEMBROS INFERIORES Patrícia Mozart Moura 1 ; Vera Lígia Montenegro de Albuquerque 1, Danilo Lopes Ferreira Lima 1 ; Liana Maria de

Leia mais

A bicicleta saudável. Basil Ribeiro Especialista e Mestre em Medicina Desportiva

A bicicleta saudável. Basil Ribeiro Especialista e Mestre em Medicina Desportiva A bicicleta saudável Basil Ribeiro Especialista e Mestre em Medicina Desportiva Ex-médico das equipas profissionais de ciclismo: Maia Milaneza MSS (2000 a 2005) Sport Lisboa e Benfica (2008) Custos do

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

Treinamento Concorrente

Treinamento Concorrente Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Especialização em Treinamento de Força e Musculação Treinamento Concorrente Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO: Fisioterapia TURMA: Terceiro Período A HORARIO: Segundas-feiras às 21hs (1) e Terças-feiras às 20hs10mim (2) COMPONENTE

Leia mais

EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL

EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL Acadêmicos da UCB: Helio Carlos Lima de Abreu e Natali Rodrigues RESUMO A atividade física intensa em crianças na

Leia mais

Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos

Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos Edison Alfredo de Araújo Marchand Graduação em Educação Física - URCAMP/RS Pós-Graduação em Ginástica Médica - FICAB/RJ

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES

PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES Bianca Fernandes Di Toro¹; Josiane Lopes Pires 1 ; João Pedro Arantes 2 ; Eduardo Günther Montero 2 Estudante do

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais 2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais Musculação na academia De acordo com Chiesa (2002), a musculação, classicamente

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Introdução Afirma-se que a

Leia mais

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Blood Pressure and Obesity in the adult population who goes to the municipal market in Portalegre Andreia Costa António

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais