BALDWIN WALLACE COLLEGE DIVISION OF BUSINESS ADMINISTRATION THE MASTER OF BUSINESS ADMINISTRATION

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALDWIN WALLACE COLLEGE DIVISION OF BUSINESS ADMINISTRATION THE MASTER OF BUSINESS ADMINISTRATION"

Transcrição

1 BALDWIN WALLACE COLLEGE DIVISION OF BUSINESS ADMINISTRATION THE MASTER OF BUSINESS ADMINISTRATION A GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL PELA SANEPAR - COMPANHIA ESTADUAL DE SANEAMENTO DO PARANÁ ELENICE CAMARGO ROGINSKI MENDES DOS SANTOS CURITIBA ABRIL 2003

2 ELENICE CAMARGO ROGINSKI MENDES DOS SANTOS A GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL PELA SANEPAR - COMPANHIA ESTADUAL DE SANEAMENTO DO PARANÁ Dissertação submetida à Baldwin Wallace College, Berea, OH (EUA), para obtenção do título de Master in Business Administration. Orientador:Prof. MSc Douglas Ricardo Zela CURITIBA ABRIL 2003

3 ii ii

4 iii iii

5 iv O homem se distingue dos outros seres pelo seu sentido de justiça Confúcio iv

6 v Ao meu pai Eduardo que me ensinou a gostar de aprender, e a minha mãe Edenir, exemplo sempre presente de dedicação, trabalho e amor. Aos meus filhos Carlos Eduardo e Alexandre, a quem procuro ensinar, e com quem aprendo todos os dias. E ao meu marido Cezar, pelo apoio, compreensão e estímulo. v

7 vi AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, Prof. Douglas Ricardo Zela, pelo incentivo, pelos conhecimentos que me transmitiu, e pelo efetivo direcionamento no decorrer de um ano de aprendizado. Aos professores da FAE e Baldwin Wallace College, Ohio (EUA), e aos colegas do curso, os quais, através das aulas e discussões, ampliaram minha visão do mundo empresarial brasileiro e americano. Aos muitos colaboradores da Sanepar Companhia de Saneamento do Paraná e das outras empresas, que contribuíram, dispondo de seu tempo fornecendo dados e informações, para que este trabalho pudesse ser realizado. Para a Bibliotecária Dulcinéia Mesatto, pela ajuda fundamental na formatação desta dissertação. Para toda a minha família, cuja união me fortalece. vi

8 vii SUMÁRIO LISTA DE TABELAS E QUADROS...ix LISTA DE SIGLAS...x LISTA DE SITES...xi RESUMO...xii ABSTRACT...xiii 1 INTRODUÇÃO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS JUSTIFICATIVA METODOLOGIA ESTRUTURA DA DISSERTAÇÂO LIMITAÇÕES DO ESTUDO FUNDAMENTOS TEÓRICOS OS FUNDAMENTOS DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Conceito de Ética e Considerações sobre Ética Empresarial A Empresa como Ente Social A Evolução da Responsabilidade Social ao Longo da História O Conceito da Responsabilidade Social Corporativa Os Fundamentos Teóricos da Gestão da Responsabilidade Social Avaliação do Grau de Responsabilidade Social de uma Empresa O Balanço Social Os Indicadores Ethos A Certificação Social O retorno financeiro MARKETING SOCIAL Marketing e Marketing Social MARKETING PARA CAUSAS SOCIAIS Considerações de Semântica O Marketing para Causas Sociais - Cause Related Marketing A GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL METODOLOGIA Caracterização da Pesquisa Tópicos e Condução da Pesquisa DADOS COLETADOS E ANÁLISE As Empresas de Curitiba Filiadas ao Instituto Ethos O Modelo de gestão de Responsabilidade Social das empresas...82 vii

9 O planejamento estratégico da Responsabilidade Social As ferramentas de gestão da Responsabilidade Social Parcerias e consultorias Como estão praticando Marketing Social e Marketing de Causa As Empresas de Saneamento O modelo de gestão e a atuação social das empresas de saneamento As ferramentas utilizadas pelas empresas de saneamento A prática de Marketing Social e Marketing de Causa pelas empresas de saneamento RESUMO DAS ENTREVISTAS O ESTUDO DE CASO ASPECTOS METODOLÓGICOS SITUAÇÃO ATUAL Apresentação da Empresa Estrutura de operação da Empresa A Responsabilidade Social da Sanepar em sua dimensão interna ATUAÇÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EXTERNA DA SANEPAR NO ANO Projetos Corporativos Projetos de Responsabilidade Pública e Cidadania Projetos de aspecto ambiental Ações e Projetos de Âmbito Regional Aspecto social: Responsabilidade Pública e Cidadania O aspecto ambiental ANÁLISE DE AMBIENTES Conclusões da Análise CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL MODELOS PROPOSTOS A GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL PELA SANEPAR DISCUSSÃO E SUGESTÕES DE AÇÕES ESTRATÉGICAS RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXOS viii viii

10 ix LISTA DE TABELAS E QUADROS QUADRO 1: RESUMO DAS ENTREVISTAS TABELA 1: EVOLUÇÃO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DA SANEPAR NOS ÚLTIMOS 5 ANOS QUADRO 2: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: POLÍTICA, ECONÔMICA E SOCIAL, E GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA QUADRO 3: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: CULTURA / CONSCIENTIZAÇÃO DA SOCIEDADE QUADRO 4: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: MEIO AMBIENTE, POLUIÇÃO E DEGRADAÇÃO DOS MANANCIAIS QUADRO 5: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: DEMOGRÁFICA / CRESCIMENTO POPULACIONAL QUADRO 6: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: NOVAS TECNOLOGIAS QUADRO 7: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: LEGISLAÇÃO / NOVAS LEIS QUADRO 8: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: ORIENTAÇÃO PARA O MERCADO, SISTEMAS DE NFORMAÇÕES E ORGANIZAÇÃO DE MARKETING QUADRO 9: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: EIFCIÊNCIA OPERACIONAL QUADRO 10:ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: SISTEMA DE GESTÃO / RELACIONAMENTO ENTRE AS UNIDADES DE NEGÓCIO QUADRO 11: ANÁLISE DE AMBIENTES. VARIÁVEL: RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES ix

11 x LISTA DE SIGLAS ABES - BSR - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Business for Social Responsibility CEPAA - Council on Economics Priorities Accreditation Agency CPFL - ETA - ETE - FNPQ - GRI - Ibase - IDH - GIFE - ISEA - ISO - Companhia Paulista de Força e Luz Estação de Tratamento de Água Estação de tratamento de Esgoto Fundação para o Prêmio Nacional da Qualidade Global Reporting Iniciative Instituto Brasieliro de Análises Sociais e Econômicas Índice de Desenvolvimento Humano Grupo de Institutos Fundações e Empresas Institute of Social and Ethics Accountability International Organization for Standadization ONGS - Organizações Não Governamentais PARES - Projeto de Avaliação e Reconhecimento da Excelênica da Sanepar PPR - SAI - Programa de Participação nos Resultados Social Accountability International Sanepar - Companhia de Saneamento do Paraná SGS - SOS - Sistema de Gestão da Sanepar Share our Strength x

12 xi LISTA DE SITES UTILIZADOS AS INTERNATIONAL - <http://www.as-intl.org> BUSINESS IN THE COMMUNITY <http://www.bitc.org.uk> BUSINESS FOR SOCIAL RESPONSIBILITY - <http://www.bsr.org> CEPAA (SA 8000) - <http://www.cepaa.org> THE COUNCIL OF ETHICS IN ECONOMICS - <http://www.businessethics.org.br> HARVARD BUSINESS SCHOOL - < FILANTROPIA - <http://www.filantropia.org> IBASE - <http://www.ibase.org.br> INSTITUTO AIRTON SENNA - < INSTITUTO AKATU/ CONSUMO CONSCIENTE - <http://www.akatu.net> INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSBILIDADE SOCIAL - <http:www.ethos.org.br> THE INSTITUTE OF SOCIAL AND ETHICS ACCOUNTABILITY - <http://www.accountability.org.uk> MARKETING SOCIAL - <http://www.msocial.hpg.ig.com.br/sociedade/1/interna_hpg1.html> THE PRINCE OF WALES BUSINESS LEADERS FORUM - <http://www.princeof wales.org.uk> PR PEOPLE - <http://www.prpeople.com.au> (Cause-Related Marketing) SANEPAR - SHARE OUR STRENGTH - xi

13 xii RESUMO Estudo desenvolvido com o objetivo de analisar a gestão de uma empresa estadual de saneamento na área de responsabilidade social durante o ano Os fundamentos teóricos versam sobre os conceitos de responsabilidade social e responsabilidade social empresarial, sob a ótica da ética e da ética empresarial. Apresenta fundamentos teóricos de marketing social e marketing de causas sociais, com o propósito de mostrar uma nova abordagem das questões sociais pelas organizações através de uma gestão orientada para o interesse coletivo, utilizando-se de ferramentas de marketing. Este trabalho apresenta um levantamento de dados, obtidos através de entrevistas de profundidade, sobre a gestão da responsabilidade social em empresas de setores diversos da economia no estado do Paraná, e sobre a gestão de responsabilidade social das empresas estaduais de saneamento do Brasil, no mesmo período. A análise de ambientes geral, operacional e interno onde está inserida a empresa estudo de caso e a identificação das ameaças e oportunidades que se apresentam, compõem o cenário considerado no desenvolvimento desta dissertação. Ao final, as recomendações quanto à elaboração de um planejamento estratégico da atuação social, de marketing social e de marketing de causa da empresa, é elaborado à luz do arcabouço teórico pesquisado e com base em comparações com as empresa estudadas. Palavras-Chave: responsabilidade social, marketing social, marketing para causas sociais, marketing de causa, setor de saneamento. xii

14 xiii ABSTRACT This study was developed with the purpose of analyzing the management of a sanitation utilities company from the perspective of social responsibility, during the year Herein are described theories and concepts regarding social responsibility and social responsibility as practiced by corporations, based on ethics theories and discussions about ethics in management. The concepts of corporate social responsibility are presented with the objective of introducing a new way for organizations to deal with social problems: implementing a strategic plan oriented to social issues, and applying tools such as social marketing and cause-related marketing strategies. This work presents data obtained through in-depth interviews with professionals from organizations from different sectors of the economy, within the state of Paraná, and from some Brazilian state utilities companies. The case study is performed upon a remote environment and industry analysis, together with a SWOT- Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats- analysis of the organization. In the last section, there are presented recommendations for the development of social responsibility management, using social marketing and cause-related marketing tools, for the utilities company case study. Those recommendations match theoretical concepts with the lessons learned from the organizations studied. sanitation sector. Key-Words: social responsibility, social marketing, cause-related marketing, xiii

15 14 1. INTRODUÇÃO É possível que a característica mais profunda de nossos tempos seja o reconhecimento da limitada capacidade de recuperação do meio ambiente, e de que o progresso tecnológico e a existência de empresas eficientes e lucrativas não representa o desenvolvimento sustentável de uma sociedade. A lógica do lucro (ênfase do autor) como sinônimo de empresa de sucesso não é mais uma verdade absoluta, a menos que venha acompanhada da lógica da responsabilidade social, e do fortalecimento dos vínculos comerciais e sociais da empresa. (INSTITUTO ETHOS, 2001b) No cenário econômico nacional e mundial o quadro social é preocupante. Particularmente em nosso país, a estrutura social se caracteriza por uma série de inequidades distributivas, tanto do ponto de vista espacial como funcional de renda da população. Juntam-se a pobreza estrutural, que se caracteriza por déficits de infraestrutura, com a pobreza de capacidade de geração de recursos e produção de riqueza. O governo parece não mais se lembrar que sua função primeira é a de prestar serviços à sociedade, afirma Cimbalista (2001), que descreve a situação de carências e desigualdades sociais do Brasil e a necessidade da atuação social das empresas: Num país em que 15 milhões de jovens, adultos e idosos não sabem ler ou escrever, onde ainda tem-se um índice de mortalidade infantil alto, apesar de ter diminuído nos últimos anos, onde a desigualdade social e a má distribuição de renda estão entre as piores em termos mundiais, é necessário confiar na sociedade organizada e nas organizações para que tal quadro desastroso se transforme, já que o braço social do Estado é curto demais para alcançar todos os bolsões de carência. (CIMBALISTA, 2001, p.14) Realmente, o desafio que temos que vencer é grande: precisamos criar e disseminar desenvolvimento humano para aproximar o Brasil 74 o lugar em índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 1 do Brasil 10 a potência econômica. 1 O IDH é um indicador rápido do estado de desenvolvimento humano. Foi introduzido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD, ou UNDP em ingles), em 1990, a partir de indicadores de educação: alfabetização e taxa de matrícula, longevidade: esperança de vida ao nascer, e renda: PIB per capita. (UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAMME, 2003) 14

16 Além da distância entre o desempenho econômico e a situação social, temos um grande contraste interno: o IDH do estado de São Paulo é equivalente ao 27 o mundial enquanto o IDH do estado do Piauí equivale à 135 a posição na escala mundial. Viviane Senna, Presidente do Instituto Ayrton Senna afirma que Contrariar previsões sociais é não aceitar passivamente o destino de exclusão social. Reverter tendências negativas é construir o país que queremos. E, para isso, é preciso o comprometimento de toda a sociedade.(instituto AYRTON SENNA, 2001) Segundo Cimbalista (2001), como as ações de cunho social necessárias não estão sendo implementadas pelo governo, estão sendo substituídas pelo que está sendo chamado de responsabilidade social empresarial. No mesmo sentido Dubrin (1998) afirma que está surgindo uma nova concepção de empresa, a empresa socialmente responsável, que tem como objetivo atender a essa demanda da sociedade, e a atuação social das organizações torna-se o elemento propulsor do desenvolvimento sustentável da nação. A responsabilidade social é a idéia de que as empresas possuem deveres para com a sociedade, além de suas obrigações econômicas junto aos proprietários e acionistas e também além das obrigações legais ou contratuais. O ataque ao World Trade Center em Nova York/ Estados Unidos, em 11 de setembro de 2001, parece ter feito o mundo acordar para uma ameaça que paira sobre todos nós: aqueles que estão na miséria, sentindo-se excluídos e injustiçados, e que nada tem a perder, podem ser os elos frágeis da corrente e serem utilizados como massa de manobra de grupos terroristas. A falta de estabilidade política e social em qualquer país constitui-se na maior das ameaças à sociedade globalizada, pois é como se morássemos todo na mesma casa. O medo coloca um freio no crescimento econômico de todos os países e, conforme Grajew (2001), é fundamental que ocorra a mudança da agenda de nossa sociedade, e os temas sociais e ambientais tem que ser colocados em primeiro lugar, não apenas no discurso mas na ação. Diante do quadro atual, o empresário constata 15 15

17 que as empresas já estão redefinindo seu papel na sociedade. Até poucas décadas atrás, as empresas faziam apenas filantropia, e dependendo de sua visão social de seus acionistas e dos recursos de que dispunham. Posteriormente, as empresas passaram a implementar ações sociais na comunidade. Hoje, o que está ocorrendo é a incorporação da responsabilidade social na gestão das empresas, abrangendo toda sua cadeia de relacionamentos: funcionários, acionistas, clientes e fornecedores, governo, meio ambiente e sociedade em geral. Segundo Chiavenato (2000) administrar uma empresa significa conduzir racionalmente as atividades que esta desenvolve; administrar uma organização é planejar, organizar, dirigir e controlar todas as atividades que ocorrem nesta organização. Afirma também que a tarefa atual da Administração é a de interpretar os objetivos da organização e transformá-los em ação organizacional por meio de planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da empresa. O administrador de uma organização soluciona problemas, elabora estratégias, dimensiona recursos e planeja e controla sua aplicação. Para Chiavenato (id.), existem várias especializações da Administração como por exemplo: Produção, Financeira, Recursos Humanos, Mercadológica, e a Administração Geral. O autor não cita a Administração da Responsabilidade Social da empresa. Para Bethlem (1999), Management (Gestão, Administração) é uma tecnologia sem ciência estabelecida. É um conjunto de processos, ou técnicas para organizar o esforço humano para se obter a máxima eficiência e eficácia nas organizações e na Nação como um todo, em um certo momento e em um determinado contexto. Bethlem não faz referência à gestão da Responsabilidade Social nas organizações brasileiras. A gestão da Responsabilidade Social também não é abordada por Fava (2002) ou por Ferreira et al (1997), autores de livros sobre Administração de Empresas

18 Já Bateman e Scott (1998) na parte II de sua obra, onde abordam o Planejamento Estratégico, escrevem um capítulo sobre a Ética e Responsabilidade Social. Da mesma forma para Rea e Kerzner (1997), a Responsabilidade Social deve fazer parte do Planejamento Estratégico de uma empresa; consideram ainda, que representa um ativo intangível. Um país que possui elevado grau de maturidade social é formado por pessoas engajadas em ações sociais e por empresas socialmente responsáveis. Isto leva ao conceito de cultura organizacional e consequentemente à prática de gestão e as atividades desenvolvidas pela empresa, todas acontecendo dentro do contexto cultural e social em que está inserida. Ashley (2002) afirma que a responsabilidade para com o próximo também é um valor cultural. No país da lei de Gerson, que deixa claro a vontade de levar vantagem em tudo, no país do jeitinho, existe um conflito entre os valores culturais da integridade e o oportunismo. Entretanto, enfatiza a autora, cultura é algo dinâmico e as sociedades se transformam. Podemos estar presenciando o crescimento de uma nova cultura no Brasil: a cultura da responsabilidade social empresarial e da responsabilidade social dos cidadãos Isto significa, segundo Ashley (id.), que novos padrões éticos e novos valores culturais estão sendo assimilados pela sociedade e no mundo dos negócios. Este estudo pretende averiguar a forma como este processo está ocorrendo

19 TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA Reconhecendo a necessidade de procurar soluções para a questão social do Brasil, pressupondo-se que a atuação responsável das organizações pode ser uma resposta a esse desafio, o presente estudo de investigação tem como objetivo estudar o seguinte problema: De que forma a Sanepar - Companhia Estadual de Saneamento do Paraná exerce a gestão de sua responsabilidade social voltada para a comunidade externa, com projetos sociais e projetos de marketing social, à luz do arcabouço teórico a ser pesquisado, comparando aos modelos de gestão adotados por outras empresas que estão buscando ser socialmente responsáveis e comparando também com outras empresas do mesmo setor, e quais são as alternativas para a atuação social e para a gestão da responsabilidade social da empresa? 1.2 OBJETIVOS Como objetivo geral, pretende-se analisar a gestão da Sanepar na área de responsabilidade social voltada para a comunidade externa, com projetos sociais e projetos de marketing social, à luz do arcabouço teórico a ser pesquisado, comparando aos modelos de gestão adotados por outras empresas que estão buscando ser socialmente responsáveis e comparando também com outras empresas do mesmo setor, e propondo alternativas para a atuação social e para a gestão da responsabilidade social da empresa. São objetivos específicos: Levantar a situação da gestão da responsabilidade social pelas empresas paranaenses filiadas ao Instituto Ethos de Responsabilidade Social Levantar dados sobre a gestão da responsabilidade social das empresas estaduais de saneamento no Brasil 18

20 Estudar o caso da Sanepar, no que concerne sua atuação de responsabilidade social junto às comunidades onde atua, analisando sua atuação no ano 2001; verificar se adotou algum modelo para a gestão da responsabilidade social corporativa JUSTIFICATIVA Através do relato da evolução da atuação socialmente responsável de empresas e governos, este trabalho vai mostrar que apesar de ser moderno o conceito, a atuação social e o marketing social acontecem desde os primórdios da humanidade. Este estudo apresenta uma pesquisa realizada sobre o tema responsabilidade social e sobre os termos derivados de marketing a ele relacionados, e a maneira como estão sendo compreendidos e aplicados por estudiosos, especialistas e por empresários brasileiros. O presente relato vai mostrar a forma com que o mundo empresarial e acadêmico está definindo os novos conceitos relacionados à responsabilidade social corporativa. Enquanto nos Estados Unidos a responsabilidade social das empresas e do chamado terceiro setor é mais perceptível, e também, (...) como ocorre na Europa, onde a sociedade escolhe produtos, bens ou serviços mediante análise da responsabilidade social exercida pelas empresas, em um país como o Brasil, a responsabilidade social só será importante quando, numa empresa, tiver o mesmo peso que as questões econômicas. (CIMBALISTA, 2001, p.6) Nos Estados Unidos não apenas as empresas, mas a maioria das pessoas é engajada em alguma prática social. 23 milhões de americanos dedicam pelo menos 5 horas por semana a trabalhos voluntários: alguns colocam dinheiro outros doam o seu próprio trabalho. Eles sabem que isso faz a diferença. (ROSENBERG, 2001) Este trabalho parte dos pressupostos que ações sociais e ambientais geram riqueza para a sociedade como um todo e que, conhecer e compreender a 19

21 complexidade do assunto será fundamental para a gestão da responsabilidade social no Brasil. E que o perfeito entendimento do significado da atuação de uma organização com responsabilidade social é pré-requisito para que o benefício de sua utilização como ferramenta de gestão seja maximizado, tanto para as empresas como para a sociedade. Segundo Vilela, presidente do Comitê Brasileiro do Ano Internacional do Voluntariado 2, citada por Caixeta (2001), estima-se em 20 milhões a parcela da população envolvida com alguma ação de voluntariado em nosso país. Quando se começa a descobrir o exército de voluntários que possuímos, afirma Vilela, e o grande número de empresas envolvidas em ações de responsabilidade social e decididas a serem identificadas como empresas responsáveis perante a comunidade, vemos que uma grande revolução está ocorrendo. As Organizações Não Governamentais (ONGS) se multiplicam, se profissionalizam, e atingiram um número aproximado de 400 mil em todo o país, empregando um contingente enorme de pessoas em intensa atividade. Isto parece mostrar que a sociedade civil está avaliando os problemas mais graves e buscando soluções (PINTO, 2001). Pressupõe-se, nesta dissertação, que o conhecimento do problema e da necessidade de repensar o conceito de gestão empresarial poderá potencializar as mudanças de comportamento necessárias à uma atuação das organizações brasileiras mais orientada para o interesse coletivo. Inserem-se nesse contexto o marketing social e o marketing para causas sociais, que trazem uma diferente abordagem das questões sociais pelas empresas. Serão apresentados os conceitos e alguns exemplos de sua utilização, com o objetivo de mostrar como algumas técnicas eficientes de comunicação e mercadológicas estão sendo utilizadas para promover uma melhor qualidade de vida e programas de desenvolvimento social. 2 Ano

22 O resumo das entrevistas realizadas em várias empresas engajadas no movimento pela atuação socialmente responsável no Paraná relata a forma como o empresariado paranaense está entendendo a responsabilidade social das empresas na sua dimensão externa, e o que está fazendo para atender as demandas sociais das comunidades. O relato das entrevistas junto às empresas de saneamento do país vai mostrar como o setor está reagindo ao movimento. As empresas, de ambos os grupo, de empresas paranaenses e das companhias estaduais de saneamento, são analisadas neste trabalho quanto à forma como estão administrando sua atuação social e como estão aplicando o marketing social e o marketing de causas sociais, no exercício da responsabilidade social corporativa. A análise da atuação da Sanepar mostra um caso real de conscientização de uma empresa da necessidade de atendimento às expectativas da sociedade para a melhoria da qualidade de vida da população. As sugestões e recomendações quanto ao planejamento de sua gestão de responsabilidade social foram resultado da análise dos modelos de gestão identificados em outras empresas e dos conceitos teóricos apresentados. O estudo de caso da Sanepar é um modelo potencial para outras empresas de serviços públicos em nosso país, especialmente as do setor de saneamento. Não é pretensão deste estudo esgotar o tema, mas, como um trabalho acadêmico, possibilitar que novas pesquisas sejam feitas a partir dele

23 METODOLOGIA Conforme Silva (2001, p. 22) Pesquisa científica é a realização concreta de uma investigação planejada e desenvolvida de acordo com as normas consagradas pela metodologia científica. A metodologia científica utilizada para a elaboração do presente estudo se fundamenta inicialmente em Ruiz, que classifica a pesquisa em 3 espécies: pesquisa exploratória, pesquisa teórica e pesquisa aplicada. Segundo Ruiz, trata-se de uma pesquisa exploratória quando o problema é pouco conhecido e o estudo tem como objetivo definir o problema por meio de uma caracterização inicial e sua definição clara.(ruiz, 1982) Da mesma forma Santos (1999) estabelece três critérios para a caracterização da metodologia dos trabalhos de pesquisa: segundo os objetivos, segundo os procedimentos de coleta e segundo as fontes utilizadas na coleta de dados. Referindose à sua classificação segundo os objetivos, escreve que, dependendo do grau de aproximação e nível conceitual da abordagem do pesquisador em relação ao fenômeno estudado, as pesquisas podem ser caracterizadas como exploratórias, descritivas ou explicativas. Descreve a pesquisa exploratória como aquela que visa criar maior familiaridade com o tema, através de uma primeira aproximação: Quase sempre busca-se essa familiaridade pela prospecção de materiais que possam informar ao pesquisador a real importância do problema, o estágio em que se encontram as informações já disponíveis dobre o assunto, e até mesmo, revelar ao pesquisador novas fontes de informação.(santos, 1999, p. 26) Tendo se que a presente dissertação visa caracterizar um problema, informar o estágio atual e conhecer novas fontes de informação, optou-se por realizar uma pesquisa exploratória. Como uma pesquisa de caráter exploratório, o seu valor está na tentativa de caracterizar a atuação de uma empresa no que tange a sua disposição e capacidade de responder a uma necessidade concreta da sociedade. As pesquisas exploratórias assumem geralmente (...) as formas de pesquisa 22

24 bibliográfica e estudo de caso. A pesquisa bibliográfica é (...) elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e atualmente com material disponível na Internet. (SILVA, 2001, p. 21) Da mesma forma, Santos afirma que a bibliografia constitui-se em uma fonte preciosa de informações organizadas e analisadas, e qualquer assunto possui hoje algo escrito a seu respeito. Por isso acredita que a pesquisa bibliográfica deve ser o ponto de partida de qualquer processo de busca científica (SANTOS, 1999). Também Ruiz (1982) descreve o mesmo conceito propondo que a pesquisa bibliográfica prévia é necessária em qualquer espécie de pesquisa, em qualquer área, seja através da atividade exploratória, seja para o estabelecimento do status quaestionis, ou mesmo para justificar os objetivos e contribuições da própria pesquisa. Segundo Silva (2001) os tipos de pesquisa não são estanques, e uma mesma pesquisa pode ser classificada dentro de vários tipos, desde que obedeça os critérios de cada um. Fundamentando-se nesse conceito, o presente estudo pode ser classificado também como uma pesquisa qualitativa, que é o tipo de pesquisa que não requer o uso de ferramentas e técnicas da estatística para a análise dos dados. Na pesquisa qualitativa: O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é o instrumento-chave. É descritiva. Os pesquisadores tendem a balizar seus dados indutivamente. O processo e o seu significado são os focos principais de abordagem (SILVA, 2001, p. 20). Em consonância com a metodologia pesquisada, este trabalho foi classificado como uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório e foi iniciado por uma pesquisa bibliográfica. Ferrari (1982, p. 229) cita o estudo de caso e entrevistas para a elaboração de levantamentos na área do Serviço Social: (...) o estudo de campo pode ocorrer considerando o método do estudo de caso, as técnicas de amostragem, observações controladas, entrevistas, aplicação de formulários, questionários, testes e escalas, seguidos de análises

25 O estudo de caso é uma das espécies de pesquisa, na classificação segundo os procedimentos de coleta ou método, utilizada para juntar as informações necessárias para construir o raciocínio em torno do tema escolhido. É quando se seleciona e se restringe o objeto de pesquisa, com o objetivo de conhecer com profundidade suas características, (...). (Santos, 1999). Silva (2001, p. 21) defende a idéia que o estudo de caso é uma pesquisa que envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetivos de maneira que se permita o seu amplo e detalhado conhecimento. Para Yin (2001, p. 27), é a forma de estudo apropriada para examinar acontecimentos contemporâneos, mas quando não se pode manipular comportamentos relevantes. O foco está em um fenômeno contemporâneo, e o estudo de caso possui a capacidade de lidar com uma grande variedade de evidências como documentos, observações e entrevistas. A entrevista É um procedimento utilizado na investigação social para a coleta de dados ou para ajudar no diagnóstico ou no tratamento de um problema social. (MARCONI e LAKAATOS, 1996, p. 84) De acordo com Mattar, a utilização da amostragem dentro de uma pesquisa com a coleta de dados de uma amostra da população possibilita maior rapidez na obtenção de resultados. A análise das informações obtidas a partir da amostra fornece dados que podem ser inferidos para toda a população da pesquisa. (...) Pesquisar apenas uma parte da população para inferir conhecimentos para o todo (...) (MATTAR, 1996, p. 128). Para o desenvolvimento do presente trabalho optou-se pela estratégia do estudo de caso e entrevistas com profissionais que trabalham com responsabilidade social em suas empresas, por estarem atendidas as condições acima apresentadas. Segundo Mattar, uma amostra não probabilística pode ser usada no caso, (...) por exemplo, da realização de uma pesquisa exploratória, em que o objetivo principal é ganhar conhecimento sobre o assunto e não que as informações obtidas sejam ou não representativas da população (MATTAR (ibid., p. 156). No presente 24 24

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo RESPONSABILIDADE SOCIAL Roberta Dalvo Objetivo: Histórico e definições Panorama Social Oportunidades para as empresas (Vantagem Competitiva) Pesquisa realizada pelo Instituto Ethos/Valor Casos de sucesso

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA O NEGÓCIO Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN Maio de 2007 LEMBRANDO ESTRATÉGIAS... APARENTE PARADOXO: POR QUE A RICA SOCIEDADE AMERICANA

Leia mais

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Responsabilidade Social Empresarial Filmes Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Na mídia... Empresa socialmente responsável. Responsabilidade social corporativa.

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DE MARKETING SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DE MARKETING SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DE MARKETING SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS Alice Pereira Prado 1, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2 1 Mestranda em Gestão e Desenvolvimento Regional - MGDR -

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Responsabilidade social ou filantropia?

Responsabilidade social ou filantropia? Responsabilidade social ou filantropia? Elenice C. Roginski M. Santos social não é sinônimo de filantropia, mas representa a sua evolução ao longo do tempo Resumo Este artigo traz conceitos relacionados

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação.

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação. 5 INTRODUÇÃO O terceiro setor é composto por uma grande diversidade de organizações do setor privado que realizam atividades para o público em geral, isto é, para a sociedade. Estas organizações não têm

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais

INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS

INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS ARTIGO INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS Elaine Arantes Graduada em Administração- FAE; Especialista em Planejamento e Gestão de Negócios FAE.

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 6 Responsabilidade Social Empresarial Prof. Esp. Felipe Luiz Contextualização Instrumentalização Definições, Conceitos e Terminologia Responsabilidade obrigação

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Cartilha para os. Colaboradores. Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310. 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com.

Cartilha para os. Colaboradores. Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310. 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com. Cartilha para os 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com.br Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310 Colaboradores Cartilha para o colaborador A PONTAL ENGENHARIA acredita

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA 2 Código de Conduta Prisma Edificações e Engenharia I - O que é o Código de Conduta da Prisma Edificações e Engenharia? O Código de Conduta da Prisma é um instrumento criado

Leia mais

DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL

DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL FACULDADE NOVO MILÊNIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL PROFESSORA CAMILA VIDAL DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL Sustentabilidade Empresarial Face às rápidas mudanças no mundo empresarial,

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? 10 REVISTA RI Abril 2014 Dois meses após a entrada em vigor da Lei de Combate à Corrupção (no 12.846), pesquisas de mercado

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres Gestão Et Estratégica? téi O Que é isso? TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Prof. Marcio Peres Estratégias Linhas de ação ou iniciativas altamente relevantes que indicam como serão alcançados os Objetivos Estratégicos.

Leia mais

4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2. Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental

4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2. Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental 4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2 Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL: conceitos e importância Responsabilidade trata-se do cargo ou

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos.

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos. TÍTULO Código de Conduta Ética da Organização Bradesco GESTOR Banco Bradesco S.A. ABRANGÊNCIA Unidades no Exterior, Agências, Departamentos, Empresas Ligadas DATA DE PUBLICAÇÃO 07/08/2015 Descrição: 1.

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

A PRÁTICA DO MARKETING SOCIETAL PELAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI

A PRÁTICA DO MARKETING SOCIETAL PELAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI A PRÁTICA DO MARKETING SOCIETAL PELAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI Saulo Ribeiro dos Santos 1 Rafael Cezar Souza Reis 2 1 INTRODUÇÃO Com o crescimento do terceiro setor e sua profissionalização, as modernas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL E A FORMAÇÃO DO ADMINISTRADOR Kétura Silva Paiva; Juliana Ricardo Bispo de Almeida; Rosamaria Cox Moura-Leite Área Temática: Estratégias Sustentáveis

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 FRAUDE Vantagem sobre outro por meio de sugestões falsas ou omissão da verdade COMPLIANCE Estar em conformidade e fazer

Leia mais

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 10Minutos Gestão de pessoas HR Analytics Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 Destaques Menos de 30% dos CEOs recebem relatórios completos e confiáveis sobre sua força de

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL

MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA.

NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA. NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA. SUMÁRIO Carta do Diretor / Conselho de Administração... 03 Diretrizes... 04 Introdução... 05 Missão e Visão... 06 Valores... 07 Princípios e Condutas... 08 Comitê de Conduta

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil

Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil Marcos Kisil idis@idis.org.br 3 de abril de 2008 5º Congresso GIFE de Investimento Social Privado 1 Contexto do Investimento Social na América

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 CATEGORIA FRANQUEADO

PRÊMIO ABF-AFRAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 CATEGORIA FRANQUEADO PRÊMIO ABF-AFRAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 CATEGORIA FRANQUEADO Seus Dados Nome empresa Yázigi Braz Leme (Id On Time Language Center & Ltda) Data de fundação 01/1991 Número de funcionários 38 Localização

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais