Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki. Site do curso:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki. Site do curso: www.inf.ufrgs.br/pet/cursos/ruby"

Transcrição

1 Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki Site do curso:

2 Recapitulando... Escopos Constantes Tipagem Métodos Input Estruturas de Controle e Repetição Classes Nativas Blocos de Código

3 Blocos de Código Um bloco de código pode ser delimitado de duas maneiras: Com do... end. Com {... }. Quando queremos capturar um valor no bloco usamos.... Neste caso o valor capturado será guardado em uma variável local ao escopo do bloco.

4 Blocos de Código

5 Manipulando Arquivos Para fins de manipulação de arquivos, podemos usar a classe File. Temos a opção de criar uma nova instância de arquivo File ou usar o método File.open, passando um bloco de código.

6 Manipulando Arquivos

7 Manipulando Arquivos Ao abrir um arquivo temos que especificar em que modo o queremos. Estes modos são: w, w+, r, r+,a, a+. Para abrir arquivos binários usamos os modos em conjunto com a letra b (wb, wb+,...). Importante notar que se não passarmos o parâmetro modo ele será r por default.

8 Modos de Abertura r w a Modo Descrição Abre um arquivo já existente para leitura. Cria um arquivo para escrita. Se já existir um arquivo com o mesmo nome, cria um novo. Cria ou abre um arquivo para anexar dados. r+ Abre um arquivo já existente para leitura e escrita. w+ Cria um arquivo para leitura e escrita. Se já existir um arquivo com o mesmo nome, cria um novo. a+ Cria ou abre um arquivo para anexar dados (permite leitura).

9 Métodos da classe File read: arq.read => Arquivo inteiro em uma string readlines: arq.readlines => [Array com as linhas do arquivo] ctime: arq.ctime => horário que o arquivo foi criado mtime: arq.mtime => horário em que o arquivo foi modificado each_byte: arq.each_byte { b... } => itera sobre os bytes syswrite: arq.syswrite( ABCDE ) => Escreve ABCDE no arquivo sysread: arq.sysread(20) => Lê 20 bytes do arquivo rewind: arq.rewind => rebobina o arquivo

10 Métodos da classe File rename: File.rename( original.txt, novo.txt ) delete: File.delete( original.txt ) exist?: File.exist?( texto.txt ) => true se o arquivo existe file?: File.file?( texto.txt ) => true se for um arquivo directory?: File.directory?(. ) => true se for um diretório

11 Exercícios 5. Supondo que você tenha dois arquivos em disco, A.txt e B.txt. Faça um programa que troque o conteúdo desses dois arquivos.

12 Resposta

13 Mais classes nativas Vamos introduzir pra vocês mais algumas classes do core. Veremos agora : Symbols; Hashes.

14 Symbols Muitas pessoas diriam que símbolos podem ser considerados como strings mais leves, mas eles são mais do que isso. Diferentemente das strings, se usarmos um símbolo com o mesmo texto em mais de um contexto diferente, ele referenciará o mesmo dado na memória.

15 Symbols Um exemplo do que estamos falando.

16 Symbols Vários dados internos de Ruby são representados por símbolos. Symbols são muito usados em Rails. Para converter uma string para símbolo podemos usar o método.to_sym Ao estudarmos Hashes entenderemos um pouco mais sobre a importância de usar símbolos.

17 Hashes Podemos imaginar Hashes como arrays que podem ser indexados não apenas por inteiros, mas por qualquer objeto. Importante notar: temos keys (o que indexa) e values (o que é indexado). Usar Hashes é uma prática comum em Rails.

18 Hashes Por exemplo:

19 Hashes É comum indexar hashes por strings, porém existe uma desvantagem nesse processo. Imagine agora criar 30 hashes desse tipo. Note que alocaríamos 30 vezes cada uma das chaves. O que nos importa são os dados, por isso não queremos gastar memória com as chaves.

20 Hashes A solução é utilizar símbolos como chaves do Hash. Mesmo que tenhamos centenas de Hashes com as mesmas chaves, todas elas referenciarão os mesmos símbolos na memória.

21 Métodos para Hashes merge: hash.merge(outro_hash) => retorna um hash com a união dos dois hashes passados merge!: hash.merge!(hash) => igual a merge mas modifica o objeto original size: hash.size => retorna o número de elementos do hash has_key?: hash.has_key?(:ruby) => true se possuir a chave passada has_value?: hash.has_value?(:ruby) => true se possuir a chave

22 Criando nossas próprias Classes Um objeto é uma entidade que serve de container para informações e também controla o acesso a elas. O objeto possui uma série de atributos que, essencialmente, não são mais do que variáveis que pertencem a esse objeto. O mesmo terá associado a ele várias funções, chamadas métodos, que fornecem uma interface para utilizá-los. Hal Fulton (tradução livre)

23 Criando nossas próprias Classes

24 Criando nossas próprias Classes Em Ruby a criação de novas classes é muito simples.

25 Criando nossas próprias Classes Notem aquele método chamado initialize. Ele é o construtor das instâncias da nossa classe. Nós especificamos que ele recebe dois parâmetros, nome e raça e os atribui a duas variáveis de classe. As variáveis de classe são declaradas com na frente

26 Criando nossas próprias Classes Aqui uma implementação do completa do desenho anterior.

27 Criando nossas próprias Classes E podemos usá-lo da seguinte maneira:

28 Exercícios 1. Crie uma classe SuperHeroi, que possui como dados, o seu nome, sua identidade secreta e um array com seus superpoderes. A classe deve incluir um método chamado combater_crime e outros à gosto. 2. Use os métodos da classe que você criou para ver se estão funcionando.

29 Resposta

30 Criando nossas próprias Classes Vamos pegar a classe Cachorro que fizemos anteriormente. E se quisermos acessar os dados dos nossos objetos? Métodos setter e getter?

31 Criando nossas próprias Classes

32 Criando nossas próprias Classes Usando: Mas Ruby pode nos fornecer setters e getters automaticamente...

33 Criando nossas próprias Classes Observe: Com essa construção teremos efetivamente o mesmo resultado.

34 Criando nossas próprias Classes Podemos usar: attr_accessor: cria um setter e um getter attr_reader: somente leitura attr_writer: somente escrita

35 Criando nossas próprias Classes Vamos tentar agora imprimir o nosso cachorro. O que aconteceu? O método puts coverte o objeto para string. Como o nosso cachorro é um objeto e herda de Object, ele chama o método to_s que está definido na classe Object.

36 Criando nossas próprias Classes Então, podemos facilmente fazer uma impressão mais bonita do nosso cachorro, redefinindo o método to_s:

37 Incluindo classes e Bibliotecas Depois que já tivermos a nossa classe pronta, podemos salvá-la como um arquivo.rb. Usando o comando require arquivo (sem a extensão) podemos incluir um arquivo e usar suas classes e funções. O comando require procura arquivos no diretório em que o programa está sendo rodado e no diretório padrão do Ruby.

38 Duck Typing Um dos princípios mais importantes da linguagem Ruby é o Duck Typing.

39 Duck Typing Se algo anda como um pato faz quack como um pato, logo deve ser um pato Vamos imaginar agora que temos o seguinte método...

40 Duck Typing Ele simplesmente recebe um objeto e chama o método combate_crime do mesmo.

41 Duck Typing E imagine que também temos a seguinte classe...

42 Duck Typing O seguinte código é totalmente possível:

43 Duck Typing Para evitar que o programador mande todo tipo de coisa para nosso método, podemos usar o método respond_to? :

44 Herança Um aspecto importantíssimo em Ruby (e qualquer linguagem Orientada a Objetos) é poder criar classes à partir das que nós já temos. No jargão da OO essa técnica é denominda herança. Vamos agora criar uma classe SpiderMan à partir do SuperHeroi que já está pronta.

45 Herança A herança é dada pelo operador <. Notem que a classe "filha" recebe todos os métodos da classe "pai".

46 Herança Podemos redefinir métodos da classe pai na classe filha. O método super, quando usado dentro de um método, chama o método correspondente da classe pai. No exemplo anterior chamamos o método initialize da classe SuperHero.

47 Tratamento de Exceções Como a maioria das linguagens modernas, Ruby também possui suporte para tratamento de exceções. Para isto, delimitamos um bloco onde pode haver exceções com begin... end e usamos: Rescue; Ensure; Raise.

48 Tratamento de Exceções Rescue:

49 Tratamento de Exceções Rescue com retorno:

50 Tratamento de Exceções Rescue:

51 Tratamento de Exceções Ensure:

52 Tratamento de Exceções Raise:

53 Conclusão do Curso Dúvidas?

Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki. Site do curso: www.inf.ufrgs.br/pet/cursos/ruby

Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki. Site do curso: www.inf.ufrgs.br/pet/cursos/ruby Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki Site do curso: www.inf.ufrgs.br/pet/cursos/ruby Por que Ruby? Sintaxe limpa e intuitiva: Por que Ruby? Fortemente orientada à objetos Note que não temos os tipos primitivos,

Leia mais

2 echo "PHP e outros.";

2 echo PHP e outros.; PHP (Hypertext Preprocessor) Antes de qualquer coisa, precisamos entender o que é o PHP: O PHP(Hypertext Preprocessor) é uma linguagem interpretada gratuita, usada originalmente apenas para o desenvolvimento

Leia mais

Alunos. Hudson Martins da Silva Laércio Pedro Hoppe

Alunos. Hudson Martins da Silva Laércio Pedro Hoppe Alunos Hudson Martins da Silva Laércio Pedro Hoppe Desenvolvida no Japão em 1995, por Yukihiro "Matz" Matsumoto. Linguagem de script. Mais poderosa do que Perl, e mais orientada a objetos do que Python.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 06: Ponteiros Declarando e utilizando ponteiros Ponteiros e vetores Inicializando ponteiros Ponteiros para Ponteiros Cuidados a serem

Leia mais

Começando com Ruby on Rails @gibsongabriel

Começando com Ruby on Rails @gibsongabriel Começando com Ruby on Rails @gibsongabriel Yukiriho 'Matz' Matsumoto http://ruby-lang.org/pt/ Ruby é uma linguagem de programação interpretada, com tipagem forte e dinâmica, que tem como foco a simplicidade

Leia mais

NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C

NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o Conceito de Classes e Objetos Capacitar para a criação de objetos simples

Leia mais

Ruby e Ruby on Rails

Ruby e Ruby on Rails Ruby e Ruby on Rails Universidade Federal de São Carlos Anderson Kenji Mise kenji@vardump.com Ruby? linguagem de programação orientada a objetos (tudo é objeto) Ruby on Rails? RoR é um framework para desenvolvimento

Leia mais

Tutorial Ruby versão 0.3 djalmaoliveira@gmail.com SOBRE O TUTORIAL

Tutorial Ruby versão 0.3 djalmaoliveira@gmail.com SOBRE O TUTORIAL SOBRE O TUTORIAL Este tutorial cobre alguns aspectos da linguagem Ruby, mostra de forma simples algumas de suas características através de exemplos e curtas descrições de conceitos, não se propondo ser

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 07: Funções O comando return Protótipo de funções O tipo void Arquivos-cabeçalho Escopo de variáveis Passagem de parâmetros por valor

Leia mais

ATRIBUTOS PRIVADOS 6. ENCAPSULAMENTO MÉTODOS PRIVADOS MÉTODOS PRIVADOS

ATRIBUTOS PRIVADOS 6. ENCAPSULAMENTO MÉTODOS PRIVADOS MÉTODOS PRIVADOS ATRIBUTOS PRIVADOS Podemos usar o modificador private, para tornar um atributo privado, obtendo um controle centralizado Definimos métodos para implementar todas as lógicas que utilizam ou modificam o

Leia mais

Introdução a Java. Hélder Nunes

Introdução a Java. Hélder Nunes Introdução a Java Hélder Nunes 2 Exercício de Fixação Os 4 elementos básicos da OO são os objetos, as classes, os atributos e os métodos. A orientação a objetos consiste em considerar os sistemas computacionais

Leia mais

1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela?

1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela? Exercícios sobre Linguagem PHP: 1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela? 2) Considere a linguagem de programação PHP e seus operadores. A execução da sentença:

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Ambiente de Desenvolvimento Orientação a Objetos É uma técnica de desenvolvimento de softwares que consiste em representar os elementos do mundo

Leia mais

3 Classes e instanciação de objectos (em Java)

3 Classes e instanciação de objectos (em Java) 3 Classes e instanciação de objectos (em Java) Suponhamos que queremos criar uma classe que especifique a estrutura e o comportamento de objectos do tipo Contador. As instâncias da classe Contador devem

Leia mais

História. Nasceu em 1993, numa discussão entre Yuhikiro Matsumoto e um colega.

História. Nasceu em 1993, numa discussão entre Yuhikiro Matsumoto e um colega. 1 1. Overview 2 História Nasceu em 1993, numa discussão entre Yuhikiro Matsumoto e um colega. Matz procurava por uma linguagem de script orientada a objetos. A primeira versão estável de Ruby (1.2) foi

Leia mais

Ruby. Conceitos básicos. Prof. Ms. Leonardo Botega. Diego Gabriel Pereira

Ruby. Conceitos básicos. Prof. Ms. Leonardo Botega. Diego Gabriel Pereira Ruby Conceitos básicos Prof. Ms. Leonardo Botega Diego Gabriel Pereira Quem somos nós Leonardo Botega Bacharel em Ciência da Computação UNIVEM Mestre em Ciência da Computação UFSCar Doutorando em Ciência

Leia mais

JavaScript. JavaScript é uma linguagem de script usada em navegadores web. É uma linguagem dinâmica, estruturada e orientada em objetos.

JavaScript. JavaScript é uma linguagem de script usada em navegadores web. É uma linguagem dinâmica, estruturada e orientada em objetos. JavaScript JavaScript é uma linguagem de script usada em navegadores web. É uma linguagem dinâmica, estruturada e orientada em objetos. Pode ser usada dentro do próprio arquivo HTML ou estruturada em um

Leia mais

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Armazenamento de Dados Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Armazenamento de Dados Todos os dados que utilizamos até o momento, ficavam armazenados apenas na memória. Ao final da execução dos programas,

Leia mais

Abaixo do Objeto WorkSheet temos a coleção Cells, que representa todas as células de uma planilha.

Abaixo do Objeto WorkSheet temos a coleção Cells, que representa todas as células de uma planilha. Aula 1 O modelo de objetos do Excel APPLICATION É o próprio Excel. Temos diversas propriedades e métodos importantes nesse objeto. Destacamos dois exemplos: Application.DisplayAlerts Se for true, o Excel

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PROFESSOR: REINALDO GOMES ASSUNTO: REVISÃO DA INTRODUÇÃO A ORIENTAÇÃO

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS Cursos: Análise, Ciência da Computação e Sistemas de Informação Programação I - Prof. Aníbal Notas de aula 2 DEFINIÇÃO DE MÉTODOS Todo o processamento que um programa Java faz está definido dentro dos

Leia mais

Squid autenticado no Active Directory com Winbind

Squid autenticado no Active Directory com Winbind 1 de 5 4/2/2007 14:40 Squid autenticado no Active Directory com Winbind Autor: Anderson Leite Data: 30/08/2006 Introdução Este é um artigo bem resumido, entrando em detalhes somente

Leia mais

formação em programação em c/c++

formação em programação em c/c++ formação em programação em c/c++ O Treinamento de Programação em C/C++ com duração de 20 semanas (média de 6 meses), preparará o aluno para programar em duas das linguagens mais poderosas da computação.

Leia mais

Organização de programas em Python. Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br

Organização de programas em Python. Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Organização de programas em Python Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Vamos programar em Python! Mas... } Como um programa é organizado? } Quais são os tipos de dados disponíveis? } Como variáveis podem

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA Introdução para Iniciantes Prof. M.Sc. Daniel Calife Índice 1 - A programação e a Linguagem Java. 1.1 1.2 1.3 1.4 Linguagens de Programação Java JDK IDE 2 - Criando o primeiro

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Curso de Programação Computadores

Curso de Programação Computadores 3 O Primeiro Programa em C Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro 3 O Primeiro Programa em C 3.1 - Introdução Depois dos conceitos

Leia mais

Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL)

Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL) Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL) Índice Entendendo os storage engines do MySQL 5 1 As ferramentas 1 Mais algumas coisas que você deve saber 1 Com a mão na massa 2 Mais ferramentas Usando o

Leia mais

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Quantas vezes eu não lamentei por este componente não ter uma propriedade que guardasse uma lista paralela a lista que é mostrada em

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Desenvolvendo plugins WordPress usando Orientação a Objetos

Desenvolvendo plugins WordPress usando Orientação a Objetos Desenvolvendo plugins WordPress usando Orientação a Objetos por Daniel Antunes danieldeveloper.com @danieldeveloper Introdução Desenvolver plugins WordPress é mais que programar: é obter grandes resultados

Leia mais

PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL. Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital

PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL. Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital Conteúdo PRIMEIROS PASSOS COM BLOG:... 3 Primeiro:... 3 Segundo:... 4 Terceiro:... 5 Quarto:...

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. A programação orientada a objetos (object-oriented oriented programming

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. A programação orientada a objetos (object-oriented oriented programming Curso de PHP FATEC - Jundiaí A programação orientada a objetos (object-oriented oriented programming OOP) é um conjunto de técnicas t para organizar o código c em torno de entidades ou objetos representados

Leia mais

Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com

Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com Interface Hardware Software Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com Conteúdo Visão geral do processo TASM / TLINK

Leia mais

Android e Bancos de Dados

Android e Bancos de Dados (Usando o SQLite) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Programação para Android. Aula 07: Persistência de dados Shared Preferences, Internal e External Storage

Programação para Android. Aula 07: Persistência de dados Shared Preferences, Internal e External Storage Programação para Android Aula 07: Persistência de dados Shared Preferences, Internal e External Storage Persistência de dados Na maioria das aplicações precisamos ter algum tipo de persistência de dados.

Leia mais

CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA

CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA Eligiane Ceron - Abril de 2012 Versão 1.0 Conteúdo Considerações iniciais... 2 Introdução... 2 Extensão de arquivos... 2 Arquivos de código Java... 2 Comentários iniciais... 2

Leia mais

Introdução à Linguagem

Introdução à Linguagem Introdução à Linguagem Curso de Nivelamento do PPGMNE Janeiro / 2011 Juliano J. Scremin jjscremin@jjscremin.t5.com.br Um pouco de história Um pouco de história: Nascimento do Python Um pouco de história:

Leia mais

Curso de Java. Orientação a objetos e a Linguagem JAVA. TodososdireitosreservadosKlais

Curso de Java. Orientação a objetos e a Linguagem JAVA. TodososdireitosreservadosKlais Curso de Java Orientação a objetos e a Linguagem JAVA Roteiro A linguagem Java e a máquina virtual Objetos e Classes Encapsulamento, Herança e Polimorfismo Primeiro Exemplo A Linguagem JAVA Principais

Leia mais

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis.

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis. 3. Tabelas de Hash As tabelas de hash são um tipo de estruturação para o armazenamento de informação, de uma forma extremamente simples, fácil de se implementar e intuitiva de se organizar grandes quantidades

Leia mais

Programação Orientada a Objetos: Lista de exercícios #1. Bruno Góis Mateus

Programação Orientada a Objetos: Lista de exercícios #1. Bruno Góis Mateus Programação Orientada a Objetos: Lista de exercícios #1 Bruno Góis Mateus 1 Contents Programação Orientada a Objetos (Bruno Góis Mateus ): Lista de exercícios #1 Classes e Instanciação 3 A classe Circle...............................................

Leia mais

1 Funções básicas de implementação de arquivos

1 Funções básicas de implementação de arquivos 1 Funções básicas de implementação de arquivos 1.1 Definindo registros Depois de um objeto do mundo real ter sido modelado, ou seja, após seus atributos importantes (e relevantes) terem sido identificados,

Leia mais

Unidade IV: Ponteiros, Referências e Arrays

Unidade IV: Ponteiros, Referências e Arrays Programação com OO Acesso em Java a BD Curso: Técnico em Informática Campus: Ipanguaçu José Maria Monteiro Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio Departamento Clayton Maciel de Informática

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS -TRATAMENTO DE EXCEÇÕES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS -TRATAMENTO DE EXCEÇÕES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS -TRATAMENTO DE EXCEÇÕES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 5. Tratamento de Exceções Introdução e conceitos Capturando exceção usando

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO O Paradigma da Orientação a Objeto Apresentada em Cumprimento Parcial dos Requerimentos para

Leia mais

Prototype, um Design Patterns de Criação

Prototype, um Design Patterns de Criação Prototype, um Design Patterns de Criação José Anízio Pantoja Maia Este artigo tem como finalidade compreender o funcionamento do padrão de projeto prototype, serão abordados os participantes que compõe

Leia mais

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Introdução Manipulação de arquivos em C Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Manipulação de Arquivo em C Existem dois tipos possíveis de acesso a arquivos na linguagem C : sequencial (lendo

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 04 Introdução a Linguagem Lua Edirlei Soares de Lima Linguagem Lua Lua é uma linguagem de programação projetada para dar suporte à programação

Leia mais

Dúvidas Freqüentes sobre o OpenOffice Apresentação

Dúvidas Freqüentes sobre o OpenOffice Apresentação Dúvidas Freqüentes sobre o OpenOffice Apresentação 1 - Como posso inserir mais de um fundo em uma apresentação? 2 - Como uso o slide de uma apresentação em outra apresentação? 3 - Quando recorto um documento

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA

Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA Versão 1.4 Índice 1. Objetivo..3 2. Processo..3 3. API de Criptografia - Biblioteca Java..4 3.1 WEBTACryptoUtil..4 3.1.1 decodekeyfile..4 3.1.2

Leia mais

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi Introdução ao PHP Prof. Késsia Marchi PHP Originalmente PHP era um assíncrono para Personal Home Page. De acordo com convenções para atribuições de nomes recursivas do GNU foi alterado para PHP Hypertext

Leia mais

Reuso com Herança a e Composiçã

Reuso com Herança a e Composiçã Java 2 Standard Edition Reuso com Herança a e Composiçã ção Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Como aumentar as chances de reuso Separar as partes que podem mudar das partes que não mudam. Exemplo:

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 4: Tipos de Dados O objetivo desta aula é apresentar os tipos de dados manipulados pela linguagem C, tais como vetores e matrizes, bem como

Leia mais

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática 16 ARQUIVOS Um arquivo corresponde a um conjunto de informações (exemplo: uma estrutura de dados-registro), que pode ser armazenado em um dispositivo de memória permanente, exemplo disco rígido. As operações

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 1 Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Linguagem a ser Utilizada? Nossa disciplina é de Algoritmos e Estrutura de Dados, e não de linguagem

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Capítulo 3. Programação por objectos em Java

Capítulo 3. Programação por objectos em Java Capítulo 3. Programação por objectos em Java 1/46 Índice Indice 3.1 - Qualificadores de visualização 3.2 - Classe 3.3 - Objecto 3.4 - Métodos 3.5 - Herança 3.6 - Reescrita de métodos 3.7 - Classes abstractas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM NOVEMBRO / 2014 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS Jean Henrique Zenzeluk* Sérgio Ribeiro** Resumo. Este artigo descreve os conceitos de Orientação a Objetos na linguagem de programação

Leia mais

Descrição. Implementação. Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos

Descrição. Implementação. Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos Descrição Implemente nesta atividade de laboratório um programa em Java utilizando threads

Leia mais

Linguagem de Programação. Helder Lucas S. Silas Valdemar

Linguagem de Programação. Helder Lucas S. Silas Valdemar Linguagem de Programação Helder Lucas S. Silas Valdemar Perl, Smalltalk, Eiffel, Ada e Lisp. Mais poderosa do que Perl, e mais orientada a objetos do que Python. Yukihiro Matsumoto Matz Coral ou Ruby?

Leia mais

PHP INTRODUÇÃO CLASSES E OBJETOS

PHP INTRODUÇÃO CLASSES E OBJETOS INTRODUÇÃO PHP AULA 8 ORIENTAÇÃO A OBJETOS Professor: Leonardo Pereira E-mail: leongamerti@gmail.com Facebook: leongamerti Material de Estudo: http://www.leonti.vv.si A orientação a objetos ou OO é o paradigma

Leia mais

PROGRAMANDO EM C# ORIENTADO A OBJETOS

PROGRAMANDO EM C# ORIENTADO A OBJETOS PROGRAMANDO EM C# ORIENTADO A OBJETOS AGENDA MÓDULO 2 Domínio e Aplicação Objetos, Atributos e Métodos Classes em C# Criando Objetos em C# Referências em C# Manipulando Atributos Valores Padrão Exercícios

Leia mais

Técnicas de Programação II

Técnicas de Programação II Técnicas de Programação II Aula 06 Orientação a Objetos e Classes Edirlei Soares de Lima Orientação a Objetos O ser humano se relaciona com o mundo através do conceito de objetos.

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita Este exercício deve ser manuscrito e entregue na próxima aula; Valor

Leia mais

Este software resolve todos esses problemas.adobe reader é um software free, para ler os arquivos pdf..

Este software resolve todos esses problemas.adobe reader é um software free, para ler os arquivos pdf.. Conhecendo arquivos PDF O PDF surgiu graças aos esforços de um dos fundadores da empresa Adobe Systems, John Warnock. A idéia inicial era criar uma tecnologia que permitisse a visualização de arquivos

Leia mais

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 04 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 2 Prof. Cristóvão Cunha Implementando uma Classe

Leia mais

Arquivos binários em Python

Arquivos binários em Python Arquivos binários em Python Vamos começar analisando uma estrutura. print "Arquivo aberto!" Antes de tudo, o modo rb tenta abrir um arquivo como binário para leitura. Reveja a tabela: Parâmetro Ação rb

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

(ou seja, boas praticas de programação orientada a objetos devem ser empregadas mesmo se não foram explicitamente solicitadas)

(ou seja, boas praticas de programação orientada a objetos devem ser empregadas mesmo se não foram explicitamente solicitadas) PC-2 / LP-2 2009/2 Lista 2 Prof. Alexandre Sztajnberg Em todos os exercícios a(o) aluna(o) deve, além de atender aos requisitos enunciados, utilizar os conceitos e características de orientação a objetos

Leia mais

Introdução à estrutura de dados com Python

Introdução à estrutura de dados com Python Introdução à estrutura de dados com Python CLEIBSON APARECIDO DE ALMEIDA UFPR Universidade Federal do Paraná PPGMNE Programa de Pós Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia Centro Politécnico CEP 81.531-980

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Como Ganhar 10 Mil Reais por Mês com o Método Formula Negócio Online 2016. w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1

Como Ganhar 10 Mil Reais por Mês com o Método Formula Negócio Online 2016. w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1 w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1 INTRODUÇÃO Olá amigos tudo bem? Deixa eu me apresentar meu nome é Rodrigo Alves, sou empreendedor digital com foco em marketing de afiliados e também

Leia mais

Receita de bolo para instalar MinGW-GCC e Netbeans em Windows

Receita de bolo para instalar MinGW-GCC e Netbeans em Windows Receita de bolo para instalar MinGW-GCC e Netbeans em Windows Hae Yong Kim 13/08/2014 Este documento explica como fiz para instalar compilador MinGW-GCC e ambiente de desenvolvimento Netbeans em Windows.

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

PL/pgSQL por Diversão e Lucro

PL/pgSQL por Diversão e Lucro PL/pgSQL por Diversão e Lucro Roberto Mello 3a. Conferência Brasileira de PostgreSQL - PGCon-BR Campinas - 2009 1 Objetivos Apresentar as partes principais do PL/pgSQL Apresentar casos de uso comum do

Leia mais

ProgramaTchê Programação OO com PHP

ProgramaTchê Programação OO com PHP Roteiro 1 Objetivos: * Apresentar conceitos de orientação a objetos; * Representar classes e objetos usando UML; Este roteiro tem como objetivo abordar os conceitos básicos de orientação a objetos. 1 Introdução

Leia mais

Usando o do-file editor Automatizando o Stata

Usando o do-file editor Automatizando o Stata Usando o do-file editor Automatizando o Stata 1 O QUE É O EDITOR DE DO-FILE O Stata vem com um editor de texto integrado, o do-file editor (editor de do-files, em português), que pode ser usado para executar

Leia mais