A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia"

Transcrição

1 Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Ciomara Martins Lima Rocha Salvador, junho de 2013

2 Introdução Em todo o mundo a violência vem se afirmando como um dos mais graves problemas sociais e de saúde pública (OMS, 2002). Os reflexos da violência são sentidos pelo setor saúde, seja pelos altos custos ou pela complexidade dos atendimentos.

3 Definição Violência: uso intencional da força física ou do poder, Real ou em ameaça, Contra si próprio, Contra outra pessoa, ou Contra grupo ou comunidade, Que resulte ou tenha possibilidade de resultar, Em lesão,morte,dano psicológico,deficiência de desenvolvimento ou privação (KRUG et al,2002)

4 Definição Acidentes: o evento não intencional e evitável, causador de lesões físicas e/ou emocionais no âmbito doméstico ou nos outros ambientes sociais, como o do trabalho, do trânsito, da escola, de esportes e o de lazer (MS,2001).

5 Número e proporção de óbitos por residência e capítulo- CID 10. Brasil Capítulo CID-10 Mas Fem Total I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 4,4 4,2 4,3 II. Neoplasias (tumores) 14,8 17,0 15,7 III. Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár 0,5 0,6 0,6 IV. Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas 4,8 8,0 6,2 V. Transtornos mentais e comportamentais 1,4 0,7 1,1 VI. Doenças do sistema nervoso 1,9 2,7 2,2 VII. Doenças do olho e anexos 0,0 0,0 0,0 VIII.Doenças do ouvido e da apófise mastóide 0,0 0,0 0,0 IX. Doenças do aparelho circulatório 26,4 31,8 28,7 X. Doenças do aparelho respiratório 9,7 11,5 10,5 XI. Doenças do aparelho digestivo 5,7 4,3 5,1 XII. Doenças da pele e do tecido subcutâneo 0,2 0,4 0,3 XIII.Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo 0,2 0,6 0,4 XIV. Doenças do aparelho geniturinário 1,9 2,5 2,2 XV. Gravidez parto e puerpério 0,0 0,4 0,2 XVI. Algumas afec originadas no período perinatal 2,1 2,1 2,1 XVII.Malf cong deformid e anomalias cromossômicas 0,8 1,0 0,9 XVIII.Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat 7,0 7,0 7,0 XX. Causas externas de morbidade e mortalidade 18,2 5,1 12,6 Total 100,0 100,0 100,0 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM - Dados Extraídos em 03 de junho de 2013

6 Número e proporção de óbitos por residência e capítulo- CID 10. Bahia, Capítulo CID-10 MAS % FEM % Total I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 4,76 4,61 4,7 II. Neoplasias (tumores) 11,04 13,41 12,01 III. Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár 0,65 0,86 0,74 IV. Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas 5,38 9,37 7,02 V. Transtornos mentais e comportamentais 1,34 0,66 1,06 VI. Doenças do sistema nervoso 1,21 1,55 1,35 VII. Doenças do olho e anexos VIII.Doenças do ouvido e da apófise mastóide 0 0,01 0,01 IX. Doenças do aparelho circulatório 21,6 29,32 24,77 X. Doenças do aparelho respiratório 6,83 8,23 7,41 XI. Doenças do aparelho digestivo 5,46 4,25 4,96 XII. Doenças da pele e do tecido subcutâneo 0,22 0,43 0,3 XIII.Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo 0,3 0,92 0,56 XIV. Doenças do aparelho geniturinário 1,53 1,54 1,54 XV. Gravidez parto e puerpério 0 0,5 0,21 XVI. Algumas afec originadas no período perinatal 3,08 3,39 3,22 XVII.Malf cong deformid e anomalias cromossômicas 0,82 1,1 0,95 XVIII.Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat 12,58 14,25 13,26 XX. Causas externas de morbidade e mortalidade 23,19 5,59 15,94 Total Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM - Extraídos em 03 de junho de 2013

7 Epidemiologia Brasil, mil Violência/acidentes individual ou coletiva Homicídios (36,5%) Acidentes de Transportes (30,7%) Indeterminados (6,8%) Outros 26% Homens 20 a 29 anos

8 Fonte: Wailselfish, Julio jacobo. Mapa da violência no Brasil, 2013

9 Distribuição proporcional de óbitos por causas externas segundo grupo de pessoas. Bahia, ,0 61,4 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 14,3 14,5 10,0 0,6 2,1 7,2 0,0 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM - Dados preliminares Extraídos em julho, 2012

10 Distribuição proporcional de óbitos por causas externas de crianças <1 a 9 anos) por causas externas Brasil, ,0 54,7 50,0 40,0 30,0 30,1 20,0 10,0 0,0 0,1 7,3 6,8 0,8 0,2 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM - Dados preliminares

11 Distribuição proporcional de óbitos de Idosos, por causas externas. Brasil, ,0 41,7 40,0 35,0 30,0 27,4 25,0 20,0 15,0 10,0 6,0 5,0 0,0 8,3 12,5 0,0 3,3 0,7 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM - Dados preliminares

12 Distribuição proporcional de óbitos por causas externas de adolescentes (10 a 19 anos). Brasil, ,0 50,0 51,8 40,0 30,0 26,5 20,0 11,5 10,0 4,3 4,3 0,0 1,3 0,1 0,1 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM - Dados preliminares

13 Distribuição proporcional de óbitos de Mulheres de 20 a 59 anos de idade por causas externas. Brasil, Y85-Y89 Seqüelas de causas externas 0,24 Y40-Y84 Complic assistência médica e cirúrgica 1,57 Y35-Y36 Intervenções legais e operações de guerra 0,06 Y10-Y34 Eventos cuja intenção é indeterminada 6,40 X85-Y09 Agressões 27,03 X60-X84 Lesões autoprovocadas voluntariamente 13,06 W00-X59 Outras causas externas de lesões acident 11,86 V01-V99 Acidentes de transporte 39,78 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM - Dados preliminares 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00

14 Epidemiologia da Violência contra crianças e adolescentes

15 Magnitude da violência contra crianças e adolescentes A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que em 2002, cerca de crianças entre 0-17 anos de idade foram vítimas de homicídio; Segundo as últimas estimativas da Organização Mundial do Trabalho (OIT), 5.7 milhões de crianças realizavam trabalhos forçados ou em regime de servidão 1.8 milhões estavam envolvidas na prostituição e pornografia, 1.2 milhões foram vítimas de tráfico no ano Em 1980 representavam 6,7% de óbitos por CE; em 2010: 26,5%) Fonte:

16 Magnitude da Violência contra a Mulher

17 Magnitude da violência contra a Mulher Números do Anuário das Mulheres Brasileiras 2011, divulgado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres e pelo Dieese, mostram que: Quatro entre cada dez mulheres brasileiras já foram vítimas de violência doméstica. Dados da Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180) revelam aumento da formalização das denúncias. Os atendimentos da central subiram de em 2006 para em 2010, quase dezesseis vezes mais. Fonte:

18 Pesquisa realizada sobre percepções sobre a violência doméstica contra a Mulher no Brasil (janeiro 2010 a fevereiro de 2011) Seis em cada 10 brasileiros conhecem alguma mulher que foi vítima de violência doméstica. Machismo (46%) e alcoolismo (31%) são apontados como principais fatores que contribuem para a violência. 94% conhecem a Lei Maria da Penha, mas apenas 13% sabem seu conteúdo. A maioria das pessoas (60%) pensa que, ao ser denunciado, o agressor vai preso. 52% acham que juízes e policiais desqualificam o problema. O medo continua sendo a razão principal (68%) para evitar a denúncia dos agressores. Em 66% dos casos, os responsáveis pelas agressões foram os maridos ou companheiros Ligue 180 registra 53% de risco de morte em relatos de violência contra as mulheres

19 Quem são os agressores? Os homens têm maior probabilidade de serem vítimas de pessoas estranhas ou pouco conhecidas, As mulheres têm maior probabilidade de serem vítimas de membros de suas próprias famílias ou de seus parceiros íntimos. Sabe-se que de 40 a 70% dos homicídios femininos, no mundo, são cometidos por parceiros. Fonte:Day et al, 2003

20 Magnitude: Disque 100 no ano de 2012 registrou casos de maus tratos contra idosos: em São Paulo Bahia Rio de Janeiro Minas gerais

21 Estatuto do Idoso (Lei 10741/01/10/2003) Art. 19. Os casos de suspeita ou confirmação de violência praticada contra idosos serão objeto de notificação compulsória pelos serviços de saúde públicos e privados à autoridade sanitária, bem como serão obrigatoriamente comunicados por eles a quaisquer dos seguintes órgãos: I Autoridade policial; II Ministério Público; III Conselho Municipal do Idoso; IV Conselho Estadual do Idoso; V Conselho Nacional do Idoso

22 Tipos de violência contra a pessoa Idosa e deficientes. Tanto idosos como deficientes sofrem também de violência física, psicológica, sexual e negligência, com as peculiaridades específicas. Financeira, como o uso das aposentadorias pela família e a desatenção das necessidades do idoso, culminando no abandono. Maus-tratos físicos, Sexual Negligências Fonte: Day et al, 3

23 Violência física

24 Principais Manifestações da violência que devem ser notificadas Física Psicológica Sexual (estupro, exploração sexual comercial, pornografia infantil, pedofilia, voyerismo). Negligência Financeira/patrimonial Tráfico de pessoas Trabalho Infantil Violências auto provocadas Intervenções legais Violências homofóbicas

25 O Começo... VIVA VIVA contínuo VIVA Inquérito Objetivo: descrever os diversos tipos de violência e acidentes que acometem a população brasileira e, principalmente, revelar a violência doméstica e sexual. Fonte: MS/SVS/VIVA

26 Marcos referenciais Lei n (Estatuto da Criança e do Adolescente), de 13 de julho de 1990 Portaria n , de 25 de outubro de 2001 (Notificação as autoridades competentes os casos suspeitos ou confirmados de violência) Lei n , de 01 de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso) Lei n , de 24 de novembro de 2003 (Notificação compulsória, violência contra a mulher) Portaria n. 777, de 28 de abril de 2004 ( Procedimentos técnicos para a notificação compulsória de agravos à saúde do trabalhador, rede sentinela) Decreto Presidencial n , de 03 de junho de 2004 Regulamenta a Lei no (institui os serviços de referência sentinela) Portaria n , de 05 de novembro de 2004 ( Institui o serviço de notificação da violência compulsória contra a mulher e aprova o fluxo) Fonte:BRASIL, 2010

27 Continuação Portaria n , de 14 de agosto de 2006 (Diretrizes nacionais para prevenção do suicídio) Portarias n de 23 de junho de 2006 e de 12 de junho de 2007 (Institui repasse financeiro para o VIVA Inquérito) Rede Nacional de Atenção Integral às Mulheres,Crianças e Adolescentes em situação de violência doméstica e sexual. Códigos de ética de profissionais: médico, odontólogo, enfermeiro, psicólogo.

28 O artigo do Decreto-lei de 1941 reconhece como contravenção penal a omissão do profissional de saúde crime do qual tenha conhecimento; Lei 8069/ 13 de julho de 1990-Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Artigo 13 ( a notificação passa a ser obrigatória); Lei de 1 de outubro de Estatuto do Idoso (art. 19 e 57, pena de R$ 500,00 a R$ 3000,00) Lei de 24 de novembro de Notificação compulsória da violência contra a Mulher. Obriga os serviços de saúde a notificar a violência contra a Mulher. Códigos de ética médica, odontológica, enfermagem e psicologia. Portaria 104 de 28 de janeiro de 2011

29 Com a notificação dos casos de violência pode-se conhecer a magnitude e do perfil de vítimas e agressores. Violência doméstica

30 VIVA SINANNET 2009 PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011, Anexo I, Lista n 45: Insere a violência doméstica como agravo de Notificação compulsória.

31 Oficinas realizadas nos municípios do estado da Bahias sobre a notificação da violência doméstica e sexual(viva).

32

33 Ficha de notificação da violência doméstica e sexual e ou outras violências. Deve ser utilizada para efetuar a notificação de qualquer caso suspeito ou confirmado de violência doméstica, sexual e/ou outras violências contra mulheres, crianças, adolescentes e pessoas idosas. Deve ser o único instrumento de coleta de Deve ser o único instrumento de coleta de dados, substituindo todas as outras fichas que possam estar sendo usadas pelos serviços de saúde. Esta ficha não deve ser utilizada para notificação das violências extra familiares que têm nos adultos do sexo masculino, as suas principais vítimas. (ex.: brigas entre gangues, brigas nos estádios de futebol e outras).

34 Fluxo da Ficha de Notificação - VIVA VIVA 1ª. Via Unidade Notificadora 2ª via Conselho Tutelar 3ª via Vigilância Epidemiológica

35 Distribuição proporcional das notificações de violência doméstica, sexual e/ou outras violências segundo a UF. Brasil, Distrito Federal Goias Mato Grosso Mato Grosso do Sul Rio Grande do Sul Santa Catarina Parana Sao Paulo Rio de Janeiro Espirito Santo Minas Gerais Bahia Sergipe Alagoas Pernambuco Paraiba Rio Grande do Norte Ceara Piaui Maranhao Tocantins Amapa Para Roraima Amazonas Acre Rondonia 0,7 0,7 0,4 1,3 2,0 2,6 1,9 0,7 0,8 1,0 1,0 0,9 0,2 1,5 0,5 2,1 0,5 0,2 Fonte:SINAN/SVS/DATASUS/MS 4,1 5,0 5,2 6,4 5,4 6,3 8,2 12,3 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 28,0

36 Resultados da Violência Doméstica registradas pelo VIVA SINANNET- BAHIA, 2009 a 2012

37 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual, segundo sexo registrado pelo VIVA/SINANNET. Bahia, 2009 a ,4 62,7 Mas Fem Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

38 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual,segundo raça/cor. Bahia, 2009 a ,0 52,0 50,0 40,0 30,6 30,0 20,0 10,6 10,0 0,0 6,0 0,4 0,4 Ign/Branco Branca Preta Amarela Parda Indigena Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

39 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual, segundo faixa etária e sexo. Bahia, 2009 a ,00 53,00 50,00 40,00 30,00 23,5 28,0 21,9 Mas Fem 20,00 10,00 2,21 1,8 12,24 11,41 8,1 6,96 3,90 10,0 2,10 8,18 3,7 3,0 0,00 <1 ano 1 a 9 10 a a a a a 59 >60 Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

40 Proporção de atendimentos das vítimas da violência doméstica e sexual que disseram sofrer algum tipo de deficiência. Bahia, 2009 a ,4 3,3 1,4 Sim Física Mental outras 0,8 Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

41 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual, segundo local de ocorrência e sexo. Bahia, 2009 a Outros Indústrias/construção Comércio/Serviços Via pública Bar ou Similar Local de pratica esportiva Fem Mas Escola Habitação Coletiva Residencia 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

42 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual segundo sexo, que disseram sofrer violência de repetição. Bahia 2009 a ,00% 55,40% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 20,60% 24,10% 10,00% 0,00% sim não ignorado Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

43 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual, segundo características da violência e sexo.bahia, 2009 a ,0 74,2 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 27,6 MASC 20,0 10,0 0,0 11,0 3,5 5,9 13,6 4,1 0,3 0,3 4,9 1,8 1,3 1,6 2,4 0,3 0,1 0,7 0,1 0,0 0,1 FEM Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

44 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual, segundo meios de agressão e sexo. Bahia, 2009 a ,0 45,0 40,0 35,0 Título do Eixo 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 Objeto pérfuro cortante Enforcam ento Envenena mento Arma de fogo Força corporal Objeto contunden te Substânci a quente Ameaça Masc 13,2 0,6 1,9 25,0 33,9 7,5 1,3 4,3 4,5 Fem 11,6 2,1 2,4 7,8 46,6 6,1 1,6 17,5 4,7 Outros Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

45 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual que disseram sofrer violência auto provocada. Bahia, 2009 a ,00% 55,40% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 20,60% 24,10% 10,00% 0,00% sim não ignorado Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

46 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual segundo relação com o autor da violência e sexo. Bahia, 2009 a ,0 15,1 14,0 12,0 10,0 8,0 6,7 7,6 6,9 6,0 4,0 4,0 3,7 3,4 5,4 Masc Fem 2,0 0,0 1,1 1,3 0,5 1,7 0,2 1,8 1,7 0,2 0,3 0,0 Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

47 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual, segundo local de encaminhamento das vítimas e sexo. Bahia, 2009 a Outros Instituto Médico legal (IML) Centro de Referência da Assist. Social/CREAS/CRAS Centro de Referência da Mulher Ministério Público Outras delegacias Delegacia de Proteção a Criança e Adolescente Fem Masc Delegacia de Atenção a Mulher (DEAM) Programa Sentinela Casa Abrigo Vara da Infância/juventude Conselho Tutelar 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

48 Proporção de atendimentos de vítimas da violência doméstica e sexual, segundo evolução do caso e sexo. Bahia, 2009 a ,0 70,0 63,1 70,66 60,0 50,0 40,0 30,0 31,7 27,35 Masc Fem 20,0 10,0 0,0 Ign/Branco Alta Evasão/fuga Óbito por violência 0,5 4,6 0,72 1,14 0,2 0,17 Obito por outras causas Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

49

50 Número de atendimentos de vítimas da violência sexual, segundo faixa etária e sexo. Bahia, 2009 a Masc Fem < 1 Ano 1 a 9 10 a a a a a 59 >60 anos Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

51 Frequência de atendimentos de eventos relacionados a violência sexual por raça/cor, segundo municípios do estado. Bahia, 2009 a ,0 50,0 40,0 30,0 Mas Fem 20,0 10,0 0,0 Ign/Branco Branca Preta Amarela Parda Indigena Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

52 Proporção de atendimentos de vítimas da violência sexual, segundo local de ocorrência e sexo. Bahia, 2009 a ,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 Masc Fem 0,0 Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

53 Proporção de atendimentos das vítimas de violência sexual, segundo sexo e número de agressores, Bahia 2009 a ,0 81,5 80,0 70,0 70,3 60,0 50,0 40,0 Mas Fem 30,0 20,3 20,0 10,0 9,4 6,3 12,2 0,0 Ign/Branco Um Dois ou mais Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

54 Proporção de atendimentos das vítimas da violência sexual, segundo relação com a vítima e sexo. Bahia, 2009 a ,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 Mas Fem 10,0 5,0 0,0 Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

55 Proporção de atendimentos de vítimas da violência sexual que disseram ter utilizado contracepção de emergência. Bahia, 2009 a ,0 41,1 40,0 35,0 34,4 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 11,3 13,2 0,0 Ign/Branco Sim Não Não se aplica Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

56 Proporção de atendimentos das vítimas da violência sexual, segundo sexo que disseram ter utilizado procedimentos profiláticos. Bahia 2009 a Profilaxia DST 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 42,4 34,9 12,8 25,3 44,4 39,7 0,40,1 Profilaxia HIV 50,0 43,2 45,0 40,0 35,4 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 Masc 10,0 5,0 Fem 0,0 9,1 22,6 47,3 41,9 0,40,1 Masc Fem Profilaxia Hepatite B 50,0 41,6 40,0 37,4 49,0 46,0 30,0 20,0 10,0 0,0 16,5 9,1 0,40,1 Masc Fem Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB

57 Proporção dos atendimentos das vítimas de violência sexual que disseram ter sofrido conseqüências após o abuso. Bahia, 2009 a 2013 Gravidez ,86 4,73 39,79 28,63 Tentativas de suicídio DST 1,0 57,9 6,6 34,6 Ign/Branco Sim Não Não se aplica 50,0 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 42,8 39,9 6,6 5,2 48,9 44,0 6,66,1 Ign/Branco Sim Não Não se aplica Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB Mas Fem

58 Proporção de atendimentos de vítimas da violência sexual, segundo evolução do caso e sexo. Bahia, 2009 a Ign/Branco Alta Evasão/fuga Óbito por violência Fonte: VIVA/SINAN-NET/DIS/SESAB Obito por outras causas

59 FONTE:Sesab/Suvisa/Dis

60

61

62 NOTIFICAR Desafios Sensibilizar demais profissionais de saúde e outros para a notificação dos casos de violência doméstica e ou sexual; Ampliar/Implementar a notificação de casos de violência doméstica e/ou sexual pelas demais unidades do estado Preencher todos os campos da ficha e atentar para a qualidade dos dados; Formação de Redes

63 Obrigada! Codant: e (FAX) Observatório de Violência: (71)

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 INSTITUTO AVANTE BRASIL Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) De acordo com

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento Joaquim Valente jvalente@ensp.fiocruz.br Organização Geral Nível Local Nível Regional Nível Central Estadual Nível Central Federal Fluxo da Informação

Leia mais

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul *

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Marilene Dias Bandeira UFRGS - Fundação de Economia e Estatística Palavras-chave: mortalidade; causas de morte; tendências da mortalidade. O objetivo deste

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Feminicídios: a violência fatal contra a mulher

Feminicídios: a violência fatal contra a mulher Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil Leila Posenato Garcia*, Lúcia Rolim Santana de Freitas, Gabriela Drummond Marques da Silva, Doroteia Aparecida Höfelmann * Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo R E V I S T A LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA F U N D A M E N T A L Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo Fernando Portela Câmara 278

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia RELATÓRIO CONSOLIDADO 6º DIA DO CARNAVAL 2015 Salvador-BA Revisado 24-02-15 Das 18 horas de 12/02/2015 às 06 horas de 17/02/2015 foram consolidados/analisados pelo Observatório um total de 1126 atendimentos:

Leia mais

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Erradicação do Trabalho Infantil Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Estrutura do MTE para o Combate ao Trabalho Infantil a Serviço da Rede de Proteção à Infância.

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

4 Indicadores Sociais

4 Indicadores Sociais 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde 4.1.1 Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) - 1997 a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade Porto Alegre RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n.º 229/2015-SIC/DIREX/DPF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SIM -

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

No Brasil, principalmente até a década de 1970 investiu-se em hospitais onde, os olhos do poder público, enfatizavam somente o curativo.

No Brasil, principalmente até a década de 1970 investiu-se em hospitais onde, os olhos do poder público, enfatizavam somente o curativo. 7 DIMENSÃO SAÚDE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 7.1 Câmara Técnica de Saúde do Codep Desde os primórdios da história da civilização, a saúde era tratada somente como cura de doença. Com o passar dos tempos foi-se

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS Brasília, 18 de novembro de 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA,

Leia mais

5 anos da Lei Maria da Penha:

5 anos da Lei Maria da Penha: 5 anos da Lei Maria da Penha: 05 de Agosto Comemoramos nossas conquistas exigindo direitos para todas nós Cinco anos de Lei Maria da Penha: Comemoramos nossas conquistas e repudiamos as desigualdades!

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 18 de Maio Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Denuncie. Faça sua parte! Ficha Técnica União Norte Brasileira

Leia mais

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime Objetivo : Identificar, reconhecer, dar visibilidade e estimular o trabalho de ONGs que contribuem, em articulação com as políticas públicas de educação e de assistência social, para a educação integral

Leia mais

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas.

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas. UNESCO INTRODUÇÃO O presente documento sintetiza os resultados da análise dos dados de mortalidade por armas de fogo divulgados no Ministério da Saúde em 2 de setembro de 2005. A análise foi realizada

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

PRINCIPAIS RESULTADOS DA PNAD 2009:

PRINCIPAIS RESULTADOS DA PNAD 2009: PRINCIPAIS RESULTADOS DA PNAD 2009: TENDÊNCIAS E DESAFIOS Escritório da OIT no Brasil José Ribeiro 3ª Reunião Ordinária do FNPETI Brasília-DF, 27 de outubro de 2010 A PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36211 - FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC.

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf)

Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf) Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf) Uma das principais pesquisas já realizadas no Brasil sobre o assunto Exploração

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO/ SP 2014-2017

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO/ SP 2014-2017 PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO CLARO FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO/ SP 2014-2017 MARCO AURÉLIO MESTRINEL Secretário Municipal de Saúde/ Presidente da Fundação

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 57 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 58 Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 Anuário Estatístico do

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º22 CGDANT/DASIS/SVS/MS

NOTA TÉCNICA N. º22 CGDANT/DASIS/SVS/MS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Análise de Situação de Saúde Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, sala 148 - CEP 70.058-900 Tel. 61-3315 3419/ 3498

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DF SECRETÁRIO DR. RAFAEL DE AGUIAR BARBOSA SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE Visão Ter um sistema que a população conheça, preze e confie, sendo

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA FORTALEZA, 17 de junho de 2011. VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO PESQUISA: Violência

Leia mais

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC)

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL EM ENFERMAGEM - UFSC/UFPA/CAPES ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: FILOSOFIA, SAÚDE E SOCIEDADE Doutoranda:

Leia mais

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Daniel Cerqueira Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Mais de 60 mil pessoas são assassinadas a cada ano no Brasil; Há um forte viés de cor/raça nessas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH Criada para facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. Enfatiza a necessidade de mudanças de paradigmas no que se refere à percepção dos homens

Leia mais

Rosangela Peixoto Santa Rita. Maceió,, 05 de junho de 2008

Rosangela Peixoto Santa Rita. Maceió,, 05 de junho de 2008 A condição da criança a no espaço o penitenciário Rosangela Peixoto Santa Rita Maceió,, 05 de junho de 2008 Perfil Nacional Pesquisa 2006 Percentual de unidades femininas exclusivas e alas ou pavilhões

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais