Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente"

Transcrição

1 Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento Joaquim Valente

2 Organização Geral Nível Local Nível Regional Nível Central Estadual Nível Central Federal

3 Fluxo da Informação Hospital, IML, residência, rua - DO Cartórios Certidão de óbito Sepultamento Secretarias de Saúde

4 Preenchimento das DOs Problemas Erros de preenchimento Preenchimento incompleto História clínica mal contada

5 Problemas no SIM Cobertura da atenção de saúde Diagnóstico Padronização dos procedimentos Codificação Causa múltiplas Preenchimento incompleto

6 Problemas no SIM Validação Confiabilidade Estudos de confiabilidade

7

8 Tabnet

9 Tabnet Desvantagem Apenas duas variáveis podem ser selecionadas simultaneamente Uma terceira variável pode participar como variável de estratificação

10 Tabnet Salvar como planilha do Excel

11 Alternativa Baixar o próprio banco de mortalidade, contendo as variáveis para cada indivíduo que faleceu

12 Tabnet

13

14 Estrutura CD-rom SIM

15

16 Fatores de correção do sub-registro de óbitos, segundo faixa etária e sexo. Brasil, 1998 Grande Masc Fem Total Região < 1 ano 1,57 1,54 1,56 1 ano + 1,16 1,23 1,19 TOTAL 1,19 1,26 1,22

17 Fatores de correção do sub-registro de óbitos, segundo grande região e sexo. Brasil, 1998 Grande Masc Fem Total Região Norte 1,39 1,48 1,43 Nordeste 1,66 1,83 1,73 C-Oeste 1,09 1,16 1,12 Sudeste 1,02 1,04 1,03 Sul 1,03 1,05 1,04 BRASIL 1,19 1,26 1,22

18 Fatores de correção do sub-registro de óbitos, < 1 ano, segundo grande região e sexo. Brasil, Grande Masc Fem Total Região Norte 1,70 1,60 1,66 Nordeste 2,33 2,28 2,31 C-Oeste 1,23 1,28 1,25 Sudeste 1,08 1,07 1,07 Sul 1,14 1,14 1,14 BRASIL 1,57 1,54 1,56

19 Redistribuição dos códigos-lixo

20 Identificação e redistribuição dos códigos-lixo Certos códigos da Classificação Internacional das Doenças CID (10a. Revisão) são inespecíficos, não caracterizando precisamente a causa de óbito sendo, portanto, denominados de códigos-lixo.

21 Identificação e redistribuição dos códigos-lixo Para o projeto Carga de Doença no Brasil-1998 foi composta uma lista de códigos-lixo. O total de observações correspondeu a óbitos, ou 18,2% do total de óbitos corrigidos no Brasil.

22 Exemplo da redistribuição de códigos-lixo(5.384 óbitos) K92.0-Hematêmese K92.1-Melena K92.2-Hemorragia gastrointestinal SOE Redistribuídos dentre: K25 Úlcera gástrica K26 Úlcera duodenal K27 Úlcera péptica de localização não especificadada K28 Úlcera gastrojejunal K29 Gastrite e duodenite K70 Doença alcoólica do fígado K74 Fibrose e cirrose hepáticas

23 Proporção de causas mal definidas, segundo grandes regiões do Brasil Grandes regiões Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Brasil Proporção de causas mal definidas 25,5 31,8 10,1 7,8 10,9 17,9

24 Causas de óbito Causa básica de óbito Causas múltiplas Necrópsia verbal

25 Capítulo CID-9 I. Doenças infecciosas e parasitárias II. Neoplasmas III. Glând endócr, nutriç, metab e transt. imunit. IV. Doenças do sangue e dos órgaos hematopoétic. V. Transtornos mentais VI. Sistema nervoso e órgãos dos sentidos VII. Doenças do aparelho circulatório VIII.Doenças do aparelho respiratório IX. Doenças do aparelho digestivo X. Doenças do aparelho geniturinário XI. Complicações da gravidez, parto e puerpério XII. Doenças da pele e tecido celular subcutâneo XIII.Doenças sist.osteomuscular e tec.conjuntivo XIV. Anomalias congênitas XV. Algumas afecções origin.no período perinatal XVI. Sintomas, sinais e afecções mal definidas XVII.Causas externas

26 Capítulo CID-10 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias II. Neoplasias (tumores) III. Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár IV. Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas V. Transtornos mentais e comportamentais VI. Doenças do sistema nervoso VII. Doenças do olho e anexos VIII.Doenças do ouvido e da apófise mastóide IX. Doenças do aparelho circulatório X. Doenças do aparelho respiratório XI. Doenças do aparelho digestivo XII. Doenças da pele e do tecido subcutâneo XIII.Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo XIV. Doenças do aparelho geniturinário XV. Gravidez parto e puerpério XVI. Algumas afec originadas no período perinatal XVII.Malf cong deformid e anomalias cromossômicas XVIII.Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat XX. Causas externas de morbidade e mortalidade

Priorização em Saúde. Novembro/2015. Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão

Priorização em Saúde. Novembro/2015. Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão Priorização em Saúde Novembro/2015 Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão liviasouza.cav@gmail.com O que é prioridade? É possível definir prioridade em saúde? Por que definir prioridades

Leia mais

GT Saúde do Servidor Amostra Nacional Gestão do Absenteísmo-Doença entre Servidores Estaduais Biênio

GT Saúde do Servidor Amostra Nacional Gestão do Absenteísmo-Doença entre Servidores Estaduais Biênio Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Administração Pública Subsecretaria de Saúde, Segurança e Previdência dos Servidores GT Saúde do Servidor Amostra Nacional Gestão do Absenteísmo-Doença

Leia mais

aula 6: quantificação de eventos em saúde

aula 6: quantificação de eventos em saúde ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 6: quantificação de eventos em saúde Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Como quantificar eventos relacionados à saúde? O que medir? Como medir? Quando medir?

Leia mais

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul 6. SAÚDE 6.1 Introdução A mortalidade infantil e o perfil de morbidade são importantes indicadores das condições de saúde de grupos populacionais. Entretanto, as dificuldades na obtenção de estatísticas

Leia mais

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9 Tabela de conteúdo 1 Definição 2 Objectivo 3 Estrutura 4 Implementação 5 Publicações 6 Notas 7 Ver também 8 Data da criação desta página e data da última modificação significativa Definição 9ª revisão

Leia mais

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira VIII Fórum de Políticas Públicas e Saúde do Homem Brasília, 17 de novembro de 2015 Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira Prof. Dr. Luiz César Nazário Scala Diretor

Leia mais

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde MORBILIDADE HOSPITALAR SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2004 2005 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde 2004 2005 Direcção-Geral da Saúde Lisboa Maio 2007 Portugal.

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total 99.859 População por Gênero Masculino 50.346 Participação % 50,42 Feminino 49.513

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu DEMOGRAFIA População Total 91.340 População por Gênero Masculino 48.691 Participação % 53,31 Feminino

Leia mais

Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PROEXT) PUC-CAMPINAS

Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PROEXT) PUC-CAMPINAS Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PROEXT) PUC-CAMPINAS Boletim do Observatório de Políticas Públicas & Migrações da Região Metropolitana de Campinas (OPP-RMC) O perfil dos óbitos na RMC

Leia mais

INDICADORES DE MORTALIDADE - Porto Alegre

INDICADORES DE MORTALIDADE - Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Agravos e Doenças Não Transmissíveis SUMÁRIO

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

Boletim CEInfo. Ano XIII, nº 13, Junho/2014 SAÚDE

Boletim CEInfo. Ano XIII, nº 13, Junho/2014 SAÚDE Boletim CEInfo Ano XIII, nº, Junho/ SAÚDE Apresentação A Coordenação de Epidemiologia e Informação (CEInfo) da SMSSP, apresenta a ª edição do Boletim CEInfo em Dados, agora com novo nome Saúde em Dados

Leia mais

Cruzando as fronteiras da Cidade de São Paulo por motivo de saúde: subsídios para a construção das regiões de saúde envolvendo grandes centros urbanos

Cruzando as fronteiras da Cidade de São Paulo por motivo de saúde: subsídios para a construção das regiões de saúde envolvendo grandes centros urbanos Sessão de Comunicações Coordenadas Cruzando as fronteiras da Cidade de São Paulo por motivo de saúde: subsídios para a construção das regiões de saúde envolvendo grandes centros urbanos Autores: Marcos

Leia mais

Políticas Públicas de Segurança e Saúde dos Trabalhadores: FAP e desafios

Políticas Públicas de Segurança e Saúde dos Trabalhadores: FAP e desafios Secretaria de Previdência Social Departamento de Saúde e Segurança Ocupacional Políticas Públicas de Segurança e Saúde dos Trabalhadores: FAP e desafios dpso@previdencia.gov.br Fundamentação Legal - Art.1º

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS

A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS - A CID 10- Apresentação na reunião técnica do Grupo de Auditoria da Coordenação de Regiões da Saúde SES/SP Ruy Laurenti Julho 2012 CLASSIFICAÇÃO Distribuição por

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ABSENTEÍSMO POR DOENÇA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL E A PREVIDÊNCIA SOCIAL.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ABSENTEÍSMO POR DOENÇA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL E A PREVIDÊNCIA SOCIAL. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ABSENTEÍSMO POR DOENÇA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL E A PREVIDÊNCIA SOCIAL. Carolina de Souza Nogueira 1, Diego Costa Ferreira 2, Prof. Luiz Carlos Pires Montanha 3. 1,2 Alunos

Leia mais

Ideal de Saúde. Ideal de Saúde. Morte. Morte

Ideal de Saúde. Ideal de Saúde. Morte. Morte Conceito de Saúde e Doença O que é saúde? O que é doença? Doença Saúde Mundo impregnado por constantes opostos:. Se nunca ficássemos doentes, não saberíamos o que significa a saúde (Heráclito c.540-480

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

Ano V Set./2017. Adrieli L. Dias dos Santos, Paulo Henrique dos S. Grange, Prof. Dr. André Costa Lucirton e Prof.ª Gabriela Souza Assis

Ano V Set./2017. Adrieli L. Dias dos Santos, Paulo Henrique dos S. Grange, Prof. Dr. André Costa Lucirton e Prof.ª Gabriela Souza Assis Neste relatório serão apresentados dados e índices referentes à saúde na Região de Saúde (RS) de Ribeirão Preto/SP. Segundo o Ministério da Saúde (Decreto Nº 7.508, 2011) define-se como região de saúde

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2008

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2008 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SIM -

Leia mais

Revista Debate Econômico, v.1, n.1, p , jan/jun 2013 Página 78

Revista Debate Econômico, v.1, n.1, p , jan/jun 2013 Página 78 Mortalidade no município de Varginha em 1999 e 2009: análise das taxas específicas de mortalidade, esperanças de vida ao nascer e principais causas de óbito Renata Aparecida Cintra 1 Pamila Cristina Lima

Leia mais

GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação Internacional de

GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação Internacional de SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENTES EM GRUPOS DE DIAGNÓSTICOS HOMOGÉNEOS GDH GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação

Leia mais

Vigilância em saúde Vigilância das Doenças Crônicas não Transmissíveis Aula 1

Vigilância em saúde Vigilância das Doenças Crônicas não Transmissíveis Aula 1 Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto. Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia IV Vigilância em saúde Vigilância das Doenças Crônicas não Transmissíveis Aula 1 1 Vigilância das doenças

Leia mais

Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II

Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II AULA 4 Indicadores de saúde: como morrem as pessoas 2017-1 1 Mortalidade proporcional É a distribuição

Leia mais

Benchmarking em Cuidados Continuados: Clinical Governance para a melhoria da qualidade em saúde

Benchmarking em Cuidados Continuados: Clinical Governance para a melhoria da qualidade em saúde Lisboa 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Benchmarking em Cuidados Continuados: Clinical Governance para a melhoria da qualidade em saúde Hugo Lopes (hlopes@iasist.com) O B J EC TIVO S D O PROJEC TO Criar

Leia mais

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Milene ZS Vosgerau Indicadores epidemiológicos A construção de indicadores de saúde é necessária para: analisar a situação atual de saúde; fazer comparações;

Leia mais

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo R E V I S T A LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA F U N D A M E N T A L Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo Fernando Portela Câmara 278

Leia mais

15º - AUDHOSP ANO 2016

15º - AUDHOSP ANO 2016 15º - AUDHOSP ANO 2016 CID 11 DEBORAH PIMENTA FERREIRA Médica Equipe Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação SMS/SP Set/2016 Breve introdução à CID A CID (Classificação Estatística Internacional

Leia mais

Estudo comparativo do número de óbitos e causas de morte da mortalidade infantil e suas componentes ( )

Estudo comparativo do número de óbitos e causas de morte da mortalidade infantil e suas componentes ( ) Estudo comparativo do número de óbitos e causas de morte da mortalidade infantil e suas componentes (2009-2011) Versão 18 de Janeiro 2013 Paulo Jorge Nogueira Andreia Jorge Costa Cátia Sousa Pinto Maria

Leia mais

CLIMA E SAÚDE: VARIAÇÕES ATMOSFÉRICAS E ENFERMIDADES CIRCULATÓRIAS

CLIMA E SAÚDE: VARIAÇÕES ATMOSFÉRICAS E ENFERMIDADES CIRCULATÓRIAS CLIMA E SAÚDE: VARIAÇÕES ATMOSFÉRICAS E ENFERMIDADES CIRCULATÓRIAS Pedro Germano Murara Mestrando em Geografia Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) pmurara@gmail.com INTRODUÇÃO Margarete Cristiane

Leia mais

Mortalidade feminina e materna em Goiânia

Mortalidade feminina e materna em Goiânia Saúde integral para as mulheres Mortalidade feminina e materna em Goiânia CADERNO Copyright Grupo Transas do Corpo É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Mortalidade

Leia mais

Crianças e adolescentes: um perfil demográfico

Crianças e adolescentes: um perfil demográfico ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Crianças e adolescentes: um perfil demográfico Nº 20050601 Junho - 2005 Alcides Carneiro - IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro PREFEITURA

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010

Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010 Mário Pereira António Tavares Unidade de Vigilância Epidemiológica Departamento de Saúde Pública ARSLVT, IP Turcifal, 11 de Março -2010 Conteúdos O Território NUTS III A População Indicadores sócio-económicos

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade Geral, 2009 e 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade Geral, 2009 e 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

III JORNADA NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE

III JORNADA NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE III JORNADA NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE ANOS POTENCIAIS DE VIDA PERDIDOS POR VIOLÊNCIA E ESTIMATIVA DAS PERDAS ECONÔMICAS INDIRETAS POR VIOLÊNCIAS EM FORTALEZA NOS PERÍODOS 1981-1983 E 1999-2001 FORTALEZA

Leia mais

4 Indicadores Sociais

4 Indicadores Sociais 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde 4.1.1 Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) - 1997 a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por

Leia mais

Difusão de conhecimento e lendas urbanas: o caso das internações devidas às condições de saneamento

Difusão de conhecimento e lendas urbanas: o caso das internações devidas às condições de saneamento [www.reciis.cict.fiocruz.br] ISSN 1981-6278 Artigos originais Difusão de conhecimento e lendas urbanas: o caso das internações devidas às condições de saneamento DOI: 10.3395/reciis.v2i2.152pt Christovam

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DF SECRETÁRIO DR. RAFAEL DE AGUIAR BARBOSA SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE Visão Ter um sistema que a população conheça, preze e confie, sendo

Leia mais

Documento. 1.1 Secretário(a) de Saúde em Exercício Secretário em Exercício. Data da Posse: Secretário de Saúde Referente ao Ano do Relatório de Gestão

Documento. 1.1 Secretário(a) de Saúde em Exercício Secretário em Exercício. Data da Posse: Secretário de Saúde Referente ao Ano do Relatório de Gestão Secretaria Municipal de Saúde - NOVA IGUACU CNPJ: 29.138.278/1-5 RUA ANTONIO WILMAN, 23 Telefone: 213773337 - E-mail: saude@novaiguacu.rj.gov.br 26215-2 - NOVA IGUACU - RJ RELATÓRIO DE GESTÃO - PERÍODO

Leia mais

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Externas Marilene Dias Bandeira Setembro 2008 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO ALGUMAS

Leia mais

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade Porto Alegre RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

Análise do tempo de internação de pacientes de hospitais públicos municipais de São Paulo

Análise do tempo de internação de pacientes de hospitais públicos municipais de São Paulo Análise do tempo de internação de pacientes de hospitais públicos municipais de São Paulo Justificativa Marcelo Caldeira Pedroso; Alexandra Bulgarelli do Nascimento O hospital é um dos recursos mais onerosos

Leia mais

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SIM -

Leia mais

SAÚDE NO BRASIL

SAÚDE NO BRASIL SAÚDE NO BRASIL - 2009 Profa. Dra. Eliana Márcia Sotello Cabrera Departamento de Epidemiologia e Saúde Coletiva ATÉ O FINAL DO SÉCULO XIX: As principais causas de mortalidade: doenças infecciosas curto

Leia mais

ESPERANÇA DE VIDA E CAUSAS DE MORTE EM BELO HORIZONTE E NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE:

ESPERANÇA DE VIDA E CAUSAS DE MORTE EM BELO HORIZONTE E NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE: ESPERANÇA DE VIDA E CAUSAS DE MORTE EM BELO HORIZONTE E NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE: 1990-1999 Mirian Martins Ribeiro 1 Laura de Almeida Botega 2 Carla Jorge Machado 3 RESUMO Objetivo: Analisar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Clauceane Venzke Zell ÍNDICES DE MAGNITUDE, TRANSCENDÊNCIA, VULNERABILIDADE

Leia mais

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios.

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. Características demográficas do envelhecimento Vera Andrade, 2014 Pirâmide Etária Pirâmide

Leia mais

Saúde: Equilíbrio entre o Público e o Privado. Ligia Bahia

Saúde: Equilíbrio entre o Público e o Privado. Ligia Bahia Saúde: Equilíbrio entre o Público e o Privado Ligia Bahia Roteiro 1. Pontos de partida: da saúde para a saúde; da oferta de serviços de saúde públicos ou privados para os retornos em eficiência e eficácia;

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO Secretaria Municipal de Saúde - NOVA IGUACU CNPJ: 29.138.278/1-5 RUA ANTONIO WILMAN, 23 Telefone: 213773337 - E-mail: semus@semus.novaiguacu.rj.gov.br 26215-2 - NOVA IGUACU - RJ RELATÓRIO DE GESTÃO - PERÍODO

Leia mais

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a 2005 Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio INTRODUÇÃO As doenças respiratórias estão entre as principais

Leia mais

PORTO ALEGRE. Relatório da Mortalidade Geral em Porto Alegre

PORTO ALEGRE. Relatório da Mortalidade Geral em Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Perfil dos Pacientes Internados na Divisão de Pediatria do Hospital Universitário da UFSC ALEXANDRE SILVÉRIO 1

Perfil dos Pacientes Internados na Divisão de Pediatria do Hospital Universitário da UFSC ALEXANDRE SILVÉRIO 1 31 ARTIGO ORIGINAL Perfil dos Pacientes Internados na Divisão de Pediatria do Hospital Universitário da UFSC ALEXANDRE SILVÉRIO 1 RESUMO Objetivo: Conhecer o perfil nosológico dos pacientes internados

Leia mais

O tempo de permanência de pacientes em hospitais públicos municipais de São Paulo que demandaram transferência para serviços de referência

O tempo de permanência de pacientes em hospitais públicos municipais de São Paulo que demandaram transferência para serviços de referência O tempo de permanência de pacientes em hospitais públicos municipais de São Paulo que demandaram transferência para serviços de referência Justificativa Nascimento, A.B. A gestão em saúde concebida como

Leia mais

Aumento dos suicídios em 2014

Aumento dos suicídios em 2014 Causas de Morte 2014 23 de maio de 2016 Aumento dos suicídios em 2014 As doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de 30,7% dos óbitos registados em 2014, mais 2,4% do que no ano anterior. Devido

Leia mais

28/04/2011. Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG

28/04/2011. Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG Diagnóstico Multiaxial DSM-IV-TR PSICOPATOLOGIA Diagnóstico Multiaxial DSM-IV-TR Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG Envolve uma avaliação em diversos eixos Cada qual relativo a um diferente

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

ACES Póvoa de Varzim / Vila do Conde

ACES Póvoa de Varzim / Vila do Conde Perfil Local de Saúde 2009 ACES Póvoa de Varzim / Vila do Conde Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população

Leia mais

ACES Barcelos / Esposende

ACES Barcelos / Esposende Perfil Local de Saúde 2009 ACES Barcelos / Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de

Leia mais

ACES Gerês / Cabreira

ACES Gerês / Cabreira Perfil Local de Saúde 2009 ACES Gerês / Cabreira Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica

Leia mais

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 Palavras-chave: Idosos; Mortalidade do idoso; Distrito Federal; Periferia Metropolitana

Leia mais

Diferenciais de mortalidade entre homens e mulheres: Sul de Minas Gerais, 2002 e 2012

Diferenciais de mortalidade entre homens e mulheres: Sul de Minas Gerais, 2002 e 2012 DOI: 10.1590/1414-46X01500010005 Artigo Original Diferenciais de mortalidade entre homens e mulheres: Sul de Minas Gerais, 00 e 01 Mortality differences between men and women: South of Minas Gerais, in

Leia mais

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo Causas de Morte 23 de maio de 2017 Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo As doenças do aparelho circulatório continuaram a ser a principal causa de

Leia mais

ACES Nordeste. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Nordeste. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE GRADUAÇÃO NO CURSO EM ENFERMAGEM Modalidade Bacharelado

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE GRADUAÇÃO NO CURSO EM ENFERMAGEM Modalidade Bacharelado UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE GRADUAÇÃO NO CURSO EM ENFERMAGEM Modalidade Bacharelado

Leia mais

ACES Santo Tirso / Trofa

ACES Santo Tirso / Trofa Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

ACES Douro Sul. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Douro Sul. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

ACES Alto Tâmega e Barroso

ACES Alto Tâmega e Barroso Perfil Local de Saúde 2009 Tâmega e Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE II

INDICADORES DE SAÚDE II Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

A Mortalidade por Causas Externas e os Aspectos Socioeconômicos nos Bairros de Natal *

A Mortalidade por Causas Externas e os Aspectos Socioeconômicos nos Bairros de Natal * A Mortalidade por Causas Externas e os Aspectos Socioeconômicos nos Bairros de Natal * Elizangela de Assis UFRN Lára de Melo Barbosa UFRN Palavras-chave: mortalidade, causas externas, transição epidemiológica.

Leia mais

AS NOVAS REGRAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS REFERENTE AO RAT/SAT E O CÁLCULO DO FAP/NEXOS

AS NOVAS REGRAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS REFERENTE AO RAT/SAT E O CÁLCULO DO FAP/NEXOS XVII FISP - 2010 AS NOVAS REGRAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS REFERENTE AO RAT/SAT E O CÁLCULO DO FAP/NEXOS Jaques Sherique Eng. Mecânico e de Segurança do Trabalho sherique@gbl.com.br

Leia mais

Morbidade subjacente à concessão de benefício por incapacidade temporária para o trabalho Morbidity leading to temporary work disability

Morbidade subjacente à concessão de benefício por incapacidade temporária para o trabalho Morbidity leading to temporary work disability Rev Saúde Pública 2002;36(3):337-42 337 Morbidade subjacente à concessão de benefício por incapacidade temporária para o trabalho Morbidity leading to temporary work disability Bernadete M Boff a, Dóris

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca

Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca 264 Vol 17 N o 4 6 Artigo de Revisão Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca Francisco Manes Albanesi Filho Universidade do Estado do Rio

Leia mais

Plano Plurianual de Saúde Municipal

Plano Plurianual de Saúde Municipal MUNICIPIO DE CAMPINA DO SIMÃO Estado do Paraná SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE CONSELHO MUNICIPAL DE SAUDE Instrumento de Gestão do SUS Plano Plurianual de Saúde Municipal Período 2013 a 2017 Gestão 2013/2016

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

ACES Braga. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Braga. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE HOSPITALAR EM RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1972*

MORBIDADE E MORTALIDADE HOSPITALAR EM RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1972* MORBIDADE E MORTALIDADE HOSPITALAR EM RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1972* Juan Stuardo Yazlle Rocha ** RSPU-B/353 YAZLLE ROCHA, J. S. Morbidade e mortalidade hospitalar em Ribeirão Preto, SP (Brasil), 1972.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MORTALIDADE EM ADOLESCENTES BRASILEIROS DAS CAPITAIS DAS UNIDADES FEDERADAS

CARACTERÍSTICAS DA MORTALIDADE EM ADOLESCENTES BRASILEIROS DAS CAPITAIS DAS UNIDADES FEDERADAS CARACTERÍSTICAS DA MORTALIDADE EM ADOLESCENTES BRASILEIROS DAS CAPITAIS DAS UNIDADES FEDERADAS João Yunes * Edneia Primo ** YUNES, J. & PRIMO, E. Características da mortalidade em adolescentes brasileiros

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

João Paulo dos Reis Neto

João Paulo dos Reis Neto ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E INTERNAÇÕES POTENCIALMENTE EVITÁVEIS João Paulo dos Reis Neto Diretor-Técnico UNIDAS Condições sensíveis à atenção primária (CSAP) Compreendem grupos de problemas de saúde cujas

Leia mais

BOLETIM. Vol. 22 Janeiro - Abril 2001 CENTRO DA OMS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS EM PORTUGUÊS

BOLETIM. Vol. 22 Janeiro - Abril 2001 CENTRO DA OMS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS EM PORTUGUÊS BOLETIM Vol. 22 Janeiro - Abril 2001 CENTRO DA OMS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS EM PORTUGUÊS (CENTRO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS) ISSN 0110-5877 NOVO NOME DO CENTRO Atualmente, os 9 Centros

Leia mais

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil APRESENTAÇÃO No Brasil os homens vivem em média 7,2 anos menos do que as mulheres, segundo dados do IBGE em 2015, a expectativa de vida da população masculina

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO/ SP 2014-2017

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO/ SP 2014-2017 PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO CLARO FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO/ SP 2014-2017 MARCO AURÉLIO MESTRINEL Secretário Municipal de Saúde/ Presidente da Fundação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais