HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013"

Transcrição

1 HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 INSTITUTO AVANTE BRASIL Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho

2 VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) De acordo com uma avaliação global da ONU, de 2013, 35% das mulheres no mundo sofreram já sofreram violência física e/ou sexual por parceiro íntimo ou violência sexual por um não-parceiro. No entanto, alguns estudos nacionais sobre a violência mostram que até 70% das mulheres já experimentaram violência física e/ou sexual em sua vida perpetrada por um parceiro íntimo.

3 VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) Mulheres com idade entre 15 e 44 anos estão mais propensas ao risco de sofrer um estupro e de violência doméstica do que de sofrer de câncer, acidentes de viação, morrer na guerra ou malária, de acordo com dados do Banco Mundial. Mulheres em áreas urbanas são duas vezes mais propensas que os homens a sofrer violência, particularmente em países em desenvolvimento.

4 VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) Estima-se que de todas as mulheres mortas em 2012, quase metade delas foi morta por parceiros íntimos ou membros da família. Na Austrália, no Canadá, em Israel, na África do Sul e nos Estados Unidos, entre 40% e 70% das mulheres vítimas de assassinato foram mortas por seus parceiros, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Na Colômbia, uma mulher é declaradamente morta por seu parceiros ou ex-parceiro a cada seis dias.

5 VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) Os custos anuais de violência por um parceiro íntimo foram calculados em US$ 5,8 bilhões nos Estados Unidos em 2003 e GBP 22,9 bilhões na Inglaterra e no País de Gales em Um estudo de 2009 na Austrália estimou o custo da violência contra as mulheres e crianças em AUD 13,6 bilhões por ano. Uma estimativa recente dos custos da violência doméstica contra as mulheres a nível familiar para a economia do Vietnã sugere que ambos os gastos representam cerca de 1,4% do PIB naquele país.

6 VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) Subnotificação: Um estudo baseado em entrevistas com mulheres em todos os 28 Estados-Membros da União Europeia, revelou que apenas 14% das mulheres relatou para a polícia um incidente mais grave de violência por parte de um parceiro íntimo, e 13% relatou um incidente mais grave de violência ocasionado por um não-parceiro.

7 VIOLÊNCIA ÍNTIMA E FAMILIAR Não são apenas países subdesenvolvidos ou muito violentos que apresentam altas taxas de violência íntima e familiar. Como mostra o quadro a seguir, com dados do Escritório das Nações Unidas para as drogas e o crime, alguns países bastante pacíficos e ricos, apresentam altas taxas de homicídios de mulheres perpetrados por parceiro íntimo ou membros da família.

8 VIOLÊNCIA ÍNTIMA E FAMILIAR Países Ano Taxa de homicídios geral (por 100 mil hab.) Total de homicídios Porcentagem de homicídios de mulheres Porcentagem de homicídios de homens Porcentagem de homicidios intecionais de mulheres perpetrados por parceiros íntimos ou membors da família. Porcentagem de homicidios intecionais de homens perpetrados por parceiros íntimos ou membors da família. Islândia , % 0% 100% - Itália , ,1% 69,9% 73,3% 21,1% Reino Unido ,7% 70,3% 67,5% 13,7% Canadá , ,2% 69,8% 60,0% 14,4% Espanha , ,3% 65,7% 58,1% 12,2% África do Sul ,1 15,5% 84,5% 57,1% - Índia ,5 40,8% 59,2% 54,8% - EUA , ,2% 78,8% 51,8% 9,7% Jamaica , ,5% 89,5% 26,1% 7,0% Chile , ,1% 81,9% 7,8% 2,5% El Salvador , ,0% 89,0% 4,0% 0,3% Fonte: UNODC-ONU

9 VIOLÊNCIA ÍNTIMA E FAMILIAR Na Itália, que em 2011apresentou uma taxa de 0,9 mortes por 100 mil habitantes, em um total de 530 homicídios, 30,1% do total de mortes foram de mulheres. Desse percentual, 73,3% foi vítima de violência por parte de parceiro íntimo ou membro da família. Reino Unido e Canadá tiveram um cenário parecido. Uma porcentagem muito próxima da África do Sul, um dos países mais violêntos do Mundo, que em 2009 registrou 33,1 mortes por 100 mil habitantes e mais de 16 mil homicídios. No total, entretanto, apenas 15% eram mulheres e dentro desse percentual, 575 haviam sido assassinas por um parceiro íntimo ou membro da família.

10 VIOLÊNCIA ÍNTIMA E FAMILIAR A Islândia também teve um cenário interessante. O único homicídio registrado em 2012, foi de uma mulher, vítima de um parceiro íntimo ou membro da familia. Outro exemplo interessante é o de El Salvador. O país, devastado pela criminalidade, e anualmente uma das mais altas taxas de homicídio do mundo tem um índice mais baixo de mulheres vítimas de homicídios por parceiro íntimo ou membro da família. Apenas 4% do total de mulheres assassinadas tiveram como algoz o parceiro ou familiar.

11 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E URBANA GLOBAL Apesar de alguns países muito violentos apresentarem baixos índices de violência doméstica, não se pode afirmar, de forma alguma, que a violência contra a mulher é mais branda. Além de muitas vezes as informações estatísticas acerca desse tipo de violência ser muito mais escassa, a violência urbana também é cruel e quando não mata, deixa expostas feridas físicas e psicológicas em suas vítimas. Devemos também levar em conta a abertura para uma mulher falar sobre violência doméstica. Em muitas sociedades, a mulher ainda é vista como propriedade, seja do pai, irmão ou marido, e denunciars seu agressor, não é uma opção.

12 HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 Em 2013 ocorreram mortes de mulheres por meios violentos no Brasil, ou seja, 4,7 mortes para cada grupo de 100 mil mulheres. Entre 1996 e 2013 houve um crescimento de 29,3% nas mortes. 53% das mulheres vítimas de homicídios estão situadas na faixa etária entre 20 e 39 anos; 61% do total dessas vítimas são negras (pretas e pardas), outras 33% são brancas.

13 EVOLUÇÃO DOS HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL Fontes: Dataus e IBGE

14 CAUSAS DAS MORTES POR AGRESSÃO NO BRASIL 6% 12% Disparo de arma de fogo ( de mão, maior calibre e não específicada) Objeto perfuro-cortante 8% 49% Objeto contundente 25% Enforcamento, estrangulamente ou sufocação Outros meios Fonte: DATASUS

15 CAUSAS DAS MORTES POR AGRESSÃO NO BRASIL Cerca de 49% das mortes foram causadas por armas de fogo, outros 25% por objetos perfuro-cortantes.

16 EVOLUÇÃO DA TAXA DE MORTES POR 100 MIL MULHERES POR REGIÃO DO BRASIL 6,4 6,8 6,0 5,4 5,6 4,6 4,7 4,0 3,5 3,5 4,1 3, Região Centro- Oeste Região Norte Região Nordeste Região Sul Região Sudeste BRASIL Fontes: Dataus e IBGE

17 NÚMERO DE ÓBITOS POR REGIÃO DO BRASIL Região 1996 População Taxa por 100 mil mulheres 2013 População Taxa por 100 mil mulheres Evolução (mortes absolutas) (%) Evolução (mortes por 100 mil mulheres) (%) Região Centro-Oeste , ,8 52,5 6,4 Região Norte , ,0 124,6 49,4 Região Nordeste , ,4 95,4 57,4 Região Sul , ,1 44,4 17,8 Região Sudeste , ,7-16,4-33,5 Fonte: Dataus, IBGE

18 REGIÕES MAIS VIOLENTAS NO BRASIL PARA AS MULHERES EM 2013 A região Centro-Oeste concentrou o maior número proporcionais de mortes violentas entre as mulheres, seguida das Regiões Norte e Nordeste. Já o Sudeste, apesar de ainda ser a Região com maior número de mortes absolutas, foi a única que apresentou queda na sua taxa, tanto nos números absolutos como nos proporcionais, entre 1996 e O Nordeste teve a maior alta nas mortes proporcionais do período, crescendo 57%. Já o Norte teve uma evolução de 124% nos números absolutos.

19 EVOLUÇÃO DA TAXA DE MORTES DE MULHERES- POR ESTADO ,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 - Fontes: Dataus e IBGE

20 NÚMERO DE ÓBITOS POR ESTADO Unidade da Federação 1996 População Taxa de mortes por 100 mil mulheres 2013 População Taxa de mortes por 100 mil mulheres Evolução de mortes absolutas (%) Evolução das mortes por 100 mil mulheres (%) Roraima , ,2 100,0 0,8 Espírito Santo , ,9 39,0 1,9 Goiás , ,4 127,7 59,9 Alagoas , ,4 102,9 61,7 Acre , ,3 113,3 32,8 Paraíba , ,3 18,9 0,7 Ceará , ,2 231,0 158,4 Rondônia , ,9 16,3-18,1 Pará , ,9 194,9 104,6 Mato Grosso do Sul , ,8-5,1-29,3 Mato Grosso , ,8 3,4-27,9 Bahia , ,5 139,2 100,5 Tocantins , ,5 90,5 34,1 Pernambuco , ,4 4,5-15,7 Distrito Federal , ,3 50,0-2,9 Amapá , ,2 18,8-38,5 Rio Grande do Norte , ,2 154,3 94,6 Amazonas , ,1 190,9 83,6 Paraná , ,1 85,0 50,8 Sergipe , ,0 86,7 38,1 Rio de Janeiro , ,6-40,7-51,1 Minas Gerais , ,1 130,8 87,6 Maranhão , ,8 322,6 224,0 Rio Grande do Sul , ,7 9,4-5,8 Santa Catarina , ,1 52,2 12,1 Piauí , ,9 235,7 181,9 São Paulo , ,8-35,3-49,5 Total , ,7 29,3 1,3 Fonte: Datasus, IBGE

21 NÚMERO DE ÓBITOS POR ESTADO Roraima é o estado com o maior número de mortes proporcionais, 15 para cada grupo de 100 mil mulheres. São Paulo é o estado com o maior número de morte absolutas, porém o menos violento em termos proporcionais. Rondônia, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pernambuco, Distrito Federal, Amapá, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo foram os estados que apresentaram queda no número de mortes entre 1996 e 2013.

22 FAIXA ETÁRIA DAS VÍTIMAS 7% 4% 2% 1% 1% 1% 3% 14% Menor 1 ano 1 a 4 anos 5 a 9 anos 14% 10 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 29% 40 a 49 anos 24% 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 ou mais Idade ignorada Fonte: DATASUS

23 FAIXA ETÁRIA DAS VÍTIMAS 29% das mulheres vítimas de homicídios estão situadas na faixa etária entre 20 e 29 anos; 24% tem entre 30 e 39 anos; 14% são garotas de 15 a 19 anos.

24 COR/RAÇA DAS VÍTIMAS 54% 1% 5% 33% 7% Branca Preta Amarela Parda Indígena Ignorada 0% Fonte: DATASUS

25 COR/RAÇA DAS VÍTIMAS 61% do total dessas vítimas são negras (pretas e pardas), outras 33% são brancas.

26 TEMPO DE ESCOLARIDADE DAS VÍTIMAS 30% 4% 13% Nenhuma escolaridade 1 a 3 anos 4 a 7 anos 4% 30% 8 a 11 anos 12 anos ou mais 19% Ignorado Fonte: DATASUS

27 TEMPO DE ESCOLARIDADE DAS VÍTIMAS 30% das mulheres vítimas de homicídios tem escolaridade entre 4 e 7 anos de estudo, outros 19% estiveram na escola entre 8 e 11 anos.

28 ESTADO CIVIL DAS VÍTIMAS 13% 4% 5% 12% 6% 60% Solteira Casada Viúva Separada judicialmente Outro Ignorado Fonte: DATASUS

29 ESTADO CIVIL DAS VÍTIMAS EM % das mulheres vítimas de homicídios em 2013 eram solteiras, outras 13% eram casadas.

30 PROJEÇÃO DE MORTES DE MULHERES NO BRASIL Na última década ( ), o crescimento foi de 24,3% no número absoluto de homicídios, vez que em 2004 constatou-se mortes e, 4.762, em Portanto, para esta última década, a média de crescimento anual de homicídios é de 1,99%. A partir desta média de crescimento anual (1,99%), é possível projetar estatisticamente o número de homicídios que ocorrerão no ano de Utiliza-se a média da última década ( ) para o cálculo, ao invés de toda a série histórica ( ), por se tratar do período que mais se aproxima da atual realidade socioeconômica. Assim, com a média de crescimento de 1,99% ao ano, foi obtida a seguinte estimativa para o ano de 2015: homicídios. Ou seja, a matança de: mulheres por mês - 14 mortes por dia - 1 morte por hora

31 PROJEÇÃO DE MORTES VIOLENTAS DE MULHERES Ano Homicídios Mudança Percentual Média Crescimento Média Crescimento Anual Total Acumulado a parar de Anual Anual ) ( ) 1980 até ,90% ,67% ,56% ,12% ,73% ,87% ,56% ,65% ,75% ,28% ,49% ,03% ,30% ,24% ,16% ,74% ,58% 4,13% Dados reais atualizados de acordo com o DATASUS ,89% ,82% ,85% ,89% ,42% ,81% ,72% ,41% ,55% ,22% ,65% ,89% 1,99% ,81% ,05% ,59% ,91%

32 PROJEÇÃO DE MORTES VIOLENTAS DE MULHERES Mortes por Mês Mortes por Dia Mortes por Hora Projeção calculada com base na Média de Crescimento Anual de 2004 a 2013

33 470 MIL MORTES VIOLENTAS DE MULHERES ATÉ 2060 Em 2015, provavelmente teremos um total de 115 mil mortes acumuladas desde Se o padrão de crescimento no número de mortes continuar igual, até 2060 teremos quase meio milhão de mulheres mortas desde 1980, mais precisamente 478 mil mortes. No ano de 2060, poderemos chegar a mais de12 mil mortes, caso nenhuma providência para conter essa tragédia seja tomada.

34 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Em 2013, 1290 mulheres foram assassinadas dentro de casa, o que significa que 27% das mulheres assassinadas no ano de 2013, podem ter sido vítimas de violência doméstica, mais de 1 em cada 4. A maioria delas (36%) foi morta por agressão com objetivos cortantes ou perfurantes, seguido das armas de fogo (35%) e estrangulamento ou sufocação (10%).

35 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Outro dado interessante, que pode denunciar a violência doméstica é que 43% de todas as mulheres assassinadas em 2013 por estrangulamento ou sufocação, foram mortas no ambiente domiciliar. Entre aquelas vitimadas por objetos cortantes ou penetrantes, 38% morreram em residências. As mortes por armas de fogo na residência, corresponderam a 19% do total desta causa. O assassinatos por meio de estrangulamento e sufocação e objetos perfuro-cortantes, como facas e tesouras, são típicos de rompantes de impulsividade ou de crueldade, comuns em crimes com teor passional.

36 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Mortes por tipo de agressão Objeto cortante ou penetrante Estrangulamento ou sufocação Disparo por arma de fogo Outros 10% 19% 36% 35% Fonte: DATASUS

37 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Entre as mulheres que foram assassinadas em casa, 49% era oficialmente solteira e 17% eram casadas; Do total 52% eram negras e 40% brancas; Na faixa etária dos 20 a 49 anos (60%); a faixa etária com maior percentual foi entre 30e 39 anos (23%). A maioria delas tinha entre 4 e 7 anos de estudo (19%).

38 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Estado civil das mulheres assassinadas em residência Solteiro Casado Viúvo Separado Outros/ignorado 19% 7% 49% 7% 18% Fonte: DATASUS

39 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Faixa etária das mulheres assassinadas em domicílio 3% 1% 2% 11% 13% 9% Menor de 1 ano 1 a 9 anos 16% 22% 10 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 20 anos 30 a 39 anos 23% 40 a 49 anos 50 a 59 anos Mais de 60 Fonte: DATASUS

40 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Raça/ cor das mulheres assassinadas em domicílio Negras Brancas Indígenas Amarelas Ignorado 2% 1% 4% 40% 53% Fonte: DATASUS

41 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Local onde ocorreu a morte das mulheres assassinadas por região Região/Unidade da Federação Hospital Outro estabelecimento de saúde Domicílio Via pública Outros Ignorado Total Região Sudeste Região Nordeste Região Sul Região Norte Região Centro-Oeste Fonte: Datsus

42 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FEMINICÍDIO Local onde ocorreu a morte das mulheres assassinadas por região Região/Unidade da Federação Hospital Outro estabelecimento de saúde Domicílio Via pública Outros Ignorado Total São Paulo Minas Gerais Rio de Janeiro Bahia Paraná Rio Grande do Sul Goiás Pará Pernambuco Ceará Santa Catarina Espírito Santo Amazonas Mato Grosso Maranhão Mato Grosso do Sul Rio Grande do Norte Paraíba Roraima Alagoas Piauí Rondônia Sergipe Tocantins Distrito Federal Acre Amapá Total Fonte: Datasus

43 INTERNAÇÕES DE MULHERES NO SUS POR AGRESSÃO E acordo com dados do Dataus, só entre janeiro e junho de 2015 já foram registradas internações de mulheres vítimas de agressão, no Sistema Único de Saúde SUS. Em 2014 foram e em 2013 os registros marcaram internações.

44 INTERNAÇÕES DE MULHERES NO SUS POR AGRESSÃO Morbidade Hospitalar do SUS por Causas Externas - por local de internação - Brasil Agressões Ano processamento Total Janeiro a Junho de Fonte: Datsus

45 ATENDIMENTOS DO SUS EM SINAN Em 2013, sistema de registros de atendimento médico do SUS registrou atendimentos a mulheres que foram vítimas de violência doméstica, sexual ou outros tipos de violência. O número de homens atendidos pelo sistema para as mesmas causas, foi menos da metade, , no mesmo período.

46 ATENDIMENTOS DO SUS EM SINAN VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, SEXUAL E/OU OUTRAS VIOLÊNCIAS - Sinan Atendimentos do SUS em 2013 Sexo Freqüência de atendimento Feminino Masculino Ignorado Total

47 ATENDIMENTOS DO SUS EM SINAN VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, SEXUAL E/OU OUTRAS VIOLÊNCIAS - Sinan 2013 Freqüência de atendimento por Faixa Etária Sexo: Feminino Faixa Etária Freqüência <1 Ano e mais Ign/Branco 32 Total

48 ATENDIMENTOS DO SUS EM SINAN A faixa etária mais vitimizada em termos de atendimento para esse tipo de violência foram as mulheres entre 20 e 29 anos de idade. Seguida pelas de 30 a 39 e 15 a 19 anos. Dentre as atendidas, a maioria (81.221) tiveram como local de ocorrência suas residências. Quase 5 X mais que a segunda opção, a via pública ( ). Foram excluídos os locais ignorados.

49 ATENDIMENTOS DO SUS EM SINAN VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, SEXUAL E/OU OUTRAS VIOLÊNCIAS Freqüência por Local ocorrência e Faixa Etária Local ocorrência <1 Ano 1 a 4 5 a 9 10 a a a a a a e mais Ign/ Branco Total Residência Habitação Coletiva Escola Local de pratica esportiva Bar ou Similar Via pública Comércio/Serviços Indústrias/construção Outros Total

50 ATENDIMENTOS DO SUS EM SINAN De acordo com os dados do SINAN, as faixas etárias que são mais frequentemente vítimas de violência doméstica, sexual e outras violências, dentro das residências estão entre 20 e 39 anos. Em via pública, em sua maioria, as mulheres estão entre 15 e 29 anos.

51 ATENDIMENTOS DO SUS EM 2013 VIOLÊNCIA FÍSICA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, SEXUAL E/OU OUTRAS VIOLÊNCIAS - Sinan Freqüência de atendimento de violência física por Faixa Etária e Local ocorrência Sexo: Feminino Período:2013 Faixa Etária Residênci a Habitaçã o Coletiva Escola Local de pratica esportiva Bar ou Similar Via pública Comércio/ Serviços Indústrias/ construção Outros Ignorado Em Branco Total Ign/ Branco <1 Ano e mais Total

52 ATENDIMENTOS DO SUS EM 2013 VIOLÊNCIA FÍSICA Conforme dados do SINAN, cerca de 83 mil mulheres chegaram aos postos do SUS depois de sofrerem violência física, representando 75% da violência sofrida pelas mulheres que deram entrada em atendimentos, com causas conhecidas. A violência física ocorreu principalmente entre mulheres de 20 a 39 anos nas residências e, em menor parte, em via pública.

53 ATENDIMENTOS DO SUS EM TORURA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, SEXUAL E/OU OUTRAS VIOLÊNCIAS - Sinan Freqüência de atendimento de tortura por Faixa Etária e Local ocorrência Sexo: Feminino Período:2013 Faixa Etária Residência Habitação Coletiva Escola Local de pratica esportiva Bar ou Similar Via pública Comércio/ Serviços Indústrias/ construção Outros Ignorado Em Branco Total <1 Ano e mais Total

54 ATENDIMENTOS DO SUS EM TORTURA Também chegaram ao atendimento do SUS, em 2013, quase 4 mil casos de tortura entre as mulheres. A faixa etária mais vitimizada também também foram as mulheres entre 20 e 29 anos de idade e 30 a 39 anos de idade. As resididências foram o local em que aconteceu a maioria dos casos, especialmente entre mulheres de 30 a 39 anos.

55 ATENDIMENTOS DO SUS EM 2013 VIOLÊNCIA SEXUAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, SEXUAL E/OU OUTRAS VIOLÊNCIAS - Sinan Freqüênciade atendimento para violência sexual por Faixa Etária e Local ocorrência Sexo: Feminino Período:2013 Faixa Etária Residência Habitação Coletiva Escola Local de pratica esportiva Bar ou Similar Via pública Comércio /Serviços Indústrias / construçã o Outros Ignorado Em Branco Total Ign/Branco <1 Ano e mais Total

56 ATENDIMENTOS DO SUS EM 2013 VIOLÊNCIA SEXUAL Em 2013, de acordo com o SINAN, deram entrada nos atendimentos do SUS, depois de sofrer violência sexual, mais de 21 mil mulheres. Do total, em 58% dos casos, a violência ocorreu na residência. Ao contrário da violência física e da tortura, as principais vítimas da violência sexual foram meninas entre 10 e 14 anos, sendo que 64% tiveram como local da ocorrência a residência. Entre as crianças de 5 a 9 anos que chegaram após terem sido vitimas de violência sexual, 75% teve como local da ocorrência a residência.

57 FONTES DA PESQUISA UNODC- Escritório das Nações Unidas para as Drogas e o Crime. DATASUS - Sistema de informação do Ministério da Saúde Estatísticas Vitais. DATASUS - Sistema de informação do Ministério da Saúde Epidemiólogicas e Morbidade. SINAN/SVS Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Secretaria de Vigilância em Saúde.

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Feminicídios: a violência fatal contra a mulher

Feminicídios: a violência fatal contra a mulher Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil Leila Posenato Garcia*, Lúcia Rolim Santana de Freitas, Gabriela Drummond Marques da Silva, Doroteia Aparecida Höfelmann * Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

Criminalidade no Brasil

Criminalidade no Brasil Criminalidade no Brasil Instituto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenação e elaboração de pesquisa: Flávia Mestriner Botelho De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Instituto Avante Brasil Diretor-Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Janeiro de 2014

Instituto Avante Brasil Diretor-Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Janeiro de 2014 Instituto Avante Brasil Diretor-Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Janeiro de 2014 SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO: EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Daniel Cerqueira Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Mais de 60 mil pessoas são assassinadas a cada ano no Brasil; Há um forte viés de cor/raça nessas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Sentiram discriminação...

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos.

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 5.4 Transplantes Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 1 Rim Entre 1995 e 2001, o número de transplantes renais realizados anualmente cresceu cerca de 66,7% no país (TABELA 150).

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n.º 229/2015-SIC/DIREX/DPF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação

Leia mais

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas.

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas. UNESCO INTRODUÇÃO O presente documento sintetiza os resultados da análise dos dados de mortalidade por armas de fogo divulgados no Ministério da Saúde em 2 de setembro de 2005. A análise foi realizada

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55 Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo...... 55 Distribuição relativa (%) de imigrantes bolivianos no Estado de São Paulo em 20 I O..._... 62 Distribuição relativa

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2012 Ano I - nº 01 até semana epidemiológica 52ª - dezembro de 2012 Sumário Apresentação... 03 Introdução... 05 HIV e Aids no Brasil... 06

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Os conflitos armados no âmbito global e a violência no Brasil

Os conflitos armados no âmbito global e a violência no Brasil Este material é parte do material de divulgação do relatório Situação Mundial da Infância 2005, lançado pelo UNICEF no dia 9 de dezembro de 2004. Aqui você vai encontrar dados sobre a situação da infância

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

ONU: 50 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2012. Isto equivale a 10% dos homicídios no mundo

ONU: 50 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2012. Isto equivale a 10% dos homicídios no mundo ONU: 50 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2012. Isto equivale a 10% dos homicídios no mundo 10/04/2014 Manifestação dos movimentos sociais em frente ao Fórum Cível de Marabá, no Pará, contra

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS Ministério da Justiça Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Formação de Pessoal em Segurança Pública DIAGNÓSTICO DA CRIMINALIDADE 24 Evolução dos

Leia mais

Classificação dos Países

Classificação dos Países Indicadores Sociais: Os indicadores sociais são meios utilizados para designar os países como sendo: Ricos (desenvolvidos), Em Desenvolvimento (economia emergente) ou Pobres (subdesenvolvidos). Com isso,

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2009 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2010 2010. Ministério

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Salvador / Ba 2010 Superintendência de Estudos Sociais da Bahia - SEI Diretoria de Pesquisas DIPEQ Coordenação de Pesquisas Sociais COPES RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Workshop: A Base de

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Autoavaliação

Leia mais

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás O QUE É Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento 1 QUEM SÃO Total de Pessoas: 12.023.703 84% Rural 16% Urbano Total: 10.091.409 Total:

Leia mais

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF)

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) O BOXPLOT Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) Introdução O boxplot é um gráfico construído com base no resumo dos cinco números, constituído por: Valor mínimo Primeiro quartil

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

RIO ACOLHEDOR I - PACIÊNCIAUNIDADE MUNICIPAL DE REINSERÇÃO SOCIAL. PERFIL DOS ACOLHIDOS: Uso de crack e outras drogas e Estado de origem.

RIO ACOLHEDOR I - PACIÊNCIAUNIDADE MUNICIPAL DE REINSERÇÃO SOCIAL. PERFIL DOS ACOLHIDOS: Uso de crack e outras drogas e Estado de origem. RIO ACOLHEDOR I - PACIÊNCIAUNIDADE MUNICIPAL DE REINSERÇÃO SOCIAL PERFIL DOS ACOLHIDOS: Uso de crack e outras drogas e Estado de origem. APRESENTAÇÃO 1. PERFIL DE ACOLHIDOS USUARIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo...

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf)

Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf) Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf) Uma das principais pesquisas já realizadas no Brasil sobre o assunto Exploração

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais