PROGRAMA INOVA EMPRESA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA INOVA EMPRESA"

Transcrição

1 PROGRAMA INOVA EMPRESA Alvaro Toubes Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - MCTI CXX Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Brasília, 10 de abril de 2013

2 Ambiente econômico XI Congresso Brasileiro de Gestão Educacional & III Congresso Internacional de Gestão Educacional

3 Dias Necessários para Iniciar uma Empresa Measuring Innovation: A New Perspective - OECD 2010

4 Science, Technology and Innovation for Sustainable Development Dispêndio em P&D (% PIB) 1,16 (2010) * Brazil: estimate for 2010 Sources: National Main Science and Technology Indicators, 2009/1 - OECD; Brazil: MCT; Chile and India: World Development Indicators, The World Bank

5 Inovação: Falta de Protagonismo da Empresa Dispêndio Público e Privado em P&D (% PIB) Empresas Governo Fonte: * estimativa

6 Brasil precisa de Engenheiros! Brasil: 1,95 Engenheiros por 10 mil habitantes

7 Science, Technology and Innovation for Sustainable Development Doutorados concedidos por milhão de habitantes Sources: Capes/MEC and IBGE for Brazil; Science and Engineering Indicators 2010 (data for 2006); U.S. Census Bureau, International Database

8 Participação (%) dos setores intensivos em recursos naturais na exportação dos países, 2005 Agropecuária Extração mineral Petróleo e álcool Madeira Papel e celulose Prod. de Min. Ñ Met. Fonte: BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36, 2007 Alimentos e bebidas

9 Participação (%) dos setores intensivos em tecnologia diferenciada e baseada em ciência na exportação dos países, 2005 Máq. e equipamentos Máq. Escritório e informática Aparelhos elétricos Mat. Eletrônico/Comunicações Instr. Médicos e ópticos Aviação/Ferrov./Emb./Malas Fonte: BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36, 2007

10 Principais Produtos Exportados Brasil (2011) Minérios de Ferro e seus Concentrados 16,3 % Soja (Grão e Óleo) 8,6 % Óleos Brutos de Petróleo 8,4 % Açúcar (Bruto e Refinado) 5,8 % Carnes (Frango e Boi) 4,4 % Café 3,1 % Total: 46,6 % Exportações de Aviões: 1,5 % Fonte: Anuário Estatístico MDIC

11 Inovação e desenvolvimento econômico Brasil - Balança Comercial (US$ milhões FOB)

12 Sistema Federal de C&T&I Ciência&Tecnologia/Rec. Humanos MCTI Tecnologia e Inovação MEC Pós-graduação MDIC Banco de Desenvolvimento

13 FINEP Linhas de Atuação Agência de Fomento de C&T Financiamento não-reembolsável de C,T&I Instituições sem fins lucrativos Banco de Fomento Crédito Reembolsável c/ juros subsidiados Financia projetos de inovação em empresas

14 Linhas Reembolsáveis Empréstimos subsidiados dados à empresas com Foco na inovação tecnológica. Linha Não-reembolsável FUNTEC Apoio Financeiro a Projetos que estimulam o Desenvolvimento Tecnológico e Inovação.

15 SERVIÇOS/INSTRUMENTOS TECNOLÓGICOS SBRT: Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas SIBRATEC: Serviços Tecnológicos Extensão Tecnológica Centros de Inovação EMBRAPII: INT Energia e Saúde IPT Nanobiomanufatura SENAI/CIMATEC Automação e Manufatura Incubadoras de Empresas Parques Tecnológicos

16 Redes Temáticas de Serviços Tecnológicos 20 Redes SIBRATEC de Serviços Tecnológicos Produtos para a saúde Insumos farmacêuticos, medicamentos e cosméticos Sangue e hemoderivados Análises físico-químicas e microbio p/ alimentação Biotecnologia Saneamento e abastecimento d água Radioproteção e dosimetria Equipamentos de proteção individual Produtos e dispositivos eletrônicos TIC aplicáveis às novas mídias: TV Digital, comunicação sem fio, internet Geração, transmissão e distribuição de energia Componentes e produtos da área de defesa e segurança Biocombustíveis Produtos de manufatura mecânica Produtos de setores tradicionais: têxtil, couro e calçados, madeira e móveis Instalações prediais e iluminação pública Monitoramento ambiental Transformados plásticos Gravimetria, orientação magnética, intensidade de campo magnético e compatibilidade eletromagnética Resíduos e Contaminantes em Alimentos

17 Redes Estaduais de Extensão Tecnológica 22 Redes Estaduais SIBRATEC de Extensão Tecnológica FDB; FUCAPI; FUA; INPA; UEA; IFAM; Embrapa/CPAA; CBA/; IDAM; SENAI/AM; SECT/AM; FAPEAM; SEBRAE-AM FADESP; SENAI/PA; UFPA, UEPA, CPATU, IFPA, SEDECT/PA FAPESPA IEL/RO; SENAI/RO; IPEPATRO; Embrapa-RO/CEPAFRO; IJN; FIMCA; SEPLAN; SEBRAE/RO IEL/TO; SENAI/TO; UNITINS; UFT; SECT/TO FUNDETEC; SENAI/PI; IFPI; FUESPI; SEBRAE/PI; SEDET/PI FCPC; NUTEC; UFC; CENTEC; INDI/CE; IFCE; Agropolos; BNB; SECITECE; FUNCAP; SEBRAECE FUNPEC; SENAI; UFRN; IFRN UERN; SENAI/CTGÁS; SEDEC FJA; SENAI/PB; UFPB; IFPB; SECTMAPB IEL/PE; ITEP; UFPE; SECTMA-PE NGPD; SENAI/PE; SEBRAE/PE,NECTAR IEL/AL; SENAI/AL; UFAL; UNEAL; FIEA, FAPEAL, SEBRAE/AL, SECTI/AL SECITEC; SENAI/ FUFMT; IFMT; UNEMAT; INT; SEBRAE FUNAPE; SENAI; UFG; IFGOIANO; SGM-SIC; SEBRAE; SECTEC IEL/MS; SENAI/MS ; UFMS; UEMS; UFGD; UCDB; SEBRAE/MS; SEMAC/MS TECPAR; FIEP; SEBRAE; SETI; F.ARAUCÁRIA SOCIESC; SEBRAE/SC; FAPESC IEL/RS; SCT/RS; CIENTEC; IBTEC; IFSul; PUC/RS; UNISINOS; UERGS; SEDAI/RS; SEBRAE/RS IEL/SE; ITPS; UFS, ITP, IFS, FAPITEC/SE, SEBRAE-SE,SERGIPE-ADM IEL/BA; UESC; CEPED; CETENE/PE; SECTI/BA; FAPESB; SEBRAE/BA; SICM/BA RMI; CETEC; IEL/MG; SEBRAE/MG; SEDE/MG; SECTES/MG IEL/ES; SENAI/ES; UFES, IFES, CETEM, BANDES, SEBRAE-ES, FINDES, FAPES, SECTES REDETEC; INT; SEBRAE/RJ; FAPERJ FIPT; IPT; CTI; CEETEPS; FDTE; SECDESESP

18 Redes Temáticas de Centros de Inovação 14 Redes SIBRATEC de Centros de Inovação DF

19 INCUBADORAS EM NÚMEROS - BRASIL 2011 QUANTIDADE: 384 incubadoras Empresas incubadas Empresas graduadas Empresas associadas Empregos nas empresas incubadas Emprego nas empresas graduadas Faturamento das empresas incubadas... R$ 533 milhões Faturamento das empresas graduadas...r$ 4,1 bilhões 19

20 PARQUES TECNOLÓGICOS - BRASIL 2011 QUANTIDADE: 90 iniciativas Parques em operação Empresas em operação Postos de Trabalho

21 EMBRAPII Associação Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial

22 Principais Objetivos Promover a realização de projetos empresariais de PD&I nas etapas que envolvam maior risco (técnico e financeiro) do processo inovativo Propor instrumentos de fomento compatíveis com as demandas empresariais, com avaliação baseada em resultados Estimular institutos de PD&I a realizar prospecção ativa de projetos empresariais e a buscar oportunidades de arranjos cooperativos entre institutos Estabelecer um ambiente favorável à aproximação e cooperação entre institutos de PD&I e empresas

23 Sistema EMBRAPII GOVERNANÇA EMBRAPII Conselho de Administração MODELO DE OPERAÇÃO CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO MODELO DE OPERAÇÃO Habilitação Especial Polos de Inovaçã o IFs Financiamento Diferenciado Laboratórios credenciados EMBRAPII Características dos projetos empresariais elegíveis aos recursos EMBRAPII ACOMPANHAMENT O DOS PROJETOS Procedimentos de verificação de execução física e financeira Acompanhamento e Avaliação Resultados ESCOPO DA DEMANDA Requisitos necessários para o credenciamento Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação Empresa: 1/3 ICT: 1/3 Governo: 1/3 Demanda Empresarial DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS Critérios de partilha e de prioridades AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Forma de avaliação dos atendimentos às empresas

24 MODELO DE OPERAÇÃO Fatores Críticos de sucesso da EMBRAPII Seleção rigorosa dos Laboratórios EMBRAPII (critérios de credenciamento) Pactuação de metas e objetivos Papel ativo dos Laboratórios na prospecção de novos negócios Autonomia para negociação e construção de um ambiente competitivo Liberação gradual dos recursos financeiros Compartilhamento do financiamento e risco Avaliação dos resultados alcançados Distribuição de resultados

25 Critérios de Credenciamento Elegibilidade Laboratórios Multiusuários de: Institutos de pesquisa públicos IES Unidades do SENAI Centros de P&D privado SEM FINALIDADE LUCRATIVA FOCO Definição de área específica de atuação, de acordo com setores selecionados no PBM/ENCTI com EXCELÊNCIA Comprovação de disponibilidade de infraestrutura laboratorial multiusuária e de pessoal qualificado e EXPERIÊNCIA demonstrada, no mínimo de 3 anos, no desenvolvimento de projetos empresariais de inovação, com captação de recursos privados para o MERCADO Construção de estrutura para captação de projetos nas empresas

26 Avaliação dos Resultados EMBRAPII Laboratórios EMBRAPII Projetos Periodicidade: anualmente Qualidade dos projetos (avaliação do Comitê Técnico) Cumprimento de metas pactuadas Periodicidade: ao término da vigência do Plano de Ação (3 anos), verificar: Cumprimento das metas pactuadas Qualidade dos projetos (avaliação do Comitê Técnico) Satisfação do cliente (avaliação da empresa) Periodicidade: ao término dos projetos Grau de ineditismo da inovação Nível de impacto do projeto no mercado Complexidade da demanda apresentada pelas empresas Aderência à zona de convergência

27 Encadeamentos no Sistema Brasileiro de Inovação EMBRAPII CNI MEC Habilitação dos Polos de Inovação IFES Laboratórios credenciados EMBRAPII IES PRONATEC SENAI Estratégia para atuação conjunta (indução) Recursos Humanos Projetos Associados Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação (fase pré-competitiva) Demanda Empresarial MCTI SETEC/FINEP UPs Atuação complementar SIBRATEC Serviços Técnicos e Tecnológicos Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação

28 Modelo Jurídico Proposto: Organização Social (OS) Lei 9.637/98 Flexibilidade para a estruturação de parcerias e no repasse de recursos Vínculo com o Poder Público - Contrato de Gestão (metas e indicadores que permitem a avaliação por resultados) EMBRAPII não terá produção ou finalidade lucrativa (inviabiliza modelo de empresa pública)

29 Estrutura da EMBRAPII

30 EMBRAPII: Escolha dos Institutos Pilotos Instituições com Know How e atuação nas áreas de interesse do Governo Federal.

31 INSTRUMENTOS DE APOIO À CTI NAS EMPRESAS Crédito Incentivos Fiscais (Lei do Bem) com taxas juros equalizadas EMPRESA INOVADORA Subvenção Econômica RH Qualificados Compras Governamentais Fundos de Capital de Risco

32 COMPRAS GOVERNAMENTAIS (Margens de Preferência) EEUU Produto Nacional Margem Preferência de até 25% Margem Adicional para Tecnologia Nacional Europa c (China/Índia, Coréia do Sul, Japão) -TIC: 18 bilhões -Fármacos/Instrumentos: 9 bilhões -Produtos Químicos: 22 bilhões - Saúde Educação Ásia Déficit na Balança (US $ ) Desenvolvimento Social Defesa TIC

33 Plano Inova Empresa

34 Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio para projetos de risco tecnológico Fortalecimento das relações entre empresas, ICTs e setor público Definição de áreas estratégicas

35 Concepção 1. Fomento a planos de inovação empresariais. 2. Descentralização do crédito e da subvenção econômica para médias e pequenas empresas. 3. Novo modelo de fomento à inovação: Articulação de programas de diversas instituições públicas Uso coordenado dos instrumentos: crédito, subvenção, renda variável e não-reembolsável Gestão integrada (Sala de Inovação) para todas as modalidades de participação no programa Redução de prazos e simplificação administrativa

36 Investimento Total R$ 28,5 bilhões Investimento direto 32,9 R$ bilhões 4,4 R$ bilhões Instituições parceiras

37 Investimento de instituições parceiras 4,4 R$ bilhões ANP R$ Aneel Sebrae Anatel R$ 2,5 bilhões R$ 0,6 bilhão R$ 1,3 bilhão 3,54* 3.54* bilhões

38 Ações Estratégicas

39 Cadeia Agropecuária Agropecuária e Agroindústria R$ 3 bilhões 3 R$ bilhões Insumos Mecanização e agricultura de precisão Genética para plantas e animais Rastreabilidade, planejamento e controle da produção agropecuária Sanidade agropecuária e bem estar animal Equipamentos, tecnologia de alimentos e embalagens com novas funcionalidades

40 Energias R$ Plano de Apoio à Inovação dos Setores Sucroenergéticos e Sucroquímicos (PAISS): R$ 3,3 bilhões 5,7 bilhões Bioetanol de 2ª geração Produtos químicos de origem renovável Tecnologias para gaseificação da biomassa

41 Energias R$ 5,7 bilhões Inova Energia: R$ 2,4 bilhões Redes elétricas inteligentes Transmissão de energia em ultra alta tensão Energias alternativas (fotovoltaica e heliotérmica) Veículos híbridos e eficiência energética veicular

42 Petróleo e Gás R$ 4,1 bilhões Inova Petro: R$ 2,9 bilhões Pipeline de tecnologias a serem desenvolvidas para as áreas mais intensivas em conhecimento Demais ações: R$ 1,2 bilhão Tecnologias para a cadeia do pré-sal: Implantação/modernização de centros de pesquisa, novos materiais, serviços de engenharia (sísmica), recuperação avançada de petróleo, engenharia submarina Tecnologias para exploração do gás não convencional

43 Complexo da Saúde R$ 3,6 bilhões Inova Saúde: R$ 1,9 bilhão Estruturação da cadeia de valor em biotecnologia, síntese química e biofármacos Equipamentos e dispositivos médicos Demais ações: R$ 1,7 bilhão Biotecnologia Investimentos em oncologia (radiofármacos e células tronco) e diagnóstico molecular

44 Complexo Aeroespacial e Defesa Inova Defesa: R$ 2,4 bilhões R$ Veículos balísticos e não-tripulados Sensores e comando e controle Propulsão espacial, satélites e plataformas espaciais Plataformas tecnológicas para aeronaves mais eficientes Novos materiais Demais ações: R$ 0,5 bilhão 2,9 bilhões

45 Tecnologia da Informação e Comunicação TI Maior: R$ 0,4 bilhão R$ Tecnologias estratégicas (computação em nuvem, mobilidade, computação de alto desempenho, internet) Sistemas para aplicações setoriais (ecossistemas digitais) Softwares e serviços de TI Demais ações: R$ 1,7 bilhão Semicondutores e displays Equipamentos para aplicações setoriais Desenvolvimento de softwares e serviços de TI Desenvolvimento tecnológico para banda larga e conteúdos digitais 2,1 bilhões

46 Sustentabilidade sócio-ambiental Recuperação, conservação, clima e biodiversidade: R$ 1,3 bilhão R$ 2,1 bilhões Redução do desmatamento na Amazônia (monitoramento e avaliação, combate ao desmatamento e desenvolvimento da economia sustentável) Combate aos efeitos de mudanças climáticas, efeito estufa e poluentes Produção sustentável (produção mais limpa, ecodesign, etc.) Tratamento de resíduos, efluentes, águas e solos contaminados Cadeias da sociobiodiversidade

47 Sustentabilidade sócio-ambiental 2,1 R$ bilhões Desenvolvimento Social e Urbano: R$ 0,8 bilhão Mobilidade e transportes urbanos sustentáveis Construções e infraestrutura urbana sustentável Reciclagem de resíduos e saneamento ambiental Tecnologias sociais

48 Ações Transversais P&D, Inovação Incremental, Engenharia de Produto e Processo R$ 5 Descentralização para Micro e Pequena Empresa 1 R$ bilhão 1,8 R$ bilhão bilhões Infraestrutura para Inovação 2,2 R$ bilhões

49 P&D, Inovação Incremental, Engenharia de Produtos e Processos R$ 1 bilhão PSI Inovação: R$ 0,5 bilhão Apoio a investimentos em P&D, ao desenvolvimento de inovações em produto, processo e marketing PSI Proengenharia: R$ 0,5 bilhão Apoio a projetos de engenharia no setor automotivo, de bens de capital, defesa, aeronáutico, aeroespacial, nuclear, petróleo e gás e petroquímico

50 Micro e Pequenas Empresas Tecnova: R$ 350 milhões Descentralização de subvenção econômica para MPEs R$ 1,8 bilhão Inovacred: R$ 1,2 bilhão Descentralização do crédito por bancos e agências estaduais Criatec II e III: R$ 220 milhões Fundos de capital semente Extensionismo: R$ 50 milhões Capacitação de MPEs por entidades estaduais

51 Infraestrutura para Inovação Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial: R$ 1 bilhão Embrapii R$ 2,2 bilhões Infraestrutura Laboratorial: R$ 300 milhões Sirius, RMB, LIT/Inpe, Agropecuários Plano Brasil Maior/ Pronatec: R$ 470 milhões Programa Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas (PNI): R$ 100 milhões Fundo Tecnológico para apoio de projetos tecnológicos em associação com empresas: R$ 250 milhões Funtec Formação de recursos humanos: R$ 100 milhões

52 Governança Monitoramento e Avaliação Comitê Gestor CC MCTI MDIC MF SMPE Diretrizes para execução de projetos Monitoramento dos projetos Avaliação dos resultados

53 Cronograma e condições de financiamento Publicação dos editais jan fev mar abr mai jun jul ago 2013 Período de execução: 2013/2014 Juros: Alavancagem: de 2,5% a.a. a 5% a.a. até 90% de cada projeto Prazo: Carência: até 12 anos até 4 anos

54 EMBRAPII Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial Organização Social (OS) que inaugura um novo modelo para a inovação industrial R$ 1 bilhão

55 Instituições Parceiras Secretaria da Micro e Pequena Empresa

56 Gr an d es lin h as d a p o lít ica d e C, T&I 1. For m ação e cap acit ação d e r ecu r so s h u m an os p ar a P &D; 2. In f r aest r u t u r a p ar a P &D; 3. Á r eas e st r at é gicas p r io r it ár ias; 4. A t u ação t r an sv er sal d o M CTI; 5. Biod iv er sid ad e/d e se nv olv im e n t o r egion al; 6. Inv est im en t os.

57 Est r u t u r a d e P r od u ção d e CT&I U N IV ER SIDA DES IN STITU TOS CIEN TÍFICOS E TECN OL ÓGIC OS PA R CER IA S P &D N A S EM P R ESA S PA R CER IA S PA R CER IA S

58 A partir de 2005: expansão e consolidação regional dos institutos do MCTI INPP INA Legenda Instituto existente/sede Núcleo Regional (NR) existente/fortalecido Instituto/NR/campus/centro em implantação Instituto/NR/campus/centro a ser criado INMA (MBML) *

59 INCT Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia Redes dos melhores grupos de pesquisa em áreas de fronteira da ciência e em áreas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do país, com forte interação com o sistema produtivo e com a sociedade 122 R$ 607 milhões FAPs: R$ 214,7 milhões FNDCT Formação de jovens pesquisadores e apoio à instalação e funcionamento de laboratórios em instituições de ensino e pesquisa e empresas, proporcionando a melhor distribuição nacional da pesquisa científicotecnológica

60 P r ep ar ar r ecu r so s h u m an os p ar a o s d esaf io s d a P, D&I Ciê n cia sem Fr o n t e ir as ( CN P q /Cap e s) bo ls as co nce didas at é f ever e ir o de M e t a é t o t alizar 5 0 mil bo ls as e m Sist e m a p ar a f acilit ar a alo cação d o s e st u d an t es eg r e sso s d o Ciê n cia Sem Fr o n t e ir as e m e mpr e s as inovado r as e m co nclus ão ( lançame nt o e m mar ço ). P r og r am a R H A E- P e sq u isad o r n a Em p r e sa R $ 6 0 milhõ e s em , apo iando a f ix ação de pes quis ado r e s e m empr es as. P r og r am a Fo r m a-en ge n h ar ia ( CN P q /Vale ) R $ 2 4 milhõ es em , apo iando pr o j e t o s ( do ce nt e s unive r s it ár io s, aluno s de e ng enhar ia, do ce nt e s

61 In f r ae st r u t u r a d e P &D p ar a acad em ia e e m p r e sas N av io h id r o ce o n og r áf ico ( M CTI/M D/P e t r o b r ás/ Vale ) : e mbar cação de pe s quis a no valo r de U S $ 8 0 milhõ e s. R e at o r M u lt ip r o p ó sit o Br asile ir o R e at o r par a pe s quis a e pr o dução de r adio f ár mac o s, inve s t ime nt o de R $ milhõ e s. SIR IU S - A ne l de luz s ínc r o t o n de 3 ª g e r ação par a pe s quis a e m mat e r iais e e ne r g ia, inve s t ime nt o de R $ milhõ e s. R N P ( R e d e N a cio n a l d e P e sq u isa) Inf r ae s t r ut ur a de alt o de s e mpe nho pr e s e nt e e m ins t it uiçõ e s. A t é , e m ins t it uiç õ e s. Ve lo cidade incr e me nt ada par a 1 0 GB PS no s pr inc ipais backbo ne s e m e s upe r ado o g r ande de s af io de levar a co nex ão par a M anaus ( 1 GB PS ). In st it u t o N a cio n a l d e P e sq u isa Oce ân ica e H id r ov iár ia IN P OH ( M CTI/M PA /SEP ) : pr o po s t a de c r iaç ão de Or g anizaç ão S o c ial e m anális e pe la Cas a Civil. L a n ça m e n t o d e n ov o s e d it ais d o P r o In f r a, no valo r de R $ 4 2 0

62 P r oj et o s est r at égico s: TI Maior BioTec Nano Espacial Nuclear A lin h am e n t o d os In st it u t os e P e sq u isa

63 A t u ação t r an sv er sal d o M CTI Agricultura Desenvolvimento Social Cidades Direitos Humanos Comunicações Educação Defesa Esportes Desenvolvimento Agrário Integração Nacional Desenvolvimento, Meio Ambiente Indústria e Comércio Minas e Energia Exterior Regime Automotivo Cemaden Monitoramento Ambiental Tecnologias Assistivas

64 Biod iv e r sid ad e/d esenv o lv im en t o r egio n al P lan o A m az ô n ia: pr o po s t as de P,D & I par a o des envo lviment o s us t ent ado da r eg ião, es pecialment e po r me io da ut ilização de s eus r ecur s o s nat ur ais. Co m a ex per iência do Plano A mazô nia, o bj et ivo é elabo r ação de pr o po s t a par a a r eg ião do Se m iár id o. Int eg r ação EN CTI e Plano de D es envo lviment o R eg io nal ( MI) Sist em a d e In f o r m açõ es so b r e a Bio d iv er sid ad e e Eco ssist em as Br asile ir o s ( SiB-Br ) - U S $ 2 0 milhõ es pr ovenient e s do MCTI e U S $ 8 milhõ es do Fundo

65 Ev o lu ção d o s R e cu r so s o p er ad o s p e lo M CTI R $ b ilh õ e s P L OA 201 3

66 Investimentos em 2013 Pro-Infra Universal R$ 420 milhões R$ 170 milhões Recursos Humanos R$ 1,1 bilhão Iniciação Científica, Mestrado, Doutorado, PRH, etc CsF R$ 504 milhões Grandes Infraestruturas R$ 300 milhões RMB, Sirius, RNP, Sibratec

67 Investimentos em 2013 TI Maior Subvenção R$ 57 milhões R$ 600 milhões Crédito Finep EMBRAPII R$ 5,5 Bilhões R$ 750 milhões FNDCT R$ 1,1 bi PSI R$ 4,4 bi FNDCT R$ 250 milhões Parceiros R$ 500 milhões

68 Renúncia Fiscal Lei da Informática Resultados em empresas possuem o benefício (redução/isenção do IPI) Faturamento bruto R$ 61,9 bilhões Investimentos obrigatórios R$ 920,5 milhões Renúncia fiscal R$ 3,8 bilhões Lei do Bem Resultados em empresas habilitadas Investimentos em P&D R$ 6,7 bilhões Renúncia fiscal R$ 4,1 bilhões

69 Ciência para o Desenvolvimento Global (1) Educação em ciência; (2) Difusão e acesso ao conhecimento e interesse social; (3) Ética na ciência; (4) Ciência para o desenvolvimento sustentável e inclusivo. Comissão Executiva

70 Virtude e Fragilidade do Nosso Sistema de C&T Sabemos Gerar Conhecimento: Recursos: Pessoas Equipamentos Instalações, etc. P&D Conhecimento Não Sabemos Gerar Riqueza: Conhecimento Inovação e Empreendedorismo Riqueza

71 Destinos dos Nossos Bons Alunos Nossos melhores alunos não são estimulados a criar empresas; Nossos melhores alunos são estimulados a continuar estudando. A regra tem sido: Acabou a Graduação, faça o Mestrado; Acabou o Mestrado, faça o Doutorado; Acabou o Doutorado, torne-se um Pesquisador na Universidade. Precisamos mostrar aos nossos bons alunos que há vida virtuosa fora da Universidade, como empreendedores.

72 Obrigado!

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA Helena Tenório Veiga de Almeida Chefe do Departamento de Inovação Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação

Leia mais

Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação -

Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação - Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação - Cristina Akemi Shimoda Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - SETEC Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Ronaldo Mota. ABMES Seminários Dezembro Brasília DF, 07 de dezembro 2010

Ronaldo Mota. ABMES Seminários Dezembro Brasília DF, 07 de dezembro 2010 Conferência: Olhando para o futuro: visões da educação brasileira para os próximos dez anos Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) ABMES Seminários Dezembro Brasília DF,

Leia mais

Inovação, Competitividade e Desenvolvimento

Inovação, Competitividade e Desenvolvimento Inovação, Competitividade e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) XV MET e II Simpósio sobre Metodologias Lab. de Pesquisa Agropecuária Embrapa/Pelotas-RS,

Leia mais

Goiânia, 16 de Setembro de 2013. Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040

Goiânia, 16 de Setembro de 2013. Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040 Goiânia, 16 de Setembro de 2013 Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040 Eixo de Sustentação da ENCTI Redes SIBRATEC-ST na ENCTI 2012-2015 C,T&I como eixo estruturante do desenvolvimento

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Seminário: Brasil do Diálogo, da Produção e do Emprego São Paulo, 26 de maio de 2011 O Desenvolvimento

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia LIDE - GRUPO DE LIDERES EMPRESARIAS São Paulo, 27 de junho de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva

Leia mais

Audiência Pública. Senado Federal

Audiência Pública. Senado Federal Ministério da Ciência e Tecnologia Audiência Pública Senado Federal Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 4 de maio de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova Parceiros do Programa MCT, FINEP, CNPq, CGEE, MDIC, INPI, INMETRO, ABDI, BNDES, SEBRAE, CNI, IEL, ANPEI, ANPROTEC, MBC, PROTEC, CONFAP, ABIPTI Articulação e

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea

Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) FOPROEXT -Fórum de Pró-Reitores de Extensão, São Carlos-SP, 10/05/2010

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante

Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 28 de junho de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Audiência Pública. Senado Federal

Audiência Pública. Senado Federal Ministério da Ciência e Tecnologia Audiência Pública Senado Federal Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 4 de maio de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais

Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais EPAGRI/CIRAM - Florianópolis outubro 2011. Cenários e tendências em ciência, tecnologia

Leia mais

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável Ministro Marco Antonio Raupp Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) Aprovada pelo CCT em 15 de dezembro de 2011 Elaborada com

Leia mais

Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC

Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC Cultura de Inovação nas Empresas C I Ê C I A E T E C N O L O G I A SBRT SIBRATEC EXTENSÃO SIBRATEC SERVIÇOS SIBRATEC INOVAÇÃO I N O V A Ç Ã O Serviço Brasileiro

Leia mais

COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E

COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E INDUSTRIA: POR UMA ESTRATÉGIA OUSADA DE INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro Toubes Prata Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTI Open Innovation Seminar

Leia mais

Nova Política de Inovação

Nova Política de Inovação Nova Política de Inovação Fernanda Magalhães Coordenadora de Propriedade Intelectual Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação XIII Encontro da Rede Mineira de Propriedade Intelectual Alfenas

Leia mais

Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT

Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT Campo Grande, 22 de setembro de 2010 Plano de Ação 2007-2010 A política de C&T vem sendo consolidada

Leia mais

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT)

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) 01 de março de 2010 I N O ABSORÇÃO DA CULTURA DA INOVAÇÃO EI V A Ç Ã

Leia mais

Inovação na Sociedade e nas Empresas

Inovação na Sociedade e nas Empresas Inovação na Sociedade e nas Empresas Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) 46 Fórum da ABRUEM Ilhéus, BA 25/05/2010 Plano de Ação 2007-2010 Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais

Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI

Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) Encontro das Sociedades e Associações de Física da América Latina (25/02/2010) C,T&I

Leia mais

SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION

SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION FÉLIX ANDRADE DA SILVA TECHNOLOGY AND INNOVATION FOR SMEs TECNOLOGY AND INNOVATION ADVISORY SERVICES REGIONAL WORKSHOP FLORIANOPOLIS, SANTA CATARINA,

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

Título da Apresentação. ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria

Título da Apresentação. ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria Título da Apresentação ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria Setembro de 2012 Agenda A FINEP Inovação Programa Inova Brasil Sustentabilidade e Prioridades Brasil

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Título da Apresentação. ABINEE GS Sistemas Fotovoltaicos

Título da Apresentação. ABINEE GS Sistemas Fotovoltaicos Título da Apresentação ABINEE GS Sistemas Fotovoltaicos 30 de janeiro de 2013 Agenda A FINEP Escopo de Atuação e Prioridades Projetos Apoiáveis Brasil Sustentável A FINEP A FINEP Agência Brasileira da

Leia mais

O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO

O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Goiânia, GO, 16 de Outubro de 2014 Armando Z. Milioni SETEC, MCTI ROTEIRO 1 A ESTRUTURA GERAL DO MCTI 2 A SETEC: FOMENTO

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Energia e Tecnologias Limpas DENE A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Departamento de Tecnologias da Informação e Serviços DTIS Área de

Leia mais

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013 Fomento à Produção Nacional Painel de Debate 16/4/2013 A FINEP A FINEP - Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 18 de Setembro

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 Ministério da Educação POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 ATIVIDADE ECONÔMICA (organizações empresariais e comunitárias) IMPACTOS: PD&I Aumento da competitividade industrial

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Cooperação CSMIA-ABIMAQ/ IPT / POLI-USP 29 de Abril 2013 - AGRISHOW Desafios da Competitividade e Consolidação do Setor 1. A maioria

Leia mais

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Prioridade Estratégica I Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Linha de

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

Redes de Inovação Vantagens da Articulação entre Empresas Inovadoras & ICTIs

Redes de Inovação Vantagens da Articulação entre Empresas Inovadoras & ICTIs Redes de Inovação Vantagens da Articulação entre Empresas Inovadoras & ICTIs IMPLEMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CENTROS DE P&D NO BRASIL. SENAI Departamento Nacional São Paulo, 30 de Junho de 205 Tópicos de

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO 27 de outubro de 2006 Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Madhu Haridasan Coordenador de Tecnologia da Informação da Rede Brasil de Tecnologia Dispêndios nacionais

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Ações MEI Políticas de caráter horizontal (incentivos fiscais, crédito, melhoria de marcos regulatórios); Políticas para setores estratégicos;

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS. Resumo. Djalma Petit Consultor

LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS. Resumo. Djalma Petit Consultor LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS Resumo Djalma Petit Consultor Brasília São Paulo, novembro de 2014 FINANCIAMENTO Recursos reembolsáveis. Operado por bancos Requerem

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Workshop: Os Desafios para a Industria Nacional de Petróleo e Gás BNDES, Rio de Janeiro - RJ, 02 de julho de 2008 FINEP Empresa pública

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014 MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL Brasília, 18 de junho de 2014 1 Objetivos Fortalecer a indústria no novo ciclo de desenvolvimento econômico Estimular aumentos de produtividade e da competitividade Promover

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

Plano BrasilMaior A PolíticaIndustrial Brasileira. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior A PolíticaIndustrial Brasileira. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior A PolíticaIndustrial Brasileira 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Mauro Borges Lemos Presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial novembro 2012

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-SA Apoio do BNDES à Inovação 28 de Abril de 2015 Missão e Visão Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira, com

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Apoio à Inovação Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GIANCARLO MOCELIN MURARO

ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GIANCARLO MOCELIN MURARO ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GIANCARLO MOCELIN MURARO ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SISTEMA BRASILIERO DE TECNOLOGIA SIBRATEC MODALIDADE EXTENSÃO TECNOLÓGICA Brasília, 2013. GIANCARLO

Leia mais

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Glaucius Oliva Presidente CNPq Jorge Almeida Guimãrães Presidente da CAPES Brasil em 1950 Pouquíssimos cientistas e pesquisadores Falta de ambiente de pesquisa

Leia mais

Construção de um Sistema Nacional de Conhecimento e Inovação (SNCI)

Construção de um Sistema Nacional de Conhecimento e Inovação (SNCI) Construção de um Sistema Nacional de Conhecimento e Inovação (SNCI) A VISÃO DA INDÚSTRIA AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL Rafael Lucchesi Diretor de Educação e Tecnologia da CNI Diretor Geral do SENAI/DN

Leia mais

Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI

Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI Informações do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministro Marco Antonio Raupp 27/09/2012 Cenário orçamento FNDCT 2013 PLOA PROJETO DE LEI

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil

Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil José Antônio Silvério Coordenador de Capacitação Tecnológica Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação 1 Plano Brasil

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Programas de Financiamento à Inovação III WORKSHOP DAS UNIDADES DE PESQUISA DO MCT Campinas, 30 e 31 de agosto de 2010 Inovação Inovação

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA 1 Petróleo, Gás Natural e Petroquímica Estratégias: liderança mundial

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO ESTADO DO PARANÁ

PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO ESTADO DO PARANÁ Atribuições FINEP (Concedente) Promotora, financiadora e normatizadora do Programa TECNOVA em âmbito nacional.

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais