SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION"

Transcrição

1 SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION FÉLIX ANDRADE DA SILVA TECHNOLOGY AND INNOVATION FOR SMEs TECNOLOGY AND INNOVATION ADVISORY SERVICES REGIONAL WORKSHOP FLORIANOPOLIS, SANTA CATARINA, BRAZIL NOVEMBER 11 AND 12, 2014

2 2 SIBRATEC EXTENSÃO TECNOLÓGICA OBJETIVO: Promover a inovação e o acesso das MPMEs as redes de instituições especializadas (IPTs e ICTs) que forneçam soluções para gargalos existentes na gestão, projeto, desenvolvimento, produção e comercialização de bens e serviços. Resolução do Comitê Gestor n 001/2008

3 Redes Estaduais de Extensão Tecnológica 3 22 Redes SIBRATEC de Extensão Tecnológica FDB; FUCAPI; FUA; INPA; UEA; IFAM; Embrapa/CPAA; CBA/; IDAM; SENAI/AM; SECT/AM; FAPEAM; SEBRAE-AM FADESP; SENAI/PA; UFPA, UEPA, CPATU, IFPA, SEDECT/PA FAPESPA FUNDETEC; SENAI/PI; IFPI; FUESPI; SEBRAE/PI; SEDET/PI IEL/RO; SENAI/RO; IPEPATRO; Embrapa-RO/CEPAFRO; IJN; FIMCA; SEPLAN; SEBRAE/RO IEL/TO; SENAI/TO; UNITINS; UFT; SECT/TO FCPC; NUTEC; UFC; CENTEC; INDI/CE; IFCE; Agropolos; BNB; SECITECE; FUNCAP; SEBRAECE FUNPEC; SENAI; UFRN; IFRN UERN; SENAI/CTGÁS; SEDEC FJA; SENAI/PB; UFPB; IFPB; SECTMAPB IEL/PE; ITEP; UFPE; SECTMA-PE NGPD; SENAI/PE; SEBRAE/PE,NECTAR IEL/AL; SENAI/AL; UFAL; UNEAL; FIEA, FAPEAL, SEBRAE/AL, SECTI/AL SECITEC; SENAI/ FUFMT; IFMT; UNEMAT; INT; SEBRAE FUNAPE; SENAI; UFG; IFGOIANO; SGM-SIC; SEBRAE; SECTEC IEL/MS; SENAI/MS ; UFMS; UEMS; UFGD; UCDB; SEBRAE/MS; SEMAC/MS TECPAR; FIEP; SEBRAE; SETI; F.ARAUCÁRIA SOCIESC; SEBRAE/SC; FAPESC IEL/RS; SCT/RS; CIENTEC; IBTEC; IFSul; PUC/RS; UNISINOS; UERGS; SEDAI/RS; SEBRAE/RS FIPT; IPT; CTI; CEETEPS; FDTE; SECDESESP IEL/SE; ITPS; UFS, ITP, IFS, FAPITEC/SE, SEBRAE-SE,SERGIPE-ADM IEL/BA; UESC; CEPED; CETENE/PE; SECTI/BA; FAPESB; SEBRAE/BA; SICM/BA RMI; CETEC; IEL/MG; SEBRAE/MG; SEDE/MG; SECTES/MG IEL/ES; SENAI/ES; UFES, IFES, CETEM, BANDES, SEBRAE-ES, FINDES, FAPES, SECTES REDETEC; INT; SEBRAE/RJ; FAPERJ

4 4 VALORES CONTRATADOS 2009 / 2013 FNDCT (FINEP/MCTI) = R$ 47,6 Milhões CONTRAPARTIDA REDES = R$ 18,3 Milhões TOTAL = R$ 65,9 Milhões / US$ 25,8 Milhões

5 5 OBJETIVO DO TRABALHO Avaliar as 22 Redes do Componente de Extensão Tecnológica do Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC), contemplando diagnósticos / comentários nas seguintes vertentes: 1. Atendimentos às Empresas / Clientes Estratégia e qualidade dos atendimentos e perfil das empresas atendidas; 2. Modelo de Governança e Gestão Desempenho, efetividade e limitações; e 3. Gestão Administrativa e Financeira Limitações legais ou administrativas e boas práticas no fluxo operacional e financeiro para apoio às Redes.

6 METODOLOGIA UTILIZADA 6 Preparação Seleção de fontes de referências e coleta de dados e informações (marco legal e relatórios) Reuniões técnicas com principais atores em nível de coordenação e gestão - MCTI/SETEC, FINEP e CGEE Elaboração da agenda de visitas / viagens Gestores das Redes, Instituições e Extensionistas Equipes técnicas MCTI, FINEP, CGEE Empresas LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E SUBSÍDIOS PARA ELABORAÇÃO DOS DIAGNÓSTICOS

7 7 METODOLOGIA UTILIZADA Avaliação Presencial / À Distância 11 Redes Estaduais visitadas (prazo: 1 mês) Entrevistas Metodologia: Grupo Focal Entrevistas grupais / 3 Grupos / Apoio de questionários semiestruturados para orientar a coleta de informações. Visitas a empresas Quando possível. GRUPOS ENTREVISTADOS / 3 MODELOS DE QUESTIONÁRIOS: 1. Representantes do arranjo institucional local (coordenadores, cofinanciadores, apoiadores) 46 questões; 2. Extensionistas / executores 30 questões; 3. Empresas atendidas pelo Programa (10 empresas) 20 questões.

8 REDES ET AVALIAÇÕES PRESENCIAIS GESTORES / COFIN. APOIADORES ENTREVISTADOS EXTENSIONISTAS / EXECUTORES ENTREVISTADOS EMPRESAS ENTREVISTADAS EMPRESAS VISITADAS MG RS GO RO BA CE PR SC SP PA RJ R

9 MPEs = 82% 9

10 10 ATENDIMENTOS POR SETOR SETOR % Plásticos e Borrachas 14% Metal Mecânico 13% Agroindustrial 11% Têxtil e Confecção 11% Madeira e Móveis 10% Alimentos 9% Outros 32%

11 AVALIAÇÕES REALIZADAS 11 AVALIAÇÃO PRESENCIAL 11 Redes À DISTÂNCIA 11 Redes ATENDIMENTOS CONCLUÍDOS METAS ESTABELECIDAS ATENDIMENTOS CONC. / METAS EST % % TOTAL % REGIÃO VISÃO REGIONAL ATENDIMENTOS CONCLUÍDOS METAS ESTABELECIDAS ATENDIMENTOS CONC. / METAS EST. NORTE % NORDESTE % CENTRO OESTE % SUDESTE % SUL % TOTAL %

12 12 DESEMPENHO DAS REDES ESTADUAIS EM RELAÇÃO AS METAS ESTABELECIDAS DESEMPENHO REDE ESTADUAL Nº DE REDES Superaram SP - SC 2 9% Entre 75% e 100% % PA BA PR RS - MG 5 23% Entre 50% e 75% CE - GO 2 9% Entre 25% e 50% Abaixo de 25% Sem atendimento RJ TO RO RN - AL 5 23% AM SE - PE - PB PI MT MS - ES 8 36% TOTAL %

13 13 MODALIDADES DE ATENDIMENTO PRATICADAS 11 REDES VISITADAS MODALIDADES REDES QUE OPERAM VALORES PRATICADOS R$ GESTÃO DO PROCESSO PRODUTIVO 06 6 Mil / 13 Mil ADEQUAÇÃO DO PRODUTO PARA O MERCADO EXTERNO (PROGEX) 08 8 Mil / 30 Mil ADEQUAÇÃO DE PRODUTO PARA O MERCADO INTERNO 05 8 Mil / 16 Mil ATENDIMENTO TECNOLÓGICO COM UNIDADE MÓVEL (PRUMO) 08 1,5 Mil / 3 Mil TECNOLOGIAS MAIS LIMPAS - - Contrapartida das Empresas Varia de 10% a 30% sob o valor total do subsídio - algumas Redes parcelam em até 24 meses. GO Não tem contrapartida / Impedimento legal da PGE CE Contrapartida com base no valor do SEBRAETEC (valores menores).

14 ESTRATÉGIA DE ATENDIMENTO DIFICULDADES MAIS IDENTIFICADAS - 1/ Questões de natureza burocrática e conflitos de interesse na composição do arranjo institucional local. 2. Impossibilidade legal dos executores / coexecutores participarem dos atendimentos oferecendo serviços remunerados (Lei 8666). 3. Fragilidade da infraestrutura tecnológica local. 4. Falta de mão de obra qualificada e de empresas especializadas para prestar consultoria. 5. Falta de tradição e de cultura no Estado em extensionismo tecnológico.

15 ESTRATÉGIA DE ATENDIMENTO DIFICULDADES MAIS IDENTIFICADAS - 2/2 6. Interrupções e demoras nos pagamentos e nos repasses de recursos financeiros por parte da FINEP e dos cofinanciadores. 7. Processos licitatórios demorados. 8. Falta de clareza na fronteira entre a atividade de extensionismo tecnológico e prestação de serviços tecnológicos. 9. Falta de laboratórios capacitados para a certificação de produtos de acordo com normas nac. / int. 10. Falta de manual técnico para definir conceitos e procedimentos operacionais e financeiros. 11. Divulgação e comunicação pouco eficaz. 12. Falta de indicadores consistentes (métricas) para medir o desempenho das Redes. 15

16 SOBRE OS EXTENSIONISTAS E EXECUTORES Forma de atuação: Extensionistas que atuam como generalistas - fazem prospecção, visitam, avaliam o interesse, encaminham e acompanham o atendimento Atendimento por empresas de consultoria especializada. Extensionistas que desenvolvem todas as etapas do atendimento, inclusive a adequação tecnológica recomendada. Forma de contratação: Bolsista - Dificuldade de manter devido ao prazo e a remuneração. Pessoa Jurídica Mais praticada Desvantagem: necessidade de processos licitatórios demorados e não cria competência. Técnicos das instituições executoras (SENAI, IEL). 16

17 VISÃO DAS EMPRESAS EM RELAÇÃO A QUALIDADE DOS ATENDIMENTOS Conhecimento e acesso ao SIBRATEC-ET Via instituição executora / extensionista, sindicatos, eventos, atendimentos anteriores (clientes do PROGEX, PRUMO e outro)s. 2. Satisfação com o atendimento A maioria das empresas informou ganhos efetivos a partir do atendimento realizado, tais como: aumento de faturamento, aumento de produtividade, redução de custos e retrabalho, melhoria do lay out, lançamento de produtos com maior valor agregado, melhoria no design do produto, ampliação de mercados e inserção no mercado externo, etc 3. Utilização de outros mecanismos A maioria das empresas informou ser usuária de outros mecanismos de apoio como SEBRAETEC, Cartão do BNDES e outros de âmbito regional e estadual.

18 VISÃO DAS EMPRESAS EM RELAÇÃO A QUALIDADE DOS ATENDIMENTOS Extensionista Avaliação bastante positiva do trabalho. Atestaram a competência técnica e elogiaram a dedicação e o comprometimento. 5. Queixa comum - Excesso de burocracia, prazo longo de alguns atendimentos, limitação do número de atendimentos. 6. Contrapartida financeira da empresa (10% a 30%) A maioria elogiou o valor do subsídio oferecido, mas várias empresas solicitaram a ampliação para pode atender outras demandas Ex.: buscar uma certificação necessária ao negócio, já que obtiveram com o atendimento realizado no máximo uma préqualificação.

19 19 SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES - 1/2 1- Ampliar o escopo e volume de recursos financeiros de modo a permitir: Abordagem coletiva Para grupos de empresas, de um mesmo setor com problemas comuns Ex.: Empresas com foco na obtenção de certificações compulsórias (redução de custos). Atendimentos setoriais considerando uma mescla de serviços tecnológicos, consultorias, cursos e oficinas. Aumentar o valor do atendimento para uma faixa em torno de R$ 80 mil até R$ 350 mil propiciando um atendimento mais completo e que permita a empresa elevar seu patamar competitivo. Ampliação das metas de atendimento de forma geral e mais de um atendimento por empresa. Investimentos em estratégias de comunicação e marketing mais amplas e eficazes. Investimentos na Rede, como compra de bens e equipamentos.

20 SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES - 2/2 2. Executor e gestor financeiro Ideal que sejam a mesma instituição. 3. Tratar a vertente da extensão tecnológica como um programa contínuo - marca e credibilidade do programa. 4. Extensionistas: Evitar a terceirização total dos atendimentos Situação que não permite criar competência na entidade que contrata (risco para o nome da entidade executora e do SIBRATEC). 5. Estabelecer canais de comunicação entre os três componentes do SIBRATEC, de forma a permitir que a Rede de Extensão, possa interagir e apresentar propostas às demais Redes e vice-versa atuar em rede. 6. Redução da quantidade de documentos a serem assinadas pelos empresários além de um diagnóstico mais objetivo com quantidade menor de perguntas. 20

21 21 SIBRATEC EXTENSÃO TECNOLÓGICA PRINCIPAIS CONCLUSÕES 1. Trata-se de um programa de fundamental importância para o setor produtivo do Brasil, em particular para as micro e pequenas empresas. A avaliação realizada confirmou os ganhos e benefícios efetivos que o programa proporcionou em termos de elevação do patamar tecnológico das empresas, bem como aumento de competitividade. 2. Após 5 anos de operação sua manutenção como política pública deve ser fortalecida e aprimorada considerando as particularidades regionais e a necessidade de considerar a realidade política-institucional de cada Unidade da Federação. 3. O papel do Coordenador Técnico é vital para o bom desempenho da Rede e o sucesso do Programa. Nas Redes visitadas e que foram bem avaliadas essa vertente se destacou.

22 22 SIBRATEC EXTENSÃO TECNOLÓGICA PRINCIPAIS CONCLUSÕES 4. Nesse aprimoramento alguns procedimentos e boas práticas devem ser adotados e disseminados entre as diversas Redes na forma de manuais e sistemas informatizados A sugestão de um Portal para o SIBRATEC-ET para promover a troca de conhecimento e experiências foi um pleito de várias Redes Estaduais. 5. A adoção de novas metodologias/modalidades de atendimento é uma prática que deve acompanhar a dinâmica tecnológica imposta pelo mercado em face da competitividade global. O programa precisa contemplar recursos financeiros suficientes para manter equipes de executores e extensionistas capacitados e permanentemente atualizados. 6. O SIBRATEC-ET carece de sistemas informatizados que permitam avaliar o desempenho do programa em tempo real em todas as etapas do atendimento, principalmente no pós-venda. Poucas Redes avaliam o desempenho dos atendimentos por falta de sistemas estruturados e indicadores consistentes.

23 23 OBRIGADO FÉLIX ANDRADE DA SILVA

Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação -

Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação - Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação - Cristina Akemi Shimoda Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - SETEC Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

Ronaldo Mota. ABMES Seminários Dezembro Brasília DF, 07 de dezembro 2010

Ronaldo Mota. ABMES Seminários Dezembro Brasília DF, 07 de dezembro 2010 Conferência: Olhando para o futuro: visões da educação brasileira para os próximos dez anos Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) ABMES Seminários Dezembro Brasília DF,

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia LIDE - GRUPO DE LIDERES EMPRESARIAS São Paulo, 27 de junho de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva

Leia mais

Goiânia, 16 de Setembro de 2013. Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040

Goiânia, 16 de Setembro de 2013. Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040 Goiânia, 16 de Setembro de 2013 Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040 Eixo de Sustentação da ENCTI Redes SIBRATEC-ST na ENCTI 2012-2015 C,T&I como eixo estruturante do desenvolvimento

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Seminário: Brasil do Diálogo, da Produção e do Emprego São Paulo, 26 de maio de 2011 O Desenvolvimento

Leia mais

Inovação, Competitividade e Desenvolvimento

Inovação, Competitividade e Desenvolvimento Inovação, Competitividade e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) XV MET e II Simpósio sobre Metodologias Lab. de Pesquisa Agropecuária Embrapa/Pelotas-RS,

Leia mais

Audiência Pública. Senado Federal

Audiência Pública. Senado Federal Ministério da Ciência e Tecnologia Audiência Pública Senado Federal Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 4 de maio de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova Parceiros do Programa MCT, FINEP, CNPq, CGEE, MDIC, INPI, INMETRO, ABDI, BNDES, SEBRAE, CNI, IEL, ANPEI, ANPROTEC, MBC, PROTEC, CONFAP, ABIPTI Articulação e

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante

Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 28 de junho de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais

Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais EPAGRI/CIRAM - Florianópolis outubro 2011. Cenários e tendências em ciência, tecnologia

Leia mais

Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea

Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) FOPROEXT -Fórum de Pró-Reitores de Extensão, São Carlos-SP, 10/05/2010

Leia mais

Audiência Pública. Senado Federal

Audiência Pública. Senado Federal Ministério da Ciência e Tecnologia Audiência Pública Senado Federal Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 4 de maio de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Nova Política de Inovação

Nova Política de Inovação Nova Política de Inovação Fernanda Magalhães Coordenadora de Propriedade Intelectual Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação XIII Encontro da Rede Mineira de Propriedade Intelectual Alfenas

Leia mais

Transferência de tecnologia, inovação tecnológica e desenvolvimento

Transferência de tecnologia, inovação tecnológica e desenvolvimento Transferência de tecnologia, inovação tecnológica e desenvolvimento Prof.ª Dr.ª Ana Lúcia Vitale Torkomian Universidade Federal de São Carlos Campinas, 14 de dezembro de 2011 Brasil tem política de C&T

Leia mais

Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT

Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT Campo Grande, 22 de setembro de 2010 Plano de Ação 2007-2010 A política de C&T vem sendo consolidada

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GIANCARLO MOCELIN MURARO

ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GIANCARLO MOCELIN MURARO ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GIANCARLO MOCELIN MURARO ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SISTEMA BRASILIERO DE TECNOLOGIA SIBRATEC MODALIDADE EXTENSÃO TECNOLÓGICA Brasília, 2013. GIANCARLO

Leia mais

Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI

Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) Encontro das Sociedades e Associações de Física da América Latina (25/02/2010) C,T&I

Leia mais

PROGRAMA INOVA EMPRESA

PROGRAMA INOVA EMPRESA PROGRAMA INOVA EMPRESA Alvaro Toubes Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - MCTI CXX Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Brasília, 10 de abril de 2013 Ambiente

Leia mais

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT)

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) 01 de março de 2010 I N O ABSORÇÃO DA CULTURA DA INOVAÇÃO EI V A Ç Ã

Leia mais

A participação da Ciência e Tecnologia da Madeira na Pósgraduação: Adriano Wagner Ballarin

A participação da Ciência e Tecnologia da Madeira na Pósgraduação: Adriano Wagner Ballarin A participação da Ciência e Tecnologia da Madeira na Pósgraduação: Adriano Wagner Ballarin Conteúdo 1. PPG em Ciência Florestal e Engenharia Florestal 2. Desafios 3. Outros desafios 4. Propostas e ações

Leia mais

2º Workshop dos Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação NAGI. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE

2º Workshop dos Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação NAGI. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE 2º Workshop dos Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação NAGI Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE Brasília/DF, 28 de maio 2014 Slide 2 Programação do 2º Workshop w 8h30 - Abertura institucional

Leia mais

RANKING ABAD NIELSEN 2014 BASE 2013

RANKING ABAD NIELSEN 2014 BASE 2013 RANKING ABAD NIELSEN 2014 BASE 2013 Março, 2014 AGENDA O RANKING 2014 EM NÚMEROS ANÁLISE DO SETOR RESULTADOS DO ESTUDO ANÁLISE DE EXPECTATIVAS DO SETOR INVESTIMENTOS RANKING ABAD NIELSEN 2013 2 O RANKING

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

Seminário Espaços Urbanos Seguros

Seminário Espaços Urbanos Seguros Seminário Espaços Urbanos Seguros A atuação da CAIXA e seu impacto no desenvolvimento de cidades sustentáveis Vice-Presidência de Governo Superintendência Nac de Ass Técnica e Desenv Sustentável Jean R.

Leia mais

Durante o curso da apresentação registrou-se os seguintes pontos:

Durante o curso da apresentação registrou-se os seguintes pontos: Ata de Reunião da CSTIC - 04/06/2012 Local : Sebrae/CE Hora: 14:00hs Entidades presentes: Alexandre Menezes (Titan), Francisco Soares (ADECE), Edilson Azim (Sebrae), Marcus Veloso (Fiec), Ângela Moraes

Leia mais

Programa Saúde na Escola

Programa Saúde na Escola Encontro com Referencias Estaduais de Alimentação e Nutrição Programa Saúde na Escola Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição / Departamento de Atenção Básica/ Secretaria de Atenção à Saúde Ministério

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação

Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação Fernanda Magalhães Coordenadora de Propriedade Intelectual Coordenadora-Geral de Inovação Tecnológica Subs?tuta Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Inteligência Competitiva (IC)

Inteligência Competitiva (IC) (IC) Habilidade e capacidade de usar o conhecimento para buscar uma posição competitiva. Inteligência Competitiva (IC) é um processo sistemático e ético, ininterruptamente avaliado com identificação, coleta,

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Painel 1 Aglomerados Produtivos: Análise da Experiência Nacional e Internacional. A Experiência do Estado de Sergipe

Painel 1 Aglomerados Produtivos: Análise da Experiência Nacional e Internacional. A Experiência do Estado de Sergipe Painel 1 Aglomerados Produtivos: Análise da Experiência Nacional e Internacional A Experiência do Estado de Sergipe Brasília, 28 de outubro de 2009 APL/MPE -APL-SE -Extensionismo -Lei Geral -GTP Formalize-SE

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

ENFISA Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos. Júlio Sérgio de Britto Coordenador Geral de Agrotóxicos e Afins

ENFISA Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos. Júlio Sérgio de Britto Coordenador Geral de Agrotóxicos e Afins ENFISA Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos Júlio Sérgio de Britto Coordenador Geral de Agrotóxicos e Afins Histórico Lei Federal 7.802 Decreto 4.074 1989 2002 Art. 10: Compete aos Estados

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município.

ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município. NOTA TÉCNICA Nº 23/2016 Brasília, 14 de Junho de 2016. ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município. 1- LEGISLAÇÃO A Lei

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

ALIMENTOS SEGUROS, BEM-ESTAR ANIMAL E SUSTENTABILIDADE

ALIMENTOS SEGUROS, BEM-ESTAR ANIMAL E SUSTENTABILIDADE ALIMENTOS SEGUROS, BEM-ESTAR ANIMAL E SUSTENTABILIDADE OBJETIVOS GERAIS Fortalecimento do setor produtivo: a) Adequação de procedimentos; b) Aumento da rentabilidade e competitividade; c) Garantia de alimentos

Leia mais

Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP

Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP Manoel Cardoso Assessoria de Planejamento e Estudos Brasília,

Leia mais

REGULAMENTO DA APRESENTAÇÃO

REGULAMENTO DA APRESENTAÇÃO REGULAMENTO DA APRESENTAÇÃO Art. 1º - Idealizado e instituído pela ANPROTEC 1, em parceria com o SEBRAE, o Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador, cuja periodicidade é anual, reconhece e prestigia

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 21 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

Eliana Lúcia Ferreira Coordenadora do Curso.

Eliana Lúcia Ferreira Coordenadora do Curso. BOAS VINDAS Prezado aluno, Seja bem vindo ao Curso de Licenciatura Plena em Educação Física, modalidade à Distância da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora (FAEFID/UFJF).

Leia mais

agenciaweb4br.com.br

agenciaweb4br.com.br agenciaweb4br.com.br SOBRE NÓS Fundada em 2007 e hoje pertencente ao Grupo VA Licenciamentos e Franquias - gestora de mais de 400 unidades no Brasil - a Web4br é uma Agência de Marketing Digital presente

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy Brasília, 13 de Julho de 2011 Perspectiva: Aprendizado e Crescimento Planejamento Estratégico Objetivo

Leia mais

Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição

Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição Daniel Mendonça - Abradee Brasília, 28 de novembro de 2014. Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica QUEM SOMOS A Associação Brasileira

Leia mais

PESQUISA - REDE CEGONHA

PESQUISA - REDE CEGONHA PESQUISA - REDE CEGONHA Objetivo Geral Avaliar o impacto da implementação da Rede Cegonha nos estados brasileiros, considerando o olhar de uma amostra representativa de mães que tiveram parto pelo Sistema

Leia mais

49ª. Reunião Brasília 24 e 25/03/2010. Conclusivas FQPC

49ª. Reunião Brasília 24 e 25/03/2010. Conclusivas FQPC 49ª. Reunião Brasília 24 e 25/03/2010 Visão Estratégica Reflexão Conclusivas FQPC Forum QPC MISSÃO: Promover, fortalecer e integrar Programas Estaduais e Setoriais de QPC, visando contribuir para o desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE DIREITOS HUMANOS

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Diretoria de ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS

Leia mais

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Justificativas O Estado contemporâneo busca superar uma parte substantiva dos obstáculos que permeiam as políticas públicas e as ações privadas através

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Vagas autorizadas 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Fonte: IBGE e MS. Datum: SIRGAS2000 Elaboração: MS/SGTES/DEPREPS Data:

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Em reunião de 05 de setembro de 2014, o Núcleo de Estudos Comportamentais (NEC), autorizado pelo disposto no inciso

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Programas Saúde na Escola e Mais Educação: O Compromisso da Educação com o PNAE

Programas Saúde na Escola e Mais Educação: O Compromisso da Educação com o PNAE V ENCONTRO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - 2010 Programas Saúde na Escola e Mais Educação: O Compromisso da Educação com o PNAE Intersetorialidade para a implementação da Lei nº

Leia mais

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Avanços e Pontos para Reflexão Renato da Fonseca Secretário-Executivo do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Confederação Nacional da Indústria Pontos para reflexão Por que devemos criar um regime especial

Leia mais

Curso de Capacitação de Gestores de APLs. Plano de Desenvolvimento

Curso de Capacitação de Gestores de APLs. Plano de Desenvolvimento Curso de Capacitação de Gestores de APLs Plano de Desenvolvimento Introdução Etapas do Plano de Desenvolvimento Cadeia Produtiva Cadeia de Valor Conclusões Introdução Apresentar as etapas do Plano de Desenvolvimento.

Leia mais

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias Descrição geral - Trabalho técnico de Economia, Engenharia, Ciências do Meio Ambiente, Estatística, Geografia, Ciências Sociais

Leia mais

Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação

Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação Bruno da Costa Feitosa bcfeitosa@gmail.com Resumo Este documento apresenta o planejamento estratégico de uma pequena empresa do ramo

Leia mais

Agosto 2012. Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados

Agosto 2012. Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados Agosto 2012 Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados Objetivo Compartilhar com o grupo uma postura de planejamento positiva para que a regionais da FEMAMA consigam atingir o seu objetivo, e desta

Leia mais

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS 2016

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS 2016 REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS 2016 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Biotecnologia PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR: Odir Antônio Dellagostin COORDENADORA

Leia mais

Relacionamento com Cliente. Case Unimed VS ISABEL SCHARDONG CONSULTORIA ATENDIMENTO AO CLIENTE OUTUBRO/2013

Relacionamento com Cliente. Case Unimed VS ISABEL SCHARDONG CONSULTORIA ATENDIMENTO AO CLIENTE OUTUBRO/2013 Relacionamento com Cliente Case Unimed VS ISABEL SCHARDONG CONSULTORIA ATENDIMENTO AO CLIENTE OUTUBRO/2013 Sobre a Unimed VS ÁREA DE AÇÃO: 984,6 KM² HABITANTES: 652.348 Nº CLIENTES: 70.000 (PP) COOPERADOS:

Leia mais

A visão empresarial da nova institucionalidade

A visão empresarial da nova institucionalidade Inovação Tecnológica e Segurança Jurídica A visão empresarial da nova institucionalidade José Ricardo Roriz Coelho Diretor Titular Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC Presidente Suzano

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS ALAGOAS UNEAL Total geral 0 UNCISAL Total geral 0 IFAL Total geral 0 UFAL Total geral 0 Total Alagoas 0 AMAZONAS IFAM Total geral 0 UEA CIÊNCIAS NATURAIS 2ª LICENCIATURA PRESENCIAL AM HUMAITÁ 40 UEA CIÊNCIAS

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial. 1º de maio de 2014

XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial. 1º de maio de 2014 XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial 1º de maio de 2014 Humberto Luiz Ribeiro Secretário de Comércio e Serviços (SCS) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Apresentação

Leia mais

EVENTOS E APOIO À COMERCIALIZAÇÃO. Brasília, 05 de outubro de 2009

EVENTOS E APOIO À COMERCIALIZAÇÃO. Brasília, 05 de outubro de 2009 COORDENAÇÃO-GERAL DE EVENTOS E APOIO À COMERCIALIZAÇÃO Brasília, 05 de outubro de 2009 CARAVANA BRASIL NACIONAL CARAVANA BRASIL NACIONAL Objetivos: Apoiar a comercialização e estimular a ampliação e a

Leia mais

Defender interesses difusos e coletivos, defender o regime democrático e a implementação de políticas constitucionais.

Defender interesses difusos e coletivos, defender o regime democrático e a implementação de políticas constitucionais. 1. Escopo ou finalidade do projeto Ampliar a efetividade do velamento que o Ministério Público exerce sobre as Fundações Privadas, de forma a garantir que este patrimônio social seja efetivamente aplicado

Leia mais

Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental

Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental Novembro de 2014 Brasil (confidencial) RESOLUÇÃO 4.327 BACEN e SARB14 - Febraban Regulação sobre Responsabilidade Socioambiental Bacen Resolução

Leia mais

Programa de Modernização do Controle Externo dos Estados, Distrito Federal e Municípios ESCOLA DE CONTAS

Programa de Modernização do Controle Externo dos Estados, Distrito Federal e Municípios ESCOLA DE CONTAS Programa de Modernização do Controle Externo dos Estados, Distrito Federal e Municípios ESCOLA DE CONTAS Ação Descrição Prazo Final PLANO DE AÇÃO Escolas de Contas 2009 Responsável ENCAMINHAMENTO IRB enviará

Leia mais

6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos

6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos 6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Brasília, 22 de outubro, 2015 Roteiro I. Atuação da Renai II. Parceria Renai Secretarias Estaduais III. Atividades Previstas Parte I O que é a Renai?

Leia mais

CENÁRIO DA FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO ESTADO DA PARAÍBA

CENÁRIO DA FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO ESTADO DA PARAÍBA CENÁRIO DA FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO ESTADO DA PARAÍBA Prof.ª Dr.ª Lívia Tenorio Brasileiro Depto. de Educação Física UEPB PROPESQ/UEPB 2010/2012 Aline Debora Silva Oliveira PIBIC/CNPq 2012/2013 DEF/UEPB

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS Profa. Cleide de Freitas Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS O que vimos na aula anterior Ideias e Oportunidades Oportunidades x Experiência de mercado O que é um plano de negócios? Identificação e análise de

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

EUS CTIS END USER SUPPORT. case eus ctis

EUS CTIS END USER SUPPORT. case eus ctis 01 EUS CTIS END USER SUPPORT case eus ctis 01 TELESSERVIÇOS/TELEMARKETING Prestação de telesserviços (telemarketing) no atendimento e suporte operacional e tecnológico aos produtos, serviços e sistemas

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

ISO 9000 e ISO 14.000

ISO 9000 e ISO 14.000 DISCIPLINA: QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: ALEXSANDRA GOMES PERÍODO: 3º PERÍODO CARGA HORÁRIA: 60 HORAS ISO 9000 e ISO 14.000 ISO 9000 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas

Leia mais

Uso estratégico da. como ferramenta de gestão social

Uso estratégico da. como ferramenta de gestão social Uso estratégico da tecnologia digital como ferramenta de gestão social Olá! Eu sou a Micheli Jacobs Graduada em Engenharia Industrial com ênfase em desenvolvimento de Processos e Produtos. - Pós-graduada

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

Cotas nas Instituições Públicas

Cotas nas Instituições Públicas Instituições Públicas Brasileiras Cotas (Fonte: Portal Educafro) Unidade da Federação Nome da Instituição Ano de Implantação das Cotas Descrição das Cotas AC Universidade Federal do Acre - UFAC Cota Racial

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 24/02/2012-16:58:00 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais