Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT"

Transcrição

1 Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT Campo Grande, 22 de setembro de 2010

2 Plano de Ação A política de C&T vem sendo consolidada há 50 anos A política brasileira de ciência, tecnologia e inovação, de intenso apoio à capacitação e formação de recursos humanos e à modernização da infraestrutura de laboratórios em universidades e centros de pesquisa, é responsável pelo incremento expressivo dos indicadores relativos a mestres e doutores titulados, pesquisadores e artigos científicos publicados. e a política de inovação... ganhou impulso nos últimos 5 anos. O Brasil experimenta um ciclo robusto de investimentos O momento é adequado para incorporar mais inovação a esta onda de investimentos A inovação deve constituir agenda prioritária de políticas permanentes de Estado 2

3 Plano de Ação Percentual de distribuição dos pesquisadores, em equivalência de tempo integral, por setor institucional, 2008 Argentina (2007) Espanha (2008) Brasil (2008) México (2007) Rússia (2008) França (2007) Alemanha (2007) China (2007) Japão (2007) Coréia (2007) Estados Unidos (1) 5,1 4,6 7,2 3,6 10,8 17,2 19,3 17,0 12,3 15,0 17,4 16,2 16,9 14,8 25,1 26,1 35,4 37,3 35,8 32,4 31,2 43,5 44,1 47,1 42,5 50,2 55,0 56,8 59, pesquisadores, em equivalência de tempo integral, em 2008, ou seja, 0,7 por milhão de habitantes 66,4 ensino superior governo setor empresarial 68,1 74,9 79, % pesquisadores Nota (1): valores mais recentes disponíveis Fontes: OECD, Main Science and Technology Indicators, 2009/2 e Brasil: MCT

4 PINTEC 2000, 2003 e 2005 Dispêndios nas atividades inovativas como percentual da receita líquida e vendas, segundo atividades selecionadas da Indústria Aquisições externas de P&D Aquisições de outros conhecimentos externos Aquisições de Software Atividades Internas de P&D 80% Aquisição de máquinas e equipamentos Introdução de inovações tecnológicas no mercado Projeto industrial e outras projetos técnicos Capacitação Aquisição de maquinaria e equipamento % 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90, Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, Pesquisa de Inovação Tecnológica Plano de Ação

5 Plano de Ação Participação (%) dos setores intensivos em recursos naturais na exportação dos países, 2005 Fonte:BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36,

6 Plano de Ação Participação (%) dos setores intensivos em tecnologia diferenciada e baseada em ciência na exportação dos países, 2005 Fonte:BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36,

7 Política de Estado Plano de Ação Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/ MAPA/MF/MP Política Econômica Política de Estado Plano de Aceleração do Crescimento Infraestrutura PAC Plano de Desenvolvimento da Educação PDE Política de Desenvolvimento Produtivo PDP Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação PACTI Plano de Desenvolvimento da Saúde Plano de Desenvolvimento da Agropecuária Foco dos investimentos: modernização P,D&I ampliação da capacidade Políticas em 2 níveis com atenção à dimensão regional: estrutural sistêmica

8 Plano de Ação Consolidação Institucional do Sistema Nacional de C,T&I CENPES ANATEL ANEEL ANP Maior Interlocução Governo Federal FINEP BNDES CAPES CNPq Governo Estadual Secretarias p/ C,T&I e FAP $ $ Institutos Tecnológicos Centros de P&D Sibratec Universidades Empresas $

9 Plano de Ação Leis Estaduais de Inovação AM Lei estadual PA Minuta de Lei MA Minuta de Lei CE Lei estadual Meta 2010: 17 estados com leis sancionadas 14 estados com leis sancionadas: AM, CE, PE, AL, SE, BA, GO, MT, MG, ES, RJ, SP SC e RS 2 UF com projeto de lei em tramitação 3 estados elaboraram minuta de lei MT Lei estadual MS Projeto de Lei GO Lei estadual SP Lei estadual MG Lei estadual PR Minuta de Lei SC Lei estadual RS Lei estadual DF Projeto de Lei PE Lei estadual AL Lei estadual SE Lei estadual BA Lei estadual ES Lei estadual RJ Lei estadual 9

10 Plano de Ação Objetivos das Prioridades Estratégicas do PACTI I. Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação II. Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas Intensificar as ações de fomento para a criação de um ambiente favorável à inovação nas empresas e o fortalecimento da Política de Desenvolvimento Produtivo III. P,D&I em Áreas Estratégicas Fortalecer as atividades de pesquisa e inovação em áreas estratégicas para a soberania do País IV. C,T&I para o Desenvolvimento Social Promover a popularização e o aperfeiçoamento do ensino de ciências nas escolas, bem como a difusão de tecnologias para a inclusão e o desenvolvimento social 10

11 Plano de Ação Mestres e Doutores titulados anualmente Capes/MEC ,8 mil mestres* titulados em ,4 mil doutores titulados em * inclui o mestrado profissional a partir de /04/2010 fonte: Capes/MEC 11

12 R$ milhões Apoio à pesquisa em todas as áreas do conhecimento - CNPq Recursos do MCT (CNPq e FNDCT) disponibilizados para Editais (R$ milhões) 400 Pronex (1) INCT (1) Institutos do Milênio Jovens Pesquisadores Casadinho Primeiros Projetos Edital Universal Plano de Ação ano de lançamento do edital (1) somente recursos MCT

13 Plano de Ação Programas de Apoio à Implantação de Infraestrutura de Pesquisa - FINEP Total para editais em 2009: R$ 390 milhões recursos em R$ milhões Pró-Infra Instalações multiusuários Universidades estaduais e municipais Novos campi Outros Orçamento total comprometido do CT Infra : R$ milhões

14 Plano de Ação Interiorização das universidades federais Universidades federais em 2002 Sedes = 43

15 Plano de Ação Interiorização das universidades federais Universidades federais em 2009 Sedes = 59 Outros campi = 171 Total = 230

16 122 Plano de Ação INCT Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia forte interação com o sistema produtivo e com a sociedade R$ 609 milhões FAPs R$ 216,6 milhões CAPES R$ 30,0 milhões MEC R$ 1,0 milhão MS R$ 17,5 milhões BNDES R$ 22,4 milhões Petrobras R$ 21,4 milhões CNPq R$ 110,0 milhões FNDCT R$ 190,0 milhões 16

17 Prioridade à Política de Inovação O Brasil experimenta um ciclo robusto de investimentos O momento é adequado para incorporar mais inovação a esta onda de investimentos A inovação constitui agenda prioritária e permanente do setor empresarial e do Estado

18 Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos: empresa e país Gera mais e melhores empregos: maior participação dos salários na renda nacional É vetor de competitividade: mais valor agregado e presença nos mercados globais Soluciona demandas da sociedade: Saúde, Meio Ambiente, Complexos Urbanos Protege as Nações: Defesa Crescimento com base na inovação Convergência de interesses: Cidadão, Empresas e Estado

19 Programas de incentivo a empresas inovadoras porte ideia nascente pequena média/grande agência Programa PRIME PAPPE Subvenção Subvenção Nacional Inova Brasil Programa PNI Juro Zero Programa SIBRATEC legenda $ subvenção $ capital risco Fundos Seed Fundos VC Incentivos Fiscais $ empréstimo $ outros Fundos PE Bolsas 19

20 Programas de incentivo a empresas inovadoras porte ideia nascente pequena média/grande agência Inovação Tecnológica financiamento com foco no projeto Capital Inovador financiamento com foco na empresa Cartão BNDES Criatec legenda $ ñ-reembolsável Pro-Farma/Inovação, Prosoft/Empresa, Proengenharia, Pró-Aeronáutica, PROTVD/Fornecedor $ capital risco $ empréstimo $ outros FUNTEC somente para instituições tecnológicas e instituições de apoio sem fins lucrativos, com interveniência de empresas 20

21 R$ Milhões Demanda: R$ 4,9 bilhões projetos Plano de Ação Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica Chamada Pública MCT/FINEP Valor dos Editais, Demanda e Resultado Demanda: R$ 6,0 bilhões projetos Demanda: R$ 5,2 bilhões projetos Demanda: R$ 1,9 bilhão projetos , , , Valor do Edital Resultado 21

22 Plano de Ação Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica Distribuição percentual de recursos por porte de empresa, propostas aprovadas micro pequena média grande Participação das micro e pequenas empresas 2006: 50,2% 2007: 45,2% 2008: 70,4% 2009: 77,1% ,1 18,1 19,2 30,6 28,1 17,1 19,1 35,7 41,4 29,0 13,5 16, ,8 25,3 16,4 6,4 22

23 Plano de Ação SIBRATEC Centros de Inovação (14 redes temáticas) 13 redes estão estruturadas e 01 está em articulação Manufatura e Bens de Capital Microeletrônica Eletrônica para Produtos Vitivinicultura Energia Solar Fotovoltaica Plásticos e Borrachas Visualização Avançada Bioetanol Equipamentos Medico, Hospitalar e odontológico Insumos para a Saúde Humana Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação Nanocosméticos Veículos Elétricos DF Insumos para Saúde e Nutrição Animal 13/08/

24 Plano de Ação sangue e hemoderivados 9 insumos farmacêuticos, medicamentos e cosméticos 17 produtos para a saúde 46 resíduos e contaminantes em alimentos 19 gravimetria, orientação magnética, compatibilidade eletromagnética 13 transformados plásticos 29 SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia monitoramento ambiental 16 instalações prediais e iluminação pública 25 Serviços Tecnológicos (20 redes temáticas) análises físico-químicas e microbiológicas para alimentação 71 biotecnologia 10 saneamento e abastecimento de água 40 produtos de setores tradicionais: têxtil, couro, calçados, madeira e móveis participações laboratoriais nas 20 redes temáticas radioproteção e dosimetria 24 equipamentos de proteção individual 15 produtos e dispositivos eletrônicos 20 TIC aplicáveis às novas mídias 9 geração, transmissão e distribuição de energia 27 componentes/produtos da área de defesa e de segurança 12 biocombustíveis 20 produtos de manufatura mecânica

25 Plano de Ação SIBRATEC Extensão Tecnológica FDB; FUCAPI; FUA; INPA; UEA; IFAM; Embrapa/CPAA; CBA/; IDAM; SENAI/AM; SECT/AM; FAPEAM; SEBRAE-AM IEL/RO; SENAI/RO; IPEPATRO; Embrapa-RO/CEPAFRO; IJN; FIMCA; SEPLAN; SEBRAE/RO FADESP; SENAI/PA; UFPA, UEPA, CPATU, IFPA, SEDECT/PA IEL/TO; SENAI/TO; UNITINS; UFT; SECT/TO FUNDETEC; SENAI/PI; IFPI; UESPI; SEBRAE/PI; SEDET/PI FCPC; NUTEC; UFC; CENTEC; INDI/CE; IFCE; Agropolos; BNB; SECITECE; FUNCAP; SEBRAECE FUNPEC; SENAI/RN; UFRN; UERN; SENAI/CTGÁS; SEDEC/RN FJA; SENAI/PB; UFPB; IFPB; SECTMAPB IEL/PE; ITEP; UFPE; SECTMA-PE NGPD; SENAI/PE; SEBRAE/PE IEL/AL; SENAI/AL; UFAL; UNEAL; FIEA, FAPEAL, SEBRAE/AL, SECTI/AL SECITEC/MT; SENAI/MT; UFMT; IFMT; UNEMAT; INT; SEBRAE/MT FUNAPE/GO; SENAI/GO; UFG; IFGOIANO; SGM-SIC/GO; SEBRAE/GO; SECTEC/GO IEL/MS; SENAI/MS; UFMS; UEMS; UFGD; UCDB; SEBRAE/MS; SEMAC/MS TECPAR; FIEP; SEBRAE/PR; SETI/PR; F.ARAUCÁRIA SOCIESC; SEBRAE/SC; FAPESC IEL/SE; ITPS; UFS, ITP, IFS, FAPITEC/SE, SEBRAE-SE IEL/BA; UESC; CEPED; CETENE/PE; SECTI/BA; FAPESB; SEBRAE/BA; SICM/BA RMI; CETEC; IEL/MG; FAPEMIG; SEBRAE/MG; SEDE/MG; SECTES/MG IEL/ES; SENAI/ES; UFES, IFES, CETEM, BANDES, SEBRAE-ES, FINDES, FAPES, SECTES REDETEC; INT; SEBRAE/RJ; FAPERJ IEL/RS; SCT/RS; CIENTEC; IBTEC; IFSul; PUC/RS; UNISINOS; UERGS; SEDAI/RS; SEBRAE/RS FIPT; IPT; CTI; CEETEPS; FDTE; SD/SP 23/04/2010

26 PNI Programa Nacional de Apoio às Incubadoras e Parques Tecnológicos Situação: ~ 400 Incubadoras de Empresas em 25 UFs empresas inovadoras 35 mil empregos gerados 74 iniciativas de Parques Tecnológicos: 25 em operação R$ 3,5 bilhões de faturamento das empresas 26 Ações Futuras: FINEP: Edital de R$ 40 milhões para financiamento de empreendimentos de Parques Tecnológicos FINEP: Edital de R$ 10 milhões para apoio de pequeno porte à Incubadoras de base tecnológicas isoladas em : previsto o apoio de 18 projetos de fomento a incubadoras de empresas e parques tecnológicos, num montante de 104 milhões de reais

27 PNI Programa Nacional de Apoio às Incubadoras e Parques Tecnológicos Concentração das Incubadoras AL PB PE DF SP MG ES RS PR RJ SC 27

28 Incentivos à Empresas Intensivas em Tecnologia PRIME Programa Primeira Empresa Inovadora Programa em parceria com entidades locais Apoio a: empresas inovadoras nascentes, em 4 anos, por meio de 17 incubadoras-âncora, responsáveis pela seleção dos empreendimentos e repasse dos recursos. Objetivo do PRIME Apoiar a estruturação de planos de negócio e o desenvolvimento de novos produtos e serviços de empresas nascentes (até 2 anos de vida). 17 editais regionais lançados em 05/03/ projetos qualificados empresas foram contratadas até abril de 2010, para receber R$ 120 mil cada na forma de subvenção econômica 28

29 PACTI e PDP: principais medidas implementadas PACTI e PDP: meta comum para investimento empresarial em P&D De 0,51% do PIB em 2005 para 0,65% do PIB em 2010 Cerca de R$ 16 bilhões mobilizados p/ Inovação nas empresas Subvenção e Incentivos Fiscais: R$ 5,4 bilhões Financiamento: R$ 9,6 bilhões Programas Estruturantes: R$ 0,7 bilhão

30 PACTI e PDP: principais medidas implementadas PACTI e PDP: principais medidas implementadas Subvenção e Incentivos Fiscais Subvenção FINEP/MCT: R$ 1,5 bilhão e 825 projetos (2006/9) Lei do Bem: R$ 2,6 bilhões (2006/ beneficiados) Depreciação instantânea para investimentos em P&D: R$ 1,34 bilhão ( )

31 PACTI e PDP: principais medidas implementadas implementadas Financiamento Créditos aprovados Finep: R$ 4,3 bilhões ( ) Créditos aprovados e Part. Acion BNDES: R$ 4,9 bilhões ( ) Fund Inv BNDES: R$ 107 milhões Fund Inv FINEP: R$ 310 milhões

32 PACTI e PDP: principais medidas implementadas PACTI e PDP: principais medidas implementadas Programas Estruturantes Sibratec: Financiamento de R$ 243,6 milhões Programa Inovação SEBRAE/CNI: R$ 48 milhões Programa de Incubadoras: 400 incubadoras, R$ 120 milhões NITs (Lei da Inovação) royalties: R$ 21,2 milhões ( ) RHAE Pesquisador na Empresa: R$ 106 milhões para 500 empresas PRIME Primeira Empresa Inovadora: subvenção para empresas: R$ 165,72 milhões

33 Plano de Ação Orçamento executado ( ) e previsto (2010) do MCT e de outros órgãos federais em programas do PACTI (R$ milhões correntes e percentual executado em relação ao previsto em 2007) MS/PPA R$ (131,9%) MEC/CAPES R$ (142,5%) MME/Petrobras/Eletrobras R$ (124,5%) MAPA/Embrapa/PPA R$ (106,7%) Outras fontes R$ 260 (75,7%) BNDES R$ (74,3%) FUNTTEL R$ 358 (40,6%) FAT R$1.320 (85,2%) MCT/outras ações PPA (2) R$ (112,1%) MCT/FNDCT (1) R$ (82,7%) Total executado e previsto 2010: R$ 40,3 bilhões (97,9%) Notas: 1) inclui recursos sob supervisão do FNDCT; Fonte: Execução do Orçamento da União 2) não inclui pessoal, encargos sociais e (Site Câmara dos Deputados) e despesas financeira e obrigatórias LOA

34 Plano de Ação R$ milhões correntes Lei +Créditos Evolução da execução orçamentária do MCT (incluindo despesas de pessoal) despesas de pessoal FINEP (FAT,FND) programa nuclear institutos MCT LOA FNDCT CNPq programa espacial outras ações MCT

35 Plano de Ação Evolução Orçamentária do FNDCT (fundos setoriais e recursos sob supervisão do FNDCT) R$ bilhões constantes, IPCA (média anual/dez.2006) para R$ bilhões correntes para ,50 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 Ano R$ bilhões , , , , , , , , , , ,10 Fundos Setoriais , Nota: LOA

36 Plano de Ação Dispêndio nacional em C&T e P&D como razão do PIB (%) 1,70% C&T: 1,61 % 1,50% Brasil 1,30% P&D: 1,22 % 1,10% 0,90% 0,70% 0,50% C&T P&D P&D empresarial 2007 a 2010: aumento de 14% no dispêndio nacional em P&D como razão do PIB P&D empresarial: 0,56 % 0,30% (1) (1) (1) 2009 a 2010 estimado pela variação média de 2000 a

37 Plano de Ação As certezas no contexto internacional Repercussões da crise serão de longa duração: baixo crescimento com volatilidade Convivência: novos e antigos pólos de dinamismo. Competição feroz nos mercados: disputa pela riqueza a ser gerada, distribuída e apropriada Estados defendendo interesses nacionais: minimizam crise, organizam saídas Manutenção do forte ritmo de progresso técnico: esforços de empresas e investimentos de países se mantém ou aumentam 37

38 Plano de Ação A crise recente não afetou o ritmo e a intensidade de geração de inovações Empresas líderes mundiais 64% mantém inovação como prioridade estratégica. 58% pretendem aumentar dispêndios com inovação. Inovação: arma para manter ou expandir mercados em um ambiente de acirrada concorrência entre empresas e países

39 Políticas: diferentes abordagens e instrumentos possíveis Diferentes formas de priorizar - Por Tecnologia: China (i) 11 alvos para 2020: viagem à Lua, novas drogas anti-hiv, etc.; (ii) Atração de Centros de P&D: IBM, Nokia, GE, Roche, Honda, etc. - Por Problema: EUA (14 desafios. Ex.: Tornar energia solar mais econômica, melhorar infra urbana, etc.) - Por Setor Estratégico: Coréia do Sul (TI),Índia (Farmacêutica) I. Financiamento direto às empresas Recursos não-reembolsáveis Financiamento a taxas menores que as de mercado Participação Acionária II. Incentivos Fiscais (P&D, depreciação acelerada e importação) III. Compras Governamentais Instrumentos usualmente utilizados Fonte: Banco Mundial (2010) e ABDI (2010)

40 Plano de Ação Participação no PIB Mundial (PPP) 40 % de participação Europa Ocidental China India EUA Império Russo/ URSS 0 Japão BRASIL Fonte: Angus Madison, Statistics on World Population, GDP and Per Capita GDP

41 Plano de Ação Brasil: explorar potencialidades... Crescimento acima da média internacional (5% ou mais) durante 4/5 anos. Mercado externo: oportunidades para consolidar liderança em segmentos competitivos. Consumo de massa: mercado interno com potencial de expansão. As frentes firmes de investimento extendem as perspectivas de crescimento em infraestruturas: logística, energias, complexos urbanos 41

42 Plano de Ação e avançar sobre nossas debilidades... Competências: maior consciência coletiva, investimentos de qualidade, maciços, eficazes e duradouros Inovação: protagonismo do setor privado (nestes tempos de incerteza). Vulnerabilidade externa: fortalecer e diversificar base produtiva e aumentar Poupança doméstica: essencial para garantir robustez interna e externa do país. + eficácia => planejar e agir para o longo prazo 42

43 Desafios 1. Manter o investimento liderando a expansão econômica para assegurar a estabilidade e defletir pressões inflacionárias Expandir fornecedores para Petróleo e Gás Fortalecer cadeias voltadas para o mercado interno Fomentar cadeias associadas aos investimentos em infraestrutura 2. Fortalecer a capacidade de inovação das empresas brasileiras Induzir investimentos de empresas líderes Fomentar Planos de inovação em MPEs Plano de Ação Fortalecer Redes de Pesquisa e Inovação SIBRATEC 3. Ampliar exportações de manufaturados e diminuir dependência de importação de itens estratégicos, com produção local competitiva Evitar dependência excessiva de commodities Cadeias da química e farmoquímica, eletrônica e energia, por exemplo, merecem atenção especial 4. Ampliar a capacidade de formação de RH e a infraestrutura de pesquisa científica e tecnológica

44 Plano de Ação Desafios da formação de recursos humanos para a inovação e o crescimento Conjugar a qualidade da formação de trabalhadores, à melhoria da educação básica e ao fortalecimento das boas práticas em educação profissional Melhoria do ensino básico com ênfase nas ciências e matemática Mobilizar a infraestrutura e os talentos de ensino e pesquisa disponíveis para promover maior eficiência acelerar a formação de RH e a pesquisa (quantidade e qualidade) Atrair e incentivar centros de P&D GE e IBM Atrair e valorizar os talentos brasileiros (no Brasil e no exterior) e estrangeiros Valorizar a propriedade intelectual 44

45 Desafios da formação de recursos humanos para a inovação e o crescimento Talentos para Inovação desde 2006 (Sociedades de Física, Química, Matemática e Engenharia) Formação de recursos humanos com nível superior para inovação flexibilidade e multidisciplinaridade formação aplicada aliada à formação teórica cultura da Inovação Formação de Engenheiros redução da evasão Plano de Ação estimular a demanda por engenharias fortalecendo o ensino de ciências e matemática no ensino básico Dobrar em 4 anos o número de engenheiros formados anualmente (30 mil/2009 e 60 mil/2014) 45

46 Plano de Ação Como aumentar investimentos em inovação? Ações do Estado Protagonismo científico Protagonismo das empresas Interação iniciativa privada/ governo Coordenação eficaz do governo Manter investimentos em educação básica, superior e técnica Uso do poder de compra governamental Reduzir riscos, orientar direção; apoiar decididamente iniciativas das empresas Disponibilizar instrumentos simples e suficientes, adequados às melhores práticas internacionais e à realidade do Brasil Enfatizar articulação entre universidades, institutos de pesquisa, empresas e governo

47 Medidas em em implementação Poder de compra (MP 495/2010) - Editada propõe alterações do artigo 3º da Lei nº 8.666/1993 Institui margem de preferência a produtos manufaturados nacionais e serviços nacionais, em compatibilização com a Lei de Inovação Fundações (MP Nº 495/2010, que altera as Leis /2003, e 8.745/1993) - Editada Permite que as ICTs e as Agências de Fomento possam realizar convênios, contratos e acordos com fundações criadas para dar apoio a projetos de pesquisa e de desenvolvimento institucional, científico e tecnológico, Desoneração tributária da Subvenção Econômica (MP 497/ 2010) - Editada Exclui da base de cálculo do IRPJ e da CSLL os recursos recebidos pelas empresa a título de subvenção econômica 47

48 Edital Subvenção Econômica 2010 Edital Subvenção Econômica 2010 Foco: Programas Mobilizadores PDP/PACTI Chamada Pública FINEP/MCT Ago/2010 Valor do Edital: R$ 500 milhões Temas: TIC Energia Nanotecnologia/Biotecnologia Saúde Defesa Desenvolvimento Social Participação: BNDES/MDIC, MS, MD, PETROBRAS/CENPES, MME, EMBRAPA

49 Apoio à Gestão de Inovação Apoio à Gestão de Inovação Parceria: MCT/FINEP, MDIC/BNDES, CNI, SEBRAE Apoio: Movimento Empresarial pela Inovação (MEI) Valor global: R$ 100 milhões 1) Edital FINEP Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação Chamada Pública MCT/FINEP PRÓ-INOVA: R$ 50 M Objetivo: ampliar a capacidade das empresas brasileiras na elaboração de planos e projetos de Gestão da Inovação. Para tanto serão constituídos NAGIs preferencialmente nas federações das indústrias Resultados esperados: atendimento de cerca de 800 a 1600 empresas através da criação de 20 NAGIs

50 Apoio à Gestão de Inovação Apoio à Gestão de Inovação 2) Redes de Núcleos de Inovação CNI/SEBRAE: R$ 50 M Objetivo: implantar planos de inovação nas MPEs industriais através de ações de mobilização, capacitação, consultoria e assessoria desenvolvidas pelos Núcleos Estaduais de Inovação da MEI Resultados esperados: implantação de 3000 planos de inovação nas empresas e assessorar a elaboração de 2400 projetos para submissão aos órgãos de fomento

51 Comprometimentos Compromisso 1 1 Criação de Comitê de Articulação (Sala de Inovação) Mesa única de negociação empresa/instituições públicas para dar apoio efetivo, eficaz e facilitar o acesso a benefícios de política existentes Ligado às Secretarias Executivas da PDP e da PACTI Participantes: MF, MDIC, MCT e seus órgãos

52 Comprometimentos 2 Compromisso 2 Orçamento 2010 BNDES para inovação: R$ 1,6 Bilhões (fundos, participação acionária, recursos não reembolsáveis e crédito) Orçamento 2010 de crédito FINEP: R$ 1,6 B PSI-Inovação (até 31/12/2010): R$ 2 bilhões. Taxas de 3,5% e 4,5%. FINEP operará PSI em montante até R$ 750 milhões

53 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Brasília, 26 a 28 de maio de 2010 Algumas das Principais Recomendações Institucionalização, fortalecimento e consolidação do Sistema Nacional de CT&I é essencial para que a Política de C,T&I seja considerada de Estado Ampliar significativamente o contingente de pesquisadores e técnicos, com aderência aos novos modelos de formação de RH (interdisciplinaridade, novas habilidades, novos domínios tecnológicos etc.) Investir em grandes laboratórios e projetos nacionais mobilizadores de C,T&I, também com vistas à maior integração da comunidade científica com o setor empresarial; Fortalecer parcerias entre atores estratégicos (universidades, institutos de pesquisa e tecnologia, empresas, governo)

54 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Brasília, 26 a 28 de maio de 2010 Algumas das Principais Recomendações Fortalecer a educação profissional Ampliar o número de escolas técnicas Fortalecer a engenharia nacional e áreas correlatas Estimular a formação de talentos e o empreendedorismo Utilizar o poder de compra do Governo em áreas estratégicas e modernizar o marco regulatório correspondente Aumentar o nível de participação dos recursos de bancos e instituições de fomento na composição dos investimentos para inovação

55 Inovação: Agenda Estratégica e Prioritária para o Brasil Luiz Antonio Elias Secretário Executivo do MCT Campo Grande, 22 de setembro de 2010

Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação -

Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação - Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação - Cristina Akemi Shimoda Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - SETEC Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

Ronaldo Mota. ABMES Seminários Dezembro Brasília DF, 07 de dezembro 2010

Ronaldo Mota. ABMES Seminários Dezembro Brasília DF, 07 de dezembro 2010 Conferência: Olhando para o futuro: visões da educação brasileira para os próximos dez anos Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) ABMES Seminários Dezembro Brasília DF,

Leia mais

Inovação, Competitividade e Desenvolvimento

Inovação, Competitividade e Desenvolvimento Inovação, Competitividade e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) XV MET e II Simpósio sobre Metodologias Lab. de Pesquisa Agropecuária Embrapa/Pelotas-RS,

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Seminário: Brasil do Diálogo, da Produção e do Emprego São Paulo, 26 de maio de 2011 O Desenvolvimento

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia LIDE - GRUPO DE LIDERES EMPRESARIAS São Paulo, 27 de junho de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva

Leia mais

Audiência Pública. Senado Federal

Audiência Pública. Senado Federal Ministério da Ciência e Tecnologia Audiência Pública Senado Federal Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 4 de maio de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

Goiânia, 16 de Setembro de 2013. Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040

Goiânia, 16 de Setembro de 2013. Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040 Goiânia, 16 de Setembro de 2013 Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040 Eixo de Sustentação da ENCTI Redes SIBRATEC-ST na ENCTI 2012-2015 C,T&I como eixo estruturante do desenvolvimento

Leia mais

Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea

Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) FOPROEXT -Fórum de Pró-Reitores de Extensão, São Carlos-SP, 10/05/2010

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova Parceiros do Programa MCT, FINEP, CNPq, CGEE, MDIC, INPI, INMETRO, ABDI, BNDES, SEBRAE, CNI, IEL, ANPEI, ANPROTEC, MBC, PROTEC, CONFAP, ABIPTI Articulação e

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante

Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado / CAE Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 28 de junho de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Audiência Pública. Senado Federal

Audiência Pública. Senado Federal Ministério da Ciência e Tecnologia Audiência Pública Senado Federal Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 4 de maio de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Fomento à Inovação no Brasil Desenvolvimento e Sustentabilidade ALIDE Fortaleza, maio 2010 FINEP Empresa pública federal, vinculada

Leia mais

Inovação na Sociedade e nas Empresas

Inovação na Sociedade e nas Empresas Inovação na Sociedade e nas Empresas Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) 46 Fórum da ABRUEM Ilhéus, BA 25/05/2010 Plano de Ação 2007-2010 Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Nova Política de Inovação

Nova Política de Inovação Nova Política de Inovação Fernanda Magalhães Coordenadora de Propriedade Intelectual Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação XIII Encontro da Rede Mineira de Propriedade Intelectual Alfenas

Leia mais

Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI

Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) Encontro das Sociedades e Associações de Física da América Latina (25/02/2010) C,T&I

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Estratégias de Inovação A Nova Estratégia Internacional do Brasil: Investimentos, Serviços e Inovação na Agenda Externa São Paulo,

Leia mais

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT)

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) 01 de março de 2010 I N O ABSORÇÃO DA CULTURA DA INOVAÇÃO EI V A Ç Ã

Leia mais

Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais

Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais Seminário Estadual do Setor Público para a Identificação e Prospecção de Demandas em Pesquisas e Serviços Ambientais EPAGRI/CIRAM - Florianópolis outubro 2011. Cenários e tendências em ciência, tecnologia

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC

Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC Cultura de Inovação nas Empresas C I Ê C I A E T E C N O L O G I A SBRT SIBRATEC EXTENSÃO SIBRATEC SERVIÇOS SIBRATEC INOVAÇÃO I N O V A Ç Ã O Serviço Brasileiro

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Programas de Financiamento à Inovação III WORKSHOP DAS UNIDADES DE PESQUISA DO MCT Campinas, 30 e 31 de agosto de 2010 Inovação Inovação

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Workshop: Os Desafios para a Industria Nacional de Petróleo e Gás BNDES, Rio de Janeiro - RJ, 02 de julho de 2008 FINEP Empresa pública

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados

A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados Pedro Wongtschowski São Paulo - 4/2/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION

SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION SIBRATEC NETWORKS EVALUATION: TECHNOLOGY EXTENSION FÉLIX ANDRADE DA SILVA TECHNOLOGY AND INNOVATION FOR SMEs TECNOLOGY AND INNOVATION ADVISORY SERVICES REGIONAL WORKSHOP FLORIANOPOLIS, SANTA CATARINA,

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Cenário brasileiro do investimento da empresa em P&D. Ricardo Magnani

Cenário brasileiro do investimento da empresa em P&D. Ricardo Magnani Cenário brasileiro do investimento da empresa em P&D Ricardo Magnani Corporate Connect 2011 Agenda PACTI 2007-2010 Leis e Instrumentos Desafios de se investir em Inovação no Brasil E se eu não investir...

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS 4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS Reinaldo Guimarães Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Brasília,

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Reações do Brasil: A Ação das Outras Agências do Governo - Finep

Reações do Brasil: A Ação das Outras Agências do Governo - Finep ESTUDOS E PESQUISAS Nº 301 Reações do Brasil: A Ação das Outras Agências do Governo - Finep Luis Manuel Rebelo Fernandes* XXI Fórum Nacional - Na Crise Global, o Novo Papel Mundial dos BRICs (BRIMCs?)

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha Competitividade para Gerar Negócios Recursos subsidiados disponíveis hoje para investimentos, giro e inovação nas empresas Palestrante: Antônio Carlos Rocha Coordenação: Nicolás Honorato SINAIS DA RECUPERAÇÃO

Leia mais

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE Maria Rita de Morais Chaves Santos (UFPI) Coordenação Regional FORTEC NE Coordenação NIT UFPI REDE NIT - NE Mrita/ufpi/2008 PERFIL Maria

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Madhu Haridasan Coordenador de Tecnologia da Informação da Rede Brasil de Tecnologia Dispêndios nacionais

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

Marco Regulatório e Planos de Governo

Marco Regulatório e Planos de Governo Marco Regulatório e Planos de Governo 1999: Criação dos Fundos setoriais 2004: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) 2004: Lei da Inovação Nova Lei de Informática Lei de criação

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Rochester Gomes da Costa Chefe do Departamento de Empreendedorismo Inovador Area de Investimentos

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia

Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia 1950 1960 1951 Criação do Conselho Nacional de Pesquisas e da CAPES CNPq e CAPES apóiam estudantes e pesquisadores individuais (bolsas e

Leia mais

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA Helena Tenório Veiga de Almeida Chefe do Departamento de Inovação Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Redes de Inovação Vantagens da Articulação entre Empresas Inovadoras & ICTIs

Redes de Inovação Vantagens da Articulação entre Empresas Inovadoras & ICTIs Redes de Inovação Vantagens da Articulação entre Empresas Inovadoras & ICTIs IMPLEMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CENTROS DE P&D NO BRASIL. SENAI Departamento Nacional São Paulo, 30 de Junho de 205 Tópicos de

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil

Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil José Antônio Silvério Coordenador de Capacitação Tecnológica Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação 1 Plano Brasil

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para novas

Leia mais

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL INDÚSTRIA DIVERSIFICADA... outros; 18,8% Alimentos

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 18 de Setembro

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais