PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico."

Transcrição

1 PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores e ocorre em várias atividades ocupacionais. A intolerância a sons intensos, zumbido, dificuldade de compreensão de fala, irritabilidade, tontura e cefaleia são características sintomáticas da perda auditiva induzida pelo ruído. Ao cessar a exposição ao ruído, não haverá retorno progressivo da audição. Como o ruído é um risco presente nos ambientes de trabalho, o acompanhamento da audição em trabalhadores expostos aos ruídos é extremamente importante para a prevenção da saúde dos mesmos. O traçado audiométrico é a referência de parâmetros para avaliação e monitoramento da audição em trabalhadores expostos a níveis de pressão sonora. Assim, diante das repercussões existentes entre perda auditiva e o uso de aparelhos telefônicos, impulsionou-se a realização de um estudo para acompanhar a evolução do comportamento e saúde auditiva em pessoas expostas aos ruídos emitidos pelos aparelhos telefônicos. Geralmente, os ambientes de trabalho que utilizam o telefone como instrumento laboral são locais que não possuem tratamento acústico adequado, apresentam sons e vozes de diversas frequências, além de ruídos emitidos pelos aparelhos telefônicos. A partir dessas características, analisou-se também o traçado audiométrico, a estabilidade dos pontos de equilíbrio e a existência de ponto crítico. De acordo com os resultados encontrados durante a análise de um ano da atividade dos trabalhadores ligados às funções de atendimento telefônico, os mesmos não apresentaram perda auditiva e, também, não ocorreram alterações significantes na audição. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. INTRODUÇÃO O conceito de perda auditiva está ligado à intolerância de sons intensos e a exposição ao ruído. O termo ruído é usado para descrever sons desagradáveis. O som é a variação da pressão atmosférica dentro dos limites de amplitude e banda de frequências que o ouvido humano responde. Quando ocorre a exposição ao ruído de forma intensa pode ocasionar o trauma acústico, que lesa de forma temporária ou definitiva as diversas estruturas do ouvido. A exposição ao ruído intenso e contínuo em média acima de 85 decibels por mais de oito horas 1 Engenheira Mecânica e aluna de Pós Graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho. 2 Doutor em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia, Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho e orientador deste artigo.

2 por dia, altera de maneira significante as estruturas internas do ouvido, que determinam a ocorrência da perda auditiva induzida pelos níveis de pressão sonora elevados. Neste trabalho, utiliza-se um estudo simples composto por seis pessoas que inicialmente para o presente estudo, foram analisadas durante um ano com exames audiométricos. Através de simulações numéricas constroem-se gráficos audiogramas que descrevem o comportamento das audiometrias para detectar possíveis mudanças de resultados perante o tempo de exposição aos ruídos durante o ano de testes realizados. E, verificou-se que não ocorreram alterações significantes nos exames audiométricos durante o ano de análise dos seis voluntários. Apesar do curto espaço de tempo (um ano) analisado, os trabalhadores apresentaram conservação da saúde auditiva e limites aceitáveis. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A audição é uma atividade sensorial que permite a percepção do som. O som é uma perturbação vibratória em meio elástico audível ao ser humano quando no intervalo de frequência 20 Hz a 2000 Hz. O ruído é o som desagradável e se classifica em contínuo, intermitente, ruído de impacto ou impulso. O ruído contínuo possui variações desprezíveis durante o período de observação até +/- 3 db, o intermitente apresenta variações apreciáveis durante o período de observação superior a +/- 3 db, enquanto que o ruído de impacto é caracterizado pelos picos de energia acústica de duração inferior a um segundo (ISO, 1996). O mecanismo da audição funciona da seguinte maneira, as ondas sonoras percorrem o ouvido externo até atingir o tímpano, provocando vibrações que são transferidas para os três ossos do ouvido médio. As vibrações da janela oval geram ondas de pressão que propagam até a cóclea, e viajam ao longo do tubo superior. As paredes finas da cóclea vibram e as ondas passam para o tubo central e depois para o tubo inferior até a janela redonda. As vibrações das membranas basal e tectória em sentidos opostos estimulam as células a produzir sinais elétricos. As ondas percorrem distâncias diferentes ao longo da cóclea com vários tempos de atraso dependendo da frequência. Isto permite ao ouvido distinguir as frequências do som (GERGES, 2000). O grau da perda auditiva é avaliado pela audiometria. O exame audiométrico avalia a capacidade de ouvir sons e as respostas aos tons puros emitidos em diversas frequências. Segundo a NR-7, Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional de Abril de 1998, a audiometria é uma obrigação legal das empresas, cujos trabalhadores são expostos a ruídos no

3 trabalho. Conforme requerido pela NR7, os testes que compõem o exame de audiometria são as audiometrias total limiar por via aérea e total limiar por via óssea. Além da otoscopia que é o exame realizado no conduto auditivo com a utilização de um aparelho chamado otoscópio, e a meatoscopia que avalia o meato acústico externo para realizar a audiometria limiar (ATLAS. 2013). As tonalidades dos sons graves possuem frequências de 20 a 800 Hz, os sons médios de 800 a 3000 Hz e os sons agudos de 3000 a Hz. Em relação ao nível de pressão sonora, de 0 a 120 dbnps caracteriza conforto auditivo, acima de 120 dbnps desconforto auditivo e acima de 140 dbnps consiste em limiar da dor. A conservação da audição segue os procedimentos de medição do ruído, avaliação do risco, redução do ruído e monitoramento audiométrico (GERGES, 2000). A perda auditiva induzida pelo ruído trata-se de uma perda auditiva do tipo neurosensorial, geralmente bilateral, irreversível e progressiva com o tempo de exposição ao ruído. Ocorrem perdas de 40 db nas baixas frequências e até 75 db nas altas (Comitê Nacional de Ruídos, 1998; ACOEM, 2003). O diagnóstico da perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados leva em conta a análise da cada caso, além do traçado audiométrico ou da evolução sequencial de exames audiométricos dos trabalhadores. O traçado audiométrico consiste em um gráfico com a frequência em KHz no eixo horizontal e o nível de audição em decibel no eixo vertical. Assim, o resultado do exame audiométrico realizado no trabalhador referente às orelhas direita e esquerda é registrado no traçado audiométrico, em que a distância entre cada oitava de frequência deve corresponder a uma variação de 20 db no eixo do nível de audição (D). Os símbolos referentes à via de condução aérea devem ser ligados através de linhas contínuas para a orelha direita e linhas interrompidas para a orelha esquerda. Os símbolos de condução óssea não devem ser interligados. No caso de uso de cores, a cor vermelha deve ser usada para os símbolos referentes à orelha direita e, a cor azul deve ser usada para os símbolos referentes à orelha esquerda (ATLAS, 2013). De acordo com a NR7, entende-se como perda auditiva por níveis de pressão sonora elevados as alterações dos limiares auditivos, do tipo sensorioneural, decorrente da exposição ocupacional sistemática a níveis de pressão sonora elevados. Tem como características principais a irreversibilidade e a progressão gradual com o tempo de exposição ao risco. A sua história natural mostra, inicialmente, o acometimento dos limiares auditivos em uma ou mais frequências da faixa de 3000 a 6000 Hz. As frequências mais altas e mais

4 baixas poderão levar mais tempo para serem afetadas. Uma vez cessada a exposição, não haverá progressão da redução auditiva. (ATLAS, 2013). Enfim, conforme a Consolidação das Leis do Trabalho, relativo à Segurança e Medicina do Trabalho, a Lei nº 6514, de 22 de Dezembro de 1977, artigo 157, cabe às empresas (CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO, 1977): I- cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; II- instruir os empregados, através de ordens de serviço, quanto às precauções a tomar no sentido de evitar acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais; III- adotar as medidas que lhes sejam determinadas pelo órgão regional competente; IV- facilitar o exercício da fiscalização pela autoridade competente. O Artigo 7º, caput e inciso XXVIII, 200, VIII, e 225, 3º, ambos da Constituição Federal de 1988 (Constituição 1988): Artigo 7º, inciso XXVIII seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa. METODOLOGIA O método utilizado no estudo deste trabalho baseou-se em uma pesquisa exploratória para identificar parâmetros e, posteriormente analisá-los com o intuito de encontrar resultados que comprovam os conceitos teóricos existentes em relação à influência dos ruídos em ambientes de trabalho que utilizam aparelhos telefônicos, além da interferência dos mesmos na saúde auditiva do trabalhador. Participaram do projeto de pesquisa seis pessoas que trabalhavam em ambiente escolar de atendimento telefônico aos alunos. Todos os trabalhadores cumpriam uma jornada de trabalho de seis horas por dia em turnos matutino, vespertino e noturno. Inicialmente, realizou-se uma entrevista com os voluntários da pesquisa e foram apurados dados como idade, gênero, hábitos relacionados à intensidade do volume que escutavam música e quantidade de horas expostas aos possíveis ruídos. Ao traçar o perfil das pessoas envolvidas na pesquisa, constatou-se que todos os trabalhadores nunca haviam trabalhado anteriormente como atendentes telefônicos, a faixa etária deles era de trinta anos de idade, sendo quatro mulheres e dois homens, não possuíam problemas auditivos e nem traumas nas estruturas internas do ouvido, escutavam música com

5 fones de ouvido em média duas horas e quarenta minutos por dia em um volume que não ultrapassava 72 db. Em seguida, as pessoas fizeram os exames audiométricos, em que estes últimos foram repetidos quatro vezes num período de um ano. Essas pessoas estavam em repouso auditivo por 14 horas e o audiômetro utilizado foi o modelo AD-65 da fabricante Auditec, com aferição e calibração em dia conforme a norma regulamentadora, NR7 em seu Anexo I exige (Atlas, 2013): NR7- Anexo I 3.2. O audiômetro será submetido a procedimentos de verificação e controle periódico do seu funcionamento Aferição acústica anual Calibração acústica, sempre que a aferição acústica indicar alteração, e, obrigatoriamente, a cada 5 anos Aferição biológica é recomendada precedendo a realização dos exames audiométricos. Em caso de alteração, submeter o equipamento à aferição acústica. O exame audiométrico avalia a capacidade de ouvir sons e as respostas aos tons puros emitidos em diversas frequências, detectando assim, o grau e o tipo de perda auditiva. É feito por profissional habilitado fonoaudiólogo ou otorrinolaringologista. O exame funciona da seguinte maneira, a pessoa examinada é colocada numa cabine acústica isolada de sons ambientais e possui uma parede de vidro. O examinado coloca um fone de ouvido e segura um dispositivo. O profissional habilitado emite sons de fora da cabine, enquanto que a pessoa que está na cabine aciona o dispositivo cada vez que escutar algum som emitido. A escala de medida da audição é feita em decibels e o teste varia entre zero e 120 db, sendo que a audição normal escuta até um mínimo de 25 db, e às vezes até menos. O resultado é expresso num gráfico que informa sobre as respostas aos diversos sons emitidos (Ministério da Saúde, 2006). A partir dos dados coletados dos exames audiométricos e das características de cada indivíduo, os traçados audiométricos e seus respectivos parâmetros foram analisados. EXPERIMENTOS NUMÉRICOS De acordo com as pessoas examinadas, confeccionou-se a Tabela 1 com as características individuais organizadas por idade.

6 Tabela 1: Características individuais das pessoas examinadas Indivíduo Indivíduo Indivíduo Indivíduo Indivíduo Indivíduo Gênero Feminino Feminino Masculino Feminino Feminino Masculino Idade Turno de Trabalho Vespertino Noturno Vespertino Matutino Matutino Noturno Nível de ruído (db) exposto à música com fone de ouvido Tempo de exposição ao ruído (referente à música em minutos) Otoscopia /Meatoscopia OD Normal Normal Normal Normal Normal Normal Otoscopia /Meatoscopia OE Normal Normal Normal Normal Normal Normal As etapas e os dados coletados durante a pesquisa experimental foram tabulados e, posteriormente, plotados em gráficos que mostram o acompanhamento das análises audiométricas durante os exames realizados. A medição do volume do tom de linha do telefone utilizado pelos funcionários é de 81dB. Verifica-se na Tabela 1 que os examinados apresentaram uma classificação normal em relação aos condutos auditivos tanto na orelha direita quanto na orelha esquerda. Os valores dos parâmetros usados nas Tabelas 2, 3, 4 e 5, correspondem às medições dos traçados audiométricos e, que para facilitar a visualização dos mesmos, apresenta-se nas células a quantidade de indivíduos que indicam os desempenhos correspondentes aos decibels e quilohertz em relação às orelhas direita (OD) e esquerdas (OE). Tabela 2: Primeira medição audiométrica realizada nos seis indivíduos 0,25Khz 0,5 Khz 1 Khz 2 Khz 3 Khz 4 Khz 6 Khz 8 Khz OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE

7 5 db(na) db(na) db(na) db(na) db(na) db(na) Observa-se pela Tabela 2 que os indivíduos apresentam audiometria normal em ambas orelhas. Interessante analisar que três indivíduos possuem apenas na orelha direita medições de 20dB na frequência de 0,5Khz. As Figuras 1 e 2 representam referência de parâmetros. Figura 1: Gráfico resultante da primeira medição audiométrica OD

8 Figura 2: Gráfico resultante da primeira medição audiométrica OE Verifica-se na Figura 1 que os limiares da audiometria na orelha direita são estáveis para frequência média e na Figura 2 a estabilidade dos limiares da audiometria na orelha esquerda estão nas frequências média e aguda. Segundo a NR7, no caso de alteração detectada no teste pela via aérea ou segundo a avaliação do profissional responsável pela execução do exame, o mesmo será feito, também, pela via óssea nas frequências de 500, 1000, 2000, 3000 e 4000 Hz (Atlas, 2013). Outro parâmetro observado foi em relação às horas trabalhadas do funcionário em que de acordo com a Norma Regulamentadora NR-17, em seu Anexo II (Atlas, 2013): NR17- Anexo II O tempo de trabalho em efetiva atividade de teleatendimento/telemarketing é de, no máximo 06 (seis) horas diárias, nele incluídas as pausas, sem prejuízo da remuneração As pausas deverão ser concedidas: a) fora do posto de trabalho; b) em 02 (dois) períodos de 10 (dez) minutos contínuos; c) após os primeiros e antes dos últimos 60 (sessenta) minutos de trabalho em atividade de teleatendimento/ telemarketing O intervalo para repouso e alimentação para a atividade de teleatedimento/telemarketing deve ser de 20 (vinte) minutos. A Norma citada acima previne a sobrecarga psíquica e auditiva, sendo importante o respeito e a obrigatoriedade do cumprimento dos intervalos de descanso. A Tabela 3 representa a segunda medição composta por características semelhantes à primeira medição, com repouso auditivo de catorze horas antes da realização da audiometria.

9 Tabela 3: Segunda medição audiométrica realizada nos seis indivíduos 0,25Khz 0,5 Khz 1 Khz 2 Khz 3 Khz 4 Khz 6 Khz 8 Khz OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE 5 db(na) db(na) db(na) db(na) db(na) db(na) Na segunda medição, realizada 90 dias após a primeira audiometria, considerando as mesmas condições físicas e características individuais, nota-se pouca diferença no comportamento auditivo dos indivíduos. Os traçados audiométricos continuam normais. Observa-se os mesmos resultados tanto na primeira quanto na segunda medição na frequência de 0,25Khz. Destaque para dois indivíduos na frequência aguda de 6 Khz em que as orelhas direitas deles apresentam a medição de 20dB. As Figuras 3 e 4 são resultados da segunda medição dos limiares da audiometria.

10 Figura 3: Gráfico resultante da segunda medição audiométrica OD Figura 4: Gráfico resultante da segunda medição audiométrica OE Ocorrem, às vezes distrações e falta de concentração dos examinados durante a audiometria. O monitoramento dos exames é importante para evitar mascaramento dos resultados. Tabela 4: Terceira medição audiométrica realizada nos seis indivíduos 0,25Khz 0,5 Khz 1 Khz 2 Khz 3 Khz 4 Khz 6Khz 8Khz OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE 5 db(na) db(na) db(na) db(na) db(na) db(na)

11 A Tabela 4 representa a terceira medição realizada com um intervalo de 90 dias em relação à segunda medição. Observa-se a manutenção de três indivíduos com orelha direita na frequência grave de 0,5 Khz e a alteração para três indivíduos com orelha direita na escala de frequência aguda de 6Khz. Os exames audiométricos mantém a normalidade, com algumas alterações que devem ser monitoradas para verificar essas pequenas alterações ocorridas em um intervalo pequeno de tempo (noventa dias). As Figuras 5 e 6 indicam os resultados da terceira medição dos limiares da audiometria das orelhas direita e esquerda. Figura 5: Gráfico resultante da terceira medição audiométrica OD

12 Figura 6: Gráfico resultante da terceira medição audiométrica OE De acordo com a interpretação dos resultados do exame audiométrico sequencial, são considerados sugestivos de desencadeamento de perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados, os casos em que os limiares auditivos em todas as frequências testadas no exame audiométrico de referência e o sequencial permanecem menores ou iguais a 25 db(na), mas a comparação do audiograma sequencial com o de referência mostra uma evolução dentro dos moldes definidos desta norma, e preenche um dos critérios abaixo (Atlas, 2013): a. Diferença entre as médias aritméticas dos limiares auditivos no grupo de frequências de 3000, 4000 e 6000 Hz igual ou ultrapassa 10 db(na). b. A piora em pelo menos uma das frequências de 3000, 4000 ou 6000 Hz iguala ou ultrapassa 15 db(na). Tabela 5: Quarta medição audiométrica realizada nos seis indivíduos 0,25khz 0,5 khz 1 khz 2 khz 3 khz 4 khz 6 khz 8khz OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE OD OE 5 db(na)

13 10 db(na) db(na) db(na) db(na) db(na) Pela Tabela 5, nota-se que a quarta medição audiométrica dos indivíduos apresentouse normal. Após 90 dias de intervalo de realização entre a terceira e quarta medições, algumas pequenas alterações ocorreram em todas as faixas de frequências. As Figuras 7 e 8 são resultados da quarta medição audiométrica realizada no trabalho. Figura 7: Gráfico resultante da quarta medição audiométrica OD

14 Figura 8: Gráfico resultante da quarta medição audiométrica OE Observa-se no grupo de indivíduos um bom resultado referente à frequência de 8Khz, em que todos os examinados apresentaram uma média de nível auditivo inferior a 15dB. As frequências médias também apresentaram uma manutenção dos resultados, e as frequências graves obtiveram dois indivíduos com orelhas direitas que evoluíram durante um ano de acompanhamento em 5 db. Em relação à frequência de 0,5 Khz e nível auditivo de 20 db, três indivíduos com orelhas direitas mantiveram o mesmo resultado desde o início do monitoramento audiométrico. E, na frequência de 6 Khz e de 20 db de nível de audição, três indivíduos com orelhas direitas e dois indivíduos com orelhas esquerdas apresentaram esses parâmetros limiares. O comportamento dos diagramas audiométricos mostra uma uniformidade entre os valores medidos. Destaca-se um dado coletado importante referente à saúde auditiva, em que todos os examinados apresentam a audição normal com índice abaixo de 25 db. É um resultado positivo, principalmente como parâmetro inicial para planejamento de programas preventivos para a saúde do trabalhador. A estabilidade dos pontos de equilíbrio é identificada pelos resultados gráficos, uma vez que o limite aceitável estabelecido pelo Ministério da Saúde foi atingido. Assim, garantese a qualidade e segurança para o funcionário mediante um trabalho exaustivo e não confortável devido à exposição aos ruídos emitidos pelos aparelhos telefônicos.

15 A pesquisa experimental não apresentou a existência de ponto crítico. É necessário acompanhar os desempenhos das medições audiométricas referentes aos parâmetros de 0,25 Khz e 6 Khz, pois registraram aumento no som emitido em decibéis em alguns examinados. Como o estudo foi realizado em um curto intervalo de tempo pode sofrer alterações futuras. Analisa-se pelos resultados encontrados que as repercussões entre o uso de aparelhos telefônicos e perda auditiva podem existir a partir do momento que o trabalhador não possui um monitoramento adequado pelos exames audiométricos periódicos, exposição excedente de horas e anos trabalhados, além da falta de ajuste correto do volume dos aparelhos telefônicos e, estes devem ser inspecionados com frequência para garantir o nível ideal dos sons emitidos para a saúde auditiva do trabalhador. Perante a coleta de dados dos examinados na pesquisa experimental, não houve alterações significantes nos exames audiométricos durante o ano de análise dos seis voluntários. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante do trabalho experimental para análise da relação existente entre perda auditiva e o uso de aparelhos telefônicos, verificou-se através das audiometrias realizadas com seis examinados durante um ano de acompanhamento que, a partir do momento que o funcionário efetua seu trabalho de maneira correta, segundo as normas regulamentadoras, os indicadores para perda auditiva são quase nulos. Uma vez que, o empregado e o empregador devem seguir os procedimentos obrigatórios para a prevenção da saúde auditiva. Os gráficos audiogramas que descrevem o comportamento audiométrico dos examinados apresentaram resultados satisfatórios como audição normal em ambas orelhas com índice abaixo de 25 db(na), estabilidade dos pontos de equilíbrio de acordo com o limite aceitável estabelecido pelo Ministério da Saúde, ausência de ponto crítico e alterações insignificantes na evolução das quatro medições realizadas. Normalmente, para evidenciar a existência de perda auditiva relacionada ao uso de aparelhos telefônicos é necessário uma investigação contínua em um intervalo de tempo grande (cinco anos). Assim, deve-se priorizar o histórico do empregado à exposição aos ruídos ao longo da vida laboral para que os resultados das análises se aproximem do comportamento real do cotidiano dos trabalhadores. Enfim, o estudo experimental mostrou-se apropriado para a análise de medidas quantificáveis de variáveis e inferências a partir das amostras numéricas dos exames

16 audiométricos. Através das amostras e padrões numéricos, consegue-se relacioná-los com os conceitos referentes à possibilidade de quantificar o número de horas, limite à exposição aos sons emitidos pelos aparelhos telefônicos em decibels e anos que o trabalhador pode atuar de maneira segura e saudável nas ocupações que requerem diretamente o uso de aparelhos telefônicos. REFERÊNCIAS ACOEM. American College of Occupational and Environmental Medicine, Washington, EUA, ATLAS. Segurança e Medicina do Trabalho. 71.ed.São Paulo: Editora Atlas, BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, BRASIL. Ministério da Saúde. Perda Auditiva Induzida por Ruído (Pair). Brasília, DF, BRASIL. Consolidação das Leis do Trabalho (1977). Ministério do Trabalho. Normas Regulamentadoras, da Consolidação das Leis do Trabalho, relativas à Segurança e Medicina do Trabalho. Brasília, DF, Comitê Nacional de Ruídos, Gramado, Brasil,1998. ISO. International Standart Organization, Geneva, Suíça, GERGES, Samir Nagi Yousri. Ruído: fundamentos e controle. 2.ed.Florianópolis: LTC, 2000.

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998 O Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no artigo 168 da Consolidação das Leis do Trabalho, o disposto

Leia mais

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA 3214 - NR 7 - ANEXO I - QUADRO II Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Pontos fundamentais para o êxito de programas relacionados a riscos ambientais Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Histórico ANEXO I do QUADRO II NR 7 (Port. 19-04/1998

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

Ana Paula Bruner Novembro 2012

Ana Paula Bruner Novembro 2012 Ana Paula Bruner Novembro 2012 Laudo Audiológico Grau de Perda Auditiva Baseado na média aritmética entre os limiares tonais das frequências de 500, 0 e 2000 Hz em cada orelha. Laudo Audiológico Grau de

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Palavras Chave: Audiometria, limiar auditivo, criança. Introdução: Além do exame audiométrico convencional, que testa as freqüências

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO.

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. VIVIAN DE OLIVEIRA SOUSA 1 IZABELLA MENDES NOGUEIRA1 ARIADNE

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Paulo Alves Maia FUNDACENTRO / Campinas Introdução O ruído gerado nos canteiros de obra

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES LAUDO AUDIOLÓGICO LAUDO: peça escrita fundamentada, onde os peritos expõem suas observações.. PARECER: opinião fundamentada

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR 2014 Patrícia Souza Dos Santos PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES

Leia mais

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano O Ouvido Humano Eng. Adriano Luiz Spada Attack do Brasil 1- Introdução Neste artigo abordaremos as principais características do ouvido humano, uma das principais ferramentas para quem trabalha com áudio.

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÀO AUDITIVA

PROGRAMA DE CONSERVAÇÀO AUDITIVA EMPRESA PROGRAMA DE CONSERVAÇÀO AUDITIVA ( PORTARIA N. 9, DE 9 DE ABRIL DE 1998 ). EMPRESA: XX REVISÃO DE 15 DE MARÇO DE 2003 PERÍODO: NOVEMBRO 2002 A OUTUBRO 2003 Responsável técnico: PhD Thomas Eduard

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PO-CL-AT-003 ATENDIMENTO DE AUDIOMETRIA

CONTROLE DE COPIA: PO-CL-AT-003 ATENDIMENTO DE AUDIOMETRIA 1/6 1. OBJETIVO Realizar o exame para detectar possíveis doenças otológicas, bem como direcionar o atendimento para que seja seguido o padrão da empresa para a realização do exame. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES PI-PR-6 20/01/29 PI-PR-6 - PROGRAMA DE PROTEÇÃO AUDITIVA - PPA Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBS. 20/01/29 Emissão Inicial ELABORAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO / INICIAIS: R SO / VC

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS

ANEXO I CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS 1.OBJETO ANEXO I CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de Assistência Médica de Segurança e Medicina do Trabalho, para atendimento aos colaboradores

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA NÚMERO /DATA 009/01-25/10/2001 ORIGEM SRF/RFFC/ER-6 1.1 Tendo em vista que o contrato firmado com a Sul América não prevê a realização de exames admissionais,

Leia mais

PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA

PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA Ainda encontramos um grande número de ações trabalhistas de reintegração por disacusias como também ações de indenização pelo mesmo motivo. Continuamos com o mesmo quadro

Leia mais

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3

SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3 PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM TRABALHADORES DE EMPRESA METALÚRGICA SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3 RESUMO: O ruído é, na maioria dos países, o agente nocivo mais

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico; Engenheiro

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 8ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea.

Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea. Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea. Palavras chaves: audiometria, ruído, mascaramento, perda

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição Sistema Sensorial Biofísica da Audição Falar pelos cotovelos... Ouvir pelos joelhos... SENTIDO DA AUDIÇÃO - FINALIDADE Detectar predadores, presas e perigo Comunicação acústica intra - específica Som propagação

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Prevenção de perdas auditivas ocupacionais causadas por ruídos Clarissa Gino Lima Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais CETEC maio 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1 Introdução...

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 80

RESUMOS DE PROJETOS... 80 79 RESUMOS DE PROJETOS... 80 80 RESUMOS DE PROJETOS COMPARAÇÃO ENTRE AS RESPOSTAS DE FONES DE OUVIDO UTILIZADOS EM TOCADORES DE MP3... 81 MEDIÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO AMBIENTAL EM UMA FAZENDA DE AVICULTURA

Leia mais

-~~ PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO

-~~ PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO COl.é. -~~ gio. da Vinci PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO NOME N 9 ANO --- Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma serre de exercicres que têm, como base, o que foi trabalhado em sala

Leia mais

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

3.1 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

3.1 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MAPA DE AVALIAÇÃO ANUAL DE ACIDENTES DE TRABALHO - 2013 Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Obrigação 3 - Conceitos 3.1 - Serviço Especializado

Leia mais

5 (FGV-SP) A nota lá da escala cromática musical é tida como referência na afinação dos instrumentos. No violão comum de 6 cordas, a quinta corda

5 (FGV-SP) A nota lá da escala cromática musical é tida como referência na afinação dos instrumentos. No violão comum de 6 cordas, a quinta corda 1 - (UFSCAR-SP) Sabemos que, em relação ao som, quando se fala em altura, o som pode ser agudo ou grave, conforme a sua freqüência. Portanto, é certo afirmar que: a) o que determina a altura e a freqüência

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

PAIRO. Carla Marineli

PAIRO. Carla Marineli PAIRO Carla Marineli Fonoaudióloga / Psicopedagogia Especialista em Audiologia Mestranda em Ciências Médicas - UNIFOR Coordenadora e Docente da Especialização em Audiologia da UNIFOR Coordenadora dos Cursos

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

TrampoFONO + Ctrl e arraste

TrampoFONO + Ctrl e arraste TrampoFONO TrampoFONO é a versão específica de TrampoPRO para consultório de fonoaudiologia. Basicamente tem o mesmo conceito de TrampoSecretária, diferenciando-se deste pelo botão Audio habilitado. A

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO

LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO 27 Maio de 2011 AUDIOLOGIA LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO FUSION AT INFERRED THRESHOLD (FIT) - MASKING Jorge Humberto Martins. Audiologista Mestre em Ciências da Fala e da Audição Correspondência:

Leia mais

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS A WIDEX É WINDMADE WindMade é o primeiro rótulo global de consumo, identificando empresas que utilizam energia eólica; A Widex é a primeira empresa

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P 4 )

PROVA DISCURSIVA (P 4 ) PROVA DISCURSIVA (P 4 ) Nesta prova, faça o que se pede, usando os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS DA PROVA DISCURSIVA

Leia mais

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS 1 Introdução: Dentre as diversas áreas de atuação do profissional fonoaudiólogo, a audiologia compreende desde o

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

4. Descrição do Âmbito de Acreditação - Laboratórios de Ensaio (ISO/IEC 17025)

4. Descrição do Âmbito de Acreditação - Laboratórios de Ensaio (ISO/IEC 17025) Pág. de 7 OEC3 24-5-8. Objetivo O presente documento tem como objetivo definir os requisitos específicos para a acreditação de laboratórios de ensaios de acústica e vibrações, em complemento do estabelecido

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 451/2009 "Estabelece políticas públicas para garantir a saúde auditiva da população Capixaba, através de medidas e políticas para a redução

Leia mais

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS.

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. FÍSICA PROF. HELTON CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. MOVIMENTO PERIÓDICO Um fenômeno é periódico quando se repete identicamente em intervalos de tempos iguais. Exemplos: DEFINIÇÕES: Amplitude: distância

Leia mais

Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo

Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Teresa Marinho (UNESP) marinhoteresa@yahoo.com.br Viviane

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais).

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais). Ondas Sonoras: - São ondas longitudinais de pressão, que se propagam no ar ou em outros meios. - Têm origem mecânica, pois são produzidas por deformação em um meio elástico. - As ondas sonoras não se propagam

Leia mais

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão PROGRAMAÇÃO 18/08 - Apresentação

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA SÉRGIO TAKAHASHI 1 Resumo: O ser humano se for submetido a níveis de ruído acima do tolerável, pode induzir a PAIR (perda auditiva induzida

Leia mais

CAPÍTULO X DOS RESÍDUOS GASOSOS

CAPÍTULO X DOS RESÍDUOS GASOSOS CAPÍTULO X DOS RESÍDUOS GASOSOS Art. 76 Com o propósito de proteger a população ficam estabelecidos, em toda a extensão do Município de Volta Redonda os seguintes padrões de qualidade do ar, como metas

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Alves Ciote, Fernando; Fernandes Ferreira Ciote, Renata; Haber, Jabra Análise da atenuação de ruído de protetores auriculares

Leia mais

Relações entre handicap

Relações entre handicap Relações entre handicap auditivo, desempenho dos aparelhos de amplificação sonora individuais, benefício e satisfação em adultos atendidos por um programa de saúde auditiva credenciado ao SUS. Palavras

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais