Cisco IOS Internetwork Operating System. Serviços de Comunicações IOS Internetwork Operating System

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cisco IOS Internetwork Operating System. Serviços de Comunicações IOS Internetwork Operating System"

Transcrição

1 Configuração de routers Cisco Cisco IOS Internetwork Operating System 1 IOS Internetwork Operating System O IOS é um sistema operativo de rede proprietário, utilizado na maior parte dos Equipamentos de rede (Routers, Switches, Servidores de Acesso Remoto, etc) do fabricante Cisco Systems Apesar de proprietário, detém actualmente um estatuto de ''quase'' standard, devido à enorme implantação mundial dos equipamentos que o incluem Trata-se de um SO de rede bastante poderoso e flexível, disponibilizando uma linguagem de configuração própria Permite a configuração das principais famílias de protocolos existentes, nomeadamente TCP/IP, IPX, AppleTalk, SNA, etc 2

2 IOS Componentes de um Router O software do Router é composto pelo IOS e por várias rotinas de arranque do sistema: POST (Power-On-Self-Test): rotina guardada em ROM, usada para verificar a funcionalidade básica do hardware e detectar as suas interfaces aquando do arranque do equipamento ROM monitor: rotina guardada em ROM, usada no fabrico, teste e depuração de erros associados ao equipamento; permite recuperar de um estado de crise Mini-IOS: também conhecido por RXBOOT, é uma pequena imagem de IOS guardada em ROM para activar as funcionalidades básicas de comunicação do equipamento. Em geral, esta imagem é usada até que seja indicado ao equipamento a localização de uma nova imagem IOS, a ser usada durante a operação normal deste 3 IOS Componentes de um Router Hardware do Router: Processador Vários tipos de memória Registo de configuração Portos e Interfaces etc 4

3 IOS Componentes de um Router Memória do Router: RAM (Random Access Memory): função idêntica à da RAM dos computadores, ou seja, armazenamento dos dados temporários e das instruções. Divide-se em: memória principal: contém cópia executável do IOS, uma cópia do ficheiro de configuração (running configuration), tabelas de encaminhamento, tabela de ARP e outras estruturas do IOS Memória partilhada (buffers): usada para armazenar temporariamente os pacotes que atravessam o router 5 IOS Componentes de um Router Memória do Router (cont.): ROM (Read-Only Memory): armazena o Mini-IOS (bootstrap) e o código POST Flash: memória implementada com uma variante de eeprom (Electrically Erasable Programable ROM) ou com uma PCMCIA (PC Memory Card International Association) Armazena as imagens IOS que o router usa NVRAM (Non-Volatile RAM): Memória RAM não volátil, usada para armazenar, de forma permanente, o ficheiro de configuração do equipamento 6

4 IOS Componentes de um Router Portos: Usados para acesso ao equipamento. Permitem configuração e gestão do router: Porto de Consola: normalmente acessível através de ligação RJ45, permite o acesso local ao equipamento, a partir de um terminal ASCII ou de um computador com emulador de terminal (p.e. Hyperterminal do Windows) Porto Auxiliar: pode também ser usado como porto de Consola. Permite a configuração de comandos de modem e, como tal, permite a ligação de um modem para acesso remoto ao equipamento com uma ligação dial-up a partir de um terminal ASCII 7 IOS Componentes de um Router Interfaces: Usados para comunicação com outros equipamentos. Alguns dos mais usados: Tipo Async ATM Serial Ethernet Fastethernet Descrição São usadas para ligações modem de dial-in e dial-out Interfaces ATM Portos série, usados geralmente para ligações ponto-a-ponto Portos Ethernet Portos Fast Ethernet Gigabitethernet Portos Gigabit Ethernet BRI Tokenring Fddi Hssi Loopback Null Interface BRI (Basic Rate Interface) para ISDN Interfaces para redes Token Ring Interfaces para redes FDDI (Fiber Distributed Data Interconnect) Interface série HSSI (High Speed Serial Interface) Interface virtual do encaminhador Interface de descarte. Tudo o que é enviado para este interface é descartado 8

5 IOS Componentes de um Router Registo de configuração: registo de 16 bits, guardado na NVRAM, que controla o modo como o equipamento realiza o processo de arranque Por defeito, indica ao processo de arranque para carregar o IOS guardado na Flash e para carregar o ficheiro de configuração a partir da NVRAM Valor por defeito: 0x2102 que corresponde à activação dos bits 1, 8 e 13 Este valor indica que o equipamento deve procurar a sequência de arranque na NVRAM, o break está inactivo e que deve carregar o software da ROM se falhar o arranque de rede 9 IOS Processo de arranque do router Liga o router Executa POST A flash tem uma imagem IOS? n Carrega imagem IOS da ROM Router em modo de boot s Carrega a imagem IOS da flash A NVRAM está vazia? s Entrar em modo setup? n n Carrega configuração da NVRAM em RAM Termina inicialização do IOS Router funcional s Modo setup Copia configuração para NVRAM 10

6 IOS Modos de acesso Interface da linha de comandos CLI (Command Line Interface): interface que disponibiliza uma linha de comandos, em modo texto, através da qual se pode interagir com o IOS Existem dois modos de acesso: User EXEC Mode: Modo de acesso normal, sem permissões para alteração da configuração. Estão acessíveis apenas alguns comandos gerais. Disponível por defeito, após acesso ao Router (por telnet ou consola). Prompt do tipo: Router> Privileged Access Mode: Modo de acesso com permissões completas sobre o sistema. Para aceder a este modo, digitar enable (introduzindo de seguida a password de acesso total) Prompt do tipo: Router# 11 IOS Categorias de comandos A configuração de Routers Cisco é dividida em diferentes níveis: Comandos Globais: afectam toda a configuração Comandos Principais: activam sub-comandos, para configurar determinados dispositivos Necessitam de sub-comandos adicionais para terem efeito Sub-Comandos: são utilizados após um comando principal, configurando aspectos específicos de um dispositivo 12

7 IOS Modos de configuração Consola Aux Interface Modo utilizador enable Router> disable Modo privilegiado configure Router# exit Modo configuração Router(config)# ROUTER interface exit line exit router exit ctrl+z ou end Modo configuração interface Router(config-if)# Modo configuração linha Router(config-line)# Modo configuração router Router(config-router)# 13 IOS Alguns Comandos globais... enable: entra em modo de acesso privilegiado disable: sai do modo de acesso privilegiado de volta ao modo de utilizador show version: lista a versão do IOS instalada show startup-config: lista a configuração que é usada no arranque do router show running-config: lista a configuração actual do router configure terminal: entra em modo de configuração e muda o ficheiro running-config hostname nome : define o nome do router show ip route: mostra a tabela de encaminhamento show protocolos: mostra os protocolos de encaminhamento e endereços de rede configurados em cada interface show controllers: mostra o estado DTE ou DCE de uma interface 14

8 IOS Alguns Comandos globais... ip route network mask interface : adiciona uma entrada manual na tabela de encaminhamento. Para ser atingida a rede especificada em network que possui a máscara especificada em mask os datagramas devem ser enviados para o interface interface no ip route network interface : remove uma entrada da tabela de encaminhamento write memory: grava a configuração actual na memória não volátil copy running-config startup-config: grava a configuração actual no ficheiro startupconfig write erase: apaga a configuração corrente do router show interfaces: mostra a configuração de todos os interfaces do router show interface interface : mostra a configuração do interface especificado (p.e. Ethernet0, Ethernet1, Serial0, Serial1, BRI0, etc) ip domain-name domínio : define o domínio em que o router está incluído 15 IOS Alguns Comandos globais... ip name-server IP : define o endereço IP de um servidor de DNS ip http server: activa a possibilidade de acesso à configuração do router por HTTP ip subnet-zero: activa a possibilidade de utilização da primeira subnet, quando uma rede é dividida em sub-redes (activado por defeito a partir do IOS 12.0) ip classless: activação do reconhecimento de redes CIDR (sem a noção tradicional de classes) copy running-config tftp: copia a configuração actual para um servidor de tftp copy tftp running-config: copia a configuração de um servidor de tftp para o router copy flash tftp: copia a imagem do IOS da flash para um servidor de tftp copy tftp flash: copia a imagem do IOS do servidor de tftp para a flash do router 16

9 IOS Alguns Comandos principais... interface interface : permite entrar em modo de configuração do interface especificado: interface fastethernet 0/0 interface serial 0/1 line line : entra em modo de configuração de um porto (console, auxiliar, vty, etc) para mudar ou activar a password router rip: activa o protocolo de encaminhamento RIP router ospf n: activa o protocolo de encaminhamento OSPF, com o nº de processo n enable password password : activa a password desencriptada enable secret password : activa a password encriptada ip access-list extended 100: activa a configuração da access list número IOS Alguns sub-comandos... ip address IP netmask : atribui o endereço IP e a máscara de rede especificados, ao interface que está a ser configurado description text : texto descritivo do interface que está a ser configurado shutdown: desliga administrativamente o interface no shutdown: activa administrativamente o interface network: activa o protocolo de encaminhamento que está a ser configurado na rede especificada, que está ligada ao router exit: termina a configuração de um comando, voltando um nível para trás end ou ctrl+z: termina a configuração de um comando, voltando à raiz da prompt encapsulation type : selecciona a forma de encapsulamento dos pacotes IP clockrate frequência : activa o sinal de sincronismo com a frequência especificada bandwidth: configura a largura de banda num interface série 18

10 Ajuda: IOS Ajuda e remoção de configuração Em qualquer altura, é possível obter ajuda acerca dos comandos ou opções disponíveis na posição actual, pressionando a tecla? Remoção de partes da configuração: precede-se o comando que activou determinado parâmetro com a expressão ''no''. Exemplo: no ip address Exemplos de comandos IOS 20

11 IOS Rede de testes Rede C /24 Rede B /24 Rede D /30 Rede E /30 Rede A /24 21 Rede de testes passos para a configuração Para cada router: Configurar hostname Activar password (encriptada) Rede C /24 Configurar interfaces Atribuir endereço IP Descrição do interface Activação do interface Gravar configuração na NVRAM Verificar as configurações Rede D /30 Rede B /24 Rede A /24 Rede E /30 Running-config Interfaces Rotas Configuração de rotas explícitas ou por defeito (onde aplicável) Configuração do RIP Configuração do OSPF Verificar as configurações Gravar configuração na NVRAM 22

12 IOS Protocolo CDP CDP Cisco Discovery Protocol: protocolo proprietário da Cisco, usado pelos routers e switches para obter informação básica sobre equipamentos vizinhos, nomeadamente: Identificador do dispositivo: normalmente o nome do dispositivo Endereços: lógicos e físicos Funcionalidades do dispositivo Plataforma: modelo, sistema operativo, etc O CDP pode ser activado e desactivado globalmente e/ou por interface Activação: cdp run Desactivação: no cdp run 23 Funcionamento do CDP: IOS Protocolo CDP o equipamento começa por enviar um broadcast para descobrir os vizinhos que têm este protocolo activo Após determinar a lista dos equipamentos com CDP activo, começa a trocar pacotes CDP com estes, a intervalos regulares Funcionamento controlado por duas variáveis: Temporizador de actualização: intervalo de tempo de transmissão de pacotes CDP pelas interfaces com o protocolo activo (valor por defeito: 60 s) cdp timer valor Temporizador de espera: intervalo de tempo que o dispositivo retém a informação CDP do vizinho antes de ser eliminada, no caso de não receber mais pacotes CDP (valor por defeito: 100 segundos) cdp holdtime valor 24

13 IOS Protocolo CDP Visualização de informação CDP: show cdp neighbor show cdp neighbor detail show cdp entry nome show cdp traffic show cdp interface 25 IOS Configuração de ligações Frame Relay Frame Relay: tecnologia de comunicação usada em redes WAN baseada na comutação por pacotes, que permite acesso múltiplo, ou seja, permite a interligação de vários dispositivos, ao contrário das ligações dedicadas que apenas interligam dois dispositivos Uma rede Frame Relay é partilhada por vários clientes, baseando-se no pressuposto de que os clientes não precisam de usar simultaneamente a rede a 100% A partilha de uma infra-estrutura de comunicações significa que os custos são distribuídos pelos vários clientes, o que reduz custos de comunicação por cliente O Frame Relay actua nos níveis um e dois do modelo OSI DLCI (Data Link Connection Identifier): identificador de um circuito virtual Frame Relay 26

14 Rede típica Frame Relay IOS Configuração de ligações Frame Relay 27 Exemplo de configuração Frame Relay num interface: IOS Configuração de ligações Frame Relay interface serial0/0 no ip address encapsulation frame-relay [ietf] no keepalive interface serial0/0.1 point-to-point ip address frame-relay interface-dlci

15 Configuração do RIP (Routing Information Protocol): IOS Configuração do protocolo RIP configure terminal router rip network xxx.xxx.xxx.xxx network yyy.yyy.yyy.yyy version [1 2] passive-interface nome_interface end 29 O comando network: IOS Configuração do protocolo RIP permite especificar quais as redes a que o router está ligado e que pretende anunciar aos vizinhos O endereço especificado é sempre classfull, mesmo que os endereços das redes ligadas ao router não o sejam O router verifica quais das suas interfaces têm endereços IP com o mesmo número de rede especificado no comando 30

16 O comando network (cont.): IOS Configuração do protocolo RIP Todas as interfaces especificadas nesta condição passam a fazer parte do processo de actualização do protocolo RIP, nomeadamente: O router envia pacotes RIP pela interface Os pacotes RIP recebidos pela interface são processados A rede directamente ligada a essa interface é anunciada nos pacotes RIP 31 O comando passive-interface: IOS Configuração do protocolo RIP Desactiva o envio de pacotes RIP pela interface especificada No entanto, a interface continua a receber pacores RIP e a rede associada é anunciada pelas restantes interfaces que não estejam impedidas de anunciar pacotes RIP Há ainda situações em que os pacotes RIP podem não ser encaminhados por serem pacotes de broadcast Nestes casos, pode-se indicar explicitamente o endereço do router vizinho, para que os pacotes RIP sejam enviados directamente para este endereço neighboor endereço_router_vizinho 32

17 IOS Configuração do protocolo RIP show ip route lista a tabela de encaminhamento do router show ip protocols mostra todos os protocolos de encaminhamento configurados no router debug ip rip permite observar a troca de pacotes RIP de um router em tempo real 33 Configuração do OSPF: IOS Configuração do protocolo OSPF configure terminal router ospf n_processo network xxx.xxx.xxx.xxx yyy.yyy.yyy.yyy area area_id xxx.xxx.xxx.xxx: end. da Rede a anunciar yyy.yyy.yyy.yyy: wildcard mask da rede a anunciar area_id: número da área a que percence a rede passive-interface nome_interface end 34

18 Configuração de parâmetros OSPF nos Interfaces: IOS Configuração do protocolo OSPF ip ospf cost custo : define o custo de envio de um pacote no interface ip ospf retransmit-interval segundos : define o tempo entre retransmissões LSA para adjacências ip ospf priority número : define o valor de prioridade para determinação do router designado numa rede de acesso múltiplo ip ospf hello-interval segundos : especifica o intervalo de tempo entre envios de pacotes hello Ip ospf dead-interval segundos : número de segundos após um router ser detectado como desligado, a partir do qual o router deixa de enviar pacotes hello 35 IOS Configuração do protocolo OSPF Configuração de parâmetros OSPF nos Interfaces (cont.): ip ospf authentication-key chave : define uma password para ser usada pelos routers OSPF vizinhos num segmento de rede que use simple password authentication ip ospf message-digest-key n_chave md5 chave : activa a autenticação MD5 ip ospf authentication {message-digest null}: define o tipo de autenticação para um interface 36

19 Configuração de parâmetros de uma Área OSPF: IOS Configuração do protocolo OSPF area area_id authentication: activa a autenticação numa área OSPF area area_id authentication message-digest: activa autenticação MD5 numa área OSPF area area_id stub [no-summary]: define a área para ser uma área stub area area_id default-cost custo : define um custo por defeito para as rotas sumarizadas usado na área stub 37 IOS Configuração do protocolo OSPF Anúncio de uma rota por defeito para o interior de uma rede OSPF: No router de fronteira da rede: conf t router ospf n_processo network... default-information originate exit ip route gateway 38

20 IOS Configuração do protocolo OSPF show ip route show ip ospf show ip ospf database show ip ospf neighbor show ip ospf interface 39 Configuração do BGP: IOS Configuração do protocolo BGP configure terminal router bgp n_sistema_autonomo network xxx.xxx.xxx.xxx mask yyy.yyy.yyy.yyy xxx.xxx.xxx.xxx: end. da Rede a anunciar yyy.yyy.yyy.yyy: máscara da rede a anunciar neighboor xxx.xxx.xxx.xxx remote-as n_as_remoto end 40

21 IOS - Listas de controlo de acesso Permitem filtrar tráfego (efectua testes aos pacotes de dados) Ex: nega ou permite em função do endereço ou tipo de tráfego Permite restringir a utilização da rede para certos serviços e/ou dispositivos Cada interface do router, pode ter duas listas de acesso por protocolo, uma para entrada e outra para saída de tráfego Não se pode apagar uma linha da ACL (apenas toda a lista) REGRAS: É efectuado de uma forma sequencial: linha1, linha2, linha3, etc. (Colocar as linhas mais restritivas no topo da lista!) A procura é feita até que uma linha faça matching (as outras linhas serão ignoradas) Existe um deny implícito no fim de todas as listas de acesso (se não for efectuado matching até essa linha, então o pacote de dados será descartado) 41 IOS Tipos de ACLs Standard (1-99, ) - Usado para filtrar pacotes de uma dada origem (permite ou nega o tráfego a um conjunto de protocolos baseado no endereço de rede/subrede/máquina) Extended ( , ) - Usado para filtrar pacotes baseados na sua origem e destino - Filtra pelo tipo de protocolo (Ex: IP, TCP, UDP, etc.) e pelo número da porta Nota: Também podem ser utilizados nomes para fazer referência às listas (em substituição dos números) 42

22 IOS Comandos para manuseamento de ACLs Standard - Acrescentar uma linha a uma lista: access-list número-lista {permit deny} endereço_origem {máscara} - Activar uma lista de acesso numa interface do router (para entrada ou saída ): ip access-group número-lista {in out} Extended - Acrescentar uma linha a uma lista: access-list número-lista {permit deny} protocolo endereço_origem {máscara} endereçodestino {máscara} - Activar uma lista de acesso numa interface do router (para entrada ou saída ): ip access-group número-lista {in out} Listas com nome ip access-list standard extended nome_lista (depois colocar as linhas necessárias para a lista) ip access-group nome-lista {in out} Remoção de uma lista de acesso no access-list número-lista no ip access-group número-lista in out (remove uma ACL de uma interface) Comandos para consulta de listas show ip interfaces show access-lists [número] show ip access-list [número] 43 IOS Máscaras nas ACLs São utilizadas para identificar os intervalos de endereços IP. Funcionam de forma contrária às máscaras de subrede (Cada 0 deve fazer matching, cada 1 deve ser ignorado) Para calcular a máscara da lista faz-se o seguinte: - Identificar o valor decimal de cada byte da máscara de subrede - Subtrair a 255 o valor encontrado Exemplo: Obter a máscara utilizada numa lista para a máscara de subrede Primeiro byte: =0 - Segundo byte: =0 - Terceiro byte: =7 - Quarto byte: 255-0=255 A máscara a utilizar na lista será: Atente aos valores obtidos: - Máscara da subrede ( ): Máscara da lista ( ):

23 IOS Exemplos de ACL Standard Exemplo 1: Cria uma lista de acesso que permite todo o tráfego excepto da rede A lista é aplicada à interface Ethernet 0/0: Router(config)#access-list 1 deny Router(config)#access-list 1 permit any Router(config)#interface Ethernet 0/0 Router(config-if)#ip access-group 1 out Exemplo 2: Rejeita todo o tráfego excepto da máquina e aplica a lista à interface Serial 0/0 Router(config)#access-list 2 permit host (Router(config)#access-list 2 deny any) Router(config)#interface serial 0/0 Router(config-if)#ip access-group 2 in 45 IOS Exemplos de ACL Extendend Exemplo 1: Não encaminha tráfego TCP de qualquer host da rede para a rede Aplica a lista à interface Serial 0/0 Router(config)#access-list 111 deny tcp Router(config)#access-list 111 permit ip any any Router(config)#interface serial 0/0 Router(config-if)#ip access-group 111 in Exemplo 2: Esta lista impede todos os telnets do host Router(config)# access-list 102 deny tcp host any eq 23 Router(config)# access-list 102 permit tcp any any Exemplo 3: Estas listas permitem a ligação a servidores Web na internet e impedem a ligação de qualquer máquina da internet à rede interna Rede interna: Access-list 101: aplicada ao tráfego que sai da rede interna (outbound) Access-list 102: aplicada ao tráfego que entra na rede interna (inbound) Router(config)# access-list 101 permit tcp any eq 80 Router(config)# access-list 102 permit tcp any established Router(config)# interface serial 0/0 Router(config-if)# ip access-group 101 out Router(config-if)# ip access-group 102 in 46

24 IOS Exemplos de ACL com nome Router(config)# ip access-list extended fica_de_fora Router(config-ext-acl)# permit tcp any established Router(config-ext-acl)# permit udp any host eq dns Router(config-ext-acl)# permit tcp host eq telnet Router(config-ext-acl)# permit icmp any echo-reply Router(config-ext-acl)# deny ip any any Router(config-ext-acl)# exit Router(config)# interface Ethernet0 Router(config-if)# ip access-group fica_de_fora {in out} 47 IOS Exercícios de ACLs Considere que está a utilizar a ACL 15. Efectue a configuração da lista, de modo a permitir o acesso do tráfego com origem em: / / / / / /26 48

25 IOS Exercícios de ACLs (2) a) Configure uma ACL que permita todo o tráfego excepto tráfego com origem em: máquina máquina rede /16 rede /24 b) Aplique a ACL à interface Serial0 do router (tráfego de entrada ) c) Consulte todas as ACLs que existem no router d) Consulte a lista que acabou de definir e) Consulta as listas configuradas na interface serial 0/0 f) Remova a ACL da interface serial 0/0 g) Remova a ACL do router 49 IOS Rede de testes no Packet Tracer 50

26 IOS Rede de testes no Packet Tracer A rede D não aceita pings do exterior A rede C não aceita tráfego da rede B A rede B acede ao servidor http Na rede C apenas a máquina acede ao servidor http Na rede D apenas a máquina não acede ao servidor http A impressora apenas pode ser utilizada por máquinas que se encontrem na rede B, rede C e pela máquina IOS Configuração de um Servidor DHCP O IOS permite a configuração de um router Cisco como Servidor DHCP 52

27 IOS Configuração de um Servidor DHCP Exemplo de configuração: ip dhcp excluded-address ip dhcp excluded-address ip dhcp pool teste network domain-name teste.ipb.pt dns-server default-router lease update arp // para protecção contra IP Spoofing 53 Comandos de monitorização do serviço: IOS Configuração de um Servidor DHCP show ip dhcp binding show ip dhcp conflict show ip dhcp database show ip dhcp pool show ip dhcp server statistics 54

28 NAT (Network Address Translation) Permite ligar uma rede privada à Internet Não necessita de um endereço IP público para cada máquina O Router transforma o endereço privado num endereço público e vice-versa 55 Endereços privados - Classe A: Classe B: Classe C: Tipos de NAT: IOS Tipos de NAT Estático: Cada ip interno é associado a um ip público. O mapeamento é manual Dinâmico: O mapeamento é automático. O router tem uma pool de endereços para efectuar o mapeamento Overload with PAT (Port Address Translation): Um único endereço público pode estar associado a vários endereços privados. A separação é feita através da utilização de uma porta para cada host 56

29 IOS NAT estático Router(config)# ip nat inside source static Endereço_Interno Endereço_público Router(config)# ip nat outside source static Endereço_público Endereço_interno Definir as interfaces inside e outside : Router(config)# interface type [slot_#/]port_# Router(config-if)# ip nat inside outside Exemplo Router(config)# ip nat inside source static Router(config)# interface FastEthernet 0/0 Router(config-if)# ip nat inside Router(config-if)# exit Router(config)# interface Serial2/0 Router(config-if)# ip nat outside 57 1-Definir os endereços internos que usarão NAT: Router(config)# ip nat inside source list número_lista_standard(acl) pool nome_da_pool 2- Criar a pool de endereços públicos a usar: Router(config)# ip nat pool nome_da_pool Endereço_público_inicial Endereço_público_final netmask máscara_subrede IOS NAT dinâmico 58

30 IOS NAT dinâmico Exemplo (Configuração de NAT dinâmico para os dois PCs) Router(config)# ip nat inside source list 1 pool minha-pool Router(config)# access-list 1 permit Router(config)# access-list 1 permit Router(config)# ip nat pool minha-pool netmask Router(config)# interface FastEthernet0/0 Router(config-if)# ip nat inside Router(config-if)# exit Router(config)# interface Serial2/0 Router(config-if)# ip nat outside 59 IOS Redireccionamento de portas Utiliza PAT estático Um servidor virtual é usado para aceder a vários servidores/serviços (que podem estar na mesma máquina e/ou em máquinas diferentes) Cada servidor/serviço utiliza uma porta diferente Exemplo: Router(config)# ip nat inside source static tcp Router(config)# ip nat inside source static tcp Router(config)# ip nat inside source static tcp Router(config)# ip nat inside source static tcp Router(config)# interface FastEthernet0/0 Router(config-if)# ip nat inside Router(config-if)# exit Router(config)# interface Serial2/0 Router(config-if)# ip nat outside 60

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas Administração de Sistemas Orlando Sousa Aula 6 Listas de controlo de acesso (ACLs) NAT Listas de controlo de acesso Permite filtrar tráfego (efectua testes aos pacotes de dados. Ex: nega ou permite em

Leia mais

Listas de Controlo de Acesso (ACLs)

Listas de Controlo de Acesso (ACLs) ISEP - Administração de Sistemas 2007/2008 1/9 Listas de Controlo de Acesso (ACLs) Permitem filtrar tráfego (efectuam testes aos pacotes de dados. Ex: negam ou permitem em função do endereço ou tipo de

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº6 Configuração básica de um router Configuração do protocolo de routing RIP 1 Objectivo

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Handson Policy Based Routing

Handson Policy Based Routing Handson Policy Based Routing Esquema de Rede Esquema Endereçamento Nome Interface IP Máscara Descrição PBR Serial 0/0/0 10.0.0.1 /30 Protected Connection Serial 0/0/1 10.0.0.5 /30 Free Connection FastEthernet

Leia mais

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Roteamento e switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1

Leia mais

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não comercial e uso exclusivo pelos instrutores no curso CCNA

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 03 Configuração Básica Cisco IOS Prof: Jéferson Mendonça de Limas O que é um Roteador? O roteador é composto de: CPU (Processador) RAM ROM Sistema

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 2 - Introdução aos Roteadores 1 Objetivos do Capítulo Descrever a finalidade e operação básica do IOS; Identificar vários recursos do IOS; Identificar

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Objetivo Configurar um roteador para que use tradução de endereços de rede (NAT) para converter endereços IP internos, normalmente privados, para endereços públicos

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia Diagrama de topologia All contents are Copyright 2007-2009 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. This document is Cisco Public Information. Página 1 de 8 Tabela de endereçamento Dispositivo Interface

Leia mais

Redes IP. M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br. Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes

Redes IP. M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br. Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes Redes IP M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes Lista de Controle de Acesso (ACL) Uma ACL, no contexto dos produtos Cisco, é um

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Montagem e Configuração de Redes de Computadores

Montagem e Configuração de Redes de Computadores Montagem e Configuração de Redes de Computadores Roteadores Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a redes de computadores

Leia mais

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1 Topologia Tabela de Endereçamento R1 Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão G0/0 172.22.34.65 255.255.255.224 N/A G0/1 172.22.34.97 255.255.255.240 N/A G0/2 172.22.34.1 255.255.255.192

Leia mais

CISCO PACKET TRACER. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br)

CISCO PACKET TRACER. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) CISCO PACKET TRACER Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) INTRODUÇÃO Packet Tracer v5.3 é um simulador de redes desenvolvido pela Cisco Systems ; Capaz de simular o funcionamento

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 11 - Listas de Controle de Acesso (ACLs( ACLs) 1 Objetivos do Capítulo Descrever as diferenças entre ACLs estendidas; Explicar as regras de

Leia mais

Projecto Para Uma Rede de Acesso e Core de Um ISP

Projecto Para Uma Rede de Acesso e Core de Um ISP Universidade do Minho Mestrado em Engenharia Informática Tecnologias e Protocolos de Infraestrutura Projecto Integrado - TRAC/RCSFM Tecnologias de Redes de Acesso e Core Redes de Comunicações sem Fios

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Luís Pires e Luís Rodrigues 12 de Dezembro de 2000 Agradecimento Os encaminhadores utilizados neste trabalho foram amavelmente cedidos

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 1 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA... 2 1.2.1 Por que Tornar-se um CCNA?... 3 1.2.2 Perguntas Freqüentes...

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Objetivo Cabear e configurar as estações de trabalho e os roteadores Configurar um esquema de endereçamento IP usando redes classe B

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º ano 7º semestre Configuração de routers

Leia mais

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas 262-294 CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v 3.1 - Laboratório 11.2.2b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. Objetivo Situação Neste

Leia mais

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP R1 R2 R3 Máscara de sub-rede Gateway padrão Fa0/0 192.168.10.1 255.255.255.0 N/A Fa0/1 192.168.11.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Administração de Redes 2014/15. Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP)

Administração de Redes 2014/15. Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) Administração de Redes 2014/15 Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) 1 Configuração de parâmetros de rede Para poder funcionar em rede e ligar-se à Internet, uma máquina precisa de ter um conjunto

Leia mais

Laboratório 7.4.1: Configuração básica DHCP e NAT

Laboratório 7.4.1: Configuração básica DHCP e NAT Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de sub-rede S0/0/0 10.1.1.1 255.255.255.252 R1 Fa0/0 192.168.10.1 255.255.255.0 Fa0/1 192.168.11.1 255.255.255.0

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Encaminhamento exterior BGP-4

Encaminhamento exterior BGP-4 Encaminhamento exterior BGP-4 (quarto trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Objetivo Situação Neste laboratório, será explorado o uso de listas de acesso estendidas para criação de uma Zona Desmilitarizada (DMZ).

Leia mais

Os protocolos de encaminhamento têm como objectivo a construção e manutenção automática das tabelas de encaminhamento.

Os protocolos de encaminhamento têm como objectivo a construção e manutenção automática das tabelas de encaminhamento. - Encaminhamento dinâmico (EIGRP e OSPF) - Redistribuição de rotas - Filtragem (ACLs) Administração de Sistemas Informáticos (ASIST) 2009/2010 Aula Prática Laboratorial 2 Os protocolos de encaminhamento

Leia mais

Primeiros passos em um roteador Cisco

Primeiros passos em um roteador Cisco Primeiros passos em um roteador Cisco Daniel B. Cid, daniel@ossec.net http://www.ossec.net Desde que comecei a escrever artigos tratando sobre o alguns dispositivos da Cisco, especialmente sobre o PIX

Leia mais

Encaminhamento interior OSPF

Encaminhamento interior OSPF Encaminhamento interior OSPF (terceiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Objetivo Configurar e aplicar uma ACL padrão, para permitir ou negar tráfego específico. Testar a ACL, para determinar se os resultados desejados

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os protocolos de encaminhamento dinâmico RIP e OSPF e a utilização de rotas estáticas.

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº 4 Configuração Básica de um Switch; Configuração de VLANs 1 Objectivo Criar e verificar

Leia mais

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA Objetivo: Neste laboratório você aprenderá comandos básicos do roteador. Existem diferentes formas de se conectar ao roteador, mas a primeira

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: Objectivos Neste exercício deve conseguir completar as seguintes

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 OUTLINE INTERNET PROTOCOL V6 NEIGHBOR DISCOVERY PROTOCOL DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL V6 INTERNET PROTOCOLO O rápido crescimento da Internet

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE CONFIGURAR O SETUP CONFIGURAR O DNS O obje0vo passa por criar um cenário com as seguintes redes: Uma rede para 6 servidores (Rede 0-172.16.0.0/29);

Leia mais

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos 1 Objetivos do Capítulo Aprender a ativar e desativar o CDP; Usar o comando show cdp neighbors; Determinar

Leia mais

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão OESTE G0/1 172.16.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 (DCE) 10.1.1.1 255.255.255.252 N/A Tunnel0 172.16.12.1

Leia mais

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli)

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli) LABORATÓRIO 1: Montagem da rede física, definição do endereçamento IP com diferentes sistemas operacionais e roteamento estático. Roteiro: 1) Montar a rede física, que deve ser baseadq na lista de material

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012)

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012) Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012) Data limite de entrega do relatório do trabalho: 8 de Julho

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Objetivo Configurar RIP v1 nos roteadores. Converter para RIP v2 nos roteadores. Fundamentos / Preparação Instale uma rede semelhante à ilustrada no diagrama.

Leia mais

Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Redes Locais e Metropolitanas

Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Redes Locais e Metropolitanas Redes Locais e Metropolitanas Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Folha de Exercícios Exercícios Parte 1 Teoria do Roteamento Questão 1: Quais são

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Handson Cisco IOS VPN. (Guião CE1)

Handson Cisco IOS VPN. (Guião CE1) Handson Cisco IOS VPN (Guião CE1) Esquema de Rede Esquema Endereçamento Nome Interface IP Máscara Descrição CE1 Serial 0/0/0 191.18.24.2 255.255.255.252 Ligação Service Provider FastEthernet 0/0 192.168.1.1

Leia mais

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP 2009, Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Escalonamento

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

DIAGRAMA DE REDE. OSPFv3

DIAGRAMA DE REDE. OSPFv3 DIAGRAMA DE REDE OSPFv3 1) Faça LOGIN no respectivo router (ver dados de autenticação), e entre em modo ENABLE (digitando enable na prompt «>», e introduzindo a respectiva password de enable. A prompt

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes 2a Edição Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Configuração e guia de Troubleshooting do roteador Cisco DSL - Configuração passo a passo do PPPoE com um endereço IP estático

Configuração e guia de Troubleshooting do roteador Cisco DSL - Configuração passo a passo do PPPoE com um endereço IP estático Configuração e guia de Troubleshooting do roteador Cisco DSL - Configuração passo a passo do PPPoE com um endereço IP estático Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Configurando roteadores CISCO

Configurando roteadores CISCO Configurando roteadores CISCO Configurando as senhas: Router > enable Router# configure terminal Router(config)# hostname Lab_A Lab A(config)#enable secret class Lab A(config)#line console 0 Lab_A(config-line)#password

Leia mais

Trabalho de VLANs e Redes IP

Trabalho de VLANs e Redes IP Trabalho de VLANs e Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2008/09 José Ruela Bancada de trabalho Configuração inicial Inicialmente todos os computadores gnuxy devem estar configurados na mesma

Leia mais

Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP

Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP Para configurarmos uma rede Frame Relay, é importante antes de tudo definir as redes para melhor nos orientarmos. Iremos trabalhar com 3 filiais, sendo: SP, RJ,

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES. VIRTUAL LANs & VTP

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES. VIRTUAL LANs & VTP GESTÃO DE SISTEMAS E REDES VIRTUAL LANs & VTP OUTLINE VIRTUAL LAN IEEE802.1Q FORMATO DA FRAME ENCAMINHAMENTO DE FRAMES INTERNETWORKING VLAN TRUNKING PROTOCOL DOMÍNIOS MODOS ANÚNCIOS PRUNING VTP- CDP IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol);

Leia mais

Laboratório Coleta e análise de dados do NetFlow

Laboratório Coleta e análise de dados do NetFlow Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Gateway padrão R1 G0/0 192.168.1.1/24 N/A S0/0/0 (DCE) 192.168.12.1/30 N/A R2 G0/0 192.168.2.1/24 N/A S0/0/0 192.168.12.2/30

Leia mais

Formação em Redes de Computadores, composta pelos seguintes módulos:

Formação em Redes de Computadores, composta pelos seguintes módulos: O grande crescimento da Internet e das tecnologias e serviços a ela associados, bem como a liberalização do mercado das telecomunicações, está a originar uma procura de profissionais na área das Tecnologias

Leia mais

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Para esse exemplo, usarei o Packet Tracer (download aqui). Esse software foi desenvolvido pela própria Cisco para que os interessados pudessem

Leia mais

LANs, VLANs e redes IP. Laboratório I 321 bancada de trabalho

LANs, VLANs e redes IP. Laboratório I 321 bancada de trabalho 1 LANs, VLANs e redes IP (2º trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Computadores MIEEC 2010/11 José Ruela Laboratório I 321 bancada de trabalho 2 Bancada de trabalho (lab I 321) equipamento 3 Existem

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2012 Introdução às VLAN Este documento pretende dar uma breve introdução às Virtual LAN (VLAN), um conceito fundamental nas redes locais da actualidade. Conceito Por razões

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais