Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte 2 Usando o CLI do Roteador"

Transcrição

1 Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de inserir qualquer outro comando. Por questões de segurança, o roteador tem dois níveis de acesso aos comandos Modo usuário -- As tarefas típicas incluem aquelas que verificam o status do roteador. Nesse modo, alterações na configuração do roteador não são permitidas. Modo privilegiado --Tarefas típicas incluem aquelas que alteram a configuração do roteador. Quando você faz login em um roteador pela primeira vez, você vê um prompt do modo usuário. Os comandos disponíveis nesse nível de usuário são um subconjunto dos comandos disponíveis no modo privilegiado. A maior parte desses comandos permite que você exiba informações sem alterar as definições da configuração do roteador. Para acessar o conjunto completo de comandos, você deve primeiro ativar o modo privilegiado. O comando usado para ativar o modo privilegiado é o comando Enable. Para isso, no prompt ">", digite "enable". No prompt "password", insira a senha que foi definida com o comando "enable secret". Após concluir os passos do login, o prompt se transforma no símbolo #, porque você está agora no modo privilegiado. No modo privilegiado, você pode acessar modos como o modo de configuração global e outros específicos, como modo de Interface, Subinterface, Line, Router, Mapa de rotas, etc... Para voltar ao modo usuário, devemos digitar disconect, e o prompt volta a ser o símbolo do início >. Para se desconetar do roteador a qualquer instante, digite exit. Para ajuda, em qualquer modo em que esteja, digitando? aparecerá uma lista com os comandos disponíveis nesse modo. Logo, a lista do modo usuário será menor que a lista dos comandos no modo privilegiado. Também o comando help seguido dos primeiros caracteres de um comando qualquer, ajuda a encontrar a sintaxe, completando o texto deste comando. Semelhante ao Unix, quando digitamos as primeiros caracteres de um comando, com a tecla TAB este comando será completado automaticamente, desde que os primeiros caracteres digitados diferenciem-no de qualquer outro comando. Um exemplo seria digitar ENA, e este já representa o comando ENABLE. 1

2 O comando SHOW permite monitorar o estado do seu roteador e determinar se o roteador está funcionando corretamente, como mostrado baixo: show version -- exibe a configuração do hardware do sistema, a versão do software, os nomes e origens dos arquivos de configuração e a imagem de inicialização show processes -- exibe informações sobre os processos ativos show protocols -- exibe um resumo das interfaces, e o estado dos protocolos da camada 3 configurados. show memory -- mostra estatísticas sobre a memória do roteador. show flash -- mostra informações sobre o dispositivo de memória Flash show running-config -- exibe o arquivo de configuração ativa ( RAM ) show startup-config -- arquivo de configuração de backup ( NVRAM ) show interfaces -- exibe estatísticas sobre todas as interfaces configuradas no roteador CONFIGURANDO AS SENHAS DO MODO PRIVILEGIADO: 1. enable password <senha> Cria uma senha para acesso ao modo privilegiado, sem criptografia 2. enable secret <senha> Cria uma senha para acesso ao modo privilegiado, com texto criptografado Obs: Se habilitar as duas, somente a secret será a ativa, a outra fica desativada. 2

3 MODO DE CONFIGURAÇÃO GLOBAL: A partir do modo de Configuração Global, qualquer comando digitado vai alterar a configuração do roteador, e será incluído no arquivo de configuração atual. Para entrar neste modo, a partir do modo privilegiado: Router# Configure Terminal ( conf t ) Entra no modo de configuração global Router(config)# < digita os comandos desejados > Configuração das portas Console, Auxiliar e Telnet (VTY) 1. CONFIGURAÇÃO DA PORTA CONSOLE 0: Router(config)# Line Con 0 Entra no modo de configuração da console 0 Router(config - line)# Login Permite o acesso através do cabo rollover na porta de console 0 Router(config - line)# Password cisco Atribui a senha cisco à porta console 0. Um usuário só poderá ter acesso pela porta console se tiver conhecimento desta senha. 2. CONFIGURAÇÃO DA PORTA AUXILIAR 0: A partir do modo Config: Router(config)# Line Aux 0 Entra no modo de configuração da auxiliar 0 Router(config - line)# Login Permite o acesso através do modem ou cabo rollover na porta auxiliar 0 Router(config - line)# Password cisco Atribui a senha cisco à porta auxiliar 0. Um usuário só poderá ter acesso por esta porta se tiver conhecimento desta senha. 3

4 3. CONFIGURAÇÃO DO ACESSO PELO TELNET: Router(config)# Line Vty 0 4 Entra no modo de configuração do telnet para cinco sessões Router(config - line)# Login Permite o acesso através do telnet Router(config - line)# Password cisco Atribui a senha cisco. Um usuário só poderá ter acesso usando Telnet se tiver conhecimento desta senha. Configuração as Interfaces Ethernet e Serial 1. CONFIGURAÇÃO DA ETHERNET 0: Router(config)# Int e 0 Entra no modo de configuração da ethernet 0 Router(config - If)# Ip Address <no. IP> <máscara> Atribui o IP à esta interface Router(config - line)# No Shut Ativa a interface, permitindo a comunicação. 2. CONFIGURAÇÃO DA SERIAL 1: Router(config)# Int s 1 Entra no modo de configuração da serial 1 Router(config - If)# Ip Address <no. IP> <máscara> Atribui o IP à esta interface Router(config - If)# No Shut Ativa a interface, permitindo a comunicação. OBS: As portas serias precisam de um sincronismo, o qual será explicado mais adiante. 4

5 Configuração dos Protocolos de Roteamento 1. CONFIGURAÇÃO DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO RIP: Router(config)# Router Rip Entra no modo de configuração do protocolo de roteamento RIP Router(config - router)# Network < IP da Rede > Informa por que redes o RIP envia e recebe atualizações. Deve-se informar todas as redes conectadas diretamente ao roteador 2. CONFIGURAÇÃO DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO IGRP: Router(config)# Router Igrp < Número do SA > Entra no modo de configuração do protocolo de roteamento IGRP, sendo o SA um número inteiro que identifica o Sistema Autônomo onde o IGRP vai atuar Router(config - router)# Network < IP da Rede > Informa por que redes o IGRP envia e recebe atualizações. Deve-se informar todas as redes conectadas diretamente ao roteador Aplicando criptografia nas senhas Vimos anteriormente que as senhas de muitas opções aparecem como texto claro, facilitando sua captura por pessoas mal intencionadas que por ventura consigam visualizar o arquivo de configuração. Para dificultar o acesso, é possível aplicar criptografia nas senhas com o seguinte comando: Router(config)# Service Password-Encryption E todas as senhas aplicadas até o momento serão criptografadas no arquivo de configuração. Para desativar esse comando: Router(config)# No Service Password-Encryption OBS: Qualquer ação pode ser desativada repetindo-se o mesmo comando usado ativação, precedido da palavra de negação NO. Com isso, o roteador desfaz esse comando. 5

6 Criando e Aplicando Listas de Acesso (ACL) 1. CRIANDO UMA ACL PADRÃO Router(config)# access-list <número> permit / deny ip curinga Sendo: Número: Um valor entre 1 e 99 (ACL Padrão) Permit Permite o acesso Deny Bloqueia o acesso (proíbe) Curinga Lista de bits para verificação dos IPs que serão permitidos: 0 (Verificar) e 1 (ignorar) Protocolos não especificados serão bloqueados ( deny any implícito no final) 2. CRIANDO UMA ACL ESTENDIDA Router(config)# access-list <número> permit / deny ip curinga Sendo: Número: Um valor entre 1 e 99 (ACL Padrão) Permit Permite o acesso Deny Bloqueia o acesso (proíbe) Curinga Lista de bits para verificação dos IPs que serão permitidos: 0 (Verificar) e 1 (ignorar) Protocolos não especificados serão bloqueados ( deny any implícito no final) 3. APLICANDO UMA ACL CRIADA À PORTA DO ROTEADOR Primeiro deve-se acessar a interface onde deseja-se aplicar a ACL: Router(config)# interface e1 Router(config-if)# ip access-group <número> in / out Sendo: Número Um valor entre 100 e 199 (ACL Estendida) In Bloqueia o tráfego de entrada na interface especificada Out Bloqueia o tráfego de saída na interface especificada OBS: Somente é possível aplicar, na mesma interface, uma ACL para cada direção, e os números não podem ser repetidos. 6

7 As interfaces seriais são formadas por um link, onde cada extremidade é um ponto desta conexão. Sempre um lado será o DTE e o outro, o DCE. O DTE ( Data Terminal Equipment ) é um equipamento que contém informações e programas, tipo um servidor de arquivos de rede. O DCE ( Data Comunication Equipment ) é um equipamento responsável apenas pela transmissão dos dados, e não possui informações e arquivos do usuário, como por exemplo, o MODEM. O DCE é responsável pelo sincronismo da transmissão, ao passo que o DTE apenas acompanha este sincronismo. Sempre que interligamos dois roteadores pela porta serial, criamos um link WAN, o qual necessita do sincronismo. Um lado será o DTE, e outro será o DCE. Devemos configurar a porta como DCE ou DTE, de acordo com o cabo de interligação, pois uma extremidade deve gerar sincronismo, e a outra não. Para definir o sincronismo, acessa a interface serial: Router(config - If)# Clock rate Atribui a velocidade de transmissão de 64 Kbps a esta interface. Componentes internos de configuração do roteador: Os componentes da configuração interna do roteador são os seguintes: RAM/DRAM -- armazena tabelas de roteamento, cache ARP, cache de comutação rápida, buffer de pacote (RAM compartilhada) e filas de espera de pacotes; a RAM também fornece memória temporária e/ou em execução a um arquivo de configuração de roteador enquanto ele estiver acionado; o conteúdo da RAM é perdido durante uma falta de energia ou reinicialização. NVRAM -- a memória NVRAM armazena o arquivo de configuração de backup/inicialização do roteador; o conteúdo da NVRAM não é perdido durante uma falta de energia ou reinicialização Flash -- ROM apagável e reprogramável que retém a imagem e o microcódigo do sistema operacional; a memória Flash permite atualizações do software sem a remoção ou substituição dos chips do processador; o conteúdo da Flash é retido durante uma falta de energia ou reinicialização; a memória Flash pode armazenar várias versões do software IOS ROM -- contém diagnósticos iniciais, um programa de bootstrap e um software de sistema operacional; as atualizações do software na ROM exigem a remoção e substituição de chips que podem ser conectados à CPU 7

8 Interfaces -- conexões de rede na placa-mãe ou em módulos de interface separados, através dos quais os pacotes entram e saem de um roteador A RAM é a área de armazenamento funcional de um roteador. Quando você liga um roteador, o software IOS é carregado na memória. O executor de comandos, ou EXEC, é uma parte do software IOS. O EXEC recebe e executa comandos inseridos para o roteador. A RAM também armazena o arquivo de configuração ativo, tabelas de mapas de rede e listas de endereços de roteamento. Você pode exibir o arquivo de configuração em um terminal remoto ou do console. Uma versão salva deste arquivo é armazenada na NVRAM. A NVRAM é acessada e o arquivo de configuração é carregado na memória principal cada vez que um roteador for inicializado. O arquivo de configuração contém informações globais de processo e de interface que afetam diretamente a operação de um roteador e suas portas de interfaces. Uma imagem de sistema operacional não pode ser exibida em uma tela de terminal. Uma imagem é geralmente executada a partir da RAM principal e carregada de uma das diversas fontes de entrada. O software operacional é organizado em rotinas que lidam com as tarefas associadas a diferentes protocolos, como movimento de dados, gerenciamento de tabelas e buffers, atualizações de roteamento e execução de comandos do usuário. 8

9 Os problemas mais comuns que ocorrem em redes IP resultam de erros no esquema de endereçamento. É importante testar sua configuração de endereço antes de avançar para as próximas etapas de configuração. Os testes básicos de uma rede devem prosseguir em seqüência, de uma camada do modelo de referência OSI à seguinte. Cada teste focaliza operações de rede em uma camada específica do modelo OSI. Os comandos telnet, ping, trace, show ip route, show interfaces e debug são comandos que permitem testar a rede. O telnet, protocolo terminal virtual pertencente ao conjunto de protocolos TCP/IP, permite um usuário se conectar a um roteador remoto, e verificar o software da camada de aplicação entre as estações de origem e de destino. Esse é o mais completo mecanismo de teste disponível. Um roteador pode ter até cinco sessões telnet simultâneas. Este protocolo atua na camada de Aplicação do modelo OSI Para estabelecer uma conexão telnet, usamos o comando connect ou telnet seguido do nome ou IP do roteador. A sessão telnet é finalizada com os comandos exit ou logout. A seguinte lista mostra os comandos alternativos para as operações listadas na figura: Iniciar uma sessão no roteador Gerente conectando ao roteador filial : Gerente> connect filial (ou seu IP) Filial> Continuar uma sessão (insira o número ou o nome da sessão): Gerente> 1 ou filial Filial> Terminar uma sessão: Filial> exit Uma conexão telnet bem-sucedida indica que o aplicativo de camada superior (e também os serviços das camadas inferiores) estão funcionando corretamente. 9

10 Os protocolos de eco são usados para testar se os pacotes de protocolo estão sendo roteados. O comando ping é um protocolo de eco, que envia um pacote ao host de destino e aguarda um pacote de resposta daquele host. Os resultados podem avaliar a confiabilidade, os atrasos no caminho e se o host pode ser alcançado ou não. Na figura, o ping de destino respondeu com sucesso a todos os cinco datagramas enviados. Os pontos de exclamação (!) indicam cada eco bem-sucedido. Se você receber um ou mais pontos (.) em vez de pontos de exclamação na sua tela, o aplicativo no roteador atingiu o timeout enquanto esperava por um determinado eco de pacote do ping de destino. O ping usa o ICMP (Internet Control Message Protocol) e atua na camada de Rede do modelo OSI. O comando trace é uma ferramenta que permite descobrir a rota por onde os dados estão sendo enviados na rede, testando cada passagem por roteador. Com isso, é possível traçar a rota entre origem e destino. Essa operação pode ser realizada no nível usuário ou no nível privilegiado. O comando trace usa as mensagens de erro geradas pelos roteadores quando um pacote excede seu valor de tempo de vida (TTL - Time To Live). O comando trace envia vários pacotes e exibe o tempo de ida e volta de cada um deles. A vantagem do comando trace é determinar qual roteador do caminho foi o último a ser alcançado. Isso se chama isolamento de falha. Quando um roteador não pode ser alcançado, aparecem três asteriscos (*) em vez do nome do roteador. Este comando atua na camada de Rede do modelo OSI. 10

11 O Comando Show IP Route: Este comando permite visualizar a tabela de roteamento do roteador. Assim podemos determinar se existe uma entrada de tabela de roteamento para a rede de destino. A tabela de roteamento associa a rede de destino às interfaces do roteador, indicando se a rede pode ser alcançada e qual caminho seria o melhor. Este comando atua na camada de Rede no modelo OSI. A interface tem duas partes: Quando testar os links físicos e de dados, pergunte o seguinte: Existe um sinal Carrier Detect? O link físico entre os dispositivos está bom? As mensagens de keepalive estão sendo recebidas? Os pacotes de dados podem ser enviados pelo link físico? Camada Física (hardware): Como cabos, conectores e interfaces, deve fazer a conexão real entre os dispositivos. Camada de Enlace (software): - Mensagens de keepalive - Informações de controle - Informações de usuário Passadas entre dispositivos adjacentes. Essas informações são dados sendo passados entre duas interfaces de roteadores conectados. Um dos elementos mais importantes da saída do comando show interfaces serial é a exibição do status do protocolo de linha e do enlace de dados. O status de linha nesse exemplo é disparado por um sinal Carrier Detect e se refere ao status da camada física. No entanto, o protocolo de linha, disparado por quadros keepalive, se refere ao enquadramento de enlace de dados. Este comando atua nas 3 camadas inferiores do modelo OSI: Física, Enlace e Rede. 11

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Redes Locais e Metropolitanas

Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Redes Locais e Metropolitanas Redes Locais e Metropolitanas Nota: Lista Roteadores Teoria e Comandos Professor: Roberto Leal Aluno: Data: Turma: Número: Folha de Exercícios Exercícios Parte 1 Teoria do Roteamento Questão 1: Quais são

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 03 Configuração Básica Cisco IOS Prof: Jéferson Mendonça de Limas O que é um Roteador? O roteador é composto de: CPU (Processador) RAM ROM Sistema

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 2 - Introdução aos Roteadores 1 Objetivos do Capítulo Descrever a finalidade e operação básica do IOS; Identificar vários recursos do IOS; Identificar

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA Objetivo: Neste laboratório você aprenderá comandos básicos do roteador. Existem diferentes formas de se conectar ao roteador, mas a primeira

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas 262-294 CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v 3.1 - Laboratório 11.2.2b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. Objetivo Situação Neste

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Roteamento e switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia Diagrama de topologia All contents are Copyright 2007-2009 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. This document is Cisco Public Information. Página 1 de 8 Tabela de endereçamento Dispositivo Interface

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº6 Configuração básica de um router Configuração do protocolo de routing RIP 1 Objectivo

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

Montagem e Configuração de Redes de Computadores

Montagem e Configuração de Redes de Computadores Montagem e Configuração de Redes de Computadores Roteadores Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a redes de computadores

Leia mais

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Objetivo Cabear e configurar as estações de trabalho e os roteadores Configurar um esquema de endereçamento IP usando redes classe B

Leia mais

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos 1 Objetivos do Capítulo Aprender a ativar e desativar o CDP; Usar o comando show cdp neighbors; Determinar

Leia mais

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Objetivo Configurar um roteador para que use tradução de endereços de rede (NAT) para converter endereços IP internos, normalmente privados, para endereços públicos

Leia mais

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Objetivo Configurar e aplicar uma ACL padrão, para permitir ou negar tráfego específico. Testar a ACL, para determinar se os resultados desejados

Leia mais

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Objetivo Configurar RIP v1 nos roteadores. Converter para RIP v2 nos roteadores. Fundamentos / Preparação Instale uma rede semelhante à ilustrada no diagrama.

Leia mais

Redes IP. M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br. Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes

Redes IP. M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br. Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes Redes IP M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes Lista de Controle de Acesso (ACL) Uma ACL, no contexto dos produtos Cisco, é um

Leia mais

Comandos Packet Tracer

Comandos Packet Tracer Comandos Packet Tracer Professor Victor Sotero 1 Interface do Usuário Utiliza uma estrutura hierárquica; O IOS que é o sistema próprio da cisco, fornece um serviço de interpretação de comandos, conhecido

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Laboratório Coleta e análise de dados do NetFlow

Laboratório Coleta e análise de dados do NetFlow Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Gateway padrão R1 G0/0 192.168.1.1/24 N/A S0/0/0 (DCE) 192.168.12.1/30 N/A R2 G0/0 192.168.2.1/24 N/A S0/0/0 192.168.12.2/30

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol);

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não comercial e uso exclusivo pelos instrutores no curso CCNA

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes 2a Edição Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing

Leia mais

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli)

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli) LABORATÓRIO 1: Montagem da rede física, definição do endereçamento IP com diferentes sistemas operacionais e roteamento estático. Roteiro: 1) Montar a rede física, que deve ser baseadq na lista de material

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Listas de Acesso (ACL).

Listas de Acesso (ACL). Raphael Guimarães Gonçalves raphagg@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj. Resumo Neste trabalho serão apresentadas as Listas de Acesso, que são uma ferramenta que existem

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 11 - Listas de Controle de Acesso (ACLs( ACLs) 1 Objetivos do Capítulo Descrever as diferenças entre ACLs estendidas; Explicar as regras de

Leia mais

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR Mafra 2009 Exercício 1 Utilizando o bloco de endereços 200.0.0.0/24, proponha uma solução para configurar os IP s da rede abaixo: 1 2 3 4 10.0.0.1/24 10.0.0.2/24

Leia mais

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão OESTE G0/1 172.16.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 (DCE) 10.1.1.1 255.255.255.252 N/A Tunnel0 172.16.12.1

Leia mais

Listas de Controlo de Acesso (ACLs)

Listas de Controlo de Acesso (ACLs) ISEP - Administração de Sistemas 2007/2008 1/9 Listas de Controlo de Acesso (ACLs) Permitem filtrar tráfego (efectuam testes aos pacotes de dados. Ex: negam ou permitem em função do endereço ou tipo de

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show

Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show ÍNDICE 1 Objetivo do Laboratório... 3 2 Topologia... 3 3 Exercício Proposto... 4 3.1 Verificando o Processo de Inicialização... 4 3.2 Verificando a Configuração

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima. Carregar o arquivo de texto para configurar outro roteador usando o HyperTerminal.

Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima. Carregar o arquivo de texto para configurar outro roteador usando o HyperTerminal. Laboratório / ECO Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima Objetivos: Capturar a configuração atual de um roteador para um arquivo de texto ASCII com o HyperTerminal do Windows XP. Editar ou modificar

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas Administração de Sistemas Orlando Sousa Aula 6 Listas de controlo de acesso (ACLs) NAT Listas de controlo de acesso Permite filtrar tráfego (efectua testes aos pacotes de dados. Ex: nega ou permite em

Leia mais

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Objetivo Situação Neste laboratório, será explorado o uso de listas de acesso estendidas para criação de uma Zona Desmilitarizada (DMZ).

Leia mais

Roteiro para Prática 01 GNS e comandos da Cisco

Roteiro para Prática 01 GNS e comandos da Cisco Ponto de Presença da RNP na Bahia PoP-BA/RNP Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação Curso de Extensão em Administração de Redes Instrutor: Italo Valcy Roteiro para Prática

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Para esse exemplo, usarei o Packet Tracer (download aqui). Esse software foi desenvolvido pela própria Cisco para que os interessados pudessem

Leia mais

CAPITULO 01 - WANs e roteadores

CAPITULO 01 - WANs e roteadores CAPITULO 01 - WANs e roteadores Visão Geral Uma rede de longa distância (WAN) é uma rede de comunicações de dados que abrange uma grande área geográfica. As WANs têm várias características importantes

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES 1º ENTREGÁVEL - AM CURSO TECNÓLOGO DE REDES DE COMPUTADORES TERCEIRO SEMESTRE - 2015 GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES Prof.: João Gilberto Pinho 2 TRCR Cristiano Gama RM: 70320 Iago Gomes RM: 71277

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina;

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina; Aula prática Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Objetivo Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar problemas na rede. No windows existem

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

Roteadores Cisco. Guia Básico de Configuração e Operação. Fábio Correa Xavier. Novatec

Roteadores Cisco. Guia Básico de Configuração e Operação. Fábio Correa Xavier. Novatec Roteadores Cisco Guia Básico de Configuração e Operação Fábio Correa Xavier Novatec capítulo 1 Introdução Este capítulo apresenta o roteador, abordando seus componentes e seus jargões comuns e as formas

Leia mais

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay Laboratório de RCO2 12 o experimento Objetivo: Introdução Configurar uma rede Frame Relay A tecnologia WAN Frame Relay é uma rede de transporte implantada como infraestrutura em operadoras de serviço (por

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização Capítulo 2 Laboratório 2.1 Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização tel (41) 430457810 ou (41) 4063-7810 - info@dltec.com.br - www.dltec.com.br INDICE 1 Objetivo do Laboratório...

Leia mais

Redes de Computadores Laboratório 2. Estabelecimento de enlaces ponto-a-ponto

Redes de Computadores Laboratório 2. Estabelecimento de enlaces ponto-a-ponto Redes de Computadores Laboratório 2 Estabelecimento de enlaces ponto-a-ponto Objetivos: i) Criar enlace PPP entre roteadores ii) Criar enlace HDLC entre roteadores iii) Comparar a vazão (throughput) desses

Leia mais

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP R1 R2 R3 Máscara de sub-rede Gateway padrão Fa0/0 192.168.10.1 255.255.255.0 N/A Fa0/1 192.168.11.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 O que é o roteador

Capítulo 1. Introdução. 1.1 O que é o roteador Capítulo 1 Introdução Este capítulo apresenta o roteador, abordando seus componentes e seus jargões comuns e as formas de acesso. Apresentará também o Cisco Internetworking Operating System (Cisco IOS),

Leia mais

Unidade 5 Dispositivos de redes

Unidade 5 Dispositivos de redes Unidade 5 Dispositivos de redes Comunicação de Dados Nesta unidade, você estudará os principais dispositivos envolvidos nas comunicações entre as máquinas. São muitos tipos, nomes e funções. Você verá

Leia mais

CISCO PACKET TRACER. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br)

CISCO PACKET TRACER. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) CISCO PACKET TRACER Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) INTRODUÇÃO Packet Tracer v5.3 é um simulador de redes desenvolvido pela Cisco Systems ; Capaz de simular o funcionamento

Leia mais

Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term

Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term Topologia Objetivos Parte 1: Acessar um switch da Cisco através da porta de console serial Conectar-se a um switch da Cisco usando um

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

REDES PARA TODOS RIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

REDES PARA TODOS RIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br REDES PARA TODOS RIP rffelix70@yahoo.com.br Operação RIP RIP V.01 O RIP usa dois tipos de mensagem especificados no campo Command: Mensagem de solicitação e Mensagem de resposta. Redes e Roteamento RIP

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

cio Roteamento Linux

cio Roteamento Linux Exercício cio Roteamento Linux Edgard Jamhour Exercícios práticos para configuração de roteamento usando Linux Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância 1 Objetivos do Capítulo Entender o funcionamento dos protocolos de roteamento de vetor de

Leia mais

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1 Topologia Tabela de Endereçamento R1 Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão G0/0 172.22.34.65 255.255.255.224 N/A G0/1 172.22.34.97 255.255.255.240 N/A G0/2 172.22.34.1 255.255.255.192

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Manual de Instalação e Operação RECIP

Manual de Instalação e Operação RECIP Manual de Instalação e Operação RECIP AMNNIPC012.00 05/09 Índice 1. RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES...1 2. DESCRIÇÃO DO PRODUTO...1 3. INSTALAÇÃO...1 4. CONFIGURAÇÃO O RECIP...3 4.1 JANELA PRINCIPAL...3 4.2

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Dualtech CPU 485 TCP-IP. Gradual Tecnologia Ltda. Manual DualTech Gradual Novembro 2013 1

Dualtech CPU 485 TCP-IP. Gradual Tecnologia Ltda. Manual DualTech Gradual Novembro 2013 1 Dualtech CPU 485 TCP-IP Gradual Tecnologia Ltda. Manual DualTech Gradual Novembro 2013 1 Índice Geral... 3 Características do Aparelho... 3 Conectores... 5 Instalação... 6 Mensagens... 7 Configuração...

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais