Laboratório b Listas de acesso simples e estendidas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas"

Transcrição

1 Laboratório b Listas de acesso simples e estendidas CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v Laboratório b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

2 Objetivo Situação Neste laboratório, configurar listas de acesso estendido para tráfego entre redes, de hosts para redes e de redes para hosts. Uma empresa de marketing possui dois escritórios. A sede fica em Birmingham (BHM)e a filial, em Gadsden (GAD). O administrador de telecomunicações de ambos os escritórios precisa planejar e implementar listas de controle de acesso para obter maior segurança e melhor desempenho. No escritório de Birmingham, há dois grupos de usuários de rede. Esses grupos são o Administrativo e o de Produção e cada um está localizado em redes separadas. Ambas as redes estão interconectadas por um roteador. O escritório de Gadsden é uma rede stub, que tem somente uma LAN conectada a ela. Etapa 1 Configurações do host e do roteador básico a. Interconecte os roteadores e os hosts conforme mostra o diagrama. Configure todas as opções básicas do roteador, tais como nome de host, ative a senha, acesso Telnet e interfaces do roteador. Use o diagrama e as tabelas anteriores como referência. Observação:O roteador BHM precisa ter duas interfaces Ethernet. b. As configurações em cada roteador devem ser conforme segue abaixo: BHM#show running-config <Output Omitted> hostname BHM enable secret class interface FastEthernet0 ip address interface Serial0 ip address clock rate interface FastEthernet 1 ip address router rip network network line vty 0 4 password cisco login end BHM# GAD#show running-config <Output Omitted> CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v Laboratório b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

3 hostname GAD enable password class interface FastEthernet0 ip address interface Serial0 ip address router rip Rede line vty 0 4 password cisco login no scheduler allocate end GAD# c. Configure os hosts com as informações apropriadas, usando as informações definidas anteriormente. Antes de aplicar qualquer tipo de lista de acesso, é importante verificar a alcançabilidade entre sistemas. Verifique a alcançabilidade, fazendo ping para todos os sistemas e roteadores de cada sistema. d. Todos os hosts devem ser capazes de fazer ping uns com os outros e com as interfaces de roteador. Caso o ping para algumas interfaces não seja bem sucedido, o problema precisará ser encontrado e corrigido. Sempre verifique as conexões de camada física, pois elas costumam ser a fonte mais comum de problemas de conectividade. Em seguida, verifique as interfaces do roteador. Certifique-se de que elas não estejam desligadas, configuradas inadequadamente ou de que o RIP esteja configurado corretamente. Por fim, lembre-se de que além de endereços IP válidos, os hosts também devem ter gateways padrão especificados. e. Agora que a infra-estrutura está montada, é hora de começar a proteger a internetwork. Etapa 2 Evitar que os usuários de produção acessem a rede Gadsden a. A política da empresa especifica que somente o grupo Administrativo deve ter acesso a Gadsden. O grupo de Produção deve ter acesso restrito à rede. b. Configure uma lista de acesso estendida para permitir que o grupo Administrativo acesse Gadsden. O grupo de produção não deve ter acesso a Gadsden. c. Depois de uma análise cuidadosa, ficou decidido que seria melhor usar uma lista de acesso estendida e aplica-la à interface S0 de saída no roteador BHM. Observação: Lembre-se de que quando a lista de acesso é configurada, cada instrução na lista é processada pelo roteador na ordem em que foi criada. Não é possível reordenar uma lista de acesso, saltar, editar ou excluir instruções de uma lista de acesso numerada. Por esse motivo, pode ser vantajoso criar a lista de acesso em um editor de texto, como o Notepad, e depois colar os comandos no roteador, em vez de digitar tudo diretamente em um roteador. d. Insira o seguinte: BHM#conf terminal Enter configuration commands, one per line. End with CNTL/Z. BHM(config)#access-list 100 deny ip CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v Laboratório b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

4 e. Esta instrução define uma lista de acesso estendido chamada 100. Ela irá negar acesso IP a qualquer usuário na rede caso ele esteja tentando acessar a rede Apesar de ser possível definir uma lista de acesso menos específica, esta lista de acesso poderia permitir que os usuários de produção acessassem outros locais (se disponíveis), usando a interface S0. f. Lembre-se de que há um deny all implícito em cada lista de acesso. Agora, devemos nos certificar de que o grupo administrativo tenha acesso à rede Gadsden. Apesar de podermos ser mais restritivos, simplesmente liberamos qualquer outro tipo de tráfego. Insira a seguinte instrução: BHM(config)#access-list 100 permit ip any any g. Agora precisamos aplicar a lista de acesso a uma interface. Poderíamos aplicar a lista a qualquer tráfego que chega em direção à interface Fa0/1 da rede de produção. No entanto, se houver uma grande quantidade de tráfego entre a rede administrativa e a rede de produção, o roteador terá que verificar cada pacote. Existe a preocupação de que isso possa gerar uma sobrecarga indesejada no roteador. Portanto, a lista de acesso é aplicada a qualquer tráfego de saída que passe pela interface S0 do roteador BHM. Digite o seguinte: BHM(config)#interface s0 BHM(config-if)#ip access-group 100 out h. Verifique a sintaxe da lista de acesso, com o comando show running-config. O material a seguir lista as instruções válidas que devem estar na configuração. interface Serial0 ip access-group 100 out <Output Omitted> access-list 100 deny ip access-list 100 permit ip any any i. Outro comando útil é show access-lists. O material abaixo é um exemplo de saída. BHM#show access-lists Extended IP access list 100 deny ip permit ip any any j. O comando show access-lists também exibe contadores, indicando quantas vezes a lista foi usada. Não se encontram contadores listados aqui, já que ainda não tentamos verificá-lo. Observação: Use o comando clear access-list counters para reiniciar os contadores da lista de acesso. k. Agora teste a lista de acesso, verificando a alcançabilidade à rede Gadsden pelos hosts da administração e da produção. O host de produção (B) consegue fazer ping no host de Gadsden (D)? CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v Laboratório b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

5 O host de produção (C) consegue fazer ping no host de Gadsden (D)? O host de administração (A) consegue fazer ping no host de Gadsden (D)? O host de produção (B) consegue fazer ping no host de administração (A)? O host de produção (B) consegue fazer ping na interface serial do roteador Gadsden? l. Os hosts de produção (B) e (C) devem conseguir fazer ping no host de administração (A) e na interface serial do roteador Gadsden. No entanto, eles não devem conseguir fazer ping no host de Gadsden (D). O roteador deve devolver uma mensagem de resposta ao host, afirmando Rede de destino inalcançável. Emita o comando show access-lists. Quantas correspondências existem? Observação: O comando show access-lists exibe o número de correspondências por linha. Portanto o número de correspondências de negação pode parecer estranho, até que se perceba que os pings correspondem à instrução de negação e à de permissão. m. Para ajudar a entender como a lista de acesso está operando, emita periodicamente o comando show access-lists. Etapa 3 Permitir que um usuário de produção acesse a rede Gadsden a. É recebida uma chamada de um usuário do grupo de produção (B). Eles são responsáveis pela troca de certos arquivos entre a rede de produção e a rede Gadsden. A lista de acesso estendida precisa ser alterada para permitir acesso à rede Gadsden, ao mesmo tempo negando acesso a qualquer outra pessoa na rede de produção. b. Configure uma lista de acesso estendida, que permita àquele usuário ter acesso a Gadsden. c. Infelizmente, não é possível reordenar uma lista de acesso, saltar, editar ou excluir instruções de uma lista de acesso numerada. Com listas de acesso numeradas, qualquer tentativa de excluir uma única instrução faz com que toda a lista seja apagada. d. Portanto, a lista de acesso estendida inicial também precisa ser excluída e uma nova precisa ser criada. Para excluir a lista de acesso 100, digite o seguinte: BHM#conf t Enter configuration commands, one per line. End with CNTL/Z. BHM(config)#no access-list 100 Verifique se ela foi excluída, com o comando show access-lists. e. Agora crie uma nova lista de acesso estendida. Sempre filtre do mais específico para o mais genérico. Sendo assim, a primeira linha da lista de acesso deve permitir acesso a um host de produção (B) à rede Gadsden. O restante da lista de acesso deve ser igual à anterior inserida. f. Para filtrar o host de produção (B), a primeira linha da lista de acesso deve ser a seguinte: BHM(config)#access-list 100 permit ip host Portanto, a lista permite ao host de produção (B) ter acesso à rede Gadsden. g. Agora, negue a todos os hosts de produção restantes acesso à rede Gadsden e permita qualquer outra pessoa. Consulte a etapa anterior para saber quais são as duas linhas seguintes de configuração. O comando show access-list exibiria uma saída semelhante ao seguinte: CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v Laboratório b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

6 BHM#show access-lists extended IP access list 100 permit ip host deny ip permit ip any any BHM# h. Agora teste a lista de acesso, verificando a alcançabilidade à rede Gadsden pelos hosts administrativo e de produção. O host de produção (B) consegue fazer ping no host de Gadsden (D)? O host de produção (C) consegue fazer ping no host de Gadsden (D)? O host de produção (B) não deve conseguir fazer ping no host de Gadsden (D). No entanto, todos os outros hosts de produção (C) não devem conseguir fazer ping no host de Gadsden (D). Novamente, o roteador deve devolver ao host (C) uma mensagem de resposta ao host, afirmando Rede de destino inalcançável. Etapa 4 Permitir que os usuários de Gadsden acessem o servidor de folha de pagamento da administração a. O grupo de administração abriga o servidor de folha de pagamento. Os usuários de Gadsden precisam de acesso por FTP e HTTP ao servidor de folha de pagamento em intervalos regulares para fazer upload e download de relatórios de folha de pagamento. b. Configure uma lista de acesso estendida para permitir que os usuários de Gadsden tenham acesso somente por FTP e HTTP ao servidor de folha de pagamento. Decidiu-se que também se deve permitir a eles acesso ICMP para fazer ping no servidor. Os usuários de Gadsden não devem conseguir fazer ping em qualquer outro host na rede administrativa. c. Como não desejamos ter tráfego desnecessário entre os locais, decidimos configurar uma lista de acesso estendida no roteador Gadsden. d. Previu-se que seria necessário ter acesso EXEC privilegiado ao Gadsden em intervalos regulares. Esse é o motivo pelo qual o acesso Telnet a Gadsden deve ser configurado. Caso contrário seria necessário viajar até Gadsden para realizar a configuração. e. Faça Telnet com o roteador Gadsden a partir do roteador Birmingham e entre no modo ativação. Solucione o problema conforme necessário. Observação: Uma armadilha comum ao se configurar listas de acesso em roteadores remotos é inadvertidamente bloquear-se. Isso não é um problema grave quando o roteador está fisicamente localizado no local. No entanto, trancar-se pode ser um problema grave se o roteador estiver fisicamente localizado em outra localização geográfica. f. Por este motivo, recomenda-se enfaticamente que o comando reload in 30 seja emitido no roteador remoto. O comando faz com que o roteador remoto seja recarregado dentro de 30 minutos a partir da emissão do comando. Assim sendo, se o administrador foi bloqueado, o roteador irá recarregar a configuração anterior, novamente permitindo acesso ao roteador. Use o comando the reload cancel para desativar o recarregamento pendente. g. Configure uma lista de acesso estendida, para permitir acesso por FTP ao servidor de folha de pagamento. A instrução da lista de acesso deve ser semelhante à seguinte: GAD(config)#access-list 110 permit tcp any host eq ftp CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v Laboratório b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

7 Esta linha irá permitir que qualquer host da rede Gadsden tenha acesso por FTP ao servidor de folha de pagamento pelo endereço O que poderíamos ter definido em vez de usar a palavra-chave any (qualquer)? O que poderíamos ter definido em vez de usar a palavra-chave host? O que poderíamos ter definido em vez de usar a palavra-chave ftp? h. Agora, configure a linha seguinte da lista de acesso, para permitir acesso por HTTP ao servidor de folha de pagamento. A instrução da lista de acesso deve ser semelhante à seguinte: GAD(config)#access-list 110 permit tcp any host eq www Esta linha irá permitir que qualquer host da rede Gadsden tenha acesso por HTTP ao servidor de folha de pagamento pelo endereço O que mais poderíamos ter definido em vez de usar a palavra-chave www? i. Agora, configure a linha seguinte da lista de acesso, para permitir acesso ICMP ao servidor de folha de pagamento. A instrução da lista de acesso deve ser semelhante à seguinte: GAD(config)#access-list 110 permit icmp any host Esta linha irá permitir que qualquer host da rede Gadsden faça ping no servidor de folha de pagamento pelo endereço j. Por fim, nenhum usuário de Gadsden deve conseguir acessar qualquer outro host na rede de administração. Apesar de não ser necessário, não deixa de ser uma boa idéia incluir uma instrução de recusa. A adição da instrução é um bom lembrete e facilita a leitura da lista de acesso. A instrução da lista de acesso deve ser semelhante à seguinte: GAD(config)#access-list 110 deny ip any k. Agora, precisamos aplicar a lista de acesso a uma interface. Para reduzir o tráfego W AN indesejado, decidiu-se aplicar a lista de acesso a qualquer tráfego de saída que passe pela interface S0 dos roteadores Gadsden. Digite o seguinte: GAD(config)#interface s0 GAD(config-if)#ip access-group 110 out l. Agora teste a lista de acesso, verificando a alcançabilidade ao servidor de folha de pagamento por um host Gadsden (D). O host Gadsden (D) consegue fazer ping no servidor de folha de pagamento? O host Gadsden (D) consegue fazer ping no host (A)? CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v Laboratório b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

8 O host Gadsden deve conseguir fazer ping somente no servidor de folha de pagamento. O roteador deve retornar a mensagem Rede de destino inalcançável quando tentar fazer ping no host administrativo (D). Etapa 5 Documentar a ACL a. Como parte de todo o gerenciamento de rede, é preciso criar documentação. Usando um arquivo de texto criado para a configuração, adicione comentários extras. O arquivo também deve conter a saída dos comandos show access-lists eshow ip interface. b. O arquivo deve ser salvo com outras documentações de rede. O padrão de nomeação de arquivos deve refletir a função do arquivo e a data de implementação. c. E, assim, este laboratório sobre ACL estendida está concluído. d. Quando terminar, apague a configuração de inicialização nos roteadores, remova e guarde os cabos e o adaptador. E faça logoff e desligue o roteador CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v Laboratório b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Objetivo Situação Neste laboratório, será explorado o uso de listas de acesso estendidas para criação de uma Zona Desmilitarizada (DMZ).

Leia mais

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Objetivo Configurar e aplicar uma ACL padrão, para permitir ou negar tráfego específico. Testar a ACL, para determinar se os resultados desejados

Leia mais

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia Diagrama de topologia All contents are Copyright 2007-2009 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. This document is Cisco Public Information. Página 1 de 8 Tabela de endereçamento Dispositivo Interface

Leia mais

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Objetivo Configurar RIP v1 nos roteadores. Converter para RIP v2 nos roteadores. Fundamentos / Preparação Instale uma rede semelhante à ilustrada no diagrama.

Leia mais

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Roteamento e switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP R1 R2 R3 Máscara de sub-rede Gateway padrão Fa0/0 192.168.10.1 255.255.255.0 N/A Fa0/1 192.168.11.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0

Leia mais

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Objetivo Cabear e configurar as estações de trabalho e os roteadores Configurar um esquema de endereçamento IP usando redes classe B

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Objetivo Configurar um roteador para que use tradução de endereços de rede (NAT) para converter endereços IP internos, normalmente privados, para endereços públicos

Leia mais

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol);

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

Listas de Controlo de Acesso (ACLs)

Listas de Controlo de Acesso (ACLs) ISEP - Administração de Sistemas 2007/2008 1/9 Listas de Controlo de Acesso (ACLs) Permitem filtrar tráfego (efectuam testes aos pacotes de dados. Ex: negam ou permitem em função do endereço ou tipo de

Leia mais

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não comercial e uso exclusivo pelos instrutores no curso CCNA

Leia mais

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing

Leia mais

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs.

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar duas VLANs. Nomear as VLANs e atribuir várias portas a elas. Testar a funcionalidade,

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Redes IP. M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br. Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes

Redes IP. M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br. Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes Redes IP M. Sc. Isac Ferreira isac.colares@estacio.br Telecomunicações e Redes de Computadores: Tecnologias Convergentes Lista de Controle de Acesso (ACL) Uma ACL, no contexto dos produtos Cisco, é um

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 11 - Listas de Controle de Acesso (ACLs( ACLs) 1 Objetivos do Capítulo Descrever as diferenças entre ACLs estendidas; Explicar as regras de

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº6 Configuração básica de um router Configuração do protocolo de routing RIP 1 Objectivo

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Laboratório 3.5.1: Configuração de VLAN básica

Laboratório 3.5.1: Configuração de VLAN básica Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo (Nome do host) Interface Endereço IP Máscara de sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 99 172.17.99.11 255.255.255.0 N/A S2 VLAN 99 172.17.99.12 255.255.255.0

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas Administração de Sistemas Orlando Sousa Aula 6 Listas de controlo de acesso (ACLs) NAT Listas de controlo de acesso Permite filtrar tráfego (efectua testes aos pacotes de dados. Ex: nega ou permite em

Leia mais

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1 Topologia Tabela de Endereçamento R1 Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão G0/0 172.22.34.65 255.255.255.224 N/A G0/1 172.22.34.97 255.255.255.240 N/A G0/2 172.22.34.1 255.255.255.192

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos 1 Objetivos do Capítulo Aprender a ativar e desativar o CDP; Usar o comando show cdp neighbors; Determinar

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima. Carregar o arquivo de texto para configurar outro roteador usando o HyperTerminal.

Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima. Carregar o arquivo de texto para configurar outro roteador usando o HyperTerminal. Laboratório / ECO Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima Objetivos: Capturar a configuração atual de um roteador para um arquivo de texto ASCII com o HyperTerminal do Windows XP. Editar ou modificar

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

Listas de Acesso (ACL).

Listas de Acesso (ACL). Raphael Guimarães Gonçalves raphagg@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj. Resumo Neste trabalho serão apresentadas as Listas de Acesso, que são uma ferramenta que existem

Leia mais

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Para esse exemplo, usarei o Packet Tracer (download aqui). Esse software foi desenvolvido pela própria Cisco para que os interessados pudessem

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota

Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Abordagem de lista de acesso Método de

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 2 - Introdução aos Roteadores 1 Objetivos do Capítulo Descrever a finalidade e operação básica do IOS; Identificar vários recursos do IOS; Identificar

Leia mais

PIX/ASA 7.x: Adicionar/remova uma rede em um exemplo existente da configuração de túnel L2L VPN

PIX/ASA 7.x: Adicionar/remova uma rede em um exemplo existente da configuração de túnel L2L VPN PIX/ASA 7.x: Adicionar/remova uma rede em um exemplo existente da configuração de túnel L2L VPN Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Produtos Relacionados Convenções Informações

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 03 Configuração Básica Cisco IOS Prof: Jéferson Mendonça de Limas O que é um Roteador? O roteador é composto de: CPU (Processador) RAM ROM Sistema

Leia mais

Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950

Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950 Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950 Objetivo Criar e verificar uma configuração básica de switch. Modificar senhas e usar o procedimento de recuperação

Leia mais

Laboratório - Uso do Wireshark para examinar as capturas FTP e TFTP

Laboratório - Uso do Wireshark para examinar as capturas FTP e TFTP Laboratório - Uso do Wireshark para examinar as capturas FTP e TFTP Topologia Parte 1 (FTP) A parte 1 destacará uma captura TCP de uma sessão FTP. Essa topologia consiste em um PC com acesso à Internet.

Leia mais

Nova visão de Listas de Acesso Cisco CBAC e ZPF

Nova visão de Listas de Acesso Cisco CBAC e ZPF Roteiro Nova visão de Listas de Acesso Cisco e Prof.Celso Rabelo M Pinto Centro Universitário da Cidade 27/02/2012 Prof. Celso Rabelo Semana Acadêmica 1/26 Roteiro 1 2 ACL Padrão ACL Estendida 3 Exemplo

Leia mais

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão OESTE G0/1 172.16.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 (DCE) 10.1.1.1 255.255.255.252 N/A Tunnel0 172.16.12.1

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONTROLE QUALIDADE DE SERVIÇOS QOS

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONTROLE QUALIDADE DE SERVIÇOS QOS INSTRUÇÃO NORMATIVA CONTROLE QUALIDADE DE SERVIÇOS QOS Dispõe acerca de normas referentes à segurança da informação no âmbito da CILL Informática S/A. Goiânia-Go, novembro de 2015 Política de Segurança

Leia mais

Laboratório 7.4.1: Configuração básica DHCP e NAT

Laboratório 7.4.1: Configuração básica DHCP e NAT Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de sub-rede S0/0/0 10.1.1.1 255.255.255.252 R1 Fa0/0 192.168.10.1 255.255.255.0 Fa0/1 192.168.11.1 255.255.255.0

Leia mais

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR Mafra 2009 Exercício 1 Utilizando o bloco de endereços 200.0.0.0/24, proponha uma solução para configurar os IP s da rede abaixo: 1 2 3 4 10.0.0.1/24 10.0.0.2/24

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Montagem e Configuração de Redes de Computadores

Montagem e Configuração de Redes de Computadores Montagem e Configuração de Redes de Computadores Roteadores Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a redes de computadores

Leia mais

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 http://www.dslink.com.br/ Índice Como conectar o modem DSLink 260E ao meu computador?... 3 Configurando o modem como

Leia mais

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede. Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede. Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis Pós-graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos Professor Rene - UNIP 1 Introdução do capitulo Função do roteador Roteamento estático O roteador é um computador com uma finalidade

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº 4 Configuração Básica de um Switch; Configuração de VLANs 1 Objectivo Criar e verificar

Leia mais

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIDADE DIBI MUSSI DISCIPLINA/UA REDE DE COMPUTADORES PROFª ANA LÚCIA R. WIGGERS Exercício Prático: Fa 0/0 IP 192.168.1.1/24 Dispositivo

Leia mais

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA Objetivo: Neste laboratório você aprenderá comandos básicos do roteador. Existem diferentes formas de se conectar ao roteador, mas a primeira

Leia mais

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização Capítulo 2 Laboratório 2.1 Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização tel (41) 430457810 ou (41) 4063-7810 - info@dltec.com.br - www.dltec.com.br INDICE 1 Objetivo do Laboratório...

Leia mais

CISCO PACKET TRACER. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br)

CISCO PACKET TRACER. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) CISCO PACKET TRACER Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) INTRODUÇÃO Packet Tracer v5.3 é um simulador de redes desenvolvido pela Cisco Systems ; Capaz de simular o funcionamento

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

Arquivos de configuração alternativos e da restauração

Arquivos de configuração alternativos e da restauração Arquivos de configuração alternativos e da restauração Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Fazer um backup da configuração Usar um Servidor TFTP para Fazer Backup

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 3.0 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Compreenda como a característica automática da atualização de assinatura do ips Cisco trabalha

Compreenda como a característica automática da atualização de assinatura do ips Cisco trabalha Compreenda como a característica automática da atualização de assinatura do ips Cisco trabalha Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Requisitos de Rede Processo

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Handson Policy Based Routing

Handson Policy Based Routing Handson Policy Based Routing Esquema de Rede Esquema Endereçamento Nome Interface IP Máscara Descrição PBR Serial 0/0/0 10.0.0.1 /30 Protected Connection Serial 0/0/1 10.0.0.5 /30 Free Connection FastEthernet

Leia mais

Procedimentos para configuração de Filters

Procedimentos para configuração de Filters 1 Procedimentos para configuração de Filters 1- Para realizar o procedimento de configuração de Filters, acesse agora a página de configuração do Roteador. Abra o Internet Explorer e digite na barra de

Leia mais

Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa.

Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa. Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, 17 Novembro

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Laboratório - Mapeamento da Internet

Laboratório - Mapeamento da Internet Objetivos Parte 1: Testar a conectividade de rede usando o ping Parte 2: Rastrear uma rota para um servidor remoto usando o tracert do Windows Parte 3: Rastrear uma rota para um servidor remoto usando

Leia mais

Laboratório Coleta e análise de dados do NetFlow

Laboratório Coleta e análise de dados do NetFlow Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Gateway padrão R1 G0/0 192.168.1.1/24 N/A S0/0/0 (DCE) 192.168.12.1/30 N/A R2 G0/0 192.168.2.1/24 N/A S0/0/0 192.168.12.2/30

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação

Segurança em Sistemas de Informação Roteiro com a filtragem de pacotes; Configuração de um roteador de filtragem de pacotes; O que o roteador faz com os pacotes; Dicas para a filtragem de pacotes; Convenções para regras de filtragem de pacotes;

Leia mais

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES 1º ENTREGÁVEL - AM CURSO TECNÓLOGO DE REDES DE COMPUTADORES TERCEIRO SEMESTRE - 2015 GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES Prof.: João Gilberto Pinho 2 TRCR Cristiano Gama RM: 70320 Iago Gomes RM: 71277

Leia mais

Primeiros passos em um roteador Cisco

Primeiros passos em um roteador Cisco Primeiros passos em um roteador Cisco Daniel B. Cid, daniel@ossec.net http://www.ossec.net Desde que comecei a escrever artigos tratando sobre o alguns dispositivos da Cisco, especialmente sobre o PIX

Leia mais

Cisco ASA Firewall Guia Prático

Cisco ASA Firewall Guia Prático Cisco ASA Firewall Guia Prático 2014 v1.0 Renato Pesca 1 Sumário 2 Topologia... 3 3 Preparação do Appliance... 3 3.1 Configurações de Rede... 7 3.2 Configurações de Rotas... 8 3.3 Root Básico... 9 3.4

Leia mais

1. DHCP a. Reserva de IP

1. DHCP a. Reserva de IP Configuração de recursos do roteador wireless Tenda 1. DHCP a. Reserva de IP Ao se conectar uma rede que possua servidor DHCP, o host recebe um IP dentro da faixa de distribuição. A cada conexão, o host

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE CONFIGURAR O SETUP CONFIGURAR O DNS O obje0vo passa por criar um cenário com as seguintes redes: Uma rede para 6 servidores (Rede 0-172.16.0.0/29);

Leia mais

Comandos Packet Tracer

Comandos Packet Tracer Comandos Packet Tracer Professor Victor Sotero 1 Interface do Usuário Utiliza uma estrutura hierárquica; O IOS que é o sistema próprio da cisco, fornece um serviço de interpretação de comandos, conhecido

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

Roteiro para Prática 01 GNS e comandos da Cisco

Roteiro para Prática 01 GNS e comandos da Cisco Ponto de Presença da RNP na Bahia PoP-BA/RNP Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação Curso de Extensão em Administração de Redes Instrutor: Italo Valcy Roteiro para Prática

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga RIP O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

Laboratório - Definição de Configurações Básicas do Switch

Laboratório - Definição de Configurações Básicas do Switch Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 99 192.168.1.2 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A NIC 192.168.1.10 255.255.255.0 192.168.1.1

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes 2a Edição Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: CBPF-NT-004/99. Leonardo Ferreira Carneiro leo@cbpf.br. Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br http:/mesonpi.cat.cbpf.

Resumo. Palavras-chave: CBPF-NT-004/99. Leonardo Ferreira Carneiro leo@cbpf.br. Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br http:/mesonpi.cat.cbpf. Leonardo Ferreira Carneiro leo@cbpf.br Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br http:/mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Esse trabalho tem como objetivo abordar determinados aspectos relativos a roteadores e segurança

Leia mais

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS Jamil de Almeida Silva ONS Brasília-DF Jean Carlos Borges Brito ONS

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

Aula Prática 9 - Filtragem de Pacotes e Serviço Proxy

Aula Prática 9 - Filtragem de Pacotes e Serviço Proxy Aula Prática 9 - Filtragem de Pacotes e Serviço Proxy Infra-Estrutura: Para esta demonstração conectamos alguns computadores a um switch separado da rede do laboratório, de forma a evitar interferências

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais