Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6"

Transcrição

1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº6 Configuração básica de um router Configuração do protocolo de routing RIP

2 1 Objectivo Conhecer as funções de um router e verificar o seu funcionamento. Configurar passwords para login na consola, para sessões de terminal virtual (Telnet) e para login no modo EXEC privilegiado. Configurar as interfaces Série e Ethernet no routers. Configurar o protocolo de routing RIP (Routing Information Protocol). Fazer o backup da configuração do router num ficheiro de texto. 2 Introdução 2.1 Routers Um router é um tipo especial de computador. Tem os mesmos componentes básicos de um PC. Tem uma CPU, memória, um bus de sistema e diversas interfaces de entrada/saída. No entanto, os routers são projectados para realizar algumas funções muito específicas que, geralmente, não são realizadas pelos computadores pessoais. Por exemplo, os routers ligam e permitem a comunicação entre duas redes e determinam o melhor caminho para que os dados viajem através dessas redes. Tal como os computadores precisam de sistemas operativos para executar aplicações de software, os routers precisam de um sistema operativo específico, o IOS (Internetwork Operating System Sistema Operativo de Interligação de Redes), para executar as funções definidas nos ficheiros de configuração. Esses ficheiros contêm as instruções e os parâmetros que controlam o fluxo de tráfego que entra e sai dos routers. Usando protocolos de routing, os routers tomam decisões em relação ao melhor caminho que os pacotes devem tomar para chegar ao destino. O ficheiro de configuração especifica todas as informações para uma correcta utilização dos protocolos roteados e de routing seleccionados ou activados no router. Embora um router possa ser usado para segmentar redes locais, a sua principal utilização é como dispositivo WAN. Os routers têm tanto interfaces de rede local como de WAN. As tecnologias WAN são geralmente usadas para ligar routers, ou seja, os routers comunicam entre si por meio de ligações WAN. Os routers são os dispositivos que compõem o backbone das grandes intranets e da Internet. Operam na camada 3 do modelo OSI, tomando decisões com base nos endereços de rede. As duas principais funções de um router são a selecção do melhor caminho e a comutação de pacotes para a interface correcta. Os routers executam estas funções criando tabelas de encaminhamento (routing) e trocando informações de rede com outros routers. Um administrador pode manter tabelas de routing através da configuração de rotas estáticas mas, geralmente, as tabelas de routing são mantidas dinamicamente através do uso de um protocolo de routing, que troca informações sobre a topologia (caminhos) da rede com outros routers. Uma das funções de um router numa WAN é encaminhar pacotes na camada 3, mas essa também é uma função de um router numa rede local. Portanto, encaminhamento (routing) não está estritamente relacionado à função WAN do router. 2006/2007 2

3 Quando um router usa as normas e os protocolos das camadas física e de ligação de dados que estão associados às WANs, ele opera como um dispositivo WAN. As principais funções de um router na WAN não são de encaminhamento, mas de oferecer ligações entre as várias normas físicas e de ligação de dados da WAN. Por exemplo, um router pode ter uma interface ISDN que usa encapsulamento PPP e, uma interface série na terminação de uma linha T1 que usa encapsulamento Frame Relay. O router deve ser capaz de transferir um fluxo de bits de um tipo de serviço como o ISDN, para outro, como o T1 e, mudar o encapsulamento de ligação de dados de PPP para Frame Relay. Na maioria dos ambientes de rede local, o router é ligado à rede local usando uma interface Ethernet ou Fast Ethernet. O router é um computador que comunica com a rede local através de um hub ou de um switch. Essa ligação faz-se através de um cabo directo. Uma interface de router 10/100BaseTX requer um cabo de par entrançado não blindado (UTP) de categoria 5 ou melhor, independentemente do tipo de router. Em alguns casos, a interface Ethernet do router é ligada directamente ao computador ou a outro router. Para esse tipo de ligação, é necessário um cabo cruzado (crossover). 3 Realização experimental Instale uma rede semelhante à do diagrama. Identifique cada um dos cabos necessários e faça as ligações apresentadas. Estabeleça uma sessão de HyperTerminal. Este trabalho de laboratório deverá ser executado por dois grupos. Cada grupo configurará um dos routers. Nota: Se o router já tiver alguma configuração apague-a e reinicialize o router. Para isso insira o comando erase startup-config no modo EXEC privilegiado, seguido do comando reload. 2006/2007 3

4 3.1 Fazer login no router em modo EXEC utilizador a. Ligue-se ao router e faça login. b. Que prompt foi apresentado pelo router? c. A que modo corresponde esse prompt? 3.2 Fazer login no router em modo EXEC privilegiado a. Insira enable no prompt do modo utilizador. Router> enable b. Se solicitado, insira a senha class. c. Que prompt foi apresentado pelo router? d. A que modo corresponde esse prompt? 3.3 Entrar no modo de configuração global a. Insira configure terminal no prompt do modo privilegiado. Router# configure terminal b. Que prompt foi apresentado pelo router? c. A que modo corresponde esse prompt? 3.4 Atribuir um nome ao router a. Para atribuir o nome ao router insira o seguinte comando Router(config)# hostname <nome do router> b. Que prompt foi apresentado pelo router? c. Qual o seu significado? 3.5 Configurar a password de consola dos routers Configure a password de consola no router e saia da linha de consola: GAD ou BHM(config)# line console 0 GAD ou BHM (config-line)# password cisco GAD ou BHM (config-line)# login GAD ou BHM (config-line)# exit GAD ou BHM (config)# 3.6 Configurar a password de terminal virtual Configure a password das linhas de terminal virtual e saia do modo de linha: GAD ou BHM (config)# line vty 0 4 GAD ou BHM (config-line)# password cisco GAD ou BHM (config-line)# login 2006/2007 4

5 GAD ou BHM (config-line)# exit GAD ou BHM (config)# 3.7 Configurar a password de enable Configure a password de enable no router e saia do modo de configuração global: GAD ou BHM (config)# enable password cisco GAD ou BHM (config)# exit 3.8 Verificar a utilização da password de enable a. Volte ao modo EXEC utilizador, inserindo o comando disable: GAD ou BHM # disable b. Entre novamente no modo EXEC privilegiado. Desta vez, aparecerá um prompt para introdução da password. Insira cisco. GAD ou BHM > enable Password:cisco Nota: os caracteres não aparecem na linha. 3.9 Configurar a password secreta de enable Configure a password secreta de enable e saia do modo de configuração global: GAD# configure terminal GAD(config)# enable secret class GAD(config)# exit Nota: Não digite enable secret password class, ou a palavra password passará a ser a senha em vez de class. A password secreta de enable está cifrada na visualização da configuração Verificar a utilização da password secreta de enable a. Volte ao modo EXEC utilizador, inserindo o comando disable: GAD ou BHM # disable b. Entre novamente no modo EXEC privilegiado. Aparecerá um prompt para introdução da password. Insira cisco. Em caso de falha, continue até que a mensagem de senha secreta incorreta seja exibida: GAD ou BHM > enable Password:cisco Password:cisco Password:cisco % Bad secrets c. Entre novamente no modo EXEC privilegiado. Aparecerá um prompt para introdução da password. Insira agora class. 2006/2007 5

6 GAD ou BHM > enable Password:class GAD ou BHM # d. Em que modo de EXEC entrou o router. e. Qual a password que prevalece quando estão configuradas ambas as passwords (secreta de enable e de enable)? f. Pode concluir-se que uma vez inserida uma password secreta de enable, a password de enable não será mais aceite? 3.11 Visualizar a configuração actual dos routers a. Para visualizar a configuração actual do router insira o seguinte comando: GAD ou BHM # show running-config b. Há alguma password? c. Há outras passwords? d. Alguma das outras passwords é cifrada? Qual? 3.12 Gravar a configuração dos routers Para que a configuração efectuada não seja perdida quando há uma falha de energia eléctrica ou quando o router reinicializa deve gravar-se a configuração actual para a memória não volátil (NVRAM) do router. Para gravar a configuração insira o seguinte comando: GAD#copy running-config startup-config Destination filename [startup-config]? [Enter] BHM#copy running-config startup-config Destination filename [startup-config]? [Enter] 3.13 Configurar as interfaces Série e Ethernet em cada um dos routers a. Vá para o modo de configuração global e insira os seguintes comandos: GAD(config)#interface fastethernet 0 GAD(config-if)#ip address GAD(config-if)#no shutdown GAD(config-if)#exit GAD(config)#interface serial 0 GAD(config-if)#ip address GAD(config-if)#clock rate GAD(config-if)#no shutdown GAD(config-if)#exit BHM(config)#interface fastethernet 0 BHM(config-if)#ip address /2007 6

7 BHM(config-if)#no shutdown BHM(config-if)#exit BHM(config)#interface serial 0 BHM(config-if)#ip address BHM(config-if)#no shutdown BHM(config-if)#exit 3.14 Configurar o protocolo de routing RIP Para que possa existir comunicação entre o host ligado ao router GAD e o host ligado ao router BHM é necessário que ambos os routers façam o encaminhamento entre a rede e a rede Isso só acontece se cada um dos routers souber qual a interface por onde deverá enviar os pacotes que forem dirigidos a cada uma dessas redes. Ou seja, as duas redes devem constar das tabelas de encaminhamento dos dois routers. Uma das formas de fazer com que isso aconteça é configurar um protocolo de routing que anuncie quais as redes ligadas a cada router. Cada router anuncia as suas redes e inclui na sua tabela de routing todas as redes anunciadas pelos routers vizinhos (neste caso apenas um) que podem ser alcançadas através deles. Neste caso, vamos utilizar o protocolo de routing RIP. a. Vá para o modo de configuração global e insira os seguintes: GAD(config)#router rip GAD(config-router)#network GAD(config-router)#network GAD(config-router)#exit GAD(config)#exit BHM(config)#router rip BHM(config-router)#network BHM(config-router)#network BHM(config-router)#exit BHM(config)#exit b. Grave novamente a configuração actual dos routers. c. Verifique que todas as redes constam das tabelas de routing dos dois routers. Insira o comando show ip route em cada um dos routers. d. Registe as rotas que aparecem nas tabelas de routing de cada router e identifique que tipo de rotas são através da letra que as precedem. Rota Tipo de rota 2006/2007 7

8 3.15 Verificar se a interligação das redes funciona Faça ping à interface FastEthernet do outro router. a. No GAD, faça ping à interface FastEthernet do router BHM. O ping funciona? b. No BHM, faça ping à interface FastEthernet do router GAD. O ping funciona? c. Configure cada um dos hosts ligados aos routers com um endereço IP e um gateway por omissão adequados. d. Quais os valores utilizados para o host ligado ao GAD? Endereço IP Máscara de subrede Gateway por omissão e. E para o host ligado ao BHM? Endereço IP Máscara de subrede Gateway por omissão f. Faça ping do host ligado ao BHM para o host ligado ao GAD e vice-versa. Os pings foram bem sucedidos? NOTA: Se a resposta for não para alguma dessas perguntas, pesquise os problemas de configuração dos routers ou dos hosts para localizar o erro. Em seguida faça os pings novamente até que a resposta para ambas as perguntas seja sim Fazer o backup da configuração dos routers Existem essencialmente duas formas de efectuar um backup da configuração do router. Uma é gravar o ficheiro de configuração num ficheiro de texto e a outra, a de gravá-lo num servidor de TFTP. Neste laboratório vamos apenas fazer o backup num ficheiro de texto. a. Inicie o processo de cópia da configuração do router num ficheiro de texto. Use o HyperTerminal para capturar todo o texto apresentado no ecrã para um ficheiro de texto. No HyperTerminal, clique no separador Transfer e em seguida em Capture Text Especifique o nome do router como nome do arquivo e use.txt como extensão. Coloque o arquivo no desktop do seu PC. Clique no botão Start para iniciar a captura do texto. b. Insira o comando show running-config. Pressione a barra de espaço quando o prompt "- More -" aparecer. O comando show running-config apresenta o 2006/2007 8

9 arquivo de configuração activo no router, ou seja, o que está armazenado na RAM. É esta configuração que está a ser transferida para o ficheiro de texto. c. Para interromper a transferência da configuração do router para o ficheiro de texto, seleccione Transfer > Capture text > Stop, na barra de menu do HyperTerminal. d. Retire do ficheiro de texto as informações desnecessárias à configuração do router: O texto capturado tem informações desnecessárias à configuração do router. Por exemplo, os prompts "- More -" são desnecessários para a sua configuração. Para colocar as informações num formato que possa ser reposto no router, remova quaisquer itens desnecessários. Se quiser colocar comentários à configuração, para explicar as várias linhas, use o ponto de exclamação "!". Numa configuração do router, ele ignorará qualquer comentário iniciado com ponto de exclamação. Assim, escreva qualquer tipo de comentário que ajude a compreender a configuração. Inicie o Notepad e abra o ficheiro de texto com a configuração gravada. Exclua as linhas que contenham: Show running-config; Building configuration; Current configuration; More ; Linhas que apareçam após a palavra "End" No final de cada secção de configuração de interface, adicione: No Shutdown A última linha a ser editada é: enable secret 5 $1$prts$Rbf8hxlss.ZrufvI7rMVy/ mude para: enable secret class Essa senha deve ser inserida em texto puro ou o algoritmo de criptografia tornará a criptografar a password actual. A entrada com o uso do prompt do utilizador será impossível. Grave a versão limpa da configuração, clicando em File > Save e saia do Notepad. e. Teste agora a configuração de backup que ficou gravada no ficheiro de texto. Nenhuma forma de backup que não tenha sido testada poderá ser um recurso fiável em situação de falha. Isso inclui as configurações de backup. A configuração de backup deve ser testada. O teste deve ser programado para períodos de pouco uso da rede, pois o router precisará ser tirado de linha. Todos os utilizadores que possam ser afectados deverão ser notificados com antecedência, para assegurar que o tempo de inactividade não se torne um problema. Antes de testar a configuração de backup, apague a configuração de inicialização. Na sessão do HyperTerminal, insira o comando erase startup-config no prompt do router. 2006/2007 9

10 Confirme se a configuração de inicialização foi excluída. Insira show startupconfig no prompt do router. O que mostra o router após a inserção deste comando? Reinicie o router para remover a configuração actual, inserindo o comando reload. Quando solicitado a entrar no diálogo de configuração inicial, digite N e pressione Enter. Quando solicitado a terminar a auto-instalação, digite Y e pressione Enter. Pressione novamente Enter. f. Reconfigure o router usando o ficheiro de texto gravado. Mude para o modo EXEC privilegiado. Porque não foi solicitada a password? Entre no modo de configuração global: Insira o comando configure terminal. Clique em Transfer > Send Text File e seleccione o ficheiro de texto com o backup da configuração do router. Observe a existência de erros. Pressione Ctrl+Z para sair do modo de configuração global. Grave o novo arquivo de configuração como configuração de startup (na NVRAM). Use o comando copy running-config startup-config para gravar a recém-criada configuração do router. Verifique se a configuração de execução está correcta, utilizando o comando show running-config. g. Verifique novamente se a interligação entre as redes funciona. Faça ping à interface Ethernet do outro router. Após concluir as etapas anteriores, faça logoff digitando exit. Desligue o router. 2006/

11 4 Questões finais a. Que funções específicas estão associadas a um router que o tornam diferente de um PC vulgar? b. Que tipos de interface tem um router? c. Qual a função do router quando usado num ambiente LAN? d. E quando usado como dispositivo WAN? e. Como comunicam os routers entre si para trocar informações sobre a topologia da rede? f. Em que camada do modelo OSI operam os routers? g. Com base em que endereços tomam as decisões de encaminhamento? h. Quais são as duas principais funções de um router? i. O que é a tabela de routing? j. Que processos podem ser usados para manter as tabelas de routing? k. Que interface é normalmente usada para ligar um router à rede local? l. Quando se liga um router à rede local através de um hub ou de um switch, que tipo de cabo é utilizado? m. E se a ligação do router a uma estação de trabalho for directa? 2006/

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Objetivo Cabear e configurar as estações de trabalho e os roteadores Configurar um esquema de endereçamento IP usando redes classe B

Leia mais

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Objetivo Configurar RIP v1 nos roteadores. Converter para RIP v2 nos roteadores. Fundamentos / Preparação Instale uma rede semelhante à ilustrada no diagrama.

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº 4 Configuração Básica de um Switch; Configuração de VLANs 1 Objectivo Criar e verificar

Leia mais

Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima. Carregar o arquivo de texto para configurar outro roteador usando o HyperTerminal.

Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima. Carregar o arquivo de texto para configurar outro roteador usando o HyperTerminal. Laboratório / ECO Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima Objetivos: Capturar a configuração atual de um roteador para um arquivo de texto ASCII com o HyperTerminal do Windows XP. Editar ou modificar

Leia mais

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Objetivo Configurar um roteador para que use tradução de endereços de rede (NAT) para converter endereços IP internos, normalmente privados, para endereços públicos

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol);

Leia mais

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não comercial e uso exclusivo pelos instrutores no curso CCNA

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs.

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar duas VLANs. Nomear as VLANs e atribuir várias portas a elas. Testar a funcionalidade,

Leia mais

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Objetivo Configurar e aplicar uma ACL padrão, para permitir ou negar tráfego específico. Testar a ACL, para determinar se os resultados desejados

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 2 - Introdução aos Roteadores 1 Objetivos do Capítulo Descrever a finalidade e operação básica do IOS; Identificar vários recursos do IOS; Identificar

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas 262-294 CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v 3.1 - Laboratório 11.2.2b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. Objetivo Situação Neste

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 03 Configuração Básica Cisco IOS Prof: Jéferson Mendonça de Limas O que é um Roteador? O roteador é composto de: CPU (Processador) RAM ROM Sistema

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA Objetivo: Neste laboratório você aprenderá comandos básicos do roteador. Existem diferentes formas de se conectar ao roteador, mas a primeira

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Para esse exemplo, usarei o Packet Tracer (download aqui). Esse software foi desenvolvido pela própria Cisco para que os interessados pudessem

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.

Leia mais

Montagem e Configuração de Redes de Computadores

Montagem e Configuração de Redes de Computadores Montagem e Configuração de Redes de Computadores Roteadores Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a redes de computadores

Leia mais

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR Mafra 2009 Exercício 1 Utilizando o bloco de endereços 200.0.0.0/24, proponha uma solução para configurar os IP s da rede abaixo: 1 2 3 4 10.0.0.1/24 10.0.0.2/24

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os protocolos de encaminhamento dinâmico RIP e OSPF e a utilização de rotas estáticas.

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Arquivos de configuração alternativos e da restauração

Arquivos de configuração alternativos e da restauração Arquivos de configuração alternativos e da restauração Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Fazer um backup da configuração Usar um Servidor TFTP para Fazer Backup

Leia mais

Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP

Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP Para configurarmos uma rede Frame Relay, é importante antes de tudo definir as redes para melhor nos orientarmos. Iremos trabalhar com 3 filiais, sendo: SP, RJ,

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº8

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº8 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº8 Configuração e utilização do FTP 2004/2005 1 Objectivo Configuração de um servidor

Leia mais

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização Capítulo 2 Laboratório 2.1 Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização tel (41) 430457810 ou (41) 4063-7810 - info@dltec.com.br - www.dltec.com.br INDICE 1 Objetivo do Laboratório...

Leia mais

Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950

Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950 Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950 Objetivo Criar e verificar uma configuração básica de switch. Modificar senhas e usar o procedimento de recuperação

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes 2a Edição Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch LAB-VLANs 1 VLANs and IP networks Manuel P. Ricardo João Neves Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto LAB-VLANs 2 1. Computadores ligados ao Switch Bancada x, computador y Computadores gnuxy

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º ano 7º semestre Configuração de routers

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE CONFIGURAR O SETUP CONFIGURAR O DNS O obje0vo passa por criar um cenário com as seguintes redes: Uma rede para 6 servidores (Rede 0-172.16.0.0/29);

Leia mais

PIX/ASA: Alternativo e restauração os arquivos de configuração da ferramenta de segurança usando o servidor TFTP

PIX/ASA: Alternativo e restauração os arquivos de configuração da ferramenta de segurança usando o servidor TFTP PIX/ASA: Alternativo e restauração os arquivos de configuração da ferramenta de segurança usando o servidor TFTP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Produtos Relacionados

Leia mais

Comandos Packet Tracer

Comandos Packet Tracer Comandos Packet Tracer Professor Victor Sotero 1 Interface do Usuário Utiliza uma estrutura hierárquica; O IOS que é o sistema próprio da cisco, fornece um serviço de interpretação de comandos, conhecido

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Trabalho de VLANs e Redes IP

Trabalho de VLANs e Redes IP Trabalho de VLANs e Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2008/09 José Ruela Bancada de trabalho Configuração inicial Inicialmente todos os computadores gnuxy devem estar configurados na mesma

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES 1º ENTREGÁVEL - AM CURSO TECNÓLOGO DE REDES DE COMPUTADORES TERCEIRO SEMESTRE - 2015 GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES Prof.: João Gilberto Pinho 2 TRCR Cristiano Gama RM: 70320 Iago Gomes RM: 71277

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

Encaminhamento exterior BGP-4

Encaminhamento exterior BGP-4 Encaminhamento exterior BGP-4 (quarto trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show

Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show ÍNDICE 1 Objetivo do Laboratório... 3 2 Topologia... 3 3 Exercício Proposto... 4 3.1 Verificando o Processo de Inicialização... 4 3.2 Verificando a Configuração

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Laboratório - Uso do Wireshark para examinar as capturas FTP e TFTP

Laboratório - Uso do Wireshark para examinar as capturas FTP e TFTP Laboratório - Uso do Wireshark para examinar as capturas FTP e TFTP Topologia Parte 1 (FTP) A parte 1 destacará uma captura TCP de uma sessão FTP. Essa topologia consiste em um PC com acesso à Internet.

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

Introdução ao Cisco Packet Tracer

Introdução ao Cisco Packet Tracer Introdução ao Cisco Packet Tracer Uma solução interessante que pode ajudar a quem for criar uma rede na prática, seria antes de tudo, criar, configurar e simular o funcionamento de uma rede de computador

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIDADE DIBI MUSSI DISCIPLINA/UA REDE DE COMPUTADORES PROFª ANA LÚCIA R. WIGGERS Exercício Prático: Fa 0/0 IP 192.168.1.1/24 Dispositivo

Leia mais

Laboratório 3.5.1: Configuração de VLAN básica

Laboratório 3.5.1: Configuração de VLAN básica Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo (Nome do host) Interface Endereço IP Máscara de sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 99 172.17.99.11 255.255.255.0 N/A S2 VLAN 99 172.17.99.12 255.255.255.0

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Luís Pires e Luís Rodrigues 12 de Dezembro de 2000 Agradecimento Os encaminhadores utilizados neste trabalho foram amavelmente cedidos

Leia mais

Roteiro para Prática 01 GNS e comandos da Cisco

Roteiro para Prática 01 GNS e comandos da Cisco Ponto de Presença da RNP na Bahia PoP-BA/RNP Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação Curso de Extensão em Administração de Redes Instrutor: Italo Valcy Roteiro para Prática

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

REDES DE COMUNICAÇÃO DE DADOS ETEC ALBERT EINSTEIN REDES DE COMUNICAÇÃO DE DADOS (PRÁTICA) Prof. Wilson Carvalho de Araújo Curso Técnico de Eletrônica 2 Apresentação Esta apostila nasceu do agrupamento dos exercícios praticados em

Leia mais

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes Redes de Computadores LEIC-T 2012/13 Guia de Laboratório Configuração de Redes Objectivos O objectivo do trabalho consiste em configurar uma rede simples usando o sistema Netkit. O Netkit é um emulador

Leia mais

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão OESTE G0/1 172.16.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 (DCE) 10.1.1.1 255.255.255.252 N/A Tunnel0 172.16.12.1

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli)

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli) LABORATÓRIO 1: Montagem da rede física, definição do endereçamento IP com diferentes sistemas operacionais e roteamento estático. Roteiro: 1) Montar a rede física, que deve ser baseadq na lista de material

Leia mais

Procedimento de recuperação de senha para o Cisco 806, 826, 827, 828, 831, 836, 837 e 881 Series Router

Procedimento de recuperação de senha para o Cisco 806, 826, 827, 828, 831, 836, 837 e 881 Series Router Procedimento de recuperação de senha para o Cisco 806, 826, 827, 828, 831, 836, 837 e 881 Series Router Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Produtos Relacionados Convenções

Leia mais

Guia de Instalação de Software

Guia de Instalação de Software Guia de Instalação de Software Este manual explica como instalar o software através de uma ligação USB ou de rede. A ligação de rede não se encontra disponível para os modelos SP 200/200S/203S/203SF/204SF.

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre o Cisco 675

Perguntas mais freqüentes sobre o Cisco 675 Perguntas mais freqüentes sobre o Cisco 675 Perguntas Introdução Como eu conecto meu PC ao Cisco 675 através da porta de gerenciamento? Como eu faço um cabo de gerenciamento para o Customer Premises Equipment

Leia mais

L A B O RATÓRIO DE REDES

L A B O RATÓRIO DE REDES L A B O RATÓRIO DE REDES TRÁFEGO, ENQUADRAMEN TO, DEFAU LT G A TEWA Y E ARP. VALE 2,0 P ONT OS. INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO Nosso laboratório é composto de três hosts Linux, representados pelo símbolo de

Leia mais

Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term

Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term Topologia Objetivos Parte 1: Acessar um switch da Cisco através da porta de console serial Conectar-se a um switch da Cisco usando um

Leia mais

RO002/RO002UK Sweex Broadband Router. Não existe nenhum aparelho ligado a esta porta

RO002/RO002UK Sweex Broadband Router. Não existe nenhum aparelho ligado a esta porta RO002/RO002UK Sweex Broadband Router Introdução Não exponha o Sweex Broadband Router a temperaturas extremas. Não coloque o dispositivo directamente ao sol ou perto de elementos de aquecimento. Não utilize

Leia mais

Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa.

Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa. Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, 17 Novembro

Leia mais

Guia de Instalação do Software

Guia de Instalação do Software Guia de Instalação do Software Este manual explica como instalar o software através de uma ligação USB ou de rede. A ligação de rede não se encontra disponível para os modelos SP 200/200S/203S/203SF/204SF.

Leia mais

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS Manual de Instalação Rápida DN-70591 INTRODUÇÃO DN-70591 é um dispositivo conjunto de rede com fios/sem fios destinado especificamente para as necessidades de pequenas

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Utilizando License Server com AnywhereUSB

Utilizando License Server com AnywhereUSB Utilizando License Server com AnywhereUSB 1 Indice Utilizando License Server com AnywhereUSB... 1 Indice... 2 Introdução... 3 Conectando AnywhereUSB... 3 Instalação dos drivers... 3 Configurando AnywhereUSB...

Leia mais

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia Diagrama de topologia All contents are Copyright 2007-2009 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. This document is Cisco Public Information. Página 1 de 8 Tabela de endereçamento Dispositivo Interface

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Tecnologias de Redes Informáticas 2ª Avaliação de Frequência (D) 60 minutos * 18.1.2012

Tecnologias de Redes Informáticas 2ª Avaliação de Frequência (D) 60 minutos * 18.1.2012 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. 3. Escreva as suas respostas apenas na folha de respostas que é dada em separado. 4. Entregue apenas

Leia mais

CAPITULO 01 - WANs e roteadores

CAPITULO 01 - WANs e roteadores CAPITULO 01 - WANs e roteadores Visão Geral Uma rede de longa distância (WAN) é uma rede de comunicações de dados que abrange uma grande área geográfica. As WANs têm várias características importantes

Leia mais

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111 Manual de Instalação DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE A NOKIA MOBILE PHONES Ltd declara ser a única responsável pela conformidade dos produtos DTN-10 e DTN-11 com

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

IPBbrick.GT Manual de Instalação. iportalmais - Serviços de Internet e Redes, Lda.

IPBbrick.GT Manual de Instalação. iportalmais - Serviços de Internet e Redes, Lda. IPBbrick.GT Manual de Instalação iportalmais - Serviços de Internet e Redes, Lda. Junho 2006 2 Copyright c iportalmais Todos os direitos reservados. Junho 2006. A informação contida neste documento está

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

Ponto de acesso sem fios 802.11g DWL-G700AP. CD-ROM (que contém o Manual e a Garantia) Cabo Ethernet (CAT5 UTP) Adaptador de corrente CC 7.5V 1.

Ponto de acesso sem fios 802.11g DWL-G700AP. CD-ROM (que contém o Manual e a Garantia) Cabo Ethernet (CAT5 UTP) Adaptador de corrente CC 7.5V 1. Este produto pode ser configurado utilizando um web browser normal, p.ex., Internet Explorer 6 ou Netscape Navigator 7 e superior. DWL-G700AP Ponto de acesso sem fios 802.11g AirPlus TM da D-Link Antes

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento dos arquivos de configuração do dispositivo usando TFTP, flash e USB

Laboratório - Gerenciamento dos arquivos de configuração do dispositivo usando TFTP, flash e USB Laboratório - Gerenciamento dos arquivos de configuração do dispositivo usando TFTP, flash e USB Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos

Leia mais

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay Laboratório de RCO2 12 o experimento Objetivo: Introdução Configurar uma rede Frame Relay A tecnologia WAN Frame Relay é uma rede de transporte implantada como infraestrutura em operadoras de serviço (por

Leia mais