JULIANO SILVA DE VASCONCELOS LEITE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JULIANO SILVA DE VASCONCELOS LEITE"

Transcrição

1 JUIA IVA DE VACCE EITE AÁIE DE EEMET ARQUITETÔIC DE PRTEÇÃ AR EM EDIFICAÇÕE ITITUCIAI A CIDADE DE ATA/R DIRETRIZE PRJETUAI - atal / R 23

2 UIVERIDADE FEDERA D RI GRADE D RTE CETR DE TECGIA DEPARTAMET DE ARQUITETURA E URBAIM ABRATÓRI DE CFRT AMBIETA AÁIE DE EEMET ARQUITETÔIC DE PRTEÇÃ AR EM EDIFICAÇÕE ITITUCIAI A CIDADE DE ATA/R DIRETRIZE PRJETUAI Aluno: Juliano ilva de Vasconcelos eite Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo PPGAU da Universidade Federal do Rio Grande do orte, como requisito para a obtenção do título de mestre. rientadora: Profª. Dra. Virginia Maria Dantas de Araújo. ATA/R 23

3 ÀIsabella, minha querida esposa, Ana Beatriz e Maria uiza, minhas filhas, que sempre me ajudaram nos momentos mais difíceis e com muito amor e carinho souberam suportar minha ausência em alguns momentos dessa longa caminhada, incentivando-me e dando forças para que eu pudesse concluir esta pesquisa.

4 AGRADECIMET Aos meus pais, Vasconcelos e Waldete, e meu irmão, João Vicente, pelo incentivo e apoio dados ao longo de toda a vida; A Geraldo Queiroz, ônia, Guilherme e Clara pela ajuda que sempre me deram; Ao amigo Ronald Raniero, pela grande colaboração dada nos levantamentos das edificações e catalogação das mesmas; Também ao amigo Gustavo Fontoura, pelo apoio que me deu nas horas em que o computador resolvia não trabalhar; Ao professor Aldomar Petrini, por sua valiosa contribuição dada a este trabalho; E por fim, a professora Virgínia Dantas, por todos ensinamentos repassados ao longo destes anos. A todos, muito obrigado! iv

5 s procedimentos passivos são os mais rentáveis e os que podem produzir mais beleza. Guillermo Yáñez v

6 EITE, Juliano ilva de V. Análises de elementos arquitetônicos de proteção solar em edificações institucionais na cidade de atal/r Diretrizes projetuais. atal: UFR, 23. Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPGAU). Centro de Tecnologia. Universidade Federal do Rio Grande do orte. R. REUM presente trabalho apresenta o uso de elementos arquitetônicos como forma de proteção aos raios solares em edifícios públicos. Em uma cidade como atal (5º sul), a incidência dos raios solares em qualquer tipo de projeto deveria ser uma preocupação constante para todos os arquitetos. Entretanto, o hábito de proteger a edificação da insolação não é uma prática comum. Dentro deste contexto, esta pesquisa tem como objetivo se aprofundar no conhecimento do controle solar, estudando alguns casos e verificando sua funcionalidade de acordo com a orientação e seu desenho original, tendo em mente que os elementos de sombra geralmente usados na região têm o propósito de dar proteção contra a incidência direta aos raios solares. Este estudo considera a posição do protetor solar (horizontal e vertical), o ângulo formado entre eles e as respectivas fachadas, além do local da edificação em relação a sua orientação durante os solstícios de verão e inverno e equinócio. Como instrumento de apoio foram utilizadas as cartas solares para a cidade e o transferidor de ângulo de sombra. Conclui-se que em todos os casos estudados, não foi possível obter máximo proveito destes elementos. Foi verificado que o melhor protetor solar (mais eficiente) para a cidade de atal é o do tipo misto (horizontal e vertical) e que os elementos verticais são mais eficientes no começo da manhã e final de tarde. s elementos horizontais são mais eficientes próximos ao meio-dia. Pretende-se apresentar os resultados deste estudo aos arquitetos da cidade para indicar as formas corretas de uso de elementos de proteção ao sol, de acordo com a possibilidade da orientação da fachada, como ferramenta de auxílio ao projeto, como também, que esta pesquisa possa servir de subsídio para futuras discussões na elaboração do novo código de obras para a cidade de atal/r. Palavras-chave: edifícios públicos, elementos de sombra, conforto térmico. vi

7 ABTRACT The present work concerns the use of shade elements as architectural elements to block sunlight in public buildings. In a city like atal, (5 o outh) the incidence of sunrays in any type of design should be a constant concern for all the architects. Besides, this habit of avoiding insolation in the environment is not a common practice. Within this context, the present work has the objective to dig deep into the knowledge of solar control, studying some cases and verifying its function according to the orientation and the original design of the building, having in mind if the shade elements usually used in the region have achieved their purpose of providing protection against the incidence of direct sun rays. This study considers the position of the shade element (horizontal and vertical), the angle formed between them and the respective facades, and the local of the buildings in relation to their orientation during the summer, winter and equinox solstice. As supporting instruments the solar map of the city and the protractor, for measuring shade angles, were used. It was concluded that in all the cases studied, it was not possible to obtain the maximum use of the elements. It was verified that the best type of shade element (more efficient) for the city of atal is the mixed type (horizontal and vertical) and that the vertical shade elements are more efficient in the early mornings and late afternoon. The horizontal shade elements are used more effective at midday. We intend to present the results of this study to the architects in the region in order to show them the correct ways of using the shade elements according to the possible orientation on the facade, as a supporting tool at the time of designing a project as well as a subsidy for further discussions on the elaboration of the new urban standards for the city of atal/r. Keywords: public buildings, shade elements, thermal comfort. vii

8 UMÁRI ITA DE FIGURA x ITA DE TABEA xiii ITA DE ABREVIATURA E IGA xiv ITRDUÇÃ... 1 REFERCIA TEÓRIC Uso da iluminação natural e protetores solares na arquitetura Uso de protetores solares na arquitetura brasileira Consolidação do uso de protetor solar em edificações no Brasil 3 2 GEMETRIA DA IAÇÃ E A CARTA ARE Geometria da insolação Coordenadas solares: azimute e altitude Estudo dos diagramas solares Confecção dos diagramas solares através do sistema 43 estereográfico de representação 2.5 Confecção da máscara de sombra 4 2. Determinação do transferidor de sombras 4 2. Cartas solares para a cidade de atal/r 5 3 PRTETRE ARE CM EEMET DE ADEQUAÇÃ DE 5 ARQUITETURA A CIMA Introdução Tipos de protetores solares Protetores horizontais fixos Protetores horizontais móveis Protetores verticais fixos Protetores verticais móveis Protetores mistos utros tipos de protetores solares Pérgulas Cobogós Venezianas viii

9 3.3.4 Toldos Vegetação 1 4 METDGIA PARA DEFIIÇÃ D GRÁFIC DA IPETA 2 DA TEMPERATURA HRÁRIA E CARTA AR CM PERÍD DE MBREAMET ECEÁRI PARA A CIDADE DE ATA/R Estudo para cálculo das temperaturas horárias Confecção dos gráficos das isopletas de temperaturas horárias Confecção da carta solar atal/r com o período de sombreamento necessário 5 U DE EEMET ARQUITETÔIC CM PRTETRE 1 ARE: ETUD DE CA EM EDIFICAÇÕE A CIDADE DE ATA/R Metodologia de análise Edificações analisadas estudos de casos 4 AÁIE CMPARATIVA DA MÁCARA DE MBRA D EEMET ARQUITETÔIC PARA ATA/R: PRPTA DE CRREÇÕE....1 Metodologia de análise CIDERAÇÕE FIAI E RECMEDAÇÕE REFERÊCIA AEX... Anexo 1 Estudo para cálculo das temperaturas máximas e mínimas 231 horárias Anexo 2 Relação dos edifícios levantados para pesquisa 23 ix

10 ITA DE FIGURA Figura 1 bservatório-templo solar e lunar tonehenge. 2 Figura 2 Detalhe do fronte do templo de Edfu, Egito 2 Figura 3 Casa de ócrates. Preocupação com os raios solares segundo 21 a época do ano. Figura 4 Cidade de Mohengo-Daro. Preocupação com traçado solar. Figura 5 Cidade de Toledo. Exemplo de traçado árabe. Figura Estudo dos irmãos lgyay para edificações em diferentes climas. Figura Interior da casa semicírculo solar, Wrigth. Figura Palácio da Justiça de Chandigarh, Índia. e Corbusier. Figura Croqui de e Corbusier mostrando os raios solares divergentes. Figura 1 Exemplo de uso de varanda na arquitetura colonial como protetor 2 solar. Figura 11 Ministério da Educação e aúde/rj. úcio Costa e equipe. 31 Figura 12 Detalhe das persianas basculantes em alumínio. 34 Figura 13 Croqui das persianas basculantes. 35 Figura 14 Vista geral do edifício eguradoras.m.m.m.roberto (14). 35 Figura Vista geral do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. 3 Reidy(3). Figura 1 Vista geral do Hospital ul América. scar iemeyer (2). 3 Figura Radiação solar e latitude. 3 Figura 1 Movimento aparente das estrelas. 4 Figura 1 Posição da terra em relação ao ol, nos solstícios. 41 Figura 2 Coordenadas solares: azimute e altitude. 42 Figura 21 Projeção estereográfica das trajetórias solares. 43 Figura 22 Diagrama solar (carta solar) de representação estereográfica 45 para a cidade de atal/r. Figura 23 Posição do ol na abóbada celeste. 4 Figura 24 Projeções de um raio solar em um plano horizontal e outro 4 vertical. Figura 25 Ângulo de sombra vertical. 4 Figura 2 inhas curvas de referência na abóbada celeste correspondente 4 a ângulos verticais de sombra. Figura 2 Ângulo de sombra horizontal. 4 Figura 2 inhas curvas de referência na abóbada celeste correspondente 4 a ângulos horizontais de sombra. Figura 2 Transferidor de sombras 5 Figuras 3 a 3 Projeção estereográfica dos percursos aparentes do ol p/ 51 a cidade de atal/r. Figura 3 Exemplo de uso de varanda na arquitetura colonial como protetor solar. Figura 3 Residências em atal/r, da década de, que usavam 1 cobogós em suas fachadas como protetores solares. Figura 4 Exemplo de protetor solar horizontal fixo. 2 x

11 Figura 41 Esquema gráfico de protetor solar horizontal fixo. 2 Figura 42 Esquema gráfico de protetor solar horizontal móvel. 3 Figura 43 Exemplo de protetor vertical fixo. 4 Figura 44 Esquema gráfico de protetor solar vertical fixo. 4 Figura 45 Exemplo de protetor vertical móvel. 5 Figura 4 Esquema gráfico de protetor solar vertical móvel. 5 Figura 4 Exemplo de protetor solar misto. Figura 4 Esquema gráfico de protetor solar misto. Figura 4 Esquema gráfico de proteção solar ocasionado pelo pergolado horizontal. Figura 5 Esquema gráfico de proteção solar ocasionado pelo pergolado horizontal com espaçamento diferente para obter frestas iguais ou sombra total. Figura 51 Esquema gráfico de proteção solar ocasionado pelo pergolado horizontal com espaçamento diferente para obter frestas iguais ou sombra total. Figura 52 Exemplo de uso de cobogó como elemento de proteção ao sol. Figura 53 Esquema gráfico de protetor solar misto - cobogó. Figura 54 Uso de venezianas como protetores horizontais. Figura 55 Esquema gráfico de veneziana como protetor solar horizontal. Figura 5 Uso de toldo na arquitetura como elemento de proteção aos raios solares. Figura 5 Esquema gráfico de toldo como protetor solar horizontal fixo. 1 Figura 5 Uso de vegetação como protetor solar. 1 Figura 5 Quadro inicial para confecção dos gráficos das isopletas de 4 temperaturas horárias. Figura Quadro inicial para confecção dos gráficos das isopletas de 5 temperaturas horárias com a implementação das temperaturas horárias. Figura 1 Gráfico da união das temperaturas de igual valor para formação 5 do gráfico das isopletas de temperaturas horárias. Figura 2 Gráfico da união das temperaturas de igual valor para formação do gráfico das isopletas de temperaturas horárias, com as linhas correspondentes ao nascer e pôr do sol. Figura 3 Identificação das zonas de desconforto térmico. Figura 4 Carta solar de atal com a marcação das horas de desconforto. térmico. Figura 5 Carta solar para atal com o período de sombreamento. necessário. Figura Vista geral do edifício da AABB e detalhes dos cobogós. 5 xi

12 Figura Vista geral do edifício Banco afra. Figura Vista geral do edifício Barão do Rio Branco. 1 Figura Vista geral do edifício CAIC agoa ova. 1 Figura Vista geral do edifício Djalma Marinho. 13 Figura 1 Vista geral do edifício da Faculdade de dontologia da UFR e 1 detalhe cobogó. Figura 2 Vista geral do edifício do aboratório de Física da UFR e 11 detalhe dos protetores. Figura 3 Vista geral do edifício do Hospital Memorial. 1 Figura 4 Vista geral do edifício do Hospital PAPI e detalhe do protetor. 1 Figura 5 Vista geral do edifício da Procuradoria da República. 122 Figura Vista geral do edifício da Reitoria da UFR e detalhe protetor. 125 Figura Vista geral do edifício Clínica olón Galvão. 134 Figura Vista geral do edifício TRE e detalhe do protetor. 13 Figura Vista geral do edifício do TCU e detalhe do protetor. 13 Figura Vista geral do edifício da TVU e detalhe do protetor. 141 Figura 1 Vista geral do edifício da Escola Estadual Wiston Churchill. 1 Figura 2 ormas de proteção solar da Associação de Construtores do 214 estado de Queensland, para a cidade de Brisbane/Austrália Figura 3 Recomendações do governo australiano para proteção solar em 2 residências. Figura 4 Recomendações AHRAE.1. 2 xii

13 ITA DE TABEA Tabela 1 Cálculo das temperaturas máximas e mínimas horárias para a cidade de atal/r, no mês de janeiro. Tabela 2 Tabela horária do nascente e poente solar para a cidade de atal/r Tabela 3 Tabela de temperaturas de desconforto térmico para a cidade de atal/r 3 xiii

14 ITA DE ABREVIATURA E IGA PPGAU UFR AV AH Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo Universidade Federal do Rio Grande do orte Ângulo de sombra vertical Ângulo de sombra horizontal xiv

15 ITRDUÇÃ Ao iniciar esta pesquisa, teve-se a preocupação de estudar um tema que pudesse contribuir com os profissionais da construção civil, principalmente para os arquitetos. Esta premissa ocorreu devido ao grande número de trabalhos e publicações existentes de cunho teórico, muitas vezes, deixando de lado experiências de ordem prática. Por esse motivo, os profissionais arquitetos deixam de projetar determinados elementos, por não terem uma bibliografia de fácil entendimento que os ajude no dia-a-dia do escritório. Por outro lado, os pesquisadores se voltam preferencialmente para as questões teóricas, esquecendo, muitas vezes, os projetistas que necessitam de informações mais rápidas e de fácil compreensão. Portanto, dentro dessa abordagem inicial, este tema enquadra-se na área de concentração voltada para o conforto no ambiente construído, no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo PPGAU, onde a preocupação com o bem estar do homem e a sua interação com o meio-ambiente, são fatores primordiais à sua compreensão. a cidade de atal/r, a incidência solar é tão forte e contínua que passa a ter uma denominação conhecida nacionalmente: Cidade do ol. ela, temos praticamente todos os dias do ano com sol bastante forte. Por esse motivo, devemos ter uma preocupação constante em nos proteger da ação dos raios solares, quer seja nas ruas, através das sombras das árvores, quer seja nos edifícios, através de elementos arquitetônicos que protegem os seus interiores. o campo da arquitetura, existe há muito tempo a preocupação de não expor as pessoas a um contato direto ao sol nos climas quentes, como também, os ambientes em que elas estejam, uma vez que se sabe que a incidência solar

16 durante muitas horas em um mesmo local, implica em ganhos térmicos e, conseqüentemente, na sensação de desconforto térmico em tais climas. Em recente pesquisa realizada, este assunto vinha-nos despertando interesse, tanto que se passou a estudar vários casos (edifícios de usos diversos) em atal, onde foram utilizados alguns tipos de protetores solares. Para nossa surpresa, os resultados não foram satisfatórios, do ponto de vista bioclimático, onde ficou comprovado que muito destes elementos estavam sendo utilizados sem nenhum conhecimento técnico, sendo puramente estéticos os motivos de sua colocação. Estas conclusões preocuparam-nos, pois, mostra que muitos projetistas estão deixando de lado um fator muito importante na hora de projetar: as condições climáticas do local. estas Análises de elementos arquitetônicos de proteção solar em edificações institucionais na cidade de atal/r Diretrizes projetuais propõe-se a verificar, o uso de elementos arquitetônicos verticais e horizontais - como protetores solares em edificações institucionais na cidade do atal-r, no intuito de estudar a sua eficácia como barreira à incidência solar. Este trabalho inclui-se na linha de pesquisa denominada Configuração espacial e Conforto no Ambiente Construído, cuja produção científica está voltada para o desenho bioclimático e controle ambiental das edificações e espaços urbanos; planejamento, dimensionamento e métodos de avaliação de desempenho; aplicação de técnicas de investigação do espaço construído, sua configuração espacial e composição volumétrica e uso de simulações do espaço para orientar a futura produção arquitetônica, portanto contextualizado no conjunto de pesquisas produzidas pelo aboratório de Conforto Ambiental ABC, da Universidade Federal do Rio Grande do orte. Este trabalho tem por finalidade dar continuidade aos estudos iniciados durante o curso de Especialização em Estudos do Habitat Construído com ênfase na Questão Ambiental, promovido pelo PPGAU. Pretende-se com ele ampliar os conhecimentos já adquiridos, além de servir como base de consulta para os projetistas da cidade de atal/r para que, assim, possamos melhorar o conforto térmico das nossas edificações. 1

17 Por tratar-se de estudos de casos, espera-se que os resultados finais possam servir como referência para o tratamento de edificações, existentes ou não, que queiram corrigir ou melhorar o desempenho dos protetores solares em suas fachadas. A viabilidade técnica desta pesquisa baseia-se no acesso às fontes de pesquisa bibliográfica. Pretendeu-se contribuir para o avanço dos estudos na relação incidência solar x conforto térmico, de forma a ampliar os trabalhos realizados sobre o tema em atal/r. Além disso, constituir-se-á em material de permanente consulta para pesquisadores e profissionais da área de arquitetura, auxiliando-os, de forma correta, na hora de projetarem seus elementos arquitetônicos de barreira aos raios solares. Analisou-se o papel dos protetores como elementos de barreira ao sol na literatura técnica especializada e classificou-os quanto aos tipos e formas. Além disso, estudou-se o horário do dia em que as fachadas das edificações não deveriam ser atingidas pelos raios solares, bem como se realizou um estudo comparativo entre o uso habitual destes elementos e o considerado ideal. Finalmente, foi proposto um conjunto de recomendações e diretrizes projetuais com o intuito de auxiliar os arquitetos na hora de projetar, o que vem a ser o objetivo específico final deste trabalho. A metodologia é hipotético-dedutiva de caráter comparativo, tendo como hipótese que os elementos utilizados como protetores solares nas aberturas das edificações protegem satisfatoriamente dos raios solares. trabalho está divido em introdução, sete capítulos e anexos. Cada capítulo é subdividido em seções. esta introdução apresentam-se as considerações gerais sobre o assunto, a viabilidade da pesquisa, a relevância do tema estudado, os seus objetivos, a metodologia utilizada e o objeto de estudo. o primeiro capítulo é feita uma abordagem teórica sobre os elementos de proteção ao sol, desde os tempos mais remotos até a atualidade, apresentando os primeiros exemplos de comunidades e edificações que os utilizaram de forma contextualizada em suas fachadas.

18 o segundo capítulo trata-se a geometria da insolação e a confecção das cartas solares, apresentando, por último, um estudo através das cartas solares geradas para as fachadas das edificações em atal. terceiro capítulo apresenta um estudo detalhado dos tipos de protetores solares como elementos de adequação de arquitetura ao clima, definindo os possíveis tipos de proteção, desde os tradicionais aos menos convencionais. Por sua vez, o quarto capítulo constitui-se em aplicação de uma metodologia para confecção dos gráficos das isopletas das temperaturas horárias com o objetivo de graficar os períodos de sombreamento necessários para atal. Além disso, analisou-se no quinto capítulo as edificações em estudo, observando suas características, tipologias de protetores e sua inserção nas fachadas. Em seguida, no sexto capítulo pretende-se analisar os períodos de sombra proporcionados pelos elementos de proteção das edificações estudadas e recomendar alterações em suas tipologias para melhor se adequar ao período de sombreamento definido para a cidade de atal/r. Por fim, a última parte do trabalho tem como objetivo apresentar as conclusões encontradas após as análises e propor recomendações para trabalhos científicos futuros além de diretrizes projetuais para os arquitetos. 1

19 CAPÍTU 1 REFERECIA TEÓRIC 1.1 U DA IUMIAÇÃ ATURA E PRTETRE ARE A ARQUITETURA A relação sol-arquitetura constitui uma referência muito importante para compreender melhor a natureza de muitas construções desde os tempos mais remotos até os dias de hoje. Esta relação ou diálogo tomou formas diferentes dependendo do clima do local. Por exemplo, enquanto no hemisfério norte havia uma busca de luz e calor com grandes aberturas, nas latitudes próximas ao equador, por sua vez, se fazia aberturas menores com elementos de proteção contra a radiação solar (YÁÑEZ, 1). esta contextualização histórica, a abertura passa a ter uma importância elevada, uma vez que é um elemento de captação primária da luz solar. Desde a antiguidade, a janela era uma modificação da porta. as casas primitivas a luz entrava através da porta e a fumaça saía através do teto. os locais de clima seco, já se encontravam dois tipos de aberturas, uma que seria lateral para a entrada de luz e a outra seria uma espécie de poço por onde a fumaça deveria sair (MACARÓ, 13) egundo MACARÓ (ibid), das primeiras modificações da porta, surgiu para a iluminação e para a proteção contra o tempo, a meia porta, ou seja, a janela. Mas com o tempo esses motivos deixaram de existir e a janela surgiu como derivação da porta, por isso até recentemente, muitas janelas eram parecidas com portas. MACARÓ (ibid) diz ainda que, estética e historicamente, as janelas podem ser divididas em duas categorias: de um lado o tipo buraco na parede, característico das aberturas nas antigas paredes auto-portantes e, de outro lado, as janelas enquadradas por um sistema estrutural de colunas e traves. Dentro 1

20 destas divisões, uma grande variedade de tipos de janelas se desenvolveu através da história, passando a ter participação direta na influência da radiação solar no interior dos ambientes. Porém, partindo para um estudo dos indicadores solares, temos que desde o início dos tempos, o homem descobriu a influência que o sol tinha sobre a natureza e conseqüentemente sobre ele mesmo. Dessa forma, via-se que o sol estabelecia os períodos diários e anuais como também influenciava diretamente os ciclos naturais da matéria e energia, assim como os ritmos vitais (YÁÑEZ, 1). A luz diurna foi usada de diversas maneiras no tempo e no espaço, de acordo com a finalidade a que se destinava o edifício e as características do meio ambiente em que se estava inserido, tanto na arquitetura doméstica quanto na simbólica, sendo, porém o meio ambiente um fator de maior peso na arquitetura espontânea que na erudita, onde outros fatores além do conforto ambiental intervêm (MACARÓ, 13). YÁÑEZ (1) diz ainda que o homem do período neolítico já demonstrava em algumas construções a sua preocupação com as coisas do céu, uma vez que dele dependia sua subsistência na terra através da agricultura. Uma dessas construções é o famoso observatório-templo solar e lunar tonehenge (figura 1), na planície de alisbury, ao sul da Inglaterra, que foi levantado há aproximadamente 2 anos a.c. Esta construção de forma circular apresentava os solstícios de verão e inverno com a entrada e saída do verão e inverno. Definitivamente esta obra reflete o grau de conhecimento astronômico do ser humano daquela época. Este grande conhecimento não era de se estranhar, pois, como já foi dito antes, a agricultura desse período baseava toda sua atividade nas diferentes posições do sol, que marcam as diferentes estações do ano (YÁÑEZ, 1). 2

21 Figura 1: bservatório-templo solar e lunar tonehenge.fonte: YÁÑEZ, 1. sol era figura central das religiões primitivas e assim encontramos construções que fazem referência a ele no antigo Egito, Babilônia e culturas précolombianas. Muitas dessas construções no antigo Egito, entre elas as pirâmides demonstram referências solares e lunares. A grande pirâmide, não era somente a tumba de Keops, era o templo do deus solar e tanto sua forma piramidal como sua cor favoreciam a captação de energia solar (YÁÑEZ, 1). Por sua vez, MACARÓ (13) retrata que os egípcios usavam em seus templos uma iluminação bilateral indireta, através de grelhas colocadas sobre suas galerias, sendo que as janelas reduziam-se a estreitas aberturas não só para impedir a entrada excessiva de calor (clima desértico, quente e seco), mas também por razões religiosas (figura 2). Tanto as pirâmides como os obeliscos dessa época, se constituíam em enormes relógios solares, determinando, mediante as sombras, a medida do tempo. Figura 2: Detalhe do fronte do templo de Edfu, Egito.Fonte: MACARÓ,

22 o riente Médio, na época dos assírios e babilônicos, as janelas dos palácios reais também eram pequenas, pelas mesmas razões que para os egípcios, sendo região com características similares. Continua, ainda MACARÓ (13) que na arquitetura mulçumana, adaptada aos climas de luz natural intensa, usa a iluminação filtrada pelos delicados arabescos das janelas e o ritmo das colunatas com seu jogo de luz e sombras. o Palácio de Alhambra em Granada, Espanha, século XIV, a profundidade das arcadas determina uma rica combinação de luz e sombras, ganhando maior variedade pelos arabescos e entalhes profundos como estalactites nas arcadas. Diz ainda MACARÓ (13) que na arquitetura espontânea ou doméstica do Egito e riente Próximo, o uso de janelas nos tempos remotos dependia da situação social do habitante. Porém, de acordo com YÁÑEZ (1), com relação a residências, podemos dizer que a casa de ócrates foi a primeira concepção de casa passiva que conhecemos na história. esta casa, faz-se menção a maior ou menor penetração dos raios solares segundo a época do ano e a diferente configuração das fachadas norte e sul (Figura 3). IVER Figura 3: Casa de ócrates. Preocupação com os raios solares segundo a época do ano. Fonte: YÁÑEZ, 1. Por sua vez, estudando o urbanismo, podemos dizer que a maioria dos assentamentos urbanos da Antiguidade buscavam climas temperados, como por exemplo, o caso das civilizações que se localizavam ao longo do Mediterrâneo. VERÃ 22

23 Isto se deve por causa de um bom nível de radiação solar devido a suas latitudes e temperaturas adequadas, como também, a proximidade a grandes massas de água. Um dos primeiros exemplos de cidades com traçados regulares, segundo YÁÑEZ (1), cujas ruas principais seguiam direções norte-sul e leste-oeste, o que indica um controle de orientação, é a cidade de Mohenjo-Daro, no início do século III AC (figura 4). Figura 4: Cidade de Mohenjo-Daro. Preocupação com traçado solar. Fonte: YÁÑEZ, 1. utros exemplos de cidades traçadas em quadrículas com orientações que obedecem ao movimento do sol e dos ventos predominantes, também de acordo com YÁÑEZ (1), são as cidades gregas como Mileto, linto, Priene, Knidos, entre outras. Modelo este que será utilizado por Roma, posteriormente pelos espanhóis na América e mais tarde nas cidades norte-americanas. Esta divisão em quadrículas é uma forma que permite um duplo controle: o do solo e o da orientação. 23

24 utras cidades que merecem destaque também, devido a sua preocupação solar, são Alexandria, no Egito; Apamia, aodikia e Damasco na íria. Com a Antiguidade se encerra um ciclo importante onde a concepção da cidade se gera desde uma ordem geométrica, geralmente em quadrículas, que tinham em conta a orientação solar. Em conseqüência encontramos também, na arquitetura, uma preocupação com a radiação solar e pelo clima. Em contraposição, as cidades medievais, por razões de defesa, oferecem uma fisionomia irregular de estrutura radiocêntrica e de perímetro circular ou elíptico. A cidade medieval fechada perde contato com a problemática do sol e sua orientação. A cidade árabe apresenta também poucas preocupações com a orientação, já que em grande parte, se iguala as características da cidade medieval, se adaptando melhor aos climas quentes reduzindo a largura de suas ruas e as aberturas das fachadas protegendo-se, assim, melhor do sol. Muitas de suas arquiteturas se fecham em torno de uns pequenos oásis, que eram pátios aos quais se abrem os vazios maiores dos edifícios combinando água e vegetação para criar um micro-clima mais conveniente (YÁÑEZ, 1) (Figura 5). Figura 5: Cidade de Toledo. Exemplo de traçado árabe. Fonte: YÁÑEZ, 1. 24

25 Dando um grande salto no tempo, chegamos à revolução industrial, onde as cidades européias encontravam-se com seus traçados medievais e sem previsões de planejamento urbano e de legislação social. Com isso, dava-se lugar ao nascimento da classe trabalhadora, que vivia em casas insalubres e com falta de penetração solar, acarretando desta maneira, péssimas condições de moradia e de saúde. Já no início do século XX, mais precisamente no final dos anos vinte e nas décadas seguintes, alguns arquitetos desenvolveram estudos relativos a incidência solar nos edifícios com a finalidade de dar melhores condições de moradia aos seus usuários. Podemos citar como exemplo de alguns arquitetos: Rey e Pidaux, na França; Vinaccia, na Itália; Gropius, na Alemanha; e Corbusier, na França; Alvar Aalto, na Finlândia, entre tantos outros arquitetos pesquisadores que influenciaram na área de pesquisa em protetores solares, como exemplificaremos a seguir: - Irmãos lgyay: Desenvolveram um importante estudo sobre a relação do edifício com o clima, estabelecendo o método bioclimático que adapta o mesmo ao clima local, tendo em conta a sua forma e orientação(figura ). Figura : Estudo dos irmãos lgyay para edificações em diferentes climas. Fonte: YÁÑEZ, 1. 25

JULIANO SILVA DE VASCONCELOS LEITE

JULIANO SILVA DE VASCONCELOS LEITE JUIA IVA DE VACCE EITE AÁIE DE EEMET ARQUITETÔIC DE PRTEÇÃ AR EM EDIFICAÇÕE ITITUCIAI A CIDADE DE ATA/R DIRETRIZE PRJETUAI - atal / R 23 UIVERIDADE FEDERA D RI GRADE D RTE CETR DE TECGIA DEPARTAMET DE

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR

Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR Considere um observador sobre a terra, onde há um plano imaginário onde o sol se projeta. A localização do sol

Leia mais

CAPÍTULO 05 USO DE ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS COMO PROTETORES SOLARES: ESTUDOS DE CASOS EM EDIFICAÇÕES NA CIDADE DE NATAL/RN

CAPÍTULO 05 USO DE ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS COMO PROTETORES SOLARES: ESTUDOS DE CASOS EM EDIFICAÇÕES NA CIDADE DE NATAL/RN CAPÍTU 5 U DE EEMENT ARQUITETÔNIC CM PRTETRE ARE: ETUD DE CA EM EDIFICAÇÕE NA CIDADE DE NATA/RN egundo BITTENCURT (2), quando se utiliza um protetor solar, visando controlar a insolação em um ambiente,

Leia mais

O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Caroline Pienes Weber (1); Joaquim C. Pizzutti dos Santos (2); Egon Vettorazzi (3) (1) Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

ANALYSIS SOL-AR. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis

ANALYSIS SOL-AR. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis ANALYSIS SOL-AR Pesquisadora: Karen Carrer Ruman de Bortoli (karencrbortoli@gmail.com) Orientadora: Rita de Cássia Pereira

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições

Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições AGO/2003 Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG ROCHA, Jozielle Marques da 1 GOMES, Adriano P. 2 INTRODUÇÃO Um projeto arquitetônico deve se adaptar às características do meio

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE Casa Solar Acessível Caribenha ESCOLHA DA CASA PAÍS LATINO CLIMA TROPICAL CASA PERMEÁVEL POSSIVEL ALCANCE DE INTERESSE SOCIAL CASH HOME Slogan: Ser verde e acessível.

Leia mais

Uso de elementos de proteção solar externo no quadrilátero central de Foz de Iguaçu - PR

Uso de elementos de proteção solar externo no quadrilátero central de Foz de Iguaçu - PR Uso de elementos de proteção solar externo no quadrilátero central de Foz de Iguaçu - PR Egon Vettorazzi (1); Marcelo Langner (2); Odoni Antonio Ruschel Junior (3); Patrícia Soares Teixeira (4); Roberta

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS Luis Fernando Malluf Sanchez Faculdade de Engenharia Civil CEATEC luis.fms1@puccampinas.edu.br Claudia Cotrim Pezzuto Faculdade

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO VENTILAÇÃO E CLIMA CLIMA CLIMA QUENTE E SECO regiões desérticas próximas ao equador. Médias de temperatura muito altas e grande amplitude térmica, umidade baixa, a radiação solar é direta, quase sem a

Leia mais

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG Élen Silva Ataíde(1); Henor Artur de Souza(2) (1)Arquiteta, MSc. - Universidade Federal de Ouro Preto, DECAT/EM,

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura,

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, Infinite Cursos. Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado por possuir um

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007 Iluminação Natural Construção de Diagramas Solares Maio de 2007 arquitectura e artes do espectáculo lda. Rua Julião Quintinha, 1A tel: +351 217 157 502 email: etu@etu.pt 1500-381 Lisboa fax: +351 217 157

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA:

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: PROPOSTA DE UM NOVO MÉTODO DE CONCEPÇÃO E DIMENSIONAMENTO Milene Silva de Jesus Palhinha Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura Instituto

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura SABESP 7ª Audiência de Sustentabilidade Construções Sustentáveis Profa. ROBERTA CONSENTINO KRONKA MÜLFARTH rkronka@usp.br LABAUT - Laboratório de Conforto

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conceito mais atual de conforto térmico é aquele que relaciona

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

APLICAÇÕES DA CARTA SOLAR:

APLICAÇÕES DA CARTA SOLAR: APLICAÇÕES DA CARTA SOLAR: TRAÇADO DE SOMBRAS E PROJETOS DE DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO SOLAR Profa. Doris CCK C.C.K. Kowaltowski Profa. Lucila C. Labaki Colaboração: Cristiane Dacanal (PED) Disciplina AU

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Mudanças Climáticas Rodrigo Valle Cezar O que é o Clima O clima compreende os diversos fenômenos que ocorrem na atmosfera da Terra. Atmosfera é a região gasosa que envolve toda

Leia mais

Projeto Racional de Fachadas

Projeto Racional de Fachadas Secretaria de Estado do Meio Ambiente Governo do estado de São Paulo Projeto Racional de Fachadas Projeto Racional de Fachadas Projeto de Desempenho: Conforto Ambiental de Edificações Desenvolvimento Racional

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes SEBRAE Memorial Descritivo 1. Diretrizes A identidade do edifício institucional deve se dar pelo caráter da obra singular ou por um conjunto edificado que reconstitua o lugar como uma referência para a

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DO TELHADO NA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE NOS EDIFÍCIOS

INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DO TELHADO NA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE NOS EDIFÍCIOS INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DO TELHADO NA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE NOS EDIFÍCIOS RESUMO CASTANHEIRA, R. G. (1); COSTA, C. E. S (2) (1) Professor Adjunto, M.Sc., UFRuralRJ/IT/DAU Rodovia BR 465, Km 7 Seropédica,

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP

CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP ABSTRACT A construção pré-fabricada trata-se da utilização de elementos já produzidos antes do processo construtivo

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL.

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. Wevila F. B. Correia (1); Gianna M. Barbirato (2) (1) DEHA

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior Detalhes Balanços arrojados Moderna, a fachada tem importante função estética, mas também é uma grande aliada para minimizar a incidência de raios solares e garantir mais privacidade do projeto Arquiteto:

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Tiago Pereira da Silva Monteiro Professor Coordenador: Prof. Doutor João António Esteves Ramos

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

a das Canoas, Rio de Janeiro Oscar Niemeyer: .

a das Canoas, Rio de Janeiro Oscar Niemeyer: <http://casasbrasileiras.wordpress.com/2010/09/20/casadas-canoas-oscar-niemeyer/>. 1 2 Nosso campo visual normalmente consiste em elementos heterogêneos que diferem em FORMATO, TAMANHO, COR, ou ORIENTAÇÃO. Para compreendermos melhor a estrutura de um campo visual, tendemos a organizar

Leia mais

REAL ESTATE E ECOPROJETOS

REAL ESTATE E ECOPROJETOS 1 REAL ESTATE E ECOPROJETOS Paulo Castilho Lima Universidade de Brasília Brasil castilho@unb.br Resumo É necessário haver um esforço conjunto em encontrar meios de diminuir o consumo de energia, sob todos

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

CONSÓRCIO AGROFLORESTAL CAFÉ X SERINGUEIRA EM LONDRINA (PR): EFEITO NA PRODUTIVIDADE E NA TEMPERATURA DAS FOLHAS DE CAFÉ

CONSÓRCIO AGROFLORESTAL CAFÉ X SERINGUEIRA EM LONDRINA (PR): EFEITO NA PRODUTIVIDADE E NA TEMPERATURA DAS FOLHAS DE CAFÉ CONSÓRCIO AGROFLORESTAL CAFÉ X SERINGUEIRA EM LONDRINA (PR): EFEITO NA PRODUTIVIDADE E NA TEMPERATURA DAS FOLHAS DE CAFÉ ALEX CARNEIRO LEAL 1, PAULO HENRIQUE CARAMORI 2, ARMANDO ANDROCIOLI FILHO 2, JOMAR

Leia mais

DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO

DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO Informações úteis para uma boa escolha do terreno Jamais desconsidere a assistência técnica de um profissional na avaliação do terreno que se pretende adquirir Na escolha

Leia mais

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor.

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor. Movimentos da Terra 1) Objetivo Geral Aplicar os conhecimentos sobre os movimentos da Terra e da Lua para o cotidiano, e mais especificamente, para a economia de energia elétrica como o horário de verão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL lugares URBANOS PAPELERACULTURAL O PROJETO Este projeto pretende revelar os legados das diversas intervenções urbanísticas pelas quais passou a região metropolitana do Rio de Janeiro. São prédios, casarões,

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim ABDEH -Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar Curso: Projeto de Hospitais Sustentáveis - 17 e 18 de abril -São Paulo Profa. Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL José Eduardo Castro de Almeida (1); Ricardo C. Cabús (2) (1) Universidade Federal de Alagoas, Rua José de Alencar, 318 Farol Maceió/AL,

Leia mais

Fugindo do tradicional

Fugindo do tradicional construção Fugindo do tradicional Distante do padrão das casas colonial-americanas que predominam no condomínio, o projeto ganhou linhas diferenciadas e muita iluminação natural, com janelas amplas por

Leia mais

Você se lembra da sua primeira experiência com vidro laminado? Como foi e como o vidro o ajudou em seu design?

Você se lembra da sua primeira experiência com vidro laminado? Como foi e como o vidro o ajudou em seu design? Notícias sobre vidro laminado 2014 ENTREVISTA MURPHY & JAHN ARCHITECTS FRANCISCO GONZALEZ-PULIDO: "EU REALMENTE QUERIA SER PARTE DO DESIGN" LGN conversou com Francisco Gonzalez-Pulido, presidente e sócio

Leia mais

Películas para vidros CATALOGO ELETRÔNICO

Películas para vidros CATALOGO ELETRÔNICO Películas para vidros CATALOGO ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO MaxControl Window Film Atuante no segmento de película de controle solar para vidros, trabalhamos com películas de Alta-Performance, utilizando as

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

ENERGIA. Energias passivas

ENERGIA. Energias passivas Energias passivas ENERGIA Estes sistemas, quando bem dimensionados, são de longe mais económicos do que qualquer outro sistema que recorra a energia elétrica ou combustíveis convencionais. Com o aumento

Leia mais

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br C.GlassR Ficha técnica Avenida Neyde Modesto de Camargo, 151 Sistema de Envidraçamento- C.Glass (Channel Glass) by T2G Descrição: O Sistema C.Glass é composto por per s de vidros autoportantes, e ao contrário

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR 1 ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR RESUMO Tiago Arent Longo (1); Luiz César de Castro (2) UNESC Universidade

Leia mais

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA MAPAS DA RADIAÇÃO SOLAR BRASIL ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA Além das condições atmosféricas (nebulosidade, umidade relativa do ar etc.), a disponibilidade de radiação solar, também denominada

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

15-08-2013. Aula 01: Iluminação Natural: Retrospectiva Histórica. CFA II Conforto Ambiental II. Profª. MSc. Helenice M. Sacht. Retrospectiva Histórica

15-08-2013. Aula 01: Iluminação Natural: Retrospectiva Histórica. CFA II Conforto Ambiental II. Profª. MSc. Helenice M. Sacht. Retrospectiva Histórica CFA II Conforto Ambiental II Aula 01: Iluminação Natural: Profª. MSc. Helenice M. Sacht 1 EGITO ANTIGO Em todos os momentos da história, a iluminação esteve presente nas obras de arquitetura. Grande templo

Leia mais

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 43 O ÂNGULO DE ELEVAÇÃO DO SOL E A ENERGIA SOLAR Antonio da Silva Gomes Júnior 1, José Paulo Rodrigues da Silveira,

Leia mais

Medindo a Terra com Sombras

Medindo a Terra com Sombras Projecto apresentado no XI Encontro Nacional de Estudantes de Física, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 27 Fevereiro - 1 Março de 2009, resultante de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Sistema Sol-Terra-Lua

Sistema Sol-Terra-Lua Sistema Sol-Terra-Lua Parte 1 As estações do ano Parte 2 As fases da Lua Parte 3 Eclipses Parte 4 - Marés 1 Parte 1 As estações do ano A latitudes medianas (como a nossa) há variações significativas de

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

5 Conclusão. Reflexões e Contribuições. Percurso da Tese

5 Conclusão. Reflexões e Contribuições. Percurso da Tese 5 Conclusão Reflexões e Contribuições Percurso da Tese O percurso desta Tese foi extremamente proveitoso em termos de lições aprendidas e aspectos que realçam a viabilidade e necessidade de atenção específica

Leia mais

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS Ministério da Cultura IPHAN INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Escritório Técnico II - São João del Rei Rua Hermíllo Alves n.º 52 Centro São João del-rei Minas Gerais CEP 36.307-328

Leia mais

CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL

CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL A LUZ NATURAL Iluminação que se obtém com a luz proveniente do sol representada quer pelos raios solares diretos, quer pelos raios indiretos da mesma proveniência,

Leia mais

WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.

WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com. WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010 11 3159 1970 MEMORIAL Olhando para o sol A minha consciência da cidade é, por dentro, a minha consciência

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944)

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) Lúcio Costa e Oscar Niemeyer TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA IV Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura Profa. Isabela Ferrante 1. Arquitetura Moderna Brasileira

Leia mais