Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito"

Transcrição

1 Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Lousanne Cavalcanti Barros (Faculdade Novos Horizontes) Silvana Pereira Silva (NOSSACOOP) Hudson Fernandes Amaral (CEPEAD/FACE/UFMG) Alfredo Alves de Oliveira Melo (Faculdade Novos Horizontes) Resumo O presente trabalho refere-se ao estudo do processo de análise de crédito realizado em uma Cooperativa de Crédito Mútuo. O objetivo é analisar o atual processo de análise de crédito mostrando suas deficiências e propondo a elaboração de uma metodologia que atenda às necessidades específicas da Instituição, na sua atual conjuntura. O estudo foi realizado através de entrevistas, consultas a relatórios, legislação e cadastro de cooperados, alem de observação aberta de todo o processo de análise de crédito realizado na cooperativa. Escolheu-se um modelo de análise, o Credit Scoring, para aplicação. O resultado foi muito proveitoso, pois permitiu identificar aqueles parâmetros ineficientes do atual modelo. Como proposta sugere-se, então, a operacionalização do mesmo, pois é um modelo estatístico passível de aplicação na cooperativa, que alem de padronizar os resultados, permite decisões de curto prazo. Vale ressaltar que este modelo pode ainda ser utilizado em todos os serviços oferecidos pela Cooperativa, como cheque especial, empréstimos, seguros e financiamentos Palavras-chave: Análise de Crédito, Credit Scoring, Cooperativa 1. Introdução O enfoque central deste projeto é demonstrar a importância de uma análise criteriosa no processo de concessão de crédito. Buscando mecanismos que contribuam para otimizar o processo de concessão de crédito, reduzindo os riscos dos capitais emprestados. A Análise de crédito representa uma das pontas do negócio básico de uma cooperativa de crédito, que é a intermediação financeira. A cooperativa capta dinheiro com seus cooperados que tem recursos disponíveis e os repassa aos tomadores de recursos. A eficiência da análise de crédito é um dos fatores responsáveis pelo sucesso e pela boa rentabilidade de uma cooperativa de crédito. No processo de análise de crédito, a determinação do risco total deve considerar todas as informações relacionadas com a situação financeira do cliente, uma vez que a análise conjunta dos dados possibilitará a realização de tomadas de decisão mais precisas. Isto explica a exigência que deve-se ter com o cadastro de clientes. Um cadastro bem elaborado e completo é um importante instrumento na análise de crédito. A Cooperativa objeto deste trabalho, diante da necessidade crescente de diminuir a inadimplência, também percebe a análise de crédito como uma ferramenta importante para reduzir a inadimplência e aumentar sua rentabilidade. Diante da atual situação em que se encontra, com uma Previsão de Devedores Duvidosos PDD crescente, a Cooperativa em estudo tem buscado alcançar uma eficiência no que diz respeito à redução da inadimplência, para que isso não venha a afetar ainda mais a sua rentabilidade. Assim, propõe-se neste estudo a identificação de como a análise de crédito tem influenciado neste aumento da PDD e da inadimplência. ENEGEP 2005 ABEPRO 2156

2 2. Referencial Teórico O crédito está presente em nosso dia a dia, quando se compra qualquer mercadoria que não seja paga a vista, existe neste ato uma operação de crédito. Neste trabalho, o enfoque dado ao conceito de crédito como as definições a seguir, trata de que a toda a operação de crédito é sempre uma forma de empréstimo e terá um custo na forma de juros. Para Securato (2002) o credit scoring é um modelo de avaliação do crédito aplicável a pessoas físicas e jurídicas. Na aplicação que damos para pessoas físicas foi proposta a compilação a comparação dos dados constantes na ficha cadastral com parâmetros quantitativos e qualitativos previamente estabelecidos; desta forma, dados obtidos dos clientes são confrontados, com os parâmetros a que se referem, e pontuados. Ainda segundo o autor os parâmetros básicos para a concessão de Crédito serão avaliados através de análise criteriosa da Ficha Cadastral, a que, como ultimo campo, reservará espaço para, após preenchimento e assinatura pelo cliente, que seja incluído um sistema de pontuação que visa quantificar os parâmetros definidos e atribuir pesos de acordo com a relevância de cada informação. De acordo com a pontuação ponderada obtida, a concessão do crédito poderá ser automática ou encaminhada para análise pelo Comitê de Crédito, de acordo com a política da empresa. Para Caouette (1999), uma instituição que pretenda estabelecer um sistema de credit scoring deve escolher entre comprar um modelo de análise genérico ou desenvolver amostras estatísticas baseadas em sua própria experiência anterior. A pressuposição nos modelos de credit scoring é de que exista uma métrica que separe os créditos bons dos maus, dividindo-os em dois grupos distintos. O Credit Scoring é uma técnica estatística aplicada ao processo de decisão de crédito. Para Blatt (1999), o Credit Scoring é uma técnica de tratamento estatístico de dados aplicável a todos os processos que impliquem uma decisão do tipo: bom/mau, sucesso/fracasso, excesso/falta, etc., trata-se, fundamentalmente, de levantar situações passadas e, mediante tratamento matemático, encontrar um modelo consistente que nos habilite a tomar decisões para o futuro de curto prazo. Decide-se conceder um crédito a um determinado bom cliente porque em experiência passada diz que clientes com determinado perfil revelam-se, em geral bons pagadores. Para Blatt (1999), no caso específico do uso da análise de Credit Scoring como instrumento de concessão de crédito para pessoa física, uma amostra de fichas cadastrais de clientes com histórico conhecido é estudada e separada em dois grupos: o grupo que o credor considera bom e o grupo considerado mau. Mas definir estes grupos pode ser complexo, e que poderá ser diferente de empresa para empresa. 3. Procedimentos Metodológicos Para o presente estudo, que tem o propósito de apresentar ou apontar soluções para um problema já diagnosticado dentro da organização, é necessário que se proceda tanto pesquisa quantitativa quanto uma pesquisa de caráter qualitativo, visto que se busca construir uma intervenção na realidade. Uma das estratégias de pesquisa que será utilizada será o Estudo de Caso. Esta estratégia busca examinar um fenômeno contemporâneo dentro de um contexto. O estudo de Caso é conduzido em grande detalhe, e, com freqüência baseia-se no uso de diversas formas de dados, a ênfase maior na utilização de instrumentos qualitativos, dado o tipo de questões que são levantadas na pesquisa, ou seja, a exploração de novos processos ou comportamentos, ou melhor entendimento de tais aspectos 3.1. Coleta de Dados Entrevistas, observação e uso diário são as técnicas mais utilizadas na pesquisa de caráter qualitativo. Será realizada uma observação aberta acompanhando sistematicamente o atual ENEGEP 2005 ABEPRO 2157

3 modelo de análise de crédito praticado na Cooperativa. Além das entrevistas que serão aplicadas, à um dos membros do comitê de crédito, ao funcionário responsável pela cobrança e à um funcionário do setor de atendimento responsável pelo cadastro e análise de crédito. Observação dos processos de crédito aplicados na cooperativa, verificação de documentos; cadastro e alterações cadastrais; análise de cadastro; análise de crédito; processamento de operações de crédito; Serão utilizadas também consultas à Resolução n de 1999 e Resolução n de 2000 do BACEN Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Instituições de Ensino Superior da Região Metropolitana de Belo Horizonte Ltda NOSSACOOP Cooperativa é uma associação autônoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações e necessidades econômicas, sociais e culturais comuns, por meio de uma empresa de propriedade coletiva e democraticamente gerida. A cooperativa de crédito mútuo é uma instituição formada por pessoas que se associam para facilitar suas atividades relativas a questões financeiras. A Cooperativa em análise, conhecida como Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Instituições de Ensino Superior da Região Metropolitana de Belo Horizonte Ltda NOSSACOOP, iniciou suas atividades com 30 (trinta) associados e hoje (2005) já conta com aproximadamente (quatro mil e cem). Além de sua Sede, conta ainda com mais três postos de atendimento para melhor atender seus associados. Atualmente a NOSSACOOP ocupa o 13º (décimo terceiro) lugar no ranking das cooperativas filiadas à Central das Cooperativas do Estado de Minas Gerais CECREMGE, dentre as 130 (cento e trinta) existentes em Minas Gerais. 3.3.Aplicação do modelo Neste estudo vamos proceder à aplicação do modelo de Credit Scoring. Esse modelo será aplicado nos contratos liberados do período de Dezembro de 2003 à Janeiro de 2004, com o objetivo de comparar o resultado do modelo que é utilizado atualmente com o proposto, quer seja, Credit Scoring. A escolha desse período possui duas razões: primeira, devido ao maior volume de contratos e, segunda para que se possa verificar a adimplência atual desses contratos. Securato (2002), baseado em critérios similares aos observados por Gitman (1997), adaptou o modelo Credit Scoring à realidade brasileira, o qual traça um perfil do que seria um bom cliente. Estabeleceu-se, dessa forma, um sistema de pontuação a partir das informações constantes na ficha cadastral. Atribuindo pesos de acordo com a relevância da informação, denominou de modelo Cash Credit Scoring à medida em que procurou obter um percentual máximo de renda que determinado cliente pode comprometer para pagamento das parcelas mensais. Os parâmetros a ser utilizados no Cash Credit Scoring são: Histórico de Crédito; Idade; Estabilidade no Emprego; Cargo ou função; Renda e Patrimônio Líquido. Histórico de Crédito Recomenda-se solicitar a apresentação de bom avalista ou fiador, avaliá-lo nos mesmos parâmetros utilizados pelo solicitante. Os solicitantes que apresentar restrições cadastrais apontadas pela SERASA e/ou SPC e/ou qualquer outro serviço de informações não esclarecidas. No caso da cooperativa em estudo, é feito o desconto em folha de pagamento, nos casos dos funcionários públicos não é solicitado avalista. Este parâmetro não será utilizado na aplicação do modelo devido à não disponibilidade de dados no momento, mas caso o modelo venha ser operacionalizado pela Cooperativa será recomendado a utilização do mesmo. ENEGEP 2005 ABEPRO 2158

4 Idade Percebe-se pela TAB.1 que as faixas etárias de 21 a 30 e acima de 65 anos receberam pontuação baixa. As pessoas com idade entre 21 e 30 anos receberam pontuação baixa pois, ou ainda é estudante ou está em início de carreira. Por outro lado, as pessoas com idade superior a 65 anos apresentam menor expectativa de vida. Idade Entre 21 e 30 anos 20 Entre 30 e 35 anos 30 Entre 35 e 45 anos 40 Entre 45 e 65 anos 50 Acima de 65 anos 10 Tabela 1 para o parâmetro Idade As demais pontuações levam em conta que, com mais idade, a pessoa deve apresentar emprego mais estável, maior responsabilidade, maior histórico em nível de restrições, situação patrimonial e financeira mais bem definida. Estabilidade no Emprego Apresentado na TAB.2, o parâmetro relativo à Estabilidade no Emprego poderia incluir outras considerações com pontuação específica tais como: com menos de 01 ano no emprego atual, porém menos, com permanência superior a 2 ou 3 anos em empregos anteriores. Tempo de Emprego Inferior a 01 ano 10 Entre 01 e 03 anos 20 Entre 03 e 06 anos 50 Entre 06 e 20 anos 40 Superior a 20 anos 30 Tabela 2 para parâmetro estabilidade no emprego Cargo ou função O parâmetro Cargo ou Função levanta controvérsias do tipo: quem paga melhor, a pessoa de maior nível hierárquico na empresa, que depende menos de crédito, ou a pessoa de menor poder aquisitivo, que depende mais do crédito? Optou-se por considerar melhor pagador quem tem maior capacidade de repagamento. Cargo ou Função Presidente / Diretor 50 Nível Gerencial / Supervisão 40 Nível Técnico / Agentes e Auxiliares Administrativos 30 Funcionário Público (Nível Superior) 50 Funcionário Público (Nível Técnico / Administrativo) 40 Funcionário Público (Nível Fundamental) 30 Outros 10 Tabela 3 para parâmetro Cargo ou Função ENEGEP 2005 ABEPRO 2159

5 Observa-se pela TAB.3 que um detalhamento maior do cargo ou função poderia ser considerado, adotando-se, inclusive, classificação de atividades profissionais similares às adotadas pelo Manual de Imposto de Renda Pessoa Física. Houve uma consideração diferente para o parâmetro cargo. Adaptamos o modelo classificando o cargo funcionário público em três níveis distintos, devido ao que é utilizado atualmente na cooperativa em estudo, onde trabalha-se com desconto em folha, em sua maioria de funcionários públicos. Sendo assim este parâmetro é uma variável de grande importância para a decisão de concessão de crédito, um dos impactos que esta variável proporciona é que é concedido aos funcionários públicos um prazo bem mais longo que os demais, por se entender que estes possuem uma estabilidade empregatícia maior. Renda A renda deverá ser comprovada levando-se em consideração alguns fatores, como Contracheque (no caso de assalariado); Declaração de Imposto de Renda referente ao úlitmo exercício; DARF e Imposto devido através do chamado Carnê do Leão. O parâmetro Renda que deverá ser considerado é o da Renda Líquida de despesas com moradia, isto é, aluguel ou prestação da casa própria e de outras prestações mensais de caráter fixo, como pode ser visto pela TAB. 4. Renda Mensal Líquida Entre R$ 300 e R$ Entre R$ e R$ Entre R$ e R$ Entre R$ e R$ Acima de R$ Tabela 4 do Parâmetro da Renda Líquida Patrimônio Líquido Esse parâmetro considera o patrimônio do solicitante de crédito a valor de mercado, deduzindo das obrigações ainda existentes sobre os bens relacionados. No modelo apresentado por Securato (2002), os parâmetros são baseados no valor do patrimônio, mas para aplicação do modelo não possuíamos tais dados, somente a informação de se o solicitante possui residência própria ou não, para isso utilizou-se os parâmetros descritos na TAB.5 Patrimônio Líquido Residência Própria 60 Residência Alugada 30 Vive com os pais 40 Outros 30 Tabela 5 do Parâmetro Patrimônio Líquido Os pesos atribuídos a cada parâmetro são maiores para os itens de Conceito e Capacidade de Repagamento (Renda), por considerarmos que têm maior relevância na concessão do crédito. Para cumprir em dia todos os compromissos assumidos, o devedor precisa (1) ter condições de pagar (Renda) e (2) querer pagar (Caráter). A partir do sistema de pontuação apresentado nas tabelas anteriores, o analista estará apto a preencher o Cash Credit Scoring de acordo com a TAB.6. Deve-se observar que um cliente, mesmo que obtenha pontuação máxima em todos os parâmetros, não poderá comprometer mais do que 50% da sua renda líquida de todos os compromissos fixos mensais no pagamento ENEGEP 2005 ABEPRO 2160

6 da prestação na aprovação automática através do Crédit Scoring, uma vez que, na avaliação individualizada, o crédito para o cliente poderá ser aprovado com exceção. Parâmetro Peso (%) x Peso Conceito Idade 9 Estabilidade no Emprego 28 Cargo ou Função 12 Renda Líquida 30 Patrimônio Líquido 21 Total (a) (a) = a pontuação x peso + percentual máximo a ser aplicado sobre Valor Máximo a Renda Líquida Fonte: Adaptado do Securato (2002) Tabela 6 Cash Credit Scoring A atribuição dos pesos foi feita através do score ponderado definido por três funcionários da área de análise de crédito da NOSSACOOP. O parâmetro Conceito não foi utilizado devido a falta de dados no momento em que houve a liberação do crédito, neste caso o peso que seria dado a ele foi ponderado para os demais parâmetros. 4. Análise e discussão dos resultados Os critérios básico presentes na análise de crédito que são utilizados atualmente na Cooperativa foram identificados através da aplicação de um questionário e da observação participante. Identificou-se que os principais critérios são: a margem em folha de pagamento, a capacidade de pagamento, a natureza do crédito e a idoneidade. A partir do modelo de Cash Credit Scoring identificou-se o perfil de cada um dos contratantes. Sendo que o total de contratos, ou seja, de contratantes analisados foram de 455. Os pesos atribuídos a cada parâmetro foram obtidos a partir de uma média atribuída aos pesos dados por profissionais da NOSSACOOP no assunto análise de crédito. Após a aplicação do modelo, os resultados foram comparados com o modelo praticado na organização, e foi constatado que cerca de 10% dos contratos estavam com os valores de parcela acima do aceitável pelo modelo, conforme TAB.7. Aceitável Não aceitável Tabela 7 Comparação do resultado do modelo como o aplicado pela Cooperativa Analisando os resultados da TAB. 8 verificou-se que no parâmetro renda a maioria dos contratantes na posição de não aceitável pelo modelo possuía uma renda líquida inferior à R$ 1.000,00 (Um mil reais). Renda Mensal Líquida quantidade Entre R$ 300 e R$ Entre R$ e R$ Entre R$ e R$ Entre R$ e R$ Acima de R$ Tabela 8 Resultado do Parâmetro Renda Pela TAB. 9 verifica-se que mais de 70% não possuem residência própria, ou seja, além de possuírem renda líquida inferior a R$ 1.000,00, os cooperados não possuem casa própria. ENEGEP 2005 ABEPRO 2161

7 Patrimônio Líquido quantidade Residência Própria Residência Alugada Vive com os pais 40 9 Outros 30 5 Tabela 9 Resultado do Parâmetro Patrimônio O parâmetro Idade, apresentados na TAB.10, não apresentou grande relevância no resultado final, além de ter sido atribuído à ele um peso menor. Idade Quantidade Entre 21 e 30 anos 20 8 Entre 30 e 35 anos 30 9 Entre 35 e 45 anos Entre 45 e 65 anos Acima de 65 anos 10 1 Tabela 10 Resultado do Parâmetro Idade O parâmetro Estabilidade, conforme TAB.11, também não causou maiores inferências no resultado, uma vez que a maioria dos contratantes são funcionários públicos, logo com grande estabilidade no emprego. Tempo de Emprego Quantidade Inferior a 01 ano 10 - Entre 01 e 03 anos 20 3 Entre 03 e 06 anos Entre 06 e 20 anos 40 3 Superior a 20 anos Tabela 11 Resultado do Parâmetro Estabilidade O parâmetro Cargo ou Função, conforme TAB.12, por ser de menor peso também não representou maiores inferências no resultado. Cargo ou Função quantidade Presidente / Diretor 50 - Nível Gerencial / Supervisão 40 - Nível Técnico / Agentes e Auxiliares Administrativos Funcionário Público (Nível Superior) 50 9 Funcionário Público (Nível Técnico / Administrativo) Funcionário Público (Nível Fundamental) 30 1 Outros 10 - FONTE Construção dos autores Tabela 12 Resultado do Parâmetro Cargo ou Função A partir dos resultados, verificou-se quais desses contratantes estavam inadimplentes, apenas um desses estava inadimplente, o mesmo estava com o valor da parcela bem acima do aceitável pelo modelo. Os demais, apesar de não estarem inadimplentes possuíam um histórico de crédito com vários refinanciamentos e contratos de longo prazo (acima de 24 parcelas). Conclui-se que os mesmos tem a parcela acima da sua capacidade de pagamento, o que fica evidenciado na ocorrência de tantos refinanciamentos. Outro fato que pode explicar estes não estarem inadimplentes, seria o fato de que o pagamento das parcelas são feitos ENEGEP 2005 ABEPRO 2162

8 através de descontos em folha pagamento (contracheque), isso incorre em menor risco dos contratantes deixarem de pagar o empréstimo. 5. Considerações Finais Identificados os princípios e critérios básicos existentes na análise de crédito, observa-se que o modelo utilizado na cooperativa é muito específico, por trabalhar-se, em sua maioria, com desconto em folha de pagamento. Os principais parâmetros utilizados na análise atual são a margem em folha de pagamento, a capacidade de pagamento, a natureza do crédito, idoneidade, etc. Parâmetros esses que também são atendidos pelo modelo aplicado credit scoring. Não houve como mensurar o grau preciso de eficiência do atual modelo praticado, mas Conclui-se que o atual modelo utilizado pela cooperativa pode ser melhorado, ou seja, enriquecido com um modelo estatístico, o modelo credit scoring, que alem de padronizar os resultados, permites decisões de curto prazo. As principais deficiências encontradas no modelo praticado atualmente, foi que o parâmetro renda líquida e patrimônio não estão sendo devidamente observados, ocasionando um volume muito alto de refinanciamentos. Salienta-se ainda que o nível de inadimplência poderia estar muito superior caso não fosse praticado o desconto em folha. Quanto ao enquadramento da cooperativa na legislação vigente, observados na Resolução 2682 (1999) e Resolução (2000) do Banco Central, constatou-se que ela encontra-se perfeitamente de acordo com a legislação, pois atualmente a sua Previsão para Devedores Duvidosos PDD está abaixo de 3% em relação ao total da carteira de operações de crédito. O que é considerado abaixo da média, logo em conformidade com a legislação. Conclui-se que a aplicação do modelo foi muito proveitosa, pois permitiu identificar aqueles parâmentros ineficientes do atual modelo, sendo assim o modelo credit scoring é passível de aplicação na cooperativa, podendo o mesmo ser utilizado em todos os serviços oferecidos pela por ela, como cheque e.special, empréstimos, seguros e financiamentos. 6. Referencias BLATT Adriano. Avaliação de risco e decisão de crédito: um enfoque prático. São Paulo: Nobel, BRASIL. Resolução nº de Dispões sobre critérios de classificação de operações de crédito e regras para constituição de provisão para créditos de liquidação duvidosa. Brasília Resolução de Dispõe sobre critérios de classificação das operações de crédito e divulgação de informações em nota explicativa as demonstrações financeiras. Brasília,2000. CAOUETTE, John B Gestão do risco de crédito: o próximo grande desafio financeiro. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., GITMAN, Lawrence J. Princípios da Administração financeira. 7 a. ed. São Paulo: Editora Harbra, 1997 SECURATO, José Roberto. Crédito Análise e avaliação do Risco: Pessoas Físicas e Jurídicas. São Paulo: Editora Saint Paul, SILVA FILHO, Gil Teixeira. Estratégia para competitividade em cooperativa de crédito: o caso da credivertentes. Lavras, 2001 ENEGEP 2005 ABEPRO 2163

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE COMO FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE COMO FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO A análise de crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO UO DOS FUNCIONARIOS DO SISTEMA FIERGS- CRESUL Travessa Francisco de Leonardo Truda, 40 sala 143 14 andar Porto Alegre-RS CEP 90010-050 Fone (0**51) 3224-3280 Fax:

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Amilca Ferreira Santos (UFPB) adm.amilka@gmail.com

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo - Cooperacs - SP

Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo - Cooperacs - SP POLÍTICA DE CRÉDITO MANUAL DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO C.C.M. DOS PRAÇAS E OFICIAIS DA PMESP COOPERACS SP Capítulo Seção Ítem Descrição 1 Apresentação 2 Linhas de Crédito 1 Empréstimo Parcelado 1 Conceituação

Leia mais

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS 55 CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS IMPEDIMENTO LEGAL É uma situação de apontamento que, por força das normas do Bacen, impedem que pessoas físicas ou jurídicas figurem

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Ano 2011 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Crédito... 4 2. Estrutura Organizacional e suas Competências... 4 2.1 Diretoria...

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA

ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA Segundo deliberação da Diretoria Executiva do Sicoob Cecremef, a partir de 03/12/2012, passam a complementar as Normas para concessão

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Servidor Federal Civil - SIAPE Entidade: 164 Publicação: 08.06.2015 Produto:

Servidor Federal Civil - SIAPE Entidade: 164 Publicação: 08.06.2015 Produto: ROTEIRO OPERACIONAL Servidor Federal Civil - SIAPE Entidade: 164 Publicação: 08.06.2015 Produto: Empréstimo Consignado Próxima atualização: 07.06.2016 Classificação da Informação: 1. Orientação legal Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Conte conosco! Conte com os programas de financiamento preparados para você. Conte com a FPM! FIES e FAS você tem na FPM.

Conte conosco! Conte com os programas de financiamento preparados para você. Conte com a FPM! FIES e FAS você tem na FPM. FACULDADE PATOS DE MINAS Conte conosco! Conte com os programas de financiamento preparados para você. Conte com a FPM! FIES e FAS você tem na FPM. #Simples #Fácil #DiretocomaFpm Preparamos um manual para

Leia mais

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo SONDAGEM DE OPINIÃO Outubro de 2006 1 Características da Pesquisa Objetivos: Identificar as principais formas utilizadas pelas empresas

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO 1 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO Ângela de Souza Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Suzelene de Melo Rossi Santos (Discente do 4º

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

FICHA CADASTRAL. Empreendimento: Box: Imobiliária: Gerente: Corretor: CÓDIGO: FCO 001.05 ELABORAÇÃO: CLARISSE XAVIER APROVAÇÃO: JULIANO MELNICK

FICHA CADASTRAL. Empreendimento: Box: Imobiliária: Gerente: Corretor: CÓDIGO: FCO 001.05 ELABORAÇÃO: CLARISSE XAVIER APROVAÇÃO: JULIANO MELNICK FICHA CADASTRAL Empreendimento: Torre: Imobiliária: Gerente: Corretor: Unidade: Box: PÁGINA: 01 de 06 PROPONENTE - 1º Comprador (Se pessoa jurídica, dados do representante da empresa) Data de Pagamento:

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INFORMAÇÕES ÚTEIS SOBRE CONSIGNADO EMPRÉSTIMO, CARTÃO DE CRÉDITO E/OU SERVIÇOS CONTRATADOS - ANO 2015. 1) O que é Margem Consignável? Resposta: É o dado que indica os limites estabelecidos por lei específica

Leia mais

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES O QUE É CRÉDITO? A palavra crédito vem do latim CREDERE, que significa "acreditar" ou "confiar"; ou seja, quando você concede crédito para o seu cliente é porque confia que ele vai quitar o compromisso

Leia mais

PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC

PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC 1. A DIFERENÇA ENTRE PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL A provisão para perdas com operações que geram exposição

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. 1 COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO Art. 1º - Este Regulamento estabelece as modalidades de empréstimos,

Leia mais

Política de Suitability

Política de Suitability Política de Suitability Outubro 2015 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Suitability ( Política ) é estabelecer procedimentos formais que possibilitem verificar a adequação do investimento realizado

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção

As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção Divonsir de Jesuz da Silva Dutra (CEFET-PR) divonsirdutra@terra.com.br Dr. Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR) kazuo@ppgte.cefetpr.br

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas 3 de Abril de 2013 São Paulo CESCE Presença Internacional A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Sistema Simulador de Negócios

Sistema Simulador de Negócios Sistema Simulador de Negócios Manual do Usuário Versão 1.4.1 INFORMAÇÕES Setor: Tipo de Documento: CTT Centro de Treinamento Tecnocred Manual de Sistema Última Revisão: 21/09/2012 Versão do Template: 1.0

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais

SABESPREV: PESQUISA DE IMAGEM E SATISFAÇÃO 2011 TOTAL

SABESPREV: PESQUISA DE IMAGEM E SATISFAÇÃO 2011 TOTAL TOTAL Objetivos: avaliar o processo de Comunicação da SABESPREV; avaliar o processo de Atendimento Pessoal e Telefônico aos Beneficiários e Participantes da SABESPREV; avaliar o processo de atendimento

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO CIRCULAR Nº 80/2009 Rio de Janeiro, 24 de julho de 2009 Ref.: FINAME e FINAME LEASING Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

COOPERATIVA DE CRI:DfTO DO SERVIDOR FEDERAL LTOA. SIC008 CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL

COOPERATIVA DE CRI:DfTO DO SERVIDOR FEDERAL LTOA. SIC008 CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL SICOOB Credfaz Federal Servidor COOPERATIVA DE CRI:DfTO DO SERVIDOR FEDERAL LTOA. SIC008 CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL &I. CREDFAZ- SCS - Q. 05 81.C - EnL 165/9 CEP 70.305-921 Brasllia - DF - Fone - (611 3035-8299

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 002/2015

RESOLUÇÃO N. 002/2015 RESOLUÇÃO N. 002/2015 Atualiza a Resolução 005/2014 em seu artigo 3º (Taxa de juros do Consignado Estadual e renovação garantias I e II) de acordo com as condições e garantias oferecidas pelo sócio, inalteradas

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL CDC SERVIDOR PÚBLICO

ROTEIRO OPERACIONAL CDC SERVIDOR PÚBLICO ROTEIRO OPERACIONAL CDC SERVIDOR PÚBLICO Servidor Federal Civil - SIAPE Entidade: 164 Vigência: 16.12.2014 Produto: (Utilizar o código do produto de acordo com a operação) Próxima atualização: 16.06.2015

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MANUAL DE CONTROLES INTERNOS Classificação da Informação: INTERNA Seção: PS1 Produtos e Serviços Operações Ativas Referencia: 03 CDC FUNCIONÁRIO EMPRESA PRIVADA 1 - Características Gerais 2 - Documentação

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes:

Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes: Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes: Inicio esta minha intervenção cumprimentando Vossa Excelência pela convocação desta audiência pública. Com esta iniciativa, Vossa Excelência

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

FIES Fundo de Financiamento ao Estudante ORIENTAÇÕES E PASSO A PASSO Para solicitar o financiamento, o estudante deverá se inscrever pelo sistema informatizado do FIES no endereço eletrônico: http://sisfiesportal.mec.gov.br

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO 03/2009 ENTRE O COMAER/ CFIAe & CAIXA (CEF) INSTRUÇÕES AOS BENEFICIÁRIOS DA CFIAe GENERALIDADES A Caixa de Financiamento Imobiliário da Aeronáutica (CFIAe) vem acompanhando as taxas

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 43/2014-BNDES Rio de Janeiro, 20 de outubro de 2014 Ref.: Produtos BNDES Automático e BNDES Finame Agrícola Ass.: Programa BNDES

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Cartilha do Crédito Consignado

Cartilha do Crédito Consignado Cartilha do Crédito Consignado Guia Prático para o Aposentado e Pensionista do INSS apoio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS Caro aposentado ou pensionista Esta cartilha foi elaborada para o seu bem-estar.

Leia mais

Compras de recebíveis, avaliações e consultoria INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS. Liberte O VALOR DE SEUS RECEBÍVEIS

Compras de recebíveis, avaliações e consultoria INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS. Liberte O VALOR DE SEUS RECEBÍVEIS Compras de recebíveis, avaliações e consultoria INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS Liberte O VALOR DE SEUS RECEBÍVEIS INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS Temos os recursos para financiar as maiores transações e examinamos

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Exemplo de Aplicação do DataMinig

Exemplo de Aplicação do DataMinig Exemplo de Aplicação do DataMinig Felipe E. Barletta Mendes 19 de fevereiro de 2008 INTRODUÇÃO AO DATA MINING A mineração de dados (Data Mining) está inserida em um processo maior denominado Descoberta

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz em 18 e 25/01/13 (Ata da 401ª e 403ª reunião). Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/03/2013. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ CAPÍTULO I

Leia mais

Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale

Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale CRÉDITO Crédito diz respeito à troca de bens presentes por bens futuros. Função crédito não é exclusividade

Leia mais