1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas."

Transcrição

1 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação para conseguirmos aprovação em matérias escolares. Para tirar a carteira de motorista é exigida uma avaliação. Em determinados empregos candidatos passam por avaliações para escolha de profissionais com o perfil da vaga. Assim acontece também na concessão de um crédito, pois é necessário avaliar os riscos que envolvem uma operação. A avaliação nada mais é que um processo de apreciação de competência. A concessão de crédito deve ser um processo minucioso, cuidadoso, embasado em informações documentais, sendo necessária a observação de uma série de fatores para evitar futuras perdas. Mesmo com todo esse zelo as perdas não se restringem. Na avaliação do risco deve ser analisada a capacidade financeira do tomador, sua situação patrimonial, garantias atribuídas à operação e idoneidade. Isso traz uma concessão de crédito consciente. A oferta e escolha da linha de crédito adequada à necessidade do tomador são de grande importância, pois temos que saber se o crédito é destinado a uma necessidade momentânea, necessidade de curto ou de longo prazo, a fim de apresentar ao tomador a forma mais saudável de concessão de crédito. 4

2 2. Descrição do Estudo de caso Trabalhando sempre na área administrativa de grandes bancos, uma recémpromovida a área comercial ao cargo de gerente de contas pessoa física do segmento de alta renda de um banco, passou a observar o parecer apresentado pelos analistas da mesa de crédito nas consultas que submetia a avaliação de crédito. Ela, cujo nome é Inês, implantava a consulta via sistema, baseada em comprovação de renda, análise de impedimentos cadastrais, idoneidade e comprometimento de renda na organização e mercado. Com tudo, na maioria dos casos, recebia parecer desfavorável ao crédito. A mesa de crédito do banco no qual atua, Banco Fictício SA, não entendia que naquele momento era saudável fornecer aquela linha de crédito. Mesmos a parcela estando condizente com a situação financeira do cliente. Desta forma a gerente passou a fazer uma minuciosa pesquisa para entender os fatores analisados para avaliação de risco dos tomadores. Percebeu que teria que ser mais exigente ao propor crédito e começou a estudar sobre o tema para fazer consultas assertivas e fornecer aos seus clientes maior bagagem e argumentação nas negociações. Através de pesquisas e dúvidas tiradas com especialista em crédito descobriu que o banco no qual trabalhava utilizava ferramentas, como: Credit Scoring, Cs do Crédito e Rating, para analisar o perfil do tomador e os riscos das operação de crédito. Desta forma, Inês buscou se aprofundar no assunto, pois isso a ajudaria submeter consultas de crédito que figurassem case de sucesso. 5

3 3. Avaliação de Risco Toda empresa mede seu risco no momento de tomada de decisões, e com os Bancos a história não muda. A avaliação do risco é feita de forma estruturada a fim de obter maior êxito. Operação de crédito é o pulmão das Instituições financeiras, é com créditos assertivos e recuperados que o Banco acumula seu lucro. Desta forma, profissionais especializados e de acordo com as políticas do banco o ajudam da obtenção de seus resultados. Porém, mesmo com todos os mecanismos de segurança e avaliação de risco o crédito pode não ser recuperado. Isso ocorre não somente por falta de idoneidade financeira, mas por uma série de fatores que cercam a vida de um tomador, inclusive oscilações macroeconômicas. O risco é medido após uma séria de análise, sendo através de ficha cadastral, documentos de comprovação e histórico financeiro do tomador. Tendo o risco mensurado o banco vai decidir se opera com o cliente, se exige garantia adicional ou se aumenta seu spread 1 tendo em vista uma possível perda. Inês se deparou em várias situações na qual o banco faria a concessão de crédito somente com a presença de avalista, garantia ou com taxa mais alta para recuperar a possível perda com o pagamento das parcelas iniciais em uma operação de crédito parcelada. Vendo isso, ela passou a buscar informações de como o banco fazia essa medição de possível perda. E teve conhecimento de que o banco no qual atuava tinha ferramentas e modelos para avaliar e analisar uma operação de crédito, independente do valor concedido. 1 Spread refere-se à diferença entre o preço de compra (procura) e venda (oferta) de uma açõa, título ou transação monetária. Pesquisa site Wikipedia.org em 06/02/

4 As ferramentas utilizadas pelo banco eram: Cs do Crédito, Modelo Credit Scoring e Rating. 3.1 Cs do Crédito Com o método Cs do Crédito é possível analisar como um todo o cliente possível tomador. Através dessa análise é possível mapear a situação do tomador e mitigar os riscos em uma operação de crédito. Com essa ferramenta é mapeado a situação financeira, patrimonial e macroeconômica do tomador. Os Cs do crédito são compostos por: 1 Caráter, ou seja, a intenção de pagar. Nessa fase são analisados a pontualidade do cliente com seus compromissos, a existência de restrição e sua atuação na praça. 2 Capacidade, relacionada diretamente a renda, sendo a habilidade de pagar. 3 Condição. Esta é analisada através de informações macroeconômica e setorial do mercado no qual o cliente esta inserido. A condição foge do controle do cliente, desta forma tem que avaliar as condições de risco e oscilações a que ele esta exposto. 4 Capital que é o patrimônio do cliente. 5 Colateral que é composto pelas garantias colocadas à disposição do credor para agregar a operação. Essa ferramenta nos faz entender a situação do cliente de forma macro, podendo embasar-se em dados para liberação de crédito consciente. Isso é avaliado através de uma ficha de cadastro, na qual são mensurados pontos que definem se o crédito é liberado automaticamente ou se será necessário à análise de um especialista. Diante desses dados a ferramenta de análise de crédito faz um parâmetro com os dados/modelo de um bom pagador. Caso a ferramenta encontre dados incoerentes a avaliação é direcionada para um analista, o qual solicitará documentos 7

5 comprobatórios das informações prestadas pelo tomador. E se mesmo após a avaliação da documentação houver incerteza na concessão do crédito, a consulta será direcionada para outra ferramenta de compilação de dados. 3.2 Modelo Credit Scoring No Modelo Credit Scoring 2, é feita a compilação dos dados do cliente e levados a uma apuração junto ao parâmetro já estabelecido e determinados pelo banco. O modelo descreve um método estatístico para classificar o tomador e seu grupo de risco. Esses dados são retirados após estudos realizados com tomadores com o mesmo perfil e estilo de vida. Através dos dados identificam-se as variáveis econômicas que influenciam na capacidade do cliente em pagar ou não o crédito. Após a analise dos dados é feita uma avaliação do risco da operação de crédito e a pontuação que representa o risco de inadimplência ou a probabilidade de inadimplência resultante da equação do credit scoring. A tabela a seguir pode explicar: 2 É um modelo de avaliação de crédito aplicável a pessoas físicas e jurídicas. Na aplicação que damos para pessoa física, propomos a compilação e a comparação dos dados constantes na ficha cadastral com parâmetros quantitativos e qualitativos previamente estabelecidos; p.34 e 35. Securato, José Roberto. Crédito Análise e Avaliação do Risco, 1. Ed., Saint Paul Editora,

6 Característica do tomador Pontuação baixa Pontuação alta Ocupação Baixa qualificação Alta qualificação Tempo de emprego < 3 meses > 2 anos Faixa de renda < R$ 1 mil > R$ 10 mil Endividamento no mercado Alto Nenhum Residência Alugada Própria Tempo de residência < 6 meses > 2 anos Patrimônio Nenhum Vários Idade < 30 anos > 40 anos * Fonte: Banco Fictício SA Com os dados obtidos o analista identifica certos fatores específicos que influenciam na adimplência ou inadimplência dos clientes, permitindo a classificação dos tomadores em grupos. Esses grupos são qualificados como os de pontuação baixa (maior risco de inadimplência devido seu perfil de risco) ou pontuação alta (propenso a pontualidade em seus pagamento devido sua estabilidade financeira). Após análise desses fatores o banco determinar sobre a aceitação ou negação do crédito em análise. 3.3 Classificação do risco de crédito Rating A classificação de risco é estabelecida através da capacidade financeira em honrar com os pagamentos e compromissos assumidos em tempo hábil. Essa classificação avalia a probabilidade de inadimplência do tomador através de um histórico em compromissos contraídos ao longo de sua vida bancária. 9

7 A Instituição Financeira credora cria uma classificação de rating através do seu banco de dados para analisar o perfil dos seus clientes e quanto deve provisionar do crédito liberado para uma possível inadimplência. O grau de rating determina se o analista em crédito vai liberar o possível valor, se haverá provisionamento, ou se vai recusar a operação. Segue tabela para melhor entendimento: Rating AA A B C D Capacidade Capacidade de honrar compromissos muito forte Capacidade de honrar compromissos Característica que requer acompanhamento Vulnerável a inadimplência Inadimplente * Fonte: Banco Fictício SA O rating nada mais é que uma nota atribuída ao cliente, com essa nota o banco estipula em até qual classificação opera. No Banco Fictício SA a nota de corte é a C, pois cliente com capacidade D não possuem perfil. Além dessa tabela, existe também o grau de severidade para a classificação da operação conforme histórico do cliente e de suas operações com o banco. Os atrasos anteriores do tomador estabelecem um grau de risco e o percentual, para constituição por parte do banco, de provisionar em caixa um valor destinado à liquidação duvidosa. Como segue: 10

8 Nível % de provisionamento Dias de atraso AA 0 Sem atraso A 0,5 Até 14 dias B 1 De 15 a 30 dias C 3 De 31 a 60 dias D 10 De 61 a 90 dias E 30 De 91 a 120 dias F 50 De 121 a 150 dias G 70 De 151 a 180 dias H 100 Acima de 180 dias * Fonte: Banco Fictício SA Esse modelo mensura a expectativa de inadimplência através de históricos de operações passadas. Assim o banco reserva/provisiona em seu caixa o percentual estipulado com o risco do crédito, caso optar por operar com tal tomador. O banco analisa duas vertentes, sendo a primeira de identificar a chance de perda de uma determina operação e, a segunda de precificar tal operação de acordo com o risco apresentado pelo tomador. Através dessa precificação são atribuídas as necessidade de aval, garantia real ou maior taxa para operar. 11

9 4. Concessão de Crédito Após a avaliação do risco do tomador de crédito e da operação ocorre a concessão do crédito. Neste momento é muito importante a concessão da carteira de crédito adequada e de vincular à garantia mais apropriada a operação. Inês, muitas vezes, obteve parecer favorável, porém com adequação da linha de crédito. Ou seja, muitas vezes passou uma consulta para majoração de limite de cheque especial, quando a necessidade do cliente não era para sanar em curto prazo. desta forma o especialista em crédito direcionava o crédito para uma carteira de crédito pessoal. Ela entendeu também a necessidade em conhecer as carteiras de crédito oferecidas pelo seu banco. Para oferecer uma linha de credito adequada é necessário saber para que ela destina-se. Tendo essa informação podemos identificar se o crédito é para uma necessidade emergencial, para um investimento ou para compra de um bem. Dentre as linhas de concessão de credito para a pessoa física temos o cheque especial, cartão de crédito, o contrato de crédito pessoal, credito direto ao consumidor (CDC), leasing e o crédito imobiliário Cheque especial Trata-se de um limite liberado em conta corrente do cliente pessoa física, com um juro e uma data de renovação pré-estabelecido após uma avaliação de risco. Esse valor pode ser utilizado de forma total e/ou parcial sendo cobrados encargos e juros por sua utilização, e amortizado a cada entrada de crédito ocorrida na conta corrente. O juro, comparado a outra operação, é relativamente alto. 12

10 4.2. Cartão de crédito Uma modalidade de crédito que pode ser utilizada como saque ou compra através de um cartão, limitada a um limite aprovado e disponibilizado ao cliente. As compras podem ser à vista ou parceladas, debitadas no dia do vencimento de cada fatura desse cartão. O limite concedido ao cliente é estipulado após uma avaliação de risco, analisando as condições financeiras e idoneidade do cliente Contrato de crédito pessoal É um crédito de um valor solicitado pelo tomador, sendo negociado a taxa e o prazo de amortização previamente. O pagamento é sempre do principal mais o juro em parcelas. É interessante entender para que destina-se o crédito, para assim ofertar a modalidade ou linha de crédito adequada, utilizando garantia. Nesse tipo de contrato pode usar investimentos financeiros, imóvel, veículo, aval e nota promissória como garantias das operações. A presença da garantia real diminui o risco do credor, ocorrendo à redução de taxa de juros Crédito direto ao consumidor (CDC) Linha de crédito que financia aquisição de bens duráveis, como veículo, eletrodoméstico, máquinas e equipamentos. Esses bens são a própria garantia da operação e em caso de inadimplência o banco faz o processo de apreensão deste bem. Pode ser utilizado também, para pagamento de um curso e compra de materiais de construção, desde que apresentação de comprovante de matrícula do curso e nota fiscal que confirme a compra do material. 13

11 4.5. Crédito imobiliário Concessão de crédito destinada a compra de imóvel. Essa modalidade de crédito possui taxa de juros menor, devido a garantia real, ou seja, o próprio imóvel em questão. Atualmente essa linha de crédito pode ser parcelada em até 30 anos, com possibilidade de sistema de pagamento com parcelas decrescente de amortização e juros Leasing É um contrato no qual a arrendadora (banco) adquire um bem escolhido por seu cliente, aluga a ele por um prazo estipulado. No final do prazo estipulado do contrato o cliente pode optar por renovar esse contrato, devolver o bem ou adquiri-lo pelo valor de mercado ou por um valor residual pré-estabelecido em contrato. 14

12 5. Conclusão de Inês Inês tinha conhecimento das linhas de crédito ofertadas pelo Banco Fictício SA, tinha também conhecimento de uma pré-avaliação de risco antes da concessão do crédito, porém após o entendimento dos passos percebeu que para otimizar seu tempo e o de seus clientes teria que agir com maior cautela fazendo uma boa entrevista antes de propor um crédito fora de sua alçada. Após o estudo, Inês aprendeu que a qualidade humana e um fator relevante para obtenção de qualidade no crédito, pois um profissional bem preparado contribui para concessão de crédito saudável e com lucratividade para sua carteira e principalmente para o banco. Os dados apresentados proporcionaram a Inês à implantação de proposta de crédito com maior probabilidade de aprovação, pois ela passou a colher mais dados de seus clientes. Percebeu a importância do crédito consciente, e da oferta da carteira adequada, pois muitas vezes o cliente solicitava um crédito pessoal tendo interesse em comprar um veículo. Desta forma, após Inês checar as informações, entendia que se tratava de CDC para compra de veículo, e nessa carteira podia flexibilizar a taxa e o prazo de pagamento devido a garantia real atribuída na operação, o próprio veículo. Inês percebeu que a área comercial do banco possui várias possibilidades, sendo ela mais dinâmica, pois para alguns casos o pleito é favorável e para outros, com as mesmas características, o pleito é recusado. Havendo a necessidade de entender de forma macro o que cerca o tomador do crédito e suas condições naquele exato momento. 15

13 6. Temas para reflexão Quais aspectos devem ser medidos em uma avaliação de risco para concessão de crédito consciente? O tomador, mesmo apresentando uma excelente análise dos Cs do crédito, deve ser analisando por sua situação financeira atual e momentânea, ou deve ser observado seu histórico financeiro nas instituições financeiras? A escolha da carteira de crédito adequada pode favorecer na compilação dos dados do tomador e análise especializada da mesa de crédito? 16

14 7. Bibliografia FILHO, Armando de Santi. Avaliação de Riscos de Crédito: Para Gerentes de Operação. São Paulo: Editora Atlas, p. SANTOS, José Odálio dos. Análise de Crédito. 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas, p. SECURATO, josé Roberto. Crédito: Análise e avaliação do Risco Pessoas Físicas e Jurídicas. 1ª ed. São Paulo: Saint Paul Editora, p. 17

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros Módulo 2 Produtos TÍTULO e Serviços X Financeiros CRÉDITO PESSOAL Olá! Neste módulo, vamos aprofundar nossos conhecimentos sobre os produtos e serviços financeiros que podemos oferecer aos nossos clientes.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

TABELA DE CAPTAÇÃO DAS TAXAS DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA PRATICADAS PELAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM 02/05/12

TABELA DE CAPTAÇÃO DAS TAXAS DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA PRATICADAS PELAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM 02/05/12 TABELA DE CAPTAÇÃO DAS S DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA EM 02/05/12 BANCO DO BRASIL BRADESCO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL HSBC MODALIDADES DE CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO 2,94* 13,56* 2,10* 14,99* 1,90* 2,85** 6,03*

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING

FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING Jean Raphael de Oliveira ANITELI 1 Thiago Memare FUJITA 2 Wilson de Luces Fortes MACHADO³ RESUMO: Não existem muitos estudos relacionados ao processo

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES O QUE É CRÉDITO? A palavra crédito vem do latim CREDERE, que significa "acreditar" ou "confiar"; ou seja, quando você concede crédito para o seu cliente é porque confia que ele vai quitar o compromisso

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO A análise de crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar.

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Guia do uso consciente do crédito O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Afinal, o que é crédito? O crédito é o meio que permite a compra de mercadorias, serviços

Leia mais

Conhecendo os Processos de Cobrança

Conhecendo os Processos de Cobrança Conhecendo os Processos de Cobrança 03 Processos de Cobrança Entenda a Fatura Ferramentas de Suporte Consulta de Extratos 05 09 11 16 Consumo Consciente 02 Processos de Cobrança conheça os processos de

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito 1. Estrutura de Gerenciamento de Em observância à resolução 3.721/2009 do Banco Central do Brasil, o Banco GMAC S.A, doravante denominado Chevrolet Serviços Financeiros, instituiu sua estrutura de gerenciamento

Leia mais

MBA Finanças (Turma II)

MBA Finanças (Turma II) MBA Finanças (Turma II) O MBA Executivo em Finanças do Ibmec é um programa de pós-graduação lato sensu para profissionais que necessitam de conhecimentos aprofundados na área de finanças. Ao longo do curso,

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Ano 2011 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Crédito... 4 2. Estrutura Organizacional e suas Competências... 4 2.1 Diretoria...

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL

GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL Sumário O que é Leasing?... 04 As partes deste negócio... 05 Entendendo o Leasing... 06 Modalidades de Leasing... 07 A escolha do bem... 08 Este guia tem por objetivo

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito

Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Lousanne Cavalcanti Barros (Faculdade Novos Horizontes) lousanne@unihorizontes.br Silvana Pereira Silva (NOSSACOOP) sil.fla@bol.com.br

Leia mais

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração (ANEFAC) realizou durante o mês de outubro de a 15ª edição da Pesquisa de Utilização do 13º salário.

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário Renda Fixa Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário Uma alternativa para diversificação de carteira de investimento O produto Letra de Crédito Imobiliário () é um título de crédito, lastreado

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II! Como ponderar os cenários?! Como criar um rating de crédito?! O preenchimento da matriz de crédito?! A importância da análise setorial

Leia mais

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS 55 CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS IMPEDIMENTO LEGAL É uma situação de apontamento que, por força das normas do Bacen, impedem que pessoas físicas ou jurídicas figurem

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

SUGESTÕES DE MELHORIAS NA POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA DA EMPRESA TEDESCO & EMER LTDA

SUGESTÕES DE MELHORIAS NA POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA DA EMPRESA TEDESCO & EMER LTDA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SUGESTÕES DE MELHORIAS NA POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA DA EMPRESA TEDESCO & EMER LTDA Joseane Schneiders Lajeado, novembro de 2014 Joseane Schneiders

Leia mais

1.3. Sobre as semestralidades a serem custeadas com recursos do FIESP incidirão os descontos de pontualidade previstos à época do pagamento.

1.3. Sobre as semestralidades a serem custeadas com recursos do FIESP incidirão os descontos de pontualidade previstos à época do pagamento. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: 1.1. O Crédito Educativo Estudantil Projeção - FIESP é um programa privado de concessão de crédito estudantil, desenvolvido pelas Faculdades Projeção, destinado a custear

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

(**) Renegociação de divida representada por Acordo Judicial

(**) Renegociação de divida representada por Acordo Judicial São Paulo, 15 de maio de 2015. À Comissão de es Mobiliários ( CVM ) Gerência de Acompanhamento de Fundos Estruturados - GIE Rua Sete de Setembro, 111 30º andar 20159-900 - Rio de Janeiro - RJ REF.: RELATÓRIO

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Diretrizes para Investimentos em Imóveis

Diretrizes para Investimentos em Imóveis Diretrizes para Investimentos em Imóveis 21ª reunião do CAP - 15/12/2010 11ª reunião ordinária do CDE - 16/12/2010 Anexo à Política de Investimentos 2011 a 2015 Índice 1. Contratação de Corretores, Avaliadores

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Presenteie parentes ou amigos em qualquer lugar do Brasil.

Presenteie parentes ou amigos em qualquer lugar do Brasil. Compras de Final de Ano Veja as vantagens e como é prático comprar pela internet: Você não sai de casa para comprar; Recebe o produto no conforto do seu lar; Filas? Esqueça; Não precisa bater perna atrás

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

PRODUTOS BANCÁRIOS. Leasing

PRODUTOS BANCÁRIOS. Leasing Leasing É uma operação realizada mediante contrato, na qual o dono do bem (arrendador) concede a outrem (arrendatário) a utilização do mesmo, por prazo determinado. Formalização: Contratos Encargos: Taxas

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

Prezado(a) Aluno(a),

Prezado(a) Aluno(a), Prezado(a) Aluno(a), Esta cartilha irá orientar você sobre como proceder para aderir ao FIES e como realizar o aditamento semestralmente até a conclusão de seu curso. As informações são bem objetivas e

Leia mais

Folha de Domésticos e Automação dos Recolhimentos para o Escritório Contábil

Folha de Domésticos e Automação dos Recolhimentos para o Escritório Contábil Folha de Domésticos e Automação dos Recolhimentos para o Escritório Contábil Oportunidade para os escritórios contábeis Pagga Domésticos é um serviço inovador, lançado em 2013, desenvolvido especialmente

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo.

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo. 1. CONCEITO de ARRENDAMENTO MERCANTIL Arrendamento mercantil é um acordo pelo qual o arrendador transmite ao arrendatário em troca de um pagamento ou série de pagamentos o direito de usar um ativo por

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Diretrizes para Investimentos em Imóveis (aprovadas pelo CDE em sua 18ª reunião realizada nos dias 14 a 16 de dezembro de 2009 Índice Anexo à Política de Investimentos...1

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO 1 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO Ângela de Souza Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Suzelene de Melo Rossi Santos (Discente do 4º

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada Equipe

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010. 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados

CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010. 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados Crédito Imobiliário O Crédito Imobiliário é uma modalidade de financiamento que viabiliza a compra de um imóvel usado

Leia mais

Pós-Graduação em COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

Pós-Graduação em COMUNICAÇÃO CORPORATIVA Pós-Graduação em COMUNICAÇÃO CORPORATIVA Ingresso Março 2016 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Comunicação Corporativa O Pós em Comunicação Corporativa é um curso de Pós-Graduação

Leia mais

DISCIPLINA: MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS PROFESSOR: GILBERTO DE CASTRO TIMOTHEO APOSTILA: 6 ASSUNTO PRINCIPAL: Administração da dívida Pública

DISCIPLINA: MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS PROFESSOR: GILBERTO DE CASTRO TIMOTHEO APOSTILA: 6 ASSUNTO PRINCIPAL: Administração da dívida Pública 1 Mercado Secundário de Open Market 2 Operações de Overnight 3 Tesouro Direto 1 Mercado Secundário de Open market É um mercado secundário onde são negociados os títulos federais emitidos anteriormente

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRÉDITO E CONTAS A RECEBER

ADMINISTRAÇÃO DE CRÉDITO E CONTAS A RECEBER UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG.- Telefax: (34) 3223-2100 Disciplina: Gestão

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013

Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013 Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013 Diretrizes para Investimentos em Imóveis Índice 1. Contratação de Corretores, Avaliadores e Consultores Imobiliários... 3 2. Critérios para Aquisições e Alienações...

Leia mais

BNDES FGI Fundo Garantidor para Investimentos. Agosto de 2011

BNDES FGI Fundo Garantidor para Investimentos. Agosto de 2011 BNDES FGI BNDES FGI Fundo Garantidor para Investimentos Agosto de 2011 Por que solicitar a garantia do BNDES FGI? Em que ela é útil? A garantia do BNDES FGI pode aumentar as chances de uma empresa conseguir

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

Conceitos e princípios básicos de Matemática Financeira aplicada à vida cotidiana do cidadão

Conceitos e princípios básicos de Matemática Financeira aplicada à vida cotidiana do cidadão Conceitos e princípios básicos de Matemática Financeira aplicada à vida cotidiana do cidadão Aula 6 Técnico em Saúde Bucal Matéria: Administração de Serviços em Saúde Bucal Dr. Flavio Pavanelli CROSP 71347

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA ABRIL 2011 1 1. APRESENTAÇÃO A expansão das atividades de ensino e melhoramento da infraestrutura física ofertada tem exigido da Faculdade

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes.

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Data Base 31.12.2010 Dados do declarante Participação no capital social do declarante Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Poder de voto de

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Empréstimo e cartão consignado

Empréstimo e cartão consignado outubro/2014 Empréstimo e cartão consignado direcionados a aposentados e pensionistas Todo aquele que recebe benefícios de aposentadoria ou pensão por morte pagos pela Previdência Social pode obter crédito

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DE TAXA DE JUROS NAS MODALIDADES: CRÉDITO PESSOAL, CONSIGNADO E CHEQUE ESPECIAL NA CIDADE DE GOIÂNIA

RELATÓRIO DA PESQUISA DE TAXA DE JUROS NAS MODALIDADES: CRÉDITO PESSOAL, CONSIGNADO E CHEQUE ESPECIAL NA CIDADE DE GOIÂNIA RELATÓRIO DA PESQUISA DE TAXA DE JUROS NAS MODALIDADES: CRÉDITO PESSOAL, CONSIGNADO E CHEQUE ESPECIAL NA CIDADE DE GOIÂNIA Pesquisa realizada pelos técnicos do Procon Goiás, entre os dias 4 e 9 de setembro

Leia mais

O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do

O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do 1 O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do Estado. 2 Sumário 1. Limite de Crédito pág. 03 2. BDMG

Leia mais

Fies - (Fundo de Financiamento Estudantil)

Fies - (Fundo de Financiamento Estudantil) Fies - (Fundo de Financiamento Estudantil) 1 - O QUE É É um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados em instituições não gratuitas.

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do

O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do 1 O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do Estado. 2 Sumário 1) LIMITE DE CRÉDITO... 3 2) BDMG

Leia mais

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac.

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. 1 APRESENTAÇÃO Com a aproximação do Dia dos Pais, a Fecomércio/Ac,

Leia mais

Portabilidade de Crédito sairá do papel?

Portabilidade de Crédito sairá do papel? Portabilidade de Crédito sairá do papel? Paulo Henrique Valadares Pereira Banco Cooperativo Sicredi 1 Objetivo Compartilhar informações sobre a Portabilidade de Crédito, seu desempenho no mercado de crédito

Leia mais