ASSUNTO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO IRRF MOLÉSTIA GRAVE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSUNTO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO IRRF MOLÉSTIA GRAVE"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM MACAPÁ SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA - SAORT PROCESSO Nº PARECER x INTERESSADO CNPJ/CPF DOMICÍLIO FISCAL ASSUNTO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO IRRF MOLÉSTIA GRAVE I - RELATÓRIO Versam os autos sobre Pedido de Restituição protolizado nesta DRF em, fls. xxxx, concernente a Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF-0561), ano-calendário xxxx, incidente sobre o 13º salário decorrente dos rendimentos recebidos do x, no valor de R$ xxxx, sob a alegação de que é portador de moléstia grave (cardiopatia grave), nos termos dos documentos (fls. xxxx) emitido pela Junta Médica do Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde, Superintendência Estadual do Amapá. É, em síntese, o relato. II FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 2. Preliminarmente, ao exame do juízo de admissibilidade, verifica-se que o Pedido de Restituição mediante formulário preenche os pressupostos exigíveis, no que concerne à restituição de IRRF sobre o 13º salário, haja vista a impossibilidade de utilização do Programa PER/DCOMP, nos termos do que dispõe o art. 3º, inc. I, 2º, c/c os 2º e 3º do art. 98 da IN SRF 900/2008, vigente na data do pedido. 3. O art. 165, inciso I, da Lei 5.172/66 - CTN, dispõe que o sujeito passivo tem direito à restituição total ou parcial do

2 tributo que houver pago indevidamente, qualquer que seja a cobrança ou pagamento espontâneo de tributo indevido ou maior que o devido em face da legislação aplicável, ou da natureza ou circunstâncias materiais de fato gerador efetivamente ocorrido. 4. A Instrução Normativa SRF nº 900, de 30 de dezembro de 2008, disciplina a matéria sob análise nos seguintes termos: Art. 2º Poderão ser restituídas pela RFB as quantias recolhidas a título de tributo sob sua administração, bem como outras receitas da União arrecadadas mediante Darf ou GPS, nas seguintes hipóteses: I - cobrança ou pagamento espontâneo, indevido ou em valor maior que o devido; Art. 3º A restituição a que se refere o art. 2º poderá ser efetuada: I - a requerimento do sujeito passivo ou da pessoa autorizada a requerer a quantia; ou II - mediante processamento eletrônico da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (DIRPF). 1º A restituição de que trata o inciso I do caput será requerida pelo sujeito passivo mediante utilização do programa Pedido de Restituição, Ressarcimento ou Reembolso e Declaração de Compensação (PER/DCOMP). 2º Na impossibilidade de utilização do programa PER/DCOMP, o requerimento será formalizado por meio do formulário Pedido de Restituição, constante do Anexo I, ou mediante o formulário Pedido de Restituição de Valores Indevidos Relativos a Contribuição Previdenciária, constante do Anexo II, conforme o caso, aos quais deverão ser anexados documentos comprobatórios do direito creditório. (grifos do subscrito) 5. O legislador ordinário estabeleceu dois requisitos cumulativos, indispensáveis à concessão da isenção por portadores de moléstia grave. Um reporta-se à natureza dos valores recebidos, que devem ser proventos de aposentadoria ou reforma e pensão, e o outro se relaciona com a existência da moléstia tipificada no artigo 6º, incisos XIV e XXI da Lei n 7.713/88, com redação dada pelo art. 47 da Lei nº 8.541/92, tendo o inciso XIV sido alterado, posteriormente, pela Lei nº , de 29 de dezembro de 2004:

3 Art. 6º Ficam isentos do imposto de renda os seguintes rendimentos percebidos por pessoas físicas: XIV os proventos de aposentadoria ou reforma motivada por acidente em serviço e os percebidos pelos portadores de moléstia profissional, tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira, hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, hepatopatia grave, estados avançados da doença de Paget (osteíte deformante), contaminação por radiação, síndrome da imunodeficiência adquirida, com base em conclusão da medicina especializada, mesmo que a doença tenha sido contraída depois da aposentadoria ou reforma; (Redação dada pela Lei nº , de 2004) (Grifos não orginais) 6. A Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, ao tratar sobre a isenção em comento, dispôs: Art. 30. A partir de 1º de janeiro de 1996, para efeito do reconhecimento de novas isenções de que tratam os incisos XIV e XXI do art. 6º da Lei nº 7.713, de 22 de dezembro de 1988, com a redação dada pelo art. 47 da Lei nº 8.541, de 23 de dezembro de 1992, a moléstia deverá ser comprovada mediante laudo pericial emitido por serviço médico oficial, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. (grifos do subscrito) 7. A matéria sob exame encontra-se disciplinada no art. 39, inciso XXXIII, e 5º, incisos I, II e III, do Decreto nº 3.000, de 26 de março de 1999, Regulamento do Imposto de renda (RIR/1999), dispondo o art. 43 sobre a tributação dos rendimentos do trabalho assalariado. 8. O Ato Declaratório (Normativo) Cosit nº 19, de 25 de outubro de 2000, por sua vez, declara que estão isentos do imposto de renda os rendimentos recebidos acumuladamente por pessoa física portadora de moléstia grave, atestada por laudo médico oficial, desde que correspondam a proventos de aposentadoria ou reforma ou pensão, ainda que se refiram a período anterior à data em que foi contraída a moléstia grave. (grifos não originais)

4 9. A Instrução Normativa SRF nº 15, de 6 de fevereiro de 2001, ao dispor sobre normas de tributação relativas à incidência do imposto de renda das pessoas físicas, estabelece: Art. 5º Estão isentos ou não se sujeitam ao imposto de renda os seguintes rendimentos: XII - proventos de aposentadoria ou reforma motivadas por acidente em serviço e recebidos pelos portadores de moléstia profissional, tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira, hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, estados avançados da doença de Paget (osteíte deformante), contaminação por radiação, síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids) e fibrose cística (mucoviscidose); 1º A concessão das isenções de que tratam os incisos XII e XXXV, solicitada a partir de 1º de janeiro de 1996, só pode ser deferida se a doença houver sido reconhecida mediante laudo pericial emitido por serviço médico oficial da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios. 2º As isenções a que se referem os incisos XII e XXXV aplicam-se aos rendimentos recebidos a partir: III - da data em que a doença foi contraída, quando identificada no laudo pericial.(grifos do subscrito) 10. A aposentadoria é a condição de inatividade para a qual um servidor passa depois de cumpridas certas regras, ou seja, para receber proventos de aposentadoria pressupõe-se que o servidor esteja na condição de inativo. Para a legislação tributária, o valor recebido a título de vencimento por servidor que ainda esteja em atividade é integralmente tributável (RIR/99, art. 43, I).

5 11. Para estabelecer o marco inicial para o gozo da isenção do imposto de renda concedida à portador de doença grave necessário se faz verificar, no laudo pericial, a data em que a doença foi contraída, cumulada com a condição necessária de estar aposentado, a isenção só poder alcançar rendimentos do trabalho assalariado recebidos a partir do mês reconhecido pelo laudo ou parecer oficial. 12. O laudo oficial de fls. xxx, descreve que a moléstia foi diagnosticada em xxxx, nos termos do que preconiza o inciso II, 5º, art. 39 do Decreto nº 3.000/99, reforçado pela Instrução Normativa SRF nº 15/2001, no art. 5º, 2º, inciso III, retro. 13. Do cotejo das informações constante dos autos, pode-se verificar que o requerente encontra-se aposentado, desde xxx, de acordo com a Portaria nº xxx, de xx de dezembro de xxx, fl. xx; fazendo jus ao benéfico da isenção sobre seus rendimentos, a partir da data em que foi diagnosticado a moléstia pela junta médica oficial, por ser portador de moléstia grave (CID I-20 cardiopatia grave). 14. Objetivando certificar a retenção indevida foi colacionada aos autos a tela Dirf consulta Declarações Beneficiário (fl. xxx), extraídas do Portal Dirf da Secretaria da Receita Federal do Brasil, comprovando a retenção pela fonte pagadora () da importância de R$ xxxx do imposto sob análise. 15. Ressalte-se que o fato gerador do imposto de renda é o efetivo pagamento, in casu, o 13º (décimo terceiro salário) é o mês de dezembro. III - CONCLUSÃO 16. Isto posto, resta demonstrada a consistência, das informações prestadas pela requerente, merecendo, portanto, o reconhecimento do direito creditório pleiteado concernente ao IRRF-0561 sobre o 13º (décimo terceiro) salário, retido pela fonte pagadora, no ano-calendário de xxx, no montante original de R$ x, em face de ser portador de moléstia grave (CID I-20 cardiopatia grave), assim como, ter origem os respectivos

6 rendimentos em proventos de aposentadoria, ressalvado melhor juízo da autoridade administrativa. MF - SRRF/2ª RF - DRF MACAPÁ-AP SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA Em xxx assinado digitalmente

7 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM MACAPÁ SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA - SAORT Processo n.º xxx Interessado: xx CNPJ/ CPF: xxxxxxx DESPACHO DECISÓRIO DRF/MCA/SAORT Nº xxxx/2013 Diante do exposto no Parecer Saort/DRF/MCA nº xxx/2013, que aprovo e torno parte integrante deste Despacho, conclui-se pela procedência do pleito sub examine e usando da competência atribuída pelo art. 2º, inciso I da Portaria DRF/MCA nº 87, de 6 de agosto de 2007, decido RECONHECER o direito creditório no montante original de R$ x, proveniente IRRF-0561 sobre o 13º(décimo terceiro) salário, retido pela fonte pagadora, no ano-calendário de xxx. 2. Movimente-se o processo em tela para a EQUIPE PERDCOMP-SAORT-DRF-MCA-AP, objetivando a cientificação do sujeito passivo, sobre o inteiro teor do Parecer Saort/DRF/MCA nº xxx/2013 e do presente Despacho Decisório, com a observância dos demais procedimentos normatizados pela Instrução Normativa RFB 900/2008 e Resolução CGSN nº 39, de 1º de setembro de 2008, vigente na data do pedido. MF - SRRF/2ª RF - DRF MACAPÁ-AP SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA Em xxx de XXX de assinado digitalmente xxxx

Processo nº 13854.720271/2014-90 Parecer SARAC/DRF/DOU/MS nº 31/2015

Processo nº 13854.720271/2014-90 Parecer SARAC/DRF/DOU/MS nº 31/2015 Processo nº 13854.720271/201490 Parecer SARAC/DRF/DOU/MS nº 31/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM DOURADOS MS Seção de Arrecadação

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 10 - Data 14 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: Imposto sobre a Renda de Pessoa Física - IRPF Os valores recebidos

Leia mais

IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA

IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA Instrução Normativa SRF 15, de 6/2/2001 O que é? Os portadores de câncer (neoplasia maligna) estão isentos do Imposto de Renda relativo aos rendimentos de

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 301 - Data 17 de outubro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA - IRPF PREVIDÊNCIA PRIVADA-PGBL.

Leia mais

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE Ano Calendário/ 2010 Quer entender um pouco mais sobre este documento? Conheça as informações que devem constar em cada quadro

Leia mais

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR A Lei n.º 11.053, de 29 de dezembro de 2004, trouxe

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 48 - Data 10 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Imposto sobre a Renda de Pessoa Física - IRPF Ementa: Consulta parcialmente

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se redigir ação declaratória, cumulada com ação de repetição de indébito, endereçada à justiça federal. Fundamento de mérito: art. 6.º, inciso XIV, da Lei n.º 7.713/1988, com a redação

Leia mais

EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS GRAVES. ROL

EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS GRAVES. ROL PARECER N. 001/2015-SINDIJUS/MS INTERESSADO: SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL SINDIJUS/MS EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS

Leia mais

Informações sobre Aposentadoria

Informações sobre Aposentadoria MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior Departamento do Serviço Exterior Informações sobre Aposentadoria Departamento do Serviço Exterior Divisão de Pagamentos Esplanada

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de recurso interposto por GIOVANNI ALVISI JARDIM.

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de recurso interposto por GIOVANNI ALVISI JARDIM. Recurso nº. : 147.460 Matéria : IRPF - Ex(s): 2001 Recorrente : GIOVANNI ALVISI JARDIM Recorrida : 5ª TURMA/DRJ-BELO HORIZONTE/MG Sessão de : 27 de julho de 2006 RENDIMENTOS - MOLÉSTIA GRAVE - ISENÇÃO

Leia mais

Seja portador de uma das seguintes doenças: AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida): Doença de Paget em estados avançados (Osteíte deformante):

Seja portador de uma das seguintes doenças: AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida): Doença de Paget em estados avançados (Osteíte deformante): 1 POR DESCONHECIMENTO APOSENTADOS PORTADORES DE DOENÇAS GRAVES NÃO GOZAM DA ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA IRPF E DEIXAM DE RESTITUIR VALORES RECOLHIDOS INDEVIDAMENTE - Lei nº. 7.713/1988

Leia mais

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA)

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA) ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA) Recebi o diagnóstico de ELA e agora? Orientações básicas sobre direitos previdenciários Esta cartilha surgiu com a intenção de esclarecer dúvidas frequentes, quando

Leia mais

CADERNO APOS Nº 3 ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PARA PORTADORES DE DOENÇA GRAVE

CADERNO APOS Nº 3 ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PARA PORTADORES DE DOENÇA GRAVE CADERNO APOS Nº 3 ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PARA PORTADORES DE DOENÇA GRAVE Edição 1 (agosto/15) 1 1 Introdução... 3 2 Condições para Isenção do Imposto de Renda Pessoa Física... 3 2.1 Situações que

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE COMPROVANTE ANUAL DE RENDIMENTOS PAGOS OU CREDITADOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

Leia mais

Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Altera o art. 186, da Lei 8.112/90 e o art. 151 da Lei 8.213/91 O Congresso Nacional decreta: Art. 1º - O 1º, do art. 186, da Lei 8.112/90, passa

Leia mais

ACORDO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL - JAPÃO

ACORDO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL - JAPÃO ACORDO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL E JAPÃO 63 ACORDO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL - JAPÃO Acordo internacional Brasil/Japão, que foi assinado em 29 de julho de 2010 e entrou em vigor em 1º de março de

Leia mais

CARTILHA PARA EMISSÃO DA DIRF NO ESTADO DA BAHIA

CARTILHA PARA EMISSÃO DA DIRF NO ESTADO DA BAHIA CARTILHA PARA EMISSÃO DA DIRF NO ESTADO DA BAHIA 2014 1 ÍNDICE 1. O QUE É DIRF... 3 2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA DIRF... 3 3. QUAIS INFORMAÇÕES DEVEM CONSTAR NA DIRF... 5 4. CRITÉRIOS UTILIZADOS PARA

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Pagos e de Imposto Sobre a Renda Retido na Fonte

Comprovante de Rendimentos Pagos e de Imposto Sobre a Renda Retido na Fonte Comprovante de Rendimentos Pagos e de Imposto Sobre a Renda Retido na Fonte INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE Quadro 3: Nesse

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

Perguntas e Respostas Dirf 2015 Programa Gerador da Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte versão 1.0

Perguntas e Respostas Dirf 2015 Programa Gerador da Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte versão 1.0 Perguntas e Respostas Dirf 2015 Programa Gerador da Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte versão 1.0 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROGRAMA GERADOR DA DECLARAÇÃO

Leia mais

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo INSS - DIRETORIA DE BENEFÍCIOS XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo Filomena Maria Bastos Gomes Coordenadora Geral de Benefícios por Incapacidade

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011

PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011 PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011 Processo-Consulta Protocolo CREMEC nº 5032/2011 Assunto: DOENÇA DE ALZHEIMER Relatora: DRA. PATRÍCIA MARIA DE CASTRO TEIXEIRA EMENTA: DOENÇA DE ALZHEIMER. PORTADOR.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL);

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL); PROTOCOLO GERAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÕES: 1. APOSENTADORIA REQUERIMENTO ASSINADO PELO SERVIDOR E COM VISTO DO CHEFE IMEDIATO (ORIGINAL); OBS.: APOSENTADORIA COMPULSÓRIA - NÃO É NECESSÁRIO

Leia mais

Dirf 2013 PERGUNTAS & RESPOSTAS

Dirf 2013 PERGUNTAS & RESPOSTAS Dirf 2013 PERGUNTAS & RESPOSTAS INFORMAÇÕES GERAIS... 5 1 - O que é a Dirf?... 5 2 - Onde obter mais informações sobre a Dirf 2013?... 5 3 - O que é o Batimento Dirf x Darf?... 5 4 - O que é o Batimento

Leia mais

O seu futuro em boas mãos

O seu futuro em boas mãos O seu futuro em boas mãos Previdência Social de Campina Grande do Sul Paraná Previdência Social de Campina Grande do Sul Paraná Março 1994 Aposentadoria por Tempo de Contribuição Os Servidores Públicos

Leia mais

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho A. Aposentadoria por invalidez Decreto Federal nº 3.048, de 06 de maio de 1999 (Regulamento da Previdência Social), que regulamentou a Lei Federal nº 8.122, de 24 de julho de 1991 (Lei Orgânica da Seguridade

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013

INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 Considerando a publicação da Instrução Normativa (IN) nº 1.343 em 08 de abril de 2013 pela Receita

Leia mais

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP MINISTÉRIO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ÓRGÃOS EXTINTOS SAN Quadra 03 Lote A Ed. Núcleo dos Transportes Sala nº 2237 CEP: 70.040-902 BRASÍLIA DF ESPAÇO RESERVADO

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR Quadro Comparativo Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015 Tabela do Imposto de Renda Publicada em 11 de março de 2015. LEGISLAÇÃO TEXTO DA MP TRECHO DA EM Nº 00045/2015 MF Altera a Lei nº 11.482,

Leia mais

INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> INTRODUÇAO... OBRIGATORIEDADE... NOVAS REGRAS... DESPESAS DEDUTIVEIS... DECLARAÇÃO DE BENS E DÍVIDAS... DOENÇA GRAVE... PRAZO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IFC 02/2015, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA IFC 02/2015, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA IFC 02/2015, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a regulamentação de critérios para fins de análise socioeconômica aos estudantes inscritos no Programa de Assistência Estudantil

Leia mais

ACORDO BRASIL/JAPÃO 1

ACORDO BRASIL/JAPÃO 1 ACORDO BRASIL/JAPÃO 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - INSS PRESIDÊNCIA DIRSAT DIRBEN DIRAT DGP DIROFL PFE AUDGER CORREG SUP REGIONAL CGAIS CGRD CGGPB GEX CAINTER APS Corpo funcional: 39 mil servidores 2 ESTRUTURA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DIRBEN. Corpo funcional: 39 mil servidores CGRD CAINTER DIRSAT SUP REGIONAL GEX APS

PRESIDÊNCIA DIRBEN. Corpo funcional: 39 mil servidores CGRD CAINTER DIRSAT SUP REGIONAL GEX APS ACORDO BRASIL/JAPÃO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - INSS PRESIDÊNCIA DIRSAT DIRBEN DIRAT DGP DIROFL PFE AUDGER CORREG SUP REGIONAL CGAIS CGRD CGGPB GEX CAINTER APS Corpo funcional: 39 mil servidores ESTRUTURA

Leia mais

PARECER CFM 46/15 INTERESSADO:

PARECER CFM 46/15 INTERESSADO: PARECER CFM nº 46/15 INTERESSADO: J.C.M.G. Junta Médica Regional do Ministério da Fazenda ASSUNTO: Patologias neoplásicas malignas RELATOR: Cons. José Fernando Maia Vinagre EMENTA: Todo indivíduo portador

Leia mais

MANUAL DE TRIBUTAÇÃO DO PARTICIPANTE FAELBA

MANUAL DE TRIBUTAÇÃO DO PARTICIPANTE FAELBA MANUAL DE TRIBUTAÇÃO DO PARTICIPANTE FAELBA Apresentação Este material tem o propósito de informar, orientar e instruir o participante no que tange à tributação dos benefícios de aposentadoria e resgates

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL PROCESSO Nº 38459-37.2013.4.01.3400 CLASSE : 2100 - MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL IMPETRANTE : ARNALDO ESTEVES SALLES IMPETRADOS : COORDENADOR-GERAL DE RECURSOS HUMANOS DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECISÃO

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1524/2009 Altera a Lei Municipal nº 1032 de 29 de Junho de 1998 e a Lei Municipal nº 1030 de 29 de Junho de 1998 e dá outras providências: Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado

Leia mais

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/10/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Aposentadoria por Invalidez 2.1 - Concessão

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos Acumuladamente (RRA) 24/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 20 PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS Benefícios e Serviços As prestações compreendidas pelo Regime Geral de Previdência Social são expressas em benefícios

Leia mais

VAI ABRIR UMA LOJA VIRTUAL? ENTÃO SIGA UM ROTEIRO CONTÁBIL

VAI ABRIR UMA LOJA VIRTUAL? ENTÃO SIGA UM ROTEIRO CONTÁBIL CADASTRO / SOCIETÁRIO VAI ABRIR UMA LOJA VIRTUAL? ENTÃO SIGA UM ROTEIRO CONTÁBIL Montar o seu comércio, seja ele físico ou virtual, requer foco, disciplina e uma boa dose de paciência. E ainda que o seu

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.258, DE 2005 (Apenso o Projeto de Lei nº 5.365, de 2005)

PROJETO DE LEI Nº 5.258, DE 2005 (Apenso o Projeto de Lei nº 5.365, de 2005) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 5.258, DE 2005 (Apenso o Projeto de Lei nº 5.365, de 2005) Acrescenta incisos ao 8º do art. 6º da Lei nº 10.999, de 15 de dezembro de 2004, para

Leia mais

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos

Leia mais

Licença para Tratamento de Saúde

Licença para Tratamento de Saúde Licença para Tratamento de Saúde Parecer n o 11/03-CRTS Senhora Procuradora-Geral, Ementa: Direito de Pessoal. Licença para Tratamento de Saúde. Arts. 88 e seguintes do Estatuto dos Servidores Municipais.

Leia mais

EDITAL N.º 083/15 DE 24 DE ABRIL DE 2015

EDITAL N.º 083/15 DE 24 DE ABRIL DE 2015 EDITAL N.º 083/15 DE 24 DE ABRIL DE 2015 CHAMAMENTO PÚBLICO O Município de Não-Me-Toque, através da Secretaria Municipal de Habitação, em consonância com o Edital de Seleção Nº 001/2014, a Lei N.º 4.489/2014

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE José Valter Lopes de Oliveira Auditor Fiscal da RFB 02/09/2011 1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE $$ ( -) IRRF FOLHA DE PAGAMENTO SERVIÇOS ALUGUÉIS, ETC 02/09/2011 2 AS

Leia mais

DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE O que é? Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte - DIRF é a declaração feita pela FONTE PAGADORA, com o objetivo de informar à Secretaria da Receita

Leia mais

Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013

Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013 Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013 1. O QUE É 1.1. O Programa de Bolsas de Estudo do Centro Universitário Senac, na modalidade Bolsa Incentivo

Leia mais

DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA

DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA Tendo em vista o início do prazo para a declaração de imposto de renda (IR), a Asscontas traz nesta edição do Afinal de Contas alguns esclarecimentos pontuais que podem ser

Leia mais

ÍNDICE. 1. Objetivos. 3. Saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) 4. Licença para Tratamento de Saúde (Auxílio-Doença)

ÍNDICE. 1. Objetivos. 3. Saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) 4. Licença para Tratamento de Saúde (Auxílio-Doença) ÍNDICE 1. Objetivos 3. Saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) 4. Licença para Tratamento de Saúde (Auxílio-Doença) 5. Aposentadoria por Invalidez 6. Isenção do Imposto de Renda na Aposentadoria

Leia mais

MANUAL DO PACIENTE ONCOLÓGICO

MANUAL DO PACIENTE ONCOLÓGICO MANUAL DO PACIENTE ONCOLÓGICO 1 2 ÍNDICE 1. Objetivos 03 2. Algumas doenças graves previstas em Lei 04 3. Saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) 05 4. Licença para Tratamento de Saúde (Auxílio-Doença)

Leia mais

É o retorno do servidor posto em disponibilidade. A disponibilidade não é uma forma de punição, é uma garantia do servidor.

É o retorno do servidor posto em disponibilidade. A disponibilidade não é uma forma de punição, é uma garantia do servidor. Turma e Ano: TJ ANALISTA JUDICIÁRIO e EXECUTANTE (2014) Matéria / Aula: Estatuto dos Servidores / Aula 2 Professor: Marcelo Chaves Monitor: Juliana Louzada FORMAS DE PROVIMENTO: Recondução: Segundo a Constituição,

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários APRESENTAÇÃO DE ATESTADO À CHEFIA IMEDIATA As licenças

Leia mais

MÓDULO FOLHA DE PAGAMENTO IR-FONTE/DECLARAÇÃO DE DEPENDENTES/COMPROVANTE DE RENDIMENTOS 5.3

MÓDULO FOLHA DE PAGAMENTO IR-FONTE/DECLARAÇÃO DE DEPENDENTES/COMPROVANTE DE RENDIMENTOS 5.3 MÓDULO 5 FOLHA DE PAGAMENTO 5.3 IR-FONTE/DECLARAÇÃO DE DEPENDENTES/COMPROVANTE DE RENDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 5.3. IR-FONTE/DECLARAÇÃO DE DEPENDENTES/COMPROVANTE

Leia mais

DIREITOS DOS PACIENTES COM CÂNCER. Palestra CION/2014

DIREITOS DOS PACIENTES COM CÂNCER. Palestra CION/2014 DIREITOS DOS PACIENTES COM CÂNCER Palestra CION/2014 nagilasauaia@hotmail.com FGTS a) direito de levantar FGTS: 1) trabalhador com neoplasia maligna (câncer) e 2) qualquer trabalhador que tenha dependente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.196.500 - MT (2010/0097690-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : ESTADO DE MATO GROSSO PROCURADOR : ADERZIO RAMIRES DE MESQUITA E OUTRO(S) RECORRIDO : ALOÍSIO GARGAGLIONE

Leia mais

DIRF E COMPROVANTE DE RENDIMENTOS / 2014 - ANO-CALENDARIO 2013

DIRF E COMPROVANTE DE RENDIMENTOS / 2014 - ANO-CALENDARIO 2013 DIRF E COMPROVANTE DE RENDIMENTOS / 2014 - ANO-CALENDARIO 2013 A Instrução Normativa 1.215 de 15/12/2011 dispõem sobre o Comprovante de Rendimentos e a IN 1.406 de 23/10/2013 sobre a Declaração do Imposto

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE BOLSA SOCIAL. Data de Nascimento: / / Idade: anos Sexo: Masculino Feminino. Responsável Legal: CPF:

SOLICITAÇÃO DE BOLSA SOCIAL. Data de Nascimento: / / Idade: anos Sexo: Masculino Feminino. Responsável Legal: CPF: SOLICITAÇÃO DE BOLSA SOCIAL Protocolo de Solicitação: Beneficiário: Data de Nascimento: / / Idade: anos Sexo: Masculino Feminino Ensino: Infantil Nível: Médio: Ano Fundamental Ano Profissionalizante: Ano

Leia mais

Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas

Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Comissão: Ana Maria Coelho Laurenti Elisângela Rodrigues Carrijo José Francisco Gregoracci Marco Antonio Zanni Maria Helena Pereira Rosalini Prof. Dr Mauro Rocha Côrtes

Leia mais

ISENÇÃO DE IMPOSTOS DEFICIENTES FÍSICOS OU PESSOAS COM DOENÇAS GRAVES

ISENÇÃO DE IMPOSTOS DEFICIENTES FÍSICOS OU PESSOAS COM DOENÇAS GRAVES ISENÇÃODEIMPOSTOSDEFICIENTESFÍSICOSOU PESSOASCOMDOENÇASGRAVES Em nosso país existem muitas garantias de direitos hoje em dia, mas os cidadãosnãoexigemessesdireitos.istoocorre,namaioriadasvezespelagrande

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fl. 23 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 10 - Data 5 de junho de 2014 Origem DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM PRESIDENTE PRUDENTE (DRF/PPE) ASSUNTO: IMPOSTO

Leia mais

Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ASSISTIDOS COM INÍCIO DO RECEBIMENTO DO BENEFÍCIO NO PERÍODO DE JAN.2008 A DEZ.2012 Perguntas e respostas para entendimento

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA INVALIDEZ PERMANENTE LIVRO II

MANUAL DE APOSENTADORIA INVALIDEZ PERMANENTE LIVRO II ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS DIRETORIA DE PREVIDÊNCIA GERÊNCIA DE

Leia mais

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO CÉLIA PANTALEÃO DE PAULA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO CÉLIA PANTALEÃO DE PAULA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO CÉLIA PANTALEÃO DE PAULA DIREITO PREVIDÊNCIÁRIO JURISPRUDÊNCIAS COMENTADAS LINHARES-ES 2011 CÉLIA PANTALEÃO DE PAULA DIREITO

Leia mais

PORTARIA Nº 025/2009. CONSIDERANDO o elevado volume de perícias judiciais realizadas mensalmente no Jef de Santo André,

PORTARIA Nº 025/2009. CONSIDERANDO o elevado volume de perícias judiciais realizadas mensalmente no Jef de Santo André, PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE SANTO ANDRÉ 26ª Subseção da Seção Judiciária do Estado de São Paulo Av. Pereira Barreto, nº 1.299, Paraíso Santo André SP CEP 09190-610 PORTARIA Nº 025/2009

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador WELLINGTON DIAS

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador WELLINGTON DIAS PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 110, de 2012, da Senadora Vanessa Grazziotin, que altera os arts. 4º e 8º da Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de

Leia mais

5ª REGIÃO FISCAL - DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SALVADOR

5ª REGIÃO FISCAL - DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SALVADOR 5ª REGIÃO FISCAL - DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SALVADOR ORDEM DE SERVIÇO Nº 1, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2008: Institui o Plano de Atuação dos Grupos de Pessoa Física, Jurídica e de Contribuições

Leia mais

Sistel Presente Rio de Janeiro/RJ

Sistel Presente Rio de Janeiro/RJ Sistel Presente Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro, outubro de 2012 Depois de tanto trabalho, enfim um tempo para organizar as coisas da vida... Por onde começar? Regularizando a papelada sucessão hereditária

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO 2016

EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO 2016 EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO 2016 A Diretora do Colégio Dom Bosco, no exercício das atribuições que lhe conferem o seu Regimento Escolar: - considerando o que determina a Lei 12.101/2009, lei

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA ESTUDO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA Sandra Cristina Filgueiras de Almeida Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO JUNHO/2003 Câmara dos Deputados

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO 2014

EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO 2014 EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO A Diretora da Escola de Ensino Medianeira, no exercício das atribuições que lhe conferem no Regimento Escolar, - considerando a necessidade de estabelecer normas que

Leia mais

Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel.

Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel. Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel. Isenção de IPI As pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental severa ou profunda, ou autistas, ainda

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 19 - Data 25 de fevereiro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF PRECATÓRIO. CESSÃO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal 03/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão...

Leia mais

PARECER SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70 DE 29/03/12

PARECER SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70 DE 29/03/12 PARECER SOBRE A Rio de Janeiro, 26 de setembro de 2012. EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70 DE 29/03/12 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE AS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS APOSENTADOS OU

Leia mais

REQUERIMENTO. MD. Presidente do CRTR 17ª Região, Eu, CPF:, CRTR 17 venho através deste requerer:

REQUERIMENTO. MD. Presidente do CRTR 17ª Região, Eu, CPF:, CRTR 17 venho através deste requerer: REQUERIMENTO Ilmo. Sr. TR. Wellington Miranda Carvalho MD. Presidente do CRTR 17ª Região, Eu, CPF:, CRTR 17 venho através deste requerer: ( ) Baixa de Registro Profissional de Franqueado do PRAP e mudança

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA (RTU) - HABILITAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE INTERVENIENTES - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 242 - Data 12 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Normas Gerais de Direito Tributário ISENÇÃO. ANALOGIA INAPLICABILIDADE.

Leia mais

O artigo 1º da Lei nº 10.048/00 passou a ter nova redação após o advento do Estatuto do Idoso 2, como se vê adiante:

O artigo 1º da Lei nº 10.048/00 passou a ter nova redação após o advento do Estatuto do Idoso 2, como se vê adiante: A Lei nº 10.048/00 conferiu atendimento prioritário a determinado grupo de pessoas, o que foi regulamentado pelo Decreto nº 5.296/04, sendo também estabelecidas prioridades pela Lei nº 12.008/09, e, no

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 271 - Data 26 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF FONTE PAGADORA. OBRIGAÇÕES

Leia mais

Assunto: Conversão de licença para tratar de interesses particulares em licença para tratamento de saúde. SUMÁRIO EXECUTIVO

Assunto: Conversão de licença para tratar de interesses particulares em licença para tratamento de saúde. SUMÁRIO EXECUTIVO Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral de Elaboração, Orientação e Consolidação das Normas

Leia mais

GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS

GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS A Lei nº 10.048/00 conferiu atendimento prioritário a determinado grupo de pessoas,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 10 9 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 22 - Data 6 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA RETENÇÃO INDEVIDA DE TRIBUTOS

Leia mais

PROCESSO DE RENOVAÇÃO DA BOLSA DE ESTUDO

PROCESSO DE RENOVAÇÃO DA BOLSA DE ESTUDO Edital 001 /2015 PROCESSO DE RENOVAÇÃO DA BOLSA DE ESTUDO Dispõe sobre o PROCESSO DE RENOVAÇÃO DA BOLSA DE ESTUDO para o Ensino Fundamental - Anos Iniciais, Finais e Ensino Médio do Colégio Salesiano São

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

Previdência: Aposentadoria por invalidez e outros direitos. Porto Alegre RS 27 de agosto de 2013

Previdência: Aposentadoria por invalidez e outros direitos. Porto Alegre RS 27 de agosto de 2013 Previdência: Aposentadoria por invalidez e outros direitos. Porto Alegre RS 27 de agosto de 2013 - Seguridade Social; - Regimes Previdenciários; - Regime Próprio de Previdência Social; - Benefícios Previdenciários;

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicada no DOE(Pa) de 29.11.05. Alterada pela IN 05/13. Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Informações Econômico-Fiscais - DIEF relativa

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

Auxílio doença: período de carência e as distorções do benefício refletidas no Direito do Trabalho

Auxílio doença: período de carência e as distorções do benefício refletidas no Direito do Trabalho Este texto foi publicado no site Jus Navigandi no endereço http://jus.com.b r/artigos/17634 Para ver outras publicações como esta, acesse http://jus.com.b r Auxílio doença: período de carência e as distorções

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 26/10/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Seguro-Desemprego 3 - Finalidade 4 - Requisitos 4.1

Leia mais