SISTEMA ELETRÔNICO ANTI-INCRUSTAÇÃO. sua alternativa ecológica para tratamento de águas calcárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA ELETRÔNICO ANTI-INCRUSTAÇÃO. sua alternativa ecológica para tratamento de águas calcárias"

Transcrição

1 SISTEMA ELETRÔNICO ANTI-INCRUSTAÇÃO sua alternativa eclógica para tratament de águas calcárias

2 A ÁGUA DURA E O PROBLEMA DA INCRUSTAÇÃO O QUE É A ÁGUA DURA OU ÁGUA CALCÁRIA? A dureza da água é predminantemente causada pela presença de sais de Cálci e Magnési, na frma mais cmum de carbnats e bicarbnats, além de clrets, nitrats e sulfats. Nas regiões de rchas calcárias, a água subterrânea apresenta esta característica devid à dissluçã desses minerais durante seu mviment através d subsl. A dureza da água é medida geralmente cm base na quantidade de partes pr milhã (ppm) u miligramas pr litr (mg/l) de Carbnat de Cálci CaCO 3. Quant mais alt este valr, mais "dura" será cnsiderada a água. Para efeit de ptabilidade para cnsum human, sã admitids valres relativamente alts de dureza. N Brasil, a Prtaria d Ministéri da Saúde n.º de 14 de dezembr de 2011, estabelece limite máxim de 500 mg/l para que a água seja admitida cm ptável. A bjeçã fica pr cnta d gst, que eventualmente pde ser cnsiderad uma característica desagradável. CLASSIFICAÇÃO DA ÁGUA cnfrme ter de dureza muit branda 0 a 70 ppm branda ppm média dureza ppm dura ppm muit dura mais de 350 ppm Para um númer vast de aplicações, cm cmbate a incêndi u lavagem das ruas, a água teria de ser muit dura antes de causar prblemas. Para utrs uss, tant dméstics cm industriais, n entant, a água dura causa muits incnvenientes prvcads pela incrustaçã ds sais, além da incapacidade u dificuldade de sabã fazer espuma.

3 O QUE SÃO AS INCRUSTAÇÕES? As incrustações aparecem quand a água dura crre através de tubulações, através de equipaments e máquinas u em superfícies nde mantém cntat. O cálci e magnési disslvids na água se cristalizam de frma desrdenada e estes cristais se aderem um a utr e às superfícies de cntat, prduzind de imediat, crstas firmes e sólidas que tem um efeit dans n flux da água, cm mstra a figura. FATORES QUE ACELERAM AS INCRUSTAÇÕES Incrustações aparecem particularmente em pnts nde existe mudança de pressã, cm nas cnexões nde flux é turbulent pela existência de bstáculs e válvulas, pelas mudanças de direçã e em saídas de água cm trneiras, chuveirs e registrs. A queda brusca de pressã favrece a frmaçã de cristais de cálci, cuja estrutura adere e se depsita em qualquer lugar. Incrustações crrem também quand a temperatura da água aumenta dentr das tubulações u sistemas; quant mais quente a superfície, mais rápida a depsiçã ds cristais de cálci. Estes prblemas pdem ser encntrads em aquecedres, caldeiras e trcadres de calr.

4 PROBLEMAS CAUSADOS PELAS INCRUSTAÇÕES DE CÁLCIO E FERRUGEM Dentre s inúmers prblemas causads pelas incrustações de cálci e pela ferrugem à elas assciada, pdems destacar s seguintes: Blquei d sistema de tubulações Perda de pressã de água devid à reduçã d diâmetr d tub Acúmul de ferrugem ns tubs que pde prvcar crrsã Desenvlviment de bactérias em tubulações de água ptável Repars cntínus ns sistemas e em equipaments cmerciais e industriais Substituiçã de td sistema de tubulaçã Perda de energia ns sistemas de água quente e alt cust de aqueciment Superfícies sem brilh em czinhas e instalações sanitárias Alt cust de limpeza e necessidade de detergentes mais agressivs Falhas em equipaments e máquinas Alt cust de prduçã devid à manutençã de equipaments Queda na prdutividade da empresa FERRUGEM ASSOCIADA ÀS INCRUSTAÇÕES DE CÁLCIO As incrustações frmadas apenas pr cálci e magnési sã de cr branca, mas a mairia das incrustações tem uma cr marrm, pis td ferr cntid na água e suas partículas xidadas aderem às crstas existentes e criam cndições favráveis a prcess de crrsã ds tubs. DESENVOLVIMENTO DE BACTÉRIAS: EFEITO COLATERAL A rugsidade da superfície das incrustações cria um camp fértil para a prliferaçã de bactérias e utrs micr-rganisms indesejáveis, seja em ambiente de água fria u quente.

5 A TECNOLOGIA VULCAN E SEUS EFEITOS TRATAMENTO FÍSICO DA ÁGUA PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO VULCAN é um sistema de tratament físic da água que NÃO usa sais u utrs prduts químics. Ele nã altera a cmpsiçã química da água. A invés diss, VULCAN altera as características físicas ds cristais incrustantes de cálci de frma que estas partículas perdem pder de adesã. VULCAN nã necessita ter cntat diret cm a água e é instalad externamente à tubulaçã. VULCAN trata a água cm impulss elétrics que sã gerads na unidade eletrônica e cntrlads pr um micrchip cmputadrizad. A frequência d sinal é transmitida através das fitas de impuls que sã enrladas em trn ds tubs. As fitas interagem as pares e frmam um camp de frequência que trata a água que passa n tub. As fitas de impuls agem cm pares, um lad direit e utr esquerd. Cada lad dispara um padrã específic de sinal alternad que é enviad dez vezes pr segund a tub. O camp eletrônic de impulss é gerad cm frequências entre e Hz. Devid à alternância ds lads d sinal que significa que apenas um lad da fita está ativ a cada vez as frequências d camp de impuls sã sbrepstas. Este efeit multiplica s padrões de frequência que nvamente criam ressnâncias harmônicas específicas. 1º EFEITO: VULCAN DETEM O PROCESSO DE INCRUSTAÇÃO Sem tratament VULCAN, as partículas de cálci se cristalizam de frma desrdenada e estes cristais prduzem incrustações firmes e sólidas. A tecnlgia patenteada de impulss VULCAN mdifica a cristalizaçã d cálci e d magnési usand prcess natural de eletrfrese. Os cristais se trnam mais liss e em frma de varetas e nã pdem mais se aderir uns as utrs. A incrustaçã é levada pela água na frma de um pó fin imperceptível, que impede a frmaçã de nvs depósits. Quant mais cristais mdificads sã criads, mais frte é efeit psitiv na prevençã de incrustaçã.

6 2º EFEITO: VULCAN REDUZ A INCRUSTAÇÃO DA TUBULAÇÃO Na água dura sem tratament, crrem simultaneamente dis prcesss: N primeir prcess, s depósits de incrustaçã resultam da adesã ds cristais de cálci entre si e à superfície interna d tub. Este primeir prcess gera ácid carbônic (H 2 CO 3 ) cm prdut secundári. N segund prcess, ácid carbônic disslve a incrustaçã existente. Iss é descrit cm prcess natural de dissluçã. Cm primeir prcess de depsiçã é mais rápid que este segund prcess, a incrustaçã aumenta cada vez mais, reduzind cnstantemente diâmetr d tub. O tratament cm VULCAN mdifica balanç entre estes dis prcesss: s mncristais em frma de varetas nã frmam mais depósits e assim a frmaçã das incrustações d primeir prcess fica reduzida. Desta maneira, pder natural de dissluçã d segund prcess age efetivamente apenas sbre as incrustações existentes, que sã entã remvidas mais rapidamente d que se frmam. O excess natural d ácid carbônic disslve as incrustações a partir delas mesmas e gradualmente s depósits de cálci ns tubs sã remvids. REMOÇÃO DE INCRUSTAÇÃO = FIM DA FERRUGEM = FIM DAS BACTÉRIAS Da mesma frma que s cristais de cálci sã disslvids gradativamente, as partículas de ferr depsitadas sbre eles sfrem mesm efeit. A limpeza desses depósits cnstitui um prcess brand nde cálci, magnési e ferr minerais saudáveis sã slubilizads e carreads pela água, que permanece própria para cnsum human. As cndições férteis para a prliferaçã das bactérias desaparecem cm a remçã das incrustações e a cntaminaçã é efetivamente reduzida u eliminada.

7 3º EFEITO: VULCAN PROTEGE CONTRA A CORROSÃO PELA FERRUGEM A água dura u calcária prvca xidaçã em tubulações de cbre u ferr, que afeta seriamente a superfície interna d tub e cnduz à crrsã. A tecnlgia de impulss VULCAN gera um efeit de eletrfrese que prduz uma camada prtetra metal-carbnat. De acrd cm material d tub, esta camada cnsiste em carbnat de cbre, carbnat de ferr u carbnat de zinc que se assenta em tda a superfície d metal, prtegend cntra substâncias agressivas que pdem prvcar crrsã ATENÇÃO: VULCAN NÃO É UM SISTEMA MAGNÉTICO VULCAN trabalha exclusivamente cm impulss elétrics que geram efeit de eletrfrese. Outrs aparelhs dispníveis n mercad apesar da aparência similar trabalham cm impulss pr induçã magnética que, além de prduzir desempenh inferir, criam n interir ds tubs um bifilme, perfeit à prliferaçã de bactérias e utras substâncias indesejáveis. AS APLICAÇÕES DE VULCAN Nas regiões nde a água apresenta dureza acima de 120 a 140 mg/l, a instalaçã de VULCAN traz significativa ecnmia na limpeza e manutençã de máquinas, equipaments e instalações cmerciais e industriais, além de deter e reduzir prcess de incrustaçã em td sistema de tubulaçã. Indústrias em geral: trres de resfriament, trcadres de calr, sistemas de refrigeraçã, cndensadres, bmbas de vácu e utras máquinas e equipaments que peram cm água, além de api a abrandadres cnvencinais Cndmínis, grandes edifícis e sistemas de aqueciment slar Htéis, restaurantes, cafés, clubes, spas e piscinas Hspitais, enfermarias, clínicas e indústrias farmacêuticas Agricultura cnvencinal e rgânica, irrigaçã, aduçã e distribuiçã de água Granjas, suinculturas e pecuária Aplicações marítimas: tanques de água de lastr, api a equipaments de smse reversa e destilaçã

8 A ESCOLHA CORRETA DE SEU EQUIPAMENTO VULCAN A ESCOLHA DO MODELO CORRETO DEVE CONSIDERAR DOIS FATORES: DIÂMETRO DO TUBO E VAZÃO. VULCAN FUNCIONA EM QUALQUER TIPO DE TUBO: AÇO, COBRE, FERRO, PVC E OUTROS PLÁSTICOS. MODELO S10 S25 S100 S250 S500 vazã max m 3 /h diâmetr pl 1 ½ máxim mm ptência W 2,00 2,00 2,25 2,25 2,50 2,75 3,25 medidas (1) mm 80x130x 30 85x150x x190x x200x x240x x295x x320x 50 largura fita mm espaç (2) m 0,25 0,35 0,50 0,60 1,20 2,50 5,00 prgramas (1) medidas d aparelh: altura x largura x prfundidade (2) espaç requerid a lng d tub de instalaçã, para psicinament das fitas de impuls Tdas as unidades prduzem gama de frequência de 3 a 32 khz Tdas as unidades sã frnecidas cm fnte elétrica para entrada de 87 a 260 V, 50/60 Hz e saída de 24 V e 600 ma DIÂMETRO DO TUBO Nã imprta se a tubulaçã apresenta aument u reduçã de diâmetr em utras seções, antes u depis da psiçã de VULCAN. Os impulss de VULCAN tratam a água enquant ela passa e é imprtante submeter a intensidade crreta d impuls em tda a extensã d tub ande as fitas estã psicinadas. O impuls nã deve ser nem frac nem muit frte e é exatamente pr iss que VULCAN vem em diverss tamanhs. Iss assegura a frça d impuls cnstante em tda a seçã d tub. DIMENSIONAMENTO CORRETO VULCAN é prjetad para que td prcess de limpeza das incrustações se faça gradualmente, em camadas muit finas, prpiciand a retirada suave e segura ds cristais desagregads, mantend a água sempre própria para cnsum. SUBDIMENSIONAMENTO Se impuls de VULCAN é frac demais, ele nã alcança centr d tub e prcess de limpeza das incrustações fica cmprmetid. SUPERDIMENSIONAMENTO Se prcess de limpeza fr acelerad pela instalaçã de um equipament VULCAN mair que recmendad, s impulss desagregam as incrustações em cristais de tamanh mair que entpem tda a tubulaçã u cmprmetem a qualidade da água.

9 COMBINAÇÃO DE MODELOS Nunca cmbine mdels: duas unidades VULCAN 5000 nunca tem mesm desempenh que uma unidade VULCAN S10 VAZÃO Muitas vezes, principalmente em prédis residenciais, cmerciais, clubes, htéis e similares, a vazã que passa pel pnt de instalaçã de VULCAN é menr que a capacidade d tub, fra ds hráris u dias de pic de cnsum. VULCAN deve ser dimensinad em funçã da vazã máxima de pic e d diâmetr d tub de instalaçã. LOCAL DE INSTALAÇÃO Os técnics da ACQUASOLO pdem lhe rientar sbre a esclha d melhr pnt de instalaçã de VULCAN, cnsiderada a tiplgia de seu empreendiment. A QUALIDADE CWT A EMPRESA Christiani Wassertechnik GmbH CWT é uma empresa familiar fundada em 1948 na cidade de Clônia, Alemanha, está em sua terceira geraçã e sua sede atual se situa na capital Berlim. Cmeçu cm uma empresa de bmbas d água e desde 1975 se especializu n tratament cntra as incrustações calcárias. Seu atual presidente Rlf Christiani acumula a expertise de mais de 30 ans em pesquisas nesse camp. OS INSUMOS A CWT sabe que ótim desempenh de seus prduts depende d elevad padrã de qualidade de seus cmpnentes e só permite que s melhres insums entrem em sua linha de prduçã: desde menr cmpnente elétric da placa de circuit às peças de fundiçã, cnexões, fitas de impuls especialmente prjetadas, plugs e material de acabament e embalagem. Td esse material atende às rígidas especificações técnicas de qualidade vigentes na Alemanha.

10 OS FORNECEDORES Para prduzir uma unidade cmplexa, cm um aparelh técnic eletrônic, é crucial cnhecer e cnfiar ns frnecedres e fabricantes de seus cmpnentes. A CWT sabe diss, trabalha apenas cm cmpnentes fabricads na Alemanha e cnhece seus parceirs pr ans u décadas. A CWT e sua equipe investem, junt cm seus frnecedres, em pesquisas, desenvlviment e invaçã, que lhe permite cncretizar a sua missã: prduzir melhr equipament pssível para tratament de águas. CERTIFICAÇÕES DE QUALIDADE A CWT atende a tds s alts padrões de qualidade estipulads para s prduts Made in Germany. Iss é assegurad pr extensivs testes em seu própri Labratóri de Qualidade, abrangend inúmers cntrles e dcumentaçã adequada. Além diss, sustentabilidade na prduçã e precupaçã ambiental estã presentes n ctidian da CWT. POR ISSO, VULCAN OFERECE 10 ANOS DE GARANTIA FATORES EXTERNOS QUE INFLUENCIAM NO TRATAMENTO ESTADO DO TUBO DE INSTALAÇÃO O tub de instalaçã de VULCAN deve estar limp, lis e isent de camadas velhas u grssas de pintura. N cas de manta de islament térmic, esta deve ser instalada sbre as cintas de impuls. TEMPERATURA DO TUBO DE INSTALAÇÃO Para tubs cuja temperatura exceda 65 C, as cintas nã devem ser enrladas diretamente sbre tub. Cnsulte a ACQUASOLO neste cas. INSTALAÇÃO A CÉU ABERTO VULCAN nã deve ser instalad a ar livre sem uma caixa de prteçã. Cnsulte a ACQUASOLO neste cas.

11 CLIENTES SATISFEITOS VULCAN está presente em mais de 35 países e cnta cm mais de clientes satisfeits, entre s quais se destacam s seguintes:

12 CONHEÇA TAMBÉM A VERSÃO DOMÉSTICA DESTE SISTEMA PARA ELIMINAR OS INCONVENIENTES DA ÁGUA CALCÁRIA: CALMAT. MAIS UM PRODUTO COM A QUALIDADE CWT distribuidr exclusiv para td Brasil: ACQUASOLO EMPREENDIMENTOS TÉCNICOS LTDA. sluções técnicas em água 12 ans de mercad e 40 ans de experiência em águas subterrâneas: cnsultria técnica para timizaçã e mnitrament de sistemas de captaçã, perfilagem ótica de pçs, prjets e fiscalizaçã de bras, implantaçã de sistemas de tratament de água, legalizaçã e utrga de pçs e barraments rua levind lpes, 333 / 1002 savassi bel hriznte mg (31) / (31) /

Quem fabrica o CALMAT? CALMAT é um produto fabricado na Alemanha pela CWT Christiani Wassertechnik GmbH, empresa fundada em 1948, com sede em Berlim.

Quem fabrica o CALMAT? CALMAT é um produto fabricado na Alemanha pela CWT Christiani Wassertechnik GmbH, empresa fundada em 1948, com sede em Berlim. O que é CALMAT? CALMAT é um aparelho para tratamento físico das águas calcárias, que elimina os inconvenientes das incrustações causadas pelos sais de cálcio e magnésio. Além disso, remove as incrustações

Leia mais

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação.

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação. Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris mdulares para sluções em sistemas industriais de mvimentaçã. 11/2012 Esquema de mntagem Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris para esteiras transprtadras Imagem

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificado. Série-R 90-160 kw/125-200 hp

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificado. Série-R 90-160 kw/125-200 hp Cmpressres de Ar de Parafuss Rtativs Lubrificad Série-R - kw/- hp A Ingersll Rand entru em seu segund sécul cnstruind seu legad cm líder glbal em cnfiabilidade, frnecend sluções invadras e a experiência

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Manual de Instruções para Aparelhos Auditivos

Manual de Instruções para Aparelhos Auditivos Manual de Instruções para Aparelhs Auditivs Índice Aparelhs Auditivs persnalizads Cnhecend seu aparelh auditiv Clcand a bateria Clcand e retirand aparelh intracanal/intra-auricular Clcand e retirand aparelh

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

A inovação que conquistou o mundo. Facil instalação e manutenção. Distribuição de ar uniforme 360. Aplicação em tetos altos

A inovação que conquistou o mundo. Facil instalação e manutenção. Distribuição de ar uniforme 360. Aplicação em tetos altos Sistema de ar cndicinad inteligente [60H z] A invaçã que cnquistu mund. Distribuiçã de ar unifrme 360 estas sã algumas das muitas qualidades desse prdut Facil instalaçã e manutençã Aplicaçã em tets alts

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele PVC Nã dá para imaginar a vida mderna sem ele Sã Paul, 26 de nvembr de 2012 A GBC Brasil Ref.: Cmentáris sbre item Materiais e Recurss, crédit 4 Cntrle de Materiais Cntaminantes Referencial GBC Brasil

Leia mais

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 8835-40 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: (47) 32-6000

Leia mais

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Kit Estrgnfe ABN-AB-ABK-ABL METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

Para a sua Casa Para a sua Casa A Shamah sabe a dificuldade que s clientes têm em arrumar uma empresa de cnfiança para slucinar a manutençã da sua casa, sabems a dificuldade de hráris que nsss clientes

Leia mais

LAR - 04/06/08/10. Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1- Outubro/2010

LAR - 04/06/08/10. Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1- Outubro/2010 METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Liquidificadr Industrial de ALTO RENDIMENTO METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METAL RGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração GUIA DO USUÁRIO Termômetrs Prtáteis Termômetr Mdel TM20 cm snda padrã Termômetr Mdel TM25 cm snda de penetraçã 1 TM20-TM25-EU-PT-br V1.6 4/13 Intrduçã Obrigad pr esclher este Termômetr Prtátil Extech para

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica Lista de Exercíci COMPLEMENTAR de Termquímica e Termdinâmica 1) A água expande-se quand cngela. Quant trabalh realiza uma amstra de 100g de água quand cngela a 0 C e estura um can de água quand a pressã

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

LAR - 04/06/08/10. Manual do Usuário. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1 Dezembro/2008 SE É SKYMSEN, PODE

LAR - 04/06/08/10. Manual do Usuário. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1 Dezembro/2008 SE É SKYMSEN, PODE PRODUTOS SE É SKYMSEN, PODE CONFIAR. Manual d Usuári PRODUTOS METAL RGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: +55 47 3211 6000 / 3255

Leia mais

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926.

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926. O PREÇO ALIADO À QUALIDADE O PREÇO ALIADO À QUALIDADE Manual de Instruções Liquidificadr Industrial de ALTO RENDIMENTO O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr:

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro Universidade Federal de Juiz de Fra Birremediaçã e Fitrremediaçã Grup: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Plidr 1 2 Sumári Intrduçã Áreas cntaminadas Remediaçã de sls cntaminads Parâmetrs

Leia mais

GROHE Brasil. Janeiro 2011

GROHE Brasil. Janeiro 2011 GROHE Brasil Janeir 2011 PRESSÃO DE FUNCIONAMENTO: De acrd cm as nrmas brasileiras, s prduts devem pssuir uma vazã mínima, a uma pressã dinâmica de 1,5 m.c.a. Tds s prduts Grhe estã de acrd e superam s

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista Sã Paul, 06 de Julh de 2009. Nº. 341 Divulgar esta infrmaçã para: Diretr Cnselheir Técnic Cnsultres de serviçs Gerente de Serviçs Gerente de Peças Chefe de Oficina Respnsável pela Qualidade Gerente de

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA APOSTILA ELÉTRIA PARA AULA 11 MÓDULO - 1 ORRENTE ONTÍNUA E ALTERNADA Induçã Eletrmagnética Geraçã de crrente cntínua e alternada Frmas de nda - icl - Períd - Frequência lts de pic e pic-a-pic Tensã eficaz

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

A.L.2.6 DUREZA DA ÁGUA E PROBLEMAS DE LAVAGEM

A.L.2.6 DUREZA DA ÁGUA E PROBLEMAS DE LAVAGEM A.L.2.6 DUREZA DA ÁGUA E PROBLEMAS DE LAVAGEM QUÍMICA 11.ºANO QUESTÃO-PROBLEMA Prque é que sabã ne sepre lava be? Prque é que e certas regiões d país a rupa e s cabels acabads de lavar fica áspers? Há

Leia mais

Manual de Instruções. PCP-98M(Monofásico) PCP-98T(Trifásico) POLI O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. 28088.7 - Novembro/2010 LINHA DIRETA

Manual de Instruções. PCP-98M(Monofásico) PCP-98T(Trifásico) POLI O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. 28088.7 - Novembro/2010 LINHA DIRETA O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-10 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: +55 7 3255 2000 Fax: +55 7 3255 2020

Leia mais

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m AUTOR NICOLAU BELLO 1 N I c b e l @ h t m a I l. C m PROPÓSITO DAS INVESTIGAÇÕES Ter relatóris ds acidentes Respstas imediatas inicial Reunir às evidências Análises de suas causas. Ações crretivas. Relatóris

Leia mais

LIMPEZA E DESINFECÇÃO TÉRMICA

LIMPEZA E DESINFECÇÃO TÉRMICA LIMPEZA E DESINFECÇÃO TÉRMICA Cm avanç da tecnlgia nas ultimas décadas, a Central de Materiais e Esterilizaçã CME, adaptu seus métds de limpeza para acmpanhar desenvlviment ds materiais e artigs médic-dnt-hspitalares,

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12.1 MANUTENÇÃO: ELEMENTO CHAVE PARA A UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA Um prgrama bem elabrad de manutençã é um pnt imprtante de qualquer plítica

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

Composição química dos seres vivos I

Composição química dos seres vivos I a a a a ã Cmpsi química ds seres vivs I ã a a a ã ã a a a a ã Milhões de espécies cm frmas e tamanhs variads habitam s mais diverss ambientes d nss planeta e tdas elas, ds mais simples micrrganisms até

Leia mais

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 ESTRATÉGIA DESEGMENTAÇÃO ESTRATÉGIA DE SEGMENTAÇÃO Estrutura segmentada vltada a estratégia

Leia mais

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente,

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente, Questã 46 Um pequen crp é abandnad d repus, n pnt, situad a uma altura h, e atinge sl cm uma velcidade de módul v. Em seguida, mesm crp é disparad verticalmente para cima, a lng da mesma trajetória descrita

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Direção do deslocamento

Direção do deslocamento Referência: Sears e Zemansky Física I Mecânica Capítul 6: TRABALHO E ENERGIA CINÉTICA Resum: Prfas. Bárbara e Márcia. INTRODUÇÃO A imprtância d cnceit de energia se baseia n princípi da cnservaçã da energia:

Leia mais

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Labratóri de Bicmbustíveis Avançads da FEQ INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Para se habilitarem para frneciment de Materiais e Mã de Obra para a execuçã d prjet de instalaçã de gases

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

GTERS SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA

GTERS SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA APRESENTAÇÃO Nssa Empresa denmina-se GTER SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA, cm sede e fr n Municípi d Ri de Janeir RJ, que tem pr finalidade prestar Serviçs de Segurança Cntra Incêndi e Pânic. A segurança

Leia mais

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 1 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Características Técnicas das Cndutas e Câmaras de Visita Índice 1. Intrduçã 3 2. Enquadrament Preâmbul

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Volume II Isolamento Térmico

Volume II Isolamento Térmico INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR TRANSFERÊNCIA DE CALOR (TCL) Vlume II Islament Térmic Curs Técnic Módul 2 Prf. Carls Babaid Net,

Leia mais

Sensor de Nível Digital / Analógico

Sensor de Nível Digital / Analógico Sensr de Nível Digital / Analógic VERSÃO 2.2 - MANUAL DE REFERÊNCIA RevA1-06/11 Este manual é publicad pela Flex Telecm smente para fins de referência pr parte d usuári. Td esfrç pssível fi realizad para

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Memorial Descritivo Aquaville Resort Residencial Tarumã - Obra 174

Memorial Descritivo Aquaville Resort Residencial Tarumã - Obra 174 Memrial Descritiv Aquaville Resrt Residencial Tarumã - Obra 174 Descriçã d Empreendiment O Aquaville Resrt Residencial Tarumã está lcalizad em Manaus, num terren 383.477,75 m2. O empreendiment é cmpst

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Política de Privacidade Qrush Cards

Política de Privacidade Qrush Cards Plítica de Privacidade Qrush Cards Última atualizaçã em 21/09/2013 A Qrush Tecnlgia e Serviçs Ltda repeita a privacidade de seus clientes e usuáris e desenvlveu esta Plítica de Privacidade para demnstrar

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

DESINCRUST Tratamento físico da água

DESINCRUST Tratamento físico da água Delta, lda Rua das Obras Públicas 4715-376 Braga Portugal T. +351 253 684 064 F. +351 253 684 657 geral@deltatecnologia.com.pt DESINCRUST Tratamento físico da água DESINCRUST Tratamento físico da água

Leia mais

Esclarecimento sobre Condições de Qualidade do Ar Interior Em Sistemas de AVAC e AQS. Enforce Engenharia da Energia SA

Esclarecimento sobre Condições de Qualidade do Ar Interior Em Sistemas de AVAC e AQS. Enforce Engenharia da Energia SA Enfrce Engenharia da Energia SA PARK DECOR Centr de Invaçã e Negócis Parque Industrial da Cvilhã, lte C6 6200-027 Cvilhã T: +351 275 099 911 F: +351 275 334 090 www.enfrce.pt geral@enfrce.pt Esclareciment

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais