INVESTIMENTO EM SAÚDE E DESENVOLVIMENTO: RELAÇÕES ENTRE CRESCIMENTO ECONÔMICO E BEM ESTAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIMENTO EM SAÚDE E DESENVOLVIMENTO: RELAÇÕES ENTRE CRESCIMENTO ECONÔMICO E BEM ESTAR"

Transcrição

1 INVESTIMENTO EM SAÚDE E DESENVOLVIMENTO: RELAÇÕES ENTRE CRESCIMENTO ECONÔMICO E BEM ESTAR

2 RELAÇÕES ENTRE SAÚDE E DESENVOLVIMENTO * A melhoria da saúde é universalmente aceita como um dos mais importantes objetivos do processo de desenvolvimento. Entretanto, para testar tal afirmação, precisamos responder a várias indagações: Quão importante é a Saúde, dentre os objetivos do desenvolvimento? Seria a melhoria da saúde um resultado promovido pelo processo geral de desenvolvimento econômico e do aumento da renda per cápita, ou o progresso no campo da saúde deve ser perseguido como objetivo, de forma independente ao processo de crescimento econômico? Todas as boas coisas caminham junto com o processo de desenvolvimento ou devemos fazer escolhas sobre prioridades ao longo deste processo? Como nossa preocupação e responsabilidade pela equidade se reflete no campo da Saúde? Ou seja é preciso, nas palavras de Sen, evidenciar a relação entre a Renda e os resultados, entre mercadorias e capacidades, entre a riqueza econômica e nossa possibilidade de bem viver. A M A R T I A S E N, K E Y N O T E A D D R E S S, F I F T Y - S E C O N D W O R L D H E A L T H A S S E M B L Y, G E N E V A,

3 CRESCIMENTO E POLÍTICA SOCIAL Em seu livro com Jean Dreaze,, Fome e Ação Pública, Sen faz uma distinção entre dois tipos de sucesso, que explicam dramáticas reduções observadas na taxa de mortalidade. O primeiro opera através do rápido crescimento econômico, e a ação social depende da extensão e abrangencia do processo e da destinação dos resultados econômicos à expansão dos serviços da política social. O segundo opera através de um programa consistente e diligente de apoio social à saúde, à educação e a outros programas sociais relevantes, independentemente do dinamismo econômico.

4 A DUPLA FACE DA POLÍTICA DE SAÚDE NO BRASIL A Saúde é uma política bifronte, de um lado voltada para uma fronteira do mercado, caracterizada pela inovação, fronteira industrial e tecnológica e, de outro, voltada para as necessidades e vulnerabilidades de uma população carente, assistida desigualmente no território nacional, por ações e serviços subfinanciados e por uma oferta de infraestrutura ainda marcada por profunda heterogeneidade regional e micro regional. De que dimensão da Saúde estamos falando, quando associamos desenvolvimento? Saúde e Dos recursos da Saúde e da Seguridade como eixo central da política de estabilização fiscal? Do complexo da Saúde, como fonte de inovação e de desenvolvimento tecnológico e de equilíbrio na Balança Comercial? Ou da atenção às carências e vulnerabilidades da população quanto à política do SUS nos três níveis de governo? Certamente, o desafio consiste em integrá-las, colocando o avanço tecnológico e a política de gasto social à serviço da população, independentemente de seu poder de compra e de sua participação no mercado.

5 A MACROECONOMIA DA SAÚDE E O GASTO SOCIAL À macroeconomia, às decisões justificadas pela pressão dos equipamentos, insumos e medicamentos sobre o balanço de pagamentos, devem ser agregadas as decisões em favor da ocupação dos vazios sanitários, reconhecendo a dupla lógica do gasto e do investimento em Saúde, a legitimidade e a grandeza deste desafio eterno entre o econômico e o social. O recurso ao complexo industrial da Saúde, seu impacto sobre o produto e a renda são excelente instrumento para o reconhecimento da importância do setor e de seu papel estratégico na economia nacional. E certamente mais simples e elegante do que reconhecer nossa incompetência para promover o salto de qualidade do qual o SUS há tanto precisa, e que depende de uma ruptura com seu padrão recorrente de gasto. Este tem sido incapaz de superar os problemas de acesso à ampla gama de ações e serviços de saúde que caracterizariam uma situação de bem estar social e de uma universalização materializada, que revogasse definitivamente o sofrimento da população na sua luta inglória por uma saúde melhor e mais equânime.

6 COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE : caracterização geral

7 O BNDES E O COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE * * F o n t e : O c o m p l e x o i n d u s t r i a l d a S a ú d e e a a t u a ç ã o d o B N D E S, F ó r u m N a c i o n a l s o b r e I n o v a ç ã o e m S a ú d e,

8 O BNDES E O COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE * * F o n t e : O c o m p l e x o i n d u s t r i a l d a S a ú d e e a a t u a ç ã o d o B N D E S, F ó r u m N a c i o n a l s o b r e I n o v a ç ã o e m S a ú d e,

9 AVANÇOS RECENTES DO COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Em 2011, o Ministério da Saúde anunciou que vai expandir o complexo industrial da Saúde Na inauguração do novo Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), no Rio de Janeiro, o ministro da Saúde anunciou a construção do Novo Centro de Processamento Final do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz, o lançamento do Centro Tecnológico em Saúde do Estado do Rio de Janeiro (Sautec), O Sautec será o único centro do hemisfério sul a dispor da mais moderna tecnologia em ressonância magnética, a 7 Tesla, dedicada à neuroimagem. O centro também vai constituir uma rede estadual e nacional de pesquisa em doenças psiquiátricas e neurológicas. E pretende desenvolver novos arsenais terapêuticos para doenças psiquiátricas, neurológicas, fisiológicas e ortopédicas. Pretende ainda implementar parcerias público-privadas para análise, gestão e incorporação de novas tecnologias para atendimento às necessidades de saúde da população. a ampliação das plantas produtivas do Instituto Vital Brasil (IVB). Serão investidos R$ 20 milhões na ampliação das plantas produtivas do IVB para desenvolvimento e produção de medicamentos estratégicos para o país O ministério vai investir um total de R$ 880 milhões em todas essas iniciativas. O Centro de Biotecnologia deve quadruplicar a produção de vacinas O Complexo industrial da saúde terá incentivo de R$ 92 bilhões. O Governo Federal prevê a execução de um amplo programa de estímulo à indústria de máquinas e equipamentos médicos e hospitalares, além de incentivos para os fabricantes de produtos farmacêuticos. O projeto funcionará como uma espécie de apoio ao complexo industrial da saúde e incluirá a instituição de uma margem de até 25% de ágio em cima do preço de equipamentos e remédios nacionais que participarem de uma licitação pública. O governo está preocupado com o déficit comercial registrado em 2011 pelo complexo industrial da saúde: cerca de US$ 11 bilhões. Áreas técnicas do governo avaliaram a produção nacional como boa e ramificada, mas carente em escala e por isso atropelada pelos competidores de fora do país.

10 INVESTIMENTO PÚBLICO E SUSTENTABILIDADE FISCAL A retomada dos investimentos públicos, resultante do afrouxamento dos constrangimentos orçamentários, sem que se tenha, contudo, alterado o arcabouço conceitual da política fiscal, beneficiou-se do aumento da arrecadação gerada pelo próprio crescimento econômico e da flexibilização da política fiscal Houve, na verdade, uma mudança de posicionamento do governo, ainda que de forma embrionária, no sentido de entender a necessidade de retomar seu papel no planejamento e no investimento em setores estratégicos. Apesar de esta expansão do investimento público ainda ser tímida, parece ter sido fundamental para sustentar as medidas anticíclicas que possibilitaram ao país enfrentar a crise econômica internacional de A retomada do Estado como indutor do crescimento, contudo, passa pela redefinição das regras que garantam a sustentabilidade fiscal do gasto público e da ampliação do entendimento de que gastos em investimento não são onerosos, na medida em que permitem, de modo dinâmico, ao longo do tempo, a expansão do crescimento e a ampliação da arrecadação

11 A SAÚDE E A DIVIDA PÚBLICA: O passado recente Em 2010 e 2011 o superávit da Seguridade Social foi de R$ 58 bilhões e de R$ 78 bilhões, respectivamente. Em 2011, apesar da arrecadação recorde - até agosto, a receita da União tinha crescido 18,8%, aumentando em R$ 84,3 bilhões, ante o mesmo período do ano anterior -, os recursos da área de saúde cresceram só 4,5%, recebendo mais R$ 1,6 bilhão. A maior fatia ficou com a economia para pagamento de juros da dívida pública: R$ 40,1 bilhões, quase 50% do que entrou a mais nos cofres federais nos oito primeiros meses do ano. A Saúde ainda é uma área muito sensível e precária. A ênfase que a gestão atual dedica à área social não se reflete nas contas públicas de A evolução desses gastos está bem aquém da expansão recorde da arrecadação federal. Até agosto, a receita líquida do governo cresceu R$84,3 bilhões, ante o mesmo período do ano passado, o que representou um aumento de 18,8%. Mas apenas 10% dessa receita - R$8,4 bilhões - foram aplicados em gastos sociais. E, nesse quesito, as despesas subiram 10% ante os 18,8% da arrecadação. Ainda na mesma comparação, a área de saúde foi a que menos ganhou, ficando com apenas 2% do aumento da arrecadação. Os gastos com saúde cresceram 4,5%, o menor percentual entre os gastos sociais.a maior fatia ficou com a economia para pagamento de juros da dívida pública, dentro da estratégia de austeridade fiscal: R$40,1 bilhões, quase 50% do que entrou a mais nos cofres federais nos oito primeiros meses do ano. A análise das contas públicas mostra que essas despesas com saúde foram as que menos cresceram entre os gastos sociais, mesmo com o comando constitucional que assegura um piso de gastos nessa área. Os desembolsos com saúde, especificamente, tiveram expansão nominal de apenas 4,5%, ao passo que aqueles com o superávit primário aumentaram 135%.

12 PARTICIPAÇÃO DOS GASTOS DAS ÁREAS DE ATUAÇÃO DA POLÍTICA SOCIAL Em % do PIB

13 FEDERAL ESTADUAL MUNICIPAL TOTAL PÚBLICO FONTES PLANOS SEGUROS GASTO DIRETO MEDICAMENTOS TOTAL PRIVADO TOTAL BRASIL ESTIMATIVA GASTO SAÚDE BRASIL R$ BI % PP % TOT %PIB , , , , , , , , ,5 FONTE: MS/SPO; MS/SIOPS;ANS;IBGE/POF-2008 ESTUDOS GC % PP=% PÚBLICO E PRIVADO;% TOT= TOTAL;PIB ,14 TRI;GASTO DIRETO= PESSOAS PAGANDO DIRETAMENTE OS SERVIÇOS DE SAÚDE. 13

14 Relação entre Receita Corrente da União e Despesas com Ações e Serviços Públicos de Saúde, 2000 a 2009 Ano Receita Corrente em milhares de reais Despesas em ASPS em milhares de reais Despesa em ASPS % da Receita Corrente Receita corrente em % do PIB Despesa em ASPS em % do PIB ,06 22,93 1, ,77 24,14 1, ,21 25,49 1, ,07 24,70 1, ,26 25,51 1, ,04 27,22 1, ,98 24,65 1, ,72 24,76 1, ,45 25,12 1, ,51 24,67 1,85 A participação da despesa da União em ASPS nas receitas correntes passou de 9,74% em 1995 para 7,51 %, em Em relação ao PIB, as despesas em ASPS mantiveram-se, em média, 1,79% do PIB Fonte MS, elaboração própria 14

15 Despesas com Ações e Serviços Públicos de Saúde, como proporção do PIB Brasil Período: Federal Estadual Municipal Total Ano Despesa (em R$ mil correntes) % PIB Despesa (em R$ mil correntes) % PIB Despesa (em R$ mil correntes) % PIB Despesa (em R$ mil correntes) % PIB ,67% ,70% ,81% ,18% ,60% ,71% ,81% ,12% ,68% ,83% ,85% ,36% ,73% ,80% ,94% ,48% ,72% ,84% ,99% ,55% ,66% ,85% ,99% ,50% ,62% ,93% ,07% ,62% Fonte: Ministério da Saúde/Secretaria Executiva/Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento/ Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS (Gasto Estadual e Municipal); SPO/SE e Fundo Nacional de Saúde - FNS (Gasto Federal) e IBGE (PIB). Tabela elaboração própria. Notas: 1. O efeito da inflação não foi eliminado; 2. Os dados estaduais são os obtidos pela análise de balanços estaduais realizada pela equipe responsável pelo SIOPS; os dados municipais são os declarados ao SIOPS; 3.Os valores do PIB não são os originalmente publicados, porém não contém a série toda reavaliada. 15

16 % do Total do Gasto em Saúde Gastos com Ações e Serviços Públicos em Saúde por Esfera de Governo 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% União Estados Municípios das Capitais

17

18 INVESTIMENTO E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE Investimentos = Despesas com o planejamento e a execução de obras inclusive com a aquisição de imóveis considerados necessários à sua realização e com a aquisição de instalações, equipamentos e material permanente. Demonstra se existem ou não esforços para expansão na capacidade de produção de serviços. Resta saber como se distribui espacialmente a oferta de serviços e se ela tem mudado no período recente A análise dos indicadores de acesso a serviços de alta e média complexidades revela um quadro marcado por taxas menores do que as esperadas e por intensas desigualdades geográficas em favor das regiões mais ricas. No caso das taxas de utilização para revascularização do miocárdio e prótese de quadril, o quadro permanece estável, ao longo dos 10 anos, tanto em termos das magnitudes como das desigualdades geográficas em favor das regiões mais desenvolvidas. A cobertura por mamografia teve aumentos importantes em todas as regiões, ao longo do período Os valores observados estão próximos da média observada nos países acompanhados pela OECD. Entretanto, como nos outros indicadores, as desigualdades geográficas são grandes. Geralmente os indicadores de acesso ao sistema de saúde, ainda que referidos em termos restritos ao acesso físico, incorporam uma dimensão temporal que sinaliza se o acesso está sendo feito em tempo oportuno. Os indicadores aqui analisados não contemplam esse aspecto. ( dados do Proadess, Fiocruz)

19 % do Total do Gasto em Saúde 6,0% Investimento em Saúde por Esfera de Governo 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% União Estados Municípios das Capitais F o n t e : e l a b o r a ç ã o p r ó p r i a p a r t i r d e d a d o s d a R R E O / L R F c o m a c o l a b o r a ç ã o d e K l e b e r P C a s t r o

20 % do PIB Investimento em Saúde por Esfera de Governo 0,09% 0,08% 0,07% 0,06% 0,05% 0,04% 0,03% 0,02% 0,01% 0,00% União Estados Municípios das Capitais F o n t e : e l a b o r a ç ã o p r ó p r i a p a r t i r d e d a d o s d a R R E O / L R F c o m a c o l a b o r a ç ã o d e K l e b e r P C a s t r o

21 O DESEMPENHO RECENTE DO INVESTIMENTO FEDERAL EM SAÚDE NO CONTEXTO DOS GASTOS DA UNIÃO EM SAÚDE E v o l u ç ã o r e c e n t e d a s d e s p e s a s d a U n i ã o c o m f u n ç ã o S a ú d e, n o t a t é c n i c a J o s é R o b e r t o A f o n s o, G e r a l d o B i a s o t o J r e k l e b e r P a c h e c o d e C a s t r o

22 RECEITAS, RENÚNCIAS E OUTROS GASTOS TRIBUTÁRIOS PARA A COFINS, PARA A CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP, A APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FAT, OS DESVIOS DA DRU 2005/2009

23 IMPACTO DA RENÚNCIA FISCAL SOBRE A CSLL

24 CONCLUSÕES Segundo Sen, referindo-se ao peso dos gastos militares em vários paises pobres, o Conservadorismo Financeiro deveria ser o pesadelo do militarismo, nunca do doutor, do professor ou da enfermeira. Aqui, apesar do recente caráter anticíclico da política social, o efeito expansionista do gasto ainda não se refletiu no aumento dos gastos universais de Saúde e de Educação, que continuam a ser o pesadelo do doutor, do professor e da enfermeira. Quanto ao investimento em Saúde, tema central desta palestra, o não enfrentamento da necessidade de um choque de investimento para enfrentar as desigualdades na oferta e os ( ainda) vazios sanitários, repõe, sob nova vestimenta o velho dilema entre o econômico e o social, agregando uma nova polaridade entre o social universal e o social individualizável. Somos assim forçados a conviver com o pesadelo da precariedade dos serviços e da vulnerabilidade da população brasileira, que, passados mais 20 anos da Constituição de 1988, ainda é forçada a aceitar uma administração mesquinha de seu direito cidadão à Saúde. Para a maior parte da população, o bem estar e o bem viver ainda parecem metas remotas incompatíveis com o desenvolvimento que queremos e que merecemos como nação.

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, sobre Aviso nº 3, de 2014 (Aviso nº 355-GP/TCU, de 29 de abril de 2014, na origem), que encaminha ao Senado

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE O QUE É A EMENDA 29? Foi promulgada no ano de 2000 e considerada uma grande conquista social vez que vinculou recursos públicos para o financiamento da Saúde dos

Leia mais

Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos

Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos Planejamento Urbano O orçamento importa! O Planejamento está subordinado ao orçamento? Restrições orçamentárias ou

Leia mais

Redução da Pobreza no Brasil

Redução da Pobreza no Brasil Conferencia Business Future of the Americas 2006 Câmara Americana de Comércio Redução da Pobreza no Brasil Resultados Recentes e o Papel do BNDES Demian Fiocca Presidente do BNDES Rio de Janeiro, 5 de

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) Gestão do SUS: aspectos atuais A reforma sanitária brasileira,

Leia mais

, 13 de agosto de 2015.

, 13 de agosto de 2015. Painel: Desafios do lado da despesa e possíveis alternativas O financiamento da política pública de saúde Sérgio Francisco Piola 9º Congresso de Gestão Pública do Rio Grande do Norte Natal, 13 de agosto

Leia mais

Financiamento da saúde

Financiamento da saúde Financiamento da saúde Sessão de debates temáticos no Senado Federal Senado Federal 19 de setembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

TEXTO DO RAMO DA SEGURIDADE SOCIAL PARA CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE SOBRE O SUS NOS CECUT S E CONCUT

TEXTO DO RAMO DA SEGURIDADE SOCIAL PARA CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE SOBRE O SUS NOS CECUT S E CONCUT TEXTO DO RAMO DA SEGURIDADE SOCIAL PARA CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE SOBRE O SUS NOS CECUT S E CONCUT 1 SUS - um debate sobre a conjuntura atual! Formatado: À esquerda Desde sua criação a partir da Constituição

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS HOSPITAIS ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS SUS 240.430.247 1.753 TOTAL SUS LEITOS 170.869 126.883 (74%) INTERNAÇÕES SUS TOTAL 11.590.793 100% FILANTRÓPICOS

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

GASTO COM SAÚDE NO BRASIL EM 2007. Gilson Carvalho 1

GASTO COM SAÚDE NO BRASIL EM 2007. Gilson Carvalho 1 GASTO COM SAÚDE NO BRASIL EM 2007 Gilson Carvalho 1 1. INTRODUÇÃO Quanto se gasta com saúde no Brasil? Esta pergunta é constantemente feita nas rodas de saúde e continua sem uma resposta correta. O que

Leia mais

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO Estimativas preliminares realizadas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que ainda podem ser alteradas

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

"Financiamento do SUS: cenários e perspectivas. gilson carvalho 1

Financiamento do SUS: cenários e perspectivas. gilson carvalho 1 "Financiamento do SUS: cenários e perspectivas gilson carvalho 1 gilson carvalho 3 SUS LEGAL (CF E LEIS) SAÚDE DIREITO DE TODOS E DEVER DO ESTADO FUNÇÕES: REGULAR, FISCALIZAR,CONTROLAR, EXECUTAR OBJETIVOS:

Leia mais

009/2015 DOMINGUEIRA DE 31/05/2015

009/2015 DOMINGUEIRA DE 31/05/2015 Ajuste fiscal e os impactos para o financiamento das ações e serviços públicos de saúde em 2015 e 2016 Francisco R. Funcia 1 O objetivo desta nota é apresentar sinteticamente o conteúdo do ajuste fiscal

Leia mais

A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro

A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro Resultado do ajuste fiscal: Dados acumulados de janeiro a agosto/2015 revelam deterioração

Leia mais

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

15 anos de Gasto Social Federal Notas sobre o período de 1995 a 2009. Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais

15 anos de Gasto Social Federal Notas sobre o período de 1995 a 2009. Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais 15 anos de Gasto Social Federal Notas sobre o período de 1995 a 2009 Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Gasto Social Federal Políticas Públicas, Finanças Públicas,

Leia mais

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005 15 de julho de 2002 O Congresso Nacional (CN) aprovou recentemente seu Projeto Substitutivo para a proposta original do Poder Executivo para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2003, que estabelece

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

GASTO PÚBLICO MUNICIPAL EM SAÚDE 2011

GASTO PÚBLICO MUNICIPAL EM SAÚDE 2011 GASTO PÚBLICO MUNICIPAL EM SAÚDE 2011 Gilson Carvalho[1] 1.INTRODUÇÃO O preceito constitucional do financiamento da saúde coloca esta responsabilidade nas três esferas de governo. Como o texto constitucional

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 Proposta de Reforma do ICMS Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 1 Por que a reforma? A guerra fiscal se esgotou A incerteza jurídica sobre os incentivos do ICMS já prejudica realização de novos investimentos

Leia mais

SUS 25 anos do direito à saúde. Ana Costa Cebes - Centro Brasileiro de Estudos sobre Saúde

SUS 25 anos do direito à saúde. Ana Costa Cebes - Centro Brasileiro de Estudos sobre Saúde SUS 25 anos do direito à saúde Ana Costa Cebes - Centro Brasileiro de Estudos sobre Saúde Antecedentes históricos A saúde no Brasil antes do SUS (1988): Assistência médica previdenciária X saúde pública

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO E SOLIDÁRIO DO DIREITO À VIDA-SAÚDE FINANCIAMENTO

FINANCIAMENTO PÚBLICO E SOLIDÁRIO DO DIREITO À VIDA-SAÚDE FINANCIAMENTO FINANCIAMENTO GILSON CARVALHO 1 ESTE TEXTO FOI PRODUZIDO POR MÉDICO PEDIATRA E DE SAÚDE PÚBLICA QUE ADOTA A POLÍTICA DO COPYLEFT PODENDO SER USADO, REPRODUZIDO, MULTIPLICADO, POR QUALQUER MEIO, INDEPENDENTE

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL A Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), desde meados de 2010, vem liderando

Leia mais

A Seguridade Social e o Financiamento do Sistema Único de Saúde.

A Seguridade Social e o Financiamento do Sistema Único de Saúde. A Seguridade Social e o Financiamento do Sistema Único de Saúde. Ivan Fonseca Chebli Cirurgião dentista SMS Juiz de Fora Rio de Janeiro, 30 de Julho de 2012. A Seguridade Social e o Financiamento do Sistema

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia?

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Por Grazielle David, assessora política do Inesc Introdução A mineração

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA CEPAM MAIO 2015 Saúde (ações preventivas X curativas) Previdenciária (aumento do custo do sistema) Produtivo (tendência à redução da capacidade produtiva

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Financiamento da Saúde

Financiamento da Saúde Financiamento da Saúde Goiânia, 18 de junho de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 1 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012

CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012 CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 04 de março de 2013. CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA BATE NOVO RECORDE HISTÓRICO EM 2012 - PIB de

Leia mais

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho se propõe

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

Gestão de Choque. José Roberto R. Afonso. 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006

Gestão de Choque. José Roberto R. Afonso. 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006 Gestão de Choque José Roberto R. Afonso 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006 1 Questões para o debate... Por que políticas e práticas fiscais no Brasil ficam

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

A Economia Angolana nos Últimos Anos

A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia cresceu : Saiu de uma base pequena para uma base muito maior. Deixou os tempos de grandes taxas de crescimento, mas instáveis, para taxas médias mais sustentáveis.

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Destaques do mês - Preocupado com a inflação, mas também com as incertezas do cenário internacional, Copom inicia ciclo de aperto monetário com elevação de apenas 0,25%

Leia mais

CEBES Centro Brasileiro de Estudos de Saúde: 35 Anos de Luta pela Reforma Sanitária Renovar a Política Preservando o Interesse Público na Saúde

CEBES Centro Brasileiro de Estudos de Saúde: 35 Anos de Luta pela Reforma Sanitária Renovar a Política Preservando o Interesse Público na Saúde CEBES : 35 Anos de Luta pela Reforma Sanitária Renovar a Política Preservando o Interesse Público na Saúde O processo de crescimento econômico brasileiro concentra ainda mais o capital, disputado por grupos

Leia mais

A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS

A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS 1 A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS Conferência realizada no 34 0 Encontro Nacional do Conjunto CFESS/CRESS Manaus, 4 a 7 de setembro de 2005 2

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2003. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Série B. Textos Básicos de Saúde MS Série Políticas de Saúde Tiragem: 10.000 exemplares Elaboração,

Leia mais

Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde 1 Organograma SE/MS Secretaria Executiva ASSESS.

Leia mais

Rosa Maria Marques 11 de março de 2014 João Pessoa

Rosa Maria Marques 11 de março de 2014 João Pessoa Rosa Maria Marques 11 de março de 2014 João Pessoa ENCONTRO REGIONAL - ECONOMIA DA SAÚDE NORDESTE Avanços e eficiências na política de saúde para o SUS 1. 2. 3. 4. 5. O gasto é predominante privado, apesar

Leia mais

Saúde Coletiva: ciência e politica

Saúde Coletiva: ciência e politica Saúde Coletiva: ciência e politica Unicamp Março 2015 Ana Maria Costa: docente ESCS/DF, Presidentes do Cebes. Coordenadora Geral Alames Policia medica Higienismo Saude publica Medicina preventiva Medicina

Leia mais

Crise dos Municípios

Crise dos Municípios Crise dos Municípios Crise Desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, quando os Municípios foram elevados a condição de entes federados autônomos ocorre uma constante descentralização da execução

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação.

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. Sistema Único de Saúde 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. 2003 Sistema Único de Saúde! Saúde como direito de cidadania e dever do Estado, resultante de políticas públicas

Leia mais

PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SEMINÁRIO BINACIONAL NA ÁREA DE SAÚDE BRASIL PERU LIMA - SETEMBRO/2011 VISÃO GERAL Abrangência: Governo Federal Marcos Legais Visão Geral do Planejamento e do Orçamento Recursos

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

25 ANOS DE SUS: AVANÇOS E DESAFIOS. Senhor Presidente, saúde merece nossa defesa, nosso reconhecimento e a

25 ANOS DE SUS: AVANÇOS E DESAFIOS. Senhor Presidente, saúde merece nossa defesa, nosso reconhecimento e a ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 08/10/2013. 25 ANOS DE SUS: AVANÇOS E DESAFIOS Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Mais que críticas, o Sistema

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

NOTA TÉCNICA RELATÓRIO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. ASSUNTO: RELATÓRIO SISTÊMICO DE FISCALIZAÇÃO DA SAÚDE (Fiscsaúde)

NOTA TÉCNICA RELATÓRIO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. ASSUNTO: RELATÓRIO SISTÊMICO DE FISCALIZAÇÃO DA SAÚDE (Fiscsaúde) NOTA TÉCNICA RELATÓRIO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 032.624/2013-1 INTERESSADO: Sociedade ASSUNTO: RELATÓRIO SISTÊMICO DE FISCALIZAÇÃO DA SAÚDE (Fiscsaúde) I INTRODUÇÃO O Tribunal de Contas da União

Leia mais

Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids

Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids IV Congresso Brasileiro de Prevenção das DST e AIDS Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids Sérgio Francisco Piola Belo Horizonte, 7 de novembro de 2006. O Programa Brasileiro tem tido

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Modelo de Financiamento do Acesso Privado aos Serviços de Assistência à Saúde. José Cechin

Modelo de Financiamento do Acesso Privado aos Serviços de Assistência à Saúde. José Cechin Modelo de Financiamento do Acesso Privado aos Serviços de Assistência à Saúde José Cechin Agenda 1. Saúde: público e privado crise de meios 2. Conceitos: mercado privado e regulação 3. Riscos e precificação

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

Crise dos Municípios

Crise dos Municípios Crise dos Municípios Crise Desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, quando os Municípios foram elevados a condição de entes federados autônomos ocorre uma constante descentralização da execução

Leia mais

Seminário COFIN/CNS. Financiamento do SUS

Seminário COFIN/CNS. Financiamento do SUS Seminário COFIN/CNS Financiamento do SUS Política de financiamento federal O governo federal cria programas e estratégias, e es5mula os Municípios à implantação. A polí5ca pública de saúde é fragmentada

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA DEZEMBRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I - MEDIDA PROVISÓRIA Nº 512, DE 2010...3 II EMENDAS PARLAMENTARES...4 III JUSTIFICATIVA DA MEDIDA PROVISÓRIA...6

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Comentários sobre a Avaliação da Situação Financeira do FAT, anexa ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2016 Elisangela Moreira da Silva

Leia mais

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Nicholas Staines IMF Resident Representative 23/25 Largo Albano Machado Luanda, Angola nstaines@imf.org www.imf.org/luanda (244) 937-787-67 Parceria Infra-Estrutura

Leia mais