Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos"

Transcrição

1 Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos Planejamento Urbano O orçamento importa! O Planejamento está subordinado ao orçamento? Restrições orçamentárias ou condicionamentos orçamentários? Políticas públicas: despesas permanentes e as receitas?

2 Brasil x Regiões Metropolitanas Ano: 2000 O Brasil tem municípios 386 encontram-se em Regiões Metropolitanas. Incluindo o DF, são 387 cidades metropolitanas A população brasileira é de 169,8 milhões de habitantes 68milhões 40% vivem em cidades metropolitanas A receita total dos municípios brasileiros e do DF alcançou R$ 84,6bilhões A receita tributária própria dos municípios alcançou R$ 16,8bilhões A receita das cidades metropolitanas (inclui o DF) é de R$ 43,6bilhões 51,6% do total A receita tributária própria das cidades metropolitanas (inclui o DF) é de R$ 12,8bilhões 76,3% do total

3 Tabela I: Número de Cidades e População Faixas Total Brasil Regiões Metropolitanas Em 1000 Habitantes Municípios % População % Municípios % População % Total , , , ,0 até , ,6 30 7, ,2 de até , , , ,6 de até , , , ,0 de até , , , ,6 de até , , , ,9 de até , ,4 12 3, ,3 acima de , ,3 12 3, ,5

4 Tabela II: Estrutura da Receita Líquida Em R$ mil RUBRICA Total Brasil Regiões Metropolitanas Cidades Núcleo Outras Cidades Valor % Valor % Valor % Valor % Receita Total Líquida , , , ,0 Receita Corrente Líquida , , , ,3 Receitas Tributárias Próprias , , , ,6 Transferências Constitucionais , , , ,4 Fundo de Participação dos Municípios - FPM , , , ,3 Cota-Parte do ICMS , , , ,2 Fundef (União + Estados) , , , ,7 Sistema Único de Saúde - SUS (União + Estados) , , , ,6 Outras , , , ,6 Outras Receitas Correntes Líquidas , , , ,3 Receita de Capital , , , ,7 Operações de Crédito , , , ,5 Alienação , , , ,2 Receita Transferência de Capital , , , ,8 Outras receitas de Capital , , , ,1

5 Tabela III: Estrutura da Despesa Líquida RUBRICA Em R$ mil Total Brasil Regiões Metropolitanas Cidades Núcleo Outras Cidades Valor % Valor % Valor % Valor % DESPESA TOTAL LÍQUIDA , , , ,0 Despesa Corrente Líquida , , , ,0 Pessoal , , , ,9 Ativo , , , ,0 Inativos e Pensionistas com recursos do Tesouro , , , ,7 Outras Despesas com Pessoal , , , ,2 Juros e Encargos da Dívida , , , ,8 Outras Despesas Correntes , , , ,3 Despesa de Capital , , , ,0 Investimentos/Inversões Financeiras , , , ,0 Amortização/Rolagem da Dívida , , , ,3 Outras Despesas de Capital , , , ,6 Superávit / Déficit (% Rec,Corrente Líquida) , , , ,6

6 Tabela IV: Demonstrativo da Despesa por Função Em R$ mil Total Brasil Regiões Metropolitanas Cidades Núcleo Outras Cidades DESPESAS POR FUNÇÃO Valor % Valor % Valor % Valor % DESPESA TOTAL , , , ,0 Legislativa/Judiciária , , , ,7 Planejamento , , , ,4 Educação e Cultura , , , ,7 Habitação e Urbanismo , , , ,5 Saúde e Saneamento , , , ,3 Assistência e Previdência , , , ,9 Transporte , , , ,6 Segurança Pública , , , ,5 Outras , , , ,3

7 Tabela V: Investimentos e Inversões - Estrutura de Financiamento Em R$ mil RUBRICA Total Brasil Regiões Metropolitanas Cidades Núcleo Outras Cidades Valor % Valor % Valor % Valor % Investimentos e Inversões , , , ,0 Fontes de Recursos Receitas de Capital , , , ,9 Operações de Crédito , , , ,5 Alienação de Bens , , , ,9 Transferência de Capital , , , ,5 Outras Receitas de Capital , , , ,9 Outras Fontes , , , ,1 Resultado Corrente , , , ,1 Resultado Orçamentário Superávit (+) / Déficit (-) *Obs.1: Obs.2: Utilizada apenas 48,0% do Superávit Corrente

8 Tabela VI: Receita Tributária Própria e de Transferências per Capita Em R$ Total Brasil Regiões Metropolitanas Faixas Rec Trib / População Rec Transf / População TOTAL Rec Trib / População Rec Transf / População TOTAL Totais 98,78 318,09 416,87 188,03 342,67 530,69 até ,1 566,0 581,1 19,6 552,6 572,2 de até ,2 348,5 366,7 35,3 340,2 375,5 de até ,0 297,7 314,7 35,6 301,0 336,6 de até ,3 279,9 304,2 76,8 412,9 489,7 de até ,6 252,5 282,2 72,0 314,4 386,4 de até ,0 271,4 320,4 70,7 307,6 378,3 de até ,8 302,0 371,9 85,4 311,8 397,2 de até ,8 310,3 408,1 117,9 300,1 418,0 de até ,7 297,4 392,1 92,1 268,4 360,5 acima de ,5 382,7 661,2 286,0 388,4 674,4

9 Conclusões O quadro geral das finanças municipais é equilibrado Os municípios têm capacidade de investimento, mas não têm crédito investimentos em infra-estrutura urbana podem ser inviabilizados ou não ter continuidade Além da melhoria de receitas próprias, é fundamental rever o direcionamento do gasto corrente, que restringe o desenvolvimento de políticas públicas O sistema de partilha de receitas não diferencia as cidades quanto a sua problemática social - cidades metropolitanas têm tratamento igual ao das demais cidades

II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS

II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS 1 - QUADROS CONSOLIDADOS DA RECEITA E DA DESPESA Receita e Despesa dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social segundo Categorias Econômicas Quadro 1A - Receita

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

RECEITA. Despesas Correntes, sob forma: Tributária Patrimonial Industrial Recursos financeiros Outras. Tributo: Definição: Receita derivada,

RECEITA. Despesas Correntes, sob forma: Tributária Patrimonial Industrial Recursos financeiros Outras. Tributo: Definição: Receita derivada, RECEITA Definição : receita recebida de pessoa de direito público Definição: Receita recebida de pessoas de direito público ou privado, ou privado, para atender despesas classificáveis em para atender

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Introdução Este relatório apresenta os principais resultados da gestão orçamentária

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sorocaba Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Sorocaba Estado de São Paulo Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos Palestrante: Mauricio Biazotto Corte Secretário Municipal do Governo e Planejamento Características do Município:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DA TRANSPARÊNCIA DA GESTÃO FISCAL Art. 48. São instrumentos

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Riacho da Cruz - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo

Leia mais

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios Maria Cristina Mac Dowell Diretora-Geral Adjunta Escola de Administração Fazendária Esaf/MF maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Ruy Barbosa - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo das

Leia mais

o Povo do.município de Fruta de Leite, por seus representantes

o Povo do.município de Fruta de Leite, por seus representantes Projeto de Lei N.o Çl1- /2015 "Estima a Receita e Fixa a Despesa do Município de Fruta de Leite para o Exercício Financeiro de 2016 e dá outras Providências". o Povo do.município de Fruta de Leite, por

Leia mais

MUNICÍPIO - UBATUBA PLANO PLURIANUAL 2014-2017 ANEXO I - Planejamento Orçamentário - PPA: Fontes de Financiamento dos Programas Governamentais

MUNICÍPIO - UBATUBA PLANO PLURIANUAL 2014-2017 ANEXO I - Planejamento Orçamentário - PPA: Fontes de Financiamento dos Programas Governamentais MUNICÍPIO - UBATUBA PLANO PLURIANUAL 2014-2017 ANEXO I - Planejamento Orçamentário - PPA: Fontes de Financiamento dos Programas Governamentais Valores em R$ mil % S/ 2014 2015 2016 2017 TOTAL TOTAL DIRETA

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO SEMANÁRIO OFICIAL João Pessoa, 27 de julho de 212 * n 1332 ESPECIAL * Pág. 11/66 SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO Pág. 12/66 * n 1332 ESPECIAL * João Pessoa, 27 de julho de 212 SEMANÁRIO OFICIAL

Leia mais

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, 27 de março de 2012. CONDIÇÕES DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ESTADUAIS 1997/98 1997 Lei 9.496/97 Os entes federados renegociaram suas dívidas contratuais

Leia mais

LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007.

LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007. Estima a receita e fixa a despesa do Estado do Rio Grande

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.692, DE 18 DE JANEIRO DE 2013.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.692, DE 18 DE JANEIRO DE 2013. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.692, DE 18 DE JANEIRO DE 2013. Estima a receita e fixa a despesa do Estado do Rio Grande do Norte para o exercício financeiro de 2013 e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA CAPITULO III CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO DIRETA 31 3 CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3.1 DOS BALANÇOS 3.1.1 - Resultado Financeiro do Exercício Considerando que a receita arrecadada

Leia mais

INDICADORES DA GESTÃO PÚBLICA - IGP MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR.

INDICADORES DA GESTÃO PÚBLICA - IGP MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. INDICADORES DA GESTÃO PÚBLICA - IGP MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. Desenvolvido pelo Observatório Social do Brasil, através do Secretário Executivo Adriano Strassburger do OS de Lajeado/RS. Adriano Dirceu

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3.953.236.822,66 RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3.320.180.698,63 RECEITAS 1.684.972.053,82 ORÇAMENTÁRIA 1.684.972.053,82 DESPESA ORÇAMENTARIA 3.044.151.183,85

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o exercício de 2005, e contém outras disposições. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO ABRIL 2015/ BIMESTRE MARÇOABRIL RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00 RECEITAS PREVISÃO

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

TRF 3 e JF COM SIGNIFICATIVO SALDO

TRF 3 e JF COM SIGNIFICATIVO SALDO TRF 3 e JF COM SIGNIFICATIVO SALDO ORÇAMENTO SEM DESPESAS DE PESSOAL 1 Em 04 de agosto de 2013, do orçamento deste ano, havia saldos significativos em vários Projetos/Atividades 2, tanto do TRF da 3ª.

Leia mais

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE nº 33 Dezembro 2001 MUNICÍPIOS: OS BONS RESULTADOS ORÇAMENTÁRIOS DE 2000

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE nº 33 Dezembro 2001 MUNICÍPIOS: OS BONS RESULTADOS ORÇAMENTÁRIOS DE 2000 INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE nº 33 Dezembro 2001 RESPONSABILIDADE FISCAL MUNICÍPIOS: OS BONS RESULTADOS ORÇAMENTÁRIOS DE 2000 Os Municípios enviaram seus balanços orçamentários

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Lagoa de Dentro DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

Cenário Fiscal Brasil 2015/2016

Cenário Fiscal Brasil 2015/2016 Cenário Fiscal Brasil 2015/2016 Participação dos Grandes Grupos de Despesa Primária do Governo Federal em 2014 Capital 7,6% Transferência de Renda às Famílias 49,4% Outras Despesas Correntes 21,5% Pessoal

Leia mais

Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005

Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005 Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005 31/12/2005 16:20:56 ORCAMENTARIAS 1 Receitas Correntes 437.605,02

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

Execução Orçamentária e Financeira

Execução Orçamentária e Financeira Execução Orçamentária e Financeira Introdutório aos cursos dos Sistemas de Contabilidade e Gastos Públicos Setembro / 2008 Administração Pública Classifica-se, conforme a CF/88 em: Administração Direta

Leia mais

APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo

APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo RECEITA ESTIMADA E DESPESA FIXADA - EDUCAÇÃO APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo IPTU 134.000,00 IRRF

Leia mais

Luiz Antônio da Silva e Marcos José de Castro Professores e técnicos do Cepam, contadores e especialistas em Gestão Pública Municipal

Luiz Antônio da Silva e Marcos José de Castro Professores e técnicos do Cepam, contadores e especialistas em Gestão Pública Municipal DOCENTES Luiz Antônio da Silva e Marcos José de Castro Professores e técnicos do Cepam, contadores e especialistas em Gestão Pública Municipal Coordenadoria de Gestão de Políticas Públicas - Cogepp DEFINIÇÃO

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Pacajá DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA NO BIMESTRE

Leia mais

BALANÇO DAS FINANÇAS PÚBLICAS

BALANÇO DAS FINANÇAS PÚBLICAS BALANÇO DAS FINANÇAS PÚBLICAS 2012 Ivo Gonçalves / PMPA Somos todos Porto Alegre A Prefeitura de Porto Alegre tem sido referência nacional em termos de transparência das informações sobre a gestão pública

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRÇÃO PÚBLICA. D 3.4 Planejamento e Gestão Orçamentária e Financeira (24h) Professor: James Giacomoni. Aula 5

EIXO 3 ADMINISTRÇÃO PÚBLICA. D 3.4 Planejamento e Gestão Orçamentária e Financeira (24h) Professor: James Giacomoni. Aula 5 EIXO 3 ADMINISTRÇÃO PÚBLICA D 3.4 Planejamento e Gestão Orçamentária e Financeira (24h) Professor: James Giacomoni Aula 5 17 a 19, 21 a 25, 28 e 29 de novembro de 2011 Classificações orçamentárias Despesa

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação DCA 2014 O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGEM BONITA - M.G Livro Nº 18 Folha Nº 015

PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGEM BONITA - M.G Livro Nº 18 Folha Nº 015 Folha Nº 015 LEI Nº. 1.058/2014 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO PARA O EXERCÍCIO DE 2015 O Prefeito do Município: Faço saber que a Câmara Municipal de Vargem Bonita aprovou e eu sanciono

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Contadoria Geral do Estado

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Contadoria Geral do Estado 11120431 Imposto de Renda Retido nas Fontes sobre os Rendimentos do Trabalho 00 2.885.556.099,44 11120434 Imposto de Renda Retido nas Fontes sobre outros Rendimentos 00 205.497.947,46 11120501 Cota-Parte

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana do Deserto Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/05/2005 a

Prefeitura Municipal de Santana do Deserto Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/05/2005 a Prefeitura Municipal de Santana do Deserto Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/05/2005 a 31/05/2005 31/12/2005 11:10:54 ORCAMENTARIAS 1 Receitas Correntes

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS Atualizado em 14/10/2015 CLASSIFICAÇÕES DA DESPESA ESFERA ORÇAMENTÁRIA A classificação por esfera orçamentária tem por finalidade identificar

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública Contabilidade Pública Aula 3 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Definição de Receita Pública Um conjunto de ingressos financeiros com fonte e fatos geradores próprios e permanentes, oriundos da ação

Leia mais

26262 - Universidade Federal de São Paulo

26262 - Universidade Federal de São Paulo 26262 - Universidade Federal de São Paulo Quadro Síntese Código / Especificação Exec 2002 LOA 2003 PLOA 2004 LOA 2004 Total 170.156.775 243.704.034 262.392.190 263.492.190 Programa 0041 Desenvolvimento

Leia mais

ANEXOS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA - OI

ANEXOS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA - OI ANEXOS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA - OI Demonstrativo Consolidado por Função Demonstrativo Consolidado por Subfunção Demonstrativo Consolidado por Função/Subfunção Demonstrativo Consolidado por Programa Demonstrativo

Leia mais

RECEITAS DO ENSINO PREVISÃO INICIAL

RECEITAS DO ENSINO PREVISÃO INICIAL RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) RECEITAS DO ENSINO 1 - RECEITA DE IMPOSTOS 666.027,96 666.027,96 543.552,01 81,61 1.1- Receitas Resultante Imposto s/ Propriedade Predial

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MARCONI FERREIRA PERILLO JUNIOR GOVERNADOR DO ESTADO ANA CARLA ABRÃO COSTA SECRETÁRIA DE ESTADO DA FAZENDA

ESTADO DE GOIÁS MARCONI FERREIRA PERILLO JUNIOR GOVERNADOR DO ESTADO ANA CARLA ABRÃO COSTA SECRETÁRIA DE ESTADO DA FAZENDA ESTADO DE GOIÁS MARCONI FERREIRA PERILLO JUNIOR GOVERNADOR DO ESTADO ANA CARLA ABRÃO COSTA SECRETÁRIA DE ESTADO DA FAZENDA ESTADO DE GOIAS SECRETARIA DA FAZENDA SUPERINTENDENTE DE CONTABILIDADE GERAL SUSEL

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU DESTINAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA - APLICÁVEL PARA O EXERCÍCIO DE 2012 CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI Receita Prevista e Realizada - Balanço Orçamentário (Artigo 2º, Inciso XIV da I.N. nº 028/1999) Admiministração Direta, Indireta e Fundacional Títulos Orçada

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Tabela 1 PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS PDG

Tabela 1 PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS PDG Tabela 1 PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS PDG Discriminação das Origens de Recursos - DICOR 110000 - RECEITAS 111000 - SUBSÍDIO DO TESOURO 112000 - OPERACIONAL 112100 - Venda de Bens e Serviços 112900 -

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE LONDRINA

FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE LONDRINA FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE LONDRINA LEGISLAÇÃO: Leis Municipais nº 1.639 de 24/03/1970, nº 2.811 de 13/10/1977, nº 4.897 de 17/12/1991, nº 4.911 de 27/12/1991, nº 6.236 de 13/07/1995, nº 8.445 de 04/07/2001e

Leia mais

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 O RPPS: Uma Perspectiva Internacional Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 Fonte: Banco Mundial O Brasil é um país jovem... (ainda) com o gasto previdenciário

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana de Cataguases Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/03/2005 a

Prefeitura Municipal de Santana de Cataguases Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/03/2005 a Prefeitura Municipal de Santana de Cataguases Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/03/2005 a 31/03/2005 31/12/2005 10:44:16 ORCAMENTARIAS 1 Receitas

Leia mais

FUNDO DE PREVIDÊNCIA MUN. DE UMUARAMA - FPMU Estado do Paraná

FUNDO DE PREVIDÊNCIA MUN. DE UMUARAMA - FPMU Estado do Paraná FUNDO DE PREVIDÊNCIA MUN. DE UMUARAMA - FPMU Estado do Paraná CNPJ:09.122.645/0001-71 Exercício: 2014 Balanço Financeiro do Regime Próprio de Previdência Social Art. 103 da Lei 4.320/1964 no Período de

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Atualidade, Mudanças e Perspectivas

Atualidade, Mudanças e Perspectivas Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas Programa de Estudos Fiscais As Finanças do Município do Rio de Janeiro Atualidade, Mudanças e Perspectivas Novembro - 2008 As Finanças do Município

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 PREFEITURA DE SÃO JOSÉ SECRETARIA DE FINANÇAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO

Leia mais

Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil

Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc) do IPEA Brasília, 21 de outubro de 2011 POLÍTICAS SETORIAIS

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS Equipe Técnica o o o o Prefeito Municipal Luiz Goularte Alves Secretaria Municipal

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA CEPAM MAIO 2015 Saúde (ações preventivas X curativas) Previdenciária (aumento do custo do sistema) Produtivo (tendência à redução da capacidade produtiva

Leia mais

Sistema de Informações Gerenciais (Roteiro de Demonstração)

Sistema de Informações Gerenciais (Roteiro de Demonstração) #.1.1 Disponibilizar informações de interesse do administrador, através de integração com diversos sistemas da administração municipal; Arquivos > Customização do Sistema #.1.2 #.1.3 #.1.4 #.1.5 Permitir

Leia mais

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Art. 16, Inciso I e 4º, inciso I, da LC 101/2000 Estudo da adequação orçamentária e financeira para a finalidade de Reposição Salarial com Aumento Real, em cumprimento

Leia mais

Financiamento da Saúde

Financiamento da Saúde Financiamento da Saúde Goiânia, 18 de junho de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 1 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº

Leia mais

, 13 de agosto de 2015.

, 13 de agosto de 2015. Painel: Desafios do lado da despesa e possíveis alternativas O financiamento da política pública de saúde Sérgio Francisco Piola 9º Congresso de Gestão Pública do Rio Grande do Norte Natal, 13 de agosto

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL Dezembro de 2011 1 Missão do Ministério da Fazenda: Estruturar as políticas econômicas

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Ativo Circulante 1.149.479.180,77 989.839.743,43 Passivo Circulante 317.274.300,38 283.051.918,44 Caixa e Equiv. Caixa Moeda Nacional 800.954.874,69 676.326.925,34 Obrig.

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) INICIAL (a) No Bimestre 1. RECEITA DE IMPOSTOS 508.511.839,00 508.511.839,00 99.498.308,43 191.352.419,40 37,63 1.1-

Leia mais

ORGANOGRAMA - SAF SAF COPAF DEPAT GEPUB GEFIN GEPRO COBAN COFIN

ORGANOGRAMA - SAF SAF COPAF DEPAT GEPUB GEFIN GEPRO COBAN COFIN ORGANOGRAMA - SAF SAF COPAF DEPAT DICOP GEPUB GEFIN GEPRO COBAN COFIN Gerenciar e controlar os recursos financeiros, visando sua otimização, para alcançar ar os objetivos estabelecidos pelo Governo do

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores estaduais calculados automaticamente pelo SIOPS, após a declaração de dados contábeis, pelos Estados e pelo DF, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe

Leia mais

O Desafio Fiscal do Brasil

O Desafio Fiscal do Brasil O Desafio Fiscal do Brasil Mansueto Almeida 08 de maio de 2015 INSPER, São Paulo Parte I O Que Aconteceu? Despesa Primária do Governo Central - % do PIB de 1991 a 2014 22,0% 20,0% 20,1% 18,0% 17,0% 17,4%

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

Transição de governo: Desafios Jurídicos e Administrativos e Finanças Públicas

Transição de governo: Desafios Jurídicos e Administrativos e Finanças Públicas Transição de governo: Desafios Jurídicos e Administrativos e Finanças Públicas TEMPO TOTAL : 3 h 180 MIN - Transição: Aspectos Gerais - exposição: 15 min - Desafios Jurídicos e Administrativos: 40 min

Leia mais

Resultado nominal X Resultado operacional

Resultado nominal X Resultado operacional RESULTADO DAS CONTAS PÚBLICAS Superávit = Receitas > Despesas X Déficit = Receitas < Despesas Déficit = fluxo em determinado período Dívida= estoque acumulado ao longo do tempo Finanças Públicas Resultado

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CRC-DF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Domingos Poubel de Castro Brasília/DF, 18 de Maio de 2012 NECESSIDADES PERMANENTES DO GESTOR INFORMAÇÕES CONTROLE Cenário Externo 0800 570 0800

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 2015 1 Cenário Macroeconômico Revisto 2015 2016 2017 2018 PIB (crescimento

Leia mais

A - Codificação e discriminação da aplicação e fonte de recursos

A - Codificação e discriminação da aplicação e fonte de recursos A - Codificação e discriminação da aplicação e fonte de recursos APLICAÇÕES DA RECEITA DESCRIÇÃO 01 Pessoal e Encargos Sociais 03 Outras Despesas Correntes 04 Despesas de Capital 08 Orçamento Participativo

Leia mais

306 Cota-Parte do Imposto sobre Exportação de Produtos Industrializados Devida aos Municípios - exerc ant

306 Cota-Parte do Imposto sobre Exportação de Produtos Industrializados Devida aos Municípios - exerc ant ANEXO II - A CLASSIFICAÇÃO DAS S DE RECURSOS (ordenada Siplan) 00 (1) 100 (1) Recursos Ordinários não Vinculados do Tesouro 300 (1) Recursos Ordinários não Vinculados do Tesouro - exerc ant 01 (1) 100

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - RECURSOS ORDINÁRIOS DO TESOURO ESTADUAL FIS 4.050.715,00 SEG 230.016,00 TOTAL GERAL : 4.280.

E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - RECURSOS ORDINÁRIOS DO TESOURO ESTADUAL FIS 4.050.715,00 SEG 230.016,00 TOTAL GERAL : 4.280. Exercício 2006 R$ 1,00 05101 - CASA MILITAR REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - RECURSOS ORDINÁRIOS DO TESOURO ESTADUAL FIS 4.050.715,00 230.016,00 TOTAL GERAL

Leia mais

Adendo III - Portaria S0F nº 008 - Anexo 2 - Receita - Lei 4.320/64 - Orçamento - Programa (Consolidado) Pág. 1

Adendo III - Portaria S0F nº 008 - Anexo 2 - Receita - Lei 4.320/64 - Orçamento - Programa (Consolidado) Pág. 1 Pág. 1 1 Receitas Correntes 9. 072. 858, 00 1.1 Receita Tributária 80. 891, 00 1.1.1 Impostos 76. 203, 00 1.1.1.2 Impostos s/ Patrimônio e Renda 70. 722, 00 1.1.1.2.02 I.P.T.U. 8. 279, 00 1.1.1.2.02.00

Leia mais

Orçamento e Direitos Humanos

Orçamento e Direitos Humanos Seminário FBO: Democracia, Orçamento e Direitos Orçamento e Direitos Humanos. Alexandre Ciconello assessor político INESC Brasília,, 11 de junho de 2013 Fundado d de 1979 INESC Trajetória A missão do INESC

Leia mais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.393.390.678,55 RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.527.468.836,27 RECEITAS 13.532.898.028,40 ORÇAMENTÁRIA 13.532.898.028,40 DESPESA ORÇAMENTARIA 10.266.008.652,65

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS PODER EXECUTIVO

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS PODER EXECUTIVO QUADRO I - RECEITA ORÇAMENTÁRIA POR CATEGORIA E FONTE 1. RECEITAS CORRENTES 3.770.007.000 Receita Tributária 976.512.000 Receita de Contribuições 251.081.000 Receita Patrimonial 76.136.000 Receita de Serviços

Leia mais

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES TESOURO OUTRAS FONTES T O T A L ----------------------------------------------------------------------------------------------------- CÓDIGO E S P E C I F I C A Ç Ã O RECURSOS OUTROS TOTAL RECURSOS OUTROS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 FUNDAMENTO LEGAL O artigo 9º, parágrafo 4 da Lei Complementar nº 101 de 04/05/2000 (Lei de Responsabilidade

Leia mais