FÁTIMA MARGARIDA MARQUES CARLOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM INFORMÁTICA 07 08

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÁTIMA MARGARIDA MARQUES CARLOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM INFORMÁTICA 07 08"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA DATA WAREHOUSE NUM INSTITUTO POLITÉCNICO ORIENTADOR: DOUTORA PAULA OLIVEIRA UTAD CO-ORIENTADOR: DOUTOR LUÍS MARCELINO IPL FÁTIMA MARGARIDA MARQUES CARLOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM INFORMÁTICA 07 08

2 Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugná-la-íamos, se a tivéssemos. O perfeito é desumano, porque o humano é imperfeito. Fernando Pessoa

3 AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS Gostaríamos de agradecer a todos aqueles que nos querem bem e que nos apoiaram no decorrer deste trabalho. III

4 ÍNDICE ÍNDICE AGRADECIMENTOS... III ÍNDICE...IV LISTA DE FIGURAS E TABELAS...VI LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... VIII RESUMO PALAVRAS-CHAVE ABSTRACT KEYWORDS CAPÍTULO INTRODUÇÃO OBJECTIVO GERAL OBJECTIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICAÇÃO METODOLOGIA ESTRUTURA CAPÍTULO SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO INTRODUÇÃO A INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES AS ORGANIZAÇÕES E OS TIPOS DE SISTEMAS INFORMAÇÃO OS SISTEMAS OPERACIONAIS E OS SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO CONCEITO DE DATA WAREHOUSE CARACTERÍSTICAS DE DATA WAREHOUSE MODELO DE DADOS FACTOS, DIMENSÕES E VARIÁVEIS MODELO EM ESTRELA MODELO EM FLOCOS DE NEVE MODELO EM CONSTELAÇÃO PROCESSO DE MODELAÇÃO ERROS TÍPICOS NA MODELAÇÃO EXTRACÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E CARREGAMENTO DE DADOS PROCESSO DE EXTRACÇÃO DE DADOS PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE DADOS PROCESSO DE CARREGAMENTO DE DADOS PASSOS TÍPICOS ADMINISTRAÇÃO E MANUTENÇÃO TAREFAS TÍPICAS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO TÉCNICAS DE OPTIMIZAÇÃO BUSINESS INTELLIGENCE E DATA MINING CUSTOS E BENEFÍCIOS DO DATA WAREHOUSE CUSTOS BENEFÍCIOS FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DO DATA WAREHOUSE CAPÍTULO METODOLOGIAS DE DATA WAREHOUSE INTRODUÇÃO INMON KIMBALL COMPARAÇÃO DAS METODOLOGIAS DE INMON E KIMBALL OUTRAS CONSIDERAÇÕES PRINCÍPIOS DE CONSTRUÇÃO ABORDAGEM DE REQUISITOS IV

5 ÍNDICE CAPÍTULO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO EM PORTUGAL INTRODUÇÃO MISSÃO, ATRIBUIÇÕES E ORGANIZAÇÃO MISSÃO ATRIBUIÇÕES ORGANIZAÇÃO DESAFIOS NECESSIDADE DE INFORMAÇÃO FACTORES DE SUCESSO LEI Nº38/2007 DE 16 DE AGOSTO INDICADORES CAPÍTULO METODOLOGIA APLICADA A UM INSTITUTO POLITÉCNICO INTRODUÇÃO FASES DA METODOLOGIA FASE DE ANÁLISE ORGANIZAÇÃO CASO DE ESTUDO PLANO GERAL DA ORGANIZAÇÃO PROJECTO CASO DE ESTUDO PLANO GERAL DO PROJECTO REQUISITOS CASO DE ESTUDO PLANO GERAL DE REQUISITOS FASE DE DESENVOLVIMENTO MODELO CONCEPTUAL CASO DE ESTUDO PLANO CONCEPTUAL MODELO LÓGICO CASO DE ESTUDO PLANO LÓGICO FASE DE IMPLEMENTAÇÃO DATA MART CASO DE ESTUDO ESPECIFICAÇÃO DO DATA MART CASOS DE USO E REGRAS DE NEGÓCIO CASO DE ESTUDO ESPECIFICAÇÃO DE CASOS DE USO E REGRAS DE NEGÓCIO OUTRAS CONSIDERAÇÕES CASO DE ESTUDO OUTRAS CONSIDERAÇÕES FASE DE VERIFICAÇÃO TESTES E VALIDAÇÃO CASOS DE ESTUDO - TESTES E VALIDAÇÃO CAPÍTULO CONCLUSÃO FONTES DE INFORMAÇÃO ANEXOS ANEXO I INDICADORES ANEXO II PLANO GERAL DA ORGANIZAÇÃO ANEXO III PLANO GERAL DO PROJECTO ANEXO IV PLANO GERAL DE REQUISITOS ANEXO V PLANO CONCEPTUAL ANEXO VI PLANO LÓGICO ANEXO VII ESPECIFICAÇÃO DO DATA MART ANEXO VIII ESPECIFICAÇÃO DE CASOS DE USO E DE REGRAS DE NEGÓCIO ANEXO IX ESPECIFICAÇÃO DE OUTRAS CONSIDERAÇÕES ANEXO X RELATÓRO DE RESULTADOS V

6 FIGURAS E TABELAS LISTA DE FIGURAS E TABELAS FIGURA 1 CARACTERÍSTICAS DA DECISÃO ADAPTADO DE [KIMBAL,02] FIGURA 2 COMPOSIÇÃO DE UM SI ADAPTADO DE [GOUVEIA,04] FIGURA 3 DIVERSOS TIPOS DE SI ADAPTADO DE [VARAJÃO,05] FIGURA 4 ARQUITECTURA DE DW ADAPTADO DE [KIMBAL,02] FIGURA 5 ARQUITECTURA GLOBAL ADAPTADO DE [MACHADO,07] FIGURA 6 ARQUITECTURA INDEPENDENTE ADAPTADO DE [MACHADO,07] FIGURA 7 ARQUITECTURA INTEGRADA ADAPTADO DE [MACHADO,07] FIGURA 8 ARQUITECTURA TOP-DOWN ADAPTADO DE [INMON,97] FIGURA 9 ARQUITECTURA BOTTOM-UP ADAPTADO DE [INMON,97] FIGURA 10 MODELO DIMENSIONAL ADAPTADO DE [KIMBAL,02] FIGURA 11 MODELO FLOCOS DE NEVE ADAPTADO DE [KIMBAL,02] FIGURA 12 MODELO EM CONSTELAÇÃO ADAPTADO DE [KIMBAL,02] FIGURA 13 ERROS COMUNS ADAPTADO DE [TDWI,08] FIGURA 14 ARQUITECTURA NAVEGADOR DE AGREGADOS ADAPTADO DE [INMON,97] FIGURA 15 CONCEITO DE BI ADAPTADO DE [CRISP,07] FIGURA 16 CUSTO COM RELATÓRIOS ANTES DO DW (A X B) ADAPTADO DE [INMON1,08] FIGURA 17 CUSTO COM RELATÓRIOS APÓS O DW (A + B) ADAPTADO DE [INMON1,08] FIGURA 18 DMS INDEPENDENTES ADAPTADO DE [INMON1,08] FIGURA 19 DMS A PARTIR DO DW ADAPTADO DE [INMON1,08] FIGURA 20 FASES DA METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO ADAPTADO DE [INMON1,08] FIGURA 21 METH2 ADAPTADO DE [INMON,02] FIGURA 22 METH3 / METH4 ADAPTADO DE [INMON, 02] FIGURA 23 CICLO DE VIDA DIMENSIONAL DO NEGÓCIO ADAPTADO DE [KIMBALL, 98] FIGURA 24 IMPORTÂNCIA DOS PONTOS DE READINESS LITMUS TÊS ADAPTADO DE [KIMBALL, 98] FIGURA 25 NATUREZA BINÁRIA E DIFERENÇAS NO ENSINO SUPERIOR ADAPTADO DE [CCISP, 06] FIGURA 26 - FACTORES DE SUCESSO DO ENSINO POLITÉCNICO ADAPTADO DE [TRISTANY,01] FIGURA 27 FASES DA METODOLOGIA FIGURA 28 FASE DE ANÁLISE FIGURA 29 PLANO GERAL DA ORGANIZAÇÃO FIGURA 30 EXCERTO DO PLANO GERAL DA ORGANIZAÇÃO FIGURA 31 PLANO GERAL DO PROJECTO FIGURA 32 EXCERTO DO PLANO GERAL DO PROJECTO FIGURA 33 PLANO GERAL DE REQUISITOS FIGURA 34 EXCERTO DO PLANO GERAL DE REQUISITOS FIGURA 35 FASE DE DESENVOLVIMENTO FIGURA 36 PLANO CONCEPTUAL FIGURA 37 EXCERTO DO PLANO CONCEPTUAL FIGURA 38 PLANO LÓGICO FIGURA 39 EXCERTO DO PLANO LÓGICO FIGURA 40 FASE DE IMPLEMENTAÇÃO FIGURA 41 ESPECIFICAÇÃO DO DATA MART FIGURA 42 EXCERTO DA ESPECIFICAÇÃO DO DATA MART FIGURA 43 ESPECIFICAÇÃO DE CASOS DE USO E DE REGRAS DE NEGÓCIO FIGURA 44 EXCERTO DA ESPECIFICAÇÃO DE CASO DE USO E DE REGRAS DE NEGÓCIO FIGURA 45 ESPECIFICAÇÃO DE OUTRAS CONSIDERAÇÕES FIGURA 46 EXCERTO DE OUTRAS CONSIDERAÇÕES FIGURA 47 FASE DE VERIFICAÇÃO FIGURA 48 RELATÓRIO DE RESULTADOS FIGURA 49 EXCERTO DE RELATÓRIO DE RESULTADOS TABELA 1 NÍVEIS DE INFORMAÇÃO ADAPTADO DE [GOUVEIA, 04] TABELA 2 CARACTERÍSTICAS DA QUALIDADE DE INFORMAÇÃO ADAPTADO DE [GOUVEIA, 04] TABELA 3 NÍVEIS DE INFORMAÇÃO ADAPTADO DE [GOUVEIA, 04] VI

7 FIGURAS E TABELAS TABELA 4 EVOLUÇÃO DA GESTÃO ADAPTADO DE [GOUVEIA,04] TABELA 5 NÍVEIS DE GESTÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO ADAPTADO DE [GOUVEIA,04] TABELA 6 LIMITAÇÕES DOS DADOS OLTP ADAPTADO DE [CORTES, 05] E [KIMBAL, 02] TABELA 7 COMPARAÇÃO ADAPTADO DE [KIMBAL,02] TABELA 8 OLTP E OLAP ADAPTADO DE [KIMBAL,02] TABELA 9 ASPECTOS NO PROCESSO DE MODELAÇÃO ADAPTADO DE [KIMBAL,02] TABELA 10 ESTRUTURA DO MAPA LÓGICO DE DADOS ADAPTADO DE [KIMBAL,02] TABELA 11 CUSTOS INICIAIS ADAPTADO DE [INMON1,08] TABELA 12 CUSTOS PERIÓDICOS ADAPTADO DE [INMON1,08] TABELA 13 EQUIPAS DO DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA ADAPTADO DE [KIMBALL, 98] TABELA 14 TAREFAS NA ELABORAÇÃO DO PROJECTO ADAPTADO DE [KIMBALL, 98] TABELA 15 TAREFAS DA GESTÃO DE UM PROJECTO ADAPTADO DE [KIMBALL, 98] TABELA 16 VANTAGENS E DESVANTAGENS BASEADO EM [KIMBAL,04] E [INMON,98] TABELA 17 CONTEXTO DO ENSINO SUPERIOR ADAPTADO DE [TRISTANY,01] TABELA 18 MISSÃO DO ENSINO SUPERIOR ADAPTADO DE [DL1,08] TABELA 19 DESAFIOS DO ENSINO SUPERIOR ADAPTADO DE [MORGADO,05] TABELA 20 PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ADAPTADO DE [LEI1,08] TABELA 21 INDICADORES - ADAPTADO DE [ANDRADE, 03] VII

8 ABREVIATURAS E SIGLAS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BD BI CDC CGEY CIF DAS DBA DBMS DMS DSS DW EIS ER ETL HOLAP KWS MIS MML MOLAP MUML OAS OCDE ODS BASE DE DADOS BUSINESS INTELLIGENCE CHANGE DATA CAPTURE CAP GEMINI ERNST YONG CORPORATE INFORMATION FACTORY ÁREA DE TRATAMENTO DE DADOS ADMINISTRADOR BASE DADOS DATA BASE MANAGEMENT SYSTEM DATA MARTS SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO DATA WAREHOUSE SISTEMAS DE SUPORTE EXECUTIVO ENTIDADE E RELACIONAMENTO EXTRACÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E CARGA HYBRID OLAP SISTEMAS DE SUPORTE AO CONHECIMENTO SISTEMAS DE GESTÃO PARA GESTÃO MULTIDIMENSIONAL MODELING LANGUAGE MUTIDIMENSIONAL OLAP MULTIDIMENSIONAL UML SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO OPERATIONAL DATA STORE VIII

9 FIGURAS E TABELAS OIM OIS OLAP OLTP REMUS ROLAP SCD SCD SGBD SI TIC TPS UML MICROSOFT OPEN INFORMATION MODEL SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE ESCRITÓRIO ON-LINE ANALYTICAL PROCESSING SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE TRANSACÇÕES ON-LINE MULTIDIMENSIONAL PURPOSE RELATIONAL OLAP SLOWLY CHANGING DIMENSIONS SLOWLY CHANGING DIMENSIONS SISTEMA DE GESTÃO DE BASES DE DADOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSACÇÕES UNIFIED MODELING LANGUAGE IX

10 RESUMO RESUMO O Data Warehouse (DW) surgiu como base para os Sistemas de Suporte à Decisão (DSS) integrando fontes de dados dos sistemas transaccionais. A sua crescente popularidade reflecte a necessidade das organizações em obter informações analíticas derivadas dos seus sistemas transaccionais. Ou seja, com a chegada de novas ferramentas tecnológicas de análise de informação, os dirigentes das organizações começaram a exigir dos sistemas transaccionais respostas às suas solicitações, mas como estes sistemas foram desenvolvidos para garantir a operação da organização não estão preparados para gerar e armazenar as informações estratégicas necessárias a um Business Intelligence (BI) eficiente. O DW tem características diferentes do ambiente tradicional e é construído com o objectivo de suprir as necessidades de processamento analítico das organizações. Considera-se que os projectos de DW têm mais hipóteses de sucesso quando desenvolvidos através de uma metodologia consistente que guie o projectista durante as várias fases do projecto. As instituições de ensino superior em Portugal não são excepção ao referido anteriormente. Existe neste tipo de organização uma grande quantidade de sistemas que auxiliam a gestão das suas actividades rotineiras, onde a possibilidade de propiciar aos seus administradores acesso a informações institucionais em tempo real num ambiente único a partir de qualquer computador ligado à Internet, permitirá auxiliar às tomadas de decisão. Assim, com a metodologia proposta foi desenvolvido um caso de estudo com a finalidade de verificar e avaliar a aplicabilidade da metodologia num instituto politécnico. PALAVRAS-CHAVE Sistemas de Informação, Sistemas de Apoio à Decisão, Data Warehouse e ensino superior. 10

11 ABSTRACT ABSTRACT The Data Warehouse (DW) emerged as a basis for the Decision Support System (DSS) integrating data sources of transactional systems. Their growing popularity reflects the need for organizations to obtain analytical information from their transactional systems. Such systems have different features of traditional environment and are built with the aim of addressing the needs of analytical processing of organizations. It is considered that DW projects have more chance of success if developed through a consistent methodology that guides the designer during the various phases of the project. That is, with the arrival of new technological tools for analyzing information, the leaders of the organizations began to require of transactional systems answers to their requests, but these systems were developed to ensure the operation of the organization and are not prepared to generate and store the strategic information necessary for a Business Intelligence (BI) efficient. Higher education institutions in Portugal are no exception. These institutions have several systems that help the management of their routine activities, where the ability to provide their administrators access to information in real time in a single environment from any computer connected to the Internet, will help the acquisition of decision. So with the proposed methodology was developed a case study for the purpose of verifying and assessing the applicability of it in a polytechnic institute. KEYWORDS Information Systems, Decision Support Systems, Data Warehouse and higher education. 11

12 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 1.INTRODUÇÃO A informação é, hoje em dia, um dos motores da actividade humana. De facto, independentemente do tamanho, natureza ou mesmo actividade de uma organização, a verdade é que esta precisa de informação para poder executar e prosseguir a sua missão e cumprir os objectivos a que se propõe. Numa sociedade que cada vez mais privilegia a informação como uma das suas preocupações mais dominantes, a necessidade de existir numa organização a infra-estrutura adequada para a sua recolha, armazenamento, processamento, representação e distribuição faz com que uma parcela apreciável do esforço da organização seja tomada por estas preocupações. Qualquer organização moderna recorre às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) como forma de garantir a função dos Sistemas de Informação (SI) enquanto infra-estrutura de suporte ao fluxo de informação na organização. Para qualquer um de nós, a realização da mais simples acção, ou a decisão de optar por uma determinada alternativa de acção exige informação. Considerando as diversas situações do nosso dia-a-dia, somos confrontados com a existência de condições exteriores que condicionam o que fazemos e o que decidimos. Por exemplo: o procurar saber qual o estado do trânsito no percurso casa trabalho. Neste caso, quem conseguir obter melhor informação sobre o trânsito, tem maior possibilidade de o evitar e assim conseguir realizar o percurso sem as demoras e os custos associados a este problema. Do mesmo modo que a informação para o indivíduo lhe traz vantagens, para as organizações, essas vantagens são ainda mais evidentes, pois a sua complexidade implica a coordenação e interacção de um conjunto de indivíduos e a resposta a solicitações que lhes são exteriores, com a exigência de padrões de qualidade cada vez mais elevados. Para o efeito, recorrese ao uso de SI baseados em computador que proporcionam actualmente os meios mais adequados, embora não exclusivos, para suporte à tomada de decisão e à acção nas organizações. [Gouveia,04] A presença ubíqua dos computadores é, hoje em dia, uma realidade. A maioria dos processos que nos rodeiam é em grande parte suportada por computadores. Como resultado, verifica-se que a quantidade de informação aumentou: durante o séc. XX, o volume de informação gerado e mantido por algumas empresas cresceu cerca de vezes. [Berry,97] 12

13 INTRODUÇÃO A informação assume-se assim como um factor vital e indispensável para a gestão e competitividade das organizações, sendo que esta pode e deve ser considerada como um activo de elevada importância neste enquadramento. Com o objectivo de dotar as organizações com memória, surgiram neste contexto, os sistemas do tipo Data Warehouse (DW), cuja função é armazenar de forma eficaz e coerente a informação gerada ao longo do tempo pelas várias fontes de informação associadas a uma organização. Um dos problemas que as organizações enfrentam na era da informação é como organizar os dados de forma a transformálos em informações úteis, relevantes e estratégicas para o negócio. Pelas suas características técnicas, um DW deve disponibilizar a informação certa, no sítio certo, no tempo certo, com o custo certo, no sentido de suportar as decisões certas. [Kimball, 98] Dentre as possíveis opções de ferramentas de gestão e organização de informações disponíveis no mercado, DW pode ser uma opção, dado que possibilita explorar os dados transformando-os em informações que apoiam as tomadas de decisão, podendo assim gerar melhores resultados para uma organização. A informação por si só não é um diferencial competitivo para as organizações, mas sim a maneira como ela é utilizada. As organizações dependem da utilização da informação, principalmente para apoio à tomada de decisões. A maioria das aplicações informáticas não respondem às necessidades de informação de quem decide sendo necessário a criação de um ambiente adequado para armazenar e gerir de forma eficiente os dados produzidos no dia-a-dia das organizações OBJECTIVO GERAL O objectivo geral deste trabalho é propor uma metodologia para o desenvolvimento de um ambiente DW para apoio à administração de uma instituição de ensino superior politécnico OBJECTIVOS ESPECÍFICOS Os objectivos específicos deste trabalho estão relacionados com a pesquisa na área das TIC, com relevo na área dos SI e DW. A identificação dos processos de um Sistema de Suporte à Decisão (DSS), bem como a análise das metodologias de desenvolvimento de um DW serão tidos em conta de forma a definir uma metodologia de desenvolvimento de um DW para um estudo de caso concreto, uma instituição de ensino superior politécnico. 13

14 INTRODUÇÃO Por fim, a elaboração da escrita da tese permitirá reunir os resultados obtidos ao longo da pesquisa, fornecendo um contributo nesta área de conhecimento da sociedade JUSTIFICAÇÃO Diversas organizações possuem as suas actividades apoiadas por SI que tiveram os seguintes objectivos na sua concepção: o automatizar tarefas repetitivas sobre os dados, o minimizar os erros e o agilizar os processos de manipulação da informação, por vezes dispersa em vários sistemas. À medida que esta informação aumenta, as organizações enfrentam problemas da manipulação dessa mesma informação. Tornando-se assim difícil extrair informações adequadas para o suporte à decisão. Adicionando ainda o facto de que estas organizações carecem de integração das suas fontes de informação com informações externas, o que irá depender da compatibilidade da tecnologia e da formatação de dados. Assim, tornase necessário o desenvolvimento de um repositório de dados optimizado para pesquisas e integração, independente dos SI, mas que destes obtivesse a sua informação. Esta informação é extraída, tratada e guardada no DW, podendo ainda servir como fonte organizada para a utilização de Datamining. Este processo, através de inteligência aplicada procura padrões com conhecimento escondido na Base de Dados (BD). Uma vez reconhecidos estes padrões tentam alcançar-se projecções futuras de acontecimentos. Ao nível do ensino superior politécnico o cenário também se verifica. Ou seja, existe informação proveniente de vários sistemas, de onde é necessário extrair informação para apoiar a gestão. Sendo que a sua missão passa por assegurar aos alunos um ensino de elevada qualidade pedagógica e científica, para manter a sua sobrevivência é fundamental conhecer bem o ambiente de acção e os seus intervenientes. Assim, a necessidade de fazer face a esta realidade motivou claramente a escolha do tema METODOLOGIA Para alcançar os objectivos propostos foram superadas várias etapas que juntas integram o trabalho desenvolvido. A primeira etapa do trabalho consistiu no levantamento de fontes de informação, como documentação da Internet, livros e revistas sobre as áreas em que incide esta investigação, ou seja, as TIC com relevo na área de DW. Numa segunda etapa, foram analisadas metodologias de desenvolvimento de um DW e referidas outras considerações acerca dos projectos de SI. 14

15 INTRODUÇÃO Na terceira etapa foi analisado o ensino superior politécnico em Portugal sobre várias vertentes, nomeadamente a sua estrutura organizacional, a fim de salientar a estrutura de decisão deste tipo de organização. Na quarta etapa, uma vez analisadas as metodologias e a organização, foi definida uma metodologia de desenvolvimento de um DW para um estudo de caso concreto, o ensino superior politécnico. No final, na quinta etapa, com a análise de resultados, foram apresentadas as conclusões obtidas na pesquisa, bem como algumas recomendações para trabalhos futuros relacionados com o tema analisado ESTRUTURA A organização do presente trabalho inicia-se com: os agradecimentos, a elaboração do índice, a apresentação das listas de figuras, tabelas, as abreviaturas e as siglas e o resumo. Depois o trabalho está estruturado em sete capítulos. O primeiro capítulo, apresenta a introdução ao tema, o objectivo geral, os objectivos específicos, a justificação para a escolha do tema, bem como a metodologia e estrutura aplicada no desenvolvimento do trabalho. De seguida no segundo capítulo, existe a referência a conceitos relacionados com os SI, os DSS e o DW. Inicia-se pela importância da informação, passando pelo modelo de dados e as actividades relacionadas com um DW, como o processo de ETL e de administração. Verifica-se ainda os custos e os benefícios associados a um sistema deste tipo. No terceiro capitulo são analisadas e comparadas algumas metodologias de desenvolvimento de DW. Numa primeira etapa consideram-se dois autores Inmon e Kimbal, dada a sua relevância nesta área e numa segunda etapa são recolhidas outras considerações de vários autores estudadas para o trabalho. O capítulo quarto pretende analisar o ensino superior em Portugal, nomeadamente o politécnico. Dada a necessidade de conhecer a realidade dos politécnicos, apresenta-se alguma da sua legislação que está na base da sua criação e do seu modo de funcionamento. A metodologia proposta será o objectivo do quinto capítulo. Partindo do princípio de se conjugar as metodologias apresentadas e das adaptar ao ensino superior, optouse pela elaboração de uma metodologia que suprisse os pontos críticos das metodologias apresentadas. Desta forma, este capítulo apresenta uma metodologia que detalha aspectos contemplados pelas metodologias apresentadas 15

16 INTRODUÇÃO anteriormente, com destaque na fase de levantamento de requisitos do DW e na troca de opiniões ente utilizadores e técnicos responsáveis pela construção do sistema. Ainda neste capítulo apresenta-se um caso de estudo com base na metodologia abordada que pretende aplicar a proposta do capítulo anterior no ensino superior politécnico. O capítulo seis trata das conclusões obtidas no desenvolvimento do trabalho, bem como refere algumas recomendações para trabalhos futuros. Finalmente, são indicadas as fontes de informação utilizadas no decorrer do trabalho e são apresentados os anexos referenciados ao longo do mesmo. Inicia-se de seguida o capítulo 2 com a exposição do levantamento efectuado face aos SI, os DSS e o DW. 16

17 SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO CAPÍTULO 2 2.SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO O objectivo deste capítulo consiste na análise dos conceitos inerentes aos DSS, sendo iniciando com a análise da informação nas organizações. Dada a crescente dependência das organizações em relação aos meios que utilizam para lidar com a informação, aliada ao crescente aumento do fluxo de informação, justifica o estudo dos SI e do que se entende por informação em particular INTRODUÇÃO No início do século XXI, a sociedade contemporânea caracteriza-se por mutações profundas sem precedentes aos mais variados níveis, fruto de uma evolução de valores, saberes e percepções do mundo, em que é particularmente assinalável a influência de um conjunto diversificado de efeitos e tendências associados à aceleração do progresso científico e tecnológico do domínio da informação. De modo a triunfar em mercados cada vez mais caracterizados por uma mudança acelerada, qualquer organização necessita de dispor de um SI que suporte devidamente as suas necessidades de informação a todos os níveis de decisão, constituindo este um elemento central no desenvolvimento da sua capacidade competitiva. [Varajão,05] As organizações dependem da utilização da informação, principalmente para apoio à tomada de decisões. O processo de tomada de decisão consiste na escolha de uma opção, entre diversas alternativas existentes, seguindo determinados passos previamente estabelecidos que culminam na resolução de um problema. Mas a maioria das aplicações informáticas não se adequam às necessidades de informação de quem decide sendo necessário a criação de um ambiente adequado para armazenamento e gestão eficiente dos dados produzidos no dia-a-dia nas organizações. Isto porque ao existir a partilha de informação numa organização, existe sempre o problema do desenho dos relatórios não ter sido pensado com o propósito da partilha, pelo que partes dos seus conteúdos podem ser desajustados das necessidades de outros utilizadores. Isto justifica-se tendo em conta os seguintes três factores: (i) os relatórios são muitas vezes informação resumida da actividade operacional; (ii) existe falta de uma visão da evolução temporal contínua dos relatórios e (iii) existe dúvidas sobre quem é o real dono da informação. Os factores 17

18 SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO enumerados anteriormente leva a uma perda de credibilidade da partilha de informação dentro da organização, mas também leva ao reconhecimento da necessidade de um repositório central de dados para fins analíticos, onde todos podem aceder a informação. [Cortes,05] Ou seja, o volume de dados está a aumentar e as organizações dispõem cada vez mais de menos tempo para as tomadas de decisão. As organizações que não utilizarem meios eficientes para analisar as informações contidas nestes dados serão, cada vez mais, menos competitivas. Os métodos tradicionais de acesso e análise dos dados, baseados na tecnologia de bases de dados relacionais, embora consigam pesquisar e manipular grandes volumes de dados, ainda não permitem analisar e entender, em tempo útil o volume de dados. É necessário utilizar técnicas, produtos e serviços que permitam a extracção e manipulação automatizada de dados e descoberta de conhecimento. É neste contexto que surge o conceito de DSS e DW A INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES A existência dos SI não é contemporânea dos computadores. De facto, verifica-se que mesmo muito antes de estes existirem, os seres humanos organizavam as suas actividades e recorriam a diferentes tipos de estratégias de forma a suportarem as suas necessidades de informação para apoio à tomada de decisão. De um modo mais geral, o ser humano, enquanto indivíduo, consome informação para tomar decisões e, desta forma concretizar em acção as suas intenções. [Gouveia, 04] O computador insere um novo elemento na relação do indivíduo com a informação. Funciona como um dispositivo de mediação de comunicação à qual o indivíduo recorre para lidar com a informação quer para seu próprio uso, quer para interagir com outros indivíduos. Para o indivíduo, o acesso à informação traduz a possibilidade de melhores meios de actualização e desenvolvimento das suas capacidades, o acesso ao conhecimento e a experiências de terceiros ou apenas a resolução de problemas e necessidades que se lhe colocam. Nas organizações também é necessário o recurso à informação e a forma como esta trata a informação é um dos factores determinantes para o correcto funcionamento de uma organização. É possível distinguir diferentes níveis associados à informação, em função das características intrínsecas que esta possui. Desta forma temos quatro níveis: dados, informação, conhecimento e sabedoria, que são caracterizados na tabela 1. 18

19 SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO Dados Elementos atómicos que referenciam, qualificam e descrevem todos os itens necessários à operação do SI. Informação Agregação de dados através de relações de complementaridade entre eles. Conhecimento É o meio de transmitir dados e informação de modo organizado e estruturado para uso futuro. Sabedoria Inclui a capacidade de aplicar a situações novas o conhecimento existente, bem como a previsão de comportamentos por comparação com dados, informação e conhecimento disponível. Tabela 1 Níveis de Informação adaptado de [Gouveia, 04] As características que a informação possui determinam a sua qualidade e permitem estabelecer uma seriação no seu tratamento, recorrendo a um conjunto de critérios que reflectem a sua importância, valor e qualidade. A qualidade da informação pode ser avaliada com base em quatro características principais, enumeradas na tabela 2. Precisa O grau de rigor da informação que revela uma caracterização da realidade o mais fiável possível; informação correcta, verdadeira. Oportuna A velocidade de reacção de uma organização depende também da presença em tempo útil do fluxo de informação apropriado. Completa A presença da informação dispersa pela organização não tem grande valor se não se encontrar disponível. Concisa Informação demasiado extensa ou pormenorizada, que por isso não é utilizada, contraria dois princípios básicos de comunicação: mensagens fáceis de descodificar e fáceis de difundir. Tabela 2 Características da Qualidade de Informação adaptado de [Gouveia, 04] Adicionalmente, deve ser tido em atenção que o real valor da informação depende da sua utilização, da sua precisão e do seu nível de detalhe, logo, nem toda a informação possui o mesmo valor e por isso devem ser especificadas prioridades para o seu tratamento, comunicação e armazenamento. De igual forma a sua origem é importante, sendo de considerar a existência de múltiplas fontes de informação que importa ter em conta e que variam de organização para organização, bem como os seus utilizadores. 19

20 SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO A informação suporta a decisão, na medida em que as diferentes actividades do diaa-dia das organizações para serem realizadas consomem dados e informação e geram novos dados. Desta forma é possível considerar a informação como um recurso. Este é necessário para a tomada de decisão e para o suporte da acção. Desta forma possui um valor estratégico para a própria organização. Adicionalmente, é também possível considerar a informação como um activo da organização, uma vez que pode ser contabilizada, sendo possível atribuir um determinado valor de mercado a marcas, listagens de clientes, relatórios da organização, entre outros dados e informação, na posse da organização. [Gouveia, 04] No entanto, nem toda a informação possui a mesma importância ou prioridade para cada indivíduo e para a organização. O fluxo de dados numa organização pode ser caracterizado pelo agrupamento de dados e informação de modo a satisfazer os diferentes processos de tomada de decisão na organização, quer internamente, quer na sua relação com o exterior. Perante a necessidade de garantir que a informação esteja disponível a quem dela necessite é essencial considerar um fluxo de informação, onde dados e informação são armazenados, processados e comunicados com base em diferentes prioridades. Assim, é adequado definir prioridades de tratamento de informação e estabelecer os canais necessários para encaminhar dados e informação. Onde de acordo com essas prioridades e para assegurar o seu fornecimento aos decisores é possível efectuar uma divisão do fluxo por níveis de responsabilidade. Para cada um dos níveis, a informação que possui características e orientações diferentes em termos de audiência, do seu alcance temporal e da sua complexidade, nos três níveis descritos em seguida. [Gouveia, 04] Nível estratégico Informação bastante elaborada que suporta decisão de longo prazo, orientada para os decisores de topo. Nível táctico Responsável pela afectação de recursos e pelo estabelecimento do controlo e da gestão de médio prazo. Nível operacional Nível de controlo e execução de tarefas específicas de curto prazo em que assenta a actividade da organização. Tabela 3 Níveis de Informação adaptado de [Gouveia, 04] A informação, bem como a sua recolha, tratamento e apresentação tem como objectivo final facilitar a tomada de decisões no negócio quer seja de nível operacional, quer táctico, quer mesmo estratégico. As características da decisão podem ser representadas através da figura seguinte. 20

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

- A crescente necessidade de sistemas inteligentes e de aquisição de conhecimento levaram à necessidade de implementação de Data Warehouses.

- A crescente necessidade de sistemas inteligentes e de aquisição de conhecimento levaram à necessidade de implementação de Data Warehouses. - A crescente necessidade de sistemas inteligentes e de aquisição de conhecimento levaram à necessidade de implementação de. - O que é uma Data Warehouse? - Colecção de bases de dados orientadas por assunto

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Data Warehousing e OLAP

Data Warehousing e OLAP Data Warehousing e OLAP Jornadas de Engenharia Informática Instituto Politécnico da Guarda Henrique Madeira Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica Informática Aula 8 Estrutura e Funcionamento de Computadores Software Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Tipos de Software Software de Sistema Software Aplicacional Gestão do Sistema

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Fundamentos da Análise Multidimensional

Fundamentos da Análise Multidimensional Universidade Técnica de Lisboa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Informática e Sistemas de Informação Aplicados em Economia Fundamentos da Análise Multidimensional Fundamentos da Análise Multidimensional

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

foram previstas inicia-se um círculo vicioso em que é feito um pedido aos informáticos, esse pedido entra na «linha de montagem» das queries, e num

foram previstas inicia-se um círculo vicioso em que é feito um pedido aos informáticos, esse pedido entra na «linha de montagem» das queries, e num PREFÁCIO Actualmente estamos confrontados com um mundo fascinante em que todos os dias surgem novidades no universo das novas tecnologias da informação, mas em que velhos problemas no que concerne à falta

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano. Ficha T. Prática n.º 1

Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano. Ficha T. Prática n.º 1 Análise Inteligente de Dados Objectivo: Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano Ficha T. Prática n.º 1 Estudo do paradigma multidimensional com introdução de uma extensão ao diagrama E/R

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI Business Intelligence

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

Como tornar o seu. Maribel Yasmina* Isabel Ramos*

Como tornar o seu. Maribel Yasmina* Isabel Ramos* Os sistemas de Business Intelligence são imprescindíveis a decisores dinâmicos e motivados para aproveitar as oportunidades que uma sociedade em transformação rápida pode oferecer Maribel Yasmina* Como

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software Neste artigo é apresentado um conjunto de regras de desenho um padrão de desenho universal associado ao princípio fundamental e aos requisitos axiomáticos.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Capítulo. Sistemas de apoio à decisão

Capítulo. Sistemas de apoio à decisão Capítulo 10 1 Sistemas de apoio à decisão 2 Objectivos de aprendizagem Identificar as alterações que estão a ter lugar na forma e função do apoio à decisão nas empresas de e-business. Identificar os papéis

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais