Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby."

Transcrição

1 496 Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby. X Salão de Iniciação Científica PUCRS Randhall Bruce Kreismann Carteri 1, Eraldo Pinheiro 2, Giovani Cunha 1, Katiuce Zapata 1, Jocelito Martins 1, André Luis Lopes 1 (orientador) 1 Laboratório de Pesquisa do exercício, Faculdade de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Resumo Introdução: As características fisiológicas, antropométricas e nutricionais são de fundamental importância para a identificação das características e necessidades que os diferentes esportes exigem. No Brasil o perfil do atleta de Rugby não foi estudado de maneira que possamos ter parâmetros fisiológicos antropométricos e nutricionais de praticantes deste esporte que é um dos que mais cresce no mundo e no Brasil. Objetivo: Descrever o perfil antropométrico, fisiológico e nutricional de atletas de rugby. Métodos: 20 jogadores de Rugby da equipe campeã estadual de 2008, do Rio Grande do Sul, foram divididos em dois grupos de 10 indivíduos conforme sua posição, Forwards (n=10) e Backs (n=10). Através de um protocolo máximo de rampa foi avaliado o consumo máximo de oxigênio (Vo 2máx ) por meio de ergoespirometria de circuito aberto, a composição corporal utilizando-se de dobras cutâneas (compasso Langue) e conduta nutricional por recordatório alimentar. Resultados: Os dados são apresentados como média ± desvio padrão, para isso utilizou-se o pacote estatístico SPSS 13.0 for Windows. Os valores para o Vo 2máx para os Backs foi de 54,2 ± 4,3 ml.kg -1. min -1, e para os Forwards de 45,8 ± 3,8 ml.kg -1.min -1. A massa corporal total foi de 76,4 kg ± 6,99 e 96,3 kg ± 14,11 para Backs e Forwards, respectivamente. Os valores de % de gordura foram de 14,77% ± 4,6 para Backs e 30,1% ± 5,8 para Forwards, a massa magra apresentou valores de 64,8kg ± 5,8 Backs e 66,8 kg ± 6,3 para Forwards. Em relação a conduta nutricional, não foram encontradas diferenças, sendo o consumo energético médio de 3210,33 ± 214,17 kcal/dia e 3368,9 ± 961,74 kcal/dia respectivamente nos grupos dos Backs e Forwards. O percentual de macronutrientes foi de 47,53% e 49,13% de carboidratos, 24,68 e 22,06% de proteínas e 27,79 e 28,81% de lipídios, respectivamente para os Backs e Forwards.

2 497 Conclusão: Nossos dados vão ao encontro de estudos internacionais, os quais mostram que há uma diferença entre os jogadores Backs e Forwards no que concerne V0 2máx e composição corporal. No entanto, foi encontrado um consumo de carboidratos abaixo do recomendado, o que pode influenciar no desempenho desses atletas, devendo se ter uma maior atenção a dieta desses jogadores. Para se obter o maior desempenho possível durante as partidas e treinamentos. Introdução As características fisiológicas, antropométricas e nutricionais são de fundamental importância para a identificação das características e necessidades que os diferentes esportes exigem. O Rugby é caracterizado como um esporte para diferentes proporções físicas e características fisiológicas. Cada posição requer um conjunto distinto de aptidões físicas e atributos técnicos. Os Forwards necessitam de potência física e os Backs de velocidade e agilidade. (IRB, 2008; NICHOLAS, 1997; SCOTT et al., 2002). Os Backs são atletas caracterizados pela literatura por possuírem uma capacidade aeróbia (VO 2max ) bem desenvolvida (DACRES & MANNINGS, 1998), composição corporal com índices de % de gordura baixo. Os Forwards são caracterizados por uma capacidade de produção de força, índices de % de gordura e massa muscular maiores que o primeiro grupo. No Brasil, o Rugby é praticado desde 1896, mas a sua disseminação é recente, porém sua prática vem aumentando de maneira rápida em todo o território nacional. Não foram encontrados estudos nacionais buscando caracterizar este esporte e seus praticantes. Sendo assim, até o momento, para nosso conhecimento, este é o primeiro trabalho de caracterização fisiológica, antropométrica e nutricional de jogadores de Rugby no Brasil, o que pode vir a contribuir ainda mais para o desenvolvimento do esporte no território nacional. Metodologia Vinte atletas amadores de Rugby provenientes da equipe campeã estadual gaúcha de 2008 foram voluntários no estudo. Os atletas foram divididos em dois grupos conforme sua função no jogo, sendo então divididos em Backs (n=10) e Forwards (n=10). Os atletas passaram por adaptação a esteira e aos equipamentos de ergoespirometria. Posteriormente, os atletas realizaram o alongamento e aquecimento de 5 minutos em velocidade confortável, para então iniciar o teste de esforço máximo para analise do VO 2max,

3 498 foram realizados testes de esforço voluntário máximo em esteira ergométrica (Quinton Instruments, Seatle-USA), com velocidade inicial de 7km/h e incrementos de velocidade de 0,5km/h a cada 30 segundos até a exaustão. Os gases consumidos durante o teste foram captados e analisados utilizando um ergoespirometro da MedGraphics Cardiorespiratory Diagnostic Systems, modelo CPX-D. A composição corporal foi realizada utilizando plicometro (Langue), sendo as marcações dos locais e a técnica de tomada das dobras seguindo os padrões da Sociedade Internacional para o Avanço da Kinanthropometry (ISAK, 2001), e os testes de antropometria foram aplicados por indivíduos capacitados pela Sociedade Internacional para o Avanço da Cineantropometria formados em nível 1 e 2, que utilizaram as conformidades sugeridas pelos protocolos da ISAK (ISAK, 2001). Os cálculos da composição corporal se valeram do protocolo de Thorland & Cols (1984). O perfil nutricional foi traçado através da aplicação de um relatório alimentar de 24h, utilizando como padrão o dia da semana antecedente ao teste. Para a análise dos dados nutricionais, utilizou-se o programa de Apoio a Nutrição NUTWIN (Versão ) da Universidade Federal de São Paulo. Os dados foram analisados como média e desvio padrão usando o programa SPSS Resultados e Discussão Os resultados obtidos nas avaliações antropométricas e de VO 2max foram expressos por média e desvio padrão e são apresentados na Tabela 1. Os Forwards apresentaram Peso, % de Gordura e Kg de Gordura significativamente maior que os Backs (p< 0.05), enquanto os Backs apresentaram VO 2max significativamente maior que os Forwards(p< 0.05). Os valores de VO 2máx de jogadores profissionais de Rugby já foram descritos em outros estudos realizados em diversos países, sendo os valores de média de VO 2máx desses estudos em torno de 48,6 e 62,6 ml. kg-1. min -1, mostrando uma evidente variação entre os praticantes, de acordo com as características de função no jogo (GABBETT, 2000). Estudos que avaliaram jogadores amadores de Rugby mostraram que estes apresentam valores menores de VO 2máx quando comparados com jogadores profissionais, sendo essa diferença em torno de 20% á 42% (GABBETT, 2002). A observação de um menor VO 2máx em atletas amadores de Rugby quando comparados a jogadores de nível profissional, pode ser explicado pela baixa carga de horas dedicadas ao treinamento físico por parte dos primeiros. De fato, a carga horária de treinamento de jogadores amadores era entre 30% a 53% mais baixa quando comparado com jogadores profissionais, que obtinham 5 a 7,5 horas de treinamento (GABBETT, 2000).

4 499 Nossos dados vão ao encontro de estudos internacionais, os quais mostram que há uma diferença entre os jogadores Backs e Forwards no que concerne VO 2max e composição corporal (BELL 1995, QUARRIE, 1996; TONG, 2001; BROOKS, 2005), mostrando que mesmo em nível amador e em diferentes países o Rugby mantém características fisiológicas e de composição corporal específicas conforme a necessidade do esporte. O valor energético total (VET) da dieta, e a distribuição dos macronutrientes em percentual e em g/kg de peso corporal para carboidratos (%CHO, CHO g/kg), proteínas (%PTN, PTN g/kg) e lipídios (%LIP, LIP g/kg) são apresentados na tabela 2, sendo os valores distribuídos conforme as posições dos atletas durante a partida de Rugby. Não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos. Esses valores referentes à distribuição energética e de macronutrientes não seguem os parâmetros da SBME com relação à distribuição adequada dos mesmos para um melhor desempenho de atletas em treinamento ou competição. Isso sugere que deve se reavaliar a composição da dieta e a distribuição de macronutrientes para essa população. Backs (n=10) Média±DP Peso 76,4±6,99 Forwards (n=10) Média± DP 96,3±14,11* %Gordura 14,77±4,62 30,01±5,87* kg Gordura 11,39±4,12 29,42±10,06* kg Massa Magra 64,85±5,48 66,88±6,39 Vo 2máx Tabela 1: Valores de composição corporal e Vo 2máx. * Significativamente Maior p< ,23±4,36* 45,86±3,83

5 500 Backs (n=10) Média±DP Forwards (n=10) Média± DP VET 3210,33±214, ,99±961,74 %CHO 47,53±7,07 49,13±4,39 CHO g/kg 4,84±0,76 4,30±1,09 %PTN 24,68±3,84 22,06±3,48 PTN g/kg 2,53±0,56 1,93±0,58 %LIP 27,79±4,55 28,81±3,85 LIP g/kg 1,27±0,26 1,12±0,34 Tabela 2: Valor energético total (VET) da dieta, e distribuição dos macronutrientes Não foram encontradas diferenças (p<0.05) Conclusão Esse estudo demonstra que a composição corporal e o VO 2max de atletas amadores de Rugby difere de acordo com sua posição no jogo. No entanto, de acordo com os recordatórios alimentares analisados, foi encontrado um consumo de carboidratos abaixo do recomendado, o que pode influenciar no desempenho desses atletas. Estes valores nutricionais devem seguir um balanceamento mais adequado para que se possa obter o maior desempenho possível durante as partidas e treinamentos. Fica clara a necessidade de estudos avaliando um maior número de atletas e que permitam comparações entre outras equipes de Rugby do território nacional para que se tenha a representatividade mais homogenia do Rugby no Brasil. Referências BELL, W. The estimation of body density in rugby union football players. British Journal of Sports Medicine. Vol. 29, No. 1 (1995), pp BROOKS, J.H.M., FULLER, C.W., KEMP, S.P.T., REDDIN, D.B. A prospective study of injuries and training amongst the England 2003 Rugby World Cup squad. British Journal of Sports Medicine. vol. 39, Nº1 (2005), pp DACRES-MANNINGS, S., ROCHESTER, S., FRAIL, H. ANTHROPOMETRIC PROFILES OF AUSTRALIAN RUGBY INSTITUTE, CLUB AND STATE LEVEL RUGBY UNION PLAYERS. Austrália. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2009

6 501 GABBETT, T. J.; Physiological characteristics of junior and senior rugby league players; British Journal of Sports Medicine. Vol. 36, Nº1 (2002), pp GABBETT, T.J. Physiological and anthropometric characteristics of amateur rugby league players. British Journal of Sports Medicine. Vol. 34, No. 1 (2000), pp INTERNATIONAL RUGBY BOARD. Guia dos Principiantes do Rugby Union, Dublin, Ireland, NICHOLAS, C. W.; Antropometric and physhiological characteristics of rugby union football players; Sports Med. 1997, Jun;23(6): QUARRIE, K. L., HANDCOCK, P., TOOMEY, M. J., WALLER, A. E. The New Zealand rugby injury and performance project. IV. Anthropometric and physical performance comparisons between positional categories of senior A rugby players. British Journal of Sports Medicine. Vol. 30, Nº1 (1996), SCOTT, A.C., ROEB, N., COATS, A.J.S., PIEPOLI, M. Aerobic exercise physiology in a professional rugby union team. International Journal of Cardiology. Volume 87, Nº 3 (2003), pp SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA DO ESPORTE (SBME). Diretriz da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 9, Nº2 (2003), pp.1-13.

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA CONSUMO ALIMENTAR DE JOGADORES DE RUGBY SEVENS DA UFLA RONALDO DA SILVA JÚNIOR 1, WILSON CÉSAR DE ABREU 2, JANINA DE SALES GUILARDUCCI 3, RAFAEL DA CUNHA MÂNGIA 4, PEDRO HENRIQUE BIGARDI 5 RESUMO: O rugby

Leia mais

Incidência de lesões na prática do rúgbi amador no Brasil Incidence of injuries in the practice of amateur rugby in Brazil

Incidência de lesões na prática do rúgbi amador no Brasil Incidence of injuries in the practice of amateur rugby in Brazil Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.2, p.131-5, abr./jun. 2008 ISSN 1809-2950 Incidência de lesões na prática do rúgbi amador no Brasil Incidence of injuries in the practice of amateur rugby in

Leia mais

Check-up Performance

Check-up Performance A Saúde pelo Esporte é nosso lema maior. É o nosso ponto de partida e também nosso norteador. Dr. Felix Abuquerque Drummond Parceria REMOSUL O INSTITUTO O Instituto de Medicina do Esporte - IME é um centro

Leia mais

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO Marcelo Ribeiro Ramos, Faculdade de Minas FAMINAS,

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil Mezzaroba, Paulo Victor; Trindade, Camila de Fátima; Andrade Machado, Fabiana

Leia mais

FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ. Educação Física - Bacharelado BRAULIO RAMOS EZEQUIEL GUILHERME DIAZ BALBO VINICIUS VIEIRA DE SOUSA

FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ. Educação Física - Bacharelado BRAULIO RAMOS EZEQUIEL GUILHERME DIAZ BALBO VINICIUS VIEIRA DE SOUSA FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ Educação Física - Bacharelado BRAULIO RAMOS EZEQUIEL GUILHERME DIAZ BALBO VINICIUS VIEIRA DE SOUSA PERFIL ANTROPOMETRICO DOS PRATICANTES DE RUGBY DA REGIÃO DO

Leia mais

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE Tiago de Oliveira Santos 1 ; Renato Aparecido de Souza 1 LAFIPE/Faculdade Educação

Leia mais

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica 224 AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ATLETAS DE RUGBY Fabiana Guerreiro dos Santos 1, Luciana Rossi 2 RESUMO Introdução: Tanto forwards quanto backs possuem estrutura antropométrica decisiva para o sucesso

Leia mais

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica 394 ANÁLISE DE MACRONUTRIENTES E ÍNDICE GLICÊMICO CONSUMIDOS NAS REFEIÇÕES ANTES, DURANTE E APÓS O TREINO POR ATLETAS DE FUTEBOL PROFISSIONAL DE CAMAQUÃ-RS Thamires Graciela Flores 1, Karen Mello de Mattos

Leia mais

Características Fisiológicas e Antropométricas de Jogadores Amadores de Rugby

Características Fisiológicas e Antropométricas de Jogadores Amadores de Rugby Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Curso de Bacharelado em Educação Física Ricardo Tannhauser Sant Anna Características Fisiológicas e Antropométricas de Jogadores Amadores

Leia mais

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011.

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. 1 ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. INTRODUÇÃO RAFAEL DAMASCENO OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa Viçosa MG- Brasil

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

Palavras-chave: Futebol. Preparação física. Diferentes Posições.

Palavras-chave: Futebol. Preparação física. Diferentes Posições. DIFERENTES POSIÇÕES DO FUTEBOL DE CAMPO E A ESPECIFICIDADE DA PREPARAÇÃO FÍSICA Jaemyeong Shin Sônia Beatriz da Silva Gomes RESUMO A preparação física no futebol é implantada em qualquer atividade referente

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais

Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais LEANDRO CLARO DOS SANTOS Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

Avaliação nutricional de atletas juvenis de handebol feminino

Avaliação nutricional de atletas juvenis de handebol feminino 5 ARTIGO Avaliação nutricional de atletas juvenis de handebol feminino Ana Gabriela Muraro Leme ¹ Camila Emi Kuada ¹ Marcia Nacif ² Vanessa Reis ³ ¹ Alunas do Curso de Nutrição do Centro Universitário

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PRÁTICAS ALIMENTARES, PERFIL NUTRICIONAL E USO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS EM ATLETAS DE RÚGBI

AVALIAÇÃO DE PRÁTICAS ALIMENTARES, PERFIL NUTRICIONAL E USO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS EM ATLETAS DE RÚGBI 1 AVALIAÇÃO DE PRÁTICAS ALIMENTARES, PERFIL NUTRICIONAL E USO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS EM ATLETAS DE RÚGBI EVALUATE THE PRACTICAL USE OF FOOD AND NUTRITIONAL SUPPLEMENTS IN ATHLETES RUGBY ¹ Kely Cristina

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR Daniele Aparecida Capelato 1 ; Bruno Guilherme Morais Pagan 2 ;

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Nut. Cláudia Dornelles Schneider Prof. Adj. Depto. de Nutrição Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Porto Alegre, RS, Brasil Janeiro de 2013 Nutrição Esportiva últimas 2 décadas

Leia mais

CONSUMO DE PROTEÍNA POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO QUE OBJETIVAM HIPERTROFIA MUSCULAR

CONSUMO DE PROTEÍNA POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO QUE OBJETIVAM HIPERTROFIA MUSCULAR CONSUMO DE PROTEÍNA POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO QUE OBJETIVAM HIPERTROFIA MUSCULAR CLÍNICA MÉDICA DO EXERCÍCIO E DO ESPORTE PROTEIN CONSUMPTION BY BODYBUILDING PRACTITIONERS AIMING MUSCLE HYPERTROPHY

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

ALTERAÇÕES DA RESISTÊNCIA AERÓBIA EM JOVENS FUTEBOLISTAS EM UM PERÍODO DE 15 SEMANAS DE TREINAMENTO

ALTERAÇÕES DA RESISTÊNCIA AERÓBIA EM JOVENS FUTEBOLISTAS EM UM PERÍODO DE 15 SEMANAS DE TREINAMENTO ALTERAÇÕES DA RESISTÊNCIA AERÓBIA EM JOVENS FUTEBOLISTAS EM UM PERÍODO DE 15 SEMANAS DE TREINAMENTO CHANGES IN AEROBIC ENDURANCE OF YOUNG FOOTBALL PLAYERS IN A FIFTEEN-WEEK PERIOD TRAINING Juvenilson de

Leia mais

Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil

Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil 248 ARTIGO Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil Anderson Leandro Peres Campos Gregore Iven Mielke

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Associação entre as cargas de treino impostas a jogadores amadores de rugby sevens e a síndrome de burnout

Associação entre as cargas de treino impostas a jogadores amadores de rugby sevens e a síndrome de burnout Motricidade Fundação Técnica e Científica do Desporto 2014, vol. 10, n. 2, pp. 25-35 http://dx.doi.org/10.6063/motricidade.10(2).2592 Associação entre as cargas de treino impostas a jogadores amadores

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil POTTES MACIEL, WAGNER; LUCIA CAPUTO, EDUARDO; COZZENSA DA SILVA, MARCELO

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

Objetivo. Um exemplo de como os Valores do Esporte. colaboram na complementação da formação. acadêmica e profissional do cidadão

Objetivo. Um exemplo de como os Valores do Esporte. colaboram na complementação da formação. acadêmica e profissional do cidadão POLI RUGBY Objetivo Um exemplo de como os Valores do Esporte colaboram na complementação da formação acadêmica e profissional do cidadão Agenda RUGBY e seus valores O caso POLI RUGBY Plano Estratégico

Leia mais

EFEITOS DO EXERCÍCIO EM JEJUM NA COMPOSIÇÃO CORPORAL JONATHAN DANIEL TELLES THIAGO SILVEIRA MARTA LEANDRO PASCHOALI RODRIGUES GOMES

EFEITOS DO EXERCÍCIO EM JEJUM NA COMPOSIÇÃO CORPORAL JONATHAN DANIEL TELLES THIAGO SILVEIRA MARTA LEANDRO PASCHOALI RODRIGUES GOMES EFEITOS DO EXERCÍCIO EM JEJUM NA COMPOSIÇÃO CORPORAL JONATHAN DANIEL TELLES THIAGO SILVEIRA MARTA LEANDRO PASCHOALI RODRIGUES GOMES LINS - SP 2009 RESUMO O treinamento aeróbio em jejum ainda é uma prática

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

TESTE DE RESISTÊNCIA DE FORÇA ISOMÉTRICA E DINÂMICA NA BARRA COM O JUDOGI

TESTE DE RESISTÊNCIA DE FORÇA ISOMÉTRICA E DINÂMICA NA BARRA COM O JUDOGI TESTE DE RESISTÊNCIA DE FORÇA ISOMÉTRICA E DINÂMICA NA BARRA COM O JUDOGI Emerson Franchini, Carlos Eduardo Bispo de Souza, Regina Urasaki, Rodrigo da Silva Fermino de Oliveira, Felipe Sauressig, Luciano

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO 1. CURSO: Pós-graduação em Nutrição Esportiva aplicada à saúde, estética e desempenho físico. 1.1 Área de Conhecimento:

Leia mais

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS.

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. Leandro Mateus Pagoto Spigolon 1, João Paulo Borin 1, Gerson dos Santos Leite 1, Carlos Roberto Pereira Padovani 2, Carlos

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Thiago Onofre Freire

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Thiago Onofre Freire NUTRIÇÃO ESPORTIVA Thiago Onofre Freire Nutrição Esportiva Prevenção de doenças Desempenho Atlético Estética Nutrição Esportiva Desempenho / Performance / Estética 1941 História História 1943 / Recomended

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL MOTIVACIONAL DE UNIVERSITÁRIOS PRATICANTES DE RUGBY: UFTM/ UBERABA-MG

ANÁLISE DO PERFIL MOTIVACIONAL DE UNIVERSITÁRIOS PRATICANTES DE RUGBY: UFTM/ UBERABA-MG Recebido: 03/09/2012 Emitido parece: 17/09/2012 Artigo original ANÁLISE DO PERFIL MOTIVACIONAL DE UNIVERSITÁRIOS PRATICANTES DE RUGBY: UFTM/ UBERABA-MG RESUMO Caio Márcio Barbosa 1 ; Kermit Júnior da Silva

Leia mais

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA Ementa Nutrição na atividade física: A atividade física na promoção da saúde e na prevenção e recuperação da doença. Bases da fisiologia do exercício e do metabolismo energético

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DO TREINO Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior PEDRO MIGUEL MOREIRA DA SILVA Coimbra

Leia mais

Exigências motoras. 2 Coordenativas. 1 Condicionantes. Mobilidade Agilidade Velocidade. Resistência Força

Exigências motoras. 2 Coordenativas. 1 Condicionantes. Mobilidade Agilidade Velocidade. Resistência Força Exigências motoras 1 Condicionantes Resistência Força 2 Coordenativas Mobilidade Agilidade Velocidade 1 Resistência!" #!" #!" #!" # Endurance Força! % " #$% " & ' () " '(*' ) $!" # $#% # $#% 2 #%&' ( '

Leia mais

Artigo Original ISSN: 1983-7194

Artigo Original ISSN: 1983-7194 ISSN: 1983-7194 de diferentes cidades do interior de Minas Gerais Food consumption of athletes of futsal of different cities of inside of Minas Gerais Quintão DF 1 ; Oliveira GC 2 ; Silva SA 3 ; Marins

Leia mais

Perfil antropométrico e fisiológico de atletas de futsal da categoria sub-20 e adulta

Perfil antropométrico e fisiológico de atletas de futsal da categoria sub-20 e adulta Motricidade FTCD/FIP-MOC 2012, vol. 8, n. 4, pp. 62-70 doi: 10.6063/motricidade.8(4).1553 Perfil antropométrico e fisiológico de atletas de futsal da categoria sub-20 e adulta Anthropometrical and physiological

Leia mais

TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS CORAÇÃO

Leia mais

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento Medicina Esportiva da reabilitação ao alto rendimento K4b 2 - Ergoespirômetro Portátil Precisão e confiança em qualquer lugar O K4b 2 é o pioneiro e ainda líder de mercado como sistema portátil para análise

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO

RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO (RELATIONSHIP BETWEEN FLEXIBILITY AND STRENGTH OF LOWER LIMB IN MALE ATHLETES OF FUTSAL) Fauler Fernandes Pereira

Leia mais

1) Introdução. 2) A Evolução da Nutrição Esportiva

1) Introdução. 2) A Evolução da Nutrição Esportiva 1) Introdução Pesquisas sobre o papel da nutrição no exercício e no esporte tem crescido substancialmente ao longo dos anos. Hoje, não restam dúvidas de que a nutrição exerce papel vital no desempenho

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas 1 O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas Resumo: O professor de Educação Física tem uma grande importância na prevenção de lesões em atletas, se o mesmo respeitar os

Leia mais

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO NÍVEL COMPETITIVO CONFORME A FUNÇÃO TÁTICA DESEMPENHADA NO JOGO

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO NÍVEL COMPETITIVO CONFORME A FUNÇÃO TÁTICA DESEMPENHADA NO JOGO 30 Rev. Bras. Cine. Des. Hum. Queiroga et al. ISSN 1415-8426 Artigo original Marcos Roberto Queiroga 1 Sandra Aires Ferreira 2 Marcelo Romanzini 3 PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. TAEKWONDO II 32 2. HISTÓRIA E FILOSOFIA DO TAEKWONDO 4 3. REGRAS DE ARBITRAGEM: COMBATES E POOMSAES 4 4. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Departamento de Fisiologia Curso: Educação Física NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Aluno: Anderson de Oliveira Lemos Matrícula: 9612220 Abril/2002 Estrutura de Apresentação Líquidos Eletrólitos Energia

Leia mais

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica 324 INGESTÃO ENERGÉTICA E DE MACRONUTRIENTES EM JOGADORES DE FUTEBOL Fernanda Pezzi 1, Cláudia Dornelles Schneider 2 RESUMO O objetivo deste estudo foi avaliar a ingestão energética e a distribuição de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075

Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075 Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075 Exercício Físico x Atividade Física Atividade Física: é qualquer movimento do corpo, produzido pelo músculo esquelético que resulta em um

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

www.receitasganharmassamuscular.com

www.receitasganharmassamuscular.com Esse e-book é oferecido como bônus na compra do e- book Receitas Anabólicas no site: www.receitasganharmassamuscular.com INTRODUÇÃO Nesse e-book você vai aprender a montar uma dieta para musculação personalizada,

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DO TREINAMENTO DE KARATE NA FLEXIBILIDADE DE MEMBROS INFERIORES

TÍTULO: EFEITO DO TREINAMENTO DE KARATE NA FLEXIBILIDADE DE MEMBROS INFERIORES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITO DO TREINAMENTO DE KARATE NA FLEXIBILIDADE DE MEMBROS INFERIORES CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Maio 2012 A BDO é a quinta maior empresa de auditoria e consultoria do Brasil, e realiza estudos e análises sobre a Indústria do Esporte, por meio de sua

Leia mais

Índice de Qualidade da Dieta

Índice de Qualidade da Dieta Veris Faculdades Curso de Nutrição Avaliação Nutricional II Índice de Qualidade da Dieta O estudo da dieta com suas diversas combinações de alimentos, mais do que o consumo de itens alimentares individuais

Leia mais

ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO.

ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO. ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO. Roberto Fernandes da Costa (Prof. Curso de Ed. Física da USP)

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO DE INSTRUTORES QUE ATUAM EM ACADEMIAS WILSON CÉSAR DE ABREU 1, ALESSANDRA BOUERI LAZARINI 2, CARLA MICHELLE FERREIRA DE ABREU 3 RESUMO: O presente

Leia mais

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal?

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Roberto Fernandes da Costa Mestrando em Educação Física da Escola de Educação Física e Esporte da USP E-mail: costa2001@fitmail.com.br Esta é

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Exercícios além da academia

Exercícios além da academia Exercícios além da academia Pilates É uma modalidade de atividade física realizada em aparelhos, bolas e no solo, que proporciona fortalecimento muscular, aumento da flexibilidade e correção da postura.

Leia mais

Nome do Produto: 100% Whey Protein Gold Standard - Optimum Nutrition

Nome do Produto: 100% Whey Protein Gold Standard - Optimum Nutrition Nome do Produto: 100% Whey Protein Gold Standard - Optimum Nutrition Apresentação do Produto: Potes 2lbs, 5lbs e 10lbs Descrição do Produto: 100% Whey Protein é derivado do soro do leite (livre de lactose)

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS DURANTE UMA TEMPORADA REGULAR

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS DURANTE UMA TEMPORADA REGULAR Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Educação Física e Desportos Dhiego Gustavo Ferreira Torga Liliane Cunha Aranda INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS

Leia mais

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos?

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos? 1. Introdução Educar para uma alimentação saudável é essencial na tentativa de ajudar os jovens a tornar as escolhas saudáveis escolhas mais fáceis. Educar para comer bem e de uma forma saudável, constitui

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Suplementos Nutricionais P e Rs

Suplementos Nutricionais P e Rs Suplementos Nutricionais P e Rs Porque que é que a utilização de suplementos pelos atletas representa um problema? Em muitos países, a produção de suplementos nutricionais não está adequadamente regulada

Leia mais

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano ISSN 1415-8426

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano ISSN 1415-8426 Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano ISSN 1415-8426 Artigo original Francimara Budal Arins 1,2 Rosane Carla Rosendo da Silva 1,2 INTENSIDADE DE TRABALHO DURANTE OS TREINAMENTOS COLETIVOS

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais